Básico, Ferramentas e o Primeiro Programa em Qt

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Básico, Ferramentas e o Primeiro Programa em Qt"

Transcrição

1 Conteúdo 1 Básico, Ferramentas e o Primeiro Programa em Qt Primeiro Programa Compilando o programa Layouts Signals e Slots Sinais emitindo valores Recursos básicos de C Tipos de dados Tamanhos Declarações A estrutura de uma declaração Declarando nomes múltiplos Escopo Typedef

2 2 CONTEÚDO

3 Capítulo 1 Básico, Ferramentas e o Primeiro Programa em Qt 1.1 Primeiro Programa Seguindo o exemplo de muitos livros e tutoriais de programação, vamos criar o tradicional programa Hello, World!. Esta é uma aplicação mínima usando Qt e simplesmente abre uma janela exibindo a frase Hello, World!. 1 #include <QApplication> 2 #include <QLabel> 3 4 int main ( int argc, char argv ) 5 { 6 QApplication app ( argc, argv ) ; 7 8 QLabel l a b e l ( " Hello, World! " ) ; 9 l a b e l. show ( ) ; return app. exec ( ) ; 12 } Listing 1.1: helloworld/main.cpp A Listagem 1.1 apresenta o código-fonte do exemplo citado, podendo-se destacar alguns pontos. As linhas 1 e 2 incluem os arquivos de cabeçalho (headers) que contém as classes que serão usadas no decorrer do código. Neste caso, estes arquivos contém a descrição das classes QApplication e QLabel. No Qt 4 cada classe está contida em um arquivo de cabeçalho, sendo o mesmo nomeado sem a extensão.h (comum em C e C++). Os arquivos que contém a classe possuem o mesmo nome da classe em questão. A linha 4 apresenta a função main(). Nela estão contidas as rotinas que serão executadas no início da execução do programa. Neste caso, primeiramente (linha 6) é criado um objeto do tipo QApplication que é responsável pelo controle de 3

4 4CAPÍTULO 1. BÁSICO, FERRAMENTAS E O PRIMEIRO PROGRAMA EM QT aplicativos grácos (GUI). Este objeto, entre outras coisas, é responsável pelo loop do programa. Nas linhas 8 e 9 pode-se observar, respectivamente, a criação de um label com o texto Hello, World! e a exibição do mesmo. A Figura 1.1 ilustra o resultado do programa. Figura 1.1: Primeiro programa em Qt. Finalmente, na linha 11, a chamada ao método exec() faz com que o programa entre em um laço, recebendo e gerando eventos para os objetos apropriados. Este laço é terminado quando o método quit() do objeto QApplication é chamado. Neste exemplo, isto acontece indiretamente quando a última janela do aplicativo (neste caso a janela que contém o label) é fechada. Assim que fechada, a mesma é deletada da memória Compilando o programa Qt é suportado por muitas plataformas e torna-se evidente o problema de portabilidade de aplicativos entre sistemas operacionais. Para resolver este problema foi criada uma ferramenta: o qmake. O qmake gera um Makele a partir de um arquivo que descreve as propriedades do projeto. Sendo este arquivo independente de plataforma, o mesmo projeto pode ser compilado para outro sistema operacional sem nenhum ônus. Este arquivo contém toda informação necessária para compilar o programa em qualquer plataforma suportada. Para gerar o arquivo de projeto do programa Hello, World!, é necessário executar o programa qmake com a opção -project na pasta em que se encontra o projeto. Será gerado um arquivo como o apresentado na Listagem 1.2. Listing 1.2: helloworld/helloworld.pro 1 ###################################################################### 2 # Automatically generated by qmake ( a ) t e r ago : 5 8 : ###################################################################### 4 5 TEMPLATE = app 6 TARGET = 7 DEPENDPATH +=. 8 INCLUDEPATH += # Input 11 SOURCES += main. cpp Após a criação do arquivo de projeto, executando novamente o programa qmake, o Makele será gerado. Para compilar o programa basta executar o comando make na linha de comando. Será gerado um arquivo executável com o nome de helloworld.

5 1.2. LAYOUTS Layouts Layouts permitem que componentes sejam arranjados ordenadamente na aplicação. Para isso, podemos usar o sistema de layouts do Qt, que arranja os componentes de forma automática assim como forem inseridos nas janelas. A Figura 1.2 ilustra dois labels dispostos dentro de um contêiner vertical. Em complemento ao exemplo anterior (Listagem 1.1), foi adicionado o objeto QVBoxLayout, responsável pela organização dos componentes de forma vertical o V indica vertical. Também foi criado um widget que representará a janela em que serão inseridos o widget e os labels. A Listagem 1.3 ilustra a criação de uma janela com dois labels dispostos de forma vertical. Na linha 11 é criado um objeto do tipo QVBoxLayout que representa um layout do tipo vertical. O construtor do objeto recebe por parâmetro a qual widget o mesmo irá estar associado (neste caso o objeto criado na linha 9). Nas linhas 12 e 13 são criados dois objetos do tipo QLabel que, posteriormente, nas linhas 15 e 16 são inseridos no layout principal. A linha 18 exibe o resultado. Listing 1.3: layout/main.cpp 1 #include <QApplication> 2 #include <QVBoxLayout> 3 #include <QLabel> 4 5 int main ( int argc, char argv ) 6 { 7 QApplication app ( argc, argv ) ; 8 9 QWidget window ; QVBoxLayout mainlayout = new QVBoxLayout(&window ) ; 12 QLabel l a b e l 1 = new QLabel ( " Label 1" ) ; 13 QLabel l a b e l 2 = new QLabel ( " Label 2" ) ; mainlayout >addwidget ( l a b e l 1 ) ; 16 mainlayout >addwidget ( l a b e l 2 ) ; window. show ( ) ; return app. exec ( ) ; 21 } Figura 1.2: Um widget com layout vertical.

6 6CAPÍTULO 1. BÁSICO, FERRAMENTAS E O PRIMEIRO PROGRAMA EM QT 1.3 Signals e Slots Signals e slots permitem que objetos se comuniquem de uma forma fácil e amigável, tornando a programação de interfaces simples e direta. Para ilustrar o seu uso, a Listagem 1.4 apresenta a criação de uma janela contendo um botão que ao ser pressionado fecha a aplicação. Na Figura 1.3 é ilustrada a tela da aplicação. Listing 1.4: signalslot/main.cpp 1 #include <QApplication> 2 #include <QPushButton> 3 4 int main ( int argc, char argv ) 5 { 6 QApplication app ( argc, argv ) ; 7 8 QPushButton button ( " S a i r " ) ; 9 button. show ( ) ; QObject : : connect (&button, SIGNAL( c l i c k e d ( ) ), &app, SLOT( q u i t ( ) ) ) ; return app. exec ( ) ; 14 } Pode-se destacar a criação de um objeto do tipo QPushButton, na linha 8, para representar um botão. A linha 9 ativa sua visualização. Também é importante salientar, na linha 11, a chamada ao método estático connect do objeto QObject. Este é responsável pela conexão de um sinal de um objeto (neste caso a função click() do objeto botão, que representa o pressionamento do mesmo) a alguma função de destino (neste caso a função quit(), responsável pelo fechamento da aplicação). Figura 1.3: Exemplo usando signals e slots Sinais emitindo valores Na Listagem 1.5 pode-se observar um exemplo um pouco mais elaborado no uso de signals e slots. Neste exemplo, quando o usuário interage com os objetos QSpinBox ou QSlider, são gerados sinais que levam a informação sobre qual o valor atual contido nos mesmos. Nas linhas 22 a 25 verica-se a conexão dos sinais dos objetos passíveis a mudanças (QSpinBox e QSlider) aos receptores dos objetos interessados em receber tal informação (QLabel, QSpinBox e QSlider). A Figura apresenta o resultado nal da aplicação.

7 1.3. SIGNALS E SLOTS 7 Listing 1.5: signalslot2/main.cpp 1 #include <QApplication> 2 #include <QVBoxLayout> 3 #include <QLabel> 4 #include <QSpinBox> 5 #include <QSlider> 6 7 int main ( int argc, char argv ) 8 { 9 QApplication app ( argc, argv ) ; QWidget window ; QVBoxLayout mainlayout = new QVBoxLayout(&window ) ; 14 QLabel l a b e l = new QLabel ( "0" ) ; 15 QSpinBox spinbox = new QSpinBox ; 16 QSlider s l i d e r = new QSlider (Qt : : H o r i z o n t a l ) ; mainlayout >addwidget ( l a b e l ) ; 19 mainlayout >addwidget ( spinbox ) ; 20 mainlayout >addwidget ( s l i d e r ) ; QObject : : connect ( spinbox, SIGNAL( valuechanged ( int ) ), l a b e l, SLOT( setnum ( int ) ) ) ; 23 QObject : : connect ( spinbox, SIGNAL( valuechanged ( int ) ), s l i d e r, SLOT( setvalue ( int ) ) ) ; 24 QObject : : connect ( s l i d e r, SIGNAL( valuechanged ( int ) ), l a b e l, SLOT( setnum ( int ) ) ) ; 25 QObject : : connect ( s l i d e r, SIGNAL( valuechanged ( int ) ), spinbox, SLOT( setvalue ( int ) ) ) ; window. show ( ) ; return app. exec ( ) ; 30 } Figura 1.4: Exemplo melhorado usando signals e slots. Os três elementos exibem o mesmo valor.

8 8CAPÍTULO 1. BÁSICO, FERRAMENTAS E O PRIMEIRO PROGRAMA EM QT

9 Capítulo 2 Recursos básicos de C++ Esta parte descreve os tipos primitivos e os recursos básicos de C++ para a construção de programas com tais tipo. O subconjunto C de C++ é apresentado junto com o suporte adicional oferecido por C++ para os estilos de programação tradicionais. Ela também discute os recursos básicos para compor um programa C++ a partir de partes lógicas físicas. 2.1 Tipos de dados C++ tem um conjunto de tipos básicos que correspondem às unidades de armazenamento básicas mais comuns de um computador e às maneiras mais comuns de utilizá-las para armazenar dados: 1. Tipo lógico (bool) 2. Tipos de caracteres (char) 3. Tipos inteiros (int) 4. Tipos de ponto utuante (double) Além disso, o usuário pode denir tipos de enumeração para representar conjuntos de valores especícos (enum). Também existe em C++ (como em C) um tipo void, usado para indicar ausência de informação. A partir desses tipos básicos, podemos construir outros tipos, como: 1. Tipos ponteiros (int*) 2. Tipos de arrays (char[]) 3. Tipos de referência (como double&) 4. Estruturas de dados e classes 9

10 10 CAPÍTULO 2. RECURSOS BÁSICOS DE C Tamanhos 2.2 Declarações A estrutura de uma declaração Declarando nomes múltiplos Escopo Typedef

11 Índice bool, 9 char, 9 char[], 9 double, 9 double&, 9 int, 9 int*, 9 QApplication, 3, 4 QLabel, 3, 6 qmake, 4 QObject, 6 QPushButton, 6 QSlider, 6 QSpinBox, 6 QVBoxLayout, 5 Signals e slots, 6 void, 9 widget, 5 11

Principais classes e conceitos básicos de Qt. Danilo Freire de Souza Santos

Principais classes e conceitos básicos de Qt. Danilo Freire de Souza Santos Começandoa programarcom Qt Principais classes e conceitos básicos de Qt Danilo Freire de Souza Santos Roteiro Hello World Projetos em Qt Signals e Slots Modelo de Objetos Hello World Começando do zero

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte V Interface Gráfica usando Qt4 História do Qt Publicado para uso em maio de 1995 Desenvolvido por Haavard

Leia mais

Orientação a Objetos Programação em C++

Orientação a Objetos Programação em C++ OO - Engenharia de Computação/Eletrônica Orientação a Objetos Programação em C++ Slides 17: Programação Visual ou Orientada a Objetos Gráficos (Formulários, Botões, Caixas de Texto etc) - Exemplificado

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW Versão TerraLib/TerraView: 3.6.0 Introdução O plug-in de criação de plug-ins do TerraView foi desenvolvido para auxiliar os programadores

Leia mais

Plugins TerraView. Última revisão: 12/12/32006 Versão TerraLib: 3.1.4

Plugins TerraView. Última revisão: 12/12/32006 Versão TerraLib: 3.1.4 Plugins TerraView Última revisão: 12/12/32006 Versão TerraLib: 3.1.4 Requisitos Código completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Código completo do TerraView na estrutura

Leia mais

Linguagens de Programação. Parte V. História do Qt. Primeiro Exemplo. Primeiras Classes. Primeiro Exemplo. Prof. Miguel Elias Mitre Campista

Linguagens de Programação. Parte V. História do Qt. Primeiro Exemplo. Primeiras Classes. Primeiro Exemplo. Prof. Miguel Elias Mitre Campista Linguagens de Programação Parte V Prof. Miguel Elias Mitre Campista Interface Gráfica usando Qt4 http://www.gta.ufrj.br/~miguel História do Qt Primeiro Exemplo Publicado para uso em maio de 1995 Desenvolvido

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1.

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Plugins TerraView Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2 Requisitos Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Código completo do TerraView na estrutura de

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL

ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL Francisco Tiago Avelar, Vitor Conrado F. Gomes, Cesar Tadeu Pozzer Universidade Federal de Santa Maria UFSM Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Tutorial de Computação Programação Gráfica em Python para MEC1100 v2010.11

Tutorial de Computação Programação Gráfica em Python para MEC1100 v2010.11 Tutorial de Computação Programação Gráfica em Python para MEC1100 v2010.11 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil

Leia mais

Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET. Tutorial PyQT4

Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET. Tutorial PyQT4 Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET Tutorial PyQT4 16 de Agosto de 2011 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Criando a interface da aplicação 3 2.1

Leia mais

Guião de Introdução ao Eclipse IDE Índice

Guião de Introdução ao Eclipse IDE Índice Índice 1. Introdução... 2 1.1. O que é um ambiente de desenvolvimento (IDE)?... 2 1.2. Visão geral sobre o Eclipse IDE... 2 2. Iniciar o Eclipse... 3 2.1. Instalação... 3 2.2. Utilizar o Eclipse... 3 3.

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Introdução Esse não é um curso de Java! O objetivo é aprender os conceitos da programação orientada a objetos,

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Prof a.dr a.thatyana de Faria Piola Seraphim (ECO) Prof.Dr.Enzo Seraphim (ECO) Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br seraphim@unifei.edu.br Introdução - História A linguagem de programação

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de como os dados são mostrados quando usamos o

Veja abaixo um exemplo de como os dados são mostrados quando usamos o Objeto DataGridView O controle DataGridView é um dos objetos utilizados para exibir dados de tabelas de um banco de dados. Ele está disponível na guia de objetos Data na janela de objetos do vb.net. Será

Leia mais

Para desenvolver a atividade a atividade desta aula utilizaremos o ambiente de desenvolvimento integrado NetBeans.

Para desenvolver a atividade a atividade desta aula utilizaremos o ambiente de desenvolvimento integrado NetBeans. 1 - Criando uma classe em Java Para desenvolver a atividade a atividade desta aula utilizaremos o ambiente de desenvolvimento integrado NetBeans. Antes de criarmos a(s) classe(s) é necessário criar o projeto

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1. Execute o MS-Visual Studio 2010. Experimente o caminho: Start All Programs Microsoft Visual Studio 2010 Microsoft Visual Studio

Leia mais

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal Word 1 - Introdução O Word para Windows ou NT, é um processador de textos cuja finalidade é a de nos ajudar a trabalhar de maneira mais eficiente tanto na elaboração de documentos simples, quanto naqueles

Leia mais

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++ Fundamentos de Programação II Introdução à linguagem de programação C++ Prof. Rafael Henrique D. Zottesso Material cedido por Prof. Msc. Everton Fernando Baro Agenda IDE HelloWorld Variáveis Operadores

Leia mais

Na disciplina de Cálculo Numérico, vamos trabalhar com a linguagem C++ e o compilador que vamos usar é o Dev C++.

Na disciplina de Cálculo Numérico, vamos trabalhar com a linguagem C++ e o compilador que vamos usar é o Dev C++. Data: 14/8 Página 1 de 9 Primeiros passos Introdução Na disciplina de Cálculo Numérico, vamos trabalhar com a linguagem C++ e o compilador que vamos usar é o Dev C++. No tutorial anterior, mostramos como

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 1 Manipulação de Arquivos Para realizar E/S em arquivo, você precisa incluir o arquivo-cabeçalho fstream.h nos programas. Esse arquivo define muitas classes e valores importantes. Abrindo e fechando um

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Arquivos de Textos no C - Básico

Arquivos de Textos no C - Básico OpenStax-CNX module: m47676 1 Arquivos de Textos no C - Básico Joao Carlos Ferreira dos Santos This work is produced by OpenStax-CNX and licensed under the Creative Commons Attribution License 3.0 TRABALHANDO

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Site do Advogado Manual

Site do Advogado Manual Site do Advogado Manual Acesso ao site www.seudominio.com.br (em breve) www.siteadv.com.br/seudominio Para acessar a área administrativa, utilize o seguinte endereço: www.seudominio.com.br/restrito (em

Leia mais

Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS...

Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS... Primeiro programa C: Hello World! 1 Sumário Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS... 5 Criação e execução

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (ENG. INFORMÁTICA) COMPUTADORES E PROGRAMAÇÃO I (ENG. ELECTROTÉCNICA) 2005/2006 TRABALHO PRÁTICO Nº

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Programa ConsoleRPN. PUC-Rio CIV 2802 - Sistemas Gráficos para Engenharia Luiz Fernando Martha & André Maués Brabo Pereira

Programa ConsoleRPN. PUC-Rio CIV 2802 - Sistemas Gráficos para Engenharia Luiz Fernando Martha & André Maués Brabo Pereira Programa ConsoleRPN Programa criado com o Visual Studio Community 2013 para efetuar operações algébricas entre números, uma calculadora funcionando com console usando RPN PUC-Rio CIV 2802 - Sistemas Gráficos

Leia mais

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 04

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 04 MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 4 Fazendo Gráficos de Seus Dados Uma planilha calcula e apresenta as diferenças e semelhanças entre os números e suas modificações ao longo do tempo. Mas os dados em si não

Leia mais

Objetivos: Entender o funcionamento dos programas Java via linha de comando

Objetivos: Entender o funcionamento dos programas Java via linha de comando Algoritmos e Programação I Aula de Laboratório Objetivos: Entender o funcionamento dos programas Java via linha de comando 1. A Linha de Comando: DOS ou Shell Apesar dos usuários geralmente não enxergarem

Leia mais

Desenvolvendo aplicações grácas no linux sem esforço

Desenvolvendo aplicações grácas no linux sem esforço Desenvolvendo aplicações grácas no linux sem esforço (mas não só grácas) Wagner Reck 1 1 UNIPAMPA-Alegrete Semana Acadêmica Ulbra, 2010 Wagner Reck Desenvolvendo aplicações grácas no linux sem esforço

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Interfaces Gráficas parte 3

Interfaces Gráficas parte 3 parte 3 (Listview, AlertDialog e ActionBar) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação

Leia mais

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.3.1. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1.

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.3.1. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Plugins TerraView Versão TerraLib/TerraView: 3.3.1 Requisitos Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Código completo do TerraView na estrutura de diretórios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI Exercício 1 Neste exercício trabalharemos com alguns web controls básicos e praticaremos os tipos de dados do C#. Vamos criar

Leia mais

Técnicas de Programação II

Técnicas de Programação II Técnicas de Programação II Aula 03 GUI e Swing Edirlei Soares de Lima GUI Graphical User Interface A API Java fornece diversas classes destinadas a criação de interfaces gráficas.

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Linguagem de Programação III

Linguagem de Programação III Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Linguagem de Programação III Histórico Encapsulamento Tratamento de classes e objetos Herança Polimorfismo Comparação com Java Histórico Desenvolvido por

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Esta apresentação ensinará os conceitos de Orientação a Objetos com C++, do mais básico para o mais avançado. É suposto que o aluno já tenha

Esta apresentação ensinará os conceitos de Orientação a Objetos com C++, do mais básico para o mais avançado. É suposto que o aluno já tenha Esta apresentação ensinará os conceitos de Orientação a Objetos com C++, do mais básico para o mais avançado. É suposto que o aluno já tenha conhecimento avançado de C. Exemplo em C: Faça um programa que

Leia mais

Introdução ao Android

Introdução ao Android Introdução ao Android André Gustavo Duarte de Almeida docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Parte 1 Conhecendo o Sistema e Primeiro Programa Roteiro Pré-requisitos Conceitos Básicos Configurando o Ambiente

Leia mais

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi A figura abaixo mostra a tela inicial do Delphi 7 e nos dá uma visão geral de seu ambiente de desenvolvimento, composto de múltiplas janelas

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

Programação em C++: Introdução

Programação em C++: Introdução Programação em C++: Introdução J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Conceitos básicos de programação Algoritmo Conjunto finito de regras sobre as quais se pode dar execução a um dado processo

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Computação II - Java Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Programando GUIs

Computação II - Java Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Programando GUIs Computação II - Java Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Programando GUIs Exercício 1: A Figura 1 foi gerada pelo programa mostrado na Listagem 1. Rode o programa para confirmar esta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Curso: Engenharia de Computação e Ciência da Computação Data: 10/09/2013 Disciplina: Programação Estruturada Valor: 3,0 pontos Professor: Henrique Monteiro Cristovão Nota: Aluno: Prova resolvida 4ª Prova

Leia mais

Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android

Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento Instalação

Leia mais

Estruturando um aplicativo

Estruturando um aplicativo Com o Visual FoxPro, é possível criar facilmente aplicativos controlados por eventos e orientados a objetos em etapas. Esta abordagem modular permite que se verifique a funcionalidade de cada componente

Leia mais

Programação online em Java

Programação online em Java Universidade Federal do ABC Disciplina: Processamento da Informação Assunto: Programação online em Java Programação online em Java Conteúdo Conteúdo...1 Introdução... 1 1.1.Programas necessários... 1 1.2.Visão

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO. I. Criar um Novo Banco de Dados. Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo

TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO. I. Criar um Novo Banco de Dados. Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO I. Criar um Novo Banco de Dados Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo 3. Clicar em Banco de Dados em Branco 4. Escrever um nome na caixa de diálogo

Leia mais

Professor Paulo Lorini Najar

Professor Paulo Lorini Najar Microsoft PowerPoint O Microsoft PowerPoint é uma ferramenta ou gerador de apresentações, palestras, workshops, campanhas publicitárias, utilizados por vários profissionais, entre eles executivos, publicitários,

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Configuração do KDevelop

Configuração do KDevelop Programação 2008/2009 MEEC - MEAer Doxygen O Doxygen é um sistema que a partir dos comentários de um programa consegue gerar a documentação (em html por exemplo) desse programa. O utilizador deverá seguir

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

Microsoft Office Word 2007

Microsoft Office Word 2007 Microsoft Office Word 2007 Criando ou editando um documento no MS-Word 1 O Microsoft Word É o processador de textos mais conhecido e utilizado do mundo. A nova interface é agradável, com comandos e funções

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Cópia de Segurança usando o MySQL Administrator

Cópia de Segurança usando o MySQL Administrator Cópia de Segurança usando o MySQL Administrator Vivemos na era da informação, gerando, transformando e usando informações. Como bem sabemos, porém, tão importante como produzir informações é o correto

Leia mais

Utilização do Webmail da UFS

Utilização do Webmail da UFS Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes de Computadores Utilização do Webmail da UFS Procedimento Com o intuito de facilitar a execução dos passos, este tutorial

Leia mais

Aula 09 - Atualização de uma tabela dinâmica. Aula 09 - Atualização de uma tabela dinâmica. Sumário. Atualizando a tabela dinâmica

Aula 09 - Atualização de uma tabela dinâmica. Aula 09 - Atualização de uma tabela dinâmica. Sumário. Atualizando a tabela dinâmica Sumário Atualizando a tabela dinâmica Exibição de páginas em planilhas separadas Detalhando / ocultando os dados da planilha Gráfico dinâmico Gráfico dinâmico (cont.) Alterando a formatação do gráfico

Leia mais

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Você precisa adicionar um apêndice ao seu livro, trabalho, relatório, manual ou outro documento? O apêndice é um conjunto de informações úteis

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de

Algoritmos e Técnicas de INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Algoritmos e Técnicas de Programação Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Servidor de Aplicações WEB Tomcat Servidor Tomcat Foi desenvolvido

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

Programando em C++ Histórico da Linguagem C

Programando em C++ Histórico da Linguagem C Programando em C++ Joaquim Quinteiro Uchôa joukim@comp.ufla.br DCC-UFLA, 2002 Programando em C++ p.1/38 Histórico da Linguagem C Linguagem C: 1972 - Laboratório Bells, por Dennis Ritchie, a partir da linguagem

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3ª Série Programação Estruturada II A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet Manual do Contribuidor Portal de Internet Projeto: Novo Portal de internet 1. Propósito Este documento tem o propósito de orientar usuários a utilizar as funcionalidades do portal do Inea no modo de contribuição.

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1.

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1. Caderno 1 Índice MS-Windows 7: conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, interação

Leia mais

EA998 Tópicos em Engenharia de Computação MC933 Tópicos Especiais em Ciência da Computação Android: Interface com o Usuário

EA998 Tópicos em Engenharia de Computação MC933 Tópicos Especiais em Ciência da Computação Android: Interface com o Usuário EA998 Tópicos em Engenharia de Computação MC933 Tópicos Especiais em Ciência da Computação Android: Interface com o Usuário Prof. José Mario De Martino Departamento de Engenharia de Computação e Automação

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWERPOINT BÁSICO Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWER POINT INICIANDO O POWERPOINT 2000 Para iniciar o PowerPoint 2000. A partir

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais