MELHORIA NO ATENDIMENTO EM UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHORIA NO ATENDIMENTO EM UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 MELHORIA NO ATENDIMENTO EM UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE SÃO PAULO Roberto Gilioli Rotondaro (EPUSP) Marina Muto (EPUSP) Este artigo busca descrever a implantação de um programa de Gestão de Atendimento em uma Instituição Hospitalar Privada da Cidade de São Paulo. Esta implantação foi necessária para a integração dos serviços administrativos e assistenciais, já que o atendimento ao cliente se inicia no seu primeiro contato com o Hospital, ou seja, desde o momento que é feito um agendamento de internação/exame/procedimento ou na sua chegada à recepção do Hospital. Este trabalho explora como este serviço de primeiro contato (Recepções) integrou e se tornou uma fonte de informações para as áreas assistenciais, possibilitando planejar o cuidado e as ações assistenciais, diminuindo tempos na admissão, e explorar previamente algumas das expectativas dos clientes visando sua satisfação. Estes pressupostos podem ser justificados com base nos princípios de Lean adaptado à área da saúde e sua contribuição para melhoria de atendimento ao paciente em relação à qualidade e à eficiência Palavras-chaves: Atendimento, Qualidade Total, Administração Hospitalar

2 1. Introdução Este artigo descreve a implantação de um Programa de Gestão do Atendimento a Pacientes em um Hospital da rede privada do Município de São Paulo. O Programa fundamentou-se na integração entre serviços assistenciais e administrativos, através de processos com vistas ao aumento da eficiência e qualidade do atendimento e conseqüente satisfação do cliente com base nos princípios Lean, justificando sua adaptação ao serviço de saúde. Teve início em Janeiro de 2006 e compreendeu as áreas das Recepções do Centro Diagnóstico, do Pronto Atendimento, dos Ambulatórios, do Centro de Oncologia, da Internação e do Call Center que são fontes importantes de coleta e transmissão de informações para as áreas assistenciais. Neste estudo vamos nos ater ao modelo aplicado na Recepção-Internação do Hospital, por ser detentora de processos semelhantes aos das demais áreas. 2. Pressupostos O Hospital foi inaugurado em 1962 por um grupo de senhoras beneméritas que até os dias de hoje participam de sua direção. Trata-se de Instituição Hospitalar Geral tradicional do Município de São Paulo, referência em procedimentos diagnósticos e terapêuticos de alta complexidade, que atualmente conta com 282 leitos, onde se realizam cerca de 1010 cirurgias. Em 2005, motivado por contingências de um mercado de saúde mais competitivo, o Hospital sofreu uma reestruturação organizacional passando de Instituição Familiar para uma Organização Corporativa. O principal objetivo foi manter a alta demanda de pacientes através da qualidade e diversidade dos serviços prestados. Nas últimas décadas observa-se mundialmente uma mobilização em torno da aplicação de programas de qualidade nas organizações hospitalares, com o objetivo de incrementar o gerenciamento e a eficiência destes serviços (CAMACHO,1998). A organização hospitalar é considerada complexa, pois aliada à nobreza e amplitude da sua missão, apresenta equipes multidisciplinares com elevado grau de autonomia, utiliza-se crescentemente de tecnologias de ponta, presta assistência à saúde em caráter preventivo, curativo e de reabilitação e muitas vezes se constitui, ainda, num espaço de prática de ensino-aprendizagem e produção científica (AZEVEDO,1993). Segundo Berwick (1994), a gestão profissionalizada e a intervenção dos programas de qualidade, não diretamente sobre o ato clínico, mas sobre processos administrativos da organização hospitalar, são fundamentais para que se alcance a qualidade nestes serviços. Seriam, portanto, objetos destes programas departamentos administrativos (como faturamento, contas médicas, almoxarifado) e os serviços de apoio logístico (como farmácia, lavanderia, transporte, segurança) que devem garantir o funcionamento dos serviços operacionais finalistícos na busca de melhores resultados, desonerados da resolução de problemas administrativos, que não são seu foco de trabalho. 2

3 Além disso, argumenta-se que o instrumental estatístico desenvolvido pelos gestores da qualidade, aliado ao instrumental da epidemiologia de serviços de saúde, se utilizada na rotina da administração hospitalar, constituem-se em importantes ferramentas de gestão, podendo contribuir significativamente para melhoria da qualidade da assistência (DONABEDIAN apud Malik, 1998). Neste foco, o Programa implantado extrapolou a idéia de fazer somente a organização da área administrativa fundamentada em papéis. A Recepção-Internação passou a contribuir para o início do atendimento, coletando informações antes da chegada do cliente ao hospital e transmitindo-as para as áreas assistenciais (Enfermagem, Hospitalidade, Hospedagem, Nutrição, Fisioterapia). Assim, pôde-se antecipar o planejamento do cuidado e das ações assistenciais, diminuir tempos na admissão e explorar previamente algumas expectativas dos clientes visando sua satisfação. Estes pressupostos podem ser justificados com base nos conceitos de Lean conforme descrito a seguir: Começar pelo cliente (LIKER, 2004). Fornecer valor ao cliente (HINES et al., 2004): o produto ou serviço certo, no tempo certo, no preço certo com qualidade perfeita. Valor, que é sempre o resultado de um processo, isto é, um ordenamento específico de atividades com começo, fim, entradas, saídas e responsáveis claramente definidos pelos quais é possível medir o tempo, o custo, a qualidade e a satisfação do consumidor (DAVENPORT, 1993). Maximizar o valor de um processo, eliminando constantemente etapas que geram desperdícios (SHINGO, 1996). Atingir o desperdício zero, através da criação de um processo capaz (que produz um bom resultado a cada execução), disponível (produz o resultado esperado a cada execução), adequado (que não causa atrasos), flexível em que cada etapa flui rapidamente de uma a outra puxada pelo cliente (IHI, 2005). Almejar um processo perfeito, que satisfaça perfeitamente o desejo de valor do cliente sem desperdício algum (WOMACH e JONES, 1996). 3. Implantação do Programa de Gestão de Atendimento Em Dezembro de 2005 foi criada no referido Hospital a Superintendência de Atendimento e Operações (SAO) gerida por uma enfermeira que já ocupava o cargo de Gerente de Enfermagem há três anos e que implantou um Modelo de Gestão no Serviço de Enfermagem na Instituição, cujo tema foi base para sua Tese de Doutorado Siqueira (2003). O Programa de Gestão de Atendimento inspirou-se neste Modelo, integrando processos entre as Recepções (áreas administrativas) e as áreas assistenciais do Hospital. O primeiro passo foi à criação da Gerência de Atendimento em Janeiro de 2006, comandada por um profissional com conhecimento técnico amplo nas áreas de assistência, das atividades do hospital e dos processos administrativos, necessários às mudanças pretendidas. Prosseguiu-se com o mapeamento e estudo dos processos da Recepção-Internação Tabela 1, com revisão de fluxos, funções e de documentos. Foram padronizados rotinas, 3

4 procedimentos e impressos nas áreas afins e criados indicadores que pudessem orientar a análise do desempenho da área. Ação Descrição Justificativa Teórica Criação da Gerência de Atendimento Implantação de rotina para o setor de Pré- Internação Reestruturação do Setor de Controle de Leitos Plano de Contingência de Ocupação Gerenciamento atrás do conhecimento Técnico-Assistencial, com foco na integração das áreas assistências e administrativas. Realizar o primeiro contato com o cliente antes da sua chegada ao hospital, com base na agenda cirúrgica e contatos com os consultórios médicos. A abordagem telefônica para obtenção de dados cadastrais ocorre em até cinco dias antes da internação. Aproveita-se, então, a oportunidade para realizar orientações gerais sobre o hospital, antecipar processos de autorizações junto às fontes pagadoras e coletar informações sobre particularidades relevantes do cliente como hábitos/restrições alimentares, de sono e repouso, movimentação, restrições quanto ao gênero do profissional cuidador. Estas informações são disparadas para áreas assistenciais e de apoio para planejamento e implementação de ações pertinentes na chegada do cliente. Duclos et al. (1995) lembram que na óptica Lean todos os componentes utilizados para produzir um bem ou serviço devem ser visíveis para os que participam do processo o que permite aos participantes aprender, controlar e melhorar o próprio processo. No âmbito de serviços, em que o cliente participa diretamente do processo de transformação, quanto maior a integração entre o provedor e o consumidor, mais fácil é a percepção daquilo que o cliente efetivamente valoriza. Responsável pela gestão de leitos do Hospital que através de um painel eletrônico integrado ao sistema de informação do Hospital, exibe on line o status de disponibilidade de cada apartamento (livre, ocupado, em higienização, bloqueado, em alta, interditado, acompanhante, isolamento, reservado). O Hospital com lotação superior a 85% de ocupação, foi necessário à elaboração de um Plano de Contingência para o planejamento de abertura de leitos não operacionais e disponibilização de recursos humanos. O plano é desencadeado pela Recepção/ Internação após análise da disponibilidade de leitos, internações e altas hospitalares previstas para os próximos dias. Além disso, todos os colaboradores do Hospital têm conhecimento da ocupação do hospital através um Sinalizador disponibilizado na Intranet, alimentado diariamente pela Recepção por cores simbolizando a ocupação atual do hospital e a prevista para o dia seguinte. Este plano evitou que os clientes (médicos e pacientes) ficassem insatisfeitos pela demora de atendimento devido à espera de leitos disponíveis e vem de encontro com a abordagem Lean que propõe desenvolver fornecedores capazes de entender de fato o problema do cliente e oferecer uma solução completa que integre todos os elementos necessários. Davis e Meyer (1998) referemse ao conceito de empacotamento para a oferta de bens e serviços que em conjunto atendem às necessidades dos clientes e afirmam que valor é criado quando cada componente da oferta já não pode existir de forma isolada. Sistema Gerenciador de Chamada para acompanhamen to e análise Implantação de um sistema oferecendo subsídios para ações que visem redução de filas e espera, como abertura de postos extras e re-direcionamento de profissionais para atendimento, distribuição da escala de Esta abordagem é consoante com o pressuposto por Arbós, (2002) e Ritzman e Krajewski, (2004) que definem as filas como resultados do desacoplamento entre a demanda e oferta, isto é, da demanda 4

5 geral dos tempos de atendimentos da Recepção/ Internação Treinamento de Emergência para Leigos Equipamentos de comunicação rápida (Rádios) trabalho para absorver demanda em dia/horário de pico, incentivo ao agendamento em dias/horários menos concorridos. Treinamento para chamada de um profissional habilitado para atendimento (Médico ou Enfermeira). variável de clientes ao longo do período e da falta de flexibilidade na alocação de empregados/postos para as diferentes tarefas. Sugerem a abordagem de um processo capaz de atuar do lado da demanda e da oferta para eliminar sua causa. Por exemplo, do lado da demanda, mecanismos para evitar os picos e incentivar uma distribuição mais uniforme; do lado da oferta, os empregados treinados para atuar em múltiplas funções e com rotatividade /flexibilidade para acompanhar as flutuações no volume de trabalho. Como afirmam Bowen e Youngdahl (1998), operações enxutas qualificam o empregado a tomar decisões e a resolver problemas. Quanto mais qualificado o empregado do primeiro atendimento, melhor o processo de consumo como um todo. Disponibilização destes equipamentos para coordenadores assistenciais, apoio e administrativos da Recepção/Internação, facilitando a transmissão das informações de maneira mais eficiente e eficaz. Tabela 1 Programa de Mapeamento dos Processos da Recepção-Internação, Ano 2006 Fonte: Gerência de Atendimento, Hospital Sírio Libanês Estas ações foram elaboradas sempre a partir de mapeamentos de processos e avaliação de sua viabilidade. A cada etapa, os colaboradores deste setor, foram treinados e se tornaram personagens chaves para que este Programa tivesse sucesso Resultados Durante as implantações foram elaborados indicadores que pudessem avaliar e analisar as implantações e a possibilidades de ajustes. A cada mês estes indicadores foram compartilhados com os colaboradores do setor, com discussões das dificuldades e necessidades de revisão de alguma etapa implantada. A seguir estão alguns indicadores do ano de 2007 que são relevantes a este artigo: Figura Relação entre o Número de Cirurgias, Agendamentos e Pré-internações Realizadas, Período de Janeiro a Dezembro de JAN FEV MAR ABRIL MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Nº de internações cirúrgicas Nº de agendamentos Nº de pré-internações realizadas 5

6 Fonte: Serviço de Internação, Gerência de Atendimento, Hospital Sírio Libanês A sensação de que o tempo do cliente não é importante está presente na maioria dos processos de consumo. As filas e os tempos de espera são sintomáticos desta realidade. Como o conceito Lean está voltado para a geração de valor para o cliente e a eliminação de desperdícios Hines et al. (2004), estes sintomas têm um tratamento especial. A chave foi desenvolver um processo que incorporasse mecanismos para evitar perdas de tempo. Assim, a pré-internação (Figura 1) fez com que o cliente despendesse menos tempo com processos burocráticos e o controle dos tempos de chamada possibilitou ações para redistribuir a demanda e redirecionar postos/pessoas para atendimento que, juntos, resultaram em diminuição do tempo total do processo admissional, como verificamos na Figura 2. Podemos concluir que as medidas adotadas surtiram efeito satisfatório já que houve uma considerável diminuição dos tempos entre a chegada do cliente e o seu encaminhamento para o apartamento, lembrando que a taxa de ocupação do Hospital tem sido em média de 85%. 26% 23% 22% 17% 19% 19% 15% 13% 79% 67% 60% 64% 67% 68% 77% 78% 79% 82% 87% 97% jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 até 30 min 31 min a 60 61min a 90min 91min a 120min mais que 121min Figura 2 Tempo Médio Total entre a Chegada do Paciente e o Encaminhamento para o Quarto por % em Faixa de Horário, Período de Janeiro a Novembro de 2007 Fonte: Serviço de Internação, Gerência de Atendimento, Hospital Sírio Libanês Verificamos na Figura 3, que com a implantação do conjunto de ações do Programa de Gestão do Atendimento, os clientes se manifestaram satisfatoriamente. Os clientes se manifestam de maneira espontânea através de um formulário próprio de manifestações, via telefone, via e- mail ou pessoal. Como afirmam Figueiredo et al. (2003), o princípio de Lean requer conhecer o que significa valor para o cliente, potenciar as atividades que contribuem com a geração de valor e, ao mesmo tempo, considerar como desperdício as atividades que não geram valor. Segundo Liker (2004), 90% das atividades que compõem um processo constituem desperdício do ponto de vista do cliente. A mentalidade Lean implica buscar continuamente maneiras de eliminar ou minimizar as etapas que constituem desperdícios. Os empregados são capacitados para melhorar continuamente os processos nos quais trabalham, conforme aponta Spear (2005). Os processos são padronizados para evitar ambigüidades e possibilidade de improviso. A cada melhoria estabelece-se um novo padrão de processo JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV Total Elogios Reclamações 6

7 Figura 3 Número de Manifestações, Elogios e Reclamações sobre o Atendimento Oferecido, Período de Janeiro a Novembro de 2007 Fonte: Call Center, Gerência de Atendimento, Hospital Sírio Libanês 4. Conclusão As mudanças são necessárias, porém devem sempre ser planejadas e estudadas. O desafio está em entender os diferentes fluxos dos serviços e como os outros processos os suportam e alinhados com as expectativas dos clientes, justificados pelo Princípio de Lean oferecer exatamente o que o paciente quer e oferecer o que o paciente quer exatamente quando ele quer. A razão de ser dos serviços de saúde e o seu fim específico singularizam este serviço entre os demais. O enfermo é a razão de ser dos serviços de saúde e a enfermidade é o estado intermediário entre a saúde e a morte (STORK, 1996). O fim específico dos serviços de saúde é restaurar a saúde do enfermo ou prevenir sua deterioração. É isto que torna este serviço único. Nestas circunstâncias, o enfermo encontra-se física e psicologicamente fragilizado e é para uma pessoa neste estado que os serviços de saúde são desenhados. Assim, oferecer exatamente aquilo que o cliente quer não pode se resumir simplesmente na disponibilização do produto ou serviço, mas deve incluir também um atendimento humanizado em que a condição fragilizada do paciente é compreendida e amparada. Sendo assim, este Programa de Gestão de Atendimento baseou-se na contínua busca da excelência, conciliando os objetivos do hospital com o ato de hospedar, sem perder de vista a especificidade do cliente. O foco principal foi agregar o valor à qualidade da assistência prestada ao cliente, não só de maneira direta, como também por meio das interfaces com os diversos setores do hospital. 6. Referência Bibliográfica ARBÓS, L. C. Design of a rapid response and high efficiency service by lean production principles: Methodology and evaluation of variability of performance, International Journal of Production Economics, Vol. 80, n. 2, p , AZEVEDO CS. Gerência hospitalar: a visão dos diretores de hospitais públicos do município do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Instituto de Medicina Social, Universidade Federal do Rio Janeiro, Rio de Janeiro BERWICK DM. Sintomas do stress no sistema de serviços de saúde, pp In DM Berwick, AB Godfrey & J Roessner. Melhorando a qualidade dos serviços médicos, hospitalares e da saúde. Makron Books, São Paulo BERWICK DM. Aplicando o gerenciamento da qualidade nos serviços de saúde, pp In DM Berwick, AB Godfrey & J Roessner. Melhorando a qualidade dos serviços médicos, hospitalares e da saúde. Makron Books, São Paulo

8 BERWICK DM. Fundamentos do gerenciamento da qualidade, pp In DM Berwick, AB Godfrey &J Roessner. Melhorando a qualidade dos serviços médicos, hospitalares e da saúde. Makron Books, São Paulo BOWEN, D. E. & YOUNGDAHL, W. E. "Lean" service: in defense of a production-line approach, International Journal of Service Industry Management, Bradford, Vol. 9, Iss. 3, p , 1998 CAMACHO JLT. Qualidade total para os serviços de saúde. Nobel, São Paulo DAVENPORT, T. H. Process innovation: reengineering work through information technology. Boston, MA: Harvard Business School Press, DAVIS, S. & MEIER, C. BLUR: the speed of change in the connected economy. Reading: Addison-Wesley, 1998 DUCLOS, L. & SIHA, S. & LUMMUS, R. JIT in services: a review of current practices and future directions for research. International Journal of Service Industry Management, Vol. 6 No. 5, p , FIGUEIREDO, K. & ESCOBAR, D & SUAREZ, M. Paixão, R. En Busca del Lean Service: Un Estúdio de Casos em Dos Compañías Aéreas, una de Brasil, outra de Europa. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 27, 2003, Atibaia. Anais Atibaia: ANPAD, HINES, P.; HOLWEG, M.; RICH, N. Learning to evolve: A review of contemporary lean thinking. International Journal of Operations & Production Management Vol. 24 Issue 10, p , IHI. Going Lean in Health Care. Institute for Healthcare Improvement. Innovation Series, LIKER, J. K. The Toyota Way: 14 Management Principles from the World s Greatest Manufacturer. New- York: McGraw Hill, MALIK, A.N. & SCHIESARI, L.M.C Qualidade na gestão local de serviços e ações de saúde. In Série Saúde & Cidadania. Ed. Fundação Petrópolis, São Paulo MINTZBERG HA. Adhocracia pp In Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. Atlas, São Paulo RITZMAN, L.P. ; KRAJEWSKI, L. J. Administração da Produção e Operações. São Paulo; Pretince Hall, 2004 SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção do ponto de vista da Engenharia de Produção. 2ª Edição, Porto Alegre: Bookman, SIQUEIRA, I.L.C. Avaliação de um Modelo Empírico de Gestão Implantado em Unidades de internação de um Hospital Privado. São Paulo, 200p. Dissertação (Doutorado). Escola de Enfermagem. Universidade de São Paulo SPEAR, S. Fixing Health Care from the Inside, Today. Harvard Business Review. September, STORK, R. Fundamentos de Antropologia, Pamplona: EUNSA, WOMACK, J & JONES, D. T. & ROOS, D. A Máquina que Mudou o Mundo. 17ª Edição, Rio de Janeiro: Campus,

1. Introdução 2. Pressupostos

1. Introdução 2. Pressupostos 1 XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP) Melhoria no Atendimento em Um Hospital Privado da Cidade de São Paulo Autores (Authors): Roberto Gilioli Rotondaro e Marina Muto 1. Introdução

Leia mais

Pompeia Santana Ipiranga

Pompeia Santana Ipiranga Pompeia Santana Ipiranga Apresentação dos Resultados Gerenciamento de Leitos Gerenciamento de leitos Significa buscar a utilização dos leitos disponíveis em sua capacidade máxima dentro dos critérios

Leia mais

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Fluxo de pacientes: melhoria de processos Coordenadora de Enfermagem Hospital Israelita Albert Einstein Unidade Morumbi Durante nossa vida...

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Formação Acadêmica Curso de Avaliação da Qualidade em Saúde Fundação Getúlio Vargas (FGV) / 2011 MBA em Administração Hospitalar e serviços de saúde Fundação Getúlio

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal)

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Lean management nelle aziende sanitarie Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Bruno Vaz Silva Anabela Almeida Miguel Castelo Branco Page 1 INTRODUÇÃO Objectivo

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Maury Leoncine 19.06.2013. Maury Leoncine

Maury Leoncine 19.06.2013. Maury Leoncine Maury Leoncine Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Extensão em Logística pela UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas). Bacharel em Administração de

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Autores: Raphaella Rodrigues de Oliveira Gerente de Hotelaria; Rafael Saad Coordenador Administrativo.

Leia mais

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias CULTURA A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias 01/10/2014 Drª Monica Pinheiro Enfª Karina Tomassini HOSPITAL ESTADUAL DE SAPOPEMBA Liderança Superintendente Maria

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

Processos de Atendimento ao Cidadão

Processos de Atendimento ao Cidadão GOVERNO PELA ÓTICA DO CIDADÃO Serviços Para a Sociedade Processos de Atendimento ao Cidadão Processos Internos de Governo A ANTIGA REALIDADE DO ATENDIMENTO AO CIDADÃO Pouco Efetivo de Servidores Apenas

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

MONITORAMENTO AUTOMÁTICO E EM TEMPO REAL DA EFICÁCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS (OEE) COMO PRÁTICA DE APOIO À MANUFATURA ENXUTA: UM ESTUDO DE CASO

MONITORAMENTO AUTOMÁTICO E EM TEMPO REAL DA EFICÁCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS (OEE) COMO PRÁTICA DE APOIO À MANUFATURA ENXUTA: UM ESTUDO DE CASO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Cruz Vermelha Brasileira

Cruz Vermelha Brasileira Cruz Vermelha Brasileira Modelo de Gestão 5As MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO CENÁRIO INSTITUCIONAL Hospital de Campanha ARC Hospital de Campanha Atendimento Pré Hospitalar

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

O Impacto do Lean Software Development na Engenharia de Requisitos de Software

O Impacto do Lean Software Development na Engenharia de Requisitos de Software Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas O Impacto do Lean Software Development na Engenharia de Requisitos de Software Eliana Santos de Oliveira Centro Estadual de Educação

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Boas Práticas de Humanização na Atenção e Gestão do Sistema Único de Saúde - SUS

Boas Práticas de Humanização na Atenção e Gestão do Sistema Único de Saúde - SUS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Política Nacional de Humanização Permitida a reprodução, no todo ou em parte, sem alteração do conteúdo e com a citação obrigatória da fonte: Política

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos.

Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos. Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos. Artigo apresentado para conclusão do curso de Pós-MBA em Gerenciamento Avançado de Projetos, na instituição

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Modelo de Redução de Custos em TI. Marcelo Udo Diretor de Operações BlackBelts S.A. marcelo_udo@blackbelts.com.br

Modelo de Redução de Custos em TI. Marcelo Udo Diretor de Operações BlackBelts S.A. marcelo_udo@blackbelts.com.br Modelo de Redução de Custos em TI Marcelo Udo Diretor de Operações BlackBelts S.A. marcelo_udo@blackbelts.com.br NA VERDADE... A Empresa MAS ANTES, UM POUCO DE LEMBRANÇA...... O profissionais de TI eram/são

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1

IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1 IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1 BRUM, Jane Lilian Ribeiro 2 ; GABATZ, Ruth Irmgard Bärtschi 3 ; ALMEIDA, Anelise Schell 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO Dr. Antonio Carlos Forte SANTA CASA DE SÃO PAULO Complexo hospitalar formado por dez unidades de assistência a

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar e-sus Hospitalar Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar Tecnologia web desenvolvido em linguagem.net Banco de dados Oracle / SQL Server Workflow designer Gerador de relatórios Reporting Services

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

ANAIS GERENCIAMENTO DE LEITOS HOSPITALARES. Espaço reservado para a comissão organizadora (não escreva nada nesta área)

ANAIS GERENCIAMENTO DE LEITOS HOSPITALARES. Espaço reservado para a comissão organizadora (não escreva nada nesta área) GERENCIAMENTO DE LEITOS HOSPITALARES Espaço reservado para a comissão organizadora (não escreva nada nesta área) Resumo: O hospital apresenta processos e estes precisam de acompanhamento contínuo com o

Leia mais

Consultoria em ambientes de saúde

Consultoria em ambientes de saúde Consultoria em ambientes de saúde Teoria ou prática? Na L+M, você tem os dois. Ambientes de saúde são sistemas complexos que precisam estar disponíveis 365 dias por ano, 24 horas por dia. São diferentes

Leia mais

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Monica Rottmann de Biazzi (DEP/EPUSP) monica.rottmann@poli.usp.br Antonio Rafael Namur Muscat

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Belo Horizonte Pop. estimada: 2.375.151 hab. (estimativas IBGE 2010) Informatização da Rede

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

1.161 6.710 1.875. Posição em Março/2015

1.161 6.710 1.875. Posição em Março/2015 2014 7 1.161 249 55 9 6.710 1.875 Posição em Março/2015 791 mil Consultas 50,5 mil Internações 60 mil Proced. Cirúrgicos e Obstétricos 4,7 Milhões Diagnóstico e Tratamento 5.570.529 Total de procedimentos

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais