Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD Patrícia Tiemi Cawahisa Consultora Técnica

2 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros

3 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL Reorganização da Atenção Básica em saúde bucal Ampliação e qualificação da Atenção Especializada Alta Complexidade Promoção e prevenção Reestruturação e qualificação Vigilância e Monitoramento Equipe de Saúde Bucal Estratégia Saúde da Família Centros de Especialidades Odontológicas Trat. Odont. para Pessoas com Deficiência Fluoretação das águas de abastecimento público Doação de equipamentos odontológicos Centros Colaboradores de Vigilância em Saúde Bucal Unidade Odontológica Móvel Laboratórios Regionais de Prótese Dentária Atenção odontológica no credenciamento de CACON e UNACON Incentivo à pesquisa em saúde bucal coletiva

4 MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD

5 R$ 150, R$ 100, R$ 60,00 FAEC R$ 30,00 Recursos são repassados de acordo com faixa de produção PORTARIA Nº 2.374, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009 PORTARIA Nº 211/SAS, DE 13 DE MAIO DE 2011 PORTARIA Nº 1.825/GM, DE 24 DE AGOSTO DE 2012

6 Entre 20 a 50 próteses por mês: Entre 51 a 150 próteses por mês: Acima de 150 próteses por mês: 2012 R$ R$ R$ Entre 20 a 50 próteses por mês: Entre 51 a 80 próteses por mês: Entre 81 a 120 próteses por mês: Acima de 120 próteses por mês: R$ R$ R$ R$

7 Os LRPD visam suprir uma grande necessidade da população brasileira, que é a reabilitação oral

8 Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias Total: SBBrasil 2010 Necessidade de prótese Idosos: 23% idosos necessitam de prótese total em 1 maxilar Adultos: 42% necessitam de prótese parcial removível em 1 maxilar

9 Quantidade de LRPD implantados AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO

10 Nº de municípios com LRPD Municípios Cadastrados - LRPD - GOIÁS Municípios Cadastrados - LRPD - GOIÁS 187% %

11 Municípios Cadastrados - LRPD - GOIÁS Sem LRPD próteses próteses próteses Acima de 120 próteses

12 Produção de Próteses Dentárias AC AL AP AM BA CE DF ES GO MA MT MS MG PA PB PR PE PI RJ RN RS SC SP SE

13 Produção de próteses dentárias Produção de próteses dentárias - GOIÁS % %

14 dab.saude.gov.br/portaldab/pnsb

15

16

17 dab.saude.gov.br/portaldab/pnsb MS/SAS/DAB Coordenação Geral de Saúde Bucal - CGSB Cidades que possuem Laboratórios Regionais de Prótese Dentária Estado : GO 45 municípios CÓDIGO MUNICÍPIO PORTARIA DE FAIXA DE PRODUÇÃO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) HABILITAÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS GESTÃO ABADIA DE GOIÁS GM 2071 (23/07/2010) R$ ,00 R$ 3.000, MUNICIPAL ABADIÂNIA GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ 5.158, MUNICIPAL ANÁPOLIS GM 2375 (07/10/2009) GM 4262 (30/12/2010) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ ,83 Acima de 120 MUNICIPAL GM 1432 (05/07/12) GM 1825 (24/08/2012) APORÉ GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL ARAGARÇAS GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL BOM JESUS DE GOIÁS GM 870 (19/04/2010) GM 1172 (19/05/2011) GM 40 (10/01/12) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) CACHOEIRA DOURADA GM 2170 (12/09/2011) R$ ,00 R$ 3.000, MUNICIPAL CALDAS NOVAS GM 40 (10/01/12) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL CERES GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL CRISTALINA GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL FIRMINÓPOLIS GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL FORMOSA GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ 6.103, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) GOIANDIRA GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL GOIÂNIA GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ ,17 Acima de 120 MUNICIPAL

18 CÓDIGO MUNICÍPIO PORTARIA DE FAIXA DE PRODUÇÃO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) HABILITAÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS GESTÃO GOIANIRA GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL GOIATUBA GM 2375 (07/10/2009) GM 4262 (30/12/2010) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ 5.867, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) GUAPÓ GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL INDIARA GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ 5.108, MUNICIPAL IPORÁ GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL ITAPIRAPUÃ GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL ITUMBIARA GM 870 (19/04/2010) GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.300, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) IVOLÂNDIA GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL JATAÍ GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) GM 2170 (12/09/2011) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL GM 1432 (05/07/12) GM 1825 (24/08/2012) LUZIÂNIA GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 6.962, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) MIMOSO DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL MINEIROS GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL MONTE ALEGRE DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL MONTIVIDIU DO NORTE GM 40 (10/01/12) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL NIQUELÂNDIA GM 870 (19/04/2010) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ 5.414, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) PETROLINA DE GOIÁS GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ 5.462, MUNICIPAL

19 CÓDIGO MUNICÍPIO PORTARIA DE FAIXA DE PRODUÇÃO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) HABILITAÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS GESTÃO PIRACANJUBA GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL PIRES DO RIO GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL PLANALTINA GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ 4.155, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) PROFESSOR JAMIL GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL RIO VERDE GM 4262 (30/12/2010) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ 6.643, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) RUBIATABA GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ 5.270, MUNICIPAL SANCLERLÂNDIA GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL SANTA HELENA DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL SÃO LUÍS DE MONTES BELOS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MUNICIPAL SÂO MIGUEL DO ARAGUAIA GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL SÃO SIMÃO GM 1110 (28/05/2012) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ 5.991, MUNICIPAL SENADOR CANEDO GM 870 (19/04/2010) GM 1172 (19/05/2011) R$ ,00 R$ , MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) TRÊS RANCHOS GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, MUNICIPAL URUAÇU GM 2375 (07/10/2009) GM 1172 (19/05/2011) GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.937, MUNICIPAL GM 1825 (24/08/2012) VALPARAÍSO DE GOIÁS GM 2071 (23/07/2010) GM 1172 (19/05/2011) GM 1432 (05/07/12) GM 1825 (24/08/2012) R$ ,00 R$ ,50 Acima de 120 MUNICIPAL

20 1. Situação da produção dos municípios

21 24 municípios com LRPD Apresentam produção no SIA/SUS Não apresentam produção no SIA/SUS Produção Ok Produção abaixo da meta Portarias mais recentes Portaria mais antigas

22 24 municípios com LRPD Apresentam produção no SIA/SUS Não apresentam produção no SIA/SUS Produção Ok Produção abaixo da meta Portarias mais recentes Portarias mais antigas

23 Município 29 Municípios produção no SIA/SUS (2012) 2012/ Jan 2012/ Fev 2012/ Mar 2012/ Abr 2012/ Mai 2012/ Jun Abadiânia Anápolis Bom Jesus de Goiás Ceres Cristalina Formosa Goiânia Goianira Goiatuba Guapó Indiara Iporá Itumbiara Ivolândia Jataí Luziânia Mineiros Montividiu do Norte Niquelândia Petrolina de Goiás Planaltina Professor Jamil Rio Verde Rubiataba São Simão Senador Canedo Três Ranchos Uruaçu / Jul 2012/ Ago 2012/ Set 2012/ Out 2012/ Nov 2012/ Dez 2013/ Jan 2013/ Fev

24 13 Municípios que apresentaram produção no SIA/SUS (2012) dentro da faixa de produção MUNICÍPIO RECURSO MENSAL (R$) FAIXA DE PRODUÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS Média (2012) BOM JESUS DE GOIÁS R$ ,00 R$ , GOIÂNIA R$ ,17 Acima de Ok Ok GOIANIRA R$ 5.000, GOIATUBA R$ 5.867, LUZIÂNIA R$ 6.962, NIQUELÂNDIA R$ 5.414, PETROLINA DE GOIÁS R$ 5.462, RIO VERDE R$ 6.643, RUBIATABA R$ 5.270, SÃO SIMÃO R$ 5.991, SENADOR CANEDO R$ , URUAÇU R$ 5.937, VALPARAÍSO DE GOIÁS R$ ,50 Acima de Ok Ok Ok Ok Ok Ok Ok Ok Ok Ok Ok Enviar para Solicitar liberação de acesso ao Sistema de Credenciamento de LRPD para solicitação de reajuste do repasse.

25 13 Municípios que apresentaram produção no SIA/SUS (2012) dentro da faixa de produção MUNICÍPIO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez FAIXA DE PRODUÇÃO Média (2012) BOM JESUS DE GOIÁS GOIÂNIA de GOIANIRA GOIATUBA LUZIÂNIA NIQUELÂNDIA PETROLINA DE GOIÁS RIO VERDE RUBIATABA SÃO SIMÃO SENADOR CANEDO URUAÇU VALPARAÍSO DE GOIÁS de

26 16 Municípios que apresentaram produção no SIA/SUS (2012) abaixo da faixa de produção MUNICÍPIO RECURSO MENSAL (R$) FAIXA DE PRODUÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS Média (2012) ABADIÂNIA R$ 5.158, ANÁPOLIS R$ ,83 Acima de CERES R$ 5.000, CRISTALINA R$ , FORMOSA R$ 6.103, GUAPÓ R$ 5.000, INDIARA R$ 5.108, IPORÁ R$ 5.000,00 R$ , ITUMBIARA R$ 5.300, IVOLÂNDIA R$ 5.000, JATAÍ R$ , MINEIROS R$ , MONTIVIDIU DO NORTE R$ 5.000, PLANALTINA R$ 4.155, PROFESSOR JAMIL Os municípios R$ 5.000,00 podem solicitar o reajuste do valor 20 na - seguintes 50 condições: 5 TRÊS RANCHOS Regularizar R$ 7.500,00a produção (dentro da faixa) Informar no SIA/SUS 5 A partir de 90 dias (mantendo produção dentro da faixa) Reajuste

27 16 Municípios que apresentaram produção no SIA/SUS (2012) abaixo da faixa de produção MUNICÍPIO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez FAIXA DE PRODUÇÃO Média (2012) ABADIÂNIA ANÁPOLIS de CERES CRISTALINA FORMOSA GUAPÓ INDIARA IPORÁ ITUMBIARA IVOLÂNDIA JATAÍ MINEIROS MONTIVIDIU DO NORTE PLANALTINA PROFESSOR JAMIL TRÊS RANCHOS

28 24 municípios com LRPD Apresentam produção no SIA/SUS Não apresentam produção no SIA/SUS Produção Ok Produção abaixo da meta Portarias mais recentes Portarias mais antigas

29 16 Municípios que NÃO apresentaram produção no SIA/SUS (2012) MUNICÍPIO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) FAIXA DE PRODUÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS Total (2012) ABADIA DE GOIÁS R$ ,00 R$ 3.000, APORÉ R$ ,00 R$ 7.500, ARAGARÇAS R$ ,00 R$ 7.500, CACHOEIRA DOURADA R$ ,00 R$ 3.000, CALDAS NOVAS R$ ,00 R$ , FIRMINÓPOLIS R$ ,00 R$ 7.500, GOIANDIRA R$ ,00 R$ 7.500, ITAPIRAPUÃ R$ ,00 R$ 7.500, MIMOSO DE GOIÁS R$ ,00 R$ 5.000, MONTE ALEGRE DE GOIÁS R$ ,00 R$ 5.000, PIRACANJUBA R$ ,00 R$ 5.000, PIRES DO RIO R$ ,00 R$ 5.000, SANCLERLÂNDIA R$ ,00 R$ 7.500, SANTA HELENA DE GOIÁS R$ ,00 R$ 5.000, SÃO LUÍS DE MONTES BELOS R$ ,00 R$ 5.000, SÂO MIGUEL DO ARAGUAIA R$ ,00 R$ 7.500,

30 Municípios que NÃO apresentaram produção no SIA/SUS (2012) MUNICÍPIO PORTARIA DE HABILITAÇÃO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) FAIXA DE PRODUÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS Total (2012) APORÉ GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, ARAGARÇAS GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, FIRMINÓPOLIS GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, GOIANDIRA GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, ITAPIRAPUÃ GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, SANCLERLÂNDIA GM 680 (24/04/2013) R$ ,00 R$ 7.500, SÂO MIGUEL DO ARAGUAIA GM 2486 (31/10/2012) R$ ,00 R$ 7.500, !!!!!!! Informar produção na próxima competência (SIA/SUS) Caso haja problemas, enviar ofício a CGSB informando prazo para iniciar alimentação do Sistema

31 Municípios que apresentaram produção no SIA/SUS (2012) MUNICÍPIO PORTARIA DE HABILITAÇÃO RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) FAIXA DE PRODUÇÃO PRÓTESES DENTÁRIAS Total (2012) ABADIA DE GOIÁS GM 2071 (23/07/2010) R$ ,00 R$ 3.000, CACHOEIRA DOURADA GM 2170 (12/09/2011) R$ ,00 R$ 3.000, CALDAS NOVAS GM 40 (10/01/12) R$ ,00 R$ , MIMOSO DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, MONTE ALEGRE DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, PIRACANJUBA GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, PIRES DO RIO GM 1432 (05/07/12) R$ ,00 R$ 5.000, SANTA HELENA DE GOIÁS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, SÃO LUÍS DE MONTES BELOS GM 1110 (28/05/2012) R$ ,00 R$ 5.000, Municípios mais preocupantes: + de 10 meses com portaria publicada: Definir se iremos manter ou não a transferência do recurso Enviar ofício a CGSB informando prazo para a regularização da situação Suspensão e recolhimento do recurso: Não enviar ofício dentro de 7 dias Não apresentar produção no prazo estipulado X X X X X X X X X

32 2. Registro da produção de prótese dentária Instrumento de Registro da Tabela SUS

33 Atributos dos procedimentos

34 Instrumentos de Registro Tabela SUS AIH Autorização de Internação Hospitalar APAC Autorização de Proc. Ambulatorial BPA Boletim de Produção Ambulatorial Proc. Principal Proc. Principal Consolidado Proc. Especial Proc. Secundário Individualizado Proc. Secundário

35 Registro da produção de prótese dentária Unidade de Saúde que atende o usuário Códigos dos procedimentos de prótese dentária realizados pelo cirurgião-dentista: CÓDIGO PROCEDIMENTO INSTALACAO E ADAPTACAO DE PROTESE DENTARIA MOLDAGEM DENTO-GENGIVAL P/ CONSTRUCAO DE PROTESE DENTARIA REEMBASAMENTO E CONSERTO DE PROTESE DENTARIA O instrumento de registro dos procedimentos é o BPA Consolidado; A produção mensal deve ser alimentada por meio do: Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS) no CNES da Unidade de Saúde (UBS ou CEO) que atende o usuário.

36 Site: sigtap.datasus.gov.br Códigos dos procedimentos de prótese dentária realizados pelo cirurgião-dentista: Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS) no CNES da Unidade de Saúde (UBS ou CEO) que atende o usuário.

37 Registro da produção de prótese dentária Unidade de Saúde que atende o usuário Site SIGTAP Site: sigtap.datasus.gov.br

38 Ficha BPA-C

39 CNES da Unidade de Saúde que atende o usuário CBO do cirurgião-dentista

40 Registro da produção de prótese dentária Laboratório de Prótese Dentária Códigos dos procedimentos de prótese dentária do LRPD: Para fins de avaliação dos Municípios/Estados será contabilizada como produção a soma de todos os 5 (cinco) procedimentos acima citados; O instrumento de registro do procedimento é o BPA Individualizado; A produção mensal deve ser alimentada por meio do Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS) no CNES do LRPD.

41 Site: sigtap.datasus.gov.br

42 Códigos de próteses dentárias confeccionadas pelo LRPD: Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS) no CNES do LRPD

43 Registro da produção de prótese dentária Laboratório de Prótese Dentária Site SIGTAP Site: sigtap.datasus.gov.br

44 Ficha BPA-I

45 Código do CNES: LRPD (público ou terceirizado do município) UBS ou CEO (LRPD terceirizado de outro município) DADOS GERAIS: Mês/Ano Código CNES CBO ATENDIMENTO REALIZADO (usuário): Nº do cartão nacional de saúde do usuário Nome do paciente Data de nascimento Município de residência ATENDIMENTO REALIZADO (procedimento): Data do atendimento Código do procedimento Quantidade CBO protético ou dentista LRPD terceirizados: Deve registrar a produção de prótese. Verificar a melhor maneira do preenchimento da ficha: SMS ou Laboratório; Mas, é o município (SMS) contratante que informa a produção no SIA

46 Registro da produção de prótese dentária SIA O SIA é o sistema que permite aos gestores locais o processamento das informações de atendimento ambulatorial registrados nos aplicativos de captação do atendimento ambulatorial pelos prestadores públicos e privados contratados/conveniados pelo SUS. As informações extraídas do SIA importante instrumento de gestão: ações de planejamento, programação, regulação, avaliação, controle e auditoria da assistência ambulatorial. Subsidia os processos da Programação Pactuada Integrada (PPI); Fornece informações que possibilitem o acompanhamento e a análise da evolução dos gastos referentes à assistência ambulatorial; Oferece subsídios para avaliação quantitativa e qualitativa das ações de saúde.

47 Registro da produção de prótese dentária Vale ressaltar a importância do gestor registrar na Ficha de Programação Orçamentária (FPO) a programação física e orçamentária ambulatorial, dos estabelecimentos de saúde, tanto o LRPD quanto a Unidade de Saúde que atende o usuário. A programação deve estar coerente com o cálculo da capacidade instalada, a Programação Pactuada e Integrada (PPI) e baseada em contrato/convênio com o SUS. Isto é importante, pois, se o gestor não programar os procedimentos, a produção será rejeitada e poderá ocasionar a suspensão do repasse. Cada estabelecimento de saúde possui uma FPO.

48

49 Registro da produção de prótese dentária Orientamos que os gestores municipais façam o monitoramento mensal da: Quantidade aprovada no SIA/SUS x Quantidade de próteses apresentada pelo município no SIA/SUS

50 Divergência entre a quantidade de próteses apresentada no SIA/SUS x quantidade de próteses aprovada no SIA/SUS MUNICÍPIO GESTÃO NÃO PLENA DO SISTEMA: dirigir-se ao estado, para reprogramar a FPO; MUNICÍPIO GESTÃO PLENA DO SISTEMA: reprogramar a FPO na SMS. Erro no registro da produção de prótese dentária Quantidade apresentada ou aprovada não aparecer na consulta registros foram rejeitados PROBLEMAS RELATIVOS AO CNES: CBO não existe; Profissional não existe (falta CNS/CPF do profissional); Serviço não cadastrado; Registro dos procedimentos na FPO. PROBLEMAS RELATIVOS A TABELA SUS: Código do procedimento errado; CBO não permitido.

51 3. Cadastro dos estabelecimentos de saúde no SCNES * Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde

52 Cadastro SCNES Laboratório Regional de Prótese Dentária Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Estabelecimentos isolados: Laboratório Público ou Privado Laboratório terceirizado de outro município Cadastro SCNES

53 Cadastro no SCNES Laboratório Regional de Prótese Dentária Estabelecimentos isolados: Laboratório Público ou Privado Tipo de estabelecimento : 39 - UNIDADE DE SAÚDE DE SERVIÇO DE APOIO DIAGNÓSTICO TERAPÊUTICO SADT o Subtipo: 03 - LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA LRPD Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Laboratório terceirizado de outro município: O gestor irá cadastrar na Unidade de Saúde do município o serviço de Laboratório de Prótese Dentária terceirizado. Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Característica: Terceirizado Informar o Código Brasileiro de Ocupação (CBO) CBO: Protético Dentário e/ou CBO: 2232 Cirurgião-Dentista (qualquer CBO dentro desta família).

54 Cadastro no SCNES Laboratório Regional de Prótese Dentária Estabelecimentos isolados: Laboratório Público ou Privado Tipo de estabelecimento : 39 - UNIDADE DE SAÚDE DE SERVIÇO DE APOIO DIAGNÓSTICO TERAPÊUTICO SADT o Subtipo: 03 - LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA LRPD Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Estabelecimentos isolados: Laboratório Público ou Privado Site: cnes.datasus.gov.br Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Cadastro SCNES Laboratório terceirizado de outro município

55

56

57

58 Cadastro no SCNES Laboratório Regional de Prótese Dentária Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Estabelecimento s isolados: Laboratório Público ou Privado Site: cnes.datasus.gov.br Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Cadastro SCNES Laboratório terceirizado de outro município

59

60 Cadastro no SCNES Laboratório Regional de Prótese Dentária Laboratório terceirizado de outro município: O gestor irá cadastrar na Unidade de Saúde do município o serviço de Laboratório de Prótese Dentária terceirizado. Serviço Especializado: 157 SERVIÇO DE LABORATÓRIO DE PROTESE DENTÁRIA o Classificação: LABORATÓRIO REGIONAL DE PRÓTESE DENTÁRIA Característica: Terceirizado Estabelecimento s isolados: Laboratório Público ou Privado Informar o Código Brasileiro de Ocupação (CBO) CBO: Protético Dentário e/ou CBO: 2232 Cirurgião-Dentista (qualquer CBO dentro desta família). Estabelecimento de saúde não isolado: Laboratório Público ou Privado Cadastro SCNES Laboratório terceirizado de outro município

61

62

63

64 Laboratório privado CNES do Laboratório terceirizado Cadastrar: Convênio: SUS

65 Laboratório privado

66 Laboratório privado CNES do Laboratório terceirizado Cadastrar: Convênio: SUS

67 Laboratório privado CNES do Laboratório terceirizado - Cadastrar: Carga Horária do protético Atendimento SUS

68 Laboratório privado CNES do Laboratório terceirizado - Cadastrar: Carga Horária do protético Atendimento SUS

69 Cadastro no SCNES Unidade de Saúde que atende ao usuário O estabelecimento de saúde que realizar atendimento ao paciente que utilizará a prótese deverá informar: Serviço Especializado: SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS o classificação: OPM EM ODONTOLOGIA.

70 4. Como fazer a consulta da produção de prótese dentária

71 Anexo 1 Fonte site DATASUS:

72 Fonte site DATASUS:

73 Fonte site DATASUS:

74 Fonte site DATASUS:

75 Fonte site DATASUS: Anexo 1

76 No item Conteúdo: 1ª análise Orientamos que os gestores municipais façam o monitoramento mensal da: Qtd. Apresentada no SIA/SUS x Qtd. Aprovada no SIA/SUS Na 1ª análise pesquisar Qtd.apresentada; Deve ser feita uma análise de cada vez.

77 Fonte site DATASUS:

78 Fonte site DATASUS:

79 Quantidade apresentada dos procedimentos de prótese dentária do município Fonte site DATASUS:

80 No item Conteúdo: 2ª análise Orientamos que os gestores municipais façam o monitoramento mensal da: Qtd. Apresentada no SIA/SUS x Qtd. Aprovada no SIA/SUS Na 2ª análise pesquisar Qtd.aprovada; Nos outros itens, repete toda a pesquisa novamente.

81 Valparaíso de Goiás Qtd. APRESENTADA Qtd. APROVADA

82 Anápolis Qtd. APRESENTADA Qtd. APROVADA

83 5. Como pesquisar o recurso financeiro transferido para o LRPD

84 sismac.saude.gov.br

85 sismac.saude.gov.br

86 sismac.saude.gov.br

87 CÓDIGO MUNICÍPIO CRISTALINA PORTARIA DE HABILITAÇÃO GM 40 (10/01/12) GM 1825 (24/08/2012) RECURSO ANUAL (R$) RECURSO MENSAL (R$) R$ ,00 R$ ,17

88 dab.saude.gov.br/portaldab/pnsb

89

90

91

92 MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Setor de Administração Federal Sul Quadra 02 Lotes 5/6 Edifício Premium Torre II sala 06 Brasília DF CEP: Tel.: (61) Correio eletrônico: Site: (61)

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD Patrícia Tiemi Cawahisa Consultora Técnica MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL ASS: Cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PASSO A PASSO DAS AÇÕES DO BRASIL SORRIDENTE

MINISTÉRIO DA SAÚDE PASSO A PASSO DAS AÇÕES DO BRASIL SORRIDENTE MINISTÉRIO DA SAÚDE PASSO A PASSO DAS AÇÕES DO BRASIL SORRIDENTE BRASÍLIA - DF 2013 Política Nacional de Saúde Bucal BRASIL SORRIDENTE Durante anos, a Odontologia esteve à margem das políticas públicas

Leia mais

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistema de Informação Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação SIA/SUS

Leia mais

Contatos: Coordenação-Geral de Saúde Bucal/DAD/SAS/MS Correio eletrônico: cosab@saude.gov.br

Contatos: Coordenação-Geral de Saúde Bucal/DAD/SAS/MS Correio eletrônico: cosab@saude.gov.br Figura 1 Principais ações da Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente Fonte: Ministério da Saúde. Contatos: Coordenação-Geral de Saúde Bucal/DAD/SAS/MS Correio eletrônico: cosab@saude.gov.br

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ACOMPANHAMENTO DA SAÚDE BUCAL (ABRIL/2015) ORDEM MUNICÍPIO ÁGUA FLUORETADA ESB NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ESB NA ESF COBER- ASSENTA- LRPD ESB T ESB I ESB - II Teto PMAQ

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O

DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O ANÁPOLIS I 03-03 - APARECIDA DE GOIÂNIA I 04-02 03 BELA VISTA I 01-01 - CALDAS NOVAS **

Leia mais

QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO

QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO DEPARTAMENTO QUANTIDADE DE FUNCIONÁRIOS OUVIDORIA 01 COMISSAO DE SELECAO E DAS SOCIEDADES DOS ADVOGADOS 05 COMISSAO DE ESTAGIO E EXAME DE ORDEM 01 SECRETARIA

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA

CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistemas de Informação CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA - Sistema de Regulação,

Leia mais

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE Encontro Nacional de Coordenadores Maio/2011 SISMAMA Portaria SAS 779/08 Subsistema do sistema de faturamento ambulatorial do (SIA-SUS) Faturamento dos serviços de mamografia,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012 CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012 CARTÃO - DADOS GERAIS DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE Todos os 5.564 municípios brasileiros e mais o Distrito Federal já realizaram cadastramentos e emitiram o Cartão Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Nota técnica Assunto: Portaria 718/SAS Diante da necessidade de revisão e atualização dos

Leia mais

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Brasília DF Maio de 2014 3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Ministério da Saúde. Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial CIHA

Ministério da Saúde. Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial CIHA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistemas de Informação CGSI/ Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial

Leia mais

Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás

Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás Abadiânia Banco do Brasil 0324-7 441697-X Acreúna Banco do Brasil 0116-3 19.338-0 Águas

Leia mais

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME 05/01/2016 3 JER COMERCIO INSTALACAO E MANUTENCAO DE AR CONDICIONADO LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME CONDICIONADOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências.

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. NOTA TÉCNICA 38 /2013 Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. Brasília, 18 de setembro de 2013 1 INTRODUÇÃO O Ministério

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%)

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%) 1,96 1,96 1,76 1,73 1,54 1,47 1,37 0,92 0,85 0,74 0,50 0,46 0,31 Nº 17 / 14 Embora o cenário macroeconômico aponte perda de dinamismo para setores importantes da economia brasileira, os resultados do emprego

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2010, 2011 e 2012 da semana 01 a 27 (01/01 a 07/07/2012). Ano BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Total Casos Notificados 2010 115079 2011 44009 2012

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. 136 Quadra F 44 Lotes 22/ 24 Edifício César Sebba Setor Sul Goiânia GO- CEP: 74093-250 Fone: (62) 3201-7880 FAX: (62) 3201-7878

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Ano SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2011 e 2012 da semana 01 a 23 (01/01

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil José Mário Morais Mateus Conselheiro Federal - MG Julho/2014 Histórico das Especialidades Odontológicas Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais

Leia mais

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013 Departamento de Atenção Básica/MS Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ Outubro 2013 1 Desafios : I - Precariedade da rede física, com parte expressiva dos estabelecimentos de saúde

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS

LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS Comarca Distrito Judiciário Serventia Data Critério Observação Ivolândia Campolândia Tabelionato de Notas, Tabelionato e Oficialato

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro BOLSA FUTURO O MAIOR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PAÍS Criado pela Lei Estadual n. 17.406, de 06 de setembro de 2011, coordenado, monitorado e avaliado pela. Implantado em conformidade com

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

perfazendo carga horária semanal de 120 hs. semanais + 1 Auxiliar em Saúde Bucal (ASB) por CD *

perfazendo carga horária semanal de 120 hs. semanais + 1 Auxiliar em Saúde Bucal (ASB) por CD * A Política Nacional de Saúde Bucal, intitulada Brasil Sorridente, propicia a ampliação e a qualificação da Atenção Especializada em Saúde Bucal, através de uma de suas principais linhas de atuação, com

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS X Encontro de Provedores, Diretores e Administradores de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais - FEDERASSANTAS Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional Nº 228 29/11/11 Seção 1 - p.98 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 804, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão Decreto 7508: organização do SUS; planejamento, assistência e articulação interfederativa 11 NOB 93: Descentralização NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão 93 96 02 06 NOB 96: odelo de gestão

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA Nº 1.341, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Define os valores dos incentivos de implantação e de custeio mensal dos Centros de Especialidades Odontológicas - CEO e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAIS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SIA/SUS

SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAIS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SIA/SUS 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE BUCAL SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAIS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SIA/SUS Autorização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011.

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NO SIA/SUS ADAPTADO PARA O ESTADO DO PARANÁ. Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. 1 1.

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS.

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. Este documento tem por objetivo orientar Estados, Distrito Federal e Municípios como proceder no planejamento dos procedimentos Cirúrgicos

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP 13º - AUDHOSP SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP CAROLINA LUCENA Coordenação Geral dos Sistemas de Informação Departamento

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

SISREG EVOLUÇÕES E PERSPECTIVAS

SISREG EVOLUÇÕES E PERSPECTIVAS SISREG EVOLUÇÕES E PERSPECTIVAS MOVIMENTO PARA QUALIFICAÇÃO DO SISREG 1 inclusão dos usuários no processo avaliação validação desenvolvimento testes homologação 2 trabalho com o datasus para difusão, capacitação

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Seminário de Vigilância e Prevenção da Violência e Promoção da Cultura da Paz SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica

Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica 2011 Ed. Premium, SAF Sul, Quadra 2, Lote 5/6, Bloco II, Subsolo

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maio 2011 I Simpósio Internacional Norte/Nordeste de Estomaterapia

Leia mais

MUNICÍPIO FONE OPM CRPM

MUNICÍPIO FONE OPM CRPM Nº MUNICÍPIO FONE OPM CRPM 1. ABADIA DE (62) 3503-1299, 9803-8345 (vtr) 22º BPM 2º CRPM 2. ABADIÂNIA (62)3343-1190 / 2075 34ª CIPM 3º CRPM 3. ACREÚNA (64) 3645-1266 / 1190 5ª CIPM 8º CRPM 4. ADELÂNDIA

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES PROFESSOR DE NÍVEL SUPERIOR PROFISSIONAL - TUTOR REQUISITOS: Curso Superior e Curso em informática Básica com no mínimo 40 horas VENCIMENTO:

Leia mais

PORTARIA GM Nº 1.278, DE 25 DE JUNHO DE 2008

PORTARIA GM Nº 1.278, DE 25 DE JUNHO DE 2008 PORTARIA GM Nº 1.278, DE 25 DE JUNHO DE 2008 Redefine os limites financeiros destinados ao custeio da Nefrologia (TRS), dos Estados, Distrito Federal e Municípios. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica XIV APS: Encontro de Atualização de Atenção Primária à Saúde Juiz de Fora Outubro, 2013 ATENÇÃO

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005)

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Antecipa do incentivo financeiro para Centros de Especialidades Odontológicas - CEO em fase de implantação, e dá outras

Leia mais

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Diretrizes : Envolver, mobilizar e responsabilizar o gestor federal, gestores estaduais, municipais e locais, equipes e usuários

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS

CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO COMARCA Nº DE A EXONERAÇÃO DEU SE POR MEIO DE: PARENTES EXONERADOS Panamá Panamá 08 Liminar concedida em ACP sentença

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010 SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados RESULTADOS 2009 Brasília, 30 de março de 2010 SNGPC Ferramenta informatizada para captura

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA Boletim de Produção Ambulatorial MANUAL DE OPERAÇÃO DO

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

1.2.2. Para participar, é necessário realizar cadastro prévio, optando por um dos canais abaixo:

1.2.2. Para participar, é necessário realizar cadastro prévio, optando por um dos canais abaixo: REGULAMENTO Promoção Mega Mais Total 200MB MAIS PRÉ SP, DF São partes deste regulamento o CLIENTE, qualificado no Termo de Solicitação de Serviço, e a TELEFÔNICA BRASIL S/A, doravante denominada simplesmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL Nota técnica: Portaria SAS 718 Diante da necessidade de revisão e atualização dos procedimentos

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis

Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI Coordenação Geral

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais