MACROECONOMIA I UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MACROECONOMIA I UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO"

Transcrição

1 UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MACROECONOMIA I GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO PROFESSOR RESPONSÁVEL CLAUDIO MONTEIRO CONSIDERA NOTA: Este texto é uma tradução adaptada de alguns capítulos (2 a 9 e 18 a 21) ou de suas partes, do livro Macroeconomics, study guide and tutorial de autoria de David Findlay elaborado especialmente para apoiar o livro Macroeconomia de Olivier Blanchard, 2ª edição. Esta tradução, se destina unicamente a servir de apoio ao curso de Macro I, da UFF, do professor Claudio M. Considera. Procurou-se aqui adaptar o texto à 3ª e à 4ª edições do livro do Blanchard e também às características brasileiras. A tradução é de Renato Mayer e a revisão e adaptação de Claudio M. Considera. As respostas dos exercícios estão à parte e permaneceram em inglês. 1

2 Capítulo 2 UMA VISÃO GERAL DO LIVRO OBJETIVOS, REVISÃO E MATERIAL DE INSTRUÇÃO Depois de passar por este capítulo e pelo material seguinte, espera-se que você esteja em condições de: (1) Definir Produto Interno Bruto (PIB). (2) Compreender as três óticas diferentes de mensurar o PIB. (3) Estabelecer a distinção entre PIB nominal e PIB real. (4) Compreender qual o papel que a formação hedônica de preços desempenha na construção das estimativas do PIB real. (5) Conhecer a definição e a construção da taxa (u) de desemprego. (6) Explicar a definição e a construção do deflator do PIB e do índice de preços ao consumidor. (7) Discutir por que os economistas se preocupam com a taxa de desemprego e a taxa de inflação. (8) Explicar e interpretar a lei de Okun. (9) Explicar o que representa a curva de Phillips. (10) Reconhecer qual papel os fatores de demanda e de oferta desempenham ao afetar a produção (i) no curto prazo; (ii) no médio prazo e (iii) no longo prazo. (11) Entender a construção do PIB real e das séries de índices. 1. DEFINIÇÃO E MENSURAÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB) O PIB é o valor dos bens e serviços finais produzidos na economia durante um dado período. Há três formas distintas de mensurar o PIB. Deve ficar claro que todas as três levam ao mesmo valor do PIB. ÓTICA 1 (ÓTICA DO GASTO): O PIB é a soma do valor dos bens e serviços finais produzidos em um dado período. No exemplo do Capítulo 2, carros representam o único bem ou serviço final. Os $ 210 de receitas de vendas de carros representam o PIB. ÓTICA 2 (ÓTICA DO PRODUTO): O PIB é a soma dos valores adicionados na economia. O valor adicionado em certo estágio da produção de um bem é definido como o valor da produção menos o valor dos insumos intermediários (com exceção da mão-de-obra) utilizados no processo de produção. ÓTICA 3 (ÓTICA DA RENDA): O PIB é igual à soma das rendas na economia durante um dado período. Para ver como isso se dá, é preciso compreender que todo o valor adicionado no processo de produção, tanto de bens finais como de insumos intermediários devem ir necessariamente para: (1) os trabalhadores na forma de renda (rendimentos do trabalho) (2) o governo na forma de impostos indiretos (p.e., impostos sobre vendas) (3) a renda da firma na forma de rendimento do capital (lucro). 2

3 No exemplo do Capítulo 2, não há impostos indiretos; por isso, o PIB é igual à soma dos rendimentos do trabalho e dos lucros da firma. Dica Dica de de Aprendizagem Aprendizado Se somássemos simplesmente o valor de todos os bens e serviços (tanto intermediários como finais) trocados na economia durante um dado período, estaríamos superestimando o valor do PIB por duas razões: (1) Algumas das transações ocorridas no ano t representam o valor dos bens intermediários. Se somássemos, por exemplo, tanto o valor do novo sedan Ford Taurus 1999 e o valor dos pneus Goodyear que a Ford adquiriu da Goodyear, estaríamos fazendo uma dupla contagem do valor dos pneus; (2) Alguns bens finais vendidos em 1999 foram produzidos em um período anterior e, e, portanto, já foram incluídos na medição do PIB do período anterior (p.e., o valor de um carro usado, um computador pessoal usado, etc). 2. PIB NOMINAL E REAL (1) PIB Nominal O PIB Nominal no ano t ($Y t ) é a soma das quantidades de bens e serviços finais produzidos no ano t vezes os seus preços correntes. $Y t mede o valor do PIB no ano t aos preços do ano t. O PIB Nominal também é chamado de PIB em dólares (ou reais) correntes. Dica Dica de de Aprendizagem Aprendizado Muito Muito cuidado cuidado ao ao interpretar interpretar variações variações no PIB no PIB Nominal Nominal (ou variações (ou variações no valor no de valor qualquer de variável qualquer medida variável em medida termos nominais, em termos ou nominais, seja, medida ou seja, em dólares medida correntes). em dólares Suponha ou Reais que $Ycorrentes). t aumenta 6% Suponha em 1999 que (acima $Y t aumenta do seu 6% nível em de ). (acima Este do aumento seu nível em de $Y1998). t pode ocorrer Este por aumento duas razões: em $Y t pode ocorrer por duas razões: (1) (1) O O montante montante de de bens bens e e serviços serviços finais finais produzidos produzidos pode, pode, de de fato, fato, ter ter aumentado; aumentado; e/ou e/ou (2) (2) Os Os preços preços desses desses bens bens e e serviços serviços finais finais podem podem ter ter aumentado. aumentado. (2) PIB Real (a preços constantes do ano anterior ou de um determinado ano) 1 O PIB Real no ano t ($Y t ) é a soma das quantidades de bens e serviços produzidos no ano t vezes os preços desses mesmos bens e serviços em algum ano particular. Este ano particular é denominado ano-base. Para calcular $Y t, devemos, em primeiro lugar, escolher um ano-base. Uma vez este escolhido (digamos que seja 1992), o PIB Real naquele ano é o valor dos bens e serviços finais daquele ano medido em preços de O PIB Real é 1 Tome cuidado para não fazer confusão entre o adjetivo real (valor a preços constantes de um ano boae) e o substantivo Real referente ao atual padrão monetário brasileiro. 3

4 também chamado PIB em termos de bens, PIB em dólares (Reais) constantes, PIB ajustado pela inflação e PIB em dólares (Reais) de Dica de Aprendizagem Os Os economistas se se centram no no PIB Real, pois este elimina os efeitos das variações de preços na na mensuração da da produção. Por exemplo, se o PIB Real de 1999 (medido em preços de 1992) aumentou de de 3% sobre o nível do PIB Real de 1998, sabemos que a produção total aumentou. Quando recebemos informações do PIB Nominal, não ficamos sabendo se o PIB Nominal variou devido a a variações no no montante de de bens e e serviços produzidos ou ou se se devido a a variações nos nos preços. preços. Os economistas utilizam o PIB Real Y t para calcular o crescimento do PIB no ano t. O crescimento do PIB no ano t é definido como (Y t - Y t-1 ) / Y t-1. Isso mede a variação percentual no PIB Real entre os anos t e t-1. Expansões são períodos de crescimento positivo do PIB. Recessões são períodos de dois ou mais trimestres consecutivos de crescimento negativo do PIB. 3. PROGRESSO TECNOLÓGICO E FORMAÇÃO HEDÔNICA DE PREÇOS Dois aspectos na economia complicam o cálculo do PIB: (1) o surgimento de novos bens; e (2) bens, cujas características variam de ano para ano (como, por exemplo, os computadores pessoais). Quando as características de um bem mudam de ano para ano, o preço daquele bem pode variar de modo a refletir as mudanças em suas características. Os economistas usam uma abordagem chamada de formação hedônica dos preços para ajustar os preços efetivos às variações nas características dos produtos. Dica de Aprendizagem Reveja a discussão da formação hedônica dos preços no Capítulo 2. A revisão do problema # 7 centrará na formação hedônica dos preços. 4

5 4. DEFINIÇÃO E CONSTRUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO u t A taxa de desemprego representa o percentual da força de trabalho que está desempregada. Especificamente, u t = U/L, onde: U é o número de indivíduos desempregados; L é o número de indivíduos na força de trabalho; L é igual ao número de indivíduos desempregados mais o número de indivíduos empregados (N), de modo que L = U + N Para ser contado como desempregado, um indivíduo: (1) deve não ter um emprego; E (2) deve ter procurado trabalho nas últimas quatro semanas. Dica de Aprendizagem Deve-se entender que para fazer parte da força de trabalho, um indivíduo deve estar: (1) ou empregado; ou (2) desempregado e estar ativamente procurando trabalho. Os indivíduos desempregados que cessam de procurar trabalho não mais serão contados como parte da força de trabalho. Esses indivíduos são chamados trabalhadores desalentados. A saída da ou a entrada na força de trabalho de trabalhadores desalentados pode alterar a taxa de desemprego sem causar qualquer variação no número de trabalhadores empregados. A revisão do problema #8 centrará nesta questão. A taxa de participação é definida como a razão da força de trabalho e a população em idade de trabalhar. Uma taxa de desemprego elevada está tipicamente associada a uma baixa taxa de participação. Por quê? Porque quando a taxa de desemprego for elevada um número maior de indivíduos desempregados deixará a força de trabalho (ou seja, se tornarão trabalhadores desalentados). 5. ÍNDICES DE PREÇOS: O DEFLATOR DO PIB E O ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (IPC) O deflator do PIB no ano t (P t ) é definido como a razão do PIB Nominal para o PIB Real no ano t: P t = $Y t / Y t. O deflator do PIB dá o preço médio de todos os bens e serviços incluídos no PIB. Dica de Aprendizagem P t = 1 no ano-base. Por quê? No ano-base (digamos que seja 1992), $Y 92 = Y 92. Em outras palavras, no ano-base, o valor do PIB Real e do PIB Nominal será o mesmo, uma vez que, ao se obter o PIB Real, usaremos os preços correntes para calcular essa medida da produção ajustada pela inflação. A revisão dos problemas #1 e #2 permitirão verificar isso. Como interpretar o tamanho do P t? Suponhamos que P t = 1,37. Isso indica que o preço médio dos bens e serviços no ano t é 37% maior do que no ano base. Podemos rearranjar a definição de P t de modo a ilustrar por que as variações no PIB Nominal podem ocorrer por duas razões. Multiplique ambos os lados por Y t de Tal maneira que $ Y t = P t Y t. Um aumento em P t e/ou um aumento em Y t produzirá aumentos em $ Y t $ Y t. 5

6 O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) mede o preço de uma determinada cesta de bens e serviços consumidos pelas famílias. A cesta atual de bens e serviços se baseia no comportamento das despesas do consumidor em ; portanto, representa o período-base. Dica de Aprendizagem Suponhamos que o IPC em 2000 seja igual a 1,70. Isso indica que o preço médio dos bens e serviços no ano 2000 é 70% mais elevado do que o preço médio da mesma cesta de bens e serviços no período-base (ou seja, ). Preste atenção em que, embora tanto o deflator do PIB como o IPC sejam índices de preços e, em geral, se movam juntos ao longo do tempo, há períodos nos quais a variação do IPC difere da variação do deflator do PIB. Isso se deve a: (1) O IPC inclui o preço de alguns bens que NÃO estão incluídos no PIB e que, portanto, não são levados em conta no deflator do PIB (como, por exemplo, o preço dos bens importados). (2) O deflator do PIB inclui o preço de todos os bens e serviços finais produzidos na economia. Alguns desses bens NÃO são consumidos pelas famílias e, portanto, não são incluídos no IPC (como, por exemplo, alguns itens de dispêndio do governo e das empresas). O deflator do PIB e o IPC podem ser usados para se calcular a taxa de inflação. A taxa de inflação entre o ano t e o ano t-1 (utilizando-se o deflator do PIB) é igual a (P t - P t-1 / P t-1 ). 2 Dica de Aprendizagem Atenção quando interpretar índices de preços e a taxa de inflação. Se o IPC em 2000 for igual a 1,7, isso NÃO significa que haja uma taxa ANUAL de inflação da ordem de 70% entre os períodos e Esse número indica que o preço médio da cesta de bens e serviços aumentou 70% em TODO o período. A taxa de inflação quase sempre é calculada, tomando-se uma base anual, a qual indica, por exemplo, a variação percentual no nível médio de preços de um ano para outro. 6. POR QUE ESTUDAMOS A INFLAÇÃO E O DESEMPREGO? Estudamos a taxa de desemprego porque: 2 Lembramos que no Brasil existem vários índices de preços ao consumidor. O Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA), calculado pelo IBGE, é utilizado como o índice de inflação oficial e como referência para a meta de inflação estipulada pelo Banco Central do Brasil. Consulte a metodologia e o ano de referência em 6

7 (1) A taxa de desemprego nos fala algo do estado corrente da economia relativamente a um nível tido como normal (quando aumenta a taxa de desemprego, o crescimento do PIB tende a diminuir); e (2) A taxa de desemprego nos diz algo acerca dos possíveis impactos sobre o bem-estar dos desempregados. Estudamos a inflação porque: (1) A inflação pode afetar a distribuição de renda (por exemplo, um aumento na inflação pode causar uma redução no valor real da renda dos indivíduos que recebem rendimentos nominais fixos); (2) A inflação pode causar variações nos preços relativos e, portanto, causar distorções; (3) Se a faixa de incidência da tributação não for ajustada pela inflação, a inflação pode provocar distorções ao levar as pessoas para faixas tributárias mais elevadas; e (4) Como conseqüência de (2) e de (3), a inflação pode causar incertezas. Esta maior incerteza tem efeitos negativos sobre a atividade econômica. 7. DESEMPREGO E A ATIVIDADE ECONÔMICA: A LEI DE OKUN Um crescimento elevado do PIB se associa com freqüência a uma redução na taxa de desemprego. Essa relação entre variações no desemprego e no crescimento do PIB é conhecida como a Lei de Okun. Essa relação tem duas implicações: (1) Se u t for muito alta, será necessária uma elevação no crescimento do PIB para reduzir u t ; e (2) Se u t for muito baixa, será necessária uma redução no crescimento do PIB para aumentar u t. Dica de Aprendizagem A relação entre a taxa de desemprego e o crescimento do PIB tem um apelo intuitivo. Por exemplo, suponha que o crescimento do PIB seja relativamente alto. O que as empresas estarão fazendo para provocar um crescimento do PIB a uma taxa relativamente acelerada? Muito provavelmente estarão contratando trabalhadores. À medida que cresce o emprego, a taxa de desemprego tende a cair. A recíproca também é verdadeira. 8. INFLAÇÃO E DESEMPREGO: A CURVA DE PHILLIPS A curva de Phillips representa a relação entre a taxa de desemprego e a variação da taxa de inflação. Embora tal relação possa sofrer variações ao longo do tempo e ser diferente para diferentes países, tendemos a observar o seguinte: (1) Quando o desemprego é baixo, a taxa de inflação tende a subir; e (2) Quando o desemprego é alto, a taxa de inflação tende a cair. 7

8 A curva de Phillips pode ser ilustrada graficamente, com a variação da taxa de inflação em um eixo e a taxa de desemprego no outro. 9. DETERMINANTES DAS VARIAÇÕES NA PRODUÇÃO Em períodos curtos de tempo (ou seja, no curto prazo), as variações na produção dependem basicamente de variações na demanda por bens e serviços. Em períodos longos de tempo (ou seja, no longo prazo), as variações na produção dependem de fatores de oferta, tais como o estoque de capital, o tamanho e a capacitação da força de trabalho e a tecnologia. Em períodos de tempo que variam entre o curto e o longo prazo (ou seja, no médio prazo), tanto fatores da demanda como da oferta induzem a variações na produção. 10. CONSTRUÇÃO DO PIB REAL E DAS SÉRIES DE ÍNDICES A construção do PIB Real acima descrita recorre ao mesmo conjunto de preços para um ano particular: este ano é denominado ano-base. Há várias questões associadas à utilização dessa abordagem no cálculo do PIB Real: (1) a escolha de um ano-base específico estabelece os pesos (isto é, os preços) atribuídos a cada bem ou serviço, mas nós sabemos que os preços relativos se alteram no tempo; (2) como os preços relativos se alteram ao longo do tempo, as taxas calculadas de crescimento do PIB Real vão depender do ano-base escolhido; e (3) quando varia o ano-base, as taxas calculadas de crescimento do PIB Real irão variar. Para evitar tais problemas, os economistas utilizam-se agora de séries de índices de modo a poderem calcular as taxas de crescimento do PIB Real. Isso envolve vários passos, a saber: A taxa de crescimento do PIB Real entre 1999 e 1998 está baseada na utilização de preços médios em 1998 e A taxa de crescimento do PIB Real entre 2000 e 1999 se baseia na utilização de preços médios em 2000 e Obtém-se um índice do PIB Real ligando/vinculando as taxas calculadas de variação para cada ano. O índice é fixado como igual a um para algum ano escolhido arbitrariamente (1992). Ao se multiplicar este índice pelo PIB Nominal em 1992 (o ano para o qual o índice é igual a um), obtemos uma medida do PIB Real em dólares de Dica de Aprendizagem Alguns professores enfatizarão o material contido no Apêndice 1 do texto. Uma revisão sucinta do material no Apêndice 1 foi incluída na seção que se segue. Esta revisão contém um sumário deste material e algumas perguntas. Você deve dar uma olhada neste material e trabalhar utilizando os problemas. 8

9 APÊNDICE 1 CONTAS NACIONAIS RENDA E PRODUTO OBJETIVOS, REVISÃO E MATERIAL DE INSTRUÇÃO Alguns instrutores gastam um tempo considerável com o material incluído neste apêndice. Se é o caso do seu instrutor, procure dar uma revisada no material incluído abaixo. Sugerimos que seja repassado, mesmo se não for motivo de ênfase. Após passar por este apêndice e pelo material seguinte, você estará em condições de: (1) Reconhecer que há uma ótica da renda e uma ótica do produto nas Contas Nacionais. (2) Perceber a distinção entre Produto Interno Bruto (PIB) e Produto Nacional Bruto (PNB). (3) Compreender os componentes da renda nacional. (4) Compreender a relação entre renda nacional, renda pessoal e renda pessoal disponível. (5) Conhecer os componentes do Produto Interno Bruto com base na ótica do produto nas contas nacionais. (6) Reconhecer que precisamos de atenção e cuidado ao interpretar o Produto Interno Bruto como medida da atividade econômica e ao examinar os componentes do Produto Interno Bruto. 1. OA CONTAS DE RENDA E PRODUTO As contas de renda das contas nacionais ilustra a relação entre o PIB, o PNB, a renda nacional, a renda pessoal e a renda pessoal disponível. As contas do produto das contas nacionais enfoca os bens e serviços comprados pelas famílias, empresas e governos (em todos os níveis). A ótica do dispêndio (ou do gasto) mostra que o PIB é igual à soma do consumo, compras do governo, investimento, exportações líquidas e variações de estoque. 2. A RELAÇÃO ENTRE O PIB E O PNB O PIB é o valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos pelos fatores de produção (isto é, trabalho, capital, etc) dentro de um país. O PNB é o valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos por fatores de produção fornecidos por residentes deste país. Recebimentos de renda dos fatores provenientes do resto do mundo representam renda de capital daquele país ou de residentes do país que estejam no exterior. 9

10 Pagamentos de renda dos fatores ao resto do mundo representam renda recebida por capital estrangeiro ou por trabalho de estrangeiros no país. Dicas de Aprendizagem Para compreender a diferença entre o PIB e o PNB, lembre que o PIB é o valor de todos os bens e serviços produzidos pelo trabalho e outros insumos dentro, por exemplo, dos Estados Unidos. Uma parte do trabalho e de outros insumos localizados dentro dos Estados Unidos é fornecida por residentes estrangeiros. Ao mesmo tempo, uma parte do trabalho e do capital fora dos Estados Unidos é fornecida por residentes dos Estados Unidos. Para se chegar ao PNB, nós: (1) primeiramente, acrescentamos ao PIB os recebimentos de rendas dos fatores do resto do mundo e, então, (2) subtraímos do PIB os pagamentos de rendas dos fatores do resto do mundo. O resultado líquido é o PNB. 3. COMPONENTES DA RENDA NACIONAL A Renda Nacional é igual à soma dos seguintes tipos de renda: Pagamentos de empregados: salários, ordenados e outros ajustes Lucros de empresas Juros líquidos: juros líquidos pagos pelas empresas e juros líquidos pagos pelo resto do mundo Rendas de autônomos: rendimentos de indivíduos que trabalham por conta própria Rendas de aluguéis: rendas de imóveis mais rendas imputadas de casas e apartamentos ocupados pelos próprios proprietários 4. RENDA NACIONAL, RENDA PESSOAL E RENDA PESSOAL DISPONÍVEL Nem toda a Renda Nacional vai para as famílias. Para se chegar à renda pessoal, partindo da Renda Nacional, temos que: Subtrair os lucros das empresas Acrescentar de volta aquela fração dos lucros das empresas que os indivíduos recebem como renda de dividendos pessoais Subtrair todos os pagamentos líquidos de juros das empresas Acrescentar de volta os pagamentos líquidos de juros das empresas que as famílias recebem Acrescentar as transferências 10

11 A renda pessoal é a renda efetivamente recebida pelas famílias. Para se chegar à renda pessoal disponível, devemos: Subtrair da renda pessoal os impostos pessoais e os pagamentos pára-fiscais. A renda pessoal disponível representa a renda que permanece disponível para as famílias após os impostos, pagamentos à previdência, etc. 5. A VISÃO DO PIB DA ÓTICA DO DISPÊNDIO OU DO GASTO Para entender esta ótica do PIB, imagine simplesmente os bens e serviços finais comprados pelas famílias, pelo governo e pelas empresas. As despesas de consumo pessoal (consumo) são iguais à soma dos bens e serviços adquiridos por pessoas residentes nos Estados Unidos e incluem a aquisição de: (1) bens duráveis; (2) bens não duráveis; e (3) serviços. O investimento fixo doméstico privado bruto (investimento) é a soma do investimento não residencial (novas fábricas, equipamentos e maquinário) com o investimento residencial (a aquisição de novas casas e apartamentos pelas pessoas). As compras do governo (nos níveis federal, estadual e municipal) são iguais à aquisição de bens e serviços pelos governos mais o pagamento da remuneração dos empregados do governo. Dicas de Aprendizagem De fato, nas contas nacionais brasileiras aparece o consumo do governo e seus investimentos. O governo consome tudo que produz que são serviços não mercantis (não são vendidos em mercado). O valor dos serviços não mercantis produzidos pelo governo é calculado somando seu consumo intermediário com as remunerações de seus empregados (civis e militares) As aquisições do governo NÃO incluem os pagamentos de transferência ou os pagamentos de juros sobre a dívida As exportações líquidas (a balança comercial) é igual às exportações menos as importações, onde: (1) As exportações correspondem às aquisições, pelo exterior, de produtos dos Estados Unidos (Brasil); e (2) as importações correspondem às aquisições de bens produzidos no exterior por residentes dos Estados Unidos (Brasil). 11

12 As variações nos estoques equivalem às alterações no volume físico dos estoques mantidos pelas empresas. È também igual à produção menos vendas e, portanto, pode ser tanto positiva como negativa ou igual a zero. 6. ADVERTÊNCIAS O PIB e o PNB não são medidas perfeitas da atividade econômica agregada. Por quê? Alguma atividade econômica (como, por exemplo, os trabalhos domésticos das donas de casa ) se dá fora dos mercados formais e, por conseguinte, está excluída tanto do PIB como do PNB. A classificação de algumas despesas pode parecer inconsistente. Por exemplo: (1) A aquisição de novas máquinas pelas empresas (as quais produzirão bens futuramente) é investimento, ao passo que a aquisição de educação (a qual permitirá aos indivíduos produzirem no futuro bens e serviços) é encarada como consumo; e (2) A aquisição de uma nova casa ou apartamento é investimento, enquanto que os serviços habitacionais proporcionados pelo novo imóvel estão incluídos no consumo. 12

13 EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2 DO BLANCHARD TESTE O SEU CONHECIMENTO 1. Defina Produto Interno Bruto. 2. Explique a diferença entre o PIB Nominal e o PIB Real. 3. O que constitui a formação hedônica de preços utilizada para se calcular o PIB? Explique. 4. O que mede a taxa de desemprego? Explique em poucas palavras como é calculada? 5. O que é o deflator do PIB e como é calculado? 6. O que é o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e como é calculado? 7. Por qual razão devemos nos preocupar com um aumento na taxa de desemprego? Explique concisamente. 8. Aumentos na taxa de inflação podem provocar efeitos negativos na economia. Explique em poucas palavras dois (2) desses efeitos. 9. O que devemos entender por lei de Okun? 10. O que a curva de Phillips representa? 11. Como se calcula o PIB Real usando séries de índices? PROBLEMAS DE REVISÃO 1. Considere uma economia imaginária que produz apenas três bens bifes, ovos e vinho. Os dados das quantidades e preços de cada bem vendido durante dois anos são informados abaixo: Produção Bifes (libras) 10 7 Ovos (dúzias) Vinho (garrafas) 8 11 Preço Bifes (libra) $ 2,80 $ 3,10 Ovos (dúzia) $ 0,70 $ 0,85 Vinho (garrafa) $ 4,00 $ 4,50 13

14 Para essa economia hipotética, calcule o dado que se requer para cada um dos anos: a. O PIB Nominal b. O PIB real em dólares constantes de 1987 (i.e., tome 1987 como ano-base) c. O deflator do PIB d. A variação percentual do PIB Real e do deflator do PIB entre 1987 e Com base em sua análise no exercício 1, pergunta-se: o PIB nominal em 1987 era maior, menor ou igual ao PIB Real em 1987? Se os valores para o PIB Nominal e Real em 1987 diferem, explique por que isso ocorre. 3. Suponha que você receba as seguintes informações sobre uma economia, a qual consiste de apenas três empresas. COMPANHIA MONTADORA EMBALADORA DE SIDERÚRGICA DE CARROS LAGOSTAS Receitas de vendas $ 400 $ 1000 $ 200 Despesas - Salários $ 340 $ 500 $ compras de aço - $ Lucros $ 60 $ 100 $ 40 a. Utilizando a abordagem dos bens finais, de quanto é o PIB? b. Calcule o valor adicionado para cada uma das três empresas. Com base em seus cálculos, de quanto é o PIB, utilizando-se a abordagem do valor adicionado? c. A quanto soma a massa salarial (total de salários ou rendimentos do trabalho) nesta economia? Qual o total de lucros nesta economia? Utilizando seus cálculos e a abordagem pelo lado da renda, de quanto é o PIB? d. Compare os níveis do PIB obtidos nos itens (a), (b) e (c). Qual dessas abordagens apresenta o maior nível do PIB? E qual o menor? Explique. e. Com base em sua análise, qual o percentual do PIB alocado: (1) aos rendimentos do trabalho; e (2) aos lucros? 4. Suponha que o PIB Nominal em 1999 tenha crescido de 7% (sobre o nível de 1998). Com base nesta informação, o que aconteceu com a taxa de inflação (medida pelo deflator do PIB) e de crescimento real do PIB entre 1999 e 1998? Explique. 14

15 5. Utilize os dados abaixo para responder às seguintes questões: 3 Ano PIB Nominal Deflator do PIB PIB Real (bilhões de dólares) (1987 = 1) (em dólares de 1987) ,2 0, , , ,6 0, ,9 1, ,4 1, ,8 1, , ,8 1, ,2 4979, ,3 1,235 Fonte: Survey of Current Business, Setembro de 1994 a. Qual foi o PIB Nominal em 1985? Qual o deflator do PIB em 1992? b. Utilizando o deflator do PIB (pelo qual 1987 =1), calcule o PIB real para os demais anos. Em quais desses anos, se é que em algum, o PIB Real caiu? Se, de fato, ocorreram reduções no PIB Real, o que isso nos diz acerca do nível de atividade econômica naqueles anos? c. Com base em seus cálculos no item (b), compare os níveis do PIB Real com os níveis do PIB Nominal para cada ano. O que sugere esta comparação acerca dos preços (daquele ano com relação a 1987 )? d. Explique por que os economistas se centram no PIB Real mais do que no PIB Nominal ao analisarem o nível da atividade econômica. 6. Explique concisamente como o PIB Nominal pode aumentar e o PIB Real diminuir em um mesmo período de tempo. 7. Suponha que uma economia produza apenas três bens: batatas, automóveis e computadores. Suponha, além disso, que, nos últimos dez anos, o preço real das batatas aumentou 20%, o dos automóveis 50% e o preço real dos computadores não variou. Se um índice hedônico de preços fosse calculado para cada um dos três bens ao longo deste período, como a formação hedônica de preços afetaria a variação do preço do bem ao longo do período (quando comparada à variação real do preço, seria maior, menor ou a mesma)? Explique. 3 As contas nacionais brasileiras são produzidas pelo IBGE (www.ibge.gov.br). Nas contas sinóticas, tabela 5, há informações sobre o PIB brasileiro (total e per capita) a preços correntes (valores nominais), a preços do ano anterior (valores reais) e as variações anuais dos deflatores do PIB. Como exercício, escolha um ano base e transforme os valores reais a preços desse ano base e construa uma série de deflatores referente a esse ano base. 15

16 8. Suponha que você receba as seguintes informações sobre uma economia. Há 100 milhões de indivíduos em idade de trabalhar nesta economia. Desses 100 milhões, 50 milhões estão trabalhando, 10 milhões estão procurando trabalho, 10 milhões pararam de procurar trabalho há dois meses e os restantes 30 milhões não querem trabalhar. a. Calcule o número de indivíduos desempregados, o tamanho da força de trabalho, a taxa de desemprego e a taxa de participação. b. Suponha, agora, que, dos 10 milhões de indivíduos procurando trabalho, 5 milhões parem de procurar. Tendo em vista essa mudança, calcule o que acontecerá ao tamanho da força de trabalho, à taxa de desemprego e à taxa de participação. A taxa de desemprego e a taxa de participação se deslocaram na mesma direção? Explique. c. Utilize os números originais para responder ao item (c). Suponha que as empresas experimentem um aumento na demanda por seus produtos e que respondam pelo aumento do emprego. Em particular, 2 milhões de indivíduos anteriormente desempregados passam agora a ter empregos. Dada essa mudança, calcule o que acontecerá à força de trabalho, à taxa de desemprego e à taxa de participação. d. Se os trabalhadores desalentados fossem oficialmente contabilizados como desempregados, explique o que ocorreria a: (1) o tamanho da força de trabalho; (2) o número de indivíduos empregados; (3) o número de indivíduos desempregados; (4) a taxa de desemprego; e (5) a taxa de participação. QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Suponha que o PIB Nominal tenha decrescido durante um determinado ano. Baseado nesta informação, é sempre verdadeiro que: a. o PIB Real tenha caído neste ano b. o deflator do PIB tenha caído neste ano c. o PIB Real e/ou o deflator do PIB caíram neste ano d. tanto o PIB Real como o deflator do PIB caíram neste ano 2. Suponha que o PIB Nominal tenha aumentado de 5% em 1996 (sobre o seu nível anterior de 1995). De posse dessa informação, sabemos com certeza que: a. o nível agregado de preços (isto é, o deflator do PIB) aumentou em 1996 b. o PIB Real aumentou em 1996 c. tanto o nível agregado de preços como o PIB Real aumentaram em 1996 d. falta informação para responder a essa questão 3. Suponha que o PIB Nominal em 1980 tenha sido menor do que o PIB Real em De posse dessa informação, sabemos com certeza que: a. o nível de preços (isto é, o deflator do PIB) em 1980 foi maior do que o nível de preços no ano-base b. o nível de preços em 1980 foi menor do que o nível de preços no ano-base c. o PIB Real em 1980 foi menor do que o PIB Real no ano-base d. o PIB Real em 1980 foi maior do que o PIB Real no ano-base 16

17 Utilize os dados fornecidos abaixo para responder às questões 4, 5 e 6. Suponha que esta economia consista de apenas três empresas. COMPANHIA MONTADORA PRODUTORA DE SIDERÚRGICA DE CARROS BATATAS Receitas de vendas $ 600 $ 2000 $ 400 Despesas - Salários $ 440 $ 1200 $ compras de aço - $ Lucros $ 160 $ 200 $ O valor adicionado criado pela montadora de carros é: a. $1400 b. $ 200 c. $ 800 d. $ O valor adicionado criado pela produtora de batatas é: a. $ 140 b. $ 260 c. $ 400 d. $ O PIB para esta economia é: a. $ 3000 b. $ 500 c. $ 2400 d. $ A formação hedônica de preços é utilizada: a. para converter valores nominais em valores reais b. para calcular a diferença entre PIB Nominal e PIB Real c. para medir a taxa de variação do deflator do PIB d. para ajustar o preço dos bens a mudanças em suas características Utilize a informação fornecida abaixo para responder às questões 8 11, que se seguem. Suponha que você recebeu as seguintes informações acerca de uma economia. Há 200 milhões de indivíduos em idade de trabalhar nesta economia. Desses 200 milhões, 100 milhões estão trabalhando atualmente, 20 milhões procurando trabalho, 20 milhões pararam de procurar trabalho há dois meses e os restantes 60 milhões não querem trabalhar. 17

18 8. O tamanho da força de trabalho nesta economia é: a. 200 milhões de indivíduos b. 100 milhões de indivíduos c. 120 milhões de indivíduos d. 140 milhões de indivíduos 9. Considerando as definições correntes, utilizadas para classificar a força de trabalho nos Estados Unidos, o número de indivíduos desempregados nesta economia é de: a. 20 milhões de indivíduos b. 40 milhões de indivíduos c. 60 milhões de indivíduos d. 100 milhões de indivíduos 10. Considerando as definições correntes, utilizadas para classificar a força de trabalho nos Estados Unidos, a taxa de desemprego é de: a. 10% b. 16,7% c. 20% d. 14,3% 11. Considerando as definições correntes, utilizadas para classificar a força de trabalho nos Estados Unidos, a taxa de participação nessa economia é de: a. 86% b. 83% c. 70% d. 60% 12. Suponha que um relatório recente indique que o número de indivíduos que caem na categoria de trabalhadores desalentados tenha aumentado. Com base nas definições utilizadas para determinar o tamanho e a composição da força de trabalho e, considerando que todos os demais fatores permaneçam constantes, este relatório estaria indicando que: a. o número de indivíduos empregados diminuiu b. a taxa de desemprego foi reduzida c. o percentual da força de trabalho que está desempregada aumentou d. aumentou o número de trabalhadores desempregados 13. Considerando as definições correntes, utilizadas para classificar a força de trabalho nos Estados Unidos, qual dos seguintes indivíduos seria considerado como desempregado: a. um indivíduo que não tem trabalho e que parou de procurar trabalho há seis semanas b. um indivíduo que não tem trabalho e que parou de procurar trabalho há cinco semanas c. um indivíduo que tem trabalho, mas que está trabalhando menos de 40 horas por semana (ou seja, trabalha em tempo parcial) d. um indivíduo que não tem trabalho e que está no momento procurando trabalho e. um indivíduo que não tem trabalho e que nunca procura trabalho 14. Suponha que o deflator do PIB no ano t seja igual a 1,2 e a 1,35 no ano t+1. A taxa de inflação entre o ano t e o ano t+1 é: a. 0,15% b. 15% c. 12,5% d.1,125% 18

19 15. Dos itens abaixo, quais preços são incluídos no deflator do PIB, mas não incluídos no Índice de Preços ao Consumidor? a. bens e serviços intermediários b. compras pelas empresas de novas fábricas e novo maquinário c. importações d. bens de consumo e serviços 16. A curva de Phillips ilustra a relação entre: a. variações na taxa de inflação e na taxa de desemprego b. a taxa de desemprego e o crescimento do PIB c. a taxa de desemprego e a taxa de participação da força de trabalho d. a taxa de variação do deflator do PIB e o Índice de Preços ao Consumidor 17. A lei de Okun ilustra a relação entre: a. a taxa de desemprego e a taxa de participação da força de trabalho b. variações na taxa de desemprego e o crescimento do PIB c. a taxa de inflação e a taxa de desemprego d. a taxa de variação do deflator do PIB e o Índice de Preços ao Consumidor 18. No médio prazo, variações no PIB são causadas por variações: a. nos fatores da demanda b. nos fatores da oferta c. nos fatores da demanda e da oferta d. somente da política monetária 19. A taxa calculada de crescimento do PIB Real entre os anos de 2001 e 2002 estará baseada em qual dos seguintes anos, utilizando-se a metodologia corrente (isto é, deséries de índices)? a. a média dos preços em 2001 e 2002 b. os preços no ano-base, 1992 c. a média dos preços em 2002 e 2003 d. os preços em

20 PROBLEMAS DE REVISÃO DO APÊNDICE 1 1. Defina Produto Nacional Bruto (PNB). 2. Com base na visão da ótica do produto nas contas nacionais, indique quais são os componentes do PIB. 3. Dê duas razões pelas quais a Renda Nacional não é igual à Renda Pessoal. 4. Por que a renda pessoal disponível é menor do que a renda pessoal? 5. Quais são os dois componentes do investimento interno privado bruto? 6. Quais são os três componentes do consumo? 7. As exportações líquidas podem ser negativas? Se sim, explique em breves palavras. 8. a) Em um determinado ano, é possível que o PNB de um país seja maior do que o seu PIB? Se sim, explique em breves palavras. b) Em um determinado ano, é possível que o PNB de um país seja menor do que o seu PIB? Se sim, explique em breves palavras. QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Se o PNB exceder o PIB, sabemos com certeza que: a. existe um déficit orçamentário b. existe um déficit comercial c. a renda recebida do resto do mundo excede os pagamentos de renda feitos ao resto do mundo d. a renda recebida do resto do mundo é menor do que os pagamentos de renda feitos ao resto do mundo 2. O Produto Nacional Líquido (PNL) é igual a: a. o PIB menos o consumo de capital fixo b. o PNB menos o consumo de capital fixo c. a renda pessoal disponível mais o pagamento líquido de juros d. a renda pessoal mais o pagamento líquido de juros 3. Qual item dos apresentados abaixo NÃO é um componente da Renda Nacional? a. salários e ordenados b. os lucros das empresas c. a renda de aluguel d. os impostos indiretos 20

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Macroeconomia. Economia

Macroeconomia. Economia Macroeconomia Economia Fluxo de renda Comecemos então com o modelo simples de fluxo circular de renda. Bens e serviços vendidos Mercado de Bens e serviços Bens e serviços comprados Receita Despesa Empresas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MACROECONÔMICA PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

Glossário Termos técnicos utilizados

Glossário Termos técnicos utilizados BALANÇA COMERCIAL BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BENS DE CAPITAL BENS DE CONSUMO (DURÁVEIS/NÃO DURÁVEIS) BENS INTERMEDIÁRIOS CAPACIDADE INSTALADA Apresentação do valor das exportações e importações de

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09 MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Noções de Economia Módulo III 8. Conceitos Fundamentais de Macroeconomia A Macroeconomia trata do estudo dos agregados econômicos, de seus comportamentos e das

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES LISTA 3A Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional,

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

LISTA 3A. Conceitos importantes: 1) Definição de produto. 2) Fluxo circular da renda ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 3A Introdução à Economia 1

LISTA 3A. Conceitos importantes: 1) Definição de produto. 2) Fluxo circular da renda ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 3A Introdução à Economia 1 LISTA 3A Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 4) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa; 5) As diversas medidas do produto: interno/nacional,

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS As quantidades totais de alimento e vestuário, dois bens normais, são fixas e positivas, e pertencem às famílias A e B, com curvas de indiferença bem comportadas. Partindo de

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

1. (IJSN II, EEPG Economia e Estatística, 2010) Com relação aos elementos básicos da teoria do crescimento, julgue os itens seguintes

1. (IJSN II, EEPG Economia e Estatística, 2010) Com relação aos elementos básicos da teoria do crescimento, julgue os itens seguintes 1. (IJSN II, EEPG Economia e Estatística, 2010) Com relação aos elementos básicos da teoria do crescimento, julgue os itens seguintes [104] Segundo o modelo de crescimento econômico de Solow, se a produtividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 2 Actividade Económica, Produção

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007 (continua) Produção 2 992 739 1 522 125 Consumo intermediário Impostos sobre produtos 229 673 Subsídios aos produtos (-) 339 2003 1 699 948 Produto Interno Bruto Produto interno bruto 1 699 948 671 872

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009

Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009 Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009 O Sistema de Contas Nacionais e a Conta do Resto do Mundo O Sistema

Leia mais

Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana

Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana 1 Aula 7: A Macroeconomia Keynesiana Nesta nossa 7ª aula, nós estaremos entrando no cerne da macroeconomia propriamente dita, introduzindo a chamada teoria macroeconômica keynesiana cuja principal característica

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Rubens Penha Cysne 27 de Maio de 2008 Recentemente, anunciou-se que o Brasil passou de devedor a credor internacional. Isto significa que sua Dívida

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Como os impostos afetam o crescimento econômico?

Como os impostos afetam o crescimento econômico? Como os impostos afetam o crescimento econômico? Adolfo Sachsida * (sachsida@hotmail.com www.bdadolfo.blogspot.com) I. Introdução Somente a morte e os impostos são inevitáveis (Benjamin Franklin) Os impostos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais