X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB"

Transcrição

1 X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil Resumo. Este trabalho apresenta a descrição sobre x3dom e WebGL, que são tecnologias utilizadas para a renderização de objetos 3D em navegadores web, tendo como objetivo apresentar um estudo sobre suas estruturas e a forma de interação entre tecnologia-navegador, estabelecendo uma como principal destaque no mercado de 3D na web atual e futuro, utilizando artigos, livros e informações publicadas na web por importantes instituições de ensino e empresas de desenvolvimento 3D. Após o estudo chegou-se à conclusão que a WebGL tem se sobressaído em relação ao x3dom, tornando-se uma grande tendência a liderança no mercado 3D voltado para a Web. 1. Introdução A internet é a tecnologia que mais tem crescido no mundo nos dias atuais, e tem se tornado mais acessível aos mais diversos públicos. De acordo com o IBOPE, em uma pesquisa realizada no segundo trimestre de 2013, revelou que o número de usuários da grande rede de computadores aumentou 10,8 milhões em relação ao segundo trimestre do ano anterior. Essa enorme gama de usuários da internet leva aos desenvolvedores de outras tecnologias, como o 3D, a utilizarem os navegadores web como meio de intermediação entre usuário e aplicação. O 3D é uma tecnologia que consiste em exibir objetos, cenas e cenários virtuais em três dimensões, reproduzindo uma percepção de um mundo real. Esta tecnologia já utiliza os navegadores web como forma de interação com seus usuários em diversas áreas de aplicação, como em games e apresentações online. Ao longo dos últimos anos surgiram várias ferramentas que, instaladas nos navegadores, possibilitam a reprodução do 3D. No entanto, essas ferramentas podem afetar a aparência do objeto quando reproduzido em navegadores distintos, comprometendo a qualidade da renderização, além do fato de causar transtornos aos usuários, como as frequentes atualizações das mesmas. A fim de solucionar estes problemas, assim como transformar os navegadores web independentes de plug-ins, algumas tecnologias alternativas foram criadas, como o x3dom e a WebGL. Este artigo objetiva-se a esclarecer o que são essas tecnologias e como elas são interpretadas pelos navegadores, a fim de chegar a uma conclusão sobre qual se destaca em relação ao mercado 3D atual e futuro.

2 2. Metodologia Para a realização deste trabalho foi realizado uma revisão bibliográfica em conteúdo disponível na web, em web sites de empresas e instituições cujo as informações obtidas são de total confiança. 3. Desenvolvimento 3.1 x3dom x3dom É um framework baseado na linguagem X3D desenvolvida pela comunidade W3DC (Web 3D Consortium) que permite visualização de objetos, cenas e aplicações 3D [X3dom, S.d]. É uma linguagem para o desenvolvimento de conteúdo 3D em páginas HTML5 integrando uma cena X3D com o HTML, a cena X3D é representada como um elemento DOM do HTML, não é necessário o uso de nenhum plug-in para a renderização [Lemos, S.d] X3D O X3D (extensible 3D), surgiu nos anos 2000 como uma nova extensão do VRML97, antigo padrão para desenvolvimento 3D na Web. [Quintella, 2010]. Combinando geometria e descrições de comportamentos instantâneos em um arquivo estendido a vários formatos, incluindo o XML (Extensible Markup Language). De acordo com dados obtidos da Divisão de Bibliotecas e Documentação - PUC- Rio, suas principais funcionalidades são: Gráficos 3D: Geometria poligonal, geometria paramétrica, transformações hierárquicas, iluminação, materiais e mapeamento de textura; Gráficos 2D: Texto, vetor 2D e formas planares desenhadas sobre transformações 3D hierárquicas; Animações: Timers e interpoladores para lidar com animações contínuas; Interação com o usuário por meio de mouse e teclado; Navegação: Câmeras, movimento do usuário na cena 3D, detecção de colisão, proximidade e visibilidade; Rede: Habilidade de compor uma cena 3D por meio de recursos localizados em outros pontos na rede, hiperelos para objetos de outras cenas ou recursos na web; Objetos definido pelo usuário: habilidade de estender as funcionalidades do exibidor X3D por meio da criação de tipos de dados definidos pelo usuário (PROTOS); Extensão por meio de scripts: É possível a alteração da cena dinamicamente por meio de linguagens de programação imperativas, de sistema ou de script; Simulação física: Animação de humanoides, dados geoespaciais, integração com protocolos de Simulação Interativa Distribuída (DIS) Como os Navegadores Interpretam o código x3dom O código deve ser inserido dentro das tags<x3d></x3d>, no corpo do código HTML, porém, elas não são reconhecidas como tags nativas do hmtl5, sendo necessária a importação de referências no cabeçalho do código HTML. A figura 1 apresenta as importações necessárias para o reconhecimento do x3dom:

3 Figura 1: Importações necessárias para o reconhecimento do x3dom no HTML5 3.2 WEBGL WebGL é uma API gráfica de baixo nível definida como padrão 3D para a web pela W3C, aproveita todo o poder do hardware do computador usando JavaScript. Ela possibilita a renderização de gráficos 3D nos navegadores sem a necessidade de plugins [Parisi, 2014] Na descrição fornecida no web site oficial do grupo Khronos (grupo que desenvolve e mantem a API) diz que WebGL é uma api muiltiplataforma de livre uso e acesso baseado na biblioteca do OpenGL ES (embarked systems) na versão 2.0 para a web com um contexto de desenho 3D de baixo nível para ser implantado dentro do HTML. Utiliza a linguagem de sombreamento GLSL (GL Shading Language) ES, podendo ser usando sozinha ou com outros conteúdos da Web em qualquer lugar da página. Ideal para aplicações web dinâmicas em 3D que utilizam javascript e será totalmente integrada nos principais navegadores. Parisi (2014) analisou essa descrição, e dela retirou várias ideias que podem ser utilizadas entender melhor o que é WebGL e como é estruturada e organizou-as em tópicos: WebGL é uma API: WebGL é acessado exclusivamente através de um conjunto de interfaces de programação JavaScript; não há tags explicativas como há com o HTML. Renderização 3D em WebGL é comparado ao desenho 2D usando o elemento Canvas, em que tudo é feito por meio de chamadas de API de JavaScript. Na verdade, o acesso a WebGL é fornecido usando o elemento Canvas existente e obter um contexto de desenho especial específico para WebGL. WebGL é baseada em OpenGL ES 2.0: OpenGL ES é uma adaptação do 3D estabelecido há muito tempo de renderização do OpenGL padrão. O "ES" significa "sistemas embarcados", o que significa que foi adaptado para o uso em dispositivos de computação pequenas, principalmente celulares e tablets. OpenGL ES é a API que os iphones, ipads, celulares Android e tablets Android utilizam para renderizar gráficos 3D. Os designers da WebGL sentiram que, baseando a API em dimensões reduzidas do OpenGL ES, seria mais viável para distribuir uma API 3D cross-plataform (multiplataforma), cross-browser (multi-navegadores) consistente para a web. WebGL combinada com outros conteúdos da web. WebGL pode estar em qualquer lugar ou lugares da página. O Canvas 3D pode pegar apenas uma parte da página, ou a página inteira. Ele pode residir dentro das tags <div>. Isso significa que você desenvolve seus gráficos 3D usando WebGL, mas todos os seus outros elementos são construídos usando componentes do HTML.

4 WebGL é construído para aplicações web dinâmicas. WebGL foi criado com a distribuição para a web em mente. WebGL é baseada em OpenGL ES, mas foi adaptada com características específicas que se integram bem com navegadores web, o trabalho com a linguagem JavaScript, e são amigáveis para web. WebGL é multi-plataforma. WebGL é capaz de rodar em qualquer sistema operacional, em dispositivos que vão desde telefones e tablets a computadores desktop. WebGL é livre de royalties. Como todas as especificações da web abertas, WebGL é livre para usar. É uma gratuita. A WebGL utiliza o elemento canvas do HTML5, que por sua vez é nativo da linguagem, não sendo necessária a importações de bibliotecas externas para reconhecer a linguagem, sendo obrigatório apenas obter o contexto de desenho dentro do corpo do código HTML5, referenciando a API WebGL. A figura 2 apresenta um método que obtém o contexto desenho WebGL. Figura 2: Obter contexto de desenho WebGL 4. Considerações Finais O x3dom se destaca pela facilidade de desenvolvimento, pois, traz com ele uma linguagem mais simples e mais madura, em contrapartida, seus métodos de conversão de objetos 3D em diversos formatos para o x3dom, são limitados em relação ao métodos encontrados para a conversão desses objetos para WebGL. A WebGL por se tratar de uma linguagem de mais baixo nível, se torna muito complexa para desenvolvedores iniciantes, porém, já traz consigo várias bibliotecas e toolkits para o auxílio no desenvolvimento, e mesmo sendo uma técnica nova, já é utilizada em inúmeras aplicações web. Por esses motivos, conclui-se que a WebGL se sobressai em relação ao x3dom, se tornando uma grande tendência a liderança no mercado de desenvolvimento 3D para web. 5. Referências Bibliográficas QUINTELLA, F., et al. DWeb3D: Um toolkit para facilitar a criação e manipulação de cenas 3D em X3D. Disponível em: < > Acesso em: 18 ago PUC-RJ Principais Funcionalidades do X3D. Disponível em <http://www2.dbd.pucrio.br/pergamum/tesesabertas/ _10_cap_03.pdf> IBOPE Número de pessoas com acesso à internet no Brasil chega a 105 milhões. Disponível em: <http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/numero-de-pessoascom-acesso-a-internet-no-brasil-chega-a-105-milhoes.aspx>

5 X3DOM About X3DOM. Disponível em: < > LEMOS, Marcílio., MACHADO, Liliane. Novas tecnologias para o desenvolvimento de conteúdo 3D para web. Disponível em <http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/srv/2012/0012.pdf> Khronos. WebGL. Disponível em <http://www.khronos.org/webgl> Acesso em: 18 ago PARISI, T. Programming 3D applications with HTML5 and webgl. Sebastopol: O Reilly, p. [e-book]

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Sergio N. Ikeno¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sergioikn@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo.

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

HTML5 E SUAS NOVIDADES

HTML5 E SUAS NOVIDADES HTML5 E SUAS NOVIDADES Gabrie Dalla Porta 1, Julio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil gabrieldallap@gmail.com, juliocesarp@gmail.com Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 Alex de Andrade Catini¹, Tiago Piperno Bonetti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Alex.catini@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo:

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Vitor Paulo Silva Se você é um projetista e sua principal ferramenta de trabalho é o AutoCAD ou o Revit, certamente você já se deparou com

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Estrutura da Página

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Estrutura da Página IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo EstruturadaPágina ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo EstruturadaPágina

Leia mais

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Ricardo Alexandre G. C. Martins, José Carlos Ramalho, and Pedro Rangel Henriques \{ram,jcr,prh\}@di.uminho.pt Departamento de Informática

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica

VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica SAMUEL ANDERSON NUNES ORIENTADOR: DALTON SOLANO DOS REIS FURB Universidade Regional de Blumenau DSC Departamento

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

AULA: BrOffice Impress terceira parte. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA: BrOffice Impress terceira parte. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA: BrOffice Impress terceira parte Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer a integração dos softwares do BrOffice; Aprender a trabalhar no slide mestre; Utilizar interação entre

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO Danilo Damaceno Lima 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS),

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

II Semana TI. Curso ASP.NET AJAX. Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com. UNIVEM - Prof. Elvis Fusco

II Semana TI. Curso ASP.NET AJAX. Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com. UNIVEM - Prof. Elvis Fusco II Semana TI Curso ASP.NET AJAX Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com UNIVEM - Prof. Elvis Fusco Apresentação O que é o AJAX? AJAX e o desenvolvedor AJAX para ASP.NET AJAX prático O que é AJAX? AJAX

Leia mais

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO O QUE É MÍDIA DIGITAL? É conjunto de meios de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição de informação na forma escrita, sonora

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Carlos Renato Alves Gouveia Especialista em Engenharia de Web Sites pela UFMS; Professor Universitário

Leia mais

OPINIÃO. O futuro. do Flash

OPINIÃO. O futuro. do Flash O futuro do Flash Testes realizados por sites de grande audiência, como YouTube (http://www.youtube.com/ html5) e Vimeo (http://vimeo.com/blog:268), no uso de players em HTML 5 trouxeram à tona as discussões

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos Aula 3 Email: marcelosantos@outlook.com marcellohenrique@outlook.com Twitter: @marcellohsantos Apresentação Comparativa Apresentação Comparativa O QUE É UMA GAME ENGINE? Apresentação Comparativa O QUE

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Formação em WEB DESIGN: Projeto 01 - layout (aula 01 & 02*) Em nosso primeiro projeto criaremos um layout para web utilizando um software gráfico.

Formação em WEB DESIGN: Projeto 01 - layout (aula 01 & 02*) Em nosso primeiro projeto criaremos um layout para web utilizando um software gráfico. Formação em WEB DESIGN: O Curso de WebDesign da Imagine School tem duração de 06 meses e se destina a todos aqueles que desejam conhecer o mundo de desenvolvimento para a web. Durante o curso, veremos

Leia mais

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Linha : a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Leve Criado apenas com a funcionalidade que você precisa Barato Do uso gratuito ao licenciamento flexível Eficiente Software fácil de usar e

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

PHP Material de aula prof. Toninho (8º Ano)

PHP Material de aula prof. Toninho (8º Ano) Na aula anterior entendemos como se faz o acesso aos nossos arquivos PHP; Como construir um script em php. Nesta aula (3) vamos entender: Como roda o PHP Inserindo comentários Visualizando páginas a partir

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

Produtos da Fábrica de Software

Produtos da Fábrica de Software Produtos da Fábrica de Software Módulo Biométrico Computer ID - MBC O que é? O Módulo Biométrico Computer ID é um produto, constituído por componentes de software, cuja finalidade é oferecer recursos tecnológicos

Leia mais

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo Mapserver Servidor de Mapas João Araujo Por que fazer mapas? Mapas têm tido papel prepoderante nas atividades humanas por milhares de anos. Desde o início, mapas eram usados para mostrar onde as coisas

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

COMO FUNCIONA UM ANTIVÍRUS E QUAIS SUAS PRINCIPAIS FALHAS

COMO FUNCIONA UM ANTIVÍRUS E QUAIS SUAS PRINCIPAIS FALHAS COMO FUNCIONA UM ANTIVÍRUS E QUAIS SUAS PRINCIPAIS FALHAS Luiz Guilherme de Barros Almeida ¹, Júlio Cesar Pereira ¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil luizguilhermescmc@gmail.com Resumo.

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Manual do Usuário - VisPublica Melise Paula Fernanda Ribeiro Bárbara Pimenta Clóvis Noronha Luan Costa Mário Macedo

Manual do Usuário - VisPublica Melise Paula Fernanda Ribeiro Bárbara Pimenta Clóvis Noronha Luan Costa Mário Macedo Manual do Usuário - VisPublica Melise Paula Fernanda Ribeiro Bárbara Pimenta Clóvis Noronha Luan Costa Mário Macedo Manual do Usuário VisPublica Visualização de Dados Públicos Desenvolvido por: Instituto

Leia mais