Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS"

Transcrição

1 Compatibilização de Projetos Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS

2 Porque Compatibilizar Projetos? 2

3 Porque Compatibilizar Projetos? 3

4 Porque Compatibilizar Projetos? 4

5 Porque Compatibilizar Projetos? 5

6 Porque Compatibilizar Projetos? Subsolo antes da Compatibilização. 6

7 Porque Compatibilizar Projetos? IN HOLD IN HOLD IN HOLD Subsolo DEPOIS da Compatibilização. 7

8 Porque Compatibilizar Projetos? Teto Playground antes da Compatibilização. 8

9 Porque Compatibilizar Projetos? Teto do Playground DEPOIS da Compatibilização. 9

10 Introdução Nos últimos anos as empresas construtoras vêm buscando aumentar a sua competitividade no mercado de construções de edifícios através s da adoção de medidas de racionalização das atividades de produção em obra. Fatores que motivaram a racionalização: Reduzir custos de produção Reduzir interferência entre os serviços Eliminar retrabalhos Diminuir as solicitações de reparo após s entrega da obra conseqüentemente entemente custos de manutenção Permitir a produção industrializada do edifício 10

11 Introdução Racionalização Construtiva São todas as ações a que objetivam otimizar o uso dos recursos disponíveis na construção em todas a suas fases, ou seja a aplicação mais eficiente dos recursos em todas as atividades que se desenvolvem para construção do edifício. 11

12 Os subsistemas do edifício: Fundação Estrutura Vedação vertical Exteriores Interiores Instalações Revestimentos Introdução 12

13 Projetos Concepção Projeto Arquitetônico; Projeto Estrutural; Projeto de Instalações: Projeto das Instalações Elétricas de todo o Sistema; Projeto das Subestações e dos Sistemas de Autogeração ão; Projeto das Instalações Telefônicas; Projeto das Instalações Hidráulicas; Projeto das Instalações Sanitárias; Projeto das Instalações de Águas Pluviais e Drenagem; Projeto das Instalações de GLP; Projeto das Instalações de Prevenção e Combate a Incêndio; Projeto das Instalações de Sonorização; Projeto de Instalações do Sistema de Gerenciamento de Dados; Projeto do sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas; Projeto das Instalações de CFTV. Projeto de Ar Condicionado, Ventilação e Exaustão. 13

14 Definições ões- Projeto... é uma idéia ia que se forma de executar ou realizar algo, no futuro (FEREIRA, 1986)... um processo para realização de idéias ias que deverá passar pelas etapas de : idealização, análise e implantação. ão. (RODRIGUEZ,1992)... uma atividade criativa, intelectual, baseada em conhecimentos (...) mas também m em experiência (...) um processo de otimização ão (STEMMER, 1988) 14

15 Definição O projeto, na construção civil, atividade ou serviço o integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento, organização ão,, registro e transmissão das características físicas f e tecnológicas especificadas para uma obra, a serem consideradas na fase de execução ão (MELHADO, 1994) Atividade integrada com muitas outras que compõe o processo de produção. (MELHADO, 1994) 15

16 Vedação vertical Subsistema do edifício constituído por elementos que compartimentam e definem os ambientes internos, controlando a ação a de agentes indesejáveis entre os quais: intrusos, animais, vento, chuva, poeira e ruído 1, e servem também m de suporte e proteção para as instalações do edifício. Pode ser entendida como um componente construído em obra através s da união entre tijolos ou blocos por juntas de argamassa, formando um conjunto rígido r e coeso 2. 1 Mércia M. S. B. de Barros e Sílvio B. Melhado, in: Vedações Verticais Notas de Aula, p Fernando H. Sabbatini, in: O Processo Construtivo de Edifícios de Alvenaria Estrutural Sílico-calcárea, p. VIII 16

17 Alvenaria A alvenaria tradicionalmente é caracterizada por adoção de soluções construtivas no próprio prio canteiro, ausência de fiscalização dos serviços, falta de padronização do processo de produção, ausência de planejamento prévio à sua execução, mám qualidade dos blocos, etc. Todos esse fatores contribuindo para elevados desperdícios de tempo e material,, conseqüentemente entemente CUSTOS. 17

18 Alvenaria Levando em consideração que as paredes de alvenarias: São os elementos mais freqüentemente entemente empregados na construção de edifícios; São responsáveis pelos aspectos relativos ao conforto, à higiene, à saúde e à segurança a de utilização do imóvel; Ao lado do concreto representa o maior volume de material utilizado na obra; São os elementos mais suscetíveis à fissuração; 18 Cont.

19 Alvenaria Possuem profunda relação com a ocorrência de patologias; Correspondem a aproximadamente 6% do custo total da obra quando analisada isoladamente, porém m se for levado em consideração suas inter-rela relações com os revestimentos, as esquadrias e as instalações elétricas e hidrossanitárias, rias, o custo da alvenaria corresponde de 30% a 40% do custo total da obra. Fica claro a necessidade de se racionalizar o subsistema alvenaria. 19

20 Objetivos da Compatibilização Identificação das possíveis interferências existentes entre os projetos de concepção. Como? Superposição e análise das plantas para todos os níveis da edificação ou desenvolvimento de maquetes eletrônicas com a utilização de ferramentas de CAD 20

21 Aspectos Gerais Interferências da estrutura com: concepção arquitetônica; vagas de garagem; pé direito x altura veículos áreas úteis da unidade residencial Interferências da estrutura com as Instalações: determinação dos shafts ramais horizontais eletrocalhas,, hidrantes, sprinkler, tubulações em geral x furação vigas x trânsito veículo ramais horizontais de esgoto - considerar a declividade de projeto; cruzamento dessas instalações. espessura da laje x armações x cobrimentos x cruzamento eletrodutos; 21

22 Aspectos Gerais Adequar as espessuras da alvenaria com as espessuras das vigas; Método para assentamento das portas; Interferências de portas e alizares, com bancadas, vasos, armários, rios, etc.; Modulação do bloco em relação as alturas de elevação, considerando altura do bloco, junta horizontal, regularização da 1ª 1 fiada, espessura do aperto, modificar pép direito, altura de viga, etc decisão do construtor; Adequar os vãos das janelas ou aberturas, à modulação do bloco, podendo alterar níveis n de peitoril e dimensões das janelas, com aquiescência do construtor; Nivelar a linha superior das esquadrias de fachada com o fundo da viga de bordo; Adequar a alvenaria para um melhor aproveitamento da cerâmica (1 pedra ou ½ pedra como arremate); 22

23 Concepção dos Projetos Compatibilização Projetos para Produção 23

24 Conceito de Projeto para Produção Os projetos de Arquitetura, Estrutura e de Instalações ões,, definem a edificação, dando-lhe forma e características O QUE FAZER a concepção do projeto. O projeto para produção aborda o COMO FAZER, como produzir a edificação com a forma e características definidas nos projetos de concepção. Projetos de Concepção distanciamento Processo Construtivo 24

25 Conceito de Projeto para Produção O Processo Construtivo se caracteriza por: Procedimentos; Técnicas; Informações Meios e Cuidados, para dar ao produto Edificação as características definidas em sua concepção. A utilização de projetos para produção é uma maneira eficaz de diminuir esse distanciamento. 25

26 Objetivos do Projeto para Produção ão: Implantar o empreendimento no campo, antevendo a execução com utilização da tecnologia do construtor; Compatibilizar os projetos de concepção; Reunir as informações em documentos de fácil entendimento e manuseio nas frentes de serviço; Bloquear a improvisação ferramenta preferida dos canteiros de obras. 26

27 Projeto para Produção aborda os seguintes serviços: Eixos de Referência. Estrutura Marcação dos Pilares; Marcação das Vigas. Instalações Marcação dos Pontos Hidrossanitários rios; Marcação dos Pontos Elétricos Alvenarias Marcação das Alvenarias. Paginação das Alvenarias. 27

28 Projeto para Produção - Escolha dos eixos Objetivos : referências para marcações dos serviços em lajes de concreto: elementos de estrutura; Instalações; alvenarias; revestimentos. garantir verticalidade das edificações; reduzir espessuras dos revestimentos; reduzir perdas: material; mão de obra. 28

29 Escolha dos eixos Identificar os eixos de simetria do pavimento tipo desprezar o miolo do pavimento (exemplo - elevador, escada, etc.). Marcar os eixos de referência, com base nos eixo de simetria Lançar ar tantos eixos quanto necessário, marcação de qualquer ponto da laje não deve exceder 15,0m. Não se situar dentro da alvenaria; Possuir um percurso o mais livre possível situando-os os nas circulações, vãos de portas, etc; Não permitir que interceptem: pilares; vigas no sentido longitudinal. 29

30 Projeto para Produção - Escolha dos eixos 30

31 31 31 S D S D 09 AL 01 AL 04 AL 07 AL 01 AL 02 AL 02 AL 01 AL 4C AL 02 AL 01 AL 04 AL 01 AL 02 AL 02 AL 02A AL 01 AL 4C AL 02 AL 04 AL 04 AL 02 AL 01 AL 04 AL 03 AL 07 AL 09 AL 01 AL 04 AL 01 AL 02 AL 02 AL 01 AL 4C AL 02 AL 01 AL 04 AL 01 AL 02 AL 02A AL 01 AL 4C AL 02 AL 02 AL 03 AL 04 AL 04 AL 02 AL 04 AL 03 AL 01 AL 07 AL 07 AL 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 03 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 02 MA 07 AL 07 AL 07 AL 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01A MA 01A MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 01 MA 4A MA 05 MA 4B MA 4A MA 05 MA 4B MA O1 PCF O1 PCF O1 PCF 4C MA 4C MA 15 G 13 G 04 G 13 G 15 G 04 G 34 G 33 G 16 G 17 G 17 G 16 G 18 G 19 G 74.62acab) 74.69(osso) 74.62acab) 74.69(osso) 03 AL Projeto para Produ Projeto para Produção ão - Escolha dos Escolha dos eixos eixos

32 Projeto para Produção - Escolha dos eixos

33 Projeto para Produção - Escolha dos eixos i3 i3 i4 i4 i3 i3 i4 i3 i3 i4 i4 i3 i3 i4 i4 i1 xi1 i2 i1 i2 i4 i2 33

34 Escolha dos Eixos - Execução 34

35 Escolha dos Eixos - Execução 35

36 Marcação dos Pilares Objetivo: Garantir a precisão das medidas e a verticalidade dos pilares. Recomendações : Marcação da Estrutura Reunir a planta de locação dos pilares e as plantas de fôrma fornecidos pelo estruturalista; Utilizar os eixos de referência; Definir das coordenadas dos eixos dos pilares em relação aos eixos de referência; Lançar ar das cotas de conferência entre os eixos e entre estes e os pilares ou vigas de contorno do pavimento tipo; 36

37 Marcação da Estrutura Marcação dos Pilares - Coordenada dos eixos. 37

38 Marcação da Estrutura Detalhe de Marcação dos Pilares 38

39 Marcação dos Pilares Planta Geral Marcação da Estrutura 39

40 Marcação da Estrutura Marcação dos Pilares - Planta Geral MANDARIM SALVADOR SHOPPIN 40

41 Marcação da Estrutura Marcação dos Pilares Planta Geral i1 xi1 i2 i3 i3 i4 i4 i3 i3 i4 i4 i1 i2 i2 i1 xi1 i2 i3 i3 i4 i4 i1 i2 41 i3 i3 i4 i4 i2

42 Marcação da Estrutura Marcação dos Pilares - Execução 42

43 Marcação da Estrutura Marcação dos Pilares - Execução 43

44 Marcação das Vigas Marcação da Estrutura Objetivos: Garantir a precisão das medidas horizontais e esquadros das vigas. Recomendações : Utilizar a planta de fôrma fornecida pelo estruturalista; Utilizar os eixos de referência. Lançar ar todas as cotas das faces das vigas em relação aos eixos de referência. Lançar ar cotas de conferência entre os eixos de referência, e entre estes e os pilares ou vigas de bordo; 44

45 Marcação da Estrutura Marcação das vigas Coordenadas das faces. 45

46 Detalhe de Marcação das vigas Distancia das faces. 46

47 Marcação da Estrutura Marcação das Vigas Planta Geral 47

48 Marcação da Estrutura Marcação das Vigas- Planta Geral 48

49 Marcação da Estrutura Marcação das Vigas- Planta Geral 49

50 Marcação das Vigas - Execução Marcação da Estrutura 50

51 Marcação das Vigas - Execução Marcação da Estrutura 51

52 Marcação das Vigas - Execução Marcação da Estrutura 52

53 Projeto para Produção - Pontos Hidrossanitários rios Utilizar planta de fôrma fornecida pelo estruturalista e projeto de instalações compatibilizado; Marcar as passagens nas lajes dos shafts e pontos hidrossanitários; rios; Marcar as furações em vigas; Todas as furações de lajes e vigas devem ser submetida à aprovação do projetista de estruturas 53

54 Pontos Hidrossanitários rios Recomendações ões: As locações das furações para ramais horizontais de esgoto devem considerar a declividade de projeto; Utilizar rebaixo para qualquer tubulação que possa vir a ser embutida no piso (ex: alimentação do gás), g cuidando para que a tubulação, quando de cobre não encoste na armadura da laje; Procurar posicionar os ralos e caixas sifonadas em locais que favoreçam am a execução e manutenção do revestimento cerâmico; 54

55 Pontos Hidrossanitários rios Execução do projeto: Projeto de Instalações 55

56 Marcação dos Pontos Hidrossanitários rios Execução do projeto: Utilizar planta de fôrma Utilizar os eixos de referência ou os eixos auxiliares; Utilizar projeto de instalações marcar: Pontos de esgotamento sanitário (prumadas e detalhes) e shafts nas lajes; Furações em vigas Rebaixos nas lajes 56

57 Marcação dos Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Marcação ão: Marcação das Furações LEGENDA: COORDENADAS DOS PONTOS: Furação na Viga 57

58 Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Instalações ões: Detalhe de Esgoto P37 P38 58

59 Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Instalações ões: Detalhe de Isométrico P37 P38 59

60 Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Instalações ões: Furação das instalações P37 P38 60

61 Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Marcação ão: Marcação das Furações 61

62 Pontos Hidrossanitários rios Projeto de Instalações ões: Legendas Detalhes e Furação na Viga Furação na Viga 62

63 63 63 Planta Geral Planta Geral Pontos Hidrossanit Pontos Hidrossanitários rios MANDARIM SALVADOR SHOPPING

64 Planta Geral Pontos Hidrossanitários rios 64

65 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 65

66 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 66

67 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 67

68 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 68

69 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 69

70 Pontos Hidrossanitários rios - Execução FOTOS 70

71 Projeto para Produção - Pontos Elétricos Verificar se o diâmetro das tubulações e armaduras estão compatíveis com a espessura da laje; Utilizar planta de fôrma fornecida pelo estruturalista e projeto de instalações; Compatibilizar pontos elétricos com as passagens dos shafts, pontos hidrossanitários rios bem como as furações em vigas; 71

72 Recomendação: Quando a alvenaria for executada com blocos de células verticais, os pontos devem ficar localizados dentro das células; Pontos Elétricos 72

73 Marcação dos Pontos Elétricos Execução do projeto: Detalhe da Marcação: 73

74 Marcação dos Pontos Elétricos Execução do projeto: 74

75 Pontos Elétricos PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 75

76 Pontos Elétricos PROJETO DE INSTALAÇÕES TELEFONICAS 76

77 Pontos Elétricos Projeto de Marcação ão: Marcação das Instalações 77

78 78 78 Pontos El Pontos Elétricos tricos Planta Geral Planta Geral

79 Pontos Elétricos Projeto de Marcação ão: Legenda e Detalhes Furação na Viga 79

80 Pontos Elétricos Planta Geral 80

81 Pontos Elétricos Execução Fotos:; 81

82 Pontos Elétricos Execução Fotos: Marcar as passagens e prumadas verticais (espetos e shafts); 82

83 Pontos Elétricos Execução Fotos: Marcar os pontos de subida e descida dos eletrodutos, fixando-os os à fôrma; 83

84 Fotos: Pontos Elétricos Execução 84

85 Marcação das Alvenarias Objetivos Garantir o posicionamento correto das alvenarias respeitando todas as definições estabelecidas na compatibilização; Garantir as aberturas necessárias para portas, vãos, tubulações embutidas, etc; Garantir dimensões e esquadros do ambiente; Permitir a padronização de execução das alvenarias. 85

86 Marcação das Alvenarias Recomendações ões: Utilizar planta de fôrma e de arquitetura; Utilizar os eixos de referência; Garantir o nivelamento e prumo da primeira fiada; Verificar as interferências das alvenarias com as instalações prevendo a utilização de blocos especiais (bloco hidráulico, bloco calha, etc.); 86

87 Marcação das Alvenarias Recomendações ões: : (cont.) Utilizar planta de fôrma e arquitetura; Utilizar os eixos de referência; Garantir o nivelamento e prumo da primeira fiada; Na ausência de viga utilizar o bloco com a menor espessura; Verificar as interferências das alvenarias com as instalações prevendo a utilização de blocos especiais (bloco hidráulico, bloco calha, etc.); Quando a(s) prumada(s) estiver(em) embutida(s) na alvenaria, deixar a passagem correspondente aos diâmetros das bolsas das tubulações mais as folgas necessárias; Estudar o fechamento dos shaft s s utilizando blocos comuns e especiais, pré-moldados, etc; Estudar a conveniência de preencher com argamassa os furos dos blocos cerâmicos para fixação de rodapé. 87

88 Execução do Projeto: Utilizar da planta de fôrma lançar ar eixos de referência; Representar as alvenarias em osso Identificar os diferentes tipos de blocos; Identificar as espessuras das alvenarias, e respectivas largura das juntas; Lançar ar cotas auxiliares entre os diversos vãos e aberturas (portas, prumadas, shafts, etc.); Lançar ar cotas das faces das alvenarias em relação aos eixos de referência; Marcação das Alvenarias 88

89 Marcação das Alvenarias Projeto de Arquitetura P24 PV2 P19 P20 P21 P22 P23 P28 P29 P30 P31 P32 PV4 P33 P36 P42 P44 P45 P46 P43 89

90 Marcação das Alvenarias Projeto de 1ª 1 Fiada 90

91 Marcação das Alvenarias Projeto de Marcação das Alvenarias 91

92 Marcação das Alvenarias Projeto de Alvenarias: Quantitativo e Detalhe QUANTITATIVO BLOCOS CERÂMICO 1 FIADA 92

93 Marcação das Alvenarias 93

94 Marcação das Alvenarias i3 i3 i4 i4 i3 i3 i4 i3 i3 i4 i4 i3 i3 i4 i4 i1 xi1 i2 i1 i2 i4 i2 94

95 Marcação das Alvenarias 95

96 Marcação das Alvenarias 96

97 Marcação das Alvenarias 97

98 Marcação das Alvenarias 98

99 Marcação das Alvenarias 99

100 Marcação das Alvenarias 100

101 Paginação das Alvenarias Objetivos Racionalizar a execução das alvenarias evitando os desperdícios e aumentando a produtividade da mão de obra. 101

102 Paginação das Alvenarias Recomendações Considerar as decisões tomadas na fase de compatibilização; Utilizar a planta de marcação de alvenaria; Representar nas vistas o tipo de amarração entre as paredes; Nas janelas onde não existe viga, nivelar o fundo da verga com o fundo da viga de bordo; Contra verga, bloco calha ou pré moldado; Vergas pré moldado, deixando a passagem das tubulações; Adequar os níveis n de vergas das portas ao tipo de assentamento da mesma, à tecnologia de execução das lajes, especificação das pavimentações e a modulação dos blocos; 102

103 Paginação das Alvenarias Recomendações As alturas de caixas e quadros elétricos são função da modulação dos blocos, nos ambientes com revestimento cerâmico adequar-se aos cantos das pedras; Verificar as interferências das alvenarias com: ramais horizontais de esgoto, isométricos, caixas elétricas, quadros de disjuntores, etc. Prevendo a utilização de blocos especiais (bloco hidráulico, bloco calha, bloco com caixinhas) e ou pré moldados; Compatibilizar as aberturas dos shafts em função dos modelos de painéis is shaft. 103

104 Paginação das Alvenarias Execução do Projeto: Munido da planta de marcação de alvenarias, planta de fôrma, dos projetos de arquitetura e de instalações executa-se a elevação das alvenarias seguindo as recomendações; Indicar o posicionamento das telas de armações; Representar as aberturas com vergas e contra vergas (cotar os vãos em relação ao piso em osso, identificando caso necessário às s espessuras de contrapisos e revestimentos); Representar as instalações contidas na elevação, adequando aos blocos especiais pertinentes; Indicar os quantitativos específicos de cada bloco por paredes; Cotar os níveis n de cada fiada; Identificar a parede principal, as secundarias e peças estruturais que compõem as vistas. 104

105 Paginação das Alvenarias Execução do Projeto: 105

106 Paginação das Alvenarias Execução do Projeto: 106

107 Paginação das Alvenarias Execução do Projeto: 107

108 Paginação das Alvenarias 108

109 Paginação das Alvenarias 109

110 Paginação das Alvenarias 110

111 Paginação das Alvenarias 111

112 Paginação das Alvenarias 112

113 Paginação das Alvenarias 113

114 Paginação das Alvenarias 114

115 Paginação das Alvenarias 115

116 Paginação das Alvenarias 116

117 Paginação das Alvenarias 117

118 Paginação das Alvenarias 118

119 Paginação das Alvenarias 119

120 Paginação das Alvenarias 120

121 Conclusão Vantagens do Projeto para Produção Metodologia construtiva e especificações previamente definidas; Compatibilização dos projetos; Diminuição de mão de obra direta e indiretamente; Aumento de produtividade; Racionalização dos serviços: Redução dos desperdícios de materiais e mão de obra; Redução das espessuras dos revestimentos internos, externos e contrapiso; Eliminação de retrabalhos; 121

122 Conclusão Vantagens do Projeto para Produção Melhoria da logística da obra; Diminuição dos custos de apoio equipamentos e mão de obra; Mão de obra polivalente; Simplificação dos processos construtivos; Menor geração de entulho, conseqüentemente transporte para bota-fora. 122

123 Conclusão Ocasiões para execução do projeto para produção: Acompanhando de perto os projetos de concepção è a situação mais favorável porque permite uma adequação às tecnologias do construtor e uma eficácia maior no atendimento aos requisitos do produto Após a execução dos projetos de concepção Esta situação, mais freqüente entre as construtoras, não é tão favorável como a anterior, mas ainda permite adaptações as tecnologias do construtor, a sua eficácia sofre limitações e resulta em retrabalhos nos projetos concluídos e aprovados pelos órgãos municipais. A despeito dessas limitações ele deve ser diligentemente buscado em benefício da execução do produto. 123

124 FIM 124

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I DE PROJETOS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PROJETO Atividade ou serviço integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento,

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Concreto Recomendações Gerais Av. Verbo Divino Nº 331 Bairro: Chácara Da Cotia Contagem - MG Tel.: 3394-6104 Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural? Alvenaria estrutural é

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br HABILIDADE? SORTE? ou... BIZARRO? IMPENSÁVEL? Importância Econômica DÁ PARA ACREDITAR QUE UMA

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

RECOMENDADA PRÁTICA PR - 4

RECOMENDADA PRÁTICA PR - 4 PRÁTICA RECOMENDADA PR - 4 Execução de Alvenaria - Marcação Sair do discurso e implantar mudanças efetivas nos procedimentos habituais tem sido uma ação cada vez mais constante nas empresas que atuam no

Leia mais

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA.

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. Jacson Carlos da SILVEIRA Graduando de Engenharia Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Braz de

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Concrete Show - 2011 Guilherme Coelho de Andrade PAE / 14 SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Gama Filho - Março de 2009 Guilherme Andrade PAE / 14 UM ÍCONE DA PESQUISA MCKINSEY

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS.

ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS. ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS. Simara Callegari 1 Fernando Barth 2 RESUMO Este trabalho visa realizar a análise da compatibilização de

Leia mais

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM BIM SINCO IMPLANTAÇÃO BIM CASOS DE SUCESSO SINCO BIM PROCESSO INTEGRADO Sinco Empresa 26 Anos no mercado da construção

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO DEZEMBRO DE 2014 Estrutura de Concreto: Conclusão do 9º pavimento 100% executado; Conclusão do 10º pavimento Barrilete,

Leia mais

Visita de Analistas Janeiro, 2010

Visita de Analistas Janeiro, 2010 Visita de Analistas Janeiro, 2010 Aviso Nenhuma declaração ou garantia é feita com relação a correição, completude ou suficiência das informações apresentadas. A Direcional Engenharia não assume qualquer

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

$OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR

$OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR $OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR Sair do discurso e implantar mudanças efetivas nos procedimentos habituais tem sido uma ação cada vez mais constante nas empresas que atuam no setor de construções. E, nos

Leia mais

Método construtivo com CLT : Recomendações construtivas e de acabamentos. Autor: Alexandre Lopes Veneziano Studio Veneziano

Método construtivo com CLT : Recomendações construtivas e de acabamentos. Autor: Alexandre Lopes Veneziano Studio Veneziano Método construtivo com CLT : Recomendações construtivas e de acabamentos. Autor: Alexandre Lopes Veneziano Studio Veneziano Motivação Esqueça o que você já ouviu falar sobre casa de madeira, isto aqui

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO.

O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO. O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12 Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas São Paulo, 29/08/12 HISTÓRICO DA LORENGE S.A. A Empresa fez 32 anos de existência em Janeiro/12; Empresa familiar com 6 sócios; Missão Empreender

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 M² Pavimento: térreo Área do Terreno: 450,00 M² INTRODUÇÃO Este documento técnico

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade.

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Concreto LINHA de Argamassas Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Estabilizada 01Argamassa Projetada A evolução chegou ao canteiro de obras. Elimine etapas, corte custos e aumente o controle

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE LOGÍSTICA DE OBRAS Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE Integração Sistêmica GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO CONSTRUTIVO NA EMPRESA Parede Controles, Indicadores de desempenho Laje Organização lay-out, fluxo

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL APRESENTAÇÃO REALIZAÇÃO A portoferraz... Ser referência no mercado imobiliário, desenvolvendo projetos que transformem a ocupação urbana, de maneira criativa

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 2 SEGURANÇA COLETIVA 3 SEGURANÇA COLETIVA ANDAIME COM GUARDA

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 2 MUNICIPIO: DATA DA VISITA: DIA MÊS ANO HORA 00:00 3 4. LOTE LOJA 4 4.1 RESPONSAVEL: TIPO DE LOCALIZAÇÃO SITUAÇÃO INSERIR O NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO GALPÃO LOJA EM SHOPPING ENDEREÇO INSERIR ENDEREÇO

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Parede de Concreto 29/04/2015 1 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVO - reduzir o déficit habitacional 2009 MCMV Início do Programa 2010 MCMV I 1.000.000 de unid. contratadas 2011/14 MCMV II 2.400.000

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade.

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade. Coordenação Modular na Construção Civil O QUE É? Toda construção é feita de partes, que podem ser unidas no canteiro de obras ou numa fábrica, com argamassa, cola, parafuso, encaixe ou qualquer outro processo.

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Projeto Arquitetônico: AUTOR: Arq. Lilian Camargo Ferreira de Godoy CREA GO 1352/D

Projeto Arquitetônico: AUTOR: Arq. Lilian Camargo Ferreira de Godoy CREA GO 1352/D MEMORIAL DESCRITIVO INFORMAÇÕES GERAIS Nome do empreendimento: Residencial Jardim das Tulipas Incorporação: SC Parque Oeste Industrial Residence SPE LTDA. Realização e Construção: SERCA CONSTRUTORA LTDA.

Leia mais

Apresentação - UFBA. Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras

Apresentação - UFBA. Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras Apresentação - UFBA Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras Disciplina: Análise, Racionalização e Coordenação de Projetos Convidado: Alexandre José de Aragão Pedral Sampaio Engº Civil - UFBA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais