FORMULÁRIO ÚNICO DE PROPOSTAS (FUP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULÁRIO ÚNICO DE PROPOSTAS (FUP)"

Transcrição

1 FORMULÁRIO ÚNICO DE PROPOSTAS (FUP) 1-DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto : Estudo de SGBD NoSQL no Contexto Big Data Período de Execução (mês/ano) Início: Ago/2014 Término: Jul/2015 Área do conhecimento (nome e código): Ciências Exatas e da Terra Resumo do Projeto: Sub-área do Conhecimento (nome e código): Ciência da Computação Big data é um termo utilizado para descrever um conjunto de problemas e soluções relativos ao tratamento de um grande volume de dados. Os dados no contexto do Big Data são caracterizados por serem produzidos em tempo real (velozes), heterogêneos (variados) e volumosos (chamados de 3 V's). Sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD) tradicionais não foram projetados para gerenciar tais tipos de dados pois trabalham com dados estruturados e homogêneos. Assim, novos SGBD foram propostos para gerenciar dados em Big Data, esses SGBD são chamados de NoSQL (acrônimo de Not only SQL). Neste contexto, este trabalho visa estudar e avaliar várias implementações de SGBD NoSQL para identificar qual ou quais seriam mais adequados para pesquisas futuras em Big Data. A avaliação será realizada em termos de desempenho em respostas a consultas, tipos de dados manipulados, capacidade de armazenamento e escalabilidade. Palavras-chave:big data, nosql, benchmark Texto limitado em 450 palavras De 03 a 05 palavras Justificativa e contextualização do problema: (descrever o problema de pesquisa e sua importância científica e/ou tecnológica e/ou sócio-econômicoambiental; esclarecer a importância das vinculações interinstitucionais do projeto, se houver.) Os dados, desde o nascimento dos computadores, são produzidos em grande quantidade. No fim do século XX, tinha-se milhares de bytes armazenados em servidores ao redor do mundo. Com a evolução da tecnologia e, consequentemente, a sua popularização, agora quase todos os indivíduos são geradores de dados: a postagem no facebook, um tweet, uma conversa no WhatsApp, um smartphone conectado a um GPS, entre outros. O que fazer com essa quantidade massiva e heterogênea de dados? Como tratar esta produção instantânea de dados por cidadãos comuns? Se considerar-se dados gerados por aplicações pública ou privadas (e.g., satélites, aeronaves, cliques em sítios) essa quantidade de dados se torna ainda maior, quase que ingerenciável. Neste contexto, desde o início dos anos 2000, pesquisadores trabalham em uma área chamada Big Data que trata os problemas gerados por esses dados bem como as soluções propostas. Grande volume de dados não é um objeto de pesquisa recente em computação, já é estudado há décadas porém, com advento de smartphones, redes sociais, entre outros, os estudos anteriores não são mais satisfatórios pois tratavam dados volumosos estruturados e homogêneos (convencionais). Por exemplo, uma indústria automobolística deve ter millhares de registros de construção e venda de carros, porém, esses registros são estruturados e seus formatos conhecidos a priori, que apesar de serem volumosos são fáceis de tratar por sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD) tradicionais chamados de relacionais. Esses tipos de SGBD propostos na década de 1970 são robustos e mundialmente utilizados por organizações (públicas, privadas, grandes ou pequenas). O sucesso dos SGBD relacionais vem do formalismo que foi proposto e de sua álgebra relacional definida para consultar os dados. Essa álgebra foi implementada em versões comercias desses SGBD através da linguagem SQL (Structured Query Language): uma linguagem de consulta adequada e eficiente para SGBD relacionais. O avanço tecnológico na área da computação trouxe, entre outros, equipamentos computacionais mais poderosos e com mais capacidade de armazenamento, além do barateamento e a minituarização. Com recursos 1

2 mais potentes, pode-se propor e implementar aplicações que atendesse melhor as necessidades dos usuários, tanto profissionalmente quanto no lazer. Pode-se citar duas transformações: a Web 2.0 e os smartphones. Com a Web 2.0, as redes sociais tiveram crescimento exponencial pois agora os dados não eram mais estáticos e limitados, com os smartphones, qualquer pessoa pode acessar aplicações e gerar dados livremente. Essa combinação fez com os dados não fossem mais estruturados e com formatos conhecidos a priori. Assim, os SGBD relacionais não são mais adequados para o gerenciamento desta nova classe de dados. Neste contexto, os SGBD NoSQL começaram a ser propostos e implementados. Antes, tinha-se apenas um classe de SGBD e as aplicações tradicionais eram atendidas adequadamente por essa classe, agora, existem uma quantidade grande de implementações, deixando os usuários mais leigos com dificuldades de escolher qual seria o melhor para a sua aplicação. Analisando o sítio nosql-database.org, pode-se observar mais de dez classes de SGBD NoSQL e mais de 8 implementações para cada classe. O usuário, neste caso, primeiramente tem que decidir pela classe do SGBD que é influenciada pelo tipo de aplicação Big Data que pretende implementar e, para a classe escolhida, um produto (implementação) disponível. Por exemplo, se a classe for chave valor (key value), existirá mais de quarenta implementações disponíveis. Decidir qual é mais adequada às necessidades da aplicação não é uma tarefa trivial. Como exemplo de aplicações que se apoiam em Big Data e, consequentemente, em SGBD NoSQL, pode-se citar: análise de sentimentos em dados publicados no Tweeter, dados captados por estação astrônimcas, dados de comportamento de usuários em sítios de vendas pela Web, dados de tráfegos aéreos, entre outros. Este projeto tem como objetivo avaliar o desempenho de SGBD NoSQL para classificá-los e auxiliar desenvolvedores e pesquisadores na escolha do SGBD mais adequado para as necessidades de suas aplicações envolvendo Big Data. Atualmente, existe um grupo de estudo em Big Data homologado pela UFFS além do coordenador do projeto ter uma parceria informal com pesquisadores da Udesc Joinville na área. Objetivo geral: Avaliar o desempenho de SGBD NoSQL no contexto de Big Data. Texto limitado em 02 página Objetivos específicos: - Classificar os SGBD NoSQL quanto a melhor aplicação de gerenciamento de dados - Definir uma métrica de avaliação - Definir uma infraestrutura para avaliação - Definir os repositórios de dados públicos para realizar as avaliações 2

3 Breve contextualização teórica da proposta Atualmente, tem-se o que é chamado de dilúvio de dados: o Tweeter possui 1 bilhão de usuários que já enviaram 300 bilhões de tweets, sendo que diariamente são enviados 500 milhões de tweets [4]. Esse volume de dados pode fazer com que muitas informações importantes sejam perdidas pela falta do seu gerenciamento. Por exemplo, o projeto observatório da dengue (http://www.observatorio.inweb.org.br/) mapeia em tempo real regiões do Brasil prováveis surtos da dengue através de tweets feitos pela população. Os dados gerados pelas redes sociais, redes de sensores, centro de observação aéreo-espacial, redes de sensores são volumosos, heterogêneos e produzidos em tempo real, caracterizando o problema de Big Data [2]. Os SGBD relacionais se têm mostrados adequados para tratar dados volumosos porém estruturados [6,8] porém falham para gerenciar dados sem muita estrutura e que crescem rapidamente [7]. Para atender essa demanda de gerenciamento de dados, é necessário utilizar SGBD capazes de tratar dados não estruturados, volumosos e com crescimento rápido, assim nasceram os SGBD NoSQL [7,9]. Esses SGBDs, além de atenderem a necessidade de armazenamento do dados não estruturados, possuem a capacidade de atender o aumento do volume de dados de forma mais rápida pois são escaláveis horizontalmente, utilizado a capacidade de computação nas nuvens (cloud computing) [1]. Essa nova necessidade de SGBD trouxe consigo um aumento da oferta de implementações disponíveis para os desenvolvedores de aplicações Big Data. O sítio nosql-database.org apresenta uma longa lista de implementações de SGBD NoSQL. Isso torna a tarefa de escolher qual o SGBD NoSQL mais apropriado para uma determinada aplicação não trivial. Existem alguns trabalhos que realizaram comparações entre SGBD NoSQL e entre SGBD relacionais e NoSQL [5,11] porém são limitados a testar um grupo pequeno de SGBD não considerando diversos tipos de base de dados para realizar a comparação. As análises de desempenho (benchmark) são feitas através de ferramentas próprias para tal. Entre essas ferramentas, pode-se citar OLPT-Bench [3] e TPC-C [10]. Essas ferramentas proporcionam formas automáticas de gerar dados e medir o desempenho dos SGBD utilizados. Também, existem vários repositórios com dados coletados para o tratamento de Big Data: Reality Comuns (realitycommons.media.mit.edu) que possui quatro conjunto de dados gerados por smartphones, Amazon Public Data Sets (aws.amazon.com/pt/publicdatasets), entre outros. Esses repositórios, as ferramentas de benchmark mais os SGBD nosql disponíveis serão a base para os experimentos propostos neste trabalho. Texto limitado em 01 página 3

4 Metodologia: Para alcançar o objetivo proposto neste projeto foi definido o seguinte conjunto de passos que compreendem a metodologia de realização do trabalho. Primeiramente, serão feitos estudos envolvendo os conceitos de Big Data, SGBD NoSQL e técnicas de benchmarking. Esses estudos serão conduzidos, principalmente, através de pesquisa bibliográfica, leitura dos manuais (white papers) dos SGBD NoSQL livres, instalação dos SGBD estudados, definição da ferramenta de benchmark e métrica. Essa etapa será conduzida pelo bolsista sob a supervisão do coordenador do projeto e é necessário que seja planejada e executada cuidadosamente pois oferece subsídios necessários para a avaliação propriamente dita. Em seguida, após a definição das ferramentas (i.e., SGBD e benchmark) será proposta a métrica de avaliação bem como as características da infraestrutura necessária (e.g., computadores, banco de dados, entre outros). Finalmente, após escolha dos SGBD, definição da métrica e preparação da infraestrutura, serão realizados os testes para medir o desempenho dos SGBD selecionados. Os resultados desses testes serão importantes para a continuação do projeto na área de Big Data pois o armazenamento e tratamento dos dados é um dos pontos mais críticos para as aplicações nessa área. Descrição detalhada Principais referenciais teóricos a serem estudados (relacionar os autores/obras mais importantes) [1] ARMBRUST, M., FOX, A., GRIFFITH, R., JOSEPH, A. D., KATZ, R., KONWINSKI, A., LEE, G., PATTERSON, D., RABKIN, A., STOICA, I, ZAHARIA, M. (2010) A view of cloud computing. Commun. ACM 53, 4. [2] BERMAN, J. J. (2013). Principles of Big Data: Preparing, Sharing, and Analyzing Complex Information. Morgan Kaufmann (Elsevier). First Edition. [3] DIFALLAH, D., CURINO, C., PAVLO, A., CUDRE-MAUROUX, P. (2013). OLTP-Bench: An Extensible Testbed for Benchmarking Relational Databases. Proceedings of the Very Large Database Endowment. [4] Digital Marketing Ramblings. [5] LEMOS, P. H. dos S. L., FIGUEIREDO, P. S. (2014) Uma Análise dos Novos Sistemas de Bancos de Dados Relacionais Escaláveis. Monografia. UFRJ [6] RAMAKRISHNAN, Ra., GEHRKE, J. (2010) Database management systems. Osborne/McGraw-Hill. [7] SADALAGE, P. J., FOWLER, M. (2012). NoSQL distilled: a brief guide to the emerging world of polyglot persistence. Pearson Education. [8] SILBERSCHATZ, A., KORTH, H. F., SUDARSHAN, S. (2011). Database system concepts. New York: McGraw-Hill. [9] STONEBRAKER, M. (2010), SQL Databases v. NoSQL Databases, Communications of the ACM, v. 53, n.4 [10] TPC (2010). TPC Benchmark C Standard Specification. Disponível em: [11] YIN, H., TANG, K., GAO, Y., KLAWONN, F., LEE, M., WEISE, T., LI, B., YAO, X. (2013). A Survey on Benchmarks for Big Data and Some More Considerations. Intelligent Data Engineering and Automated Learning IDEAL

5 Resultados esperados: Após o fim do projeto espera-se ter os seguintes resultados: 1. Classificação dos SGBD NoSQL quanto a capacidade de gerenciar dados Big Data bem como as aplicações mais adequadas para cada tipo de SGBD NoSQL 2. Divulgação dos resultados dos estudos em um evento regional ou nacional, dependendo dos resultados encontrados 3. A divulgação de um relatório que auxilie pesquisadores na área de Big Data a escolher o melhor SGBD NoSQL para as suas necessidades. 2-Plano de trabalho da equipe: Participante Atividades Prazos Bolsista / Bolsista voluntário Revisão bibliográfica Testes dos SGBD Seleção dos SGBD Estudo e seleção de ferremanta de benchmark Configuração do ambiente (infraestrutura) Estudo e definição da métricas Benchmark Redação relatório e artigo Até 2 o. mes Até 3 o. mes Até 4 o. mes Até 5 o. mes Até 6 o. mes Até 7 o. mes Até 11 o. mes Até 12 o. mes Coordenador Seleção de fontes bibliográficas Até 1 o. mes Acompanhamento revisão bibliográfica e testes Validação da metodologia Validação da métrica e ambiente Acompanhamento benchmark Redação de relatórios referentes ao projeto Até 3 o. mes Até 4 o. Mês Até 7 o. Mês Até 11 o. Mês Até 12 o. mes 3-Cronograma de desenvolvimento do projeto* ATIVIDADES Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Revisão bibilogtráfica XX X Testes SGBD X XX Seleção SGBD X 5

6 Estudo ferramenta benchmark X X Configuração ambiente X X Estudo e definição métrica X XX Benchmark Redação (relatório, artigos) XX XX XX XX XX XX XX XX * Inserir colunas (atividades e meses) de acordo com o período de execução do projeto. 6

Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON.

Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON. Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional

Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional Marcelo Nascimento Oliveira Proposta de

Leia mais

Uma Breve Introdução. Andréa Bordin

Uma Breve Introdução. Andréa Bordin Uma Breve Introdução Andréa Bordin O que significa? NoSQL é um termo genérico que define bancos de dados não-relacionais. A tecnologia NoSQL foi iniciada por companhias líderes da Internet - incluindo

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE NoSQL Banco de Dados Não Relacional ALUNO: Heitor Oliveira Silva PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma:

Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma: Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma: Amazon Web Services Windows Azure Platform Google App Engine Evolução

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Pramod J. Sadalage Martin Fowler

Pramod J. Sadalage Martin Fowler Pramod J. Sadalage Martin Fowler Novatec Authorized translation from the English language edition, entitled NOSQL DISTILLED: A BRIEF GUIDE TO THE EMERGING WORLD OF POLYGLOT PERSISTENCE, 1st Edition, 0321826620

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota

Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota Fábio Roberto Oliveira, Luis Mariano del Val Cura Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Leia mais

Sistemas de Cache para Web: Um Estudo de Caso Utilizando MySQL e MongoDB

Sistemas de Cache para Web: Um Estudo de Caso Utilizando MySQL e MongoDB Sistemas de Cache para Web: Um Estudo de Caso Utilizando MySQL e MongoDB Heron Y. Inouye, Luís H. C. N. Ferreira, Rafael M. Coutinho, Alexandre C. B. Ramos Departamento de Matemática e Computação - Universidade

Leia mais

JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de sensores

JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de sensores Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Bacharelado em Sistemas de Informação Nome do projeto: PARA ONDE VÃO OS DADOS?

Leia mais

INE 5613 Banco de Dados I

INE 5613 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5613 Banco de Dados I 2009/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5613 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia 1 Objetivo Esta disciplina

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM 9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM Autor(es) ORLANDO PEREIRA SANTANA JUNIOR Orientador(es) MARINA TERESA PIRES VIEIRA 1. Introdução A informação

Leia mais

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II Pollyanna Gonçalves Seminário da disciplina Banco de Dados II Web 2.0 vem gerando grande volume de dados Conteúdo gerado por redes sociais, sensores inteligentes, tecnologias de colaboração, etc. Novas

Leia mais

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área Banco de Dados I Aula 1 Quantidade de informação gerada em um dia E-mails Compras Bate-papo Notícias Blogs Transações bancárias Etc... 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; 100

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Critérios para Seleção de SGBD NoSQL: o Ponto de Vista de Especialistas com base na Literatura

Critérios para Seleção de SGBD NoSQL: o Ponto de Vista de Especialistas com base na Literatura Critérios para Seleção de SGBD NoSQL: o Ponto de Vista de Especialistas com base na Literatura Alexandre Morais de Souza 1, Edmir P. V. Prado 1 Violeta Sun 1 Marcelo Fantinato 1 1 Escola de Artes, Ciências

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

INE 5336 Banco de Dados II

INE 5336 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5336 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2008/2 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5336 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

NoSQL: UMA RELAÇÃO, NÃO RELACIONAL *

NoSQL: UMA RELAÇÃO, NÃO RELACIONAL * NoSQL: UMA RELAÇÃO, NÃO RELACIONAL * Fabio Machado de Oliveira Universidade Estadual do Norte Fluminense Saymon Pires da Silva Centro Universitário São Camilo/ES Carlos Henrique Medeiros de Souza Universidade

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Motivação/Justificativa Conteúdo fundamental para a Formação Tecnológica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Núcleo de Apoio Pedagógico - NAPE P L A N O D E E N S I N O

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Núcleo de Apoio Pedagógico - NAPE P L A N O D E E N S I N O Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Núcleo de Apoio Pedagógico - NAPE P L A N O D E E N S I N O Curso: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Componente Curricular: BANCO DE DADOS II Modalidade: Presencial ( X ) Semipresencial

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados Ceça Moraes cecafac@gmail.com Sobre a professora CeçaMoraes Doutora em Computação (UFPE) Áreas de atuação Desenvolvimento de Software e Banco de Dados Experiência

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/gbd2 UFU/FACOM/BCC Plano de Curso Ementa Arquitetura de um Sistema

Leia mais

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Documentos ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 82 Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário IMAGEM ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa*

Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa* Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa* Ricardo W. Brito, Faculdade Farias Brito e Universidade de Fortaleza, ricardow@ffb.edu.br Resumo O Modelo Relacional tem sido amplamente utilizado

Leia mais

Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas

Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas paper:11 Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas Aluno - Rafael Pereira de Oliveira 1 Orientador - Sérgio Lifschitz 1 1 Departamento de Informática Programa de Pós-graduação

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

BDI BANCO DE DADOS DE IMAGENS DE SATÉLITE. José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2

BDI BANCO DE DADOS DE IMAGENS DE SATÉLITE. José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2 BDI BANCO DE DE IMAGENS DE SATÉLITE José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2 RESUMO: O Banco de Dados de Imagens de Satélite é um banco de dados idealizado para que os usuários possam recuperar

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 5º semestre Licenciatura de EI 2011/2012 msantos@ispgaya.pt cramos@ispgaya.pt / Carlos Ramos 1 Objectivos da Disciplina de Sistemas de Informação da Licenciatura de EI Complementar a formação em bases

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Material usado na montagem

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados Introdução à Base de Dados MSc. Eugénio Alberto Macumbe Plano Temático 1. Introdução à Base de Dados; 2. Modelo Relacional; 3. Modelação de dados; 4. Formas Normais e Processo de Normalização; 5. Operações

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria MONOGRAFIA DE PROJETO ORIENTADO EM COMPUTAÇÃO I Rastreamento

Leia mais

Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things

Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things Aluno: Diogo

Leia mais

Case Azul Linhas Aéreas Monitoramento e interação via mídias sociais

Case Azul Linhas Aéreas Monitoramento e interação via mídias sociais Case Azul Linhas Aéreas Monitoramento e interação via mídias sociais Fabio Marão Jacques Bretas Gerente de Marketing Interativo Azul Linhas Aéreas Gerente de Negócios Cloud Computing SAP As mídias sociais

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL

ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL Autores: Nicolas Ignácio RYBERG 1,2 ;; Angelo Augusto FROZZA 3 Identificação autores: 1 Bolsista PIBIC-EM/CNPq;; 2 Aluno do curso Técnico em Informática

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS Eder Pazinatto Faculdade Anhanguera de Passo Fundo RESUMO: A busca por mecanismos que implementam segurança

Leia mais

Curso de Verão 2012 - Bioinformática

Curso de Verão 2012 - Bioinformática Curso de Verão 2012 - Bioinformática Bancos de Dados Biológicos Márcio K. Oikawa - UFABC marcio.oikawa@ufabc.edu.br Agenda Introdução: O que são bancos de dados? Por que são importantes? Bancos de dados

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014 GERENCIAMENTO E ALTA DISPONIBILIDADE EM ARMAZENAMENTO DE BANCO DE DADOS Fabio dos Santos Canedo Gustavo César Bruschi Luis Alexandre da Silva Vitor de Oliveira Teixeira FATEC Bauru - SP e-mail: vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Consulta à base de dados Cifradas em computação nas nuvens

Consulta à base de dados Cifradas em computação nas nuvens Consulta à base de dados Cifradas em computação nas nuvens Humberto Gustavo de Melo 1, Prof. Dr. João Nunes de Souza 1 1 Programa de pós-graduação em ciência da computação Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

TECNOLOGIA NoSQL: A SOLUÇÃO PARA LIDAR COM O CRESCENTE VOLUME DE DADOS

TECNOLOGIA NoSQL: A SOLUÇÃO PARA LIDAR COM O CRESCENTE VOLUME DE DADOS TECNOLOGIA NoSQL: A SOLUÇÃO PARA LIDAR COM O CRESCENTE VOLUME DE DADOS MARCOS HENRIQUE IZIDIO MONTEIRO marcoshenrique.monteiro@gmail.com UFF- Universidade Federal Fluminense RESUMO Dados a evolução tecnológica

Leia mais

Licenciatura de EI 2010/2011. msantos@ispgaya.pt. Mário Santos / Carlos Ramos

Licenciatura de EI 2010/2011. msantos@ispgaya.pt. Mário Santos / Carlos Ramos 5º semestre Licenciatura de EI 2010/2011 msantos@ispgaya.pt cramos@ispgaya.ptpt / Carlos Ramos 1 Objectivos da Disciplina de Sistemas de Informação da Licenciatura de EI Complementar a formação em bases

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML...

Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML... Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML... Adriano C. Machado Pereira (adrianoc@dcc.ufmg.br) De que Web estamos falando? De que Web estamos falando? A Web foi concebida para ser uma biblioteca

Leia mais

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Computação em Nuvem Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010

Leia mais

INE 5616 Banco de Dados II

INE 5616 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5616 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2011/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5616 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE COLETA E ARMAZENAMENTO DE DADOS DISPONÍVEIS EM REDES SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE COLETA E ARMAZENAMENTO DE DADOS DISPONÍVEIS EM REDES SOCIAIS DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE COLETA E ARMAZENAMENTO DE DADOS DISPONÍVEIS EM REDES SOCIAIS Bruno Edgar Führ, Evandro Franzen 1 Resumo: O crescimento da internet na última década fez dela a maior

Leia mais

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Leandro Melo de Sales Mário Hozano Lucas de Souza Trabalho para obtenção de nota da disciplina Banco de Dados Professor: Marcus Sampaio 25 de abril de

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF 2 Conceitos Básicos Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas

Leia mais

Sistemas distribuídos. Grids e Clusters. Arquiteturas de SDs

Sistemas distribuídos. Grids e Clusters. Arquiteturas de SDs UTFPR/Curitiba - Especialização em Teleinformática Sistemas Distribuídos (Prof. Tacla) EXERCÍCIOS Sistemas distribuídos * consultar slides 0010 1. Quais as diferenças entre um sistema distribuído e um

Leia mais

INE 5432 Banco de Dados II

INE 5432 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5432 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2010/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5432 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONCEITOS BÁSICOS 1. Arquitetura e organização de computadores. 2. Conhecimentos básicos de hardware e software. 3. Configuração e administração

Leia mais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Samuel R. de Sales Campos 1, Adriana Z. Martinhago 1, Thomas C.

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:09:44 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Desenvolvimento de Software como Serviço através do uso de Metodologias Ágeis. Regis Pires Magalhães (IFPI), Nécio de Lima Veras (IFCE)

Desenvolvimento de Software como Serviço através do uso de Metodologias Ágeis. Regis Pires Magalhães (IFPI), Nécio de Lima Veras (IFCE) Desenvolvimento de Software como Serviço através do uso de Metodologias Ágeis Regis Pires Magalhães (IFPI), Nécio de Lima Veras (IFCE) 2 Parceria 3 Agenda Introdução Processos de Desenvolvimento Arquitetura

Leia mais

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaine Baltazoni Prof. Cristóvam Emílio Herculiani Tecnologia em Informática para a Gestão de Negócios Faculdade de Tecnologia de Garça (Fatec) Caixa Postal

Leia mais

Conteúdo Programático. Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização

Conteúdo Programático. Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização Banco de dados I Conteúdo Programático Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização Bibliografia HEUSER, Carlos A. Projeto de Bancos de Dados. Sagra, 1998. (Livrotexto) MACHADO, Felipe

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

HadoopDB. Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO

HadoopDB. Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO HadoopDB Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO Motivação Grandes massas de dados precisam ser processadas em clusters: 1 nó: 100TB@59MB/s = 23 dias Cluster com 1000 nós 33 min!!!

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I Prof. Hugo Souza Iniciaremos nossos estudos sobre os tópicos avançados sobre banco de dados recapitulando o histórico

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Migração Parcial de um Banco de Dados Relacional para um Banco de Dados NoSQL na Nuvem Através de Adaptações Não-intrusivas: Um Relato de Experiência

Migração Parcial de um Banco de Dados Relacional para um Banco de Dados NoSQL na Nuvem Através de Adaptações Não-intrusivas: Um Relato de Experiência Migração Parcial de um Banco de Dados Relacional para um Banco de Dados NoSQL na Nuvem Através de Adaptações Não-intrusivas: Um Relato de Experiência Caio H. Costa 1, Lincoln S. Rocha 2, Nabor C. Mendonça

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Análise de desempenho de Bancos de Dados

Análise de desempenho de Bancos de Dados Análise de desempenho de Bancos de Dados Erick Rodrigues Ferreira 1, Sergio M. Trad Júnior 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rua Palma Bageto Viol

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR SOUZA, R. C. F. 1 VERONA, E. D. 2 RESUMO Este artigo mostra o desenvolvimento de um sistema computacional (CONTROCAR) voltado para gerenciamento de empresas que

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA

AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA GARANHUNS Ano ii NOME COMPLETO DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA Projeto

Leia mais

Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1

Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1 Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1 Flavio da Silva Costa Orientadora: Marta Mattoso Colaborador: Daniel de Oliveira Nível: Mestrado Programa de Engenharia

Leia mais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Arthur A. Artoni 1, Bruno B. Zarpelão 2 1 Departmento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) megadets@hotmail.com,brunozarpelao@gmail.com

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais