Métodos e Abordagens: um breve histórico do ensino de Língua Estrangeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos e Abordagens: um breve histórico do ensino de Língua Estrangeira"

Transcrição

1 Métodos e Abordagens: um breve histórico do ensino de Língua Estrangeira Carlos Henrique Souza Vilas Boas, Dark dos Santos Vieira e Ivana Mara Ferreira Costa Escola de Administração do Exército Salvador BA Brasil Resumo. O presente artigo consiste numa reflexão a respeito dos principais métodos e abordagens de ensino de línguas estrangeiras, contextualizando-os com as teorias de ensino aprendizagem que os fundamentam. Em assim sendo, o texto articula-se de modo a apresentar as principais características desses métodos e abordagens, demonstrando como eles funcionam na prática e evidenciando os seus êxitos e falhas no que se refere ao cumprimento de seus objetivos, ou seja, na aprendizagem da língua estrangeira, seja ela oral, escrita, ou ambas simultaneamente. Além disso, são apresentados os marcos científicos que influenciaram e inovaram este ensino, como o avanço nos estudos da fonética e a ascensão da linguística ao status de ciência na passagem entre os séculos XIX e XX; e mais recentemente os estudos sobre o desenvolvimento da competência comunicativa e da lingüística pós-estruturalista que forneceram a base teórica da Abordagem Comunicativa. Palavras-chave: Métodos abordagens ensino língua estrangeira. Resumen. El presente artículo consiste en una refexión respecto a los principales métodos y enfoques de enseñanza de lenguas extranjeras, contextualizándolos con las teorías de enseñanza aprendizaje que les fundamentan. Así, el texto se articula de modo a presentar los principales rasgos de esos métodos y enfoques, demostrando como ellos funcionan en la práctica y evidenciando sus éxitos y fracasos a lo que se refiere al logro de sus objetivos, o sea, en el aprendizaje de la lengua extranjera, sea oral, escrita o ambas simultaneamente. Además, son presentados los marcos científicos que influyeron e innovaron esta enseñanza, como el avanzo en los estudios de fonética e la acensión de la linguística al status de ciencias entre los siglos XIX y XX; y más reciente, los estudios sobre el desarrollo de la competencia comunicativa y de la linguística pos-estruturalista que dan la base teórica del Enfoque Comunicativo. Palabras claves: Métodos enfoques enseñanza lengua extranjera. 1 Introdução Aprender outros idiomas e outras culturas foi e sempre será uma necessidade imperativa em todas as épocas para a maioria dos seres humanos, pois as civilizações se formam a partir do contato entre povos de línguas diferentes e dependem diretamente desta interação para continuar existindo e seguir avançando. Contudo, a preocupação pela busca de uma abordagem eficaz para o ensino de idiomas nem sempre existiu. Só a partir do Renascimento, iniciaram-se tentativas de criar um método que superasse a tradição gramatical greco-latina. Estas primeiras

2 tentativas de inovação baseavam-se em intuições que enfatizavam a importância de uma aprendizagem indutiva. Com o surgimento da Lingüística no final do século XIX e o avanço da Psicologia, surgiu um ambiente propício para a formulação de métodos com base em princípios científicos. Atualmente, fala-se bastante em desenvolvimento da competência comunicativa e métodos ecléticos. Entretanto, na prática, observa-se que muitos métodos considerados arcaicos e ultrapassados ainda são utilizados por profissionais desta área, o que demonstra uma falta de conhecimento das teorias de ensino aprendizagem atuais e das diversas situações de aprendizagem de línguas estrangeiras utilizadas no transcorrer da história. Em função disso, torna-se relevante um estudo diacrônico do Ensino de Língua Estrangeira que destaque as principais características desses métodos e as suas contribuições para o ensino atual. Pois, conhecendo melhor os diversos métodos e as suas fundamentações teóricas, o profissional desta área poderá escolher a estratégia de ensino que facilite aos aprendizes uma aprendizagem concreta da língua estrangeira. Por isso, este artigo pretende, através de revisão bibliográfica, apresentar um breve estudo dos principais métodos e abordagens para o ensino de línguas estrangeiras, desde o método tradicional, o chamado Método Gramática e Tradução, à Abordagem Comunicativa tão em voga atualmente, levantando alguns dos aspectos históricos que favoreceram a formulação/estruturação de cada um deles e, ressaltando também as teorias da Lingüística e de ensino aprendizagem que os fundamentam, pois a evolução destes métodos no transcorrer da história estão intimamente ligados aos estudos científicos e às necessidades particulares de cada momento histórico. 2 Das origens aos dias atuais Quase todos concordam que falar uma língua estrangeira é uma habilidade indispensável para qualquer um que deseje ter sucesso pessoal e profissional em um mundo onde a comunicação tornou-se um fator de fundamental importância. Assim, é óbvio que haja um número cada vez maior de pessoas dispostas a aprender uma ou mais línguas estrangeiras e uma oferta concomitante de profissionais especializados no ensino de idiomas a fim de suprir esta demanda. Ninguém duvida de que estes profissionais têm como objetivo principal levar seus alunos à proficiência da língua estudada no menor espaço de tempo possível. Mas, qual seria a melhor maneira de se alcançar este objetivo? As tentativas de se responder a esta pergunta consistentemente começaram no final do século XIX e deram início a uma busca que visava à formulação do melhor método de ensino de língua estrangeira. O período de passagem entre os séculos XIX e XX é certamente um marco importante no ensino de línguas, pois as pesquisas na área de fonética e a ascensão da lingüística ao status de ciência começariam a fornecer dados para a fundamentação teórica de que pesquisadores e professores de língua estrangeira necessitariam para o desenvolvimento de um método mais eficaz no aprendizado de idiomas. Contudo, desde o Humanismo começava a haver tentativas válidas de modernização do ensino de idiomas. Algumas delas indubitavelmente merecem ser mencionada por terem adiantado tendências que seriam retomadas no século XX com respaldo da Lingüística Estruturalista. As primeiras inovações no ensino de idiomas, que começaram a surgir no século XVI, eram uma reação ao ensino de línguas calcado na gramática normativa tão em voga na Idade Média. O bispo da Moravia J. A. Commenius ( ), então defensor de um método ativo de ensino, inovou com a obra Orbis sensualium pictus que ensinava vocabulário da língua latina através de

3 desenhos. Com esta obra ele pode ser considerado o primeiro professor de línguas a usar o método visual. Ainda no século XVI, o gramático holandês Vossius recomendava o ensino com gravuras sem falar a língua materna. Há também exemplos de humanistas mais radicais que achavam que o ensino da gramática deveria ser totalmente abandonado, pois seria mais proveitoso ensinar o idioma através do método indutivo. 2.1 Método Gramática e Tradução O método indutivo no ensino de idiomas gozou de certa popularidade até o século XVIII, quando começa a ser suplantado pelo método dedutivo, tanto no ensino de línguas clássicas como no ensino de línguas modernas. O método dedutivo foi dominante durante toda a Idade Média, conviveu com o método indutivo depois do Humanismo e a partir do século XIX o substituiu totalmente. A explicação para a suplantação do método indutivo pelo dedutivo parece ser o pouco interesse pelo aprendizado de idiomas para seu uso ativo. Até o início do século XX a maioria das pessoas que aprendiam uma língua o faziam com interesse de ter acesso a sua literatura e para este fim o método dedutivo parecia ser bem adequado. O método dedutivo no ensino de idiomas passou a ficar conhecido na literatura técnica como Método de Gramática e Tradução a partir do século XIX. Contudo, não é correto considerá-lo um método, pois não possui fundamentação em nenhuma teoria de aprendizagem de línguas. Trata-se de uma mera continuação da maneira como se ensinava o latim e o grego há séculos, com o único objetivo de formar eruditos. Segundo Prator e Celce-Murcia (1979, p. 3), as principais características do Método de Gramática e Tradução são as seguintes: 1. As aulas são ministradas na língua materna dos alunos e há pouco uso ativo da língua estrangeira. 2. O vocabulário é apre(e)ndido através de listas de palavras totalmente descontextualizadas. 3. São dadas explicações e análises detalhadas de minúcias da gramática 4. Os alunos já fazem leitura de textos clássicos a partir dos estágios iniciais de aprendizagem. 5. Dá-se pouca atenção ao conteúdo dos textos, pois eles servem principalmente de exercício de análise gramatical. 6. Pouca ou nenhuma atenção é dispensada à pronúncia. Pelas características expostas acima, o Método de Gramática e Tradução certamente não é apropriado para desenvolver a habilidade comunicativa dos alunos, que têm de fazer um grande esforço para memorizar listas intermináveis de palavras e regras gramaticais raramente usadas. Contudo, ele continua a existir com vigor em alguns contextos educacionais. Brown (1994, p. 4) afirma que esta situação ocorre porque, primeiramente, tal método não exige grande habilidade por parte do professor para planejamento de aulas e, além disso, é muito fácil formular e corrigir avaliações que se baseiam em regras gramaticais e traduções. 2.2 Método Direto Nas duas últimas décadas do século XIX, os trabalhos na área de fonética e fonologia realizados pelo inglês Henry Sweet tiveram forte impacto na comunidade de estudiosos e professores de língua estrangeira. Houve mais uma vez oscilação no pêndulo das diretrizes que guiam o trabalho dos profissionais da área. Aparecem então ataques contra a memorização de regras gramaticais e o emprego de traduções como método didático. No ano de 1890 ocorreu na Inglaterra um congresso de professores de línguas modernas onde se aprovou uma resolução que estabelecia a fonética como a

4 base do ensino de línguas. A partir deste período surge o Método Direto. De Saz (1980, p. 8) e Brown (1994, p. 4) concordam que o Método Direto era mais uma atitude em relação ao ensino de línguas do que um método de ensino, pois carecia de uma boa base teórica. Embora alguns representantes deste método apresentassem diferenças na sua aplicação, todos eles concordavam quanto aos princípios básicos, que propunham o ensino da língua através da conversação e discussão sem a explicitação de regras gramaticais ou o uso da língua materna do aluno. De acordo com Richards e Rodgers (1986.p. 9-10), os princípios do Método Direto podem ser resumidos da seguinte forma: 1. As aulas eram ministradas exclusivamente na língua estrangeira aprendida. 2. Apenas orações e vocabulário usado no cotidiano eram ensinados. 3. A gramática era ensinada indutivamente. 4. Ensinava-se principalmente a fala e a compreensão oral. 5. A pronúncia e o uso da gramática deviam ser corretos 6. O vocabulário concreto era ensinado por meio de objetos, demonstração e desenhos; enquanto o abstrato era ensinado por meio de associação de idéias. No final dos século XIX e durante o primeiro quarto do século XX, o Método Direto se tornou bastante popular e um dos seus maiores propagadores foram as Escolas Berlitz que espalharam por todo o mundo e continuam vigorosas. Para que pudesse trazer resultados satisfatórios, este método exigia altos investimentos, pois não existiam materiais disponíveis e os alunos deveriam ter professores nativos à sua disposição, atenção individualizada e cursos intensivos. Além disso, por ter uma base teórica que favorecia apenas poucos aspectos da linguagem, grande parte do sucesso na aprendizagem dependia mais da personalidade do professor do que da metodologia em si. Não demorou muito para que a maioria das instituições de ensino de língua, cujo orçamento era muito pequeno, retornassem ao Método de Gramática e Tradução ou a abordagens que enfatizavam a habilidade de leitura. No fim do primeiro quarto do século XX, houve um enorme declínio do Método Direto. Todavia, mudanças no cenário político e evoluções no meio acadêmico trariam de volta algumas das mais importantes características do Método Direto. 2.3 O Método do Exército Americano (ASTP 2 ) e o Método Audiolingual Embora os estudos em fonética e fonologia tivessem logrado grande avanço no final do século XIX, a Lingüística ainda carecia de delimitação para o seu objeto de estudo e do estabelecimento de um método científico para abordá-lo adequadamente em suas investigações. O caráter intuitivo na confecção dos métodos de ensino de línguas até aquela época pode ser facilmente explicado tendo em vista esta situação. Portanto, a criação de um método cientificamente calcado dependia diretamente de a Lingüística alcançar o status de ciência. Com a publicação de Curso de Lingüística Geral de Ferdinand de Saussure em 1916, na Europa, estabelecem-se a existência dos fatos lingüísticos, os métodos para identificar e tratar os fatos lingüísticos e o estudo sincrônico da língua com base científica. Como as demais ciências sociais que tinham um método científico estabelecido para seu objeto de estudo naquele período, a Lingüística seguiu a orientação estruturalista. Saussure mostrou que a língua deve ser analisada como um sistema de regras composto por elementos lexicais, gramaticais e fonológicos que são organizados em níveis hierarquizados, onde 2 Army Specialized Training Program

5 cada elemento está determinado em função de suas combinações com o nível superior. Nos Estados Unidos, também houve um grande esforço para conferir aos estudos lingüísticos um cunho científico. Neste sentido, a figura que mais se destacou foi sem dúvida o lingüista Leonard Bloomfield. Seu livro Language, publicado em 1933, se tornou a obra de referência mais importante da Lingüística americana, que foi então fortemente impulsionada pela necessidade de descrição de línguas indígenas para fins de pesquisa antropológica. Bloomfield enfatizava que a pesquisa de campo deveria preceder a descrição, pois a língua é essencialmente um instrumento de comunicação oral e deve ser descrita a partir daí. Além do estruturalismo, a teoria psicológica behaviorista, bem atuante em todo o meio acadêmico norte-americano da época, influenciou determinantemente a produção de Bloomfield, que encarava a língua como um conjunto de hábitos adquiridos através de uma reação de estímulo e resposta. A eclosão da II Guerra Mundial com a participação direta dos Estados Unidos motivou uma das maiores revoluções já ocorridas no Ensino de Línguas, e a Lingüística sob a égide do Estruturalismo e do Behaviorismo deixou seus princípios norteadores claramente impressos nas características do Método Audiolingual, que surgiria a partir deste contexto. O contato iminente dos Estados Unidos com aliados e inimigos cujo idioma não era o inglês expôs a necessidade de parte da tropa tornar-se, em pouco tempo, fluente em línguas estrangeiras para fins de inteligência militar. Em 1941 foram convocados lingüistas, entre os quais Leonard Bloomfield, para projetar um método de ensino de línguas intensivo e eficaz. Assim, antes da entrada no conflito, criou-se o ASTP (Army Specialized Training Program), um programa que tinha o objetivo de levar militares à proficiência em uma ou mais línguas estrangeiras em um curto espaço de tempo. O Método do Exército, como era vulgarmente conhecido o ASTP, combinava técnicas do Método Direto e de um método desenvolvido a partir do estudo de línguas indígenas, além da preparação de livros e gravações para instrução autodidática. Mais de 50 línguas foram ensinadas aos militares com sucesso através deste método. Segundo De Saz (1980, p. 211), grande parte do sucesso do ASTP resulta das peculiaridades de sua aplicação. As aulas duravam de oito a doze horas em um período de oito a dez semanas no qual os soldados não faziam outra coisa senão aprender a língua. A média de alunos por sala de aula não passava de doze e enfatizava-se principalmente a conversação em detrimento da prática da leitura e da escrita. Além disso, havia professores nativos disponíveis e uma ampla gama de materiais altamente estimulantes como filmes estrangeiros e emissões de rádio. Só eram admitidos no curso alunos que tivessem alguma experiência com língua estrangeira e um alto nível de inteligência. Outro ponto motivador foi a promoção que os militares receberiam após a conclusão do curso com aproveitamento. Não é tão difícil entender o êxito na aprendizagem de um idioma em um contexto tão favorável. Contudo não se deve esquecer que o ASTP já começava a tirar proveito da aplicação da Lingüística estrutural no Ensino de Línguas. Embora a guerra tivesse acabado e o exército americano tivesse abandonado a continuação do programa, os resultados das pesquisas da estrutura lingüística seguiram sendo aplicados no Ensino de Línguas. Como houve uma publicidade extremamente positiva do ASTP nos meios de comunicação, o público em geral voltou a se interessar pela aprendizagem de idiomas e, para se adequar a nova demanda, o método sofreu algumas adaptações e variações passando assim a ser conhecido na década de 50 como Método Audiolingual. Contudo, a Lingüística Estrutural e o Behaviorismo

6 permaneceram sendo inabalavelmente o vetor deste método, como se verá mais adiante nas suas características. De acordo com Prator e Celce-Murcia (apud BROWN,p. 1994:57), as principais características do Método Audiolingual são as seguintes: 1. Os tópicos a serem aprendidos são sempre introduzido em forma de diálogo. 2. O aprendizado depende em grande parte de memorização de conjuntos de orações e repasse constante do assunto. 3. Padrões da estrutura da língua são ensinados através de exercícios de substituição estrutural. 4. Há pouca explicação gramatical e a gramática é ensinada preferencialmente por meio de analogias indutivas. 5. O vocabulário é extremamente limitado e restrito ao contexto. 6. Há uso de fitas, laboratórios de idiomas e recursos visuais. 7. Dá-se grande importância à correção da pronúncia 8. É permitido pouquíssimo uso da língua materna do aluno. 9. Há reforço imediato das respostas corretas através de pontuação ou elogio. 10. Há grande esforço do aluno para produzir enunciados sem erros. 11. As estruturas são seqüenciadas e ensinadas uma de cada vez através de análise contrastiva. 12. Há um forte tendência em manipular a língua e desconsiderar o conteúdo. Depois de um período de grande popularidade nas décadas de 50 e 60, houve um declínio sensível do uso do Método Audiolingual no Ensino de Idiomas no final dos anos 70. Constatou-se que a repetição e a memorização eram extremamente limitadas no desenvolvimento da proficiência, pois a aquisição da língua não era apenas uma questão de formação de hábito. Além disso, a Lingüística Estrutural não desvendou tudo a respeito da língua, como alguns lingüistas esperavam. Todavia, o Método Audiolingual trouxe inovações tão importantes para o Ensino de Idiomas que algumas de suas técnicas continuam sendo bastante válidas em qualquer curso de língua estrangeira. O uso de recursos audiovisuais e os exercícios de substituição estrutural são um bom exemplo. Embora não seja tão popular quanto na década de 50, o Método Audiolingual ainda é usado, em uma versão modificada, por um bom número de cursos de idiomas. 2.4 Os métodos dos anos 70 Em 1957, surgiu a teoria gerativatranformacional através das pesquisas do lingüista americano Noam Chomsky, com o objetivo de romper as amarras do empirismo que prendia a lingüística à análise e classificação de estruturas da língua, tentando assim explicitar os mecanismos por trás do aspecto criativo da linguagem e formulando as regularidades universais subjacentes. Chomsky afirma que é fundamental que a teoria lingüística descubra a realidade mental subjacente ao comportamento lingüístico a fim de determinar o sistema de regras que o falante/ouvinte usa para produzir e compreender um número infinito de orações. Esta teoria ocasionou uma reviravolta nos estudos lingüísticos em um momento em que a lingüística estrutural norte-americano parecia ter alcançado seu estabelecimento definitivo com as pesquisas e trabalhos de renomados lingüistas. Os trabalhos de Noam Chomsky só ecoaram no campo de Ensino de Idiomas no final dos anos 70, quando já começava a se generalizar um descrédito em relação uma teoria de aprendizagem calcada no behaviorismo. Nesse mesmo período, muitos psicólogos inspirados por Carl Rogers, começaram a perceber que o fator afetivo e as relações de natureza interpessoal

7 têm um papel fundamental no processo de aprendizagem. Esta onda de renovação pedagógica associada à atmosfera de movimentos em prol de mudanças políticas e sociais oportunizaram o surgimento de vários métodos de ensino de caráter inovador e voltados para uma nova tomada de direção no Ensino de Idiomas. À primeira vista, alguns deles se mostram um tanto excêntricos, pois fazem experimentações interdisciplinares bastante peculiares e possuem um toque de esoterismo típico dos anos 70. Abaixo serão mencionados quatro destes métodos acompanhados de um resumo de seu histórico e suas características Aprendizagem de Línguas em Cooperação É uma aplicação direta da psicologia humanista, com o objetivo de integrar os alunos em grupos de trabalho cooperativo. Esta era uma maneira de eliminar a competitividade e criar um ambiente sem ameaças psicológicas. O professor é visto como um facilitador que transmite segurança e autoconfiança aos alunos a fim de dar maior fluidez à aprendizagem. As atividades mais comuns são tradução, trabalho em grupo, gravação, transcrição, observação e conversação livre Sugestopédia Tem sua origem nas pesquisas soviéticas de percepção extra-sensorial e na ioga. Este método é um tanto incomum, pois defende que os alunos aprendem mais quando estão em estado de total relaxamento. Assim, toca-se música barroca para que os alunos alcancem este estado. O professor deve ser promotor de um ambiente sem estresse e fazer os alunos aprender de maneira muito receptiva. As técnicas mais comuns são visualização, escolha de nova identidade e encenações Resposta Física Resulta das pesquisas em aquisição da língua materna e ressalta a importância do processamento cerebral no hemisfério direito para o aprendizado da linguagem. Defende-se que o processo de aprendizagem da língua estrangeira deve ocorrer da mesma maneira como aluno aprendeu sua língua materna. Assim, a compreensão oral precede a produção oral e os alunos só falam quando se sentem prontos. Este princípio vem dos estudos de aquisição da linguagem que provaram que a criança passa por um período silencioso antes de falar. As atividades cinestéticas são muito usadas para ativação do lado esquerdo do cérebro Método do Silêncio Fundamentou-se em uma tendência educacional chamada aprendizagem por descobertas. Ele é caracterizado pela ausência da interferência direta do professor na produção do aluno. Espera-se que os alunos cresçam por si só no processo de aprendizagem. Neste caso, o professor não é um modelo, ele apenas deve mostrar o caminho aos alunos. O Método do Silêncio enfatiza bastante a correção da pronúncia. Usam-se bastantes painéis coloridos e blocos lógicos de tamanhos e cores diferentes. 2.5 A Abordagem Comunicativa O Estruturalismo de Bloomfield e o Gerativismo de Chomsky associados respectivamente à psicologia behaviorista e à psicologia cognitivista suscitaram várias discussões a respeito de como se constrói a proficiência na linguagem humana. Nos anos 70, estas discussões geraram estudos e suscitaram o surgimento de um novo campo científico conhecido como Aquisição da Linguagem. Embora tenha sua origem na Lingüística e na Psicologia e se utilize do avanço dos estudos nestas áreas, a Aquisição da Linguagem pode ser considerada uma ciência autônoma, pois tem seu objeto de estudo muito bem delimitado e métodos específicos para abordá-lo. Teorias como filtro afetivo, hipótese da idade crítica e

8 hipótese da ordem natural foram fundamentais para a construção de uma nova visão sobre o aprendizado da língua que se traduziu na construção de princípios que norteariam as atividades do professores de língua nas décadas posteriores. A revolução audiolingual, a renovação dos métodos nos 70 e a Aquisição de Linguagem levaram a área de Ensino de Línguas a um amadurecimento sem precedentes. O resultado deste processo foi a construção de uma visão holística a respeito dos processos de aprendizagem da língua que culminou na crença em princípios bem fundamentados tanto na teoria como na experiência. Assim, os professores de idioma cessaram a sanha pela busca de um método ortodoxo e optaram por uma abordagem que priorizasse a comunicação e fosse bem eclética em relação ao emprego de técnicas bem sucedidas de outros métodos. Este é o nascimento da Abordagem Comunicativa, que surge vigoroso nos anos 80. As características da Abordagem Comunicativa refletem claramente o amadurecimento da área de Ensino de Idiomas e tornam bem óbvias as razões do sucesso desta abordagem. Em linhas gerais, este método advoga que o aluno deve aprender a se comunicar na língua estrangeira através de um processo de interação com outros alunos e com o professor. Embora ocorra em grande parte em sala de aula, o processo de aprendizagem da língua deve estar voltado à preparação do aluno para lidar com situações comunicativas na vida real. Por tanto, o uso de materiais autênticos é fundamental. Outro ponto de grande importância neste método é conscientizar o aluno sobre seu próprio processo de aprendizagem para que ele crie mecanismos de emancipação em relação ao professor e otimize sua aprendizagem segundo seu estilo e motivações. Desta forma, enfatiza-se um ensino que tem o aluno como centro através da valorização de suas própria experiência, enriquecendo inestimavelmente o aprendizado em sala de aula. Através das características acima mencionadas, percebe-se que a língua é mais do que meras estruturas regidas por regras. Trata-se primordialmente de um sistema de expressão de significados que tem como meta primordial oportunizar a comunicação e interação. Assim, a aprendizagem deve ocorrer por meio de atividades que promovam a comunicação e utilizem a língua de maneira significativa para os alunos. Portanto, o objetivo de um curso de língua comunicativo deve ser levar o aluno a lidar com a língua em diferentes contextos comunicativos usando sua estrutura de maneira satisfatória. Desta forma, a característica marcante da Abordagem Comunicativa, que a diferencia com mais nitidez dos métodos anteriores, é a ênfase no significado e no uso da língua. Assim, a definição dos conteúdos a serem trabalhados em sala de aula parte da perspectiva da realidade comunicativa, que apresenta uma variedade de possibilidades relacionadas às situações comunicativas, ao léxico e às estruturas lingüísticas utilizadas para trabalhar um determinado conteúdo funcional. Com a tentativa de preparar o aluno de maneira mais eficaz e satisfazer as exigências de uma comunicação real, a Abordagem Comunicativa parte do pressuposto de que para aprender a língua alvo, há necessidade de praticá-la constantemente, e que os processos comunicativos são tão importantes quanto as formas lingüísticas, que por sua vez estão subordinadas ao significado. Os objetivos devem refletir as necessidades dos aprendizes em termos tanto de habilidades funcionais como de objetivos lingüísticos. Por tanto, o processo de ensino e aprendizagem de uma língua estrangeira baseada na Abordagem Comunicativa ressalta a necessidade de ir mais além da simples transmissão e aquisição de conhecimentos gramaticais, pois se tem como objetivo permitir ao aluno comunicar-

9 se na língua estrangeira nas diversas situações comunicativas. 3 Considerações finais Conhecer o processo histórico por meio do qual se desenvolveram os métodos de ensino de línguas fornece ao profissional da área a possibilidade de adquirir uma consciência crítica em relação aos princípios subjacentes nas abordagens de ensino e optar pelas teorias de língua e de aprendizagem que mais se coadunem com suas crenças de como levar seus alunos a um aprendizado efetivo. Como a área de ensino de línguas estrangeiras exige um aperfeiçoamento constante do profissional, de modo que esteja preparado para melhor instruir seus alunos a fim de que estes adquiram fluência na língua estrangeira com mais solidez, este artigo se propôs a analisar e discutir diacronicamente os métodos e abordagens de língua estrangeira, demonstrando suas principais características e as teorias que o fundamentam. Por isso, espera-se que as informações apresentadas sirvam de referencial àqueles que se aventuram na busca de uma melhor prática de ensino de línguas, pois, conhecendo os sucessos e fracassos dos diversos métodos de ensino de línguas, bem como as suas características, estarão subsidiados teoricamente para escolher uma metodologia que melhor se adeqüe às necessidades particulares de seus alunos. PRATOR, C. H.& CELCE-MURCIA, M., An Outline of Language Teaching Approaches. Marianne,and McIntosh, Lois (Ed.), Teaching English as a Second or Foreign Language. Newbury House RICHARDS, J. C., & RODGERS, T. Approaches and Methods in Language Teaching. Cambridge: University Press, Referências BROWN, H. D. Teachinh by principles: an interactive approach to language pedagogy. New Jersey: Prentice Hall, DE SAZ, S. M. P. La lingüística y la enseñanza de las lenguas. Madrid: Empeño, 1980.

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM Katharine Dunham Maciel- (UFRJ) Ingeborg Hartl- (UFRJ) Os métodos apontam um caminho para o professor, fornecem-lhe

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Relações/interações que envolvem a triade aluno - professor saber matemático Eixo fundamental : transformação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Kaio César Pinheiro da Silva Raquel Espínola Oliveira de Oliveira Thais Fernandes da Silva Cristina Bongestab

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA RESUMO ROMÃO, Maria Regina Marcondes FURB - Fundação Universidade Regional de

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Cristiane Vieira Falcão (PIBID/CAPES/UEPB) crisfalcão@outlook.com.br Maria Glayce Kelly O. da Silva (PIBID/CAPES/UEPB) glayceoliveira20@gmail.com

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os aspectos, e à Bruna, minha amada filha que fez nascer em mim

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos FILOSOFIA 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em Filosofia PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO O

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Tendência Empírico-Ativista e Construtivista

Tendência Empírico-Ativista e Construtivista Tendência Empírico-Ativista e Construtivista Daiane de Oliveira Gonçalves Aline Costa Ramos Novembro, 2014 Tendência Empírico-Ativista e Construtivista 2 / 15 1 Tendência Empírico-Ativista 2 Tendência

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais