CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA."

Transcrição

1 CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e afins para prestarem consultoria como instrutores. 2. CONTEXTO E JUSTIFICATIVA A execução da referida consultoria envolve a realização de cursos para estudantes de Ensino Técnico, podendo ocorrer nos municípios de Labrea, Manaus e Maniporé/AM; Caceres/MT; Itaituba, Castanhal e Monte Alegre/PA; Caracaraí/RR 3. QUALIFICAÇÃO Será exigida experiência comprovada em manejo florestal no Bioma Amazônia e experiência comprovada como instrutor no ensino formal ou não formal. Além disto, são características desejáveis: - Comunicação clara e objetiva, dinamismo e iniciativa para interagir no ambiente de trabalho com público-alvo (estudantes de curso técnico); - Suas ações devem transmitir confiança e credibilidade; - Afinidade com os objetivos e forma de trabalho da instituição; - Possuir comprometimento com objetivos, metas e realização de tarefas, apresentando resultados satisfatórios. 4. ATIVIDADES O profissional será contratado para ministrar um ou mais cursos conforme sua experiência profissional e deverá ainda elaborar material didático para o mesmo e relatório de atividades.

2 Curso Duração Local Objetivo Manejo Florestal: de Grande Curso de 40 h Estados do PA, AM, Possibilitar aos estudantes conteúdos complementares de formação por meio de Escala (Exploração de Impacto RR e MT capacitação sobre manejo florestal de grande escala (exploração de impacto reduzido Reduzido) e Manejo de Pequena e Manejo Florestal Comunitário familiar), com visita em área com Plano de Manejo Escala (Manejo Florestal Florestal Sustentável, para visualizar atividades pré-exploratórias (delimitação de Comunitário e Familiar) unidade de trabalho e abertura de picadas, inventário florestal, planejamento de infraestruturas); atividades exploratórias (técnicas de corte, planejamento de ramais de arraste, operação de pátio, transporte de toras: fluvial e terrestre) e pósexploratórias, possibilitando aos alunos o contato com os conteúdos referentes à elaboração e execução de Planos de Manejo Florestal Sustentável, e identificação de erros e acertos nas experiências visitadas. Normas de Manejo Florestal Curso de 24 h Estado do AM Oferecer informações sobre a legislação vigente, nas esferas federal e estadual, sobre adequação ambiental, elaboração e licenciamento de Planos de Manejo Florestal em pequena escala. Identificação Botânica Curso de 40 h Estados do MT e PA Capacitar estudantes em procedimentos para identificação botânica e dendrológica, coleta botânica, conservação de material botânico e visita em herbário com acervo significativo (> exsicatas), com atividade de rotina de secagem, prensagem e registro de material botânico. Manejo da Castanha Curso de 40 h Estado do MT Capacitar estudantes em boas práticas de manejo florestal, colheita e pós-colheita da Castanha-do-Brasil e uso de GPS para demarcação de unidades de manejo e árvores para planejamento e colheita florestal.

3 Manejo Florestal de Precisão - MODEFLORA Curso de 16 h Estados do MT e PA Possibilitar aos estudantes noções sobre manejo florestal de precisão por meio de uso da ferramenta Modeflora e GPS em operações florestais. 5. CONTEÚDO CURSOS Curso Manejo Florestal: de Grande Escala (Exploração de Impacto Reduzido) e Manejo de Pequena Escala (Manejo Florestal Comunitário e Familiar) Atividade Carga Horária (horas) Teórico 16 Prático 16 Prático 8 Tema Elaboração de Plano de Manejo em Grande Escala e Pequena Escala Visita à Área com Plano de Manejo Florestal Sustentável em execução Análise crítica do Plano de Manejo Florestal Sustentável visitado Conteúdo Etapas de elaboração do plano de manejo de grande escala e de pequena escala (Manejo Florestal Comunitário e Familiar), com base em considerações específicas de normativas estaduais e federais. Macroplanejamento (seleção das áreas aptas ao manejo florestal, definindo a Unidade de Manejo Florestal - UMF, quantificação de potencial da floresta, viabilidade econômica, definição das Unidades de Produção - UPAs, definição das infraestruturas em geral, definição da estratégia de gerenciamento, quantificação e definição de recursos humanos); Licenciamento; Microplanejamento (demarcação das Unidades de Trabalho - UTs, construção de estradas, Inventário Florestal contínuo e 100%, processamento de dados e mapas e planejamento de infraestrutura); Plano Operacional Anual (POA); Autorização de Exploração (Autex); Fase Pré-exploratória (corte de cipós e estradas secundárias); Fase Exploratória (seleção e marcação das árvores, derruba, demarcação de trilhas de arraste, arraste, operações de pátio e transporte de toras); Relatório de Atividades (órgão licenciador); Fase pós-exploratória (avaliação de danos e desperdícios, tratos silviculturais, manutenção de infraestrutura, proteção florestal e inventário contínuo); e Colheita Florestal (mecanizada ou com tração animal, e meio de transporte de toras, fluvial ou terrestre). Observação e avaliação crítica da prática de um Plano de Manejo Florestal Sustentável em execução, abordando todos os aspectos tratados no módulo teórico do curso (conteúdo do item anterior). Relatório de viagem e Avaliação crítica do Plano de Manejo Florestal Sustentável visitado.

4 Normas de Manejo Florestal Identificação Botânica Teórico 24 Teórico 16 Prático 24 Legislação Ambiental Legislação e licenciamento ambiental específicos de um Plano de Manejo Florestal Sustentável Identificação Botânica e Noções de Dendrologia Herborização Principais Espécies e Famílias Botânicas Arbóreas Herbário Leis Estaduais (Amazonas); Leis Federais; Instruções Normativas e outros instrumentos legais e técnicos envolvidos no processo de licenciamento ambiental de um Plano de Manejo Florestal Sustentável. Análise e conceitos de dendrologia e botânica; Evolução dos estudos dendrológicos; Finalidade e importância dos estudos dendrológicos; Sistemas e unidades de classificação botânica e fitogeográfica; Nomenclatura científica e popular; Métodos e caracteres de identificação; Terminologia referente às partes de uma árvore e suas funções: raiz, caule, folhas, casca externa, casca interna, folhas, espinhos, acúleos, glândulas, domáceas, látex e outras exsudações; Formas de copa e ramificações; Filotaxia: Conhecimento sobre os diferentes padrões de inserção das folhas nos caules e ramos; Classificação das folhas; Forma, margem, ápice e base do limbo; Nervação foliar; Tamanho, consistência e cor das folhas; Pilosidade foliar; Odor e gosto; Pecíolo e ráquis; Terminologia básica da flor: cálice, corola, androceu e gineceu; Tipos de inflorescência; Principais frutos e sementes de longa permanência na floresta que auxiliam na identificação botânica; Principais Famílias Botânicas da Amazônia; Equipamentos e materiais para coletas botânicas e dendrológicas; Procedimentos para registros e coletas de materiais botânicos e dendrológicos; e Processo de herborização: secagem, prensagem, registro e montagem de exsicatas. Atividades práticas de coleta, registro, prensagem e secagem de material vegetal; e Montagem de herbário pessoal. Reconhecimento dendrológico em campo das principais famílias e espécies arbóreas comerciais da região. Visita a herbário, com acervo superior a exsicatas; Conceito, finalidade e importância do herbário e das coleções biológicas particulares e científicas; Principais termos usados em herbário; Tipos de coleção e armazenamento de plantas herborizadas; Processamento, registro, herborização e conservação dos materiais botânicos; Consultas em referências ilustradas; Uso de chaves dicotômicas; Envio de material para consulta de especialista e/ou consulta em herbários.

5 Manejo da Castanha Manejo Florestal de Precisão - MODEFLORA Teórico 16 Prático 24 Teórico/ Prático 16 Informações básicas sobre a Castanha Manejo da Castanha Pós-colheita Demarcação de Unidade de Manejo Florestal e das Árvores Manejo e Beneficiamento da Castanha Introdução ao Manejo de Precisão Introdução ao uso do GPS em operações florestais Botânica (flor, fruto, semente e árvore); Floração e Frutificação; Ecologia de Polinização e Dispersão; Fenologia; Diretrizes Técnicas e sua importância (Legislação); Contexto comercial; Mercado local e regional; Subprodutos; Ocorrência geográfica; Usos; Cadeia Produtiva; e Safra. Identificação, demarcação e mapeamento de áreas produtivas; Noções do uso do GPS; Noções gerais sobre cartografia e geodésica: coordenadas, datum, escalas e nomenclaturas; Cálculo de área, waypoints, tracklogs, rotas, mapas, cartas e imagens de satélite do Google Earth; Navegação em tempo real; Rastreadores; Impressão de mapas e cartas; Comunicação entre GPS e computador para transferência de dados; Visualização, manuseio e processamento de dados; Levantamento do potencial produtivo; Estimativa da produção, Organização da coleta; Ciclo e periodicidade da coleta; Plano de Manejo Florestal Sustentável; Técnicas e ferramentas para coleta; Uso de Equipamento de Proteção Integral (EPI); Corte de cipós; Manutenção dos caminhos e acessos; Enriquecimento de clareiras; Produção de mudas; Monitoramento da produção por árvore e por safra; Pós-colheita; e Beneficiamento. Descrição dos métodos de quebra e amontoa; Pré secagem; Armazenamento; Transporte primário; Contaminação fúngica por Aflatoxina; Boas práticas de controle da contaminação; e Boas práticas na manipulação de alimentos. Marcação de pontos (árvores) e áreas em campo (unidades de manejo florestal); Criação de trilhas e rotas; Cálculo de área; Plotagem de trajetos e pontos no Google Earth, com exportação para o Trackmaker; Transferência de dados entre GPS e computador; e Elaboração e impressão de mapas. Pré-coleta; Coleta; Pós-coleta; Tratamentos Silviculturais; e Monitoramento. Introdução ao Sistema de Informação Geográfica aplicado ao Manejo Florestal Sustentável; Projeções cartográficas; e Sistemas de referência. Uso do GPS nas atividades florestais em campo e transferência dos dados para o computador usando o programa trackmaker; Planejamento de inventário florestal; Georreferenciamento de árvores; Linhas de drenagem; e Unidades de produção anual.

6 6. BENEFÍCIOS a) Transporte até o local do curso; b) Estadia, alimentação e transporte no município onde o curso será realizado; c) Seguro-viagem; d) Valor de R$ 50,00 (bruto) a hora/curso. 7. ENCAMINHAMENTOS Os interessados deverão encaminhar Curriculum Vitae para o colocando no cabeçalho o nome do curso que pretende se candidatar. Os profissionais cujos currículos forem selecionados passarão por uma entrevista e comprovação da formação acadêmica e competências profissionais por meio do Curriculum Vitae devidamente documentado. Outras informações podem ser obtidas por meio do citado acima.

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES A Fundação Flora de Apoio à Botânica, com a anuência do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em consonância com a

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS A FA - Fundação Araripe, em atendimento ao disposto no Convênio nº 762009/2011,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional.

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional. TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA PARA CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE VÍDEO INSTITUCIONAL EDUCATIVO SOBRE OS CONCEITOS, A LEGISLAÇÃO, OS PROCEDIMENTOS E AS METODOLOGIAS

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR GESTÃO AMBIENTAL ESTRUTURA CURRICULAR Metodologia da Pesquisa Científica Gestão do Espaço Urbano Saúde e Ambiente Legislação Ambiental Gestão de Resíduos Sólidos e de Área Urbana Sistema Integrado de Gestão

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Colheita, secagem e montagem de material de herbário

Colheita, secagem e montagem de material de herbário Colheita, secagem e montagem de material de herbário 1. Colheita de material Para iniciar a colheita do material de herbário, é necessário levar para o campo: livro de campo (para fazer as anotações necessárias

Leia mais

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades Contexto Termo de Referência Consultor de Monitoramento Socioeconômico para Projeto de Conservação da Biodiversidade Wildlife Conservation Society, Programa Brasil (WCS Brasil), Manaus, Amazonas, Brasil

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO CÂMPUS AQUIDAUANA CURSO Informática Edificações ATRIBUIÇÕES - Prestar serviço de suporte na área de tecnologia da informação; - Prestar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva No. 003/10 Santos, 26 de março de 2010 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO Serviço de Terceiros Pessoa Jurídica Consultoria de nível superior para processamento e análise

Leia mais

ANEXO 1 Relação e orientação de Demarcação das Unidades de Manejo Florestal UMF

ANEXO 1 Relação e orientação de Demarcação das Unidades de Manejo Florestal UMF ANEXO 1 Relação e orientação de Demarcação das Unidades de Manejo Florestal UMF A 3 licitação para concessão em floresta pública no Estado do Pará será realizada na Floresta Estadual (FLOTA) do Paru, localizada

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 04 de Dezembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto que

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

3.1 Experiência em trabalhos com comunidades de agricultores familiares;

3.1 Experiência em trabalhos com comunidades de agricultores familiares; EDITAL PARA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ PROCERPI ACORDO DE DOAÇÃO Nº TF016192 A Fundação Agente para o Desenvolvimento do Agronegócio,

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12 Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12 Os desafios da integração do controle florestal Marcos Alves Diniz Capitão da Policia Militar do Estado de São

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Informativo Técnico 1 Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Ficha Técnica Equipe Técnica Responsável Ana Luiza Violato Espada Engenheira de Projetos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Análise Ambiental

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Análise Ambiental PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Análise Ambiental Belo Horizonte, Novembro/2008 1 SUMÁRIO Nível do Curso... 3 Titulação... 3 Direção e Coordenação... 3 Apresentação... 4 Foco do Curso... 4 Objetivos do Curso...

Leia mais

FUNDAÇÃO FLORA DE APOIO À BOTANICA

FUNDAÇÃO FLORA DE APOIO À BOTANICA FUNDAÇÃO FLORA DE APOIO À BOTANICA CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA AUXÍLIO NO EXTERIOR A Fundação Flora e o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, através da parceria firmada com o Programa

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Tema 1: Manipulação de Fitoterápicos e da multimistura nutritiva Objetivos

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Tema 1: Manipulação de Fitoterápicos e da multimistura nutritiva Objetivos TÍTULO:SAÚDE FAMILIAR: PRODUÇÃO DE FITOTERÁPICOS E MULTIMISTURA, ORIENTAÇÕES DE HIGIENE E POSTURA CORPORAL JUNTO ÀS COMUNIDADES DO MUNICÍPIO DE RIO DE VERDE. AUTORES: Maria de Fátima Rodrigues da Silva

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Jogos didáticos SOBRE OS JOGOS

Jogos didáticos SOBRE OS JOGOS Jogos didáticos OS JOGOS Jogos didáticos são ferramentas que buscam desenvolver habilidades de forma interativa e dinâmica, eles podem promover a capacidade de socialização e integração, o relacionamento

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Seminário de Informação em Biodiversidade MMA e Instituições Vinculadas Brasília, 14 e 15 de outubro de 2009 SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Implantação em

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Campus Sapucaia do Sul

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Campus Sapucaia do Sul Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Campus Sapucaia do Sul EDITAL n 39/ 2014 - SELEÇÃO EXTERNA TEMPORÁRIA DE PROFESSORES O Instituto Federal Sul-rio-grandense

Leia mais

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Departamento do Patrimônio Genético Secretaria Executiva do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E REMESSA A COMPONENTE

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Julio César Bachega Consultor em Gestão Florestal j_bachega@hotmail.com Estrutura da apresentação Resgate

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 02/2012 Contratação de Consultor

EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 02/2012 Contratação de Consultor EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 0/01 Contratação de Consultor A FA - Fundação Araripe, em atendimento ao disposto no Acordo de Cooperação Técnica: firmado entre ao Fundo Socioambiental Caixa e Fundação para

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO Santos, J.P.Q. (1) ; Tabelini, H.M. (1) ; Hollunder, R.K. (1) ; Pereira, M.C.A. (1) jaqueline_pego@hotmail.com (1) Graduanda

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS I t e m Nº. D o c u m e n t o s E x i g i d o s O b s e r v a ç õ e s OK 01 Requerimento padrão

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal DANIEL DE PAULA GONDIM Manaus dezembro 2007 PROJETO FLORESTA VIVA DANIEL DE PAULA GONDIM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL MANAUS

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal JARBAS ALESSANDRO DA SILVA ANDRADE Manaus dezembro 2006 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFICIONAL E TECNOLOGIA ESCOLA AGROTECNICA

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA. 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS

PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA. 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS 1. LOCAL Estadia, alimentação, laboratório e sala de aula Hospedaria Bom Pastor Linha Brasil Nova

Leia mais

Belém, 13 de maio de 2014.

Belém, 13 de maio de 2014. Belém, 13 de maio de 2014. Ao Ministério Público Federal Procuradoria da República no Estado do Pará À Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Leia mais

DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995.

DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995. ALTERADO PELO DECRETO N 38.932/1998 DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995. Dispõe sobre a estrutura básica da Secretaria da Agricultura e Abastecimento e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Eduardo Euclydes de Lima e Borges O LASF Criado em 1967 - Professor José Flávio

Leia mais

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Cuiabá - MT, 20 de agosto de 2012 SUMÁRIO 1. CAR 2. LAF 3. DOF a) Avanços b) Perspectivas de curto, médio e longo prazo c) Desafios

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal CLAUDEMIR FONSECA GONÇALVES Manaus dezembro 2007 RELATORIO DO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL CLAUDEMIR FONSECA GONÇALVES MATRICULA: 07196 ENDEREÇO:

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE 17 a 20 de dezembro de 2011 (sábado a terça-feira) 1. Local: RPPN Reserva Volta Velha, município de Itapoá, SC (área total:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br A coordenação do curso de Sistemas de Informação realiza por meio do presente Edital o lançamento do Projeto de Pesquisa UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO PASSAGEIRO DE TRANSPORTE PÚBLICO, e convoca a comunidade

Leia mais

Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará

Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará 1. A investigação do Greenpeace Para expor e constatar meios de exploração ilegal de madeira, o Greenpeace monitorou, por alguns dias, dois caminhões entrando

Leia mais

EDITAL 01/2015 ABEMEL

EDITAL 01/2015 ABEMEL EDITAL 01/2015 ABEMEL O Presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (ABEMEL), no uso de suas atribuições legais, com base na legislação vigente e no termo do Convênio firmado com a Agência

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA CONDUÇÃO DE MANEJO FLORESTAL E EXPLORAÇÃO DE IMPACTO REDUZIDO Versão preliminar 4.0 Belém, outubro de 2002 MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais