ANÁLISE DE CENÁRIOS EMDEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE CENÁRIOS EMDEC"

Transcrição

1 Produção-s Bituca de Cigarro Produção-s Caixa de gordura Recursos-Água Recursos-Energia Água Energia Produção-s Jardinagem Produção-s Perigoso Lâmpadas Bitucas de cigarro são jogadas em cinzeiros e descartas em lixo comum. Pela lei anti fumo, não não é permitido fumar em local público. Caixas coletora de gordura existentes na cantina do grêmio, churrasqueiras, prédio da DI (casa branca), prédio 1, refeitório. São utilizadas e só há manutenção se houver entupimento. O esgoto da unidade do DIVE é jogado em fossa séptica, localizada ao lado do refeitório da unidade. Jan/13 = 878 m3 Fev/13 = 965 m3 Mar/13 = 892 m3 Jan/13 = Kwh Fev/13 = Kwh Mar/13 = Kwh Na são armazenados em caminhão e levados para o aterro municipal. No DIVE são descartados em local cedido pelo Sr. Marcos (Gerente). O material se decompõe pela atuação de microorganismos, transformando em humus ou matéria orgânica. No Pátio, são retirados como entulho pelo caminhão da manutenção (GAD), através de cronograma pré-definido. É levado para o aterro municipal. Não temos padrão para armazenamentoa das lâmpadas fluorescentes e incandescentes, algumas vezes ficam embaixo de chuva e sol e são jogados outros tipo de resíduos nas lixeiras específicas para esse tipo de resíduo até a DLU realizar a coleta. De vez em quando alguém vem retirar, mas não há padrão. As lâmpadas semafóricas são levadas pela DIS-DCS até o DLU (4 tambores a cada 3 meses).

2 Produção-s Lixo dos banheiros São recolhidos pela equipe de limpeza e recolhidos pela PMC como lixo comum. Produção-s Perigoso Lixo Eletrônico Produção-s Material de Construção Produção-s Óleo de Cozinha Produção-s Perigoso Pilhas Produção-s Plástico, papel, restos de alimentos. São recolhidos na GTI e levados para armazenamento na casa branca. Após dar baixa no patrimônio, a GAD disponibiliza para uma empresa conveniada (doação para ACOOP). São recolhidas e armazenadas ao lado pátio a céu aberto. Um caminhão da, ao acumular boa quantidade, entrega ao aterro sanitário do município. Existe um ponto de coleta da população e para a cantina. Hoje esse ponto está ao relento, acumulando água, e o "Dono" do tambor passa aqui para retirar de vez em quando. Já foi feito trabalho com a população. Óleo dos veículos são descartados no local de manutenção de veículos (externo) O óleo de veículo lavado na sede é descartado no solo e levado para a rede pluvial. Existe um ponto de coleta na sede da e o Departamento de Limpeza Urbana da PMC retira quinzenalmente. São descartados pelos funcionários em lixo comum. Na SEDE, a equipe de limpeza separa o papel branco ao fazer o recolhimento e há coleta seletiva externa de quarta e quinta. Até a chegada da coleta, os papéis ficam por um período armazenados ao relento e só depois é levado para um local coberto, ao lado do pátio de apreensão. Alguns departamentos deixam os papéis separados em um recipiente específico. No DIVE, a borra de café é jogada junto à matéria orgânica para adubar o jardim mantido pelos funcionários da unidade. Quanto aos restos de alimentos, parte é descartada no lixo comum e parte dada aos cachorros, atraindo animais.

3 Produção-s Pneus Gasoso Poluição do Ar Produção-s Selos de Inspeção Produção-s Sucata - Cavalete Produção-s Sucata - Cones Hoje os pneus provenientes de veículos da são entregues diretamente nas borracharias contratadas. Os pneus são recolhidos das borracharias pelo fabricante ou por usina de beneficiamento de insumos para reciclagem. Existe diariamente muita fumaça gerada por vans, micro-onibus, caminhões, movidos a diesel, que são dadas partidas aqui na SEDE (ao lado do prédio da DF) até esquentar e não gerar mais a fumaça. Classificamos como não-perigoso mas poderemos comprar um equipamento da Cetesb para realizar uma medição e então classificar precisamente. Os selos de inspeção são obrigatórios para circulação de veiculos (cerca de 1200 ônibus taxis vans escolares) são trocados de seis em seis meses e fretados (trocados anualmente). Hoje são descartados no DIVE em lixo comum. A produz os cavaletes com madeirite no DIS. Após a quebra, são recolhidos e trazidos para a SEDE, após não haver mais serventia. Eles são armazenados ao lado da manutenção da GAD ao céu aberto. Partes são feitos apoio de pé, partes possíveis de reaproveitamento são devolvidos para a produção de novos cavaletes (DIS) e partes que não servem para as 2 opções anteriores são descartados no lixo comum. Os de plástico quebram rápido devido ação do tempo. São recolhidos após não haver mais serventia, trazidos para a, armazenados ao lado da manutenção ao céu aberto e vai pro aterro sanitário do município via caminhão da. Os de PVC são mais resistentes e são os comprados atualmente via licitação. Não há hoje descarte dele.

4 Produção-s Sucata - EPI's (EPI: roupa, sapato, óculos, capacete, capa de chuva, protetor auricular, máscara semi-facil com filtro químico) A fornece e não recolhe, ficando sob a responsabilidade do funcionário destinar após não haver mais serventia. Alguns funcionários descartam no lixo comum da. Produção-s Produção-s Sucata - Lata de alumínio Sucata - Material de Publicidade São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC. Madeira: São recolhidos após não haver mais serventia, trazidos para a, armazenados ao lado da manutenção ao céu aberto e vai pro aterro sanitário do município via caminhão da (lixo comum). Produção-s Sucata - Mobília Produção-s Sucata - Partes de Veículos Produção-s Sucata - Veículos Produção-s Sucata - Vidro As cadeiras são reaproveitadas e as peças que não podem ser reaproveitadas são armazenadas em um caminhão da que, ao acumular boa quantidade, entrega ao aterro sanitário do município. Enquanto aguarda o transporte, são armazenados a céu aberto ao lado do pátio. Existe também a doação para entidades assistenciais. As partes de metal são vendidas como sucata para ferro velho que tiver o melhor preço. É acumulado uma boa quantidade e não há padrão para coleta ou um destino único. No pátio do Jd. São José, as partes de veículos são descartadas pelos funcionários em lixo comum e são coletados pela PMC. Hoje os veículos são recolhidos e armazenados nos pátios da e ficam ao relento, podendo acumular água e prover criadouros do mosquito da dengue. Hoje há separação de vidros e são armazenados ao relento ao lado do pátio de apreensão ou ao lado da manutenção (GAD). Quinzenalmente o DLU retira os vidros que não possuem cola, já os que possuem não tem destino

5 Os restos de tinta (látex), são descaratados em esgoto comum ao lavar pincel. O estopa é embebida em tiner. As latas dos líquidos são descartados em lixo comum ou o funcionário leva para sua casa. O que está em uso é armazenado em local fechado pela GAD. Liquido Perigoso Tinta e Solventes Na DIS os restos de tinta, tiner e demais resíduos perigosos, provenientes da limpeza das máquinas, são armazenados nos próprios recipientes e armazenados em local fechado. Os recipientes (com resíduos e os vazios) são vendidos como sucata inclusive as latas sujas com tinta. Eles são armazenados embaixo de um rancho e quando atinje uma grande quantidade o caminhão da leva até a empresa de Sucata, que depois vende para as siderúrgicas como insumo para cimento. Recursos-Água Recursos-Energia Produção-s Água Energia Plástico, papel, restos de alimentos ESTAÇÕES DE TRANSFERÊNCIA Jan/13 = 26 m3 Fev/13 = 30 m3 Mar/13 = 29 m3 * Só temos conta da Estação Cidade Judiciária. Jan/13 = Kwh Fev/13 = Kwh Mar/13 = Kwh São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC.

6 Produção-s Sucata - Lata de alumínio São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC. Produção-s Sucata - Vidro São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC. Produção-s Bituca de Cigarro Produção-s Caixa de gordura Recursos-Água Recursos-Energia Liquido Perigoso Água Energia Gordura e Fezes de Animais TERMINAIS Bitucas de cigarro são jogadas na rua e nos gramados dos terminais e descartas em lixo comum. Pela lei anti fumo, não não é permitido fumar em local público. Caixas coletora de gordura existentes são utilizadas e só há manutenção se houver entupimento. Jan/13 = 3.090,25 m3 Fev/13 = 3.417,00 m3 Mar/13 = 2.665,19 m3 Jan/13 = Kwh Fev/13 = Kwh Mar/13 = Kwh No terminal Ouro Verde, as águas engorduradas do açougue do Horto Shopping são escoadas para a rede pluvial, sendo um agente poluidor no gramado interno do terminal. Há muitos cachorros no terminal e suas fezes são jogadas junto ao lixo comum e posteriormete são recolhidas pela PMC.

7 Produção-s Jardinagem Produção-s Perigoso Lâmpadas Em alguns terminais, como Anchieta e D. Pedro, são descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC, que leva ao aterro municipal. No terminal Barão Geraldo a faz a coleta com o caminhão da GAD e leva até o aterro municipal. Nos terminais como Mercado, Vida Nova, Itajaí, Campo Grande, são depositados em locais estratégicos sem qualquer tipo de tratamento ou coleta. No terminal Vila União, são utilizados na horta e jardim mantidos pelo zelador do período da tarde. São recolhidas pela manutenção (GAD) traz para. Não temos padrão para armazenamentoa das lâmpadas fluorescentes e incandescentes, algumas vezes ficam embaixo de chuva e sol e são jogados outros tipo de resíduos nas lixeiras específicas para esse tipo de resíduo até a DLU realizar a coleta. De vez em quando alguém vem retirar, mas não há padrão. Produção-s Lixo dos banheiros São recolhidos pela equipe de limpeza e recolhidos pela PMC como lixo comum. Liquido Produção-s Perigoso Óleo de Veículos Plástico, papel, restos de alimentos Óleo acumulado na pista de rolamento dos terminais ou nos estacionamentos e óleo derramado por incidentes é levado pela água da chuva ou da lavagem, descartando-os nas canaletas de água pluvial. Em alguns terminais, como o Central, Mercado, Ouro Verde, Vila União, D. Pedro, Shop. Iguatemi, dependendo da quantidade de óleo derramada, os funcionários jogam serragem ou areia para absorver excesso de óleo, sendo que a serragem é levada para o aterro sanitário. A população e os funcionários do restaurante localizado à frente da praça do terminal Vida Nova, de responsabilidade da, depositam os seus resíduos no chão e gramado da própria praça. A realiza a poda do gramado, porém não realiza a coleta desse lixo, ocasionando mau cheio e poluição.

8 Produção-s Plástico, papel, restos de alimentos São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela equipe de limpeza e levados ao aterro pela PMC. Em alguns terminais, como Campo Grande, Vida Nova, Anchieta, Ouro Verde e Itajaí, parte dos restos de alimentos são dadas aos cachorros, atraindo outros tipos de animais. No Terminal Mercado, existe o descarte de restos de alimentos pelos moradores de rua que dormem lá ou pelos próprios usuários, acaba-se atraindo pombas que trazem piolhos e ocasionam doenças. No caso do Ouro Verde, esse resíduo entope os bueiros e alaga a pista de rolamento da plataforma 7. A equipe de limpeza contratada não faz a desobstrução dos bueiros. São jogados restos de materiais descartáveis pelos usuários do Horto Shopping junto aos gradis que separa o estabelecimento do terminal, ocasiona poluição visual, pode ocasionar dengue devido acumulo de água. No Term. D. Pedro, os côcos, latas de energéticos, garrafas de vidro, carvão, restos de alimentos, entre outros, são jogados na mata ao lado do terminal. Esse acumulo de lixo atrai pequenos roedores da fauna que são hospedeiros do carrapato estrela. Produção-s Gasoso Pó de massa asfaltica Poluição do Ar Os zeladores recolhem e jogam nas plantas. Existe muita fumaça de ônibus durante todo período de operação das linhas, sendo prejudicial aos funcionários das empresas de ônibus, aos funcionários da e usuários do sistema. Não há medida preventiva. Classificamos como não-perigoso mas poderemos comprar um equipamento da Cetesb para realizar uma medição e então classificar precisamente.

9 Produção-s Poluição Visual Emissão-Ruído Ruído Terminal Mercado: falta de uniformidade na pintura, cobertura e conservação das barracas (dos camelôs) existentes no entorno do terminal. Terminal Central: Poluição visual do fundo das barracas dos camelos e terminal sem padronização de pintura. Box da Ceasa estão em mal estado de preservação na área externa. Terminal D. Pedro: Não há uniformidade nos abrigos e há má conservação. Terminal Ouro Verde: Poluição visual do fundo das barracas dos camelos ao lado do corredor de acesso ao Horto shopping, dentro do terminal, se encontra com o fundo das barracas enferrujadas e gradis, impactando diretamente o gramado interno com a poluição visível no local. Durante todo período na execução da operação das linhas, sendo prejudicial aos funcionários das empresas de ônibus, aos funcionários da e usuários do sistema. A fornece protetor auricular descartável mas os funcionários da não utilizam. As empresas de transporte não fornecem. Produção-s Sucata - Barras de alumínio e cavalete No terminal Ouro Verde são descartadas barras de alumínio e cavaletes no lixo comum e são coletados pela PMC. Produção-s Sucata - Caixas de madeira Caixas de madeira das frutas vendidas por ambulantes existentes nas plataformas do terminal Central são jogadas em lixo comum e nos jardins do terminal. São recolhidas pela manutenção da (GAD), no momento da manutenção do jardim. São descartadas em lixo comum.

10 Produção-s Sucata - Lata de alumínio São descartados pelos funcionários em lixo comum e recolhido pela PMC. No terminal Iguatemi, as vezes a equipe de limpeza do shopping faz a retirada. Nos terminais Ouro Verde, Mercado, Barão Geraldo, Central, Vida Nova, Itajaí, Campo Grande, Anchieta e Vila União os zeladores separam esse resíduo e revendem para cooperativas ou ferro-velho, utilizando como fonte de renda própria. Produção-s Sucata - Partes de Veículos Nos terminais Vida Nova, Itajaí, Campo Grande, Padre Anchieta e Vila União, as partes de veículos são descartadas pelos funcionários em lixo comum e são coletados pela PMC. Produção-s Sucata - Vestimentas No terminal mercado, existe o descarte de vestimentas por moradores de rua que pernoitam no terminal. Os funcionários do terminal recolhe e descarta no lixo comum, que é coletado pela PMC. Produção-s Sucata - Vidro Os vidros descartados pela população no jardim são recolhidos pelos zeladores e descartados em lixo comum, que pos sua vez são coletados pela PMC. No caso do terminal Iguatemi, as vezes a equipe de limpeza do shopping faz a retirada do lixo. Co-Responsáveis Liquido Perigoso Esgoto Comelôs vizinhos doterminal Central levam o esgoto das barracas em galeria imprópria, tendo esgoto a céu aberto. Esse esgoto cai no pavimento, causando lodo branco, mau cheiro e polui rede pluvial. Produção-s Perigoso Óleo de Usinagem Empresas metalúrgicas vizinhas ao Pátio de Veículos - Jd. São José despejam produtos oriundos de sua produtividade de forma indevida. Esses resíduos caem na rede pluvial.

11 Gasoso Poluição do Ar Em Campinas, durante diversos momentos do ano, a emissão de poluentes atmosféricos na cidade ultrapassa os limites permitidos pela legislação observada pela Cetesb. Isso ocorre especialmente durante os períodos de longa estiagem, entre julho e setembro No posto do centro de Campinas, a média de componentes de origem industrial no material particulado fino foi de 26% (considerando o conjunto de componentes) durante o Outono/Inverno e de 23% no Verão. No posto do Cepagri/Unicamp, essa média foi de 26% durante o Outono/Inverno e de 28% durante o Verão. Classificamos como não-perigoso mas poderemos comprar um equipamento da Cetesb para realizar uma medição e então classificar precisamente.

12

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem.

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem. CENÁRIO BRASILEIRO O Brasil gera aproximadamente 250 mil toneladas de lixo por dia. Assim, imagine duas filas de caminhões de 5 toneladas de capacidade, ocupando uma distância equivalente a 10 pontes Rio-Niterói.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Gari e Coletores de Lixo

Gari e Coletores de Lixo Gari e Coletores de Lixo Introdução O nome gari nasceu em homenagem ao empresário Aleixo Gary que em 11 de Outubro de 1876, assinou contrato com o Ministério Imperial para fazer o serviço de limpeza da

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE O LIXO?

VAMOS FALAR SOBRE O LIXO? VAMOS FALAR SOBRE O LIXO? RESÍDUOS SÓLIDOS: RELATO DA EXPERIÊNCIA DA CEASA/PR 2006 / 2007 Elaboração do PGRS: Curitiba Londrina Foz do Iguaçu Não houve implantação somente cumprimento legal 2008 Implantação

Leia mais

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga Apresenta: Coloqu e o lixo no luga r, na hor a e no d certo. ia ORGÂNICO CAPItao VAREJO em: coleta seletiva Enquanto isso, na sala secreta de reuniões... Olá, Capitão Varejo! Grande Gênio, bom dia! Espero

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

Como embalar o lixo. Apresentação

Como embalar o lixo. Apresentação Apresentação Como embalar o lixo Uberaba agora tem uma nova lei que regulamenta o sistema de limpeza urbana. Essa lei abrange desde a contratação da empresa responsável pela coleta do lixo até a maneira

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. Empreendimento: Expansão da unidade de beneficiamento de resíduos. DN Código Classe Atividade:

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A Indicadores do Programa Unidade de Medida Índice recente LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES PROGRAMA: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO

Leia mais

Orientações aos geradores interessados

Orientações aos geradores interessados Grupo de Trabalho de Resíduos Sólidos - GTRS Conselho da APA Federal da Serra da Mantiqueira - CONAPAM Programa de Gestão Ecológica dos Resíduos Sólidos na Região de Visconde de Mauá, Resende, RJ Orientações

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

Hospedagem Sustentável. www.hotelbuhler.com.br

Hospedagem Sustentável. www.hotelbuhler.com.br Hospedagem Sustentável www.hotelbuhler.com.br Lixo Mínimo Alternativas simples, de baixo custo e grande eficácia para administrar e gerenciar a produção e o manejo de resíduos sólidos. Lixo.S. m. 1. Aquilo

Leia mais

O que é compostagem?

O que é compostagem? O que é compostagem? Consideraremos compostagem como um processo de decomposição da matéria orgânica encontrada no lixo, em adubo orgânico. Como se fosse uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois

Leia mais

Gestão Ambiental em Oficinas Reparadoras de Veículos - Guia Orientador

Gestão Ambiental em Oficinas Reparadoras de Veículos - Guia Orientador APRESENTAÇÃO O Município de São Bernardo do Campo, por meio da Secretaria de Gestão Ambiental, disponibiliza a presente publicação com o objetivo de apresentar à população e aos empresários do ramo de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV)

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo

Leia mais

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Instrumentos Legais: Resolução

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude.

Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. 1 Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. Local onde o projeto será instalado/executado: Escola Municipal

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-021 - ESTAÇÃO BOTA-FORA Evandro Alceu Braga Engenheiro Mecânico pela Universidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. No depósito de uma cantina, que tipo de produtos não deve ser armazenado junto com alimentos? A) Cereais. B) Condimentos. C) Produtos de limpeza. D) Frutas e verduras. 02.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06 O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 POR QUE A COLETA COLETIVA? Efeito estufa pela destruição da camada de ozônio, queimadas e derrubadas de florestas de forma desordenada, chuva ácida, produção

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARTILHA EDUCATIVA PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COMA COORDENADORIA DO MEIO AMBIENTE BORTOLOSSI, Fernando. ALVES, Flávia Keller. ZANELLA, Geovani. Programa de Gestão de Resíduos Sólidos. Fernando

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa.

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa. fl. de 5 Endereço Aprovado Data Rev. UNIOP-SP Av. Paulista, 0 São Paulo SP 9º, 5º, 7º e 8º andares JMn (SESMS) 0/08/4 C Atividade Aspecto Ambiental Impacto Todas Emissão Atmosférica (Incêndio) Geração

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

Campanha contra Aedes aegypti

Campanha contra Aedes aegypti Campanha contra Aedes aegypti CONTRIBUIÇÕES DA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E INFRAESTRUTURA OBSERVAR locais ou objetos que podem ser criadouros do mosquito Aedes aegypti REALIZAR ações para evitar criadouros

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS ANEXO III DO TERMO DE REFERENCIA ASPECTOS DE MEIO AMBIENTE 1 OBJETO 1.1 Este anexo discrimina o objeto de contratação de serviços sob os aspectos da legislação ambiental vigente, obrigações e deveres,

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

SACANAGENS OU PROBLEMAS?

SACANAGENS OU PROBLEMAS? FEIRA LIMPA SACANAGENS OU PROBLEMAS? PRIMEIRA AFERIÇÃO DA QUALIDADE DA MATÉRIA DA FEIRA (ANTES DE EXISTIR O FEIRA LIMPA) MONTAMOS UMA EQUIPE PARA CHECAR NO DOMINGO A QUALIDADE DO MATERIAL RECOLHIDO SOMENTE

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Sumário 1. IDENTIFICAÇÃO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 2 3.1. DEFINIÇÕES... 2 3.2. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC...

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2012 RECURSOS SOLÍDOS SER SUSTENTÁVEL É FÁCIL E RENTOSO Foz do Iguaçu - PR 2012 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA AABB: ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL FOZ DO IGUAÇU 1.2.

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

50% 50% LOGO EMPRESA

50% 50% LOGO EMPRESA 50% 50% ILHA PURA ÁREA TERRENO 823.000M² ATE PREVISTO 1.730.000M² VILA DOS ATLETAS ÁREA TERRENO 200.000M² ATE ATUAL 420.000M² 31 TORRES DE 17 PAVIMENTOS ÁREA PARQUE - 72.000M² 3.604 UNIDADES CONDOMÍNIO

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

Manejo de Resíduos Orgânicos HCor-São Paulo

Manejo de Resíduos Orgânicos HCor-São Paulo Manejo de Resíduos Orgânicos HCor-São Paulo Juliana Guedes Simões Gomes Gerente de Gastronomia- HCor Descrição do Hospital Hospital Particular Filantrópico Característica: Geral Quantidade de leitos: 236

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL USO CONSCIENTE DO APARELHO DE AR CONDICIONADO COM OBJETIVO DE ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA Desligá-lo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Mestre em Engenharia Química (UNICAMP, 1996). Engenheiro de Segurança do Trabalho (UNESP, 1994).

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

15APOSTILA PERCEPÇÃO DE RISCOS E DENGUE

15APOSTILA PERCEPÇÃO DE RISCOS E DENGUE 15APOSTILA PERCEPÇÃO DE RISCOS E DENGUE Caros Colegas, Apresentamos a XV apostila das nossas Olimpíadas da Segurança, cujos temas, são a Percepção de Risco e a Dengue. A Percepção de Risco faz parte do

Leia mais

FUNCIONAMENTO. Página 1 UNIDADE DE TRANSBORDO. Endereço: Rua São Sebastião, Nº 405 CEP: 29032-545

FUNCIONAMENTO. Página 1 UNIDADE DE TRANSBORDO. Endereço: Rua São Sebastião, Nº 405 CEP: 29032-545 UNIDADE DE TRANSBORDO Endereço: Rua São Sebastião, Nº 405 CEP: 29032-545 Referência: Próximo ao Centro de Controle de Zoonoses/Secretaria de Saúde Bairro: Resistência Criação: 08 de Setembro de 1990 Gerente:

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Guabiruba/SC, Junho de 2010 Índice Índice página 02 Layout do canteiro página

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo identificada,

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: 14/11/2012 Bimestre: 4 Professor: Vanildo Disciplina: Química Orientações para estudo: Esta atividade deverá ser entregue no dia da avaliação de recuperação,

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC 4.1 - O Que é Gerenciamento de Resíduo? Gerenciamento de Resíduo é um conjunto integrado de ações operacionais e de planejamento que envolvem custo. Gerenciar um resíduo

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA.

O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA. O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA. Vanderli Luciano da Silva Universidade Federal de Goiás Técnico em Agropecuária, graduando em Tecnologia e Gestão Ambiental Auxiliar de pesquisa na UFG, atuou como professor

Leia mais