CARTA DE APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL Aspectos Gerais...8

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTA DE APRESENTAÇÃO...4 1. INTRODUÇÃO...7 2. ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL...8. 2.1. Aspectos Gerais...8"

Transcrição

1 Guia de Estudos - Organização Marítima Internacional Comitê de Proteção do Ambiente Marinho 2011

2 ÍNDICE CARTA DE APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL Aspectos Gerais Estrutura da OMI. Comitês e Subcomitês Aspectos Jurídicos COMITÊ DE PROTEÇÃO DO AMBIENTE MARINHO PREVENÇÃO E CONTROLE DA POLUIÇÃO MARINHA PELO CARREGAMENTO DE BENS E MATERIAIS NOCIVOS Panorama histórico do carregamento de bens e materiais nocivos e da legislação aplicável Evolução e importância da prevenção da poluição marinha por carregamento de bens e materiais nocivos Medidas adotadas pela OMI para garantir a proteção específica através da prevenção de danos a regiões oceânicas vulneráveis Áreas Marítimas Particularmente Sensíveis (AMPS) Áreas Especiais (AE) segundo a MARPOL 73/ Diferenças entre AMPS e AE Medidas previstas em instrumentos internacionais para o controle da poluição marinha A questão da água de lastro

3 5. CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS...65 Anexo I...65 Anexo II...66 Anexo III...67 Anexo IV

4 CARTA DE APRESENTAÇÃO É com imenso prazer que a Diretoria da OMI-CPAM traz aos senhores(as) o Guia de Estudos para nossa simulação em Antes de tudo, gostaríamos de apresentar os diretores de nosso comitê, como de praxe. Importante destacar que nosso querido e amado comitê sofreu, ao longo do ano, uma das mais novas modalidades de bullying, o bullying internacional. Evidentemente que proteger os queridos peixes e a vida marinha não foi levado a sério pelos demais diretores(as) de nossa simulação! Ora nobres sendo nosso planeta azul constituído de água em mais de 3/4 de sua superfície, fica evidente que salvar nossos oceanos deve ser o principal tema da pauta internacional. Conheçamos agora um pouco dos nossos destemidos defensores do mar. Pela ordem, alfabética e métrica (1.55m de altura) nossa simpática, meiga, carismática, bem-humorada, delicada, calma, pacata, serena e, acima de tudo, tranquila Bárbara Patriota. Seu tamanho é proporcional a sua paciência, sempre resultando em tapinhas enérgicas direcionadas ao único macho alpha do comitê. Acima de tudo, nossa querida Babi é uma pessoa de coração enorme, que está sempre determinada a demonstrar seu empenho para o sucesso do nosso comitê. Bárbara, cursando o 6º período de Direito e em sua 5ª simulação, foi a capitã do barco chamado OMI, rumo à SOI 2011! A segunda na ordem métrica, Lara Costa, apesar de ter desbravado (para as mentes sujas leia-se achado na internet) o Estreito de (Sylvia) Bonifácio 1, é a mais desnorteada de nossa diretoria. Chegou ao ápice de indagar: GENTXIIII, qual é o mês da OKTOBERFEST?. Ainda assim, sua bússola aponta sempre para a busca 1 Esta nota de rodapé na apresentação é realmente necessária para esclarecer que o Estreito de Bonifácio é uma formação geográfica localizada entre França e Itália. Informações complementares no decorrer do guia. 4

5 de seu Mr. Darcy (sua versão de príncipe encantado). Sempre comprometida com os trabalhos do comitê, Lara cursa o 6º período de Direito, está em sua 4ª simulação e juntamente com Babi capitaneou nossa embarcação! A terceira na ordem métrica crescente é Gabriela, mais conhecida pelo sobrenome Borba. Informamos sempre os horários das reuniões com duas horas de diferença para que Borba possa pesquisar as novidades da moda feminina, com destaque para as mais novas tendências em casamentos (sonho de consumo da nossa romântica navegante). Sorrateiramente Borba é a responsável por mais de 50% do consumo de alimentos durante as reuniões do comitê, compensados em árduas horas de academia e corridas no Parque das Dunas. Estando em sua 5ª simulação e cursando o 6º período do curso de Direito, Borba foi o lastro de nosso navio, sempre equilibrada e calma, lidou bem com as tempestades que agitaram nossa viagem durante o ano. A próxima de nossa lista é Sylvia Bonifácio, mais conhecida como Sylvinha do Estreito (referência à descrição de Lara Costa). Revelou-se uma marinheira de primeira viagem extremamente comprometida com a pesquisa do comitê e com o progresso de nossos trabalhos. É, inclusive, defensora árdua da capacidade postulatória dos animais, reais sujeitos de direitos. Também conhecida pela alcunha Sylvia do Álcool, ela se mostra uma pessoa extremamente amada quando sobre efeito dessa substância, inclusive chegando a falar línguas estranhas. Sylvia cursa o 4º período do curso de Direito e está em sua 3ª simulação, sendo o combustível (não, não é álcool) de nossa embarcação. Por fim, o macho alpha do comitê e o último na ordem crescente de alturas (1.84m), Rafael Marques. Este marinheiro arrasa os corações femininos, tendo negado reiteradas vezes os desesperados pedidos de casamento de suas codiretoras. Apesar disso, Rafael não hesita em realizar ligações exaustivamente para as mulheres do comitê, importunando-as inclusive aos sábados à noite para tratar de assuntos marítimos. Esse Mr. Darcy brasileiro é cáften nas horas vagas, expondo como recompensa aos delegados bem sucedidos as sereias que desprezou durante o ano (não se animem, essa estratégia de recrutamento não foi acatada no comitê), fato que gerou tribulações no cenário oceânico e provocou revolta em certos tritões. Rafael cursa o 6º período do curso de Direito e está em sua 5

6 15ª simulação, tendo ganhado o título de delechato em diversos estados. Este galã é mestre em Direito Internacional e, também por isso, o leme desta embarcação rumo à SOI Nossa tripulação foi assistida também durante o ano por inúmeros marinheiros e marinheiras dedicados em garantir o sucesso de nossa navegação. Mencionamos alguns desses estimados colaboradores, com o perdão de possíveis deslizes: Andrew Cavalcanti, Eduardo Abbott, Leonardo Oliveira, Pedro Ângelo, Pedro Lucas e Victor Varcelly. Enfim, nobres delegados, os senhores serão a tripulação de nosso glorioso navio que ancorará de 12 a 16 de outubro na costa natalense para as discussões sobre a prevenção e controle da poluição pelo carregamento de bens e materiais nocivos. Lembrem-se de nosso lema: Venha salvar nosso peixe você também! Com a mais alta estima, Diretoria OMI-CPAM, SOI

7 1. INTRODUÇÃO A Organização Marítima Internacional 2 (OMI) é uma pessoa jurídica de direito internacional público cuja importância atual é inequívoca. Considerando suas atribuições constitutivas, foca-se essencialmente na regulação jurídica do mar no plano internacional, situando-se dentro delas o tratamento conferido à navegação. Esta é parte essencial para o comércio hodierno e envolve profundamente as relações entre Estados, especialmente no que tange o contexto globalizante e interdependente vivido pela sociedade internacional. Apesar de sua crescente presença no cenário internacional, essa organização ainda não possui a relevância devida em termos de aplicabilidade prática, sendo muitas vezes subestimada e até mal utilizada diante das responsabilidades e competências que lhes são inerentes. O tema a ser debatido pela OMI é a Prevenção e Controle da Poluição Marinha pelo Carregamento de Bens e Materiais Nocivos através do seu Comitê de Proteção do Ambiente Marinho (CPAM), o qual tem como principal finalidade a prevenção e controle da poluição produzida por embarcações. É notória a extensão de desastres ambientais provocados por navios e mostra-se essencial regular a navegação para minimizar o quanto for possível as conseqüências danosas que são causadas, além de, eventualmente, buscar as soluções adequadas intentando, em ocorrendo danos, verificar a responsabilização dos agentes causadores. É um tema que aborda uma multiplicidade de questões de Direito Internacional, como por exemplo, a regulamentação das condições de navegação e os mecanismos preventivos, de conduta e de segurança objetivando o não acontecimento dos atos danosos, bem como, se for caso, a responsabilidade dos Estados na ocorrência de dano ambiental, as condições e pressupostos de responsabilidade dos entes privados e a necessidade de reparação do mesmo por estas nações. A Organização Marítima Internacional, especialmente o Comitê em questão, tem como metas a aplicação da vasta legislação já formulada sobre o tema, como a Convenção de Direito do Mar de 1982, um documento que tem uma vasta área de abrangência; a Convenção Internacional Para a Prevenção da Poluição por Navios, que já apresenta um grau de especificidade bem maior se comparada à primeira; 2 INTERNATIONAL MARITIME ORGANIZATION. Disponível em: Acesso em 25 de março de

8 além de inúmeras resoluções e convenções aprovadas nas reuniões da OMI que tratam do assunto com bastante profundidade 3. Inegável o destaque que o Direito Ambiental possui no âmbito internacional. O século XXI é chamado de o século do meio ambiente, mas ao mesmo tempo abarca os novos problemas trazidos pela globalização e as demandas da sociedade contemporânea. A questão ambiental representa uma controvérsia entre Estados, sempre sendo possível observar um conflito de interesses entre as nações no que tange a assuntos que dizem respeito à delimitação de rotas, restrição de carga, e dever de reparação. 2. ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL 2.1. Aspectos Gerais A navegação foi pioneira na diminuição das distâncias globais e na eficiência do transporte: navios, ao contrário do transporte terrestre, podiam trafegar em linha reta e carregar uma quantidade maior de bens com um custo consideravelmente menor. Por outro lado, a atividade envolvia grandes riscos. O oceano mudava rapidamente e de maneira imprevisível; marinheiros, privados de uma alimentação diversificada, eram acometidos por doenças como o escorbuto; tempestades faziam naufragar navios, matando centenas de pessoas, como a que atingiu as ilhas britânicas em 25 de outubro de 1859, levando 748 à morte com a destruição de 325 navios 4. Ao fim do século XIX, começou a ser reconhecida a necessidade de melhorar as condições de segurança dos navios e, nesse cenário, a importância da cooperação internacional. Com o desastre envolvendo o Titanic, maior e mais novo navio de passageiros da época, essa necessidade se tornou mais evidente, suscitando ainda questão sobre a capacidade de cada nação em determinar as próprias regras de segurança. 3 CONVENÇÕES. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes. Acesso em 10 de abril de Overview of Shipping and Navigation History. Disponível em ationhistory.pdf. Acesso em 10 de abril de

9 Dessa forma, em 1914, em resposta ao clamor internacional, o governo britânico convocou uma conferência que adotou a primeira Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS, em inglês) 5. Apesar de o tratado não ter entrado em vigor devido à eclosão da Primeira Guerra Mundial, ele representou um avanço no que diz respeito ao encontro de diferentes nações com o escopo de adotar medidas comuns de segurança. Uma nova versão da SOLAS surgiu em 1929, mesmo período em que a Liga das Nações especulava a criação de um corpo internacional para regular o transporte marítimo. Afinal, tratados internacionais só possuiriam eficácia se conclamados por nações em uma conferência, o que, principalmente no período de preocupação com a possibilidade de uma nova guerra, parecia inviável. Com o término da Segunda Guerra Mundial e a vontade comum de evitar novos conflitos como este, criou-se um organismo internacional, a Organização das Nações Unidas (ONU), para promover a paz e desenvolvimento mundiais. A ONU, além de uma Assembléia Geral, passou a criar agências especializadas em assuntos específicos, entre elas, em 1948, a Organização Marítima Internacional, OMI (inicialmente chamada de Organização Marítima Consultiva Intergovernamental - IMCO, teve seu nome modificado em 1982) 6. Concentrando-se principalmente na segurança marítima, a Convenção que estabeleceu a OMI entrou em vigor em 1958, e a Organização se reuniu pela primeira vez no ano seguinte. Os principais objetivos da organização, dispostos no Artigo 1 (a) 7, da Convenção supracitada, são: Instituir um sistema de cooperação entre os governos no campo da regulamentação e dos procedimentos governamentais relacionados com assuntos técnicos de todos os gêneros que interessem à navegação comercial internacional; encorajar e 5 SOLAS. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes/seguranca_maritima/solas. Acesso em 11 de abril de Brief History of IMO. Disponível em Acesso em 10 de abril de Convenção da Organização Marítima Internacional. Disponível em Acesso em 12 de abril de

10 facilitar a adoção geral de normas tão perfeitas quanto possível no que diz respeito à segurança marítima, à eficiência da navegação e à prevenção e controle da poluição do meio marinho causada pelos navios; e tratar dos assuntos administrativos e jurídicos relacionados com os objetivos definidos neste artigo; A primeira grande tarefa da OMI foi adotar uma nova versão da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, que, à época, em 1960, tornara-se antiquado. Apesar de originalmente focada na segurança marítima, a partir da criação da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição Marinha por Óleo, de 1954 (OILPOL, em inglês) 8, a Organização assumiu também a responsabilidade por problemas de poluição. Dessa forma, em 1962, através de uma conferência, foram adotadas algumas emendas à OILPOL. Ainda na década de 60, vários navios foram acometidos por incêndios. Um dos principais atingiu o Lakonia 9, no meio da década, matando cerca de 130 pessoas. A OMI, mais uma vez, naquela oportunidade, aperfeiçoou a SOLAS, desta vez no que dizia respeito à prevenção e proteção de navios contra incêndios. Ficou evidenciado, assim, o importante papel da Organização em situações emergenciais, o que foi comprovado quando, no ano de 1967, o petroleiro Torrey Canyon 10 encalhou no Canal da Mancha, sudoeste da Inglaterra, derramando toda sua carga de petróleo bruto no mar. O governo britânico, encontrando-se sobre imensa pressão da comunidade internacional, recorreu à OMI. 8 A OILPOL foi substituída pela adoção posterior da Convenção Internacional para Prevenção da Poluição por Navios (MARPOL), em Overview of Shipping and Navigation History. Disponível em ationhistory.pdf. Acesso em 10 de abril de SILVA, Ana Carolina de Lima. A evolução do direito internacional do meio ambiente e a construção de um regime jurídico internacional para o mar através do direito marítimo: os incidentes marítimos que provocaram mudanças significativas nas normas de proteção ao meio ambiente marinho. Monografia (especialização em relações internacionais) Instituto de ciência política e relações internacionais da Universidade de Brasília UnB Disponível em: Acesso em 9 de janeiro de

11 O desastre revelou a inexistência de meios internacionalmente adotados de resposta a acidentes envolvendo implicações ambientais, transformando a proteção do ambiente marinho no segundo principal objetivo da OMI, precedido apenas pela segurança marítima. À época crescia no mundo a consciência ambiental como um todo, uma evolução percebida pelo vasto número de conferências acerca do tema, entre elas a de Estocolmo, em Neste mesmo ano foi adotada a Convenção sobre a Prevenção de Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e Outras Matérias, ou apenas Convenção de Londres de O reflexo dessa conscientização em seu cerne marítimo culminou na criação da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, de 1973 (MARPOL, em inglês). O propósito desta é o estabelecimento de regras para a eliminação da poluição do meio ambiente marinho e do ar por óleo e por outras substâncias danosas oriunda de navios 13. A Convenção é, portanto, uma ambiciosa tentativa de combater a poluição do mar causada não só por óleo, mas por produtos químicos, substâncias carregadas em contêineres, esgoto e lixo, tratando ainda da poluição do ar. O responsável por essas questões e pela própria atualização da Convenção passou a ser o Comitê para Proteção do Ambiente Marinho, mais detalhadamente estudado posteriormente, no tópico 3 deste Guia de Estudos. Iniciativas similares vêm sendo tomadas pela OMI ao longo dos anos, com a criação de novas convenções e a adição de emendas a diplomas preexistentes, principalmente no que concerne ao desenvolvimento de tecnologias 14, ao elemento 11 Declaração de Estocolmo Sobre o Ambiente Humano. Estocolmo, junho de Disponível em: Acesso em 05 fevereiro de CONVENÇÃO DE LONDRES. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes/prevencao_da_poluicao_marinha/l c. Acesso em 11 de abril de MARPOL. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes/prevencao_da_poluicao_marinha/ marpol. Acesso em 10 de abril de O GMDSS, Sistema Internacional de Comunicações Emergenciais implementado pela OMI através de emendas a SOLAS, por exemplo. Para mais informações acesse: 11

12 humano na navegação 15, ou a qualquer outra questão que implique em um transporte marítimo seguro e eficiente em oceanos livres de poluição, principal slogan da OMI. 16 Sediada em Londres, Reino Unido, a Organização Marítima Internacional conta hoje com 169 Estados-Membros 17 e três membros associados. Podem ainda comparecer ás reuniões de qualquer dos seus comitês e subcomitês, com status consultivo e sem direito a voto, membros de organizações intergovernamentais e não governamentais. O trabalho da OMI resulta, portanto, em um abrangente corpo de convenções internacionais que efetivam a segurança nas operações marítimas através da adoção de medidas multilaterais coordenadas entre organismos internacionais. Há uma primeira classe de normas para prevenir acidentes, incluindo-se aí regras sobre o design, a construção, os equipamentos, a manutenção e operação dos navios. Numa segunda classe podemos visualizar normas reconhecendo a fatalidade de acidentes e prevendo uma série de medidas aplicáveis à situação fática. Por fim, existem regras sobre a responsabilidade civil do dano e a compensação de vítimas desses acidentes Estrutura da OMI: comitês e subcomitês A Organização Marítima Internacional é composta pela Assembléia, pelo Conselho e cinco comitês: o Comitê de Segurança Marítima; o Comitê para Proteção do Ambiente Marinho; o Comitê Jurídico; o Comitê de Cooperação Técnica e, por fim, o Comitê de Facilitação. Para dar suporte ao trabalho destes, existem ainda alguns subcomitês, especificados abaixo. A Assembléia é o principal órgão deliberativo da OMI, sendo responsável por definir o programa de trabalho e votar o orçamento e o regime financeiro da 15 Como exemplo, a International Convention on Standards of Training, Certification and Watchkeeping for Seafarers, de 1978, STCW. Para mais informações acesse: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes/seguranca_maritima/stcw. 16 IMO WHAT IT IS. p. 4. Disponível em Acesso em 12 de abril de Introduction to IMO. Disponível em Acesso em 12 de abril de

13 Organização pelos próximos dois anos, intervalo de tempo entre as reuniões do órgão. O Conselho, órgão executivo, por sua vez, é eleito para um mandato de dois anos pela Assembléia, exercendo todas as funções desta pelo período, exceto a de fazer recomendações aos Governos sobre segurança marítima e prevenção da poluição, competência reservada à Assembléia pelo art. 15, (j), da Convenção da OMI 18. Entre as funções do Conselho estão: coordenar as atividades dos órgãos da OMI; esboçar o programa de trabalho e o orçamento da Organização; nomear o Secretário-Geral e celebrar acordos sobre a relação da OMI com outras organizações, estas três últimas submetidas à aprovação da Assembléia. O Conselho deve também receber e comentar os relatórios e propostas dos Comitês, repassando-os para posterior avaliação da Assembléia. Diferentemente dos outros órgãos, o Conselho não é formado por todos os Estados-membros da Organização, agrupando aqueles que o compõe em três categorias, de acordo com seus interesses 19. Na categoria a encontram-se aqueles com maior interesse na prestação de serviço de transporte marítimo internacional, entre eles China, Estados Unidos e Reino Unido. Na segunda 20 categoria, b, estão os que mais se interessam pelo comércio marítimo como, por exemplo, o Brasil, o Canadá e a França. A última categoria e mais abrangente delas, c, é composta por 20 Estados (ao contrário das duas primeiras em que figuram apenas dez) não atingidos pelos critérios acima, escolhidos com o intuito de assegurar a representação da maioria das regiões do globo no Conselho 21. Os cinco Comitês citados diferenciam-se apenas pela natureza de suas funções, devendo, cada um deles, reunir-se pelo menos uma vez por ano. O Comitê 18 Convenção da Organização Marítima Internacional. Disponível em Acesso em 12 de abril de Para conhecer todos os atuais membros do Conselho, acesse 20 Fonseca, Luiz Henrique Pereira da. Organização Marítima Internacional (IMO): Visão Política de um Organismo Especializado das Nações Unidas. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, Disponível em: Acesso em 14 de abril de Structure of IMO. Disponível em: Acesso em 12 de Abril de

14 de Segurança Marítima, órgão de destaque, é responsável pelas questões acerca da construção e equipamento dos navios, da regulamentação para prevenção de colisões, sobre a manipulação de cargas perigosas, informações hidrográficas e procedimentos de segurança marítima em geral. Enquanto isso, o Comitê para Proteção do Ambiente Marinho (vide tópico 3 do Guia) ocupa-se da prevenção e do controle da poluição causada por navios, podendo, assim como o Comitê de Segurança Marítima, atualizar e adotar convenções e outras regulamentações que reforcem seu escopo. O Comitê Jurídico foi inicialmente estabelecido como um órgão subsidiário, criado para lidar apenas com as questões legais envolvendo o acidente do Torrey Canyon. Posteriormente tornou-se um órgão permanente, responsável por todas as questões jurídicas envolvendo a Organização. Em princípio também subsidiários, os Comitês de Cooperação Técnica e de Facilitação são, respectivamente, responsáveis pela implementação de projetos de cooperação em que a OMI figure como agente executor ou auxiliar, e pela eliminação de óbices formais ao transporte marítimo internacional, nos termos da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional (FAL, em inglês), de A Convenção da Organização prevê a criação pelos Comitês de órgãos auxiliares - os subcomitês, detalhados no tópico 3 deste Guia de Estudos. Tais subcomitês servem tanto ao Comitê de Segurança Marítima, quanto ao Comitê para Proteção do Ambiente Marinho. O Secretariado é formado pelo Secretário Geral, cargo atualmente ocupado pelo grego Efthimios E. Mitropoulos, e cerca de trezentos outros funcionários da Organização, trabalhando em Londres para a produção e divulgação de todo tipo de arquivo necessário ao trabalho da organização, incluindo-se ai a gerência de seu orçamento bienal. A OMI possui ainda cinco conselheiros regionais atuando na Costa do Marfim, Gana, Quênia, Trinidad e Tobago e Filipinas. 22 FAL. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes_e_codigos/convencoes/outras_convencoes/fal. Acesso em 11 de abril

15 2.3. Aspectos Jurídicos A Organização Marítima Internacional responsabiliza-se atualmente por discutir, emendar e supervisionar a efetivação de cerca de cinqüenta convenções e acordos, tendo adotado ainda inúmeros protocolos. O processo de adoção de uma convenção ou de uma emenda tem início em um dos Comitês que, chegando internamente a um consenso, remete a proposta ao Conselho e, conforme necessário, à Assembléia para receber destes órgãos a aprovação necessária ao prosseguimento do feito. Se autorizado, o Comitê irá esmiuçar o assunto abordado, podendo acionar um subcomitê competente para maiores detalhamentos. Esse trabalho será considerado pelos representantes dos Estados-membros da Organização. Organizações intergovernamentais e não governamentais internacionais, que sejam experientes na matéria, também poderão fazer observações, sendo seus conselhos bem recebidos pela OMI. Assim é produzido um esboço da convenção e este é submetido ao Conselho e à Assembléia para que seja convocada uma conferência de adoção formal da convenção. Desta conferência podem participar, em pé de igualdade, todos os Estados-Membros da OMI e de qualquer outra agência especializada da ONU, os quais contribuirão para a produção de uma convenção que, majoritariamente aceita, será aprovada. A convenção adotada na Conferência será confiada ao Secretário-Geral e este, por sua vez, enviará uma cópia a cada governo interessado em assiná-la. Países não signatários podem aderi-la, na conformidade do prescrito no âmbito do ordenamento jurídico internacional. A adoção da convenção é apenas um primeiro estágio. Em uma próxima etapa ela deve entrar em vigor internacionalmente, obrigando os Estados perante eles próprios, sujeitos de Direito Internacional Público, e em seguida internamente, segundo os ditames constitucionais estabelecidos por cada Estado, propiciando a vinculação do texto internacional aos particulares. Para isso se faz necessário 15

16 observar uma série de condições que variam de acordo com a complexidade de um documento, podendo ser mais ou menos severas. Para adoção de um importante documento técnico, por exemplo, requer-se sua aplicação por uma grande parte da comunidade marítima, do contrário, ele viria a complicar e não esclarecer as práticas de navegação. Assim, freqüentemente leis nacionais são promulgadas ou alteradas, novas instalações são criadas e empresas e outros interessados devem ser informados das alterações. Um Estado pode expressar seu consentimento para ser vinculado à convenção assinando-a, ratificando-a, aceitando-a, aprovando-a ou apenas aderindo a seu conteúdo. Se sua assinatura estiver sujeita à aprovação, ratificação ou aceitação, ele não está propriamente vinculado 23, mas se vê obrigado a evitar ações que contrariem o propósito do tratado. Essa opção de assinatura se originou numa época em que as comunicações internacionais não eram instantâneas, como uma forma de evitar a arbitrariedade de representantes de Estado, mas não apenas isto, pois tem como finalidade precípua possibilitar a análise da compatibilização das normas internacionais com o existente internamente, de maneira que sejam cumpridas as etapas procedimentais para ganhar vigência no âmbito interno dos países, consoante seus ditames constitucionais. É hoje muito utilizada, principalmente em tratados multilaterais, para que os Estados tenham tempo de produzir as condições necessárias para sua prática. A adesão ocorre quando um Estado assina o tratado posteriormente ao período em que esteve aberto a assinaturas. A execução das Convenções da OMI depende do governo dos Países signatários que, respondendo por seus navios, podem, inclusive, estabelecer sanções para possíveis infrações, respeitando, é claro, navios de outras nacionalidades, ou mesmo sofrerem a imposição de sanções pela via internacional, desde que isto se encontre regulado formalmente. 23 Vienna Convention on the Law of Treaties, 1969, Article 18, (a). Disponível em: Acesso em 12 de abril de

17 Se uma infração ocorrer em águas internacionais 24, a responsabilidade por sua penalização é da nação a que o navio pertence, podendo ainda o litígio ser submetido à jurisdição internacional, sendo o exemplo clássico a resolução de conflitos entre Estados através da Corte Internacional de Justiça. Já se ocorre na jurisdição de outro Estado, este pode proceder de acordo com sua própria legislação ou encaminhar o problema para que ele seja solucionado pela nação representada na bandeira do navio 25. Outro importante papel da OMI é o de revisar as Convenções adotadas por ela, promovendo suas emendas. Inicialmente era um processo tão lento que algumas alterações nunca chegavam a entrar em vigor. Com a introdução do procedimento de aceitação tácita 26 isso mudou, pois as emendas não precisam mais da aprovação de dois terços dos governos vinculados à Convenção, entrando em vigor automaticamente com a chegada de uma determinada data, estipulada pela Assembléia. Se, no entanto, certo número de Países a rejeitarem antes desta data, a emenda não entrará em vigor. É um procedimento que visa manter a OMI atualizada com o desenvolvimento de avanços tecnológicos e sociais na navegação COMITÊ PARA PROTEÇÃO DO AMBIENTE MARINHO 24 A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), de 1982, conceitua e estabelece juridicamente a divisão geográfica dos mares em águas interiores e, partindo-se da costa dos Estados, mar territorial e zona contígua (Parte II da CNUDM), Zona Econômica Exclusiva (Parte V da CNUDM) e a plataforma continental (Parte VI da CNUDM). As águas internacionais, ou o chamado Alto Mar, inicia-se, assim, a duzentas milhas náuticas de distância de qualquer território. A íntegra da CNUDM, em inglês, está disponível em: Acesso em 05 de setembro de Introduction: Adopting a convention, Entry into force, Accession, Amendment, Enforcement, Tacit acceptance procedure. Disponível em: Acesso em 12 de abril de Inicialmente derivado do texto da Convenção para Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS) em emendas que versassem sobre questões técnicas, o procedimento de aceitação tácita foi estendido às demais convenções da OMI, tendo-se em vista a agilidade e eficácia que conferiu ao processo de revisão das mesmas. 27 Idem, op. cit. 17

18 Dentre os comitês da Organização Marítima Internacional, o Comitê de Proteção do Ambiente Marinho, CPAM 28, destaca-se como seu principal corpo especializado. Ele é responsável por coordenar a atuação da Organização nos assuntos relacionados à proteção ambiental marinha, envolvendo prevenção e controle da poluição causada por navios. É imprescindível observar que o objeto de seu trabalho a poluição por navios, embora generalizada pela ocorrência de acidentes com petróleo, ultrapassa largamente tamanha singularidade, incluindo também em seu rol, além da poluição através do derramamento de diversos outros materiais nocivos 29, o controle de emissões nocivas (poluição atmosférica), problemas com espécies invasivas como as que viajam longas distâncias através da água de lastro e poluem ecossistemas não adaptados a elas e mesmo a reciclagem de navios 30. O CPAM foi criado pela Assembléia da OMI em novembro de Ele foi estabelecido inicialmente como órgão subsidiário da Assembléia e somente em 1985 passou a atuar como comitê individualizado, recebendo status constituinte total pela OMI 31. Um motivo importante para o seu estabelecimento foi a crescente correlação das atividades da Organização com o campo ambiental, bem como seu envolvimento com outras agências e organizações das Nações Unidas dentro desse contexto. Apesar de a responsabilidade mais importante da OMI ser a segurança, num sentido mais estrito, os problemas que surgiram do aumento do transporte de óleo pelo mar, como o acidente de Torrey Canyon em 1967, trouxeram a poluição como um assunto urgente e importante dentro da organização. A OMI passou a introduzir diversas medidas para controlar, prevenir e minimizar os problemas da poluição, além de buscar compreender a ameaça que representa para o ambiente marinho o transporte de materiais nocivos pelos meios marítimos. Dentre essas medidas, a 28 Seu título original, em inglês, é Marine Environment Protection Comittee (MEPC). 29 A definição de poluição por navios e de quais seriam tais materiais nocivos será apresentada posteriormente, em tópico respectivo. 30 A maioria dos navios tem vida útil de apenas algumas décadas, até que sua manutenção e seu reparo deixam de ser economicamente viáveis. É, então, feita a reciclagem do navio, quando ele é destruído e suas peças e materiais, principalmente os de aço, bem como seus equipamentos de bordo, são destinados a diversas formas de reutilização. Definição disponível em: en.wikipedia.org/wiki/ship_recycling. Acesso em 17 de abril de IMO structure. Disponível em: Acesso em 17 de abril de

19 mais importante foi a criação da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, de 1973, convenção que tutela a poluição não apenas por óleo, mas também por outros meios, como produtos químicos, substâncias nocivas transportadas em contêineres, lixo e esgoto, além da poluição do ar 32. A criação do CPAM e seu funcionamento atual estão intimamente associados à MARPOL. Antes do nascimento desta última, a Convenção Internacional para a Prevenção de Poluição Marinha por Óleo (OILPOL, em inglês), de 1954, era de suma importância no controle da poluição marinha por navios. Notava-se, no entanto, a falta de um novo instrumento que pudesse garantir esse controle de maneira mais completa, abrangente e efetiva, o que foi evidenciado após mais uma emenda efetuada, em 1971, na OILPOL. Visando tal necessidade, o problema da poluição foi discutido, então, em uma grande conferência realizada pela OMI em , a fim de estabelecer limites para a contaminação do mar, terra e ar por navios. Desta originou-se a MARPOL, no mesmo ano, note-se, em que o CPAM foi criado, comitê cujos objetivos corroboram com os intuitos fundamentais daquela convenção. Destarte, observa-se que o contexto de criação do CPAM se encaixa no mesmo cenário internacional que a da MARPOL, um cenário no qual era pungente a necessidade de articular melhor o problema da poluição marinha por navios. É evidente, então, que para ambos convergem os mesmos fatos históricos que impulsionaram suas criações. Basta isso para restar flagrante a associação supracitada entre eles, comprovada de maneira irrefutável quando se observa que é o CPAM o órgão responsável pelas emendas efetuadas naquela convenção. No tocante à sua atuação, o Comitê se reúne a cada nove meses para desenvolver e editar convenções internacionais no tocante à segurança marinha ambiental relacionada à poluição causada por navios. Como os demais comitês da OMI, ele é aberto à participação de todos os Estados-Membros da organização, com direitos iguais e, mais que isso, é composto por especialistas nomeados por Governos, pela indústria, organizações ambientalistas e outras organizações 32 International Law: a dictionary, Boleslaw Adam Boczek. p IMO- WHAT IT IS. p. 5. Disponível em Acesso em 12 de abril de

20 interessadas na proteção do ambiente marinho 34. A OMI aceita que Organizações Não-Governamentais participem de seus comitês, com caráter consultivo, desde que tenham capacidade de fazer uma contribuição substancial e que sua participação seja aprovada pela Assembléia. As Organizações Intergovernamentais podem exercer papel de cooperação com a OMI em assuntos de interesse comum, atualmente há 61 organizações deste tipo que já assinaram acordos com a OMI. 35 Particularmente, cabe a ele a adoção e a produção de convenções, emendas e outras regulações e medidas relacionadas à sua área de atuação, de maneira a certificar-se da efetividade de seus objetivos e imposições. É por essa razão que o CPAM é o comitê que revisa e atualiza a MARPOL 73/78 36, como pode ser visto através do histórico de emendas efetuadas na Convenção, exemplificado abaixo: Emendas de 2008: - Resolução MEPC.176(58); entrada em vigor em 01/07/2010. Emendas de 2009: - Resolução MEPC.186(59); entrada em vigor em 01/01/2011; - Resolução MEPC.187(59); entrada em vigor em 01/01/2011. Emendas de 2010: - Resolução MEPC.188(60); entrada em vigor em 01/08/2011; - Resolução MEPC.190(60); entrada em vigor em 01/08/ Na sua organização interna, ele é composto por nove subcomitês especializados que o auxiliam no cumprimento de seus objetivos e tarefas, uma vez que são direcionados a partes especializadas das tarefas e objetivos do Comitê. Suas denominações são eloqüentes em explicitar a especialidade de sua atuação, de maneira que são eles: Líquidos e Gases a Granel; Carregamento de Materiais Perigosos, Cargas Sólidas e Contêineres; Proteção Contra Incêndios; Busca, 34 Manual Detalhado de Instalações Portuárias para recepção de resíduos. IMO Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ). Pg IMO Membership: Member States, IGOs and NGOs. Disponível em: Acesso em: 17 de abril de UNITED NATIONS COAST GUARD - Marine Safety Manual: Marinne Environmental Protection, volume IX, Disponível em: Acesso em 17 de abril de CCA IMO, Prevenção da Poluição Marinha. Disponível em: https://www.ccaimo.mar.mil.br/convencoes/prevencao_da_poluicao_marinha. Acesso em 17 de abril de

IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo

IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo DIA MUNDIAL DO MAR 2008 IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo Mensagem do Secretário Geral da Organização Marítima Internacional Sr. Efthimios E. Mitropoulos No ano de 2008, a IMO celebra uma

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ADVERTÊNCIA O presente texto é uma

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL Maria Luíza Almeida Gusmão Panama - Abril 2007 Política Nacional Meio Ambiente Recursos

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL Criação: Março de1948, em Genebra. Órgão: Agência especializada e vinculada à ONU. Possui 167 Estados Membros. O Brasil integra a IMO desde 1963. Objetivo: Padronizar,

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Gerenciamento de Água de Lastro nos Portos

Gerenciamento de Água de Lastro nos Portos Uirá Cavalcante Oliveira Especialista em Regulação de Serviços de Transportes Aquaviários 22 de Maio de 2008 1 2 3 4 5 Conteúdo Transporte Aquaviário Água de Lastro Aspectos Legais Gerenciamento Recomendações

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS

MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS Ilidia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência Claudia Ligia Miola Lima O navio quando obtém o registro de propriedade está submetido às leis inerentes à bandeira e pode gozar dos benefícios

Leia mais

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 Agenda IMO Safe, secure and efficent shipping on cleaner oceans, through

Leia mais

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto da proposta de Emendas à Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS a) a expressão tráfico de pessoas significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

DECRETO Nº 52.493, DE 23 DE SETEMBRO DE 1963.

DECRETO Nº 52.493, DE 23 DE SETEMBRO DE 1963. DECRETO Nº 52.493, DE 23 DE SETEMBRO DE 1963. Promulga a Convenção sobre a Organização Marítima Consultiva Internacional, assinada em Genebra, a 6 de março de 1948. O Presidente da República, Havendo o

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição:

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição: Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental Contribuinte: Eric Fischer CAPÍTULO I - Do Objeto Recomendação: Esta norma legal não deve ser aprovada antes da promulgação do decreto que regulamentará a PNRS,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72)

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) DECRETO N 87.566, DE 16 DE SETEMBRO DE 1982. Promulga o texto da Convenção sobre Prevenção

Leia mais

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA Ao longo dos últimos anos, as diretivas e regulamentos da UE, em particular os três pacotes legislativos adotados no seguimento dos desastres que envolveram

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998

DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998 DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998 Aprova o texto da Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, 1990, concluída em Londres, em 30 de novembro

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA. Artigo 1.

ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA. Artigo 1. ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA Para efeitos do presente Anexo: Artigo 1 Definições a) "Descarga" significa qualquer forma

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO 1. avaliar o papel dos portos no desenvolvimento; 2. perceber o funcionamento da gestão ambiental no panorama internacional; 3. descrever o atual sistema portuário

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes Assunto: Esta convenção estabelece medidas visando eliminar gradativamente

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS 18 a Reunião Ordinária da Comissão Permanente Nacional Portuária Itajaí/SC Abril de 2010 Eng. Ricardo Freire INTERFACE ENTRE OS MODAIS TERRESTRE E AQUAVIÁRIO Harmonização no Transporte de Produtos Perigosos

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

6/2006 1978 1973 (MARPOL

6/2006 1978 1973 (MARPOL Decreto n.º 6/2006 Aprova as emendas ao Protocolo de 1978 da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, 1973 (MARPOL 73/78), adoptadas pela Resolução MEPC 115(51) da Organização Marítima

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001 CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001 Os Estados Partes nesta Convenção, RELEMBRANDO o artigo 194.º da Convenção das

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais