A VOZ NO TELESSERVIÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VOZ NO TELESSERVIÇO"

Transcrição

1 A VOZ NO TELESSERVIÇO Sandra Oliveira 1 Thais Raize 2 Juliana Algodoal 3 Ana Elisa Moreira-Ferreira 4 Milena Quinto Marchiori 5 RESUMO Objetivo: O objetivo deste estudo é realizar uma análise qualitativa e quantitativa das publicações nacionais sobre o trabalho fonoaudiológico com o teleoperador na área de voz profissional, entre os anos de 2005 e 2007, complementando o material produzido em 2004 e Método: O método utilizado foi o levantamento das publicações, seguido da leitura de seus resumos ou de textos completos, totalizando 54 publicações analisadas por tema abordado, local e tipo de publicação. Resultados: A maior parte dos trabalhos foi publicada em anais de congresso (66,67%). Entre as publicações na área acadêmica (24,17%), 12,96% eram dissertações de Mestrado. Um aspecto interessante é a presença das primeiras publicações em mídia eletrônica (5,56%). Existe ainda um baixo número de publicação em periódicos (3,70%), o que nos preocupa, mas que pode esboçar uma tendência na busca de publicações em revistas da área. Os trabalhos relacionados à voz apresentam aspectos de promoção de saúde do teleoperador e as publicações sobre comunicação profissional começam a mostrar a atuação do fonoaudiólogo com o objetivo de atender a outras demandas do setor de telesserviços. Conclusão: Conclui-se que a área de telesserviços ainda é bastante pesquisada por fonoaudiólogos. Nossos congressos são os locais escolhidos para discussão, portanto, seus anais têm sido privilegiados com essas publicações. O número de pesquisas sobre telesserviços diminuiu em relação ao período anterior, mas houve um aumento de temas relacionados à comunicação profissional. As pesquisas sobre saúde vocal continuam em evidência, agora com o fonoaudiólogo mais inserido na Promoção da Saúde em ambiente ocupacional. O fortalecimento de leis que permeiam os telesserviços trouxe forte impacto na atuação do fonoaudiólogo, porém ainda não temos certeza se esse panorama pode ter influenciado na redução das pesquisas, bem como pode determinar os tipos de trabalhos no futuro. Palavras-chave: Telemarketing, Telesserviços, Distúrbios da Voz, Voz, Voz profissional, Promoção de Saúde, Saúde Vocal, Bem estar Vocal, Comunicação profissional, Call Center. 1 Fonoaudióloga. Mestre em Fonoaudiologia pela PUC-SP 2 Fonoaudióloga. Especialização em Voz pelo Centro de Estudos da Voz (CEV) 3 Fonoaudióloga. Doutora em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP 4 Fonoaudióloga. Mestre em Fonoaudiologia pela PUC-SP 5 Fonoaudióloga. Mestranda em Lingüística pela PUC-SP

2 INTRODUÇÃO A primeira edição desta organização de referências bibliográficas foi composta por dados coletados até 2003, cujo capítulo intitulava-se A voz do operador de telemarketing, passando pela segunda edição, até 2005, em que fatos novos aconteceram. Desde 2007, a Associação Brasileira de Telemarketing passou a chamar Associação Brasileira de Telesserviços - ABT, ano em que também começou a vigorar o Anexo II da Norma regulamentadora (NR 17) e a se discutir o Nexo Técnico Epidemiológico - NTEp. As determinações contidas nas novas legislações exigiram mudanças do mercado de telesserviços, envolvendo inclusive uma diferenciação na importância do papel do fonoaudiólogo. Historicamente, a Fonoaudiologia se inseriu nos telesserviços para atuar com saúde vocal. Em decorrência desse fato, notamos que, no início, as pesquisas levavam muito em conta a análise do perfil vocal dos operadores e trabalhos com a saúde de sua voz (acompanhamento, exercícios, palestras). O fonoaudiólogo começou a relatar suas experiências nos trabalhos de congressos e capítulos de livros. Houve, nesse sentido, uma aproximação com as áreas da ergonomia e da Promoção da Saúde. Em relação às publicações analisadas na primeira edição desse levantamento, os dados apontavam em direção a um trabalho que incluía a atuação com a comunicação oral desses profissionais, além da saúde e expressividade da voz. Em 2003, o Comitê de Telemarketing da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, elaborou um documento que esclarecia sobre as diferentes atuações do fonoaudiólogo em telesserviços, incluindo abordagens em saúde vocal, 2

3 voz profissional e comunicação oral, entre elas, o diagnóstico, a seleção, o treinamento, o acompanhamento e a reciclagem. Nesse momento, notamos a forte presença de trabalhos em congressos (45%), demonstrando que esse era um espaço escolhido e privilegiado para nossas discussões, a maioria deles desenvolvido diretamente nas empresas onde o trabalho fonoaudiológico era prestado. Também houve 11% de trabalhos sobre o assunto Telesserviços desenvolvidos na Universidade. Notava-se nessa época que a atuação sofria transformações, abria novos campos de trabalho e havia um crescimento de publicações. Em 2005, na primeira atualização das referências bibliográficas não houve uma análise das publicações, mas uma análise geral do tipo de publicação preferida pelos fonoaudiólogos, além da análise quantitativa daquele primeiro momento. Agora, em 2008, além da atualização de nossas publicações até 2007, discutiremos as mudanças que ocorreram para a Fonoaudiologia especificamente nessa área. 3

4 MÉTODO Para a construção desse capítulo foram pesquisadas todas as publicações de fonoaudiólogos brasileiros em Anais de Congresso, Instituições de Ensino, com suas produções em nível de Lato e Stricto Sensu, bem como periódicos científicos da Fonoaudiologia e áreas afins. Essa busca foi realizada pela Internet, nos sites específicos das Universidades, na BIREME, Capes e Fundacentro, entre outros. Após essa busca selecionamos os resumos das publicações realizadas entre os anos de 2005 e Após essa seleção foram lidos 54 resumos de anais de Congresso, Dissertações de Mestrado, Teses de Doutorado e artigos de revistas de forma a possibilitar as análises quali e quantitativa das publicações o que nos permitiu identificar, entre outros, os locais de preferência para as publicações durante esse período. 4

5 RESULTADOS E DISCUSSÃO O mercado de trabalho passou várias mudanças nos últimos anos, tanto para a Fonoaudiologia quanto para a área de Telesserviços. Para a Fonoaudiologia, uma mudança marcante foi a extinção do Comitê de Telemarketing. Com as alterações no Estatuto da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia SBFa., os comitês reorganizaram-se em Departamentos e o Comitê de Telemarketing foi inserido no Departamento de Voz, no Comitê de Voz Profissional, o que foi um marco para a SBFa. e um ganho para as interfaces necessárias no intuito de aprimorar nossa atuação. A atuação fonoaudiológica em telesserviços, além de dar continuidade aos estudos que enfocam a saúde da voz, tem se estendido para a fala, a linguagem, a expressividade e outras habilidades de comunicação oral, como atitudes de assertividade, dinamismo, naturalidade e auto-percepção, incluindo qualidade e dinâmica vocal na composição da expressividade oral e as escolhas lingüísticodiscursivas, como podemos verificar nas publicações discutidas a seguir. Apesar disso, alguns trabalhos ainda apontam o desconhecimento da atuação fonoaudiológica na área de telesserviços e a não atenção dos operadores para suas vozes (01-03). Como os tipos de operações de telesserviços são diversificados, com diferentes necessidades, ambientes de trabalho, fatores de risco para a saúde ocupacional e perfis de atendentes, e por ser importante conhecer essa diversidade, continuamos com pesquisas que buscam identificar dados sobre o perfil do teleoperador em diferentes aspectos da saúde: perfil vocal (04, 05 e 06), sinais e sintomas vocais (07, 08, 09, 10 e 11) e de aspectos da saúde correlacionados à voz (12, 13, 5

6 14), queixas vocais e hábitos cotidianos (9, 10) e a correlação entre essas questões e suas prováveis causas (15). Mas algumas pesquisas são bastante inovadoras, como o início de estudos da percepção do cliente sobre o perfil comunicativo do teleatendente (16 e 17), os estudos do impacto dos recursos de expressividade oral (18) e lingüístico-discursivos dos operadores em prováveis clientes (19, 20), pesquisas sobre as características do teleoperador preferidas pelos leigos (21) e até mesmo sobre as preferências dos clientes quando interagem com atendimentos eletrônicos (22). Notamos, também, como os estudos têm mostrado diferentes formas de atuação do fonoaudiólogo em telesserviços. Essa atuação está cada vez mais distante da reabilitação, mas muito mais alinhada à promoção e prevenção em saúde ocupacional. Nessa linha, começam a despontar artigos para o público em geral sobre os riscos para a saúde e seus cuidados (23, 24), e artigos científicos sobre riscos e impacto para a saúde vocal e atuação (04 e 07). Passamos a observar os riscos para estabelecimento de programas de saúde vocal (25, 26, 27), considerando-se um diagnóstico precoce. A disfonia passa a ser discutida como doença relacionada ao trabalho e de maior risco para o teleatendente (10). Em 2006, temos o documento produzido sob coordenação do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de São Paulo (CEREST-SP) que coordenou a elaboração de um documento que discute os riscos, prevenção e disfonia como doença ocupacional em diversos profissionais, entre eles, os teleoperadores. Continuam sendo publicados estudos sobre a prevenção de alterações vocais (28) e três trabalhos citam a Promoção de Saúde (03, 08 e 28) como área de atuação do fonoaudiólogo. Apesar de o tema bem-estar vocal ser bastante 6

7 atual e expressar a necessidade de cuidados com a voz, notamos que ainda não há trabalhos citando esse termo. Pensando na exposição de teleoperadores com alterações vocais ou laríngeas ao risco de piora do quadro disfônico, empresas passaram a ter a participação do fonoaudiólogo nos processos de seleção e a instituir a avaliação vocal e/ou laringoscópica (29, 30) como exames da rotina admissional. Ainda sobre o processo de admissão, temos outro estudo que discute, inclusive, a aptidão ou inaptidão do teleoperador para o trabalho (11). As ações para minimizar esse risco são discutidas por muitos trabalhos que abordam as intervenções de treinamento em saúde vocal (27, 31, 32) ou programas de prevenção e conservação vocal (25, 26), bem como as formas de mensurar seus resultados (27) e os efeitos de exercícios vocais (33). Mas os estudos se lançam numa discussão mais ampla quando trazem a atuação fonoaudiológica inserida em políticas de gestão da saúde (34, 35), num trabalho multidisciplinar (36) e com visão na qualidade de vida dos teleoperadores (37 e 38). Além de apresentar ações do fonoaudiólogo em bem-estar vocal, outros estudos trazem experiências mais recentes do contato do fonoaudiólogo com aspectos da comunicação profissional, avaliando a performance comunicativa e o desempenho do operador (39, 40, 41), a interação com o cliente (42) e analisando e intervindo na expressividade vocal e de fala (02, 06, 43, 44, 45, 46, 47). Para trabalhar com esses e outros conceitos, estudos citam diferentes formas de atuação do fonoaudiólogo, tais como: avaliação no processo de admissão (11, 29, 30), trabalhos de assessoria (48, 49, 50) e treinamentos, palestras e orientações (01, 08, 51, 52) são muito citados. Também mencionam, como formas de intervenção, a monitoria 7

8 com feedback fonoaudiológico, as oficinas e os lembretes deixados nas posições de atendimento (PA) (53). O amadurecimento da Fonoaudiologia na prestação de serviços ainda se reflete no interesse em discutir a necessidade de nossas ações estarem alinhadas às práticas internas das empresas (54). Do ponto de vista quantitativo, observamos que ainda há maior índice de publicações em Anais de Congressos, num total de 66,67% conforme notamos na figura 1: Figura 1 Distribuição das publicações por categoria Além desse grande número de publicações em anais, notamos que 24,17% dos fonoaudiólogos têm realizado suas pesquisas na área de Telesserviços em âmbito acadêmico, isto é, colegas produzindo por meio de trabalhos de conclusão de curso, especializações, mestrado ou doutorado. Em destaque as dissertações de mestrado que englobam 12,96% desse total. Outro aspecto interessante é a presença de publicações em mídia eletrônica (5,56%), fato que não contava anteriormente. 8

9 Ao analisarmos a variação do número de publicações a cada ano observamos que houve estabilidade sendo que entre 2005 e 2007, os fonoaudiólogos, anualmente, publicaram, considerando-se todas as formas de publicação, a mesma quantidade, isto é, 33,33%, conforme observamos na figura 2: Figura 2 Distribuição das publicações por ano Uma mudança nessa área foi sua nomenclatura, que passou de telemarketing, para telesserviços, passando por vários nomes citados nos trabalhos, como: teleatendimento (14, 34, 45) e telesserviços (8). Há quem também nomeie de Central de Atendimento ou Call Center. Em contra partida, também encontramos, para os profissionais que desempenham essa função, as denominações teleatendente, operador de telemarketing, teleoperador, agente, atendente, entre outras. Toda essa diversidade de nomenclatura é coerente com a problemática da área e a necessidade identificada pela própria Associação Brasileira de Telesserviços (ABT), de assumir novo nome para poder, por um lado, englobar todos os tipos de serviços oferecidos pelo telefone e, por outro, minimizar o impacto 9

10 do nome telemarketing que carrega consigo o significado de relacionar-se às operações ativas de vendas. Além dessa mudança de designação proposta pela ABT, duas leis atingem diretamente a área dos Telesserviços. O Anexo II da NR 17, publicado em 30/03/2007, foi elaborado especificamente para regulamentar e normatizar os aspectos ergonômicos das centrais, com o intuito de promover cuidado com a saúde e bem-estar dos profissionais que atuam em Telesserviços. O Anexo II trouxe uma série de mudanças diretas para a atuação do fonoaudiólogo. É importante conhecermos algumas dessas mudanças que impactam em nossa atuação, tais como: determinação de cargas horárias mínimas para treinamento com temas prédeterminados, a obrigatoriedade de informar sobre riscos e doenças, implantação de headset não compartilhado e da distância padrão até os bebedouros, estabelecimento de pausas específicas para o descanso. Ao mesmo tempo em que beneficia os operadores com ações saudáveis, o Anexo II da NR17 limita o conteúdo das informações a temas relacionados à prevenção de doenças, anulando a atuação focada na Promoção de Saúde. Outro reflexo diz respeito a realização de exercícios de aquecimento vocal, orientando que, a empresa pode oferecer o serviço de Fonoaudiologia e de Fisioterapia para todos os seus funcionários, mas o teleoperador não deve ser sentir obrigado a realizar nenhuma atividade desse tipo. A outra modificação na legislação que traz impacto para quem atua em telesserviços é o Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário, NTEp, em vigor desde abril de O NTEp é um mecanismo que relaciona determinada doença às atividades de maior incidência. No caso de teleoperadores as três doenças com maior incidência, descritas no Anexo II da NR 17, são as mentais, as lesões por esforço repetitivo e as disfonias, nessa respectiva ordem. Hoje sabemos que com o 10

11 NTEp, a Previdência definirá o Fator Acidentário de Prevenção (FAP) que passará a vigorar em Atualmente, as empresas recolhem de 1% a 3% do valor de suas folhas de pagamento como contribuição ao Seguro Acidente do Trabalho (SAT) (55). O objetivo dessa alternativa é estimular a empresa premiando-a, no intuito de investir em segurança e reduzir suas ocorrências. Nesse caso, ela contribuirá com o menor valor SAT, enquanto a empresa com maior FAP continuará pagando uma alíquota maior. Em virtude de serem recentes as modificações na legislação, não existem publicações na Fonoaudiologia que abordem o impacto das mudanças trazidas pela implantação da Norma Regulamentadora ou do NTEp. 11

12 CONCLUSÃO Com o presente levantamento, conclui-se que os Anais de congressos são os locais mais escolhidos para publicações, portanto, a participação do profissional fonoaudiólogo que trabalha em empresas tem privilegiado esse espaço científico como um local de discussão. Parece que o tema telesserviços tem diminuído em número de pesquisas, mas acreditamos que isso ocorra por uma mudança de mercado e adaptação das próprias empresas à nova legislação. Por outro lado, vemos o mercado da fonoaudiologia voltada para empresa expandir-se. Trabalhamos cada vez mais com o aprimoramento da comunicação oral de representantes de empresas na área comercial, diretorias e executivos. Em telesserviços, as publicações levantadas neste capítulo demonstram o interesse dos fonoaudiólogos pela área, sua amplitude de atuação e os múltiplos olhares sobre a comunicação oral, voz profissional e saúde vocal dos operadores. Outro ganho para nossa ciência é o movimento que se vê na inserção do fonoaudiólogo como promotor de saúde, nos processos seletivos e admissionais, nos programas de capacitação e aprimoramento dos operadores, desempenhando um papel importante na sociedade: o de integrar estratégias de boa comunicação às metas de qualidade de vida de profissionais e empresas. As novas legislações também estão incentivando empresas para assumirem novas práticas de responsabilidade junto à qualidade de vida de seus operadores. Algumas dessas novas tendências são claras em nosso levantamento, outras apenas apresentam-se como um esboço. Quem sabe em nossos próximos levantamentos possamos observar fonoaudiólogos totalmente inseridos nesse mundo empresarial. 12

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Pontes SAGF, Melo FMG, Cordeiro VMA, Lopes AKF, Cunha DA, Silva HJ. A importância de orientação fonoaudiológica aos teleoperadores. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Pôster. 2. Antunes A, Pires M, Viviano N, Ferreira LP, Algodoal J. Condições de produção vocal em operadores de telemarketing. In: IV Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP; 2005 Jun 04; São Paulo: PUC. 3. Ferreira LP, Andrada e Silva MA, Caraça EB, Almeida AC. Assessoria Fonoaudiológica: Análise de um Processo de Construção entre o Fonoaudiólogo e o Operador de Telemarketing. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 4. Silva, R.M., Algodoal, M.J. Condições de produção vocal no telemarketing: avaliação do operador e do fonoaudiólogo. In: IV Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP; 2005 Jun 04; São Paulo: PUC. 5. Fortes FSG, Imamura R, Tsuji DH, Sennes LU. Perfil dos profissionais da voz com queixas vocais atendidos em um centro terciário de saúde. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia; 2007; 73 (1): Scarpa I, Rachid P, Gayotto LH. Recursos vocais: Quais os usos mais indicados e/ou exigidos de profissionais - Cantores, atores, locutores, professores e operadores de telemarketing. In: V Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP; 2006 Set 16; São Paulo: PUC. 7. Rechenberh L. Prevalência de sintomas vocais em operadores de telemarketing. [dissertação mestrado]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Raize T, Algodoal J, Oliveira S, Borrego MC, Antunes A. Análise da autopercepção vocal e de sinais e sintomas vocais em teleoperadores. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 13

14 9. Sanábio LMSS. Hábitos e queixas vocais de operadores de telemarketing: uma análise de 78 sujeitos. [monografia de conclusão de curso]. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida; Vasconcelos JM, Brito MCP, Bernardini FM, Aguiar MAM. Percepção dos clientes de operadoras de telefonia celular quanto à entonação do teleoperadores. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 11. Lourenço L, Ribeiro R. Perfil de Atendimentos Fonoaudiológicos em Empresa de Saúde Ocupacional com Foco em Profissionais da Voz. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 12. Mattana A, Oliveira SMRP. Identificação de possíveis sinais de refluxo gastroesofágico em operadores de telemarketing. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Pôster. 13. Souza e Souza ACF, Oliveira VC, Souza AC, Gonçalves GC. Caracterização entre hábitos e queixas vocais em um serviço de telemarketing em Salvador. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 14. Vasconcelos ES, Boness CHM. Perfil vocal de teleoperadores de uma central de teleatendimento não comercial. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Categoria: Pôster. 15. Akutsu CM, Ferreira LP, Viviano NAG, Luciano P. Condições de produção vocal de teleoperadores: Correlação entre questão de saúde, hábitos, sintomas vocais e prováveis causas. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da 14

15 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 16. Moreira-Ferreira AE, Ferreira LP. Correlação entre recursos vocais e percepção da agradabilidade do ponto de vista do cliente. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 17. Moreira-Ferreira AE, Ferreira, LP. Correlação entre recursos vocais e percepção da agradabilidade do ponto de vista do cliente em atendimento de telemarketing receptivo. In: V Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP; 2006 Set 16; São Paulo: PUC. 18. Moreira-Ferreira AE. Recursos de expressividade oral e lingüístico-discursivo de operadores de telemarketing: relação com a sensação gerada em prováveis clientes e o desempenho profissional. [dissertação mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Vasconcelos JM, Brito MCP, Bernardini JRFM, Aguiar MAM. Percepção dos clientes de operadoras de telefonia celular quanto à entonação dos teleoperadores. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia. Categoria: Pôster. 20. Moreira-Ferreira AE, Ferreira LP. Relação entre recurso de expressividade oral e lingüístico-discursivo de operadores de telemarketing e a sensação de atitude gerada em prováveis clientes. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 21. Souza DP. Análise das características de comunicação oral preferidas por leigos e fonoaudiólogos em ligações de vendas de sucesso. [monografia especialização]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Moreira-Ferreira AE, Dragone ML. Recursos de voz e de fala preferidos na interação homem-máquina nos atendimentos eletrônicos em call center. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da 15

16 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 23. Algodoal J. Cuidados com a voz são essenciais. [acesso em 26 de maio de 2008]. Visualização: =matintegra&matid= Teixeira V. Aprenda a garantir a saúde vocal. Artigo Call Center. [acesso em 26 de maio de 2008]. Visualização: 25. Alves AJ, Ponce AA, Melo FB, Fonseca FQ, Fraga J, Medved DS. Programa de prevenção de disfonias e treinamento vocal em operadores de telemarketing da Polícia Militar de uma cidade. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Categoria: Pôster. 26. Moreira-Ferreira AE, Contribuição do programa de conservação vocal no desempenho profissional do operador de telemarketing. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 27. Oliveira AG. O uso do questionário Sintomas Vocais SV na avaliação da efetividade de um programa de treinamento vocal para operadores de telemarketing. [monografia especialização]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Barrichelo V, Cukier-Blaj S, Leão S. Impressões de Teleoperadores acerca do Impacto de um Treinamento em sua Voz e Comunicação com o Cliente. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 29. Yamasaki R, Takeuti M, Santoro P, Hachiya A, Nita LM. Análise vocal e laringológica de candidatos a operadores de telemarketing. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 16

17 30. Rolim MR, Soares M, Capella NM, Ortellado DK. Gerente MM. Achados videolaringoestroboscópicos em indivíduos admissionais de telemarketing com voz alterada. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 31. Arruda AGO. A efetividade de um programa de treinamento vocal para operador de telemarketing. [tese doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina; Oliveira SP, Reis DM. A eficácia do treinamento fonoaudiológico para operadores de telemarketing. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 33. Gastão TLS. Análise morfológica do músculo tireoaritenóideo: uma contribuição preliminar para a otimização da voz a partir da aplicação do exercício. [monografia de conclusão de curso]. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida; Oliveira S. Políticas de Gestão e Saúde em Teleatendimento: das telefonistas aos teleoperadores. [dissertação mestrado]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Penteado RZ, Chun RYS, Silva RC. Do higienismo às ações promotoras de saúde: a trajetória em saúde vocal. Revista Distúrbios da Comunicação, 2005; 17(1): Guirau ARA. Ação fonoaudiológica com olhar da saúde integral do colaborador e integração com equipe multidisciplinar nas empresas. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 37. Freitas R. Atendimento ao cliente Qualidade vocal, saúde emocional. [acesso em 26 de maio de 2008]. Visualização: 17

18 38. Brito CMCP, Vasconcelos JM, Duarte GM. Avaliação da qualidade de vida de recepcionistas/telefonistas, vendedores e operadores de telemarketing de empresa do Recife PE. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Pôster. 39. Lobo F, Rech K, Karelisky M, Cordas S. Análise da performance comunicativa de operadores de telemarketing. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 40. Modesto DS, Ferreira LP. Análise do atendimento de teleoperadores ativos e receptivos na opinião de fonoaudiólogo, supervisor e cliente. In: V Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP. São Paulo, Nakamura F, Ferreira LP. Análise do atendimento de teleoperadores que atuam em setor de informação na opinião de fonoaudiólogos, supervisor e cliente. In: V Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC SP. São Paulo, Lau CRJ. As interações no telemarketing ativo de cartões de crédito: da oferta velada à rejeição. [dissertação mestrado] Rio Grande do Sul: Universidade do Vale do Rio Grande dos Sinos; Almeida ACB, Andrada e Silva MA. A comunicação do teleoperador: A expressividade como ferramenta de intervenção. In: V Mostra de estudo e pesquisa em voz da PUC-SP. São Paulo, Souza CC. Identificação e caracterização da expressividade de vendedoras de planos de saúde no momento da negociação. [dissertação mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Pimentel AT. Teleoperadoras ativas: estresse e expressividade oral. [dissertação mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Faria DM, Guimarães MASV, Garcia FM. Expressividade vocal em adolescente no telemarketing. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Apresentação oral. 18

19 47. Brito Filho LF. O perfil de fala do operador de telemarketing ativo. [monografia de conclusão de curso]. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida; Almeida DB, Pimentel AT. Implantação do serviço de Assessoria Fonoaudiológica numa central de teleatendimento ativo. Experiência na graduação. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Categoria: Pôster. 49. Pimentel AT, Almeida DB. Implantação do serviço de assessoria fonoaudiológica numa central de teleatendimento ativo de uma instituição filantrópica de Salvador-BA. Experiência na graduação. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Categoria: Pôster. 50. Pimentel AT, Ribeiro HP. ''Sou muito chic porque tenho uma fonoaudióloga'' Práticas fonoaudiológicas numa central de teleatendimento ativo numa instituição filantrópica de Salvador-BA. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Categoria: Pôster. 51. Algodoal J, Alloza RG, Berenstein A L S, Ferreira A E M, Gelardi V C, Guirau A R A, et al. Atuação fonoaudiológica em Comunicação Profissional - Call Center. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Pôster. 52. Borrego MC, Carlini AC, Reis D, Algodoal J, Oliveira SM. Atuação fonoaudiológica em comunicação profissional: aspectos considerados na elaboração de um treinamento. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Categoria: Pôster. 53. Moreira-Ferreira AE, Moraes M. Programa de Monitoria para aperfeiçoamento da Comunicação em um SAC. In: II Encontro Nacional do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2007 Jun 29-30; São Paulo: B Nai Brit. 19

20 54. Gião PR. Estratégia em Call Centers: analisando o alinhamento com as práticas e tecnologias internas. [dissertação mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 55. FERREIRA M Jr. Promoção da Saúde para operadores de teleatendimento. In: Seminário Saúde Ocupacional - Operadores de Call Center. São Paulo: Centro Brasileiro de Segurança e Saúde Industrial (CBSSI);

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO Associação Paulista de Medicina Associação Paulista de Medicina do Trabalho Reunião Técnica TRABALHO EM TELEATENDIMENTO João Silvestre Jr joaossj@gmail.com twitter.com/joaosilvestrejr São Paulo, maio de

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

A VOZ NO TELESSERVIÇO

A VOZ NO TELESSERVIÇO A VOZ NO TELESSERVIÇO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Sandra Oliveira 1 Juliana Algodoal 2 Ana Cristina Alves Costa 3 Algodoal, J. O fonoaudiólogo integrando o processo

Leia mais

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso.

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso. A Voz do Religioso Izabel Cristina Viola 1 Maria Laura Wey Märtz 2 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2008-2012, que versam sobre o uso da

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny R. Kyrillos 1 Cláudia Cotes 2 RESUMO A Fonoaudiologia atua junto aos profissionais do telejornalismo desde a década de 80. No início tal atuação baseou-se na experiência prática.

Leia mais

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Fonoaudióloga graduada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialização em voz pela Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão

Leia mais

Para o participante: desenvolver suas competências de educador para a melhora do processo de monitoria como recurso de desenvolvimento de pessoas.

Para o participante: desenvolver suas competências de educador para a melhora do processo de monitoria como recurso de desenvolvimento de pessoas. OBJETIVO Desenvolver em supervisores, coordenadores e monitores de Call Center, a percepção para uma escuta qualitativa, aperfeiçoando suas habilidades de audição ativa e criativa no processo de monitoria.

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

Fonoaudióloga. Especialização em Voz pelo Centro de Estudos da Voz.

Fonoaudióloga. Especialização em Voz pelo Centro de Estudos da Voz. COLABORADORAS Alessandra Sayuri Tutya Fonoaudióloga. Especialização em Voz pelo Centro de Estudos da Voz. Ana Elisa Moreira-Ferreira Pontifícia Universidade Católica de Cláudia Cotes Pontifícia Universidade

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

Curso Intensivo. Marketing Pessoal

Curso Intensivo. Marketing Pessoal Curso Intensivo Marketing Pessoal O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando proporcionar

Leia mais

CASE 2010 EMPRESA: ITAÚ-UNIBANCO; ENVOLVIDOS: 1727 FUNCIONÁRIOS EM JUL 2010; ÁREAS: SAC / BANKFONE / ATC / INVESTFONE;

CASE 2010 EMPRESA: ITAÚ-UNIBANCO; ENVOLVIDOS: 1727 FUNCIONÁRIOS EM JUL 2010; ÁREAS: SAC / BANKFONE / ATC / INVESTFONE; - FONOAUDIOLOGIA CASE 2010 EMPRESA: ITAÚ-UNIBANCO; ENVOLVIDOS: 1727 FUNCIONÁRIOS EM JUL 2010; ÁREAS: SAC / BANKFONE / ATC / INVESTFONE; PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL: IMPLANTADO EM AGOSTO 2005. DADOS RELEVANTES

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga R u a : L u c a s d e O l i v e i r a, 4 9 s a l a 601 C e n t r o N H R S - C E P : 9 3 5 1 0-110 B r a s i l e i r a, S o l t e i r a, s e m f i l h o s N a s c. : 2 5 /

Leia mais

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Seminário sobre a Norma Regulamentadora 17- Fundacentro- 23/11/2010 Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Autoria: Lys Esther Rocha As relações de trabalho

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny Rodrigues Kyrillos (1) RESUMO O presente trabalho é a compilação e a organização dos trabalhos científicos publicados nos formatos de artigos, capítulos de livro, trabalhos

Leia mais

A VOZ NO TELESSERVIÇO

A VOZ NO TELESSERVIÇO A VOZ NO TELESSERVIÇO Ana Elisa Moreira-Ferreira 1 Juliana Algodoal 2 RESUMO O objetivo do presente trabalho foi realizar o levantamento das produções e publicações acadêmicas e científicas desenvolvidas

Leia mais

CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center

CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center CASE HSBC Aplicação do Método OCRA na Promoção da Saúde em Call Center Objetivos Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho; Estimular melhoria no Clima Organizacional; Prevenção do adoecimento; Redução

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Oficina 3. 29 de Novembro de 2008

Oficina 3. 29 de Novembro de 2008 Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 3 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DE BANCOS E TELEATENDIMENTO Débora Raab Glina 29 de Novembro de

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO)

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2007

PROJETO DE LEI N o, DE 2007 PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Dos Srs. JORGE BITTAR e LUIZ SÉRGIO) Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT-, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5452, de 1º de maio de 1945, para dispor sobre as condições

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 Ementa: Realização de PCMSO por Enfermeiro e Técnico de Enfermagem. 1. Do fato Solicitação de parecer sobre a realização de Programa

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira RECRUTAMENTO E SELEÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira Os objetivos deste artigo são mostrar a importância do recrutamento

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO A VOZ DO RELIGIOSO Izabel Cristina Viola 1 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2005-2007, que versam sobre o uso da voz por religiosos de todos

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA FONOAUDIÓLOGO SORRI-BAURU - AGOSTO/ 2014

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA FONOAUDIÓLOGO SORRI-BAURU - AGOSTO/ 2014 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA FONOAUDIÓLOGO SORRI-BAURU - AGOSTO/ 2014 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação de

Leia mais

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves *Trabalho apresentado no VIII Congresso Latino Americano de Terapia Ocupacional Lima - Peru, abril

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO Antonio Carlos Castellar de Castro Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF RESUMO O advento do Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP em 01/01/2004 no nosso

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Propiciar ambiente favorável para a prática da competência comunicativa específica para os relacionamentos em telesserviços.

Propiciar ambiente favorável para a prática da competência comunicativa específica para os relacionamentos em telesserviços. OBJETIVO Incentivar o operador de telesserviços a trabalhar sua competência comunicativa, aperfeiçoando sua linguagem, voz, fala e atitude, refletindo em excelência no relacionamento com o cliente e resultando

Leia mais

6, 7 e 8 de novembro de 2008 Sede da AMMG Belo Horizonte - MG

6, 7 e 8 de novembro de 2008 Sede da AMMG Belo Horizonte - MG 6, 7 e 8 de novembro de 2008 Sede da AMMG Belo Horizonte - MG ! " # Flávio César Frade Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde e Trabalho UFMG Algumas foram danificadas no correio; outras chegam por

Leia mais

FAP2 ROTEIRO PRÁTICO PARA CONTESTAÇÃO DO FAP 2014 P2014

FAP2 ROTEIRO PRÁTICO PARA CONTESTAÇÃO DO FAP 2014 P2014 FAP2 AP201 FAP ROTEIRO PRÁTICO P2014 FAP 2014 O Fator Acidentário de Prevenção (FAP) altera o Risco Ambiental do Trabalho (RAT), podendo majorar ou reduzir a alíquota de tarifação individual da empresa

Leia mais

As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde

As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde XIV Congressso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia III Encontro Nacional das Ligas de Geriatria e Gerontologia As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Dia 20/01/2012 Sexta Feira Na Associação Paulista de Medicina. ATIVIDADE TEMA DA ATIVIDADE ( Observação

Leia mais

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

TNT Cargas e Encomendas Expressas

TNT Cargas e Encomendas Expressas TNT Cargas e Encomendas Expressas Introdução Ação: Programa Road Safety Período: outubro de 2011 - atual Responsável pela ação: Setor de Treinamento de Motoristas E-mail: emerson.lima@tntbrasil.com.br

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Claudia Tenor Secretaria Municipal de Educação de Botucatu e-mail: anatenor@yahoo.com.br Comunicação Oral

Leia mais

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008 Mônica Yassuda Mônica Sanches Yassuda Gerontologia EACH USP EACH USP Ambulatório de Psicogeriatria

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ.

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ. TÍTULO: MESTRADO PROFISSIONAL E A ESTRUTURAÇÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM UMA UNIDADE DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE DA FAMÍLIA DE GOIÂNIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA;

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

II FOMPE - 2015. Fórum dos Mestrados Profissionais em Educação

II FOMPE - 2015. Fórum dos Mestrados Profissionais em Educação Fórum dos Mestrados Profissionais em Educação Juiz de Fora, 13 e 14 abril de 2015 DOCUMENTO II FOMPE Esse documento foi elaborado durante a reunião do II Fórum Nacional dos Mestrados Profissionais em Educação

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO

Leia mais

Análise do Discurso de Operadores de Teleatendimento sobre as condições de trabalho em uma central de atendimento

Análise do Discurso de Operadores de Teleatendimento sobre as condições de trabalho em uma central de atendimento Teresa M. Momensohn-Santos Marielaine I.M. M.Gimenes Valeria R C Moura Unitermos: Saúde Ocupacional Ruído Qualidade de Vida Análise do Discurso de Operadores de Teleatendimento sobre as condições de trabalho

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão "vendendo o serviço".

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão vendendo o serviço. Consultoria Virtual Pergunta Bom Dia! Sou representante da Empresa junto ao INSS - sistema de convenio. Entendendo que é um direito da empresa obter todo conhecimento necessário referente aos eventos previdenciários

Leia mais

Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos

Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos 1 Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos Resultados A SulAmérica e o Saúde Ativa Ações para Adesão Nova fase Adesão e Engajamento Experiência da SulAmérica Programas

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM ESCOLAS 1

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM ESCOLAS 1 ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM ESCOLAS 1 Adriana Naves Resende Ribeiro 2 Resumo: O artigo relata sobre a atuação fonoaudiológica na escola normal e especial, delineando de sua realidade na escola. A fonoaudiologia

Leia mais

9º Congresso de Pesquisa ASSESSORIA FONOAUDIOLÓGICA EDUCACIONAL DESENVOLVENDO A ESCRITA PENSANDO O AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE.

9º Congresso de Pesquisa ASSESSORIA FONOAUDIOLÓGICA EDUCACIONAL DESENVOLVENDO A ESCRITA PENSANDO O AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE. 9º Congresso de Pesquisa ASSESSORIA FONOAUDIOLÓGICA EDUCACIONAL DESENVOLVENDO A ESCRITA PENSANDO O AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE. Autor(es) RENATA CHRYSTINA BIANCHI DE BARROS Co-Autor(es) KELLY CRISTINA

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO

EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO De acordo com o disposto no Regulamento de Processo Seletivo, devidamente registrado no 1º OFICIAL DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão de Recursos Humanos 1ª Série Comportamento Organizacional A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais