CARLA PETRUCCI DE OLIVEIRA ROCHA GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES: CONTRIBUIÇÃO PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DO CALL CENTER DA ENERGISA PARAÍBA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARLA PETRUCCI DE OLIVEIRA ROCHA GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES: CONTRIBUIÇÃO PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DO CALL CENTER DA ENERGISA PARAÍBA."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO CARLA PETRUCCI DE OLIVEIRA ROCHA GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES: CONTRIBUIÇÃO PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DO CALL CENTER DA ENERGISA PARAÍBA. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE João Pessoa PB Agosto de 2008

2 CARLA PETRUCCI DE OLIVEIRA ROCHA GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES: CONTRIBUIÇÃO PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DO CALL CENTER DA ENERGISA PARAÍBA. Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado à Coordenação do Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, do Curso de Graduação em Administração, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às Exigências para a Obtenção do Grau de Bacharel em Administração. Orientadora: Profa. Dra. Kátia Virgínia Ayres João Pessoa PB Agosto de 2008

3 A Professora Orientadora Profa. Dra. Kátia Virgínia Ayres Solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Curso da aluna Carla Petrucci de Oliveira Rocha. João Pessoa, 15 de agosto de Prof. Carlos Eduardo Cavalcante Coordenador do SESA Parecer do Professor Orientador:

4 CARLA PETRUCCI DE OLIVEIRA ROCHA GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES: CONTRIBUIÇÃO PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DO CALL CENTER DA ENERGISA PARAÍBA.. Trabalho de Conclusão de Curso Aprovado em: 02 de setembro de Banca Examinadora Profa. Dra. Kátia Virgínia Ayres Orientador Profa. Dra. Célia Cristina Zago Examinador Profa. Fernanda de Araújo Telmo Examinador

5 RESUMO As empresas que pretendem se manter ou ampliar sua participação no mercado precisam investir na qualidade de seus processos e serviços para ter um diferencial competitivo em relação aos seus concorrentes, devido à exigência cada vez maior dos seus clientes em relação aos produtos e serviços oferecidos. As organizações hoje vêm se aperfeiçoando no planejamento estratégico no que se refere à qualidade total como forma de maximizar sua participação no mercado, para tanto, essas organizações estão otimizando seus processos e gerenciamentos. O Gerenciamento pelas Diretrizes que é constituído pelas diretrizes principais de alta prioridade que são decorrentes da visão estratégica e devem indicar a direção que as atividades gerenciais devem tomar, a área prioritária, quais os setores mais importantes para os programas anuais; pela meta a ser alcançada e pelo procedimento a ser seguido para o cumprimento das metas da alta administração. O tipo de pesquisa utilizada no presente estudo é de cunho quanti-qualitativo, sendo realizado com atendentes do Call Center da Energisa Paraíba, e tem como objetivo analisar a contribuição do modelo Gerenciamento pelas Diretrizes para a qualidade dos serviços do Call Center da Energisa Paraíba. Através da pesquisa foi detectado que o sistema de gestão da qualidade implantado pelo setor está atendendo às expectativas da maioria dos entrevistados. Palavras-chave: Qualidade Total. Gerenciamento pelas Diretrizes. Call Center. Energisa Paraíba.

6 LISTA DE FIGURAS E QUADROS Figura 1 Componentes da Qualidade Total 19 Figura 2 Ciclo PDCA de Controle de Processos 34 Figura 3 Conceituação do Gerenciamento pelas Diretrizes 36 Figura 4 Desdobramento das Diretrizes 40 Quadro 1 Categorias e Autores 58

7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gráfico 2 Gráfico 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráfico 6 Gráfico 7 Gráfico 8 Gráfico 9 Gráfico 10 Opinião dos Atendentes em Relação à Suficiência dos treinamentos Opinião dos Atendentes em Relação à Adequação dos Treinamentos Opinião dos Atendentes em Relação ao Planejamento das Atividades que Desempenha Opinião dos Atendentes em Relação a sua Participação na Elaboração dos Planos de Ação Opinião dos Atendentes em Relação ao Repasse para ao Superior da Melhoria do Processo no Setor Opinião dos Atendentes em Relação à Realização de Feedback sobre Desempenho Opinião dos Atendentes em Relação à Navegação do Sistema de Atendimento ao Cliente Opinião dos Atendentes em Relação à Adequação do Call Center para Atender as Necessidades dos Clientes Opinião dos Atendentes em Relação ao Conhecimento dos Processos do Atendimento que Realizam Opinião dos Atendentes em Relação ao Conhecimento sobre os Indicadores de Desempenho do Setor

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Tabela 6 Tabela 7 Tabela 8 Tabela 9 Tabela 10 Tabela 11 Tabela 12 Tabela 13 Perfil Socioeconômico dos atendentes de Call Center da Energisa Freqüência das categorias de motivos em que os atendentes acreditam que o modo como realiza suas tarefas interfere na qualidade do serviço prestado Freqüência das categorias de motivos em que os atendentes acreditam que o modo como realiza suas tarefas não interfere na qualidade do serviço prestado Freqüência de ocorrência das categorias de deficiências nos serviços oferecidos pelo Call Center Freqüência de ocorrência das categorias dos programas implantados para a melhoria da qualidade dos serviços Freqüência de ocorrência das categorias relativas à Qualidade dos Serviços prestados pelo Call Center em reuniões com a Supervisão e Atendentes Freqüência de ocorrência das categorias em relação à necessidade de terem reuniões sobre qualidade Freqüência de ocorrência das categorias em relação aos assuntos que os Atendentes acham que deveriam ser abordados em reunião Freqüência de ocorrência das categorias em relação aos cursos oferecidos para capacitar os colaboradores no sentido de exercer a função Freqüência de ocorrência das categorias em relação de como planejamento é repassado para os operadores do Call Center Freqüência de ocorrência da categoria em relação a dificuldade de navegação no Sistema Freqüência de ocorrência das categorias em relação as sugestões para melhoria no Sistema Freqüência de ocorrência das categorias em relação as sugestões para a melhoria da comunicação interna no Call Center

9 Tabela 14 Tabela 15 Tabela 16 Tabela 17 Freqüência de ocorrência das categorias em relação aos processos que o atendente precisaria conhecer melhor Freqüência de ocorrência das categorias em relação ao conhecimento dos indicadores do setor Freqüência de ocorrência das categorias em relação ao conhecimento dos indicadores de desempenho individual Freqüência de ocorrência das categorias em relação ao que o atendente considera como um trabalho realizado com qualidade

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMFORP American Foreign Power Company CAEEB Companhia Auxiliar de Empresas Elétricas Brasileiras CHESF Companhia Elétrica do Rio São Francisco CPFL Companhia Paulista de Força E Luz GPD Gerenciamento pelas Diretrizes GQT Gestão de Qualidade Total GQT Gerenciamento de Qualidade Total GRD Gerenciamento de Rotina Diária IAb Índice de Abandono ICO Índice de Chamadas Ocupadas INB Índice de Nível de Serviço Básico PDCA Plan Do Check Action TMA Tempo Médio de Atendimento TQC Total Quality Control

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 13 OBJETIVOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Qualidade Total Princípios da Qualidade segundo Deming Princípios da Qualidade segundo Juran Princípios da Qualidade segundo Crosby Planejamento da Qualidade Garantia da Qualidade Controle da Qualidade Indicadores da Qualidade Tipos de Indicadores Formas de expressão de um indicador Construção de Indicadores Sistema de Indicadores de Desempenho 32

12 3.2 Gerenciamento pelas diretrizes Passo a passo para implantação do GPD Qualidade total do setor elétrico História das Concessionárias do Setor Elétrico Qualidade na Energisa Paraíba História da Energisa Paraíba Qualidade no Call Center 50 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Método Participantes Instrumentos Procedimentos de Coleta de Dados Análise de Dados 57 5 APRESENTAÇÃO DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Dados socioeconômicos e funcionais Percepção sobre a qualidade de serviços Avaliação das ações gerenciais relativas ao GPD 66

13 5.4 Avaliação do processo de comunicação empresa-cliente Aplicação dos indicadores de qualidade CONSIDERAÇÕES FINAIS RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS 88 APÊNDICE 91 Apêndice A Instrumento para coleta de dados 92

14 1. INTRODUÇÃO O presente estudo se refere ao tema Gestão Pelas Diretrizes que foi realizado na Energisa Paraíba, com o objetivo de analisar os resultados do Gerenciamento Pelas Diretrizes no Call Center da Empresa. As organizações hoje vêm se aperfeiçoando no planejamento estratégico no que se refere à qualidade total como forma de maximizar sua participação no mercado, para tanto, essas organizações estão otimizando seus processos e modelos de gestão. Segundo Paladini (2000, p.31), a qualidade é o processo destinado a investir, continuamente, em mecanismos de melhoria, ou seja, de aumento da adequação de produtos e serviços ao fim que se destinam. Compreende-se então que a qualidade é um dispositivo usado pelas empresas que pretendem se manter e ganhar mercado, como também uma questão básica de sobrevivência. Tal ferramenta proporciona vantagem competitiva, pois as organizações desenvolvem formas de conquistar o cliente através da confiabilidade, dando-lhe um melhor posicionamento ao seu produto ou ao serviço. Inicialmente desenvolvida pelos norte-americanos Deming, Juran e Feigenbaum, em meados dos anos 50 e 60, a Gestão da Qualidade Total conquistou certa popularidade nas décadas de 80 e 90 no Japão, pois foi nesse país que as empresas mais implementaram essa ferramenta, tornando-as mais competitivas. O conceito da Gestão da Qualidade Total (GQT) teve suas raízes no Japão e depois se espalhou para os outros continentes. No Japão a dificuldade de compreensão da lógica estatística retardou a introdução do controle de qualidade. Seguia-se o modelo taylorista, em que a inspeção ocupava lugar de destaque. Em 1950 criou-se um grupo de pesquisas em controle de qualidade, que contratou W. Edwards Deming, estatístico americano reconhecido pelo estudo de amostragem. Esse profissional acabou por introduzir no Japão as práticas de gestão da qualidade conforme as conhecemos atualmente e tornou-se um dos autores mais conhecidos da área (MARSHAL JUNIOR et al, 2007).

15 Na década de 70, era dada ênfase aos produtos, ou seja, à qualidade significava a capacidade de um produto de estar em conformidade com as especificações. Na década de 80, na qualidade total, e na década de 90 nos serviços. Mais tarde, sua definição começou a incorporar elementos do cliente e a qualidade foi definida como a previsão e a superação das expectativas do cliente (MARSHAL JUNIOR et al, 2007). Quando se trata de empresas distribuidoras de energia elétrica, é possível destacar a Energisa PB que possui a visão de investir na qualidade total implantando em seus processos o Gerenciamento pelas Diretrizes desde o ano Inicialmente foi implementado nos setores de Perda e Inadimplência que alcançou excelentes resultados, sendo em 2003, expandido nos demais setores. Atualmente esse modelo de gestão da qualidade é praticado desde o alto escalão até os níveis mais baixos da hierarquia na empresa aqui citada (ENERGISA/INTRANET 2008). Na visão de Campos (1996, p. 32) GPD é um sistema voltado para atingir metas que não podem ser atingidas pelo gerenciamento da rotina diária, é um mecanismo que contra toda a força intelectual de todos os funcionários, focalizandoa para as metas de sobrevivência da organização Considerando a importância, o presente estudo pretenderá responder a seguinte indagação: Quais os resultados decorrentes da implementação do Gerenciamento pelas Diretrizes no Call Center da Energisa Paraíba? Partindo do ponto de vista de que os clientes vêm se tornando mais exigentes e buscam cada vez mais os seus direitos, as empresas, percebendo essas mudanças no comportamento de seus consumidores, estão procurando se adaptar a um novo contexto no que diz respeito ao ambiente interno e externo. Nesse sentido, os clientes percebem maior valor qualidade do produto e/ou serviço que adquirem podendo resultar em maior fidelidade na relação cliente/empresa.

16 Campos (1995, p.106) resume que, Planejamento da qualidade consiste no desenvolvimento de produtos e processos necessários ao objetivo de se obter a satisfação das necessidades do consumidor. Para as organizações é de fundamental importância a busca pela excelência, investindo assim no planejamento, manutenção e melhoria da Qualidade, prezando pela satisfação dos seus clientes e estreitando os laços dessa. Em suma, as empresas têm como principal objetivo satisfazer às necessidades dos clientes e é através da conquista desse objetivo que ocorre adesão e manutenção dos consumidores fazendo com que elas tenham maior lucratividade, minimizando, assim, a possibilidade de falência. Conforme Araújo e Redi (1997, p.25), o GQT (Gerenciamento pela Qualidade Total) é um modelo de gestão baseado no comprometimento de todos e na vivência da melhoria contínua, elevando os patamares de qualidade e produtividade. Esse estudo vem demonstrar a importância da Gestão da Qualidade Total e a eficiência da mesma onde é empregada, contribuindo dessa forma para um melhor Gerenciamento pelas Diretrizes, diminuindo a possibilidade de rejeição dos clientes aos seus produtos e/ou serviços. Visto que muitas empresas atualmente buscam investir em gestão da qualidade total, o presente trabalho será realizado em uma concessionária de energia elétrica Energisa Paraíba, pois a mesma possui uma visão voltada para a qualidade total como forma de se sobressair no mercado, com o envolvimento dos seus colaboradores para definir as diretrizes em um plano estratégico. Este estudo está dividido em 6 capítulos: Introdução, Objetivos, Fundamentação Teórica, Procedimentos Metodológicos, Apresentação dos Dados e Discussão dos Resultados, Considerações Finais. Na introdução serão apresentados a delimitação do tema e a situação problemática, a justificativa e os objetivos. Na fundamentação teórica serão abordados o conceito de qualidade, controle de qualidade, indicadores de qualidade, motivação, Gestão Pelas Diretrizes, missão das organizações. Nos Procedimentos Metodológicos serão apresentados o delineamento da pesquisa; os públicos a serem pesquisados; os procedimentos de

17 coleta de dados; o método de análise e interpretação dos dados. Por fim será exposto os resultados do estudo.

18 2. OBJETIVOS Objetivo Geral: Analisar a contribuição do modelo Gerenciamento pelas Diretrizes para a qualidade dos serviços do Call Center da Energisa Paraíba. Objetivos Específicos: a) Conhecer a percepção dos atendentes acerca da qualidade dos serviços prestados pelo Call Center; b) Avaliar a eficácia das ações gerenciais relativas ao GPD; c) Avaliar o processo de comunicação entre a empresa e os clientes no que se refere a aspectos tecnológicos e comportamentais; d) Avaliar o nível de conhecimento dos atendentes acerca dos indicadores de qualidade.

19 3. FUNDAMENTAÇÃO TEORICA 3.1 QUALIDADE TOTAL As empresas que pretendem se manter ou ampliar sua participação no mercado precisam investir na qualidade de seus processos e serviços para ter um diferencial competitivo em relação aos seus concorrentes, devido à exigência cada vez maior dos seus clientes em relação aos produtos e serviços oferecidos. Portanto Juran (1995, p. 09), afirma que as características do produto constituem uma dessas definições. Aos olhos dos clientes, quanto melhores as características do produto, mais alta a sua qualidade. Segundo Campos (1995) um produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente, de forma confiável, de forma acessível, de forma segura e no tempo certo ás necessidades do cliente. Portanto, em outros termos pode-se dizer: projeto perfeito, sem defeitos, baixo custo, segurança do cliente, entrega no prazo certo no local certo e na quantidade certa. O verdadeiro critério da boa qualidade é a preferência do consumidor. Araújo e Redi (1997, p.18) afirmam que Qualidade é tudo o que alguém faz ao longo de um processo para garantir que um cliente, fora ou dentro da organização, obtenha exatamente aquilo que deseja. Isso é demonstrado na Figura 1.

20 QUALIDADE TOTAL (Para atender as necessidades dos clientes) DIMENSÕES DA QUALIDADE TOTAL PRODUTO/SERVIÇO QUALIDADE ROTINA CUSTO CUSTO PREÇO PRAZO CERTO ENTREGA LOCAL CERTO QUANTIDADE CERTA PESSOAS ATINGIDAS CLIENTE, VIZINHO CLIENTE, ACIONISTA, EMPREGADO E VIZINHO CLIENTE MORAL EMPREGADOS EMPREGADO SEGURANÇA Figura 1 - Componentes da Qualidade Total Fonte: CAMPOS, 1995 pág. 12 EMPREGADOS USUÁRIOS CLIENTE, EMPREGADO E VIZINHO Pode-se dizer, que nenhuma definição é universalmente aceita da Gestão da Qualidade Total. As diversas definições incluem elementos comuns, como satisfação do cliente, delegação de autoridade ao trabalhador, melhoria contínua, e assim por diante. Entretanto, às vezes, este parece ser um conceito demasiadamente abrangente para cada novo conceito e método de gestão. Existem diversas classificações do período ou era da qualidade e suas referências ocorrem de acordo com o período da evolução dos seus conceitos, e estas são adotadas de acordo com sua descrição histórica. Essas classificações segundo Garvin (2002 apud MARSHAL JUNIOR et al 2007) são denominadas inspeção, controle estatístico de qualidade, garantia de qualidade e gestão estratégica da qualidade. O autor supra citado ainda relata que após a segunda guerra mundial os japoneses começaram a sua reconstrução econômica e com isso investiram na área da qualidade com auxílio de W. Edwards Deming, surgindo assim o conceito da

21 Gestão da Qualidade Total (GQT) que se espalhou para os outros continentes. Buscando encontrar melhores maneiras de conquistar o campo da satisfação e excelência dentro das empresas, autores como Joseph M. Juran e Philip Crosby também abordaram a qualidade Princípios da Qualidade segundo Deming De acordo com a literatura de Caravantes et al (1997), Deming é considerado fundador da nova era econômica industrial, ele introduziu no Japão a importância da qualidade e a aplicação do raciocínio estatístico e recusou-se a aceitar receitas e soluções instantâneas pregando a motivação e o enfoque nos processos como a melhor maneira de conduzir os negócios com qualidade. Para Deming (1990, p. 48) A qualidade é definida como consoante as exigências e as necessidades do consumidor. Como elas estão em permanente mudança as especificações de qualidade devem ser alteradas constantemente Mesmo sendo constantemente aperfeiçoados, os quatorze pontos de Deming não são suficientes para se obter a qualidade plena, além disso são necessários os instrumentos de controle estatístico de qualidade, pois as inspeções nos produtos aceita um certo número de defeitos. Ele recomenda igualmente uma seleção criteriosa dos fornecedores com que a empresa trabalha. A seguir são apresentados os quatorze pontos apresentados por Deming (1990): 1. Crie uma visão consistente para a melhoria de um produto ou serviço. 2. Adote a nova filosofia e assuma a sua liderança na empresa. 3. Termine com a dependência da inspeção como via para a qualidade. 4. Minimize os custos com a seleção de um fornecedor preferencial. 5. Melhore de uma forma constante e contínua cada processo. 6. Promova a aprendizagem no terreno (training on the job). 7. Encare a liderança como algo que todos podem aprender.

22 8. Não lidere com base no medo. Evite usar um estilo autoritário de gestão. 9. Destrua as barreiras entre os departamentos funcionais. 10. Elimine as campanhas ou slogans com base na imposição de metas. 11. Abandone a gestão por objetivos com base em indicadores quantitativos. 12. Não classifique o desempenho dos trabalhadores ordenando-os por ranking. 13. Crie um ambicioso programa de formação para todos os empregadores. 14. Imponha a mudança como sendo uma tarefa de todos os trabalhadores Princípios da Qualidade segundo Juran Pioneiro na aplicação da qualidade à estratégia empresarial e dos conceitos do controle estatístico de processo, com base no princípio de Pareto, Juran não se delimitou apenas associá-la à estatística ou aos métodos de controle total da qualidade. Para ele qualidade é adequação ao uso, é tê-lo, conforme foi determinado, para desempenhar funções. Para Juran (1992) a gestão da qualidade divide-se em três processos gerenciais que são: planejamento, controle e melhoria da qualidade; conhecidos como Trilogia Juran, que tem os seguintes princípios: Planejamento da qualidade objetiva desenvolver produtos e processos necessários para atender as necessidades dos clientes através das seguintes etapas: Identificar os consumidores. Determinar as suas necessidades. Criar características de produto que satisfaçam essas necessidades. Criar os processos capazes de satisfazer essas características. Transferir a liderança desses processos para o nível operacional.

23 Controle da qualidade - desenvolve produtos e processos necessários para atender as necessidades dos clientes através das seguintes etapas: Avaliar o nível de desempenho atual. Compará-lo com os objetivos fixados. Tomar medidas para reduzir a diferença entre o desempenho atual e o previsto. Melhoria da qualidade - o desempenho da qualidade é amplamente elevado neste processo, através de mudanças inovadoras utilizando as seguintes etapas: Reconhecer as necessidades de melhoria. Transformar as oportunidades de melhoria numa tarefa de todos os trabalhadores. Criar um conselho de qualidade, selecione projeto de melhoria e as equipas de projeto e de facilitadores. Promover a formação em qualidade. Avaliar a progressão dos projetos. Premiar as equipes vencedoras. Fazer publicidade dos seus resultados. Rever os sistemas de recompensa para aumentar o nível de melhorias. Incluir os objetivos de melhoria no plano de negócio da empresa. A implantação dessa trilogia veio para resolver problemas, melhorando a qualidade continuamente, de modo a garantir melhores resultados desde o início dos processos.

24 3.1.3 Princípios da Qualidade segundo Crosby De acordo com a literatura de Crosby (1999) no início dos anos 60 ele criou os conceitos de zero defeito e de fazer certo da primeira vez tendo como pilares a filosofia de trabalho e seus processos, a motivação e conscientização. Em sua opinião, a qualidade significa conformidade com especificações, que variam consoante as empresas de acordo com as necessidades dos seus clientes. O objetivo é ter zero defeito e não produzir suficientemente bem. Essa meta irá encorajar as pessoas a melhorarem continuamente. Para ele as iniciativas de qualidade devem vir de cima para baixo, lideradas através do exemplo. Isso exige o empenhamento da gestão de topo e a formação técnica dos empregados em instrumentos de melhoria da qualidade. Crosby ainda defende que os responsáveis pela falta de qualidade são os gestores, e não os trabalhadores. O autor considera as técnicas não preventivas como inspeção, teste e controle de qualidade, pouco eficazes, recomendando com isso a prevenção. Estabeleceu que o progresso global de uma organização pode ser apreciado utilizando o que ele chamou de "matriz de maturidade". Esta matriz tem cinco estágios: incerteza, despertar, esclarecimento, sabedoria e finalmente a certeza. Após a organização se situar na matriz, Crosby (1999) propõe um programa de 14 etapas para a melhoria da qualidade, e que representam os fundamentos de sua filosofia. Comprometimento da gerência. Formação de uma equipe de melhoria. Criação e cálculo de índices de avaliação da qualidade. Avaliação dos custos da qualidade. Conscientização dos empregados. Identificação e solução das causas das não conformidades. Formação de comitê para buscar zero defeitos. Treinamento de gerentes e supervisores.

25 Lançamento em solenidade do dia do "defeito zero". Estabelecimento das metas a serem atingidas. Eliminação das causas dos problemas. Reconhecimento oficial das pessoas que obtiveram sucesso. Formação de conselhos da qualidade para trocar idéias Começar tudo de novo Planejamento da Qualidade Numa economia, em que ocorre uma competição acirrada, ambiente turbulento e um futuro pouco previsível, as empresas são levadas a definir suas estratégias competitivas como forma de orientar suas ações e a aplicação de recursos, com o objetivo de aumentar suas possibilidades de sobrevivência e desenvolvimento. A busca pela produtividade é fundamental, seja para empresas privadas, ou pelas instituições públicas. Pode-se dizer, então, que onde há atividade de produção, de bens ou de serviços, a produtividade deve estar presente. Uma explicação informal para a produtividade é a relação entre resultado e esforço despendido. A relação será melhor tanto quanto maior o resultado e menor o esforço despendido na obtenção daquele, isto é, busca-se aumentar a produtividade por meio de um melhor resultado associado a uma alocação racional de recursos que permitam obtê-lo. O resultado está ligado aos clientes internos ou externos à empresa. Para se abordar a questão da produtividade, no sentido exposto, surgem as necessidades de planejar, medir, controlar e melhorar. Cada uma dessas necessidades será atendida a partir do uso de metodologias específicas, cuja escolha dependerá do tipo e tamanho da empresa, da área de estudo considerada, do sistema de gestão utilizado etc. Segundo o ciclo PDCA o planejamento estratégico é formado pela definição de metas (FINS) e pela prática de análise de processo, como também, em fatos e dados relativos ao ambiente externo.

26 O planejamento estratégico consta de: plano de longo prazo, onde são definidas as estratégias, ou meios para se atingir a visão de futuro, ou seja, os fins, da empresa. O plano de médio prazo estabelece as metas sobre as estratégias do plano de longo prazo e faz as projeções financeiras, que suportam as medidas para se atingir essas metas, já no plano anual é feito um detalhamento do primeiro ano dos planos de longo e médio prazo, com metas concretas, até o ponto de se terem os planos de ação e o orçamento anual (CAMPOS, 1996). Um ponto importante do planejamento é o desenvolvimento das estratégias, considerando a análise dos cenários interno e externo, identificando os pontos fortes e fracos da organização, no âmbito da produtividade, tecnologia, do envolvimento das pessoas e dos aspectos ambientais internos e as oportunidades e ameaças, como necessidades dos clientes e mercado, mudanças no ambiente competitivo e tendências, informações essas que subsidiarão a organização com fatos e dados para a definição das estratégias de curto, médio e longo prazos. Paladini (1997), apresenta um modelo para se estabelecer o planejamento da Qualidade mais consistente e assim ter um gerenciamento da Qualidade. Esse modelo possui seis fases: Política da Qualidade: Se define a política da qualidade e são tomadas as decisões de longo alcance, os objetivos gerais do sistema, sua abrangência e o nível de investimento que será necessário. Diagnóstico: É realizada uma análise em relação aos recursos disponíveis, ou seja, recursos humanos e materiais da Empresa. Organização e Administração: É um complemento do Diagnóstico pois são definidos aspectos importantes para a qualidade, levando em consideração a política da Organização que envolve a infra-estrutura para a qualidade, as atribuições, o processo gerencial da qualidade e etc.

27 Planejamento propriamente dito: Se faz a estruturação do Plano de Ação, define as atividades a serem desenvolvidas, alocação de recursos, estratégias operacionais. Implantação: É a fase operacional, pois são executadas as atividades previstas nas fases anteriores. O resultado deve ser todo documentado. Avaliação: Ocorrem reuniões para discussão do processo de implantação, resultados alcançados, dificuldades a serem contornadas e etc. Esses servirão para avaliar os resultados das ações implantadas em termos da melhoria do processo. Implantar um sistema da qualidade é, de fato, muito importante para qualquer organização, mas não pode ser considerado como um sinônimo de produzir qualidade e sim associá-lo à melhoria contínua, pois ela deve ser entendida como uma estratégia que pode levar a empresa a uma situação de diferenciação Garantia da Qualidade Segundo Campos (1995, pág. 100) Garantia da Qualidade é uma função da empresa que tem como finalidade confirmar que todas as atividades da qualidade estão sendo conduzidas da forma requerida. As empresas que possuem a Garantia da Qualidade têm como comprovar que todas as ações necessárias para a satisfação dos seus clientes estão sendo conduzidas de maneira eficiente e melhor que seus concorrentes. A garantia da qualidade é conseguida pelo gerenciamento correto e obstinado (via PDCA) de todas as atividades da qualidade em cada projeto e cada processo, buscando sistematicamente eliminar totalmente as falhas, pela constante preocupação com a satisfação total das necessidades do consumidor (antecipando seus anseios) e pela participação e responsabilidade de todos da empresa. (CAMPOS, 1995, p.100).

28 Através do giro do PDCA as empresas conseguem gerenciar as suas atividades contribuindo assim para a melhoria contínua dos seus processos e para a obtenção da Garantia da Qualidade, com isso as organizações conquistam a confiança dos clientes. De acordo com Campos (1995, pág. 101) a Garantia da Qualidade envolve alguns pontos importantes: Tradição: um cliente só poderá comprar um produto ou serviço com confiança se a empresa se tornar conhecida por sua confiabilidade ao longo do tempo. Satisfação Total das necessidades do consumidor: o produto ou serviço, além de não possuir defeitos ou falhas (o que é assegurado pela qualidade do projeto), precisa satisfazer as características verdadeiras da qualidade, ou seja, satisfazer às expectativas do consumidor. Portando as empresas planejam e definem as características da Qualidade para agregar valor ao produto ou serviço e depois desenvolvem itens de controle para se ter um maior acompanhamento sobre esse produto ou serviço, obtendo a Garantia da Qualidade e satisfazendo assim as necessidades de seus clientes Controle da Qualidade Conforme Campos (1995) o Controle da Qualidade Total é um sistema administrativo aperfeiçoado no Japão, a partir de idéias americanas ali introduzidas logo após a Segunda Guerra Mundial. Este sistema é conhecido no Japão pela sigla TQC (Total Quality Control).

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Gurus da Qualidade Gestão da Qualidade Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês)

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) 1. Sobrevivência e Produtividade.................................................... 01 1.1. Conceito de qualidade.......................................................

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) 1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)...ciência, em lugar de empirismo; harmonia, em vez de discórdia; cooperação, não individualismo; rendimento máximo em lugar de produção reduzida; desenvolvimento de

Leia mais

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca...

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca... Sumário 1 Sobrevivência e produtividade...25 1.1 Conceito de qualidade...26 1.2 Conceito de produtividade...27 1.3 Como melhorar a produtividade...29 1.4 Conceito de competitividade...31 1.5 Conceito de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Indicador de Desempenho definição Um Indicador de Desempenho é uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE. Docente: Dr. José Carlos Marques

CUSTOS DA QUALIDADE. Docente: Dr. José Carlos Marques CUSTOS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Funchal 30 de Abril de 2008

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais