O ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO 1 INTRODUÇÃO. características atuais e previsões para seu futuro Fernando Paganella Pires 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO 1 INTRODUÇÃO. características atuais e previsões para seu futuro Fernando Paganella Pires 1"

Transcrição

1 1 O ARTIGO CIENTÍFICO características atuais e previsões para seu futuro Fernando Paganella Pires 1 RESUMO A comunicação científica sofre mudanças e se adapta a novas tecnologias desde que foi formalizada no século XVII, data de publicação dos primeiro periódicos científicos. Os artigos científicos, partículas fundamentais para este tipo de comunicação, ainda são a forma preferencial de troca entre pesquisadores por serem ferramentas ágeis, econômicas e de fácil divulgação. Em vista disso, o comportamento de cientistas quanto a periódicos eletrônicos é bastante próximo do uso de periódicos impressos, o que resulta na subutilização das possibilidades que os meios digitais podem oferecer. Estas ferramentas são: a criação de novos métodos de avaliação por pares, como comentários abertos e públicos para cada texto; difusão automatizada de informações, como através do uso sistemático de DOIs; e a fragmentação do conteúdo, como, por exemplo, com o uso de Structured Digital Abstracts. Palavras-chave: Artigo científico. Born digital. Comunicação científica. 1 INTRODUÇÃO A tecnologia amplia o espectro de possibilidades para a comunicação entre cientistas já que cada método analógico de comunicação pode ser mimetizado e aprimorado digitalmente. Isto significa dizer que se antes os cientistas conversavam informalmente em corredores e por telefone, hoje eles também trocam s ou conversam por mensageiros instantâneos; se antes os cientistas utilizavam o correio para enviar artigos datilografados aos editores, hoje fazem o upload de arquivos digitais diretamente para o servidor da revista e aguardam a resposta dos avaliadores por . A tecnologia, assim, complementa as metodologias já consolidadas e, por vezes, até as obriga a evoluir. Contudo, o artigo uma das bases da comunicação científica mantém sua estrutura linear praticamente inalterada desde a sua origem e os textos hoje publicados, tanto no formato analógico quanto no digital, são idênticos em sua maioria, fato comprovovável ao se comparar revistas que publicam nas duas modalidades. Assim, a questão é descobrir quais são as possibilidades do 1 Artigo apresentado como requisito parcial de avaliação na disciplina BIB03226 Comunicação científica no campo da informação ministrada pela professora doutora Sônia Elisa Caregnato para a turma do segundo semestre de 2009 do curso de Biblioteconomia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. para contato:

2 meio digital ainda não exploradas pelos editores e cientistas que desejam publicar suas experiências. Para se fazer a análise, na primeira parte, dados sobre a história da comunicação científica foram buscados e discutidos a fim de se compreender a importância e a estrutura do artigo acadêmico. Apesar de constantes revisões formais quanto a questões de padronização, este tipo de texto mantém uma estrutura fixa até hoje, procurando oferecer nele mesmo um pequeno panorama do avanço científico de determinada área: há uma revisão da literatura para embasamento, a apresentação de dados de pesquisa nova, a análise destes dados e uma conclusão que sistematiza aquele conhecimento para os outros cientistas. Trata-se, portanto, de um texto quase completamente linear, por vezes permeado de figuras ilustrativas, quadros e tabelas, complementares aos sentidos das palavras. Mesmo sendo esta uma formatação adequada para a publicação em papel, deixa-se de se utilizar características importantes do meio digital, como os hiperlinks e a hipermídia, que podem oferecer uma gama completamente nova de abordagens e possibilidades para a construção do conteúdo. São questionados aqui, portanto, a maturidade dos escritores e dos leitores de artigos acadêmicos em relação ao uso das tecnologias digitais de escrita e leitura desestruturada, não-linear. Este questionamento está disposto na segunda parte do presente artigo, onde são discutidas pesquisas já realizadas sobre o uso de periódicos acadêmicos digitais e impressos e outras fontes on-line. Através da análise dos resultados são definidos os comportamentos dos pesquisadores e leitores em relação à comunicação científica dita formal, e quão sintonizados eles estão quanto às modificações tecnológicas possíveis para tais estruturas. Isto é, nesta seção, é apresentada uma discussão sobre a preferência por periódicos científicos ou outras fontes de informação, além de uma apresentação de dados sobre o uso de periódicos digitais e impressos. Não é abordado neste artigo, contudo, a visão dos editores de periódicos, mesmo ela tendo grande relevância. Os cientistas autores de artigos geralmente se adequam às políticas editoriais vigentes, o que exige sua discussão profunda através de pesquisas rigorosas, o que foi impossível fazer no espaço deste artigo. Já a abordagem sobre as características inovadoras e disponíveis porém subutilizadas do texto digital aparecem na terceira seção deste texto. Foram analisados artigos das áreas STM, ou científica, tecnológica e médica, na sigla em inglês, onde há a maior necessidade de tais mudanças. São apresentadas as tecnologias utilizadas e discutidas

3 suas aplicações hoje em dia, além de se fazer um questionamento sobre o uso destas novas metodologias pelos escritores e leitores. A complementação da metodologia de artigos científicos através da tecnologia como ocorre em outras instâncias da comunicação científica, desta forma, é uma preocupação legítima de cientistas da informação, uma vez que estes devem se ater em oferecer a informação mais clara possível aos usuários, além de fomentar políticas de intercâmbio facilitado das mesmas. Nos textos estudados, foi identificada uma preocupação interna dos pesquisadores das áreas STM sobre o assunto: os estudiosos destas novas metodologias já estão ligados às áreas STM e, portanto, conhecem as necessidades e prioridades destes campos a fundo. Contudo, o conhecimento específico do profissional da informação, como o background sobre fontes e tecnologias informacionais, é importante e, assim, é identificada uma possibilidade de convergência nos estudos. 2 UMA PEQUENA HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA IMPRESSA A comunicação científica é geralmente dividida em formal e informal, sendo o periódico acadêmico o exemplo clássico do primeiro. Isto ocorre, pois, devido a uma série de fatores desde o seu surgimento este foi o método escolhido naturalmente pelos pesquisadores para transmitirem seus conhecimentos às futuras gerações, proclamando sua originalidade nas pesquisas e abrindo oportunidades para críticas de seus pares. Apesar dos conhecimentos filosóficos já serem repassados desde a Grécia clássica nas Academias, foi na Europa do século XVII que a necessidade por uma formalização desta troca ocorreu. Stumpf (1996) faz uma síntese sobre o assunto, explicando os principais envolvidos na criação desta nova forma de comunicação de descobertas. Com dois meses de diferença, em 1665, os dois periódicos seminais surgiram: Journal des Sçavants, editado por Dennis de Sallo em Paris, e o Philosophical Transactions, iniciado por Henry Oldenburg em Londres. Apesar da proximidade, os jornais eram bastante diferentes entre si. Enquanto o primeiro era focado na disseminação de conteúdos variados na área das Ciências, discorrendo desde sobre experimentos, oferecendo resumos de livros e informando o necrológio de importantes cientistas, o segundo era editado dentro de uma sociedade científica, a Royal Society. Este fato, portanto, dava ao conteúdo da segunda revista um ar mais específico, contando também com atas e comunicações internas da referida sociedade. O conteúdo de

4 estudos experimentais do Philosophical Transactions deu origem e embasamento para a criação do periódico científico moderno, enquanto o caráter polissêmico do primeiro pode ter ajudado a caracterizar o periódico moderno de humanidades (MEADOWS, 1999). O próprio surgimento destas sociedades foi um fator determinante para o impulso da comunicação científica. Antes de seu estabelecimento, os pesquisadores solitários comunicavam-se privadamente através de cartas, comentando apenas sobre aquilo que chegava a suas mãos diretamente. Havia uma dependência do correio, especialmente dos correios reais, mais eficientes formas de comunicação à distância da época. Mas, a partir do momento em que pesquisadores se reuniam para estudar e comentar juntos os fatos descobertos, também aumentou a necessidade de transmitir estes conhecimentos a outros grupos. Deste modo, pessoas internas a estas sociedades no caso da Royal Society, quem tomou frente a esta função foi seu secretário, Henry Oldenburg passaram a juntar anotações e a imprimi-las em um volume único, pois sua reprodução fora facilitada desde a popularização da prensa. Ainda, outras características do periódico editado pelas sociedades, segundo Stumpf (1996), são a brevidade e a especificidade do texto em relação a cartas e atas que eram trocadas anteriormente, o fato do processo investigativo ser resumido para facilitar a análise do texto e a impessoalidade na apresentação dos resultados. Percebe-se assim outra grande diferença entre a simples troca de cartas e a edição de textos padronizados: as correspondências eram dirigidas a pesquisadores definidos geralmente afins às pesquisas do cientista que as escrevia, o que podia causar distorções de ordem de crítica e de análise, pois facilmente se poderiam evitar críticas indesejadas. A distribuição dos textos em volumes também exigiu a adoção de uma língua franca para a comunicação entre os diversos pesquisadores espalhados pelo globo, como para os povos nórdicos e seus diversos idiomas e dialetos. Em adição a isso, a publicação de textos curtos e monotemáticos cada pesquisa resultava em um artigo, e o avanço científico era identificável pelo acúmulo de artigos sobre um determinado tema era mais ágil e barata para o autor do que a publicação de monografias. Curiosamente, Newton, por exemplo, é citado como desfavorável à aplicação desta for-

5 ma de publicação instantânea, sentindo-se mais confortável em relação ao livro devido a sua inerente profundidade de discussão (DE SOLLA PRICE, apud SCHAUDER, 1994). A agilidade, que se aproxima do fator custo, portanto, é outro dos fatores que justificam a existência de periódicos científicos baseados em textos relativamente curtos, os artigos. A partir do século XVIII os registros publicados em periódicos científicos começaram a ter outras funções que não apenas as de informar pares sobre novidades. Os artigos começaram a ter a função de registrar e de tornar disponíveis as indicações sobre as autoridades e responsabilidades sobre determinadas descobertas, além de facilitarem a indexação do conteúdo de determinada área em frações menores. Ainda, o próprio custo da publicação de um artigo é menor do que a publicação de uma monografia completa por um autor, que, para produzir o segundo, dependeria de uma extensiva coleta e análise de dados. Já quanto à estruturação dos artigos, Meadows (1999) enfoca a necessidade de tal preocupação devido ao aumento da quantidade de publicações segundo Houghton, (apud Schauder, 1994), havia 700 periódicos médicos e científicos em 1800, enquanto este número saltou para em Para ele, por mais que os artigos hoje pareçam estar estruturados de forma óbvia, é preciso levar em consideração de que esta estrutura está em constante revisão desde o século XVII. Um exemplo é o título dos textos, que no início tendiam a ser pouco informativos, ao contrário de hoje em dia. Também cabe ressaltar que hoje outras informações são desejáveis de se expor na página inicial de um artigo, como a data de recebimento do original, que, mais uma vez, vem atestar a natureza de prioridade de determinado autor em relação aos outros. Assim, para Meadows: O aspecto a ser aqui ressaltado é que muitas das mudanças por que têm passado [os elementos do artigo científico] estiveram relacionadas com o crescente aumento e complexidade da comunidade científica e com a conseqüente necessidade de melhorar a eficiência de suas atividades de comunicação. (MEADOWS, 1999, p. 13), o que nos faz questionar qual o próximo passo de aproximação da técnica que se dará. O texto acadêmico é estruturado e linear a fim de se facilitar a comunicação, garantindo que o autor seja reconhecido como tendo prioridade em relação àquela descoberta e possibilitando a análise e a crítica por seus pares. Também é importante que sejam 2 DE SOLLA PRICE, D. Terminal librarians and the ultimate invention. In: ANTHONY, L. J. (ed.). EURIM 4: a European conference on innovation in primary publication: impact on producers and users. London: Aslib, p HOUGHTON, B. Scientific periodicals: their historical development, characteristics and control. Hamden, CT: Linnet, 1975.

6 reconhecidos e bem compreendidos os dados utilizados e os embasamentos teóricos feitos pelo autor, a fim de solidificar a posição daquele texto dentro da Academia moderna. Percebe-se, então, que estas estruturas são baseadas nas necessidades dos contemporâneos do autor e das disponibilidades técnicas e tecnológicas presentes. Hoje, contudo, muito é utilizado o meio digital para a propagação do texto a- cadêmico, mas nem por isso ele se adequou a essa nova tecnologia notável através da expansão da quantidade de repositórios digitais e revistas com conteúdo on-line. É válido perguntar, portanto, a que ponto os pesquisadores estão interessados nas modificações estruturais possíveis pelas novas tecnologias. 3 AS PREFERÊNCIAS NA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA HOJE A comunicação científica é feita por cientistas e para cientistas, logo, a fim de se compreender o uso dos periódicos acadêmicos, deve-se estudar este nicho populacional. Para tanto, foram selecionadas duas pesquisas, publicadas em 1994 e em 2007, que partem deste pressuposto para estudar o comportamento dos pesquisadores quanto ao uso dos periódicos científicos eletrônico. Contudo, primeiramente, o conceito de periódico científico eletrônico deve ser discutido. Kurata e seus colegas fizeram uma pesquisa sobre este tema e chegaram à conclusão de que esta definição é variada em diversos autores; que ela era utilizada até a metade da década de 1990 para designar periódicos relativamente novos e exclusivamente eletrônicos, mas que agora são compreendidos como versões eletrônicas dos periódicos tradicionais (KURATA et al., 2007). Ou seja, o próprio conceito não está completamente estabelecido na literatura, mas, atualmente, tende a apontar no sentido de ser uma ferramenta equalizada à publicação impressa, o que, provavelmente, diz bastante sobre seus modos de uso. As fontes eletrônicas, contudo, não se resumem aos periódicos digitais: também devem ser levados em conta os repositórios de e-prints, os websites de autores e de instituições acadêmicas, além de discos ópticos e bases de dados. Esta variedade de fontes, no entanto, não foi suficiente para que seja questionada, no meio dos cientistas, a validade do periódico como ferramenta principal na sua comunicação: estes profissionais usam ambas as suas formas, independentemente de seu suporte, em detrimento de outros tipos de fontes. Também foi descoberto nesta pesquisa

7 que os pesquisadores japoneses têm o artigo acadêmico como fonte primária de informações das áreas científicas, tecnológicas e médicas, provavelmente devido a sua agilidade, síntese e clareza formal. Cabe ressaltar, contudo, que estas são impressões gerais e médias retiradas da análise de áreas diferentes: ao mesmo tempo em que o periódico e o artigo científico são preferidos por todos, eles são mais preferidos pelas áreas da Química e da Patologia, enquanto há, de fato, uma tendência de aceitação entre pesquisadores da Física por repositórios de e-prints. E estes pesquisadores que, além de consultarem, publicam em tais repositórios, também publicam em periódicos, demonstrando, novamente, a prevalência do uso dos periódicos. Nesta mesma pesquisa, foi descoberto que os pesquisadores profissionais mantêm o comportamento de procurar copiar os documentos para obter uma posse própria, seja ele um texto eletrônico ou impresso no caso do artigo eletrônico, ele é salvo no computador e impresso; e no caso do artigo publicado impresso, ele é fotocopiado. Nos resultados de Kurata e seus colegas, 10% ou menos dos pesquisados lêem os artigos diretamente em seus computadores, e O baixo uso de arquivos HTML [em detrimento de arquivos PDF], apesar de a referenciação ser facilitada através de hiperlinks, sugere que pesquisadores mantêm os hábitos de leitura tradicionais, apesar de utilizarem ferramentas eletrônicas. 4 (KURATA et al., 2007, p. 1408, tradução nossa). Esta preferência não é discutida no artigo em questão, o que abre precedentes para uma busca mais profunda sobre o tema em estudos futuros. Tal insistência no formato impresso, ainda, pode ser um indicativo da relutância em ceder às oportunidades tecnológicas que serão discutidas na terceira parte deste artigo. Outra motivação para esta relutância foi definida pela falta de segurança na acessibilidade, incerta, já que a permanência e preservação do documento digital ainda são mais sensíveis do que as do documento impresso devido a diversos fatores, como, principalmente, a obsolescência de formatos. Enquanto isso, Schauder (1994) oferece uma visão ocidental sobre o tema, analisando o comportamento de pesquisadores dos Estados Unidos da América, do Reino Unido e da Austrália. O autor comenta, desde o início, que é um consenso entre os cientistas que os principais fatores para se submeter um artigo a determinado periódico são o seu prestígio e sua penetração no mercado. Esta preferência é compreensível através do concei- 4 No original: The low usage of HTML files, in spite of reference facilitated by hyperlinks, suggest that researchers retain their traditional reading habits, though utilizing electronics tools.

8 to de círculo virtuoso (PACKER; MENEGHINI, 2006), que afirma que os periódicos mais importantes e respeitados também são os que mais recebem originais para avaliação. Outra característica marcante encontrada por Schauder (1994) foi o valor dado à revisão por pares 78% deles julga importante este processo, o que demonstra a necessidade da avaliação e da crítica das pesquisas e, apenas para confirmar a percepção da importância da comunicação, 95% dos respondentes afirmaram que o texto de outros autores era um fator importante para o seu próprio trabalho. Schauder descobre em 1994, fato corroborado com as descobertas de Kurata e colaboradores (2007), que a vasta maioria dos pesquisadores imprimia o artigo eletrônico em papel para lê-lo, comportamento que permanece até hoje, através da transposição direta do texto que foi composto para ser publicado em um arquivo PDF. Este fator está diretamente ligado às qualidades do texto acadêmico moderno, que apesar do uso incipiente de hiperlinks, ainda é bastante linear. Percebe-se, desta forma, que os pesquisadores como produtores e consumidores de artigos científicos ainda estão atrelados às características do texto impresso, que o conhecimento científico é produzido para ser lido linearmente, em papel ou na tela, já que ambas as tecnologias são utilizadas de modo muito semelhante. Uma hipótese para justificar esta preferência talvez seja o fato de que o papel exige pouco conhecimento técnico de manuseio: o uso das tecnologias sugeridas na próxima seção talvez ainda exija um estudo e prática para seu domínio, o que pode dificultar a independência do autor. 4 O ARTIGO NASCIDO DIGITAL Diferentemente dos textos publicados nas duas modalidades, o texto nascido digital o born digital inglês não é criado para ser lido impresso. Um texto desta categoria é escrito tendo sido levadas em conta as características hipertextuais e hipermidiáticas dos objetos eletrônicos, dificilmente transpostas para o meio analógico. Ressaltamos, contudo, que apenas ser escrito através de um software de edição de texto não o torna nascido digital: esta é uma característica inerente de sua estrutura, como a disposição de seções de forma não-linear, e de uma apresentação final que facilita o intercâmbio de informação, seja entre pessoas, seja entre computadores.

9 Foram utilizados, portanto, os escritos de três autores ligados às áreas STM, especificamente das áreas biológicas. Acredita-se que exista esta prevalência devido à característica inerente das disciplinas das áreas STM. Meadows (1999), por exemplo, é enfático na distinção de conteúdo das áreas duras e flexíveis: 98,1% dos artigos da área bioquímica se utilizam de análise quantitativa contra 52,6% da área sociológica; 91% dos artigos da bioquímica incluem gráficos ilustrativos o que está de acordo com o volume de análise quantitativa neles contido contra 22,6% de uso de gráficos da área da Sociologia. A idéia por trás dos artigos born digital, assim, é otimizá-los tanto para a leitura humana no computador e por máquinas ao se apoderar das disponibilidades do hipertexto virtual, além, é claro, de explorar as possibilidades de comunicação telemática propiciadas pela Internet. Além disso, Seringhaus e Gerstein (2007) comentam da gradual fusão entre periódicos eletrônicos e bases de dados, apontando o comportamento semelhante que pesquisadores têm frente a estas fontes. Já Shotton (2009) fala de sua visão desta nova metodologia de comunicação, a publicação semântica, que diz respeito a formas de aumentar o valor intrínseco das informações escritas, possibilitando seu cruzamento. As sugestões dos autores, então, tratam basicamente dos seguintes aspectos: a revisão por pares, comentários e anotações; o acesso e difusão automática dos textos; e a fragmentação do conteúdo. Em relação à revisão por pares, Seringhaus e Gerstein (2007) prevêem diversos níveis. Esta nova metodologia está relacionada a técnicas de open review e de anotações comunitárias, através das quais os leitores também cientistas podem agregar conhecimento sobre o documento de modo aberto e público, em uma espécie de curadoria das bases de dados. A característica social da Internet também está caracterizada nos dois próximos aspectos. A preocupação com o acesso e com a difusão automática dos conteúdos está representada na necessidade de existirem buscadores web de texto completo ou que os textos possibilitem sua indexação pelos software-aranha destes buscadores. Também, Shotton (2009) afirma que, mesmo que já exista uma utilização de Digital Object Identifiers, ou DOIs, para artigos acadêmicos, seu uso poderia ser ainda mais sistemático e difundido, possibilitando o desenvolvimento de um ecossistema de conteúdo, onde as ligações entre diferentes textos possam ser facilmente identificáveis. Outras preocupações quanto à estrutura do conhecimento dos artigos e a sua fragmentação são a adição de marcadores semânticos de conteúdo pelos autores; uma na-

10 vegação por abas, ou partes, do texto, propiciando uma leitura não-linear; e o uso de Structured Digital Abstracts, ou SDA, resumos legíveis por computador que facilitariam todas as sugestões anteriores. Não há dúvidas, portanto, de que sua utilização depende em larga escala dos autores, que, além de precisarem escrever a parte textual, precisariam, em um primeiro momento, também descrever o conteúdo com marcadores semânticos, efetuar ligações com outros artigos e fazer o upload de informações suplementares, como dados quantitativos. Esta última possibilidade, talvez, seja o motivo para a existência de interesse tão explícito pelas áreas científicas, tecnológicas e médicas, devido a sua dependência da análise quantitativa. Diversas também podem se tornar as necessidades caso, de fato, haja um movimento neste sentido: a criação de uma nomenclatura unificada possibilitaria o intercâmbio semântico entre artigos e a curadoria de bases de dados, através de uma participação ativa no debate e comentários públicos de artigos, deveria ser compreendida como mais uma forma de contribuição à Ciência. Ou seja: a comunicação científica deslocar-se-ia para o ambiente digital em sua completude, sendo os artigos produzidos para serem lidos diretamente no computador. A motivação para esta mudança, caso ocorra, é simples: a tecnologia já possibilita diversos novos usos no espaço do texto científico, usos necessários e importantes especialmente para as áreas do conhecimento que exigem análises quantitativas. Apesar de todos estes benefícios, como foi discutido anteriormente, os produtores e consumidores de artigos acadêmicos ainda estão atrelados à corporalidade do papel: muitos, se não quase todos, ainda imprimem a versão digital do artigo para manter uma cópia pessoal, seja para fazer anotações marginais ou para arquivá-la com suas outras leituras. A subutilização do meio digital, portanto, é conseqüência da falta de interesse por parte do meio científico contemporâneo, pois um texto nascido digital deve ser criado já tendo em vista seu material adicional camadas de comentários, informações suplementares (como listas e tabelas de dados), abas que desestruturam o conteúdo e marcação semântica para recuperação automática da informação. 5 CONCLUSÕES E SUGESTÕES A evolução da comunicação científica através de vieses tecnológicos é uma constante histórica. Estas modificações graduais na forma de se fazer Ciência sempre surgem

11 da vontade dos autores, que adequam as tecnologias às suas necessidades. A comunicação, então, depende de como os autores e leitores percebem a tecnologia e de como se propõem a adotá-la. Diversas são as possibilidades do texto digital mas não do texto escrito para ser lido no papel e, então, lido digitalmente: o texto digital aqui discutido é o texto nascido digital, escrito para ser lido no computador e complementado da hipertextualidade e hipermidiaticidade inerente deste meio. Esta mudança, ao que se descobriu, será bastante lenta, uma vez que os pesquisadores ainda preferem seus artigos adaptados à linearidade do texto analógico. Uma sugestão de estudo posterior é compreender, entre os pesquisadores das diversas áreas do conhecimento, a motivação para a manutenção do comportamento analógico no meio digital. Descobrir por que os pesquisadores imprimem os artigos da Internet pode ser um passo no desenvolvimento de tecnologias amigáveis para a criação de textos nascidos digitais. No entanto, já existem discussões nos meios científicos, tecnológicos e médicos sobre publicações born digital, que abarcam algumas sugestões da seção 4 deste artigo. Deste modo, tem-se como sugestão para estudos posteriores, uma discussão sobre a implementação destas sugestões em disciplinas humanas e sociais, que, como visto, não depende tão largamente das análises quantitativas das áreas STM. Aqui, também, pode ser encaixada a discussão sobre a função das políticas editoriais que aceitam artigos para publicação eletrônica: até que ponto os editores destas revistas têm interesse nas possibilidades subutilizadas no artigo científico? Ainda, mas não menos importante, é necessário que o cientista da informação se interesse por estas pesquisas a fim de, caso este realmente venha a ser o modo de publicação acadêmica emergente não apenas através de periódicos eletrônicos, mas também de repositórios de e-prints, ele saiba identificar tecnologias, desenvolvendo-as com viés universalista de intercâmbio de conhecimento entre os artigos. Isto é, o bibliotecário deve se juntar a iniciativas de desenvolvimento de novas tecnologias para o texto nascido digital para garantir que haverá padrões úteis, necessários e relevantes ao tratamento dos documentos digitais. Talvez, inclusive, o profissional da informação possa auxiliar na criação de novas tecnologias de disseminação e publicação seletiva dos artigos eletrônicos.

12 THE SCIENTIFIC ARTICLE Its present and future characteristics ABSTRACT Scientific communication suffers changes and adaptations caused by new Technologies since it has been formalized on the 17 th century, time of publication of the first scholarly journals. Scientific articles, elementary particles for this communication, are still the main form of exchange between researchers because they are fast, cheaper and more easily divulged. On that account, researchers behavior when related to electronic journals is quite similar to the one related to printed journals. This same behavior is not adequate to the possibilities of the electronic media such as innovation of peer reviewing systems, automated diffusion of information and content fragmentation (community comments and notes, DOI links and Structured Digital Abstracts, respectively). Keywords: Born digital. Scientific article. Scientific communication. REFERÊNCIAS KURATA et al. Electronic journals and their unbundled functions in scholarly communication: views and utilization by scientific, technological and medical researchers in Japan. Information Processing and Management, v. 43, 2007, p DOI: /j.ipm Received 20 June 2005; accepted 13 Jan. 2006; available online 6 Mar Disponível em: <www.sciencedirect.com>. MEADOWS, Arthur Jack. A comunicação científica. Tradução de Antonio Agenor Briquet de Lemos. Brasília, DF: Briquet de Lemos, PACKER, Abel L.; MENEGHINI, Rogério. Visibilidade da produção científica. In: POBLACIÓN, Dinah Aguiar; WITTER, Geraldina Porto; SILVA, José Fernando Modesto da (Org.). Comunicação e produção científica: contexto, indicadores e avaliação. São Paulo: Agellara, cap. 9, p SCHAUDER, Don. Electronic publishing of Professional articles: attitudes of academics and implications for the scholarly communication industry. Journal of the American Society for Information Science, v. 45, n. 2, p , Mar DOI: /(SICI) (199403)45:2<73::AID-ASI2>3.0.CO;2-5. Acesso em: 5 nov SERINGHAUS, Michael; GERSTEIN, Mark B. Publishing perishing? Towards tomorrow s information architecture. BMC Bioinformatics, v. 8, n. 17, Jan. 2007, 5 f. DOI: / Acesso em: 5 nov

13 SHOTTON; David. Semantic publishing: the coming revolution in scientific journal publishing. Learned Publishing, v. 22, n. 2, Apr. 2009, p DOI: / Acesso em: 5 nov STUMPF, Ida Regina Chitto. Passado e futuro das revistas científicas. Ciência da Informação, v. 25, n. 3, f. Parte deste trabalho foi extraída da tese intitulada Revistas Universitárias: projetos inacabados, apresentada à ECA/USP, em 1994, para obtenção do título de doutor. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/463>. Acesso em: 24 out

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

MONOGRAFIA : COMO FAZER

MONOGRAFIA : COMO FAZER Alguns sites que tratam sobre monografias http://www.admbrasil.com.br/abnt.htm http://planeta.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/ http://www.sinescontabil.com.br/trabs_profissionais/fazendo_uma_monografia.htm

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário São Paulo, junho de 2007 1º Versão SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Autor... 5 2.1 Cadastro no sistema (http://submission.scielo.br),

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

Passado e futuro das revistas científicas*

Passado e futuro das revistas científicas* Ciência da Informação - Vol 25, número 3, 1996 - Artigos Passado e futuro das revistas científicas* Ida Regina Chitto Stumpf Resumo Resgate da história das revistas científicas, com a apresentação de sua

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES O número pretende, além de apresentar um panorama do emprego teórico e metodológico dos conceitos de rede

Leia mais

Open Archives: contexto

Open Archives: contexto Open Archives Arquivos Abertos Impacto da Internet nos Sistemas de Informação Documentos em papel Documentos eletrônicos Bases de dados referenciais Bases em texto completo Sistemas isolados Interoperabilidade

Leia mais

Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER.

Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER. Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER. Rodrigo F. Meirelles 1 e-mail: rodrigomei@hotmail.com Relata a experiência de implementação

Leia mais

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? Harold Borko Equipe de Tecnologia e Sistemas de Informação System Development Corp. Santa Monica, California RESUMO Buscando um novo consenso quanto à identidade, questionamos,

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br)

RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG 312 PROJETOS MECÂNICOS I RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br)

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed TUTORIAL PARA ACESSO BIBLIOTECA ON-LINE da MEDLINE/PUBMED CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed Este tutorial faz parte do curso de extensão da UNIFESP sobre acesso on-line às publicações

Leia mais

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br 1. A comunicação científica

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SUPORTES INFORMACIONAIS: passado, presente e futuro das revistas científicas 1

EVOLUÇÃO DOS SUPORTES INFORMACIONAIS: passado, presente e futuro das revistas científicas 1 EVOLUÇÃO DOS SUPORTES INFORMACIONAIS: passado, presente e futuro das revistas científicas 1 RESUMO Elane Ribeiro Silva* A premissa central deste artigo é que as revistas científicas são publicaçõesperiódicas

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 O INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT), Unidade de Pesquisa do Ministério

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. ibict. Autores

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. ibict. Autores Autores Autores normalmente podem se cadastrar e submeter seus trabalhos através do sistema. O Autor envia o documento original, alimenta os metadados (ou a indexação associada ao documento) de seu trabalho,

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CATEGORIAS: Estudantes, Graduados e Especialista, Pós-graduados Stricto Sensu 1. Participação 1.1. Para o VI Fórum serão aceitos trabalhos de graduação,

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO. www.diadorim.ibict.br. Brasília 2012 1. Financiadora:

DOCUMENTO DE APOIO. www.diadorim.ibict.br. Brasília 2012 1. Financiadora: www.diadorim.ibict.br DOCUMENTO DE APOIO Brasília 2012 1 Financiadora: 1 Esta é a segunda versão do Documento de Apoio ao diretório Diadorim, publicado em 2011. SUMÁRIO Introdução... 1 Contatos... 3 Acesso

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

PROCESSO EDITORIAL SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTA (SEER)

PROCESSO EDITORIAL SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTA (SEER) SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTA (SEER) PROCESSO EDITORIAL Andréa Figueiredo Leão Grants Alexandre Pedro de Oliveira Tatyane Barbosa Philippi 2011 Andréa Figueiredo Leão Grants Alexandre Pedro

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Normas de publicação da Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício

Normas de publicação da Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício Normas de publicação da Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício A Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício é uma publicação com periodicidade bimestral e está aberta para a publicação e divulgação

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

A Internacionalização dos Periódicos Científicos Brasileiros

A Internacionalização dos Periódicos Científicos Brasileiros A Internacionalização dos Periódicos Científicos Brasileiros O Fórum de Editores Científicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), criado em outubro de 2014 no âmbito da Vice-Presidência de Ensino, Informação

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Image Enable: conceito

Image Enable: conceito Image Enable Gestão Eletrônica de Documentos - GED Image Enable: conceito Empresas possuem diversos sistemas para controlar suas operações Sistemas integrados de gestão; Sistemas de Recursos humanos, Contabilidade,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Objetivo: Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos Cursos Técnicos

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 A Coordenação do Curso de Enfermagem da Fanor- DeVry Brasil, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã Internet Visão Geral Ong Ação Cidadã O que é a Internet? INTERNET é o conjunto de computadores conectados em escala mundial, utilizando o protocolo TCP/IP para comunicar entre si. Nasceu em 1969 com a

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Interdisciplinaridade e Programas de Pós-Graduação no Brasil um campo para aplicação da I2S

Interdisciplinaridade e Programas de Pós-Graduação no Brasil um campo para aplicação da I2S Interdisciplinaridade e Programas de Pós-Graduação no Brasil um campo para aplicação da I2S Marcel Bursztyn e Maria Beatriz Maury No Brasil, como em outros países, os pesquisadores estão cada vez mais

Leia mais

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP 27ª Reunião Anual da SBPqO Águas de Lindóia, 9 setembro 2010 Apresentação

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA

Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA Sueli Mara Ferreira Webinar para América Latina e Caribe IFLA LAC e USP 18 de novembro de 2014 Surfando as ondas ou sendo

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

Entrevistas. Abel Packer

Entrevistas. Abel Packer ComCiência no.139 Campinas jun/2012 Entrevistas Abel Packer Um dos idealizadores da SciELO (Scientific Electronic Library Online) fala sobre desafios desta rede, custo de manutenção, publicações em português

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Sistema SciELO de Publicação Eletrônica - OJS. Solange Santos BIREME/OPAS/OMS Unidade SciELO

Sistema SciELO de Publicação Eletrônica - OJS. Solange Santos BIREME/OPAS/OMS Unidade SciELO Sistema SciELO de Publicação Eletrônica - OJS Solange Santos BIREME/OPAS/OMS Unidade SciELO Sistema SciELO de Publicação Eletrônica Nova metodologia de publicação na SciELO baseado no sistema Open Journal

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia Normas de publicação de Neurociências & Psicologia A revista Neurociências & Psicologia é uma publicação com periodicidade bimestral e está aberta para a publicação e divulgação de artigos científicos

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância

Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

Mídia Brasil Online Manual do Usuário

Mídia Brasil Online Manual do Usuário 1) Menu Principal O Menu Principal se estende no topo da tela do MBO, apresentando as seguintes opções: Clicar sobre cada uma dessas opções permite o acesso às diferentes seções do site. 2) Funções do

Leia mais

Gestão de bibliotecas universitárias. Capes Encontro de Diretores de Bibliotecas Universitárias Brasília, 26 e 27 de maio de 2014

Gestão de bibliotecas universitárias. Capes Encontro de Diretores de Bibliotecas Universitárias Brasília, 26 e 27 de maio de 2014 Gestão de bibliotecas universitárias Capes Encontro de Diretores de Bibliotecas Universitárias Brasília, 26 e 27 de maio de 2014 A biblioteca Universitária é a instituição responsável pelos serviços de

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital

3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital 3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital Regulamento 1. Disposições Gerais O Curso de Comunicação Social e o Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, com apoio da Pró-Reitoria de Pesquisa,

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos CONVOCATÓRIA 2015 A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), com o apoio dos Ministérios

Leia mais

SEER SEER / OJS. Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas

SEER SEER / OJS. Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER SEER / OJS Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas Estrutura da Apresentação 1 - Definições 2 - Facilidades ofertadas; 3 - O SEER/OJS no Brasil; 4 - Ibict e o SEER/OSJ SEER/OJS É um software

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ

ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ ORIENTAÇÕES AOS ACADÊMICOS BOLSISTAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SMS/RJ OBSERVAÇÕES Todos os estagiários deverão elaborar trabalho de conclusão de estágio (edital processo seletivo da SMS),

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Alunos

Manual do Ambiente Moodle para Alunos UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Alunos Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0 Atribuição de

Leia mais

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse Abel L. Packer BIREME/OPS/OMS, Diretor Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais