PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-020 CALL CENTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-020 CALL CENTER"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-020 CALL CENTER

2 Página 2 de 14 ÍNDICE 1.- Objeto Alcance Critérios de Avaliação Empresariais Gerais Segurança e Saúde do trabalho Empresariais Específicos Técnicos Duração da Qualificação e Renovação Revogação da qualificação Anexos /07/2012

3 Página 3 de 14 1 OBJETO O presente documento tem por objeto determinar os requisitos e condições necessárias que deve cumprir o fornecedor para qualificar-se na família Call Center. 2 ALCANCE O call center compreende o serviço de atendimento telefônico, ouvidoria, redes sociais, retenção e atendimento virtual ( s, formulários Site e chat) de todos os clientes da companhia, entendo-se a clientes residenciais, empresariais, grandes clientes ou potenciais e envolve as seguintes prestações: Fornecimento de informação, recepção de consultas, pedidos e reclamações, atendimento de emergências, gerenciamento e seguimento aos requerimentos relacionados com o serviço de fornecimento de energia elétrica e com a venda de produtos e serviços da companhia, em coordenação com os processos operativos e técnicos da empresa. O fornecedor deve contar com três grandes plataformas de atenção, que são as Plataformas Inbound e Outbound, as quais devem ter possibilidade de blending, e uma plataforma de atenção automatizada. Os serviços especializados são apresentados a seguir: 2.1. Plataforma Inbound: Atendimento Comercial Realizado através dos números (Ligações originadas de telefone fixo), (Ligações originadas de telefone móvel), (Atendimento exclusivo para portadores de deficiência auditiva) e (Atendimento exclusivo de grandes clientes / corporativo), onde consiste no atendimento aos clientes (consulta, solicitação ou reclamação) através do tele atendimento executando os serviços solicitados, gerando ordens de serviço ou outros formulários necessários. Atendimento Emergencial Realizado através dos números (Ligações originadas de telefone fixo), (Ligações originadas de telefone móvel), (Atendimento exclusivo para portadores de deficiência auditiva) e (Atendimento exclusivo de grandes clientes / corporativo), onde consiste no atendimento aos clientes (consulta ou reclamação) através do tele atendimento executando os serviços solicitados, gerando ordens de serviço ou outros formulários necessários. 3 05/07/2012

4 Página 4 de 14 Back Office Consiste no acompanhamento dos atendimentos realizados através do 0800, desde o ingresso até a finalização. Além disso, também faz parte do escopo o tratamento aos casos de atendimentos comerciais que fogem do âmbito de autonomia do atendente, impactando na satisfação do cliente. Para isto, torna-se necessário que o preposto da contratada obtenha informações junto ao preposto da Ampla, sendo que este último buscará informações de diversas áreas da Ampla que auxiliarão na prestação dos serviços contratados. O objetivo dessa interação entre prepostos é auxiliar a contratada a verificar os prazos de atendimento e os retornos de campo. Como também continuidade de um atendimento mais complexo que requeira maior atenção e demande mais tempo de atendimento. Agência Virtual Canal de comunicação interativo com a finalidade de atender as solicitações do cliente, através da internet esclarecendo suas dúvidas de imediato com uma linguagem simples e satisfatória. O atendimento poderá ser através de chat ou . Atendimento Corporativo Consiste em atendimento (consulta, solicitação ou reclamação) para Grandes Clientes e Clientes do Governo, através do para Ampla Corporativo. Em caso de fila, os atendimentos serão transbordados para o atendimento massivo. Ouvidoria Canal de atendimento de primeiro nível, através do telefone , onde são tratadas as solicitações fora do prazo de atendimento, a fim de evitar reclamações junto aos órgãos responsáveis, como: Aneel (Agencia Nacional de EnergiaElétrica), PROCON e CODECON. Incluem-se também atendimentos personalizados em consonância com as necessidades da Ampla. Redes Sociais Canal destinado ao tratamento e monitoramento das mídias sociais, oferecendo informações e direcionando o cliente aos canais oficiais. Também faz parte do escopo o tratamento aos casos críticos, como: falta de energia, fio partido, solicitações/reclamações fora do prazo. 4 05/07/2012

5 Página 5 de Plataforma Outbound: Este serviço considera a realização de telefonemas para os clientes: Operações de serviços complementares Correspondem a serviços que apóiam ou complementam a gestão tanto na linha inbound como outbound e cumpre com uma função diferenciada enquanto a atividades de planejamento, processo, qualidade departamento de pessoal, recrutamento e seleção. O preposto da contratada deverá obter informações junto ao preposto da Ampla, sendo que este último buscará informações de diversas áreas da Ampla que auxiliarão na prestação dos serviços contratados. O objeto dessa interação entre prepostos é auxiliar a contratada a cumprir com a solução no primeiro contato, exigida neste canal de relacionamento. Operações de retenção Consiste em um canal de tratamento das solicitações de cancelamento de produtos não regulados, de acordo com a demanda e solicitação da contratante. Operações Ativas. Consiste em um canal de ativo onde poderá ser solicitado pela Ampla de acordo com a necessidade e situações específicas, como: pesquisas, venda de produtos ou qualquer outra demanda que venha surgir. 3. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Para obter à condição de fornecedor qualificado e fazer parte do registro, o fornecedor será avaliado nos seguintes aspectos: Empresariais gerais. Segurança e saúde do trabalho. Empresariais específicos. Técnicos. Toda a informação entregue deve referir-se às capacidades do fornecedor mediante o uso de seus próprios meios. No caso de que alguma das tarefas não seja realizada com seus próprios 5 05/07/2012

6 Página 6 de 14 recursos, o fato será comunicado para que se identifique o grau de relevância que isto representa frente ao trabalho completo. Todas as subcontratadas deveram ser aprovadas pela AMPLA, em particular em aspectos de segurança e saúde do trabalho, pagamentos previdenciários e cumprimentos trabalhistas e aspectos técnicos. Em qualquer caso, o fornecedor deve entregar uma lista das principais subcontratadas com os quais colabora habitualmente indicando a atividade desempenhada por cada um deles. Durante o período de validade da qualificação a Endesa se reserva ao direito de realizar inspeções aos fornecedores para o controle dos requisitos de manutenção do status de qualificação. Em caso de detecção de deficiências poderão ser tomadas medidas para reduzir este status, assim como a suspensão ou revogação de dita qualificação Requisitos empresariais Gerais: Para iniciar o processo de qualificação, o fornecedor deverá entrar em contato com a Empresa Achilles para solicitar sua incorporação ao registro Repro, a qual requererá: Solicitação de Incorporação ao Sistema de Qualificação de Fornecedores (ver Anexo VI) Documentação relativa à constituição de sociedade, tais como estatuto social, Inscrição Estadual IE, Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas CNPJ e a Procuração dos Representantes da Empresa. Certidão do cumprimento dos requisitos legais e requisitos mínimos de cumprimento de Responsabilidade Sócia (RSC), mediante uma declaração de conformidade assinada por um representante legal (ver. Anexo IV Documento de Auto-declaração). Documentação que credite o cumprimento das obrigações tributárias (Certidão Negativa de Débito). Com o objetivo de avaliar a viabilidade econômico-financeira deve apresentar os balanços financeiros consolidados e os resultados dos dois (2) últimos anos, com os quais se avaliará: Situação Econômica: Razão 1: ROE= Resultado líquido/ Patrimônio líquido Razão 2: Ebitda/ Faturamento Desenvolvimento dos resultados empresariais Razão 3: Var. Faturamento= [Faturamento (Ano atual)- Faturamento (Ano Atual - 1)]/ Faturamento (Ano Atual -1) Eficiência operativa 6 05/07/2012

7 Página 7 de 14 Razão 4: Faturamento /Ativo. Estrutura do ativo empresarial Razão 5: Imobilizado/Ativo. Situação Financeira Razão 6: Patrimônio líquido / Passivo. Razão 7: Contas a receber curto prazo/ Passivo. Razão 8: Despesas financeiras/ Faturamento. Razão 9: Ativo corrente/ Passivo Corrente Segurança e Saúde do Trabalho: Medir-se-ão os aspectos de segurança e saúde do trabalho, para o qual se definiu avaliar: a) Avalia-se se a Gestão em Segurança e Saúde é certificada em normas existentes no país. b) Avalia-se a política de segurança e saúde do trabalho em relação a família a qual postula, assim como os procedimentos e programas associados a estes. Para conseguir a certificação OHSAS vigente no momento da apresentação implicará o cumprimento deste aspecto. c) Documentação relacionadas à avaliação de Riscos da atividade. d) Planos ou programas de segurança operacional, associados a prestação de serviço, incluindo a NR17. e) As competências e experiências do profissional de Prevenção de riscos, mediante avaliação da documentação que dê crédito à condição de especialista. Ademais deverá creditar a capacitação com que conta o pessoal nesta matéria. f) Estrutura organizativa interna associada à SEGURANÇA atendendo aos requisitos internos da CONTRATANTE e legais existentes no país. g) Danos da Empresa Estatísticas de acidentes dos últimos três anos, desmembrados por tipologia, tanto do pessoal próprio como do pessoal contratado. Índices de Freqüência o Acidentalidade. Avaliar-se-ão os índices históricos de freqüência ou acidentalidade segundo informação da empresa proporcionada por sua área de segurança, sindicato ou Instituto de segurança do trabalho onde se encontre aderido. Caso a empresa seja 7 05/07/2012

8 Página 8 de 14 nova considerar-se-á o valor correspondente à atividade econômica da mutualidade onde se encontra aderida. O índice a ser considerado como referencia corresponderá ao menor índice dos informados pelas três (3) associações, no título correspondente a atividade econômica afim à família. Para o caso de que a empresa seja nova, dar-se-á a média correspondente ao de sindicato de afiliação. Índices de gravidade ou danos. Avaliar-se-á os índices históricos de gravidade ou danos segundo informação da empresa proporcionada por sua área de segurança, sindicato ou Instituto de segurança do trabalho onde se encontre aderido. Caso a empresa seja nova considerar-se-á o valor correspondente à atividade econômica da associação onde se encontre aderida. O índice a ser considerado como referência corresponderá ao menor índice informados por três (3) associações, no título correspondente à atividade econômica afim ao contrato. Caso a empresa seja nova, dar-se-á a média correspondente ao da associação de afiliação. h) Procedimentos de gestão relacionados com: Políticas de capacitação em Segurança; Gestão dos Elementos de Proteção individual (EPI S); Gestão dos elementos de máquinas e equipamentos; Comprovação da correta execução dos planos de segurança. Análise imediata de acidentes e implementação de ações corretivas Requisitos empresariais específicos: O fornecedor deve apresentar a documentação necessária a fim de medir ou verificar o cumprimento dos seguintes aspectos: Certificação COPC (Customer Operations Performance Center) para serviços prestados anteriormente. No caso de não contar com esta certificação, o fornecedor deverá entregar um projeto para sua obtenção nos serviços oferecidos à companhia, em um prazo não superior a doze (12) meses, a contar de adjudicado o contrato Aspectos trabalhistas e previdenciários: Será medido conforme aos seguintes critérios: 8 05/07/2012

9 Página 9 de 14 a) Certificado de antecedentes laborais emitido pela inspeção do Trabalho, mediante o qual se avaliará o comportamento trabalhista das empresas contratadas e subcontratadas através da apresentação do Certificado de Antecedentes trabalhistas emitido pela inspeção do Trabalho respectiva (F-30). No caso de existir multas deve anexar a resolução das multas. b) Certificado EQUIFAX Comercial e Laboral Serão avaliadas as dívidas originadas por temas comerciais e por dívidas trabalhistas e previdenciárias O fornecedor deverá assinar o documento compromisso com a sustentabilidade das operações (Anexo Nº 6), com o qual assume a responsabilidade de ir implantando os dez princípios do Pacto Mundial das Nações Unidas, em suas atividades diárias, relacionados com a proteção dos Diretos Humanos e do Meio Ambiente, para a manutenção dos altos padrões laborais e a luta contra a corrupção. 3.4 Requisitos técnicos Com o objetivo de avaliar a experiência na família na qual o fornecedor solicita sua qualificação, e sua disponibilidade de meios, deverá apresentar: O currículo da Empresa ou dos sócios, tratando-se de pessoa jurídica, mediante o qual deverá apresentar experiência superior a três (3) anos, no mercado de Call Center. Com relação ao item anterior o fornecedor deverá apresentar certificados emitidos, pela o menos três (3) empresas, nos quais se especifique o tipo de serviço prestado, vigência e sua qualificação. Ademais, a experiência deverá ser acreditada com certificados que estipulem um volume de telefonemas recebidas superior a duzentas mil ( ) ao mês, no qual se indique quantas são resolvidas através de executivos de serviço e quantas resolvidas em IVR. (ver Anexo N 1). Para os serviços prestados pelos fornecedores para as empresas do Grupo Endesa durante os últimos 3 (três) anos, ou anteriormente, basta anexar uma lista com os serviços prestados com a duração (início e fim) do contrato O fornecedor deve apresentar uma estrutura permanente da organização com a qual conta, creditando a experiência do pessoal para o serviço ao qual está pleiteando. Em particular, o currículo deve informar o profissional que será responsável pela coordenação e supervisão do trabalho contratado. 9 05/07/2012

10 Página 10 de Os colaboradores do fornecedor devem ser qualificados e treinados para realizar os trabalhos para os quais terá tanto a formação acadêmica e específica, quanta a experiência necessária para a correta execução dos serviços O fornecedor deve indicar a metodologia de formação (prática e/ou teórica), assinalando as entidades com as quais trabalha e tempo de formação (duração do curso), apresentando o Plano Anual de Capacitação Além disso, o fornecedor deve anexar os seguintes documentos: Plano detalhado e cronograma (gráfico de Gantt) proposta de trabalho (no caso de adjudicação do serviço), que deve durar mais do que 1 (um) mês.: Declaração de equipamento para realizar a atividade. Procedimentos internos de qualidade. Procedimentos de contingência e tecnologia operacional Procedimento de seguimento e controle operativos Plano de contingências O fornecedor deverá contar com a capacidade de responder chamados de outras distribuidoras do grupo localizadas na America Latina, portanto, será valorizado positivamente o fornecedor que conte com operações ou contratos de serviço para outros países Em todos os casos a Enersis se reserva o direito de realizar previamente à qualificação e durante o período de vigência da mesma, as provas que considerem necessárias para constatar a adequação dos recursos materiais, elementos, equipes e maquinaria disponíveis pelo contratado, para a realização dos serviços o qual está sendo qualificado. 4. DURAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO E RENOVAÇÃO A duração da qualificação será de 3 anos. Ao final deste período, a validade poderá ser renovada por mais três anos. A empresa que tenha intenção de apresentar a solicitação de renovação da qualificação deve enviar todos os dados e documentação necessária para reavaliação, antes da data de validade em curso, do contrario se desqualificará a mesma /07/2012

11 Página 11 de REVOGAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO Ficaram excluídos da qualificação aqueles fornecedores ou subcontratadas para os quais se verifiquem: 1. O estado de quebra, liquidação obrigada ou esteja em curso um procedimento para a declaração de ditas situações. 2. A existência de sentenças definitivas ou de aplicação da pena que afetam gravemente à ética profissional 3. A existência de litígios com Empresas do Grupo Endesa. 4. Infrações graves das normas de segurança e saúde do trabalho, igualdade e meio ambiente, cometidos durante ou anteriormente à venda do produto ou realização da obra ou prestação do serviço, assim como de qualquer outra obrigação derivada da relação trabalhista e com a Segurança Social. 5. Proibição de ter contrato com a administração pública. 6. Violação das obrigações correspondentes ao pagamento dos impostos e taxas previstos pela legislação do país de residência comprovada mediante certificado oficial. 7. Erros graves, negligências ou atos de má fé cometidos na execução de prestações adjudicadas com anterioridade ou no exercício da atividade profissional. 8. A entrega de documentos e/ou declarações falsas para a participação em licitações ou no procedimento de qualificação, especialmente no que se refere ao ano precedente a apresentação da solicitação de qualificação 9. A existência de queixas ou situações prejudiciais (por exemplo, expropriações forçosas, execuções hipotecarias, etc.) a cargo da empresa ou os expoentes/sócios (o titular se trata de uma empresa individual; os sócios no caso das sociedades coletivas, os sócios comanditários nas sociedades comanditárias simples; os administradores com poder de representação para outras sociedades ou consórcios). 10. Não-cumprimento injustificado, creditado e relevante da obrigação de pagamento do contratante a qualquer subcontratada, sempre que esta intervenha na execução do objetivo ou abrangência do contrato firmado pela contratada com empresas do Grupo Endesa. 11. Negação a declarar à empresa contratante a análise da composição da sociedade, os nomes dos sócios com cargos sociais e, no seu caso, sujeitos que detenham o controle, assim como de qualquer outro dato disponível referente a presença de: 11 05/07/2012

12 Página 12 de 14 Pessoas que participam do Grupo Endesa e que desempenham um papel-chave na empresa (Administradores, Conselheiros, Responsáveis de departamento) e/ou trabalhadores dependentes do Grupo (incluídos parentes até o 2º grau). Direitos reais de usufruto ou garantia sobre ações com direito a voto ou sociedade fiduciárias que detenha algum controle do Grupo Endesa. 12. Persistindo as situações as quais se referem os pontos anteriores e/ou ausências e/ou atrasos na comunicação a Ampla de qualquer variação relativa à informação proporcionada em virtude destes pontos. 5.1 Requisitos Empresariais Ficaram excluídos da qualificação aqueles fornecedores para os que se verifique(m): 1. Perda de viabilidade econômico-financeira da empresa. 2. Perda de viabilidade técnica e/ou de gestão. 3. Acidentes graves ou mortais durante a realização da obra ou a prestação de serviço quando se verifique não cumprimento da norma pela empresa. 4. Existência de situações de conflito de interesses. 5. Declarações falsas relativas aos requisitos e as condiciones necessárias para a qualificação. 6. Não cumprimentos graves durante as fases da licitação. 7. Não cumprimentos contratuais graves. 8. Variações substanciais das tipologias de produção, obras e/ou serviços 9. Resolução culposa de contratos. 10. Liquidação da empresa. 11. Falta e/ou atraso na comunicação de informação a AMPLA. 12. Condutas contrárias aos princípios gerais do Código Ético do Grupo Endesa. 13. Perda de vigência do Registro REPRO A qualificação ficará sujeita a uma reavaliação nos casos como os que se indicam abaixo: 1. Modificação da estrutura acionária. 2. Reestruturações. 3. Fusões 4. Cisões /07/2012

13 Página 13 de Aporte de ativos. 6. Seção. 7. Transformações. 5.2 Requisitos Técnico-Comerciais Os requisitos comerciais aplicados quando ocorrer suspensões reiteradas nos contratos por algum dos motivos contemplados como exemplo: 1. Não cumprimentos reiterados do fornecedor nas datas de entrega ou nos prazos de execução tanto parciais como finais 2. Falhas na prestação de serviço ou nos materiais/equipes fornecidas. 3. Não cumprimento reiterado dos indicadores de qualidade de serviço exigíveis contratualmente. 4. Resposta inexistente aos requerimentos da empresa mandante. 5. Colocação em risco da operação do sistema 6. Outros motivos que sejam detectados no sistema de avaliação de fornecedores. 5.3 Gestão da suspensão ou revogação Por regra geral, a suspensão de qualificação terá validade semestral a partir da data da deliberação do comitê ou enquanto perdurarem as condições que tenham determinado a suspensão ou revogação. Ao finalizar este período se examinará as condições que determinaram a suspensão e se emitirá um relatório no qual será realizado uma proposta para: o A reintegração do registro da empresa suspensa. o A extensão do período de suspensão. o A revogação da qualificação. No caso de revogação da qualificação ou de disposição de não idoneidade, a empresa não poderá voltar a apresentar sua candidatura para um novo procedimento de qualificação até que haja transcorrido um ano a partir da data da deliberação do comitê ou enquanto perdurarem as condições que motivaram a suspensão ou revogação. No caso de suspensão ou revogação relativa a requisitos de caráter geral (legais, econômico-financeiros), esta afetará a todas as qualificações concedidas à empresa afetada /07/2012

14 Página 14 de ANEXOS Anexo I: Currículo normalizado do fornecedor (Listagem de Serviços) Listado de Obras y Servicios.doc Anexo II: Questionário. Questionário.doc Anexo III: Política Ambiental Política ambiental.doc Anexo IV: Documento de Autodeclaração Auto declaração.doc Anexo V: Compromisso com a Sustentabilidade as Operações C:\Backup2\Meus documentos\aprovisionamentos\qualificação Endesa\Compromissos\Compromiso de sostenibilidad de la Anexo VI: Solicitção de Incorporação ao Sistema de Qualificação C:\Backup2\Meus documentos\aprovisionamentos\qualificação Endesa\Compromissos\Solicitação de Qualificação.doc 14 05/07/2012

PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-007 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES MT / BT

PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-007 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES MT / BT PROCEDIMENTO TÉCNICO PT-AMP-007 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES MT / BT Página 2 de 16 ÍNDICE 1.- Objetivo 3 2.- Abrangência 3 3.- Critérios de Avaliação 5 3.1 Empresariais Gerais 6 3.2 Segurança e Saúde do

Leia mais

PROCEDIMIENTO TÉCNICO PT-AMP-022 ENGENHARIA DE REDES AT, MT/BT NOVOS FORNECIMENTOS

PROCEDIMIENTO TÉCNICO PT-AMP-022 ENGENHARIA DE REDES AT, MT/BT NOVOS FORNECIMENTOS PROCEDIMIENTO TÉCNICO PT-AMP-022 ENGENHARIA DE REDES AT, MT/BT NOVOS FORNECIMENTOS Página 2 de 15 ÍNDICE 1.- Antecedentes 3 2.- Objetivo 3 3.- Abrangência 3 3.1 Projetos de distribuição, iluminação pública

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL

REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL Artigo 1º Têm direito ao seguro de responsabilidade civil profissional contratado pela Ordem dos Contabilistas Certificados os profissionais neles inscritos

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3 Doações a organizações beneficentes e patrocínio 2.4

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 Fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor SAC nos serviços de transporte

Leia mais

PROCESSO 005/2010 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 001/2010

PROCESSO 005/2010 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 001/2010 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO PARAÍSO, Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso, autarquia municipal,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC Plano de Tolerância Zero com a corrupção Plano TCC ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. Estabelece os requisitos e os procedimentos atinentes à obtenção e à manutenção de autorização para comercializar

Leia mais

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicada no DOU de 25/08/2011 e retificada no DOU de 26/08/2011) Atualizada em 02/05/2012 Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. 1.2. Aprovado o pedido será concedido o CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL- Anexo A-4.

CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. 1.2. Aprovado o pedido será concedido o CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL- Anexo A-4. 1/9 CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES A inscrição no Cadastro de Fornecedores da CET é regulada pelas presentes Condições Gerais, nos termos da Seção III - DOS REGISTROS CADASTRAIS

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Processamento de Dados Termo de Referência Contratação de serviços de desenvolvimento de sistemas informatizados para implementar o portal online para a

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Pelo presente instrumento particular ( Contrato ), de um lado, ALGAR TELECOM S/A, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita no

Leia mais

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

EMATER-RIO Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro

EMATER-RIO Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro ANEXO VIII MODELO MINUTA DE CONTRATO CONTRATO Nº 005/2012 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPOD QUE ENTRE SI FAZEM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO, POR INTERMÉDIO DA EMPRESA DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 PREGÃO PRESENCIAL nº 13/02613 OBJETO: ADM. CENTRAL - Contratação de empresa especializada para a prestação de serviços de Contact Center, destinado ao atendimento dos clientes da Celesc

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas.

Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas. RISCO SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas. 1. OBJETIVO Formalizar os critérios socioambientais que são adotados pelo Itaú

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 FORNECIMENTO DE LINK DE INTERNET

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 FORNECIMENTO DE LINK DE INTERNET INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 FORNECIMENTO DE LINK DE INTERNET O INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR - ISGH, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos de interesse público,

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA E MATERIAL PARA REFORMA DO TELHADO

PROPOSTA TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA E MATERIAL PARA REFORMA DO TELHADO PROPOSTA TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA E MATERIAL PARA REFORMA DO TELHADO ANO 2015 São Paulo, 15 de Outubro de 2015. Carta Convite nº 005/2015 Ref: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009.

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009. O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS Artigo 1º O Diretor Presidente poderá conceder o registro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE SANTA CATARINA, autarquia federal de fiscalização profissional regida pela Lei n 12.378, de 31 de dezembro

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL Pelo presente instrumento, de um lado a CLARO S.A., com sede na Rua Flórida, 1970, São Paulo/SP, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Do Sr. Sandro Mabel) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei regula

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação BB Crédito Imobiliário Prefixo-dv Nome da agência Proposta nº Dados pessoais do Proponente 1 Conta corrente nº (c/ dv) Nome da agência Prefixo-dv Composição

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO À REDE DE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO À REDE DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO À REDE DE Pelo presente instrumento que entre si celebram - BRISANET SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA localizada no Sítio Serrote Verde - Zona Rural

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

LEI N. 5.517/2008 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

LEI N. 5.517/2008 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI N. 5.517/2008 Dispõe sobre o Programa Bolsa Universitária/FESURV e sobre o Programa de Descontos aos Cursos de Graduação da FESURV A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A.

Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A. Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A. 08 Fornecedores: igualdade de oportunidades e benefício mútuo 122 Telefónica, S.A. Informe Anual de Responsabilidade Corporativa 2003 01 Grande

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 2. DA NECESSIDADE E JUSTIFICATIVA DA CONTRATAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 2. DA NECESSIDADE E JUSTIFICATIVA DA CONTRATAÇÃO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL COORDENADORIA SETORIAL DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CSCPL NÚCLEO DE EXECUÇÃO EM LICITAÇÕES ADMINISTRATIVAS E LICITAÇÕES E CONVÊNIOS COMISSÃO

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA UNILAB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA UNILAB RESOLUÇÃO N 19/2015, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a criação do Programa de Professor(a) Colaborador(a) Voluntário(a) (PPCV) da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO pág. 3 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4 3. AUDITORIA pág. 7 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 5. CANCELAMENTO OU SUSPENSÃO DA CERTIFICAÇÃO pág. 10 6. PRAZO PARA

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Apresentação. Compromisso com resultado, dentro de parâmetros éticos e de excelência profissional.

Apresentação. Compromisso com resultado, dentro de parâmetros éticos e de excelência profissional. Apresentação Compromisso com resultado, dentro de parâmetros éticos e de excelência profissional. Pitombeira, Albano e Cortez Advogados tem por fundamento o compromisso com resultado, dentro de parâmetros

Leia mais

Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes. Adriana Gomes Rêgo

Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes. Adriana Gomes Rêgo Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes Adriana Gomes Rêgo Subtemas A certificação de entidade beneficente concedida pelos Ministérios da Educação, Saúde e Desenvolvimento Social, traduz na isenção

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CESSÃO DE USO DE SOFTWARE DE GESTÃO EMPRESARIAL ERP (PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CESSÃO DE USO DE SOFTWARE DE GESTÃO EMPRESARIAL ERP (PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CESSÃO DE USO DE SOFTWARE DE GESTÃO EMPRESARIAL ERP (PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS) Provisão Tecnologia da Informação LTDA Rua 15 de Dezembro, 135, Sala 608,

Leia mais

Fundação Aperam Acesita. Fundação Aperam Acesita Alameda 31 de Outubro, 500 Centro Norte 35180-014 Timóteo-MG Brasil

Fundação Aperam Acesita. Fundação Aperam Acesita Alameda 31 de Outubro, 500 Centro Norte 35180-014 Timóteo-MG Brasil A faz saber, por via do presente Edital, que estão abertas as inscrições para a seleção de projetos a serem desenvolvidos por organizações diversas, cujos objetivos atendam a uma ou mais das finalidades

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA Página nº 1 de 6 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Pregão PRESENCIAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA PROCESSO Nº 34.206.019993.2014 PREGÃO PRESENCIAL Nº 057/2014 ÓRGÃO REQUISITANTE:SEIE/Companhia

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.865/14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 2.865/14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 2.865/14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o Programa Bolsa Universitária/FESG nos Cursos de Graduação da FAFICH,e dá outras providências A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA 1. DAS PARTES INTOO SERVIÇOS FINANCEIROS E DE INFORMAÇÃO NA INTERNET LTDA., sociedade limitada inscrita no CNPJ/MF sob nº 18.027.353/0001-40, com sede na Praça Dom José Gaspar, 76,

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS 1. GERAL - O contrato contém todas as cláusulas essenciais e necessárias, define com precisão

Leia mais

Projeto Básico - Prestação de Serviços

Projeto Básico - Prestação de Serviços Diretoria de Tecnologia Gerência de Fornecimento de TI Projeto Básico - Prestação de Serviços 1. Objeto: 1.1 Contratação de empresa para prestação de serviços especializados de escuta de gravações e monitoração

Leia mais

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015 Aprovado pela Portaria nº 836 de 27/10/2010 Alterações DOU 29/10/2010 Justificativa CAPÍTULO I - DO PLANO E SEUS FINS Artigo 1º O presente Regulamento tem por objeto estabelecer as disposições específicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015. Brasil. CAPÍTULO I DO OBJETO E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015. Brasil. CAPÍTULO I DO OBJETO E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de componente organizacional de ouvidoria pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar

Leia mais

ANEXO 7 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

ANEXO 7 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO ANEXO 7 MINUTA DE CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEL, QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÃO E PESQUISA FUNDEPES E A EMPRESA, NA FORMA ABAIXO:

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

Notícia de privacidade da Johnson Controls

Notícia de privacidade da Johnson Controls Notícia de privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e companhias filiadas (coletivamente, Johnson Controls, nós ou nossa) respeitam sua privacidade e estão comprometidas em processar suas

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviço

Contrato de Prestação de Serviço Contrato de Prestação de Serviço Gestão eficiente do seu negócio Contrato de Prestação de Serviços Pelo presente instrumento, a Yoursoft Tecnologia da Informação Ltda., com sede na cidade de Inhumas, Estado

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

SELO DE QUALIDADE ABSO

SELO DE QUALIDADE ABSO 2007 SELO DE QUALIDADE ABSO Categoria: SEGURANÇA PATRIMONIAL REGULAMENTO INDICE - 1 - 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Objetivo 1.2. Vantagens para as empresas participantes 2. CRONOGRAMA 3. INSTRUÇÕES PARA CANDIDATURA

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos

Telecomunicações: faça valer seus direitos Telecomunicações: faça valer seus direitos Exercer nosso direito à comunicação é uma questão de cidadania. Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja aqui

Leia mais

Câmara Municipal De Natividade Da Serra

Câmara Municipal De Natividade Da Serra DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A INCRIÇÃO NO REGISTRO CADASTRAL (Em conformidade com os artigos 28 a 31 da Lei Federal Nº 8.666/93 e demais alterações posteriores): PESSOA JURÍDICA 1 - Documentação Relativa

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO PROPOSTA DE SEGURO EMPRESARIAL ORIGEM: 39 Nº PROPOSTA: RAZÃO SOCIAL ESTIPULANTE: CNPJ: ¹Pessoa Politicamente Exposta: Sim Não Relacionamento Próximo Nacionalidade: Reside no Brasil: Sim Não ¹Pessoa Politicamente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços de suporte técnico para a Ferramenta de Scanner de Vulnerabilidades de Aplicações Web Acunetix

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços de suporte técnico para a Ferramenta de Scanner de Vulnerabilidades de Aplicações Web Acunetix TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços de suporte técnico para a Ferramenta de Scanner de Vulnerabilidades de Aplicações Web Acunetix, e, atualização de novas versões e das vulnerabilidades detectáveis.

Leia mais