PESQUISA OPERACIONAL DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS POR MEIO DA LINGUAGEM GAMS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA OPERACIONAL DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS POR MEIO DA LINGUAGEM GAMS"

Transcrição

1 PESQUISA OPERACIONAL DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS POR MEIO DA LINGUAGEM GAMS UNESP Aneirson Francisco da Silva- Doutorando-UNESP Fernando Augusto Silva Marins, Dr- UNESP Guilherme Martin Silva Paulo Roberto Marcondes de Andrade Lopes

2 O objetivo desta apostila é fornecer conceitos matemáticos sobre a estrutura da linguagem de modelagem General Algebraic Modeling System GAMS. Após a leitura desta apostila o leitor estará apto a desenvolver e otimizar modelos lineares e combinatórios utilizando a linguagem e o software GAMS. A estrutura da apostila está definida primeiramente pela revisão da história da pesquisa operacional, e em seguida a explicação a respeito dos modelos lineares, iniciando pelas particularidades desse modelo, teoria de redes DEA. Também são abordados modelos de otimização combinatória e problemas NP-HARD.

3 Capítulo 1 1. A EVOLUÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL O termo Pesquisa Operacional PO foi empregado pela primeira vez em A partir de individualizada e batizada, tornou-se possível fixar suas origens em épocas remotas da história da ciência e da sociedade O MÉTODO DA PESQUISA OPERACIONAL A experimentação tomada no sentido restrito - isto é, a manipulação física das variáveis - é geralmente impossível ou impraticável quando se lida com organizações governamentais, militares ou industriais. Apesar disso, a experimentação é às vezes possível, particularmente no caso de subsistemas, e desempenha papel importante na PO. Na maioria das vezes, entretanto, o sistema global em estudo não pode ser submetido a um tratamento desta natureza. Quem trabalha em pesquisa operacional é geralmente obrigado a construir representações do sistema e do seu comportamento para se orientar durante a pesquisa. Os modelos em PO assumem a forma de uma ou mais equações ou inequações para traduzir a condição de que algumas, ou todas as variações controladas só podem ser manipuladas dentro de limites. O conjunto destas equações constitui, ao mesmo tempo, um modelo de sistema e um modelo de decisão. A solução pode ser extraída do modelo mediante experimentação (isto é, por simulação) ou mediante análise matemática. Para alguns tipos de função f (por exemplo, relações algébricas elementares), desde que as restrições não sejam numerosas, a matemática clássica fornece instrumentos perfeitamente adequados para a determinação dos melhores valores das variáveis controladas. Por outro lado, a função f pode consistir em um conjunto de regras de cálculo (um algoritmo) que nos permita medir a utilidade (U) do desempenho para qualquer conjunto de valores das variáveis controladas e não controladas. Em alguns casos o comportamento do elemento humano que toma a decisão não pode ser representado no modelo. Ocorre a necessidade do uso de simulações que envolverão a participação de seres humanos, sendo denominados jogos de operações.

4 Introdução 4 A otimização, portanto, produz a melhor solução para o problema que foi modelado. A correspondência entre modelo e realidade terá de ser aferida (testada) e a solução avaliada. Isto é, teremos de comparar seu desempenho com o da política ou procedimento que ela irá substituir. Os resultados da pesquisa devem ser implantados. É nesta fase que se faz o teste e a avaliação final da pesquisa; proporcionando, pois, ao especialista as maiores e melhores oportunidades de aprender. Cinco fases num projeto de PO: 1. Formulação do problema 2. Construção do modelo 3. Obtenção da solução 4. Teste do modelo e avaliação da solução 5. Implantação e acompanhamento da solução (manutenção) As vantagens e desvantagens da utilização de modelos foram assim definidas: Vantagens a) Emerge sob a forma gráfica, para representar a realidade aprendida em determinado momento; b) Simplifica a visualização da amplitude das variáveis sem alterar a essência; c) Ajuda a identificar várias relações possíveis entre os elementos da realidade; d) Possibilita compreender relações complexas; e) Serve como base para estabelecer e aprimorar parâmetros. Desvantagens f) Limitações na identificação de todas as variáveis relevantes que influenciam em determinada situação; g) Problemas na definição das propriedades a serem mensuradas e na especificação de procedimentos para tal; h) Dificuldades no entendimento entre os provedores e os usuários da informação.

5 Introdução 5 A representação simplificada de um problema prático por meio de um modelo matemático permite que sobre ele se aplique técnicas e métodos que facilitam a obtenção de uma solução O IMPACTO DA PESQUISA OPERACIONAL A Pesquisa Operacional tem tido um grande impacto crescente na administração de empresas nos anos recentes. Tanto o número quanto a variedade de suas aplicações continuam a crescer rapidamente. Algumas de suas técnicas envolvem idéias sofisticadas em ciências políticas, matemática, economia, teoria da probabilidade e estatística. Como também sendo usada amplamente em outros tipos de organizações, inclusive negócios e indústria. Muitas indústrias, inclusive a de aviação e mísseis, automóveis, comunicações, computadores, energia elétrica, eletrônica, alimentos, metalúrgica, mineração, papel, petróleo e transporte, têm feito uso extensivo da pesquisa operacional. Mesmo instituições financeiras, agências governamentais e hospitais têm aumentado rapidamente o uso que fazem da pesquisa operacional. Vejamos alguns dos problemas que têm sido resolvidos por técnicas particulares de pesquisa operacional: PROGRAMAÇÃO LINEAR: tem sido usada com sucesso na solução de problemas relativos à alocação de pessoal, mistura de materiais, distribuição, transporte, carteira de investimento, avaliação da eficiência; PROGRAMAÇÃO DINÂMICA: tem sido aplicada também com sucesso a áreas como planejamento de despesas de publicidade, distribuição do esforço de vendas e programação de produção; TEORIA DAS FILAS: tem tido aplicação na solução de problemas relativos a congestionamento de tráfego, máquinas de serviços sujeitas à quebra, determinação do nível de uma força de serviço, programação do tráfego aéreo, projetos de represas, programação de produção e operação de hospitais; PROGRAMAÇÃO INTEIRA: que é uma forma de programação linear onde as variáveis podem apenas apresentar números inteiros. Tem sido utilizada na resolução de problemas de investimento dentre outros;

6 Introdução 6 PROGRAMAÇÃO MISTA: que é uma forma de programação linear onde as variáveis podem assumir valores binários, inteiros e contínuos, este modelo também é definido como otimização combinatória, enquadrando-se em problemas de dificuldades não polinomiais NP-HARD; PROGRAMAÇÃO NÃO LINEAR: modelo matemático onde a função objetivo, as restrições ou ambas, apresentam não linearidade em seus coeficientes. PROGRAMAÇÃO MULTIOBJETIVO: é uma forma de programação linear e não linear onde se analisa múltiplas funções objetivos; GOAL PROGRAMMING: que é uma extensão dos modelos de programação multiobjetivo, contendo vários modelos específicos para cada problema de decisão; Outras técnicas de pesquisa operacional, tais como teoria de estoque, teoria dos jogos, teoria dos grafos e simulação, também tem sido aplicadas com sucesso a(em) diversos contextos.

7 Capítulo 2 2. ESTRUTURAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE MODELOS LINEARES ESTACIONÁRIOS O anexo A contempla a linguagem de modelagem GAMS. Abordando as principais funções e a estrutura dessa linguagem de modelagem, mostrando suas principais vantagens. O anexo B contempla as principais linguagens de modelagens, abordando as principais vantagens da linguagem GAMS em relação às demais linguagens. Vamos iniciar a modelagem do problema do Giapetto pela linguagem GAMS. A linguagem GAMS requer que o problema seja traduzido na forma algorítmica. 1- Giapetto fabrica dois tipos de brinquedos de madeira. Soldados e trens. Um soldado é vendido por R$ 27,00 e usa R$ 10,00 de matéria prima. Cada soldado que é fabricado tem um custo adicional de R$ 14,00 relativo à mão de obra. Um trem é vendido por R$ 21,00 e gasta R$ 90,00. O custo de mão de obra adicional para cada trem é de R$ 10,00. A fabricação destes brinquedos requer dois tipos de mão de obra: Carpintaria e Acabamento. Um soldado necessita de 2 horas para acabamento e 1 para carpintaria. Um trem necessita de 1 hora para acabamento e 1 hora de carpintaria. Cada semana, Giapetto pode obter qualquer quantidade de matéria prima, mas tem a disposição até 100 horas de acabamento e 80 de carpintaria. A demanda por trens é ilimitada, mas a venda de soldados é de no máximo 40 por semana. Giapetto quer maximizar seu lucro diário. Formular o modelo matemático que poderia ser usado por Giapetto para maximizar seu lucro semanal. 1 passo: Modelar o problema. Vamos descrever as variáveis do problema, o que na linguagem GAMS é chamada de (SETS ) numa tradução pode-se chamar de índices ou conjuntos. Índices: Xi,j: Quantidade a ser produzida do produto i utilizando os recursos j. O GAMS é um software orientado ao objeto, logo temos que declarar esses objetos que no caso são os i produtos e os j recursos.

8 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 8 2 passo: Definir os parâmetros (PARAMETER) do modelo: Neste caso sabemos a margem de contribuição unitária por produto i. Portanto, é necessário esse parâmetro que estará ligado ao índice i. Vamos chamar este parâmetro de MCi. Outro parâmetro é com relação à disponibilidade dos recursos, sendo este parâmetro ligado ao índice j. Vamos chamar este parâmetro de Aj. Finalmente, devemos criar um parâmetro que mostre o consumo unitário de cada recurso por produto, sendo este parâmetro pertencente aos índices i e j. Neste caso na linguagem GAMS deve ser criado uma Tabela (TABLE), que vamos chamar de R. 3 passo: Definir as variáveis de decisão: Temos uma decisão que é saber o valor da margem de contribuição, vamos definir essa variável de Xi. Na linguagem GAMS é necessário informar uma variável que vai definir a função objetivo, neste caso chamaremos de Z, que vai definir os valores ótimos de produção de cada produto. 4 passo: Definir as equações (EQUATIONS): as equações são definidas por meio do número de restrições mais a função objetivo. A primeira equação vai definir o valor da margem de contribuição, portanto chamaremos a mesma de margem. A segunda equação vai determinar o quanto será consumido por recurso j vamos chamar essa equação de consumo. E a última equação definirá o limite máximo de demanda do produto soldado. Agora podemos resolver o problema do Amigo Giapetto. Max Z sujeito a : n i X X R I, J i, j. X " SOLDADO" 0 i 2 i MC. X A j 40 i i A Tabela 2.1 mostra alguns comandos básicos da linguagem GAMS Tabela 2.1- Comandos básicos em linguagem GAMS

9 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 9 Símbolo G L Significado Define uma inequação de sinal maior ou igual Define uma inequação de sinal de menor ou igual E Define uma equação (X= n) São fixadores de índices Também é um fixador de índices PROD SUM Model Solve Display Expressão para produto de uma série Expressão para somatório Descreve o modelo estudado Descreve a utilização de um solver específico Recurso utilizado para calcular o primal e o dual A Tabela 2.2 mostra as funções padrão de GAMS. Tabela 2.2- Funções padrão em GAMS Nome Descrição Definição Número de Argumentos ABS Valor absoluto ARG 1 ARCTAN Arco Tangente Arctan (arg); resultado em radianos 1 CEIL Função teto Maior inteiro arg 1 COS Cosseno Cos (arg) argumento em radianos ERRORF Função erro Integral de distribuição normal padrão 1 1 EXP Exponencial e arg 1 FLOOR Função piso Maior inteiro arg 1

10 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 10 Nome Descrição Definição Número de Argumentos LOG Log10 Logaritmo natural Logaritmo comum Log do arg na base e 1 Log de arg na base 10 1 MAPVAL Função Atribuiu números a valores 1 mapeamento especiais MAX Maior valor Max (arg1, arg2,...,argn) >1 MIN Menor valor Min (arg1, arg2,..,argn) >1 MOD Resto arg1-trunc(arg1/arg2) x arg3 2 Normal Randômica Número aleatório distribuído 2* normal normalmente com argumento arg1 e desvio padrão arg2 POWER Potência inteira ROUND Arredondamento SIGN Sinal SIN Seno Sem (arg); arg em radianos SQR Quadrado arg x arg 1 SQRT Raiz quadrada 1 TRUNC Truncamento Sign (arg) x floor (abs(arg)) 1 UNIFORM Randômica Número aleatório distribuído 2* uniforme uniformemente entre arg1 e arg2 A Figura 1.1 mostra os processos para obtenção do modelo do Giapetto em linguagem GAMS. Clicando em F9 é obtido a solução para este modelo. A solução ótima para este modelo seria. Produzir 20 soldados e 60 trens gerando um lucro máximo de R$ 180,00 reais. O GAMS oferece algumas estatísticas referentes ao tamanho do modelo, como se pode ver abaixo no caso do

11 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 11 modelo Giapetto. As contagens de BLOCKS se refere ao número de equações genéricas e variáveis. As contagens de SINGLE se refere as linhas e colunas individuais que estão sendo geradas na instancia particular do modelo. Para os modelos não lineares, são fornecidas outras estatísticas para descrever o grau de não linearidade do problema (BROOKE et al., 1997).

12 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 12 Figura 1.1- Modelo Giapetto em linguagem GAMS. 2- O Senhor Martins é dono de uma oficina muito movimentada na cidade de Guaratinguetá- SP. Ele querendo maximizar seus retornos e também, visando à realização de novos investimentos na sua oficina. Resolveu procurar você/sa, para fazer um planejamento da sua produção, visando à maximização do lucro, e identificar possíveis áreas para realização de novos investimentos. Os dados da empresa estão logo abaixo: Tipo de Máquina Produto 1 Produto 2 Produto 3 Tempo disponível Torno Fresa Furadeira Lucro Demanda Semanal máxima Uma oficina mecânica deseja alocar o tempo ocioso disponível em suas máquinas para a produção de três produtos. A Tabela abaixo mostra as informações sobre as necessidades de horas de máquina para produzir uma unidade de cada produto, assim como a disponibilidade das máquinas, o lucro dos produtos e a demanda máxima existente no mercado. Deseja-se o esquema semanal de produção de lucro máximo. Resolvendo o exemplo do senhor Martins. 1 passo: Descrever os índices. Os objetos são os i produtos e j recursos 2 passo: Descrever os parâmetros.

13 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 13 R: Consumo unitários por produto i de cada recurso j. Aj: Quantidade disponível do recurso j. Di: Demanda máxima por produto i. Li: Lucro unitário por produto i. 3 passo: Descrever as variáveis de decisão. Xi: Define a produção do produto i. Z: Expressão da função objetivo. 4 passo: Descrever as equações. Margem: Define o lucro máximo Consumoj: Define o consumo por produto i do recurso j. Dprodutosi: Define a demanda máxima por produto i. 5 passo: Construção do modelo matemático. Max Z sujeito a : consumo Dprodutos X I,J 0 j n i i L.X n i i X R i i.x D i i A j

14 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 14

15 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 15 Figura 1.2: Modelo matemático exemplo 2 em linguagem GAMS. Solução ótima: Produzir 40 unidades do produto 1, 32 unidades do produto 2 e 20 unidades do produto 3. Gerando um lucro máximo de R$ 1.640,00. Solução Dual: Produto 1 R$ 14,00, produto 3 R$ 9,00 e Furadeira R$ 3,00. Interpretação econômica do dual. Se a oficina aumentasse a demanda do produto 1 em uma unidade o lucro aumentaria em R$ 14,00. Se a usina aumentasse a demanda em uma unidade do produto 2, o lucro aumentaria em R$ 9,00. Se o tempo disponível de utilização da furadeira fosse aumentada em uma hora o lucro aumentaria em R$ 3,00. Desenvolva e otimize os modelos dos problemas descritos a seguir utilizando-se do software GAMS. 1 Uma indústria fabrica dois tipos de papel e para isso utiliza somente uma máquina. Devido a certas restrições de matéria prima, não se pode diariamente produzir mais do que 4 tons de papel do tipo A, nem mais do que 6 tons do tipo B. Requer-se 1 hora da máquina para produzir 1 ton. de papel do tipo A e 1 hora para produzir 1 ton. de papel do tipo B. O lucro por ton. produzida é de R$ 2,00 para o papel do tipo A e de R$ 5,00 para o papel do tipo B. O tempo de utilização da máquina é de 8 horas/dia. Elaborar o plano ótimo de produção. 2 Uma pequena indústria usa três tipos de matérias primas, P, Q, R para a fabricação de dois produtos A e B. As matérias primas em disponibilidade na fábrica são: 20 unidades de P; 12 unidades de Q; e 16 unidades de R. Por razões tecnológicas, uma unidade do produto A necessita respectivamente de 2, 2 e 4 unidades de matérias primas P, Q e R. Para o produto B esses coeficientes técnicos são 4, 2 e 0, respectivamente. O fabricante sabe que o lucro na produção de A é de 0,5 unidades monetárias e de B é de 1 unidade monetária. Qual o lucro máximo e quais as quantidades produzidas das mercadorias A e B para se obter o lucro máximo?

16 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 16 3 Uma companhia de investimento dispõe de R$ ,00 para investir em ações e letras imobiliárias. Sua política de aplicação consiste em: Empregar, no máximo, 50% do disponível em ações; e Empregar, no máximo, 60% do disponível em letras imobiliárias. Através de uma pesquisa de mercado, a companhia verificou que deveria empregar, no máximo, 40% do disponível, na diferença entre o dobro da quantidade investida em ações e a quantidade investida em letras; e empregar, no máximo, 1% do disponível na soma da oitava parte investida em ações com a quinta parte investida em letras. As ações produzem uma rentabilidade de 5% ao mês e as letras 4% ao mês. Qual o investimento ótimo? 4 Uma fábrica de canetas quer saber do Departamento de Engenharia quantas canetas de cada tipo (standard, luxo e esferográfica) deverão ser produzidas, para que o lucro da empresa seja máximo. INFORMAÇÕES: a) Do departamento de Produção Produções máximas mensais possíveis para cada um dos tipos de canetas (isto é, produzir-se só um tipo): Standard Luxo Esferográfica b) Do Departamento de Vendas Máximo de vendas mensais para cada um dos tipos: Standard Luxo Esferográfica c) Do Departamento de Contabilidade Lucro unitário para cada tipo:

17 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 17 Standard R$ 0,70 Luxo R$ 0,50 Esferográfica R$ 0,30 5 Uma fábrica de automóveis e caminhões possui os seguintes departamentos; 1. Estamparia de pranchas metálicas; 2. Montagem de motores; 3. Montagem de automóveis; e 4. Montagem de caminhões. O departamento 1 deve estampar, no mínimo por mês, as pranchas necessárias para automóveis ou caminhões, ou as correspondentes combinações de automóveis e caminhões. O departamento 2 deve no mínimo por mês, montar motores de automóveis e motores de caminhões ou as correspondentes combinações de motores de automóvel e caminhão. O departamento 3 pode montar e terminar automóveis e o departamento 4, mensalmente caminhões (ambos utilizando sua capacidade máxima). Com o constante aumento do combustível, a fábrica sabe que o prejuízo na fabricação de um automóvel é de R$ 500,00 e na fabricação de um caminhão é de R$ 200,00. Qual a quantidade de automóveis e caminhões a ser produzida a fim de que a fábrica tenha o menor prejuízo possível, dadas as condições atuais do mercado? 6 Uma indústria de aparelhos eletrodomésticos tem equipamento para produzir geladeiras, máquinas de lavar e fogões. O regime de operação da indústria é de 45 horas semanais. Seu equipamento pode fabricar, por hora, 50 geladeiras ou 25 máquinas de lavar ou 75 fogões. Uma pesquisa de mercado revelou que a demanda semanal é de geladeiras, 500 máquinas de lavar e fogões.

18 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 18 A geladeira proporciona, por cada unidade vendida, um lucro de R$ 40,00; a máquina de lavar R$ 120,00 e o fogão um lucro de R$ 30,00. Qual seria o modelo matemático da indústria que permitiria o lucro máximo semanal? 7 Um sapateiro faz 6 sapatos por hora, se fizer somente sapatos, e 5 cintos por hora, se fizer somente cintos. Ele gasta 2 unidades de couro para fabricar uma unidade de sapato e uma unidade de couro para fabricar uma unidade de cinto. Sabendo-se que o total disponível de couro é de 6 unidades e que o lucro unitário por sapato é de 5 unidades monetárias e o do cinto é de 2 unidades monetárias, pede-se: o modelo do sistema de produção do sapateiro, se o objetivo é maximizar seu lucro por hora. 8 Um vendedor de frutas pode transportar 800 caixas de frutas para sua região de vendas. Ele necessita transportar 200 caixas com laranjas, tendo um lucro de 20 u.m. por caixa, pelo menos 100 caixas com pêssegos a 10 u.m. de lucro por caixa e no máximo 200 caixas com tangerinas a 30 u.m de lucro por caixa. Construir o modelo matemático que permita ao vendedor carregar o caminhão de modo a obter o lucro máximo. 9 Uma rede de televisão local tem o seguinte problema: foi descoberto que o programa A com 20 minutos de música e 1 minuto de propaganda chama a atenção de telespectadores, enquanto o programa B com 10 minutos de música e 1 minuto de propaganda chama a atenção de telespectadores. NO decorrer de uma semana, o patrocinador insiste no uso de no mínimo, 5 minutos para sua propaganda e que não há verba para mais de 80 minutos de música. Quantas vezes por semana cada programa devem ser levadas ao ar para obter o número máximo de telespectadores? Construa o modelo do sistema. 10 Um fazendeiro está estudando a divisão de sua propriedade nas seguintes atividades produtivas.

19 Estruturação e otimização de modelos lineares estacionários 19 A (Arrendamento) Destinar certa quantidade de alqueires para a plantação de cana de açúcar, a uma usina local, que se encarrega da atividade e paga pelo aluguel da terra $ 300,00 por alqueire por ano. P (Pecuária) Usar outra parte para criação de gado de corte. A recuperação das pastagens requer adubação (100 kg / Alq) e irrigação ( l de água / Alq) por ano. O lucro estimado nessa atividade é de $ 400,00 / Alq no ano. S (Plantio de Soja) Usar uma terceira parte para o plantio de soja. Essa cultura requer 200 kg por alqueire de adubos e l de água / Alq para irrigação por ano. O lucro estimado nessa atividade é de $ 500,00 por alqueire no ano. Disponibilidade de recursos por ano: l de água; kg de adubo; e 100 alqueires de terra. Quanto alqueire deverá destinar a cada atividade para proporcionar o melhor retorno?

20 Capítulo 3 3. DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE MODELOS LINEARES PRÁTICOS POR MEIO DO GAMS É comum durante o desenvolvimento de modelos matemáticos nos depararmos com problemas onde há limites de demanda para determinados produtos. Como exemplo, iremos modelar um problema em linguagem GAMS. Os dados estão dispostos abaixo. O Quadro 3.1 refere-se aos recursos disponíveis na fazenda para realização das atividades leiteiras e de corte. Abreviatura AT Quadro 3.1- Recursos disponíveis RESTRIÇÕES Área total disponível para a atividade leiteira ha/ano TR Custo da terra (devendo ser considerado o custo de oportunidade e o custo de manutenção adubação, reforma de pasto, limpeza e destoca) R$/ano BE MI EQ RE AL Custo e despesas com benfeitorias (considerando-se a depreciação, o custo de oportunidade e o custo de manutenção) R$/ano Custo e despesas com máquinas e implementos (considerando-se a depreciação, o custo de oportunidade e o custo de manutenção) R$/ano Custo e despesas com equipamentos (considerando-se a depreciação, o custo de oportunidade e o custo de manutenção) R$/ano Custo e despesas com reprodutores (considerando-se a depreciação e o custo de oportunidade) R$/ano Custo e despesas com alimentação (considerando-se o gasto com concentrados, suplementos e forrageiras e o custo alternativo) R$/ano PV Custo e despesas com produtos veterinários (considerando-se o gasto e o custo alternativo) R$/ano IA Custo e despesas com inseminação artificial (considerando-se o gasto e o custo alternativo) R$/ano TE DA MK MO Custo e despesas com transferência de embriões (considerando-se o gasto e o custo alternativo) R$/ano Gastos com despesas administrativas (considerando-se também o custo alternativo) R$/ano Gastos com marketing e propaganda (considerando-se também o custo alternativo) R$/ano Custo e despesas com mão-de-obra (considerando-se o gasto efetivo, os encargos pagos e o custo alternativo) R$/ano A Tabela 3.1 mostra os recursos disponíveis e o consumo por categoria de animal para o ano de 2004.

21 Desenvolvimento e Otimização de Modelos Lineares Práticos Por Meio do GAMS 21 Tabela 3.1- Consumo anual por animal. Restrições RECURSOS DISPONÍVEIS Unidades RECURSOS CONSUMIDOS POR CATEGORIA Bezerras Bezerros Novilhas Vacas Touro AT 196,50 ha/ano 0,09 0,09 0,25 0,35 0,42 TR ,39 R$/ano 43,37 32,81 66,12 88, ,85 BE 9.894,38 R$/ano 4,07 3,08 3,16 68,26 10,99 MI ,87 R$/ano 70,83 53,59 45,25 276,01 57,34 EQ ,94 R$/ano 3,73 2,83 2,17 99,14 15,12 RE 2.432,04 R$/ano 10,35 7,83 6,59 0,94 0,00 AL ,69 R$/ano 161,32 122,07 393, ,10 261,18 PV ,82 R$/ano 42,26 31,98 27,62 73,10 21,38 IA 3.923,65 R$/ano 16,69 12,63 10,64 1,52 0,00 TE 7.240,00 R$/ano 30,81 23,31 19,63 2,81 0,00 DA ,30 R$/ano 34,14 25,83 19,83 214,86 78,97 MK ,05 R$/ano 69,52 52,60 51,92 5,61 80,40 MO ,07 R$/ano 42,60 32,23 28,87 316,79 114,95 RO Orçamento disponível: R$ ,20 Essa Tabela foi obtida por meio de rateio, considerando o consumo efetivo de recursos e o tempo de permanência de cada categoria animal na propriedade. Para garantir a sustentabilidade econômica da produção de leite e da produção animais da Fazenda, foram inseridas restrições adicionais as quantidades máximas e mínimas que cada categoria animal deveria possuir, conforme apresentado na Tabela 3,2. Esses valores são baseados na taxa de lotação histórica da fazenda no ano de Tabela 3.2- Categorias de animais Categoria Qtde Máxima Qtde Mínima X X X X X O orçamento disponível é de R$ ,20. O objetivo é maximizar a quantidade de animais. Formule o modelo utilizando-se da linguagem GAMS.

22 Desenvolvimento e Otimização de Modelos Lineares Práticos Por Meio do GAMS 22 Índices: i associado às categorias de animais (Bezerras, Bezerros, Novilhas, Vacas e Touros). j associado às categorias dos recursos (AT, TR, BE, MI, EQ, RE, AL, PV, IA, TE, DA, MK, MO,RO). Parâmetros: Pj: associado ao índice j define os limites máximos de cada recurso. R: associado ao consumo unitário do recurso j por categoria de animal i. Variáveis: Xi: Quantidade por categoria de animal. Z: Associada ao cálculo da função objetivo. Equações: Animais define a função objetivo AJ: Calcula o quanto a ser utilizado do recurso j por categoria de animal i. maxbezerrai: máximo de bezerras. minbezerrai: mínimo de bezerras. maxbezerrosi: máximo de bezerros. minbezerrosi: mínimo de bezerros. maxnovilhasi: máximo de novilhas. minnovilhasi: mínimo de novilhas. maxvacasi: máximo de vacas minvacasi: mínimo de vacas. mintouroi: mínimo de touro. maxtouroi: máximo de touro. Vamos introduzir outro comando na linguagem GAMS denominado SCALAR neste caso esse comando vai representar uma constante que não está ligado a nenhum índice.

23 animais Z sujeito a : n i maxbezerra minbezerra maxbezerro minbezerro maxnovilhas minnovilhas maxvacas minvacas maxtouro mintouro X R. X 0 Desenvolvimento e Otimização de Modelos Lineares Práticos Por Meio do GAMS 23 i i i i i i i i i X X i X X X X X X i n i P j X X X i "bezerras "bezerros "vacas" "vacas" "touro" "touro" "bezerras "bezerros "novilhas" "novilhas" " 95 " 39 " 135 " Para este modelo temos um problema de programação inteira. Este assunto será discutido nos próximos capítulos. Portanto, resolveremos o mesmo por meio da otimização linear contínua. A Figura 3.1 mostra o modelo em linguagem GAMS. A solução ótima não inteira seria: bezerras= 39, bezerros= 132,33, novilhas= 132,172, vacas= 127,773 e touro= 8,71. Utilizando ,05 do orçamento.

24 Desenvolvimento e Otimização de Modelos Lineares Práticos Por Meio do GAMS 24 Figura 3.1- Modelo agricultura em GAMS. Os e as (estes pontos ) são indexadores de índices na linguagem GAMS. Exemplo 4: Alocação de tarefas. Uma empresa de correios deseja estabelecer o número de funcionários de horários integral que deve contratar para iniciar suas atividades. Para fazê-lo, recebeu uma matriz da empresa com o número mínimo de funcionários por dia da semana. Estas informações se encontram na Tabela 3.3. O

25 Desenvolvimento e Otimização de Modelos Lineares Práticos Por Meio do GAMS 25 sindicato dos empregados de franqueadores dos correios mantém um acordo sindical que determina que cada empregado deve trabalhar cinco dias consecutivos e folgar em seguida dois dias, e que as franquias devem ter apenas empregados com horário integral. Desenvolva e otimize o modelo de maneira a determinar o número total de empregados que a franquia deve contratar e o número de empregados por dia, utilizando a linguagem de modelagem GAMS. Tabela 3.3- Dados do problema da empresa correios. Dia da semana Número de funcionários Domingo 11 Segunda-feira 18 Terça-feira 12 Quarta-feira 15 Quinta-feira 14 Sexta-feira 14 Sábado 16 Índices: n: associado ao número de funcionários s: associado aos dias da semana. Parâmetros: Alocaçãos,n: associado ao número de funcionários n requeridos no dia da semana s. Funcionáriosn: associado ao número mínimo de funcionários n para trabalhar no dia da semana s. Variáveis: Z associada à função objetivo. Xs: número de funcionários i contratados no dia da semana s. Equações: Func: calcula a função objetivo. Alocadosn: calcula o número de funcionários alocados em cada dia da semana s. A Figura 3.2 mostra o resumo do modelo no GAMS. A solução ótima para o problema é contratar 22,6666 funcionários no total, sendo que seria contratado 5 funcionários no domingo, 1,666 na segunda, na terça, 7,667 na quinta e no sábado. Os totais de empregados disponíveis por dia da semana estão dispostos abaixo, sendo N1 número de funcionários que iniciam a atividade no domingo e N7 o número de funcionários que iniciam a atividade no sábado. N1= , N2= 18, N3= 15, N4= 15, N5= 19 e N6=14 e N7= 16

Pesquisa Operacional. 4x1+3x2 <=1 0 6x1 - x2 >= 20 X1 >= 0 X2 >= 0 PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL

Pesquisa Operacional. 4x1+3x2 <=1 0 6x1 - x2 >= 20 X1 >= 0 X2 >= 0 PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL Modelo em Programação Linear Pesquisa Operacional A programação linear é utilizada como uma das principais técnicas na abordagem de problemas em Pesquisa Operacional. O modelo matemático de programação

Leia mais

Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir:

Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir: LISTA - Pesquisa Operacional I Qualquer erro, favor enviar e-mail para fernando.nogueira@ufjf.edu.br Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir: ) Um sapateiro

Leia mais

MODELAGEM OTIMIZAÇÃO EM GAMS

MODELAGEM OTIMIZAÇÃO EM GAMS Aneirson Francisco da Silva Doutor em Engenharia Mecânica- UNESP Mestre em Engenharia de Produção- UNIFEI Pós Graduado em Economia e Planejamento Empresarial-UFU MODELAGEM OTIMIZAÇÃOEMGAMS 1- Definir

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM 1) Um alfaiate tem, disponíveis, os seguintes tecidos: 16 metros de algodão, 11 metros de seda e 15 metros de lã. Para um terno são necessários 2 metros

Leia mais

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL Pesquisa Operacional Introdução à Modelagem de Problemas Lineares Recursos Escasso. Componentes de um modelo de PL O modelo Matemático é composto por: Função Objetivo (eq. Linear, Ex.: Lucro) Restrições

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem matemática

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Departamento de Matemática Lista 3 de Modelagem Matemática-PROFMAT Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem

Leia mais

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel Programação Linear SOLVER EXCEL Prof. José Luiz Solução via Excel 1. Organizar os dados na planilha 1. Reservar células na planilha para representar o coeficiente de cada variável de decisão no modelo

Leia mais

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Nas questões abaixo: i) Formule e apresente o modelo matemático. Caso não esteja, coloque na forma padrão. ii) Especicar as variáveis,

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%)

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%) FACULDADE LOURENÇO FILHO Revisão ENADE 2011 Disciplina: Pesquisa Operacional Profa. Danielle Abreu 17/096/2011 Questão 1 ENADE 2008 O gerente de planejamento e controle da produção de uma empresa de suco

Leia mais

Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL

Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL Andréa Cardoso Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL Março 200 2 0. Lista de Problemas 6. O quadro a seguir mostra o processo de resolução de um PPL. A partir dos dados fornecidos, responda às seguintes

Leia mais

Métodos de Pesquisa Operacional I. Lista de exercícios complementares - I

Métodos de Pesquisa Operacional I. Lista de exercícios complementares - I Lista de exercícios complementares - I Problema 1. Uma companhia de móveis faz cadeiras e mesas como parte de sua linha de móveis para jardim. O quadro abaixo mostra os recursos consumidos por unidade

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

Introdução à Pesquisa Operacional - Otimização Linear

Introdução à Pesquisa Operacional - Otimização Linear Introdução à Pesquisa Operacional - Otimização Linear Professora: Maristela Oliveira dos Santos - mari@icmc.usp.br Auxilio 2009: Victor C.B. Camargo Auxilio 2010 - PAE: Marcos Mansano Furlan - L-1007 Instituto

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA Aloísio de Castro Gomes Júnior Marcone Jamilson Freitas Souza Projeto patrocinado pelo programa PRÓ-ATIVA da UFOP DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

O Problema do Transporte. Pesquisa Operacional. Formulação do Problema. Descrição Geral de um problema de transporte. Parte 2

O Problema do Transporte. Pesquisa Operacional. Formulação do Problema. Descrição Geral de um problema de transporte. Parte 2 Pesquisa Operacional Parte Graduação em Engenharia de Produção DEPROT / UFRGS Prof. Flavio Fogliatto, Ph.D. O Problema do Transporte Descrição Geral de um problema de transporte:. Um conjunto de m pontos

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO 1. Introdução: Por que a Matemática? Eu, Alessandro Ferreira Alves professor de Matemática já alguns anos, já vivenciei em vários momentos a experiência

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Pesquisa Operacional Livro: Introdução à Pesquisa Operacional Capítulo 2 - Programação Linear Fernando Marins fmarins@feg.unesp.br Departamento de Produção

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES Prof. ANTONIO ROBERTO GONÇALVES Aprendizagem de Conceitos Se você precisa encontrar o volume de um silo de milho, a distância percorrida por um carro

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA 1. INTRODUÇÃO No fluxo de caixa esquemático mostrado na Figura 1, como se sabe na data zero, normalmente se tem o investimento necessário para

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador ª Edição Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador Gerson Lachtermacher,00 Programação Linear Software Versão Windows e comandos Formulação do problema

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística PESQUISA OPERACIONAL Fabiano F. T. dos Santos Instituto de Matemática e Estatística Origens da Pesquisa Operacional O termo pesquisa operacional é atribuído a A. P. Rowe, que, em 1938 na Grã-Bretanha,

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Pesquisa Operacional Professor José Arnaldo Barra Montevechi montevechi@unifei.edu.br

Pesquisa Operacional Professor José Arnaldo Barra Montevechi montevechi@unifei.edu.br Pesquisa Operacional Professor José Arnaldo Barra Montevechi montevechi@unifei.edu.br Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão 07 Curso de Pesquisa Operacional 2 1.

Leia mais

Pesquisa Operacional. A Ciência da Decisão

Pesquisa Operacional. A Ciência da Decisão Pesquisa Operacional Aplicações da Programação Linear no Ambiente de Gestão A Ciência da Decisão Uma decisão pode ser classificada em estruturada t se envolver uma série éi de fatores que possam ser quantificados,

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA: PARTE I DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS II 5º PERIODO- 2014_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 a) x ij são as variáveis de decisão apropriadas para o problemas pois devemos indicar quantos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos PROGRAMAÇÃO INTEIRA Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos M9.1 - Problema de Seleção de Projetos ver Taha Capítulo 9 Cinco projetos estão sob avaliação

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 3

Excel Básico e Avançado. Aula 3 Excel Básico e Avançado Aula 3 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br Fórmulas Se distinguem das células de texto por serem iniciadas pelo símbolo = Calculando

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção Engenharia Econômica Introdução à Engenharia de Produção Demanda e Capacidade Após a determinação da localização da empresa Planejamento quanto à capacidade ( tamanho da empresa) Deve-se definir o Nível

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO

PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especialização Lato Sensu em Engenharia de Produção com enfoque em Pesquisa Operacional PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO Professores:

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Sistemas de Processamento de Transações Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Evolução dos sistemas de informação Os dispositivos de computação passaram dos tubos a vácuo, nos anos 50

Leia mais

Temas para estudo com alunos

Temas para estudo com alunos Temas para estudo com alunos Este documento reúne alguns dos temas de pesquisa desenvolvidos por professores do Departamento de Matemática Aplicada (DMA) e que podem ter alunos de graduação atuando. Tratam-se

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

A) 1 B) 26 C) 3 D) 4 E) 5 A) 9 B) 9 C) 4 D) 3 E) 8

A) 1 B) 26 C) 3 D) 4 E) 5 A) 9 B) 9 C) 4 D) 3 E) 8 MATEMÁTCA 0. A Empresa Pernambuco S/A revende uma determinada peça automotiva. A gerência comercial da empresa aplica a seguinte regra para venda do produto: a diferença entre o preço de venda e o preço

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. I Modelo de PL - Formalização António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Recomendações 1. É possível aprender a matéria fazendo apenas

Leia mais

Programação Linear com o Microsoft Excel R

Programação Linear com o Microsoft Excel R Programação Linear com o Microsoft Excel R Adriano Verdério 1, Clezio A. Braga 1 1 Colegiado do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática FOLHA 2 Programação Linear : modelação matemática 1. A fábrica de gelados Derretem-se na Boca SARL fabrica 2 qualidades de gelados : de nozes (C) e de frutas (P). A loja encontra-se localizada numa animada

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - FATEC-Faculdade de Ciência e Tecnologia Banco de Dados II Sistema de Informação Analise de Sistemas Prof. Msc. Mauricio Prado Catharino. Aluno: LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS Nesta

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR

DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR Yvelyne Bianca Iunes Santos (UEPA) yvelyne@superig.com.br Fabiano Pereira Correa (UEPA) fabiano_pcorrea@hotmail.com

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

ESTUDO DE CASO INDÚSTRIA DE MÓVEIS N. S. LTDA 1

ESTUDO DE CASO INDÚSTRIA DE MÓVEIS N. S. LTDA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS -UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL -

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA NA MAXIMIZAÇÃO DE RECEITA EM UMA ACADEMIA DE GINÁSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA NA MAXIMIZAÇÃO DE RECEITA EM UMA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1 PESQUISA OPERACIONAL APLICADA NA MAXIMIZAÇÃO DE RECEITA EM UMA ACADEMIA DE GINÁSTICA Elvis Magno Da Silva, graduando em Administração (FACESM); elvismagno@uol.com.br Prof. Dr.Roberval Rymer da Silva

Leia mais

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla Layouts Balanceamento de Linhas Maria Antónia Carravilla Abril 1998 1. Layouts... 1 1.1 Definição, tipos de layouts... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Factores determinantes para a construção de um layout...

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

EXIGEM EXPERIÊNCIA NA FUNÇÃO.

EXIGEM EXPERIÊNCIA NA FUNÇÃO. AGENTE FUNERARIO Motorista de automóveis, exige CNH "B" com experiência em viagens - Atividades: preparo e condução do corpo para sepultamento, translado do corpo (viagens) - Horário de trabalho a combinar

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

MÉTODO GRÁFICO MAXIMIZAÇÃO DO LUCRO

MÉTODO GRÁFICO MAXIMIZAÇÃO DO LUCRO TÓPICO 2 MÉTODO GRÁFICO MAXIMIZAÇÃO DO LUCRO 1- Pesquisa Operacional a)a origem da Pesquisa Operacional 2 a Guerra Mundial; Serviço militar do Reino Unido e EUA recrutaram diversos cientistas p/ realizar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Trabalho de Casa 1. 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002

Trabalho de Casa 1. 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002 Trabalho de Casa 1 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002 1. Formulações de PL a. Dê um exemplo de uma programação linear de duas variáveis

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1 LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA Lista de Exercício - 1 1- A que taxa de juros simples : a) $ 20.000,00 se elevarão a $ 21.100,00 em um ano? (Resp. 5,5%aa). b) $ 720.000,00 se elevarão a $ 744.000,00

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V):

Leia mais

Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional

Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional March 24, 2013 1 Introdução Seguem 14 problemas de otimização para serem escolhidos pelos grupos para serem modelados. Alguns problemas têm dados numéricos, mas esses

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais