SENAC SÃO PAULO UNIDADE LAPA TITO. Bruno Borges da Silva Helton de Souza Maia Marcelo Pucca Zanoelo Marcos Vinicius Guimarães

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENAC SÃO PAULO UNIDADE LAPA TITO. Bruno Borges da Silva Helton de Souza Maia Marcelo Pucca Zanoelo Marcos Vinicius Guimarães"

Transcrição

1 i SENAC SÃO PAULO UNIDADE LAPA TITO Bruno Borges da Silva Helton de Souza Maia Marcelo Pucca Zanoelo Marcos Vinicius Guimarães Portal de Inovação: Selecionando Oportunidades e Orientando a Gestão São Paulo 2013

2 ii BRUNO BORGES DA SILVA HELTON DE SOUZA MAIA MARCELO PUCCA ZANOELO MARCOS VINICIUS GUIMARÃES Portal de Inovação: Selecionando Oportunidades e Orientando a Gestão Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac Campus Lapa Tito como exigência parcial para obtenção do grau de especialista em Engenharia Web. Orientador: Profº. Drº. João Carlos Néto São Paulo 2013

3 iii S586p Silva, Bruno Borges da Portal de inovação: selecionando oportunidades e orientando a gestão / Bruno Borges da Silva; Helton de Souza Maia; Marcelo Pucca Zanoelo e Marcos Vinicius Guimarães - São Paulo, f. Orientador: Profº. Drº. João Carlos Neto Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Engenharia Web) Senac São Paulo unidade Lapa Tito, São Paulo, Inovação 2. Aplicação Web 3. Projeto de software 4. Administração I. Maia, Helton de Souza (autor) II. Zanoelo, Marcelo Pucca (autor) III. Guimarães, Marcos Vinicius (autor) IV. Título. CDD 005.1

4 iv BRUNO BORGES DA SILVA HELTON DE SOUZA MAIA MARCELO PUCCA ZANOELO MARCOS VINICIUS GUIMARÃES Portal de Inovação: Selecionando Oportunidades e Orientando a Gestão Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac Campus Lapa Tito como exigência parcial para obtenção do grau de especialista em Engenharia Web. Orientador: Profº. Drº. João Carlos Néto A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão em sessão pública realizada em / / considerou os candidatos: 1) Examinador(a) 2) Examinador(a) 3) Presidente

5 v Dedicamos este trabalho a todos que contribuíram direta ou indiretamente em nossa formação acadêmica.

6 vi AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos que contribuíram no decorrer desta jornada, em especial a Deus, a quem devemos nossa vida; as nossas famílias que sempre apoiaram nossos estudos e nossas escolhas; agradecemos profundamente ao nosso orientador, o Prof. Dr. João Carlos Néto, que não só nos orientou, mas também apoiou, ajudou, e incentivou; ao Prof. Msc. Luiz Carlos Vieira que nos incentivou a descobrir novas ideias e ao apoio dos professores do SENAC na elaboração deste trabalho. Agradecimento especial a minha família pelo apoio condicional, aos meus colegas de grupo pelo comprometimento e competência demonstrado e ao criador. "Porque até aqui o Senhor tem nos ajudado" (I Samuel 7:12). Bruno Borges Agradeço a Deus e Nossa Senhora Aparecida por sempre me darem forças nos desafios do dia-a-dia. Aos meus pais, Diniz e Gloria e minha namorada Keila Cristina pelo incentivo, compreensão e paciência em momentos de minha ausência durante todo curso. Helton Maia Aos meus pais, Marcos e Yolanda, e em especial a minha esposa Roberta pela enorme contribuição e paciência durante a realização deste trabalho. Marcelo Pucca Aos meus pais, Julio Cesar e Rose Leal, pelo suporte incondicional. A Andreza Coelho, por seu carinho e paciência durante todo este trabalho. Marcos Guimarães

7 vii No meio da dificuldade encontra-se a oportunidade. Albert Einstein

8 viii RESUMO Inovação é um fator determinante para o sucesso de qualquer organização, além do segredo da continuidade de qualquer negócio. Aliado ao grande potencial da Internet, que possibilita a ligação direta do cliente com o gestor, uma organização pode se beneficiar de críticas e sugestões vindas de seus colaboradores e clientes, aprimorando ainda mais a qualidade do seu negócio e se destacando de seus concorrentes. O objetivo deste trabalho é apresentar as etapas do ciclo de inovação, para que uma micro ou pequena empresa possa desenvolver o seu negócio, através de uma ferramenta que possibilite a gestão da inovação, permitindo que esse ciclo se torne contínuo e iterativo. Para a construção dessa aplicação foram empregados os conhecimentos adquiridos durante todo curso, utilizando as práticas de desenvolvimento de software e baseado nos fundamentos teóricos da pesquisa realizada, como o Manual de Oslo. Palavras-chave: Inovação, Aplicação Web, Projeto de Software, Administração.

9 ix ABSTRACT Innovation is an important factor for the success of any organization beyond the continuous' secret of business. Together the internet's potential that possibility the straight connection between customer and manager, an organization can get benefits of listening critical and suggestions from their staff and customers, improving more their business's quality and become featured among their competitors. The aim of this academic work is reveals the innovation's steps for a small and medium company to develop their business through a web tool that allows the innovation management, helping to this cycle become continuing and iterative. The knowledge acquired during this course was applied to developing of this web application, using the best practices of software's development based on researches made over this academic work like the Oslo's manual. Keywords: Innovation, Web Application, Software Design, Management.

10 x SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contexto Objetivos Abrangência Trabalhos Relacionados Organização do Trabalho METODOLOGIA DE PESQUISA Critérios de seleção da metodologia de pesquisa A Definição do Projeto de Pesquisa As Questões de Estudo As Proposições A Unidade de Análise A Lógica que Une os Dados às Proposições FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DA PESQUISA Entendendo a inovação Tipos de Inovação O Processo de Gestão da Inovação e suas Etapas Os Indicadores Empresariais de Inovação Instrumentos e Órgãos de Apoio à Inovação O Plano de Ação da Inovação Conhecimento Técnico Padrões Web Arquitetura de Software Arquitetura da Informação Gerenciamento de ciclo de vida da aplicação Processo de desenvolvimento ágil Testes Práticas de Engenharia de Software Seleção de técnicas e ferramentas APLICAÇÃO PRÁTICA DO CONCEITO DA PESQUISA Levantamento de requisitos Requisitos funcionais Estudo de personas... 43

11 xi Papéis Casos de uso Design de interface Sitemap Wireframe Design de interação Fluxo de Interação Padrões de projeto Modelo de arquitetura de Software (MVC) Padrões Web Avaliação de resultados ESTUDO DE CASO Estrutura Analítica Caso de Uso Sitemap Personas Framework de Interface Web design Modelo Relacional Protótipo Considerações Finais Reflexões Trabalhos futuros Conclusão REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO APÊNDICE B CASOS DE USO APÊNDICE C SITEMAP APÊNDICE D WEB DESIGN APÊNDICE E MODELO ENTIDADE RELACIONAMENTO APÊNDICE F PROTÓTIPO... 64

12 xii LISTA DE FIGURAS Figura Conceito de Inovação...21 Figura Estágios Rumo à Empresa Inovadora...26 Figura Dimensões do Grau de Inovação...27 Figura Ciclo de Vida da Aplicação...32 Figura Ciclo de trabalho na metodologia Scrum...35 Figura Modelo V...36 Figura Passos do TDD...37 Figura Sequência de execução da entrega contínua... 41

13 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contexto O bom desempenho da economia brasileira na última década, aliados às políticas de crédito vem impulsionando a ampliação das micro e pequenas empresas (MPEs) no país e confirma a expressiva participação na estrutura produtiva nacional (SEBRAE, 2006). Na década de 2000, as micro e pequenas empresas suplantaram a barreira dos 6 milhões de estabelecimentos. Em 2000, havia 4,2 milhões de estabelecimentos, chegando em 2010 a um total de 6,1 milhões em atividade (SEBRAE, 2013). Com o crescimento das MPEs, percebe-se que o ambiente de negócios torna-se cada vez mais turbulento e dinâmico, em termos de mercados, tecnologia, impactos ecológicos, mudanças políticas, econômicas, culturais e sociais (KRUGLIANSKAS, 1996). Desta forma, é necessário que as micro e pequenas empresas desenvolvam uma estratégia para se tornarem competitivas, visto que o número de competidores/concorrentes aumenta a cada instante. Para se conseguir uma posição sustentável é preciso ter ações proativas (SERGIO, 2004). No passado, o crescimento da produtividade era determinado pelo investimento em infraestrutura e em nova capacidade instalada. Hoje a parte importante do crescimento da produtividade das principais economias e também dos países emergentes, é creditada à inovação. Nos dias atuais a inovação tornou-se ainda mais presente, em face dos novos desafios de lançamento constante de novidades para o mercado e pela rapidez em que se processa o avanço do conhecimento, em uma economia cada vez mais interdependente (MATOS et al, 2010). A inovação funciona então como uma porta para a diferenciação no mercado. A qualidade vai definir o quão longe a empresa se distanciará da concorrência e por quanto tempo, até que seja imitada. Inovar na organização das operações, criar novos processos ou formas mais baratas para fazer o mesmo produto pode ser a chave da competitividade em mercados orientados pelo preço. Criar produtos novos a parte mais visível da inovação, que apresenta uma relação de causa e efeito mais explicitada. É fácil ver quando um produto novo gera

14 14 mais vendas e ajuda a empresa a assumir liderança em determinados mercados. Porém, estas inovações icônicas são raras e frequentemente são aprimoramentos de produtos existentes já criados. Quando o Ipod foi criado, já havia no mercado outros tocadores de MP3. O Ipod só foi considerado revolucionário quando agregou a possibilidade de comprar músicas de forma individual a baixíssimo custo, através do aplicativo itunes. Antes disto tinha uma venda apenas mediana. É importante frisar que inovar requer trabalhar em todas as dimensões de um determinado produto ou serviço, nem sempre criar algo novo é o caminho (SEBRAE, 2013). 1.2 Objetivos Analisando os dados citados acima e observando a necessidade das micro e pequenas empresas de aplicar a inovação em sua empresa, este trabalho tem como principal objetivo a construção de uma aplicação Web focada no gerenciamento, suporte e acompanhamento do processo de gestão da inovação para micro e pequenas empresas, auxiliando o empreendedor na implementação deste processo, visando o crescimento de sua organização. A pesquisa para a construção do sistema está fundamentada no mapeamento das etapas do processo de gestão da inovação segundo o Manual de Oslo (2007), utilizando formulários para inserção de dados e gerenciamento. Os dados obtidos servirão para análise da atual situação da empresa oferecendo ao gestor um painel de desempenho da inovação, com informações que irão auxiliá-lo na tomada de decisão. O painel de desempenho (Dashboard) apresentará gráficos com informações cruzadas das diversas fontes, como o mural de sugestões, o ranking de usuários, os questionários e o banco de questões. 1.3 Abrangência O problema em estudo é como apresentar, em um modelo sistêmico, os diferentes tipos de inovação, para que a equipe gestora de uma empresa possa buscar diversos caminhos, além da criação de novos produtos. O processo é iniciado com o levantamento de informações sobre a empresa e produtos, por meio de questionários voltados aos gestores, funcionários, clientes e

15 15 potenciais clientes. Possibilitando ao gestor identificar oportunidades de inovação a serem analisadas e avaliadas durante as etapas de todo o processo. Neste estudo apresenta-se o sistema de apoio e identificação de oportunidades de inovação, mas este não apresentará conexão e interação com os demais sistemas gerenciais da empresa. 1.4 Trabalhos Relacionados Para a realização deste estudo sobre a inovação, destaca-se a necessidade de compreender o processo de gestão da inovação, suas ferramentas e as formas de utilização. O Curso Inovar para Competir, do SEBRAE (2013), apresenta um material de apoio com diversas orientações e formulários que auxiliam os gestores na implementação, no processo e na avaliação de sua empresa. A GI Software criou um sistema web para gestão de ideias, chamado de innovbook (2013), que orienta o processo de inovação e estimula a coleta, colaboração e evolução das ideias através de um interface simples e atraente. Possui sete passos fundamentais para tornar-se uma empresa inovadora: organização, estimulação, criação, revisão e aprovação, discussão, compartilhamento e realização da ideia. O InnovationCast (2013), criado pela empresa WeListen-Business Solutions, oferece para o mercado um sistema web para intranet projetado para apoiar o envolvimento da empresa em inovação. 1.5 Organização do Trabalho Este trabalho está organizado da seguinte forma: No Capítulo 2 Metodologia da Pesquisa apresentam-se os critérios de seleção da metodologia de pesquisa, a definição do projeto de pesquisa de estudo de caso, as questões de estudo, as proposições, a unidade de análise, a logística que une os dados às proposições; No Capítulo 3 Fundamentação Teórica da Pesquisa aborda-se em quais teorias a pesquisa se fundamentou;

16 16 No Capítulo 4 Aplicação Prática do Conceito da Pesquisa procura-se enfatizar onde o resultado deste trabalho pode ser aplicado; O Capítulo 5 Estudo de caso mostra como o trabalho pode ser utilizado efetivamente; Finalmente, no Capítulo 6 são apresentadas as considerações finais deste trabalho.

17 17 2 METODOLOGIA DE PESQUISA Por se tratar de uma área de estudo abrangente, torna-se necessário a escolha de uma metodologia de pesquisa para a delimitação e compreensão de alguns conceitos necessários à construção do sistema. Neste capítulo, é apresentada a metodologia de pesquisa adotada, detalhando as seguintes etapas: Os critérios e fundamentação utilizados na seleção da metodologia de pesquisa. A definição do projeto de pesquisa, apresentando as questões de estudo, as proposições, unidades de análise, a lógica que une os dados às proposições. 2.1 Critérios de seleção da metodologia de pesquisa A pesquisa está classificada como quantitativa, pois essas são pesquisas empíricas cuja principal finalidade é o delineamento ou a análise das características de fatos ou fenômenos, a avaliação de programas e a definição de variáveis principais. Dentre as abordagens de pesquisa quantitativa, encontra-se o levantamento de dados por amostragem ou survey, o experimento e as modelagens e simulações, neste estudo, optou-se pela utilização de modelagens e simulações. Segundo Chung (2004), a modelagem e simulação é o processo de criar e experimentar um sistema físico, através de um modelo matemático computadorizado. Um sistema pode ser definido como um conjunto de componentes ou processos que se interagem, recebem entradas e oferecem resultados para algum propósito. 2.2 A Definição do Projeto de Pesquisa O estudo requer inicialmente a realização de uma pesquisa bibliográfica sobre o tema em questão, de forma a conduzir o pesquisador a compreender o assunto e permitir que se estabeleça um modelo teórico inicial de referência, que

18 auxiliará na determinação das variáveis envolvidas e na elaboração do plano geral do sistema As Questões de Estudo Observando o mercado e a sua multiplicidade de empresas atuantes é notável que a concorrência entre elas é muito acirrada. Especialmente sobre as empresas de menor porte, as limitações encontradas para investimentos em inovação são reconhecidamente um entrave para mantê-las competitivas perante as grandes corporações (PITA, 2007). Para sanar esta deficiência de investimentos, reconhecida tanto por órgãos do governo como pelos próprios micro e pequenos empresários (PITA, 2007), estuda-se uma forma de introduzir o conceito de Gestão de Inovação em empresas com recursos limitados, considerando toda a variedade de produtos e processos envolvidos. A questão central do trabalho está firmada sobre a possibilidade de oferecer recursos às micro e pequenas empresas com um instrumento que as coloquem em posição favorável em relação as concorrentes. Sendo ela: Como gerar vantagem competitiva através da inovação? Ao aprofundar nosso estudo sobre a questão anterior, depara-se com questões mais específicas: Como orientar o gestor da micro e pequena empresa (MPE) a gerir as oportunidades de inovação? Quais recursos fornecer ao gestor da MPE para que o ciclo de vida de inovação seja implementado, gerando a vantagem competitiva desejada? Como colaborar com o levantamento de ideias, a fim de aumentar a possibilidade de atuação da micro e pequena empresa? As Proposições Esse estudo tem como objetivo principal ajudar a equipe gestora a identificar oportunidades de inovação, seja de produto, serviço ou mesmo de estrutura e oferecer alternativas para a tomada de decisões e de ações; escolher, com critérios,

19 19 uma ou mais opções/oportunidades de inovação; definir a estratégia de inovação mais adequada; passar a visão do novo produto/processo para a sua equipe, destacando os benefícios; envolver todas as pessoas da empresa em etapas do processo de inovação e envolver os fornecedores chave e usuários líderes desde o início do processo de inovação A Unidade de Análise Aplicar, em uma abordagem sistêmica, a metodologia estudada. Tendo como resultado, um produto de software que, através de uma abordagem didática, permite o gerenciamento de ideias, ou seja, o principal insumo para o gestor que deseja inovar A Lógica que Une os Dados às Proposições Neste estudo sobre a inovação buscou-se conciliar alguns conceitos apresentados sobre o tema, algumas ideias e sugestões fornecidas pelo SEBRAE (2013) e o Manual de Oslo (2007), fontes de pesquisa e auxílio aos gestores, mas também buscou-se o estudo de empresas que atuam na área de inovação e como estas aplicam suas metodologias. Desta forma, criou-se um sistema que auxiliará os gestores na implementação e gestão do processo de inovação.

20 20 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DA PESQUISA 3.1 Entendendo a inovação A inovação é, para a espécie humana, o principal vetor que possibilitou sua sobrevivência. O homem inova constantemente, buscando satisfazer suas necessidades físicas, lógicas e emocionais. No mundo dos negócios, esse fenômeno também se repete. As empresas ficam expostas à concorrência cada vez maior e inovar é a forma mais eficaz de se manter competitivo (MATTOS et al, 2010). A inovação é elemento intrínseco da competitividade, uma vez que a inovação permite que as empresas, foco da transformação econômica e social de um país, utilizem conhecimentos e recursos da melhor forma para enfrentar um mundo cada vez mais globalizado e dinâmico. Para a empresa crescer, evoluir e sobreviver, ela precisa enfrentar os desafios da concorrência, que hoje é globalizada. Para que a empresa sobreviva, a inovação é uma das maneiras pela qual ela pode agregar mais valor aos seus produtos e processos (SEBRAE, 2013). Dependendo do autor, da obra ou do objetivo pretendido, existem inúmeras formas de definir o que é inovação. De acordo com Hamel (2005), a Inovação é um processo estratégico, da reinvenção contínua, do próprio negócio e da criação de novos conceitos, ainda ressalta que a Inovação é adotar novas tecnologias, que aumentam a competitividade da companhia. Neste estudo, vamos padronizar o entendimento sobre a inovação adotando como fonte de pesquisa, o Manual Frascati (2002) e o Manual de Oslo (2007), da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE). Segundo, o Manual de Oslo (2007) e o Manual Frascati (2002), a Inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, onde a inovação também pode ser em um processo da empresa, um novo método de marketing, um novo método organizacional nas práticas de negócios ou até mesmo na organização do local de trabalho ou nas relações externas. Compreendendo diversas atividades científicas, tecnológicas, financeiras, comerciais e mercadológicas. A exigência mínima é que o produto/ processo/ método/ sistema deva ser novo ou substancialmente melhorado para a empresa em relação a seus competidores.

21 21 Em resumo, pode-se entender o conceito de inovação no quadro abaixo: Figura Conceito de Inovação Fonte: MANUAL DE OSLO, Tipos de Inovação De acordo com o SEBRAE (2013) e o Manual de Oslo (2007) os tipos de Inovação são: Inovação de Produto (Bem); Inovação de Serviço; Inovação de Processo; Inovação de Marketing e Inovação Organizacional. A Inovação de Produto (Bem) é a introdução de um bem novo ou significativamente melhorado, no que concerne as suas características ou usos previstos. Incluem-se melhoramentos significativos em especificações técnicas, componentes e materiais, softwares incorporados, facilidade de uso ou outras características funcionais. A inovação de produto poderá atuar em características e funcionalidades totalmente novas, também poderá atuar em sua forma de utilização (SEBRAE, 2013). A inovação de serviço é a introdução de um serviço novo ou significativamente melhorado. A inovação de serviço busca agregar valor aos serviços oferecidos pela empresa. A inovação de processo consiste na implantação de um método diferenciado de produção ou distribuição. Incluem-se mudanças significativas em técnicas, equipamentos e/ou softwares. A inovação de processo deve adicionar valor aos processos produtivos da empresa. A inovação de marketing consiste na implementação de um novo método de marketing que envolva alterações significativas na concepção do produto ou em sua

22 22 embalagem, no posicionamento do produto no mercado, em sua promoção ou na fixação de preços (SEBRAE, 2013). A inovação organizacional é a implementação de um novo método organizacional nas práticas de gestão e negócios da empresa, na organização do seu local de trabalho ou em suas relações externas e internas. Pode estar na implantação de um novo modelo de negócio, na forma como a empresa compartilha o conhecimento e o aprendizado no interior da empresa, na implementação de prática novas para o desenvolvimento dos colaboradores, na implementação de uma forma mais enxuta de produzir, na implantação de sistemas de gerenciamento da qualidade, na integração entre a área de compras com a área de produção ou nas novas formas de relacionamento com outras empresas (SEBRAE, 2013). Ao longo dos últimos anos, inúmeras pesquisas realizadas por empresas de consultoria, como a Boston Consulting Group, têm constatado que 70% dos executivos afirmam que a inovação é prioridade máxima em suas empresas, mas a maioria reconhece que a abordagem é geralmente informal, faltando aos executivos, confiança em suas decisões sobre inovação. Os dados demonstram que, realmente, os executivos sabem da imperiosa necessidade de adotar a inovação como estratégia, mas reconhecem faltar a eles o conhecimento das ferramentas e dos instrumentos que permitam colocar a teoria em prática. As empresas não adotam práticas consistentes de inovação, não preparam seus líderes e não possuem maneiras de medir o processo de inovação (SCHERER e CARLOMAGNO, 2009). As pesquisas atuais afirmam que uma das formas de se manter no mercado consumidor é investir em inovação e que a inovação bem gerenciada é uma das formas de dar longevidade à pequena empresa (IBGE, 2005). Sendo necessária a implantação de um processo de gestão da inovação, com ações contínuas de estímulo à introdução e implementação de inovações O Processo de Gestão da Inovação e suas Etapas O processo de gestão da inovação é um processo que gera um fluxo contínuo de oportunidades e inovação. Assemelha-se a um funil, no qual ideias são captadas, avaliadas, escolhidas e implementadas. O objetivo é fazer com que a empresa

23 23 desenvolva sistematicamente novas oportunidades de negócio, alavancando competências existentes, não se limitando a regras estabelecidas. Para sistematizar o processo de inovação, o SEBRAE (2013) elaborou uma metodologia que contém cinco etapas. A primeira etapa é a do Levantamento, que consiste na busca sistemática de oportunidades de inovação (ideias) que permitam tendências de novos produtos, novos processos e serviços, observando sinais de mudança no ambiente competitivo. Na segunda etapa ocorre a Seleção, onde uma ou mais oportunidades de inovação são selecionadas. Nesta etapa procura-se as opções disponíveis para a definição da estratégia de inovação mais adequada a cada empresa. Na definição de Recursos, a terceira etapa do processo, busca-se a definição de recursos humanos, financeiros, de infraestrutura, tecnológicos, necessários para introduzir e/ou implementar as oportunidades de inovação selecionadas. A quarta etapa, a Implementação consiste na execução dos projetos de inovação, através do acoplamento de seu desenvolvimento, em termos de prazo, custos e qualidade, alinhado às necessidades de outros setores da empresa, como os setores de marketing e vendas, por exemplo. Na quinta etapa, a da Aprendizagem ocorrerá a reflexão do processo de gestão da inovação como um todo, revisando etapas e registrando as lições aprendidas (SEBRAE, 2013). Para cada uma das etapas, algumas ações são necessárias, onde caberá ao gestor analisá-las e aplicá-las de acordo com suas necessidades. Em relação à etapa de Levantamento, as ações sugeridas são: perceber novos canais para distribuição de seus produtos e serviços, novos modelos de negócio; identificar as necessidades do cliente; compreender as ameaças e oportunidades sinalizadas pelo mercado; identificar sinais que possam implicar mudanças nos seus produtos e no seu negócio; identificar oportunidades de eliminar desperdícios de forma sustentável e efetuar comparações com os concorrentes em aspectos críticos de serviço, qualidade e custo. Na etapa de Seleção as ações devem entender os parâmetros chave (preço, qualidade, velocidade, regulamentação) de competitividade do setor; entender o diferencial das suas competências, do conhecimento disponível na empresa, bem como o que pode ser adquirido com o conhecimento complementar; analisar as

24 24 possíveis opções/oportunidades de inovação, oferecendo alternativas para a tomada de decisões e de ações. A etapa de Definição de Recursos é essencial para a identificação da melhor forma de acessar recursos para viabilizar as oportunidades de inovação anteriormente selecionadas. Desta forma, deve-se: definir o conjunto de recursos necessários para introduzir e/ou implementar as oportunidades escolhidas na etapa de seleção; compatibilizar os recursos necessários com as competências internas; saber comprar, licenciar e contratar novidades fora da empresa. Na etapa de Implementação, ou seja, a execução dos projetos de inovação deve-se: definir claramente as principais características da oportunidade de inovação a ser introduzida e/ou implementada; estabelecer datas e formas de acompanhamento (prazo, custos e qualidade); preparar o lançamento da inovação; compartilhar a visão com os demais funcionários. A etapa de Aprendizagem pode ter início, mesmo que informalmente, desde a primeira etapa, deve refletir sobre o processo de inovação como um todo, o que aconteceu, o que funcionou bem, o que não deu certo, os resultados obtidos e as novas ideias; registrar as lições aprendidas; lançar novos produtos e processos, já refletindo sobre mudanças necessárias a partir do aprendizado anterior e estimular o reinício do processo (renovação). A aprendizagem é tão importante quanto às outras etapas porque é o momento de reflexão sobre o processo de inovação como um todo, revisando as etapas, as ações, as ferramentas e registrando as lições aprendidas. O SEBRAE (2013), com o objetivo de auxiliar as empresas na implementação e manutenção do processo de Gestão da Inovação criou um material de apoio com diversas orientações e formulários que poderão auxiliar os gestores na implementação, no processo e na avaliação de sua empresa, quanto à inovação. Os formulários correspondem a cada uma das etapas do processo de inovação já apresentadas neste estudo Os Indicadores Empresariais de Inovação Os Indicadores Empresariais de Inovação permitem à empresa avaliar o seu grau de inovação, identificando onde é possível desenvolver melhorias, ou seja, avaliar a situação atual da empresa. Os indicadores são importantes para saber

25 25 como a empresa está, como estão os concorrentes e como a empresa pode melhorar. Segundo o SEBRAE (2013), há um conjunto de indicadores voltados a realidade das micro e pequenas empresas de qualquer setor (indústria, serviços, comércio ou agronegócio). E esses indicadores são: esforço, processo, estímulo e resultados. Os indicadores de esforço para a inovação servem para avaliar o quanto a empresa está se dedicando à inovação. Estes indicadores estão relacionados com os investimentos, recursos alocados e com a estrutura que a empresa disponibiliza. Os indicadores de processo servem para avaliar o quanto a empresa possui, pratica e formaliza as atividades de inovação. Os indicadores de práticas de estímulo à inovação servem para avaliar o quanto a empresa possui, pratica e formaliza esses estímulos, além de avaliar como está o ambiente de inovação na empresa. Os indicadores de resultados advindos da inovação (faturamento e mercado) servem para avaliar o quanto está sendo obtido pela empresa, a partir do esforço, do processo e dos estímulos. Para se avaliar o grau de inovação de uma empresa, além dos indicadores citados, o SEBRAE (2013) sugere um indicador mais abrangente, denominado grau de inovação da empresa. Esse grau de inovação é baseado em um conjunto de dimensões e atividades que a empresa desenvolve no seu dia a dia. Todos os indicadores, em conjunto, servirão para a empresa se auto avaliar e definir estratégias de melhoria a médio e longo prazo. De acordo com o SEBRAE (2013), os estágios rumo a uma empresa inovadora podem ser: a conscientização, a disseminação, a inovação como estratégia, as parcerias, a estruturação, o processo de gestão da inovação, a capacidade de inovar e o acompanhamento de resultados. O que pode ser observado na figura abaixo.

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO ÀREA DE DESENVOLVIMENTO Sumário O que é o Cardio? O que é o Telos? Ambiente de Desenvolvimento Ambiente Visual Studio Team System Projeto de Refatoração O que é Cardio? Tamanho atual do aplicativo: ü Arquivos.cs

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON COSTA, Heloisa Machado da¹; SOARES, Julio Cesar Valandro². Palavras-chave: Consultoria, Melhoria, Confecções,

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD Apresentação TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE LOGÍSTICA SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE DADOS E-mail: sead@tse.jus.br Nome do Projeto: Revisão do processo de

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

QUER INOVAR E NÃO SABE COMO?

QUER INOVAR E NÃO SABE COMO? QUER INOVAR E NÃO SABE COMO? Conheça a LEAN Startup - metodologia que promete aumentar as chances de sucesso do seu negócio de forma rápida e prática Esqueça os demorados planos de negócios. O mercado

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s

Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s CARVALHO 1, P. A. O. ; COELHO 1, H. A. ; PONTES 1, R. A. F. ; ZITZKE 1, A. P. ; LELIS 2, F. R. C. Petiano 1 ; Tutor 2 do Grupo PET-Civil

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital. APÊNDICES A seguir são exibidos os documentos, formulários e questionários que contribuíram para a elaboração da tese, denominada: XDTv: um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais