Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX"

Transcrição

1 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, após um extenso processo de due diligence, avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão. Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infraestrutura e bioenergia. A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias state-of-the-art vindas de setores como energia e exploração, nos quais somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC, afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX. As usinas e a tecnologia As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar. Entre as novas tecnologias podem ser destacadas: caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars normalmente utilizados no setor; turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração continua de energia elétrica durante todo o ano utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra. Para Behrens, as tecnologias state-of-the-art, totalmente comprovadas isoladamente ou em outros setores, como o de papel e celulose, petroquímico e hidroelétrico, representam conceitos novos e inovadores no tradicional setor sucroalcooleiro que até agora nunca considerou a venda de energia elétrica como uma atividade central de seus negócios. A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e economicamente viáveis apenas no Brasil, tais como a gaseificação BIG-GT, utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matériaprima para butanol, finaliza. Sobre a Cerona: Cerona S.A. - Companhia de Energia Renovável foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Depois de ter adquirido o terreno para instalações industriais, a Cerona iniciou o plantio dos hectares de cana-de-açúcar que utilizará para abastecer a sua produção interna, em uma área de

2 Bio Comb - (11/06/08) - Online Cerona fecha contrato para contrução de duas usinas com a Engevix A Cerona (Companhia de Energia Renovável) fechou contrato com a Engevix para a instalação de suas duas unidades industriais nos municípios de Nova Andradina e Batayporã, ambos no Mato Grosso do Sul. A empresa de engenharia será por todas as etapas da construção dentro de um contrato denominado EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management). Segundo a Cerona, a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. O Os investimentos totais da Cerona para implantar as duas unidades no Brasil é superior a R$ 1,5 bilhão, incluindo capital de giro e implantação de 125 mil hectares de plantações. A empresa espera moer 10 milhões de toneladas de cana por ano e vender 1 milhão de kwh por ano.

3 UDOP - (12/06/08) - Online Usinas da Cerona farão energia durante todo o ano 12/06/08 - A Cerona (Companhia de Energia Renovável) vai produzir energia elétrica nos 12 meses do ano, e não apenas durante a safra, nas duas fábricas que monta em Nova Andradina e em Batayporã, no Mato Grosso do Sul, e que devem entrar em funcionamento em Como matéria-prima, além do bagaço da cana-de-açúcar as unidades vão utilizar eucalipto. Com capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas, as duas fábricas foram projetadas para comercializar 1 mil MW por ano. Segundo a assessoria da Cerona, a cogeração será permitida a partir do EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management), contrato recém-assinado com a Engevix, que assume a gestão de todo o processo de instalação das unidades. Nesse modelo de transação, a empresa contratada cuida da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. O investimento total nos dois projetos passa do R$ 1,5 bilhão, conforme relato de Klaus Behrens, CEO da Cerona. Com a tecnologia desenvolvida, a empresa terá capacidade de vender 70% de sua produção de energia, uma vez que terá menor consumo próprio de MWh durante a produção de etanol e de açúcar. Integram essa tecnologia caldeiras de alta pressão, com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars, processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar e geração contínua de energia elétrica durante todo o ano. A Cerona, conforme sua assessoria, também avalia aplicações inovadoras baseadas na biomassa, tais como a gaseificação BIG-GT, que utiliza o etanol como matéria-prima para a produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matéria-prima para fazer butanol.

4 Agroind - (12/06/08) - Online Usinas da Cerona farão energia durante todo o ano A Cerona (Companhia de Energia Renovável) vai produzir energia elétrica nos 12 meses do ano, e não apenas durante a safra, nas duas fábricas que monta em Nova Andradina e em Batayporã, no Mato Grosso do Sul, e que devem entrar em funcionamento em Como matéria-prima, além do bagaço da cana-de-açúcar as unidades vão utilizar eucalipto. Com capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas, as duas fábricas foram projetadas para comercializar 1 mil MW por ano. Segundo a assessoria da Cerona, a cogeração será permitida a partir do EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management), contrato recém-assinado com a Engevix, que assume a gestão de todo o processo de instalação das unidades. Nesse modelo de transação, a empresa contratada cuida da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. O investimento total nos dois projetos passa do R$ 1,5 bilhão, conforme relato de Klaus Behrens, CEO da Cerona. Com a tecnologia desenvolvida, a empresa terá capacidade de vender 70% de sua produção de energia, uma vez que terá menor consumo próprio de MWh durante a produção de etanol e de açúcar. Integram essa tecnologia caldeiras de alta pressão, com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars, processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar e geração contínua de energia elétrica durante todo o ano. A Cerona, conforme sua assessoria, também avalia aplicações inovadoras baseadas na biomassa, tais como a gaseificação BIG-GT, que utiliza o etanol como matéria-prima para a produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matéria-prima para fazer butanol.

5 Correio do Estado - (14/06/08) - Online

6 Brasil Agro -Notícias- (12/06/08) - Online USINAS DA CERONA FARÃO ENERGIA DURANTE TODO O ANO A Cerona (Companhia de Energia Renovável) vai produzir energia elétrica nos 12 meses do ano, e não apenas durante a safra, nas duas fábricas que monta em Nova Andradina e em Batayporã, no Mato Grosso do Sul, e que devem entrar em funcionamento em Como matéria-prima, além do bagaço da cana-de-açúcar as unidades vão utilizar eucalipto. Com capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas, as duas fábricas foram projetadas para comercializar 1 mil MW por ano. Segundo a assessoria da Cerona, a cogeração será permitida a partir do EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management), contrato recém-assinado com a Engevix, que assume a gestão de todo o processo de instalação das unidades. Nesse modelo de transação, a empresa contratada cuida da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. O investimento total nos dois projetos passa do R$ 1,5 bilhão, conforme relato de Klaus Behrens, CEO da Cerona. Com a tecnologia desenvolvida, a empresa terá capacidade de vender 70% de sua produção de energia, uma vez que terá menor consumo próprio de MWh durante a produção de etanol e de açúcar. Integram essa tecnologia caldeiras de alta pressão, com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars, processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar e geração contínua de energia elétrica durante todo o ano. A Cerona, conforme sua assessoria, também avalia aplicações inovadoras baseadas na biomassa, tais como a gaseificação BIG-GT, que utiliza o etanol como matéria-prima para a produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matéria-prima para fazer butanol (Agroind, 12/06/08)

7 Vale do Ivinhema Agora-Notícias - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX São Paulo, 11 de junho de A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, após um extenso processo de due diligence, avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão. Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infraestrutura e bioenergia.. A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias state-of-the-art vindas de setores como energia e exploração, nos quais somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC, afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX. As usinas e a tecnologia As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar. Entre as novas tecnologias podem ser destacadas: caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars normalmente utilizados no setor; turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração continua de energia elétrica durante todo o ano utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra.

8 Vale do Ivinhema Agora-Notícias - (12/06/08) - Online(cont.) Para Behrens, as tecnologias state-of-the-art, totalmente comprovadas isoladamente ou em outros setores, como o de papel e celulose, petroquímico e hidroelétrico, representam conceitos novos e inovadores no tradicional setor sucroalcooleiro que até agora nunca considerou a venda de energia elétrica como uma atividade central de seus negócios. A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e economicamente viáveis apenas no Brasil, tais como a gaseificação BIG-GT, utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matériaprima para butanol, finaliza. Sobre a Cerona: Cerona S.A. - Companhia de Energia Renovável foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Depois de ter adquirido o terreno para instalações industriais, a Cerona iniciou o plantio dos hectares de cana-de-açúcar que utilizará para abastecer a sua produção interna, em uma área de influência de hectares, na região de Nova Andradina, estado de Mato Grosso do Sul. Além da cana, a empresa vem plantando soja em áreas estratégicas. Sobre a ENGEVIX: Fundada em 1965, a ENGEVIX é a líder no segmento de engenharia, planejamento e gestão EPC nos setores de energia (geração, transmissão e distribuição), petróleo, gás, petroquímico, indústrias de base e infra-estrutura. Além das suas atividades de engenharia, a ENGEVIX controla empresas de geração de energia e de operação e manutenção de sistemas elétricos.

9 Mecatrônica Atual - Notícias - (17/06/08) - Online Cerona firma parceria com Engevix Acordo entre as empresas prevê a instalação de duas unidades industriais em Mato Grosso do Sul Da Redação Nesse mês a Companhia de Energia Renovável (Cerona) fechou contrato com a Engevix, como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Com o acordo, a companhia contratada irá assumir todas as responsabilidades pela obra como a execução do projeto de engenharia e gerenciamento de todas as etapas. Segundo os dados divulgados pelas empresas, as duas novas usinas de açúcar e etanol irão possuir capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana, e estão projetando vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano. O início da produção está previsto para 2010, com capacidade de 70% de produção de energia.

10 ProCana. Com - (12/06/08) - Online 12/6/ :06:00 Cerona contrata gestora para instalar usinas no MS Mônica Magalhães, de São Paulo A Cerona (Companhia de Energia Renovável) anunciou que fechou contrato com a Engevix para que essa empresa seja a gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul. As usinas serão instaladas nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Por esse modelo, a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, após um extenso processo de due diligence, avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela Engevix. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão. As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar.

11 InvestNews - (13/06/08) - Online 13/06-11:36 Cerona finaliza contrato com Engevix SÃO PAULO, 13 de junho de A Companhia de Energia Renovável (Cerona) fechou contrato com a Engevix como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, conforme divulgado pela empresa. Com o acordo, a companhia contratada irá assumir todas as responsabilidades pela obra como a execução do projeto de engenharia e gerenciamento de todas as etapas. Em comunicado, o CEO da Cerona, Klaus Behrens, afirmou que após um extenso processo de 'due diligence' a empresa optou pela Engevix. Foi informado ainda que as duas usinas de açúcar e etanol irão possuir capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana, e estão projetando vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano. O início da produção está previsto para 2010, com capacidade de 70% de produção de energia. (Redação - InvestNews)

12 Portal PCH - (12/06/08) - Online 12/06/ Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, após um extenso processo de due diligence, avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão. Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infraestrutura e bioenergia.. A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias state-of-the-art vindas de setores como energia e exploração, nos quais somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC", afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX. As usinas e a tecnologia - As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar. Entre as novas tecnologias podem ser destacadas: caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars normalmente utilizados no setor; turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração continua de energia elétrica durante todo o ano utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra. Para Behrens, as tecnologias state-of-the-art, totalmente comprovadas isoladamente ou em outros setores, como o de papel e celulose, petroquímico e hidroelétrico, representam conceitos novos e inovadores no tradicional setor sucroalcooleiro que até agora nunca considerou a venda de energia elétrica como uma atividade central de seus negócios. A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e economicamente viáveis apenas no Brasil, tais como a gaseificação BIG-GT, utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matériaprima para butanol, finaliza. Perfil da Cerona - Cerona S.A. - Companhia de Energia Renovável foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Depois de ter adquirido o terreno para instalações industriais, a Cerona iniciou o plantio dos hectares de cana-de-açúcar que utilizará para abastecer a sua produção interna, em uma área de influência de hectares, na região de Nova Andradina, estado de Mato Grosso do Sul. Além da cana, a empresa vem plantando soja em áreas estratégicas. Perfil da Engevix -Fundada em 1965, a Engevix é a líder no segmento de engenharia, planejamento e gestão EPC nos setores de energia (geração, transmissão e distribuição), petróleo, gás, petroquímico, indústrias de base e infra-estrutura. Além das suas atividades de engenharia, a Engevix controla empresas de geração de energia e de operação e manutenção de sistemas elétricos. Fonte: Portal Fator Brasil

13 Blogblogs - (13/06/08) - Online Cerona fecha contrato para contrução de duas usinas com a Engevix A Cerona (Companhia de Energia Renovável) fechou contrato com a Engevix para a instalação de suas duas unidades industriais nos municípios de Nova Andradina e Batayporã, ambos no Mato Grosso do Sul. A empresa de engenharia será por todas as etapas da construção dentro de um contrato denominado EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management). Segundo a Cerona, a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. O Os investimentos totais da Cerona para implantar as duas unidades no Brasil é superior a R$ 1,5 bilhão, incluindo capital de giro e implantação de 125 mil hectares de plantações. A empresa espera moer 10 milhões de toneladas de cana por ano e vender 1 milhão de kwh por ano.

14 Guia Construir e Reformar - (13/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a Engevix São Paulo, junho de A Cerona - Companhia de Energia Renovável - acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Tratase do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, "após um extenso processo de "due diligence", avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão". Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infraestrutura e bioenergia.. "A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias 'state-of-the-art' vindas de setores como energia e exploração, nos quais somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC", afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX.

15 JB Online - (13/06/08) - Online Cerona finaliza contrato com Engevix SÃO PAULO, 13 de junho de A Companhia de Energia Renovável (Cerona) fechou contrato com a Engevix como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, conforme divulgado pela empresa. Com o acordo, a companhia contratada irá assumir todas as responsabilidades pela obra como a execução do projeto de engenharia e gerenciamento de todas as etapas. Em comunicado, o CEO da Cerona, Klaus Behrens, afirmou que após um extenso processo de due diligence a empresa optou pela Engevix. Foi informado ainda que as duas usinas de açúcar e etanol irão possuir capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana, e estão projetando vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano. O início da produção está previsto para 2010, com capacidade de 70% de produção de energia. (Redação - InvestNews)

16 Gazeta Mercantil - (13/06/08) - Online ENERGIA: Cerona finaliza contrato com Engevix SÃO PAULO, 13 de junho de A Companhia de Energia Renovável ( Cerona) fechou contrato com a Engevix como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, conforme divulgado pela empresa. Com o acordo, a companhia contratada irá assumir todas as responsabilidades pela obra como a execução do projeto de engenharia e gerenciamento de todas as etapas. Em comunicado, o CEO da Cerona, Klaus Behrens, afirmou que após um extenso processo de "due diligence" a empresa optou pela Engevix. Foi informado ainda que as duas usinas de açúcar e etanol irão possuir capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana, e estão projetando vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano. O início da produção está previsto para 2010, com capacidade de 70% de produção de energia. (Redação - InvestNews)

17 Brasil Engenharia - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bil Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infra-estrutura e bioenergia. A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias -of-the- somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC", afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX. As usinas e a tecnologia As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar. Entre as novas tecnologias podem ser destacadas: caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars normalmente utilizados no setor; turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração continua de energia elétrica durante todo o ano utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra. -of-the- em outros setores, co conceitos novos e inovadores no tradicional setor sucroalcooleiro que até agora nunca A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e

18 Brasil Engenharia - (12/06/08) - Online - cont. economicamente viáveis apenas no Brasil, tais como a gaseificação BIG-GT, utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matéria- Sobre a Cerona Cerona S.A. - Companhia de Energia Renovável foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Depois de ter adquirido o terreno para instalações industriais, a Cerona iniciou o plantio dos hectares de cana-de-açúcar que utilizará para abastecer a sua produção interna, em uma área de influência de hectares, na região de Nova Andradina, estado de Mato Grosso do Sul. Além da cana, a empresa vem plantando soja em áreas estratégicas. Sobre a ENGEVIX Fundada em 1965, a ENGEVIX é a líder no segmento de engenharia, planejamento e gestão EPC nos setores de energia (geração, transmissão e distribuição), petróleo, gás, petroquímico, indústrias de base e infra-estrutura. Além das suas atividades de engenharia, a ENGEVIX controla empresas de geração de energia e de operação e manutenção de sistemas elétricos.

19 Sabar Álcool - (12/06/08) - Online Cerona contrata gestora para instalar usinas no MS Data:12/06/2008 A Cerona (Companhia de Energia Renovável) anunciou que fechou contrato com a Engevix para que essa empresa seja a gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul. As usinas serão instaladas nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Por esse modelo, a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela Engevix. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar.

20 Quaero Imprensa - (11/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX São Paulo, 11 de junho de A Cerona - Companhia de Energia Renovável - acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação de suas duas unidades industriais no Estado de Mato Grosso do Sul, nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Trata-se do primeiro contrato EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management) do setor de etanol e energias renováveis no Brasil. Nesse modelo de transação a empresa contratada assume todas as responsabilidades pela obra: da execução do projeto de engenharia, passando pela compra de materiais e equipamentos, construção, ao gerenciamento de todas as fases. Segundo Klaus Behrens, CEO da Cerona, "após um extenso processo de "due diligence", avaliando as melhores práticas e empresas do setor, optamos pela ENGEVIX. A empresa de engenharia é líder neste setor no Brasil e irá gerir a primeira fase do projeto, cujo investimento total ultrapassa R$ 1,5 bilhão". Behrens acrescenta que a história de sucesso da ENGEVIX, com mais de 2 bilhões de dólares em projetos já executados na modalidade EPC, é outro diferencial da empresa, que já opera em diversos setores, como o petrolífero, siderúrgico, mineração, papel e celulose, geração de energia, infra-estrutura e bioenergia.. "A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar novos e importantes marcos no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias 'state-of-the-art' vindas de setores como energia e exploração, nos quais somos líderes em gerenciamentos de projetos EPC", afirma Gerson de Mello Almada, Vice-Presidente da ENGEVIX. As usinas e a tecnologia As duas usinas de açúcar e etanol terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana e foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. A produção está programada para começar em 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão um menor consumo durante a produção de etanol/açúcar. Entre as novas tecnologias podem ser destacadas: caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars, em comparação com o padrão de 21 a 42 bars normalmente utilizados no setor; turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração continua de energia elétrica

21 Quaero Imprensa - (11/06/08) - Online - cont. durante todo o ano utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra. Para Behrens, as tecnologias 'state-of-the-art', totalmente comprovadas isoladamente ou em outros setores, como o de papel e celulose, petroquímico e hidroelétrico, "representam conceitos novos e inovadores no tradicional setor sucroalcooleiro que até agora nunca considerou a venda de energia elétrica como uma atividade central de seus negócios". "A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e economicamente viáveis apenas no Brasil, tais como a gaseificação BIG-GT, utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e de etanol como matéria-prima para butanol", finaliza. Sobre a Cerona: Cerona S.A. - Companhia de Energia Renovável foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Depois de ter adquirido o terreno para instalações industriais, a Cerona iniciou o plantio dos hectares de cana-de-açúcar que utilizará para abastecer a sua produção interna, em uma área de influência de hectares, na região de Nova Andradina, estado de Mato Grosso do Sul. Além da cana, a empresa vem plantando soja em áreas estratégicas. Sobre a ENGEVIX: Fundada em 1965, a ENGEVIX é a líder no segmento de engenharia, planejamento e gestão EPC nos setores de energia (geração, transmissão e distribuição), petróleo, gás, petroquímico, indústrias de base e infra-estrutura. Além das suas atividades de engenharia, a ENGEVIX controla empresas de geração de energia e de operação e manutenção de sistemas elétricos.

22 FGV - (12/06/08) - Online MS - Cerona construirá duas usinas Jornal do Commercio-RJ 12/06/2008 A Companhia de Energia Renovável (Cerona) contratou a empresa de engenharia Engevix para a instalação de suas duas usinas de açúcar e etanol no estado do Mato Grosso do Sul (MS), nos municípios de Nova Andradina e Batayporã. Os investimentos na primeira fase do projeto serão de cerca de R$ 1,5 bilhão - para a segunda fase, ainda não há estimativas. Pelo contrato, a Engevix assume toda a responsabilidade pelo empreendimento, da execução do projeto de engenharia até a construção das usinas. A entrada em operação das usinas está programada para 2010 e a empresa terá capacidade de vender 70% da sua produção de energia, uma vez que novas tecnologias permitirão menor consumo durante a produção de etanol e açúcar. As usinas terão uma capacidade de moagem de 10 milhões de toneladas de cana. De acordo com o presidente da Cerona, Klaus Behrens Behrens, elas foram projetadas para se tornarem uma das maiores produtoras de energia renovável no país, com vendas de energia elétrica de mais de 1 milhão de kwh por ano, geradas a partir do bagaço e palha de cana e de eucalipto. Com a alta cotação do barril de petróleo, Behrens disse acreditar que em dois anos (quando as usinas já estiverem em operação) o etanol será uma opção barata ao combustível convencional. "Não tenho dúvida que em dois anos a demanda mundial pelo etanol será muito grande e as duas usinas terão de extrema importância para produção brasileira de energia limpa", disse. A Engevix informou que o contrato possibilitará a incursão da empresa em um setor que ainda não havia sido explorado. "A parceria com a Cerona nos oferece a perspectiva de realizar investidas no tradicional mercado sucroalcooleiro, cujo crescimento será cada vez mais impulsionado por tecnologias vindas de setores como energia e exploração de petróleo, nos quais temos boa experiência", afirmou o vice-presidente da Engevix, Gerson de Mello Almada. Entre as novas tecnologias que serão utilizadas nas usinas de MS, a Engevix destacou as caldeiras de alta pressão com mais de 90 bars (unidade de medidas de pressão); turbinas de condensação, tecnologia normalmente utilizada em outros setores; processo de cristalização contínua na fabricação do açúcar; e geração contínua de energia elétrica durante todo o ano, utilizando bagaço e palha de cana e eucalipto na entressafra. "A Cerona também está avaliando algumas aplicações inovadoras baseadas na biomassa e economicamente viáveis apenas no Brasil, como a utilização de etanol como matéria-prima para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e como matéria-prima para butanol", disse Behrens. Lucas Vettorazzo

23 Global Bioenergy - (16/06/08) - Online Cerona planeja duas usinas em Mato Grosso do Sul 16/06/2008 A Cerona (Companhia de Energia Renovável) vai investir R$ 1,5 bilhão na construção de duas usinas de açúcar, etanol e energia, com capacidade para moer 10 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano, a partir de As unidades serão instaladas em Nova Andradina e Batayporã, em Mato Grosso do Sul. A empresa já iniciou o plantio de 125 mil hectares de cana numa área total de 300 mil hectares. Parte desta área está sendo utilizada para o plantio de soja. O processo de instalação será feito pela Engevix, que assumirá a execução do projeto de engenharia, compra de materiais e equipamentos, construção e gerenciamento de todas as fases. Este modelo de contrato é conhecido como EPCM (Engineering, Procurement, Construction and Management). Caldeiras de alta pressão, com mais de 90 bars, serão responsáveis pela cogeração a partir do bagaço da cana. Além da demanda interna, a empresa estima vendas de energia elétrica para o sistema que podem alcançar 1 milhão de KWh por ano, o equivalente a 70% da produção. Parte desta energia será gerada também a partir de resíduos de eucalipto. A Cerona também avalia a possibilidade de utilizar o etanol para produção de plásticos (acetato de etilo e polietileno) e como matéria-prima para produção de butanol. A companhia foi fundada em 2006 e é controlada pela empresa de investimento Brazilian Energy Partners - BEP LLC e por outros investidores institucionais. Os gestores locais possuem 5% do capital da empresa. Fonte: Procana.com

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

PROCESSOS DE COGERAÇÃO. Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003

PROCESSOS DE COGERAÇÃO. Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003 PROCESSOS DE COGERAÇÃO Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003 Energia da Cana 1 TON OF CANA (COLMOS) Energia (MJ) 140 kg de açúcar

Leia mais

Usinas em implantação (Previsão até 2014/2015)

Usinas em implantação (Previsão até 2014/2015) Usinas em implantação (Previsão até 2014/2015) ORDEM MUNICÍPIO Empreendimento GRUPO ECONÔMICO PLANTIO (mil hectares) MOAGEM AÇÚCAR mil t/ano milhões de litros/ano Geração de Energia (MW) INVESTIMENTOS

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Co-geração de energia da Biomassa da Cana no ESP ÚNICA - COGEN - SP Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Isaias C. Macedo Produção / utilização da biomassa da cana Brasil: 320 M

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

SANARDI Integração de Sistemas de Energia SANARDI

SANARDI Integração de Sistemas de Energia SANARDI A SANARDI é uma empresa especializada na Integração de Sistemas de Energia com foco em geração e cogeração de energia, é responsável pelo planejamento, projeto, gerenciamento e execução da montagem completa

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2 Balanço das emissões de gases do efeito estufa (CO 2 ) em usinas sucroenergéticas, de Mato Grosso do Sul de acordo com a potência instalada em suas centrais de cogeração. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO PERFIL DA PRODUÇÃO MINEIRA LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO 43 USINAS EM FUNCIONAMENTO POSIÇÃO REGIÃO Nº DE USINAS 1º Triângulo 23 2º Noroeste 5 3º Sul de Minas 4 4º Centro-Oeste 3 5º Mucuri 2 6º Alto

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 As fontes de Energia para GD Gerando energia elétrica com biomassa da cana: início de um ciclo virtuoso Isaias C. Macedo NIPE - UNICAMP Produção

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012 José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia Cuiabá Maio de 2012 Missão: Promover e fomentar a Política Energética, com apoio institucional às ações que visem o desenvolvimento tecnológico, social,

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

MUDANÇAS TECNOLÓGICAS E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA

MUDANÇAS TECNOLÓGICAS E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA MUDANÇAS TECNOLÓGICAS E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA Farid Eid Universidade Federal de São Carlos - Dep. de Engenharia de Produção. Via Washington Luiz, Km 235, Caixa Postal 676,

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Dólar baixo e inflação impulsionam viagens de compras ao exterior

Dólar baixo e inflação impulsionam viagens de compras ao exterior IG Notícias - SP 05/04/2011 Economia Online Dólar baixo e inflação impulsionam viagens de compras ao exterior Agências de viagem têm lançado novos pacotes sob medida para brasileiros que viajam para consumir

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Maria Paula Martins Diretora Geral

Maria Paula Martins Diretora Geral Maria Paula Martins Diretora Geral Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 38% 48% 14% 18% 7% 29% 35% Petróleo Carvão Hidráulica Cana Gás Urânio Lenha Outras renováveis 6% 12% 46% 2000

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

WORKSHOP SIAMIG / COGEN

WORKSHOP SIAMIG / COGEN WORKSHOP SIAMIG / COGEN PARCERIAS & INVESTIMENTOS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AGOSTO 2009 1 A sua solução em Sistemas de Energias. 2 2 Integrar, Construir, Não é fabricar Para construir um prédio chamamos

Leia mais

GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA

GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA Ricardo Blandy Vice Presidente de Desenvolvimento de Mercado Nexsteppe Sementes do Brasil rblandy@nexsteppe.com 19 3324-5007

Leia mais

III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC

III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC Mesa Redonda: Bioenergia X Governo X Comunidade A Política de Pesquisa e Extensão em Bioenergia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFBAHIA

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

São Paulo, 18 de março de 2013.

São Paulo, 18 de março de 2013. São Paulo, 18 de março de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de Relações com Empresas Gerência de Acompanhamento de Empresas 2 At. Sr. Fernando Soares Vieira Sr. Daniel Alves

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

PPP - Usina de Lixo. - Não. - Concessão Recolhimento do Lixo. - Concessão Recolhimento do Lixo, Privado - Usina de Lixo

PPP - Usina de Lixo. - Não. - Concessão Recolhimento do Lixo. - Concessão Recolhimento do Lixo, Privado - Usina de Lixo Projeto USINA DE LIXO Melhor forma de Parceria para execução e operação do Projeto. - Parceria Pública Privada Recolhimento e Usina de Lixo. Não - Concessão Recolhimento do Lixo. PPP - Usina de Lixo. -

Leia mais

BAZICO TECNOLOGIA Soluções Inteligentes para um Mundo Sustentável. Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s

BAZICO TECNOLOGIA Soluções Inteligentes para um Mundo Sustentável. Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s SOLUÇÃO COMPLETA EPC USINAS ECOLOGICAMENTE CORRETAS CONCEITO EFLUENTE ZERO QUEM SOMOS NÓS? Um grupo de empresas Brasileiras e Indianas com a finalidade de colocar

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON Rio de Janeiro, 18 de abril de 2012 MPX Energia S.A. ( MPX ou Companhia

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades

A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades Celso Zanatto Jr, Diretor, Crystalsev Bioenergia, SP, Brasil Energy Trading Brasil 2009, Sao Paulo, Brazil Oferta Interna de Energia Brasil

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Cogeração de Biomassa

Cogeração de Biomassa Estudo de Baixo Carbono para o Brasil Cogeração de Biomassa Tema K Relatório Técnico Equipe Técnica: Universidade Estadual de Campinas Arnaldo Walter 2010 Brazil Low Carbon Study Sub-Project K Cogeneration

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 2014

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 2014 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 19 de novembro de 1 A Lojas Americanas planeja investir R$ bilhões até 19 A Lojas Americanas anunciou

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

AFRANIO TAVARES DA SILVA

AFRANIO TAVARES DA SILVA AFRANIO TAVARES DA SILVA Rua Manuel de Carvalho, 262 / apto. 902 Aflitos Recife - Pernambuco CEP 52050-370 Telefone: 81.3242-0216 / Celular: 81.9606-6624 E-mail: afranio.tavares@jac3.com.br EXECUTIVO/CONSULTOR

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais