Uma contribuição para o entendimento do uso das ferramentas de corporate performance management (cpm) no sistema de contabilidade gerencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma contribuição para o entendimento do uso das ferramentas de corporate performance management (cpm) no sistema de contabilidade gerencial"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO CÉLIO RORATO JUNIOR Uma contribuição para o entendimento do uso das ferramentas de corporate performance management (cpm) no sistema de contabilidade gerencial MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS E FINANCEIRAS PUC SP SÃO PAULO 2012

2 CÉLIO RORATO JUNIOR UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENTENDIMENTO DO USO DAS FERRAMENTAS DE CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT (CPM) NO SISTEMA DE CONTABILIDADE GERENCIAL MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS E FINANCEIRAS Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Contábeis e Financeiras, sob a orientação do Prof. Dr. Napoleão Verardi Galegale. PUC SP SÃO PAULO 2012

3

4 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Napoleão Verardi Galegale Orientador Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP Prof. Dr. Louremir Reinaldo Jeronimo Fundação Getúlio Vargas FGV-SP Prof. Dr. Carlos Hideo Arima Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP

5 Dedico este trabalho à minha esposa Lídia e aos meus filhos Fernanda e Guilherme, que muito me apoiaram e me compreenderam na realização deste trabalho.

6 AGRADECIMENTOS À minha esposa Lídia e aos meus filhos Fernanda e Guilherme que, durante todo esse período, tiveram muita paciência e compreensão, me incentivando para a realização de mais esse projeto em minha vida. Aos meus pais Célio e Aparecida que, durante a minha vida, forneceram a base para tudo o que eu consegui realizar até agora. Ao meu orientador, Prof. Dr. Napoleão Verardi Galegale, sempre paciente e correto, meu profundo agradecimento pela indicação do melhor caminho a seguir. Aos professores membros da banca de avaliação, Prof. Dr. Louremir Reinaldo Jeronimo e Prof. Dr. Carlos Hideo Arima, que cordialmente se propuseram a avaliar o resultado deste trabalho. Um agradecimento especial ao Prof. Dr. Louremir Reinaldo Jeronimo, pelo suporte prestado na parte estatística deste trabalho. Expresso, ainda, toda a minha gratidão às empresas que permitiram a realização deste trabalho, respondendo o questionário da pesquisa. No entanto, devido ao compromisso de confidencialidade assumido perante todos, fico impossibilitado de enumerar os nomes aqui. O último mas não menos importante agradecimento, vai para a CSU Cardsystem, na pessoa do diretor Ricardo Ribeiro Leite, que permitiu e apoiou a realização deste trabalho. Meu sincero muito obrigado a todos!

7 RESUMO Esta dissertação buscou investigar como objeto de estudo o uso das ferramentas de Business Intelligence (BI), mais especificamente as que suportam o conceito de Corporate Performance Management (CPM) pelas empresas brasileiras. Usadas como uma tecnologia na forma de sistemas de informação de apoio à decisão (SADs) e de informação executiva (SIEs), pelo sistema da Contabilidade Gerencial. A metodologia baseou-se na fundamentação teórica da Contabilidade Gerencial como instrumento da Controladoria para fornecimento de informações para a tomada de decisão; no relacionamento dos sistemas de informação com a Contabilidade Gerencial; e na conceituação de BI e CPM através de pesquisa bibliográfica. Realizou-se um estudo quantitativo-descritivo, que foi conduzido por meio de uma pesquisa empírica com 22 empresas, usando um questionário respondido pelos profissionais da área de Controladoria e de BI, que usam as ferramentas que suportam o conceito de CPM. Como resultado se concluiu que estas ferramentas facilitam mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial com níveis de extensão diversos e que as empresas estão priorizando os módulos das ferramentas de Planejamento Financeiro e de Consolidação Financeira. Encontrou-se, também, que empresas com sistemas que apoiam o conceito de CPM possuem um desenho do sistema de Contabilidade Gerencial de amplo escopo, e se preocupam com as características da tempestividade e agregação/integração. Palavras-chave: Business Intelligence. Corporate Performance Management. Contabilidade Gerencial. Sistemas de Informação.

8 ABSTRACT The object of study is the use of the tools of Business Intelligence (BI) more specifically those tools that support the concept of Corporate Performance Management (CPM) by Brazilian companies. Used as a form of technology in information systems for decision support (DSS) and Executive Information (IES) by the system of Management Accounting. The methodology was based on the theoretical foundations of Management Accounting as an instrument of the Controllership to provide information for decision-making; in the relationship of information systems with the Management Accounting; and the concept of BI and CPM through literature. We performed a research that is descriptive and uses a quantitative approach, using a questionnaire answered by the professionals of the Controllership and BI that use tools that support the concept of CPM. The sample consists of 22 companies. As a result it was concluded that the tools that support the concept of CPM facilitate changes in the management accounting tasks with different levels of extension and that companies are prioritizing the modules of the tools of Financial Planning and Financial Consolidation. We also found that companies with systems that support the concept of CPM have a design of the broad scope of management accounting, and worry about the timeliness and characteristics of the aggregation / integration. Keywords: Business Intelligence. Corporate Performance Management. Management Accounting. Information Systems.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Metodologia da Pesquisa Figura 2 Relação entre o Processo Decisório e o Processo de Controle Figura 3 Modelo de Sistema de Informação Figura 4 Níveis em que se encontram as Informações Figura 5 Figura 6 Figura 7 Figura 8 Localização dos Sistemas de Informações em Relação à Hierarquia das Informações... Framework Teórico para Pesquisa em Contabilidade Gerencial e Sistemas de Informações Integradas... Framework de Mauldin e Ruchala para Pesquisa em Sistemas de Informações Contábeis... O Ciclo Fechado em uma Abordagem de Gestão de Desempenho em Negócios... Figura 9 Processo de CPM Figura 10 A Pirâmide do CPM Figura 11 Etapas para a Pesquisa Final Figura 12 Entendimento da Aplicação das Ferramentas de CPM no Processo de Gestão Econômica Financeira

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Instrumentos Disponibilizados aos Gestores pela Controladoria Quadro 2 Diferenças entre BI tradicional e BI para o CPM... 79

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Cargos dos Respondentes Tabela 2 Áreas dos Respondentes Tabela 3 Experiência dos Respondentes na Área de Finanças Tabela 4 Setor de Atividade das Empresas Tabela 5 Nível do Faturamento Anual das Empresas Tabela 6 Número de Funcionários das Empresas Tabela 7 Tempo de Utilização das Ferramentas de CPM Tabela 8 Fornecedores das Ferramentas de CPM das Empresas Tabela 9 Origem do Capital Tabela 10 Práticas de Contabilidade Gerencial usadas pelas Empresas Tabela 11 Escopo da Informação Tabela 12 Escopo da Informação, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado Tabela 13 Tempestividade Tabela 14 Tempestividade, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado Tabela 15 Agregação e Integração Tabela 16 Agregação e Integração, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado Tabela 17 Ferramentas Utilizadas pelas Empresas Tabela 18 Tabela 19 Ferramentas Utilizadas pelas Empresas, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado... Ferramentas Utilizadas pelas Empresas que Parecem ter Alcançado certo grau de Amadurecimento Quanto ao Uso... Tabela 20 Tarefas de Cobertura Organizacional Tabela 21 Tarefas de Cobertura Organizacional, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado... Tabela 22 Tarefas de Geração de Relatórios e Análises Tabela 23 Tabela 24 Tabela 25 Tarefas de Geração de Relatórios e Análises, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado.... Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc... Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado

12 Tabela 26 Tabela 27 Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado.... Tarefas de Coleta de Dados, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado... Tabela 28 Tarefas de Orçamento Tabela 29 Tarefas de Orçamento, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado Tabela 30 Tabela 31 Tarefas de Alocação de Custos, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado.... Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças Facilitadas nas Tarefas da Contabilidade Gerencial pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM para o GRUPO 1... Tabela 32 Intervalo de Quartis GRUPO Tabela 33 Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças Facilitadas nas Tarefas da Contabilidade Gerencial pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM para o GRUPO 2... Tabela 34 Intervalo de Quartis GRUPO Tabela 35 Distribuição das Tarefas quanto ao Nível de Extensão ao longo dos Quartis no Ranking

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABC ABM BAM BI BNDES BoB BP&F BPM BSC CFO CIMA CPM CVM DSS DW EIS EPM ERP ETL EVA EVA GAAP IASB IC IFAC IFRS IIS IMA IMAP KPI MIS Activity Based Costing Activity Based Management Business Activity monitoring Business Intelligence Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Best of Breed Budget, Planning and Forecasting Business Performance Management Balanced Scorecard Chief Financial Officer Chartered Institute of Management Accountants Corporate Performance Management Comissão de Valores Mobiliários Decision Support System Data Warehouse Enterprise Information Systems Enterprise Performance Management Enterprise Resource Planning Extract, transform e load Economic Value Added Valor Econômico Adicionado Generally Accepted Accounting Principles International Accounting Standards Board Inteligência Competitiva International Federation of Accountants International Financial Reporting Standards Integrated Information System Institute of Management Accountants International Management Accounting Practices Key Performance Indicator Management Information System

14 MVA ODS OLAP PIB PM&O SAD SCG SCIP SEC SEM SIE SIG SMA SSE SVM UK USGAAP WAAC WEB XBRL Market Value Added Operational Data Store Online Analytical Processing Produto Interno Bruto Profitability Modeling and Optimization Sistemas de Apoio à Decisão Sistema de Controle Gerencial Society of Competitive Intelligence Professionals Securities and Exchange Commission Strategic Enterprise Management Sistemas de Informação Executiva Sistema de Informação Gerencial Strategic Management Accounting Sistemas de Suporte aos Executivos Shareholder Value Management United Kingdom Generally Accepted Accounting Principles in the United States Weighted Average Cost Of Capital Internet Extensible Business Reporting Language

15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I REFERENCIAL TEÓRICO A CONTROLADORIA ESTRATÉGICA COMO USUÁRIA DA TEORIA CONTÁBIL NO FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES PARA A TOMADA DE DECISÃO Processo de Gestão Modelo de Decisão sob a Ótica de Gestão Econômica Avaliação de Desempenho A CONTABILIDADE GERENCIAL, SUA EVOLUÇÃO, SEU DESENHO E AS SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO À CONTABILIDADE FINANCEIRA Contabilidade Gerencial Estratégica Novas e Tradicionais Práticas de Contabilidade Desenho de um Sistema de Contabilidade Gerencial Os Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO ECONÔMICA O que é um Sistema de Informação? Sistemas de Informação Integrados METODOLOGIAS (FRAMEWORK) PARA A PESQUISA EM CONTABILIDADE GERENCIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INTEGRADOS (IIS) A IMPORTÂNCIA DA CONSIDERAÇÃO DAS TAREFAS NA PESQUISA SOBRE OS SISTEMAS DE CONTABILIDADE GERENCIAL FERRAMENTAS DE BUSINESS INTELLIGENCE PROCESSOS, ATIVIDADES E TAREFAS CONCEITO DO CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT (CPM) Processos do CPM Metodologias para Análise de Desempenho SISTEMAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT COMO UMA EVOLUÇÃO DAS FERRAMENTAS DE BI Definições e Objetivos dos Sistemas que Suportam o Conceito de CPM O BI nos Sistemas que Suportam o Conceito de Corporate Performance Management Aplicações Envolvidas em um Sistema que Suporta o Conceito de Corporate Performance Management Portal Executivo A RELAÇÃO ENTRE O ERP, OS SISTEMAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM E A CONTABILIDADE GERENCIAL PROBLEMAS ENFRENTADOS PELAS EMPRESAS E RELACIONADOS COM O SISTEMA DE CONTROLE DE GESTÃO E A IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA

16 CAPÍTULO II METODOLOGIA Elaboração do Questionário Interpretação dos Dados Pesquisa Piloto Pesquisa Final CAPÍTULO III APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS E ANÁLISE DOS DADOS Apresentação dos Resultados Análise dos Resultados Análise sobre as Práticas da Contabilidade Gerencial usadas pelas Empresas Análise sobre as Características de Apresentação da Informação, Presentes no Desenho do Sistema da Contabilidade Gerencial usado pelas Empresas Análise sobre as Ferramentas de CPM utilizadas nas Empresas Análise sobre as Mudanças Facilitadas pelas Ferramentas da Contabilidade Gerencial Tarefas de Cobertura Organizacional Tarefas de Geração de Relatórios e Análises Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc Tarefas de Coleta de Dados Tarefas de Orçamento Tarefas de Alocação de Custos Apuração do Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças nas Tarefas da Contabilidade Gerencial Facilitadas pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM CONSIDERAÇÕES FINAIS LIMITAÇÕES DE PESQUISA RECOMENDAÇÕES PARA ESTUDOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICES

17 15 INTRODUÇÃO O processo de gestão empresarial enfrenta novos desafios e os gestores trabalham com novos modelos de decisão. Para enfrentar esses desafios, as empresas necessitam implantar metodologias/tecnologias adequadas nos diversos subsistemas empresariais, como na organização, no modelo de gestão, no sistema de gestão, no sistema de informação e nos processos operacionais. (CATELLI, 2001). Frente aos novos desafios, os gestores precisam ter um suporte de informação adequado através de seus sistemas de informação, para que sejam tomadas decisões em todas as fases do processo de gestão. (CATELLI et al., 2001). A obtenção dessa oportunidade de informação pode ser obtida com a implantação de um sistema de informações que atue em diversas camadas hierárquicas da organização, ou seja, em níveis operacional, gerencial e estratégico. Essas informações devem estar disponíveis na hora, segundo a necessidade. De nada adiantam se forem apresentadas antes ou depois. O importante é aquele momento, com as especificidades de confiança, fidelidade e integridade dos dados que a compõe. (ARIMA, 2002). Para os gestores lidarem com as situações de decisão eles precisam de um sistema de informação que reaja rapidamente. Esse sistema de informação deve manter os gerentes informados dos resultados das decisões já feitas, mas também alertá-los quanto às mudanças no ambiente competitivo. No passado, as empresas confiavam em um conjunto de sistemas para suportar isso, hoje em dia um sistema de gestão estratégico corporativo tenta fazer isso mais efetivamente. (FAHY, 2000). Novas tecnologias aparecem para ajudar na análise, no melhor entendimento dos problemas relacionados à tomada de decisão e na construção de sistemas de informação para gestão de desempenho. As empresas investem em tecnologia para gerenciar a informação e recolher conhecimento para alcançar uma vantagem competitiva. Essas tecnologias são aplicações analíticas, tais como sistemas de gestão estratégica e softwares de business intelligence (BI). (ROM; ROHDE, 2006; FAHY, 2000; CODY et al., 2002; DRAGOON, 2003). Os executivos entenderam que o conhecimento tempestivo e acurado pode significar um melhor desempenho dos negócios. O BI como uma das tecnologias que permitem isso, tem sido central em melhorar o valor qualitativo e quantitativo do conhecimento disponibilizado para os tomadores de decisão. (CODY et al., 2002).

18 16 Diante desse quadro exposto Jeronimo (2011, p.16) cita que, observam-se grandes investimentos das corporações em tecnologia da informação de uma forma geral, tendo como destaque nos últimos anos os sistemas de business intelligence. Segundo Diniz et al. (2009, p. 4): Os processos baseados em BI utilizam tecnologias para coletar, armazenar, analisar e disponibilizar o acesso aos dados, transformando-os em informação e conhecimento. Sua função é ajudar os gestores a tomar melhores decisões nos negócios, com informações mais precisas, atuais e relevantes. Jeronimo (2011, p.16) afirma que essa função de apoiar os gestores nos processos de tomada de decisão por parte dos processos baseados em BI, fez com que esses sistemas passassem a ter uma forte relação como a gestão de desempenho empresarial. Isto porque, de acordo com Hannula et al. (2002, p.11), a inteligência de negócio está conectada com a medição de desempenho. Dadas as condições geradas pelas mudanças no ambiente de negócio, as empresas precisam ter um sistema de gerenciamento de desempenho eficaz, que garanta o alcance dos objetivos estratégicos, segundo o Chartered Institute of Management Accountants. (CIMA, 2002). Poucas empresas se beneficiam dos avanços tecnológicos e seus recursos como, por exemplo, as ferramentas de suporte da decisão, que poderiam ajudar na gestão de desempenho. (COVENEY et al., 2003). Emmanuel et al. (1990) e Otley (2001) afirmam que a avaliação de desempenho tem sido identificada como uma importante função da contabilidade gerencial. Frezatti et al. (2007) consideram que, embora o planejamento estratégico esteja voltado para o lado externo da entidade, a sua implantação e controle dependem da contabilidade gerencial. A identificação, formulação e implantação da estratégia pela gestão são executadas usando as tecnologias e a linguagem da contabilidade gerencial. (DIXON, 1998). Um importante aspecto é que à medida que os mercados tendem à globalização, as organizações passam a ter a necessidade de tornarem-se mais sintonizadas com o seu ambiente externo. Um método para fornecer essas informações é a expansão do papel da contabilidade gerencial, para incorporar um processo referenciado como contabilidade gerencial estratégica. (DIXON; SMITH, 1993).

19 17 Simmonds (1981) definiu a contabilidade gerencial estratégica como o fornecimento e análise de dados da contabilidade gerencial a respeito de um negócio e sobre a sua competição para o uso no desenvolvimento e monitoramento da estratégia do negócio. (DIXON, 1998). Muitas empresas não abordam a automação dos processos da área financeira (Contabilidade Gerencial) de forma adequada usando a tecnologia da informação. Defrontado com essa falta de eficiência e efetividade, muitas organizações estão olhando, atualmente, para novas maneiras com o objetivo de melhorar o seu planejamento e a sua capacidade de reporte. (COVENEY et al., 2003). Segundo Jeronimo (2011, p.16) é possível encontrar hoje no mercado diversos sistemas de business intelligence, comercializados com nomenclaturas relacionadas à gestão de desempenho, que ajudam as empresas a implantarem as suas estratégias. O conceito de Corporate Performance Management CPM surgiu como uma nova abordagem para garantir a implantação da estratégia. (COVENEY et al., 2003). A tecnologia de BI precisa estar ligada à estratégia, fornecer meios sistemáticos de planejar, monitorar, controlar e fazer a gestão da implantação dos objetivos de negócios estratégicos. O BI é a fundação para a gestão de desempenho efetiva. O CPM direciona a estratégia e alavanca todos os processos, metodologias, métricas e sistemas, que monitoram, gerenciam e melhoram o desempenho da organização. (AHO, 2010). Há vários nomes para a gestão de desempenho: Na literatura dos negócios, o gerenciamento de desempenho tem vários nomes, incluindo BPM (Business Performance Management), CPM (Corporate Performance Management), SEM (Strategic Enterprise Management) e EPM (Enterprise Performance Management). Embora diferentes termos sejam usados, eles todos significam essencialmente a mesma coisa. O BPM Standards Group (2005) definiu o BPM como Um framework para organizar, automatizar e analisar metodologias dos negócios, métricas, processos, e sistemas para direcionar o desempenho global da companhia. Ele ajuda as organizações a traduzir um conjunto unificado de objetivos em planos, a monitorar a execução, e entregar um melhor discernimento critico para melhorar o desempenho operacional e financeiro. (BOGDANA et al., 2009, p.1125). Neste trabalho se faz uso do termo sistemas que suportam o conceito de CPM para referenciar os sistemas de apoio à decisão ou de informações executivas utilizadas para a gestão de desempenho e CPM para o conceito de gestão de desempenho. Segundo Aho (2010) os sistemas que suportam o conceito de CPM fazem parte da próxima geração de Business Intelligence; são sistemas que aumentam a qualidade do BI. O CPM tem como objetivo fornecer um suporte de ciclo fechado, que interliga a formulação da

20 18 estratégia, medição, desenho de processo e a execução com o BI e, do mesmo modo, avalia o progresso da estratégia ao longo do tempo para o atingimento de metas usando fatores críticos de sucesso e indicadores chaves (Key Performance Indicator KPIs). Ele como um conceito representa o uso efetivo e estratégico das soluções de BI, já que o BI fornece o backbone para implantar o CPM. Como o CPM entrega o poder do BI, os dois são inseparáveis. Todos os sistemas que suportam o conceito de CPM alavancam a tecnologia e as melhores práticas de negócio para possibilitar aos executivos responderem às questões que os ajudem a formular a estratégia em uma base continua e em tempo real. (COVENEY et al., 2003). A estimativa do mercado mundial, de ferramentas que suportam o conceito de CPM é de US$1,94 Bilhões, com uma expectativa de crescimento de 5% a 10% nos próximos anos, conforme dados de Chandler e Van Decker (2011, p.5). Na concepção de Jeronimo (2011), a importância desse segmento também pode ser observada pelos movimentos empresariais das grandes empresas de tecnologia, que passaram por uma fase de aquisição de fabricantes desses sistemas. O objetivo foi incorporá-los à suíte já existente. Os valores envolveram altas somas financeiras, o que denota também a importância desse mercado. A ORACLE adquiriu a Hyperion por US$3,3 bilhões (IDG NOW, 2007), a IBM adquiriu a Cognos por US$ 5 bilhões (IDG NOW, 2007) e a SAP adquiriu a Business Objects por US$ 6,8 bilhões (COMPUTERWORD, 2007). O mercado é dominado, em termos de market share, por três mega vendedores ORACLE, SAP e IBM, segundo Chandler e Van Decker (2011). Mas, há também vendedores que fornecem soluções especializadas. As ferramentas que suportam o conceito de CPM podem trazer maior rigor, acuracidade e transparência para muitos dos processos de gestão financeira, tais como: a confecção do orçamento; planos e forecast (Budget, Planning and Forecasting BP&F), bem como reporte financeiro e regulatório (associados aos desafios de compliance). Eles podem entregar um melhor entendimento dos direcionadores da lucratividade do negócio. (CHANDLER; VAN DECKER, 2011). A prioridade dos Chief Financial Officer CFOs nos últimos anos foi a de fortalecer as capacidades dos processos de gestão de desempenho, as capacidades analíticas e de suporte à decisão. Como identificado pelo The Hackett Group s new 2011 Key Issues Study, as ações de melhorar o processo de orçamento e aperfeiçoar o processo de forecast lideravam a lista de prioridades na área de Finanças no ano de 2011, enquanto outros processos de gestão de desempenho corporativo, tais como o de reporte e o de planejamento seguiam próximos.

21 19 Quase todas as companhias estudadas planejavam investir em tecnologia e em transformação em 2011, especialmente no redesenho da arquitetura de informação e de processos, e em tecnologia de business intelligence (BI) e business analytics. (DORR et al., 2011). Podemos entender, assim, que as empresas, em busca de um melhor suporte à tomada de decisão e para garantir que as suas estratégias sejam executadas eficazmente, estão investindo em ferramentas que apoiam o conceito de CPM. Estas ferramentas, como uma evolução do BI, automatizam as práticas/ processos da Contabilidade Gerencial que são usadas pela Controladoria para o fornecimento de informações à gestão de desempenho de uma organização. Logo, se torna relevante estudar quais são as tarefas do sistema de contabilidade gerencial que estão sendo suportadas pelos sistemas de CPM nas empresas brasileiras no momento atual. Para tanto, passamos a elaborar o problema de pesquisa, considerando que o tema de uma pesquisa é o assunto que se deseja provar ou desenvolver. Determinar com precisão o tema significa enunciar um problema, isto é, determinar o objetivo central da indagação. Assim, enquanto o tema de uma pesquisa é uma proposição, até certo ponto abrangente, a formulação do problema é mais específica, pois indica exatamente qual a dificuldade que se pretender resolver. (LAKATOS; MARCONI, 2010). Formular o problema, de acordo com as autoras, consiste em dizer, de maneira explícita, clara, compreensível e operacional, qual a dificuldade com a qual nos defrontamos e que pretendemos resolver, limitando o seu campo e apresentando as suas características. Conforme Bogdana et al. (2009, p.1125) as ferramentas de CPM ajudam as organizações a traduzirem um conjunto unificado de objetivos em planos; a monitorar a execução e a entregar um melhor discernimento critico para melhorar o desempenho operacional e financeiro. Essas atividades são executadas com o apoio das práticas da Contabilidade Gerencial. Segundo Horngren et al. (2004) o sistema da contabilidade apoia o planejamento e controle, e é uma fonte primordial para relatórios de desempenho. A contabilidade formaliza o controle como relatórios de desempenho, que fornecem feedback ao comparar os resultados obtidos com os planejados. As tecnologias presentes no sistema de informação da contabilidade gerencial na forma de banco de dados, sistemas especialistas e de apoio à decisão representam ferramentas para resolver os problemas da contabilidade gerencial. Como tal, essas ferramentas devem ser selecionadas e implantadas considerando os requerimentos das tarefas, as características cognitivas e organizacionais incorporadas na implantação. Usuários dos

22 20 sistemas de informação contábil têm diferentes problemas e restrições organizacionais, que necessitam de diferentes abordagens do sistema de informação contábil. (MAULDIN; RUCHALA, 1999). Que os sistemas de informação são capazes de dar suporte a contabilidade gerencial não é uma ideia nova. As pesquisas em contabilidade gerencial e em sistemas de informações se tornaram vivas novamente, com o advento dos sistemas de informação integrados, tais como o Enterprise Resource Planning ERP. (ROM; ROHDE, 2007). Não se espera que os sistemas ERP, e que suportam o conceito de CPM, mudem diretamente as práticas da contabilidade gerencial. O impacto desses sistemas deve ser entendido a partir da sua habilidade de promover ou inibir mudanças na contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006). Dessa forma, espera-se que estas ferramentas de CPM, usadas na forma de tecnologia de sistemas de apoio à decisão e de informação executiva no sistema da Contabilidade Gerencial, facilitem as mudanças nas tarefas desta Contabilidade. Com base nessas considerações, foi formulada a seguinte questão problema: As tarefas da Contabilidade Gerencial, empregadas pela Controladoria Estratégica nas empresas brasileiras, estão sendo modificadas por sistemas de informação executiva e de apoio à decisão, que usam as ferramentas que suportam o conceito de CPM? Cabe ressaltar que problemas são enunciados de relações entre variáveis e, neste trabalho, temos duas variáveis que são: O desenho do sistema de contabilidade gerencial, separado em conteúdo, entendido como as práticas/tarefas da contabilidade gerencial, bem como a sua forma, entendida como a apresentação da informação (Escopo, Tempestividade, Agregação e Integração). As ferramentas que suportam o conceito de CPM e seus módulos. Traçou-se, então, o objetivo de pesquisa, pois esta dissertação buscou investigar como objeto de estudo o uso das ferramentas de business intelligence (BI), mais especificamente as de CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT (CPM) pelas empresas brasileiras. Estas, usadas como uma tecnologia na forma de sistemas de informação de apoio à decisão (SAD) e de informação executiva (SIE) pelo sistema da Contabilidade Gerencial, no suporte às tarefas desta Contabilidade empregadas pela Controladoria Estratégica.

23 21 Tais ferramentas, na forma de sistemas, automatizam os processos da Contabilidade Gerencial para que esta possa exercer o seu papel no processo de gestão de desempenho de uma companhia, como fornecedora de informações úteis e tempestivas para a avaliação de resultados e de desempenho. Dessa forma, são enunciados os objetivos deste trabalho, a fim de responder a questão problema. O objetivo principal deste trabalho é: Identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Como objetivos secundários este trabalho busca: Identificar quais os módulos das ferramentas que são usados nos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Identificar qual o desenho do sistema de contabilidade gerencial das empresas que usam os sistemas que suportam o conceito de CPM. Na elaboração da justificativa do estudo destacamos que pouco se tem estudado sobre a interação entre os investimentos em sistemas de informação para melhorar o desempenho (CPM) e a gestão/medição de desempenho de uma companhia. (BRIGNALL; BALLANTINE, 2004). Na concepção de Otley (2001), a pesquisa em Contabilidade Gerencial deveria se concentrar também em estudar os assuntos relacionados com o desenho e a operação dos sistemas de gerenciamento de desempenho. Isto porque, as empresas cada vez mais estão buscando soluções para auxiliá-las na gestão de desempenho, o que dá origem a um mercado para novas técnicas de gerenciamento, como as metodologias (Balanced Scorecard BSC) e as soluções de tecnologia (CPM). Tal tecnologia está mudando a maneira que os administradores do alto escalão das empresas gerenciam as organizações e, igualmente, afetando o papel e as habilidades dos contadores gerenciais que estão mais envolvidos em gerenciamento e medição de desempenho e mudança organizacional. (BRIGNALL; BALLANTINE, 2004). O interesse entre as organizações em entender e desenvolver os seus sistemas de gestão de desempenho nunca foi tão grande. Alguém poderia apenas olhar o entusiasmo com

24 22 que as técnicas como Economic Value Added EVA e o Balanced Scorecard têm sido abraçadas e implantadas nas organizações. (OTLEY, 2001). Assim, é de interesse para os pesquisadores em sistema de controle de gestão estudar a extensão em que os sistemas fornecem informações e o seu uso nas empresas. (CHENHALL, 2003). Do mesmo modo, cresce o interesse em aplicações analíticas tais como: os sistemas de gestão de desempenho (CPM) e o business intelligence. (ROM; ROHDE, 2006; DORR et al., 2011) As empresas focam na parte técnica dos sistemas e, numa menor extensão, em como o sistema suporta diferentes decisões de controle e de negócios. Torna-se importante estudar a utilização das suítes que suportam o conceito de CPM quanto às tarefas/práticas da contabilidade gerencial e como estas podem mudar essas práticas. (ROM; ROHDE, 2006; GOULD, 2003). Os CFOs, contadores gerenciais e outros profissionais de finanças estão se beneficiando das funcionalidades emergentes das tecnologias de CPM, segundo Fahy e Millea (2001). Este trabalho procura contribuir com a pesquisa realizada por Yoshikuni (2005). O trabalho de Yoshikuni (2005) teve como objetivo principal identificar se a adoção do modelo de CPM pode ser uma das alternativas para utilização das práticas de gestão da Controladoria Estratégica. Como objetivo secundário ele procurou identificar se as empresas estão usando o modelo do CPM de forma estruturada e quais práticas empregadas pela Controladoria Estratégica estão sendo utilizadas pela adoção do modelo de CPM. Como resultado Yoshikuni (2005) encontrou a utilização do modelo de CPM de forma estruturada nas empresas e identificou a utilização das práticas de gestão, por meio do uso de metodologias, métodos, na aplicação de técnicas, processos automatizados por softwares e monitorados por métricas. Constatou que: as etapas do processo nas empresas pesquisadas concentraram-se nas atividades de curto prazo, com utilização em massa dos métodos de orçamentos e técnicas de avaliação econômico-financeira; e que o relacionamento das camadas estratégicas e táticas por meio de sistemas de informação de apoio à decisão (SAD) e sistemas de informação executiva (SIE) não estão totalmente integrados. Encontrou, também, o uso de diversos métodos, bem como a aplicação de técnicas no nível estratégico, contudo, não existe sustentação do processo por softwares especialistas de BI ou que suportam o conceito de CPM.

25 23 Yoshikuni (2005) apresenta como recomendação de pesquisa, que estudos futuros podem ser realizados, com o intuito de se verificar a integração efetiva das camadas estratégicas e táticas, por meio de sistemas de apoio à tomada de decisão e sistemas de informação executiva usando os sistemas que suportam o conceito de CPM. Em seu trabalho não foi constatada a sustentação da camada estratégica por parte de softwares de BI ou CPM. Nesta dissertação, como já mencionado anteriormente, busca-se identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Dessa forma, a partir da constatação de que tarefas relacionadas com a camada estratégica estão sendo impactadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM podemos contribuir com o trabalho de Yoshikuni (2005). Entendemos, também, que este trabalho é um prolongamento do trabalho de Yoshikuni (2005), pelo fato de que a pesquisa busca identificar, com um grau de granularidade maior e com foco em tarefas, como está se fazendo o uso das ferramentas de CPM. Igualmente, este estudo é uma aplicação do trabalho de Rom e Rohde (2006) no contexto brasileiro. No trabalho desses autores o objetivo foi contribuir para o corpo do conhecimento, sobre qual a extensão que os sistemas de informação integrados, tais como o ERP e sistemas que apoiam o conceito de CPM afetam a habilidade de resolver diferentes tarefas da Contabilidade Gerencial. Como resultado do trabalho, os autores concluíram que o ERP suporta a coleta de dados e a amplitude organizacional melhor que os sistemas que apoiam o conceito de CPM. Estes últimos, por sua vez, parecem ser melhores no suporte às análises e à geração de relatórios. Em adição, as técnicas da contabilidade gerencial moderna, envolvendo o uso de dados não financeiros, são mais bem suportadas por um sistema que utiliza o conceito de CPM. Isso indica que diferentes tarefas da contabilidade gerencial são suportadas por diferentes partes dos sistemas de informações integrados. Dessa forma, se torna importante estudar as ligações entre as práticas da contabilidade gerencial, que são usadas para a medição e a gestão de desempenho e essas novas soluções de sistemas de informação que as empresas estão utilizando para melhorar a sua gestão estratégica. Evidencia-se, então, o foco deste trabalho o estudo do uso das ferramentas que suportam o conceito de CPM nas tarefas da contabilidade gerencial. Na composição da metodologia de pesquisa enfatizamos o método. Segundo Lakatos e Marconi (2010, p.65) o método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo

26 24 conhecimentos válidos e verdadeiros traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista. De acordo com Gil (2002), a pesquisa, por sua vez, é requerida quando não se dispõe de informação suficiente para responder ao problema, ou então, quando a informação disponível se encontra em tal estado de desordem, impossibilitando a sua adequada relação com o problema. Lakatos e Marconi (2010) citam alguns métodos, como etapas mais concretas da investigação, com finalidade mais restrita em termos de explicação geral dos fenômenos e menos abstratas, que são: histórico, comparativo, monográfico, estatístico, tipológico, funcionalista, estruturalista, e o etnográfico para serem utilizados no trabalho científico. Em nosso caso a opção foi pelo monográfico. A técnica empregada neste trabalho constitui-se de uma documentação direta, isto é, no levantamento de dados no próprio local onde os fenômenos ocorrem. Esses dados foram obtidos por meio de uma pesquisa de campo. Esta tem como objetivo conseguir as informações e/ou conhecimentos acerca do problema, para o qual se procura uma resposta. (LAKATOS; MARCONI, 2010). As fases da pesquisa de campo requerem, em primeiro lugar, a realização de uma pesquisa bibliográfica sobre o tema em questão. Esta serve, como primeiro passo, para descobrir em que estado se encontra atualmente o problema; que trabalhos já foram realizados a respeito e quais são as opiniões sobre o assunto. Como segundo passo, permite que se estabeleça um modelo teórico inicial de referência, da mesma forma que auxilia na determinação das variáveis e elaboração do plano geral da pesquisa. E mais, de acordo com a natureza da pesquisa, devem-se determinar as técnicas que são empregadas na coleta dos dados e na determinação da amostra, que deve ser representativa e suficiente para apoiar as conclusões. (LAKATOS; MARCONI, 2010). Segundo as referidas autoras, as pesquisas de campo dividem-se em três grandes grupos: quantitativo-descritivos, exploratórios e experimentais, com as respectivas subdivisões. Nesse sentido, o presente estudo se trata de um estudo quantitativo-descritivo que consiste de investigação de pesquisa empírica cuja principal finalidade é o delineamento ou análise das características de fatos ou fenômenos. Ele emprega artifício quantitativo tendo por objetivo a coleta sistemática de dados sobre uma amostra. (LAKATOS; MARCONI, 2010). Segundo Beuren et al (2004) a pesquisa descritiva configura-se como um estudo intermediário entre a pesquisa exploratória e a explicativa, ou seja, não é tão preliminar como

27 25 a primeira, nem tão aprofundada como a segunda. Nesse contexto, descrever significa identificar, relatar, comparar, entre outros aspectos. Trata-se de descrever aspectos ou comportamentos de determinada população analisada. Ainda para Beuren et al (2004), os procedimentos de pesquisa científica referem-se à maneira pela qual se conduz o estudo e, portanto, se obtêm os dados. Utiliza-se a observação direta extensiva através da técnica de questionário para a coleta dos dados e o emprego de procedimento de amostragem. (LAKATOS; MARCONI, 2010). Gil (2002) afirma que as pesquisas descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relação entre as variáveis. Uma de suas características mais significativas está na utilização de técnicas padronizadas de coleta de dados, tais como o questionário e a observação sistemática. A pesquisa descritiva pode ir além da simples identificação da existência de relações entre variáveis, e pretendem determinar a natureza dessa relação. O tipo de amostragem utilizado para esse trabalho é a não probabilística, que reside em não fazer uso de formas aleatórias de seleção de amostras. Neste caso foi usada a amostragem por acessibilidade ou conveniência. Gil (2002) advoga que nesse tipo de amostragem o pesquisador apenas obtém os elementos que tem maior facilidade de acesso, admitindo que eles possam efetivamente representar, de forma adequada à população. Na pesquisa realizada nesta dissertação foi escolhido como público respondente, os profissionais relacionados com a área de Controladoria e com a área de BI que lhe dá suporte nas empresas instaladas no Brasil: Controllers, CFOs, Executivos de Planejamento Financeiro, Executivos de Orçamento, profissionais de BI. Pois, conforme Almeida (2001) a área de Controladoria é responsável pelo estabelecimento das bases teóricas e conceituais necessárias para a modelagem, construção e manutenção de sistemas de informações e o modelo de gestão econômica. E, também, em suprir adequadamente as necessidades informativas dos gestores e os induzirem durante o processo de gestão, quando requerido, a tomarem decisões ótimas. Nesta pesquisa não temos a pretensão de generalizar os resultados, tendo em vista as limitações da metodologia empregada e de sua abrangência, mas sim de contribuir para a discussão do tema. Para tanto, procuramos apresentar todas as informações levantadas de uma forma justa e imparcial.

28 26 Na estruturação da dissertação, os capítulos foram assim delineados: Na Introdução procuramos mostrar o contexto que envolve os sistemas que suportam o conceito de CPM. Definimos o problema da pesquisa e seus objetivos. Explicamos o método da pesquisa e a justificativa. No Capítulo I que compreende a Fundamentação Teórica, o texto é dividido em subcapítulos, nos quais apresentamos a revisão da literatura. No subcapitulo 1 apresentamos a Controladoria como uma evolução da Ciência Contábil e usuária da Contabilidade, no fornecimento de informações para a tomada de decisão. A Controladoria Estratégica é conceituada como ciência e como unidade organizacional, como a área responsável pelo fornecimento de informações para a tomada de decisão na empresa e também como responsável pelos modelos de decisão, mensuração e informação. Procuramos conceituar o modelo de gestão, o processo de gestão, o modelo de decisão e a avaliação de desempenho. No subcapítulo 2 enfocamos a Contabilidade Gerencial, sua evolução, seu desenho e as suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira. Procuramos tratar o conceito da Contabilidade Gerencial; suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira; a sua evolução; o conceito de Contabilidade Gerencial Estratégica com a sua preocupação com o lado externo da organização; as novas e tradicionais práticas em Contabilidade Gerencial, mostrando estudos que foram feitos para classificar as técnicas em tradicionais e modernas; o desenho do sistema de Contabilidade Gerencial, sua divisão em técnicas e apresentação de informação, o artigo de Moores e Yuen (2001) que inspirou este trabalho, bem como o artigo de Chenhall e Morris (1986); a relação da Contabilidade Gerencial com o planejamento e com o sistema de controle de gestão. No subcapítulo 3 damos ênfase ao Sistema de Informação de Gestão Econômica. Nele conceituamos sistema de informação, informação, requisitos para um modelo de informação e os sistemas de informação integrados. No subcapitulo 4 mostramos Metodologias (Framework) para a pesquisa em Contabilidade Gerencial e Sistemas de Informação Integrados. Procuramos mostrar as metodologias existentes para o estudo do relacionamento entre o Sistema de informação e a Contabilidade Gerencial. Fazemos uso do artigo de Rom e Rohde (2007) para tratarmos essa questão. No subcapítulo 5 enfatizamos a importância da consideração das tarefas na pesquisa sobre os Sistemas de Contabilidade Gerencial, para tanto, apresentamos a importância de compreender as tarefas da Contabilidade Gerencial quando se estuda o relacionamento entre o

29 27 Sistema de Informação Contábil e a Contabilidade Gerencial. Esse aspecto é chave para o trabalho de pesquisa. Utilizamos o artigo de Maudin e Ruchala (1999) para embasar este ponto. No subcapítulo 6 discorremos sobre as Ferramentas de Business Intelligence; apresentamos a conceituação do que é Business Intelligence, o mesmo trata-se de coletar, processar e comunicar as informações para a tomada de decisões; quando ele surgiu; quais são os seus componentes e seus objetivos. No subcapítulo 7 enfocamos os Processos, Atividades e Tarefas; conceituamos o que são processos, atividade e tarefas, sendo que está última é de vital importância para o nosso trabalho, pois estudamos o suporte das ferramentas de CPM nas tarefas da contabilidade gerencial. No subcapítulo 8 damos ênfase ao conceito do Corporate Performance Management CPM, conceituando-o como aquele que se utiliza de alguns dos processos de gestão da Controladoria Estratégica, bem como procuramos explicar os seus componentes que são: Processos, Metodologias, Sistemas e Métricas. No subcapítulo 9 discorremos sobre os Sistemas de CPM como uma evolução das ferramentas de BI, procurando conceituar os sistemas de CPM, mostrar que o CPM é uma evolução do BI e que possui muitos dos seus componentes embutidos. Procuramos, também, diferenciar os dois, mostrando que cada um deles endereça problemas diferentes. As aplicações dos sistemas de CPM são discutidas. No subcapítulo 10 apresentamos a relação entre o ERP, o Sistema Corporativo de Gestão Estratégica (CPM) e a Contabilidade Gerencial, tomando como base o artigo de Rom e Rohde (2006), que serviu de inspiração para a montagem deste trabalho. Mostramos que cada um dos sistemas atende uma determinada camada da organização e que cada um deles impacta de forma diferente nas tarefas da Contabilidade Gerencial. Neste tópico também mostramos os estudos já publicados entre a relação do ERP, o Sistema Corporativo de Gestão Estratégica e a Contabilidade Gerencial. No subcapítulo 11 elencamos problemas enfrentados pelas empresas relacionados com os sistemas de controle de gestão e com a implantação da Estratégia. Mostramos os inúmeros problemas que as empresas enfrentam com relação à execução da estratégia (GAP estratégico) e que deram origem ao surgimento do conceito e das ferramentas de CPM. No Capítulo II expomos a metodologia utilizada no trabalho de campo. No Capítulo III apresentamos os resultados da pesquisa e fazemos a análise dos dados obtidos.

30 28 No Capítulo IV tecemos as considerações finais da dissertação, as recomendações para futuros trabalhos e as limitações para a pesquisa, seguidas das referências bibliográficas. A Figura 1 apresenta um mapa com a metodologia da pesquisa, mostrando principalmente os principais pilares de conceituação teórica para a elaboração deste trabalho. Figura 1 Metodologia da Pesquisa. Fonte: Elaborada pelo Autor

31 29 CAPÍTULO I REFERENCIAL TEÓRICO 1.1. A CONTROLADORIA ESTRATÉGICA COMO USUÁRIA DA TEORIA CONTÁBIL NO FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES PARA A TOMADA DE DECISÃO. Segundo Iudícibus et al. (2009, p. 29) a Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover aos seus usuários demonstrações e análises de natureza econômica, financeira, física e de produtividade com relação à entidade objeto de contabilização. O objetivo básico da informação contábil é ajudar alguém a tomar decisões. (HORNGREN et al., 2004). Os objetivos da contabilidade devem ser aderentes, de alguma forma explícita ou implícita àquilo que o usuário considera como elementos importantes para o seu processo decisório. (IUDÍCIBUS et al., 2009). Segundo os mesmos autores, as informações geradas pela Contabilidade devem propiciar aos seus usuários, base segura para as suas decisões, pela compreensão do estado em que se encontra a entidade, seu desempenho, sua evolução, riscos e oportunidades que oferece. Isto porque, a Contabilidade é um processo de comunicação de informação econômica para propósitos de tomada de decisão, tanto pela administração como por aqueles que necessitam fiar-se nos relatórios externos. (HENDRIKSEN, 1997). A expansão dos negócios de muitas organizações e o consequente aumento de sua complexidade trouxe a necessidade da criação da Controladoria. Este profissional passou a prestar assessoria sobre assuntos relacionados ao planejamento e controle, alicerçado em informações contábeis, informando ao alto escalão da empresa, com a função de staff, sobre o desempenho de todas as áreas. Tal tarefa requer o envolvimento do Controller no processo de gestão da empresa, com vistas a melhorar as tomadas de decisões. (BEUREN, 2002). Para o entendimento da Controladoria precisamos cindi-la em dois vértices: o primeiro como ramo do conhecimento, responsável pelo estabelecimento de toda uma base conceitual e o segundo como órgão administrativo, respondendo pela disseminação de conhecimento, modelagem e implantação de sistema de informação. (ALMEIDA et al., 2001).

32 30 A Controladoria, como ramo do conhecimento, apoiada na Teoria da Contabilidade e numa visão multidisciplinar, é responsável pelo estabelecimento das bases teóricas e conceituais necessárias para a modelagem, construção e manutenção de sistemas de informações e o modelo de gestão econômica. (ALMEIDA et al., 2001). A Controladoria, vista como unidade administrativa, é responsável pela coordenação e disseminação da tecnologia de gestão, quanto ao conjunto teoria, conceitos, sistemas de informações e também como órgão aglutinador e direcionador de esforços dos demais gestores que conduzam à otimização do resultado global da organização. (ALMEIDA et al., 2001). Conforme Padovese (2005, p.3) a Controladoria é a utilização da ciência contábil em toda a sua plenitude. Pode ser definida como a unidade administrativa responsável pela utilização de todo o conjunto da Ciência Contábil dentro da empresa. Segundo Almeida et al. (2001, p. 344) a missão da Controladoria é assegurar a otimização do resultado econômico da organização. Para Mosimann e Fish (1999, p.88), a Controladoria, como órgão administrativo, tem por finalidade garantir as informações adequadas ao processo decisório. Almeida et al. (2001, p. 348) afirmam que é responsabilidade da Controladoria ser a indutora dos gestores, no que diz respeito à melhora das decisões, pois sua atuação envolve implementar um conjunto de ações cujos produtos materializam-se em instrumentos disponibilizados aos gestores: AÇÃO Clarificar como as decisões são ou deveriam ser tomadas. Mensurar corretamente o resultado dos eventos, produtos, atividades e áreas. Informar adequadamente os gestores. INSTRUMENTO DISPONIBILIZADO Modelo de Decisão Modelo de Mensuração Modelo de Informação Quadro 1 Instrumentos Disponibilizados aos Gestores pela Controladoria Fonte: Almeida et al. (2001, p. 348) Toda a base conceitual e operativa, relativa aos sistemas de informações deve ser disponibilizada pela Controladoria, como bem salientam Almeida et al. (2001). Os modernos conceitos de controladoria indicam que o Controller desempenha sua função de controle de maneira muito especial, isto é, ao organizar e reportar dados relevantes

33 31 exerce uma força ou influência que induz os gestores a tomarem decisões lógicas e conscientes com a missão e objetivos da empresa. (NAKAGAWA, 1993). Conforme Almeida et al. (2001) as funções da Controladoria são: - subsidiar o processo de gestão; - apoiar a avaliação de desempenho (da empresa; das áreas; dos gestores); - apoiar a avaliação de resultado (por produtos e serviços); - e gerir os sistemas de informações (definindo a base de dados, os modelos de decisão e os modelos de informação). Os instrumentos da Controladoria, segundo os referidos autores, são o processo de gestão (Planejamento, Execução e Controle) e os sistemas de informações gerenciais que devem induzir os gestores à decisão correta; apurar os resultados econômicos dos produtos, atividades, áreas, empresas, etc.; refletir o físico-operacional; permitir a avaliação do resultado dos produtos e serviços e permitir a avaliação de desempenho. Padovese (2005) define a Controladoria Estratégica como a atividade de Controladoria que, através do sistema de informação contábil, abastece os responsáveis pelo Planejamento Estratégico da companhia com informações tanto financeiras quanto não financeiras, para apoiar o processo de análise, planejamento, implantação e controle da estratégia organizacional. O rigor da análise requerida para possibilitar à gestão entender os direcionadores de valor e o potencial para a criação de valor pode e deveria ser entregue pela função financeira. Isso é um significativo movimento de se afastar das decisões baseadas em intuição e experiência para focar a atenção da gestão nos assuntos que podem habilitar a organização a alcançar e sustentar uma vantagem competitiva ao longo do tempo. (GOULD, 2003). Conforme supracitado, a Controladoria é responsável pelo processo de gestão, pela avaliação de desempenho e pelos sistemas de informações que devem proporcionar um suporte adequado de informação para a tomada de decisões que garantam o atingimento dos objetivos da companhia. A Controladoria também se utiliza de toda a ciência contábil dentro da empresa Processo de Gestão Essencialmente, o processo de gestão deve assegurar que as dinâmicas das decisões tomadas na empresa conduzam-na, efetivamente, ao cumprimento de sua missão, garantindolhe a adaptabilidade e o equilíbrio necessários para a sua continuidade. O processo de gestão econômica estrutura-se nas fases de planejamento estratégico, planejamento operacional,

34 32 execução e controle de acordo com o modelo de gestão da empresa. (PEREIRA, 2001; BEUREN, 1998). O processo de gestão de desempenho pode ser definido como a transição de planos em resultados - execução. Nesse cenário, a gestão de desempenho é o processo de gestão da estratégia da organização, que tem como objetivo a geração sistemática e o controle de desempenho de uma organização. É sobre a melhoria em criar valor para os stakeholders e proprietários. (AHO, 2010). Segundo Melchert et al. (2004) o processo de gestão de desempenho objetiva a geração sistemática e o controle de desempenho de uma organização. A gestão de desempenho pode somente ser implantada de uma forma bem sucedida, se o planejamento estratégico está ligado, muito de perto, à execução operacional. O processo de gestão estratégica é a essência do trabalho de um executivo. Ele lida com o crescimento e a renovação fundamental da organização, com o desenvolvimento de estratégias, estruturas e sistemas necessários para alcançar tal renovação e crescimento, e com os sistemas organizacionais necessários para, efetivamente, gerenciar a formulação estratégica e o processo de implantação. (SINGH et al., 2002). O Planejamento Estratégico, como uma das fases do processo de gestão tem como premissa fundamental assegurar o cumprimento da missão e da continuidade da empresa. Gera um conjunto de diretrizes estratégicas de caráter qualitativo que visa orientar a etapa de planejamento operacional. Contempla o estabelecimento de cenários, a análise de variáveis do ambiente externo (identificação das oportunidades e ameaças) e do ambiente interno da empresa (identificação de seus pontos fortes e fracos) e a determinação das diretrizes estratégicas. (PEREIRA, 2001). Na concepção de Ansoff et al. (1990), o planejamento estratégico envolve a identificação dos objetivos da empresa; uma análise da adequação dos seus mercados de produtos para que tais objetivos sejam atingidos; a determinação das capacidades da empresa; a busca de impulsos alternativos de crescimento e avaliação potencial desses impulsos no que diz respeito aos objetivos, como também a capacidade da empresa em tirar vantagem desse potencial. O resultado disso é uma nova atitude estratégica. Segundo Anthony e Govindarajan (1998, p.53, tradução nossa) uma estratégia descreve a direção geral que foi planejada por uma organização para se mover na direção dos seus objetivos. Ansoff et al. (1990, p.53) definem com relação à estratégia que:

35 33 A empresa precisa ter um campo de atuação bem definido e uma orientação de crescimento, e que os objetivos por si sós não atendem a essa necessidade, sendo exigidas regras de decisão adicionais para que a empresa possa ter um crescimento ordenado e com lucros. Essas regras de decisão e diretrizes foram definidas em termos amplos como estratégia. Para Oliveira (1988) é no processo de planejamento estratégico, no qual se formalizam os objetivos gerais e funcionais, que se formularão os desafios e metas que quantificados permitirão o estabelecimento, em nível da área funcional, de estratégias e políticas que devem ser traduzidas em planos de ação e projetos, destinados a orientar a operacionalização do plano estratégico através do orçamento econômico financeiro. Quanto ao Planejamento Operacional, este objetiva assegurar a escolha das melhores alternativas operacionais que viabilizem as diretrizes estratégicas. Envolve, entre outras coisas, a determinação dos recursos necessários para o alcance dos objetivos e metas, bem como das etapas e prazos para o cumprimento das metas. A fase de execução é onde as ações são efetivamente executadas e na qual surgem as transações realizadas. A fase de controle visa assegurar, por meio da correção de rumos, que os resultados planejados sejam efetivamente realizados, apoiando-se na avaliação de resultados e desempenhos. O processo de controle compreende a comparação dos resultados realizados com os planejados, a identificação de desvios e suas respectivas causas e a decisão quanto às ações a serem implantadas para as correções desses desvios. O produto do processo de controle consiste em ações corretivas, tanto nos desempenhos que vêm sendo realizados, nos programas de curto prazo, nos planos de médio e longo prazo e diferentes estratégias, se for o caso. (PEREIRA, 2001; OLIVEIRA, 1988). Segundo Anthony e Govindarajan (1998, p.49) os sistemas de controle gerencias são ferramentas para implantar as estratégias. O Planejamento Tático é um planejamento de curto prazo, predominantemente quantitativo, abrangendo decisões administrativas e de operações e visando à eficiência da organização. (FISCHMANN; ALMEIDA, 1991, p.25) Modelo de Decisão sob a Ótica de Gestão Econômica O desempenho de uma empresa depende das decisões tomadas por seus executivos. O processo de tomada de decisões é de natureza circular e seu ciclo completo abrange as etapas de planejamento, execução e controle. No planejamento, as etapas são: caracterização da

36 34 necessidade de decisão ou definição do problema; formulação do objetivo e das alternativas de ação; obtenção de informações relevantes necessárias às alternativas; avaliação e classificação de alternativas em termos de contribuição para o alcance do objetivo. Na execução: Implantação da alternativa escolhida (ação). No controle: Avaliação dos resultados; Implantação de medidas corretivas. (NAKAGAWA,1993; GUERREIRO, 1989). O processo de geração de simulações e a análise de cenários fazem parte de um processo de tomada de decisão. (NAKAGAWA, 1993). É fundamental para o processo de tomada de decisões a utilização de informações, de sistemas de informações e de modelos de decisão. Os gestores precisam de um modelo de decisão para simplificar a compreensão do contexto da decisão, reduzindo a quantidade de variáveis existentes a um número passível de manipulação. O modelo de decisão é visto como um processador de informações, que apoia o gestor na fase da escolha e passa a ser de extrema importância no ambiente de negócios volátil dos dias de hoje, como auxiliador de uma tomada de decisão ágil e efetiva. (PARISI; NOBRE, 2001). Oliveira (1988) também reforça a relação entre o processo decisório e o processo de controle. Essa situação pode ser visualizada na figura 2. Figura 2 Relação entre o Processo Decisório e o Processo de Controle Fonte: Oliveira (1988)

37 35 De acordo com Parisi e Nobre (2001, p.129): O modelo de decisão define um problema comum aos gestores que é a identificação da alternativa que otimize o resultado econômico de certo evento/transação econômica, cujo modelo terá como entrada um conjunto de variáveis chamadas de decisão e ambientais Avaliação de Desempenho Segundo Otley (2001) o gerenciamento de desempenho fornece um guarda-chuva sob o qual podemos estudar os processos mais formais que as organizações usam, na tentativa de implantar a sua intenção estratégica, e se adaptar às circunstâncias sob as quais elas têm de operar. Nas empresas, um processo de gestão requer avaliações de desempenhos, como um dos requisitos para o controle, que interage com as fases de planejamento e execução das atividades. Avaliar um desempenho passa a ser um meio para se tomar decisões adequadas e se atingir os objetivos. (PEREIRA, 2001). A avaliação de desempenho é uma importante ferramenta de análise estratégica. E deve ser integrada com a estratégia global da companhia. (CIMA, 2002). O gerenciamento de Desempenho tem sido o foco das novas técnicas da contabilidade gerencial que foram desenvolvidas nos últimos 20 anos, como por exemplo o custeio baseado em atividades (Activity-Based Cost = ABC), o Balanced Scorecard e o valor econômico adicionado (EVA ). Muito do impulso das novas técnicas da contabilidade gerencial tem sido relacionadas com os tópicos de medição e gerenciamento do desempenho organizacional. (OTLEY, 2001). Existe uma diferença entre mensuração e avaliação de desempenho. A mensuração do desempenho planejado pode ser entendida como uma quantificação dos planos, expressa na forma de orçamentos e padrões, fornecendo bases comparativas para a avaliação de desempenho. O uso da expressão mensuração de desempenho, ao mesmo tempo com avaliação de desempenho limita o sentido dessa última, não devendo ser equiparadas. (PEREIRA, 2001). Mensuração tem sido definida como a atribuição de números a objetos, de acordo com regras, especificando o objeto a ser medido; a escala a ser usada e as dimensões de unidade. (GUERREIRO, 1989; AHO, 2010).

38 36 Guerreiro (1989) cita que as mensurações são necessárias, não somente para expressar objetivos e clarificar alvos a respeito de quais decisões devem ser tomadas, mas também para controlar e avaliar os resultados das atividades envolvidas no processo de atingir os alvos. Conforme Pereira (2001) por desempenho entenda-se a realização de uma atividade ou de um conjunto de atividades. Aho (2010) cita que o desempenho de uma organização é como ela está alcançando os seus objetivos. Desempenho é inerentemente multidimensional, diferentes aspectos do desempenho são relevantes para diferentes stakeholders. (OTLEY, 2001, p.253). Como um instrumento de gestão, um modelo de avaliação de desempenho deve prever que seja exercido o controle sobre o desempenho, e não simplesmente permitir a formação de juízos. Deve promover a eficácia, e não simplesmente mensurá-la. (PEREIRA, 2001; GOULD, 2003). Tanto a eficácia quanto a eficiência pressupõe a existência de parâmetros e, nesse contexto, se torna importante o controle orçamentário e o custo-padrão. (GUERREIRO, 1989). Os orçamentos e padrões refletem níveis de resultados e eficiência desejados nas atividades empresariais, constituindo bases de comparação do desempenho realizado, para a avaliação de desempenho na gestão econômica. Cada gestor tem sob sua responsabilidade uma atividade ou conjunto delas, e precisa saber como contribuem para o desempenho de sua área e para o da empresa em sua totalidade. (PEREIRA, 2001). Aho (2010) afirma que a medição é feita usando medidas, frequentemente chamadas de indicadores chaves de desempenho (KPIs). Um KPI (Key Performance Indicator) é uma representação de um fator critico de sucesso, que é uma atividade necessária para se alcançar um dado objetivo estratégico. Os KPIs encorajam as empresas a olharem além das medidas tradicionais financeiras para entender como a empresa está executando as suas atividades. Segundo Catelli (1972) a alta administração de uma empresa requer bases concretas para avaliação dos possíveis desvios ocorridos, a fim de emitir seu parecer e orientar os executivos. Um sistema de medição de desempenho envolve toda a organização. Ele estará integrado com a estratégia global da companhia e assim garantirá que todos os stakeholders estejam trabalhando juntos na mesma direção. (CIMA, 2002) Deve-se ter o entendimento de quais fatores direcionam o desempenho corporativo. (GOULD, 2003; CIMA, 2002).

39 37 Todo sistema de medição de desempenho deveria refletir um conjunto de fatores que contribuem para o sucesso; para fazer isso se requer um conjunto de indicadores financeiros e não financeiros. (CIMA, 2002). Para que as medidas de desempenho sejam úteis deve haver um ciclo contínuo de comparação dos resultados realizados com o plano original. Isso, então, deve ser alimentado ao processo de tomada de decisão. Se as metas de desempenho não levam para a ação, não há controle gerencial. (CIMA, 2002; SANVICENTE; SANTOS, 2000). Segundo Pereira (2001) os fatores que indicam a necessidade de avaliações de desempenho são: a existência de objetivos que devem ser perseguidos permanentemente; a escassez de recursos que requerem a alocação e a utilização da melhor forma; a delegação de autoridade para o gerenciamento das atividades empresariais, além das próprias necessidades de cada uma das fases do processo de gestão das atividades (planejamento, execução e controle). Denomina-se contabilidade por responsabilidade o conjunto de conceitos contábeis gerenciais que permitem a identificação, mensuração, acumulação, decisão e informação dos eventos econômicos e atividades especificas para cada um dos gestores das empresas. (PADOVESE, 2005, p.451). Dent (1990) nota que há um inter-relacionamento entre as estratégias e o desenho dos sistemas de controle. Também há inter-relacionamento no link entre o desenho de sistemas contábeis e a tomada de decisão estratégica. Otley (2001) prefere descrever o sistema de controle de gestão como gestão de desempenho. Ligações entre o sistema de controle de gestão e os objetivos organizacionais são muito explicitas, na medida em que a primeira função do sistema de controle de gestão é medir o progresso para se alcançar os fins desejados da organização. (CHENHALL, 2003). A partir do exposto percebemos que as empresas usam a avaliação de desempenho na tentativa de garantir que a sua estratégia seja implantada. A avaliação de desempenho deve se integrar perfeitamente ao processo de gestão, em suas fases de planejamento, execução e controle. Isso leva a entender o motivo pelo qual as empresas atualmente investem em tecnologias que as ajudem a melhorar a avaliação de desempenho e a tomada de decisões para garantir que os objetivos estratégicos sejam alcançados.

40 A CONTABILIDADE GERENCIAL, SUA EVOLUÇÃO, SEU DESENHO E AS SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO À CONTABILIDADE FINANCEIRA. A Contabilidade Financeira lida com o reporte e a comunicação de informações econômicas sobre uma organização, para as entidades externas; reporta o passado; é regulada e direcionada por normas; objetiva, auditável e somente financeira. A Contabilidade Gerencial é o processo de identificar, medir, reportar e analisar a informação sobre eventos econômicos das organizações. Reporta internamente; orientada para o futuro; atual; sem regulação; mais subjetiva; disponibiliza medidas financeiras, operacionais e físicas sobre cliente, processos, competidores, etc. A informação da Contabilidade Gerencial é uma das fontes primárias de informação para tomada de decisão e controle nas organizações. Sistemas de contabilidade gerencial produzem informações que ajudam os indivíduos a tomarem melhores decisões e a melhorarem os processos e o desempenho das organizações. Tradicionalmente, a informação da Contabilidade Gerencial tem sido financeira. Recentemente, entretanto, ela tem se expandido para abranger as informações não financeiras, operacionais e físicas. (ATKINSON et al., 1997). Emmanuel et al. (1990) afirmam que a avaliação de desempenho tem sido identificada como uma importante função da contabilidade gerencial. Muitas práticas em contabilidade gerencial podem ser vistas como um método de se reportar o desempenho financeiro de uma companhia. (OTLEY, 2001). A materialização do planejamento estratégico ocorre por meio dos instrumentos táticos fornecidos pela Contabilidade Gerencial, já que esta proporciona condições de utilização do orçamento e do controle orçamentário nas empresas. (FREZATTI et al., 2007). Shank e Govindarajan (1997) destacam que a contabilidade existe na administração, principalmente, para facilitar o desenvolvimento e a implantação da estratégia empresarial. Frezatti et al. (2007) mencionam que a conexão entre o planejamento estratégico e o tático é uma preocupação futura, no sentido de viabilizar a aplicabilidade do primeiro, sendo a contabilidade gerencial da empresa a fonte de informação para que isso seja possível. Ter a correta abordagem de Finanças é importante para garantir as estratégias de sucesso. Companhias desempenham melhor que os competidores pelo fato de que elas são melhores em tomada de decisão. As bases disso são parcialmente garantidas pelas técnicas de contabilidade gerencial e quanto à abordagem para a tomada de decisão e suporte aos

41 39 processos. O resultado das suas adoções e a implantação bem sucedida é uma melhor qualidade de informação e interpretação. (GOULD, 2003). Além de fornecer informação para a avaliação de desempenho, a contabilidade gerencial fornece informação para planejamento (EMMANUEL et al., 1990). Tradicionalmente, isso tem sido dominado pelas aplicações de sistemas orçamentários para ajudar o planejamento de recursos no curto prazo, orçamento de capital e planejamento estratégico para o longo prazo. (CHENHALL; LANGFIELD-SMITH, 1998). As ferramentas e as técnicas da contabilidade gerencial deveriam ser usadas para ajudar o negócio e são as competências vitais que os contadores gerenciais requerem para suportar o negócio. (GOULD, 2003). A informação da Contabilidade Gerencial assiste diversas funções organizacionais: Controle Operacional (fornecer feedback sobre a eficiência e a qualidade das tarefas executadas); Custos (fornecimento de informações de custos dos clientes e produtos); Controle Gerencial (fornecer informação sobre o desempenho dos gerentes e unidades operacionais) e Controle Estratégico (fornecer informação sobre as finanças da empresa, o desempenho competitivo de longo prazo, condições de mercado, preferências dos clientes e inovações tecnológicas). (ATKINSON et al., 1997). Segundo Otley (2001) as três funções da informação da contabilidade gerencial são: Tomada de Decisão (O quê eu deveria fazer?). Direcionamento de Atenção (No que eu deveria prestar atenção?). Scorecard (Quão bem eu estou indo?). Historicamente, a contabilidade gerencial foi baseada na fábrica e na contabilidade de custos. Durante os anos 80 e 90, novos desafios emergiram e os papéis tradicionais e métodos foram desafiados com o surgimento de novas técnicas. (GOULD, 2003; OTLEY, 2001; CHENHALL; LANGFIELD-SMITH, 1998). No final dos anos 80 e início dos 90, o primeiro grande desenvolvimento a evoluir foi à contabilidade e o reporte multidimensional através de novas abordagens de alto nível, tais como medidas de desempenho multidimensionais (algumas vezes via BSC) e gerenciamento baseado em atividades. Isso foi uma direta resposta à estreita perspectiva de valor adicionado pela contabilidade de custos anterior. Um segundo desenvolvimento envolveu ampliar o papel da contabilidade gerencial, de um mero foco interno, para o fornecimento de informação e análise sobre os competidores e o ambiente externo de negócio. (GOULD, 2003). Muitos autores têm afirmado que as técnicas de contabilidade gerencial não são adequadas para empresas que operam em um ambiente contemporâneo, caracterizado por

42 40 competição global intensa, mudanças rápidas de tecnologia e o desenvolvimento de novas abordagens gerenciais, tais como, gerenciamento de qualidade, Just-in-time e sistemas de manufatura flexíveis. Um conjunto de técnicas recentemente desenvolvidas, incluindo custeio baseado em atividades, análises de cadeia de valor, target costing, análise de ciclo de vida de produto, análise de valor para o acionista e benchmarking foram propostas como maneiras de ligar as operações aos objetivos e estratégias da companhia. (CHENHALL; LANGFIELD- SMITH, 1998). Como vimos, as técnicas da Contabilidade Gerencial têm um papel fundamental na avaliação de desempenho, no controle e no fornecimento de informações para a tomada de decisão, a fim de que a empresa desempenhe na direção de seus objetivos. Isso só reforça a importância do entendimento do uso das ferramentas que suportam o conceito de CPM, como uma iniciativa para se melhorar a gestão estratégica das empresas, quanto às tarefas da contabilidade gerencial Contabilidade Gerencial Estratégica Como resposta às criticas recebidas pela contabilidade gerencial Robert Kaplan respondeu, com a reinvenção de práticas da contabilidade gerencial, começando, por exemplo, com Activity-Based Costing ABC. O trabalho de Kaplan pode ser visto como parte de um movimento mais geral de mudanças nas práticas que se intitulou de Contabilidade Gerencial Estratégica. Embora o termo tenha sido cunhado por Simmonds, por volta de 1980, Kaplan foi o primeiro a admitir que esse conceito não estava sendo levado seriamente até o final da década de 80. Isso representa uma mudança em ênfase no uso e aplicação das informações da Contabilidade Gerencial, mais do que muitas novas técnicas especificas. A mudança em ênfase era muito evidente. A Contabilidade Gerencial passa a desenvolver as suas forças tradicionais com ênfases complementares. Embora haja alguma retórica nas ideias encapsuladas no termo Contabilidade Gerencial Estratégica, ela captura a essência de um movimento significativo nas práticas da Contabilidade Gerencial. As mudanças de ênfase são, segundo Otley (2001, p. 244). 1. Do histórico para o olhar perante o futuro. 2. Do controle para o planejamento. 3. Do interno para o externo (clientes, competidores, etc.). 4. Do custo para a geração de valor. 5. Da produção para o Marketing.

43 41 Como podemos observar pelas afirmações de Otley, também compartilhada por Roslander et al. (1998), a Contabilidade Gerencial Estratégica dirige sua atenção para as partes externas da organização, mais notavelmente aos clientes e competidores. O objetivo é que as operações sejam efetivamente adaptadas para atender os requerimentos dos clientes, de uma maneira que iguale ou supere aquilo que é provido pelos competidores. Tradicionais práticas da contabilidade gerencial, tais como análises de variação dos custos e medidas de desempenho baseadas no lucro, focam nas preocupações internas da organização e são orientadas financeiramente. Em contraste, técnicas de contabilidade gerenciais mais contemporâneas combinam informações financeiras e não financeiras e empregam um foco explicitamente estratégico. Isso pode ser visto, por exemplo, no desenho do custeio baseado em atividades, sistemas de medição de desempenho contemporâneos e técnicas de benchmarking. (CHENHALL; LANGFIELD-SMITH, 1998). Apesar do exposto, Otley (2001) também afirma que as práticas anteriores não eram tão ruins e nem as novas práticas são adequadas para entregar todas as promessas sugeridas. Roslander et al. (1998) afirma que a Strategic Management Accounting SMA é estratégica no sentido de ser orientada para as necessidades do topo da administração, como oposto a ênfase operacional das mais convencionais modalidades de contabilidade interna. Bromwich (1988) definiu SMA como a procura em se avaliar a vantagem competitiva da companhia ou o valor adicionado relativo aos seus competidores, à avaliação dos benefícios dos produtos da empresa para os clientes ao longo do seu tempo de vida, e os benefícios que essas vendas resultam para a empresa ao longo de um horizonte de decisão. Chenhall (2003) afirma que quando se está avaliando as características do sistema de controle de gestão, é um útil exercício julgar a extensão que eles acomodam: Captura de resultados financeiros e não financeiros; e fornecer informação sobre como as organizações se relacionam com o seu ambiente externo e sua habilidade de se adaptar Novas e Tradicionais Práticas de Contabilidade. Em um artigo de Chenhall e Langfield-Smith (1998) foi pesquisado na Austrália a evidência da adoção e os benefícios proporcionados pelas práticas da contabilidade gerencial tradicionais e as recentemente desenvolvidas, bem como a ênfase que as organizações pretendem colocar nas práticas da contabilidade gerencial no futuro.

44 42 No estudo de Chenhall e Langfield-Smith (1998) confirma-se a importância das medidas financeiras de desempenho: altas taxas de adoção quanto ao orçamento para controlar custos; retorno sobre o investimento; análise de variação contra o orçamento e lucros divisionais. Observa-se, também, uma importância de medidas não financeiras, além da integração de informações não financeiras e financeiras em seus relatórios. Muitas medidas não financeiras foram incluídas nas categorias de alta adoção e média adoção. Várias medidas específicas não financeiras foram incluídas na categoria de adoção moderada (incluindo o balanced scorecard; medidas de satisfação; desempenho de time; atitude dos empregados). Esses itens são os tipos de medidas que podem ser usadas para monitorar áreas de importância estratégica. Os resultados sugerem que as medidas de desempenho financeiro continuam a ser um aspecto importante da contabilidade gerencial. Entretanto, essas estão sendo suplementadas com uma variedade de medidas não financeiras. Ranqueou-se a adoção das técnicas baseadas em atividade como relativamente baixa. O Benchmarking foi importante para muitas das empresas pesquisadas. Soutes e Zen (2005) identificaram em qual estágio evolutivo a contabilidade gerencial brasileira se encontra, por meio de uma pesquisa empírica. Os autores procuraram identificar quais artefatos estão sendo utilizados nas empresas. Foi utilizado no trabalho deles a classificação do IMA (Institute of Management Accountants), através do documento IMAP 1 (International Management Accounting Practices) que identificou quatro estágios evolutivos da contabilidade gerencial. Identificou-se que boa parte das empresas brasileiras utiliza os artefatos no primeiro estágio (categoria de determinação de custo e controle financeiro). No segundo estágio o ABC se mostrou com baixa utilização. No terceiro estágio constatou-se que a análise de centros de responsabilidade e benchmarking ficaram acima de 70%. Constatouse, também, que um percentual pequeno de empresas entrevistadas está utilizando os artefatos listados no quarto estágio (BSC, métodos de avaliação de desempenho, EVA e Market Value Added MVA). Um estudo de Guerreiro et al. (2011) procurou mostrar se as empresas brasileiras que se destacam pelo seu porte na economia brasileira utilizam artefatos modernos da Contabilidade Gerencial. Eles classificaram os artefatos entre modernos e tradicionais considerando também sua adequação aos estágios evolutivos da Contabilidade Gerencial conforme estudo do International Federation of Accountants IFAC (1998). Nesse trabalho também se considerou a distribuição dos artefatos de Soutes e Zen (2005). No trabalho de Guerreiro et al (2011) constatou-se que as empresas utilizam artefatos modernos da Contabilidade Gerencial, embora a intensidade e o uso possam variar entre os

45 43 artefatos pesquisados. Os artefatos modernos que mais apresentaram índices de utilização foram simulações (88%) e benchmarking (85%). Em bloco intermediário de utilização, destacam-se o custo financeiro dos estoques (56%), teoria das restrições (52%), EVA (50%) e Balanced Scorecard (46%). No terceiro bloco com menor índice de utilização, estão o custeio meta (33%), kaizen (33%), just-in-time (31%) e custeio baseado em atividades (30%). Com a descrição desses artigos mencionados podemos enumerar as várias técnicas da Contabilidade Gerencial que podem ser empregadas para o suprimento de informações para a tomada de decisão e aquelas que podem ser classificadas como modernas ou tradicionais. Em resumo percebemos que o Balanced Scorecard e o custeio baseado em atividades ainda apresentam pouca utilização, conforme as pesquisas aqui discutidas Desenho de um Sistema de Contabilidade Gerencial. O desenho do sistema de contabilidade gerencial em um momento se limitou à informação financeira interna, com uma orientação histórica. Entretanto, o papel cada vez maior do sistema de contabilidade gerencial, em assistir os gerentes nas tarefas de direção e de solução de problemas, resultou numa evolução dos sistemas de controle gerencial, incorporando dados externos e não financeiros, focando nos assuntos de marketing, inovação de produtos, planejamento estratégico e informações preditivas relacionadas a essas áreas de decisão. (CHENHALL, 2003; MIA; CHENHALL, 1994). Entre as características da informação de um sistema de contabilidade gerencial, a amplitude de escopo da informação tem sido identificada como potencialmente importante em assistir a tomada de decisão gerencial. A informação do sistema de contabilidade gerencial se diz de escopo restrito; quando ela é derivada das contas financeiras tradicionais, tende a ser relacionada aos eventos da organização e produz dados que são financeiros e históricos. Alternativamente, o amplo escopo dos sistemas de contabilidade gerencial inclui informação externa, não financeira e orientada para o futuro. O suporte para um amplo escopo da informação do sistema de contabilidade gerencial se baseia na crença de que os gerentes estão envolvidos em uma ampla variedade de tarefas e processos que requerem lidar com eventos que são complexos e incertos. A quantificação de tais eventos tipicamente inclui informação não financeira, frequentemente relacionada com o futuro. (MIA; CHENHALL, 1994).

46 44 Há um considerável número de estudos que confirmam as características do sistema de controle gerencial de amplo escopo, tempestividade, agregação e integração. Esses estudos têm empregado conceitos e medidas desenvolvidos por Chenhall e Morris (1986), algumas vezes com menores ajustes para casar com uma situação particular e parecer robusto em uma variedade de situações. (CHENHALL, 2003) Os Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial. Os atributos do sistema de contabilidade gerencial são conceituados como a formalidade de rotinas e procedimentos com grande uso de computadores, técnicas e modelagem financeira. Tais sistemas formais disponibilizam informações que atendam a determinadas características qualitativas, para serem selecionadas e apresentadas para os fins de tomada de decisão. (MOORES; YUEN, 2001). O objetivo do trabalho de Moores e Yuen (2001) foi explorar se uma determinada configuração empresarial, baseada nos ciclos de vida organizacionais é sistematicamente associada com variações observadas nos sistemas de contabilidade gerencial. As configurações de ciclo de vida se manifestam como diferentes padrões de estratégia, características estruturais, de liderança e de estilos de tomada de decisão, nos vários estágios do desenvolvimento organizacional. Os atributos do sistema de contabilidade gerencial podem ser classificados em dois grupos. O primeiro trata da seleção da informação, as ferramentas usadas no sistema de contabilidade gerencial, como discutido na literatura de contabilidade gerencial. Sob essa dimensão, os sistemas de informação deveriam processar ou fornecer a informação que satisfaça os conceitos de relevância e confiabilidade, e que passe no teste de materialidade. Trata-se da dimensão de conteúdo. A segunda dimensão, apresentação da informação, é similar à dimensão forma do sistema de contabilidade gerencial. Os sistemas deveriam apresentar a informação de uma maneira que satisfaça os conceitos de comparabilidade e compreensibilidade, alcançados pelos níveis de agregação e integração, e amplitude de escopo. Eles também sugerem que a tempestividade da informação é uma das restrições quanto à relevância e à confiabilidade da informação. Esse elemento tempestividade é analisado como parte da dimensão de forma (apresentação da informação) em estudos anteriores, como frequência e velocidade dos relatórios. (MOORES; YUEN, 2001).

47 45 Chenhall e Morris (1986) definem as quatro características supracitadas como: a) Escopo: Se refere às dimensões de foco, quantificação e horizonte de tempo. Um sistema de contabilidade gerencial tradicional fornece informações que foca nos eventos na organização; é quantificado em termos monetários e se relaciona aos dados históricos. Um sistema de contabilidade gerencial de escopo amplo fornece informações relacionadas ao ambiente externo, que podem ser econômicas (PIB, total de vendas do mercado, etc.) ou não econômicas (gosto dos consumidores, ações dos competidores, etc.). Amplo escopo de um sistema de contabilidade gerencial incluiria medidas não monetárias de muitas dessas características ambientais. Além disso, um amplo escopo de um sistema de contabilidade gerencial forneceria estimativas de probabilidade de ocorrência de eventos futuros, possivelmente em termos probabilísticos. b) Tempestividade: É provável que a habilidade de um gerente em responder rapidamente aos eventos seja influenciada pela tempestividade do sistema de contabilidade gerencial. Tempestividade é usualmente especificada em termos do fornecimento de informação a cada pedido, a frequência da geração sistemática dos relatórios com a informação coletada. A informação tempestiva melhora a facilidade do sistema de contabilidade gerencial em reportar sobre os mais recentes eventos e fornecer rápido feedback sobre as decisões. c) Agregação: O sistema de contabilidade gerencial pode fornecer informação em várias formas de agregação, desde o fornecimento de dados brutos, dados não processados, até uma variedade de agregações por períodos de tempo ou áreas de interesse, tais como centros de responsabilidade ou áreas funcionais. Um adicional tipo de agregação se refere às somas em formatos consistentes com modelos de decisão formais, tais como análises de fluxo de caixa descontado para orçamento de capital, simulação e programação linear em aplicações de orçamento, análises de custo-volume-lucro e modelos de controle de inventário. Informação agregada é um composto de soma temporal e soma funcional (por exemplo: áreas de vendas, centros de custo, departamentos de produção de marketing), informações produzidas especificamente para modelos de decisão formais. Informações agregadas serão percebidas como úteis pelos gerentes, em estruturas descentralizadas e por gerentes que percebem seus ambientes como incertos. d) Integração: Um importante aspecto do controle organizacional é a coordenação dos vários segmentos em uma unidade de negócio. As características do sistema de contabilidade gerencial que poderiam ajudar a coordenação incluiriam a especificação de targets que levam

48 46 em conta os efeitos de interação entre os segmentos e a informação sobre o impacto que as decisões em uma área têm por toda a unidade de negócio. É proposto que a utilidade percebida da informação integrada seja influenciada pelas variáveis contextuais de descentralização e interdependência organizacional. À medida que as unidades tornam-se mais descentralizadas é provável que a diversidade das atividades aumente. Se isso é o caso, então é presumível que a informação integrada seja mais útil na coordenação da ampliada diversidade das decisões de operação. Em resumo, as informações integradas serão percebidas como úteis pelos gerentes em unidades descentralizadas e por gerentes operando em situações de alta interdependência organizacional. O estudo de Chenhall e Morris (1986) encontrou que a descentralização está associada com a preferência de informação agregada e integrada; incerteza ambiental percebida com amplo escopo e tempestividade; interdependência organizacional com amplo escopo, informação agregada e integrada. O sistema de contabilidade gerencial como parte do pacote de controle organizacional e uma ferramenta de decisão gerencial, deveria ser diferente em cada estágio de ciclo de vida em que a empresa se encontra. A formalidade dos sistemas de contabilidade gerencial (seleção da informação e apresentação), isto é, seu desenho, é impactado de acordo os estilos de tomada de decisão. (MOORES; YUEN, 2001). Essas quatro dimensões são utilizadas nas perguntas relacionadas ao desenho do sistema de contabilidade gerencial presentes no questionário deste trabalho. As perguntas do questionário deste trabalho, relacionadas aos atributos (seleção da informação e apresentação) do sistema de contabilidade gerencial das empresas foram baseadas no trabalho de Moores e Yuen (2001). A partir dos dois artigos citados podemos perceber que o trabalho de Moores e Yuen (2001) é uma evolução do trabalho de Chenhall e Morris (1986) SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO ECONÔMICA O que é um Sistema de Informação? Informação é inteligência, que é significativa e útil para as pessoas para as quais ela é gerada. A informação tem valor para as empresas e seus gerentes pelo fato de que ela é necessária para a tomada de decisões e para induzir ações desejadas. Informação é derivada

49 47 do processamento de dados. Dados são os fatos, números e mesmo símbolos brutos, que juntos formam as entradas para um sistema de informação. (WILKINSON et al., 2000). A informação tem valor porque reduz a incerteza a respeito das condições ambientais em que a empresa atua. A redução de incerteza permite a tomada de melhores decisões. (GUERREIRO, 1989). Segundo Arima (2002) dado pode ser conceituado como um elemento em estado bruto, primário e isolado, que não tem um significado para gerar uma ação. Informação é um dado trabalhado e processado dentro das especificações exigidas pelos usuários com significado próprio, relevante e utilizada para gerar uma ação derivada do processo de tomada de decisão. A informação tem a sua validade como tal, quando faz parte do processo decisório dentro de uma organização. O interesse específico da utilidade da informação nas empresas é uma função direta do processo de gestão, como variáveis seja interna ou externa que serão os inputs nos modelos decisórios nas tomadas de decisão requeridas. (ALMEIDA, 2001). Em um mercado de alta competitividade, faz-se necessário o uso de informações econômico-financeiras para o processo de tomada de decisão e gerência das atividades empresariais. (IUDÍCIBUS, 1995). Guerreiro (1989, p.105) observa que as respostas às questões de como a informação deve ser obtida, gerenciada, processada, disponibilizada, quando, em que momento e para quem, conduzem-nos à necessidade da definição de um modelo de informação. Um modelo de informação pode ser entendido como uma representação abstrata de como devem ser concebidas as informações nas organizações, orientando a estruturação do sistema de informações. (PEREIRA, 2001). O modelo de informações é impactado pelos modelos de decisão e de mensuração, na medida em que a informação deve incorporar todos os atributos e características que atendam aos requisitos dos modelos de decisão e mensuração. (GUERREIRO, 1989). "Sistema de informação é um conjunto de subsistemas que atuam coordenadamente para, com o seu produto, permitirem as organizações o cumprimento de seus objetivos principais". (RICCIO, 1989, p.11). Um sistema de informação pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta (ou recupera), processa, armazena e distribui informações destinadas a apoiar a tomada de decisões; a coordenação e controle de uma organização. Além de dar suporte à tomada de decisões, à coordenação e ao controle, esses

50 48 sistemas também auxiliam os gerentes e trabalhadores a analisar problemas, visualizar assuntos complexos e criar novos produtos. (LAUDON; LAUDON, 2004). Nas empresas é necessário estabelecer um conjunto de procedimentos que possibilitem captar as ocorrências internas e externas, aos assuntos relacionados à sua gestão, de maneira estruturada e subsidiando os gestores nas decisões requeridas no processo de gestão. (ALMEIDA, 2001). Um sistema de informação pode ser definido como um conjunto de subsistemas de informação interdependentes, que interagem na consecução de um objetivo comum, que é fornecer, eficientemente, informações úteis aos seus usuários. (GUERREIRO, 1989). Dados Sistema de Informações Informações Banco de Dados Figura 3 Modelo de Sistema de Informação. Fonte: Arima (2002, p.81) Segundo Arima (2002, p. 81) um sistema de informação é um conjunto de procedimentos estruturados, planejados e organizados que, uma vez executados, produzem informações para suporte ao processo de tomada de decisão (Figura 3). Para o referido autor, cada nível de informação (Estratégico; Tático ou Gerencial; e Operacional, na figura 4) é suportado por algum tipo de sistema de informação, que auxilia o processo de tomada de decisão. Tais decisões ocorrem em função da natureza dessas informações, ou seja, do nível estratégico para operacional, as decisões têm tido características de não estruturadas para estruturadas, respectivamente. Quanto às decisões de nível tático ou gerencial, tem-se caracterizado como uma combinação das outras duas, isto é, semiestruturadas. Assim de acordo com o nível a que se destinam, os sistemas de informação têm características próprias com as seguintes denominações: sistema de informações operacionais; sistema de informações gerenciais e sistema de informações estratégicas (Figura 5).

51 49 Estratégico Tático ou Gerencial Operacional Figura 4 Níveis em que se encontram as informações Fonte: Arima (2002) Estratégico Tático ou gerencial Sistema de informação executiva Sistema de apoio à decisão Sistema de informações gerenciais Operacional Sistema de apoio a transações Figura 5 Localização dos Sistemas de Informações em relação à Hierarquia das Informações. Fonte: Arima (2002) A finalidade dos sistemas de apoio a transações é proporcionar a automação das atividades operacionais, assim como tratar a base de dados e fornecer informações para os sistemas de nível tático ou gerencial. Como exemplo temos: os sistemas de faturamento; estoques; compras; contas a receber; contas a pagar; folha de pagamento, etc. (ARIMA, 2002). Os sistemas de informações gerenciais (Management Information System MIS) satisfazem os gerentes de uma empresa em suas necessidades de informação. O objetivo do MIS é ajudar esses gerentes em decisões relacionadas as suas responsabilidades. Como exemplo temos os sistemas de projeção de vendas, controle de produção, análise de custos, etc. (WILKINSON et al., 2000; ARIMA, 2002). Conforme Arima (2002), os sistemas de informações voltados para o nível estratégico suportam as decisões empresarias, relacionadas com o mercado em que a organização está inserida. Esses sistemas fornecem informações sintéticas provenientes do ambiente interno

52 50 correlacionado com o externo, permitindo ao executivo corrigir ou melhorar a colocação da empresa em relação ao mercado em que atua. Os primeiros sistemas que fizeram parte dessa família foram desenvolvidos no início da década de 70 por Morton (1978), sob a denominação de Decision Support System (DSS), conhecidos no Brasil como sistemas de apoio às decisões (SAD). Os SADs passaram a se caracterizar por sistemas interativos e comunicativos, baseados no uso de computadores, que auxiliam os tomadores de decisões a resolver problemas não estruturados. Para isso, utilizavase de modelos e dados por meio de um alto nível de diálogo, que permitiam aperfeiçoar a produtividade e incrementar a eficiência dos tomadores de decisões. Ainda fazendo parte da família de sistemas de informações estratégicas temos o Executive Information Systems (SIE), conhecido entre nós como sistemas de informações executivas (SIE), ou sistemas de suporte aos executivos (SSE). Esses sistemas têm sido uma das mais poderosas tecnologias para apoiar o processo decisório de executivos e que, em muitos pontos, se assemelha aos argumentos dos SADs/DSSs. (ARIMA, 2002). Os sistemas de suporte à decisão (DSS ou SADs) são sistemas de informações baseados em computador que ajudam os gerentes a tomar decisões ad hoc que envolvem significante incerteza. Permite ao tomador da decisão executar manipulações com ou mais modelos de decisão, usando dados que são, muitas vezes, gerados pelo MIS. (WILKINSON et al., 2000). Sistemas de suporte a decisão (DSS) é uma área da disciplina de sistemas de informação que é focada em suportar e melhorar a tomada de decisão gerencial. É sobre desenvolver e entregar sistemas baseados em tecnologia da informação para suportar o processo de decisão. (ARNOTT; PERVAN, 2008). Os SADs auxiliam o processo de decisão gerencial combinando dados, ferramentas e modelos analíticos sofisticados, bem como software amigável ao usuário. Tudo isso em um único e poderoso sistema que pode dar suporte à tomada de decisões semiestruturada e não estruturada. Um SAD fornece aos usuários um conjunto flexível de ferramentas e capacidades para analisar dados importantes. (LAUDON; LAUDON, 2004). Um sistema de informação executiva (SIE) fornece aos gerentes (executivos) informações que são customizadas para as suas necessidades e interesses. Já que o EIS é interativo e baseado em computadores, a informação é geralmente muito tempestiva. Os gerentes para os quais o SIE é desenhado podem facilmente acessar a informação, analisá-la em várias maneiras, gerar gráficos e executar outras manipulações. (WILKINSON et al., 2000).

53 51 Com um SAD é menor o esforço para ligar os usuários aos fluxos de informações estruturadas e há uma ênfase correspondente maior em modelos, pressuposições, consultas ad hoc e apresentações gráficas. O SAD dá apoio à análise de problemas semiestruturados e nãoestruturados. (LAUDON; LAUDON, 2004). Os sistemas de informações executivas (SIEs) primeiro apareceram na cena do suporte à decisão em meados da década de 80. Esses sistemas foram desenhados para fornecer aos executivos um fácil acesso as informações internas e externas que são relevantes para os fatores críticos de sucesso. Ao longo dos anos 90, os SIEs evoluíram com as mudanças nas tecnologias e abordagens para o planejamento organizacional e controle. Os SIEs agora acessam muitos de seus dados de Data Marts e/ou Data Warehouses. Esses armazéns de dados torna mais fácil o acesso a dados limpos, consistentes e integrados. (SINGH et al., 2002). Os sistemas de apoio a executivos auxiliam os gerentes no caso de problemas não estruturados, focalizando as necessidades de informação da alta administração. Combinando dados de fontes internas e externas, esses sistemas, criam um ambiente generalizado de computação e comunicação, que pode ser focado e aplicado a um conjunto mutável de problemas. Um sistema de apoio a executivos pode ajudar a alta administração a monitorar o desempenho organizacional, rastrear as atividades de concorrentes, localizar problemas, identificar oportunidades e prever tendências. (LAUDON; LAUDON, 2004). Avanços nos softwares para os EISs têm aumentado a quantidade e qualidade da informação fornecida para os usuários. Muitos softwares para os EISs usam um WEB browser para a interface do usuário, que fornece acesso fácil aos dados na intranet de uma companhia e também aqueles vindos da internet. As capacidades OLAP (Online Analytical Processing) permitem aos usuários executar análises multidimensionais com a funcionalidade de Slicing and Dicing (se refere à habilidade de combinar e recombinar as dimensões para ver determinadas fatias da informação). Capacidades de Data Mining podem fornecer uma melhor compreensão sobre os relacionamentos que estão escondidos nos dados. O conceito de Balanced Scorecard tem influenciado o desenho e conteúdo de um EIS. O Balanced Scorecard realça a importância de monitorar medidas financeiras, de clientes, operações internas e de inovação e aprendizado. (SINGH et al., 2002). O processo de gestão estratégica é complexo e não estruturado. Ele requer inputs de vários stakeholders da organização e um grande compromisso dos recursos. Os executivos precisam de informação relevante para executar, de uma forma bem sucedida, esse processo, e algumas dessas informações são potencialmente fornecidas pelo EIS. (SINGH et al., 2002).

54 52 A chave de sucesso para um EIS é que ele deveria fornecer suporte para os objetivos organizacionais. (SINGH et al., 2002). Gould (2003, p.19) menciona que os requerimentos dos executivos quanto às informações podem incluir informações externas e internas, assim como financeiras e não financeiras. Como um resultado, os gerentes seniores requerem: Flexibilidade substancial no tipo e formato da informação que eles podem obter de seus sistemas de informação. Os tipos de informação que os gerentes requerem para fins de planejamento estratégico podem variar ao longo do tempo. Capacidades de modelagens flexíveis para permitir analisar os dados e informações, de qualquer maneira que eles consideram apropriado em dadas circunstâncias. O benefício mais visível dos sistemas de apoio a executivos é a sua capacidade de analisar, comparar e destacar tendências. A fácil utilização de recursos gráficos permite ao usuário examinar mais dados em menos tempo, com maior clareza e percepção do que o faria com sistemas em papel. Os recursos que os sistemas de apoio a executivos dispõem permitem navegar por vários níveis de agregação de dados (drill down) e distinguir tendências; também podem aperfeiçoar a qualidade dessas análises e acelerar o processo de decisão. (LAUDON; LAUDON, 2004). Um SIE não é usado para definir os objetivos organizacionais; melhor, ele é mais útil em monitorar se os objetivos estão sendo atingidos e em suprir informação que ajudem as pessoas a atingir os objetivos. Esse uso do EIS suporta as seguintes fases do processo de gestão estratégica: formulação estratégica; mapeamento ambiental; implantação da estratégia; e controle estratégico. (SINGH et al., 2002). Algumas características apontadas por Arima (2002, p.85) como comuns aos sistemas de informações estratégicas são: - procuram não estruturar problemas específicos voltados à gerência de alto nível; - utilizam modelos e técnicas analíticas; - são orientados para dispositivos que facilitem o uso do computador por pessoas sem conhecimento sobre tecnologia de informação,; - dão maior ênfase à flexibilidade e à adaptabilidade a mudanças do ambiente e do processo decisório do usuário; - devem ser individualizados para cada tomador de decisão; - devem ser comunicativos, sendo que a qualidade do diálogo passa a ser um fator preponderante no uso do respectivo sistema; - devem ser interativos e responder a questões do tipo o que se (what if). Segundo Arima (2002) os sistemas como SAD e SIE são resultados da evolução dos sistemas de informações gerenciais (SIG).

55 53 Os SADs e SIEs fazem parte de uma categoria especial de sistemas de informação explicitamente projetados para aperfeiçoar o processo de decisão gerencial. (LAUDON; LAUDON, 2004) Sistemas de Informação Integrados Atualmente a integração é cada vez mais necessária no ambiente de negócios. Essa necessidade advém dos requerimentos necessários de eficiência e sinergia em um ambiente cada vez mais complexo e turbulento. Em outras palavras, a integração é necessária para facilitar a coordenação, que está relacionada à construção de vantagens competitivas. (MALMI; GRANLUND, 2002). A integração de sistemas de informação corporativos significa a extensão em que vários sistemas são formalmente ligados, a fim de compartilhar uma informação consistente na organização. (BOOTH et al., 2000). O termo sistema integrado de informação se refere a um conjunto de sistemas integrados, e em tempo real, que compartilham dados comuns. (ROM; ROHDE, 2006). A integração pode ser conceitualizada em três dimensões: 1) Integração de dados; 2) Comunicação corporativa em rede e 3) Integração da informação. (BOOTH et al., 2000). Os sistemas ERP são pacotes de software que prometem uma integração de todo o fluxo de informação ao longo de uma companhia: informação financeira e contábil; informação de recursos humanos; informação da cadeia de suprimentos; e informação de clientes. (DAVENPORT, 1998) Os ERPs trabalham no nível operacional, ao invés do nível estratégico. Eles não mostram como um negócio poderia de uma forma melhor, criar valor para os clientes e alcançar os objetivos da companhia. (FAHY, 2000) METODOLOGIAS (FRAMEWORK) PARA A PESQUISA EM CONTABILIDADE GERENCIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INTEGRADOS (IIS). Segundo Rom e Rohde (2007) a pesquisa em Contabilidade Gerencial e em sistemas de informações integrados evoluíram através de diferentes correntes de pesquisa. Algumas correntes de pesquisa colocaram mais ênfase no lado da Contabilidade Gerencial, enquanto

56 54 outras correntes colocaram mais ênfase no lado do sistema de informação. Com base na revisão da literatura e em frameworks, esses autores criaram um framework teórico para a pesquisa, que lida com a combinação do IIS e a Contabilidade Gerencial. Um exemplo de framework que estuda o relacionamento entre o IIS e a Contabilidade Gerencial é aquele desenvolvido por Mauldin e Ruchala (1999). Um exemplo de framework na pesquisa de sistemas de informações, que não explicitamente incorpora a Contabilidade Gerencial é o de Delone e Mclean (2002). Segundo Rom e Rohde (2007) um IIS consiste de diversos componentes. Um exemplo de um componente do IIS é o ERP. O ERP não é o único sistema que tem o potencial de suportar a contabilidade gerencial. O Balanced Scorecard e o Orçamento podem ser implantados com outros softwares. O IIS poderia também ser descrito via suas características. Uma característica é aquela da integração conforme estudos de Booth et al (2000). Para Rom e Rohde (2007) a Contabilidade Gerencial é dividida em tarefas, técnicas, organização e comportamento, assim como uso e percepções. A literatura investiga o relacionamento entre o ERP e os diferentes aspectos da Contabilidade Gerencial. Para fornecer alguns exemplos, Booth et al (2000) investigam tarefas e Malmi e Granlund (2002) investigam técnicas. De uma perspectiva funcionalista e normativa, o foco em tarefas adotado por Mauldin e Ruchala (1999) é natural, à medida que as tarefas deveriam definir as técnicas, e a solução das tarefas deveriam ser organizadas em alguma maneira ótima. O uso das técnicas e os sistemas de informações deveriam suportar a solução das tarefas. Na concepção de Rom e Rohde (2007) diversas variáveis mediam ou moderam o relacionamento entre o IIS e a Contabilidade Gerencial. Embora não diretamente faça parte desse relacionamento, a variável de desempenho é incluída em todos os frameworks revistos no artigo destes autores. Por final, o framework destes autores é independente do paradigma de pesquisa. Na figura 6 está o framework teórico proposto por Rom e Rohde (2007), que é o resultado das definições do IIS e da contabilidade gerencial e uma extensiva pesquisa pelos construtos com o IIS e contabilidade gerencial.

57 55 Figura 6 Framework Teórico para pesquisa em Contabilidade Gerencial e Sistemas de Informações Integradas. Fonte: Rom e Rohde (2007) Este framework, exposto na Figura 6, serve de embasamento para esta pesquisa. Como vimos o objetivo desse trabalho é identificar as tarefas da Contabilidade Gerencial que estão sendo impactadas pelos sistemas de informação, que usam as ferramentas que suportam o conceito de gestão de desempenho. Na revisão da literatura do artigo de Rom e Rohde (2007) foi identificado que, tradicionalmente, a lógica do relacionamento entre as tarefas da Contabilidade Gerencial e o IIS se resume em: o IIS é a variável independente e as tarefas da Contabilidade Gerencial são as variáveis dependentes. Malmi e Granlund (2002) argumentam que o IIS é mais provável de impactar a contabilidade gerencial. Todavia, o relacionamento reverso, onde o IIS é a variável dependente, seria também relevante para se investigar. O relacionamento entre o IIS e a contabilidade gerencial é bidirecional. (ROM; ROHDE, 2007) A IMPORTÂNCIA DA CONSIDERAÇÃO DAS TAREFAS NA PESQUISA SOBRE OS SISTEMAS DE CONTABILIDADE GERENCIAL À medida que a tecnologia da informação se torna mais avançada, as aplicações de sistemas de informações contábeis são reconhecidas por habilitarem mudanças nas tarefas da contabilidade. (MAULDIN; RUCHALA, 1999).

58 56 As tecnologias são frequentemente desenvolvidas em resposta a específicos requerimentos das tarefas, usando raciocínio prático e conhecimento experimental. (MARCH; SMITH, 1995). A tecnologia é um disseminado e crescente componente das tarefas contábeis e tem mudado os processos de trabalho. O modelo de Mauldin e Ruchala reconhece esse fator. O artigo desenvolve um modelo para a pesquisa sobre os sistemas de informação contábeis; este começa com um foco na tarefa e sugere um processo de casamento entre os requerimentos da tarefa e as alternativas de desenho do sistema. Adicionalmente, o modelo sugere que os fatores de contingência cognitivos, organizacionais e tecnológicos impactam o resultado e o desempenho da tarefa. (MAULDIN; RUCHALA, 1999). A Figura 7 apresenta o framework desenvolvido por Mauldin e Ruchala (1999). Figura 7 Framework de Mauldin e Ruchala para pesquisa de Sistemas de Informações Contábeis Fonte: Mauldin e Ruchala (1999) Rom e Rohde (2007) também afirmam que o uso das técnicas e os sistemas de informações deveriam suportar a solução das tarefas. Como resultado primário do artigo há a proposição de que um modelo de pesquisa de um sistema de informação contábil deveria ser reorientado para um foco em tarefa. As tecnologias presentes no sistema de informação contábil, na forma de banco de dados, sistemas especialistas e de apoio à decisão, representam ferramentas para resolver os problemas de contabilidade. A importância da pesquisa com foco em tarefa é cada vez mais

59 57 reconhecida em contabilidade por vários pesquisadores. O foco na tarefa é necessário para desenhar e implantar sistemas em consonância com o julgamento humano, com o processo de decisão e com as estratégias organizacionais. (MAULDIN; RUCHALA, 1999). Tecnologia da informação refere-se às ferramentas e técnicas que são desenvolvidas especificamente para adquirir e processar a informação no suporte dos propósitos humanos. (MARCH; SMITH, 1995). A tecnologia pode melhorar o conhecimento e fornecer suporte à decisão, enquanto, por outro lado, a estratégia cognitiva e os fatores individuais podem afetar o desenho tecnológico e o modo da operação escolhida. A ligação entre fatores tecnológicos e organizacionais é uma via de mão dupla, já que a tecnologia pode permitir mudanças na estrutura organizacional e o contexto organizacional determinará a tecnologia escolhida. Fatores organizacionais incluem a estratégia organizacional, estrutura, e o ambiente de negócios externo e interno. Pesquisas organizacionais anteriores focam no desenho e na implantação do sistema de informação contábil, assim como, o relacionamento entre a escolha do sistema de informação contábil e o desempenho organizacional. (MAULDIN; RUCHALA, 1999). O desempenho da tarefa é escolhido como a variável de resultado, pelo fato de que ambos, tanto os pesquisadores de tecnologia de informação quanto os organizacionais, definem informação em termos do valor que ela detém para a ação humana. (MARCH; SMITH, 1995). Dessa forma, a partir do exposto constatamos que para a pesquisa em sistemas de informação e Contabilidade Gerencial se torna importante estudarmos o impacto que os primeiros estão provocando nas tarefas da Contabilidade Gerencial. E esse é o objetivo deste trabalho, identificar se os sistemas que usam as ferramentas que suportam o conceito de gestão de desempenho estão facilitando mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial FERRAMENTAS DE BUSINESS INTELLIGENCE O Business Intelligence (BI) pode ser definido como o processo de conversão de dados em informações e então em conhecimento. O BI surgiu no começo dos anos 90 para satisfazer a demanda dos executivos para a análise dos dados da empresa, de forma eficiente e eficaz, para um melhor entendimento da situação dos negócios e melhoria do processo de decisão. (GOLFARELLI et al., 2004).

60 58 O BI pode ser visto como um método de análise do ambiente de negócios (mercados, competidores e assuntos econômicos). Ele se refere a um processo analítico que produz insights, sugestões, e recomendações para a gestão e os tomadores de decisão, transformando dados internos e externos em informações. Por exemplo: KPIs podem ser monitorados e representados usando técnicas de BI tais como dashboards e scorecards. (AHO, 2010). BI é um termo que engloba uma ampla gama de softwares analíticos e soluções para juntar, consolidar, analisar e fornecer acesso à informação, em uma maneira que permita aos usuários das organizações tomarem melhores decisões. O termo BI engloba software para a extração, transformação e leitura de dados (ETL Extract, Transform and Load), data warehousing, pesquisa em banco de dados (query) e reporte, análises multidimensionais e processamento analítico on-line (OLAP), data mining e visualização. A chave, naturalmente, é consolidar dados de muitos diferentes sistemas operacionais em um data warehouse corporativo. Devido ao vasto escopo desse esforço, poucas organizações tem um verdadeiro data warehouse corporativo. (GANGADHARAN; SWAMI, 2004). Segundo Coveney (2003, p. 15) o Business Intelligence (BI) é um software construído sob o conceito de banco de dados multidimensional, com ênfase na agilidade de planejar, reportar e analisar processos. Os sistemas transacionais de processamento são fornecedores de dados para os softwares de BI. Esse avanço da tecnologia de informação possibilitou explorar os dados dos softwares Enterprise Resources Planning (ERP) para tomada de decisão. O BI se refere ao uso da tecnologia para coletar, e efetivamente usar, a informação para melhorar o potencial do negócio. Um sistema de BI dá aos empregados da organização, parceiros e fornecedores, um fácil acesso à informação que eles precisam, para realizar seus trabalhos, bem como uma habilidade de analisar e facilmente compartilhar essa informação com outros. O BI fornece insights críticos que ajudam as organizações a tomarem decisões mais bem informadas. O BI facilita a varredura de todos os aspectos das operações de negócios para encontrar novas receitas e ampliar adicionalmente as reduções de custos, fornecendo informação para a tomada de decisão. (GANGADHARAN; SWAMI, 2004). Yoshikuni et al. (2006) destacam que a categoria de software de Business Intelligence BI é construído sobre a plataforma do banco de dados multidimensional de forma fragmentada, podendo atender necessidades específicas de áreas ou módulos independentes da empresa (departamentos, funções etc.), não privilegiando a integração da totalidade da organização. Podemos assim entender a análise dimensional: os gerentes, às vezes, precisam analisar dados de maneira que os modelos tradicionais de banco de dados não podem

61 59 apresentar. Por exemplo, uma empresa que vende quatro produtos diferentes porcas, pinos, arruelas e parafusos nas regiões leste, oeste e central, poderia querer saber qual o volume real de vendas por produto em cada região e também compará-las com a projeção de vendas. Essa análise requer uma visão multidimensional dos dados. Para fornecer esse tipo de informação, as organizações podem usar um banco de dados multidimensional especializado ou uma ferramenta que cria visões multidimensionais dos dados contidos em bancos de dados relacionais. A análise multidimensional habilita os usuários a ver os mesmos dados de maneiras diferentes, utilizando múltiplas dimensões. Cada aspecto da informação produto, preço, custo, região ou período de tempo representa uma dimensão diferente. Dessa forma, um gerente de produto pode utilizar uma ferramenta de análise multidimensional dos dados para saber quantas arruelas foram vendidas na região leste em junho, comparar esses dados com os dados do mês anterior e também de junho do ano anterior e com a previsão de vendas. Outro termo para análise multidimensional de dados é o processo analítico on-line (OLAP). (LAUDON; LAUDON, 2004). O processamento analítico on-line geralmente fornece ao usuário do sistema, uma capacidade de mudar a visão do relatório. O OLAP é flexível o suficiente para fornecer ao usuário tantas visões quantas forem necessárias em uma simples e intuitiva maneira. O termo dimensão é usado por um sistema OLAP para descrever um particular ponto de visão. Por exemplo: a dimensão organização conteria a informação sobre os diferentes departamentos e a maneira pela qual eles estão relacionados em uma estrutura hierárquica. Outra dimensão seria as contas a serem planejadas e reportadas. Em um sistema OLAP, essas diferentes dimensões podem ser trocadas, rápida e facilmente, arrastando a apropriada dimensão ao longo da tela. As Pivot Tables no Excel fornecem capacidades similares. O que tem feito o OLAP um sucesso nos departamentos financeiros nos anos recentes tem sido a possibilidade dos sistemas serem criados e mantidos por pessoas não técnicas. (COVENEY et al., 2003). No passado, os gerentes confiavam em planilhas baseadas em modelagem financeira, na extração manual e limpeza de dados baseados em grandes mainframes, numa tentativa de ganhar insights sobre os assuntos envolvidos. Tecnologias recentes tais como o data warehousing e o OLAP trouxeram algumas maneiras para endereçar as necessidades dos gerentes, permitindo que eles ganhem um melhor entendimento do problema e que eles tenham inferências originadas das análises dos dados. (FAHY, 2000). Segundo Yoshikuni et al. (2006) o BI entrou como uma nova categoria de software para o desenvolvimento dos Sistemas de Apoio à Tomada de Decisão (SAD) e Sistemas de Informações Estratégicas ou Executivas (SIE).

62 60 Arnott e Pervan (2008) destacam que o BI é um subcampo da disciplina de sistemas de suporte à decisão. Os sistemas de apoio aos executivos de hoje tentam evitar o problema do excesso de dados, tão comum em relatórios em papel, pois os dados podem ser filtrados ou vistos sob a forma de gráficos e diagramas (se o usuário preferir). Esses sistemas possuem uma capacidade denominada Drill Down, que permite passar do nível de dados resumidos para níveis cada vez mais detalhados. O recurso Drill Down é para todos os funcionários que necessitam analisar os dados. As ferramentas OLAP fornecem essa capacidade. (LAUDON; LAUDON, 2004). Os dados necessários para o cálculo dos KPIs vêm de uma solução de BI de retaguarda, chamada de Data Warehouse (DW). O DW é um banco de dados relacional, no qual os dados são agregados vindos de diferentes fontes de sistemas operacionais e de fontes externas. O DW habilita um efetivo processo de reporte e análise, sem afetar o desempenho e a funcionalidade dos sistemas operacionais. Os dados dessas diversas aplicações são copiados para o DW do banco de dados com a frequência desejada. O DW integra dados operacionaischave de toda a empresa, de uma forma consistente, confiável e torna-os facilmente disponíveis para os relatórios. Empresas podem montar um DW de âmbito empresarial, como um armazém central que atende à organização inteira, ou podem criar armazéns menores, descentralizados, denominados Data Marts. O Data Mart é um subconjunto de um data warehouse, no qual uma porção resumida ou altamente focalizada dos dados da organização é colocada em um banco separado, destinado a uma população específica de usuários. Um sistema de DW provê uma gama de ferramentas de consultas ad hoc e padronizadas, ferramentas analíticas e recursos gráficos para produção de relatórios, dentre elas OLAP e Data Mining. (LAUDON; LAUDON, 2004; AHO, 2010). A alimentação dos dados é feita pelo processo de Extract, Transform and Load (ETL), que consiste em extrair dados de diversas fontes, transformá-los de acordo com as regras de modelagem do destino, garantindo integridade de conceitos e valores, para em seguida carregá-los, geralmente em um DW. (DINIZ et al., 2009). Outra forma de acessar as informações do DW é por meio do processo conhecido como Data Mining, definido como o processo de extração de conhecimento implícito nos dados (BASTOS et al., 2001). Entre as ferramentas de data mining podemos citar: regressão linear e não linear, análise multivariada, lógica fuzzy, redes neurais, identificação de tendências e predição, identificação de padrões, correlações e associações, entre outros. (DINIZ et al., 2009).

63 61 O Data Mining utiliza várias técnicas para descobrir modelos e relações ocultas em grandes repositórios de dados. A partir disso podem-se inferir regras para prever o comportamento futuro e orientar uma melhor tomada de decisões. (LAUDON; LAUDON, 2004). Os SAD analisam grandes repositórios de dados encontrados em grandes sistemas organizacionais. Eles apoiam a tomada de decisões, pela permissão aos usuários de extrair e analisar informações úteis anteriormente ocultas em grandes bancos de dados. Frequentemente, dados provenientes de sistemas de processamento de transações são colocados em armazéns de dados (Data Warehouse) com essa finalidade. O OLAP; data mining; modelos matemáticos e analíticos, também podem ser usados para análise dos dados. Os modelos podem ser de previsão, de análise de sensibilidade (perguntas do tipo se então - What If). (LAUDON; LAUDON, 2004) PROCESSOS, ATIVIDADES E TAREFAS Processos, segundo Valle et al. (2009, p.19), trata-se de " um encadeamento de atividades executadas dentro de uma companhia ou organização, que transformam entradas em saídas". Atividades, de acordo com Valle et al. (2009, p.19): É um termo genérico para o trabalho que uma companhia ou organização executa via um processo de negócio. Pode ser atômica (pouca abrangência) ou não-atômica. Os tipos de atividade que fazem parte de um processo são: processos, subprocessos ou tarefas. processo". Para Valle et al. (2009, p.19), Sub-processo "é um processo que está incluso em outro E, Tarefa, para Valle et al. (2009, p. 20) é: Uma atividade atômica (pouca abrangência) que é incluída em um processo. É usada quando a atividade no processo não será mais refinada em subprocessos dentro do modelo do processo. Geralmente executada por um único usuário final, equipamento ou sistema.

64 CONCEITO DO CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT (CPM) Na literatura dos negócios, o gerenciamento de desempenho tem vários nomes, incluindo BPM (Business Performance Management), CPM (Corporate Performance Management), SEM (Strategic Enterprise Management) e EPM (Enterprise Performance Management). Embora diferentes termos sejam usados, todos eles, essencialmente, significam a mesma coisa. O BPM Standards Group (2005) definiu o BPM como: Um framework para organizar, automatizar e analisar metodologias dos negócios, métricas, processos, e sistemas para direcionar o desempenho global da companhia. Ele ajuda as organizações a traduzir um conjunto unificado de objetivos em planos, a monitorar a execução, e entregar um melhor discernimento critico para melhorar o desempenho operacional e financeiro. (BOGDANA et al., 2009, p.1125). O CPM inclui os processos usados para gerenciar o desempenho corporativo (tais como formulação de estratégia, orçamento e forecast), as metodologias que suportam esses processos (incluindo o Balanced Scorecard ou Value-based management), e as métricas usadas para medir o desempenho contra os objetivos de desempenho estratégicos e operacionais. O CPM também engloba uma série de aplicações analíticas, tais como: BP&F (Orçamento, Planos e Forecast), consolidação financeira e reporte financeiro, que fornecem as funcionalidades para suportar esses processos, metodologias e métricas. (CHANDLER; VAN DECKER, 2011). Segundo Gould (2003, p.6), o CPM seria uma abordagem para o gerenciamento estratégico que foca em criar e sustentar valor para o acionista, através de um uso integrado das melhores práticas de modelagem e técnicas de análise, tecnologias e processos para suportar um melhor processo de decisão. O CPM trata do uso integrado das melhores práticas, técnicas, processos e metodologias para, radicalmente, melhorar a qualidade e a efetividade do processo de gestão estratégica, bem como, para perseguir o valor para os stakeholders. Seu foco é fortalecer os tomadores de decisões, com insights e aprendizados resultantes de uma reação efetiva e tempestiva aos desafios estratégicos mutáveis que uma organização enfrenta. A abordagem de CPM tem por objetivo ligar a gestão de desempenho e o controle aos objetivos estratégicos, numa tentativa de garantir que a tomada de decisão operacional, a definição de direções e a

65 63 inteligência de negócios, estejam completamente focadas na entrega dos objetivos estratégicos. (FAHY, 2000; CIMA, 2002). Segundo Coveney (2003, p.38), o CPM é um termo cunhado por Gartner para descrever as metodologias, métricas, processos e sistemas usados para monitorar e gerenciar o desempenho do negócio de uma empresa. Nesse contexto: - metodologias são técnicas gerenciais e ferramentas tais como scorecards, EVA e gestão baseada em atividades; - métricas são as medidas específicas usadas naquelas metodologias; - processos são os procedimentos que uma organização segue para implantar e monitorar o desempenho da companhia. Os processos-chave que direcionam o CPM são a formulação da estratégia, planejamento, orçamento, elaboração de forecasts, relatórios de gestão e análises. A gestão de desempenho de uma empresa é baseada em um ciclo fechado (figura 8). O ponto-chave dos processos de uma companhia é que o foco está nos objetivos globais de negócio, mais do que numa simples tarefa. Naturalmente, os empregados envolvidos nos processos devem compartilhar a estratégia de negócios para sincronizar o seu comportamento. Esse resultado pode ser alcançado pela tradução da estratégia global da companhia em múltiplos objetivos para os níveis mais baixos da organização, cada um definido por um valor target para um dado indicador; cada indicador mede uma específica tarefa e deve ser facilmente entendido pelo empregado que é responsável por esta tarefa. A estratégia e os correspondentes targets para os indicadores são influenciados pelo desempenho da companhia, obtido a partir dos sistemas de informação. As ações e decisões tomadas nos níveis táticos e operacionais buscam como objetivo atingir os valores targets para os indicadores. As ações e decisões executam a estratégia da companhia e determinam o seu desempenho. O termo CPM define essa nova abordagem de gestão e requer que indicadores sejam constantemente alimentados e se tornem disponíveis no tempo certo, no apropriado nível de decisão na melhor forma. (GOLFARELLI et al., 2004).

66 64 Figura 8 O Ciclo Fechado em uma Abordagem de Gestão de Desempenho em Negócios. Fonte: Golfarelli et al. (2004) O CPM não é um assunto tecnológico, mas é, ao invés disso, sobre integrar as melhores práticas dos processos-chave de gestão estratégica de planejamento, tomada de decisão, execução e revisão para maximizar os retornos para os acionistas. O CPM como uma atividade de gestão, já existia antes; não é algo novo e nem uma nova tecnologia mágica. (FAHY; MILLEA, 2001). A partir do que foi aqui descrito e com base em vários autores, o CPM é um sistema de mensuração de desempenho. Um sistema de mensuração de desempenho ajuda os gerentes a rastrear a implantação da estratégia dos negócios, comparando os resultados atuais contra as metas estratégicas e os objetivos. Um sistema típico de medição de desempenho compreende métodos sistemáticos de definição das metas de negócios, junto com os relatórios de feedback que indicam progresso contra os objetivos. (COVENEY et al., 2003). Segundo Bogdana et al (2009), o CPM envolve um conjunto de processos de ciclo fechado que liga a estratégia à execução. A chave para um efetivo CPM é amarrar as métricas de desempenho à estratégia dos negócios. Um desempenho ótimo é alcançado através de: Formular a estratégia: Definir metas e objetivos. Planejar: Estabelecer iniciativas e planos para alcançar essas metas. Monitorar: Realizar o monitoramento do desempenho atual contra os objetivos e metas. Executar e Ajustar: Tomar ações corretivas.

67 65 Figura 9 Processo de CPM. Fonte: Bogdana et al. (2009) Para muitas organizações, o CPM tem sido uma parte do processo de reconfigurar a função financeira para um foco no suporte e melhoria do processo de decisão, melhor do que somente focar no reporte histórico e no realizado; garantir decisões mais bem informadas nos níveis operacionais e estratégicos. (GOULD, 2003; FAHY; MILLEA, 2001). Segundo Fahy (2000) para o CPM ser bem sucedido em suportar a resolução de problemas de negócios no nível estratégico ele dever ir além de prover os gerentes simplesmente com a tecnologia e os dados que eles precisam. Ele deve endereçar as ferramentas para uma melhor definição e análise dos problemas, avaliação de alternativas e escolha. O CPM deve suportar as noções de uma maior autonomia e desempenho do negócio. Um melhor desempenho corporativo é suportado, por meio do alcance do equilíbrio entre accountability, garantia do valor para o acionista e utilização de recursos. Operações com autonomia devem ser baseadas em uma única verdade, com um conjunto de informação robusta, em tempo real, integrada e oferecida com ferramentas analíticas que são rigorosas e consistentes na abordagem. Os executivos precisam continuamente questionar o modelo de negócio pelo uso de ciclos de feedback e no contexto do mercado. (GOULD, 2003). Se o CPM é para adequadamente suportar a inteligência de negócios, ele deve colocar em ação sistemas e processos que permitam a empresa, efetivamente, juntar e filtrar a informação que os executivos precisam e que façam sentido em seu ambiente. (FAHY, 2000).

68 66 Transformar informação em decisões de negócios efetivas requer soluções baseadas em CPM, que forneçam acesso à informação acurada e tempestiva para suportar as atividadeschave de gestão estratégica. A capacidade de CPM precisa fornecer aos gerentes o monitoramento da gestão dos negócios; consolidação; capacidade de data warehousing; e inteligência de negócios. Os sistemas que suportam o conceito de CPM são colocados no topo dos ERPs. (FAHY; MILLEA, 2001, p.11) O interesse crescente na abordagem do CPM origina-se do fato de que as ineficiências nas organizações dão muito trabalho. Fahy e Millea (2001) revelam que uma das grandes deficiências em sistemas na função financeira é a dificuldade em integrar a informação dos diferentes sistemas, como foi reportado por quase metade das empresas que responderam a pesquisa CIMA SEM. Nesta pesquisa 57% das 52 organizações que participaram do estudo ranquearam seus sistemas, na área de relatórios de desempenho, como média ou pobre. (CIMA, 2002). Segundo Fahy (20002) o CPM traz junto três diferentes métodos de analisar a informação na organização: 1) gestão de valor ao acionista, no qual o objetivo é fornecer aos proprietários da organização o maior retorno possível do seu investimento; 2) gestão baseada em atividades, em que o objetivo é descobrir qual o valor adicionado ou quais os custos incorridos em todos os estágios dos processos existentes da companhia; 3) gestão de desempenho, em que o objetivo é entender o que está direcionando o desempenho de um negócio, como aquele desempenho é medido e reportado e como definir um conjunto de targets realistas para melhoria do negócio. O CPM fornecerá um sistemático uso de medidas quantitativas e qualitativas e ferramentas lógicas para analisar e resolver problemas. Ele monitora os resultados das ações tomadas, para garantir que a organização possa refinar seus processos existentes e suas competências. (CIMA, 2002). Segundo Fahy (2000) o CPM é uma tentativa de preencher o (escrever o significado da sigla) GAP entre a estratégia e as operações. Faz com que o valor para o acionista seja o critério-chave para a tomada de decisão, bem como fornece as ferramentas e informações que suportem isso. De acordo com Coveney et al. (2003) os sistemas tecnológicos que suportam o CPM devem: integrar planejamento, orçamento, elaboração de forecast, consolidação, relatórios, análises e outros processos. Um sistema tecnológico deve tratar esses processos como um contínuo curso de ação, desencadeado pelos eventos ao invés de obedecer a um calendário; suportar metodologias para ligar a estratégia com a alocação de ativos (financeiros e não

69 67 financeiros) no suporte das estratégias que podem ser transformadas em ação; habilitar os executivos a comunicar e a direcionar a estratégia para baixo para toda a organização, em uma maneira que possibilite às pessoas atuarem e tomarem decisões que suportem os objetivos estratégicos; focar os membros da organização nos assuntos-chave e nos fatores críticos, ao invés de sobrecarregá-los com dados de todos os aspectos da organização. Sistemas que suportam o conceito de CPM devem entregar a informação correta, para as pessoas corretas, no tempo correto e no contexto correto. A evidência das pesquisas anteriores na área de sistemas de suporte à decisão sugere que a tecnologia e as técnicas são simplesmente um elemento em um desempenho bem sucedido. Pode se argumentar que da perspectiva tecnológica, há muito pouco em novidade em CPM. Muitas das aplicações/ ferramentas refletem funcionalidades previamente vistas em EIS, Data Warehousing e softwares de modelagem. (FAHY, 2000). Percebemos pelo que foi exposto, que um efetivo CPM objetiva eliminar o gap estratégico, isto é, a distância entre a formulação da estratégia e a sua execução. E que a abordagem de CPM é muito mais ampla que somente a parte tecnológica Processos do CPM Os processos são os mecanismos pelos quais as organizações implantam e monitoram a estratégia. Eles juntam as metodologias e métricas de tal maneira que permita o desenvolvimento, comunicação e mensuração das iniciativas estratégicas. Os eventos precisam direcionar os processos de CPM. Alcançar objetivos organizacionais requer um constante monitoramento de sinais (atuais e forecast) e as respostas para as exceções. Qualquer KPI que sai dos valores esperados ou difere das hipóteses, aciona os processos para que se coloque a empresa de volta no trilho. Esse acionamento é causado por meio de ciclos de feedback nos processos e entre cada um dos processos do CPM. (COVENEY et al.; 2003). Apresentamos a seguir uma descrição mais detalhada de alguns dos processos do CPM que não foram abordados ainda. O processo de formulação estratégica e análise de cenários foram tratados na discussão do processo de gestão quanto ao planejamento estratégico e o processo de monitoramento foi abordado na discussão sobre avaliação de desempenho.

70 68 A) Planos e Orçamentos: Segundo Sanvicente e Santos (2000, p.16) planejar é estabelecer com antecedência as ações que serão executadas, estimar os recursos a serem empregados e definir as correspondentes atribuições de responsabilidades em relação a um período futuro determinado, para que sejam alcançados satisfatoriamente os objetivos porventura fixados para uma empresa e suas unidades. A tarefa de fixar objetivos só tem sentido diante de um exame prévio de viabilidade. Para Coveney et al. (2003) o sucesso da estratégia reside na sua implantação. Nesse processo é quando o plano operacional detalhado é criado para implantar as estratégias que visam alcançar os objetivos definidos no processo de formulação da estratégia. Esses planos são suportados durante o processo de orçamento pela alocação dos recursos apropriados. O plano operacional delineia as táticas de curto prazo da organização, medidas, tarefas, responsabilidades, datas de finalização e iniciativas. Os KPIs no plano podem mostrar como aquelas táticas estão sendo implantadas e se elas estão alcançando os resultados desejados. De acordo com Catelli (1972) e Pereira (2001) os orçamentos são a expressão, em termos financeiros, dos planos da administração para a operação da empresa durante um período específico de tempo e funcionam como um instrumento de controle administrativo de três maneiras: como meio de organização e direção de um grande segmento do processo de planejamento administrativo; como uma contínua advertência em procurar desenvolver os planos e programas guiando a administração do dia a dia; como avaliador de desempenho real. Nakagawa (1987) ressalta que os orçamentos refletem a necessidade que a empresa tem de comunicar a seus gerentes os planos de ação. Estes se forem executados de acordo com as políticas e diretrizes neles embutidos, deverão dar origem a resultados operacionais eficientes e eficazes, que mensurados em termos econômicos e financeiros corresponderão às metas e objetivos que possibilitarão a empresa atingir a sua missão e propósitos básicos. Os orçamentos mostram as expectativas definidas, que são o melhor gabarito para o julgamento do desempenho posterior. (HORNGREN, 1986). Conforme Pereira (2001) os orçamentos devem refletir os níveis de eficiência desejados para toda a empresa, que devem ser buscados por meio de suas atividades. Os padrões refletem níveis de eficiência desejados nas atividades empresariais, de acordo com o nível de produção atingido. Os orçamentos devem se manter atualizados.

71 69 Segundo Lunkes (2008) nós temos os seguintes orçamentos: o estático, o contínuo, o base zero, o flexível e o orçamento por atividades. B) Comunicação: O objetivo desse processo é transformar a estratégia em realidade. O processo de comunicação é único, no sentido que ele não se baseia nos sistemas, metodologias ou métricas, embora eles possam suportar o processo. Colocar a estratégia em ação envolve mudar o comportamento organizacional. A comunicação é a chave. Os empregados precisam saber que o papel deles é colocar os planos táticos em ação e como eles são medidos. Quando eles têm claramente os objetivos definidos e uma clara linha de visão quanto à estratégia, eles farão um melhor trabalho na definição de prioridades e na tomada de decisões para suportar a estratégia. Qualquer que seja o método escolhido para a comunicação, as estratégias e os planos não se tornarão automaticamente ações. Para realizar essa transformação, os executivos devem mudar e guiar o comportamento dos empregados. (COVENEY et al., 2003). C) Forecast: Forecast é definido por Hope e Fraser (2003) como sendo o resultado financeiro mais provável e os gastos relacionados ao negócio ou projeto, por um período específico de tempo. Segundo Frezatti (2008) o rolling forecast é uma abordagem utilizada para a montagem do orçamento, de maneira contínua. Nessa abordagem, um mês, à medida que vai sendo transcorrido, faz com que outro mês (ou mesmo um trimestre ou semestre) seja agregado ao plano anual de um período futuro à medida que o tempo vai passando. Segundo Coveney et al. (2003) esse processo envolve: - a elaboração de Forecasts (Previsões) acurados para gerenciar a implementação da estratégia; - a elaboração do Forecast ajuda as organizações, quando necessário, a fazer os ajustes nos planos táticos para alcançar as metas estratégicas. O processo de Forecast envolve a previsão dos resultados futuros e a avaliação dos ajustes nos planos existentes ou na substituição das estratégias. Em muitas empresas, previsões dinâmicas (Rolling Forecasts), que cubram de cinco a oito trimestres futuros, exercem um papel importante no processo estratégico. Tais previsões, tipicamente geradas a cada trimestre, ajudam a gerência a reavaliar continuamente os planos de ação corrente, à medida que as condições econômicas e de mercado mudam. (HOPE; FRASER, 2003).

72 70 Prevendo o desempenho futuro dos planos, baseado no ambiente de negócios corrente e percebido, as contingencias podem ser conhecidas antecipadamente e selecionadas, bem como as correções para o plano existente podem ser feitas. A habilidade de reconhecer e explorar as condições mutáveis dos negócios é a força direcionadora por trás do rolling forecast. Uma vez que o forecast tenha sido gerado, ele pode ser usado como uma base para análises what if, isto é, o processo de avaliar cenários alternativos. O objetivo é avaliar quais mudanças são requeridas para que o plano tático alcance os objetivos estratégicos. (COVENEY et al., 2003). O princípio básico do CPM é a necessidade de traduzir objetivos em indicadores mensuráveis (KPIs), medir o desempenho contra esses objetivos, realizar o Forecast do desempenho, baseado nos direcionadores de negócios e ajustar os objetivos e planos baseados no Forecast. (O CONNOR et al., 2011). D) Reporte: O Reporte e a análise são uma parte integral do CPM, e os níveis de capacidade dos dois primeiros com o último são estreitamente relacionados. Ou seja, o CPM é necessário para ter a capacidade de análise e reporte. Os benefícios de transformar o reporte e a análise podem ser imensos, se manifestando em qualidade superior, custos e tempos de ciclo reduzidos. Mais importante é que, à medida que o nível de capacidade melhora, a confiança da gestão nas análises e no reporte financeiro, operacional e estratégico aumenta, levando a uma tomada de decisão superior e um desempenho melhor. (O CONNOR et al., 2011). O processo de reporte fornece informação para os vários stakeholders. Reporte engloba um número de atividades, incluindo ajustar, analisar e distribuir. A atividade de ajuste engloba a preparação de informação para reporte de acordo com os princípios de contabilidade geralmente aceitos (GAAP) necessários para o reporte estatutário e legal. Fornecem a habilidade de mudar os dados e de deixar um registro ou trilha de auditoria da mudança. Esse processo suporta a correspondência e a eliminação das transações intercompany, e outros ajustes de consolidação. O processo de análise inclui a produção dos fatos chaves e números sobre a natureza dos negócios. Finalmente, os resultados na forma de relatórios e análises precisam ser distribuídos para aqueles que precisam deles. (COVENEY et al., 2003). Segundo O Connor et al (2011) deve-se reportar somente informação que direciona o negócio; incluir indicadores de tendência e medidas preditivas no relatório; ligar informação

73 71 estratégica com a operacional; fornecer aos executivos informação resumida e o apropriado nível de capacidade de drill-down e padronizar processos de reporte e análise. E) Ciclos de Feedback: Os executivos precisam continuamente questionar o modelo de negócio através do uso de ciclos de feedback. (GOULD, 2003). A medição de desempenho é um continuo e dinâmico processo no qual as medidas são primeiramente construídas e baseadas em fatores importantes estratégicos de sucesso. Depois são usadas para ajudar a implantar as estratégias planejadas. E, finalmente, a análise dos resultados fornece o feedback para a formulação de novas estratégias. (HANNULA et al., 2002). Os processos de CPM são direcionados por ciclos de feedback. Esses ciclos são acionados por um evento ao invés de calendário, tais como um forecast que indica que o plano tático corrente é improvável de atingir as metas estratégicas. Esses eventos acionam as funções apropriadas para replanejar e reavaliar as táticas para se alcançar os objetivos organizacionais. (COVENEY et al., 2003) Metodologias para Análise de Desempenho Segundo Marr e Schiuma (2003) nós temos visto o desenvolvimento de novas abordagens de medição de desempenho, tais como o Custeio Baseado em Atividades (KAPLAN; COOPER, 1997) e o valor para o acionista (RAPPAPORT, 1986). Novos frameworks de medição, sendo o mais notável o Balanced Scorecard (KAPLAN; NORTON, 1992). Outros frameworks incluem o Performance Pyramid (LYNCH; CROSS, 1990) e o Performance Prism (NEELY et al., 2002), etc. As organizações tem se envolvido no planejamento e avaliação do seu desempenho, por meio da medição dos retornos financeiros, definição de padrões de desempenho e comparação dos resultados com os planos. Para um bom controle de gestão, isso envolve a medição de desempenho da companhia como um todo e das suas unidades de negócio, em relação aos objetivos identificados no processo de planejamento. Dessa maneira, os sistemas de medição de desempenho são um fator-chave para se garantir a implantação bem sucedida da estratégia da companhia. (FAHY, 2000).

74 72 O sistema de medição de desempenho é uma essencial parte de qualquer sistema de feedback de controle. (FAHY, 2000). Muitos frameworks novos (Metodologias) e técnicas foram desenvolvidos recentemente para endereçar a medição de desempenho de uma companhia. As técnicas não são mutuamente exclusivas. Por exemplo, medidas baseadas em valor e em atividade podem ser usadas em um BSC, que pode, por sua vez, ser implantado usando um CPM. Esses frameworks adicionam valor oferecendo uma diferente perspectiva de desempenho. Essas técnicas estão mudando a maneira que as organizações são gerenciadas e também a sua medição de desempenho. (CIMA, 2002). Três técnicas são abordadas para melhor compreensão: ABC, BSC e o Benchmarking. O desenvolvimento do custeio baseado em atividades (ABC) e o gerenciamento baseado em atividades (ABM) têm levado a mudanças radicais nos sistemas de contabilidade de custos. O foco do ABC está nas atividades e nos processos da organização, e é baseado no principio que controlando as atividades que consomem os recursos, os custos podem ser controlados na sua origem. O ABC fornece informações acuradas sobre os verdadeiros custos das atividades, O ABM faz uso dessa informação para análise de valor e medidas de desempenho que suportam as tomadas de decisão estratégicas e operacionais. Onde o ABM é implantado ele pode fornecer os dados necessários para planejar e direcionar as atividades de melhoria e eliminação de desperdício. (CIMA, 2002). De todas as técnicas da contabilidade gerenciais recentemente desenvolvidas, o custeio baseado em atividades tem desempenhado um grande papel, como uma técnica para melhorar a acuracidade do custeio dos produtos. Também, para ajudar a entender a maneira como os recursos são usados através da cadeia de valor das empresas para entregar resultados estratégicos. (CHENHALL; LANGFIELD-SMITH, 1998). Conceitualmente, o ABC é algo muito simples. Trata-se de uma metodologia desenvolvida para facilitar a análise estratégica de custos relacionados com as atividades que mais impactam o consumo de recursos de uma empresa. A quantidade, a relação de causa e efeito e a eficiência com que os recursos são consumidos nas atividades mais relevantes de uma empresa constituem o objetivo da análise estratégica de custos do ABC. (NAKAGAWA, 2001). Conforme estudo de citações, feito por Marr e Schiuma (2003) o BSC, introduzido por Kaplan e Norton, é o conceito dominante e mais influente no campo da pesquisa sobre medição de desempenho corporativo.

75 73 Kaplan e Norton desenvolveram um conjunto de medidas balanceadas (Balanced Scorecard); um conjunto de medidas que dá aos executivos uma rápida, mas compreensível visão do negócio. O Balanced Scorecard inclui medidas financeiras que discorrem sobre o resultado das ações que já ocorreram, e complementa as medidas financeiras com medidas operacionais como satisfação do cliente, processos internos e as atividades de melhoria e inovação da organização. Estas medidas operacionais são os direcionadores do desempenho financeiro futuro. (KAPLAN; NORTON, 1992). O Scorecard descreve a estratégia, como uma série de relacionamentos de causa e efeito entre as variáveis que são críticas e proporciona uma metodologia para garantir que a estratégia seja traduzida em um coerente conjunto de medidas de desempenho. O uso de uma hierarquia de scorecards permeando pela organização assegura que a estratégia e a medição de desempenho estejam alinhadas de perto. (CIMA, 2002). Manter os grupos de steakholders engajados para suportar a implantação de um específico plano de ação é uma atividade gerencial central. Uma das técnicas que mais ajuda a fazer esse papel é o Balanced Scorecard. Sua habilidade de lidar com as diferentes dimensões de desempenho, incluindo lidar com stakeholders que possuem interesses conflitantes, é uma grande força da abordagem desta técnica. Acomodar tais interesses é a maior tarefa gerencial. (OTLEY, 2001). O Scorecard coloca a estratégia e a visão, não o controle, no centro. Ele estabelece os objetivos, mas assume que as pessoas adotarão os comportamentos e tomarão as ações necessárias para alcançar os objetivos. As medidas são desenhadas para empurrar as pessoas na direção da visão geral. (KAPLAN; NORTON, 1992). De acordo com Coveney et al. (2003, p. 79) o termo balanceado em um BSC aparece por causa do conjunto combinado de medidas; é suposto englobar indicadores que são: financeiros e não financeiros; de ocorrências e de tendências; internos e externos; quantitativos e qualitativos; curto prazo e longo prazo. Alinhar objetivos operacionais com objetivos corporativos é um importante aspecto do gerenciamento estratégico. Essa é a essência das hierarquias de desempenho e do BSC que tenta capturar os efeitos interativos dos objetivos corporativos, associados com os interesses dos acionistas, clientes, processos internos e o potencial para a organização se sustentar através do aprendizado e inovação. Além do mais, esses tipos de métodos de gerenciamento de desempenho, tentam alinhar a estratégia com as operações, pela tradução dos objetivos corporativos em objetivos operacionais e cascateando os últimos para os níveis mais baixos da organização. (CHENHALL, 2003).

76 74 O BSC e os mapas estratégicos (relação dos vários objetivos estratégicos através de um diagrama de causa e efeito) podem ser usados para entender os principais direcionadores intangíveis de desempenho e seus inter-relacionamentos para se medir o desempenho. (GOULD, 2003). Para abordar o Benchmarking buscamos o conceito de uma área vizinha, a Inteligência Competitiva (IC). A Sociedade dos Profissionais de Inteligência Competitiva (Society of Competitive Intelligence Professionals SCIP) define inteligência como um processo de coleta, análise e disseminação de informação precisa, relevante, específica, atual e visionária, relacionada com a empresa, o ambiente empresarial e os competidores (MILLER, 2002). Benchmarking é uma maneira de identificar melhorias potenciais em efetividade e eficiência nas operações correntes e também considerando a estratégia futura. Isso se faz olhando como o desempenho da organização se compara com os outros. Primeiro, a organização precisa olhar objetivamente para suas operações internas correntes e então olhar para as melhores práticas naquelas áreas em outras organizações ou outros setores da indústria. Isso pode ser executado entre departamentos na mesma organização. Já que a situação da organização é frequentemente muito especifica, ele tende a ser usado mais para processos comuns e genéricos e funções tais como recursos humanos e finanças. (CIMA, 2002). 1.9 SISTEMAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT COMO UMA EVOLUÇÃO DAS FERRAMENTAS DE BI Definições e Objetivos dos Sistemas que Suportam o Conceito de CPM Um efetivo sistema de informação de desempenho de negócios é construído e mantido pelos usuários de negócios para suportar o processo de tomada de decisão, especialmente no nível estratégico, fazendo uso de vários indicadores, quantitativos e qualitativos, históricos e de futuro, balanceados contra objetivos predefinidos e ou benchmarks da indústria. (BOGDANA et al., 2009). Conforme Gould (2003), para garantir o processo de tomada de decisão e suporte à geração de valor para o acionista, os executivos precisam de um suporte à decisão e de sistemas de informação que garantam: - identificar rapidamente as mudanças no ambiente dos

77 75 negócios e reagir a elas com novas estratégias adaptadas; - avaliar e computar essas estratégias usando cenários e planejamento baseado em atividades; - integrar os processos de planejamento, orçamento e de forecast; operacionalizar novas estratégias usando metas concretas e correspondentes medidas e iniciativas; - adquirir dados de diferentes fontes e consolidar dados financeiros flexivelmente; - monitorar o atingimento dos objetivos e fazer benchmark de desempenho interno e externo; - comunicar eficientemente com os stakeholders externos. Os sistemas, muitas vezes, falham em reforçar a estratégia na organização de cima para baixo e, dessa forma, uma nova abordagem para o BI surge. O processo de DW embora suporte extração de informações dos dados de baixo para cima em termos de níveis organizacionais, falha no reforço da estratégia da companhia de cima para baixo. O elemento que falta e que está sendo agora perseguido pelos times de finanças e de tecnologia da informação é a integração desses sistemas em uma unificada fonte de informação de desempenho e de capacidade de análise. (BOGDANA et al., 2009; GOLFARELLI et al., 2004). Brighall e Ballantine (2004) descrevem os sistemas que suportam o conceito de CPM como um sistema que é construído sobre um ERP; que se baseia nas ferramentas de data warehousing; possuem uma série de aplicações integradas, tais como planejamento e simulação; possuem um foco interno e externo, e finalmente suportam o processo de decisão estratégico. Um sistema que suporta o conceito de CPM é um sistema de informação que fornece o apoio necessário para o processo de gerenciamento estratégico. A base desse tipo de sistema será um pool de dados em um DW que é, então, alimentado para um conjunto de ferramentas analíticas. Essas ferramentas incluem técnicas tais como gerenciamento de valor para o acionista; gerenciamento baseado em atividades e um balanced scorecard. Os resultados dessas aplicações podem, então, ser utilizados em um processo de gerenciamento estratégico. (CIMA, 2002). Para apoiar a formulação e a implantação da estratégia, uma aplicação que suporta o conceito de CPM começa integrando o planejamento da empresa como um todo, o orçamento, a elaboração de forecasts, a consolidação, o reporte e as análises. Ele emprega as metodologias para ligar a estratégia à alocação dos ativos (financeiros e não financeiros), de tal forma que as estratégias possam ser transformadas em ação. Essa aplicação possibilita aos executivos comunicar e a direcionar a estratégia para todos os níveis da organização, de uma maneira que ajude as pessoas a atuar e a tomar decisões que visem os objetivos estratégicos.

78 76 Esses sistemas são as soluções tecnológicas que combinam as metodologias, métricas e os processos em um único sistema de gestão para toda a companhia. (COVENEY, 2003). O sistema que suporta o conceito CPM é uma segunda era em BI. (GOLFARELLI et al., 2004; BOGDANA et al., 2009). Yoshikuni et al. (2006) afirmam que o BI entrou como uma nova categoria de software para o desenvolvimento dos Sistemas de Apoio à Tomada de Decisão (SAD) e Sistemas de Informações Estratégicas ou Executivas (SIE). Podemos entender que os sistemas que suportam o conceito de CPM, como uma segunda era em BI, também entram nessa categoria de software. Segundo Singh et al. (2002) um EIS pode conter capacidades analíticas para executar OLAP, análises what-if, análises de tendência, forecast e orçamento. Um EIS pode ser usado para facilitar as comunicações e negociação de planos alternativos e programas. Um EIS bem desenhado pode suportar as atividades do controle estratégico em uma variedade de maneiras. As telas de um EIS são as que comparam o desempenho atual contra os orçamentos, objetivos, padrões e benchmarks. Igualmente comuns são as capacidades de drill-down que permitem aos usuários observarem o detalhe dos dados, tipicamente na busca de problemas específicos. Isso ajuda a entender o fato de que os sistemas que suportam o conceito de CPM se enquadram como sistemas de informação executiva para a camada estratégica. Arnott e Pervan (2008) destacam como um subcampo da disciplina de sistemas de suporte à decisão os sistemas de análise e de reporte corporativos. Nesse subcampo eles incluem os sistemas de informação executiva, o BI e os sistemas que suportam o conceito de CPM. As ferramentas que suportam o conceito de CPM são suítes que contém módulos de planejamento de negócios e simulação, consolidação de negócios, gerenciamento estratégico, gerenciamento de desempenho e gerenciamento do relacionamento com stackholders. Os módulos de planejamento de negócios e simulação suportam a tarefa de orçamento. Esse módulo reconhece a facilidade de utilização do Excel e a interface com o usuário é construída ao redor do Excel. O módulo de gerenciamento estratégico é um módulo de Balanced Scorecard com a funcionalidade de drill-down e de conectar as medidas, por exemplo, em um mapa estratégico. Um DW é necessário para a gravação dos dados. Todos os módulos da suíte gravam dados no mesmo banco de dados. Por exemplo, os dados do orçamento, do módulo de planejamento e simulação dos negócios, são também utilizados no módulo de gerenciamento estratégico. (ROM; ROHDE, 2006).

79 77 Está ocorrendo uma consolidação de empresas fornecedoras de softwares específicos para que se desenvolva uma mais completa e integrada suíte que suporta o conceito de CPM. (ROM; ROHDE, 2006). O CPM é desenhado para melhorar a efetividade dos processos de gestão estratégica provendo os gerentes com monitoramento do desempenho do negócio, consolidação e capacidade de data warehousing e business intelligence. Como tal, o CPM procura melhorar a gestão estratégica de uma organização fornecendo aos profissionais de finanças melhores ferramentas e abordagens para satisfazer a contínua demanda dos executivos por análise e informação. As demandas de tempo e recursos para os profissionais de finanças vêm crescendo exponencialmente. As ferramentas que suportam o conceito de CPM são desenhadas para permitir que o staff de finanças possa alavancar os dados da empresa no ERP e para fornecer um melhor suporte à decisão. Dessa forma, o sistema que suporta o conceito de CPM usa um conjunto de aplicações analíticas, tais como, geração de valor ao acionista (SVM Shareholder Value Management), custeio e gestão baseada em atividades (ABC/ABM) e Balanced Scorecard (BSC), para ajudar os executivos a gerenciar melhor a organização. (FAHY; MILLEA, 2001). Fahy e Millea (2001) colocam que o CPM tem o potencial de alavancar a colaboração do processo de gestão estratégica. Em particular, ele ajuda a responder as questões difíceis de estratégia: - Quais clientes estão entregando a maior parcela do lucro? - quais partes dos negócios estão criando valor para o acionista? - Quais são os reais direcionadores do desempenho; o que esses números querem dizer? - Quão importante eles são? - Como sabemos se estamos indo bem em relação à concorrência? Gould (2003) afirma que a adoção dos sistemas que suportam o conceito de CPM e aplicações analíticas tem como resultado um afastamento das planilhas para a confecção do orçamento e para medição de desempenho, e isto leva a uma melhor tomada de decisão estratégica. O CPM não é algo novo, uma tecnologia mágica, ele é um conceito de medição de desempenho. Na verdade, o CPM como uma atividade estratégica tem estado por aí há décadas, desde que as empresas começaram a reconhecer a necessidade de uma melhor formulação estratégica e execução. Profissionais de Finanças, tais como contadores gerenciais e outros têm fornecido suporte do tipo CPM há muito tempo, usando planilhas, programas de

80 78 extração de dados e uma grande quantidade de trabalho pesado. Há anos temos uma contínua oferta de softwares de suporte à decisão e aos executivos (EIS, Data mining, Dashboards, etc). (FAHY; MILLEA, 2001). Tem-se argumentado que muitas das aplicações e ferramentas que suportam o conceito de CPM oferecem nada essencialmente novo e simplesmente espelham a funcionalidade que era previamente oferecida em tecnologias tais como: Sistemas de apoio à decisão (DSS), sistema de informação executiva (EIS) e tecnologias de DW. (FAHY, 2000). Os que já adotavam o gerenciamento do desempenho de negócios, agora focam em tornar a função financeira mais estratégica. O CPM pode ser a resposta correta, alavancando o que as empresas já têm e alinhando os vários aspectos para se mover na mesma direção. Isto ajuda as organizações a traduzir suas estratégias e objetivos em planos, monitorar o desempenho contra esses planos, analisar a variação entre os resultados realizados e os planejados e ajustar os seus objetivos e ações em resposta a essas análises. Ou seja, um processo de ciclo fechado. (BOGDANA et al., 2009). O verdadeiro potencial do sistema que suporta o conceito de CPM é que ele libera os profissionais de finanças e outros do trabalho pesado de monitoramento mensal da empresa. Permite a eles se concentrarem em análises de mais valor e na definição de uma agenda/direção de longo prazo. (FAHY; MILLEA, 2001). Segundo Bogdana et al. (2009), métodos de gerenciamento, técnicas e ferramentas de suporte podem ser integrados com componentes de Business Intelligence (BI) em sistemas de gerenciamento de desempenho especialmente customizados e feitos sob medidas. As principais funções desses sistemas são: - juntar e gravar diferentes medidas de negócios em bases regulares (os atuais estados dos indicadores de desempenho dos negócios); - juntar e gravar benchmarks, targets e regras de negócios (interpretação da comparação dos resultados entre os indicadores de negócios atuais e os valores target); - facilitar a análise dos indicadores mapeados ao longo de critérios de agregação hierárquicos (Medidas de desempenho estruturadas); - manter a contínua análise de alertas, permitindo os tomadores de decisão rapidamente avaliar quais processos de negócios são bem sucedidos e quais precisam de atenção. O grande benefício entregue pelos sistemas que suportam o conceito de CPM é que a combinação de tecnologia e técnicas da contabilidade gerencial pode significar que essas últimas sejam escaláveis através da organização em uma base que nunca se tinha sonhado antes. (GOULD, 2003).

81 O BI nos Sistemas que Suportam o Conceito de Corporate Performance Management A comunicação e reforço da estratégia são obtidos pelo compartilhamento de objetivos e medidas em todos os níveis da companhia. Isso impacta todos os níveis das plataformas de BI. O processo de DW essencialmente ajuda os gerentes a entenderem suas empresas, suportando a extração de dados de baixo para cima, assim faltando o reforço da estratégia de cima para baixo na organização. O preenchimento desse gap marca um ponto de virada na história do BI, que é não mais percebido como um conjunto de técnicas para extração e processamento da informação, mas sim como uma ativa e concreta abordagem para o gerenciamento dos negócios. O termo frequentemente usado para se referir a essa nova abordagem em BI é Corporate Performance Management (CPM). O CPM inclui DW, mas também requer um conjunto de soluções novas que confiam em diferentes tecnologias e que profundamente impactam a arquitetura geral da plataforma de BI. (GOLFARELLI et al., 2004). O BI é a medição de negócios e o CPM, como suporte à decisão, é mais que uma tecnologia. Ele envolve processos, metodologias, métricas e tecnologias usadas para monitorar, medir e gerenciar o desempenho de um negócio. (BOGDANA et al., 2009). O Quadro 2 mostra as diferenças entre a abordagem do BI tradicional e o BI para o CPM. Fator BI Tradicional BI para CPM Escala Departamental Empresa como um todo Foco Histórico Tempestividade Decisão Estratégica e Tática Estratégica, Tática e Operacional Usuário Analistas Todos Orientação Reativa Pró-ativa Processo Aberto-Finalizado Ciclo fechado Medidas Métricas Key performance indicators Visões Genéricas Personalizadas Visual Tabelas e Gráficos Dashboards/Scorecards Colaboração Informal Construída Interação Consultas ad hoc Alertas Análise Tendência Exceções Dados Somente numéricos Numéricos, textos, etc Quadro 2 Diferenças entre BI tradicional e BI para o CPM Fonte: Bogdana et al. (2009)

82 80 O CPM não é uma tecnologia única, mas melhor que isso, uma combinação de elementos: BI, Scorecard, etc. O BI olha e analisa o passado; o que aconteceu até hoje. Isso é útil, à medida que o planejamento requer conhecimento e é possível definir as metas planejadas a partir do passado. O conceito de Scorecard permite medir como estamos desempenhando contra aquelas metas planejadas. O quê é novo com o CPM é a integração desses processos, metodologias, métricas e sistemas. (BOGDANA et al., 2009). A figura 10 ilustra o conceito de CPM como um todo (incluindo o BI). As declarações de missão e visão levam aos objetivos de negócios e à estratégia. A estratégia afirma como os objetivos devem ser alcançados, e os fatores críticos de sucesso definem os pré-requisitos para se alcançar esses objetivos. Os objetivos de negócios e as estratégias impostas levam a um plano de negócios. Os KPIs definem como os objetivos serão medidos. A política imposta é afirmada com regras de negócios. No ambiente de BI, os KPIs são apresentados por scorecards, dashboards ou outros simples gráficos em um portal web como front-end ou em interface gráfica similar. Do dashboard, os gerentes podem fazer o drill down para estudar os dados de desempenho em mais detalhe. O CPM requer sistemas de dados que possam compartilhar dados confiáveis, limpos e consistentes em maneiras variadas. Os dados são agregados em um DW dos sistemas operacionais ou outras fontes de dados. A parte em cinza é como o CPM é usualmente conhecido, enquanto a parte de baixo, em azul, é o que engloba o BI. A parte azul também pode ser dividida em front-end e back-end BI, contendo a camada de reporte e análise e o DW respectivamente. (AHO, 2010). Figura 10 A Pirâmide do CPM Fonte: Aho (2010)

83 81 Segundo Bogdana et al. (2009) qualquer implementação de BI tem como objetivo converter dados disponíveis em informações e entregá-los para os tomadores de decisão. O CPM é focado em um conjunto de informações entregues pelo sistema de BI, isto é, constitui a informação que mostra o desempenho do negócio, indica o sucesso ou a falha do negócio e possibilita às organizações focarem na otimização do desempenho dos seus negócios. O BI é um subconjunto do CPM, e este último traz novos conceitos e áreas na qual o tradicional BI falha. Ambos são necessários. BI é mais direcionado para transformar os dados em informações enquanto o CPM fornece um meio de combinar a estratégia dos negócios e estrutura tecnológica para direcionar a organização inteira para alcançar os objetivos organizacionais comuns. Juntos o BI e o CPM formam a ponte que conecta os dados com as decisões. (AHO, 2010). Para Bogdana et al. (2009) o sistema que suporta o conceito de CPM deveria entregar três aspectos-chave: disponibilizar informações que possibilitem os gerentes entender os negócios; visão do desempenho que possibilite os gerentes gerenciar os negócios; efetividade do desempenho que possibilite os gerentes a melhorar o negócio. Enquanto o desenho do DW requer entendimento e integração dos dados operacionais, no CPM um papel principal é colocado nos processos. Dessa forma, o desenho do CPM também requer entender os processos dos negócios e seus relacionamentos para descobrir os indicadores relevantes e as suas regras, e determinar onde os dados para computá-los podem ser encontrados. Em particular, capturar e modelar os relacionamentos entre diferentes indicadores têm um papel principal nessa fase, para garantir que informações efetivas e confiáveis sejam entregues. (GOLFARELLI et al., 2004). Muitas organizações já possuem um mix de pacotes e aplicações de inteligência de negócios (BI) incluindo: o gerenciamento de desempenho estratégico (no topo da organização), as ferramentas analíticas para análise tática, os relatórios operacionais e as ferramentas analíticas para suportar as decisões operacionais. O problema é que esses três níveis de decisão são separados (em termos de aplicações, usuários, fontes de dados) quando o que realmente importa é que eles sejam integrados. (BOGDANA et al., 2009). Deveria estar evidente agora que a tecnologia de DW cobre apenas parcialmente os requerimentos do CPM. Podemos afirmar que o DW é usado pelo topo da gestão, para entender a empresa e definir a estratégia global, enquanto outras técnicas devem ser usadas pelos tomadores de decisão nos níveis táticos e operacionais para absorver a estratégia e tomar as melhores decisões para suas tarefas. (GOLFARELLI et al., 2004).

84 82 O que é necessário para gerenciar um negócio é uma combinação de análises operacionais próximas ao tempo real com as estratégicas. Isto é, a integração do gerenciamento dos negócios direcionado por objetivos, usando scorecards e dashboards, no nível estratégico, com as ferramentas de inteligência de negócios e aplicações analíticas que suportem a medição dos negócios nos níveis táticos e operacionais. (BOGDANA et al., 2009). O poder de informação de um sistema que suporta o conceito de CPM é principalmente relacionado aos tipos de regras e indicadores suportados. (GOLFARELLI et al., 2004). Projetos de BI devem estar relacionados aos objetivos estratégicos, táticos, operacionais e ao CPM. Ferramentas analíticas e o BI operacional devem estar integrados em um framework global de BI para, efetivamente, gerenciar o desempenho dos negócios. (BOGDANA et al., 2009). No desenho de uma arquitetura completa de um CPM podemos encontrar um fluxo de dados reativo, para monitorar os processos operacionais que são críticos em termos de tempo. A tecnologia que implanta esse fluxo é frequentemente chamada de monitoramento das atividades de negócios (BAM). O DW e monitoramento das atividades de negócios (BAM) juntos implantam um ciclo fechado no qual o CPM é baseado (GOLFARELLI et al., 2004). A interação com o usuário em uma arquitetura de CPM é organizada ao redor de diferentes paradigmas, fundidas em uma interface comum. Os clássicos paradigmas do DW, relatórios e OLAP, ainda estão presentes, embora relatórios estáticos agora são integrados com KPIs, para dar aos usuários uma completa visão da tendência do negócio em pouco tempo. Mesmo os dashboards incluem KPIs, mas a latência da informação é mais curta para permitir aos usuários monitorar o progresso das suas tarefas no tempo certo. Finalmente, alertas são rapidamente entregues para habilitar os usuários tempestivamente reagir aos eventos relevantes. (GOLFARELLI et al., 2004). Os contadores gerenciais devem continuar a abraçar essas tecnologias entusiasticamente, e ter um papel proativo em implantá-las no alcance de uma análise de negócio melhorada e do planejamento do negócio. No futuro, os contadores estarão cada vez mais envolvidos em configurar e implantar, não simplesmente novos processos de negócios, mas também novos modelos de negócios. Em referência a isso, a contabilidade gerencial pode, finalmente, começar a atingir seu potencial estratégico nas organizações. (FAHY; MILLEA, 2001).

85 83 Analisando os autores percebemos que o BI é um componente fundamental dos sistemas que suportam o conceito de CPM, e são as funcionalidades desse primeiro que facilitam muitas das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial Aplicações Envolvidas em um Sistema que Suporta o Conceito de Corporate Performance Management CPM são: Segundo Chandler e Van Decker (2011) os componentes/aplicações de uma suíte de 1. BP&F (Budgeting, Planning e Forecasting). 2. PM&O (Profitability Modeling and Optimization). 3. Strategy Management. 4. Financial Consolidation and Close. 5. Financial and Management Reporting and Disclosure. 1) BP&F: Esse componente cobre o desenvolvimento de orçamentos, planos e forecasts. 2) PM&O: Esse componente inclui aplicações de activity-based costing (ABC) que determinam e alocam custos em um nível mais granular. Essa informação pode ser usada a vários objetos de custos, incluindo produtos, clientes ou segmentos de cliente, para ajudar a determinar a lucratividade do cliente e produto. 3) Strategy Management: Em planejamento estratégico: criação de planos de negócios em um nível macro, para avaliar o impacto de diferentes alternativas estratégicas. Gestão de iniciativas e objetivos: inclui ferramentas de gerenciamento de projetos para possibilitar que os gerentes responsáveis executem específicas tarefas relacionadas à estratégia. Mapas estratégicos e Scorecards: usado para gravar as estratégias, objetivos e tarefas, medir desempenho e fornecer um ambiente colaborativo para efetiva comunicação em toda a organização. Dashboards e cockpits: agregam e mostram métricas e indicadores de desempenho chaves (KPIs), possibilitando que estes sejam examinados antes de uma exploração posterior via ferramentas de BI. 4) Financial Consolidation and Close: Esse tipo de aplicação permite às organizações reconciliar, sumarizar e agregar dados financeiros baseados em diferentes padrões contábeis e órgãos de regulação. Essas aplicações requerem complexas regras de processamento de

86 84 transações, para automatizar o gerenciamento de transações intercompany (eliminar e igualar), e deve manter uma detalhada trilha de auditoria de todas as transações processadas para se chegar aos resultados financeiros consolidados.. 5) Financial and Management Reporting and Disclosure: Esse é um componente do segmento de mercado de governança corporativa que se liga às soluções de consolidação financeira. O CPM tem alguns requerimentos específicos de relatório e de divulgação que requerem ferramentas de reporte especializadas. Elas devem suportar princípios de contabilidade (GAAPs), tais como USGAAP (Generally Accepted Accounting Principles in the United States) e IFRS (International Financial Reporting Standards), para permitir a preparação de demonstrações financeiras estatutárias, com apropriadas notas de comentário. Devem, igualmente, suportar tecnologias de reporte financeiro, tais como extensible business reporting language (XBRL), na medida em que os reguladores cada vez mais requerem a submissão das demonstrações financeiras em formato XBRL. Aplicações de CPM devem também fornecer capacidades de gestão de reporte Portal Executivo A utilização de um portal empresarial permite aos usuários o acesso a um único lugar para todos os tipos de informação de diferentes usuários: conteúdo estruturado e não estruturado; processamento de transação; dados colaborativos; fontes externas e internas. O portal é produzido em bases que ele tenha o potencial para percorrer todas as funções e unidades de negócios, permitindo aos empregados gerenciarem seus próprios dados e transações, bem como fornecendo um veículo para compartilhar informação e conhecimento. Dependendo do desenho do portal ele também pode permitir a padronização das práticas de negócios entre empregados, fornecedores e parceiros de negócios. (GOULD, 2003) A RELAÇÃO ENTRE O ERP, OS SISTEMAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM E A CONTABILIDADE GERENCIAL. Segundo Rom e Rohde (2006) diversos pesquisadores alegam que um pré-requisito para a mudança nas práticas da contabilidade gerencial e para que estas novas técnicas trabalhem nas empresas é a necessidade de acoplá-las à tecnologia da informação.

87 85 Que os sistemas de informação são capazes de dar suporte a contabilidade gerencial não é uma ideia nova. Com a introdução e a adoção mais ampla do ERP nos anos 90, um novo potencial apareceu para os sistemas de informação suportarem a contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006). Não se espera que os sistemas ERP e de CPM mudem diretamente as práticas da contabilidade gerencial. O impacto dos sistemas ERP e de CPM devem ser entendidos a partir da sua habilidade de promover ou inibir mudanças na contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006). Segundo um estudo de Fahy e Millea (2001) os benefícios para as atividades de análise e planejamento vindos dos projetos de ERP têm sido limitados. Sobre a tecnologia que suporta o conceito de CPM estes autores mencionam que um grande número de empresas executa o processo de orçamento e atividades de avaliação de projetos usando planilhas; software de data mining e data visualisation são usados por somente um pequeno número de organizações; apresentação on-line está crescendo, com um significante número de empresas experimentando com intranet e tecnologia de portal para a distribuição de informação; implantações de CPM na sua totalidade são muito raras e, em muitos casos, as empresas têm tecnologia CPM baseadas em aplicações analíticas pontuais e intensivas em recursos de extrações de dados; tecnologia para suportar o BSC e cálculos de valor ao acionista não são geralmente muito usadas e planilhas continuam a dominar esse espaço; cockpit e dashboard não são muito usadas. Fahy e Millea (2001) citam que, em relação ao custeio e gestão baseada em atividades (ABC/M), no CPM os achados são: baixas taxas de adoção (20%); baixos níveis de integração do ABC/M com o ERP; em muitos casos o ABC/M não é uma parte estabelecida da capacidade do sistema de informação; aplicações pontuais ainda dominam para o ABC/M, com os vendedores de ERP encontrando dificuldade para colocá-las no mercado. De acordo com Brignall e Ballantine (2004) e Rom e Rohde (2006), os sistemas ERP e CPM endereçam tarefas de negócios diferentes e, é importante distinguir os dois tipos de sistemas quando se investiga como eles impactam o uso da contabilidade gerencial e as técnicas de controle na prática. Diversos estudos existem sobre o impacto dos sistemas ERP nas práticas da contabilidade gerencial: Fahy e Lynch, 1999; Booth et al., 2000 e Granlund e Malmi, O ERP possibilitou significativas melhorias na coleta de dados, mas estes sistemas tiveram um impacto ambíguo no suporte às decisões estratégicas em uma organização. (FAHY; LYNCH, 1999).

88 86 Os ERPs são úteis para o processamento de transações e menos adequados para a geração de relatórios e para o suporte à decisão em geral. Seus resultados também mostram que não houve nenhuma tendência significante para uma maior adoção das práticas modernas de contabilidade gerencial entre os que usam o ERP e os que não usam o ERP. (BOOTH et al., 2000). Segundo estudo de Granlund e Malmi (2002), quando se olha para as implicações sobre os sistemas de medição de desempenho como o Balanced Scorecard (BSC), observa-se que eles são implantados fora do ERP, mesmo que o ERP entregue alguns dos dados para o BSC. O ERP não parece desempenhar um papel importante para esses sistemas de medição de desempenho. Os efeitos do ERP nos orçamentos também parecem ser limitados. Os motivos de se preparar os orçamentos em sistemas separados estão relacionados à sua funcionalidade e qualidade. A introdução do ERP não parece ter muito impacto nas mudanças nas práticas da contabilidade gerencial. O sistema integrado de informação (IIS) pode conter também os sistemas que suportam o conceito de CPM. (ROM; ROHDE, 2006). O sistema de informação integrado parece ter dois tipos de impactos diferentes: como e em qual extensão as tarefas da contabilidade gerencial são resolvidas na prática. Um tipo de impacto se refere a como uma funcionalidade do sistema de informação integrado pode suportar as tarefas da contabilidade gerencial na prática como investigado por Booth et al (2000). Em outro tipo, pode-se argumentar que a introdução de um CPM pode habilitar mudanças nas práticas da contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006). Rom e Rohde (2006) afirmam que não se espera mais que o ERP tenha um maior impacto nas práticas da contabilidade gerencial, já que somente a coleta de dados é significantemente relacionada com o ERP. Baseada nas questões levantadas por Granlund e Malmi (2002), de que o sistema CPM induz as empresas a mudar a lógica de suas contabilidades e práticas de controle, parece relevante estudar o impacto do CPM na Contabilidade Gerencial. Os sistemas ERP e de CPM parecem ter diferentes impactos nas práticas da contabilidade gerencial como supracitado. Enquanto o relacionamento entre o ERP e as práticas da contabilidade gerencial em alguma extensão tem sido explorado, esse não é o caso com relação ao relacionamento entre o CPM e as práticas da contabilidade gerencial. Esse foi o primeiro objetivo do artigo de Rom e Rohde (2006). Fahy e Lynch (1999) e Fahy (2000) encontraram que o ERP tem um impacto negativo na contabilidade gerencial estratégica. Eles argumentam que para o CPM ser habilitador de

89 87 mudança na contabilidade gerencial estratégica, o CPM deve ser implantado em conjunto com uma perspectiva mais ampla de gerenciamento estratégico na companhia. A conclusão de Fahy e Lynch (1999) é suportada pelos resultados da pesquisa de Rom e Rohde (2006) à medida que nenhum relacionamento significante entre a contabilidade gerencial não financeira, externa e ad hoc, alocação de custos com o ERP é encontrado. O relacionamento significantemente positivo entre CPM e a contabilidade gerencial não financeira, externa, ad hoc e a alocação de custos indica que as companhias relacionam a implantação de um CPM com a mudança nas práticas da contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006). Os resultados da pesquisa do artigo de Rom e Rohde (2006) confirmam que o ERP é uma ferramenta poderosa quanto ao processamento de transação e a integração da organização, na medida em que a coleta de dados pode ser considerada uma Proxy para a integração. O ERP é também relacionado com a utilização e o suporte de um sistema de informação integrado, que indica que o ERP tem a capacidade de suportar as práticas de contabilidade gerencial em vigor. Essa conclusão suporta a alegação de que ter um ERP é ainda melhor que não ter, com relação ao suporte das tarefas existentes da contabilidade gerencial. Com relação ao impacto do CPM nas mudanças das práticas da contabilidade gerencial, é deduzido que o CPM é melhor que o ERP no suporte às mudanças de geração de relatórios e análises, contabilidade gerencial não financeira, externa e ad hoc, e alocação de custos. Com a implantação de um CPM, mudanças na contabilidade gerencial e, particularmente, nas práticas de gestão estratégicas da companhia são antecipadas (FAHY, 2000; FAHY; MILLEA, 2001; GOULD, 2003). Com base nos resultados da pesquisa do artigo de Rom e Rohde (2006) a existência de tal relacionamento não pode ser rejeitado. ERP e CPM são sistemas complementares. (ROM; ROHDE, 2006). No trabalho deles encontraram que os ERPs são os habilitadores primários de mudança na coleta de dados e na amplitude organizacional da contabilidade gerencial, enquanto o CPM é o habilitador primário de mudança em geração de relatórios e análises, orçamento, contabilidade gerencial não financeira, externa e ad hoc e alocação de custos. A adoção do CPM é um assunto contemporâneo que carece do exame meticuloso dos acadêmicos da contabilidade gerencial. (ROM; ROHDE, 2006).

90 PROBLEMAS ENFRENTADOS PELAS EMPRESAS E RELACIONADOS COM O SISTEMA DE CONTROLE DE GESTÃO E A IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Enquanto os sistemas implantados nas organizações no passado têm sido efetivos em fornecer informações para o controle operacional, eles têm sido de valor limitado para suportar as atividades dos executivos, nos níveis mais altos da organização. Há uma crescente não satisfação entre os executivos com a qualidade dos processos de gestão estratégica em suas organizações. (FAHY, 2000). A realidade da área de Finanças é muito difícil, como a dificuldade de integrar a informação dos diferentes sistemas, extração de dados manuais, dados trancados em sistemas legados e a contínua emergência de abordagens em planilhas fora das aplicações principais. Muitas atividades são ainda focadas nos sistemas operacionais e poucos sistemas de CPM são usados e, quando eles são usados, seu escopo é limitado. (FAHY; MILLEA, 2001). Falta uma integração de algumas técnicas da contabilidade gerencial, pois a abordagem de custeio baseado em atividades e o valor para acionista não são integrados com os outros sistemas. (FAHY; MILLEA, 2001). De acordo com a pesquisa de Fahy e Millea (2001, p.4), os profissionais de finanças afirmam que na execução das suas atividades eles tipicamente encontram um grande número de dificuldades associadas com o acesso aos dados e à disponibilidade da informação. Para os referidos autores, os resultados da sua pesquisa apontam que os profissionais de finanças estão mais preocupados com a integração dos sistemas, do que com os assuntos relacionados com a facilidade de uso das ferramentas. Muitas empresas lidam com diferentes sistemas. Muitos sistemas das organizações se assemelham a um spaghetti. Tradicionalmente, uma intervenção manual é requerida para converter a confusão em informação útil e insights para as pessoas em qualquer lugar na organização. Algumas organizações não tem ERP; continuam confiando puramente no Excel ou, em alguns casos, também usando uma ferramenta de integração. Outras têm um ERP, talvez alguns módulos de CPM, ou tem uma solução de planejamento e orçamento, mas ainda confiam no Excel. Muitas companhias confiam em soluções especializadas chamadas BoB (Best of Breed). (GOULD, 2003; FAHY; MILLEA, 2001). Nas empresas, os problemas incluem sistemas fragmentados e dependência errada do ERP. Em muitas organizações, planejamento, orçamento, elaboração de forecast e reporte são tratados em separado, como processos desconectados e suportados por diferentes soluções

91 89 tecnológicas. De fato, esses processos são parte de um processo muito maior de implantação estratégica. Planejamento estratégico, orçamento, elaboração de forecasts e monitoramento do realizado são partes do mesmo processo mover a organização para seu objetivo. Juntos, eles são componentes essenciais na implantação e execução da estratégia. Quando executados em separado, entretanto, eles fornecem pouco valor. (COVENEY et al. (2003). Técnicas avançadas incluem o gerenciamento de valor para o acionista, o balanced scorecard (BSC) e o custeio e gestão baseada em atividades (ABC/M). A integração dessas técnicas em um novo sistema de informação é extremamente difícil de alcançar em organizações grandes e complexas. (GOULD, 2003). O conceito de CPM e os sistemas que os suportam tendem a endereçar os problemas supramencionados.

92 90 CAPÍTULO II METODOLOGIA As etapas para a realização da pesquisa final podem ser visualizadas na Figura 11. Figura 11 Etapas para a Pesquisa Final Fonte: Elaborada pelo Autor Inicialmente, foi realizada uma revisão bibliográfica buscando identificar os conceitos de Controladoria, Contabilidade Gerencial, CPM, sistemas que suportam o conceito de CPM, BI, a relação dos sistemas de informação com a Contabilidade Gerencial e, mais especificamente, como os sistemas que suportam o conceito de CPM e que se relacionam com as tarefas da Contabilidade Gerencial Elaboração do Questionário Como resultado da revisão da literatura, esperamos que as empresas atualmente estejam usando as ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM, como uma tecnologia na forma de sistemas de apoio à decisão e informação executiva no sistema de informação da Contabilidade Gerencial, apoiando a realização das tarefas desta Contabilidade nos processos de gestão econômico-financeira. Como vimos, o processo de gestão econômico-financeira de uma empresa se utiliza do sistema da Contabilidade Gerencial

93 91 que, em seu desenho, emprega as práticas da Contabilidade Gerencial e a apresentação de determinadas características da informação. Mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial podem estar sendo facilitadas por estas ferramentas, e esse é um sinal de suporte por parte destas ferramentas. Esse trabalho, como já especificado anteriormente, procura contribuir como objeto de estudo, com o entendimento do uso das ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM pelo sistema da Contabilidade Gerencial nas empresas brasileiras. Tem como objetivos: O objetivo principal deste trabalho é: Identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial, facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Como objetivos secundários este trabalho busca: Identificar quais os módulos das ferramentas que são usados nos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Identificar qual o desenho do sistema de contabilidade gerencial das empresas que usam os sistemas que suportam o conceito de CPM. Com base nos conceitos revistos na revisão da literatura podemos analisar a figura 12. Figura 12 Entendimento da Aplicação das Ferramentas de CPM no Processo de Gestão Econômico-Financeira Fonte: Elaborada pelo Autor

94 92 Nela procuramos mostrar onde as ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM podem ser utilizadas nas tarefas da Contabilidade Gerencial, no processo de gestão econômico-financeira de uma empresa: A: nas tarefas de consolidação financeira - regras de consolidação. Permitem as organizações reconciliar, sumarizar e agregar dados financeiros baseados em diferentes padrões contábeis e órgãos de regulação. Automatizam o gerenciamento de transações intercompany (eliminar e igualar) e mantém uma detalhada trilha de auditoria de todas as transações processadas para se chegar aos resultados financeiros consolidados. B: nas tarefas de elaboração de books internos e externos. As ferramentas permitem criar regras de cálculo para gerar uma demonstração de fluxo de caixa, a partir das demonstrações de resultado e do balanço. Permitem a preparação de demonstrações financeiras estatutárias, com apropriadas notas de comentário. Incorporam processos de controle para reporte e divulgação, tais como templates; colaboração entre os usuários na companhia; editor das demonstrações financeiras; regras de negócios, workflow e trilhas de auditoria para melhor atender as demandas de governança, compliance e regulatórios. Suportam tecnologias de reporte financeiro, tais como extensible business reporting language (XBRL). C: nas tarefas de alocação de custos - regras de alocação. Permitem realizar as alocações de custos por atividades (ABC), por meio da modelagem de drivers de rateio. A partir dessa modelagem possibilitam a análise da lucratividade por cliente, produtos e unidades de negócio. D: nas tarefas de realização de projeções e simulações. Possibilitam a confecção da modelagem para os planos de longo prazo de forma macro; do orçamento; e de forecast/rolling forecast. Suportam a criação completa e o processo de aprovação com um workflow apropriado para o fluxo de revisão e aprovação. Mantém uma trilha de auditoria das mudanças. Permitem, também, a confecção de outros planejamentos detalhados, tais como o planejamento de funcionários, o planejamento de receita e o planejamento de capital. E: nas tarefas de análise das informações dos negócios. Permitem a utilização de dashboards, querys, scorecards e geração de relatórios. Temos a presença de ferramentas analíticas como o OLAP, permitindo análises multidimensionais com os recursos de Drill- Down e outros; F: nas tarefas de abastecimento dos dados operacionais para o DW com o uso de rotinas de ETL (extract, transform e load), para extrair, transformar e ler os dados.

95 93 G: nas tarefas de monitoramento em tempo real dos processos transacionais, através da geração de alertas, conforme o conceito de monitoramento das atividades de negócio (BAM) analisado na revisão da literatura. Com essa explanação podemos entender que as ferramentas empregadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM automatizam várias tarefas da contabilidade gerencial empregadas no processo de gestão de uma organização. Dessa forma, durante o processo de revisão da literatura procuramos encontrar estudos/artigos que servissem de base para a montagem do questionário, com foco no estudo do relacionamento entre os sistemas que utilizam as ferramentas que suportam o conceito de CPM e a Contabilidade Gerencial. E, também, estudos/artigos que procurassem retratar o desenho do sistema da Contabilidade Gerencial, suas técnicas e a apresentação da informação. O questionário utilizado neste estudo foi desenvolvido a partir das perguntas de dois questionários de estudos anteriores realizados por Rom e Rohde (2006) e Moores e Yuen (2001). Um dos estudos, o trabalho de Rom e Rohde (2006), foi sobre o tratamento das perguntas relacionadas com as variáveis sobre os módulos das ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM e sobre a extensão das mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial, facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM (facilitação de mudanças nas tarefas). No trabalho de Rom e Rohde (2006) o objetivo foi contribuir para o corpo do conhecimento sobre qual a extensão que os sistemas de informação integrados, tais como o ERP e sistemas que apoiam o conceito de CPM, afetam a habilidade de resolver diferentes tarefas da Contabilidade Gerencial. Como resultado obtiveram que o ERP apoia a coleta de dados e a amplitude organizacional melhor que os sistemas que suportam o conceito de CPM. Estes últimos, por sua vez, parecem ser melhores no apoio a análises, geração de relatórios, e quanto as técnicas da contabilidade gerencial moderna, envolvendo o uso de dados não financeiros. Isso indica que diferentes tarefas da contabilidade gerencial são suportadas por diferentes partes dos sistemas de informações integrados. Como estudado na revisão da teoria, quando se investiga o relacionamento entre o sistema de informação integrado e as práticas da contabilidade gerencial se torna relevante aplicar um foco nas tarefas da contabilidade gerencial. Isso está presente no artigo de Rom e Rohde (2006); os autores foram inspirados principalmente pela pesquisa conduzida por Booth et al. (2000). Estes últimos classificaram

96 94 as tarefas em processamento, geração de relatório e suporte à decisão. Para Rom e Rohde (2006) o processamento é entendido como coleta de dados, a geração de relatórios é mantida e o suporte à decisão é divido em análise, que é uma orientação ex post, e o orçamento, que é uma orientação ex ante. A tarefa de coleta de dados consiste, por exemplo, dos dados gravados na contabilidade assim como a coleta e a gravação de dados não financeiros. As tarefas de geração de relatórios incluem a elaboração de demonstração de resultados, relatórios de lucratividade por segmento e a geração de relatórios de dados não financeiros (por exemplo, o uso de Balanced Scorecard). A análise é baseada nos dados históricos e pode ser executada em uma base contínua, assim como em bases ad hoc. Finalmente, o orçamento se refere, por exemplo, à coleta de orçamentos dos diferentes departamentos na companhia. (ROM; ROHDE, 2006). No artigo de Rom e Rohde (2006) foi pesquisado, primeiramente, se nas empresas na Dinamarca foram percebidas as mesmas experiências que nos estudos anteriores sobre os efeitos dos sistemas ERP nas práticas da contabilidade gerencial e, em segundo lugar, se a implementação das ferramentas de Business Intelligence e os sistemas que suportam o conceito de CPM levaram a observações e a conclusões diferentes daquelas observadas pelos sistemas ERP. O outro trabalho é o de Moores e Yuen (2001) que foi utilizado no tratamento das perguntas relacionadas às variáveis de desenho do sistema de contabilidade gerencial (práticas da contabilidade gerencial e as características da apresentação da informação). O artigo de Moores e Yuen (2001) buscou capturar os relacionamentos de algumas variáveis (estratégia, estrutura, liderança e estilos de tomada de decisão) e seus relacionamentos com o sistema de contabilidade gerencial, numa perspectiva organizacional de ciclo de vida. Os resultados do artigo mostraram que a formalidade do sistema de contabilidade gerencial (suas técnicas e a apresentação da informação) muda para complementar as características organizacionais, por meio dos ciclos de vida. O trabalho de Moores e Yuen foi utilizado em alguns artigos no Brasil, como suporte às variáveis de pesquisa sobre os atributos do sistema de contabilidade gerencial. Citando alguns deles temos: Frezatti et al (2010) e Frezatti et al (2007). Nosso trabalho, como apresentado na justificativa, é um aplicação do trabalho de Rom e Rohde (2006) no contexto brasileiro, bem como uma contribuição e um prolongamento do trabalho de Yoshikuni (2005). O trabalho de Yoshikuni (2005) teve como objetivo principal identificar se a adoção do modelo de CPM pode ser uma das alternativas para utilização das práticas de gestão da

97 95 Controladoria Estratégica. Como objetivo secundário ele procurou identificar se as empresas estão usando o modelo do CPM de forma estruturada e quais práticas empregadas pela Controladoria Estratégica estão sendo utilizadas pela adoção do modelo de CPM. Foi encontrada a utilização do modelo de CPM, de forma estruturada, nas empresas e identificouse a utilização das práticas de gestão, por meio do uso de metodologias, métodos, na aplicação de técnicas, processos automatizados por softwares e monitorados por métricas. Constatou-se que: as etapas do processo nas empresas pesquisadas concentraram-se nas atividades de curto prazo, com utilização em massa dos métodos de orçamentos e técnicas de avaliação econômico-financeira; e que o relacionamento das camadas estratégicas e táticas por meio de sistemas de informação de apoio à decisão (SAD) e sistemas de informação executiva (SIE) não estão totalmente integrados. Encontrou-se, igualmente, o uso de diversos métodos e a aplicação de técnicas no nível estratégico, contudo, não existe sustentação do processo por softwares especialistas de BI ou que suportam o conceito de CPM. Yoshikuni (2005) sugere, como recomendação de pesquisa, que estudos futuros podem ser realizados com o intuito de se verificar a integração efetiva das camadas estratégicas e táticas, por meio de sistemas de apoio à tomada de decisão e sistemas de informação executiva usando os sistemas que suportam o conceito de CPM. Em seu trabalho não foi constatada a sustentação da camada estratégica por parte de softwares de BI ou CPM. Nosso trabalho, como mencionado, busca identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Dessa forma, a partir de uma constatação de que as tarefas relacionadas com a camada estratégica estão sendo impactadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM poderíamos contribuir com o trabalho de Yoshikuni (2005). Ou que módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM ligados à camada estratégica estão sendo usados pelas empresas. Pode-se entender também que este trabalho é um prolongamento do trabalho de Yoshikuni (2005) pelo fato de que a pesquisa intenciona identificar, com um grau de granularidade maior e focando em tarefas, como está se dando o uso das ferramentas que suportam o conceito de CPM. Para tanto, se fez necessária a inclusão de algumas questões adicionais relacionadas ao objetivo do estudo. Algumas perguntas relacionadas às características da companhia e do respondente foram elencadas como, por exemplo:

98 96 o Número de funcionários? o Setor de atividade? o Faturamento anual? o Cargo do respondente? o Experiência do respondente na área de Finanças? o Origem do Capital? Perguntou-se também sobre o fornecedor da ferramenta que suporta o conceito de CPM e com relação ao tempo de utilização desta na empresa. Nas perguntas relacionadas com a utilização das técnicas da contabilidade gerencial se questionou sobre a existência ou não das técnicas nas empresas respondentes. Naquelas relacionadas às características de apresentação da informação se perguntou sobre a extensão da presença das características: Escopo, Tempestividade, Agregação/Integração. Nas perguntas que tratam das características de apresentação da informação e dos módulos das ferramentas de CPM utilizou-se uma escala Likert de 5 pontos, perguntando sobre a extensão da presença na empresa, variando de 1= completamente não presente para 5 = muito presente. Para cada resposta foi atribuído o número de pontos associado com a escala selecionada (Por exemplo: se o respondente escolheu a resposta muito presente foi atribuído 5 pontos; para completamente não presente, atribuído 1 ponto). Para as perguntas sobre a percepção da extensão das mudanças facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas tarefas da contabilidade gerencial se utilizou uma escala Likert de 5 pontos, perguntando sobre a extensão que a ferramenta de CPM facilitou mudanças quanto às tarefas, variando de 1 = em nenhuma extensão e 5 = em larga extensão. Para cada resposta foi atribuído o número de pontos associado com a escala selecionada (Por exemplo: se o respondente escolheu a resposta em larga extensão foram atribuídos 5 pontos; para nenhuma extensão, atribuído 1 ponto). Ressaltamos que a escala Likert consiste em: Um conjunto de itens apresentados em forma de afirmações, ou juízos, ante os quais se pede aos sujeitos que externem suas reações, escolhendo um dos cincos, ou sete pontos de uma escala. A cada ponto, associa-se um valor numérico. Assim, o sujeito obtém uma pontuação para cada item [...] (MARTINS; LINTZ, 2000, p.46).

99 Interpretação dos Dados Para que se pudesse chegar a conclusões adequadas foram utilizadas validações estatísticas distintas. Do mesmo modo, para que se pudesse constatar a existência de alguma tendência no grupo de respostas quanto a presença das características da informação de Escopo, Tempestividade, Agregação/Integração; presença dos módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM; e a extensão das mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM foi utilizado o teste qui-quadrado de aderência. De acordo com Fox e Levin (2004, p. 295): O teste de qui-quadrado pode ser aplicado para determinar se as frequências observadas previamente diferem de modo significativo de uma distribuição equilibrada (ou de qualquer outra distribuição que pudéssemos imaginar). Castellan e Siegel (2006) afirmam que essa técnica é do tipo de prova de aderência e pode ser empregada para testar se existe uma diferença significante entre um número observado de indivíduos ou respostas que ocorre em cada categoria e um número esperado baseado na hipótese nula. Para utilizar o teste do qui-quadrado, ou teste de adequação do ajustamento, para verificar uma tendência no padrão de respostas apuradas na pesquisa, deve-se rejeitar a H0, pois, segundo Fonseca e Martins (2009, p.226), a H0 afirmará não haver discrepância entre as frequências observadas e esperadas, enquanto a H1 afirmará que as frequências observadas e esperadas são discrepantes. Para que se pudesse montar uma adequada apuração do ranking das tarefas da Contabilidade Gerencial quanto ao nível de extensão das mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM e levando em conta a presença ou não de todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM foi necessário adotar um grau de concordância aceitável entre aqueles que estão realizando a avaliação. Como forma de avaliar esse nível de concordância, utilizamos o coeficiente de concordância de Kendall (W). Segundo Legendre (2005, p.228), o coeficiente de concordância de Kendall (W) é uma medida de concordância entre diversos juízes (p) que estão acessando um dado conjunto de n objetos. Para que possamos encontrar concordância significativa entre julgadores, ao utilizar esse teste estatístico devemos rejeitar a hipótese nula que, no coeficiente de concordância de

100 98 Kendall, significa que não há concordância nos rankings entre as categorias. Assim, um p < 0,05 indica uma concordância significativa no ranking. (RAINER; WATSON, 1995). É possível, também, verificar a observação de Castellan e Siegel (2006), ao avaliar um exemplo de classificação de fatores que influencia a decisão de 22 associados de comparecerem a um encontro profissional, na qual afirmam: A probabilidade muito baixa sob H0 associada com o valor observado de W, nos permite rejeitar a hipótese nula de que as classificações dos associados não estão relacionadas umas com as outras e concluir que há um bom consenso entre os membros no que se refere aos fatores que afetam decisões para participar das reuniões da associação. (CASTELLAN; SIEGEL, 2006, p. 304) Pesquisa Piloto O questionário foi submetido a um pré-teste com gerentes de Controladoria de empresas e profissionais de vendas das ferramentas de CPM, que trabalham em consultorias especializadas na prestação de serviços de desenvolvimento de sistemas relacionados ao conceito de CPM, para refinar o desenho do questionário. Após a aplicação ajustes foram feitos para um melhor entendimento quanto às perguntas Pesquisa Final O questionário foi enviado para profissionais das áreas de controladoria nas empresas e para as áreas de BI que as suportam, e que já estavam trabalhando com as ferramentas que suportam o conceito de CPM. Como discutimos na revisão da teoria, a área de Controladoria é a responsável por garantir informações adequadas ao processo decisório, relacionadas ao planejamento e controle de uma companhia. Foram recebidos 24 questionários respondidos sendo que 2 foram descartados, devido ao fato das empresas estarem iniciando os desenvolvimentos dessas ferramentas. Foram enviados 50 questionários. O questionário foi desenhado utilizando a plataforma equestiona e foi enviado eletronicamente para cada empresa. Se tratou de um questionário autoaplicável. Cada

101 99 profissional respondeu as perguntas via web. Nos casos onde foi identificado um problema de tempo, como limitador para a coleta dos dados, foi enviado um questionário em Excel para preenchimento e devolução. Esse questionário elaborado a partir das perguntas utilizadas nos artigos de Moores e Yuen (2001) e Rom e Rohde (2006) e que foi enviado para as empresas que usam as ferramentas de CPM se encontra no apêndice C.

102 100 CAPÍTULO III APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS E ANÁLISE DOS DADOS 3.1. Apresentação dos Resultados Como respostas aos questionários enviados foram obtidas os seguintes resultados: Tabela 1 Cargos dos Respondentes Fonte: Resultado de pesquisa Observamos que os profissionais possuem cargos relacionados às atividades da área de Controladoria e de Business Intelligence.

103 101 Tabela 2 Áreas dos Respondentes Fonte: Resultado de pesquisa Como havíamos mencionado, os respondentes são profissionais que executam atividades pertencentes à área de Controladoria e também à área de Business Intelligence. Interessante mencionar que alguns profissionais não mencionaram o nome Controladoria como a área de atuação, mas sim, áreas de Planejamento Financeiro, Planejamento e Controle, Finanças e Orçamento. Acreditamos que isso se deve ao fato de que em muitas empresas não se adota a estrutura organizacional da área de Controladoria como na literatura, com base em: Almeida et al (2001); Mosimann e Fish (1999); Beuren (2002); Nakagawa (1993) e Padovese (2005). Ou seja, como sendo a área de Controladoria responsável pelas áreas de Planejamento, Orçamento, Custos. Tabela 3 Experiência dos Respondentes na Área de Finanças Fonte: Resultado de pesquisa Boa parte dos profissionais que responderam o questionário são indivíduos com grande experiência em finanças, sendo que 19 desses respondentes afirmaram possuir mais de cinco anos de experiência.

104 102 Tabela 4 Setor de Atividade das Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Observa-se que muitos setores de atividade estão representados na amostra, com maior número de empresas ligadas a Bancos e a Serviços Especializados. Tabela 5 Nível do Faturamento Anual das Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Podemos notar que as empresas que estão adotando as ferramentas que suportam o conceito de CPM são médias e grandes empresas, conforme classificação do porte de empresa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES (2012), que leva em conta a Receita Operacional Bruta Anual (Média Empresa > R$ 16MM e <= R$ 90MM; Média Grande Empresa > R$ 90 MM e <= R$ 300 MM; Grande Empresa > R$ 300 MM). Com preponderância de empresas grandes, com Receita Operacional Bruta Anual maior que R$ 300 Milhões no ano.

105 103 Segundo Yoshikuni (2005) há uma correlação direta entre o nível de faturamento e os softwares utilizados na informatização dos processos de gestão que compõe o CPM. Tabela 6 Número de Funcionários das Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Mais da metade das empresas possui acima de funcionários. Tabela 7 Tempo de Utilização das Ferramentas de CPM Fonte: Resultado de pesquisa Nota-se que as empresas da amostra já estão usando as ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM há algum tempo. Duas empresas não responderam a essa pergunta, em função desta pergunta ter sido inserida posteriormente. Tabela 8 Fornecedores das Ferramentas de CPM das Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Algumas empresas possuem aplicações de diferentes fornecedores. Isso pode demonstrar a abordagem fragmentada de implantação de sistemas adotada por finanças, conforme revisão da literatura e que gera muitos problemas de integração.

106 104 Tabela 9 Origem do Capital Fonte: Resultado de pesquisa Metade das empresas da amostra é de empresas nacionais Análise dos Resultados Iniciamos a análise dos resultados, com a intenção de atingir o seguinte objetivo secundário deste trabalho: Identificar qual o desenho do sistema de contabilidade gerencial das empresas que usam os sistemas que suportam o conceito de CPM Análise sobre as Práticas da Contabilidade Gerencial usadas pelas Empresas Na tabela 10 percebemos que as empresas possuem, em sua maioria, as técnicas da contabilidade gerencial que são utilizadas no processo de gestão de desempenho de uma organização, conforme revisão da literatura, como por exemplo: Planejamento Estratégico, Orçamento, Revisão do Orçamento (Forecast), acompanhamento de KPIs financeiros e não financeiros, e definição de objetivos de longo prazo. Isso demonstra que as empresas possuem os processos e que estão partindo para a sua automação, via ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM.

107 105 Tabela 10 Práticas de Contabilidade Gerencial usadas pelas Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Pode acontecer também da empresa possuir a ferramenta de CPM e não ter o processo, ou ter o processo e não ter o suporte tecnológico usando sistemas que suportam o conceito de CPM ou, ainda, este suporte ser todo em planilha eletrônica ou em outra solução interna. A técnica que apresentou a menor utilização foi a do mapeamento ambiental, sendo está uma técnica da contabilidade gerencial moderna, conforme revisão da literatura. Devemos tomar cuidado ao analisar esse resultado, pois isso pode ter acontecido em função de não haver um processo formalizado de mapeamento das variáveis externas e de benchmarking nas empresas. Embora, isso não indique que alguma outra forma não estruturada possa estar sendo empregada pelas empresas. Dada à alta formalização das práticas da contabilidade gerencial das empresas da amostra, se torna muito relevante estudar quais tarefas são suportadas diretamente pelas ferramentas. Ou seja, se alguma tarefa está sendo suportada mais que a outra, se há um predomínio do suporte para as tarefas táticas em relação às tarefas estratégicas ou vice e versa. A resposta para essa pergunta se dá a partir da constatação de que mudanças estão sendo facilitadas, em alguma extensão, nas tarefas da Contabilidade Gerencial pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM. Torna-se relevante também questionar quanto ao escopo presente no desenho do sistema de contabilidade gerencial. Pois, a presença da característica de informação de escopo amplo, que está ligada à contabilidade gerencial estratégica reforça, como vimos na revisão da literatura, a existência, nas empresas, de um processo de gestão estratégico.

108 106 Podemos afirmar também que as empresas da amostra, a partir dos resultados mostrados na tabela 10, possuem um importante componente do conceito de CPM que são as métricas, tratadas nessa tabela como os indicadores financeiros e não financeiros para avaliação de desempenho. A combinação de indicadores financeiros e não financeiros também é uma indicação de que as empresas estão usando técnicas modernas da contabilidade gerencial, conforme Chenhall e Langfield-Smith (1998). Em resumo, as empresas possuem os processos e as métricas, componentes do conceito de CPM, e precisamos verificar se elas possuem os sistemas de informação ligados a cada um destes processos Análise sobre as Características de Apresentação da Informação, Presentes no Desenho do Sistema da Contabilidade Gerencial usado pelas Empresas Para que pudéssemos verificar a possível presença das características de apresentação da informação no desenho do sistema da contabilidade gerencial usado pelas empresas e conseguíssemos atingir o objetivo secundário desse trabalho solicitamos aos respondentes que avaliassem a percepção da extensão da presença de cada característica. Cada respondente avaliou as características em uma escala de 1 a 5, sendo 1 a opção de completamente não presente e 5 a de muito presente. Os resultados das pontuações podem ser observados no Apêndice D. Para avaliar os resultados das respostas é necessário, portanto, que exista uma tendência nas respostas, de forma que as concentrações não sejam devidas ao acaso. Com o objetivo de avaliar se os padrões de respostas seguiam uma tendência, foi realizado um teste de qui-quadrado de aderência para cada variável perguntada e relacionada com as características da informação presentes no desenho do sistema de contabilidade gerencial. Esse teste de qui-quadrado permite verificar se a distribuição das respostas é diferente de uma distribuição esperada (no caso deste trabalho, distribuição homogênea entre as possibilidades de respostas, ou seja, que a proporção seja a mesma), ou se há alguma tendência observada (CASTELLAN; SIEGEL, 2006). Como o total de respondentes válidos para os objetivos desta pesquisa é igual a 22, a distribuição ao acaso, esperada como padrão de resposta é de aproximadamente 4 apontamentos para cada uma das possibilidades de resposta (de 1 a 5).

109 107 De acordo com Castellan e Siegel (2006), o teste de qui-quadrado para medir a aderência de uma amostra não deve ser usado se mais de 20% das frequências esperadas são menores que 5, ou se qualquer frequência esperada é inferior a 1, o que é o caso dos dados deste trabalho como já visto (frequência esperada < 5). No entanto, segundo os autores, eventualmente, podem ser aumentadas as frequências esperadas, combinando categorias adjacentes e que, do mesmo modo, se possa fazer combinações significativas. Devido a esse problema, para avaliar uma possível tendência nas respostas sobre as características da informação, foram combinados os resultados utilizando-se os seguintes critérios: a) Resposta 1: consideradas como não presente. b) Respostas 2, 3, 4 e 5: consideradas como presentes em alguma extensão. Esse agrupamento se justifica devido ao fato de que nesse trabalho, não estamos interessados apenas na presença ou não da característica, mas na extensão da mesma na empresa. As respostas 2, 3, 4 e 5 representam os níveis dessa extensão. Dessa forma, a frequência esperada para cada um dos fatores passou a ser de 11, possibilitando a análise conforme Castellan e Siegel (2006). Com base nesse critério e utilizando o software Excel, apuramos os resultados visualizados nas tabelas de 11 a 16. Para os objetivos desta pesquisa, ao utilizar o teste de qui-quadrado devemos rejeitar a H0, pois esta afirma não haver discrepância entre as frequências observadas e as esperadas (FONSECA; MARTINS, 2009). Para àquelas variáveis, em que a hipótese nula não foi rejeitada, não se pode afirmar que as respostas apresentam qualquer tendência, seja de considerar as características da informação como não presentes, ou presentes nas variáveis avaliadas. o Escopo: De acordo com esses critérios todas as variáveis relacionadas ao escopo tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 12. Quando discorremos em termos de escopo da informação, na tabela 11 constatamos a partir das respostas associadas aos pontos da escala Likert de cada característica, que há a presença de um sistema de contabilidade gerencial de escopo amplo, reforçado pelo fato de que para todos os itens a mediana ficou acima ou igual a 3,0. Conforme revisão da literatura, um amplo escopo, trata-se da preocupação do sistema de contabilidade gerencial com o fornecimento de informações relacionadas ao histórico e futuro; a parte interna e externa da empresa; e informações financeiras e não financeiras. O fato de encontrarmos um escopo

110 108 amplo indica a presença do conceito de contabilidade gerencial estratégia, conforme foi mostrado a partir da revisão de literatura (informações externas, não financeiras e futuras). Isso reforça o fato que há um processo de gestão estratégica nessas empresas e que estas estão se preocupando em investir em ferramentas que suportam o conceito de CPM. Cada vez mais as empresas, nos dias de hoje, precisam se preocupar com as informações sobre os concorrentes, variáveis de mercado, clientes, indicadores não financeiros, etc. As companhias precisam de acompanhamento de indicadores relacionados não somente à parte interna, mas também à parte externa. O conceito do Balanced Scorecad é uma indicação disso, em que o objetivo é ter um balanceamento dos indicadores de várias perspectivas (por exemplo: perspectiva de clientes e processos internos). Interessante notar que os escopos que apresentam a maior presença ainda são: o Financeiro, o Interno e o Histórico, que estão diretamente relacionados ao conceito de Contabilidade Gerencial Tradicional, mas que são suplementados pelos outros tipos de escopos. Tabela 11 Escopo da Informação Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 12 Escopo da Informação, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa

111 109 o Tempestividade: Todas as variáveis relacionadas à tempestividade tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 14. Em termos de tempestividade da informação, constatamos na tabela 13, a partir da mediana das respostas associadas aos pontos da escala Likert, que há uma preocupação importante quanto à tempestividade do fornecimento de informações para a tomada de decisão. Isso é reforçado pelo fato de que todas as medianas dos itens ficaram acima de 3,0. Segundo Arima (2002), nos dias atuais a informação precisa estar disponível na hora, segundo a necessidade. De nada adiantam se forem apresentadas antes ou depois. O importante é aquele momento, com as especificidades de confiança, fidelidade e integridade dos dados que a compõe. Segundo Chenhall e Morris (1986) é provável que a habilidade de um gerente em responder rapidamente aos eventos, seja influenciada pela tempestividade do sistema de contabilidade gerencial. A informação tempestiva melhora a facilidade do sistema de contabilidade gerencial em reportar sobre os mais recentes eventos e fornecer rápido feedback sobre as decisões. No ambiente de negócios atual, a rapidez em responder aos eventos é cada vez mais importante para assegurar o atingimento dos objetivos estratégicos. Tabela 13 Tempestividade Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 14 Tempestividade, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa

112 110 o Agregação e Integração: Todas as variáveis relacionadas à agregação e integração tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 16. Em termos das características de integração e agregação percebemos a partir da tabela 15 uma alta presença dessas características. Isso é reforçado pelo fato da mediana das respostas associadas aos pontos da escala Likert ter resultado maior que 3,0 para todos os itens. Os itens com maior presença são aqueles relacionados com a agregação de dados ao longo do tempo; à combinação de dados sobre as unidades de negócio e centros de responsabilidade; aos modelos formais de decisão; e targets que levam em conta a interação entre as áreas e as unidades de negócio. A combinação de dados sobre as unidades e centros de responsabilidade, segundo Chenhall e Morris (1986), pode estar associada com a presença da descentralização nas empresas. Notamos, também, uma preocupação das empresas em ter informações integradas no seu sistema de contabilidade gerencial, isto é, targets que levam em conta a interação entre as unidades de negócio e o impacto de decisões tomadas em uma unidade de negócio nas outras. Na concepção de Chenhall e Morris (1986) isso pode estar relacionado a empresas que possuem uma grande interdependência organizacional. Tabela 15 Agregação e Integração Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 16 Agregação e Integração, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa

113 111 Com essa análise atingimos um dos objetivos secundários deste trabalho que visou identificar o desenho do sistema da contabilidade gerencial nas empresas que possuem os sistemas que suportam o conceito de CPM. Constatamos a presença de um escopo amplo e as características de informação de tempestividade e agregação e integração. Esses sistemas como vimos pela revisão da literatura, se enquadram na categoria de estratégicos (Suporte à Decisão e Informação Executiva) com funcionalidades que ajudam a empresa a disponibilizar as características encontradas acima. Logo faz todo o sentido encontrarmos empresas com esses sistemas e as características apontadas Análise sobre as Ferramentas de CPM utilizadas nas Empresas Esta análise foi efetuada para que pudéssemos verificar a presença dos módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM e conseguíssemos atingir o objetivo secundário deste trabalho: Identificar quais os módulos das ferramentas que são usados nos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Solicitamos aos respondentes que avaliassem a extensão da presença de cada módulo das ferramentas que suportam o conceito de CPM. Cada respondente avaliou as características em uma escala de 1 a 5, sendo 1 a opção de completamente não presente e 5 a de muito presente. Os resultados das pontuações podem ser observados no Apêndice E. Para elaborar o teste de qui-quadrado, para avaliar uma possível tendência nas respostas sobre a utilização dos módulos das ferramentas nos sistemas que suportam o conceito de CPM, os resultados foram combinados utilizando-se os seguintes critérios: a) Resposta 1 e 2: consideradas como não presentes. b) Respostas 3, 4 e 5: consideradas como presentes em alguma extensão. Dessa forma, a frequência esperada para cada um dos fatores passou a ser de 11, possibilitando a análise do teste de qui-quadrado. Com base nesse critério e utilizando o software Excel, apuramos os resultados visualizados nas tabelas 17 e 18. Para os objetivos desta pesquisa, ao utilizar o teste de qui-quadrado devemos rejeitar a H0, pois esta afirma não haver discrepância entre as frequências observadas e as esperadas (FONSECA; MARTINS, 2009).

114 112 Para aquelas variáveis em que a hipótese nula não foi rejeitada, não podemos afirmar que as respostas apresentam qualquer tendência, seja de considerar as características da informação como não presentes, ou presentes nas variáveis avaliadas. Apenas dois módulos das ferramentas empregadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 18. São eles os módulos de planejamento e consolidação financeira. Ou seja, podemos concluir que há uma tendência de presença apenas para estes dois módulos. Quanto aos outros não podemos evidenciar uma tendência. Ou seja, com esses resultados, percebemos que as companhias estão priorizando nos sistemas que suportam o conceito de CPM os instrumentos táticos ao invés dos estratégicos. Demonstra, também, que há uma maior procura em comprar módulos individuais da suíte de CPM oferecidas pelos fornecedores ao invés de uma suíte completa com todos os módulos. Esse resultado não nos surpreende, pois conforme Chandler e Van Decker (2011) muitos projetos de CPM tipicamente focam em planejamento financeiro (Orçamento, Forecast, Planos Financeiros) e em consolidação financeira (Processo de fechamento mensal) e reporte. Isso acontece apesar do CPM ser também para ligar a estratégia à execução operacional; para alavancar os investimentos feitos em BI, a fim de trazer consistência ao reporte financeiro e operacional; e identificar os direcionadores de lucratividade (via ABC/ABM) para ajudar as organizações a perseguirem receitas lucrativas. Chandler e Van Decker (2011) enfatizam que há uma falta de conhecimento entre muitos usuários de finanças e de negócios sobre o potencial dessas ferramentas e poucas empresas parecem estar alavancando-as na sua extensão. Muitas organizações que implantaram sistemas que suportam o conceito de CPM não implantaram muitas das avançadas funcionalidades, incluindo gestão estratégica e gestão da lucratividade, por meio do custeio baseado em atividades. Esses resultados estão em linha com Aho (2010), que afirma que as empresas iniciam suas iniciativas de BI e CPM, a partir do reporte financeiro. Yoshikuni (2005) também concluiu em seu trabalho, a partir de sua pesquisa sobre o uso do CPM pela controladoria estratégica, que o relacionamento das camadas estratégicas e táticas, por meio de sistemas de informação de apoio à decisão (SAD) e sistemas de informação executiva (SIE) não estão totalmente integrados. Ele constatou o uso de métodos e técnicas no nível estratégico, mas não existe sustentação destes processos por softwares especialistas de BI e CPM. O autor afirma que a falta dessa integração demonstra o grau de amadurecimento em que se encontram os processos relacionados à estratégia.

115 113 Ou seja, há uma constatação a partir do resultado encontrado em nossa pesquisa, que as empresas brasileiras estão seguindo uma tendência já observada anteriormente. Uma das razões que igualmente poderia explicar o fato de existir uma tendência somente para os módulos de planejamento financeiro e consolidação financeira nos sistemas que suportam o conceito de CPM, se deve ao fato de que os processos de ABC e Balanced Scorecard ainda são pouco utilizados pelas empresas brasileiras, conforme apontam autores como Soutes e Zen (2005) e Guerreiro et al (2011). Gould (2003) afirma que as técnicas de ABC e BSC são difíceis de integrar em um sistema de informação e isso também pode ser um fato que contribui para a não constatação de uma tendência para os módulos que tratam dessas técnicas. Devemos tomar cuidado na interpretação desses resultados; conforme Chandler e Van Decker (2011), em linha com o desejo geral de alavancar os ativos de software já comprados, o ano de 2009 e o início do ano de 2010 encorajaram alguns clientes a focar na melhoria dos softwares que suportam o conceito de CPM já existentes ou em implantações legadas; melhor do que olhar para novos investimentos nesses softwares. Isso pode ter culminado em uma abordagem de CPM do faça você mesmo, alavancando o Excel ou as já compradas tecnologias de OLAP. Nesse sentido conforme constatamos na discussão das respostas para as perguntas quanto à presença das práticas da Contabilidade Gerencial nas empresas podemos afirmar que as empresas da amostra possuem as práticas/técnicas usadas no processo de gestão de desempenho embutido no conceito de CPM, mas estas podem não estar usando as ferramentas da suíte que suportam o conceito de CPM e sim o Excel, ou outras aplicações legadas. Como citado por Fahy (2000) a suíte que suporta o conceito de CPM é desenhada para melhorar a efetividade do processo de gestão estratégica, fornecendo aos gerentes o monitoramento do desempenho do negócio, a consolidação e a capacidade de data warehousing/business intelligence. Algumas empresas na amostra estão perdendo a oportunidade de uso dessas funcionalidades. Verificamos, também, uma não constatação da tendência de uso da ferramenta de data mining e do portal executivo. A baixa utilização do portal executivo pode ser o resultado da não integração de todos os componentes da suíte que suportam o conceito de CPM, inviabilizando a construção do portal. Quanto ao Data Mining deve-se tomar o cuidado na interpretação do resultado, pois constatamos uma falta de entendimento de alguns profissionais de finanças pesquisados, quanto ao conceito.

116 114 Tabela 17 Ferramentas Utilizadas pelas Empresas Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 18 Ferramentas Utilizadas pelas Empresas, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado. Fonte: Resultado de pesquisa Apesar desta análise estatística, ter constatado apenas a tendência quanto à presença dos módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM de planejamento financeiro e consolidação financeira pelas empresas, um achado muito importante deste trabalho, obtido a partir de uma análise qualitativa da amostra e que merece uma maior investigação é o seguinte: observamos que 4 empresas parecem ter alcançado um certo grau de amadurecimento quanto ao uso das ferramentas, conforme pode ser observado na tabela 19. Estas empresas apontaram que estão usando todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM, apesar de não terem apontado um nível de presença muito alto. A esse grupo de empresas nominamos de GRUPO 2 (Empresas A, C, D, e G) para análises posteriores. Podemos afirmar com isso que há empresas procurando integrar as camadas táticas e estratégicas com o uso de ferramentas que suportam o conceito de CPM, o que pode ser entendido, como já citado anteriormente, como uma contribuição importante para o trabalho de Yoshikuni (2005). No trabalho desse autor constatou-se que o relacionamento das camadas estratégicas e táticas, por meio de sistemas de informação de apoio à decisão (SAD) e sistemas de informação executiva (SIE) não estavam totalmente integrados. Encontrou-se também no trabalho dele o uso de diversos métodos e a aplicação de técnicas no nível

117 115 estratégico, contudo, não foi constatada a sustentação do processo por softwares especialistas de BI, ou que suportam o conceito de CPM. Tabela 19 Ferramentas Utilizadas pelas Empresas que Parecem ter Alcançado certo grau de Amadurecimento Quanto ao Uso. Fonte: Resultado de pesquisa Com esta análise alcançamos um dos objetivos secundários deste trabalho, identificando que as empresas estão usando os módulos de Consolidação Financeira e de Planejamento, mas que algumas outras parecem ter atingido certo grau de amadurecimento no uso, empregando todos os módulos. Vimos que na amostra deste trabalho encontramos 4 empresas com o uso de todos os módulos das 22 pesquisadas Análise sobre as Mudanças Facilitadas pelas Ferramentas da Contabilidade Gerencial Para que pudéssemos verificar se as ferramentas que suportam o conceito de CPM facilitam mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial solicitamos aos respondentes que avaliassem a percepção da extensão das mudanças facilitadas para cada tarefa. Cada respondente avaliou as características em uma escala de 1 a 5, sendo 1 a opção de facilitou em nenhuma extensão e 5 a de facilitou em larga extensão. Os resultados das pontuações podem ser observados no Apêndice F. Para elaborar o teste de qui-quadrado, para avaliar uma possível tendência nas respostas sobre a extensão que os sistemas que suportam o conceito de CPM facilitaram mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial, combinamos os resultados utilizando-se os seguintes critérios: a) Resposta 1: considerada como não facilitou mudanças. b) Respostas 2, 3, 4 e 5: consideradas como facilitou mudanças em alguma extensão.

118 116 Esse agrupamento se justifica devido ao fato de que nesse trabalho, não estamos interessados apenas no fato de que as ferramentas facilitaram ou não mudanças nas tarefas, mas na extensão da mudança. As respostas 2, 3, 4 e 5 representam os níveis dessa extensão. Dessa forma, a frequência esperada para cada um dos fatores passou a ser de 11, possibilitando a análise do teste de qui-quadrado. Com base nesse critério e utilizando o software Excel, apuramos os resultados visualizados nas tabelas 20 e 21. Para os objetivos desta pesquisa, ao utilizar o teste de qui-quadrado devemos rejeitar a H0, pois esta afirma não haver discrepância entre as frequências observadas e as esperadas (FONSECA; MARTINS, 2009). Para àquelas variáveis em que a hipótese nula não foi rejeitada, não se pode afirmar que as respostas apresentam qualquer tendência, seja de considerar as características da informação como não presentes, ou presentes nas variáveis avaliadas Tarefas de Cobertura Organizacional Todas as tarefas da Contabilidade Gerencial relacionadas com a Cobertura Organizacional tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 21. Isso indica que há uma tendência nas respostas, quanto ao fato das ferramentas que suportam o conceito de CPM facilitarem mudanças nestas tarefas. Percebemos pela tabela 20, que as ferramentas facilitam mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial relacionadas à cobertura organizacional em grande extensão. As tarefas de cobertura organizacional são uma aproximação para a integração em uma companhia, segundo Rom e Rohde (2006). Isso é reforçado pelo fato de que todos os itens apresentaram a mediana maior ou igual a três. Esse resultado está em linha com os resultados obtidos, quanto à presença da característica da informação de integração no desenho do sistema de contabilidade gerencial. Como vimos pela revisão da literatura, as suítes que suportam o conceito de CPM são baseadas em tecnologia de BI, e estas possuem recursos de análise multidimensional, por meio das ferramentas analíticas on line (OLAP) e também possuem recursos para que os usuários possam contribuir com dados via web de qualquer lugar. Essa questão da contribuição pode ser percebida nas tabelas que seguem, analisando a resposta à pergunta quanto ao número de departamentos fazendo o orçamento, e número de departamentos fornecendo dados, mais da metade das empresas informaram que a extensão das mudanças

119 117 foi de quatro e cinco. Dessa forma, faz sentido que as tarefas realizadas pelos profissionais da contabilidade gerencial relacionadas à cobertura organizacional sejam impactadas por essas ferramentas, facilitando mudanças e comprovando o suporte desta tecnologia nestas tarefas. Como citado por Gangadharan e Swami (2004) o BI se refere ao uso da tecnologia para coletar e efetivamente usar a informação para melhorar o potencial do negócio. A ideia do sistema de BI é proporcionar a habilidade de facilmente compartilhar a informação com outros. A tecnologia de BI, presente nos sistemas que suportam o conceito de CPM, como vimos pela revisão da literatura, permite que mais dimensões de informações sejam coletadas e usadas pelas empresas, conforme Gangadharan e Swami (2004); Aho (2010) e Diniz et al. (2009). Isso pode ser constatado pelas respostas às perguntas sobre o número de dimensões de dados e o número de dimensões nos relatórios. Mais da metade das empresas respondeu que mudanças foram facilitadas com extensão quatro e cinco. Podemos afirmar, dessa forma, pelos resultados apresentados nas tabelas que seguem que as suítes que suportam o conceito de CPM facilitam mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial de cobertura organizacional, mas em níveis de extensão diferentes para algumas tarefas. Tabela 20 Tarefas de Cobertura Organizacional Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 21 Tarefas de Cobertura Organizacional, Respostas Agrupadas e Análise Quiquadrado Fonte: Resultado de pesquisa

120 Tarefas de Geração de Relatórios e Análises As seguintes tarefas da Contabilidade Gerencial relacionadas com a Geração de Relatórios e Análises não tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 23: uso de dashboards; uso de scorecards (comunicação da estratégia e gerenciamento do desempenho contra a estratégia); uso de análise What-If; e geração de alertas automáticos. Essa não rejeição de H0 sugere que não é possível indicar uma tendência nas respostas quanto à extensão das mudanças que são facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM. A não existência de uma tendência para mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM nas tarefas de dashboards e scorecards pode estar ligada a não comprovação de uma tendência de presença para o módulo de mensuração e análise de desempenho. A não existência de uma tendência para mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM nas tarefas de geração de alertas automáticos pode estar ligada a não comprovação de uma tendência de presença para o módulo de monitoramento em tempo real. A partir da tabela 22 percebemos que há uma tendência comprovada pelo teste de quiquadrado, nas respostas para as tarefas diretamente relacionadas com a utilização dos módulos de planejamento financeiro e consolidação financeira. Em linha com os achados sobre a utilização dos módulos das ferramentas. Ou seja, consolidação financeira, rolling-forecast e simulações. Encontramos, também, uma tendência para as tarefas de drill-down; criação de relatórios ad hoc; o próprio usuário desenha o relatório; e geração de relatórios enviados automaticamente. Estas quatro últimas estão ligadas a funcionalidades da tecnologia de BI, empregada pelas ferramentas usadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM. Como, por exemplo, as ferramentas OLAP e de geração de relatórios. Isso também comprova a utilização dessas ferramentas pelas empresas. Como vimos o objetivo das suítes que suportam o conceito de CPM, conforme revisão da literatura, é o de alavancar os recursos de BI para uma maior capacidade de análise na tomada de decisão, visando à implantação da estratégia da companhia. Podemos afirmar, também, a partir da constatação de uma tendência para a tarefa de forecast, que as empresas possuem um importante componente do conceito de CPM, conforme visto na definição deste conceito, àquele relacionado ao processo de revisão do

121 119 orçamento, pela prática do forecast. E possuem, igualmente, as ferramentas para suportar esse componente. Para as tarefas que apresentaram uma tendência verificamos que mais da metade das empresas indicou que as ferramentas estão facilitando mudanças com uma extensão nos níveis quatro e cinco. Sendo que, para a tarefa de consolidação financeira dezoito empresas indicaram esses níveis de extensão para as mudanças. Para a tarefa de criação de relatórios ad hoc 17 empresas. Podemos afirmar pelos resultados encontrados que as suítes que suportam o conceito de CPM facilitam mudanças em algumas das tarefas da contabilidade gerencial de geração de relatórios e análises, mas em níveis de extensão diferentes para algumas tarefas.. Tabela 22 Tarefas de Geração de Relatórios e Análises. Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 23 Tarefas de Geração de Relatórios e Análises, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa

122 Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc As seguintes tarefas da Contabilidade Gerencial relacionadas com o tratamento de informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc tiveram a H0 rejeitada conforme tabela 25: dados qualitativos não financeiros e dados ad hoc. Podemos constatar uma tendência nas respostas apenas nessas tarefas. Para essas duas tarefas, menos da metade das empresas respondeu que a extensão das mudanças facilitadas é igual a quatro ou cinco. Ou seja, o nível da extensão das mudanças é baixo. As tarefas de tratamento de informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc estão ligadas diretamente ao conceito de Contabilidade Estratégica, conforme revisão da literatura. Assim, percebemos que as suítes que suportam o conceito de CPM estão facilitando mudanças nestas tarefas, mas em um nível de extensão baixo. Na pergunta quanto ao escopo, discutida anteriormente, notamos pelas respostas que as empresas possuem a preocupação quanto ao escopo externo e não financeiro. O fato de que as ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM estão facilitando mudanças em um nível de extensão baixo para estas tarefas, leva-nos a levantar a hipótese de que as empresas estão usando outras ferramentas para o suporte dessas tarefas. Aqui também podemos relacionar esses resultados ao fato das empresas estarem priorizando os sistemas ligados à parte tática nas ferramentas que suportam o conceito de CPM, ao invés da parte estratégica. E também, ao fato de não termos encontrados em muitas empresas a formalização de um processo de mapeamento ambiental e de benchmarking. Tabela 24 Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc Fonte: Resultado de pesquisa

123 121 Tabela 25 Tarefas de Tratamento de Informações Não Financeiras, Externas e Contabilidade Gerencial Ad hoc, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa Tarefas de Coleta de Dados Todas as tarefas da Contabilidade Gerencial, relacionadas com a coleta de dados, tiveram a H0 rejeitada conforme tabela 27. Ou seja, as respostas para todas as tarefas mostraram uma tendência. Percebemos pela tabela 26 que as ferramentas que suportam o conceito de CPM facilitam mudanças em um nível alto de extensão para a tarefa de extensão das hierarquias de dimensões. Para essa tarefa, mais da metade das empresas respondeu que o nível de extensão das mudanças está no nível quatro e cinco. Para as tarefas de registro de quantidades e registro de preços unitários foi observado que mais da metade das empresas respondeu que o nível de extensão das mudanças é maior ou igual a três. Ou seja, as mudanças nestas tarefas estão sendo facilitadas em um nível de extensão menor do que a hierarquia de dimensão. Esperávamos mudanças nestas tarefas devido à tecnologia de BI, que é empregada nas suítes que suportam o conceito de CPM, como o DW e o OLAP. Esta última permite que o usuário possa navegar ao longo das hierarquias de dados, agrupando e desagrupando os dados da forma que lhe convier. Também, a tecnologia de DW propicia uma facilidade maior para o registro de quantidades e preços unitários integrando as informações de vários outros sistemas de informação. Conforme Chandler e Van Decker (2011), algumas empresas tem procurado ir além do tradicional foco do ABC, permitindo que a receita seja alocada em uma maneira similar. Em algumas indústrias, nas quais existem complexos modelos de vendas, tais como vendas por intermediários, esse modelo de vendas pode ser tão complexo como o modelo de custeio. Essa abordagem pode ajudar a modelar uma oferta de produto e de serviço ótimo, assim como

124 122 aperfeiçoar as estratégias de canais. Dessa forma, esperávamos que as ferramentas facilitassem mudanças também na tarefa de registro de preços unitários. Podemos afirmar pelos resultados que as suítes que suportam o conceito de CPM facilitam mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial de coleta de dados, mas em níveis diferentes quanto à extensão em algumas tarefas. Tabela 26 Tarefas de Coleta de Dados Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 27 Tarefas de Coleta de Dados, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa Tarefas de Orçamento A única tarefa da Contabilidade Gerencial relacionada com o Orçamento que não teve a H0 rejeitada, conforme tabela 29, foi a de workflow de aprovação. Ou seja, todas as outras respostas para as outras tarefas mostraram uma tendência. Quanto às tarefas de orçamento percebemos, pela tabela 28, que as ferramentas que suportam a suíte de CPM facilitam mudanças em várias tarefas relacionadas com a prática da contabilidade gerencial de orçamentos. Os resultados obtidos podem ser entendidos a partir das afirmações de Chandler e Van Decker (2011), que as ferramentas ligadas ao planejamento financeiro das suítes de CPM cobrem o desenvolvimento de orçamentos, planos e a revisão pela elaboração de forecasts. Essas aplicações suportam o processo de criação e aprovação com um apropriado workflow,

125 123 que permite aos usuários definirem e controlarem o fluxo dos orçamentos, planos e forecasts para revisão e aprovação. As aplicações mantêm, também, uma trilha de auditoria das mudanças. Elas suportam sofisticadas modelagens e a elaboração de forecast, que envolve a extrapolação de novas versões de planos e orçamentos baseados na análise de dados históricos. Elas oferecem capacidades que se estendem além dos orçamentos focados financeiramente. Suportam a criação de modelos baseados em uma rede de direcionadores de negócios, que possibilitam aos usuários modelarem os resultados financeiros variando as premissas dos direcionadores. Os resultados encontrados estão igualmente relacionados aos achados quanto ao uso do módulo de planejamento e simulação pelas empresas da amostra, conforme discutido na pergunta sobre o uso dos módulos das ferramentas supracitadas. Do mesmo modo, é importante afirmar que a partir dos resultados obtidos nas tabelas 28 e 29, que as empresas possuem um importante componente do conceito de CPM, o processo de orçamento. E, também, que o módulo das suítes que suportam o conceito de CPM está sendo usado nesse processo. A tarefa que apresentou maior número de respostas para o nível de extensão quatro e cinco foi a de coleta descentralizada do orçamento. As suítes de CPM possuem recursos para permitir uma maior contribuição das áreas da empresa durante o processo orçamentário através do uso da web, uma melhor consolidação e controle de alterações. Os usuários podem contribuir com o processo de orçamento de qualquer lugar. Esses resultados podem ser entendidos a partir das considerações de Coveney et al. (2003): enquanto as planilhas são ótimas ferramentas de produtividade pessoal, elas são um pesadelo quando usadas como sistemas de planejamento e reporte. As planilhas e muitos outros sistemas baseados em arquivos incorrem em problemas de controle de versão e outros, devido ao fato de que grandes quantidades de arquivos têm de ser mantidos, conectados e então redistribuídos. Além do tempo e da propensão a erro dessa tarefa, nunca podemos ter certeza de que os usuários estão usando a versão correta. Podemos afirmar pelos resultados, que as suítes de CPM facilitam mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial de orçamento, mas com níveis de extensão diferentes entre as tarefas.

126 124 Tabela 28 Tarefas de Orçamento Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 29 Tarefas de Orçamento, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado Fonte: Resultado de pesquisa Tarefas de Alocação de Custos As tarefas da Contabilidade Gerencial, relacionadas com a alocação de custos, não tiveram a H0 rejeitada, conforme tabela 30. Ou seja, as respostas para as perguntas relacionadas a estas tarefas não mostraram uma tendência. O fato de não termos encontrado uma tendência para as mudanças, facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM está ligado aos resultados encontrados quanto ao módulo de custeio baseado em atividades explicadas anteriormente.

127 125 Tabela 30 Tarefas de Alocação de Custos, Respostas Agrupadas e Análise Qui-quadrado. Fonte: Resultado de pesquisa Apuração do Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças nas Tarefas da Contabilidade Gerencial Facilitadas pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM A montagem do ranking tem como objetivo identificar se há alguma facilitação de mudanças, de forma diferente no GRUPO 2, em virtude dessas empresas usarem mais módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM, do que as restantes. Esse ranking também contribui para atingirmos o objetivo principal deste trabalho que é: Identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. A montagem do ranking das tarefas da Contabilidade Gerencial, quanto ao nível de extensão das mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM, levando em conta a presença dos módulos, foi conduzida em duas etapas: primeiro procuramos montar o ranking sem as empresas do GRUPO 2 (Empresas A, C, D, e G), que são as empresas da amostra, nas quais encontramos a presença de todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM (conforme já discutido anteriormente). A esse grupo de empresas da amostra, excluindo as empresas do GRUPO 2 (Empresas A, C, D, e G), nominamos de GRUPO 1. Após a montagem do ranking do GRUPO 1 procuramos montar o ranking apenas das empresas do GRUPO 2 para posterior comparação. Para que um ranking confiável pudesse ser apurado, foi necessário verificar se havia concordância entre todos os respondentes, em relação ao nível de extensão quanto às mudanças facilitadas nas tarefas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM. Para avaliar a existência de concordância entre os avaliadores do ranking encontrado, utilizamos o

128 126 coeficiente de concordância de Kendall, que se mostra adequado para este tipo de situação (LEGENDRE, 2005; RAINER; WATSON, 1995; CASTELLAN; SIEGEL 2006). Para calcular o coeficiente de concordância de Kendall para o grupo de avaliadores, todos os apontamentos quanto à escala Likert foram invertidos para facilitar a apuração do ranking que trata da ordem de maior extensão de mudanças para a menor extensão de mudanças. A transformação da escala Likert ficou assim organizada: Nível 5 de extensão (Larga) => Nível 1 (Larga). Nível 4 de extensão => Nível 2. Nível 3 de extensão => Nível 3. Nível 2 de extensão => Nível 4. Nível 1 de extensão (Nenhuma) => Nível 5 (Nenhuma). Como aconteceram muitos empates entre as 32 tarefas, sendo avaliadas quanto aos níveis de extensão de mudanças para cada respondente (avaliador/juiz), tivemos que adotar um procedimento adicional: Quando ocorrem observações empatadas, a cada uma delas é atribuída à média dos postos que teriam se não tivessem ocorrido empates, o qual é o nosso procedimento usual na ordenação de escores empatados. (CASTELLAN; SIEGEL, 2006, p.299). Tomando como exemplo o caso da empresa A, e invertendo os níveis de extensão desta empresa que constam no Apêndice F, conforme demonstrado anteriormente: tivemos dez tarefas empatadas com o nível 1 de extensão, assim elas ocupam os dez primeiros postos e foi atribuído o posto 5,5. Em seguida, tivemos quinze tarefas empatadas com o nível 2 de extensão, que ocupam os postos do 11º para 25º e foi atribuído o posto 18º. Tivemos cinco tarefas empatas com o nível 3 de extensão, que ocupam os postos do 26º para 30º e foi atribuído o posto 28º. E por fim, tivemos uma tarefa com nível 4 de extensão ocupando o posto 31º e uma tarefa com o nível 5 de extensão ocupando o posto 32º. Esses resultados podem ser observados no apêndice H A transformação em postos, após o tratamento dos empates quanto ao nível de extensão das mudanças facilitadas pelas ferramentas para cada um dos avaliadores no GRUPO 1, pode ser observada no Apêndice G e para o GRUPO 2, no Apêndice H. Para apurar a existência de concordância entre os avaliadores analisamos os dados pela utilização do software Minitab 15.

129 127 O resultado apurado na análise de todos os avaliadores em conjunto para o GRUPO 1 foi um coeficiente de concordância de Kendall (W) de 0, e um p = 0,0000. Dessa forma, rejeitou-se a H0, o que indica haver concordância significativa entre os juízes (RAINER; WATSON, 1995). Tendo sido constatada a concordância entre os avaliadores foi possível partirmos para o procedimento de apuração do ranking de todos os avaliadores: Se o critério sobre o qual vários juízes concordaram é aceito (como evidenciado pela magnitude e significância de W) na ordenação de N entidades, então a melhor estimativa da verdadeira ordenação é fornecida pela ordem das somas (ou médias) dos postos. (CASTELLAN; SIEGEL, 2006, p.305). O resultado apurado na análise de todos os avaliadores em conjunto para o GRUPO 2 foi um coeficiente de concordância de Kendall (W) de 0, e um p = 0,0145. Dessa forma, se rejeitou a H0, o que indica não haver concordância significativa entre os juízes (RAINER; WATSON, 1995). Tendo sido constatada a concordância entre os avaliadores foi possível partirmos para o procedimento de apuração do ranking de todos os avaliadores do GRUPO 2. Conforme já mencionado, escolhemos como critério de apuração, para o ranking quanto ao nível de extensão das mudanças facilitadas nas tarefas da contabilidade gerencial pelas ferramentas de CPM, a soma dos postos, sendo o fator mais importante aquele representado pela menor soma. Apuramos o ranking do GRUPO 1, visualizado na tabela 31 e o ranking do GRUPO 2 na tabela 33.

130 128 Tabela 31 Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças Facilitadas nas Tarefas da Contabilidade Gerencial pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM para o GRUPO 1. Posição Tarefas Tipo da tarefa Soma dos Postos Quartil 1 Consolidação Financeira Geração de Relatórios e Análises 168 1º 2 Número de dimensões nos relatórios Cobertura Organizacional 173 1º 3 Número de dimensões de dados Cobertura Organizacional 180 1º 4 Uso de Drill-down Geração de Relatórios e Análises 192 1º 5 Criação de relatórios Ad-hoc Geração de Relatórios e Análises 194 1º 6 Extensão das hierarquias de dimensões Coleta de Dados 207 1º 7 Número de departamentos fazendo o orçamento Cobertura Organizacional 232 1º 8 Coleta descentralizada do Orçamento Orçamento 232 1º 9 Número de departamentos fornecendo dados Cobertura Organizacional 241 2º 10 O próprio usuário desenha o relatório Geração de Relatórios e Análises 248 2º 11 Gestão do andamento do processo orçamentário Orçamento 262 2º 12 Relatórios enviados automaticamente Geração de Relatórios e Análises 263 2º 13 Criação de modelos baseados em drivers de negócio Orçamento 283 2º 14 Controle de alterações Orçamento 294 2º 15 Número de departamentos gerando relatórios Cobertura Organizacional 296 2º 16 Orçamento usando métricas quantitativas não financeiras Orçamento 297 2º 17 Simulações Geração de Relatórios e Análises 304 3º 18 Registro de quantidades Coleta de Dados 310 3º 19 Workflow de aprovação Orçamento 315 3º 20 Rolling-forecast Geração de Relatórios e Análises 320 3º 21 Extrapolação Orçamento 341 3º 22 Dados externos tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 342 3º 23 Registro de preços unitários Coleta de Dados 346 3º 24 Dados qualitativos não financeiros tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 347 3º 25 Alocação de custos fixos aos objetos de custos Alocação de Custos 358 4º 26 Dados ad-hoc tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 370 4º 27 Número de direcionadores de custo usados para a alocação de custos Alocação de Custos 378 4º 28 Uso de Dashboards Geração de Relatórios e Análises 383 4º 29 Relatórios de dados não financeiros tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 388 4º 30 Geração de Alertas Automáticos Geração de Relatórios e Análises 396 4º 31 Uso de análise What-If Geração de Relatórios e Análises 416 4º Uso de Scorecards (Comunicação da estratégia e gerenciamento do 32 desempenho contra a estratégia) Geração de Relatórios e Análises 436 4º Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 32 Intervalo de Quartis GRUPO 1 Intervalo de soma de postos 1º Quartil a 232 2º Quartil a 297 3º Quartil a 347 4º Quartil a 436 Fonte: Resultado de pesquisa

131 129 Tabela 33 Ranking quanto ao Nível de Extensão das Mudanças Facilitadas nas Tarefas da Contabilidade Gerencial pelas Ferramentas que Suportam o Conceito de CPM para o GRUPO 2. Posição Tarefas Tipo da tarefa Soma dos Postos Quartil 1 Consolidação Financeira Geração de Relatórios e Análises 29 1º 2 Rolling-forecast Geração de Relatórios e Análises 29 1º 3 Gestão do andamento do processo orçamentário Orçamento 36 1º 4 Número de departamentos fazendo o orçamento Cobertura Organizacional 40 1º 5 Coleta descentralizada do Orçamento Orçamento 40 1º 6 Criação de relatórios Ad-hoc Geração de Relatórios e Análises 42 1º 7 Relatórios enviados automaticamente Geração de Relatórios e Análises 45 1º 8 Controle de alterações Orçamento 49 1º 9 Número de dimensões nos relatórios Cobertura Organizacional 53 2º 10 Número de dimensões de dados Cobertura Organizacional 53 2º 11 Simulações Geração de Relatórios e Análises 56 2º 12 Extrapolação Orçamento 56 2º 13 Extensão das hierarquias de dimensões Coleta de Dados 62 2º 14 Número de departamentos fornecendo dados Cobertura Organizacional 63 2º 15 Número de departamentos gerando relatórios Cobertura Organizacional 63 2º 16 O próprio usuário desenha o relatório Geração de Relatórios e Análises 64 2º 17 Workflow de aprovação Orçamento 65 3º 18 Uso de Drill-down Geração de Relatórios e Análises 71 3º 19 Uso de Dashboards Geração de Relatórios e Análises 71 3º 20 Registro de quantidades Coleta de Dados 75 3º 21 Criação de modelos baseados em drivers de negócio Orçamento 77 3º 22 Orçamento usando métricas quantitativas não financeiras Orçamento 77 3º 23 Dados externos Tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 78 3º 24 Dados ad-hoc Tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 79 3º 25 Alocação de custos fixos aos objetos de custos Alocação de Custos 83 4º 26 Número de direcionadores de custo usados para a alocação de custos Alocação de Custos 83 4º Uso de Scorecards (Comunicação da estratégia e gerenciamento do 27 desempenho contra a estratégia) Geração de Relatórios e Análises 83 4º 28 Dados qualitativos não financeiros Tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 90 4º 29 Relatórios de dados não financeiros Tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc 90 4º 30 Registro de preços unitários Coleta de Dados 96 4º 31 Geração de Alertas Automáticos Geração de Relatórios e Análises 103 4º 32 Uso de análise What-If Geração de Relatórios e Análises 118 4º Fonte: Resultado de pesquisa Tabela 34 Intervalo de Quartis GRUPO 2. Intervalo de soma de postos 1º Quartil a 49 2º Quartil a 64 3º Quartil a 79 4º Quartil a 118 Fonte: Resultado de pesquisa

132 130 Resumindo os resultados dos dois rankings por tarefas e por quartis temos a tabela 35. Tabela 35 Distribuição das Tarefas quanto ao Nível de Extensão ao longo dos Quartis no Ranking. Fonte: Resultado de pesquisa Com base nesse resumo constatamos que: - Quanto às tarefas de alocação de custos não tivemos diferenças entre os avaliadores dos dois grupos. As ferramentas facilitaram níveis de extensão de mudanças baixos para estas tarefas. - Quanto às tarefas de alocação de custos, não tivemos diferenças quanto ao nível de extensão de mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM para os avaliadores do GRUPO 1 e do GRUPO 2. Os avaliadores dos dois grupos apontaram pouca extensão de mudanças. - Quanto às tarefas de cobertura organizacional, os avaliadores do GRUPO 1 indicaram um grau de extensão maior que o do GRUPO 2, 60% para o 1º quartil e 20% para o 1º quartil, respectivamente. - Quanto às tarefas de coleta de dados, os avaliadores do GRUPO 1 indicaram um grau de extensão maior que o do GRUPO 2, 33% para o 1º quartil e 0% para o 1º quartil, respectivamente.

133 131 - Quanto às tarefas de geração de relatório e análise, os avaliadores do GRUPO 1 indicaram um grau de extensão menor que o do GRUPO 2, 27% para o 1º quartil e 36% para o 1º quartil, respectivamente. - Quanto às tarefas de orçamento, os avaliadores do GRUPO 1 indicaram um grau de extensão menor que o do GRUPO 2, 14% para o 1º quartil e 43% para o 1º quartil, respectivamente. - Quanto às tarefas de tratamento das informações não financeiras, externas, e contabilidade gerencial ad hoc, não tivemos diferenças quanto ao nível de extensão de mudanças facilitadas pelas ferramentas que suportam o conceito de CPM para os avaliadores do GRUPO 1 e do GRUPO 2. Os avaliadores dos dois grupos apontaram pouca extensão de mudanças. Dessa forma, percebemos que, para aquelas empresas que estão usando todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM, o GRUPO 2 de empresas, e lembrando que isto pode indicar um grau de amadurecimento maior em termos de utilização das ferramentas e dos processos existentes, o nível de extensão de mudanças facilitadas é maior para as tarefas de orçamento, geração de relatório e análise em relação às outras empresas que não usam todos os módulos, o GRUPO 1 de empresas. E menor para as tarefas de coleta de dados e cobertura organizacional que o GRUPO 1. A partir dos resultados supracitados, quanto à extensão das mudanças facilitadas pelas ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM, podemos afirmar que estes últimos facilitam mudanças com alguma extensão nas tarefas de cobertura organizacional; geração de relatórios e análise; tratamento de informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc; coleta de dados e orçamento. Constatamos também que para aquelas empresas que já estão usando todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM, o GRUPO 2 de empresas, algumas tarefas estão sendo modificadas em uma extensão maior do que nas empresas do GRUPO 1 e isso merece uma investigação mais detalhada em futuros trabalhos. Principalmente, àquelas tarefas relativas à geração de relatórios e análise e que estão relacionadas mais à parte estratégica. Podemos perceber isso comparando as tabelas 33 e 31 e analisando a posição das tarefas de dashboard e scorecard. No Grupo 2 estas tarefas estão em uma posição superior ao Grupo 1. Esse resultado pode estar relacionado ao amadurecimento que as empresas com todos os módulos podem já ter alcançado em termos de processos relacionados à gestão estratégica. Dessa forma atingimos o objetivo principal deste trabalho.

134 132 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com os resultados alcançados, por meio da análise dos dados da pesquisa procuramos responder à questão problema deste trabalho: As tarefas da Contabilidade Gerencial, empregadas pela Controladoria Estratégica nas empresas brasileiras, estão sendo modificadas por sistemas de informação executiva e de apoio à decisão que usam as ferramentas que suportam o conceito de CPM? Conforme discutimos ao longo desta dissertação foi realizada uma pesquisa descritiva sobre o uso das ferramentas que suportam o conceito de CPM, como uma tecnologia na forma de sistemas de apoio à decisão e de sistemas de informação executiva, empregados no sistema da Contabilidade Gerencial pela Controladoria Estratégica, no suporte às tarefas da Contabilidade Gerencial. Esta pesquisa foi o meio para atingirmos os seguintes objetivos deste trabalho, bem como responder à questão problema: O objetivo principal deste trabalho foi: Identificar a extensão das mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial facilitadas pelos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Como objetivos secundários, intencionamos neste trabalho: Identificar quais os módulos das ferramentas que são usados nos sistemas que suportam o conceito de CPM nas empresas. Identificar qual o desenho do sistema de contabilidade gerencial das empresas que usam os sistemas que suportam o conceito de CPM. Este trabalho não teve como objetivo principal mostrar se as empresas utilizavam o conceito de gestão do CPM como uma alternativa às práticas de gestão da Controladoria, como foi feito no trabalho de Yoshikuni (2005), mas sim identificar em que extensão as ferramentas que suportam o conceito de CPM, usadas pelos sistemas de informação executiva e de apoio à decisão facilitam mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial, como o trabalho de Rom e Rohde (2006). A partir dos resultados de campo pudemos constatar que algumas empresas utilizam os processos, métricas, metodologias e sistemas que fazem parte do conceito de gestão de CPM. Constatamos, também, que as empresas que atualmente possuem as ferramentas que suportam o conceito de CPM possuem um desenho do sistema de contabilidade gerencial altamente formalizado, com o emprego das técnicas/processos da Contabilidade Gerencial

135 133 usados no processo de gestão estratégia. Prevalecem as características de informação de escopo amplo, tempestividade, integração e agregação. Do mesmo modo, podemos afirmar que as empresas usam as técnicas e apresentam as características de informação ligadas ao conceito de Contabilidade Gerencial Estratégica. O fato de termos encontrado a presença de um escopo amplo da informação na contabilidade gerencial reforça também o fato que, nas empresas da amostra, há um processo de gestão estratégica. Adicionalmente, o estudo demonstrou que existem empresas que estão usando todos os módulos das suítes que suportam o conceito de CPM simultaneamente, para desenvolver sistemas de informação executiva (SIE) e sistemas de informação de apoio à decisão que integrem as camadas estratégicas e táticas. Esse é um resultado importante e foi um achado significativo deste trabalho, pois poderia ser visto como uma evolução em relação ao trabalho de Yoshikuni (2005), mostrando que algumas empresas estão amadurecendo em relação ao uso das ferramentas que suportam o conceito de CPM nos sistemas de informação executiva e de apoio à decisão para a camada estratégica. Como contraponto, observamos que muitas empresas estão adotando as aplicações de CPM de forma modular, com a predominância dos módulos de consolidação financeira e planejamento. Confirmamos que mudanças estão sendo facilitadas em alguma extensão nas tarefas da Contabilidade Gerencial pelos sistemas que suportam o conceito de CPM: naquelas relacionadas com a geração de relatórios e análises; cobertura organizacional; coleta de dados; orçamento; tratamento de informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc. Esse resultado está em linha com os resultados do trabalho de Rom e Rohde (2006). As tarefas, nas quais não encontramos uma tendência nas respostas foram àquelas relacionadas com as de alocação de custos. Percebemos que para aquelas empresas que estão usando todos os módulos das ferramentas que suportam o conceito de CPM o GRUPO 2 de empresas, o nível de extensão de mudanças facilitadas é maior para as tarefas de orçamento, e geração de relatório e análise, em relação às outras empresas que não usam todos os módulos o GRUPO 1 de empresas. O nível se mostrou menor para as tarefas de coleta de dados e cobertura organizacional. O fato de que as empresas estão usando todos os módulos pode ser uma indicação de certo grau de amadurecimento já alcançado, em termos de processos de gestão de desempenho, principalmente aqueles relativos à camada estratégica. No grupo de tarefas relacionadas com a geração de relatórios e análise estão àquelas condizentes com o Dashboard e o Scorecard,

136 134 essas foram ranqueadas em um nível maior no Grupo 2. Assim, estudos posteriores podem ser feitos para efetivamente constatar essa maturidade de processos e afirmar que as empresas não estão usando todos os módulos das ferramentas, em função de uma falta de maturidade de processos.. As empresas estão priorizando a implantação dos módulos de planejamento e consolidação financeira. Isso está de acordo com a constatação de alguns autores, conforme a revisão da literatura. As empresas preferem iniciar com os processos táticos para, em um momento posterior, seguir com a implantação de sistemas de informação usando as ferramentas que suportam o conceito de CPM para os processos estratégicos como, por exemplo, um Balanced Scorecard ou o Custeio/Gestão baseado em atividades. Conforme foi discutido, nas agendas dos CFOs ultimamente é possível encontrar a iniciativa de investimentos em tecnologias que disponibilizem uma capacidade analítica para uma melhor gestão estratégica. Com isso, poderemos ver no futuro um aumento dos projetos de CPM que suportem, em maior grau, a camada estratégica. Isso poderá fazer com que as empresas deixem de adotar a implantação modular e passem a considerar a implantação das múltiplas aplicações de CPM, de forma simultânea. Este estudo também contribuiu para um melhor entendimento da relação dos sistemas de informação com a Contabilidade Gerencial. Na revisão da teoria apresentamos muitos trabalhos já existentes, que mostram a relação do ERP com a Contabilidade Gerencial; o ERP não é o sistema apropriado para suportar as atividades de análise e geração de relatórios, assim como, o apoio para a camada estratégica. As ferramentas de CPM surgiram como uma iniciativa para tratar esse problema. A pesquisa que realizamos comprova, pelas mudanças facilitadas pelas ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM em algumas tarefas da Contabilidade Gerencial, que isto está acontecendo na prática nas empresas brasileiras. Como vimos, o valor dos sistemas que suportam o conceito de CPM está em habilitar a organização com uma capacidade de superar as expectativas dos acionistas com uma maior criação de valor; que permita que a estratégia seja implantada rapidamente e de forma bem sucedida; ou que avisem quando o desempenho futuro ou corrente é improvável de alcançar os objetivos estratégicos. Os executivos, nos dias de hoje, precisam responder com segurança as questões que os ajudem a formular (e reformular) a estratégia em base contínua e tempo real.

137 135 LIMITAÇÕES DE PESQUISA Apontamos como limitações, como em toda pesquisa, uma má interpretação de alguns itens pelos respondentes, já que foi examinada uma ampla matriz de itens. Esse problema foi considerado limitado, já que um cuidado maior foi tomado para garantir que a pesquisa fosse respondida por indivíduos com conhecimento das práticas de gestão e de contabilidade gerencial da organização. Esses profissionais possuem uma grande experiência em Finanças, conforme foi demonstrado. Devido ao tamanho da amostra, os resultados não podem ser generalizados para uma população maior de empresas. O estudo pode ter deixado de incluir variáveis contextuais que poderiam ter alguma influência quanto à facilitação de mudanças nas tarefas da contabilidade gerencial, por parte dos sistemas que suportam o conceito de CPM. Como a amostra selecionada não foi randômica se torna difícil elaborar alguns testes estatísticos. Por se tratar de um estudo quantitativo o mesmo sofre de validade interna, que poderia ser suprida por estudos de caso adicionais com mais profundidade. O estudo se baseou na conceituação do relacionamento entre os sistemas de informação e as tarefas na contabilidade gerencial de uma forma unidirecional. O sistema de informação facilita mudanças nas tarefas da Contabilidade Gerencial. Conforme a literatura o relacionamento bidirecional deveria ser igualmente estudado.

138 136 RECOMENDAÇÕES PARA ESTUDOS FUTUROS Como recomendações temos que outros estudos podem ser realizados com o intuito de: - Verificar a mudança do papel dos contadores gerenciais e outros profissionais de finanças com a implantação dos sistemas que usam as ferramentas de CPM nas empresas. Se poderia constatar que esses profissionais passaram a estar mais envolvidos com a geração de análises de mais valor agregado, conforme Gould (2003). - Identificar o motivo pelo qual certas empresas não estão adotando todos os módulos das suítes de CPM; quais são as razões por trás desse movimento. Se essas razões estão ligadas a problemas de custo, à complexidade dos projetos, à falta de maturidade nos processos de gestão, etc. Segundo Jeronimo (2011), fatores determinantes para a decisão de escolha das ferramentas de BI são o custo do software e o custo da consultoria de implantação. - Mensurar a satisfação dos usuários quanto ao suporte dos sistemas de informação, que usam as ferramentas de CPM para a tomada de decisão. - Realizar estudos de caso em empresas que já estejam usando todos os módulos das ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM; este foi um importante achado deste trabalho e que merece uma investigação mais profunda. - Identificar os ganhos, que as ferramentas empregadas nos sistemas que suportam o conceito de CPM, trouxeram para as empresas após a implantação. Os resultados reportados nesta pesquisa são baseados em um estudo quantitativo, que se beneficiaria se fosse suplementado por estudos de casos com mais profundidade. Acadêmicos e profissionais de empresas são igualmente encorajados para pesquisas adicionais sobre o relacionamento entre os sistemas de CPM/BI e a contabilidade gerencial.

139 137 REFERÊNCIAS AHO M. The Distinction between Business Intelligence And Corporate Performance Management. Mini Conference on Scientific Publishing (MCSP), Tampere, Finland, 2010 ALMEIDA, L. B. Sistema de informação de Gestão Econômica. In. CATELLI, A. (Org.) Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica. GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, ALMEIDA, L. B.; PARISI C.; PEREIRA C.A. Controladoria. In. CATELLI, A. (Org.) Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica. GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, ANSOFF H.I.; Estratégia empresarial, 1ª.ed., São Paulo: McGraw-Hill, ANSOFF H.I.; DE CLERCK R. P.; HAYES R.L. Do planejamento estratégico à administração estratégica. 1ª. Ed. São Paulo: Atlas, ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Management Control Systems. 9ª. Ed. Irwin McGraw-Hill, ARIMA, C. H. Sistemas de informações gerenciais. In. SCHMIDT, Paulo (Org.). Controladoria: agregando valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, ARNOTT, D.; PERVAN, G. Eight key issues for the decision support systems discipline. Decision Support Systems ATKINSON, A.A; BANKER, R.D.; KAPLAN, R.S.; YOUNG, S.M. Contabilidade Gerencial. 1ª Ed. São Paulo: Atlas, BALLARD, C. Business Performance Management meets Business Intelligence (2006). Disponível em Acesso em 26 fev BASTOS, Rogério C.; PAULA JUNIOR, Jaime L. de; VICENTINI, Fábio. Aplicações da tecnologia data miner em Business Intelligence. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, Porto Alegre, Anais... COBENGE, p BEUREN, Ilse Maria. Gerenciamento da informação: Um recurso estratégico no processo de gestão empresarial. São Paulo: Atlas, O papel da controladoria no processo de gestão. In SCHMIDT, Paulo (Org.). Controladoria: agregando valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, BEUREN, I. M. et al. (Org.) Como elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. 2ª Ed. São Paulo: Atlas, 2004.

140 138 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES. Classificação do porte da empresa adotado pelo BNDES. Disponível em ml. Acesso em 29 abr às 11:30. BOGDANA, P. I.; DELIA B.; FELICIA A. The role of business intelligence in business performance management. The Annals of University of Oradea Economic Science, Tom XVIII - Volume IV - Section: Management and Marketing, 2009, p BONACIM, C. A. et al. Mensuração do resultado econômico: um estudo comparativo entre as metodologias do GECON e do EVA. In: 6º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, BOOTH, P.; MATOLCSY, Z.; WIEDER, B. The impacts of enterprise resource planning systems on accounting practice the Australian experience. Australian Accounting Review, Vol. 10 No. 2, 2000, pp BRIGNALL, S.; BALLANTINE, J. Strategic enterprise management systems: new directions for research. Management Accounting Research, Vol. 15 No. 2, pp , BROMWICH, M. Managerial accounting definition and scope-from a managerial view, Management Accounting, 66(8), 1988, pp CASTELLAN J. N.; SIEGEL S. Estatística Não-paramétrica para ciências do comportamento. 2ª Ed. Porto Alegre, Artmed, CATELLI, A. Sistema de Contabilidade de custos estândar. Tese (Doutorado). São Paulo: FEA/USP, Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica GECON. 2ª. Ed., São Paulo: Atlas, CATELLI, A; PEREIRA, C. A.; VASCONCELOS, M. T. C. Processo de gestão e sistemas de informações gerenciais. In. CATELLI, A. (Org.) Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica GECON. 2ª. Ed., São Paulo: Atlas, CATELLI, A.; GUERREIRO, R. GECON - Sistema de Informação de Gestão Econômica: uma resposta para a mensuração contábil do resultado das atividades empresariais. São Paulo: Conselho Regional de Contabilidade SP, Ano XXX, Set p CHANDLER N.; VAN DECKER, J. E. Magic quadrant for CPM suites, 8 de março de 2011, Gartner RAS Core Research Note G , Disponível em Acesso em 20 mar

141 139 CHENHALL, R. H. Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society. v. 28, p , CHENHALL, R. H.; MORRIS, D. The impact of structure, environment, and interdependence on the perceived usefulness of management accounting systems. The Accounting Review. v.lxi, n. 1, p , 1986 CHENHALL, R.H.; LANGFIELD-SMITH, K. Adoption and Benefits of Management Accounting Practices: an Australian Study. Management Accounting Research, 1998, Vol. 9: CHARTERED INSTITUTE OF MANAGEMENT ACCOUNTANTS CIMA. Technical Briefing. Latest Trends in Corporate Performance Management, Disponível em tech_techbrief_latest _trends_0702.pdf Acesso em 04 abr CODY, W. F.; KREULEN, J. T.; KRISHNA, V.; SPANGLER, W. S. The integration of Business Intelligence and knowledge management. IBM Systems Journal, v. 41, n. 4, p , COMPUTERWORLD. SAP compra Business Objects por US$ 6,78 bilhões / Acesso em 22 abr as 13:47. COVENEY, Michael. Neural Strategies - Driving Competitive Advantages and Ensuring Corporate Accountability in Corporate Performance Management. Artigo (business research premier). Credit Control, USA, p.14-21, A Search for Competitive Advantage. 2003a. Disponível em Postado em 30 set Acesso em 12 mar às 11:30. COVENEY M.; HARTLEN B., GANSTER D., AND KING D.. The Strategy Gap: Leveraging Technology to Execute Winning Strategies. John Wiley & Sons, Inc., 2003 DAVENPORT, T.H. Putting the enterprise into the enterprise system. Harvard Business Review, Vol. 76 No. 4, pp ,1998. DELONE, W. H.; MCLEAN, E. R. Information systems success revisited. Proceedings of the 35th Hawaii International Conference on System Sciences, DENT, J. Strategy, Organization and Control: Some Possibilities for Accounting Research. Accounting Organizations and Society, Vol. 15, No1/2, p

142 140 DINIZ, H. E.; JAYO, M.; LEITE, F. L. C., Utilização de business intelligence para gestão operacional de agências bancárias: Um estudo de caso. Revista Eletrônica de Sistemas de Informações, v. 8, n. 2, p. 1-21, DIXON, R. Accounting for Strategic Management: A Practical Application, Long Range Planning 1, , DIXON, R; SMITH, D. R. Strategic management accounting, Omega, Volume 21, Issue 6, November 1993, Pages , ISSN , / (93) Disponível em Acesso em 20 mar DORR, E.; WILLMAN, T; BONELLI, G., Key issues in 2011: Improving Finance s Enterprise Performance Management Capability Tops the CFO Agenda. The Hackett Group. January 12, DRAGOON, A. Business Intelligence Gets Smart(er): companies are using business intelligence software for more than data mining: they re using it to identify hot sellers, cut costs and discover new business. CIO Magazine, Vol. 16 No. 23, EMMANUEL, C.; OTLEY, D.; MERCHANT, K. Accounting for Management Control, 2 nd edition, London, Chapman and Ha11, FAHY, M. J. Strategic enterprise management: the implications for management accounting and control. paper presented at the 23rd Annual Congress of the European Accounting Association, Munich, March 29-31, FAHY, M.J.; MILLEA, I. Strategic Enterprise Management Systems: Some Empirical Evidence from the UK and Ireland, CIMA, London, FAHY, M.J.; LYNCH, R. Enterprise resource planning (ERP) systems and strategic management accounting, paper presented at the 22nd Annual Congress of the European Accounting Association, Bordeaux, May 5-7, FISHCHMANN, A. A.; ALMEIDA, M. I. R. Planejamento estratégico na prática. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de Estatística. 6ª. Ed., São Paulo: Atlas, FOX, A. J.; LEVIN, J. Estatística para ciências humanas. 9ª Ed., São Paulo: Pearson Prentice Hall, FREZATTI, Fábio. Orçamento empresarial. 4ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2008.

143 141 FREZATTI, F. et al. Análise do relacionamento entre a contabilidade gerencial e o processo de planejamento das organizações brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 2ª. Ed. Especial, p , FREZATTI, F. et al. BSC e a estrutura de atributos da contabilidade gerencial: uma análise no ambiente brasileiro. RAE São Paulo v. 50 n. 2 abr./jun GANGADHARAN, G. R.; SWAMI, S. N. Business Intelligence Systems: Design and Implementation Strategies, 2dh Int. Conf. Information Technology Interfaces IT1 2004, Cavtat, Croatia, p GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª. Ed. São Paulo: Atlas, Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. Ed., São Paulo: Atlas, GOLFARELLI, M.; RIZZI, S.; CELLA, I. Beyond data warehousing: What s next in business intelligence. In 7th ACM International Workshop on Data Warehousing and OLAP, p. 1 6, GOULD, S. Improving Decision Making in Your Organization: The CIMA Strategic Enterprise Management (SEM) Initiative, CIMA, London, GRANLUND, M.; MALMI, T. Moderate impact of ERPS on management accounting: a lag or permanent outcome? Management Accounting Research, Vol. 13 No. 3, pp , GUERREIRO, R. A meta da empresa: seu alcance sem mistérios. 2ª Ed., São Paulo: Atlas, Modelo conceitual de sistema de informação de gestão econômica: uma contribuição à teoria da comunicação da contabilidade. Tese (Doutorado). São Paulo: FEA/USP, GUERREIRO, R.; CATELLI A.; DORNELLES, J. A. A Controladoria sob o enfoque do GECON Gestão Econômica: a experiência da Caixa Econômica Federal do Brasil. In: Congresso Internacional de Contabilidade, Finanças e Administração. Havana, GUERREIRO, R; SOUTES, D. O; CORNACHIONE, E. B. J. Empresas que se destacam pela qualidade das informações a seus usuários externos também se destacam pela utilização de artefatos modernos de contabilidade gerencial. Revista de Contabilidade e Finanças. vol. 22 no.55 São Paulo Jan./Apr HANNULA, M.; LONNQVIST, A.; OKKONEN, J.; PIRTTIMAKI, V. Triangle of Business Intelligence, Performance Measurement and Knowledge Management. IInd Annual Conference on Innovative Research in Management, Estocolmo, Suécia, p. 1-14, 2002.

144 142 HENDRIKSEN, E. S. Accounting theory. 3ª ed., Homewood: Richard D. Irwin, HOPE, J.; FRASER, R. Beyond budgeting: how managers can break free from the annual performance trap. Boston: Harvard Business School Press, HORNGREN, C. T. Contabilidade de Custos: um enfoque administrativo. São Paulo: Atlas, 1986, p.166. HORNGREN, C. T; SUNDEN, G. L; STRATTON, W.O. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Prentice Hall, IDGNOW. IBM compra a Cognos por US$ 5 bilhões Disponível em Acesso em 22 abr às 13:35. IDGNOW. Oracle compra Hyperion por US$ 3,3 bilhões. 2007a. Disponível em Acesso em 22 abr às 13:35. INTERNATIONAL FEDERATIONS OF ACCOUNTANTS IFAC International Management Accounting Practice 1 (IMAP1), March, IUDÍCIBUS, S.; Teoria da Contabilidade. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E; GELBCKE, E. R. Manual de Contabilidade das Sociedades por ações. 7ª Ed. São Paulo: Atlas, JOHNSON, H.T.; KAPLAN, R. S. Relevance Lost. The Rise and Fall of Management Accounting. Harvard Business School Press, Boston, MA JERONIMO, L. R. Os fatores de influência na decisão de escolha entre softwares de Business Intelligence. Tese (Doutorado). São Paulo: FGV, KAPLAN, R. S. Yesterday s accounting undermines production. Harvard Business Review, Vol. 62 No. 4, pp , KAPLAN, R. S.; COOPER R. Cost and Effect, Harvard Business School Press, Boston, MA KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance. Harvard Business Rev., January/ February, 71 79, LUNKES, R. J. Manual de Orçamento. São Paulo: Atlas, LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 4ª Ed, São Paulo: Atlas, 2010.

145 143 LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragem e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de Informações Gerenciais: Administrando a empresa digital. 5ª Ed. São Paulo: Prentice Hall, LEGENDRE, P. Species associations: The Kendall coefficient of concordance revisited. Journal of Agricultural, Biological, and Environmental Statistics, Volume 10, Number 2, p , LIST, B.; MACHACZEK, K. Towards a corporate performance measurement system. Proceedings of the 2004 ACM symposium on Applied computing LUNKES, R. J. Manual de Orçamento. 2ª Ed. São Paulo: Atlas, LYNCH, R.L.; CROSS, K. F. Measure up! Yardstick for Continuous Improvement, Blackwell, Cambridge, MA MARCH, S. T.; SMITH, G. F. Design and natural science research on information technology. Decision Support Systems, 15, , MARR, B.; SCHIUMA, G. Business performance measurement past, present and future. Management Decision, 41/08, p , MARTINS, G. de A. Estudo de Caso: uma estratégia de pesquisa. 1ª Ed. SP: Atlas, MARTINS, G. de A.; LINTZ, A. Guia para elaboração de monografias e trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas, MAULDIN, E. G.; RUCHALA, L.V. Towards a meta-theory of accounting information systems. Accounting Organizations and Society 1999; 24 (4): MELCHERT, F.; KLESSE, M.; WINTER. R. Aligning process automation and business intelligence to support corporate performance management, Proceedings of the Tenth Americas Conference on Information Systems, Nova York, p , MIA, L.; CHENHALL, R. H. The usefulness of management accounting systems, functional differentiation and managerial effectiveness. Accounting, Organizations and Society 19, 1-13, MILLER, J. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, MOORES, K.; YUEN, S. Management accounting systems and organizational configuration: a life-cycle perspective. Accounting, Organizations and Society, n. 26, p , 2001.

146 144 MORTON, M.S.S. Decision Support Systems: an Organizational Perspective. Addison- Wesley Publishing, MOSIMANN, C. P.; FISH, S. Controladoria: Seu papel na administração da empresa. 2ª Ed. SP: Atlas, NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. Um estudo de caso envolvendo business intelligence como instrumento de apoio a controladoria. R.Cont.Fin. v.83 p.69, NAKAGAWA, M. Estudo de alguns aspectos de controladoria que contribuem para a eficácia gerencial. Tese (Doutorado). São Paulo: FEA/USP,1987. p.13 e 94.. Introdução à Controladoria: Conceitos, Sistemas e Implementação. São Paulo: Atlas, ABC Custeio Baseado em Atividades. 2ª Ed. São Paulo: Atlas, NEELY, A.; ADAMS, C.; KENNERLEY, M. The Performance Prism: The Scorecard for Measuring and Managing Business Success. Financial Times-Prentice Hall, London, O CONNOR J.; DORR, E.; WILLMAN T., Excellence in Reporting and Analysis, Part 1: Understanding the Attributes of Top Performers. The Hackett Group. May 25, OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 3ª. Ed. São Paulo: Atlas, 1988 OTLEY, D. T. Extending the boundaries of management accounting research: developing systems for performance management. British Accounting Review, 33 (3). pp ISSN , PADOVESE, C. L. Controladoria Estratégica e Operacional. São Paulo: Thomson, PARISI, C.; NOBRE, W. J. Eventos, Gestão e Modelos de Decisão. In. CATELLI, A. (Org.) Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica. GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, PEREIRA, C. A. Estudo de um modelo conceitual de avaliação de desempenho para gestão econômica. 1993, p.278. (Dissertação Mestrado) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Avaliação de desempenhos na empresa: Conceito, processo e requisitos. In. CATELLI, A. (Org.) Controladoria, uma abordagem da Gestão Econômica. GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, RAPPAPORT, A. Creating Shareholder Value. The Free Press, New York, NY. 1986

147 145 RAINER, R. K.; WATSON, H. J. What does it take for successful executive information systems?, Decision Support Systems 14 (1995) RICCIO, E. L. Uma contribuição ao estudo da contabilidade como sistema de informação. Tese de Doutorado, São Paulo: FEA/USP, ROM, A.; ROHDE, C. Enterprise resource planning systems, strategic enterprise management systems and management accounting - A Danish study, Journal of Enterprise Information Management, Vol. 9, No. 1, p Management accounting and integrated information systems: A literature review. International Journal of Accounting Information Systems, 8(1), ROSLANDER, R.; HART, S.; GHOSH, J. Strategic Management Accounting: Refocusing the Agenda, Management Accounting, Dec., 1998, p SANVINCENTE, A. Z; SANTOS, C. C. Orçamento na administração de empresa. São Paulo: Atlas, SHANK, J. K. ; GOVINDARAJAN, V. A revolução dos custos: Como reinventar e redefinir sua estratégia de custos para vencer em mercados crescentemente competitivos. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Campus,1997. SINGH, S.K.; WATSON, H.J.; WATSON, R.T. EIS support for the strategic management process, Decision Support Systems, Volume 33, Issue 1, May 2002, Pages 71-85, ISSN , /S (01) SOUTES, D. O.; ZEN, M. J. C. M. Estágios evolutivos da contabilidade gerencial em empresas brasileiras. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 5., 2005, São Paulo. Anais São Paulo, SIMMONDS, K. The Fundamentals of Strategic Management Accounting. Strategic Management Accounting, Management Accounting U.K. April, (1981). VALLE, R.; BALDAM, R.; PEREIRA, H.; HILST, S.; ABREU, M; SOBRAL, V. Gerenciamento de Processos de Negócios. 2ª. Ed., São Paulo: Érica, WELSCH, G. A. Orçamento Empresarial. 4ª Ed., São Paulo: Atlas, WILKINSON, J.W.; CERULLO M.J.; RAVAL V.; WONG-ON-WING, B. Accounting Information Systems Essential concepts and Applications. 4ª Ed. New York: John Wiley and Sons, Inc., YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e método. 3ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

148 146 YOSHIKUNI, A. C. Um estudo sobre o uso do corporate performance management pela controladoria estratégica. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, p , YOSHIKUNI, A. C.; GALEGALE, N. V., RICCIO, E. L., ARIMA, C. H. O papel dos softwares de business intelligence e business performance management para a atuação de uma controladoria estratégica; foco na Universidade de São Paulo. In: 3º Congresso Internacional de Gestão de Tecnologia e Sistemas de Informação, 2006, São Paulo. Anais. 3º CONTECSI. São Paulo: TECSI/EAC/FEA/USP, p , 2006.

149 147 APÊNDICES APÊNDICE A ENVIADO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezado(a), Bom Dia. Você está sendo convidado (a) como voluntário (a) a participar da pesquisa: RELACIONAMENTO ENTRE AS FERRAMENTAS DE CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT/BUSINESS ANALYTICS E O SISTEMA DE CONTABILIDADE GERENCIAL NAS EMPRESAS. Em anexo está a carta de apresentação da pesquisa assinada pela Universidade. Alguns fornecedores de Software como a Oracle (EPM - Hyperion), IBM (COGNOS), SAP (CPM - BusinessObjects) possuem ferramentas (suítes) de Corporate Performance Management - CPM que automatizam o processo de gestão de desempenho de uma companhia. Explicando melhor, o CPM é aquele famoso círculo que todos nós conhecemos, ou seja, você primeiro faz o planejamento de uma organização (Utilizando uma ferramenta de Planning), depois monitora o desempenho realizado contra o planejado (usando ferramentas que permitem a implantação do Balanced Scorecard ou Mapas Estratégicos); depois analisa o desempenho realizado (utilizando as ferramentas de BI) e, por último, replaneja (ferramentas de Planning de novo). Alguns fornecedores não usam mais o termo CPM, a IBM usa agora o termo Business Analytics (BA) pois ela incorporou outras funcionalidades além do CPM (o CPM passou a ser um dos itens de BA). Para responder o questionário copie e cole o endereço em seu navegador internet: Público respondente: Profissionais-chave nas áreas de Controladoria e Finanças, que estejam trabalhando com as ferramentas. Esta pesquisa está ligada ao Programa de Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), situada no endereço Rua Ministro Godói, 969, 4º andar, sala 4E06, Perdizes, CEP. : , São Paulo, SP.

150 148 Este questionário é inteiramente de caráter científico. Os pesquisadores irão tratar a sua identidade e a de sua empresa com padrões profissionais de sigilo. Você e sua empresa não serão identificados (as) em nenhuma publicação que possa resultar deste estudo. Ademais, cabe ressaltar que ninguém terá acesso às respostas de forma individualizada ou por qualquer agrupamento que possa comprometer o sigilo. Você é livre para recusar-se a participar, retirar seu consentimento ou interromper a participação a qualquer momento, por qualquer motivo ou risco detectado antes, durante ou após o preenchimento. A sua participação é voluntária e a recusa em participar não irá acarretar em qualquer penalidade. Ademais, sua participação no estudo não acarretará em qualquer tipo de custo, bem como não será disponibilizada nenhuma compensação financeira pelo preenchimento do instrumento. Apenas os resultados gerais deste trabalho serão publicados no site do Banco de Teses da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (http://www.sapientia.pucsp.br/) até o final de Caso seja de seu interesse, será enviada uma cópia eletrônica do trabalho. Para isso, basta preencher o no final do questionário manifestando esse desejo. Este estudo tem como principal objetivo investigar sobre o relacionamento das ferramentas de CPM/BA e o sistema de contabilidade gerencial (SCG) nas empresas brasileiras. A pesquisa proporcionará um melhor entendimento sobre a contribuição do CPM/BA para o SCG. Através da pesquisa procuraremos atingir os seguintes objetivos secundários: 1)CONHECER QUAL É O PERFIL DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS EMPRESAS QUE USAM AS FERRAMENTAS DE CPM/BA. 2)IDENTIFICAR SE AS FERRAMENTAS DE CPM/BA FACILITAM ALGUM TIPO DE MUDANÇA NAS TAREFAS DA CONTABILIDADE GERENCIAL. 3)IDENTIFICAR QUAIS SÃO OS MÓDULOS DAS FERRAMENTAS DE CPM/BA QUE SÃO UTILIZADAS PELAS EMPRESAS. 4)CONHECER SE AS EMPRESAS UTILIZAM TODAS AS POTENCIALIDADES DAS FERRAMENTAS DE CPM/BA. Entender essas questões promoverá uma melhor compreensão do uso do CPM/BA nas empresas por parte dos pesquisadores, usuários e fornecedores das ferramentas.

151 149 Caso tenha interesse, você será esclarecido (a) sobre a pesquisa em qualquer aspecto que desejar, e a qualquer momento, por meio de contato direto com o pesquisador responsável (Célio Rorato Junior) ou telefone Acredito, também, que o resultado do trabalho (que eu enviarei para vocês), será muito importante para a comparação da situação atual da empresa com a média da amostra. Há a possibilidade de envio para você de artigos e de indicações de leitura sobre o tema. Atenciosamente, Equipe de pesquisa: Célio Rorato Junior Mestrando em Ciências Contábeis e Financeiras Pontifícia Universidade de São Paulo Prof. Dr. Napoleão Verardi Galegale Orientador Pontifícia Universidade de São Paulo Conheça o pesquisador: CV Lattes

152 APÊNDICE B CARTA DE APRESENTAÇÃO 150

153 151 APÊNDICE C QUESTIONÁRIO FERRAMENTAS DE CPM E A CONTABILIDADE GERENCIAL 1. Dados Cadastrais: Nome: Empresa: Área: Cargo: Telefone: 2. Qual a origem de capital da sua empresa? Nacional Estrangeira Mista 3. Faturamento anual da empresa : Até R$ 50 Milhões > R$ 50 Milhões e < R$ 100 Milhões > R$ 100 Milhões e < R$ 250 Milhões > R$ 250 Milhões e < R$ 500 Milhões > R$ 500 Milhões e < R$ Milhões > R$ Milhões e < R$ Milhões > R$ Milhões e < R$ Milhões 4. Número de Funcionários : < 100 > 100 e < 500 > 500 e < > e < > e < > e < > Experiência do respondente na área de Finanças : < 1 ano > 1 ano e < 3 anos > 3 anos e < 5 anos > 5 anos e < 10 anos > 10 anos 6. Tempo de utilização da ferramenta : Até 1 ano > 1 ano < 2 anos > 2 anos e < 3 anos > 3 anos e < 4 anos > 4 anos e < 5 anos > 5 anos 7. Qual o fornecedor da ferramenta de Corporate Performance Management (CPM) utilizada pela sua empresa? IBM=COGNOS;ORACLE=HYPERION;SAP=BUSINESS OBJECTS SAP IBM ORACLE Outro, favor especificar 8. Quanto a utilização das técnicas da Contabilidade Gerencial? Importante = Se a resposta for afirmativa clique no botão, se for negativa deixar em branco. Na questão => Tipo de método de custeio e sistema de acumulação de custo se pergunta se a empresa algum método de custeio (Absorção, ABC, etc) Na questão = > Critérios de Longo Prazo para avaliação de desempenho se pergunta sobre a definição de objetivos. Demonstrações Financeiras (Resultado, Balanço, Demonstração de Fluxo de Caixa) Tipo de método de custeio e sistema de acumulação de custo Planejamento Estratégico (Planos de Longo Prazo) Orçamento e Controle Orçamentário Contabilidade por Responsabilidade detalhada por centro de custo, unidade de negócio, etc Elaboração de Forecasts Mapeamento Ambiental - Benchmarking KPIs financeiros para avaliação de desempenho KPIs não financeiros para avaliação de desempenho Critérios de Longo Prazo para avaliação de desempenho Utiliza a Técnica?

154 Quanto a presença da seguinte característica da informação na Contabilidade Gerencial ==> Escopo Importante : Muito Presente =5 Completamente não presente = 1 a)interno b)externo c)financeiro d)não-financeiro e)histórico f)futuro Quanto a presença da seguinte característica da informação na Contabilidade Gerencial ==> Tempestividade Importante : Muito Presente =5 Completamente não presente = 1 a)geração dos relatórios com velocidade (Baixo intervalo de tempo requerido) b)relatórios automatizados c)relatórios sistemáticos, enviados em uma dada frequência d)pouquíssima ou nehuma defazagem de tempo entre a requisição da informação e a sua disponibilização Quanto a presença da seguinte característica da informação na Contabilidade Gerencial ==> Agregação / Integração? Importante : Muito Presente =5 Completamente não presente = 1 a)combinação de dados ao longo do tempo b)combinação de dados sobre as Unidades de Negócio e os Centros de responsabilidade c)modelos Formais de Decisão (Análise de Fluxo de Caixa Descontado, Análise de Custo-Volume-Lucro) d)informação relacionada ao impacto que uma decisão em uma determinada Área/Unidade de Negócio terá nas outras áreas/unidades e)targets que levam em conta a interação entre as Áreas/Unidades de Negócio Quanto a utilização dos módulos da ferramenta de CPM: Importante : Muito Presente =5 Completamente não presente = 1; CPM=CORPORATE PERFORMANCE MANAGEMENT a)custeio Baseado em Atividades b)mensuração e Avaliação de Desempenho (Scorecards/Mapas Estratégicos) c)portal Executivo d)data Mining e)planejamento ( Criação de Budget/Planos/Forecast) e Simulação f)consolidação Financeira g)monitoramento em Tempo Real (Geração de Alertas) A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança quanto a cobertura organizacional dos dados feita pela Contabilidade Gerencial : Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)número de dimensões de dados b)número de departamentos fornecendo dados c)número de dimensões nos relatórios d)número de departamentos gerando relatórios e)número de departamentos fazendo o orçamento A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança na tarefa da Contabilidade Gerencial de geração de relatórios e análise : Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)criação de relatórios Ad-hoc b)o próprio usuário desenha o relatório c)relatórios enviados automaticamente d)uso de Dashboards e)uso de Scorecards (Comunicação da estratégia e gerenciamento do desempenho contra a estratégia) f)uso de Drill-down g)uso de análise What-If h)simulações i)rolling-forecast j)consolidação Financeira k)geração de Alertas Automáticos

155 A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança na tarefa da Contabilidade Gerencial de tratamento das informações não financeiras, externas e contabilidade gerencial ad hoc: Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)dados qualitativos não financeiros b)dados externos c)dados ad-hoc d)relatórios de dados não financeiros A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança na tarefa da Contabilidade Gerencial de coleta de dados: Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)extensão das hierarquias de dimensões b)registro de preços unitários c)registro de quantidades A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança na tarefa da Contabilidade Gerencial de orçamento: Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)orçamento usando métricas quantitativas não financeiras b)criação de modelos baseados em drivers de negócio d)workflow de aprovação e)gestão do andamento do processo orçamentário f)controle de alterações d)coleta descentralizada do Orçamento e)extrapolação A ferramenta de CPM facilitou algum tipo de mudança na tarefa da Contabilidade Gerencial de alocação de custos: Importante : Em larga extensão = 5 Nenhuma extensão = 1 a)alocação de custos fixos aos objetos de custos b)número de direcionadores de custo usados para a alocação de custos

156 154 APÊNDICE D RESPOSTAS QUANTO AO DESENHO DO SISTEMA DA CONTABILIDADE GERENCIAL Descrição das variáveis: v1 Demonstrações Financeiras (Resultado, Balanço, Demonstração de Fluxo de Caixa) v2 Tipo de método de custeio e sistema de acumulação de custo v3 Planejamento Estratégico (Planos de Longo Prazo) v4 Orçamento e Controle Orçamentário v5 Contabilidade por Responsabilidade detalhada por centro de custo, unidade de negócio, etc. v6 Elaboração de Forecasts. v7 Mapeamento Ambiental - Benchmarking. v8 KPIs financeiros para avaliação de desempenho. v9 KPIs não financeiros para avaliação de desempenho. v10 Critérios de Longo Prazo para avaliação de desempenho. v11 Interno v12 Externo v13 Financeiro v14 Não-Financeiro v15 Histórico v16 Futuro v17 Geração dos relatórios com velocidade (Baixo intervalo de tempo requerido) v18 Relatórios automatizados v19 Relatórios sistemáticos, enviados em uma dada frequência v20 Pouquíssima ou nehuma defazagem de tempo entre a requisição da informação e a sua disponibilização v21 Combinação de dados ao longo do tempo v22 Combinação de dados sobre as Unidades de Negócio e os Centros de responsabilidade v23 Modelos Formais de Decisão (Análise de Fluxo de Caixa Descontado, Análise de Custo-Volume-Lucro) v24 Informação relacionada ao impacto que uma decisão em uma determinada Área/Unidade de Negócio terá nas outras áreas/unidades v25 Targets que levam em conta a interação entre as Áreas/Unidades de Negócio

157 155 APÊNDICE E RESPOSTAS QUANTO AOS MÓDULOS DAS FERRAMENTAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM Descrição das variáveis: v26 Custeio Baseado em Atividades v27 Mensuração de Desempenho (Scorecards/Mapas Estratégicos) v28 Portal Executivo v29 Data Mining v30 Planejamento ( Criação de Budget/Planos/Forecast) e Simulação v31 Consolidação Financeira v32 Monitoramento em Tempo Real (Geração de Alertas)

158 156 APÊNDICE F RESPOSTAS QUANTO À EXTENSÃO DAS MUDANÇAS FACILITADAS NAS TAREFAS DA CONTABILIDADE GERENCIAL PELAS FERRAMENTAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM Descrição das variáveis: v33 Número de dimensões de dados v34 Número de departamentos fornecendo dados v35 Número de dimensões nos relatórios v36 Número de departamentos gerando relatórios v37 Número de departamentos fazendo o orçamento v38 Criação de relatórios Ad-hoc. v39 O próprio usuário desenha o relatório. v40 Relatórios enviados automaticamente. v41 Uso de Dashboards. v42 Uso de Scorecards (Comunicação da estratégia e gerenciamento do desempenho contra a estratégia). v43 Uso de Drill-down. v44 Uso de análise What-If. v45 Simulações. v46 Rolling-forecast. v47 Consolidação Financeira v48 Geração de Alertas Automáticos v49 Dados qualitativos não financeiros. v50 Dados externos. v51 Dados ad-hoc. v52 Relatórios de dados não financeiros. v53 Extensão das hierarquias de dimensões. v54 Registro de preços unitários. v55 Registro de quantidades. v56 Orçamento usando métricas quantitativas não financeiras. v57 Criação de modelos baseados em drivers de negócio. v58 Workflow de aprovação. v59 Gestão do andamento do processo orçamentário. v60 Controle de alterações. v61 Coleta descentralizada do Orçamento. v62 Extrapolação. v63 Alocação de custos fixos aos objetos de custos v64 Número de direcionadores de custo usados para a alocação de custos.

159 APÊNDICE G TRANSFORMAÇÃO EM POSTOS QUANTO AO NÍVEL DE EXTENSÃO DAS MUDANÇAS FACILITADAS PELAS FERRAMENTAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM PARA O GRUPO 1 157

160 APÊNDICE H TRANSFORMAÇÃO EM POSTOS QUANTO AO NÍVEL DE EXTENSÃO DAS MUDANÇAS FACILITADAS PELAS FERRAMENTAS QUE SUPORTAM O CONCEITO DE CPM PARA O GRUPO 2 158

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão

Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 01 Agenda Introdução Conceitos Histórico Fornecedores Quadrantes Mágicos Introdução aos Próximos tópicos 2 Introdução Sistemas de Apoio

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI Matriz: Av. Caçapava, 527 CEP 90.460-130 Tecnopuc: Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 Sala 109 CEP 90.619-900 Porto Alegre - RS, Brasil Contate-nos: +55 (51) 3330.7777 contato@dbccompany.com.br www.dbccompany.com.br

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Abordagem multidisciplinar e equipe especializada em integração tecnológica A dinâmica e as mudanças dos negócios têm tornado a

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Auditoria de Sistemas FATEC 2011

Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Histórico 3.000 a.c. - Antropologistas encontraram registros de atividades de auditoria de origem babilônica ~2.000 a.c - No antigo Egito havia a necessidade de se ratificar

Leia mais

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Também conhecida como Governança Empresarial " os mecanismos ou

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso de problemas não-rotineiros e

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS.

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. CASTRO, Gabriela Jorge; REIS, Luciana de Cássia; GIROTTO, Márcia; MARTINS, Murilo Mello; TAMAE,Rodrigo Yoshio RESUMO O artigo analisa

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 11 OBJETIVOS OBJETIVOS APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 O mercado globalizado e altamente competitivo implica em que, as empresas que almejam serem líderes no mercado onde atuam, devem ter agilidade

Leia mais

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?!

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Uma reflexão de Norbert J. Weinmann, SIEMENS LTDA sobre a futura atuação dos Administradores Comerciais/Financeiros nas empresas.

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Capítulo 11 APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 11.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Revista de Ciências Gerenciais Vol. XII, Nº. 14, Ano 2008 O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Rodrigo Rodrigues Faculdade Anhanguera de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas

Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas Tiza Cardoso Pinheiro 1 Resumo O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da Contabilidade Gerencial

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP GESTÃO DAS INFORMAÇÕES EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMAÇÃO EXPOSIÇÃO DA DISCIPLINA Cultura da informação Informação estratégica Conceito ampliado de informação

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais