ELETRÔNICA BÁSICA. Versão 1.0. Wagner da Silva Zanco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETRÔNICA BÁSICA. Versão 1.0. Wagner da Silva Zanco 2006. http://www.wagnerzanco.com.br suporte@wagnerzanco.com.br"

Transcrição

1 ELETRÔNICA BÁSICA Versão 1.0 Wagner da Silva Zanco

2

3 Objetivo O objetivo desta apostila é servir como parte do material didático utilizado no estudo de Eletrônica Básica, curso que pode ser ministrado de forma presencial ou semipresencial. Embora o material tenha sido desenvolvido inicialmente para a disciplina de Eletrônica Básica do curso de Eletrônica em nível técnico, não há impedimento para a sua utilização em disciplinas pertencentes a cursos técnicos de áreas afins, ou até mesmo em outros segmentos da educação profissional cujo conteúdo programático seja compatível. Os assuntos são abordados em uma seqüência lógica respeitando a visão consagrada por muitos professores no que diz respeito a progressiva complexidade na abordagem do tema, com exemplos e exercícios propostos que ajudarão o aluno na retenção do item estudado e no desenvolvimento do raciocínio exigido para a aprendizagem da Eletrônica.

4

5 Índice Analítico CAPÍTULO 1: DIODO POLARIZAÇÃO DIRETA POLARIZAÇÃO REVERSA (INVERSA) 1 CAPÍTULO 2: CURVA CARACTERÍSTICA DO DIODO POLARIZAÇÃO DIRETA POLARIZAÇÃO REVERSA TENSÃO DE CONDUÇÃO DO DIODO RESISTÊNCIA INTERNA DO DIODO(RI) 4 CAPÍTULO 3: ESTURUTURA INTERNA DO DIODO O ELÉTRON ÁTOMO CARGA ELÉTRICA ELÉTRONS LIVRES SEMICONDUTORES LIGAÇÃO COVALENTE ELÉTRON LIVRE NO SEMICONDUTOR CRISTAL PURO CORRENTE DE ELÉTRONS LIVRES E DE LACUNAS JUNÇÃO PN CAMADA DE DEPLEÇÃO E BARREIRA DE POTENCIAL DIODO DE JUNÇÃO POLARIZAÇÃO DIRETA POLARIZAÇÃO REVERSA CORRENTE REVERSA TENSÃO DE RUPTURA 8 CAPÍTULO 4: TRANSFORMADOR SÍMBOLO DO TRANSFORMADOR 9 CAPÍTULO 5: FONTES DE TENSÃO FONTE DE TENSÃO CONTÍNUA FONTE DE TENSÃO ALTERNADA CICLO PERÍODO (T) FREQUÊNCIA ( ƒ ) VALORES DA TENSÃO ALTERNADA SENOIDAL 11 CAPÍTULO 6: FONTE DE ALIMENTAÇÃO (Conversor CA-CC) TRANSFORMADOR RETIFICADOR RETIFICADOR DE MEIA ONDA TENSÃO MÉDIA (Vcc) CORRENTE NO RESISTOR DE CARGA CORRENTE MÉDIA (Icc) TENSÃO DE PICO INVERSA (Vpi) 15 CAPÍTULO 7: RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA TRANSFORMADOR COM DERIVAÇÃO CENTRAL RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA SEMICICLO POSITIVO SEMICICLO NEGATIVO FREQUÊNCIA NA CARGA CORRENTE NO RESISTOR DE CARGA TENSÃO MÉDIA NA CARGA CORRENTE MÉDIA TENSÃO DE PICO INVERSA 20

6 CAPÍTULO 8: RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA EM PONTE SEMICICLO POSITIVO SEMICICLO NEGATIVO FREQUÊNCIA NA CARGA CORRENTE NO RESISTOR DE CARGA TENSÃO MÉDIA NA CARGA CORRENTE MÉDIA TENSÃO DE PICO INVERSA RETIFICADORES EM PONTE ENCAPSULADOS 22 CAPÍTULO 9: FILTRO CAPACITIVO CAPACITOR SÍMBOLOS TIPOS DE CAPACITORES CARGA E DESCARGA RIGIDEZ DIELÉTRICA ASSOCIAÇÃO DE FONTES DE TENSÃO EM SÉRIE RETIFICADOR DE MEIA ONDA COM FILTRO CAPACITIVO CARGA E DESCARGA DO CAPACITOR TENSÃO MÉDIA NA CARGA (Vcc) CORRENTE MÉDIA TENSÃO DE PICO INVERSA 27 CAPÍTULO 10: ESTABILIZAÇÃO DA TENSÃO ESPECIFICAÇÃO MÁXIMA DE POTÊNCIA FONTE ESTABILIZADA A ZENER FONTE ESTABILIZADA COM CI REGULADOR TENSÃO REGULADA COM SAÍDA NEGATIVA FONTE DE TENSÃO COM SAÍDA SIMÉTRICA DISSIPADOR DE CALOR CI REGULADOR COM TENSÃO AJUSTÁVEL FUSÍVEL DIODO EMISSOR DE LUZ (LED) TENSÃO E CORRENTE NO LED 34 BIBLIOGRAFIA 35

7 ELETRÔNICA Capítulo 1 DIODO Dispositivo eletrônico fabricado a partir de materiais semicondutores como Silício e Germânio. O diodo é um dispositivo de grande importância TENSÃO NO DIODO Como o diodo se comporta como uma chave aberta, não tem corrente circulando no circuito. Sendo assim: dentro da eletrônica, e sua principal característica é a de conduzir a corrente elétrica em um só sentido. Quando aplicamos uma tensão no diodo, dizemos que estamos polarizando o mesmo. Existem dois tipos de polarização: - POLARIZAÇÃO DIRETA - POLARIZAÇÃO REVERSA 1.1 POLARIZAÇÃO DIRETA Um diodo está polarizado diretamente quando o terminal positivo da fonte está mais próximo do anodo e o terminal negativo mais próximo do catodo. Quando o diodo está polarizado diretamente ele se comporta como se fosse uma chave fechada(diodo ideal), permitindo a circulação da corrente, como mostra a figura a seguir. Se, VR = R.I e, I = A Então, VR = v Com isso, VT = VR + VD VT = + VD VT = VD Isto significa que toda a tensão da fonte aparece nos terminais do diodo. Não esqueça disso, pois esta idéia será vista bastante mais frente. A figura a seguir ilustra a idéia. Como o diodo se comporta como uma chave fechada, é necessária a presença de um resistor em série com ele para limitar a corrente, caso contrário à fonte entra em curto. TENSÃO NO DIODO Sendo o circuito série, VT = VD + VR Como o diodo se comporta como um curto, EXEMPLOS A) Dado o circuito abaixo, calcule a intensidade de corrente elétrica? VD = V Então, VT = VR Isto significa que toda a tensão da fonte aparece no resistor em série com o diodo. 1.2 POLARIZAÇÃO REVERSA (INVERSA) Um diodo está polarizado reversamente quando o terminal positivo da fonte estiver mais perto do catodo e terminal negativo do anodo. Desta forma, o diodo se comporta como uma chave aberta bloqueando a passagem da corrente elétrica, como mostra a figura a seguir. A primeira coisa a observar é se o diodo está polarizado diretamente ou inversamente. Como neste exemplo o terminal da fonte está mais próximo do anodo, o diodo está polarizado diretamente, podendo ser substituído por uma chave fechada. Como a tensão em cima do diodo é V, toda a tensão da fonte aparece em cima do resistor. Wagner da Silva Zanco Capítulo 1: Diodo 1

8 3) Dado o circuito abaixo, calcule? a) tensão em cada diodo? b) tensão em cada resistor? c) corrente em cada braço? B) Dado o circuito abaixo, calcule: V R =? V D =? I=? 4) Quais lâmpadas estão acesas e quais estão apagadas? a) Estando o terminal positivo da fonte mais próximo do catodo, o diodo encontra-se polarizado reversamente, podendo ser substituído por uma chave aberta. Não haverá corrente circulando no circuito(i = A), o que significa que a tensão em R também é V. Com isso, toda a tensão da fonte aparece em cima do diodo VD = 12V. EXERCÍCIOS 1) Dado o circuito abaixo, calcule? a) tensão em cada diodo? b) tensão em cada resistor? c) corrente em cada braço? b) 2) Dado o circuito abaixo, calcule? a) tensão em cada diodo? b) tensão em cada resistor? c) corrente em cada braço? 2 Capítulo 1: Diodo Wagner da Silva Zanco

9 ELETRÔNICA Capítulo 2 GRÁFICO DO DIODO CURVA CARACTERÍSTICA DO DIODO Na análise inicial nós consideramos o diodo polarizado diretamente como uma chave fechada(diodo ideal). Na prática, o diodo só começa a conduzir quando a tensão em seus terminais ultrapassa a tensão de condução(limiar), que é 0,7V para diodos de Silício e 0,3V para diodos de Germânio. Como hoje praticamente todos os diodos fabricados são de Silício, daremos ênfase a eles a menos que seja dito o contrário. A seguir vemos o gráfico da tensão versus corrente do diodo de Silício. Depois que o diodo começou a conduzir a tensão em seus terminais se mantém em 0,7V, sendo que todo o excedente de tensão da fonte aparecerá no resistor. Por exemplo: 2.2 POLARIZAÇÃO REVERSA 2.1 POLARIZAÇÃO DIRETA Quando o diodo é polarizado diretamente, podemos observar que a corrente permanece em zero até que a tensão nos terminais do diodo ultrapasse a tensão de limiar (0,7V). Isto significa que, mesmo estando polarizado diretamente, o diodo só conduz quando a tensão em seus terminais atinge o valor de limiar. A corrente no diodo aumenta bruscamente após a tensão em seus terminais ter ultrapassado o valor de limiar. O mesmo, porém, não acontece com a tensão nos terminais do diodo, que aumenta modestamente para grandes aumentos na corrente direta. Para efeito de cálculo nós consideramos que em condução o diodo tem em seus terminais uma tensão de 0,7V, mas lembre-se que na prática a tensão no diodo aumenta quando a corrente direta aumenta. Um fabricante do diodo 1N5408 informa em seu datasheet que o mesmo pode ter uma tensão de 1.2V quando a corrente direta no diodo for de 3A. Para que a corrente no diodo não ultrapasse o valor nominal, é necessário que seja ligado um resistor em série com o diodo quando ele estiver polarizado diretamente, cuja finalidade é limitar a corrente no componente para que ele não seja destruído por excesso de dissipação de calor. O resistor em série com o diodo polarizado diretamente é necessário porque, em condução, o diodo praticamente não oferece oposição a passagem da corrente elétrica, ou seja, sua resistência interna é muito baixa. Por este motivo que normalmente nós consideramos o diodo como um curto quando ele está polarizado diretamente. Vemos a seguir um circuito com um diodo polarizado diretamente por meio de uma fonte variável. Para tensões da fonte entre 0V e 0,7V, o diodo continua se comportando como uma chave aberta, mesmo estando polarizado diretamente. Vimos no gráfico do diodo que para esta faixa de tensão no diodo, a corrente é zero. Quando a tensão da fonte ultrapassa 0,7V, o diodo começa a conduzir, permitindo a passagem dos elétrons. Vemos no gráfico do diodo também que quando a tensão no diodo atinge 0,7V a corrente tem um aumento brusco. O resistor em série com o diodo tem a função de não permitir que esta corrente aumente a ponto de danificar o diodo. O diodo 1N4001, por exemplo, suporta uma corrente máxima de 1A estando polarizado diretamente. Uma vez em condução, grandes aumentos na corrente provoca pequena variação na tensão no diodo. Para efeito de cálculo esta pequena variação de tensão no diodo não é considerada. Quando se leva em consideração a tensão de condução do diodo, dizemos que ele está se comportando como um diodo real. Quando o diodo é polarizado reversamente ele se comporta como uma chave aberta até que a tensão em seus terminais ultrapasse o valor de ruptura, quando então o diodo conduz intensamente e se destrói por excesso de dissipação de calor. O diodo 1N4001, por exemplo, possui uma tensão de ruptura de 50V. Se você for usar este diodo polarizado reversamente em um circuito certifique-se de que a tensão em seus terminais nunca irá ultrapassar 50V. Vemos a seguir um diodo polarizado reversamente em série com um resistor. Como o diodo se comporta como uma chave aberta não tem corrente circulando no circuito e, conseqüentemente, não tem tensão no resistor R. Isso significa que toda a tensão da fonte aparece nos terminais do diodo. Desde que esta tensão reversa no diodo não ultrapasse o valor de ruptura o diodo irá se comportar como uma chave aberta. VT = VD + VR Como, I = 0 e VR = 0 Então, VT = VD Na verdade, o diodo não se comportará exatamente como uma chave aberta estando polarizado reversamente, pois uma pequena corrente reversa circulará por ele mesmo estando reversamente polarizado. Como será visto mais adiante, esta corrente reversa possui duas componentes que são: corrente de fuga superficial e corrente dos portadores minoritários. Estas componentes da corrente reversa serão devidamente explicadas quando formos estudar a estrutura atômica do diodo. Por ora, saiba que a corrente de fuga superficial depende da tensão reversa nos terminais do diodo e que a corrente dos portadores minoritários depende da temperatura. Wagner da Silva Zanco Capítulo 2: Curva Característica do Diodo 3

10 Veja a seguir as especificações de alguns diodos encontrados com certa facilidade no mercado. C) Diodo Tensão de Ruptura ID (máxima corrente direta) 1N914 75V 200mA 1N V 1A 1N V 35A 1N V 1A D) 2.3 TENSÃO DE CONDUÇÃO DO DIODO Na verdade, o ponto de condução exato do diodo (a tensão na qual ele começa a conduzir) varia de diodo para diodo. Um diodo pode começar a conduzir a partir de 0,6V ou 0,65V, ou em algum outro valor em torno de 0,7V. Até diodos do mesmo tipo podem começar a conduzir em pontos diferentes de tensão. Felizmente para efeito de cálculo, nós não precisamos nos preocupar com isso, mas mantenha este fato em mente sempre que for fazer alguma montagem com diodos. A folha de dados do 1N4001 informa também que se ele estiver polarizado diretamente e estiver sendo percorrido por uma corrente de 1,0A, a tensão em seus terminais pode ter qualquer valor entre 0,93V e 1,1V se a temperatura ambiente for de 25ºC. 2.4 RESISTÊNCIA INTERNA DO DIODO(RI) Na maioria dos casos, considera-se o diodo em condução como uma chave fechada, mas o diodo não se comporta exatamente como um curto, ele possui uma pequena resistência interna. Esta resistência interna pode ser calculada dividindo a tensão no diodo pela corrente que passa por ele. Como normalmente esta resistência interna é muito baixa, ela quase sempre é desprezada. No exemplo acima nós podemos calcular a resistência interna do diodo, como mostrado a seguir. E) RI = 0,7 2,3mA = 304,34Ω EXERCÍCIOS 1) Dado os circuitos a seguir, calcule: OBS: Diodo real a) Corrente em cada braço? b) Tensão em cada resistor? c) Tensão no diodo? A) F) B) 4 Capítulo 2: Curva Característica do Diodo Wagner da Silva Zanco

11 ELETRÔNICA Capítulo 3 GRÁFICO DO DIODO ESTURUTURA INTERNA DO DIODO 3.1 O ELÉTRON A eletrônica é a ciência que se dedica ao comportamento dos elétrons, afim de que eles sejam aproveitados em funções úteis. A própria palavra eletrônica deriva do termo elétrons, de origem grega, e designa uma das partículas básicas da matéria. A eletricidade de que estamos acostumados a nos servir chega até as nossas casas pelo movimento de elétrons através dos fios. O movimento de elétrons que citamos é chamado de corrente elétrica. 3.2 ÁTOMO Nós sabemos que a matéria é tudo aquilo que possui massa e ocupa lugar no espaço. Toda matéria é constituída de átomos. O átomo se divide em duas partes: Núcleo, onde se encontram os prótons e os nêutrons e Eletrosfera, onde se encontram os elétrons. Quando aplicamos em certos materiais energia externa como luz, calor, pressão, os elétrons absorvem esta energia, e se esta for maior que a força exercida pelo núcleo, o elétron poderá se desprender do átomo tornando-se um elétron livre. A corrente elétrica é nada mais que o movimento de elétrons livres. Os elétrons livres se encontram em grande quantidade nos materiais chamados bons condutores, e não existem ou praticamente não existem, nos chamados maus condutores ou isolantes. Como exemplo de bons condutores podemos citar as ligas metálicas, ouro, prata, cobre, ferro, alumínio etc. Alguns exemplos de isolantes são: vidro, porcelana, mica, borracha, madeira etc. 3.5 SEMICONDUTORES Sabe-se atualmente que existem dezenas de outras partículas diferentes no átomo, tais como mésons, neutrinos, quaks, léptons, bósons etc. 3.3 CARGA ELÉTRICA Eletricamente falando, um átomo pode se encontrar em três situações diferentes: Neutro quando a quantidade de prótons é igual a de elétrons. Este é o estado normal de qualquer átomo. Neste caso dizemos que ele está em equilíbrio. Carregado positivamente quando a quantidade de prótons é maior que a de elétrons. Carregado negativamente Quando a quantidade de prótons é menor que a de elétrons. A menor quantidade de carga elétrica que um átomo pode adquirir é a carga de um próton ou a de um elétron. Os semicondutores são substâncias cujos átomos possuem quatro elétrons na camada de valência(última camada). Os semicondutores não são bons nem maus condutores de eletricidade. Na verdade, a condutividade de um semicondutor depende da temperatura a qual ele está submetido. Por exemplo, um cristal de silício se comporta como um isolante perfeito a temperatura de -273ºC. A medida que a temperatura vai aumentando sua condutividade também aumenta. O Silício e o Germânio são os semicondutores usados na construção de dispositivos eletrônicos como diodos, transistores, circuitos integrados etc. O Germânio praticamente não é mais usado na construção de dispositivos semicondutores devido a sensibilidade à temperatura. Por isso, quando falarmos de semicondutores, estaremos falando do Silício. O átomo de Silício possui quatorze elétrons, quatorze prótons e quatorze nêutrons. 3.6 LIGAÇÃO COVALENTE Nós já sabemos que o átomo de silício possui quatro elétrons na camada de valência. Contudo, para formar o sólido o átomo precisa de oito elétrons na camada de valência, ou seja, estar quimicamente estável. Para obter os oito elétrons na camada de valência os átomos se associam numa ligação chamada de ligação covalente. Na ligação covalente os átomos compartilham elétrons com os átomos que estão a sua volta, como vemos na figura a seguir. Elétron carga elétrica negativa(--) fundamental da eletricidade. Próton carga elétrica positiva(+) fundamental da eletricidade Nêutron não possui carga elétrica. A carga elétrica fundamental foi medida pela primeira vez em 1909 pelo físico norte americano R. A. Milikan. Expressa no SI em Coulomb, o valor numérico da carga elétrica fundamental de um elétron, sendo a do próton igual em módulo, mudando apenas o sinal, que é positiva é: e - = 1,6 x C 3.4 ELÉTRONS LIVRES O que mantém os elétrons ligados aos seus respectivos átomos é o seu movimento em torno do núcleo, associado a força de atração mutua existente entre eles e os prótons. Quanto mais afastado do núcleo estiver este elétron, menor será esta força de atração mutua. Na ligação covalente cada átomo compartilha um elétron com o átomo vizinho. Desta forma, o átomo central apanha quatro elétrons emprestados, o que lhe dá um total de oito elétrons na camada de valência, adquirindo estabilidade química para formar o sólido. Os elétrons compartilhados não passam a fazer parte efetivamente do átomo central. Portanto, eletricamente falando, cada átomo ainda continua com quatro elétrons na camada de valência e quatorze no total, ou seja, eletricamente neutro. Os átomos de Silício se distribuem no sólido formando uma estrutura cúbica, onde os átomos ocupam os vértices do cubo. Esta estrutura cúbica é normalmente chamada cristal. É por isso que nós dizemos que o sólido de Silício é um cristal de Silício. A figura a seguir ilustra a idéia. Wagner da Silva Zanco Capítulo 3: Estrutura Interna do Diodo 5

12 cristal através das lacunas, pulando de uma para a outra. A corrente de elétrons de valência pode ser vista como uma corrente de lacunas em sentido contrário, como mostra afigura a seguir. Cristal de silício puro 3.7 ELÉTRON LIVRE NO SEMICONDUTOR Já vimos que o que mantém os elétrons presos aos seus respectivos átomos é a força de atração exercida pelo núcleo, associada ao movimento circular do elétron em torno do núcleo. Sabe-se que associado a todo movimento circular atua a força centrífuga, que puxa o corpo para fora do centro do movimento. No caso dos elétrons, ocorre que a força centrífuga puxa os elétrons para fora do núcleo, enquanto os prótons os puxam para dentro. O equilíbrio destas duas forças é que mantém os elétrons ligados aos átomos. Tendo isto em vista, podemos concluir que a força de atração que atua nos elétrons das últimas camadas é menor que a força que atua nos elétrons das primeiras camadas. Se um elétron da camada de valência receber energia externa como luz calor etc., e esta for maior que a força de atração exercida pelo núcleo, o elétron pode subir para uma órbita acima da camada de valência, chamada de banda de condução. Uma vez na banda de condução o elétron está livre para se deslocar pelo cristal, sendo o mesmo chamado de elétron livre. Ao ir para a banda de condução, o elétron deixa um vazio que nós chamamos de lacuna. 3.9 CORRENTE DE ELÉTRONS LIVRES E DE LACUNAS A figura a seguir mostra o cristal ampliado até a estrutura atômica submetido a uma DDP. O elétron livre mostrado dentro do cristal será atraído pelo terminal positivo da fonte, se deslocando dentro do cristal pela banda de condução, como indica a seta. Esta corrente de elétrons livres é de mesma natureza que a corrente que se estabelece nos materiais condutores. Observe agora a lacuna mostrada na figura. O elétron do ponto 1 pode ser atraído pela lacuna. Se isso ocorrer, a lacuna na extremidade deixará de existir e, onde estava o elétron no ponto 1 terá uma lacuna. A lacuna no ponto 1 agora pode atrair o elétron do ponto 2, onde passará a estar a lacuna. Se continuarmos este raciocínio, como mostram as setas, veremos que os elétrons estão se deslocando em direção ao terminal positivo e a lacuna em direção ao terminal negativo. Ao saírem pela extremidade do cristal, tanto o elétron livre quanto o elétron de valência tornam-se elétrons livres, seguem em direção ao terminal positivo da fonte, entram na fonte, saem pelo terminal negativo e entram na extremidade oposta do cristal. Alguns elétrons atravessam o cristal como elétrons livres, outros se recombinam e atravessam o cristal como elétron de valência. O movimento de elétrons de valência dentro do cristal pode ser visto como o movimento de lacunas em sentido contrário. Cristal de silício puro Este fenômeno é chamado de quebra de ligação covalente. Esta quebra produz um par elétron-lacuna. Do mesmo modo, um elétron livre vagando pelo cristal pode passar perto de uma lacuna e ser atraído por ela. Neste caso houve uma recombinação. Sendo a corrente elétrica o movimento de elétrons livres, o silício é um isolante perfeito a uma temperatura de -273ºC, porque a esta temperatura não existe nenhum elétron livre. A medida que a temperatura vai aumentando, vai ocorrendo a quebra de ligações covalentes, assim como recombinações. À temperatura ambiente de 25ºC um cristal de silício puro possui uma quantidade de pares elétron-lacuna mais ou menos estável devido as constantes quebras de ligações covalentes produzidas termicamente, assim como recombinações. 3.8 CRISTAL PURO Vemos na figura a seguir um cristal de silício puro. À temperatura ambiente existe um número mais ou menos estável de elétrons livres e de lacunas produzidos termicamente, como já vimos anteriormente. Este movimento de elétrons de valência (ou de lacunas), é o que diferencia os semicondutores dos condutores. Num condutor só existe corrente de elétrons livres. A corrente de lacunas nos semicondutores é apenas uma analogia, porque quem se movimenta na verdade são os elétrons de valência, tenha isso sempre em mente. Na prática, não temos como medir a corrente de elétrons livres e de lacunas de forma independente dentro do cristal, mas saiba que elas existem e que o uso dos semicondutores na construção de dispositivos eletrônicos se deu, em grande parte, por esta característica. Uma forma de aumentar a condutividade do cristal puro é introduzir no cristal impurezas pentavalentes, que são átomos com cinco elétrons na última camada, produzindo um cristal tipo N. Para cada átomo de impureza pentavalente introduzido no cristal aparecerá um elétron livre. A figura a seguir mostra um cristal tipo N. Se submetermos um cristal de silício puro a uma DDP, nós vamos observar algo interessante. Existem dois trajetos para os elétrons se movimentarem dentro do cristal, ou seja, teremos duas correntes elétricas: uma de elétrons livres e a outra de elétrons de valência. Os elétrons livres irão se deslocar de um lado para outro do cristal através da banda de condução, os elétrons de valência se deslocarão de um lado para outro do 6 Capítulo 3: Estrutura Interna Do Diodo Wagner da Silva Zanco

13 Semicondutor tipo N de potencial. Esta DDP nos diodos de Germânio é de 0,3V e nos de silício é de 0,7V DIODO DE JUNÇÃO Uma outra forma de aumentar a condutividade de um cristal puro é a dopagem com impurezas trivalentes, que são átomos com três elétrons na última camada, produzindo um cristal tipo P. Para cada átomo de impureza trivalente introduzido no cristal aparecerá uma lacuna. A figura a seguir mostra um cristal tipo P. Na figura a seguir vemos a estrutura interna de um diodo de junção. O terminal ligado ao lado P é o anodo (A) e o terminal ligado ao lado N é o catodo(k). A faixa cinza próxima a junção é a camada de depleção, que irá se comprimir ou se expandir quando o diodo for submetido a uma diferença de potencial. Semicondutor tipo P 3.13 POLARIZAÇÃO DIRETA 3.10 JUNÇÃO PN Se nós doparmos a metade de um cristal puro com impurezas trivalentes e a outra metade com impurezas pentavalentes produziremos um diodo de junção, ou diodo semicondutor. o lado do cristal dopado com impurezas trivalentes terá muitas lacunas e o lado dopado com impurezas pentavalentes terá muitos elétrons livres. Os poucos elétrons livres vistos no lado P, assim como as poucas lacunas vistas no lado N, são produzidos termicamente. Ocorre que os elétrons mais próximos da junção são atraídos pelas lacunas que estão mais próximas, conforme mostram as setas na figura acima. Quando o elétron deixa o átomo para se recombinar com a lacuna, este átomo se transforma em um íon positivo, pois ele perdeu um elétron. Da mesma forma, o átomo ao qual pertencia a lacuna, se transforma em um íon negativo. Esta recombinação irá ocorrer com todos os elétrons e lacunas que estiverem próximos da junção. Cada recombinação fará aparecer um par de íons próximos da junção. Isto resultará em uma coluna de íons positivos do lado N e um a coluna de íons negativos do lado P. A figura a seguir ilustra a idéia. Para polarizar um diodo diretamente temos de submete-lo a uma diferença de potencial, de forma que o terminal positivo da fonte fique mais próximo do anodo e o terminal negativo mais próximo do catodo, como mostra a figura a seguir. Quando isso ocorre, o terminal positivo da fonte irá repelir as lacunas do lado P, e o terminal negativo irá repelir os elétrons livres do lado N. Esta repulsão provocará a compressão da camada de depleção. Quando a tensão entre os terminais do diodo atingir o valor da barreira de potencial (0,7V para o silício), ou seja, VT > 0,7V, a camada de depleção estará tão comprimida que permitirá que os elétrons livres da região N atravessem a junção e entrem na região P. Uma vez dentro da região P os elétrons livres descem da banda de condução para a camada de valência e atravessam a região P como elétrons de valência, pulando de lacuna em lacuna até saírem pelo terminal do anodo, quando seguem para o terminal positivo da fonte, entram na fonte, saem pelo terminal negativo, entram na região N do diodo pelo terminal do catodo, atravessam a região N como elétrons livres, cruzam a junção e assim sucessivamente. O que nós acabamos de descrever é na verdade um fluxo de elétron, ou uma corrente elétrica. Resumindo, quando o diodo é polarizado diretamente e a tensão em seus terminais atinge o valor da barreira de potencial o diodo começa a conduzir corrente, ou seja, permite que os elétrons cruzem a junção. Chegará um momento que a região próxima à junção ficará esgotada de elétrons livres e lacunas. A coluna de íons negativos do lado P irá repelir qualquer elétron que tentar atravessar a junção em busca de alguma lacuna, estabelecendo-se assim um equilíbrio. Não confunda íon com elétron livre ou lacuna. um íon é um átomo que adquiriu carga elétrica, ou seja, ganhou ou perdeu elétrons. Na figura acima o íon negativo está representado por um sinal negativo com um círculo em volta, e o íon positivo por um sinal positivo com um círculo em volta. Uma vez em condução, a resistência entre os terminais do diodo cai drasticamente. Isto significa que o diodo se comporta quase como um curto, o que justifica o fato de que sempre veremos um resistor em série com o diodo quando ele estiver polarizado diretamente. Sua função é limitar a intensidade de corrente elétrica que passa pelo diodo CAMADA DE DEPLEÇÃO E BARREIRA DE POTENCIAL As colunas de íons que se formaram próximas à junção devido a recombinação de elétrons e lacunas é chamada de camada de depleção. Existe entre as duas colunas de íons uma DDP que é chamada de barreira Wagner da Silva Zanco Capítulo 3: Estrutura Interna do Diodo 7

14 3.14 POLARIZAÇÃO REVERSA Um diodo está polarizado reversamente quando o terminal positivo da fonte está mais próximo do catodo e o terminal negativo mais próximo do anodo. Quando isso ocorre, o terminal positivo da fonte irá atrair os elétrons livres da região N e o terminal negativo irá atrair as lacunas da região P. Isto provocará a expansão da camada de depleção, dificultando ainda mais a difusão de elétrons livres através da junção, ou seja, o diodo se comportará como uma chave aberta. mais o número de elétrons livres e, conseqüentemente, de choques. o processo continua até ocorrer uma avalanche de elétrons (alta corrente elétrica), que causará a destruição do diodo. EXERCÍCIOS: 1) O que é uma ligação covalente? 2) Qual a carga elétrica de um elétron? 3) O que é necessário para que um eletrôn se trone livre? 4) O que caracteriza um material semicondutor? 5) Porque o Silício normalmente é chamado de cristal? 6) O diferencia um material condutor de um semicondutor do ponto de vista da condutividade? 7) O que é dopagem? Qual a sua finalidade? 8) Explique como é obtido um diodo de junção. 9) Defina camada de depleção e barreira de poten cial. 10) O que ocorre com a camada de depleção quando um diodo é polarizado diretamente ou reversamente? Quando polarizado reversamente, a resistência entre os terminais do diodo é muito alta. Por isso costuma-se dizer que ele se comporta como uma chave aberta quando está polarizado reversamente CORRENTE REVERSA Teoricamente, um diodo polarizado reversamente se comporta como uma chave aberta, mas na prática circulará pelo diodo uma pequena corrente reversa devido aos portadores minoritários produzidos termicamente. A intensidade desta corrente reversa depende da temperatura e não da tensão aplicada. O datasheet de um diodo 1N4001 informa que a sua corrente reversa, a uma temperatura de 25ºC é tipicamente de 50pA, e a 100ºC é de 1.0µA. Veja como a corrente reversa aumenta com o aumento de temperatura. Esta corrente reversa é muita das vezes inconveniente e pode prejudicar o bom funcionamento do circuito. Isso responde porque certos equipamentos eletrônicos precisam de salas climatizadas, equipadas com ar condicionado para funcionar. Um dos motivos do uso em grande escala do Silício na confecção de componentes eletrônicos é que a corrente reversa nos componentes fabricados com Silício é menor do que nos fabricados com Germânio, ou seja, o Silício e menos sensível à temperatura. Existe uma outra componente que contribui para a corrente reversa, que é a corrente de fuga superficial. Devido a impurezas (por exemplo poeiras) localizadas na superfície do cristal, um trajeto ôhmico pode ser criado viabilizando a circulação desta corrente reversa pela superfície do cristal. Esta componente depende da tensão reversa aplicada ao diodo. Resumindo, duas componentes contribuem para a corrente reversa, a dos portadores minoritários, que depende da temperatura e a corrente de fuga superficial, que depende da tensão reversa aplicada aos terminais do diodo. Não se preocupe, por hora, com a corrente reversa, normalmente ela é tão pequena que na maioria dos casos é desprezada TENSÃO DE RUPTURA Temos de ter cuidado quando vamos polarizar um diodo reversamente, pois existe um valor de tensão máxima que cada diodo suporta estando polarizado desta forma, que é a tensão de ruptura. Se a tensão reversa nos terminais do diodo ultrapassa o valor de ruptura o mesmo conduz intensamente, danificando-se por excesso de dissipação de calor. Por exemplo, um 1N4001 suporta no máximo 50V quando polarizado reversamente. O motivo desta condução destrutiva na ruptura é um efeito conhecido como avalanche. quando o diodo está polarizado reversamente circula por ele uma pequena corrente reversa causada pelos portadores minoritários. Um aumento na tensão reversa pode acelerar estes portadores minoritários podendo causar o choque destes com os átomos do cristal. Estes choques podem desalojar elétrons de valência enviando-os para a banda de condução, somando-se aos portadores minoritários, aumentando ainda 8 Capítulo 3: Estrutura Interna Do Diodo Wagner da Silva Zanco

15 ELETRÔNICA Capítulo 4 GRÁFICO DO DIODO TRANSFORMADOR constante no núcleo. Isso significa que não haverá movimento relativo entre o campo magnético e o condutor, não havendo tensão induzida. 4.1 SÍMBOLO DO TRANSFORMADOR O transformador é formado por um núcleo de ferro, onde são enrolados os enrolamentos primário e secundário, normalmente com fios de cobre. Sua principal função é aumentar ou abaixar uma tensão aplicada em seu enrolamento primário. Vpri = Tensão no enrolamento primário (eficaz ou de pico). Vsec = Tensão no enrolamento secundário (eficaz ou de pico). N1 = Número de espiras no primário. N2 = Número de espiras no secundário. O princípio de funcionamento do transformador é baseado num fenômeno conhecido como indução eletromagnética. Quando movimentamos um condutor dentro de um campo magnético, aparece em seus extremos uma DDP, que é chamada de tensão induzida. O mesmo irá acontecer se o condutor se mantiver em repouso e movimentarmos o campo magnético. É necessário, portanto, que haja um movimento relativo entre o campo magnético e o condutor para que apareça nos extremos dele uma tensão induzida. Sabe-se que quando a corrente elétrica passa por um condutor se estabelece em torno do condutor um campo magnético, cuja intensidade depende da quantidade de elétrons que estejam passando por segundo no condutor (intensidade de corrente elétrica). A figura a seguir mostra um condutor percorrido por uma corrente elétrica e o campo magnético em torno do condutor, representado pelas linhas de forças. A principal razão que faz o transformador ser elevador ou abaixador de tensão é a relação existente entre o número de espiras nos enrolamentos primário e secundário. Se o número de espiras do enrolamento secundário for maior que o número de espiras do enrolamento primário, o transformador será elevador de tensão; se for menor será abaixador de tensão. A fórmula a seguir nos permite calcular a tensão no enrolamento secundário, sendo conhecida a tensão no primário e a relação de espiras. Ex.: Qual a tensão no enrolamento secundário do transformador a seguir? Se a intensidade da corrente que percorre o condutor varia, a intensidade do campo magnético também varia. Como o condutor está submetido ao campo, aparecerá em seus terminais uma tensão induzida. Este é o princípio de funcionamento do transformador: Uma tensão alternada é aplicada ao enrolamento primário, o que fará circular por ele uma corrente alternada. A corrente alternada que circula pelo enrolamento primário dará origem a um campo magnético variável, que se estabelecerá no núcleo do transformador. Como o enrolamento secundário está enrolado em torno do núcleo, uma tensão induzida aparecerá em seus extremos devido ao campo magnético variável ao qual está submetido. Observe que não existe contato elétrico entre os enrolamentos primário e secundário, a ligação entre os dois enrolamentos é apenas magnética. Se for aplicada uma tensão contínua no enrolamento primário, não aparecerá tensão alguma no secundário do transformador. Isso acontece porque uma fonte de tensão contínua produzirá uma corrente constante no enrolamento primário, que por sua vez produzirá um campo magnético Observe que N1=10 e N2=1. Isto não significa que o enrolamento primário possui dez espiras e o secundário uma espira. Para cada dez espiras no primário, existe uma no secundário, ou seja, se o enrolamento primário tiver mil espiras, o secundário terá cem espiras. Como foi usado o valor eficaz de tensão no primário, a tensão calculada no secundário será eficaz. Se tivesse sido usado o valor de pico de tensão no primário, o valor calculado no secundário seria de pico, não esqueça disto. Uma outra observação importante sobre o transformador é que o mesmo não altera a forma da onda nem a freqüência da tensão aplicada no enrolamento primário. O transformador altera apenas o nível de tensão, elevando ou abaixando a tensão aplicada no enrolamento primário. No exemplo acima a tensão aplicada no primário é senoidal, tendo a mesma forma de onda e freqüência que a tensão no secundário. EXERCÍCIOS Wagner da Silva Zanco Capítulo 4: Transformador 9

16 1) Qual a tensão eficaz que aparecerá no enrolamento secundário de um transformador que possui uma relação de espiras de 20:4 e uma tensão de 250Vef em seu enrolamento primário? 2) Qual a tensão de pico no secundário do trafo a seguir? 3) Se a tensão medida no secundário de um transformador é 30Vef e a sua relação de espiras é 15:3, Qual a tensão aplicada no seu enrolamento primário? 4) Se um transformador tem 2000 espiras no seu enrolamento primário e a sua relação de espiras é 5:2, quantas espiras possui seu enrolamento secundário? 5) O que define se o transformador é elevador ou abaixador de tensão? 10 Capítulo 4: Transformador Wagner da Silva Zanco

17 ELETRÔNICA Capítulo 5 GRÁFICO DO DIODO FONTES DE TENSÃO 5.1 FONTE DE TENSÃO CONTÍNUA começa, então, a diminuir até chegar a zero, a partir do qual começa um novo ciclo. 5.4 PERÍODO (T) É o tempo gasto para se completar um ciclo. Sua unidade é o segundo. A polaridade da tensão nos terminais de fonte de tensão contínua não se altera nunca, o terminal positivo é sempre positivo e o negativo é sempre negativo. A fonte de tensão contínua mantém constante a DDP entre os seus terminais. Como exemplos de fontes de tensão contínua podemos citar a pilha de controle remoto, bateria de automóvel, bateria de celular etc. Vemos a seguir o gráfico da tensão versus tempo de uma fonte de tensão contínua. Observe que a tensão se mantém constante ao longo do tempo. 5.5 FREQUÊNCIA ( ƒ ) É a quantidade de ciclos gerados a cada segundo. É o inverso do período, e sua unidade é o Hertz (Hz). A tensão na tomada de luz de nossa casa tem uma freqüência de 60Hz, ou seja, são gerados sessenta ciclos de tensão a cada segundo. 5.6 VALORES DA TENSÃO ALTERNADA SENOIDAL Existem várias formas de se representar numericamente uma tensão alternada senoidal. Estes são: 5.2 FONTE DE TENSÃO ALTERNADA - Valor de pico - Valor de pico a pico - Valor eficaz Valor de pico (VP) É o valor máximo atingido pela senoide A tensão atinge o valor de pico uma vez a cada semiciclo. Valor de pico a pico (VPP) É o dobro do valor de pico. É a faixa de tensão entre o pico positivo e o pico negativo. A fonte de tensão alternada não tem polaridade definida, ora um terminal é positivo, ora negativo. A DDP entre os terminais da fonte de tensão alternada varia a todo instante. Uma tensão alternada pode ter várias formas, a que nos interessa no momento é a tensão alternada senoidal. Veja a seguir como a tensão alternada senoidal varia com o tempo. VPP = 2. VP Valor eficaz (Vef) É o valor que a tensão alternada deveria ter se fosse contínua para produzir a mesma quantidade de calor. Suponha que ligamos uma fonte de tensão alternada aos terminais de um resistor durante um minuto, levando o mesmo se aquecer a 100ºC. O valor de tensão contínua aplicada ao mesmo resistor durante o mesmo tempo, fazendo com que o mesmo se aqueça com a mesma temperatura, é o valor eficaz desta tensão alternada. EXEMPLOS O termo senoidal deriva do fato do gráfico da tensão alternada senoidal ser idêntico ao gráfico da função seno. As tomadas de luz, onde nós ligamos a televisão, geladeira e eletrodomésticos em nossa casa, são exemplos de fontes de tensão alternada senoidal. A) Qual o período de uma tensão alternada senoidal com uma freqüência de 60Hz? 5.3 CICLO Ciclo de uma tensão alternada senoidal é a seqüência de valores onde, a partir do qual, os valores voltam a se repetir. Um ciclo é composto por dois semiciclos, um positivo e um negativo. No semiciclo positivo a tensão sai de zero, sobe até o valor máximo (VP), onde a partir do qual começa a diminuir até chegar novamente a zero. Quando a tensão entra no semiciclo negativo (começa aumentar negativamente), ocorre uma mudança de polaridade, o terminal que era positivo no semiciclo positivo, agora é negativo. A tensão aumenta até chegar ao máximo negativo (-VP), quando B) Quais os valores de pico a pico e eficaz de uma tensão alternada senoidal que tem um valor de pico de 180V? Wagner da Silva Zanco Capítulo 5: Fontes de Tensão 11

18 EXERCÍCIOS 1) Se uma tensão alternada tem um valor eficaz de 150V, quais os seus valores de pico e de pico a pico? 2) Dado o circuito abaixo, calcule: a) Vef no resistor? b) Vpp no resistor? c) Corrente eficaz? 3) tendo uma tensão alternada senoidal um valor de pico a pico de 250V, calcule: a)vef? b)vp? 4) Qual a freqüência da tensão alternada abaixo? 12 Capítulo 5: Fontes de Tensão Wagner da Silva Zanco

19 ELETRÔNICA Capítulo 6 GRÁFICO DO DIODO FONTE DE ALIMENTAÇÃO (Conversor CA-CC) A maioria dos equipamentos eletrônicos são alimentados com tensão contínua, normalmente de 3V a 30V. Ocorre que a tensão disponível nas tomadas de luz de nossas casas são 110V ou 220V alternada, dependendo da localidade. Para transformar a tensão alternada disponível na tomada de luz em tensão contínua, temos que utilizar um circuito normalmente conhecido como conversor CA-CC, mais comumente chamado de fonte de alimentação. Veja a seguir o diagrama em blocos de um conversor CA-CC. Observe que, com esta polaridade da fonte de tensão, o diodo fica polarizado diretamente, pois o terminal positivo da fonte está mais próximo do anodo. Neste caso o diodo se comportando como uma chave fechada (diodo ideal). Com o diodo em condução, os terminais da fonte ficam ligados diretamente aos terminais do resistor de carga (RL). Isto significa que a tensão nos terminais do resistor será a mesma da fonte, isto é, o semiciclo positivo da tensão da fonte aparecerá nos terminais do resistor de carga, como mostra a figura a seguir. 1 - Transformador: Sua função é reduzir o nível de tensão disponível nas tomadas de luz (110V/220V) para níveis compatíveis com os equipamentos eletrônicos. 2 - Retificador: Transforma tensão alternada (CA) em tensão contínua (CC) pulsante. 3 - Filtro: Converte a tensão CC pulsante vinda do retificador em contínua CC com ondulação. 4 - Estabilizador: Tem a função de transformar a tensão CC com ondulação em Tensão CC pura, que é a tensão utilizada pelos equipamentos eletrônicos. 6.1 TRANSFORMADOR Quando o semiciclo positivo termina, a tensão da fonte entra no semiciclo negativo. Isto provoca uma inversão na polaridade da fonte, isto é, o terminal superior da fonte passa a ser negativo e o inferior positivo, como mostra a figura a seguir. Na maior parte das fontes de alimentação, o transformador abaixa o nível da tensão de entrada para valores eficazes na faixa de 5Vef a 30Vef. Pode ser que você veja transformadores em fontes com tensão no secundário diferente da faixa citada aqui, só o tempo vai dizer. 6.2 RETIFICADOR Como já foi dito, o retificador converte tensão alternada em tensão contínua pulsante. Um retificador pode ser de meia onda, onda completa ou em ponte. O dispositivo utilizado nos retificadores é o diodo devido a sua característica de conduzir a corrente elétrica em um sentido apenas. 6.3 RETIFICADOR DE MEIA ONDA O nome meia onda deriva do fato de que apenas um dos semiciclos da tensão de entrada é aproveitado. Pode ser o semiciclo positivo ou o negativo, dependendo da posição do diodo. veja a seguir um circuito retificador de meia onda. Esta inversão na polaridade da fonte faz com que o diodo seja polarizado reversamente no semiciclo negativo, comportando-se como uma chave aberta. Como o diodo está aberto, não tem corrente circulando pelo resistor. Isto faz com que a tensão em seus terminais seja nula durante todo o semiciclo negativo. O que o diodo fez na verdade foi deixar passar para o resistor de carga apenas o semiciclo positivo da tensão da fonte, bloqueando o semiciclo negativo. Nós sabemos que a fonte de tensão alternada não tem polaridade definida, ou seja, um terminal ora é positivo ora é negativo. Vamos convencionar que durante o semiciclo positivo o terminal superior da fonte seja o positivo e o terminal inferior seja negativo, como mostra a figura a seguir. Resumindo: Quando a tensão da fonte entra no semiciclo positivo o diodo conduz (chave fechada) fazendo com que todo o semiciclo positivo da tensão de entrada apareça nos terminais do resistor de carga. Durante o semiciclo negativo o diodo não conduz (chave aberta) impedindo que o semiciclo Wagner da Silva Zanco Capítulo 6: Fonte de Alimentação 13

20 negativo chegue aos terminais do resistor de carga. A tensão nos terminais do resistor de carga é chamada de contínua pulsante. Contínua porque mantém sempre a mesma polaridade, e pulsante porque só aparece no resistor de carga os semiciclos positivos da tensão da fonte. Vemos a seguir os gráficos das tensões da fonte, resistor e diodo respectivamente. Observe que o semiciclo positivo da tensão de entrada aparece no resistor de carga e o semiciclo negativo da tensão aparece em cima do diodo. 6.6 CORRENTE MÉDIA (Icc) Se for ligado um amperímetro CC em série com o resistor de carga, ele vai medir a corrente média na carga. Icc pode ser calculada dividindo a tensão média no resistor de carga pela sua resistência. Como o diodo está em série com o resistor de carga, a corrente que passa pelo resistor de carga passa também pelo diodo. Caso este circuito seja montado na prática, Icc servirá como referência para especificação do diodo, ou seja, a corrente que o diodo suporta deverá ser maior que Icc. Normalmente Icc aparece nas folhas de dados como Io. 6.4 TENSÃO MÉDIA (Vcc) EXEMPLOS Os gráficos acima podem ser visualizados com um osciloscópio, mas como nem sempre temos um osciloscópio à mão, temos que usar outro recurso para medir a tensão nos terminais do resistor de carga. Se um voltímetro CC for ligado nos terminais do resistor de carga, ele vai medir a tensão média, que nada mais é do que a média dos valores instantâneos de tensão em cada ciclo. A fórmula a seguir pode ser usada para medir a tensão média na carga. Vcc = Tensão média Vp = Tensão de pico π = pi Vcc = Vp / π 6.5 CORRENTE NO RESISTOR DE CARGA Como o resistor de carga é um componente ôhmico (que obedece a lei de Ohm), o gráfico da corrente será idêntico ao da tensão. Em outras palavras, isto significa que a corrente no resistor de carga está em fase com a tensão em cima dele. 14 Capítulo 6: Fonte de Alimentação Wagner da Silva Zanco

21 O diodo a ser escolhido deve suportar uma corrente de no mínimo 7,71mA. Deste modo, qualquer diodo que suporte uma corrente direta maior que 7,71mA pode ser usado, como o 1N914 suporta 200mA, ele vai funcionar perfeitamente. Esta regra dos 30% de margem de segurança é apenas uma orientação, uma vez que existem projetistas que utilizam uma margem de 50%, outros até de 100%. Uma ciosa é certa, quanto maior a margem segurança utilizada menor a probabilidade do componente apresentar defeito. Não esqueça, porém de que margens maiores resultam em componentes mais caros. Quem trabalha com projetos sabe que em primeiro lugar temos de zelar pela eficácia do projeto, depois pelo custo. Talvez R$0,10 possa não fazer diferença na compra de um componente, mas imagine uma produção de peças. Neste caso a diferença é de R$1.000,00. Ao longo do nosso curso nós usaremos a margem de 30%, por se mostrar uma boa opção na relação eficácia versus custo. Vamos usar a mesma margem de 30% de segurança para o dimensionamento do diodo quanto a tensão de ruptura, ou seja, uma vez calculada a tensão de pico inversa, faça com este valor (Vpi) seja 70% do valor da tensão de ruptura do diodo. No exemplo acima, a tensão de pico inversa no diodo será igual a tensão de pico no secundário do transformador 6.7 TENSÃO DE PICO INVERSA (Vpi) Quando a tensão de entrada está no semiciclo negativo o diodo está bloqueado, e isso faz com que todo o semiciclo negativo da tensão de entrada apareça em cima do diodo, como mostra o exemplo acima. Quando a tensão da fonte atinge o valor de pico negativo (-Vp), o mesmo acontece com a tensão em cima do diodo. Esta tensão é chamada de tensão de pico inversa, que pode ser definida como a máxima tensão reversa no diodo em funcionamento. Nós sabemos que todo diodo suporta um valor máximo de tensão reversa, chamada de tensão de ruptura. A tensão de ruptura suportada pelo diodo tem que ser maior que a tensão de pico inversa. O diodo 1N914 pode ser usado no circuito acima, pois o mesmo tem uma tensão de ruptura de 75V, muito maior que os 20V de tensão de pico inversa que ele terá sobre ele no circuito em funcionamento. Vpi = Vp(sec) = 16,97V 16,97 = 70% X = 100% X = 24,24V Qualquer diodo com uma tensão de ruptura maior que 24,24V pode ser usado no circuito acima. Como o diodo 1N914 tem uma tensão de ruptura de 75V, o mesmo pode ser usado sem problemas. EXERCÍCIOS 1) dado o circuito abaixo, calcule: - considere o diodo ideal a) Vcc =? b) Icc =? c) Vef(sec) =? d) Vp(sec) =? e) Gráficos Vr, Vd e I =? O diodo 1N914 poderia ser usado neste circuito, pois a corrente média que irá passar por ele no circuito em funcionamento é de 5,4mA, sendo que ele suporta 200mA. Uma boa regra para dimensionamento do diodo é usar uma margem de 30%, ou seja, faça com que o valor Icc em funcionamento seja 70% do valor nominal de corrente do doido. Neste caso: 2) Faça o gráfico de tensão no resistor de carga? 3) Porque o retificador de meia onda tem este nome? Wagner da Silva Zanco Capítulo 6: Fonte de Alimentação 15

22 4) Dado o circuito abaixo, calcule as especificações de corrente direta (Io) e tensão de ruptura (Vr) para o diodo? - Considere o diodo real - Use a margem de segurança de 30% 5) Se no circuito acima o diodo entrar em curto permanente, como ficará o gráfico de tensão no resistor de carga? 16 Capítulo 6: Fonte de Alimentação Wagner da Silva Zanco

23 ELETRÔNICA Capítulo 7 GRÁFICO DO DIODO RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA 7.1 TRANSFORMADOR COM DERIVAÇÃO CENTRAL O transformador com derivação central possui uma derivação na metade do enrolamento secundário fazendo com que o enrolamento secundário seja divido em dois: enrolamento secundário superior e enrolamento secundário inferior. Se medirmos a tensão em cada enrolamento secundário com um osciloscópio tomando como referência a derivação central, veremos a figura 2A no semiciclo positivo, e a figura 2B no semiciclo negativo da tensão de entrada. Vemos a seguir o diagrama de tempo completo das tensões nos enrolamentos secundário, secundário superior e secundário inferior. Quando aplicamos uma tensão alternada no enrolamento primário do transformador (trafo), e a tensão no enrolamento secundário está em fase, as polaridades das tensões no primário e no secundário serão como mostradas na figura 1A quando a tensão de entrada estiver no semiciclo positivo. Observe a derivação central. Para o enrolamento secundário superior sua polaridade é negativa, mas para o enrolamento secundário inferior sua polaridade é positiva durante o semiciclo positivo de tensão de entrada, como mostra a figura 1B. V1 = tensão no enrolamento secundário superior V2 = tensão no enrolamento secundário inferior 7.2 RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA No semiciclo negativo da tensão de entrada a polaridade da tensão se inverterá, ou seja, quem é positivo passa a ser negativo e vice-versa, como mostra a figura 1C. Vemos a seguir um retificador de onda completa. Observe que o circuito aproveita os dois semiciclos da tensão de entrada. Durante o semiciclo positivo, D1 conduz fazendo com que toda a tensão do enrolamento superior apareça em cima do resistor de carga RL. Durante o semiciclo negativo da tensão de entrada D2 conduz fazendo com que apareça no resistor de carga toda a tensão do enrolamento inferior. Wagner da Silva Zanco Capítulo 6: Fonte de Alimentação 17

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 2 Diodos 2 COMPONENTES SEMICONDUTORES 1-Diodos Um diodo semicondutor é uma estrutura P-N que, dentro de seus limites de tensão e de corrente, permite a passagem

Leia mais

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos semicondutor Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de ) [1][2] semicondutor é um dispositivo ou componente eletrônico composto de cristal semicondutor de silício ou germânio numa película

Leia mais

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTO O diodo semicondutor é um dispositivo, ou componente eletrônico, composto de um cristal semicondutor de silício, ou germânio, em uma película cristalina cujas faces opostas

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES

CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES INTRODUÇÃO Os materiais semicondutores são elementos cuja resistência situa-se entre a dos condutores e a dos isolantes. Dependendo de sua estrutura qualquer elemento

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986).

INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986). INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986). 2.1. TEORIA DO SEMICONDUTOR ESTRUTURA ATÔMICA Modelo de Bohr para o átomo (Figura 2.1 (a)) o Núcleo rodeado por elétrons em órbita.

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira DIODOS A união de um cristal tipo p e um cristal tipo n, obtém-se uma junção pn, que é um dispositivo de estado sólido simples: o diodo semicondutor de junção. Figura 1 Devido a repulsão mútua os elétrons

Leia mais

UNISANTA Universidade Santa Cecília Santos SP Disciplina: Eletrônica I Próf: João Inácio

UNISANTA Universidade Santa Cecília Santos SP Disciplina: Eletrônica I Próf: João Inácio Exercícios 1 Materiais Semicondutores e Junção PN 1- Em relação à teoria clássica que trata da estrutura da matéria (átomo- prótons e elétrons) descreva o que faz um material ser mal ou bom condutor de

Leia mais

É um dispositivo que permite modificar uma tensão alternada, aumentando-a ou diminuindo-a.

É um dispositivo que permite modificar uma tensão alternada, aumentando-a ou diminuindo-a. Prof. Dr. Sérgio Turano de Souza Transformador Um transformador é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, induzindo tensões, correntes e/ou de

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

Lista I de Eletrônica Analógica

Lista I de Eletrônica Analógica Lista I de Eletrônica Analógica Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Bons estudos! Cronograma de Estudos: 1. Os Semicondutores são materiais que possuem: ( A ) Nenhum elétron

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa

Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa. Polarização Reversa Diodo semicondutor Diodo semicondutor Ao conjunto de materiais n e p com a camada de depleção formada damos o nome de diodo de junção ou diodo semicondutor. Símbolo: 2 Diodo Semicondutor O diodo pode apresentar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES ESTUDO DO Os átomos de germânio e silício tem uma camada de valência com 4 elétrons. Quando os átomos de germânio (ou silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura cristalina, ou seja, são substâncias

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 01)A força elétrica que provoca o movimento de cargas em um condutor é: A ( ) A condutância B ( ) A temperatura C ( ) O campo elétrico D ( ) A tensão elétrica

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari Eletricidade Aula 1 Profª Heloise Assis Fazzolari História da Eletricidade Vídeo 2 A eletricidade estática foi descoberta em 600 A.C. com Tales de Mileto através de alguns materiais que eram atraídos entre

Leia mais

DISPOSITIVOS A ESTADO SÓLIDO FUNCIONANDO COMO CHAVES ELETRÔNICAS. Impurezas em materiais semicondutores e as junções PN

DISPOSITIVOS A ESTADO SÓLIDO FUNCIONANDO COMO CHAVES ELETRÔNICAS. Impurezas em materiais semicondutores e as junções PN DISPOSITIVOS A ESTADO SÓLIDO FUNCIONANDO COMO CHAVES ELETRÔNICAS Os dispositivos a estado sólido podem ser usados como amplificadores ou como chaves. Na eletrônica de potência, eles são usados principalmente

Leia mais

Calculando resistor limitador para LED.

Calculando resistor limitador para LED. Calculando resistor limitador para LED. Texto Adaptado de: http://www.py2bbs.qsl.br/led.php. Acesso em: 01/03/2011 Aviso: Leia este texto completamente, não pule partes, pois explico o básico do básico

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1 1 T E O R I A 1. CARGA ELÉTRICA A carga elétrica é uma propriedade física inerente aos prótons e elétrons (os nêutrons não possuem esta propriedade) que confere a eles a capacidade de interação mútua.

Leia mais

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha www.gvensino.com.br 1) Quantos elétrons de valência tem um átomo de silício? a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 8 2) Marque qual ou quais

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua Circuitos de Corrente Contínua Conceitos básicos de eletricidade Fundamentos de Eletrostática Potencial, Diferença de Potencial, Corrente Tipos de Materiais Circuito Elétrico Resistores 1 Circuitos de

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes SEMICONDUTOR

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes SEMICONDUTOR UNIVERSIDDE TECNOLÓGIC FEDERL DO PRNÁ DEPRTMENTO CDÊMICO DE ELETROTÉCNIC ELETRÔNIC 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes UL 2 FORMÇÃO DO DIODO SEMICONDUTOR Em 21 de agosto de 2015. REVISÃO: OPERÇÃO SIMPLIFICD

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo 1 FET - Transistor de Efeito de Campo Introdução Uma importante classe de transistor são os dispositivos FET (Field Effect Transistor). Transistor de Efeito de Campo. Como nos Transistores de Junção Bipolar

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Eletrônica Básica. Os prótons estão sempre presentes no núcleo e têm carga elétrica positiva.

Eletrônica Básica. Os prótons estão sempre presentes no núcleo e têm carga elétrica positiva. Eletrônica Básica 1. Teoria Básica dos Semicondutores. 2. Diodo de Junção PN. 3. Complementos. 4. Diodos Especiais 5. Circuitos com Diodo. 6. Transistores. 1 Eletrônica Básica 1. Teoria Básica dos Semicondutores

Leia mais

DS100: O SINAL ELÉTRICO

DS100: O SINAL ELÉTRICO DS100: O SINAL ELÉTRICO Emmanuel M. Pereira I. Objetivo O propósito deste artigo é esclarecer aos clientes da Sikuro, usuários do eletroestimulador modelo DS100 (C ou CB), no que se refere ao tipo de onda

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS

CURSO DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ELETRÔNICA - COELE Apostila didática: CURSO DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS Apostila didática: ELETRÔNICA INDUSTRIAL, Me. Eng.

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA

DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA ELETRÔNICA ELETRÔNICA 2 ÍNDICE 1 DIODO SEMICONDUTOR E RETIFICAÇÃO 4 1.1 FÍSICA DOS SEMICONDUTORES 4 A ESTRUTURA DO ÁTOMO 4 ESTUDO DO SEMICONDUTORES 4 1.2 DIODO 7 POLARIZAÇÃO

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica

FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica Prof. Evaldo Renó Faria Cintra 1 Diodo Semicondutor Polarização Direta e Reversa Curva Característica Níveis de Resistência e Modelos Efeitos Capacitivos

Leia mais

9 Eletrônica: circuitos especiais

9 Eletrônica: circuitos especiais U UL L Eletrônica: circuitos especiais Um problema Um dos problemas com que se defrontava a eletrônica consistia no fato de que as válvulas, então empregadas nos sistemas, além de serem muito grandes,

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro 1 Disciplina: Eletricidade Básica Prof. Flávio Ribeiro Princípios básicos de Eletricidade : A eletricidade é a forma de energia mais utilizada na sociedade atual. Transformada facilmente em outros tipos

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

Eletrônica Linear. Moisés Carneiro da Silva. Curso Técnico em Telecomunicações

Eletrônica Linear. Moisés Carneiro da Silva. Curso Técnico em Telecomunicações Eletrônica Linear Moisés Carneiro da Silva Curso Técnico em Telecomunicações rede e-tec Brasil Eletrônica Linear Moisés Carneiro da Silva Brasília - DF 2014 Presidência da República Federativa do Brasil

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

1. Materiais Semicondutores

1. Materiais Semicondutores 1. Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Eletrônica I Conteúdo Teoria Materiais semicondutores Dispositivos semicondutores: diodo, transistor bipolar (TBJ), transistor de efeito de campo (FET e MOSFET)

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

Projeto de Ensino. Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas

Projeto de Ensino. Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física Projeto de Ensino Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas Petiano: Allison Klosowski Tutor: Eduardo Vicentini Guarapuava 2011. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador Geradores elétricos Geradores elétricos são dispositivos que convertem um tipo de energia qualquer em energia elétrica. Eles têm como função básica aumentar a energia potencial das cargas que os atravessam

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MATERIAIS SEMICONDUTORES

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MATERIAIS SEMICONDUTORES 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MATERIAIS SEMICONDUTORES INTRODUÇÃO O material básico utilizado na construção de dispositivos eletrônicos semicondutores, não é um bom condutor, nem um bom isolante. Compare

Leia mais

Termistor. Termistor

Termistor. Termistor Termistor Aplicação à disciplina: EE 317 - Controle e Automação Industrial Este artigo descreve os conceitos básicos sobre termistores. 1 Conteúdo 1 Introdução:...3 2 Operação básica:...4 3 Equação de

Leia mais

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns:

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Díodos Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Têm dois terminais (tal como uma resistência). A corrente

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais