Karina Fontes Zambon O ABSENTEÍSMO NO CALL CENTER. São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Karina Fontes Zambon O ABSENTEÍSMO NO CALL CENTER. São Paulo"

Transcrição

1 Karina Fontes Zambon O ABSENTEÍSMO NO CALL CENTER São Paulo 2009

2 FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Karina Fontes Zambon O ABSENTEÍSMO NO CALL CENTER Trabalho de Estágio Supervisionado, apresentado para a conclusão do curso de Administração da FMU Faculdades Metropolitanas Unidas, sob orientação do Professor Cláudio Valentim dos Santos. São Paulo 2009

3 Aos meus queridos pais por sempre me incentivarem em realizar meus objetivos, sem eles eu não teria conseguido chegar onde estou. Eles representam meu maior exemplo e experiência de amor e amizade e contribuíram imensamente no processo de minha formação. Ao meu querido irmão, amigo e companheiro, que sempre me apoiou nas minhas decisões e sempre esteve ao meu lado quando precisei. Ao meu namorado, companheiro de todas as horas, por sempre me apoiar nas horas difíceis, pela paciência, incentivo e compreensão.

4 Agradeço a todos aqueles que de uma forma ou de outra contribuíram para a concretização deste trabalho, em especial à minha avó Maria e à Valéria, que me apoiaram nos momentos mais difíceis.

5 A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades. (Marxwell Maltz)

6 Resumo: Nos últimos anos, a Administração tem se preocupado em discutir as novas formas de gestão de pessoas, assim como seus efeitos na produtividade dos funcionários das organizações. Neste contexto, o presente estudo aborda aspectos relacionados ao absenteísmo em um novo cenário de emprego, a área de Call Center. É importante destacar que o mercado de Call Center é um dos maiores empregadores do país, oferecendo ao mercado uma enorme oferta de novos empregos todos os anos. No que se refere ao problema estudado, serão apresentadas algumas contribuições da Administração para a solução do problema citado. Palavras-Chave: Absenteísmo; Call Center; Mercado de trabalho.

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: ORGANOGRAMA DO COMPLEXO EMPRESARIAL COOPERATIVISTA UNIMED FIGURA 2: ORGANOGRAMA FUNCIONAL DA UNIMED PAULISTANA FIGURA 3: ORGANOGRAMA GERAL DA UNIMED PAULISTANA FIGURA 4: ORGANOGRAMA SETORIAL DA UNIMED PAULISTANA FIGURA 5: ORGANOGRAMA SETORIAL DA UNIMED PAULISTANA FIGURA 6: FLUXOGRAMA DE ATIVIDADES DA ÁREA FIGURA 7: A HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS E OS MEIOS DE SATISFAÇÃO FIGURA 8: O PROCESSO MOTIVACIONAL FIGURA 9: OPERADORES POR ESCOLARIDADE FIGURA 10: OPERADORES POR REGIÃO DE RESIDÊNCIA FIGURA 11: DISTRIBUIÇÃO DOS OPERADORES POR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA FIGURA 12: MAPA DOS MUNICÍPIOS DA CIDADE DE SÃO PAULO FIGURA 13: OPERADORES POR TIPO DE CONDUÇÃO FIGURA 14: TAXAS DE ABSENTEÍSMO DEMAIS CALL CENTERS PRÓPRIOS X UNIMED PAULISTANA... 42

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1: COMPOSIÇÃO OPERACIONAL DA ÁREA TABELA 2: PESQUISA DE TAXAS DE ABSENTEÍSMO ENTRE EMPRESAS DE CALL CENTER TABELA 3: CONSOLIDADO DA QUANTIDADE DE FALTAS EM

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Identificação da empresa Missão Visão Valores Histórico da Empresa A marca Unimed A criação da Unimed Paulistana Estrutura Organizacional ÁREA DE ESTÁGIO Organograma da área Composição da área Principal contribuição da área para a Missão da organização Fluxograma sintético da área REFERENCIAL TEÓRICO ESTÁGIO E OBSERVAÇÕES DISCUSSÃO E RECOMENDAÇÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A SAMCIL: MELHORES RESULTADOS... 52

10 10 INTRODUÇÃO O mercado de trabalho no Brasil sofreu diversas transformações na estrutura das profissões desde o início do século XX, com a Revolução Industrial, onde as pessoas deixaram de trabalhar nos campos para atuar como operários em fábricas nas cidades. Anos mais tarde, em 1929, ocorreu uma reestruturação econômica com a quebra da bolsa dos Estados Unidos, que contribuiu para a diminuição das oportunidades de emprego. Na mesma época, antigas profissões desapareceram e surgiram novas profissões que passaram a utilizar recursos tecnológicos na rotina do trabalhador. No contexto de tais mudanças, os Call Centers surgiram no Brasil há poucos anos atrás, na década de 1980, trata-se de uma atividade nova no mercado. Nota-se o crescimento de ofertas de emprego nesta área, tendo em vista segundo a Associação Brasileira de Telesserviços, esta área de mercado é um dos segmentos que mais gera postos de trabalho no país. As empresas modernas têm como desafio realizar acompanhamento dos seus funcionários visando à produtividade, para assim, servir o cliente, buscando sua plena satisfação e obter lucro a fim de continuar operando ou produzindo produtos cada vez mais e melhor. Este desempenho é conseqüência do estado motivacional e do esforço individual para realizar a tarefa e atingir os objetivos. (CHIAVENATO, 2005, p. 247). É importante ressaltar que o absenteísmo é um problema pontual e sentido pelas organizações empresariais. Atualmente, nota-se uma inusitada preocupação dos empresários a respeito das graves e onerosas conseqüências deste fato no processo de produção e na produtividade. É fato notório que a tendência do mundo corporativista, nos dias atuais, é a valorização das pessoas. Fica perceptível que o capital humano das organizações é

11 11 o recurso mais importante, motivo pelo qual e, a partir disto, os administradores devem focar suas atenções a esse aspecto na organização. Com base nessas reflexões primeiras e em observações feitas sobre a grande quantidade de faltas e atrasos dos operadores de telemarketing da Unimed Paulistana, elegeu-se como objetivo de trabalho realizar um estudo sobre o absenteísmo no Call Center da empresa citada, buscando identificar suas possíveis causas e propor políticas de ação que favoreçam a eficácia no desempenho de seus funcionários. As causas do absenteísmo no Call Center da Unimed Paulistana sugerem que os principais motivos sejam: doenças, direitos legais (doação de sangue, participação em júris ou eleições, licença maternidade, entre outros), fatores sociais (doença de familiares, dificuldades com transportes) e desmotivação. Em suma, essa pesquisa tem a finalidade de apontar as principais causas e motivos do absenteísmo no departamento de Call Center da Unimed Paulistana e sugerir algumas contribuições do curso de Administração através de pesquisas bibliográficas e experimentais, visando a minimização do problema e promovendo a melhoria deste indicador, que é um indicador de eficiência e eficácia do trabalho da empresa.

12 12 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1 Identificação da empresa Razão Social: Unimed Paulistana Sociedade Cooperativa de Trabalho Médico Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antônio, 792 Cidade: São Paulo U.F.: SP CEP: Fone: (11) Fax: (11) Site: CNPJ: / Registro Agência Nacional de Saúde: Inscrição estadual: Ramo de atividade: Prestação de serviços de assistência médica Número de Funcionários: funcionários e 60 jovens aprendizes 1.2 Missão Promover soluções em saúde sempre buscando a excelência, valorizar o trabalho do médico e propiciar o seu desenvolvimento profissional dentro dos princípios cooperativistas, com ética e responsabilidade socioambiental.

13 Visão Ser referência nacional em saúde, cooperativismo e gestão, superando as expectativas dos clientes, cooperados e colaboradores. 1.4 Valores Os principais valores são: Comprometimento, Inovação, Transparência, Respeito e Integridade. Os seus princípios são: Foco no cooperado Compromisso com o cliente Valorização dos colaboradores Dignidade no trabalho Oportunidades iguais aos cooperados Compartilhar conhecimento Governança corporativa Gestão profissional Desenvolvimento e valorização dos fornecedores Princípios e valores cooperativistas Responsabilidade socioambiental

14 Histórico da Empresa A marca Unimed A Unimed é uma cooperativa de trabalho médico que foi criada com o objetivo de oferecer assistência médica de qualidade para a população através de um sistema de trabalho focado na satisfação dos clientes e sempre se caracterizou por utilizar um modelo de administração em que os médicos são membros da cooperativa, onde os serviços prestados devem ser feitos exclusivamente por eles, dentro de sua qualificação profissional e os mesmos gerenciam os serviços prestados. Com esta filosofia, foi adotado o sistema cooperativista. As Unimed s são cooperativas independentes uma das outras, cada uma possui área de atuação regional e seus clientes contam com cobertura em todo o país, podendo utilizar a rede credenciada das demais cooperativas do complexo Unimed. O Sistema Unimed é composto por 377 cooperativas médicas, com abrangência em 74,9% do território nacional, entre as Singulares (que atuam no âmbito dos municípios), Federações (que organizam as Singulares de um mesmo estado) e uma Confederação (que organiza as Federações do país), de acordo com a Lei n º 5764/71, que exige que as cooperativas médicas se organizem nesses moldes. Além das cooperativas médicas, o Sistema Empresarial Cooperativo Unimed é constituído por todas as Unimed s do país e diversas empresas criadas para oferecer suporte a elas, por meio de serviços desenvolvidos para agilizar e aperfeiçoar ainda mais o atendimento, são elas: Unimed Administração e Serviços, Unimed Seguros, Central Nacional Unimed, Portal Unimed, Unimed Participações e Fundação Unimed.

15 15 A Unimed Administração e Serviços tem como objetivo desenvolver soluções empresariais nas áreas de Controladoria e Finanças, Recursos Humanos e Tecnologia da Informação. Seu principal diferencial é o fato de ter o conhecimento do negócio Unimed e a sintonia com os seus objetivos, qualificando-se como prestadora de serviços de qualidade para todo o Sistema. A Unimed Seguros atua no ramo de pessoas, busca continuamente o aprimoramento de processos e o conhecimento das necessidades de seus clientes. Oferece 25 produtos segmentados nas linhas Vida, Previdência e Saúde, que tem por objetivo de atender as demandas do Sistema Unimed. A Central Nacional Unimed é a operadora nacional dos planos de saúde Unimed. Nasceu com a regulamentação dos planos de saúde em Atende exclusivamente empresas, sem perder o foco em cada ser humano. Seu objetivo é elevar a satisfação dos clientes Unimed. O Portal Unimed é uma ferramenta criada para melhorar a comunicação entre a Unimed e seus públicos. Seu site foi elaborado de acordo com os padrões da marca Unimed, hospedado no endereço nacional do Sistema, sem custos de desenvolvimento ou manutenção. Com a vantagem de permitir arquitetura de informação customizada e redirecionamento de domínio próprio. A Unimed Participações tem como objetivo contribuir para a prosperidade econômica das suas associadas e controladas, em parceria com a comunidade Unimed. Pesquisa e desenvolve projetos para a captação de recursos financeiros, promove campanhas que visam a adesão de novos associados e participa da elaboração do planejamento estratégico empresarial de Controladas e Coligadas, prestando assessoria na gestão dos seus negócios. A Fundação Unimed é responsável pela gestão do conhecimento e promoção da responsabilidade social no Sistema Unimed. Especializada na capacitação de pessoas, forma talentos para o próprio negócio, com a consciência de que tão importante quanto gerar emprego e riqueza, é construir uma sociedade mais justa e igualitária. Sua razão de ser é propor soluções para as Unimed s, de forma a auxiliálas no desenvolvimento de novas habilidades e capacidades para uma atuação mais dinâmica, contribuindo para o fortalecimento do Sistema.

16 16 A seguir organograma do Complexo Empresarial Cooperativista Unimed. FIGURA 1: Organograma do Complexo Empresarial Cooperativista Unimed FONTE: Arquivos Unimed Paulistana A criação da Unimed Paulistana No final da década de 1960, a saúde pública atravessava um momento de grande mudança estrutural da Previdência Social, trazendo queda no padrão de atendimento. Houve a unificação dos Institutos de Aposentadorias e Pensões (IAPs) no Instituto Nacional de Assistência Médica de Previdência Social (INPS), que mais tarde viria a se transformar no Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS), extinto em 1990 para dar lugar ao Sistema Único de Saúde (SUS). Em 18 de dezembro de 1967, em Santos, SP, foi fundada a primeira Unimed, por um grupo de médicos filiados ao Sindicato dos Médicos de Santos, preocupados

17 17 com os problemas do sistema de saúde pública e buscando resgatar a ética e o papel social da medicina e garantindo a prática liberal da profissão, com a filosofia de que trabalhavam pela saúde e não pelo lucro. Além da cidade de Santos, as cidades de Cubatão, Guarujá, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande e São Vicente também estavam entre os municípios que constituíam a área de ação da cooperativa, que depois passou a se chamar Unimed Santos. A partir desta data, o Sistema Unimed começou a se desenvolver em outras cidades. A Singular Unimed Paulistana foi fundada em 23 de agosto de 1971, seguindo o exemplo da Unimed Santos, quando existiam aproximadamente 30 modelos de cooperativas médicas no Brasil. Em 1996 surgiu o conceito de Atendimento Integral à Saúde, com campanhas de vacinação e movimentos de conscientização. Em junho de 2000, a Unimed Paulistana tornou-se gestora do Hospital Santa Helena, voltado para procedimentos de alta complexidade, o que contribuiu para a economia na compra de materiais e equipamentos e na diminuição do custo das internações. Com isso, em maio de 2005, surgiu a idéia de criar e fundar os Centros de Procedimentos e Apoio (CPAs) em diversas regiões da cidade e em março de 2006, fundou a primeira Unidade de Diagnósticos Unimed Paulistana, em parceria com o Centro de Medicina Diagnóstica (CTC). Criou também dentro do Comitê Educativo, duas instâncias, sendo elas o serviço de Integração e Atuação Médica (IAM) e o Núcleo de Normatização e Gestão do Cooperado. A Unimed Paulistana está associada ao Instituto Ethos de Responsabilidade Social, à Fundação Abrinq e firmou uma parceria com a Fundação Gol de Letra, que através dela oferece assistência médica gratuita às crianças auxiliadas, bem como aos seus familiares e aos funcionários da entidade.

18 18 Atualmente a Unimed Paulistana conta com 1800 médicos cooperados, que trabalham com o conceito de Saúde Integral, delimitado por três pilares; a medicina preventiva, saúde ocupacional e educação continuada; funcionários, 60 Jovens Aprendizes e possui 1,3 milhões de clientes e faturamento de 1,7 bilhões ao ano. É a maior cooperativa do Sistema Unimed, maior sistema de saúde da América Latina, o qual tem 32% de participação no mercado nacional de planos de saúde, atendendo 15,1 milhões de clientes e concentra 1/3 dos médicos em atividade no Brasil. Desde 2004, integra o ranking anual das 500 empresas Melhores e Maiores, da revista Exame. A Unimed é o plano de saúde mais lembrado no Top Of Mind da Folha de São Paulo, pelo 16º ano consecutivo. Os produtos oferecidos são de assistência médica, comercializados para Pessoa Física e Jurídica, com as categorias Original Enfermaria, Original Apartamento, Padrão Enfermaria, Padrão Apartamento, Integral, Supremo e Absoluto I, II e III. 1.6 Estrutura Organizacional A representação gráfica a seguir apresenta a situação atual da empresa e demonstra a disposição dos órgãos da organização e sua composição hierárquica funcional.

19 FIGURA 2: Organograma funcional da Unimed Paulistana FONTE: Arquivos Unimed Paulistana 19

20 20 Abaixo, o organograma geral demonstra a composição da empresa nos três primeiros níveis hierárquicos, permitindo melhor compreensão da estrutura organizacional da Unimed Paulistana como um todo, destacando as diretorias comercial, financeira e secretária, que se reportam para o Diretor Presidente, que também é médico cooperado, eleito pelos demais acionistas para representá-los por quatro anos consecutivos. FIGURA 3: Organograma geral da Unimed Paulistana FONTE: Arquivos Unimed Paulistana É importante ter conhecimento sobre a composição da área de atendimento, uma vez que suas tarefas são interdependentes e existe a comunicação entre as áreas para que a solicitação dos clientes seja atendida.

21 21 Para melhor visualização da área de Atendimento, maior departamento da Unimed Paulistana, com 900 funcionários, a representação a seguir demonstra o organograma setorial, assim como a hierarquia entre as áreas de Atendimento, que se reportam para o Diretor Secretário. FIGURA 4: Organograma setorial da Unimed Paulistana FONTE: Arquivos Unimed Paulistana

22 22 2 ÁREA DE ESTÁGIO A área de Análise e Desenvolvimento em Qualidade se reporta à Gerência de Atendimento e sua Superintendência é responsável por atuar com o gerenciamento do atendimento prestado ao cliente. Esta área da empresa oferece suporte ao Call Center, objeto de estudo desta pesquisa, é responsável por fazer o gerenciamento do fluxo de chamadas recebidas, análise dos indicadores de produtividade dos operadores de telemarketing, planejamento de metas de melhoria no atendimento, além de oferecer treinamento aos colaboradores do Call Center, buscando a melhor estrutura e ferramentas a todos os colaboradores envolvidos nos processos, visando à satisfação e fidelização dos clientes. O Call Center é o setor responsável por prover informações ao Cliente Unimed Paulistana e Intercâmbio, rede credenciada, médicos cooperados e outras Unimed s, através de telefone, fax e chat (exclusivo para clientes com deficiência auditiva). Esta área da empresa é de grande importância, busca atender às necessidades dos clientes, tendo em vista que atua como veículo de pós-venda, onde os clientes mantêm vínculo com a empresa e está sempre assistido, Os funcionários utilizam sistema informatizado que dispõe de informações contratuais, registro de solicitações e o acompanhamento das mesmas, disponibilizando as informações sobre os atendimentos feitos para todos os colaboradores da empresa, o que permite identificar as necessidades e manter bom relacionamento com os clientes. 2.1 Organograma da área

23 23 Para visualizar melhor a área onde o Call Center está inserido, a representação gráfica a seguir apresenta o organograma atual da área Atendimento, em especial o setor de Call Center, objeto de estudo dessa pesquisa, indicando a hierarquia do departamento. FIGURA 5: Organograma setorial da Unimed Paulistana FONTE: Arquivos Unimed Paulistana

24 Composição da área A seguir, o quadro demonstra a composição operacional da área para executar suas atividades: TABELA 1: Composição operacional da área Recursos Quantidade Gerente (responsável por ambos) 01 - Coordenador Líder de Atendimento Monitor de Atendimento Operador de teleatendimento Área utilizada da empresa (m 2 ) Sala de Reuniões 01 - Posições de Atendimento Cadeiras Escaninhos 11 4 Micro Computadores Linhas telefônicas Headsets Impressora Scanner Aparelho de Fax URA (Unidade de Resposta Audível) E1 (30 canais) Apoio para pés Apoio para os punhos Mouse pad FONTE: Arquivos Unimed Paulistana O Departamento de Call Center é subordinado à Diretoria Administrativa e possui dois telefones: , central de autorizações; localizada no prédio da

25 25 Unimed Paulistana e o , central de informações, dúvidas, reclamações e cancelamentos; localizado em um espaço alocado localizado no bairro Barra Funda. 2.3 Principal contribuição da área para a Missão da organização A área de Call Center é a responsável pelo atendimento a todos os clientes da organização e sua principal contribuição com a missão da empresa é manter os clientes satisfeitos com os serviços prestados, superando suas expectativas, buscando retê-los na carteira de clientes na empresa. Além disso, o Call Center tem fundamental importância para os clientes, solucionando eventuais problemas de forma rápida e satisfatória, tornando-se um agente facilitador para o cliente, não havendo necessidade do mesmo em se deslocar à recepção da empresa para a resolução de qualquer ocorrência. Para que esta responsabilidade seja bem desenvolvida e obtenha resultados positivos, periodicamente é promovido no Call Center treinamentos com reciclagens de informações e rotinas operacionais, onde todos os colaboradores participam, buscando a clareza nas informações. 2.4 Fluxograma sintético da área O Call Center recebe solicitações dos clientes da empresa, e para solucionálas, aciona a área responsável pela resolução e comunica ao cliente a ação efetiva.

26 26 Como citado anteriormente, que as tarefas da área de Atendimento são interdependentes, visando à satisfação dos clientes, o conhecimento sobre a função de cada setor da empresa facilita na comunicação efetiva, levando em consideração que se o colaborador sabe qual área realiza determinada tarefa, o processo de comunicação é feito de forma rápida e a resolução da solicitação feita pelo cliente é agilizada. Para isso, é necessário se relacionar com algumas das principais áreas da empresa: Recepção e Postos, Relacionamento ao Cliente Intercâmbio, Cadastro, Credenciamento, Parecer Técnico, Parecer Médico, Contato, Registro de Fax, Alô Doutor e Análises e Autorizações. As áreas de Recepção e Postos são responsáveis pelo atendimento pessoal ao cliente Unimed Paulistana, administra situações adversas com o cliente e oferece BackOffice ao Call Center, tendo em vista que auxilia a absorver sua demanda de atendimentos. A área de Relacionamento ao Cliente Intercâmbio realiza a análise administrativa das solicitações de autorizações dos clientes Intercâmbio, ou seja, em todo atendimento existente entre as cooperativas, a área de Intercâmbio viabiliza o atendimento ao cliente das demais Unimed s dentro ou fora da área de abrangência da Unimed Paulistana. O Cadastro recebe do Call Center as solicitações de alteração cadastral de pessoa física e jurídica, envio de cartão magnético e guia médico, e, quando necessário, correções de carências contratuais. A área de Credenciamento recebe do Call Center as reclamações feitas sobre o atendimento de médicos cooperados, hospitais, clínicas e laboratórios; busca soluções e justificativas para as ocorrências apresentadas, visando à satisfação dos clientes. O setor de Análises e Autorizações é responsável por analisar as solicitações de alto custo, verificando se o beneficiário possui cobertura contratual e se as carências para tal solicitação já está cumprida.

27 27 O Parecer Técnico é responsável pela análise contratual das solicitações de autorizações que não são autorizadas automaticamente pelo sistema, faz o acompanhamento de internações até a alta do cliente, trata de situações adversas com os prestadores e faz interface com os demais setores da empresa. O Parecer Médico é responsável por tratar as solicitações encaminhadas pelo Parecer Técnico, onde a área médica verifica a necessidade do envio de informações adicionais, como exames e relatórios médicos para que a análise seja concluída. A área de Contato é responsável por acionar os clientes que possuem solicitações em análise, através de ações de telemarketing ativo, para informar a senha de autorização, negativa de autorização, e, caso necessário, o envio de relatórios médicos. O setor de Registro de Fax é responsável por tratar de todos os fax enviados pelos clientes. Esta área registra todas as solicitações em sistema e encaminha à área solucionadora para dar continuidade ao atendimento do cliente. O Alô Doutor oferece atendimento especializado aos médicos cooperados e suas secretárias, solucionando eventuais problemas de fatura, solicitação de formulários. Neste contexto, o fluxo de trabalho da área pode ser melhor compreendido através da representação a seguir, que demonstra o fluxograma atual da área de Call Center, onde o cliente tem duas opções de contato, o telefone (alocado no prédio da Unimed Paulistana) efetua atendimentos a respeito de solicitações de autorizações, exames, internações e cirurgias e (localizado em um espaço alocado localizado no bairro Barra Funda ), responsável por oferecer informações sobre dados contratuais. O fluxograma a seguir demonstra o relacionamento entre o Call Center e suas áreas correlacionadas:

28 28 Cliente Solicitações ( ) Qual é a necessidade do cliente? Informações ( ) Consulta dos dados do cliente no sistema Solicitação registrada em sistema NR Informação direcionada ao cliente Sim Liberação automática pelo sistema? Não Senha de autorização informada ao cliente Sim Necessária informação adicional? Solicitação encaminhada para o Parecer Técnico Não Registro de atendimento em sistema NR Solicitação direcionada ao Contato para acionar o cliente e providenciar o Relatório Encaminhada ao Contato para informar ao cliente sobre autorização ou negativa da solicitação Solicitação pendente Solicitação encaminhada para o Parecer Médico Cliente envia o fax Central de fax insere informações em sistema FIGURA 6: Fluxograma de atividades da área FONTE: Arquivos Unimed Paulistana Finalizado junto ao cliente

29 29 3 REFERENCIAL TEÓRICO A necessidade das empresas em se tornarem competitivas surgiu com a globalização, onde os serviços das organizações podem alcançar um número maior de consumidores, pelo fato dos clientes possuírem acesso facilitado a todas essas ofertas. Com isso, os clientes se tornaram mais exigentes, pois com a diversidade de ofertas, procuram um diferencial nos serviços oferecidos, como a qualidade dos produtos e o atendimento prestado. Uma das estratégias utilizadas pelas empresas para se aproximar do público foi a implantação de Call Centers, onde os profissionais de teleatendimento passam por diversos treinamentos afim de que possam se profissionalizar e atender corretamente às expectativas dos clientes, com isso, o cliente ganha tempo e comodidade e a empresa não perde oportunidades de negócio. A partir desse contexto, as empresas têm o desafio de fidelizar seus clientes para não perdê-los para a concorrência. Para enfrentar a competição e a concorrência, como destaca Chiavenato (2005, p. 25) a empresa precisará investir pesadamente em seu pessoal, tanto em educação e desenvolvimento profissional, como em criatividade e participação efetiva no trabalho. De acordo com Madruga (2009, p. 23): O crescimento do Call Center no mundo inteiro é decorrente de diversos fatores econômicos, sociais, culturais e políticos, que favorecem as interações à distância, sejam através da Internet ou do próprio telefone. No momento, o índice de violência e o crescimento do número de congestionamentos são fatores sociais negativos, mas que têm influenciado no crescimento do número de posições de atendimento, já que as pessoas passaram a consumir produtos e serviços principalmente de suas residências ou escritórios. O Call Center é o setor que o cliente interage com a empresa e onde a empresa tem a oportunidade de fidelizá-lo, seja pelo bom atendimento ou pela

30 30 rapidez na solução de suas solicitações. Com isso, os Call Centers se transformaram em ferramentas de fidelização de clientes. Sendo assim, pode-se dizer que para que os clientes estejam satisfeitos, é esperado que seu atendimento seja feito de forma rápida, a qualquer hora do dia uma vez que os clientes tem a necessidade de economizar tempo. O aumento da satisfação ajuda na retenção da carteira de clientes, assim continua servindo o cliente e produzindo produtos ou serviços a fim de obter lucro. Para isso, é necessário o acompanhamento da assiduidade de seus funcionários, que influenciam diretamente na satisfação dos clientes. Neste contexto, surge a necessidade do controle do índice de absenteísmo. Assis (2005, p. 38) define o absenteísmo como o nível de abstenção do empregado ao trabalho, considerando-se como abstenção tanto faltas como os atrasos. Para Bohlander; Snell; Sherman (2003, p. 97) o absenteísmo é definido como a freqüência com que os funcionários se ausentam do trabalho, o índice de absenteísmo também está diretamente relacionada ao planejamento de RH e ao recrutamento. O absenteísmo é um indicador de qualidade no Call Center, onde as ausências dos funcionários provocam alterações no rendimento do atendimento, uma vez que existe um dimensionamento do número de funcionários necessários para atender certa demanda de chamadas. Quando o funcionário se ausenta do trabalho, há atraso no tempo de espera para o cliente ser atendido, pois a empresa teve redução na sua força de trabalho, o que gera insatisfação do cliente. Segundo Assis (2005, p. 38), as causas do absenteísmo podem estar relacionadas ao nível de satisfação dos empregados, particularmente no que envolve relacionamentos com seus superiores hierárquicos. De acordo com Bohlander; Snell; Sherman (2003, p. 97): Certa quantidade de faltas no trabalho é, naturalmente inevitável. Sempre há aqueles que precisam faltar por motivo de doença, acidentes, sérios problemas familiares ou outras

31 31 razões legítimas. O absenteísmo crônico, entretanto, pode ser sinal de problemas mais profundos no ambiente de trabalho. Complementando a citação acima, Milkovich; Bourdreau citado por Madruga (2009, p. 78): A assiduidade dos funcionários é afetada por obstáculos, como doenças ou acidentes, responsabilidades familiares ou transporte. (...) A motivação para ir ao trabalho é influenciada por práticas organizacionais (penalidades e recompensas), pela cultura organizacional e por atitudes do empregado. Com isso, é possível afirmar que a satisfação no trabalho está diretamente relacionada com a freqüência e a duração dos afastamentos. À medida que a empresa controla o absenteísmo do funcionário, ela ajuda na sua prevenção e redução, sendo assim, se existirem menos ausências, a empresa produz melhor. Nesse sentido, Chiavenato (2005, p. 270) diz: O desempenho humano e o clima organizacional representam fatores importantes na determinação da qualidade de vida no trabalho. Se essa for pobre, conduzirá à alienação das pessoas e à insatisfação, ao declínio da produtividade e aos comportamentos contraproducentes (como absenteísmo, sabotagem, militância sindical etc.). se for rica, conduzirá a um clima de confiança e de respeito mútuo, no qual a pessoa terá condições de reduzir os mecanismos de controle social. Para conseguirmos atingir os resultados com maior ênfase, é necessário obter conhecimentos sobre as métricas aplicadas ao absenteísmo, a partir disso será possível ter maior controle sobre esse indicador. O absenteísmo pode ser calculado de três maneiras, como mostra Assis (2005, p ), absenteísmo total, absenteísmo excluindo justificativas legais e o absenteísmo total considerando a jornada integral, todas levando em consideração a aderência do funcionário à escala de trabalho. O cálculo do absenteísmo total mede o nível de abstenção ao trabalho, é feito a partir da obtenção do número de dias do mês que o funcionário está escalado para trabalhar e o total de dias não trabalhados. Absenteísmo (total) = Número de dias trabalhados Número de empregados x Número de dias úteis x 100

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco.

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. NOVAQUEST Apresentação da Empresa A NovaQuest é uma empresa especializada em serviços de recuperação de crédito e atendimento ao cliente. Temos o intuito

Leia mais

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO Antônio Silvio Amaral Costa Superintendente de Recursos Próprios SISTEMA UNIMED O Sistema Unimed, fundado em 1971, atualmente é formado

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES EXPRESSO GUANABARA S/A - CNPJ: 41.550.112/0001-01 END. ROD BR 116 KM 04 N 700 MESSEJANA FORTALEZA/CE CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES 2011 BOAS PRÁTICAS: ADESÃO DOS COLABORADORES AOS SEUS VALORES E

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e PROGRAMA DE PARCERIA Objetivo do Programa de Parceria Atuando no mercado de CRM (Customer Relationship Manager) desde 1994, a KANKEI é uma empresa de capital Nacional que oferece soluções de marketing

Leia mais

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO.

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. A Revista Motoboy Magazine tem o prazer de realizar o Prêmio Motoboy Magazine Top Motofrete 2013, a fim de prestigiar o trabalho de empresas em prestação

Leia mais

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN 8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN Cultura de Saúde e Segurança no Trabalho: da Norma para o Valor Volvo do Brasil Quais os Valores e Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho que asseguram

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Gestão de Benefícios

Gestão de Benefícios Gestão de Benefícios 2EASY GESTÃO DE BENEFÍCIOS A 2Easy Benefícios é uma unidade de negócios da 2Easy Solutions, reconhecida pelo seu know how em Soluções para Gestão de Pessoas. A 2Easy Benefícios nasceu

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS.

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS. UNIMED VALE DAS ANTAS, RS - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE LTDA Ramo: Cooperativa Médica de Serviços de Saúde Período de Relato: de 27/02/2014 a 24/02/2015 E-mail: rh@valedasantas.unimed.com.br / gerencia@valedasantas.unimed.com.br

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente GLEISON CORTINA BENASSI Estado Civil Casado, com filhos. Telefone (62) 8141-9485 - (62) 9693-2773 Natural Erechim - RS E-mail benassirs@gmail.com Redes Sociais Facebook: Gleison Benassi Linkedin: Gleison

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

15ª Edição 2014 Exercício 2013

15ª Edição 2014 Exercício 2013 Pesquisa de Indicadores de Gestão de Pessoas Apresentação 15ª EDIÇÃO REFERENTE A DADOS DE DEZEMBRO/2013 Primeira vez que a pesquisa é realizada com a Universidade Metodista, por meio do Grupo de Estudos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 1 CONHEÇA A PRODENT Nosso objetivo é garantir a plena satisfação dos nossos beneficiários, empresas clientes e parceiros, por meio da prestação de serviços altamente qualificados.

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Responsável: YEDDA SOARES DE OLIVEIRA Divisão de Desenvolvimento de RH / CRH Rua dos Inválidos, / 0º andar RJ Tel.:

Leia mais

Secretaria de Gestão

Secretaria de Gestão Secretaria de Gestão A Prefeitura Municipal de Salvador enfrentou alguns desafios no início da gestão Foram identificados muitos problemas relacionados aos principais aspectos para uma gestão profissional

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO Um dos pilares da Ultrapar está no virtuoso relacionamento que a companhia mantém com os diferentes públicos, graças a uma política baseada na ética, na transparência e no compartilhamento de princípios,

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br www.vb.com.br PAT Tudo sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador Com a VB seu maior benefício é aumentar a produtividade da sua empresa. Especializada na comercialização e logística de benefícios,

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL SUMÁRIO

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL SUMÁRIO CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL SUMÁRIO Apresentação... 1. Introdução... 2. Direcionamento das Relações e Ações 2.1.Missão... 2.2.Valores... 2.3.Política de Gestão de Pessoas... 2.4.Política de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2012/2013 Apresentação A Diretoria Executiva da Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda AFCC objetiva apresentar

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Prof. Procópio Aula 25-04-2012 Quem sou Eu? Breve Programa do Curso Bibliografia Básica Sistema de Aulas Sistema de Avaliações Contatos do Professor Apresentação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisas de Clima Organizacional fornecem subsídios para a melhoria das condições de trabalho e a satisfação dos colaboradores e, com isso, tornando esta

Leia mais

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail. PORTFÓLIO MARCA CONSULTORIA & TREINAMENTOS RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.com SUMÁRIO 1 QUEM

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Trabalho AÇÕES DO BB PARA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE CONFLITOS CANAIS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO INDICADORES GERENCIAS PRÁTICAS CORPORATIVAS INTRODUÇÃO

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Transporte. Passageiros. Fretamento. Concurso. Motorista.

Transporte. Passageiros. Fretamento. Concurso. Motorista. Concurso Motorista Padrão. Autora: Rosa Maria Júlio Landin SINFRECAR Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Por Fretamento de Campinas e Região Rua Dr. Silva Mendes, nº. 266 Vila Industrial

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional do CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado Curitiba - PR Artigo publicado na revista Gestão em Rede no. 24 de out.

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

SELO UNIMED DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 / 2011 REGULAMENTO

SELO UNIMED DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 / 2011 REGULAMENTO ASPECTOS GERAIS SELO UNIMED DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 / 2011 REGULAMENTO O Selo Unimed de Responsabilidade Social é realizado pela Unimed do Brasil e certifica as cooperativas que desenvolvem programas

Leia mais

Segmentação CATHO ONLINE LTDA. Empresa: Base: 34ª Edição. Região Geográfica: Grande São Paulo. Faturamento: R$ 31 a 45 milhões. Indústria Automotiva

Segmentação CATHO ONLINE LTDA. Empresa: Base: 34ª Edição. Região Geográfica: Grande São Paulo. Faturamento: R$ 31 a 45 milhões. Indústria Automotiva Edição: Fevereiro/2011 Segmentação Empresa: CATHO ONLINE LTDA Base: 34ª Edição Região Geográfica: Grande São Paulo Faturamento: R$ 31 a 45 milhões Ramo de atividade: Indústria Automotiva Apresentação Este

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA. Prof. José Ricardo Tóffoli

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA. Prof. José Ricardo Tóffoli PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Prof. José Ricardo Tóffoli DEFINIÇÃO Lei Geral da MPE Micro Empresa Faturamento de até R$ 240.000 mil/ano Pequena Empresa De R$ 240.000 mil até

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais