A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA"

Transcrição

1 A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA NEVES, Madalena; LEITE, Sónia; ALVES, Susana RESUMO A traça da uva é uma praga-chave na Região Demarcada da Bairrada, sendo responsável pela aplicação de um número elevado de insecticidas e por elevados estragos e prejuízos, com implicações a nível do ecossistema agrário, do ambiente e da qualidade dos vinhos da Região. Avaliou-se a importância da realização da estimativa do risco e do posicionamento dos tratamentos, em função das características dos insecticidas, como pontos indispensáveis numa estratégia de luta bem sucedida. PALAVRAS CHAVE: traça da uva; Estimativa do risco; posicionamento dos tratamentos. ABSTRACT Grape vine moth is a Key-pest in Bairrada s Region, its responsable for a great number of insecticid treatments and a large amount of production losts, with great environmental damages. The importance of a correct evaluation of the pest and its means of control, seems like relevant points for an sucessfull control. KEYWORDS: Grape vine moth; pest evaluation; insecticide treatments position. INTRODUÇÃO: A traça da uva é uma praga-chave na Região Demarcada da Bairrada, sendo responsável pela aplicação de um número elevado de insecticidas e por elevados estragos e prejuízos, com implicações a nível do ecossistema agrário, do ambiente e da qualidade dos vinhos da Região. Assim, afigura-se importante conhecer e identificar as principais limitações no combate a este inimigo tais como: realização da estimativa do risco, a aferição do Nível Económico de Ataque, as características dos pesticidas homologados e o seu posicionamento numa estratégia de luta, que se pretende seja económica e ecologicamente sustentável. OBJECTIVO: O presente trabalho pretende ser um modesto contributo para o combate / controlo de traça da uva na Região Demarcada da Bairrada, analisando a diferença entre duas estratégias de luta contra este inimigo. Uma com recurso a insecticidas do grupo dos aceleradores de muda e a outra a larvicidas. Nesta última pretendeu-se também contribuir para a aferição do Nível Económico de Ataque da traça

2 da uva à 1ª geração, embora por motivos inerentes ao comportamento do inimigo no corrente ano, se tivesse transferido para a 2ª geração e sua relação com podridão cinzenta. 1 1 APIBAIRRADA Associação de Protecção e Produção Integrada da Bairrada Rua do Cabecinho Anadia

3 MATERIAL: Localização da parcela: Mealhada Área: 1.5 ha Casta: Bical Compasso: 2.6 x 1.1 m DELINEAMENTO EXPERIMENTAL: 5 modalidades: Modalidade 1 Insecticida do grupo MAC -1 grupo químico: Diacilhidrazina Modalidade 2 Insecticida do grupo MAC - 2 Bayer Modalidade 3 1 % de cachos atacados larvicida - Organofosforado Modalidade 4 2% de cachos atacados - larvicida - Organofosforado Modalidade 5 Testemunha 3 Repetições por modalidade: 5 grupos de 5 videiras por repetição; 2 inimigos traça da uva e podridão cinzenta 2 observações por inimigo e por videira. METODOLOGIA Foram delimitadas 5 zonas na parcela, correspondendo às 5 modalidades em estudo. Em cada modalidade foram marcados 15 grupos de 5 videiras distribuídos aleatoriamente pela área da modalidade, 5 grupos por repetição, num total de 75 grupos. A evolução da intensidade de ataque da traça da uva e podridão cinzenta foi efectuada com periodicidade semanal. Foi instalada uma armadilha sexual para monitorização dos adultos e em cada videira foram observados 2 cachos, dos mais desenvolvidos e do interior do coberto, e anotado o número de cachos com presença de traça da uva (ovos, lagartas e perfurações) e a percentagem de cacho atacado com podridão cinzenta. O tratamento com os insecticidas do grupo dos MAC teve lugar a 9 de Junho, ao início das eclosões da 2ª geração. Enquanto que o tratamento com o larvicida teve lugar quando o resultado da estimativa de risco foi de 1 % de cachos atacados - 17 de Junho - e de 2 % cachos atacados - 24 de Junho, sendo utilizadas as doses recomendadas pelo fabricante. À colheita foi avaliada a produção por videira e a percentagem de podridão existente.

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO: A figura que se segue mostra a curva de voo da traça da uva na parcela no período em que decorreu o presente estudo. CURVA DE VÔO DE TRAÇA DA UVA Abr 21-Abr 28-Abr 5-Mai 12-Mai 19-Mai 26-Mai 2-Jun 9-Jun 16-Jun 23-Jun 3-Jun 7-Jul 14-Jul 21-Jul 28-Jul 4-Ago 11-Ago nº de adultos capturados 18-Ago 25-Ago Figura 1 Curva de vôo da traça da uva na parcela. O 1º vôo foi muito irregular, dependendo em grande parte das condições climatéricas que se fizeram sentir. Por outro lado, verificou-se um desfasamento com o desenvolvimento vegetativo da cultura, o final do vôo foi coincidente com a proximidade dos estados fenológicos H-I (botões florais separadosfloração). Durante a 2ª e 3ª gerações a evolução da intensidade de ataque da traça da uva foi a seguinte. ESTIMATIVA DO RISCO - TRAÇA DA UVA % de cachos atacados AM1 AM2 1% 2% Test. 2/6-6/6 9/6-13/6 16/6-2/6 23/6-27/6 3/6-4/7 7/7-11/7 14/7-18/7 21/7-25/7 28/7-1/8 Data Figura 2 Estimativa do risco traça da uva 23

5 Duas semanas após o início do voo foram detectados os primeiros cachos atacados. Tendo-se observado um maior número de cachos atacados nas duas semanas após o pico de vôo. Como se pode verificar na figura anterior a diferença entre os insecticidas MAC (aplicação assinalada pela seta verde) apenas se verifica na 2ª e 3 ª semanas após a aplicação, com uma intensidade de ataque inferior na parcela sujeita à aplicação do MAC 2. Já para as aplicações a 1 e 2% dos cachos atacados (setas a rosa) verifica-se uma diminuição progressiva da intensidade de ataque apenas na aplicação a 1% de cachos atacados. A podridão cinzenta, durante o período a que respeita este ensaio, não teve qualquer importância, mantendo-se sempre com valores muito baixos, próximos de zero, razão pela qual apenas se abordará à colheita. Da avaliação à colheita obtiveram-se as seguintes produções por videira PRODUÇÃO MÉDIA POR VIDEIRA produção (g) AM1 AM2 1% 2% TEST. Modalidades R1 R2 R3 média Figura 3 Produção média por videira. Se analisarmos conjuntamente com a figura referente ao número médio de cachos por videira, que se segue:

6 NÚMERO MÉDIO DE CACHOS POR VIDEIRA Nº de cachos AM1 AM2 1% 2% TEST. Modalidades R1 R2 R3 média Figura 4 Número médio de cachos por videira. Verifica-se que a curva resultante da união da média das repetições tem uma mesma tendência, excepto para as modalidades 2 % e test. Foram também analisados outros dois parâmetros, o peso médio dos cachos e a intensidade de podridão à colheita. PESO MÉDIO DO CACHO peso (g) AM1 AM2 1% 2% TEST. Modalidades R1 R2 R3 média Figura 5 Peso médio do cacho. À excepção da parcela testemunha não se observam diferenças significativas entre as restantes modalidades.

7 INTENSIDADE DE PODRIDÃO CINZENTA 5 % de podridão cinzenta AM1 AM2 1% 2% TEST. Modalidades R1 R2 R3 média Figura 6 Intensidade de podridão cinzenta. Não se observaram diferenças para a intensidade de ataque de podridão cinzenta à colheita para as diferentes modalidades.

8 CONSIDERAÇÕES Do presente estudo podemos dizer: A traça da uva na Bairrada efectua 3 vôos. A aplicação de insecticidas do grupo MAC apresenta-se como uma alternativa no controlo à traça da uva na Região, sendo, no entanto, muito importante o posicionamento do tratamento. Para tal é indispensável a biomonitorização do voo da traça da uva e a realização da estimativa do risco, por observação visual de cachos. Quanto à aferição do NEA da traça da uva à 2ª geração apenas nos parece correcto afirmar que é necessário continuar esta linha de trabalho para as diferentes Regiões. No entanto, pudemos verificar que quanto mais precoce foi a nossa intervenção menor foi a incidência de traça, o que reforça a importância dos produtos de acção ovicida/larvicida numa estratégia de luta contra este inimigo.

Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense. Cluster dos vinhos da Região do Douro

Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense. Cluster dos vinhos da Região do Douro 3/4/2 ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Evolução do ciclo vegetativo - Abrolhamento Branca Teixeira Maria do Carmo Val Cristina Carlos Fernando Alves

Leia mais

ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO

ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO MATA, F.; ALMEIDA, J.M.; PARDAL, H.; RAMALHO, N.; FINO, C. e ROSA, A. ATEVA Associação Técnica dos Viticultores do

Leia mais

Custos associados a uma viticultura sustentável

Custos associados a uma viticultura sustentável Custos associados a uma viticultura sustentável João Garrido & Teresa Mota JORNADAS REGIONAIS, 13 de Abril de 2011 Viticultura sustentável conservação do solo, da água e de recursos genéticos não degradação

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Produção Integrada em vinha Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

O CONTROLO DO BICHADO DA MAÇÃ CYDIA POMONELLA L. (LEPIDOPTERA: TORTRICIDAE) COM RECURSO AO MÉTODO DA CONFUSÃO SEXUAL

O CONTROLO DO BICHADO DA MAÇÃ CYDIA POMONELLA L. (LEPIDOPTERA: TORTRICIDAE) COM RECURSO AO MÉTODO DA CONFUSÃO SEXUAL O CONTROLO DO BICHADO DA MAÇÃ CYDIA POMONELLA L. (LEPIDOPTERA: TORTRICIDAE) COM RECURSO AO MÉTODO DA CONFUSÃO SEXUAL M. I. PATANITA 1, I. C. LOURENÇO 1, S. CAEIRO 1 & E. VARGAS 2 Com 4 tabelas RESUMO.

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO DA VIDEIRA Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO GENÉTICA E SANITÁRIA EM FAVOR DA VITICULTURA PORTUGUESA: 4ª DÉCADA A Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira (PORVID)

Leia mais

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100)

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100) INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Moçambique Fevereiro de 2015 Base: Dezembro de 2010 Instituto Nacional de Estatística Índice de Preços no Consumidor Boletim Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins

Leia mais

ADHESION LEVEL TO THE STRATEGIC PLAN OF CONTROL OF BOLL WEEVIL (Anthonomus grandis) IN DIFFERENT FARMS FROM THE REGION OF IPAMERI, GOIÁS

ADHESION LEVEL TO THE STRATEGIC PLAN OF CONTROL OF BOLL WEEVIL (Anthonomus grandis) IN DIFFERENT FARMS FROM THE REGION OF IPAMERI, GOIÁS NÍVEL DE ADESÃO AO PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE DO BICUDO-DO-ALGODOEIRO (Anthonomus grandis) EM DIFERENTES PROPRIEDADES NA REGIÃO DE IPAMERI, GOIÁS (*) Márcio Antônio de Oliveira e Silva (Fundação GO

Leia mais

Conde. aaguiar@fc.up.pt. mbastos@fe.up.pt. amexia@isa.utl.pt

Conde. aaguiar@fc.up.pt. mbastos@fe.up.pt. amexia@isa.utl.pt Ataques de traça da uva Lobesia botrana em diferentes castas das regiões dos Vinhos Verdes e Douro Aguiar, A. 1 ; Carlos, C. 2 ; Bastos, M.M.S.M. 3 ; Mexia, A. 4 1 CECA/ICETA, Fac. Ciências Univ. Porto.

Leia mais

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian Project IAAPE Pedestrian Accessibility and Attractiveness Indicators: Tool for Urban Walkability Assessment and Management Working Paper No. WP-8 Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Análise de Cenários Econômicos (Disciplina

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Nº Local Duração 9 horas Data a Laboral Pós-Laboral

Leia mais

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

Enquadramento com as políticas de Ecoinovação. Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa

Enquadramento com as políticas de Ecoinovação. Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa Enquadramento com as políticas de Ecoinovação Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa Organização da apresentação Políticas de Eco-Inovação EcoAP Plano de Acção em Eco-Inovação Fundos para Eco-Inovação Parceria

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 1 RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 Pesquisa realizada pelo Uni-FACEF em parceria com a Fe-Comércio mede o ICC (Índice de confiança do consumidor) e PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor)

Leia mais

Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul

Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul Luz, J.P. 1 ; Coutinho, J.P. 1 ; Fragoso, P. 2 ; Nave, A. 3 ; Dias, F. 3 ; Simão, P. 3 ; Antunes, V. 2 ; Veiga, C. 3 ;

Leia mais

PODA MECÂNICA NA VINHA

PODA MECÂNICA NA VINHA PODA MECÂNICA NA VINHA EFEITOS NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE Rogério de CASTRO (1) ; Aurélio CLARO (2) ; Ana RODRIGUES (2) ; António TEIXEIRA (3) ; José MACHADO (3) ; Chiara PIOVENE (1,4) ; Amândio CRUZ

Leia mais

VI GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Tuberaria major EM CONDIÇÕES DE LUZ NATURAL E LUZ ARTIFICIAL

VI GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Tuberaria major EM CONDIÇÕES DE LUZ NATURAL E LUZ ARTIFICIAL VI GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Tuberaria major EM CONDIÇÕES DE LUZ NATURAL E LUZ ARTIFICIAL 6.. INTRODUÇÃO Em algumas sementes, fotodormentes, a luz é um factor determinante para a germinação. O tipo ou

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Protecção Integrada em tomate de indústria: estimativa do risco de lagarta do tomate Helicoverpa armigera

Protecção Integrada em tomate de indústria: estimativa do risco de lagarta do tomate Helicoverpa armigera Protecção Integrada em tomate de indústria: estimativa do risco de lagarta do tomate Helicoverpa armigera Figueiredo, E. 1 ; Amaro, F. 2 ; Godinho, M. 2,3 ; Stilwell, S. 4 ; Albano, S. 2 ; Salvado, E.

Leia mais

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL FASE DE FORMAÇÃO INICIAL Durante o ano de 2003 realizaram-se dois cursos de estágio, o 1º e 2º Curso de Estágio de 2003, os quais foram frequentados por 412 e 711 Advogados Estagiários, respectivamente.

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

DOURO - Uso seguro para os Viticultores

DOURO - Uso seguro para os Viticultores DOURO - Uso seguro para os Viticultores O que queremos dizer quando falamos em Uso Seguro de um produto fitofarmacêutico? Há várias perspetivas segundo as quais podemos abordar este tema, mas do ponto

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais

Condições SMQVU Ambientais

Condições SMQVU Ambientais Condições SMQVU Ambientais O estado do ambiente condiciona decisivamente a qualidade de vida das pessoas. No inquérito realizado à população residente no Porto, em 23, foi pedido aos entrevistados que

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO CADERNO DE CAMPO A SER UTILIZADO NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO INTEGRADA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROPRIETÁRIO Nome: Morada: Nº HF: NIF: Código Postal: - Localidade: Telefone: Telemóvel: Email:

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC)

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) 10 de abril de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível de confiança

Leia mais

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DANOS, POSTURAS E ÍNDICE DE PARASITISMO DE Spodoptera frugiperda (J.E. SMITH) (LEP.: NOCTUIDAE), RELACIONADOS AOS ESTÁDIOS

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013

Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013 Cacau Amêndoa Período: Junho de 2013 Tabela I PREÇO PAGO AO PRODUTOR - Cacau Amêndoa (em US$/ton.). Períodos Anteriores Junho/2013 % Locais Unid. 12 meses 1 mês 1 mês [a] [b] [c] c/a c/b Ilhéus - Bahia

Leia mais

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência 28 Hydro Agosto 29 Equipamentos Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência Marcelo Pohlmann, da Brasworld Consultoria Ambiental, Josué Tadeu Leite França, Carlos

Leia mais

Proteção Integrada das Culturas

Proteção Integrada das Culturas Volume I 2014 Proteção Integrada das Culturas Conceitos e Princípios Gerais MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR DIREÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E VETERINÁRIA PROTEÇÃO INTEGRADA DAS CULTURAS (Ao abrigo da alínea

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014 Epagri www.epagri.sc.gov.br Cristiano João Arioli Epagri Estação Experimental de São Joaquim cristianoarioli@epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014

Leia mais

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Considero que foi um projecto que exigiu um enorme envolvimento de todas as partes que o integraram. Os resultados do projecto são francamente positivos. O

Leia mais

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Do ano vitícola de 2015/2016 destacam-se as condições meteorológicas verificando-se este verão o mais quente desde que existem registos (135 anos). As temperaturas

Leia mais

Cadernos Técnicos ADVID A TRAÇA DA UVA

Cadernos Técnicos ADVID A TRAÇA DA UVA Cadernos 1 A TRAÇA DA UVA Série: Cadernos da Caderno Ténico n o 1 - A Traça da Uva FICHA TÉCNICA Edição: - Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Texto: Cristina Carlos Fotografias:

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Formação de Agricultores na Região centro Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo das ações de formação: Utilização correta no uso e manuseamento

Leia mais

Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura.

Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura. Tuta absoluta A Tuta absoluta é um lepidóptero originário da América do Sul e foi detectada na Península Ibérica em 2006. Esta praga apresenta um enorme potencial reprodutivo, capaz de causar estragos

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Situações de emergência de incêndio na FEUP

Situações de emergência de incêndio na FEUP RELATÓRIO Situações de emergência de incêndio na FEUP MIEEC - ELE305 Hugo Ribeiro (090503141) Jorge Corujas (090503045) Mafalda Machado (090503057) Ricardo Coelho (090503084) Sérgio Moreira (090503125)

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO

PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO SANTINATO, R. ENGENHEIRO AGRÔNOMO, MAPA-PRÓCAFÉ, CAMPINAS, SP MOSCA, E. ENGENHEIRO

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Cesta básica volta a subir em Novembro

Cesta básica volta a subir em Novembro Piracicaba, 03 de dezembro de 2014. Cesta básica volta a subir em Novembro Os preços médios mensais da Cesta Básica de Piracicaba ICB - ESALQ/FEALQ, calculado pela EJEA, têm oscilado nos últimos meses

Leia mais

CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO

CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO Plano de Acção Agro-Florestal para a Fileira Vitivinícola na Região Demarcada do Dão JORGE BRITES, VANDA PEDROSO, SÉRGIO MARTINS e CARLOS SILVEIRA DRAPC Centro

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. Equipe técnica: Dra Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, Pesquisadora Vanderlei

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Benefícios Assistenciais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Benefícios Assistenciais Anexo IV Metas Fiscais IV.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup Mercado Externo Segundo relatório de abril do U.S Departament of Agriculture USDA, a produção de milho dos EUA será 2,8% maior do que na safra anterior, com uma estimativa de produção total de 361,1 milhões

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 O ano vitícola na região Mesa Redonda As castas na sub região do AVE IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 EVAG Área de acção : Sub região do AVE, concelhos de V. N. Famalicão,

Leia mais

Google Adwords. Campanha Placontec Relatório 08/2012 08/2013

Google Adwords. Campanha Placontec Relatório 08/2012 08/2013 Google Adwords Campanha Placontec Relatório 08/2012 08/2013 COZINHA PROFISSIONAL COZINHA INDUSTRIAL RESTAURANTES A nova campanha Adwords da Placontec foi pensada de acordo com os segmentos: Planejamento,

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

CONTROLO DE EROSÃO E AMBIENTE

CONTROLO DE EROSÃO E AMBIENTE CONTROLO R DE EROSÃO E AMBIENTE Pavimentos permeáveis e ecológicos ÍNDICE Geogrelha... 3 Stop ICU... 3 Particularidades da Geogrelha Campos de Aplicação... 6 Especificidades da Geogrelha... Pág. Geogrelha

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA DIOGO MARTINS ROSA LUIZ ANDRÉ MOTTA DE MORAES

Leia mais

Transporte de crianças em automóvel

Transporte de crianças em automóvel Transporte de crianças em automóvel O transporte de crianças encontra-se regulado no artigo 55.º do Código da Estrada. As crianças com menos de 12 anos de idade e menos de 150 cm de altura transportadas

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais