AUDITORIA INTERNA: FERRAMENTA DE CONTROLE PARA AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA INTERNA: FERRAMENTA DE CONTROLE PARA AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1"

Transcrição

1 AUDITORIA INTERNA: FERRAMENTA DE CONTROLE PARA AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Keli Cristina Vieira 2 Raquel Alves Texeira 3 RESUMO: Este trabalho de abordagem bibliográfica e pessoal objetivou verificar a importância da auditoria interna para as instituições financeiras, e para isso foi dividida em duas fases. Na primeira fase foi feita uma descrição sobre auditoria interna e controles internos por meio do estudo de vários autores e na segunda foram elencados os riscos aos quais as instituições estão expostas e como a auditoria interna age para minimizá-los. PALAVRA-CHAVE: Auditoria interna, Controles internos, Riscos. ABSTRACT: This work of literature and personal approach aimed to verify the importance of internal audit for financial institutions, and it was divided into two phases. In the first phase was made a description of internal audit and internal controls through the study of various authors were listed in the second and the risks to which institutions are exposed and how the internal audit acts to minimize them. KEYWORD: Internal Audit, Internal Controls, Risk. 1 INTRODUÇÃO Atualmente, gerir uma organização exige conhecimentos, habilidades, competências, estratégias e principalmente métodos que possibilitem um suporte eficaz ao processo de decisão. A auditoria interna é uma das principais ferramentas de que dispõe os gestores de uma instituição financeira para fazer com que os esforços sejam plenamente produtivos. É junto à ela que a alta direção da instituição financeira buscará orientações, a fim de definir os rumos a serem seguidos pela organização. É também da área de auditoria interna que se espera surgirem iniciativas que estreitem o acompanhamento dos controles organizacionais em todas as dimensões, no sentido de que esses possam proporcionar decisões úteis para o processo de gestão, ou seja, espera-se da área de auditoria interna uma postura de controle e monitoramento para que possa subsidiar as 1 Artigo Científico elaborado a partir do Manual de artigo cientifico do Athenas Grupo Educacional e das Normas da ABNT solicitado no curso de pós-graduação em Auditoria Financeira e Pública. 2 Graduada em Administração, pela Faculdade de Rolim de Moura (FAROL). 3 Raquel Alves Texeira, gerente de contas do Banco do Brasil, pós-graduada em Docência no Ensino Superior pela Faculdade São Paulo (FSP).

2 2 decisões dos gestores e resguardar os interesses dos investidores da instituição financeira ou daqueles que a representem. Este trabalho objetivou verificar a importância da auditoria interna para as instituições financeiras, o mesmo possui relevância tanto para o meio acadêmico como para as instituições financeiras, pois a auditoria interna pode ser utilizada como ferramenta de gestão que possui importante papel para os administradores. 2 A AUDITORIA Em um mundo globalizado, a competição faz parte da vida das organizações, o que passou a exigir uma contínua necessidade de se tomar decisões acertadas e cada vez mais rápidas. Fatores econômicos não são as únicas preocupações das empresas no mercado atual, nos últimos anos dificuldades na gestão corporativa e controle financeiro emergiram como problemas cruciais para a economia mundial. A origem da palavra auditoria vem do latim auditore que significa aquele que ouve, ouvidor. A história da auditoria nasceu em épocas remotas e evoluiu com o avanço da civilização, na medida em que surgia a necessidade de verificação da fidelidade da gestão sobre a propriedade. Conforme a obra de Boynton et al (2002, p. 34), auditoria começa em época tão remota quanto a contabilidade. Com o passar do tempo, o conceito de auditoria tem evoluído, refletindo não só as mutações necessárias para o desenvolvimento das organizações, mas também com objetivos cada vez mais abrangentes em todas as áreas da empresa. No princípio a auditoria consistia de exames meticulosos e detalhista dos registros contábeis objetivando determinar se as transações estavam lançadas na conta certa e no valor exato. Primordialmente visava descobrir erros e fraudes causadas por funcionários ou terceiros (COOK e WINKLER, 1983). Boynton et al. (2002, p.35), afirmam que o foco dessas auditorias iniciais era encontrar erros em balanços e bloquear o crescimento de fraudes associadas com o aprofundamento do fenômeno de administradores profissionais versus proprietários ausentes. Logo depois da revolução industrial, devido à complexidade dos negócios e o acelerado crescimento das empresas, a auditoria começou a enveredar, também, por outros domínios, assumindo formas específicas. Franco e Marra (2001, p. 68) se referem aos acontecimentos abaixo, como aqueles que marcaram a evolução da auditoria:

3 3 Controle dos gastos públicos. Aparecimento de grandes organizações internacionais. Complexidade dos negócios. Prática financeira impulsionadora do desenvolvimento da economia de mercado. Necessidade de informações contábeis verídicas. Complexidade dos sistemas contábeis. Desenvolvimento e implementação de sistemas de controle interno. 2.1 Tipos de auditoria Para a classificação de auditoria são utilizados diversos critérios que visam atender quer ao objetivo traçado, quer à sua amplitude, à sua freqüência, ao seu período temporal, à sua obrigatoriedade ou ainda ao sujeito que as realiza. De acordo com Sá (2002, p. 37), quanto ao processo indagativo, existem dois tipos de auditoria: auditoria geral, sintética ou de balanços e auditoria detalhada ou analítica. Segundo esse autor quanto ao período temporal as auditorias podem classificar-se em auditoria contínua ou de acompanhamento e auditoria periódica. No que diz respeito à forma de intervenção, auditoria pode ser interna quando a verificação dos fatos é realizada por funcionários da própria empresa ou externa, no caso em que essa for verificação dos fatos e levada a efeito por profissional liberal ou independente. Quanto à natureza, a auditoria pode ser normal com objetivos regulares de comprovação, sem finalidades isoladas ou específicas ; e auditoria especial, aquela que se realiza motivada por inquéritos administrativos ou políticos, aquisição de controles acionários, intenção de associações, suspeita de desfalques, etc. (Sá, 2002, p.41). De acordo com o limite, pode ser total auditoria que objetiva atingir todo o patrimônio, sem esquecer nenhum de seus componentes; e auditoria parcial quando o exame se situa em apenas alguns pontos, seguindo critérios de amostragem. Assim pode-se concluir que exitem várias classificações de auditoria, variando de acordo com o critério utilizado. Conforme o autor, essas classificações são aquelas aceitas pela maioria dos estudiosos do assunto. 2.2 Conceito de auditoria interna

4 4 Segundo Almeida (2003, p. 29), o auditor externo, além de sua opinião ou parecer sobre as demonstrações contábeis, passou a emitir um relatório comentário, no qual apresentava sugestões para solucionar os problemas da empresa, que chegaram a seu conhecimento no curso de seu trabalho de auditoria. Entretanto o auditor externo passava um período de tempo muito curto na empresa e seu trabalho estava totalmente direcionado para o exame das demonstrações contábeis. Para atender à administração da empresa, seria necessária uma auditoria mais periódica, com maior grau de profundidade e visando também à outras áreas não relacionadas com a contabilidade. Portanto, surgiu o auditor interno como uma ramificação da profissão de auditor externo e, consequentemente, de contador. O auditor interno é um empregado da instituição financeira e, dentro de uma organização, ele não deve estar subordinado àquele cujo trabalho examina. A função auditoria é um meio para medir custos e proveitos a fim de que a função liderança possa validar a sua estratégia. Os auditores garantem que a organização consiga os seus objetivos internos de custo, produtividade, qualidade, consistência e etc. Os auditores garantem também que a organização atinja os seus objetivos externos de satisfazer as necessidades dos clientes, mercado etc. (ALMEIDA, 2003). O papel da auditoria interna, o de minimizar os riscos, já está reconhecido, segundo normas do IIA (Institute of Internal Auditors) entidade internacional dedicada ao desenvolvimento profissional contínuo do auditor interno e da profissão de auditoria interna (2120.AI): A atividade de auditoria interna deve avaliar as exposições a riscos relacionadas à governança, às operações e aos sistemas de informação da organização, em relação à: Confiabilidade e integridade das informações financeiras e operacionais; Eficácia e eficiência das operações e programas; Salvaguarda dos ativos; Conformidade com leis, regulamentos, políticas procedimentos e contratos; O fato de o auditor interno ser, na maioria dos casos, um funcionário da organização e que este tem, por objetivo de trabalho, processos, produtos ou sistemas que estão sob responsabilidades de pessoas que são seus pares na organização, no sentido do empenho pelo atingimento dos objetivos comuns, propicia um ambiente de cooperação.

5 5 Contudo esse ambiente de cooperação não pode motivar comportamento no auditor que provoque falhas na aplicação das técnicas de auditoria, de omissão na comunicação dos achados de auditoria ou de qualquer outra medida que não seja a de evidenciar e comunicar à alta administração sobre as falhas, fragilidades, e fraudes eventualmente detectadas no trabalho de auditoria. Por fim, Franco e Marra, explicam que: A auditoria interna é aquela exercida por funcionário da própria empresa, em caráter permanente. Apesar de seu vinculo à empresa, o auditor interno deve exercer sua função com absoluta independência profissional, preenchendo todas as condições necessárias ao auditor externo, mas também exigindo da empresa o cumprimento daquelas que lhe cabem. Ele deve exercer sua função com total obediência às normas de auditoria é o vinculo de emprego não lhe deve tirar a independência profissional, pois sua subordinação à administração da empresa deve ser apenas sob o aspecto funcional. (FRANCO;MARRA, 2001) O papel da auditoria interna evoluiu em razão do novo ambiente, com novos riscos que estão surgindo e novas demandas de governança corporativa, ambientes mais dinâmicos têm surgido criando oportunidade para a auditoria interna demonstrar e agregar valor à organização. O gerenciamento desses riscos corporativos tornou-se uma preocupação prioritária de todos os gestores das organizações. Nesse contexto a auditoria interna se apresenta com a função de conhecer e controlar os riscos aos quais as empresas estão sujeita e de assegurar a existência de controles internos eficientes, aliados à postura ética. 2.3 Fases da auditoria O desenvolvimento de uma auditoria está dividido em três fases: planejamento, execução e conclusão. A fase do planejamento, segundo Attie (1986, p. 246) consiste na determinação antecipada de quais procedimentos serão aplicados, bem como a sua extensão e distribuição no tempo e escolha dos auditores que executarão o trabalho. O planejamento da auditoria ajuda a cumprir os seguintes objetivos: Garantir que o auditor concentre os seus esforços em áreas importantes da auditoria. Identificar potenciais problemas. Completar rapidamente o trabalho. Distribuir e coordenar o trabalho entre os assistentes e outros auditores e especialistas.

6 6 A fase de execução do trabalho compreende o conhecimento e a documentação, em papéis de trabalho, dos procedimentos definidos e contato direto pessoal com as áreas responsáveis. Attie (1986, p. 256), afirma que, nesta fase determinadas palavras e perguntas fazem parte do ritual de auditoria e auxiliam em substância a encontrar os caminhos na busca de soluções e fundamentos. São elas: por que, onde, quando e como. Ao executar o trabalho, o auditor executou todos os seus conhecimentos e o planejamento para acumular, classificar e avaliar informações, com o objetivo de capacita-lo a formar opinião, por meio da coleta, organização e análise de dados e registros. A conclusão, última fase do trabalho, deve espelhar com o máximo rigor o resultado de todas as ações do controle, contendo todo tipo de anotações que o auditor julgar relevantes, com as evidências de auditoria recolhidas e documentadas (AUDIBRA, 1991). Todas essas informações constituem os papéis de trabalho que correspondem a uma descrição das constatações do auditor, em cumprimento às instruções do programa de auditoria. Nesta fase, o auditor, com base nos papéis de trabalho, deve emitir o relatório de auditoria que constitui o produto final de seu trabalho que é levado à administração, onde são mostradas suas idéias, pontos de vista, recomendações e conclusões. 3 O CONTROLE INTERNO O ato de controlar está intrinsecamente ligado à sobrevivência de civilizações, espécies, pessoas e organizações. Para Chiavenato (2010, p.512) o controle é algo universal: todas as atividades humanas quaisquer que sejam sempre fazem uso do controle, consciente ou inconsciente. Segundo Sá (2002, p. 106), controle interno pode ser definido como: O controle interno é formado pelo plano de organização e de todos os métodos e procedimentos adotados internamente pela empresa para proteger seus ativos, controlar a validade dos dados fornecidos pela contabilidade, ampliar a eficácia e assegurar a boa aplicação das instruções da direção. Com a globalização da economia, o mundo empresarial brasileiro passou a dar maior relevância à implantação de Sistemas de Controles internos para se protegerem dos riscos presentes em outras economias. No âmbito empresarial, controlar significa tomar decisões

7 7 com foco nos objetivos, informando ao sistema os ajustes que precisam ser feitos para que os resultados esperados sejam alcançados. Nesse contexto, controle é um processo complementar aos processos de planejamento, desenvolvimento e avaliação integrantes da função administrativa (Maximiliano, 2004). Controlar é portanto, vital para as organizações, pois assegura que suas atividades estejam em conformidade com aquilo que foi planejado para garantir sua permanência no mercado. Segundo Chiavenato (2010, p. 15), as quatro funções: planejamento, organização, direção e controle formam o processo administrativo. Portanto para assegurar o atingimento de seus objetivos, num cenário de rápidas mudanças, rupturas, descontinuidades e incertezas, as organizações recorrem aos controles internos. Nakano (2009) compreende Controles Internos como um processo que envolve desde o conselho de administração, a administração e todas as demais pessoas da organização e que é desenhado para fornecer segurança razoável quanto à consecução de objetivos nas seguintes categorias: confiabilidade de informações financeiras; obediência (compliance) às leis e regulamentos; eficácia e eficiência de operações. Os controles internos envolvem todas as atividades e rotinas, de natureza contábil e administrativa, com o intuito de minimizar os riscos inerentes aos processos, produtos, serviços, sistemas, visando agregar valor aos negócios da empresa. Os objetivos do controle interno devem estar diretamente ligados aos interesses de organização para que realmente as políticas implantadas e objetivos almejados se realizem. De acordo com Attie (1986, p.204), como regra geral, o controle interno tem quatro objetivos básicos: Salvaguarda dos interesses da empresa. Precisão e confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais. O estímulo à eficiência operacional. Aderência às políticas existentes. 3.1 COMPONENTES DE CONTROLES INTERNOS

8 8 internos: Segundo Boynton et al (2002, p. 321), são cinco os componentes de controles Ambiente de controle representa o alicerce dos demais componentes, disciplinandoos e estruturando-os. Avaliação de risco identificação e análise dos riscos relevantes para a consecução dos objetivos da entidade; forma a base para a determinação de como os riscos devem ser administrados. Atividades de controle políticas e procedimentos que ajudam a assegurar que as diretrizes da administração estejam sendo seguidas. Informação e comunicação identificação captura e troca de informações sob forma e em época tais que permitam que as pessoas cumpram suas responsabilidades. Monitoração processo que avalia a qualidade do desempenho dos controles internos. 3.2 LIMITAÇÕES DOS CONTROLES INTERNOS Em Boyton et al (2002, p. 322), as controles internos podem fornecer apenas segurança razoável para a administração e para o conselho de administração quanto ao atingimento dos objetivos da empresa, para tanto foram identificadas algumas limitações dos controles internos: Erros de julgamento ocasionalmente, administração ou outra pessoa pode fazer julgamento pobre ou tomar outra decisão. Falhas podem ocorrer quando pessoas não entendem as instruções corretamente, ou cometem erros por falta de cuidado, distração ou cansaço. Conluio indivíduos que agem conjuntamente com outros empregados com objetivo de perpetrar e esconder falhas. Atropelamento pela administração transgredir procedimentos ou políticas estabelecidas com objetivos ilegítimos. Custos versus benefícios os custos dos controles internos não devem ser superiores aos seus benefícios.

9 9 4 RISCOS INERENTES À ATIVIDADE BANCÁRIA As instituições financeiras estão expostas à vários riscos, diante disso, vêem-se obrigadas a manter equipes de auditores preparados para verificar a correta aplicação dos procedimentos e apontar as possíveis falhas. Para que a instituição financeira atinja seus objetivos é necessária a identificação de todos os riscos que ameaçam seu ramo de atividade. Em setembro de 1998, o Banco Central do Brasil (BACEN), tornou pública a resolução 2554/1998, onde criou-se a obrigatoriedade da manutenção de um sistema de controles internos, conforme segue em seu artigo 1º: Art.1º Determinar às instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil a implantação e a implementação de controles internos voltados para as atividades por elas desenvolvidas, seus sistemas de informações financeiras, operacionais e gerenciais e o cumprimento das normas legais e regulamentares a elas aplicáveis. Parágrafo 1º Os controles internos, independentemente do porte da instituição, devem ser efetivos e consistentes com a natureza, complexidade e risco das operações por ela realizadas. Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: I - a implantação e a implementação de uma estrutura de controles internos efetiva mediante a definição de atividades de controle para todos os níveis de negócios da instituição; II - o estabelecimento dos objetivos e procedimentos pertinentes aos mesmos; III - a verificação sistemática da adoção e do cumprimento dos procedimentos definidos em função do disposto no inciso II.. Todas as organizações possuem ameaças que podem prejudicar o atingimento dos seus objetivos, na atividade bancária não é diferente, o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia relacionou os riscos mais relevantes que serão aqui comentados. 4.1 Riscos de Crédito A concessão de empréstimo é a atividade básico de todos os bancos, todavia, antes da liberação dos valores, a instituição financeira deve avaliar a capacidade de pagamento dos tomadores, além disso, deve levar em conta que com o passar do tempo às condições financeiras mudam, o que apresenta maior instabilidade. Sérios problemas têm ocorrido com os bancos que não conseguem receber seus ativos, pois o risco de crédito deve ser medido à curto e à longo prazo.

10 Risco país e Risco de Transferência Esse risco está associado ao ambiente econômico, social, e político do país do tomador, é mais visível nos empréstimos ao governo estrangeiro já que tais operações são tipicamente garantidas. Há também o componente do risco país, o risco de transferência que surge quando as obrigações do tomador não são expressas em moeda local. 4.3 Risco de Mercado Uma modalidade específica do risco de mercado é o mercado de câmbio. Os bancos atuam como indutores do mercado de moeda estrangeira ao estabelecerem suas cotações junto aos clientes e ao assumirem posições abertas em moedas. Os riscos inerentes às operações de câmbio, particularmente na condução de posições abertas em moedas estrangeiras crescem durante o períodos de instabilidade das taxas de câmbio. 4.4 Risco da Taxa de Juros O risco da taxa de juros se refere à exposição da situação financeira de um banco à movimentos adversos da taxa de juros. Esse risco impacta os ganhos de um banco e o valor econômico de seus ativos, passivos, e instrumentos contábeis. 4.5 Risco de Liquidez O risco de liquidez em um banco decorre de sua incapacidade de promover reduções em seu passivo ou financiar acréscimos em seus ativos. Quando um banco apresenta liquidez inadequada, perde a capacidade de obter recursos, seja por meio de um aumento em seus exigíveis, seja pela pronta conversão de ativos custos razoáveis, afetando assim, sua rentabilidade. 4.6 Risco Operacional As modalidades de risco operacional podem acarretar perdas financeiras por meio de erros, fraudes ou deficiências no desempenho das atividades. Outras formas de risco

11 11 operacional incluem deficiências graves nos sistemas tecnológicos de informação ou eventos como incêndios ou desastres. 4,7 Risco Legal A legislação existente pode falhar na solução de questões legais envolvendo os bancos. Um processo judicial envolvendo um banco pode ter implicações em todo o segmento bancário e acarretar custos. Além disso, pode haver mudanças nas leis que afetam bancos ou outras empresas comerciais, os bancos são particularmente suscetíveis a riscos legais quando adotam novos tipos de transações ou quando o direito legal de uma contraparte não está estabelecido. 4.7 Risco de Reputação Os riscos de reputação se originam, entre outras causas de falhas operacionais e de deficiências no cumprimento de leis e regulamentos relevantes. Riscos de reputação são danosos ao banco, já que a natureza de seus negócios requer a manutenção da confiança de depositantes, de credores e do mercado em geral. 4.8 Auditoria interna como ferramenta de redução de riscos Diante do exposto ao longo deste estudo verificou-se que as instituições estão expostas à vários riscos tais como: riscos de crédito, risco país e risco de transferência, risco de mercado, risco da taxa de juros, risco de liquidez, operacional, legal e de reputação. A auditoria interna é indispensável para a redução dos riscos que envolvem a atividade bancária e para a sobrevivência das instituições financeiras, essa importância é destacada pelo BACEN e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O BACEN é a principal autoridade monetária do país e tem como objetivo garantir a estabilidade dos preços e definir as políticas monetárias, tais como a taxa de juros e câmbio, além das demais que regulamentam o sistema financeiro. A CVM a tem poderes para disciplinar, normatizar e fiscalizar a atuação dos diversos integrantes do mercado.financeiro. Todas as instituições financeiras dispõem de áreas de auditoria interna, cujas funções são: auditar e verificar o cumprimento e aderência das diversas áreas aos normativos internos, à regulamentação definida pelo BACEN e pela CVM, à legislação vigente e a todas as

12 12 políticas e práticas administrativas definidas pela alta administração da instituição, garantindo a qualidade, continuidade dos negócios e da instituição. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo geral deste estudo foi avaliar a importância da auditoria interna como ferramenta de controle para reduzir os riscos que ameaçam as instituições financeiras, e para isso, pesquisou-se a bibliografia pertinente ao tema. No contexto atual, as instituições financeiras encontram-se em constante desenvolvimento e as operações realizadas tornam-se cada vez mais complexas, então é de extrema necessidade o controle interno das atividades da organização. A auditoria interna é uma ferramenta de controle interno exigida pelo BACEN e pela CVM. A auditoria interna visa aumentar a credibilidade de uma instituição perante os seus stakeholders, e essa credibilidade ocorre fundamentalmente com base em eficazes controles internos. Além disso, a credibilidade proporcionada pela independência do auditor é um elemento propulsor para a boa manutenção e continuidade da instituição. A pesquisa bibliográfica demonstrou a importância da auditoria interna para que a instituição possa se adequar às boas práticas de governança corporativa mantendo uma posição confortável no mercado financeiro.

13 13 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Marcelo Cavalcante. Auditoria um curso moderno e completo. 6. Ed. São Paulo: Atlas, ATTIE, Willian. Auditoria interna. 1ª ed. São Paulo: Atlas, AUDIBRA, Instituto dos Auditores Internos do Brasil. Procedimentos de auditoria interna Organização básica da auditoria interna. Rio de Janeiro: Gráfica Banco do Brasil, Banco Central do Brasil BACEN. Disponível em Acesso em 20 Novembro BOYNTON, William C.; JOHNSON, Raynond N.; KELL, Walter G. Auditoria. Tradução: José Evaristo dos Santos. São Paulo: Atlas, BRASIL. Resolução nº 2554, de 24 de dezembro de CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. São Paulo: Campus Elsevier, COOK, J. Willian; WINKLER, Gary M. Auditoria: filosofia e técnica. Tradução Sonia Schwartz. 1ª ed., 3ª tiragem São Paulo: Saraiva, FRANCO, Hilário; MARRA, Ernesto. Auditoria contábil. 4. Ed. São Paulo: Atlas, IIA Brasil Institute Internal Auditors, (2011). Definição de auditoria interna. Disponível em: Acesso em: 25 Novembro MAXIMIANO, A.C. A. Teoria Geral da Administração. Da revolução urbana à Revolução Digital. 4 ed. São Paulo: Atlas, NAKANO, V.M. COSO I: Estudo do processo de fiscalização de obras no TCU. Monografia Curso de especialização em auditoria interna e controle governamental Tribunal de contas da União, Câmaras dos Deputados, Advocacia Geral da União e Secretaria Federal de Controle Interno, Brasília, Sá, Antônio Lopes de. Curso de Auditoria. 10ª Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Aula Nº 12 Auditoria Externa

Aula Nº 12 Auditoria Externa Aula Nº 12 Auditoria Externa Objetivos da aula: Apresentar a atividade de auditoria externa (independente) como meio para aferir a eficiência dos controles e como ferramenta administrativa para validação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS

1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS 1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS 1.1- Desenvolvimento Histórico da Auditoria no Mundo e no Brasil Termo auditor origem latina (aquele que ouve), origem inglesa (aquele que examina. O surgimento

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1 O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA Helio Denni Viana Lago Filho 1 1 INTRODUÇÃO A auditoria constitui um dos instrumentos mais eficientes no aprimoramento do sistema

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna

Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna CHRISTIAN TERNES ARRIAL Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) Julho 2015 SCOTIABANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO (SBB)

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) Julho 2015 SCOTIABANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO (SBB) POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) Julho 2015 SCOTIABANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO (SBB) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) (Resumo) Índice I. Introdução 03 II. Objetivo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Introdução O auditor tem o dever de documentar, através de papéis de trabalho, todos os elementos significativos

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais Silvana Duarte dos Santos 1 Resumo No século XXI, a intensificação do processo de globalização da economia, teve como conseqüência

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TANGARÁ DA SERRA CURSO: ANO LETIVO: 2007 CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA: 4º ANO DISCIPLINA: AUDITORIA CONTÁBIL CARGA

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014

IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014 IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014 Agenda Objetivos Termos de Referência Risco Objetivos do Auditor O Modelo

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul AULA 02 Prof. Ailton Azevedo M. da Nóbrega Disciplina: AUDITORIA Turma: 6 CCN 2011.02 AUDITORIA INTERNA CONCEITO: É um controle gerencial que funciona por meio de medição e avaliação da eficiência e eficácia

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

ANEXO 10 TDR AUDITORES

ANEXO 10 TDR AUDITORES ANEXO 10 TDR AUDITORES PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA DE PERNAMBUCO PSHPE (N. DO EMPRÉSTIMO) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA AUDITORIA DO XX ANO DO PROJETO DE

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Controladoria Geral da União - Regional Santa Catarina

Controladoria Geral da União - Regional Santa Catarina PLANEJAMENTO DE AUDITORIA INTERNA PRÁTICA E OPERACIONALIZAÇÃO MARÇO/2013 SCI Sistema de Controle Interno Legislação Básica Conceitos e Princípios de CI Planejamento e Execução Técnicas de Controle Comunicação

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 1 Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015 Índice: 1. Objetivo... 3 2. Conceito/Definição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Governança de TI e Auditoria Interna

Governança de TI e Auditoria Interna Governança de TI e Auditoria Interna Renato Braga, CISA, CIA, CGAP, CCI Diretor Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Tribunal de Contas da União Florianópolis, 25 de abril de 2012 Agenda

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.029/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.029/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.029/05 Aprova a NBC T 11.12 Processamento Eletrônico de Dados. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais