Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho."

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Ronildo Aparecido Pavani Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. São Paulo 2007

2 RONILDO APARECIDO PAVANI Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro Universitário Senac para a obtenção do título de Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. Orientador Prof. Dr. Dorival Barreiros. São Paulo 2007

3 Pavani, Ronildo Aparecido. P288e Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho / Pavani, Ronildo Aparecido São Paulo, f.: il. color. ; 31 cm Orientador: Prof. Dorival Barreiros Dr. Dissertação (mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente) Centro Universitário Senac, Campus Santo Amaro, São Paulo, Análise ergonômica 2. Ler/dort 3. Método OCRA 4. Gestão da segurança e saúde no trabalho I. Dorival Barreiros (orient.) II. Título. CDD363.7

4 Ronildo Aparecido Pavani Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro Universitário Senac para a obtenção do título de Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. Orientador Prof. Dr. Dorival Barreiros. A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão em sessão pública realizada em 12/12/2007, considerou o candidato: Aprovado. 1) Examinador: Maria de Lourdes Moure, Dra. 2) Examinador: Emília S. M. Seo, Dra.

5 Dedico este trabalho à Selma, minha esposa, e a Leonardo e Giovanni, meus filhos, que se privaram da minha presença para que este objetivo fosse alcançado.

6 AGRADECIMENTOS Sobretudo, a Deus, que me deu forças e coragem para vencer obstáculos e superar dificuldades, mostrando por diversos caminhos o que devo aprender a valorizar em minha vida. A Dra Daniela Colombini, pelas suas orientações e atenção nos esclarecimentos sobre o método OCRA. Aos professores e alunos do Curso de Mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente que me mostraram novas formas de interpretar a realidade e assim contribuíram para a realização deste trabalho. Em especial ao professor Dorival Barreiros, meu orientador, que muito contribuiu para que este projeto se concretizasse.

7 "Que os esforços superem as impossibilidades, pois as grandes proezas dos homens surgiram daquilo que parecia ser impossível Charles Chaplin

8 RESUMO O aumento do número de casos de trabalhadores acometidos pelos distúrbios de ler/dort nas últimas décadas tem sido motivo de estudos de entidades governamentais, universidades e organizações não-governamentais. Ao mesmo tempo este fato também tem sido motivo de preocupações das organizações empresariais que têm na responsabilidade social com esta questão a gestão das pessoas e dos recursos financeiros em saúde ocupacional. A identificação e aplicação de um método técnico-científico, de análise de fatores de risco de ler/dort, específico para membros superiores foram os elementos centrais desta pesquisa. Contextualizou-se a pesquisa realizando uma investigação bibliográfica sobre o histórico da origem da administração do trabalho e sua evolução, a questão da ler/dort, a ergonomia, a gestão da saúde no trabalho e os métodos de análise dos fatores de risco, identificando um método técnico-científico específico para avaliação dos fatores de risco em membros superiores. A aplicação do método técnico-científico OCRA, na análise ergonômica do trabalho, permitiu identificar e quantificar os fatores de risco de ler/dot nas atividades avaliadas. Os resultados mostram que a presença de fatores de risco como posturas inadequadas ou repetitividade durante a realização das tarefas, embora se apresentem como fatores de risco de lesões para os membros superiores não são, necessariamente, condicionantes para a determinação da presença de risco. Este método também possibilitou o mapeamento dos fatores de risco de ler/dort que, correlacionados com os respectivos níveis de ação, permitem a priorização dos investimentos em ergonomia e contribuem para uma gestão eficaz dos recursos em saúde ocupacional. Palavras-chaves: Análise ergonômica. Ler/Dort. Método OCRA. Gestão da segurança e saúde no trabalho.

9 ABSTRACT The increase in the number of cases of workers affected by work-related musculoskeletal disorders in recent decades has been a cause for studies of government agencies, universities and non-governmental organizations. By the time this fact has also been a cause for concern of business organizations that have social responsibility in this matter with the management of people and financial resources in occupational health. The identification and application of a technical-scientific method of analysis of work-related musculoskeletal disorders risk factors, specific to upper limb were the central elements of this search. The Contextualization that search performing a bibliographic research on the history of the origin of the administration's work and its evolution, the work-related musculoskeletal disorders, the ergonomics, the management of health at work and the methods of analysis of work-related musculoskeletal disorders risk factors, identifying a technical-scientific method for assessment of risk factors in upper limb. The application of the OCRA technical-scientific method, in the ergonomics analysis of the work, helped identify and quantify the work-related musculoskeletal disorders risk factors in the activities evaluated. The results show that the presence of risk factors such as inadequate postures or repeatability during the tasks, but come as risk factors for injuries to the upper limb are not necessarily the conditions for determining the presence of risk. This method also allowed the mapping of ergonomic risk factors that correlated with their levels of action, allow the prioritization of investment in ergonomics and contribute to the effective management of resources in occupational health. Keywords: Ergonomics analysis, work-related musculoskeletal disorders (WRMDs), OCRA method, management of occupational Safety and Health.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Uso da anamnese ocupacional na investigação de ler/dort...55 Figura 2 Esquema do processo de gerenciamento de riscos...59 Figura 3 Ciclo do PDCA...60 Figura 4 Fluxo para análise de risco de ler/dort...62 Figura 5 Diagrama da construção da análise ergonômica do trabalho...71 Figura 6 Diagrama para cálculo de escore do método RULA...77 Figura 7 Principais tipos de pegada da mão...90 Figura 8 Associação entre o índice OCRA e pessoas afetadas...98 Figura 9 Estudo de regressão linear do método OCRA...99 Fotografia 1 Preparação da resma de papel para corte Fotografia 2 Deposição da resma na cortadeira Fotografia 3 Bloco de papel cortado Fotografia 4 Transferência do material para mesa de acabamento Fotografia 5 Preparação de blocos para aplicação de cola Fotografia 6 Aplicação de cola nos formulários Fotografia 7 Aplicação de cola nos formulários Fotografia 8 Destacamento dos blocos com utilização de estilete Fotografia 9 Destacamento dos blocos com utilização de estilete Fotografia 10 Cruzamento dos blocos Fotografia 11 Preparação da seqüência de vias para intercalação Fotografia 12 Preparação da seqüência de vias para intercalação Fotografia 13 Intercalação de vias Gráfico 1 Distribuição de casos de ler/dort com diagnóstico médico...20 Quadro 1 Fatores causais de distúrbios osteomusculares...54

11 LISTA DE TABELAS 1 Casos de doenças do trabalho em membros superiores Nível de intervenção para os resultados do método RULA Matriz para verificação dos escores do método OWAS Categorias de ação do método OWAS Verificação dos níveis de risco e ação do método REBA Classificação das variáveis pelo método Strain Index Fatores multiplicativos das variáveis pelo método Strain Index Valores do Strain Index e níveis de risco Relação do fator multiplicador com a escala de Borg Determinação do multiplicador para a força Determinação para as articulações do membro superior Determinação do escore para o tipo de pega Determinação do multiplicador do empenho postural Determinação do multiplicador para a estereotipia Determinação do multiplicador para os fatores complementares Determinação do multiplicador para os períodos de recuperação Determinação do multiplicador para a duração das tarefas Classificação dos níveis de risco do índice OCRA Previsão de prevalência de pessoas afetadas por ler/dort Definição de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil Dados do posto de corte de formulários para cálculo de ATO Dados do posto de corte de formulários para cálculo de ATR Dados do posto de aplicação de cola para cálculo de ATO Dados do posto de aplicação de cola para cálculo de ATR Dados do posto de intercalação de vias para cálculo de ATO Dados do posto de intercalação de vias para cálculo de ATR Resultados do índice OCRA para os três postos de trabalho Mapeamento dos fatores de risco pelo método OCRA...122

12 LISTA DE SIGLAS ABC Paulista Sigla de unificação das cidades de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, localizadas na região metropolitana de São Paulo. ABERGO Associação Brasileira de Ergonomia AET Análise Ergonômica do Trabalho ATO Ações Técnicas Observadas ATR Ações Técnicas Recomendadas BS 8800 British Standards Guide to occupational health and safety management systems CID Classificação Internacional de Doenças CLT Consolidação das Leis do Trabalho CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas COPPE/UFRJ Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro CQT Total Quality Control db(a) Decibéis na escala de compensação A DCO Distúrbio Cervicobraquial Ocupacional DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DOU Diário Oficial da União DUE Distal Upper Extremity FAP Fator Acidentário Previdenciário HMA História da Moléstia Atual IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IE Índice de Exposição IEA International Ergonomics Association IN Instrução Normativa INSS Instituto Nacional de Seguridade Social INST Instituto Nacional de Saúde do Trabalhador ISDA Interrogatório sobre diversos aparelhos LER Lesões por Esforços Repetitivos LTC Lesões por Traumas Cumulativos MCV Máxima Contração Voluntária MTE Ministério do Trabalho e Emprego

13 NIOSH National Institute for Occupational Safety and Health NTEP Nexo Técnico Epidemiológico OCRA Occupational Repetitive Actions OCT Organização Científica do Trabalho OHSAS Occupational Health and Safety Assessment Series OMS Organização Mundial de Saúde OS Síndrome do Overuse OWAS Ovako Working Posture Analysins System PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PDCA Plan, Do, Check and Act PEA População Economicamente Ativa PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais RAIS Relação Anual das Informações Sociais REBA Rapid Entire Body Assessment RSI Repetition Strain Injuries RULA Rapid Upper limb Assessment SAT Seguro de Acidentes do Trabalho SESMT Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. SI Strain Index SST Saúde e Segurança do Trabalho TQS Total Quality Control UERJ Universidade Estadual do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFSC Universidade Federal de Santa Catarina USP Universidade de São Paulo WRMD Work Related Musculoskeletal Disorders

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização do tema e problemática de pesquisa Justificativa Objetivos da pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Estrutura de desenvolvimento da dissertação MATERIAIS E MÉTODOS Natureza e característica da pesquisa Etapas da revisão da literatura O processo de escolha da empresa A escolha dos postos de trabalho Os instrumentos de coleta de dados Limitações da pesquisa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A origem da palavra trabalho O significado do trabalho Breve histórico da evolução do trabalho Fase artesanal Da antiguidade até ao inicio da revolução industrial (1780)...33

15 3.3.2 Fase da Revolução Industrial Da transição do artesanato à industrialização ( ) Fase da 2ª Revolução Industrial O desenvolvimento industrial ( ) Fase do Gigantismo Industrial Entre as duas Grandes Guerras ( ) Fase Moderna Do pós-guerra aos choques petrolíferos ( ) Fase da incerteza Da década de 80 até os dias de hoje A gestão empresarial dos processos produtivos Ênfase nas tarefas Ênfase na estrutura organizacional Teoria Clássica Teoria da Burocracia Teoria Estruturalista Ênfase nas pessoas A Escola de Relações Humanas Teoria Comportamental Ênfase na tecnologia Ênfase no ambiente Ênfase no cliente Estado atual das teorias administrativas A Reengenharia A Globalização A Flexibilização O adoecimento no processo produtivo... 49

16 3.7 A Questão das ler/dort Nomenclatura ler/dort O fenômeno ler/dort no Brasil Diagnóstico de ler/dort A saúde e o trabalho A gestão da segurança e saúde no trabalho A ergonomia Conceitos fundamentais Breve histórico da ergonomia no Brasil A ergonomia no trabalho MÉTODOS DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO A metodologia AET Análise Ergonômica do Trabalho As técnicas de análise postural O método Rapid Upper limb Assessment RULA O método Ovako Working Posture Analysins System OWAS O método Rapid Entire Body Assessment REBA O método Strain Index SI O método Occupational Repetitive Actions OCRA A constante de freqüência de ação técnica O multiplicador para força O multiplicador para a postura O multiplicador para a estereotipia (repetitividade) O multiplicador para a presença de fatores complementares...92

17 4.7.6 O multiplicador para o fator de períodos de recuperação O multiplicador para a duração total do trabalho repetitivo no turno A classificação de risco pelo método OCRA A APLICAÇÃO DE UM MÉTODO TÉCNICO-CIENTÍFICO A escolha do método OCRA Caracterização da empresa A análise da demanda A análise da tarefa O processo produtivo Os postos de trabalho Corte de formulários Acabamento Intercalação de vias de formulário Condições ambientais de trabalho A organização do trabalho RESULTADOS DAS ANÁLISES DAS ATIVIDADES Avaliação da atividade de corte de formulários CF Descrição das operações de CF Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de CF Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de CF Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de CF Avaliação da atividade de aplicação de cola e destacamento de blocos ACDB...110

18 6.2.1 Descrição das operações de ACDB Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de ACDB Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de ACDB Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de ACDB Avaliação da atividade de intercalação de vias de formulários IVF Descrição das operações de IVF Cálculo de ações técnicas observadas (ATO) de IVF Cálculo de ações técnicas recomendadas (ATR) de IVF Cálculo do índice de exposição (IE) OCRA para a atividade de IVF Cálculo do índice de exposição (IE) Ponderado DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Classificação dos riscos Mapeamento dos riscos Contribuição para a gestão ergonômica CONCLUSÃO Recomendação para trabalhos futuros REFERÊNCIAS...127

19 18 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização do tema e problemática de pesquisa A evolução tecnológica e as abordagens gerenciais na administração dos processos produtivos nas últimas décadas têm forçado as empresas a buscarem melhorias organizacionais de forma a refletir ganhos de produtividade, redução de custos, qualidades do produto e de vida dos colaboradores. Apesar disso, diversas atividades ainda são desenvolvidas com a exigência de posturas e dispêndio de grandes esforços físicos e mentais com riscos à saúde dos trabalhadores. As afecções músculoesqueléticas relacionadas com o trabalho, que no Brasil tornaram-se conhecidas como Lesões por Esforços Repetitivos LER e que o Instituto Nacional de Seguridade Social INSS denominou de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DORT representam o principal grupo de agravos à saúde entre as doenças ocupacionais em nosso país e trata-se de distúrbios de importância crescente em vários países do mundo com dimensões epidêmicas (MAENO, 2001). Segundo Couto et al. (2007, p.38), Os impactos para as organizações decorrentes das ler/dort atingem diversas áreas, tanto no que se refere à redução da produtividade, ao aumento de custos, aumento no absenteísmo médico, quanto com o comprometimento da capacidade produtiva das áreas operacionais, menor qualidade de vida ao trabalhador, aposentadorias precoces e indenizações. Em um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Saúde do Trabalhador INST, dados fornecidos pelo INSS, indicam que no primeiro ano de afastamento do trabalhador as empresas gastam cerca de 60 a 89 mil reais, entre encargos sociais, complementação de salários dos afastados e despesas com horas-extras de reposição de mão de obra (O NEILL, 2002). Segundo Pastore (2001) as empresas estão gastando R$ 12,5 bilhões por ano apenas com os acidentes de trabalho e doenças profissionais que poderiam ser evitados.

20 19 O Instituto Nacional de Seguridade Social INSS registrou acidentes do trabalho em A análise por setor de atividade econômica revela que o setor industrial participou com 47,4% dos acidentes, seguido pelo setor de serviços com 45,7% e do total de acidentes registrados, as doenças ocupacionais representam 5,3%. Neste mesmo período os códigos da Classificação Internacional de Doenças CID mais incidentes foram relacionados com os membros superiores (mãos, punhos, cotovelos e ombros), sendo CID (M65) sinovite e tenossinovite responsável por 21% do total e CID (M75) lesões nos ombros, responsável por 16,2% do total (BRASIL, 2006a). A soma dos percentuais de incidência dos códigos M65 e M75 representam 37,2% do total de doenças ocupacionais registradas no Brasil no ano de A tabela 1 mostra a quantidade de casos de doenças do trabalho em membros superiores, segregados por localização da lesão segundo os códigos CID, no ano de TABELA 1 Casos de doenças do trabalho em membros superiores 2006 CID Descrição Nº Casos M65 Sinovite e Tenossinovite 5772 M75 Lesões nos ombros 4325 Fonte: Anuário Estatístico da Previdência Social, 2006 Total Em uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Prevenção às ler/dort em 2001 sobre a saúde dos trabalhadores moradores na cidade de São Paulo foi constatado que os casos de ler/dort afetam 6% de todos os trabalhadores dessa cidade, isto representa 310 mil trabalhadores (INPLD, 2001). A distribuição dos casos de doenças desta pesquisa se apresenta de forma resumida no gráfico 1.

21 20 Doenças nervosas/pscicológicas 16% LER/DORT 14% Serviços 15% Problemas na coluna Doenças cardiovasculares Tendinite 9% 6% 12% 6% dos trabalhadores da cidade de SP Indústria Comércio 12% 15% Cansaço físico 5% 4% da população da cidade de SP Construção civil 0% Dor de cabeça 5% Problemas musculares 3% Gráfico 1 Distribuição de casos de ler/dort com diagnóstico médico Fonte: INPLD, 2001 No gráfico 1 é possível verificar que a saúde do trabalhador é afetada em primeiro lugar pelas doenças nervosas e psicológicas com 16% da amostra e em segundo lugar aparecem os casos de ler/dort com 14% dos trabalhadores entrevistados. Outro fato relevante levantado pela pesquisa é que, dos casos de ler/dort investigados, em 76% da amostra estava presente a exigência de movimentos repetitivos de membros superiores, o que nos remete à importância da aplicação de métodos técnico-científicos de avaliação dos fatores de risco ergonômico de membros superiores para uma boa gestão das questões que influenciam a saúde no trabalho dentro das organizações. O aumento dos casos de ler/dort tem sido relacionado com fatores referentes à organização do trabalho tais como a inflexibilidade e alta intensidade do ritmo de trabalho, execução de grande quantidade de movimentos repetitivos em grande velocidade, sobrecarga de determinados grupos musculares, ausência de controle sobre o modo e ritmo de trabalho, ausência de pausas, exigência de produtividade, uso de mobiliário e equipamentos desconfortáveis e manutenção de posturas inadequadas. Para Couto (2002), a organização do trabalho pode ser assim definida: É todo o conjunto de ações feitas pelo gestor e pelos facilitadores para

22 21 que a prescrição de trabalho (planos, objetivos e metas) ditada pela direção da organização seja cumprida e se essas ações não forem planejadas corretamente podem provocar sobrecarga física e mental aos trabalhadores e conseqüentemente o adoecimento. Existem vários fatores de organização do trabalho causadores de sobrecarga, tais como: aumento da carga de trabalho e dos objetivos e metas sem preparo adequado para atendimento a esta situação; horas-extras; dobras de turno; mão-de-obra insuficientemente preparada para as exigências da tarefa; urgências e emergências; retrabalhos; automações inadequadas, falta de manutenção dos equipamentos e problemas com a qualidade do material causando esforço físico extra dos operadores (COUTO, 2002). Para Guérin et al. (2001), as empresas se organizam para limitar a variabilidade no trabalho, porém todo processo tem as suas variabilidades, quer seja programadas ou não programadas, obrigando os operadores a enfrentá-las e, conseqüentemente estes constrangimentos podem alterar seus comportamentos, representando uma sobrecarga no trabalho. Ainda segundo Guérin et al. (2001, p.26) A atividade de trabalho unifica as dimensões técnica, econômicas e sociais do trabalho através das suas determinantes, de um lado, o trabalhador com suas características específicas e de outro, a empresa com suas regras de funcionamento e o contexto de realização do trabalho. Assim sendo, os resultados da atividade de trabalho devem ser relacionados por um lado, com a produção tanto de um ponto de vista quantitativo quanto qualitativo e por outro lado, com as conseqüências que acarretam aos trabalhadores que podem ser negativas (alteração da saúde física, psíquica e social) ou positivas (aquisição de novos conhecimentos, enriquecimento da experiência e aumento da qualificação). As conseqüências decorrentes do aumento do número de casos de lesões nos membros superiores relacionadas a ler/dort têm sido origem de muitas preocupações das organizações empresariais. Os gestores passaram a ter a missão da gestão eficaz dos investimentos em saúde e segurança, de forma a atender a demanda por prevenção de acidentes e doenças ocupacionais no

23 22 ambiente de trabalho e atender a legislação deste setor, ainda com a preocupação de administrar os custos totais das empresas (PAVANI 2006). A legislação Brasileira prevê na norma regulamentadora de nº 17 que os empregadores devem avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores através de análises ergonômicas do trabalho, porém esta determinação está cercada de controvérsias em função da falta de indicadores quantitativos e falta de entendimento se a avaliação citada na norma se refere a uma análise global ou individualizada para cada posto de trabalho. Neste cenário tem crescido a prática de mercado da elaboração de laudos ergonômicos, termo que não tem amparo legal na norma regulamentadora nº 17, realizado por profissionais que muitas vezes não tem conhecimento técnico sobre ergonomia e sem compreender o trabalho realizado para emitir opiniões e recomendações às organizações que irão investir recursos a partir dos resultados desses laudos. Segundo Oliveira et al. (2007) as análises ergonômicas do trabalho não são, necessariamente, indicadas para todos os tipos de empresas nem para todas as atividades desenvolvidas nas empresas e complementa que a indicação de análise ergonômica do trabalho deve ser precisa para uma situação específica e comenta como se dá essa demanda em ergonomia: [...] a demanda faz parte de um processo de construção social da ação ergonômica, e que, mais importante do que simplesmente um laudo ergonômico, é implementar ações que terminem em transformações reais nas condições de trabalho, e que, para tanto, é imprescindível compreender o trabalho antes de propor qualquer mudança (OLIVEIRA et al. 2007, P.9). Na literatura a respeito de análises ergonômicas há diversos métodos delineados para determinar e quantificar o risco de exposição a fatores de sobrecarga biomecânica dos membros superiores. Da mesma forma, os métodos buscam uma avaliação generalista de todos, ou quase todos, segmentos corpóreos, não permitindo que os gestores, responsáveis por desenvolver ações preventivas ou corretivas de controle dos riscos tenham clareza da sua priorização.

24 23 Logo, existe uma carência no desenvolvimento de estudos e de aplicação de métodos que sejam simples do ponto de vista do entendimento tanto dos expertos em ergonomia quanto dos gestores e mostrem um direcionamento na priorização das ações. 1.2 Justificativa Esta pesquisa é relevante à medida que traz conhecimento às organizações acerca dos métodos técnico-científicos de análise ergonômica do trabalho a serem aplicados para a identificação de fatores de risco de ler/dort. Do ponto de vista da ergonomia, esta pesquisa permitirá avaliar cientificamente um modelo de análise dos fatores de risco de ler/dort em membros superiores. A importância desta pesquisa em analisar os fatores de risco e os métodos de análise mais adequados às suas caracterizações é contribuir para uma gestão mais adequada da ergonomia e da saúde do trabalhador. Neste sentido o estudo se justifica pela abordagem metodológica com que se pretende fornecer subsídios para compreender o método específico para esta problemática e contribuir para o aprimoramento das condições de trabalho e tomada de decisão gerencial quanto à priorização das ações em ergonomia. 1.3 Objetivos da pesquisa Objetivo geral Realizar um estudo ergonômico, utilizando um método técnico-científico específico para os fatores de riscos de lesões nos membros superiores, e analisar a sua contribuição para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador.

25 Objetivos específicos 1. Identificar um método técnico-científico de análise de fatores de risco de ler/dort específico para membros superiores. 2. Aplicar um método técnico-científico de análise de fatores de risco de ler/dort em um setor produtivo. 3. Analisar a contribuição e também as limitações do método aplicado para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador nas organizações. 1.4 Estrutura de desenvolvimento da dissertação A pesquisa foi estruturada em oito capítulos incluindo esta introdução com o objetivo geral e os objetivos específicos. O segundo capítulo apresenta os materiais e métodos utilizados e o terceiro trata da fundamentação teórica com o histórico da gestão dos processos produtivos e o seu impacto para os trabalhadores. No quarto capítulo são apresentados os modelos de análise ergonômica do trabalho e o quinto capítulo trás a discussão da escolha do método técnico-científico de análise dos fatores de risco para aplicação prática na empresa. O sexto capítulo apresenta os resultados e as avaliações dos fatores de risco de ler/dort de cada posto de trabalho. No sétimo capítulo são apresentadas, a discussão dos resultados e a contribuição deste estudo para a gestão da ergonomia e da saúde do trabalhador. O oitavo capítulo apresenta as conclusões, considerações finais, limitações da pesquisa e as recomendações para trabalhos futuros.

26 25 2 MATERIAIS E MÉTODOS O presente capítulo tem por finalidade apresentar a caracterização do estudo, metodologia utilizada para a coleta e análise de dados, procedimentos e instrumentos e percurso metodológico na escolha da empresa e do método de análise de risco de ler/dort em membros superiores. 2.1 Natureza e características da pesquisa A pesquisa científica pode se constituir num elemento de fundamental importância para a análise de problemas do cotidiano, para o desenvolvimento da ciência e para o desenvolvimento das pessoas no contexto do trabalho. Esta pesquisa tem o objetivo de gerar conhecimento na área de ergonomia e contribuir para a melhoria dos ambientes de trabalho, de sobremaneira para a saúde do trabalhador. Segundo Gil (1999, p.42), a pesquisa tem um caráter pragmático, é um processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. O objetivo da pesquisa é descobrir respostas para problemas mediante o emprego de procedimentos científicos. Com relação à sua natureza esta pesquisa é do tipo Aplicada, pois objetiva gerar conhecimento de aplicação prática nas organizações dirigido à solução de problemas específicos relacionados à análise dos fatores de risco de ler/dort. Quanto à abordagem, esta pesquisa é descritiva, pela característica da extensa revisão bibliográfica em busca de métodos de análise de fatores de risco de ler/dort e também exploratória, pela observação, classificação e descrição das tarefas e atividades dos trabalhadores. Em relação à análise de dados esta pesquisa é predominantemente qualitativa, embora a tabulação dos fatores de risco se fez necessária, inclusive para correlacionar os resultados encontrados a partir de diferentes análises.

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR ERGONOMIA COMO PARTE DO NEGÓCIO E SEU GERENCIAMENTO NA REDUÇÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS ERGONOMIA TAYLOR PRODUÇÃO SÉRIE MECANIZAÇÃO AUTOMAÇÃO

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto

A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto O objetivo deste artigo é o de sensibilizar o gerente de recursos

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Adaptação do trabalho ao trabalhador!

Adaptação do trabalho ao trabalhador! Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e ambiente e, particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA Primeiramente, para se registrar um risco em qualquer documento (não apenas no ASO) do SESMT, obviamente tem que existir tal Risco. Porém, para ser considerado um risco,

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE MENTAL. Rogério Caldeira

GESTÃO DA SAÚDE MENTAL. Rogério Caldeira GESTÃO DA SAÚDE MENTAL Rogério Caldeira GESTÃO DA SAÚDE MENTAL Por que fazer? TRANSTORNOS MENTAIS 2012 Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças mentais e neurológicas atingem aproximadamente

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Intervir na organização do trabalho.

Intervir na organização do trabalho. Intervir na organização do trabalho. "Sistema Ambiente" tem um módulo para examinar as condições mais precisamente ergonômico. O método permite a definição de parâmetros objetivos de medição de cada ponto

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho Apresentação da Norma BS 8800 e seu Impacto nas Indústrias de Auto Peças de Itajubá

Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho Apresentação da Norma BS 8800 e seu Impacto nas Indústrias de Auto Peças de Itajubá Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho Apresentação da Norma BS 8800 e seu Impacto nas Indústrias de Auto Peças de Itajubá Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva, M.Sc. Escola Federal de Engenharia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS Pessoas em Primeiro Lugar!!! DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A REVOLUÇÃO DIGITAL Prof. Flavio A. Pavan O velho conceito das organizações: Uma organização é um conjunto integrado

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos João Paulo Campos de Souza (PPGEP UFPB) souza.jp@gmail.com Prof. Dr. Celso Luiz Pereira

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 Thiago Augusto Galliza 2 Alex Sandro Goetten 3 RESUMO: Este estudo traz como a Ginástica Laboral

Leia mais

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho 1 1º Boletim Quadrimestral Coordenação-Geral de Monitoramento Benefício por Incapacidade CGMBI/DPSSO/SPS/MPS Informe Especial por Ocasião do

Leia mais

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA PRÓ-QUALIDADE DE VIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO I COLÓQUIO DE QUALIDADE DE VIDA Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Seminário sobre a Norma Regulamentadora 17- Fundacentro- 23/11/2010 Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Autoria: Lys Esther Rocha As relações de trabalho

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Definição adotada pela IEA (International Ergonomics Association - IEA )

Definição adotada pela IEA (International Ergonomics Association - IEA ) Ergonomia Definição e origens Ergon trabalho Nomos Regras / normas / leis A palavra Ergonomia deriva do grego Ergon [trabalho] e nomos [normas, regras, leis]. Trata-se de uma disciplina orientada para

Leia mais

Maria Dorotea Queiroz Godini. Michel Epelbaun. Jair Rosa Cláudio ( 1 ) 1. INTRODUÇÃO

Maria Dorotea Queiroz Godini. Michel Epelbaun. Jair Rosa Cláudio ( 1 ) 1. INTRODUÇÃO "A INTEGRAÇÃO ENTRE O NOVO GUIA BRITÂNICO PARA GERENCIAMENTO DA SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (BS 8800), O SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (ISO 14001) E A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Maria Dorotea Queiroz Godini

Leia mais

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Airton Kwitko: Médico. Consultor de Empresas. Colunista da Revista CIPA (Coluna "O Ruído

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro Novo FAP Setor Financeiro 1. Fortalecimento da Cultura de Prevenção na Seguridade Social: Proteção constit. e legal: Valor social do Trabalho. Fortalecer a ação da melhoria ambiental no trabalho: maior

Leia mais

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO? PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZAÇÃO NO TRABALHO Doutorando - UFG romeumontes@gmail.com Rio Verde GO, agosto de 2012 POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO Ben Hur Giovani M Capeletti (UTFPR) bgmcapelettiz29@gmail.com ALINE SIAS FRANCHINI

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center

CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center Objetivos Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho; Estimular melhoria no Clima Organizacional; Prevenção do adoecimento; Redução

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Manoel Messias Melo Secretário Nacional de Saúde do Trabalhador CUT Brasil 1 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

Leia mais

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Gestão da Saúde do Trabalhador na Indústria Quais os indicadores de saúde do trabalhador da indústria? Como estabelecer políticas de promoção,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM PEQUENAS PADARIAS DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM PEQUENAS PADARIAS DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM PEQUENAS PADARIAS DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS (ERGONOMIC EVALUATION OF WORKING CONDITIONS ON SMALL BAKERY AN INTERIOR CITY OF MINAS GERAIS)

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

Segundo GOMES (1994) a partir de um estudo realizado pela DATAPREV, chegou-se aos seguintes totais para o ano de 1980:

Segundo GOMES (1994) a partir de um estudo realizado pela DATAPREV, chegou-se aos seguintes totais para o ano de 1980: 9 2 CONSTRUÇÃO PREDIAL Este capítulo aborda a construção civil como um todo: acidentes de trabalho; as etapas envolvidas na construção predial; uma coletânea de equipamentos e fabricantes nacionais e internacionais

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

AÇÕES REGRESSIVAS INSS

AÇÕES REGRESSIVAS INSS AÇÕES REGRESSIVAS INSS Salim Jorge Curiati São Paulo, 28 de outubro de 2008 Com fundamento no quanto disposto nos artigos 120 e 121 da 8.213/91 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social

Leia mais

Modelo de Sistema de Gestão de Saúde e Segurança em Serviços com Eletricidade em Canteiros de Obras de Edificações

Modelo de Sistema de Gestão de Saúde e Segurança em Serviços com Eletricidade em Canteiros de Obras de Edificações Modelo de Sistema de Gestão de Saúde e Segurança em Serviços com Eletricidade em Canteiros de Obras de Edificações Conselho Editorial Av Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais