ANÁLISES METAFÓRICAS E TRADUÇÕES DE MÚSICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISES METAFÓRICAS E TRADUÇÕES DE MÚSICAS"

Transcrição

1 ANÁLISES METAFÓRICAS E TRADUÇÕES DE MÚSICAS Karina Antonia Fadini 1 RESUMO Este artigo se propõe a analisar e validar a importância da produção dos sentidos metafóricos durante o processo de tradução de músicas apresentadas em sala de aula. Para tanto, traduções da música Firework, de Katy Perry, feitas por usuários de internet, serão utilizadas como exemplifi cação. Dessa forma, busca-se entender de que forma (e se) os tradutores podem controlar expressões metafóricas e que efeito isso tem para o próprio texto traduzido. Nessa perspectiva, a metáfora é compreendida dentro dos processos histórico-sociais e culturais que lhe são dados como suporte para a produção de seus significados. Palavras-chave: metáfora, tradução de músicas. ABSTRACT This article intends to analyze and to validate the importance of the production of the metaphorical senses during the process of translation of music presented in classroom. For so much, it will be necessary to exemplify with translations of the song Firework, by Katy Perry, previously done by internet users. This way, it is intended to understand how (and if) the translators may control metaphorical expressions, and what effect they 1 Docente do Núcleo de Educação da Faculdade Castelo Branco 1

2 have over the translated text. In that perspective, the metaphor is understood inside the historical-social and cultural processes which are given as support for the production of their meanings. Key-words: metaphors, translation of songs. 1. Introdução Segundo Arrojo (1986:22), a tradução não pode ser meramente o transporte, ou a transferência, de significados estáveis de uma língua para outra [...] e a tradução é uma atividade essencialmente inferior, porque falha em capturar a alma ou o espírito do texto literário ou poético. Assim, a tradução não é vista como uma atividade exata, um terreno onde tudo é claro, definido e inequívoco, pois, se assim o fosse, como exclama Travaglia (2003:190), não haveria espaço para a reflexão. De acordo com Venuti (1995) apud Arrojo, também, a tradução é a substituição forçada das diferenças culturais e linguísticas do texto estrangeiro para um texto que será inteligível ao leitor da língua alvo. Fica evidente aí que a tradução é permeada por especificidades culturais que, ao serem traduzidas, podem constituir uma transposição forçada em razão das diferenças entre as duas línguas. No entanto, o tradutor não pode simplesmente se ater à sintaxe e aos itens lexicais, pois língua e cultura estão intrinsecamente ligadas. Partindo-se, então, dessa teoria de tradução como um processo de (re)cria- 2

3 ção, em que traduzir é interpretar, o presente trabalho pretende destacar e analisar numa música (já traduzida por usuários de internet) a presença de diversos níveis de metáforas, um dos grandes desafios enfrentados pelos tradutores, devido à indissociabilidade entre os elementos lingüístico e cultural mencionada acima e, assim, contribuir para a ampliação das discussões das diversas teorias sobre o processo da atividade tradutória e, posteriormente, servir de base também para aplicação prática em sala de aula. Para tanto, são observadas implicações de ordem psicológica e cognitiva presentes na teoria e na prática de tradução de metáforas, com a identificação dos contextos histórico e social em que ela foi empregada e, assim, a necessidade de reconhecimento deles é justificada. 2. Metáforas e tradução Metáfora é principalmente um modo de conceber uma coisa em termos de outra, e sua função primordial é a compreensão. (Lakoff e Johnson) A metáfora, que consiste na comparação de dois termos sem o uso de um conectivo, tão conhecida como figura de linguagem ou, mais especificamente, figura de palavra dentro da tradição aristotélica de estudos da linguagem, hoje tem sido encarada como processo cognitivo ou processo de produção de sentido, com efeitos de sentidos social e histórico bem demarcados. Tal concepção mais abrangente de metáfora surgiu a partir do final dos anos 70 no âmbito da ciência cognitiva. Segundo George Lakoff, um de seus principais teóricos, a metáfora não é só uma figura de linguagem ou de 3

4 retórica. Ela, que era considerada um desvio da linguagem usual e própria de linguagens especiais (como a poética), e tão indesejável no discurso científico, tornou-se agora uma operação cognitiva fundamental, que está subjacente à linguagem. O conhecimento da realidade, tenha sua origem na percepção, na linguagem ou na memória, precisa ir além da informação dada. Ele emerge da interação dessa informação com o contexto no qual ela se apresenta e com o conhecimento preexistente do sujeito conhecedor. (Lakoff e Johnson, 2002:13) Sendo assim, os processos de produção de sentido em linguagem se estruturam a partir de sujeitos historicamente determinados em função de um momento específico, mas dentro das possibilidades que o sistema linguístico oferece. Os indivíduos também são, porém, responsáveis por provocar determinados efeitos de sentido pouco previstos ou inusitados, ainda que possíveis. Desse modo, eles se constituem como suporte para os processos de significação das metáforas. Um olhar metafórico sobre a realidade é, portanto, um olhar que transcende a realidade imediata invadindo mesmo outras realidades experimentadas pelos sentidos. Essa perspectiva da linguagem como constituidora dos sujeitos sociais é encontrada já em Wundt, nos seus escritos de Psicologia datados de 1863, para quem a linguagem de um povo, sua gramática e seu vocabulário particular é o que determina a constituição psíquica desse povo, constitui seu gênio, seu espírito próprio, é o corpo de sua alma coletiva. (Wundt, apud Abrahão) Para Lakoff & Johnson, as metáforas não são ocorrências casuais ou alea- 4

5 tórias para serem tratadas como exemplos isolados. (2002: 94). Para eles, trata-se de processos sistemáticos que organizam nossos pensamentos e ações e que se baseiam nas nossas experiências. Ao mesmo tempo, Reddy (1979) desenvolveu quatro categorias para constituírem o que ele chama de metáfora do canal: (1) a linguagem funciona como um canal, transferindo pensamentos corporeamente de uma pessoa para a outra; (2) na fala e na escrita, as pessoas inserem seus pensamentos e sentimentos nas palavras; (3) as palavras realizam a transferência ao conter pensamentos e sentimentos e conduzi-los às outras pessoas; (4) ao ouvir e ler, as pessoas extraem das palavras os pensamentos e sentimentos novamente. (Reddy 1979:290, apud Lakoff & Johnson, 2002:16) Assim, com essa forma idealizada de se pensar a comunicação, ela teria sucesso garantido, no qual o ouvinte (ou leitor) teria o simples trabalho de pegar o significado que está nas palavras e colocá-lo na sua cabeça. Dentro desse ponto de vista, a metáfora é percebida como uma construção de realidade que nem sempre passa pelo consciente. Seguindo o caminho aberto por Reddy, Lakoff e Johnson deram um tratamento mais explícito à metáfora do canal, considerando-a como uma metáfora complexa, constituída por uma rede do que eles chamam de metáforas conceptuais. Isso ocorreu na década de 80, quando, através de análises de expressões linguísticas, inferiram um sistema conceptual 2 metafórico subjacente à linguagem, o qual influencia nossos pensamentos e nossas ações. 2 Na linguística cognitiva, os conhecimentos prévios são chamados de modelos cognitivos ou esquemas conceptuais. 5

6 Além disso, os dois pesquisadores colocam a existência de três tipos de metáforas: as orientacionais, as ontológicas e as estruturais, as quais serão explicadas posteriormente, com a análise musical contida neste artigo. Desde então, em sua obra Metaphors we live by (e em sua versão traduzida Metáforas da Vida Cotidiana), eles dizem acreditar que as pessoas não possuem as mesmas metáforas conceptuais no mesmo grau de elaboração, e que não se assuma que os resultados de observações sistemáticas da língua necessariamente impliquem que todo indivíduo possua todas as complexas metáforas conceptuais por eles descobertas. Além disso, defendem que as representações de metáforas conceptuais podem não necessariamente estar pré-armazenadas em sua totalidade no léxico mental das pessoas; partes delas podem ter que ser (re)construídas de diferentes maneiras em diferentes ocasiões. Ao mesmo tempo, metáforas conceptuais pré-armazenadas podem não necessariamente ser imediatamente ativadas quando as pessoas compreendem linguagem metafórica. (Lakoff & Johnson, 2004:31) Enquanto isso, Gibbs (1999) se apoia numa abordagem sociocultural da cognição e não vê necessidade de tirar a metáfora da mente e colocá- -la no mundo ; para ele as teorias da cognição não deveriam insistir que as estruturas cognitivas estão na cabeça, mas deveriam reconhecer quão abrangente ou distribuída no mundo a cognição pode ser. (Lakoff & Johnson, 2004:32) Talvez por essas razões, conforme afirma Schäffner (2004), o fenômeno da metáfora frequentemente tem sido motivo de preocupação entre os estudiosos da tradução, que discutem sobre os problemas de transferência das 6

7 metáforas de uma língua e cultura para outra. O trabalho mais importante do tradutor consiste em escolher, dentro do polissistema da língua de chegada, a forma que melhor representa o original, uma vez que a variação (...) é um espelho que reflete o contexto sócio-cultural em que foi produzido o original. (Travaglia, 2003:41) Com relação à tradução de metáforas também, portanto, nem sempre o procedimento stricto sensu conseguirá solucionar os problemas, visto que, ao transferir sentidos de um idioma para outro, a pessoa pode se sentir impedida por diferenças linguísticas e culturais. O sentido, entretanto, não é esse algo fixo, pré-determinado e único. Pode estar sujeito a muitos fatores que são variáveis, condicionados pelo tempo, pelo espaço, pelas experiências e conhecimento de cada leitor e pelas condições de produção de cada texto tanto na língua de partida quanto na língua de chegada. (Travaglia 2003:40) Na linguística cognitiva, os conhecimentos prévios são chamados de modelos cognitivos ou esquemas conceptuais. São sugeridos, então, pelas teorias de tradução, vários procedimentos para lidar com esse problema, por exemplo: substituição (de uma metáfora por metáfora diferente), parafraseamento (explicação da metáfora), ou apagamento (tirando a metáfora, por não existir correspondência na outra língua). 7

8 Via online, porém, aos próprios usuários de certos websites é permitida a exposição de letras musicais que são, muitas vezes, traduzidas ao pé da letra, enquanto suas metáforas, que nem sempre têm valor correspondente na língua materna, não são explicadas, fazendo com que a produção do sentido feita pelos que pesquisam a tradução da música seja afetada e/ou insuficiente, já que muitas vezes a correlação entre as duas línguas nem sempre ocorre em nível de palavras, mas sim em nível de frases, e/ou num contexto histórico-sócio-cultural. Nas salas de aula, especialmente nas aulas de Língua Inglesa, onde muitas dessas traduções vão parar, então, a questão pode ser ainda pior, pois existem alunos que têm limitações quanto à interpretação de metáforas, principalmente por causa de distúrbios neuropsíquicos e de cognição, tais como autismo, afasias, síndrome de Asperger, etc. Por essa razão, o intuito aqui é a exemplificação de implicações de ordem cognitiva presentes na teoria e na prática de tradução de metáforas. Para tanto, são analisadas ilustrações de fonte autêntica a fim de entender de que forma os tradutores controlaram expressões metafóricas e que efeito isso tem para o próprio texto traduzido, para a recepção do texto pelos destinatários e para desenvolvimentos discursivos subsequentes. Assim, o presente artigo pretende investigar os procedimentos utilizados nas traduções para Português das metáforas encontradas na música Firework, de Katy Perry, e ilustrar alguns dos desafios linguísticos e culturais que elas apresentam. 8

9 3. Na prática Professores de línguas em todos os lugares se esforçam para fazer o ensino pertinente ao interesse de seus alunos, buscando em situações do dia a dia algo que lhes chame atenção e os faça refletir sobre algum tópico quanto ao estudo da linguagem. A música, muito difundida em qualquer região, é um dos principais recursos utilizados pelos professores de Língua Inglesa e, através dela, muitas vezes se tem a possibilidade de demonstrar aspectos culturais de um país. Ela está presente em todos, ou quase todos, os momentos da vida do ser humano e representa um grande fator de integração entre grupos de pessoas, variando conforme o estilo. Através da música vagam muitos pensamentos e sentimentos, sejam de épocas passadas ou presentes, mesmo aquelas compostas em outros idiomas, os quais, muitas vezes, nem se compreendem. A tradução de textos musicais se torna, portanto, um fator muito importante dentro do contexto social, sendo esse um trabalho que deve ser realizado com muita responsabilidade e conhecimentos específicos em tradução, para haver uma maior sensibilidade no que diz respeito ao discurso poético. Observa-se que as características individuais de cada idioma são aspectos que devem ser vistos e estudados com cautela, pois cada língua tem a sua própria identidade, e essas características podem gerar vários conflitos na tradução de um texto. Dentro dessa perspectiva é que se propõe aqui a interpretação das metáforas sob a ordem dos conceitos básicos da linguística cognitiva sobre a construção do significado. 9

10 É importante deixar claro, então, que, nesse ponto de vista, o significado metafórico não está nas palavras, ele é uma construção mental produzida pelo sujeito, em que significar é ter referência. Assim, o estabelecimento e a interpretação de uma relação metafórica estão vinculados a conhecimentos prévios 3 possuídos pelo emissor da metáfora (que é quem estabelece a relação metafórica) e pelo receptor da metáfora (que é quem interpreta a relação metafórica), conhecimentos esses que precisam ser compartilhados no momento da interação. O papel da linguagem é, assim, puramente o de fornecer pistas para suscitar e enquadrar os nossos conhecimentos prévios, levando-nos à construção do significado. 4. Uma Exemplificação Analisemos, então, duas traduções da canção Firework ( Fogos de artifício ), da cantora Katy Perry, cuja letra original se encontra em anexo: TRADUÇÃO 1: (Vagalume.com.br) Fogos de artifício Você já se sentiu como um saco de plástico Voando com o vento querendo começar de novo 3 A área dos nossos conhecimentos prévios que é enquadrada e considerada como sendo mais importante para a construção do significado é chamada de frame (moldura). 10

11 Você alguma vez já se sentiu Se sentiu tão frágil Como um castelo de cartas A um simples sopro de desmoronar Você alguma vez já se sentiu Como se estivesse enterrado A sete palmos Você grita, mas parece que ninguém ouve nada Você sabe que há Uma chance para você Pois você tem um brilho Você só tem que... Acender a luz E deixá-la brilhar Seja o dono da noite Como o dia da independência Pois, baby, você é como fogos de artifício Venha e mostre do que você é capaz Deixe todos boquiabertos falando oh, oh, ooooh Enquanto você cruza o céu Baby, você é como fogos de artifício 11

12 Venha e deixe as suas cores explodirem Deixe todos boquiabertos falando oh, oh, ooooh Você vai deixá-los todos supresos, surpresos, surpresos Você não precisa se sentir Como um desperdício de espaço Você é original Não pode ser substituído Se você ao menos soubesse O que o futuro lhe aguarda Depois do furacão vem o arco-íris Talvez a razão, por quê Todas as portas se fecharam Seja pra você poder abrir uma Que te leverá ao rumo perfeito Como um relâmpago o seu coração reluz E você saberá quando chegar a hora Você só tem que Acender a luz E deixá-la brilhar Seja o dono da noite Como o dia da independência REFRÃO e REPETIÇÃO 12

13 TRADUÇÃO 2: (Letras.mus.com.br) Fogo de Artifício Você já se sentiu Como um saco plástico Flutuando pelo vento querendo começar de novo? Você já se sentiu, Com um papel bem fi no Como um castelo de cartas A um sopro de desmoronar? Você já se sentiu Como se estivesse enterrado ao fundo Gritando sob seis palmos Mas ninguém parece ouvir nada? Você sabe que ainda Há uma chance para você? Porque há uma faísca em você Você só tem Que acendê-la E deixá-la brilhar Apenas domine a noite Como no dia da independência 13

14 Porque, baby, você é um fogo de artifício Vá em frente, mostre o que você vale Faça-os fazer Ah, ah, ah! Enquanto você é atirado pelo céu Ah, ah! Baby, você é um fogo de artifício Vamos, deixe suas cores explodirem Faça-os fazer Ah, ah, ah! Você vai deixá-los dizendo awe, awe, awe Você não tem que se sentir Como um desperdício de espaço Você é original, Não pode ser substituído Se você soubesse O que o futuro guarda Depois de um furacão vem um arco-íris Talvez a razão pela qual Todas as portas estejam fechadas É que você possa abrir uma que te leve Para a estrada perfeita Como um relâmpago, seu coração vai brilhar E quando chegar a hora, você saberá Você só tem que Acender a luz 14

15 E deixá-la brilhar Apenas domine a noite Como o dia da independência REFRÃO e REPETIÇÃO Metáforas estruturam parcialmente nossos conceitos da vida diária e essa estrutura se reflete em nossa linguagem literal. A metáfora principal apresentada por essa música é a idéia filosófica de que POTENCIAL É LUZ. Ou seja, toda pessoa tem um grande potencial, que é cheio de brilho e esplendor, e deve ser demonstrado a todos, como fogos de artifício. Tal idéia se repete em várias partes da música, seja de forma literal, ou idiomática, como nos dois últimos exemplos: There s a spark on you (tem uma faísca em você) Ignite the light (acenda a luz) Let it shine (deixe brilhar) Lightning bolt (relâmpago) Your heart will glow (seu coração reluzirá) Brighter than the moon (mais brilhante que a lua) Fourth of July (4 de Julho, dia da Independência Americana, quando muitos fogos de artifício reluzem nos céus) Do you ever feel...buried deep? (já se sentiu enterrado bem profundamente? = ausência de luz) 15

16 Segundo a linguística cognitiva, para chegarmos a essa interpretação, nós acessamos o nosso esquema conceptual, dentro do qual temos o nosso frame de que fogos de artifício são bonitos, coloridos, são usados para comemorações, etc é recortado, e considerado como o conhecimento mais importante para efeito de interpretação da metáfora. A partir desse ponto, nós nos servimos de um conector que, após enquadrado o nosso conhecimento sobre o elemento fogos de artifício, possa fornecer referência para os ouvintes da música. E o conector utilizado é exatamente a descrição de como você (ouvinte da música) deve se sentir, ou seja, uma pessoa cheia de luz e cores, e por isso deve comemorar. Daí, por meio de um mapeamento entre os domínios do real e da metáfora, o que nos permite estabelecer uma comparação entre as características dos elementos pertencentes a cada um deles, nós construímos o significado dessa metáfora, que é o de que você deve soltar essa sua beleza interior. Esse caso sutil de como um conceito metafórico pode esconder um aspecto de nossa experiência foi chamado, por Michael Reddy, de metáfora do canal (conduit metaphor), já citada anteriormente. Reddy observa que o falante coloca ideias (objetos) dentro de palavras (recipientes) e as envia (através de um canal) para o ouvinte que retira as ideias-objetos das palavras-recipientes (Lakoff & Johnson, 2004:54). Assim, a grosso modo, a nossa linguagem sobre a linguagem é assim estruturada: Ideias (ou significados) são OBJETOS Expressões Linguísticas são RECIPIENTES Comunicação é ENVIAR Essas metáforas do canal são adequadas em muitas situações, mas isso 16

17 implicaria, porém, dizer que palavras e sentenças tenham significado em si mesmas, independente do contexto ou do falante. Portanto, elas não se aplicariam a casos nos quais o contexto é necessário para determinar se a frase tem ou não significado e, se tiver, que significado tem. Por essa razão, Lakoff & Johnson (2004:57) concluem que: Conceitos metafóricos podem ser estendidos para além do domínio das formas literais ordinárias de se pensar e de se falar, passando-se para o domínio do que se chama de pensamento e linguagem figurados, poéticos, coloridos ou fantasiosos. [ ] Dessa forma, quando dizemos que um conceito é estruturado por uma metáfora, queremos dizer que ele é parcialmente estruturado e que ele pode ser expandido de algumas maneiras e não de outras. Obviamente, os autores da música abraçam e entendem o poder das metáforas e símiles 4, e ainda mais impressionante, é o fato de levarem isto para o nível visual através do vídeoclip (disponível em ) produzido pela cantora e o diretor Dave Meyers, o qual demonstra, através de exemplos reais de questões atuais e conhecidas, tais como problemas familiares, obesidade, doenças, homossexualismo e bullying, quando uma pessoa precisa sentir essa luz e se deixar brilhar no meio da escuridão da noite, ou seja, em meio aos problemas. 4 Símiles são comparações feitas entre dois elementos que não pertencem à mesma categoria, feita por meio de um conectivo: Like a plastic bag (como um saco plástico) Like a house of cards (como um castelo de cartas) Like the fourth of July (como quatro de julho) Like a wasted space (como um desperdício de espaço) Like a lightning bolt (como um relâmpago) 17

18 Os fogos de artifício aparecem aí possivelmente como representações das filosofias orientais, lembrando a luz interior, revelada pela inspiração ou conexão com o divino, aquilo que está num plano superior, espiritual, quando o ser humano alcança uma visão de si mesmo integrada com a visão do mundo. Então, essa luz seria a expressão dessa condição interior que é exposta, colocada para fora no momento em que a pessoa resolve dar valor a essa própria luz interior que possui, e que isso faz diferença na vida das pessoas a sua volta e também no seu próprio equilíbrio interno, alcançando o nirvana, palavra indiana que quer dizer paraíso, ou estado de graça, de suprema realização espiritual. Toda essa informação, portanto, pode ser passada (ou canalizada, seguindo o conceito de metáfora do canal ), em mais ou menos detalhes, simplesmente através da frase you re a fi rework (você é fogos de artifício). Contudo, no momento da criação da música, os valores referidos são geralmente característicos da cultura referente à língua em que ela foi escrita. Assim, no momento da tradução, podem ocorrer conflitos entre as metáforas associadas a eles, se tais valores forem culturalmente divergentes. Por exemplo, na tradução 1 foi falado sobre se estar enterrado a sete palmos, enquanto a tradução 2 falou a seis palmos. A tradução 2 foi feita literalmente como é dito na letra original. Já na tradução 1, em contrapartida, escolheu-se seguir a ideia de que na cultura brasileira as pessoas são enterradas a sete palmos. Outros exemplos disso é a falta de explicação, na tradução 2, do que seriam as interjeições contidas nas frases Faça-os fazer Ah, ah, ah! e Você vai deixá- -los dizendo awe, awe, awe, enquanto na tradução 1 recebemos a referência do sentido que elas devem indicar: Deixe todos boquiabertos falando oh, oh, ooooh e Você vai deixá-los todos supresos, surpresos, surpresos. 18

19 Isso ocorre provavelmente porque os autores de cada tradução não possuem as mesmas metáforas conceptuais no mesmo grau de elaboração. Então, para continuar analisando os tipos de metáforas presentes nessa música e mostrar o que pode ter passado despercebidamente por eles, faz-se necessária uma breve definição sobre cada um, segundo Lakoff & Johnson, em seu livro já mencionado: As metáforas estruturais ocorrem quando um conceito é estruturado metaforicamente em termos de outro, como A VIDA É UMA VIAGEM. Nessa metáfora, entendemos que estruturar é corresponder os elementos similares de um domínio e de outro. Exemplo: Maybe a reason why All the doors were closed So you could open one That leads you to the perfect road Talvez a razão por quê Todas as portas se fecharam Seja pra você possa abrir uma que te leve Para a estrada perfeita Já as metáforas orientacionais organizam um sistema de conceitos em relação a um outro (e não em termos de outro, como as estruturais), e estão relacionadas à nossa orientação espacial como para cima para baixo, dentro fora, frente trás. Nesse tipo de projeção metafórica a base física são as experiências corporais do aparelho sensório-motor como FELIZ É 19

20 PARA CIMA e TRISTE É PARA BAIXO, o que leva a expressões como: One blow from caving in (a um sopro de desmoronar) Buried deep (enterrado profundamente) Six feet under (a seis/sete palmos abaixo da terra) = para baixo Drifting through the wind (flutuando pelo vento) = sem rumo certo Shoot across the sky (atirado/cruzando o céu) = para cima Por fim, as metáforas ontológicas são utilizadas de forma ampla e são a base para conceber eventos, atividades, emoções, ideias, etc. como entidades e substâncias. (LAKOFF, 2002:76) Nossas experiências com os objetos e as substâncias físicas auxiliam na compreensão de conceitos. Ao identificarmos nossas experiências, podemos categorizá-las, agrupá-las e quantificá-las e, por conseguinte, raciocinar sobre elas. De acordo com os autores, as metáforas ontológicas são necessárias para tentar lidar racionalmente com nossas experiências, como no exemplo abaixo, em que há a tentativa de se fazer entender ou definir determinada emoção: Your heart will glow (seu coração reluzirá) A maioria das expressões ontológicas não são sequer percebidas como sendo metafóricas em nosso dia a dia, provavelmente por servir meramente para objetivos limitados, como referir-se, quantificar, identificar aspectos, etc. Porém, temos ainda a personifi cação de entidades, talvez a metáfora ontológica mais óbvia, aquela em que objetos físicos são concebidos como pessoas, com a qual nos permitimos compreender uma grande variedade de experiências concernentes a entidades não humanas em termos de moti- 20

21 vações, características e atividades humanas (Lakoff & Johnson, 2002:87). Aqui estão alguns exemplos: If you only knew what the future holds. (Se você soubesse o que o futuro guarda) After a hurricane comes a rainbow. (depois do furacão vem o arco-íris) So you could open one (door) that leads you to the perfect road. (então você poderia abrir uma (porta) que te leva à estrada perfeita) Existem, portanto, valores que são profundamente enraizados em nossa cultura e que são compatíveis com nosso sistema metafórico. Na tradução, porém, pode haver conflitos entre os valores das metáforas associadas à língua fonte e à língua alvo. Para explicá-los, precisamos encontrar as diferentes prioridades atribuídas a esses valores e suas metáforas pela cultura que os utiliza. E, com essa análise, pode-se perceber que, assim como na vida cotidiana há um uso abundante de metáforas, também há tal uso de forma expansiva em canções, sendo fundamental estruturá-las com expressões metafóricas, principalmente para a compreensão e definição de conceitos relacionados a sentimentos e experiências. Explicar a maneira como as pessoas compreendem suas experiências, porém, exige uma concepção de definição muito diferente da tradicional. Nessa proposta de Lakoff e Johnson, os conceitos individuais não são definidos de uma forma isolada, mas, ao contrário, eles são definidos em termos de seus papéis nos tipos naturais de experiências e em termos de interação. 21

22 Assim, em lugar de serem rigidamente definidos, os conceitos que brotam de nossa experiência são abertos. Dependo do ouvinte/leitor/receptor, portanto, é preciso ter suas metáforas conceptuais elaboradas o suficiente para compreendê-las de forma ampla. E cabe ao tradutor ter a sensibilidade e responsabilidade de pensar, no momento da tradução, naquele leitor que possivelmente não as tenha. Ou seja, é como se a habilidade de compreender a experiência por meio da metáfora fosse um dos cinco sentidos: como ver, ou tocar, ou ouvir (2002:358) e, já que nós só percebemos e experienciamos boa parte do mundo por meio das metáforas, seria de fundamental importância desenvolvê-la. Referências ABRAHÃO, Virgínia B. B. A metonímia em London London, conto de caio fernando abreu. Disponível em Acesso em 9 abril ARROJO, Rosemary. Ofi cina de Tradução: A teoria na prática. São Paulo: Ática, FAWCETT, Peter. Translation and language: linguistic theories explained. UK: St. Jerome,

23 GRAÇA, A. Cultura e tradução: o contexto cultural como categoria translatória. Nova, Disponível em Acesso em 24 maio PERRY, Katy; ERIKSEN, Mikkel; HERMANSEN, Tor; DEAN, Ester; WILLELM, Sandy J. Firework Disponível em <http://www.vagalume.com.br/katy-perry/firework.html> e <http://letras.terra.com.br/katy- -perry/ />. Acessos em 24 jun LAKOFF, G. & JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. SP: Mercado das Letras, LAKOFF, G. & JOHNSON, M. Metaphors we live by. University Of Chicago Press. 2nd edition, PEREIRA, Marcio da Silva. Música e Metáfora um estudo do discurso sobre a música. Caderno do colóquio, Disponível em unirio.br/index.php/coloquio/article/view/84/49 Acesso em 17 junho SCHÄFFNER, C. Metaphor and translation: some implications of a cognitive approach. Journal of pragmatics, v. 36, p , Disponível em Acesso em: 18 maio SOLER, Caroline Alves. Música e tradução refletidas no contexto sócio- -cultural. Disponível em: J4ItEQJ:scholar.google.com/&hl=pt-BR&as_sdt=0. Acesso em 23 junho

24 TRAVAGLIA, Neuza Gonçalves. Tradução e Retextualização: a tradução numa perspectiva textual. São Paulo: Editora da Universidade Federal de Uberlândia, ANEXO: Firework Katy Perry Do you ever feel Like a plastic bag Drifting through the wind Wanting to start again Do you ever feel Feel so paper-thin Like a house of cards One blow from caving in Do you ever feel Already buried deep Six feet under Screams but no one seems to hear a thing Do you know that there s Still a chance for you 24

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Abba - Take a Chance On Me

Abba - Take a Chance On Me Abba - Take a Chance On Me and it ain t no lie if you put me to the test if you let me try (that s all I ask of you honey) We can go dancing we can go walking as long as we re together listen to some music

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

TRABALHO CAMPO/EIXO TEMÁTICO: 1. 3. ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

TRABALHO CAMPO/EIXO TEMÁTICO: 1. 3. ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA TRABALHO CAMPO/EIXO TEMÁTICO: 1. 3. ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA TÍTULO: A MÚSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL I PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA AUTOR: Mara Cristy Lopes Mendes* OBJETIVO O objetivo

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Introdução à Lingüística Cognitiva Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Confronto com a teoria gerativa (Martelotta & Palomares, 2008) Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal da linguagem

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

3 Dicas MATADORAS Para Escrever Emails Que VENDEM Imóveis

3 Dicas MATADORAS Para Escrever Emails Que VENDEM Imóveis 3 Dicas MATADORAS Para Escrever Emails Que VENDEM Imóveis O que é um e- mail bem sucedido? É aquele e- mail que você recebe o contato, envia o e- mail para o cliente e ele te responde. Nós não estamos

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Material Auxiliar da Oficina Aprimorando a Apresentação Oral

Material Auxiliar da Oficina Aprimorando a Apresentação Oral Publicase Comunicação Científica (www.publicase.com.br) CNPJ: 10.300.134/0001-81 Estrada União Indústria 9153/Tangará Sl 104, Itaipava Petrópolis, Rio de Janeiro CEP: 25730-736 Material Auxiliar da Oficina

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer English Adventure By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer " Eu toco o futuro, eu ensino." Christa McAuliffe Você está pronto para levar seus alunos para uma English Adventure? Principais características

Leia mais

A EXPEDIÇÃO. Não importa qual seja seu sonho O importante é continuar acreditando nele...

A EXPEDIÇÃO. Não importa qual seja seu sonho O importante é continuar acreditando nele... P O R T F O L I O A EXPEDIÇÃO Em janeiro de 2002, partimos de São Paulo para dar a volta ao mundo de carro. Levando uma vida simples, com orçamento apertado, fomos em busca de aventuras e descobertas.

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS

A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS SILVA, Aparecida Joana Darc de Oliveira SILVA, Eloisa Mariângela de Oliveira E-MAIL: a-nogueira-silva@uol.com.br

Leia mais

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Docente: Prof. Dr. Enrique Huelva Unternbäumen Semestre: 1/2015 Metáfora, metonímia e blending (integração

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi ANTES DO EXAME O que é a parceria entre UNOi e Cambridge English? Por que eu devo prestar os exames Cambridge English? Quais são os exames? O que é o Placement

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais