Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho."

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Ronildo Aparecido Pavani Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. São Paulo 2007

2 RONILDO APARECIDO PAVANI Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro Universitário Senac para a obtenção do título de Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. Orientador Prof. Dr. Dorival Barreiros. São Paulo 2007

3 Pavani, Ronildo Aparecido. P288e Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho / Pavani, Ronildo Aparecido São Paulo, f.: il. color. ; 31 cm Orientador: Prof. Dorival Barreiros Dr. Dissertação (mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente) Centro Universitário Senac, Campus Santo Amaro, São Paulo, Análise ergonômica 2. Ler/dort 3. Método OCRA 4. Gestão da segurança e saúde no trabalho I. Dorival Barreiros (orient.) II. Título. CDD363.7

4 Ronildo Aparecido Pavani Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro Universitário Senac para a obtenção do título de Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. Orientador Prof. Dr. Dorival Barreiros. A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão em sessão pública realizada em 12/12/2007, considerou o candidato: Aprovado. 1) Examinador: Maria de Lourdes Moure, Dra. 2) Examinador: Emília S. M. Seo, Dra.

5 Dedico este trabalho à Selma, minha esposa, e a Leonardo e Giovanni, meus filhos, que se privaram da minha presença para que este objetivo fosse alcançado.

6 AGRADECIMENTOS Sobretudo, a Deus, que me deu forças e coragem para vencer obstáculos e superar dificuldades, mostrando por diversos caminhos o que devo aprender a valorizar em minha vida. A Dra Daniela Colombini, pelas suas orientações e atenção nos esclarecimentos sobre o método OCRA. Aos professores e alunos do Curso de Mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente que me mostraram novas formas de interpretar a realidade e assim contribuíram para a realização deste trabalho. Em especial ao professor Dorival Barreiros, meu orientador, que muito contribuiu para que este projeto se concretizasse.

7 "Que os esforços superem as impossibilidades, pois as grandes proezas dos homens surgiram daquilo que parecia ser impossível Charles Chaplin

8 RESUMO O aumento do número de casos de trabalhadores acometidos pelos distúrbios de ler/dort nas últimas décadas tem sido motivo de estudos de entidades governamentais, universidades e organizações não-governamentais. Ao mesmo tempo este fato também tem sido motivo de preocupações das organizações empresariais que têm na responsabilidade social com esta questão a gestão das pessoas e dos recursos financeiros em saúde ocupacional. A identificação e aplicação de um método técnico-científico, de análise de fatores de risco de ler/dort, específico para membros superiores foram os elementos centrais desta pesquisa. Contextualizou-se a pesquisa realizando uma investigação bibliográfica sobre o histórico da origem da administração do trabalho e sua evolução, a questão da ler/dort, a ergonomia, a gestão da saúde no trabalho e os métodos de análise dos fatores de risco, identificando um método técnico-científico específico para avaliação dos fatores de risco em membros superiores. A aplicação do método técnico-científico OCRA, na análise ergonômica do trabalho, permitiu identificar e quantificar os fatores de risco de ler/dot nas atividades avaliadas. Os resultados mostram que a presença de fatores de risco como posturas inadequadas ou repetitividade durante a realização das tarefas, embora se apresentem como fatores de risco de lesões para os membros superiores não são, necessariamente, condicionantes para a determinação da presença de risco. Este método também possibilitou o mapeamento dos fatores de risco de ler/dort que, correlacionados com os respectivos níveis de ação, permitem a priorização dos investimentos em ergonomia e contribuem para uma gestão eficaz dos recursos em saúde ocupacional. Palavras-chaves: Análise ergonômica. Ler/Dort. Método OCRA. Gestão da segurança e saúde no trabalho.

9 ABSTRACT The increase in the number of cases of workers affected by work-related musculoskeletal disorders in recent decades has been a cause for studies of government agencies, universities and non-governmental organizations. By the time this fact has also been a cause for concern of business organizations that have social responsibility in this matter with the management of people and financial resources in occupational health. The identification and application of a technical-scientific method of analysis of work-related musculoskeletal disorders risk factors, specific to upper limb were the central elements of this search. The Contextualization that search performing a bibliographic research on the history of the origin of the administration's work and its evolution, the work-related musculoskeletal disorders, the ergonomics, the management of health at work and the methods of analysis of work-related musculoskeletal disorders risk factors, identifying a technical-scientific method for assessment of risk factors in upper limb. The application of the OCRA technical-scientific method, in the ergonomics analysis of the work, helped identify and quantify the work-related musculoskeletal disorders risk factors in the activities evaluated. The results show that the presence of risk factors such as inadequate postures or repeatability during the tasks, but come as risk factors for injuries to the upper limb are not necessarily the conditions for determining the presence of risk. This method also allowed the mapping of ergonomic risk factors that correlated with their levels of action, allow the prioritization of investment in ergonomics and contribute to the effective management of resources in occupational health. Keywords: Ergonomics analysis, work-related musculoskeletal disorders (WRMDs), OCRA method, management of occupational Safety and Health.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Uso da anamnese ocupacional na investigação de ler/dort...55 Figura 2 Esquema do processo de gerenciamento de riscos...59 Figura 3 Ciclo do PDCA...60 Figura 4 Fluxo para análise de risco de ler/dort...62 Figura 5 Diagrama da construção da análise ergonômica do trabalho...71 Figura 6 Diagrama para cálculo de escore do método RULA...77 Figura 7 Principais tipos de pegada da mão...90 Figura 8 Associação entre o índice OCRA e pessoas afetadas...98 Figura 9 Estudo de regressão linear do método OCRA...99 Fotografia 1 Preparação da resma de papel para corte Fotografia 2 Deposição da resma na cortadeira Fotografia 3 Bloco de papel cortado Fotografia 4 Transferência do material para mesa de acabamento Fotografia 5 Preparação de blocos para aplicação de cola Fotografia 6 Aplicação de cola nos formulários Fotografia 7 Aplicação de cola nos formulários Fotografia 8 Destacamento dos blocos com utilização de estilete Fotografia 9 Destacamento dos blocos com utilização de estilete Fotografia 10 Cruzamento dos blocos Fotografia 11 Preparação da seqüência de vias para intercalação Fotografia 12 Preparação da seqüência de vias para intercalação Fotografia 13 Intercalação de vias Gráfico 1 Distribuição de casos de ler/dort com diagnóstico médico...20 Quadro 1 Fatores causais de distúrbios osteomusculares...54

11 LISTA DE TABELAS 1 Casos de doenças do trabalho em membros superiores Nível de intervenção para os resultados do método RULA Matriz para verificação dos escores do método OWAS Categorias de ação do método OWAS Verificação dos níveis de risco e ação do método REBA Classificação das variáveis pelo método Strain Index Fatores multiplicativos das variáveis pelo método Strain Index Valores do Strain Index e níveis de risco Relação do fator multiplicador com a escala de Borg Determinação do multiplicador para a força Determinação para as articulações do membro superior Determinação do escore para o tipo de pega Determinação do multiplicador do empenho postural Determinação do multiplicador para a estereotipia Determinação do multiplicador para os fatores complementares Determinação do multiplicador para os períodos de recuperação Determinação do multiplicador para a duração das tarefas Classificação dos níveis de risco do índice OCRA Previsão de prevalência de pessoas afetadas por ler/dort Definição de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil Dados do posto de corte de formulários para cálculo de ATO Dados do posto de corte de formulários para cálculo de ATR Dados do posto de aplicação de cola para cálculo de ATO Dados do posto de aplicação de cola para cálculo de ATR Dados do posto de intercalação de vias para cálculo de ATO Dados do posto de intercalação de vias para cálculo de ATR Resultados do índice OCRA para os três postos de trabalho Mapeamento dos fatores de risco pelo método OCRA...122

12 LISTA DE SIGLAS ABC Paulista Sigla de unificação das cidades de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, localizadas na região metropolitana de São Paulo. ABERGO Associação Brasileira de Ergonomia AET Análise Ergonômica do Trabalho ATO Ações Técnicas Observadas ATR Ações Técnicas Recomendadas BS 8800 British Standards Guide to occupational health and safety management systems CID Classificação Internacional de Doenças CLT Consolidação das Leis do Trabalho CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas COPPE/UFRJ Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro CQT Total Quality Control db(a) Decibéis na escala de compensação A DCO Distúrbio Cervicobraquial Ocupacional DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DOU Diário Oficial da União DUE Distal Upper Extremity FAP Fator Acidentário Previdenciário HMA História da Moléstia Atual IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IE Índice de Exposição IEA International Ergonomics Association IN Instrução Normativa INSS Instituto Nacional de Seguridade Social INST Instituto Nacional de Saúde do Trabalhador ISDA Interrogatório sobre diversos aparelhos LER Lesões por Esforços Repetitivos LTC Lesões por Traumas Cumulativos MCV Máxima Contração Voluntária MTE Ministério do Trabalho e Emprego

13 NIOSH National Institute for Occupational Safety and Health NTEP Nexo Técnico Epidemiológico OCRA Occupational Repetitive Actions OCT Organização Científica do Trabalho OHSAS Occupational Health and Safety Assessment Series OMS Organização Mundial de Saúde OS Síndrome do Overuse OWAS Ovako Working Posture Analysins System PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PDCA Plan, Do, Check and Act PEA População Economicamente Ativa PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais RAIS Relação Anual das Informações Sociais REBA Rapid Entire Body Assessment RSI Repetition Strain Injuries RULA Rapid Upper limb Assessment SAT Seguro de Acidentes do Trabalho SESMT Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. SI Strain Index SST Saúde e Segurança do Trabalho TQS Total Quality Control UERJ Universidade Estadual do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFSC Universidade Federal de Santa Catarina USP Universidade de São Paulo WRMD Work Related Musculoskeletal Disorders

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização do tema e problemática de pesquisa Justificativa Objetivos da pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Estrutura de desenvolvimento da dissertação MATERIAIS E MÉTODOS Natureza e característica da pesquisa Etapas da revisão da literatura O processo de escolha da empresa A escolha dos postos de trabalho Os instrumentos de coleta de dados Limitações da pesquisa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A origem da palavra trabalho O significado do trabalho Breve histórico da evolução do trabalho Fase artesanal Da antiguidade até ao inicio da revolução industrial (1780)...33

15 3.3.2 Fase da Revolução Industrial Da transição do artesanato à industrialização ( ) Fase da 2ª Revolução Industrial O desenvolvimento industrial ( ) Fase do Gigantismo Industrial Entre as duas Grandes Guerras ( ) Fase Moderna Do pós-guerra aos choques petrolíferos ( ) Fase da incerteza Da década de 80 até os dias de hoje A gestão empresarial dos processos produtivos Ênfase nas tarefas Ênfase na estrutura organizacional Teoria Clássica Teoria da Burocracia Teoria Estruturalista Ênfase nas pessoas A Escola de Relações Humanas Teoria Comportamental Ênfase na tecnologia Ênfase no ambiente Ênfase no cliente Estado atual das teorias administrativas A Reengenharia A Globalização A Flexibilização O adoecimento no processo produtivo... 49

16 3.7 A Questão das ler/dort Nomenclatura ler/dort O fenômeno ler/dort no Brasil Diagnóstico de ler/dort A saúde e o trabalho A gestão da segurança e saúde no trabalho A ergonomia Conceitos fundamentais Breve histórico da ergonomia no Brasil A ergonomia no trabalho MÉTODOS DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO A metodologia AET Análise Ergonômica do Trabalho As técnicas de análise postural O método Rapid Upper limb Assessment RULA O método Ovako Working Posture Analysins System OWAS O método Rapid Entire Body Assessment REBA O método Strain Index SI O método Occupational Repetitive Actions OCRA A constante de freqüência de ação técnica O multiplicador para força O multiplicador para a postura O multiplicador para a estereotipia (repetitividade) O multiplicador para a presença de fatores complementares...92

17 4.7.6 O multiplicador para o fator de períodos de recuperação O multiplicador para a duração total do trabalho repetitivo no turno A classificação de risco pelo método OCRA A APLICAÇÃO DE UM MÉTODO TÉCNICO-CIENTÍFICO A escolha do método OCRA Caracterização da empresa A análise da demanda A análise da tarefa O processo produtivo Os postos de trabalho Corte de formulários Acabamento Intercalação de vias de formulário Condições ambientais de trabalho A organização do trabalho RESULTADOS DAS ANÁLISES DAS ATIVIDADES Avaliação da atividade de corte de formulários CF Descrição das operações de CF Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de CF Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de CF Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de CF Avaliação da atividade de aplicação de cola e destacamento de blocos ACDB...110

18 6.2.1 Descrição das operações de ACDB Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de ACDB Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de ACDB Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de ACDB Avaliação da atividade de intercalação de vias de formulários IVF Descrição das operações de IVF Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de IVF Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de IVF Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de IVF Cálculo do índice de exposição (IE) Ponderado DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Classificação dos riscos Mapeamento dos riscos Contribuição para a gestão ergonômica CONCLUSÃO Recomendação para trabalhos futuros REFERÊNCIAS...127

19 18 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização do tema e problemática de pesquisa A evolução tecnológica e as abordagens gerenciais na administração dos processos produtivos nas últimas décadas têm forçado as empresas a buscarem melhorias organizacionais de forma a refletir ganhos de produtividade, redução de custos, qualidades do produto e de vida dos colaboradores. Apesar disso, diversas atividades ainda são desenvolvidas com a exigência de posturas e dispêndio de grandes esforços físicos e mentais com riscos à saúde dos trabalhadores. As afecções músculoesqueléticas relacionadas com o trabalho, que no Brasil tornaram-se conhecidas como Lesões por Esforços Repetitivos LER e que o Instituto Nacional de Seguridade Social INSS denominou de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DORT representam o principal grupo de agravos à saúde entre as doenças ocupacionais em nosso país e trata-se de distúrbios de importância crescente em vários países do mundo com dimensões epidêmicas (MAENO, 2001). Segundo Couto et al. (2007, p.38), Os impactos para as organizações decorrentes das ler/dort atingem diversas áreas, tanto no que se refere à redução da produtividade, ao aumento de custos, aumento no absenteísmo médico, quanto com o comprometimento da capacidade produtiva das áreas operacionais, menor qualidade de vida ao trabalhador, aposentadorias precoces e indenizações. Em um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Saúde do Trabalhador INST, dados fornecidos pelo INSS, indicam que no primeiro ano de afastamento do trabalhador as empresas gastam cerca de 60 a 89 mil reais, entre encargos sociais, complementação de salários dos afastados e despesas com horas-extras de reposição de mão de obra (O NEILL, 2002). Segundo Pastore (2001) as empresas estão gastando R$ 12,5 bilhões por ano apenas com os acidentes de trabalho e doenças profissionais que poderiam ser evitados.

20 19 O Instituto Nacional de Seguridade Social INSS registrou acidentes do trabalho em A análise por setor de atividade econômica revela que o setor industrial participou com 47,4% dos acidentes, seguido pelo setor de serviços com 45,7% e do total de acidentes registrados, as doenças ocupacionais representam 5,3%. Neste mesmo período os códigos da Classificação Internacional de Doenças CID mais incidentes foram relacionados com os membros superiores (mãos, punhos, cotovelos e ombros), sendo CID (M65) sinovite e tenossinovite responsável por 21% do total e CID (M75) lesões nos ombros, responsável por 16,2% do total (BRASIL, 2006a). A soma dos percentuais de incidência dos códigos M65 e M75 representam 37,2% do total de doenças ocupacionais registradas no Brasil no ano de A tabela 1 mostra a quantidade de casos de doenças do trabalho em membros superiores, segregados por localização da lesão segundo os códigos CID, no ano de TABELA 1 Casos de doenças do trabalho em membros superiores 2006 CID Descrição Nº Casos M65 Sinovite e Tenossinovite 5772 M75 Lesões nos ombros 4325 Fonte: Anuário Estatístico da Previdência Social, 2006 Total Em uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Prevenção às ler/dort em 2001 sobre a saúde dos trabalhadores moradores na cidade de São Paulo foi constatado que os casos de ler/dort afetam 6% de todos os trabalhadores dessa cidade, isto representa 310 mil trabalhadores (INPLD, 2001). A distribuição dos casos de doenças desta pesquisa se apresenta de forma resumida no gráfico 1.

21 20 Doenças nervosas/pscicológicas 16% LER/DORT 14% Serviços 15% Problemas na coluna Doenças cardiovasculares Tendinite 9% 6% 12% 6% dos trabalhadores da cidade de SP Indústria Comércio 12% 15% Cansaço físico 5% 4% da população da cidade de SP Construção civil 0% Dor de cabeça 5% Problemas musculares 3% Gráfico 1 Distribuição de casos de ler/dort com diagnóstico médico Fonte: INPLD, 2001 No gráfico 1 é possível verificar que a saúde do trabalhador é afetada em primeiro lugar pelas doenças nervosas e psicológicas com 16% da amostra e em segundo lugar aparecem os casos de ler/dort com 14% dos trabalhadores entrevistados. Outro fato relevante levantado pela pesquisa é que, dos casos de ler/dort investigados, em 76% da amostra estava presente a exigência de movimentos repetitivos de membros superiores, o que nos remete à importância da aplicação de métodos técnico-científicos de avaliação dos fatores de risco ergonômico de membros superiores para uma boa gestão das questões que influenciam a saúde no trabalho dentro das organizações. O aumento dos casos de ler/dort tem sido relacionado com fatores referentes à organização do trabalho tais como a inflexibilidade e alta intensidade do ritmo de trabalho, execução de grande quantidade de movimentos repetitivos em grande velocidade, sobrecarga de determinados grupos musculares, ausência de controle sobre o modo e ritmo de trabalho, ausência de pausas, exigência de produtividade, uso de mobiliário e equipamentos desconfortáveis e manutenção de posturas inadequadas. Para Couto (2002), a organização do trabalho pode ser assim definida: É todo o conjunto de ações feitas pelo gestor e pelos facilitadores para

22 21 que a prescrição de trabalho (planos, objetivos e metas) ditada pela direção da organização seja cumprida e se essas ações não forem planejadas corretamente podem provocar sobrecarga física e mental aos trabalhadores e conseqüentemente o adoecimento. Existem vários fatores de organização do trabalho causadores de sobrecarga, tais como: aumento da carga de trabalho e dos objetivos e metas sem preparo adequado para atendimento a esta situação; horas-extras; dobras de turno; mão-de-obra insuficientemente preparada para as exigências da tarefa; urgências e emergências; retrabalhos; automações inadequadas, falta de manutenção dos equipamentos e problemas com a qualidade do material causando esforço físico extra dos operadores (COUTO, 2002). Para Guérin et al. (2001), as empresas se organizam para limitar a variabilidade no trabalho, porém todo processo tem as suas variabilidades, quer seja programadas ou não programadas, obrigando os operadores a enfrentá-las e, conseqüentemente estes constrangimentos podem alterar seus comportamentos, representando uma sobrecarga no trabalho. Ainda segundo Guérin et al. (2001, p.26) A atividade de trabalho unifica as dimensões técnica, econômicas e sociais do trabalho através das suas determinantes, de um lado, o trabalhador com suas características específicas e de outro, a empresa com suas regras de funcionamento e o contexto de realização do trabalho. Assim sendo, os resultados da atividade de trabalho devem ser relacionados por um lado, com a produção tanto de um ponto de vista quantitativo quanto qualitativo e por outro lado, com as conseqüências que acarretam aos trabalhadores que podem ser negativas (alteração da saúde física, psíquica e social) ou positivas (aquisição de novos conhecimentos, enriquecimento da experiência e aumento da qualificação). As conseqüências decorrentes do aumento do número de casos de lesões nos membros superiores relacionadas a ler/dort têm sido origem de muitas preocupações das organizações empresariais. Os gestores passaram a ter a missão da gestão eficaz dos investimentos em saúde e segurança, de forma a atender a demanda por prevenção de acidentes e doenças ocupacionais no

23 22 ambiente de trabalho e atender a legislação deste setor, ainda com a preocupação de administrar os custos totais das empresas (PAVANI 2006). A legislação Brasileira prevê na norma regulamentadora de nº 17 que os empregadores devem avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores através de análises ergonômicas do trabalho, porém esta determinação está cercada de controvérsias em função da falta de indicadores quantitativos e falta de entendimento se a avaliação citada na norma se refere a uma análise global ou individualizada para cada posto de trabalho. Neste cenário tem crescido a prática de mercado da elaboração de laudos ergonômicos, termo que não tem amparo legal na norma regulamentadora nº 17, realizado por profissionais que muitas vezes não tem conhecimento técnico sobre ergonomia e sem compreender o trabalho realizado para emitir opiniões e recomendações às organizações que irão investir recursos a partir dos resultados desses laudos. Segundo Oliveira et al. (2007) as análises ergonômicas do trabalho não são, necessariamente, indicadas para todos os tipos de empresas nem para todas as atividades desenvolvidas nas empresas e complementa que a indicação de análise ergonômica do trabalho deve ser precisa para uma situação específica e comenta como se dá essa demanda em ergonomia: [...] a demanda faz parte de um processo de construção social da ação ergonômica, e que, mais importante do que simplesmente um laudo ergonômico, é implementar ações que terminem em transformações reais nas condições de trabalho, e que, para tanto, é imprescindível compreender o trabalho antes de propor qualquer mudança (OLIVEIRA et al. 2007, P.9). Na literatura a respeito de análises ergonômicas há diversos métodos delineados para determinar e quantificar o risco de exposição a fatores de sobrecarga biomecânica dos membros superiores. Da mesma forma, os métodos buscam uma avaliação generalista de todos, ou quase todos, segmentos corpóreos, não permitindo que os gestores, responsáveis por desenvolver ações preventivas ou corretivas de controle dos riscos tenham clareza da sua priorização.

24 23 Logo, existe uma carência no desenvolvimento de estudos e de aplicação de métodos que sejam simples do ponto de vista do entendimento tanto dos expertos em ergonomia quanto dos gestores e mostrem um direcionamento na priorização das ações. 1.2 Justificativa Esta pesquisa é relevante à medida que traz conhecimento às organizações acerca dos métodos técnico-científicos de análise ergonômica do trabalho a serem aplicados para a identificação de fatores de risco de ler/dort. Do ponto de vista da ergonomia, esta pesquisa permitirá avaliar cientificamente um modelo de análise dos fatores de risco de ler/dort em membros superiores. A importância desta pesquisa em analisar os fatores de risco e os métodos de análise mais adequados às suas caracterizações é contribuir para uma gestão mais adequada da ergonomia e da saúde do trabalhador. Neste sentido o estudo se justifica pela abordagem metodológica com que se pretende fornecer subsídios para compreender o método específico para esta problemática e contribuir para o aprimoramento das condições de trabalho e tomada de decisão gerencial quanto à priorização das ações em ergonomia. 1.3 Objetivos da pesquisa Objetivo geral Realizar um estudo ergonômico, utilizando um método técnico-científico específico para os fatores de riscos de lesões nos membros superiores, e analisar a sua contribuição para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador.

25 Objetivos específicos 1. Identificar um método técnico-científico de análise de fatores de risco de ler/dort específico para membros superiores. 2. Aplicar um método técnico-científico de análise de fatores de risco de ler/dort em um setor produtivo. 3. Analisar a contribuição e também as limitações do método aplicado para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador nas organizações. 1.4 Estrutura de desenvolvimento da dissertação A pesquisa foi estruturada em oito capítulos incluindo esta introdução com o objetivo geral e os objetivos específicos. O segundo capítulo apresenta os materiais e métodos utilizados e o terceiro trata da fundamentação teórica com o histórico da gestão dos processos produtivos e o seu impacto para os trabalhadores. No quarto capítulo são apresentados os modelos de análise ergonômica do trabalho e o quinto capítulo trás a discussão da escolha do método técnico-científico de análise dos fatores de risco para aplicação prática na empresa. O sexto capítulo apresenta os resultados e as avaliações dos fatores de risco de ler/dort de cada posto de trabalho. No sétimo capítulo são apresentadas, a discussão dos resultados e a contribuição deste estudo para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador. O oitavo capítulo apresenta as conclusões, considerações finais, limitações da pesquisa e as recomendações para trabalhos futuros.

26 25 2 MATERIAIS E MÉTODOS O presente capítulo tem por finalidade apresentar a caracterização do estudo, metodologia utilizada para a coleta e análise de dados, procedimentos e instrumentos e percurso metodológico na escolha da empresa e do método de análise de risco de ler/dort em membros superiores. 2.1 Natureza e características da pesquisa A pesquisa científica pode se constituir num elemento de fundamental importância para a análise de problemas do cotidiano, para o desenvolvimento da ciência e para o desenvolvimento das pessoas no contexto do trabalho. Esta pesquisa tem o objetivo de gerar conhecimento na área de ergonomia e contribuir para a melhoria dos ambientes de trabalho, de sobremaneira para a saúde do trabalhador. Segundo Gil (1999, p.42), a pesquisa tem um caráter pragmático, é um processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. O objetivo da pesquisa é descobrir respostas para problemas mediante o emprego de procedimentos científicos. Com relação à sua natureza esta pesquisa é do tipo Aplicada, pois objetiva gerar conhecimento de aplicação prática nas organizações dirigido à solução de problemas específicos relacionados à análise dos fatores de risco de ler/dort. Quanto à abordagem, esta pesquisa é descritiva, pela característica da extensa revisão bibliográfica em busca de métodos de análise de fatores de risco de ler/dort e também exploratória, pela observação, classificação e descrição das tarefas e atividades dos trabalhadores. Em relação à análise de dados esta pesquisa é predominantemente qualitativa, embora a tabulação dos fatores de risco se fez necessária, inclusive para correlacionar os resultados encontrados a partir de diferentes análises.

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Intervir na organização do trabalho.

Intervir na organização do trabalho. Intervir na organização do trabalho. "Sistema Ambiente" tem um módulo para examinar as condições mais precisamente ergonômico. O método permite a definição de parâmetros objetivos de medição de cada ponto

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Importância Berenice I. F. Goelzer E-mail:berenice@goelzer.net As doenças ocupacionais, que constituem uma das grandes epidemias silenciosas,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho MANIPULAÇÃO MANUAL DE CARGAS (MMC) Fatores de Risco e Avaliação Ana Sofia Colim A Problemática da MMC Legislação Decreto-Lei 330/93 Métodos de Avaliação de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS Pessoas em Primeiro Lugar!!! DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A REVOLUÇÃO DIGITAL Prof. Flavio A. Pavan O velho conceito das organizações: Uma organização é um conjunto integrado

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Avaliação Psicossocial: conceitos

Avaliação Psicossocial: conceitos Avaliação Psicossocial: conceitos Vera Lucia Zaher Pesquisadora do LIM 01 da FMUSP Programa de pós-graduação de Bioética do Centro Universitário São Camilo Diretora da Associação Paulista de Medicina do

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 BOLETIM INFORMATIVO Nº 28/2015 ANO XII (13 de agosto de 2015) 01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 Embora o esocial passe efetivamente a ser obrigatório a partir de setembro de 2016,

Leia mais

3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA)

3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA) 3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA) Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Histórico da Teoria Geral da Administração (TGA) 3. Abordagem Clássica da Administração 1 Bibliografia Recomenda Livro

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE Autores Carmem Lúcia Carneiro Rolim Antiógenes José Freitas Cordeiro José Clóves Fernandes COMPANHIA ENERGÉTICA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Gestão da Saúde do Trabalhador na Indústria Quais os indicadores de saúde do trabalhador da indústria? Como estabelecer políticas de promoção,

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais