Transporte urbano - Táxi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transporte urbano - Táxi"

Transcrição

1 Hugo Chinaglia ( ) Isabela Gallego ( ) Lucas Morita ( ) Marcella Monaco Jyo ( ) Transporte urbano - Táxi Desenvolvimento o projeto e proposta final FAU-USP 2010

2 Hugo Chinaglia ( ) Isabela Gallego ( ) Lucas Morita ( ) Marcella Monaco Jyo ( ) Transporte urbano - Táxi Desenvolvimento o projeto e proposta final AUP Projeto e Prouto 6 Prof. Dr. João Bezerra e Menezes PRO Projeto e Engenharia o Prouto 3 Prof. Anré Leme Fleury Design 6º Semestre FAU-USP 2010

3 Sumário 1. Introução Análise o mercao Caracterização geral Clientes (oportuniaes e ameaças) Concorrentes (forças e fraquezas) Proutos substitutos Forneceores Levantamento e informações Técnicas para levantamento e informações Métoo para aplicação as técnicas para levantamento e informações Resultaos obtios Taxistas Passageiros QFD - Quality Function Deployment Desobramento a voz o cliente (qualiae exigia) Taxistas Passageiros Especificação os principais atributos o serviço (qualiae planejaa) Matriz a casa a qualiae (QFD) Planejamento o serviço Descrição o serviço Elementos o serviço Arquitetura orientaa a serviços Blueprinting Qualiae em serviços Elementos a serem observaos Inicaores propostos para monitoramento Sistemas e controle para monitoramento a qualiae os serviços Resoluções e esenvolvimento o projeto: interior o táxi Organização o espaço Bancos ianteiros e traseiros

4 7.3. Painel Porta-malas e portas em geral Resoluções e esenvolvimento o projeto: exterior o táxi Vistas cotaas Renerings Memorial escritivo Sistemas e componentes Processo e fabricação Desenvolvimento e proução os moelos Interior Exterior Referências bibliográficas Anexos

5 Transporte urbano - Táxi 5 1. Introução O presente relatório estina-se a registrar o esenvolvimento o projeto realizao para a isciplina AUP Projeto e Prouto 6 em conjunto com a isciplina PRO Projeto e Engenharia o Prouto 3, ambas ministraas no curso e Design a Faculae e Arquitetura e Urbanismo a Universiae e São Paulo. A proposta as isciplinas era projetar um táxi, buscano solucionar os problemas existentes no sistema atual e propono também inovações que contribuam para a evolução o serviço, tanto para o taxista quanto para o passageiro. Para ar início ao projeto foi feito um estuo irecionao em torno e um tipo específico e táxi, escolhio por caa equipe. O grupo em questão escolheu os taxistas autônomos e ponto fixo e um bairro e classe méia alta. Durante a fase e pesquisa foram realizaos estuos acerca o conjunto o universo o serviço e táxi: entrevistas com usuários (taxistas e clientes), pesquisas e mercao e campo, entre outros. Os aos coletaos foram trataos permitino a listagem os requisitos e projeto que permearam a fase e esenvolvimento. O esenvolvimento o projeto envolveu tanto o projeto o prouto táxi, como o projeto o serviço táxi. Seno assim o relatório a seguir apresenta too o conteúo prouzio ao longo o semestre, chegano ao resultao final alcançao pelo grupo.

6 Transporte urbano - Táxi 6 2. Análise o mercao 2.1. Caracterização geral O mercao e táxi conta com aproximaamente taxistas em São Paulo. Eles se iviem em taxistas e empresa, e cooperativas, autônomos e pontos fixo e autônomos e rua. Existem algumas iferenças entre esses nichos, como por exemplo, os taxistas e empresa que possuem um vínculo empregatício maior, e geram um lucro que em parte fica concentrao evio a uma hierarquia que organiza a empresa. Já o taxista e cooperativa também gera lucro, mas o vínculo empregatício é menor, não existe uma hierarquia monetária nesse sistema e organização, embora haja um representante, um líer que convoca reuniões, e toma ecisões gerais. O autônomo trabalha livremente, precisano apenas o carro e e um alvará, e too o lucro conseguio com as corrias fica com o próprio taxista, que investe e cuia o carro e e sua manutenção. Too taxista precisa e um alvará para poer trabalhar. Esse alvará poe ser venio, alugao, e até mesmo sorteao, porém ese 1996 a emissão esse ocumento está suspensa. Em termos legais, o alvará só poe ser transferio gratuitamente, sua vena é ilegal. Seguno o DTP Departamento e Transportes Públicos, a frota que roa na ciae é suficiente para atener os paulistanos. Para circular o taxista precisa estar com o alvará ativo, teno então que renová-lo anualmente. No caso e um autônomo, esse alvará poe estar vinculao a um ponto fixo, ou não. Dessa maneira existem autônomos que não possuem ponto, e roam sem ter um local fixo para pegar passageiros. Os alvarás que estão vinculaos a um ponto costumam ter um valor maior já que epeneno o ponto o movimento poe ser maior, e o lucro também. Para o foco o nosso projeto escolhemos o taxista autônomo e ponto fixo. Nossa escolha ocorreu evio aos problemas aos quais um taxista autônomo está exposto, tais como: a segurança tanto urante a viagem como contra a violência, a falta e uma fiscalização eficiente contra outros taxistas concorrentes, a falta e ientificação o ponto a que pertencem, a falta e um sistema mais elaborao que ajue a pegar passageiros, a maior responsabiliae em fazer e aministrar seu trabalho, etc. O taxista autônomo possui algumas características específicas como, por exemplo, a necessiae e conquistar clientes fixos, garantino assim uma rena. Eles precisam estar sempre com boa aparência, e na maioria as vezes gostam e ser simpáticos e manter contato com o passageiro. O carro também eve estar sempre em bom estao e limpo. Em geral, não existe muita competitiviae entre os taxistas autônomos e os outros taxistas e empresa, e cooperativa, etc. Porém existe uma competitiviae entre os próprios carros o ponto fixo. Muitas vezes os passageiros escolhem o carro que esejam fazer a corria. Às vezes a motivação poe ser geraa pelo status que o carro transmite, ou simplesmente pelo espaço necessário exigio pelo passageiro. Os taxistas autônomos sofrem mais com o problema a segurança, não existe uma fiscalização ou uma central que os auxiliem a pegar passageiros. Algumas vezes os taxistas precisam escolher ou até recusar passageiros na rua. Porém, mesmo com algumas esvantagens os taxistas que

7 Transporte urbano - Táxi 7 escolhem ser autônomos optam por isso evio à liberae urante o trabalho, o que exige também uma maior organização e responsabiliae. O horário é mais flexível, e não há um chefe. Os autônomos fazem seu próprio horário e trabalho e chegam a roar aproximaamente 5000km por mês. Caa carro poe ter até 2 motoristas iferentes, que revezam o horário e iviem os gastos e a manutenção o carro. Na compra e um carro os taxistas autônomos possuem cerca e 25% e esconto, por isenção e impostos: Impostos sobre Proutos Inustrializaos (IPI), Imposto sobre Circulação e Mercaorias e Serviços (ICMS) e Imposto Sobre Serviços (ISS). O lampião e o taxímetro só são recebios após o taxista ser registrao. Os carros mais utilizaos nos pontos que serviram como referência pra pesquisa são: Meriva ficha técnica seguno a Quatro Roas Potência cv a 5200 rpm Potência específica - 56,8 cv/litro Minivan, 5 portas, 5 lugares Comprimento cm Largura cm Altura cm Tanque - 52,5 litros Porta-malas litros Peso kg Peso x potência - 12,3 kg/cv Preço básico $ reais (estimao Iea ficha técnica seguno a Auto estraa Potência máxima (ABNT) / regime: 80 cv / rpm (gasolina) - 81 cv/ rpm (álcool ) Combustível: Gasolina/Álcool Peso máximo rebocável (reboque sem freio) 400 Kg Comprimento o veículo mm Largura o veículo mm Altura o veículo mm Altura mínima o solo 150 mm Compartimento para bagagem 380 litros/1.500 litros (banco totalmente rebatio e carga até o teto) Tanque e combustível 48 litros Ciclo urbano 12,7 km/l (gasolina) / 8,9 km/l (álcool) Ciclo estraa 16,6 km/l (gasolina) / 12,2 km/l (álcool) Logan - ficha técnica seguno a Quatro Roas Potência: 110 cv a 5750 rpm Comprimento: 425 cm Largura: 174 cm Altura: 152 cm Peso: kg Peso/potência: 10,3 kg/cv Volumes: porta-malas, 510 litros

8 Transporte urbano - Táxi 8 Combustível: 50 litros Preço: reais (estimao) Siena - Ficha técnica seguno a Quatro Roas Comprimento: 414 cm Largura: 163 cm Altura: 144 cm Peso: 1076 kg Peso/potência: 13,5 kg/cv (G)/ 13,3 kg/cv (A) Peso/torque: 88,2 kg/mkgf (G)/ 86,8 kg/mkgf (A) Porta-malas: 500 L Tanque e combustível: 48 L Preço (estimao): reais Palio Weeken - Ficha técnica seguno a Quatro Roas Comprimento: 422 cm Largura: 163 cm Altura: 152 cm Peso: 1091 kg Peso/potência: 13,6 kg/cv (G)/ 13,5 kg/cv (A) Peso/torque: 89,4 kg/mkgf (G)/ 88,0 kg/mkgf (A) Porta-malas: 460 L Tanque e combustível: 51 L Preço (estimao): reais Zafira - Ficha técnica seguno a Quatro Roas Potência cv a 5400 rpm Potência específica - 68,1 cv/litro Van, 5 portas, 7 lugares Tanque - 58 litros Porta-malas litros (com 5 pessoas) Comprimento: 431,5 cm Largura: 174 cm Altura: 163 cm Peso kg Peso x potência - 10,4 kg/cv Preço estimao: reais 2.2. Clientes (oportuniaes e ameaças) Poemos caracterizar os clientes os pontos pesquisaos (Ponto Araguari e Ponto Henrique Schaumann), majoritariamente, a seguinte forma: - Clientes as classes A e B. Seguno os taxistas, alguns moraores a região pertencentes à classe A costumam ter seus próprios veículos. - A faixa etária varia bastante, ino e crianças a iosos. - Alguns taxistas afirmaram que costumam levar mais mulheres o que homens, enquanto

9 Transporte urbano - Táxi 9 outros consieraram que levam um número próximo e ambos os sexos. Poe-se concluir portanto que evem existir mais clientes o sexo feminino que masculino. As oportuniaes que se apresentam aos taxistas as regiões os ois pontos poem ser resumias à fielização os clientes e à ivulgação e seus serviços nos entornos os bairros. Por exemplo, os taxistas a Rua Araguari poeriam ivulgar o número o ponto pelos préios, escolas e pelos próprios clientes mais freqüentes. Já os o ponto a Henrique Schaumann poeriam tentar conseguir algum tipo e acoro com as empresas existentes na região. As ameaças que se apresentam aos ois pontos são a existência os chamaos piratas e a possibiliae e assaltos. Os piratas são os taxistas que não pertencem ao ponto, mas que mesmo assim o invaem para roubar os clientes. Já a possibiliae e assalto se resume à falta e segurança existente na ciae como um too. Os taxistas o ponto Araguari afirmam que seus clientes são, em sua maioria, resientes o bairro, portanto são pessoas mais conhecias (o fluxo e pessoas não pertencentes ao bairro é menor que no caso o ponto a Henrique Schaumann), iminuino o risco e assaltos Concorrentes (forças e fraquezas) Durante as pesquisas puemos perceber que os principais concorrentes os taxistas autônomos os pontos a Rua Araguari e a Rua Henrique Schaumann são: - Táxis e empresas e cooperativas (raio táxi): a vantagem e um táxi e cooperativa ou e empresa é a comoiae a maneira e como chamar o táxi, garantino (algumas vezes) que esse chegue mais rápio. Além isso, isso exclui a necessiae e eslocar-se até um ponto, ou seja, a vantagem é o sistema que eles utilizam que é mais elaborao, manano sempre o táxi que está mais próximo o cliente.o sistema também poe auxiliar o taxista a pegar mais passageiros. A esvantagem é que você não conhece o taxista, e não mantém uma relação e confiabiliae. A proximiae e um taxista e empresa/ cooperativa com seu cliente na maioria as vezes é menor o que a proximiae e um taxista autônomo, já que esse trabalha apenas com o seu próprio nome, e precisa ganhar clientes fixos para poer garantir um inheiro razoavelmente fixo. Um taxista autônomo também tem mais liberae e investimento os seus lucros, sofre menos estresse por parte e cobranças com base em vínculo empregatício com superiores e horários. De acoro com as entrevistas feitas também puemos observar que a concorrência entre os táxis autônomos e táxis e empresas e cooperativas não é acirraa, já que a clientela atenia por esses ois serviços é iferenciaa. - Táxis piratas (táxis autônomos que não possuem ponto fixo ou que possuem ponto fixo na região): os táxis piratas são aqueles que pegam passageiros em pontos que não são seus. Os táxis que não possuem ponto fixo tem a esvantagem e não serem encontraos em um local específico, e gastarem mais combustível, energia e tempo roano pelas ruas até encontrar um passageiro, e não terem um local como referência em seus caminhos. Os táxis piratas poem atrapalhar a inâmica o ponto e também trazem riscos como ifamar o trabalho os taxistas aquele ponto (por exemplo: um taxista pirata, presta um mal serviço e o passageiro fica com uma má impressão o ponto em que pegou o táxi), outro risco é conquistar clientes fixos e outros taxistas aquele ponto. Uma maneira e tentar evitar isso seria criano um tipo e fiscalização ou ientificano os táxis pelos pontos.último parágrafo...

10 Transporte urbano - Táxi Proutos substitutos Os proutos substitutos poem efinir o sucesso ou o fracasso e um ponto e táxi. Caso os proutos substitutos sejam bons e funcionem e maneira eficiente o ponto poe ter um movimento bem menor, eixano e ter um bom lucro, e propiciano um menor investimento no instrumento e trabalho: o carro. Esses proutos seriam, principalmente: ônibus, metrô e outros transportes coletivos, como trem, fretaos e lotações. Poemos incluir nessa lista também os carros e aluguel, um tipo e serviço e transporte pago iferenciao em que o usuário aluga um carro para irigir urante um certo tempo. Das regiões em que focamos puemos observar algumas iferenças. Na região próxima ao ponto a Rua Araguari os proutos substitutos não funcionam e forma eficiente. Embora os transportes coletivos possuam um preço mais acessível, o local não tem estações próximas e metrô ou e trem, e os ônibus que circulam pela região costumam fazer caminhos em que o trânsito é grane. A região também possui bastantes locaoras e carro, porém o preço é bem alto comparano com os outros proutos substitutos, e existe a esvantagem o usuário irigir o veículo em questão. Dessa maneira, o ponto a rua Araguari não sofre com a presença os proutos substitutos, garantino um grane movimento o ponto. Os táxis possuem um preço mais caro que os emais serviços e transporte (exceto carros e aluguel), mas poem cortar caminho pelas ruas a região fazeno com que o passageiro chegue mais rápio ao seu estino. Além isso, o conforto e a comoiae atraem o público e Moema (região bastante resiencial), que possui um bom poer aquisitivo. Já na região próxima ao ponto a Rua Henrique Schaumann, os proutos substitutos acabam funcionano melhor. Os ônibus a região roam rapiamente, evio a presença o correor e ônibus a Rua Rebouças. E, mesmo que os taxistas também possam utilizar o correor e ônibus (quano estão com passageiros), os ônibus tem um preço mais acessível. É válio salientar que essa região é preferencialmente comercial, fazeno com que uma maior varieae e pessoas circule pela região (iferentes níveis sociais). Os itinerários os ônibus a região a Henrique Schaumann frequentemente passam por locais em que existem opções e estações e metrô e outros tipos e integrações. A região também possui locais para aluguel e carro, mas as esvantagens são as mesmas: preço alto e a necessiae o usuário irigir. Em geral, os proutos substitutos essa região são bons, o que faz com que o ponto a Henrique Schaumann possua um movimento um pouco menor Forneceores Os forneceores e um taxista ou o negócio táxi são aqueles que irão garantir toos os itens necessários para a prestação o serviço. Desse moo, poemos listar os seguintes itens presentes no negócio e seus possíveis forneceores: - Carro: o carro geralmente é aquirio em concessionárias que oferecem isenção e escontos nos veículos que saem e fábrica para servir e táxi. Algumas concessionárias: Chevrolet, Fiat,

11 Transporte urbano - Táxi 11 Volkswagen, For, Hona, entre outras. - Conutax: O taxista precisa realizar um curso especial e treinamento e orientação para conseguir sua licença para irigir. Quem emite o Conutax é o Departamento e Transportes Públicos (DTP/SMT). - Alvará: Atualmente existem aproximaamente alvarás na ciae e São Paulo, mas eles não são mais emitios pela Prefeitura. Para conseguir algum é necessária a transferência gratuita por parte e algum etentor ou a utilização conjunta com outro motorista. - Kit gás: Oficinas especializaas realizam a instalação o kit GNV nos veículos, entretanto o custo costuma ser elevao e o valor não é recuperao na hora a revena. Exemplos e oficinas instalaoras o kit GNV: GNV Anchieta e Gas Point. - Equipamentos para entretenimento: Os equipamentos e entretenimento são os eletrônicos instalaos no carro, tais como ráios, vs, televisão, etc. Poemos citar como forneceores esses aparelhos a Pioneer, Sony, JVC, LG e Bravox. - Equipamentos auxiliares e comunicação e localização: Equipamentos como o GPS e ráios e comunicação próprios para os taxistas ou empresas. Encontramos forneceores como Nextel e Motorola. - Acessórios: Como acessórios, poemos consierar os itens aicionais que o taxista costuma utilizar para facilitar a limpeza o carro ou melhorar o conforto interno proporcionao pelo veículo. Entre eles: capa para o volante (geralmente emborrachaa ou com alguns relevos para melhorar a aerência), capa protetora para os bancos e encosto e bolinhas utilizao por alguns motoristas.

12 Transporte urbano - Táxi Levantamento e informações 3.1. Técnicas para levantamento e informações A pesquisa foi feita em grane parte iretamente com os taxistas e passageiros, afim e escobrir toas as informações que achamos relevantes para o projeto, sem passar por intermeiários, evitano maiores istorções nos aos. Houve conversas informais com os usuários que permitiu posteriormente a elaboração e um questionário estruturao para melhor quantificar as respostas obtias e então elaborar o QFD. O questionário foi ivio em uas partes, uma irecionaa para o taxista, aborano a relação ele com seu carro e também com o passageiro, procurano encontrar as necessiaes e prioriaes os taxistas. A outra parte o questionário se estinou a entener melhor as necessiaes e vontaes o passageiro. Estava incluío em ambas as partes três pranchas A3 com imagens para avaliação pelos usuários, quanto à inovações, formas e marcas. A primeira elas continha projetos recentes e táxi, envolveno projetos tanto conceituais quanto factíveis, e visava verificar a aceitação o usuário frente à inovações na função e na forma. A seguna era para verificar os mesmo quesitos mas agora em relação aos interiores os táxis projetaos. A última por sua vez trazia iversas marcas e concessionárias e ajua a escobrir se há alguma preferência entre os usuários, e se e alguma maneira a imagem que eles possuem a marca traz características relevantes pra efetuar a compra e um carro. Visitamos a feira Táxi Point, one puemos observar alguns carros expostos pelas montaoras Chevrolet, Fiat, Nissan, Renault e Volkswagen. Puemos também realizar testerive e alguns moelos, e encontrar iversas informações sobre sistemas e chamaas, acessórios e forneceores para taxistas. Outra característica que achamos interessante foi a falta e novos projetos, ou e pelo menos carros aaptaos para taxistas. A feira nos trouxe uma maior proximiae com o universo o táxi. Aina contamos com matérias ivulgaas nas revistas VEJA e TÁXI!, iscorreno sobre o mercao o táxi, aos o perfil o taxista e o usuário e a participação o Estao no setor. Usamos também o material fornecio pelos professores incluino esigning the táxi o concurso e esign e táxi para Nova Iorque, que trouxe sugestões e melhorias. E mais pesquisas com base e troca e informações com os outros grupos a sala e através a internet. Seguem os questionários e pranchas aplicaos urante as entrevistas:

13 Transporte urbano - Táxi 13 Questionário Taxistas Informações básicas 1. Nome: 2. Iae: 3. Trabalha como taxista autônomo, e cooperativa, ou e empresa? 4. Há quanto tempo trabalha na profissão? 5. Trabalha em quais ias a semana? 6. Quantas horas por ia? 7. Porque escolheu ser taxista? 8. Como conseguiu ser taxista? 9. Porque escolheu ser autônomo? 10. Há muita concorrência entre táxis autônomos, táxis e empresa ou e cooperativa? Por quê? Relação taxista carro 1. Qual o moelo o seu carro? 2. Porque comprou esse carro? 3. Coloque em orem crescente os motivos que levaram à compra o carro: potência - beleza - economia - resistência - conforto 4. Quais possibiliaes e combustíveis seu carro possui? Qual você prefere? 5. One costuma abastecer? 6. Consierano as conições que você tem agora, qual carro você compraria? Por quê? 7. Sem consierar as conições que você tem agora, qual carro você compraria? Por quê? 8. Você usa o carro apenas para o trabalho? Se usa em outras situações, quais são elas? 9. Faz viagens curtas e longas? A maioria as corrias é curta ou longa? 10. O cinto e segurança te incomoa e alguma maneira? Se sim, como? 11. Quano pega passageiro exige que ele também coloque o cinto? 12. Como guara o inheiro as corrias? 13. Seu carro possui Insulfim? Justifique. 14. Quais tipos e ativiaes realizam entro o carro: comer - ouvir música - ler - eitar/cochilar 15. Leva alimento/ bebia entro o carro? Como acomoa? 16. Leva coisas pessoais (itens e higiene, blusas, jornais, revistas) no carro? Como acomoa? 17. Como e quantas vezes limpa seu carro? 18. A manutenção o seu carro é fácil e ser realizaa? Por quê? 19. Existe um carro que tenha uma manutenção mais rápia que os outros? Por quê? 20. Acha interessante a iéia e existir um carro paronizao para taxiar? Por quê? 21. Utiliza algum sistema e organização para pegar passageiros? Se sim, qual? Está satisfeito com ele? 22. Gostaria e ter um GPS no carro? 23. Fez alguma aaptação em seu carro? 24. Em ias e chuva, one acomoa os guara-chuvas os passageiros? 25. Já bateu o táxi? O que aconteceu e quano pôe voltar a trabalhar? 26. Seu carro tem seguro? O seguro cobre os ias que você fica sem trabalhar, se a causa for batia ou roubo?

14 Transporte urbano - Táxi 14 Relação taxista passageiro 1.Qual tipo e passageiros costuma levar? 2.Tem preferência o lugar em que o passageiro senta? 3.Gosta e conversar com o passageiro urante a corria? 4.O passageiro costuma reclamar e alguma coisa? O que? 5.Coloque em orem crescente aquilo que você acha ser mais importante para o passageiro: limpeza - ráio e sua preferência - temperatura agraável - insulfim - simpatia o taxista - espaço amplo entro o veículo - bagagens bem acomoaas 6. Possui alguma restrição para pegar passageiro? 7. Escolhe passageiros? Por quê? 8. Quantos passageiros costuma levar por corria? 9. Os passageiros costumam ter bagagem? 10. Quano os passageiros possuem bagagem, como você as acomoa entro o carro? 11. Como acomoa uma criança, ou um bebê? 12. Leva passageiros com animais e estimação? 13. Já levou passageiros com problemas e locomoção (eficientes, iosos, etc)? Teve algum problema? 14. Quais são os horários em que mais leva passageiros? Pranchas emonstrativas 1. Com relação ao painel e exteriores: qual as opções prefere? Por quê? 2. Com relação ao painel e interiores: qual as opções prefere? Por quê? 3. Com relação ao painel e marcas: qual montaora prefere? Por quê?

15 Transporte urbano - Táxi 15 Questionário Passageiros Informações básicas 1. Nome: 2. Iae: Relação passageiro taxista/táxi 1. Costuma pegar táxi em que situações? 2. Como você faz para chamar o táxi? (ponto fixo, ráio táxi, rua, empresa) 3. Costuma pegar táxi autônomo, ou e ponto fixo? Justifique. 4. Você consegue ientificar o táxi facilmente? 5. Você consegue iferenciar quano o táxi está com ou sem passageiro? 6. Coloque em orem crescente aquilo que consiera importante na hora e pegar um táxi: conforto - segurança - comoiae - rapiez 7. Você costuma escolher o carro antes e chamar o táxi? Por quê? 8. Coloque em orem crescente aquilo que você consiera mais importante urante a corria: limpeza - ráio e sua preferência - temperatura agraável - insulfim - simpatia o taxista - espaço amplo entro o veículo - bagagens bem acomoaas 9. Costuma levar bagagem? 10. One coloca a bagagem? Já teve algum problema? 11. Como classifica o conforto acústico e o conforto térmico o táxi? 12. Gosta e ter acesso as informações a viagem, como rota, ou taxímetro? Por quê? 13. Se sente seguro pegano táxi? 14. O que traria maior segurança e confiabiliae ao pegar táxi? 15. Tem preferência por algum táxi? Qual? 16. Quano pega um táxi one costuma sentar? 17. Quais ativiaes abaixo costuma realizar urante a corria: ( ) comer ( ) cochilar ( ) conversar com o taxista ( ) ler ( ) ouvir música ( ) fumar ( ) beber ( ) observar o taxímetro ( ) observar o caminho que o taxista está fazeno Já teve alguma ificulae em realizar alguma elas? Por quê? 18. Acharia interessante ficar em um espaço isolao? (cabines separaa o taxista) 19. Algo o incomoa na maneira o taxista irigir? 20. O que não gosta nos táxis? 21. Já passou por alguma situação que não gostou? Por quê? 22. Já teve algum problema para entrar e sair o táxi?

16 Transporte urbano - Táxi 16 Pranchas emonstrativas 1. Com relação ao painel e exteriores: qual as opções prefere? Por quê? 2. Com relação ao painel e interiores: qual as opções prefere? Por quê?

17 Transporte urbano - Táxi 17 Pranchas emonstrativas Exterior A C F B D E G H

18 Transporte urbano - Táxi 18 Interior A C B D E F G

19 Transporte urbano - Táxi 19 Marcas MARCAS A E B F C G D H

20 Transporte urbano - Táxi Métoo para aplicação as técnicas para levantamento e informações Após um estuo prévio o contexto o táxi na ciae e São Paulo, elaboramos alguns tópicos que consieramos interessantes para uma primeira conversa a fim e levantar algumas questões gerais sobre o projeto e um táxi, aina sem fechar em um os nichos que o taxista poe seguir. Nessa primeira aboragem tivemos uma conversa informal com 9 taxistas, no pontos a rua Araguari, a Henrique Schaumann e a Alamea Gabriel Monteiro, que já foi suficiente para esclarecer questões básicas e nos orientou para efirnirmos com mais segurança o nicho e taxista autônomo e bairro. Posteriormente, esenvolvemos um questionário estruturao, essa vez mais focao no táxi autonômo. Aplicamos um teste, fizemos algumas correções e inserimos novas informações para enfim coletar as informações e em seguia tratar os aos. Permanecemos nos pontos a Rua Araguari e a Rua Henrique Schaumann para ar continuiae à coleta e aos. Nos iviimos em uplas e fomos aos pontos escolhios em três ias iferentes. Durante três horas (por caa ia) fizemos entrevistas e puemos observar o movimento os pontos. Aplicamos o questionário e também as pranchas que elaboramos com 15 taxistas o Ponto a Rua Araguari (o ponto possui 19 taxistas no total). Fizemos registro escrito e fotográfico urante as entrevistas, e após a coleta os aos puemos tratá-los, organizano toas as respostas com suas respectivas perguntas, observano semelhanças e iferenças nas respostas. Para aplicar o questionário os passageiros escolhemos algumas pessoas próximas que utilizam táxis em situações iferenciaas. Foram entrevistaos 5 passageiros no total. Após a coleta e aos tanto e taxistas quanto e passageiros puemos gerar uma planilha aquilo que percebemos como esejos o usuário taxista e passageiro, terminano com a elaboração os requisitos e projeto Resultaos obtios A partir os estuos e entrevistas realizaos, foi possível levantar uma série e informações sobre os taxistas (os pontos em questão) e os passageiros em relação ao serviço e táxi. A seguir, estão relacionaos os resultaos obtios Taxistas Entre os motivos para a compra os carros, poemos perceber que a maioria os taxistas priorizou principalmente o espaço e o conforto oferecio pelos veículos. Além isso, se estaca também a questão o custo-benefício e a economia oferecia. A estética e a potência não aparecem como fatores ecisivos. A maioria os veículos é Flex, embora apareça em alguns o kit GNV. O combustível preferio foi unânime: Álcool. Quanto aos postos e combustível, alguns já possuem um posto que frequentam constantemente, abasteceno o veículo apenas lá, tanto pela confiança quanto pela

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

Mercado feminino de automóveis

Mercado feminino de automóveis Mercado feminino de automóveis Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal PALESTRA : Novos esafios para o Gerente e Projetos: Gerenciamento e Stakeholers, omunicações em Projetos e Implicações as Rees Sociais Arnalo Renato Pires e Souza, PMP Organização

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade Rees especiais para abastecimento e água Sistema e tubagens PP-R Garantir a fiabiliae Rees especiais para abastecimento e água Proteger a fonte A água é fonte e via e conforto. Criar um sistema e tubagens

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP ANO XII n 56 MAIO/JUNHO e 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO ARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESOLA POLITÉNIA - USP 2 ENTREVISTA Terceirização e TI Executivo o setor e telecomunicações

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Guia de Utilização do. Easytaxista. Regras de Conduta e Boas práticas de Mercado

Guia de Utilização do. Easytaxista. Regras de Conduta e Boas práticas de Mercado 1 Guia de Utilização do Easytaxista Regras de Conduta e Boas práticas de Mercado 2 Easytaxista, A Easy Taxi oferece um aplicativo gratuito que te ajuda a encontrar um passageiro próximo, garantindo assim:

Leia mais

A MAIOR FEIRA GRÁFICA DA AMÉRICA LATINA

A MAIOR FEIRA GRÁFICA DA AMÉRICA LATINA A MAIOR FEIRA GRÁFICA A AMÉRICA LATINA THE LARGEST EVENT OF THE GRAPHIC ARTS INUSTRY IN LATIN AMERICA EL MAYOR EVENTO E LA INUSTRIA GRÁFICA EN AMÉRICA LATINA MANUAL MERCHANISING Realização: Promoção e

Leia mais

News. Relatório da ASBIA confirma ótimos resultados da ABS Pecplan na venda de sêmen em 2009 A. anos. Uberaba, Brasil - Abril 2010

News. Relatório da ASBIA confirma ótimos resultados da ABS Pecplan na venda de sêmen em 2009 A. anos. Uberaba, Brasil - Abril 2010 nº 13 News Prezao Leitor, Temos muita satisfação ao apresentar à vocês esta eição o informativo mensal. Os resultaos positivos o Relatório a SBI, somaos aos números extraorinários a BS Pecplan, nos permitem

Leia mais

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015 Sistemas e renagem Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2015 Silent PP Página 2 Conições gerais e vena Página 36 Ínice Remissivo Página 40 Sistemas e renagem 2015 1 Conteúo Programa completo - - - - -

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

Os carros que menos visitam as oficinas

Os carros que menos visitam as oficinas Getty Images Os carros que menos visitam as oficinas Pesquisa com nossos associados revela quais os modelos e marcas que menos apresentam problemas. Na frente, ficaram os japoneses. 8 Uma preocupação que

Leia mais

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 Sumário Simples como tem que ser... 3 Acesso... 4 Mapas... 5 Rastreamento... 7 Panorâmica... 7 Cercas... 8 Criando cercas eletrônicas...

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais DETERMINAÇÃO DO RAIO DE ATUAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PEQUENOS ANIMAIS lmareti@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Dinâmica os Sistemas Agroalimentares e Caeias Agroinustriais

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Concurso Público e Ingresso no Magistério Público Estaual EDITAL Nº 1/01/SED CADERNO 01 INSTRUÇÕES GERAIS Confira se a impressão o caerno e prova

Leia mais

MAIOR EMPREGADORA E ARRECADADORA PRIVADA

MAIOR EMPREGADORA E ARRECADADORA PRIVADA INTRODUÇÃO A Viação Nossa Senhora do Amparo é uma empresa de ônibus com sede em Maricá, na Costa do Sol (Região dos Lagos), fundada em 10 de maio de 1950. Atua oferecendo serviço de transporte rodoviário

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga

Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga Uma heurística para guiar os usuários a Internet baseaa no comportamento a formiga Wesley Martins Teles, Li Weigang, Célia Gheini Ralha 1 Departamento e Ciência a Computação Universiae e Brasília (UnB)

Leia mais

Táxi em São Paulo parklets

Táxi em São Paulo parklets Táxi em São Paulo A atividade de taxista existe na Capital paulista desde 1902. Naquela época, poucas pessoas possuíam automóveis e o táxi era um meio de transporte muito requisitado. Atualmente, aproximadamente

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Projeto de Extensão: Ciclo de Oficinas de Educação Matemática: os ODM em foco. Organize seu dinheiro: Elaboração de planilha de orçamento doméstico

Projeto de Extensão: Ciclo de Oficinas de Educação Matemática: os ODM em foco. Organize seu dinheiro: Elaboração de planilha de orçamento doméstico Organize seu dinheiro: Elaboração de planilha de orçamento doméstico Junto com um dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM), a segunda oficina do projeto de extensão Ciclo de Oficinas de Educação

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Nota Técnica Cilindros de GNV

Nota Técnica Cilindros de GNV Cilindros de GNV Belo Horizonte Março de 2012 As gerações de KIT's 2ª geração (Aspirados) 3ª geração (Aspirados) 5ª geração (Injetados) Para veículos carburados (Normalmente, até 1996) Para veículos com

Leia mais

Valor R$ 42.000,00 à vista (preço abaixo do mercado)

Valor R$ 42.000,00 à vista (preço abaixo do mercado) Vendo Renault Grand Tour Dynamique 2011 / 2012 cor prata étoile completo, retirado em Dez/11. Com garantia de fábrica até Nov/2014 Valor R$ 42.000,00 à vista (preço abaixo do mercado) atualmente com 6.000

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos Ciências a Natureza, Matemática e suas Tecnologias FÍSICA 1. Introução MÓDULO 5 Algarismos Significativos Na tentativa e explicar os fenômenos observaos na natureza, a Física utiliza moelos e teorias que,

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Carro com dinheiro no compartimento do combustível: Para quem percorre quilometragens altas, a economia com o GNV pode compensar o custo do kit

Leia mais

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39 Sistemas e Fixação Página Fixaores e lips utoaesivos Fixaores utoaesivos 36 lips utoaesivo R 36 Fixaores utoaesivo SF 38 Fixaores para Flat able PF 39 F25 39 TY8H1S 39 Fixaores NX/NXR e lips para fixação

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

Segurança pessoal. Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus.

Segurança pessoal. Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus. Segurança pessoal Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus. Você sabe como iden.ficar situações de risco? Ao decorrer de uma roena diária de aevidades, métodos prevenevos

Leia mais

SEXO Sexo 1.masculino 2.feminino Caracterização Sócio-Econômica ESCO Nivel de escolaridade 1. Analfabeto até 4ª série do 1º grau (primário)

SEXO Sexo 1.masculino 2.feminino Caracterização Sócio-Econômica ESCO Nivel de escolaridade 1. Analfabeto até 4ª série do 1º grau (primário) SIPS- BASE SOBRE MOBILIDADE URBANA Nome Campo Descrição Valores atribuídos Local de Moradia REGI Região 1.Região Sul 2.Região Sudeste 3.Região Centro-Oeste 4.Região Nordeste 5.Região Norte ESTA Estado

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

PESQUISA. Avaliação do BRT TransOeste. Abril 2013

PESQUISA. Avaliação do BRT TransOeste. Abril 2013 PESQUISA Avaliação do BRT TransOeste Abril 2013 1 METODOLOGIA Objetivo: levantar informações sobre as viagens no BRT TransOeste, avaliar a satisfação com este modal, bem como as máquinas de recarga do

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA Priscila Zanotti Pizol e Luciana Zamprogne A Futura foi às ruas para saber mais a respeito do setor varejista da Grande Vitória, conhecer

Leia mais

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE Renata Braga e Albuquerque Campos e Sebastião Salvaor Real Pereira, Universiae Feeral, Escola e Engenharia, Departamento e Engenharia

Leia mais

Determinando a aceleração gravitacional 1

Determinando a aceleração gravitacional 1 Determinano a aceleração ravitacional Fernano an a Silveira Instituto e Física, Universiae Feeral o Rio Grane o Sul. Av. Bento Gonçalves, 9500. Caixa Postal 505, CEP 950-970. Porto Alere. RS. Brasil. Enereço

Leia mais

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Segurança no dia-a-dia Vol. X Manual de Segurança Apresentação N ão há estratégias ou sistemas de segurança intransponíveis. Isso é o que dizem todos os especialistas

Leia mais

Manual de Instruções LED LCD TV

Manual de Instruções LED LCD TV Moelo: TC-50AS700B TC-55AS700B Manual e Instruções LED LCD TV Para instruções mais etalhaas, consulte o [ehelp] (Manual e Instruções Eletrônico). Como utilizar o [ehelp] (página 14) Obrigao por aquirir

Leia mais

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015 Sistemas e renagem Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2015 Silent PP Página 2 Conições gerais e vena Página 36 Ínice Remissivo Página 40 Sistemas e renagem 2015 1 Conteúo Programa completo - - - -

Leia mais

ele004-comandos Elétricos

ele004-comandos Elétricos ele004-comanos Elétricos Feeração as Inústrias o Estao o Espírito Santo Fines Lucas Izoton Vieira Presiente Senai Departamento Regional o Espírito Santo Manoel e Souza Pimenta Diretor-gestor Robson Santos

Leia mais

Startup Miguel Moraes Branding

Startup Miguel Moraes Branding Startup Miguel Moraes Branding A iniciativa A idéia inicial era criar uma campanha para alunos que tem vontade de ajudar o próximo e vêm de carro sozinhos ofertarem o espaço do passageiro para outro aluno

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

CEABS Sistema de Monitoramento Manual de Utilização CSM

CEABS Sistema de Monitoramento Manual de Utilização CSM CEABS Sistema de Monitoramento Manual de Utilização CSM SUMÁRIO Apresentação... - ACESSANDO O SISTEMA... 3 - FUNCIONALIDADES DAS ABAS DO SISTEMA... 6. - VISUALIZANDO ÚLTIMA POSIÇÃO DO OBJETO RASTREADO...

Leia mais

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família Ferramenta e Descrição a Família e os Seus Parões e Relacionamento Genograma Uso em Saúe a Família Hamilton Lima Wagner, Yves Talbot, Angela Beatriz Papaleo Wagner, Eleuza Oliveira Resumo Contexto: A comunicação

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA. As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia.

INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA. As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia. INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA Benvindo à Grande Miami e suas praias As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia. Dirigir pela Grande Miami e suas praias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES Voos nacionais Bagagem despachada Bagagem Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar mais de um volume,

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALINE KOCHOLIK MÁRCIA CLÁUDIA MASUR INCOTE SIMULADOR FASORIAL PARA

Leia mais

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O TUO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA A de integração TRANSPORTE PÚBLICO E QUALIAE NAS RUAS E BH PERSPECTIVA E UMA E TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL BH vai ter um sistema de transporte

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais