Epidemiologia da infecção pelo HIV-1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Epidemiologia da infecção pelo HIV-1"

Transcrição

1 Epidemiologia da infecção pelo HIV-1

2 Estrutura do HIV-1

3 Genoma viral e proteínas formadas Transporte nuclear do CPI Regulação da expressão viral anti-repressão Proteínas do core Transcriptase reversa Protease endonuclease Necessária para produção de vírus vpr rev Trans-ativação Liberação viral Glicoproteínas do envelope rev Downregulação da expressão viral Elementos regulatórios gag Vif tat vpu tat nef Elementos regulatórios pol env LTR LTR p55 p23 p14 p27 p17 p15 p150 p15 p19 gp160 p24 p66 p31 gp120 gp41 p53

4 Receptores de quimiocinas como co-receptores obrigatórios para a entrada do HIV na célula Franklin HE, N Engl J Med. 338:

5 Receptores celulares para o HIV

6 Ciclo replicativo do HIV-1 Peterlin BM & Trono D, Nature Rev Immunol 3: 97, 2003

7 Cocultivo celular para isolamento do HIV-1 + PBMCs de Paciente com HIV PBMCs de Indivíduos saudáveis 2 3 semanas Avaliação da Presença do HIV-1 no sobrenadante Antígeno p24 Atividade da enzima Transcriptase Reversa (PHA; IL-2) Expansão e estocagem do isolado viral Estudos antigênicos e fenotípicos Outros estudos que requerem isolados virais Imunopatogênese Atividade de antiretrovirais

8 Isolamento pioneiro do HIV-1 no Brasil

9 Isolamento pioneiro do HIV-1 no Brasil Fiocruz, RJ - Outubro 1987

10 Isolamento pioneiro do HIV-1 no Brasil Fiocruz, RJ - Outubro 1987

11 Estudos decorrentes do domínio do método de isolamento do HIV-1 no Brasil (1)

12 (1)

13 Estudos decorrentes do domínio do método de isolamento do HIV-1 no Brasil (2)

14 (2)

15 DC chega ao linfonodo e estabelece a infecção

16 Importância das células dendríticas: DC-SIGN Adaptado de Lekkerkerker, AN (2006). Curr. HIV Res. 4:169 Stebbing, J (2003). N. Engl. J. Med. 350:1872. Hladik, F (2007). Immunity 26:257

17 Macrófagos e a produção de HIV-1 Wahl SM et al.(2006). J. Leukoc. Biol 80:973 Barreto-de-Souza V et al Brown A et al. (2006). J. Leukoc. Biol. 80:1127

18 Eliminação de linfócitos T CD4 + no GALT com consequente alteração histológica % céls T que expressam CD4 Endoscopia do Íleo terminal Imunohistoquímica para CD4 Brenchley JM et al. (2004) J Exp Med 200:

19 Figure 1. Microbial translocation may lead to immune activation in chronic HIV-1 infection. (a) The normal small intestine epithelium contains a follicle-associated epithelium (FAE) that specializes in the transport of antigen into underlying lymphoid cells in Peyer's patches. Immune cells traffic from inductive sites such as Peyer's patches through the lymph and systemic circulations to effector sites in the small intestine lamina propria. (b) Brenchley et al. propose that during immune depletion in chronic HIV-1 infection, a breakdown of FAE tight junctions occurs, resulting in microbial products in plasma. These microbial products may prompt systemic immune activation. Ann Thomson Brenchley JM (2006) Nature 12:

20

21 Curso típico da infecção pelo HIV-1 Fauci, A. S. et. al. 1996

22 Linfócitos T CD8 + e o controle da infecção por HIV Letvin & Walker, Nature Med., 2003, 9: Como as células T CD8 + (CTL) agem: Atividade citotóxica Produção de quimicionas (MIP1a, MIP1b e RANTES)

23 Método básico para infecções celulares pelo HIV-1 no laboratório Buffy coat de Doadores saudáveis DMEM (10% SH) PHA +RPMI (10% SFB) 7-10 d 37ºC 3-4 d 37ºC Macrófagos (> 95%) PBMCs + IL-2 + HIV-1

24 Timeline for FDA approval for current antiviral and antiretroviral drugs. Arts E J, and Hazuda D J Cold Spring Harb Perspect Med 2012;2:a by Cold Spring Harbor Laboratory Press

25 Identifying distinct steps in HIV-1 life cycle as potential or current target for antiretroviral drugs. Arts E J, and Hazuda D J Cold Spring Harb Perspect Med 2012;2:a by Cold Spring Harbor Laboratory Press

26 APOBEC fator celular de restrição ao HIV-1 Harris RS and Liddament MT, 2004 Adaptado de Harris RS (2004). Nat. Rev. Immunol. 4:

27 Efeito do APOBEC no genoma do HIV-1 Harris, RS et al. (2003) Cell 113:

28 Tetherin inhibits retrovirus release and is antagonized by HIV-1 Vpu d e f g Perez-Caballero D et al., 2009 Neil SJD et al., 2008 Figure 4 Tetherin expression in the absence of Vpu causes virion retention on cell surfaces and virion endocytosis. d g, Electron micrographs showing plasma membranes of unmodified HT1080 cells (d, e) or HT1080 cells expressing untagged tetherin (f, g) after infection with HIV-1(WT) (d, f) or HIV-1(delVpu) (e, g). The inset shows an expanded view of plasma-membrane-associated virions

29 BST-2 Modificado de

30 Representação esquemática da gp120 do HIV-1

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

ASPECTOS CELULARES E MOLECULARES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIENCIA HUMANA

ASPECTOS CELULARES E MOLECULARES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIENCIA HUMANA ASPECTOS CELULARES E MOLECULARES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIENCIA HUMANA Daniella Vieira Cândida 1,4 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 3,4,5. 1 Voluntária Iniciação Científica

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. HIV / AIDS Patogênese e mecanismos de progressão Origem do HIV e diversidade genética. Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/Hemocentro de São Paulo Dep

Leia mais

AIDS. imunodeficiência adquirida

AIDS. imunodeficiência adquirida AIDS Síndrome da imunodeficiência adquirida Características 1-infecção de linfócitos TCD4+, macrófagos e células dendríticas pelo vírus da imunodeficiência humana - HIV 2-imunossupressão profunda 3-infecções

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e AIDS

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e AIDS Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e AIDS O que é SIDA (AIDS) Síndrome da imunodeficiência adquirida, doença infecciosa crônica, progressiva e fatal que leva a destruição do sistema imunológico. Caracterizada

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Distúrbios de funcionamento do sistema imunológico conseqüências risco aumentado de infecções, doenças auto-imunes e câncer Características das infecções:

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Dois tipos de imunodeficiências Primárias ou Congênitas Secundárias ou Adquiridas Imunodeficiências Secundárias Principais causas de imunodeficiências

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

Prof. Claudia Vitral

Prof. Claudia Vitral Prof. Claudia Vitral HIV e aids- Histórico 1981: 5 casos de pneumonia por Pneumocystis carinii em Los Angeles 1981: 26 casos de sarcoma de Kaposi em Nova York e São Francisco Todos pacientes homossexuais

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

HIV: PERSPECTIVA IMUNOLÓGICA

HIV: PERSPECTIVA IMUNOLÓGICA Jorge Andrade, Nelson Tomás, Sara Lourenço Imunologia (2002/03), Prof. Carlos Sinogas Licenciatura em Bioquímica Imunologia HIV: PERSPECTIVA IMUNOLÓGICA Jorge Andrade, nº.14778 Nelson Tomás, nº.14869 Sara

Leia mais

Classificação e Caracterização do HIV

Classificação e Caracterização do HIV Classificação e Caracterização do HIV Joao Goncalves Professor Associado Faculdade de Farmácia da Universidade Lisboa Instituto de Medicina Molecular Sumário O que é o HIV? O que é SIDA? Pandemia do HIV

Leia mais

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab 13:50 14:20 MINI CONFERÊNCIA: A RESISTÊNCIA TRANSMITIDA (HIV) NO BRASIL Coordenadora/Debatedora: Lucy Cavalcanti Ramos Vasconcelos 13:50 14:00 Conferencista: Marcos Montani Caseiro 14:00 14:10 Apresentação

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Estrutura e replicação viral

Estrutura e replicação viral Estrutura e replicação viral Fabrício S. Campos camposvet@gmail.com Equipe de Virologia do ICBS / UFRGS Agosto de 2015 Fonte: http://www.google.com/imghp 1 Fonte: http://www.google.com/imghp 2 Infectam

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia. Prof. Marcelo de Lima

Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia. Prof. Marcelo de Lima Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia Prof. Marcelo de Lima Características gerais dos vírus Menores e mais simples microorganismos Genoma

Leia mais

Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP

Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP Ensaio qualitativo para detecção de anticorpos específicos da infecção pelo HIV-1/2 em amostras de sangue total, soro,punção digital, plasma humano. www.bio.fiocruz.br

Leia mais

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti Retrovírus Felinos Fernando Finoketti Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Maio de 2014 Retrovírus - Características Capsídeo icosaédrico. Possuem envelope. Genoma composto de duas moléculas idênticas

Leia mais

HIV - estrutura, organização genética e ciclo de replicação

HIV - estrutura, organização genética e ciclo de replicação J Miguel Azevedo Pereira FFUL HIV - estrutura, organização genética e ciclo de replicação HIV-2ALI; Azevedo-Pereira et al. unpublished results José Miguel Azevedo Pereira CPM-URIA-FFUL e-mail: miguel.pereira@ff.ul.pt

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS GENES ACESSÓRIOS vif e vpr EM DOIS DIFERENTES ESTÁGIOS DE INFECÇÃO PELO HIV-1

CARACTERIZAÇÃO DOS GENES ACESSÓRIOS vif e vpr EM DOIS DIFERENTES ESTÁGIOS DE INFECÇÃO PELO HIV-1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE SAÚDE (FS) CARACTERIZAÇÃO DOS GENES ACESSÓRIOS vif e vpr EM DOIS DIFERENTES ESTÁGIOS DE INFECÇÃO PELO HIV-1 MIKAEL

Leia mais

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm);

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Vírus são as menores entidades biológicas conhecidas; A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Um dos maiores vírus conhecidos, que causa a varíola humana, tem cerca 300 nm (0,3 µm), e

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Os autômatos celulares constituem de simulações discretas no tempo, espaço e no estado do sistema. Objetivo Pioneiros em pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS Subtipos do HIV-1 e associação com características demográfico-epidemiológicas em

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

Diagnóstico do HIV Ministério da Saúde

Diagnóstico do HIV Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais Universidade Federal de Santa Catarina Diagnóstico do HIV Ministério da Saúde Ademar Arthur Chioro dos

Leia mais

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo)

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo) VÍRUS CARACTERÍSTICAS Organismos acelulares Não possuem metabolismo Características vitais: Reprodução Evolução Possui grande capacidade proliferativa Só se reproduz no interior de células que estejam

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Núcleo de Doenças Infecciosas & Depto de Patologia CCS/UFES

Núcleo de Doenças Infecciosas & Depto de Patologia CCS/UFES História Natural do HIV-1 Rodrigo Ribeiro Rodrigues, PhD Núcleo de Doenças Infecciosas & Depto de Patologia CCS/UFES 1981 uma nova síndrome descrita pelo Dr Michael Gottlieb Gottlieb M.S., Schroff R.,

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia VIROLOGIA Prof. Me Leandro Parussolo Introdução à Virologia Vírus (latim = veneno ); Classe de agentes

Leia mais

Replicação viral. Princípios gerais

Replicação viral. Princípios gerais Replicação viral Princípios gerais Vírus replicam através da montagem de componentes pré formados Adaptado de D. E. White and F. J. Fenner. Medical Virology, Fourth Edition. Academic Press, 1994 Esquema

Leia mais

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi Imunodeficiências Secundárias Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi O Imunodeficiência: é a falha do sistema imune em proteger contra doença ou malignidade.

Leia mais

MARCADORES LABORATORIAIS DE ATOPIA EM CRIANÇAS INFECTADAS PELO HIV

MARCADORES LABORATORIAIS DE ATOPIA EM CRIANÇAS INFECTADAS PELO HIV CRISTINA RODRIGUES DA CRUZ MARCADORES LABORATORIAIS DE ATOPIA EM CRIANÇAS INFECTADAS PELO HIV Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Setor de Ciência da Saúde,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA IMUNOLOGIA DE HIV: O ESTUDO DAS CÉLULAS DE DEFESA ATIVADAS

MODELAGEM MATEMÁTICA DA IMUNOLOGIA DE HIV: O ESTUDO DAS CÉLULAS DE DEFESA ATIVADAS MODELAGEM MATEMÁTICA DA IMUNOLOGIA DE HIV: O ESTUDO DAS CÉLULAS DE DEFESA ATIVADAS Camila Vianna de Magalhaes Roberto Carlos Antunes Thomé, DSc. Dayse Haime Pastore, DSc. Hyun Mo Yang, DSc. RESUMO: Estudamos

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Dois tipos de imunodeficiências Primárias ou Congênitas Secundárias ou Adquiridas Imunodeficiências Secundárias Principais causas de imunodeficiências

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Retrovírus. Fernanda Luz de Castro Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Meio Ambiente.

Retrovírus. Fernanda Luz de Castro Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Meio Ambiente. Retrovírus Fernanda Luz de Castro Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Meio Ambiente. Tópicos Características Classificação Retrovírus de importância na medicina

Leia mais

HIV e AIDS. Joana Hygino

HIV e AIDS. Joana Hygino HIV e AIDS Joana Hygino Aspectos Históricos: HIV e AIDS 1977/78 Primeiros casos nos EUA, Haiti e África Central (só classificado 1982). 1980 Primeiro caso no Brasil, em São Paulo (só classificado em 1982).

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA CLÍNICA EVANDRO CHAGAS DOUTORADO EM PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS CARLOS AUGUSTO VELASCO DE CASTRO

INSTITUTO DE PESQUISA CLÍNICA EVANDRO CHAGAS DOUTORADO EM PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS CARLOS AUGUSTO VELASCO DE CASTRO INSTITUTO DE PESQUISA CLÍNICA EVANDRO CHAGAS DOUTORADO EM PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS CARLOS AUGUSTO VELASCO DE CASTRO DIFERENCIAÇÃO ENTRE SOROCONVERSÃO RECENTE E DE LONGO TERMO NA INFECÇÃO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV

MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO

Leia mais

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24 AIDS Infecção HIV Estimativa de adultos e crianças infectadas com HIV 2005 Western & Eastern Europe Central Europe & Central Asia North America 720 000 1.5 million [550 000 950 000] [1.0 2.3 million] 1.3

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Modelos Matemáticos da Dinâmica do HIV

Modelos Matemáticos da Dinâmica do HIV Modelos Matemáticos da Dinâmica do HIV Geovani Nunes Grapiglia 1, Kleberson Hayashi Angelossi 2, Rogério Luis Rizzi 3 1 Colegiado do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 1 (HIV-1)

Leia mais

Terapia Génica: da produção de modelos animais de doença ao tratamento

Terapia Génica: da produção de modelos animais de doença ao tratamento Encontro de Ciência em Portugal Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 12 e 13 de Abril de 2007 Terapia Génica: da produção de modelos animais de doença ao tratamento Luís Pereira de Almeida luispa@ci.uc.pt

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INTERAÇÃO DE PROTEÍNAS CELULARES ENVOLVIDAS NA DEGRADAÇÃO DE CD4 MEDIADA POR DIFERENTES ALELOS DA PROTEÍNA NEF DO HIV-1

CARACTERIZAÇÃO DA INTERAÇÃO DE PROTEÍNAS CELULARES ENVOLVIDAS NA DEGRADAÇÃO DE CD4 MEDIADA POR DIFERENTES ALELOS DA PROTEÍNA NEF DO HIV-1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE SAÚDE (FS) CARACTERIZAÇÃO DA INTERAÇÃO DE PROTEÍNAS CELULARES ENVOLVIDAS NA DEGRADAÇÃO DE CD4 MEDIADA POR DIFERENTES

Leia mais

quantidade de HPV detectado; saber se alguns tipos de HPV aparecem mais frequentemente associados.

quantidade de HPV detectado; saber se alguns tipos de HPV aparecem mais frequentemente associados. INTRODUÇÃO O carcinoma do colo do útero é a segunda neoplasia maligna mais frequente do sexo feminino a nível mundial, com preponderância nos países sub-desenvolvidos. 1 Reveste-se de especial importância

Leia mais

Variabilidade genética de nef em amostras de HIV-1 circulantes

Variabilidade genética de nef em amostras de HIV-1 circulantes UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR Variabilidade genética de nef em amostras de HIV-1 circulantes

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

Claudia Bastos Barroso

Claudia Bastos Barroso PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Claudia Bastos Barroso VALIDAÇÃO DE REAGENTES NACIONAIS PARA A PRODUÇÃO DO TAMPÃO

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 1. Agentes que matam bactérias são: (A) inibitórios (B)

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV

MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais MANUAL TÉCNICO PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO DA RESPOSTA IMUNE À INFECÇÃO PELO VÍRUS HIV-1

MODELO MATEMÁTICO DA RESPOSTA IMUNE À INFECÇÃO PELO VÍRUS HIV-1 MODELO MATEMÁTICO DA RESPOSTA IMUNE À INFECÇÃO PELO VÍRUS HIV-1 MARCELO ROSSI Tese (Doutorado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interunidades em Biotecnologia USP / Instituto Butantan / IPT, para

Leia mais

Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué

Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué nº34 Victor Sant Anna nº 35 Vinicius Dutra nº36 Tópicos

Leia mais

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE COIMBRA VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO Dissertação de Doutoramento em Ciências da Saúde, no ramo de Ciências Biomédicas, pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Vírus - Caracterização Geral

Vírus - Caracterização Geral Noções de Vírus By Profª. Cynthia Vírus - Caracterização Geral Vírus = veneno ou fluído venenoso (Latim) Acelulares/ Partículas Infecciosas Composição química de nucleoproteínas (DNA ou RNA+Proteínas)

Leia mais

Papel da Carga Viral Celular na Imunodeficiência HIV/SIDA: Contributo do Estudo da Infecção pelo HIV-2

Papel da Carga Viral Celular na Imunodeficiência HIV/SIDA: Contributo do Estudo da Infecção pelo HIV-2 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA Papel da Carga Viral Celular na Imunodeficiência HIV/SIDA: Contributo do Estudo da Infecção pelo HIV-2 Rui Manuel da Silva Soares Tese orientada por: Prof.

Leia mais

Robson Mariano da Silva

Robson Mariano da Silva COPPE/UFRJ ALGORITMO GENÉTICO E KERNEL DISCRIMINANTE DE FISHER APLICADO A IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES DE RESISTÊNCIA DO HIV-1 AOS INIBIDORES ANTIRETROVIRAIS DA PROTEASE. Robson Mariano da Silva Tese de Doutorado

Leia mais

Vírus T-linfotrópicos humanos. (HTLV-I e II)

Vírus T-linfotrópicos humanos. (HTLV-I e II) Licenciatura em Bioquímica Departamento de Biologia Virologia Vírus T-linfotrópicos humanos (HTLV-I e II) 2003/2004 Évora Trabalho realizado por: Luís Fernandes nº13290 Mª Alexandra Silva nº15318 Os vírus

Leia mais

Estudo da atividade citotóxica e antiviral (anti-hsv-1 e anti-hiv-1) dos derivados N-amino-Triazóis

Estudo da atividade citotóxica e antiviral (anti-hsv-1 e anti-hiv-1) dos derivados N-amino-Triazóis UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE NEUROIMUNOLOGIA JULIANA EYMARA FERNANDES BARBOSA Estudo da atividade citotóxica e antiviral (anti-hsv-1 e anti-hiv-1)

Leia mais

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana do Tipo 1 em Toxicodependentes: Caracterização Molecular de Casos de Infecções VIH-1 Recentes vs Casos

Leia mais

VÍRUS LINFOTRÓPICO DE CÉLULAS T HUMANAS TIPO I E II: HTLV-I E HTLV-II 21/05/14 CARACTERÍSTICAS GERAIS. - Retrovírus da família Oncovirinae

VÍRUS LINFOTRÓPICO DE CÉLULAS T HUMANAS TIPO I E II: HTLV-I E HTLV-II 21/05/14 CARACTERÍSTICAS GERAIS. - Retrovírus da família Oncovirinae VÍRUS LINFOTRÓPICO DE CÉLULAS T HUMANAS TIPO I E II: HTLV-I E HTLV-II CARACTERÍSTICAS GERAIS - Retrovírus da família Oncovirinae - Partículas esféricas de 100nm de diâmetro, core e envelope glicoproteico

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

Curvas Padrões de Tratamento do HIV

Curvas Padrões de Tratamento do HIV Biomatemática 17 (2007), 55 64 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Curvas Padrões de Tratamento do HIV Rosana Motta Jafelice 1, Faculdade de Matemática, UFU, 38.408-100

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA DE AGENTES INFECCIOSOS E PARASITÁRIOS INVESTIGAÇÃO DOS POLIMORFISMOS NOS GENES FAS E FASL EM INDIVÍDUOS

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais Antivirais Andrêssa Silvino Mestranda em Imunologia e Doenças Infecto-arasitárias/UFJF Orientadora: Maria Luzia da Rosa e Silva Histórico A busca por drogas antivirais teve início há mais de 50 anos: METISAZONA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ANÁLISES CLÍNICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ANÁLISES CLÍNICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ANÁLISES CLÍNICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA EFEITO DOS ANTIOXIDANTES ASCORBATO E N-ACETIL-CISTEÍNA ASSOCIADOS

Leia mais

Os avanços nas pesquisas para o desenvolvimento de vacinas terapêuticas contra o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV)

Os avanços nas pesquisas para o desenvolvimento de vacinas terapêuticas contra o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) FACULDADE DE AMERICANA CURSO DE BIOMEDICINA JULIANA RIBEIRO BISCASSI Os avanços nas pesquisas para o desenvolvimento de vacinas terapêuticas contra o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) AMERICANA 2013

Leia mais

SYMONARA KARINA MEDEIROS FAUSTINO

SYMONARA KARINA MEDEIROS FAUSTINO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM FARMACOLOGIA CLÍNICA SYMONARA KARINA MEDEIROS

Leia mais

O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO (DEMOGRÁFICO E LABORATORIAL) DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA NA CIDADE DE BELÉM, PARÁ, BRASIL.

O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO (DEMOGRÁFICO E LABORATORIAL) DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA NA CIDADE DE BELÉM, PARÁ, BRASIL. LUCIANA MENDES FERNANDES O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO (DEMOGRÁFICO E LABORATORIAL) DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA NA CIDADE DE BELÉM, PARÁ, BRASIL. Belém 2006 LUCIANA MENDES FERNANDES O PERFIL

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS

Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS Retrovírus humanos HIV 1 e 2: AIDS HTLV-1: leucemias / linfomas de células T paraparesia espástica tropical (TSP) ou mielopatia associada ao HTLV (HAM)

Leia mais

ORIGEM E EVOLUÇÃO DO HIV

ORIGEM E EVOLUÇÃO DO HIV ORIGEM E EVOLUÇÃO DO HIV Daniella Dias Miranda 1, Cristiane Alves Fonseca 2,3, Andréia Juliana Leite Rodrigues 2, 3, 4. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG. Curso de Ciências Biológicas, Unidade

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1.

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Vírus:

Leia mais

Mariana Melillo Sauer

Mariana Melillo Sauer Mariana Melillo Sauer Análise da contribuição dos sintomas clínicos de infecção aguda e parâmetros laboratoriais na progressão para imunodeficiência em infectados pelo HIV-1 Tese Apresentada à Universidade

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

Professor: David Vieira Valadão. Biologia

Professor: David Vieira Valadão. Biologia Professor: David Vieira Valadão Biologia 1981 registro de casos atípicos de pneumonia entre homens homossexuais em Los Angeles (EUA). 1983 descoberta de um novo vírus em um paciente com AIDS. 1984 descoberta

Leia mais

Desenvolvimento de uma técnica de PCR em Tempo Real para deteção do Vírus da Imunodeficiência Humana Tipo 1

Desenvolvimento de uma técnica de PCR em Tempo Real para deteção do Vírus da Imunodeficiência Humana Tipo 1 Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Biologia Animal Desenvolvimento de uma técnica de PCR em Tempo Real para deteção do Vírus da Imunodeficiência Humana Tipo 1 Dissertação Mestrado

Leia mais

Processos de interação vírus célula. e replicação viral

Processos de interação vírus célula. e replicação viral Processos de interação vírus célula e replicação viral Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Exemplo poliovírus: 1 Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Hepatite

Leia mais

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese.

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE Anderson Corrêa Estuti RESUMO É uma doença infecciosa febril aguda, que pode ser de curso benigno como dengue clássica (DC) ou grave como dengue hemorrágica(fdh).

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Vírus. Virologia. Virologistas. - São agentes infecciosos, não celulares. São parasitas intracelulares obrigatórios e infectam hospedeiros específicos

Vírus. Virologia. Virologistas. - São agentes infecciosos, não celulares. São parasitas intracelulares obrigatórios e infectam hospedeiros específicos Vírus Virologia - São agentes infecciosos, não celulares. Virologistas São parasitas intracelulares obrigatórios e infectam hospedeiros específicos - Animais - Insectos (alguns, são vectores na transmissão

Leia mais