Projeto de Ensino. Unidade Universitária de Dourados. Direito da Seguridade Social. Curso de Direito. Evolução Histórica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Ensino. Unidade Universitária de Dourados. Direito da Seguridade Social. Curso de Direito. Evolução Histórica"

Transcrição

1 Unidade Universitária de Dourados Curso de Direito Projeto de Ensino Direito da Seguridade Social Evolução Histórica Prof. Esp. Eliotério Fachin Dias 2013

2 1. Evolução Histórica Para compreendermos a Seguridade Social, há a necessidade de examinarmos suas origens e seu desenvolvimento, no transcurso do tempo, no Brasil e nos demais países. 1.1 No direito estrangeiro A preocupação do homem, quanto ao infortúnio, precede ao Direito Romano, existindo, por parte da família romana, a obrigação de prestar assistência aos servos e clientes, de modo a ajudar os mais necessitados, por meio da pater familias, em forma de associação, mediante contribuições de seus membros. A Sereníssima República de Veneza, além de ter criado a letra de cambio, difundiu e aperfeiçoou os tratados de comercio internacional, que posteriormente viria a se tornar a clausula da nação mais favorecida e de tratamento nacional, assim como instituiu o primeiro sistema previdenciário europeu. No século XV, segundo Fernand Braudel, Veneza tinha o mesmo papel central na economia do mundo que atualmente possui Nova Iorque. Posteriormente, em 1344, com a mesma preocupação da infortunística, ocorreu a celebração do primeiro contrato de seguro marítimo, surgindo, logo após, a cobertura de riscos contra incêndios. Em 1601, a Inglaterra editou a lei de amparo aos pobres (Poor Relief Act), instituindo a contribuição obrigatória para fins sociais, e, ainda, outras sobre assistência pública. Otto Von Bismarch, na Alemanha, introduziu uma série de seguros sociais, instituindo, em 1883, o seguro-doença, custeado por contribuições dos empregados, empregadores e Estado; em 1884, o seguro contra acidentes do trabalho com custeio dos empresários; e, em 1889, o seguro de invalidez e velhice custeado pelos trabalhadores, empregadores e Estado. O Pontífice Papa Leão XIII (1891) pronunciou-se, através da Encíclica Rerum Novarum, sobre as contingências futuras, e, ainda, o Papa Pio XI, no Quadragésimo Ano. Em 1897, a Inglaterra instituiu o Workmen s Compensation Act, criando o seguro obrigatório contra acidentes de trabalho, impondo aos empregadores, o princípio da 2

3 responsabilidade objetiva, tornando-o responsável pelo infortúnio, atribuindo-lhe o pagamento de indenizações ao obreiro, mesmo sem que tenha concorrido com culpa pelos acidentes. Em 1898, a França promulgou norma criando a assistência à velhice e aos acidentes do trabalho. Em 1907, foi instituído o sistema de assistência à velhice e acidentes do trabalho. Em 1908, o Old Age Pensions Act, o sistema de pensões aos maiores de 70 anos, independentemente de contribuição social. A partir de 1911, foi instituído o National Insurance Act, o sistema de contribuições sociais, a cargo do empregador, do empregado e do Estado. A Constituição do México de 1917 iniciou uma nova fase, denominada constitucionalismo social, ao dispor em seu art. 123, sobre o seguro social. O constitucionalismo social começou a tratar dos direitos sociais, trabalhistas, inclusive previdenciários. A Constituição de Weimar, em 1919, na Alemanha, incumbia ao Estado prover a subsistência do cidadão alemão, caso este não pudesse exercer trabalho produtivo (art. 163). A Organização Internacional do Trabalho (OIT) criada pelo Tratado de Versalhes em 1919, passou a tratar sobre previdência social, em suas Convenções, tais como, a de n. 12, em 1921, sobre acidentes do trabalho na agricultura, a de n. 17, em 1927, sobre indenização por acidentes do trabalho, e outras. Nos Estados Unidos, Roosevelt instituiu o New Deal, a doutrina do Welfare State (Estado do bem-estar social), tentando resolver as conseqüências da crise econômica que se iniciara em Dispunha sobre o combate às perturbações da vida humana, a luta contra a miséria, o desemprego e a velhice. O Congresso aprovou, em 1935, o Social Security Act, para ajudar os idosos, estimular o consumo, instituindo o auxílio-desemprego. 3

4 Em 1941, a Inglaterra aprovou o Plano Beveridge, um programa de prosperidade política e social, visando acobertar o indivíduo de certas contingências sociais, tais como a indigência. Em 1946, foi implantado um plano de previdência social, reformando o sistema inglês de proteção social. A preocupação com a infortunística ultrapassou fronteira, sendo, então, alvo da ONU, em 1948, com a Declaração dos Direitos do Homem, ao determinar, entre os direitos fundamentais da pessoa humana a proteção previdenciária, assegurando que: Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família, saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora do seu controle. 1.2 No Direito Brasileiro A seguridade social no Brasil foi disciplinada em todas as Constituições, algumas, de maneira tímida, breve; outras, de maneira ampla, como a atual, de 1988, tendo um capítulo específico (arts. 194 a 204) Constituição de 1824 A Constituição de 1824 estabeleceu, no art. 179, no inciso XXXI, sobre a constituição dos socorros públicos. Na vigência dessa constituição, apareceu, em 1935, o Montepio Geral dos Servidores do Estado (Mongeral), a primeira entidade privada a funcionar no país, que previa a cobertura de certos riscos. O Código Comercial de 1850 previa, em seu art. 79, sobre os acidentes imprevistos e inculpados que impedirem aos prepostos o exercício de suas funções não impedirão o vencimento de seu salário, contanto que a inabilitação não exceda três meses contínuos. O Regulamento 737, de 1850, assegurava os salários, por no máximo três meses, aos empregados acidentados no trabalho. 4

5 1.2.2 Constituição de 1891 A Constituição de 1891 regulava, em seu art. 75, sobre a aposentadoria a funcionários públicos, em caso de invalidez, no serviço da Nação. A Lei Eloy Chaves (Decreto n. 4682, de 1923) foi a primeira norma instituidora da previdência social no Brasil, criando as Caixas de Aposentadorias e Pensões para os ferroviários, a nível nacional. Outras leis estenderam os benefícios da Lei Eloy Chaves aos demais empregados. As Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAPs) eram organizações de seguro social estruturadas por empresas; passando, posteriormente, o sistema previdenciário a abranger categorias profissionais. Durante esse período, foram criados os Institutos de Aposentadorias (IAPM - dos marítimos, IAPC dos comerciários, IAPB, dos bancários, etc.), estruturados por categorias profissionais Constituição de 1934 A Constituição de 1934 estabelecia, no artigo 5º, inciso XIX, alínea c, a competência para a União fixar regras de assistência social; no artigo 10, aos Estados-membros a responsabilidade para cuidar da saúde e assistências públicas e fiscalização à aplicação das leis sociais ; no artigo 39, inciso VIII, item d, sobre a competência do Poder Legislativo para instituir normas sobre aposentadorias; no artigo 121, sobre a proteção social do trabalhador, estabelecendo a forma tríplice de custeio, da União, dos empregados, e dos empregadores, a favor da velhice, invalidez, maternidade e acidentes do trabalho. Estabelecia, ainda, no art. 170, sobre a aposentadoria compulsória para os funcionários públicos acima de 68 anos de idade; sobre a aposentadoria por invalidez, com salário integral, ao funcionário que tivesse no mínimo 30 anos de trabalho; e, benefícios ao funcionário público acidentado, entre outros. 5

6 1.2.4 Constituição de 1937 A Carta de 1937 disciplinava, em seu art. 137, sobre a instituição de seguros de velhice, invalidez, vida e nos casos de acidentes do trabalho. Não houve evolução nessa Constituição, em matéria previdenciária; houve, antes, regressão nos direitos previdenciários Constituição de 1946 A Constituição de 1946 apresentou, pela primeira vez, a expressão previdência social, disciplinando, no art. 157, dentre a regulamentação do Direito do Trabalho, sobre a previdência, mediante contribuição da União, do empregador e do empregado, em favor da maternidade e contra as conseqüências da doença, da velhice, da invalidez e da morte. Na vigência dessa Constituição, inúmeros decretos e leis foram promulgados, regulamentando sobre Regulamento Geral dos Institutos de Aposentadorias e Pensões, dentre outras: a Lei 3807, de 1960, a Lei Orgânica da Previdência Social (LOPS) padronizou o sistema assistencial, surgindo vários benefícios, tais como: o auxílio-natalidade, o auxíliofuneral, o auxílio-reclusão; a Lei 4214/63 criou o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (FUNRURAL); a Lei 4266/63 criou o salário-família, dentre outras Constituição de 1967 Esta Constituição pouco inovou em relação à anterior; antes, repetiu as disposições da Constituição de 46. O Art. 158, Inciso XVI, estabeleceu o seguro-desemprego, regulamentado, posteriormente, pela Lei 4923/65, com o nome de auxílio-desemprego. Assegurou, ainda, a aposentadoria à mulher aos 30 anos de trabalho, com salário integral (Art. 158, inciso XX) Emenda Constitucional de 1969 A Emenda Constitucional n. 1, de 1969, tratou da previdência social, nos incisos do art. 165, não apresentando alterações substanciais, em relação à Carta de A Emenda Constitucional n. 18/81 previa aposentadoria para o professor após 30 anos e, para a professora, após 25 anos de efetivo exercício em funções de magistério. 6

7 Inúmeras leis foram promulgadas, regulamentando sobre benefícios previdenciários, tais como: a Lei 6.136/74, do salário-maternidade; a Lei 6260/75, de benefícios e serviços previdenciários para os empregados rurais e seus dependentes; a Lei 6439/77, da instituição do SINPAS (Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social), entre outras Constituição de 1988 A atual Constituição, promulgada em , dispõe todo um capítulo sobre Seguridade Social (Arts. 194 a 204), passando, então, a Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde, a fazer parte do gênero Seguridade Social. A regulamentação e organização da Seguridade Social têm sido determinadas por inúmeras leis, que revogaram as disposições legais contrárias à atual Constituição. Dentre outras, foram promulgadas as Leis 8212/91 e 8213/91, que disciplinam sobre o Plano de Custeio e o Plano de Benefícios da Previdência Social, respectivamente. A Emenda Constitucional n. 20/99 promoveu uma ampla reforma no sistema previdenciário, regulamentada pelo Decreto 3048/99, de , o Regulamento da Previdência Social. Posteriormente, a Lei 9876/99, alterou as Leis 8212/91 e 8213/91, complementando a reforma previdenciária. Referências Bibliográficas: BALERA, Wagner. A Seguridade Social na Constituição de São Paulo: RT..Curso de Direito Previdenciário. São Paulo. LTr. CASTRO, Carlos Alberto Pereira de. Manual de Direito Previdenciário. São Paulo: LTr. DAL RI JUNIOR, Arno. História do Direito Internacional. Comércio e Moeda. Cidadania e Nacionalidade. Florianópolis: Fundação Boiteux, EDUARDO, Ítalo Romano. Curso de direito previdenciário. Niterói: IMPETUS. FELIPE, Jorge Franklin Alves. Previdência Social na prática forense. São Paulo: Forense 7

8 GONÇALVES, Nilton Oliveira Gonçalves. As novas regras para a Aposentadoria. São Paulo: LTr. LEITE, João Antônio G. Pereira. Curso elementar de direito previdenciário. São Paulo: LTr. MARTINEZ. Wladimir Novaes. Princípios de Direito Previdenciário. São Paulo: Saraiva.Curso de Direito Previdenciário. Noções de Direito Previdenciário. São Paulo, LTr..Curso de Direito Previdenciário. Previdência Social. São Paulo, LTr..Reforma da Previdência Social. Comentários à Emenda Constitucional n. 20/98. São Paulo: LTr. MARTINS, Sergio Pinto. Direito da Seguridade Social. São Paulo: Atlas MONTEIRO, Antônio Lopes. Crimes contra a previdência social. São Paulo: Saraiva OLIVEIRA, Aristeu de. Consolidação da Legislação Previdenciária. São Paulo: Atlas.. Manual Prático de Seguridade Social. São Paulo: Atlas. PESTAN, Pestan, ROMERO, Vilson Antônio.Comentários à Nova Lei da Previdência Social. São Paulo: Escala. SANTOS FILHO, Roberto Lemos dos. A previdência social pelos tribunais regionais federais. São Paulo: RT. TAVARES, Marcelo Leonardo. Direito previdenciário. São Paulo: Lumen Juris VIEIRA, Marco André Ramos. Manual de Direito Previdenciário. Rio de Janeiro: Impetus. 8

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social 1. (1º Simulado/Prof. Francisco Júnior/Preparatório INSS-2014/2015) Até o século XVIII, não havia sistematização

Leia mais

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO Primeira concretização de proteção social: 1601, Inglaterra, com edição da Lei Poor Relief Act (ato de auxílio aos pobres). Instituía contribuição obrigatória para fins sociais. Noção de Seguridade

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO *José Carlos Batista Texto elaborado em junho/2010. Resumo: a seguridade social brasileira contempla a concessão

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre

DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR163 1. EMENTA: Introdução ao Direito da Seguridade Social: evolução histórica, fontes,

Leia mais

1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL.

1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. Capítulo 1 A Seguridade Social Sumário 1. Origem e evolução legislativa no Brasil Questões comentadas de concursos públicos Questões de concursos 1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. A preocupação

Leia mais

ANA CLAUDIA RIBEIRO ARAGÃO PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL

ANA CLAUDIA RIBEIRO ARAGÃO PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM GRADUAÇÃO EM DIREITO ANA CLAUDIA RIBEIRO ARAGÃO PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL

Leia mais

Ano 5º ANO. Eixo de Formação Eixo de Formação Complementar

Ano 5º ANO. Eixo de Formação Eixo de Formação Complementar Complementar Especialista Amauri Ludovico dos Santos Página 1 de 6 A EMENTA: Estudo do Direito da Seguridade Social. Fundamentos constitucionais. Previdência Social. Benefícios e custeio. Legislação. Assistência

Leia mais

REGRAS GERAIS E DE TRANSIÇÃO PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA PARA O SERVIDOR PÚBLICO E A APLICAÇÃO DA LEI NO TEMPO

REGRAS GERAIS E DE TRANSIÇÃO PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA PARA O SERVIDOR PÚBLICO E A APLICAÇÃO DA LEI NO TEMPO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CEJURPS CURSO DE DIREITO REGRAS GERAIS E DE TRANSIÇÃO PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA PARA O SERVIDOR PÚBLICO E A APLICAÇÃO

Leia mais

Histórico da Seguridade Social

Histórico da Seguridade Social Histórico da Seguridade Social Capítulo I Histórico da Seguridade Social 1. Técnico do Seguro Social INSS 2012 FCC Grau de Dificuldade: Médio O INSS, autarquia federal, resultou da fusão das seguintes

Leia mais

OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL

OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL EVOLUTION CONSTITUCIONAL DEL CONCEPTO DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL Marisa Vasconcelos Evolução Histórica Mundial Declaração Universal dos Direitos do Homem

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

Os primórdios do seguro social e as regras atuais

Os primórdios do seguro social e as regras atuais Os primórdios do seguro social e as regras atuais Vilson Antônio Romero* RESUMO: O artigo faz uma retrospectiva do sistema de seguro social brasileiro, mencionando os países onde há estruturas de proteção

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Previdenciário Carga horária semestral: 48 horas Semestre/ano:2º semestre de 2013 Turma/Turno: 8418/A

Leia mais

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA CURSO DISCIPLINA DOCENTE PERÍODO CARGA HORÁRIA EMENTA OBJETIVOS DIREITO Direito Previdenciário e Seguridade Social Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva 9 P 80 h Introdução ao Estudo do Direito Previdenciário.

Leia mais

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12 Nota, xi 1 Origens da Seguridade Social, 1 1.1 Poor Law, 1 1.2 Seguros privados, 2 1.3 Seguros sociais, 2 Quadro esquemático, 3 2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático,

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Técnico do Seguro Social INSS Instituto Nacional do Seguro Social - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Técnico do Seguro Social INSS Instituto Nacional do Seguro Social - Concurso Público 2015. Índice Índice Seguridade Social - Origem e evolução legislativa no Brasil... 02 Organização e Princípios Constitucionais... 08 INSS... 12 SUS... 22 DRT... 31 Fontes, vigência, hierarquia, interpretação e integração...

Leia mais

DA APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NO REGIME GERAL DA PREVIDENICA SOCIAL

DA APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NO REGIME GERAL DA PREVIDENICA SOCIAL UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO DA APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NO REGIME GERAL DA PREVIDENICA SOCIAL DANIELA

Leia mais

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS E a inversão do ônus da prova em favor do segurado? Por Anna Carla M. Fracalossi 1 Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro Nacional do Trabalhador,

Leia mais

Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social

Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social Prof. João Ernesto Aragonés Vianna Aula 01 A Seguridade Social (Conceito e seus elementos, conceito de risco social, sua evolução para a necessidade

Leia mais

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MARCO ANTONIO KUHN A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA APOSENTADORIA RURAL E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA UNIFORMIDADE E EQUIVALÊNCIA DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada A previdência privada é uma aposentadoria que não está ligada ao sistema do Instituto Nacional

Leia mais

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF 1 Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas Dos Direitos Sociais Art. 6º a 11 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. S U M

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE Prezados Alunos e Alunas, é um prazer fazer parte desta iniciativa do Ponto dos Concursos, e com isso atingir a todos que não tem tempo ou possibilidade de assistir um curso presencial. Tentarei aqui expor

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL: AS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS COMO FONTE DE CUSTEIO

SEGURIDADE SOCIAL: AS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS COMO FONTE DE CUSTEIO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FRANCISCO CARLOS DA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI NOÇÕES ELEMENTARES DA APOSENTADORIA POR IDADE

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI NOÇÕES ELEMENTARES DA APOSENTADORIA POR IDADE EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI NOÇÕES ELEMENTARES DA APOSENTADORIA POR IDADE CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 APOSENTADORIA POR IDADE... 4 3 APOSENTADORIA POR IDADE DO TRABALHADOR RURAL... 6 4

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira Carlos Alberto Caser Vice-Presidente da ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Diretor-Presidente da FUNCEF

Leia mais

A VELHICE NA SEGURIDADE SOCIAL

A VELHICE NA SEGURIDADE SOCIAL KAREN JULIANA GORNATES COUTINHO A VELHICE NA SEGURIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GOIÂNIA, JULHO DE 2003. A VELHICE NA SEGURIDADE SOCIAL KAREN JULIANA GORNATES COUTINHO A VELHICE NA SEGURIDADE

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA RIO DE JANEIRO 2004 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CURSO DE DIREITO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CURSO DE DIREITO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CURSO DE DIREITO APOSENTADORIA ESPECIAL FELIPPE PALUDO ITAJAÍ 2009 FELIPPE PALUDO APOSENTADORIA ESPECIAL Monografia submetida à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI

Leia mais

AUXÍLIO RECLUSÃO DIREITO AOS DEPENDENTES DE BAIXA RENDA REQUISITOS PARA SUA CONCESSÃO

AUXÍLIO RECLUSÃO DIREITO AOS DEPENDENTES DE BAIXA RENDA REQUISITOS PARA SUA CONCESSÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI FABIANO SCHÜTZ AUXÍLIO RECLUSÃO DIREITO AOS DEPENDENTES DE BAIXA RENDA REQUISITOS PARA SUA CONCESSÃO Biguaçu 2010 i FABIANO SCHÜTZ AUXÍLIO RECLUSÃO DIREITO AOS DEPENDENTES

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FADIR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FADIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Previdenciária CÓDIGO: GCC017 UNIDADE ACADÊMICA: FADIR PERÍODO/SÉRIE:

Leia mais

A PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL E O ORDENAMENTO JURÍDICO COMPARADO.

A PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL E O ORDENAMENTO JURÍDICO COMPARADO. JOHN NEVILLE GEPP A PENSÃO POR MORTE NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL E O ORDENAMENTO JURÍDICO COMPARADO. MESTRADO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia

Leia mais

Direito do Previdenciário

Direito do Previdenciário 2009 Sinopses do Âmbito Jurídico Esta Apostila serve apenas como orientação de estudo e a sua utilização pelo usuário ou por terceiros é de responsabilidade única e exclusiva destes. O acesso e a utilização

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL

DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL Profª. Renata Orsi 1. SEGURIDADE SOCIAL 1.1. CONCEITUAÇÃO A Seguridade Social tem por finalidade assegurar, à população, proteção contra as denominadas contingências

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA - UNOESC CAMPUS DE VIDEIRA PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PREVIDENCIÁRIO SUZANA TESTA MUGNOL

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA - UNOESC CAMPUS DE VIDEIRA PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PREVIDENCIÁRIO SUZANA TESTA MUGNOL UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA - UNOESC CAMPUS DE VIDEIRA PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PREVIDENCIÁRIO SUZANA TESTA MUGNOL ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS PELO INSS QUANDO DA CONCESSÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Mulher e Previdência Social Leila Maria Raposo Xavier Leite * Circulou nos veículos de comunicação recentemente, um destaque sobre a pesquisa do IBGE que aponta serem as mulheres

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DO PROFESSOR SERVIDOR PÚBLICO EFETIVO DE ENTE FEDERATIVO QUE NÃO TENHA REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 17 DE ABRIL 2006. Altera a Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro de 1999, que dispõe sobre o estatuto dos servidores públicos da Administração Direta e Indireta dos Poderes

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1 Sumário Capítulo 1 Seguridade Social 1 1 Conceituação 1 1.1 Saúde 2 1.2 Assistência Social 2 1.3 Previdência Social 3 1.3.1 Regime Geral de Previdência Social 3 1.3.2 Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 JOANA PAULA FAVARETTO 2 RESUMO

ACORDOS INTERNACIONAIS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 JOANA PAULA FAVARETTO 2 RESUMO 1 ACORDOS INTERNACIONAIS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 JOANA PAULA FAVARETTO 2 RESUMO O presente trabalho trata sobre um importante aspecto da Previdência Social Brasileira: os chamados Acordos ou Tratados Internacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS CURSO DE DIREITO

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS CURSO DE DIREITO 0 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS CURSO DE DIREITO Renato Gustavo Estevão Condé DESAPOSENTAÇÃO OU NOVA APOSENTADORIA Governador Valadares 2011

Leia mais

Aposentadoria: quem tem direito?

Aposentadoria: quem tem direito? Aposentadoria: quem tem direito? M uitas dúvidas dos diretores regionais do SINTEA/PR referente à aposentadoria e ao tempo de aprendizado profissional foram sanadas durante o 35º Encontro Estadual de Técnicos

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 Tópicos Problemas do regime antigo e da Previdência em geral O sistema vigente

Leia mais

ESTUDO COMPARADO DOS SISTEMAS DE SEGURIDADE SOCIAL DO JAPÃO E DO BRASIL: A PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES DE AMBOS OS PAÍSES

ESTUDO COMPARADO DOS SISTEMAS DE SEGURIDADE SOCIAL DO JAPÃO E DO BRASIL: A PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES DE AMBOS OS PAÍSES MELISSA CHYUN YEA TSENG ESTUDO COMPARADO DOS SISTEMAS DE SEGURIDADE SOCIAL DO JAPÃO E DO BRASIL: A PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES DE AMBOS OS PAÍSES Dissertação de Mestrado Orientador: Professor Doutor Masato

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor.

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. Introdução A cidade de Palmeiras de Goiás vem apresentando hodiernamente

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FECHADA E A MIGRAÇÃO PARA OUTROS PLANOS

FUNDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FECHADA E A MIGRAÇÃO PARA OUTROS PLANOS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS - CEJURPS CURSO DE DIREITO - BIGUAÇU FUNDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FECHADA E A MIGRAÇÃO

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

JÉSSICA MACEDO KLEIN COBERTURA PREVIDENCIÁRIA ESTIMADA: A alta programada do benefício de auxílio-doença

JÉSSICA MACEDO KLEIN COBERTURA PREVIDENCIÁRIA ESTIMADA: A alta programada do benefício de auxílio-doença CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB Faculdade de Ciências Jurídicas - FAJS JÉSSICA MACEDO KLEIN COBERTURA PREVIDENCIÁRIA ESTIMADA: A alta programada do benefício de auxílio-doença BRASÍLIA 2014

Leia mais

Questões comentadas Direito Previdenciário Concurso INSS

Questões comentadas Direito Previdenciário Concurso INSS 1 Para adquirir a apostila digital de 500 de para concurso do INSS acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL

Leia mais

DIREITO PÚBLICO E DIREITO PRIVADO

DIREITO PÚBLICO E DIREITO PRIVADO DIREITO PÚBLICO E DIREITO PRIVADO DIREITO É UNO E INDIVISÍVEL, contudo sua divisão em direito público e privado é aceita por ser útil e necessária, não só sob o prisma da ciência do direito, mas também

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

Carolina Romano Brocco

Carolina Romano Brocco Carolina Romano Brocco ORIGEM DA PROTEÇÃO SOCIAL Famílias assistência voluntária. Grupos de mútuo associações para a proteção contra os riscos sociais. Lei dos Pobres (Poor Law) de 1601 Inglaterra as Igrejas

Leia mais

CRIMES CONTRA A ARRECADAÇÃO PARA A SEGURIDADE SOCIAL: APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA E SONEGAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

CRIMES CONTRA A ARRECADAÇÃO PARA A SEGURIDADE SOCIAL: APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA E SONEGAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DANIEL ALBERTO CASAGRANDE CRIMES CONTRA A ARRECADAÇÃO PARA A SEGURIDADE SOCIAL: APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA E SONEGAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 Santa Maria Belo

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS. RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015

AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS. RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015 RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015 No Edital nº. 003/2015, publicado no Diário Oficial do Estado nº. 2459 de 05/02/15, em Anexo IV Temas para prova didática, à fls. 11-13: 1. No anexo IV Temas para prova

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE DIREITO. Flávia de Oliveira Telles DESAPOSENTAÇÃO: DEVOLUÇÃO OU NÃO DOS PROVENTOS RECEBIDOS

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE DIREITO. Flávia de Oliveira Telles DESAPOSENTAÇÃO: DEVOLUÇÃO OU NÃO DOS PROVENTOS RECEBIDOS UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE DIREITO Flávia de Oliveira Telles DESAPOSENTAÇÃO: DEVOLUÇÃO OU NÃO DOS PROVENTOS RECEBIDOS Passo Fundo 2012 Flávia de Oliveira Telles DESAPOSENTAÇÃO: DEVOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO PREVIDENCIÁRIO SÚMARIO UNIDADE 1 Seguridade Social (Origem e evolução legislativa no Brasil; Conceituação; Organização

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira.

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira. Prezados Colegas, já visando aos candidatos que se preparam para os futuros concursos da Receita Federal, vamos aqui reproduzir novo curso de direito

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL E A CONVERSÃO DO TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL EM COMUM

APOSENTADORIA ESPECIAL E A CONVERSÃO DO TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL EM COMUM APOSENTADORIA ESPECIAL E A CONVERSÃO DO TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL EM COMUM Catiana Miller 1 Marcio Roberto Paulo 2 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Seguridade Social; 3. Previdência social; 4. Aposentadoria;

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado

Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado APRESENTAÇÃO Curso: Direito Previdenciário Técnico INSS Olá, queridos alunos!

Leia mais

13.T- TRABALHADORES RURAIS DE ESCRITÓRIO E LOJA:

13.T- TRABALHADORES RURAIS DE ESCRITÓRIO E LOJA: 13.T- TRABALHADORES RURAIS DE ESCRITÓRIO E LOJA: INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PR Nº 11, DE 20 DE SETEMBRO DE 2006 DOU DE 21/09/2006 Estabelece critérios a serem adotados pela área de Benefícios. O Presidente

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos DTLS - Direito do Trabalho e Legislação Social Período Letivo 2013 - Anual

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

TÍTULO: SALÁRIO MATERNIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

TÍTULO: SALÁRIO MATERNIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO: SALÁRIO MATERNIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): INDIANARA FERREIRA MORI ORIENTADOR(ES): FERRUCIO

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Título II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo II - Dos Direitos Sociais Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros

Leia mais

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011 Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal Carlos Alberto Pereira de Castro Vitória ria-es, fevereiro de 2011 Roteiro Introdução ao tema Evolução da aposentadoria e da pensão

Leia mais