REGULAMENTO PPQG 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO PPQG 2015"

Transcrição

1 0

2 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Lei nº , de 8 de dezembro de 2003 Dispõe sobre a instituição do prêmio que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Artigo 1º - Fica instituído o "Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão" - PPQG, no âmbito do Estado de São Paulo, em parceria com o Instituto Paulista de Excelência da Gestão - IPEG, sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia patrimonial, administrativa e financeira. Artigo 2º - Poderão concorrer ao prêmio instituído por esta lei as organizações estabelecidas no Estado, constituídas há pelo menos 1 (um) ano da data de início das avaliações, pertencentes a quaisquer ramos de atividade, privadas ou do setor público, nacionais ou estrangeiras, sociedades de economia mista, abertas ou não, limitadas ou com outras formas legais, comerciais ou sem fins lucrativos. Parágrafo único - Não serão elegíveis as associações religiosas, as associações políticopartidárias e as associações que, no ano de participação no PPQG, tenham restrições de qualquer natureza junto aos órgãos de defesa do consumidor, ou perante instituições públicas federais, estaduais e municipais. Artigo 3º - O processo de premiação, os instrumentos de avaliação e pontuação, e a forma de reconhecimento das associações a serem premiadas serão definidos pelo Instituto Paulista de Excelência da Gestão, com a representação do Governo do Estado. Artigo 4º - O Instituto Paulista de Excelência da Gestão se responsabiliza por todo o processo relativo ao prêmio instituído, não arcando o Governo do Estado com nenhum ônus relativo ao procedimento da premiação. Artigo 5º - Caberá ao Governador do Estado, na condição de autoridade máxima do Poder Executivo, a entrega do "Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão. Artigo 6º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Palácio dos Bandeirantes, aos 08 de dezembro de 2003.Geraldo Alckmin Alexandre de Moraes Secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania Arnaldo Madeira Secretário-Chefe da Casa Civil Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa, aos 08 de dezembro de Publicado no Diário Oficial do Estado, em: 09/12/03 - Seção I - pág. 01 1

3 Índice 1. Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG Objetivo Benefícios da Participação no PPQG Categorias de Premiação Reconhecimento Acesso aos Níveis de Premiação Compromisso das premiadas: Instruções para Candidatura Elegibilidade Condições Gerais Restrições gerais à Elegibilidade Candidatura e Entrega da Elegibilidade Cursos Preparatórios Declaração de Idoneidade Taxa de Inscrição Cronograma Preservação do Sigilo Entrega do Relatório da Gestão Reconhecimentos Candidatura ao PPQG Relatório da Gestão Regras para Apresentação do RG Processo de Avaliação Treinamento de Examinadores Inscrição e Análise da Elegibilidade Elaboração e envio do Relatório da Gestão (RG) para o IPEG Avaliação da Candidata Elaboração do RA - Relatório de Avaliação Seleção das Organizações a serem Reconhecidas Anúncio das reconhecidas e Premiação Divulgação das Práticas de Gestão Reconhecidas Instruções para preenchimento do Documento de Elegibilidade Itens do Formulário Documento para Determinação da Elegibilidade ao PPQG 2015 Nível Sistema de Pontuação Nível III - Tabela para pontuação das Práticas de Gestão...19 Nível III - Tabela para pontuação dos Resultados da Gestão...20 Perfil da Organização Instruções para preenchimento do Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador do PPQG...24 Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador do PPQG Mérito em GCI Objetivo do Mérito em GCI Propósitos do Mérito em GCI Elegibilidade ao Mérito em GCI Reconhecimento à Vencedora e às Finalistas Inscrição ao Mérito em GCI Taxa de inscrição ao Mérito em GCI Especificações para Elaboração do Artigo Técnico Processo de Avaliação das Práticas Cronograma do Processo de Avaliação Declaração de Direito Autoral Critérios de Avaliação das Práticas de Gestão do Conhecimento e Inovação Código de Ética da Banca Examinadora e de Colaboradores do IPEG Voluntários da Banca Examinadora desde Organizações Reconhecidas no Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão - Por Ciclo - Desde

4 1. Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG 1.1. Objetivo Este documento tem por objetivo apresentar regras e diretrizes às organizações interessadas em concorrer ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG - ciclo 2015, em seus três níveis de avaliação de processos gerenciais: Nível I pontos, Nível II pontos e Nível III pontos; e ao Mérito em Gestão do Conhecimento e Inovação para avaliação de práticas de Gestão do Conhecimento e Inovação. Para a avaliação das candidatas, os seguintes instrumentos serão utilizados: 250 pontos Critérios - Compromisso com a Excelência Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) 6ª edição; 500 pontos - Critérios - Rumo à Excelência Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) 6ª edição; 750 pontos Critérios de Excelência Fundação Nacional da Qualidade FNQ 19ª edição. Obs.: A tabela do sistema de pontuação adotado para 750 pontos é o constante deste Regulamento, nas páginas 19 e Benefícios da Participação no PPQG As organizações que se candidatarem ao processo de premiação, além de contribuírem para o desenvolvimento e a melhoria da competitividade da sua Região e do Estado, receberão um diagnóstico sobre o seu sistema de gestão, que servirá como subsídio para o planejamento de ações de melhoria - o Relatório de Avaliação (RA). O RA será elaborado pelos voluntários externos, especialmente designados para analisar a conformidade do seu sistema de gestão em relação aos critérios de avaliação do PPQG, que representam o consenso global sobre a excelência das práticas de gestão. Devido a um Convenio de Colaboração entre FUNDIBEQ - Fundación Iberoamericana para la Gestión de la Calidad e o IPEG, as organizações reconhecidas, mediante consulta com o IPEG poderão se submeter ao Premio Iberoamericano de la Calidad Categorias de Premiação Micro e pequenas empresas, com até 50 pessoas na Força de Trabalho*; Médias empresas, com 51 até 500 pessoas na Força de Trabalho*; Grandes empresas, com mais de 500 pessoas na Força de Trabalho*; Empresas de Economia Mista; Órgãos da Administração Pública; Organizações sem Fins Lucrativos; Organizações de Saúde; Organizações Educacionais e de Ensino; Unidades Internas; Empresas Juniores ligadas a organizações de ensino superior. * Força de Trabalho: é formada por pessoas com diferentes tipos de vínculo com a organização, tais como: empregados, servidores, autônomos, temporários, voluntários e estagiários, que executem suas atividades sob supervisão direta de funcionários da organização Reconhecimento As candidatas que concorrerem ao PPQG num dos seus três níveis e possuírem bons sistemas de gestão, acumulando a pontuação mínima exigida por este regulamento, com ratificação pela banca de juízes do prêmio, receberão o merecido reconhecimento público, no seu respectivo grau, a saber: Medalha Nível I: para as candidatas que obtiverem os melhores desempenhos em suas categorias. Placa de Reconhecimento Nível I: para as candidatas com pontuação superior a 125 pontos; Diploma de Reconhecimento Nível I: para as candidatas com pontuação até 125 pontos. Medalhas de Ouro, Prata e Bronze Nível II: para as candidatas que alcançarem a pontuação na faixa requerida, conforme tabela da página 6; Nota: Uma organização pode ser reconhecida/premiada até duas vezes, no máximo, com o mesma Medalha Bronze, Prata ou Ouro, dentro do período de 5 anos da última premiação, desde que demonstre evolução nas práticas de gestão. Troféu Governador do Estado Nível III: reconhecer as candidatas com práticas de gestão e resultados em estágio de exemplaridade; candidatas reconhecidas neste nível poderão participar novamente após intervalo de 3 (três) anos dois ciclos. Nota: A decisão da Banca de Juízes é soberana e irrecorrível Acesso aos Níveis de Premiação Para o Nível I podem se candidatar organizações em fase inicial de implantação de modelos de gestão ou que já possuam algumas práticas implementadas. Para o Nível II podem se candidatar as organizações que já possuem modelos de gestão implantados e pretendem se submeter a uma avaliação externa, com o objetivo de buscar melhorias contínuas, também a fim de obter o merecido reconhecimento pela sociedade. As organizações que se candidatarem ao Nível III devem possuir modelos de gestão já implantados, e seu interesse é o de se submeter a uma avaliação externa para buscar melhorias contínuas e obter o merecido reconhecimento pela sociedade, recebendo o Troféu Governador do Estado. Tais organizações se preparam para alcançar o status de Organização Classe Mundial. Para tanto, como pré-requisitos ao nível III, é necessário que a organização candidata: tenha participado no PPQG Nível II e obtido a Medalha de Ouro até no máximo três anos anteriores ao ciclo atual (ciclos 2012, 2013 ou 2014); ou tenha sido vencedora de Prêmio Setorial de Qualidade da Gestão em seu nível máximo equivalente ao nível II no ano anterior ao ciclo atual; ou tenha sido vencedora, ou finalista, pelo Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ). NOTA: Recomenda-se às organizações candidatas ao Prêmio pela primeira vez, que o façam no Nível I Compromisso com a Excelência 250 pontos. 3

5 2. Compromisso das premiadas: As premiadas do PPQG se comprometem a: Divulgar as ações de qualidade e o Modelo de Excelência da Gestão MEG, inseridos nos Critérios de Avaliação. Continuar mantendo sua idoneidade no que diz respeito a ética, responsabilidade socioambiental e obrigações legais. Disponibilizar datas para visitas técnicas às suas instalações, caso solicitado. Assumir o compromisso de participar de eventos do IPEG, divulgando suas práticas de gestão (case), quando convidadas. Disponibilizar os examinadores com bom desempenho para os ciclos posteriores. 3. Instruções para Candidatura 3.1. Elegibilidade Condições Gerais São elegíveis ao PPQG Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão, todas as organizações estabelecidas no Estado de São Paulo, pertencentes a qualquer ramo de atividade, da iniciativa privada ou do setor público, nacionais ou estrangeiras, sociedades de economia mista, abertas ou não, limitadas ou com outras formas legais, comerciais ou sem fins lucrativos, que atendem aos seguintes requisitos: a) constituídas legalmente constituídas (CNPJ), sem impedimentos ou restrições de atuação, com data de fundação anterior a 1º de janeiro de 2014; b) possibilite a avaliação da gestão com base em todos os oito Critérios para a avaliação: Compromisso com a Excelência, Rumo à Excelência ou Critérios de Excelência; c) cumpra as regras para a Candidatura. Para efeito de participação no PPQG, serão consideradas elegíveis as Unidades Autônomas da Organização, ou seja, subsidiárias, unidades de negócio ou operacionais, divisões ou partes similares, desde que sejam capazes de atender aos requisitos dos 8 (oito) critérios de avaliação. A Unidade Autônoma da Organização deverá atender às seguintes condições: Estar constituída há pelo menos 1 (um) ano da data de início das avaliações; Apresentar-se claramente identificada dentro da organização a que pertence, por meio de documentação oficial, como: organogramas, manuais de administração, relatórios anuais, orçamentos, prestações de contas, etc.; e Possuir autonomia de gestão, demonstrada por meio de controle das receitas e despesas, do orçamento, das vendas, da operacionalização de produtos e serviços, dos resultados, etc. As organizações que satisfizerem as exigências acima, mas, produzirem seus produtos ou serviços exclusivamente para a cadeia interna de clientes, devem obrigatoriamente se candidatar na categoria Unidades Internas. Não poderão se inscrever juntas ao prêmio no mesmo ciclo, independentemente da categoria ou do nível de premiação, uma organização completa (como um todo) e uma ou mais partes dela (unidades autônomas) Restrições gerais à Elegibilidade Não serão consideradas elegíveis ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão: Associações religiosas; Associações político-partidárias; As candidatas que, no ano de participação no PPQG, tenham restrições de qualquer natureza junto aos órgãos de defesa do consumidor e / ou perante as instituições públicas federais, estaduais e municipais; e As candidatas que tiverem qualquer tipo de dívida ou ônus com o IPEG Instituto Paulista de Excelência da Gestão; Premiadas pela segunda vez com o Troféu Governador do Estado, só poderão concorrer novamente a esta modalidade, com intervalo de 3 anos (2 ciclos); As candidatas que não destinarem a quantidade mínima de voluntários (Examinadores) capacitados ao processo de premiação, conforme definido na tabela do item d) Candidatura e Entrega da Elegibilidade O período de inscrição ao PPQG 2015 é de 03 de novembro de 2014 até 23 de janeiro de A inscrição ao PPQG 2015 será formalizada por meio da entrega até a data limite de 23 de janeiro de 2015: a) Do Formulário para Determinação da Elegibilidade ao PPQG 2015; b) Da Declaração de Idoneidade; c) Do Comprovante de Depósito da Taxa de Inscrição. d) Da Disponibilização de Colaboradores Aptos de sua força de trabalho para compor e atuar na Banca Examinadora do PPQG (desde que habilitados no treinamento), conforme o seu porte (tabela a seguir). Para que sejam considerados aptos, os colaboradores deverão participar do Curso de Preparação para a Banca Examinadora do PPQG Força de Trabalho Disponibilizar no mínimo 1 a 20 pessoas 1 (uma) pessoa 21 a 50 pessoas 2 (duas) pessoas 51 a 100 pessoas 3 (três) pessoas 101 a 250 pessoas 4 (quatro)pessoas 251 a 500 pessoas 6 (seis)pessoas 500 pessoas 8 (oito) pessoas ATENÇÃO: A não apresentação do número de examinadores definidos nesta tabela poderá acarretar a exclusão da candidata de participar do PPQG. Os examinadores indicados DEVEM estar disponíveis para a realização completa da avaliação da organização candidata para a qual foi designado. Examinadores que não cumprirem com as etapas terão seu desempenho informado à sua organização. 4

6 Os indicados a examinador devem atender aos prérequisitos: 1. Experiência profissional adequada para avaliar gestão, sendo que, pelo menos um tenha cargo de gestão (Diretor, Gerente, Coordenador, Supervisor, ou outro semelhante); 2. Disponibilidade de, no mínimo, 40 horas para dedicar-se as suas atribuições como examinador; 3. Aprovação no curso atualizado de Interpretação dos Critérios de Avaliação; 4. Aprovação no curso de Formação de Examinador 2015; 5. Disponibilidade de individual e acesso a microcomputador; 6. Caso não sejam habilitados a organização será contatada para indicar novas pessoas da força de trabalho que atendam os requisitos mínimos de examinadores Cursos Preparatórios É recomendado a todas as candidatas participarem do curso de Elaboração do Relatório da Gestão ERG 16 (dezesseis) horas. A candidata terá direito a uma vaga gratuita para um participante no curso Modelo de Excelência e Critérios de Avaliação do PPQG. As empresas candidatas ao Prêmio deverão indicar integrantes para participarem do Curso de Preparação para a Banca Examinadora do PPQG 2015, que será ministrado pelo IPEG, em datas e locais a serem divulgados. Este curso preparará os participantes para a aplicação dos critérios de avaliação do PPQG, conhecendo de que forma o processo de avaliação será conduzido. Os profissionais interessados em fazer parte da banca examinadora do PPQG deverão participar dos seguintes cursos: Modelo de Excelência e Critérios de Avaliação da Gestão do PPQG 16 (dezesseis) horas (pré-requisito para o curso de Preparação para a Banca Examinadora); e Preparação para a Banca Examinadora do PPQG 16 (dezesseis) horas. 4. Declaração de Idoneidade A decisão quanto às possíveis premiadas envolve a apreciação sobre questões de impacto na imagem social da organização, com o propósito de obter informações adicionais que garantam que a credibilidade da premiação seja preservada, bem como para ajudar no julgamento e na seleção de organizações exemplares. Para a escolha das candidatas premiadas, o IPEG poderá realizar e solicitar consultas nos registros de órgãos oficiais. As verificações podem incluir também órgãos ligados à Fazenda, à Justiça, na jurisdição da candidata (inclusive atendimento aos regulamentos referentes à proteção ambiental, saúde ocupacional e segurança pública), Polícia Federal, PROCON, SERASA, Ministério Público, Tribunais de Contas e outros órgãos. As candidatas deverão enviar um documento denominado Declaração de Idoneidade, de acordo com o modelo a seguir. Termo de Declaração de Idoneidade, por seu representante legal abaixo assinado declara, para os fins de direito, que cumpre plenamente todas as obrigações societárias, ambientais, tributárias, previdenciárias, trabalhistas ou de qualquer natureza que, de forma líquida e certa, lhe são legalmente exigidas, concordando, ainda, com todas as condições expressas no Regulamento do PPQG Declara também que todas as informações prestadas no Relatório de Gestão são verídicas. 5. Taxa de Inscrição As organizações candidatas ao PPQG pagarão a taxa de inscrição, conforme a seguinte tabela: Força de Trabalho (pessoas) 1 a 20 e Empresas Juniores* (local e data) (assinatura) (utilizar papel timbrado da Organização Candidata) Taxa de Inscrição (R$) 1.900,00 21 a ,00 51 a , a , a , ,00 O valor da taxa de inscrição é cobrado por organização, ou por unidade autônoma candidata. * Empresa Júnior que vencer o Prêmio de Qualidade FEJESP no ano anterior, terá isenção no pagamento da taxa de inscrição. Associados ao IPEG terão descontos de 20% nas taxas referenciadas, desde que comprovem o pagamento das parcelas da contribuição anual. As organizações que inscreverem mais de uma Unidade Autônoma ou Interna pagarão a taxa de inscrição com desconto, na seguinte conformidade (não cumulativo com o desconto de associação): Nº de Unidades Desconto 2 a 4 5% 5 a 7 7,5% 8 a 10 10% Mais de 10 15% O IPEG emitirá nota fiscal para o pagamento da taxa de inscrição, o qual deverá ser pago em favor do IPEG e enviado o comprovante pelo IPEG Instituto Paulista de Excelência da Gestão Banco do Brasil 001 / Agência Conta corrente / CNPJ / O pagamento da taxa de inscrição dará o direito a uma vaga no Curso Modelo de Excelência e Critérios de Avaliação da Gestão do PPQG, por organização candidata. 5

7 6. Cronograma Cursos Preparatórios para Candidatas e Examinadores (a partir de Novembro de 2014) Entrega do Documento de Elegibilidade (Até 23 de Janeiro de 2015) Entrega do Relatório da Gestão e Auto-avaliação (Até 10 de Abril de 2015) Etapa I da avaliação Análise do Relatório da Gestão Individual e de Consenso (de 17 de abril à 29 de Maio de 2015) Etapa II da avaliação Visita às Instalações (Até 17 de Julho de 2015) 7. Preservação do Sigilo Os nomes das candidatas, as informações obtidas durante o processo de avaliação, bem como os comentários e as pontuações atribuídas pelos examinadores, serão considerados sigilosos e, portanto, tratados de forma confidencial. As informações estarão disponíveis somente para as pessoas diretamente envolvidas no processo de avaliação das candidatas. Os membros da Banca Examinadora atuarão de forma voluntária, não percebendo qualquer tipo de remuneração, e serão selecionados e designados de acordo com procedimentos rigorosos, inclusive no que se refere aos conflitos de interesses (ver Código de Ética). Não recebem qualquer informação sobre os nomes, os conteúdos dos relatórios ou as situações das candidatas para as quais não forem designados. As informações sobre estratégias e práticas de gestão bem sucedidas das premiadas somente serão divulgadas por elas próprias ou com sua autorização formal, e em conformidade com os procedimentos definidos pelo IPEG. Divulgação do Resultado Até 31 de Agosto de Entrega do Relatório da Gestão A candidatura ao PPQG 2015 somente será efetivada após a entrega, até a data limite de 10 de Abril de 2015, de Cerimônia de Entrega do PPQG 07 (sete) cópias do RG - Relatório da Gestão. (Outubro de 2015) A documentação requerida deve ser enviada para: Envio do Relatório de Avaliação para as Candidatas (Outubro/Novembro de 2015) IPEG Instituto Paulista de Excelência da Gestão Rua Leôncio de Carvalho, 306 cj Paraíso São Paulo - SP 6

8 9. Reconhecimentos Uma organização pode ser reconhecida/premiada até 02 (duas) vezes, no máximo, na mesma forma de distinção (Medalha Nível 1, Medalhas Bronze, Prata, Ouro ou Troféu Governador do Estado), dentro do período de 3 anos da última premiação, se a candidata apresentar evidências de progresso/ melhora em relação ao ciclo anterior que sustentam a manutenção do status de premiada. Nota: A decisão da Banca de Juízes é soberana e irrecorrível. Nível I Processo de Premiação Instrumento de Avaliação Pontuação Obtida Forma de Distinção Candidatas ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão (PPQG) Critérios Compromisso com a Excelência 6ª edição Melhor Desempenho em sua Categoria Acima de 125 pontos Medalha Nível I Placa de Reconhecimento 250 pontos Até 125 pontos Diploma (1) Ainda que tiver alcançado pontuação dentro da faixa de premiação considerada, a candidata poderá não receber a premiação prevista, por decisão fundamentada da Banca de Juízes, quando: a. não revelar consistência no seu conjunto de práticas de gestão; b. não apresentar melhorias demonstradas no seu modelo de gestão, em relação a avaliações anteriores recentes; ou, c. desconsiderar ou desrespeitar algum dos fundamentos de excelência da gestão. Nível II Processo de Premiação Instrumento de Avaliação Pontuação Obtida Forma de Distinção Candidatas ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão (PPQG) Critérios Rumo à Excelência 6ª edição 500 pontos De 401 a 500 pontos De 301 a 400 pontos De 150 a 300 pontos Medalha de Ouro Medalha de Prata Medalha de Bronze (1) Candidata que tenha alcançado pontuação dentro da faixa de premiação considerada, poderá não receber a premiação prevista, por decisão fundamentada da Banca de Juízes, desde que: a. não revelar consistência no seu conjunto de práticas de gestão; b. não apresentar melhorias demonstradas no seu modelo de gestão, em relação a avaliações anteriores recentes; ou, c. desconsiderar ou desrespeitar algum dos fundamentos de excelência da gestão. Nível III Processo de Premiação Instrumento de Avaliação Pontuação Obtida Forma de Distinção Candidatas ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão (PPQG) Critérios de Excelência 19ª edição 750 pontos Melhor desempenho em sua categoria Troféu Governador do Estado (1) Poderão ser reconhecidas mais candidatas por categoria, desde que os desempenhos sejam similares. (2) O melhor desempenho não significa necessariamente a maior pontuação, sendo fatores diferenciadores a verificação da efetiva prática dos fundamentos de excelência da gestão e o equilíbrio entre os critérios de avaliação. 7

9 10. Candidatura ao PPQG 2015 A candidatura ao PPQG implica na concordância com os seguintes pontos: - O RG - Relatório da Gestão será elaborado conforme as diretrizes especificadas neste Regulamento; - O RG será analisado criticamente pelos membros da Banca Examinadora (treinados, selecionados e designados pelo IPEG); - No caso de visita às instalações, as despesas correrão integralmente por conta da candidata, devendo as hospedagens e alimentação pautar pela individualidade da servidão, quartos separados, hotel classe mínima 3 estrelas e alimentação compatível; e - No caso de serem premiadas, suas práticas exemplares de gestão poderão ser divulgadas, ressalvados os aspectos de confidencialidade, em eventos (palestras, seminários, congressos), e/ou em publicações do IPEG, sempre com sua autorização. Além disso, as organizações premiadas poderão ser convidadas a participarem do Comitê Temático de Melhores Práticas, responsável pela seleção de práticas de gestão a serem divulgadas. A concordância representa condição sine qua non para a candidatura ao PPQG Relatório da Gestão O Relatório da Gestão (RG) é um documento que deverá conter a descrição das práticas de gestão e dos resultados da candidata, de forma a permitir sua análise pelos examinadores Regras para Apresentação do RG O Relatório da Gestão deverá conter os seguintes tópicos, nesta ordem: Primeira capa em branco Folha de Capa da Organização Índice 1 página. Perfil da candidata: Nível I - 7 páginas; e Níveis II e III 9 páginas. Respostas aos requisitos dos Critérios: Nível I 20 páginas; Nível II 50 páginas; e Nível III 75 páginas. Formulário para Determinação da Elegibilidade ao PPQG deve estar assinado pelo representante do IPEG, com o aval para participação do Prêmio - 4 páginas. Síntese da Pontuação de Auto-Avaliação (de acordo com o respectivo Nível) 1 página. Declaração de Idoneidade 1 página. Glossário de expressões especiais e de siglas utilizadas no texto do Relatório da Gestão 3 páginas. Quarta capa em branco. O Relatório da Gestão deve ser encadernado em um só conjunto para evitar que os documentos e formulários se extraviem durante o manuseio. Não é recomendável o uso de pastas volumosas ou de capas duras, pois dificultam o manuseio do RG, pelos examinadores. Usar encadernação em forma de espiral. As descrições das práticas de gestão e dos resultados deverão acompanhar a mesma seqüência e as mesmas identificações utilizadas nos Critérios ou Itens de Avaliação do PPQG. Se um requisito em particular não for aplicável à candidata, ou ao seu sistema de gestão, isso deverá ser claramente explicitado, indicando o porquê de sua não aplicação. Como informado anteriormente, a candidata deverá preparar um índice de 1 (uma) página, indicando os tópicos que compõem o Relatório da Gestão e os números das suas páginas, de forma a agilizar a busca de informações pelos leitores. O Relatório da Gestão deverá: Ter o texto elaborado utilizando fonte simples, do tipo ARIAL, tamanho 10 ou maior, espaço simples; Ser impresso em papel formato A4 (ABNT), margens superior e inferior 2 cm, direita e esquerda 1,5 cm. Deverão ser utilizados a frente e o verso das folhas. As tabelas deverão ser legíveis e elaboradas em fonte do tipo ARIAL, tamanho 8 ou maior. As fontes das figuras: desenhos, fluxogramas e gráficos, poderá ser usado o tamanho de fonte 6, desde que legíveis. Figuras ilegíveis serão desconsideradas na avaliação. Para evitar a identificação visual da candidata, o RG deverá conter a capa principal em branco. O mesmo cuidado deve ser tomado com a quarta capa. Deve ser obedecido e respeitado a quantidade de páginas previstas a cada nível para o relato das respostas aos requisitos da gestão. A igualdade de condições para concorrer ao prêmio é fator de justiça e, por isso, não serão consideradas as páginas que ultrapassarem o limite estabelecido neste Regulamento, sendo a candidata comunicada do fato e mantido os limites. As páginas do Índice, descrição do Perfil da Candidata, o Formulário para Determinação da Elegibilidade, a Declaração de Idoneidade e o Glossário não serão considerados dentro do limite de páginas para o relato do sistema de gestão. Não serão aceitas cópias de fita de áudio, vídeo, CD- ROM, catálogo, folheto ou quaisquer outras informações que não tenham sido especificadas neste Regulamento. Deverão ser enviadas 7 (sete) cópias do Relatório da Gestão ao IPEG. 11. Processo de Avaliação Treinamento de Examinadores Os treinamentos para preparação e atualização dos examinadores do PPQG são conduzidos por instrutores experientes, treinados e designados pelo IPEG. O IPEG cobra uma taxa de inscrição para cobrir as despesas dos treinamentos referentes a material didático, instrutores, aquisição de software de apoio, dentre outros. 8

10 11.2. Inscrição e Análise da Elegibilidade É necessário o preenchimento e o envio para o IPEG, do Formulário para Determinação da Elegibilidade ao PPQG 2015, que é parte integrante deste Regulamento, ou pode ser obtido junto ao IPEG. A candidata deve preparar e enviar a Declaração de Idoneidade (conforme modelo). É cobrada uma taxa para cobrir as despesas do processo, principalmente para os gastos com a postagem dos relatórios para os Examinadores, Reuniões de Consenso, elaboração e postagem dos Relatórios de Avaliação (RA). Portanto, as candidatas devem enviar o Comprovante de Depósito da Taxa de Inscrição Elaboração e envio do Relatório da Gestão (RG) para o IPEG O Relatório da Gestão (RG) deve ser elaborado pela organização candidata, sendo observados os critérios e os procedimentos estabelecidos neste Regulamento. A candidatura somente é formalizada mediante o envio de 7 (sete) cópias do Relatório da Gestão - RG para o IPEG. Em caso de não atendimento às Regras para Apresentação do RG, contidas neste Regulamento, as cópias do RG serão devolvidas à candidata e a inscrição será cancelada. Nesses casos, e quando há o cancelamento por parte da candidata, o IPEG reterá 20% da taxa de inscrição para despesas administrativas e de postagem Avaliação da Candidata A avaliação da candidata é conduzida por um equipe de 2 (dois) a 6 (seis) Examinadores externos, treinados e designados pelo IPEG, que não possuam conflitos de interesses com a organização, sendo um deles Examinador Sênior. Compete ao IPEG estabelecer a quantidade de examinadores que comporá a equipe e que poderão participar da visita; O Relatório da Gestão é, primeiramente, analisado individualmente pelos Examinadores, que elaboram os comentários individuais e registram sua pontuação no software de apoio. É, então, realizada a reunião de consenso entre os Examinadores da equipe, em que os comentários e as pontuações individuais são discutidos e reconsiderados, sendo selecionados e aprimorados os melhores comentários, definida a pontuação de consenso da equipe e registrados no software de apoio. Após a reunião de consenso, o Examinador Sênior encaminha o arquivo contendo o relato das discussões e a pontuação de consenso ao IPEG, o que permitirá a avaliação pelos Juízes. Sem conhecer o nome das candidatas, os julgadores decidem sobre as organizações que receberão a visita, encerrandose a Etapa I do processo de avaliação. A equipe de Examinadores das candidatas selecionadas para a visita, considerando a necessidade de confirmar as informações do Relatório da Gestão, esclarecer dúvidas surgidas durante a análise e possibilitar uma visão global, in loco, realizam a Etapa II do processo de avaliação. Assim se processa a visita às instalações, durante um período entre 8 e 32 horas, dependendo do porte e da complexidade do sistema da gestão, tal ocorrendo em seu horário comercial, mediante prévio entendimento entre o Examinador Sênior e a candidata. Devem ser consideradas mais 8 horas de trabalho após o término da visita para a conclusão dos trabalhos pela equipe de Examinadores. Notas A organização será visitada após a primeira decisão da Banca de Juízes, quando estes selecionarão as candidatas a serem visitadas. As despesas decorrentes de transporte, hospedagem e alimentação dos Examinadores deverão ser cobertas pela organização a ser avaliada, não sendo previsto nenhum tipo de remuneração para os Examinadores (o trabalho é voluntário). O Examinador Sênior informará à organização candidata e o IPEG, com antecedência mínima de 10 (dez) dias úteis, a data prevista para a visita, acertando os detalhes para sua execução. A organização poderá se manifestar, por escrito, no prazo de vinte e quatro horas após o contato do examinador sênior, caso discorde da data prevista para a visita, enviando a informação também ao IPEG. O IPEG, de posse da manifestação, analisará as solicitações e suas justificativas, comunicando imediatamente a decisão tomada aos Examinadores e à candidata Elaboração do RA - Relatório de Avaliação Após a visita, o RA - Relatório de Avaliação será emitido pela equipe de Examinadores, contendo as conclusões, os pontos fortes, as oportunidades de melhoria, bem como as pontuações finais, e encaminhado ao IPEG. Os examinadores não fornecem nenhum parecer, verbal ou documental, à candidata, durante o processo de avaliação e visita, que não seja exclusivamente por meio do RA enviado posteriormente, pelo IPEG. A reunião para a elaboração deste Relatório ocorre nas instalações da organização avaliada ou em local determinado pelo Examinador Sênior (hotel, escritório de um dos membros da equipe ou IPEG), imediatamente após o encerramento da visita. Após o recebimento do RA, o IPEG procederá à sua revisão / formatação, para posterior envio às organizações candidatas. 9

11 12. Seleção das Organizações a serem Reconhecidas Após a visita, a Banca de Juízes, composta por profissionais de notório saber em gestão, isenção de interesses quanto aos reconhecimentos em análise, e compromissados com o código de ética, se reunirá para ouvir os relatos dos Examinadores Seniores e avaliar, de posse das novas pontuações atribuídas pelas equipes, quais organizações serão agraciadas e os respectivos tipos de Reconhecimento, encerrando-se a Etapa II do processo de avaliação. As candidatas que tiverem alcançado a pontuação necessária ao reconhecimento serão avaliadas quanto à regularidade fiscal e tributária, e, quando aplicável, serão feitas consultas aos diferentes órgãos representantes dos consumidores. As candidatas que estiverem em situação regular terão os seus nomes aprovados para divulgação e reconhecimento público. As decisões da Banca de Examinadores, da Banca de Juízes e do IPEG são soberanas e contra aquelas não caberão recursos de qualquer natureza. Notas A premiação tem por objetivo reconhecer as organizações que demonstrem possuir um modelo de gestão sintonizado com os Critérios estabelecidos, servindo como instrumento adicional de estímulo à adesão de outras organizações de São Paulo. Nos troféus e medalhas estará inscrito o ano a que se refere a premiação. Caso a candidata queira divulgar a premiação obtida, seja qual for o tipo de mídia, deverá citar obrigatoriamente a sua razão social, sua condição de organização ou unidade autônoma, o tipo de reconhecimento obtido (ex.: Troféu Governador do Estado), a categoria e o ano da premiação Anúncio das reconhecidas e Premiação O anúncio público dos nomes das organizações reconhecidas pelo PPQG será feito e em local e horário a ser divulgado pelo IPEG. Os reconhecimentos serão entregues em Cerimônia, no caso de Troféu Governador do Estado, pelo próprio Governador de São Paulo ou por representante por ele designado, e demais autoridades e personalidades convidadas pelo IPEG. Envio do RA - Relatório de Avaliação Toda e qualquer candidata ao PPQG, visitada ou não, recebe o RA - Relatório de Avaliação, contendo informações gerais sobre o ciclo, a sua pontuação global, as pontuações obtidas em cada Item, a conclusão geral da avaliação, e os pontos fortes e as oportunidades de melhoria apresentadas Divulgação das Práticas de Gestão Reconhecidas O IPEG poderá realizar seminários e oficinas de trabalho com apresentações das melhores práticas de gestão das organizações reconhecidas pelo PPQG. Estas apresentações têm como principal objetivo estimular a participação de outras empresas / entidades do Estado de São Paulo e serão abertas à participação de toda a sociedade, podendo ser viabilizadas por meio de taxa de inscrição, de patrocínios, de parcerias, de apoios institucionais, etc. O IPEG também poderá editar publicações, em que serão apresentados artigos referentes às melhores práticas de gestão das organizações que obtiverem os melhores desempenhos. Para isso, as organizações poderão ser convidadas a participarem de Comitês Técnicos de Melhores Práticas. 13. Instruções para preenchimento do Documento de Elegibilidade A Candidata deverá submeter o Formulário de Elegibilidade somente se pretender concorrer ao Prêmio do ano em curso. Toda informação solicitada deve ser digitada, datilografada ou manuscrita (em letra de forma bem legível). O formulário totalmente preenchido e assinado deve ser encaminhado ao Instituto Paulista de Excelência da Gestão IPEG Itens do Formulário 1. Candidata Fornecer a razão social ou denominação oficial da candidata (organização ou unidade autônoma), CNPJ e endereço completo, inclusive e endereço na Internet. 2. Data da constituição / criação da candidata Fornecer dia, mês e ano da constituição ou criação da candidata (organização ou unidade autônoma) e nº do documento legal de criação. 3. Executivo ou dirigente responsável pela candidata Fornecer o nome, cargo, endereço para correspondência, telefones, fax e do executivo ou dirigente responsável pela candidata. 4. Caracterização da candidata Assinalar os campos apropriados para resposta às questões deste Item, informando se a organização ou unidade autônoma tem fins lucrativos e se pertence à iniciativa privada, setor público ou economia mista. 5. Porte da candidata Informar o número de colaboradores / servidores, outros (terceiros, sócios, temporários, estagiários, autônomos, etc.) e o total de pessoas da força de trabalho da candidata. Indicar o montante da receita bruta operacional global do ano precedente à candidatura (valor aproximado). O RA será enviado à candidata em novembro de

12 6. Ramos de atividade da candidata Se a candidata for uma organização privada, indicar até 4 (quatro) ramos que melhor descrevam as suas atividades principais, utilizando a Codificação do Ramo de Atividades. Se a candidata for um órgão da administração pública, indicar a natureza jurídica e a área de atuação, conforme a Codificação do Ramo de Atividades. 7. Identificação de unidade autônoma a) Assinalar a alternativa apropriada. Se a candidata não for uma unidade autônoma, continue o preenchimento a partir do item 8; b) Se a candidata é uma unidade autônoma, deverá ser fornecido o nome e o endereço da organização à qual pertence. Informar também o nome e o cargo do executivo ou dirigente responsável, bem como a quantidade total de pessoas da força de trabalho da organização no Brasil; c) Assinalar a alternativa apropriada. Este Item refere-se à cadeia ou rede de hotéis, lojas, agências, restaurantes, subsidiárias, franquias, etc. d) Explicar o que foi solicitado em c e, se aplicável, descrever brevemente as funções relevantes de apoio executadas por outras unidades da mesma organização para a candidata (por exemplo: gestão de pessoas, serviços jurídicos, vendas, suprimentos e outros); e) Assinalar a alternativa apropriada. Se a organização a qual pertence a unidade autônoma está planejando concorrer ao Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão - PPQG, fornecer uma breve explicação e; f) Fornecer o título do documento e anexar cópia, como por exemplo, um relatório anual ou a (s) página (s) de uma publicação da organização, mostrando sua relação com a unidade autônoma (candidata) ou o próprio organograma da organização onde apareça a vinculação da unidade. 8. Fornecedores e parceiros da candidata Indicar a quantidade de fornecedores de bens e serviços, incluindo outras unidades da organização, se houver. 9. Base percentual da receita bruta operacional global Assinalar a alternativa apropriada. Se o valor da receita proveniente de vendas da candidata para fora da organização a qual pertence, for inferior a 50% da sua receita bruta operacional global, descrever brevemente a relação de fornecimento para a organização ou para outras unidades. 10. Informações sobre a atuação da candidata Resumir: a) os principais produtos oferecidos pela candidata aos clientes e aos mercados; b) a natureza dos principais mercados e o âmbito de atuação da candidata (regional, nacional e internacional) ou áreas de competência; c) tipos de insumos dos principais fornecedores e dos parceiros da candidata. Notas Incluir em a uma lista dos principais concorrentes e dos seus ramos de atividade; Incluir em b o nº estimado e uma lista dos principais clientes e dos seus ramos de atividade, conforme Codificação; Incluir em c o nº estimado e uma lista dos principais fornecedores / parceiros e dos seus ramos de atividade, conforme Codificação. 11. Relação das instalações e descrição dos produtos Preencher o espaço com o número de instalações que a candidata possui. a) Endereço da instalação - Fornecer o endereço completo de cada instalação da candidata. b) Porte relativo (porcentagem) - Fornecer a porcentagem aproximada de pessoas de cada instalação em relação ao total da força de trabalho da candidata (o somatório da coluna deve ser 100%). Fornecer a porcentagem aproximada da receita bruta operacional, contabilizada de acordo com o resultado de cada instalação (o somatório da coluna deve ser 100%). Usar (N / A) não aplicável, para instalações que não vendem produtos ou serviços (sede, áreas de apoio, etc.) e; c) Descrição de produtos da instalação - Descrever os tipos de produtos / serviços da instalação. Se aplicável, destacar a relação entre esses produtos / serviços e os produtos / serviços da candidata. Não é necessário listar todos os produtos, somente os principais. Notas Nos casos em que a candidata possui muitas instalações com a mesma função, essas instalações poderão ser agregadas numa única descrição de produtos, fazendo-se menção a instalações múltiplas. Se a candidata possui instalações no exterior, estas deverão ser incluídas no Formulário para Listagem das Instalações e Descrição de Produtos. O Relatório da Gestão deverá abordar as atividades em instalações no exterior nos Itens de avaliação apropriados. Nenhuma visita, entretanto, será feita em instalações, da candidata, no exterior e em instalações de clientes e fornecedores da candidata. É importante não omitir, no caso de a candidata ser uma unidade autônoma, as instalações de outras unidades, ou mesmo da organização, que executam serviços de apoio. 12. Representante para contato Durante o processo de avaliação, o IPEG - Instituto Paulista de Excelência da Gestão - poderá necessitar entrar em contato com a candidata para informações adicionais. Fornecer o nome, endereço, , telefone e fax do representante da candidata para contato. Marcar as opções de visita considerando 3 (três) dias para cada opção. Candidatas nível III deve ser previsto 4 dias para a visita. 13. Taxa de inscrição Indicar a taxa de inscrição ao PPQG aplicável, conforme o tipo de organização, mencionada no item Taxa de Inscrição. Encaminhar, junto ao Formulário de Elegibilidade, uma cópia do comprovante de pagamento da taxa. 11

13 14. Aceitação dos termos e condições Notar que a candidatura implica em acordo, nos seguintes termos: Estamos cientes de que participaremos do PPQG conforme nível definido no campo 7 deste formulário de elegibilidade e que devemos elaborar o Relatório da Gestão contendo todas as informações necessárias ao processo de avaliação. Concordamos que o Relatório da Gestão será analisado criticamente por membros da Banca Examinadora do PPQG, a serem designados pelo IPEG. No caso de sermos visitados, concordamos em facilitar a avaliação aberta e imparcial e em arcar com as despesas dos Examinadores durante o período de visita. No caso de sermos premiados, concordamos em divulgar amplamente o modelo de gestão adotado por nossa organização e em participar do Comitê Temático de Melhores Práticas do IPEG. Aceitamos e concordamos com todos os termos e condições contidos no Regulamento do PPQG Esse acordo poderá resultar em: Divulgar os padrões de trabalho considerados exemplares em conferências e seminários; Realizar eventos, tais como: apresentações, programas portas abertas, etc., sem ônus para os participantes; e. Permitir a divulgação do seu modelo de gestão, ressalvados os aspectos de confidencialidade. Isso pode ser feito também através da publicação de sumário do Relatório da Gestão, ou da sua íntegra, a critério da premiada. Neste campo é necessária a assinatura do executivo ou dirigente responsável pela candidata ou de seu representante. 15. Determinação da elegibilidade Espaço reservado para preenchimento do IPEG, que informará para a candidata a decisão oficial sobre a elegibilidade e qual a categoria onde a candidata melhor se enquadra. 12

14 Documento para Determinação da Elegibilidade ao PPQG 2015 Nível 1. Candidata Nome da Candidata (Organização ou Unidade Autônoma - Denominação Oficial) CNPJ Endereço comercial Número Complemento Bairro /Distrito Cidade UF CEP Endereço na Internet 2. Data de constituição/criação da candidata Dia Mês Ano Nº do documento legal de criação (anexar cópias dos organogramas organização e unidade autônoma) 3. Executivo ou dirigente responsável Nome Cargo Endereço (se diferente do indicado no campo 1) Número Complemento Bairro / Distrito CEP UF Telefone Comercial Ramal Telefone Celular Fax Ramal 4. Caracterização a) A candidata tem fins lucrativos? ( ) Sim ( ) Não b) A candidata é uma organização ou unidade autônoma: ( ) Privada ( ) Pública ( ) Economia Mista 5. Porte da candidata Nº Colaboradores / Servidores Outros Total da força de trabalho Receita bruta operacional global de 2013 R$ 6. Ramos de atividade da candidata utilizar a codificação. Organizações Industriais e Prestadoras de Serviços da Iniciativa Privada Órgãos da Administração Pública Natureza Jurídica Área de Atuação 13

15 7. Identificação de unidade autônoma a) A candidata é uma unidade autônoma da organização? ( ) Sim ( ) Não (ir para o item 8) b) Nome da organização (no Brasil) à qual a unidade pertence ou está diretamente vinculada / subordinada Nome CNPJ / CGC Endereço Número Complemento Bairro / Distrito CEP UF Executivo / dirigente responsável pela organização Cargo Total da força de trabalho da organização no Brasil c) Outras unidades autônomas da organização fornecem produtos / serviços similares? ( ) Sim Explicar brevemente em d) ( ) Não d) Informar o solicitado em c, e se for o caso, os principais serviços de apoio executados por outras unidades da mesma organização. e) A organização a qual pertence a unidade autônoma candidata pretende se inscrever ao prêmio do corrente ano? ( ) Sim (explicar) ( ) Não ( ) Não sabe f) Citar o documento que comprova a condição de unidade autônoma da organização (anexar cópia do documento). 8. Fornecedores e parceiros da candidata Fornecedores (inclusive parceiros) Quantidade de organizações externas de vendas (não se aplica à Administração Pública). Quantidade total Revendedores Franquias Distribuidores Outros 9. Base percentual da receita bruta operacional global As receitas da candidata provenientes de clientes de fora de sua organização, isto é, fora das Unidades sob as quais a Organização mantém controle financeiro ou Organizacional, atingem: ( ) Valores superiores a 50% ( ) Valores iguais ou inferiores a 50% (explicar) ( ) Não se aplica 10. Informações sobre a atuação da Candidata a) Produtos da candidata (bens e serviços) 14

16 Principais concorrentes Ramo* Principais concorrentes Ramo* b) Natureza dos principais mercados e âmbito de atuação (regional, nacional ou internacional) ou áreas de competência. Principais clientes Ramo* Principais clientes Ramo* Nº estimado de Clientes c) Tipos de insumos dos principais fornecedores e dos parceiros Principais fornecedores / parceiros Ramo* Principais fornecedores / parceiros Ramo* Nº estimado de fornecedores * Utilizar a codificação de ramo de atividade. 11. Relação das instalações e descrição de produtos Nº de instalações da candidata a) Endereços das instalações da candidata b) Porte relativo (%) Força de trabalho Receita bruta operacional c) Descrição de produtos da candidata em cada instalação, quando aplicável Fornecer todas as informações para cada instalação, exceto quando várias instalações produzem produtos similares; O total das porcentagens deve ser 100%; Não omitir serviços de apoio, ou aqueles executados por outra unidade autônoma ou pela organização (se aplicável). 15

17 12. Representante para contato Nome Cargo Endereço (se diferente do indicado no campo 1) Número Complemento Bairro / Distrito Cidade UF CEP Telefone Comercial Ramal Telefone Celular Fax Ramal Marque com X 02 (duas) opções de semanas caso sua empresa seja selecionada para ser visitada. 01 a 05/junho 08 a 12/junho 15 a 19/junho 22 a 26/junho 29/junho a 03/julho 06 a 10/julho 13 a 17/julho 13. Taxa de inscrição R$ Anexar cópia do comprovante de pagamento, pagável ao: IPEG - Instituto Paulista de Excelência da Gestão Banco do Brasil (001) Agência Conta Corrente CNPJ / Aceitação dos termos e condições Estamos cientes de que participaremos do PPQG conforme nível definido no campo 7 deste formulário de elegibilidade e que deveremos elaborar o Relatório da Gestão contendo todas as informações necessárias ao processo de avaliação. Concordamos que o Relatório da Gestão seja analisado criticamente por membros da Banca Examinadora do Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG, a serem designados pelo IPEG. No caso de sermos visitados, concordamos em facilitar uma avaliação aberta e imparcial e em arcar com as despesas dos Examinadores durante o período da visita. No caso de sermos premiados, concordamos em divulgar amplamente o modelo de gestão adotado por nossa organização e em participar do Comitê Temático de Melhores Práticas do IPEG. Aceitamos e concordamos com todos os termos e condições contidos no Regulamento do PPQG Assinatura do Executivo Responsável Data 15. Determinação da elegibilidade (para uso exclusivo do IPEG) A) A candidata disponibilizou de colaboradores para serem examinadores, conforme prescreve este Regulamento? ( ) Sim ( ) Não B) Elegibilidade Elegível ( ) Na Categoria de Premiação: Não elegível ( ) Assinatura do Responsável do IPEG Data 16

18 Codificação dos Ramos de Atividade Organizações Industriais (I_) Organizações Prestadoras de Serviços (S_) IA Alimentos e bebidas / Agroindústria SA Comércio Varejista IB Material de embalagem SB Bancos e Instituições Financeiras IC Material de construção SC Comunicações (rádio, jornal, TV, telecomunicações) ID Mobiliário e decoração SD Distribuidores, Revendedores, Comércio Atacadista IE Elétrica SE Educação e Cultura IF Gráfica SF Agropecuários IG Metalurgia SG Seguros IH Eletrônica SH Hotéis e Restaurantes II Informática SI Informática IJ Bélica SJ Jurídicos IK Nuclear SK Segurança IL Produtos e equipamentos / Material de cultura, esporte e lazer SL Imobiliárias IM Máquinas e equipamentos SM Construção e Montagem IN Mineração SN Consultoria de Engenharia IP Papel e celulose SO Manutenção IQ Química, petroquímica, alcoolquímica, borracha e plásticos SP Profissionais IR Produtos óticos, instrumentos SQ Consultoria em Administração IS Medicamentos, produtos e aparelhos médicos e odontológicos SS Saúde IT Têxtil ST Transporte, Armazenagem IU Construção civil SU Públicos (gás, luz, telefone, água e esgoto, etc.) IV Veículos / Equipamentos de transporte e manuseio SV Conservação e Limpeza IW Construção naval SW Qualidade (Consultoria, Inspeção, etc.) IX Aeronáutica / Aeroespacial SX Fundações, Associações, Federações, Sindicatos, etc. IY Produtos e artefatos de madeira e couro SY Cultura, Esporte e lazer IZ Outras indústrias ou combinação das acima SZ Outros, ou combinação dos acima Órgãos da Administração Pública 1º Digito: representa a natureza jurídica D F A E Direta Fundação Autarquia Empresa Pública 2 º Digito: corresponde à área de atuação A Administração N Defesa Nacional B Segurança O Direito Público C Comunicações P Minas e Energia D Agropecuária e Pesca Q Planejamento e Orçamento E Educação e Cultura R Previdência e Assistência Social F Abastecimento S Saúde G Pesquisa Científica e Tecnológica T Transporte H Ocupação Territorial e Reforma Agrária U Relações Exteriores I Esporte e Lazer V Serviços Tecnológicos J Turismo W Trabalho K Meio Ambiente X Indústria e Comércio L Finanças Y Comércio Exterior M Auditoria Z Outros ou combinação dos acima 17

19 Fundamentos dos Critérios de Avaliação Em meados dos anos 80, diante da necessidade de se melhorar a qualidade dos produtos e de se aumentar a produtividade das empresas americanas, um grupo de especialistas analisou uma série de organizações bem sucedidas, consideradas até então como "ilhas de excelência", em busca de características comuns que as diferenciassem das demais. Estas características foram por eles identificadas e eram compostas por valores organizacionais que podiam ser facilmente percebidos como parte da cultura das organizações, sendo praticados pelas pessoas que as compunham, desde os líderes de maiores níveis de responsabilidade até os empregados dos escalões inferiores. Naquela ocasião, os valores identificados nas organizações de sucesso foram considerados como os fundamentos para a formação de uma cultura de gestão voltada para resultados e deram origem aos critérios de avaliação e à estrutura sistêmica orientada para resultados do Malcolm Baldrige National Quality Award, em O Modelo de Excelência do Prêmio Nacional da Qualidade - PNQ foi desenvolvido, desde a sua origem em 1991, alicerçado naquele mesmo conjunto de fundamentos. À medida que novos valores da gestão organizacional são desenvolvidos e identificados, os fundamentos da excelência sofrem atualização. Atualmente, os fundamentos da excelência que servem de referencial para os Critérios de Excelência do PNQ, bem como para os Critérios de Avaliação do Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG são os seguintes: Pensamento sistêmico Aprendizado organizacional Cultura de inovação Liderança e constância de propósitos Orientação por processos e informações Visão de futuro Geração de valor Valorização das pessoas Conhecimento sobre o cliente e o mercado Desenvolvimento de parcerias Responsabilidade social Cada fundamento é conceituado nos Critérios de Excelência, Rumo à Excelência e Compromisso com a Excelência, da Fundação Nacional da Qualidade FNQ. Estrutura dos Critérios Os fundamentos apresentados estão incorporados no Modelo Sistêmico de Avaliação do PPQG. Este modelo reflete a experiência, o conhecimento e o trabalho de pesquisa de muitas organizações e especialistas, do Brasil e do exterior. Em função da sua flexibilidade, da simplicidade da linguagem utilizada e, principalmente, por não prescrever ferramentas e práticas de gestão específicas, o Modelo é útil para avaliação, diagnóstico e orientação de qualquer tipo de organização, no setor público ou privado, com ou sem finalidade de lucro, e de porte pequeno, médio ou grande. A incorporação dos fundamentos da excelência às operações da organização, de maneira continuada e em consonância com seu perfil e suas estratégias, é enfatizada pelo Modelo. A figura representativa do Modelo Sistêmico de Avaliação simboliza um modelo de relacionamento entre a organização, considerada como um sistema adaptável processador de produtos e informações e seus ambientes organizacional e tecnológico, ou seja, em linguagem mais simples, podemos dizer que a figura representa um ser vivo, composto por elementos imersos num mesmo ambiente, que interagem de forma harmônica e sincronizada, e que, para sobreviver e se desenvolver, necessita de um perfeito relacionamento com outros seres vivos do ambiente externo. Este ser vivo é a organização e seus elementos são os Critérios de Avaliação do PPQG, descritos nos volumes que acompanham este Regulamento: Critérios de Excelência do PNQ (1000 pontos), Rumo à Excelência (500 pontos) e Compromisso com a Excelência (250 pontos), incluindo a Figura representativa do Modelo Sistêmico de Avaliação da Gestão. Fonte: Fundação Nacional da Qualidade - Critérios de Excelência 19ª edição. Sistema de Pontuação Os critérios a serem utilizados para a atribuição de pontuação a cada uma das candidatas, tanto das práticas de gestão quanto dos resultados apresentados, são os constantes dos modelos adotados pela FNQ, ou seja: Tabela de pontuação da 6ª Edição: para o Compromisso com a Excelência 250 pontos e Rumo à Excelência 500 pontos e; Tabela de pontuação nível III (páginas 19 e 20): Critérios e Excelência da Gestão 1000 pontos, com sua métrica modificada para 750 pontos. 18

20 Nível III - Tabela para pontuação das Práticas de Gestão 0% 20% 40% 60% 80% 100% ENFOQUE As práticas de gestão são inadequadas aos requisitos do item ou não estão relatadas O atendimento aos requisitos é reativo As práticas de gestão não abrangem as áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes As práticas de gestão são adequadas para pelo menos um requisito do item O atendimento a pelo menos um requisito é proativo As práticas de gestão abrangem pelo menos uma das áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes As práticas de gestão são adequadas para alguns requisitos do item O atendimento a alguns requisitos é proativo As práticas de gestão abrangem algumas áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes As práticas de gestão são adequadas para muitos requisitos do item O atendimento a muitos requisitos é proativo APLICAÇÃO As práticas de gestão abrangem muitas áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes As práticas de gestão são adequadas para a maioria dos requisitos do item O atendimento a maioria dos requisitos é proativo As práticas de gestão abrangem a maioria das áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes As práticas de gestão são adequadas para todos os requisitos do item O atendimento a quase todos os requisitos é proativo As práticas de gestão abrangem quase todas ou todas as áreas, processos, produtos ou partes interessadas pertinentes Uso não relatado da continuidade das práticas de gestão do item Início de uso continuado de pelo menos uma das práticas de gestão do item Uso continuado de algumas das práticas de gestão do item Uso continuado de muitas das práticas de gestão do item Uso continuado da maioria das práticas de gestão do item Uso continuado de quase todas ou todas as práticas de gestão do item APRENDIZADO As práticas de gestão não demonstram evidências de refinamento ou melhorias implantadas Pelo menos uma prática de gestão apresenta refinamento ou melhoria implantada Algumas práticas de gestão apresentam refinamento ou melhorias implantadas Muitas práticas de gestão apresentam refinamento ou melhorias implantadas A maioria das práticas de gestão apresenta refinamento ou melhorias implantadas Quase todas as práticas de gestão apresentam refinamento ou melhorias implantadas e pelo menos uma delas espelha o estado da arte INTEGRAÇÃO As práticas de gestão não são coerentes com as estratégias e objetivos da organização Algumas práticas de gestão apresentam coerência com as estratégias e objetivos da organização Muitas práticas de gestão possuem coerência com as estratégias e objetivos da organização A maioria das práticas de gestão possui coerência com as estratégias e objetivos da organização Quase todas as práticas de gestão são coerentes com as estratégias e objetivos da organização Todas as práticas de gestão são coerentes com as estratégias e objetivos da organização As práticas de gestão do item não estão interrelacionadas com outras práticas de gestão Pelo menos uma das práticas de gestão do item está interrelacionada com outras práticas de gestão Algumas práticas de gestão do item estão inter-relacionadas com outras práticas de gestão Muitas práticas de gestão do item estão inter-relacionadas com outras práticas de gestão A maioria das práticas de gestão do item se encontra interrelacionada com outras práticas de gestão Quase todas as práticas de gestão do item estão inter-relacionadas com outras práticas de gestão Não se evidencia cooperação entre as áreas da organização na implementação das práticas de gestão Pelo menos uma prática de gestão implementada com cooperação entre as áreas da organização Algumas práticas de gestão implementadas com cooperação entre as áreas da organização Muitas práticas de gestão implementadas com cooperação entre as áreas da organização A maioria das práticas de gestão implementada com cooperação entre as áreas da organização Quase todas as práticas de gestão implementadas com cooperação entre as áreas da organização e pelo menos uma delas em cooperação com outras partes interessadas pertinentes Notas para a aplicação da tabela de pontuação a) Equivalência da escala: algumas (> 1 e < 1/4); muitas (= ou > 1/4); maioria (= ou > 1/2); quase todas (= ou > 3/4). b) Para determinação do percentual do item considere que cada marcador dos itens de processos gerenciais contempla um ou mais requisitos. c) Nota zero em enfoque implica em nota zero para todos os demais fatores de exame. d) Nota zero em aplicação implica em nota igualmente zero em aprendizado Excepcionalmente no nível III, a tabela de pontuação utilizada pelo IPEG não corresponde àquela constante do instrumento de avaliação Critérios de Excelência FNQ. 19

21 Nível III - Tabela para pontuação dos Resultados da Gestão 0% 20% 40% 60% 80% 100% RELEVÂNCIA Não foram apresentados resultados relevantes Alguns resultados relevantes foram apresentados Muitos resultados relevantes foram apresentados A maioria dos resultados relevantes foi apresentada Quase todos os resultados relevantes foram apresentados Todos os resultados relevantes foram apresentados TENDÊNCIA Impossibilidade de avaliação das tendências (falta de série histórica) ou tendências desfavoráveis para os resultados apresentados Muitos resultados permitem avaliação da tendência (existe série histórica) e pelo menos um resultado apresenta tendência favorável Muitos resultados permitem avaliação da tendência (existe série histórica) e alguns resultados apresentam tendência favorável A maioria dos resultados permite a avaliação da tendência (existe série histórica) e muitos resultados apresentam tendências favoráveis NIVEL ATUAL Quase todos os resultados permitem a avaliação da tendência (existe série histórica) e a maioria apresenta tendência favorável Todos os resultados permitem a avaliação da tendência (existe série histórica) e quase todos apresentam tendência favorável O nível atual dos resultados não pode ser avaliado por falta de informações comparativas pertinentes Não é demonstrado o atendimento aos requisitos das partes interessadas O nível atual de pelo menos um resultado comparável é igual ou superior ao do referencial comparativo É demonstrado o atendimento de pelo menos um requisito de parte interessada Os níveis atuais de alguns resultados comparáveis são iguais ou superiores aos dos referenciais comparativos É demonstrado o atendimento de alguns requisitos das partes interessadas Os níveis atuais de muitos resultados comparáveis são iguais ou superiores aos dos referenciais comparativos É demonstrado o atendimento de muitos requisitos das partes interessadas O nível atual da maioria dos resultados comparáveis é igual ou superior às informações comparativas pertinentes. Demonstra liderança no setor de atuação É demonstrado o atendimento da maioria dos requisitos das partes interessadas Os níveis atuais de quase todos os resultados comparáveis são iguais ou superiores às informações comparativas pertinentes. Demonstra liderança no setor de atuação e nível de excelência em pelo menos um resultado É demonstrado o atendimento de quase todos os requisitos das partes interessadas Notas para a aplicação da tabela de pontuação dos Resultados da Gestão a) Equivalência da escala: alguns (> 1 e < 1/4); muitos (= ou > 1/4); maioria (= ou > 1/2); quase todos (= ou > 3/4). b) Para avaliar os fatores Tendência e Nível Atual, considerar somente os resultados relevantes apresentados. c) Nota zero em Relevância implica em nota zero para todos os demais fatores de exame. d) Para avaliar o fator Tendência será necessário um histórico de pelo menos três resultados. Excepcionalmente no nível III, a tabela de pontuação utilizada pelo IPEG não corresponde àquela constante do instrumento de avaliação Critérios de Excelência FNQ. Perfil da Organização Para a descrição do Perfil, use o roteiro previamente definido nos respectivos Critérios: Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência 6ª edição e Critérios de Excelência da FNQ 19ª Edição. O Perfil é uma apresentação geral da organização. Evidencia aspectos do processo de transformação de insumos em produtos com valor agregado, por meio de recursos disponíveis, para atender a mercados-alvo. Deve propiciar uma visão global da organização, do seu negócio ou ramo de atuação e seus principais desafios. Inclui aspectos sobre o relacionamento da organização com suas partes interessadas e um histórico da busca da excelência. Sob a forma de redação livre, figuras ou tabelas devem ser apresentadas considerando a seqüência dos tópicos relacionados ao perfil da candidata. Todos os requisitos ligados ao perfil devem ser atendidos e apresentados no Relatório da Gestão. 20

22 Faixas de Pontuação Global Nível I A pontuação global da organização, de acordo com a faixa em que se enquadra, possui o seguinte significado: Faixa Pontuação Estágio da Organização A organização possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente os requisitos dos critérios de avaliação, com expressões notáveis de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, práticas inseridas num contexto de aperfeiçoamento contínuo, havendo perfeita integração entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão é feita com base em informações estruturadas, comparadas com referenciais pertinentes e a maioria dos resultados são consistentes e de bom desempenho, o que recomenda à organização a adoção de novos parâmetros de avaliação de gestão para continuar seu processo em busca da excelência. A organização possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente a maioria dos requisitos dos critérios de avaliação, com expressões de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, havendo sistemática de melhorias do sistema de gestão, que traduzem traços de integração entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão é feita com base nas informações estruturadas, com prática de comparação externa e alguns resultados são consistentes e de bom desempenho. A organização possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente alguns requisitos dos critérios e avaliação, com proatividade, disseminação, havendo melhorias sendo implementadas, fruto de um trabalho sistemático que busca o alinhamento gestão ao modelo proposto. A tomada de decisão, já começa a ser feita com base nas informações estruturadas, comparadas com referenciais externos e com desempenho favorável. Já é possível detectar a existência de práticas de gestão estruturadas voltadas para responder aos requisitos dos critérios de avaliação, ainda com lacunas importantes nas questões de disseminação, proatividade, aprendizado e integração. A tomada de decisão ainda não é feita com base nas informações estruturadas e devidamente comparadas com referenciais externos Estágio muito preliminar de desenvolvimento do sistema de gestão organizacional Faixas de Pontuação Global Nível II A pontuação global da organização, de acordo com a faixa em que se enquadra, possui o seguinte significado: Faixa Pontuação Estágio da Organização A organização se caracteriza pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente os requisitos dos critérios de avaliação, com expressões notáveis de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, práticas inseridas num contexto de aperfeiçoamento contínuo, havendo perfeita integração entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão feita com base em informações estruturadas e comparadas com referenciais pertinentes, avalia o desempenho global, o que recomenda à organização a adoção de novos parâmetros de avaliação de gestão para continuar seu processo em busca da excelência A organização caracteriza-se pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente a maioria dos requisitos dos critérios de avaliação, com expressões de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, havendo sistemática de melhorias do sistema de gestão, que traduzem traços de integração entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão é feita com base nas informações estruturadas, com prática de comparação externa e alguns resultados são consistentes e de bom desempenho. A organização busca a perfeita caracterização da gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente alguns requisitos dos critérios de avaliação, com proatividade e disseminação, havendo melhorias sendo implementadas, fruto de um trabalho sistemático que busca o alinhamento gestão ao modelo proposto. A tomada de decisão, já começa a ser feita com base nas informações estruturadas, comparadas com referenciais externos e com desempenho favorável Já é possível detectar a existência de práticas de gestão estruturadas voltadas para responder aos requisitos dos critérios de avaliação, ainda com lacunas importantes nas questões de disseminação, proatividade, aprendizado e integração. A tomada de decisão é feita parcialmente com base nas informações estruturadas e o processo de comparação com referenciais externos ainda carece de melhor estruturação Estágio muito preliminar de desenvolvimento do sistema de gestão organizacional, o que recomenda a adoção de critérios de avaliação de gestão melhor adaptados ao seu estágio de desenvolvimento. 21

23 Faixas de Pontuação Global Nível III A pontuação global da organização, de acordo com a faixa em que se enquadra, possui o seguinte significado: Faixa Pontuação Estágio da Organização A organização caracteriza-se pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente todos os requisitos dos critérios de avaliação, com expressões notáveis de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, práticas inseridas num contexto de aperfeiçoamento contínuo, algumas de grande requinte, havendo perfeita integração entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão feita com base em informações estruturadas e comparadas com referenciais pertinentes, capazes de mensurar o desempenho global e todo o valor gerado pelo esforço organizacional, o que recomenda à organização a adoção de novo parâmetro de avaliação de gestão para o reconhecimento da excelência de sua gestão. A organização caracteriza-se pela gestão estratégica possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente quase todos os requisitos dos critérios de avaliação, com expressões de proatividade e disseminação por todos os segmentos organizacionais de interesse, havendo sistemática de melhorias do sistema de gestão, com algumas práticas de requinte, integradas entre elas, com a estrutura organizacional e com os objetivos da organização. A tomada de decisão é feita com base nas informações estruturadas, com prática de comparação externa capazes de mensurar o desempenho global e quase todo o valor gerado pelo esforço organizacional A organização caracteriza-se pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente a maioria dos requisitos dos critérios de avaliação, com proatividade e disseminação, havendo sistemática de melhorias do sistema de gestão,fruto de um trabalho que busca o alinhamento gestão ao modelo proposto. A tomada de decisão é feita com base nas informações estruturadas, com prática de comparação externa capazes de mensurar o desempenho global A organização caracteriza-se pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente os requisitos mais impactantes dos critérios de avaliação, com lacunas de proatividade, disseminação, ou de aprendizado, mas demonstra solidamente a busca do alinhamento da gestão ao modelo proposto. A tomada de decisão já é feita com base em informações estruturadas, com prática de comparação externa capazes de mensurar o desempenho global A organização tenta caracterizar-se pela gestão estratégica, possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que enfocam adequadamente os requisitos mais impactantes dos critérios de avaliação, com lacunas de proatividade, disseminação, aprendizado e/ou integração, demonstrando a busca do alinhamento da gestão ao modelo proposto. A tomada de decisão, buscando mensurar o desempenho global da organização, já é feita com base em informações estruturadas e com prática de comparação externa em fase inicial A organização ainda não possui sinais de gestão estratégica; possui um conjunto de práticas de gestão de uso continuado que inicia sua adequação aos requisitos mais impactantes dos critérios de avaliação, com lacunas significativas de proatividade, disseminação, integração e/ou aprendizado. A tomada de decisão, não é feita com base em informações estruturadas e com prática de comparação externa. Estágio muito preliminar de desenvolvimento do sistema de gestão organizacional, o que recomenda a adoção de critérios de avaliação de gestão melhor adaptados ao seu estágio de desenvolvimento. 22

24 Cadastro dos Candidatos a Examinador Os candidatos interessados em atuar como Examinador devem preencher o Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador, que é parte integrante deste Regulamento, e devolvê-lo ao Instrutor do Curso de Preparação para a Banca Examinadora do PPQG. Seleção de Examinadores A seleção dos Examinadores que irão compor a Banca do PPQG é feita a partir das seguintes avaliações: Durante curso - desempenho em sala de aula (Instrutores); Educação Continuada para os examinadores que atuaram em ciclos anteriores, sem interrupção maior que 2 anos, será disponibilizado programa de capacitação continuada e para os que aderirem a participação em bancas examinadoras fica assegurado mediante avaliação favorável nas atividades realizadas e presença em reunião preparatória agendada pelo IPEG; Disponibilidade de Informações Cadastrais - histórico profissional obtido do Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador (Instituto Paulista de Excelência da Gestão IPEG). A designação formal dos Examinadores que participarão do processo de avaliação será feita pelo Instituto Paulista de Excelência da Gestão IPEG, sendo considerados os conflitos de interesses e, além disso, a quantidade de Candidatas e seus ramos de atividade. Os Examinadores se subdividem em Examinadores Seniores e Examinadores. Examinadores que nos últimos 3 anos tenham prestado serviços de consultoria em algum aspecto de gestão para candidatas concorrentes, não poderão integrar banca examinadora da organização considerada Ao preencherem e assinarem o Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador, os candidatos declaram cumprir, caso designados formalmente como membros da Banca Examinadora, as disposições do Código de Ética do PPQG, que se subdividem em Declaração de Princípios, Regras de Conduta, Regras de Confidencialidade, Regras de Conflito de Interesses e Penalidades. Obs: Somente serão selecionados os candidatos que participarem dos Cursos de Preparação ou de Atualização para a Banca Examinadora do PPQG 2015, em qualquer de suas formas, presencial ou EAD. Participação no Processo de Avaliação As Candidatas enviam ao IPEG o Relatório da Gestão (RG) em resposta a um conjunto de Itens, de acordo com o que é solicitado pelos Critérios de Avaliação do PPQG. Os integrantes da Banca Examinadora, designados para cada uma das Candidatas, analisam criticamente o Relatório, redigem os comentários de pontos fortes e oportunidades para melhoria, atribuem a pontuação individual, participam da reunião de consenso, participam da visita às instalações da Candidata, quando aplicável, e preparam o Relatório de Avaliação (RA). Avaliação de Desempenho Os membros da Banca Examinadora são avaliados da seguinte maneira: Examinador (avaliado pelo Examinador Sênior e pelo IPEG): - Capacidade de trabalhar em equipe (relacionamento interpessoal, atitude e postura); - Capacidade de expressão oral (expor idéias, conceitos, etc.); - Contribuição para a equipe (construtivo, crítico, organizado, etc.); - Capacidade de visualização global do sistema de gestão da Candidata, e; - Capacidade de planejamento e preparação prévia das tarefas. Examinador Sênior (avaliado pelos examinadores e pelo IPEG): - Todos os atributos mencionados para o Examinador; - Liderança e condução da equipe, e; - Resultado final do trabalho de equipe (qualidade e prazo de entrega do RA e devolução da documentação RG, e outros). Disponibilidade de Tempo Para atender ao treinamento e ao processo de avaliação, os profissionais devem ter disponibilidade de tempo. Processo de Avaliação Análise crítica individual + Consenso Visita às instalações e RA final Tempo Estimado Examinador Examinador Sênior 50 horas 70 horas 3 a 4 dias 3 a 5 dias O tempo estimado para a execução dos trabalhos é mostrado na tabela acima. Os profissionais não receberão qualquer remuneração, sendo apenas ressarcidos das despesas ocorridas quando da sua participação no processo de avaliação. Contudo, além de reforçar o networking, o profissional e seu empregador receberão como retorno o reconhecimento e a oportunidade de atualização dos seus conhecimentos através do contato com os Critérios de Avaliação do PPQG e com os sistemas de gestão das melhores organizações do Estado de São Paulo. 23

25 Perfil Ideal dos Examinadores do PPQG Definimos, a seguir, o perfil ideal do Examinador do PPQG: Experiência de trabalho de pelo menos 5 anos, ou formação na área de Administração de Empresas; A formação superior é desejada, mas não obrigatória, pois a falta de escolaridade pode ser complementada por experiência de trabalho; Participação em cursos sobre ferramentas de gestão, em particular sobre auditorias da qualidade ou sobre avaliação de fornecedores, é altamente desejável. Cursos sobre prêmios da qualidade, no país ou no exterior, são certamente pontos altamente positivos. A atuação como instrutor de tais cursos é sem dúvida muito relevante; Experiência em Organizações que possuam sistemas avançados de gestão é altamente desejável; Experiência prática em auditorias da qualidade é altamente favorável ao candidato; Publicação ou apresentação de trabalhos técnicos sobre gestão, qualidade ou assuntos correlatos é um fator significativo; Ser certificado por Organização reconhecida (CQE- ASQ, Lead Assessor, etc.) também conta pontos positivos; Facilidade de comunicação oral e escrita; Bom relacionamento interpessoal; Conhecimento básico sobre informática (ambiente Windows) é condição necessária. 1. Dados Pessoais Preencher o nome por extenso. Se o campo for insuficiente, colocar apenas a inicial seguida de ponto em um ou mais nomes intermediários. Preencher os campos com o n do CPF e o n do RG. Fornecer o endereço residencial completo para correspondência, telefone, fax, celular e Dados Comerciais Preencher o nome e o ramo de atividade da organização onde esteja trabalhando atualmente. No caso de profissionais autônomos, lançar as palavras profissional autônomo. Informar a cidade onde está localizada a organização, o cargo e o setor onde atua, telefone, fax e comercial. 3. Formação Assinalar as opções que representam o seu nível de escolaridade e experiência como Professor / Instrutor, formação / graduação básica e suas áreas de atuação = Engenharia, Administração, Qualidade, Meio Ambiente, etc. 4. Participação em Processo de Premiação Assinalar as opções que representam a sua experiência em processos de premiação. Informar o ciclo / data de atuação no processo e da realização do curso. Se você estiver disposto a fornecer seu tempo, energia e entusiasmo para esse relevante processo, encaminhe o Formulário para Cadastro de Examinadores do PPQG. 5. Motivação Apresentar as razões pelas quais está se candidatando a Examinador do PPQG e porque se julga qualificado para tal. Instruções para preenchimento do Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador do PPQG Todos os candidatos a Examinador devem ser cadastrados no IPEG. O cadastramento implica na concordância com o Código de Ética, bem como em assumir o compromisso de participar do Processo de Avaliação como voluntário, sem perceber qualquer tipo de remuneração. Estes são os dados preliminares para a manifestação de interesse em atuar como Examinador do PPQG. Entretanto, o IPEG poderá solicitar posteriormente outros dados para detalhamento de sua experiência profissional, referências pessoais, informações para reembolso de despesas decorrentes do processo de avaliação, conflitos de interesses, fotografia e declarações. 24

26 Formulário para Cadastro de Candidato a Examinador do PPQG Dados Pessoais Nome* CPF* RG* Data de Nascimento* Endereço residencial* Número* Complemento* Bairro* Cidade* CEP* UF* Telefone Residencial* Fax Celular * 2. Dados Comerciais Nome da Organização* Ramo de Atividade Endereço Comercial Número Complemento CEP Cidade UF Cargo / Setor: Telefone Fax 3. Formação Nível Médio Mestrado Nível Superior - Graduação Doutorado Pós-Graduação Professor / Instrutor Graduação / Área: 4. Participação em processos de premiação PNQ/Ciclo(s): Curso(s) PNQ/Ano(s): PQGF/Ciclo(s): PPQG/Ciclo(s): Curso(s) PQGF/Ano(s): Curso(s) PPQG/Ano(s): Outros Prêmios/Especificar/Ciclo(s): 5. Motivação (Apresentar os motivos que o levaram a candidatar-se a Examinador do PPQG) Obs.: O preenchimento dos campos contendo * é obrigatório. Outras informações necessárias serão solicitadas posteriormente pelo IPEG. Concordo em cumprir com os princípios e regras de conduta do Código de Ética da Banca Examinadora e em assumir o compromisso de participar do Processo de Avaliação, salvo venha a ocorrer um motivo excepcional e de força maior, sem receber qualquer tipo de remuneração. Local e Data Assinatura O cadastro, em anexo, deve ser entregue ao Instrutor no último dia do curso ou deve ser enviado para: IPEG - Instituto Paulista de Excelência da Gestão Rua Leôncio de Carvalho, 306 conjunto 22 Paraíso São Paulo SP Fone: (011) Fax: (011)

27 Mérito em Gestão do Conhecimento e Inovação GCI 14. Mérito em GCI Objetivo do Mérito em GCI Este documento tem por objetivo apresentar regras e diretrizes às organizações interessadas em participar da avaliação de Práticas de Gestão do Conhecimento e Inovação (Mérito em GCI). Entende-se por Gestão do Conhecimento: A gestão intencional dos processos de identificar ou mapear, criar, adquirir, proteger, organizar, utilizar, aplicar, compartilhar, descartar e reformular conhecimento em produtos, serviços, processos, métodos e ações de uma organização para a geração sistêmica de memória, inteligência coletiva e inovação colaborativa, aumentando a capacidade de reestruturação contínua de sua natureza, renovando e mantendo persistentemente sua vantagem competitiva Propósitos do Mérito em GCI Esse reconhecimento tem por objetivo captar boas práticas desenvolvidas nas organizações sediadas em São Paulo e que estejam relacionadas com processos de gestão do conhecimento e inovação para depois disseminá-las como práticas exemplares, por meio de seminário de melhores práticas do ciclo de premiação, da disponibilização do acervo de práticas exemplares no site do IPEG e da publicação dos artigos técnicos em revista anual específica sobre o assunto. A candidatura de uma prática é feita por meio de um Artigo Técnico que relate o funcionamento da prática de gestão do conhecimento e inovação, juntamente com os resultados decorrentes da sua implantação. A prática deve abranger uma ou mais etapas do processo gerencial de gestão do conhecimento e inovação, ou seja: a) Identificação; b) Criação / Aquisição; c) Proteção; d) Organização; e) Utilização / Aplicação; f) Compartilhamento, disseminação; g) Descarte / Reformulação. A participação nesta recém-criada avaliação pode ser importante para as organizações que não estão preparadas para a candidatura ao Nível I do PPQG com o sistema de gestão completo, mas que tenham obtido resultados positivos em decorrência de suas práticas de gestão do conhecimento e inovação, dando a oportunidade para que seus esforços sejam divulgados e reconhecidos. Essa avaliação também pode interessar a uma organização que não seja elegível, ou cuja recandidatura ao PPQG não seja viável no momento, mas que deseje buscar o reconhecimento externo de seus processos gerenciais relativos ao conhecimento e à inovação Elegibilidade ao Mérito em GCI A participação no Mérito GCI independe da premiação ou não em algum nível do PPQG, ou mesmo de estar participando do ciclo atual ou ter participado em ciclos anteriores, respeitadas as condições de elegibilidade estabelecidas neste regulamento. Se a organização candidata, responsável pelo desenvolvimento da prática de gestão do conhecimento e inovação, for um setor, departamento, divisão, área, grupo ou assemelhado e não tiver condições de ser enquadrada como uma unidade autônoma, será considerada candidata a empresa controladora desse setor, departamento, divisão, área, grupo ou assemelhado. Não há limites de quantidades de inscrições de práticas de gestão do conhecimento e inovação por organização candidata. Não são elegíveis as práticas relativas a idéias, soluções técnicas, melhorias ou inovações em produtos, processos produtivos operacionais ou de apoio. A avaliação se refere à sistemática gerencial, e não à solução técnica que ela emprega Reconhecimento à Vencedora e às Finalistas O reconhecimento com o Mérito em GCI possibilita premiar uma prática de gestão do conhecimento e inovação de uma organização que se destaca dentre um grupo seleto de finalistas. O quadro 1 apresenta os tipos de reconhecimentos oferecidos às organizações que se destacarem no ciclo de premiação. Colocação Vencedora no Seminário de Melhores Práticas Finalista no Seminário de Melhores Práticas Quadro 1 Mérito em GCI Inscrição ao Mérito em GCI Reconhecimento Medalha de Mérito para a Melhor Prática de Gestão do Conhecimento e Inovação do ciclo de premiação Placa de Reconhecimento como Prática Exemplar de Gestão do Conhecimento e Inovação do ciclo de premiação As candidatas ao Mérito em GCI devem inscrever cada prática de gestão considerada elegível, no prazo estabelecido no Cronograma do Ciclo do PPQG 2015, por meio da remessa por de arquivos eletrônicos no formato PDF, contendo: Folha de Identificação da Candidata, incluindo a Declaração de Idoneidade; Comprovante de pagamento da taxa de inscrição; Artigo Técnico correspondente à prática de gestão do conhecimento e inovação. A mensagem da remessa dos arquivos deve ser assinada pelo principal responsável da organização candidata. 26

28 14.6. Taxa de inscrição ao Mérito em GCI A taxa de inscrição de cada prática de gestão do conhecimento e inovação candidata ao Mérito em GCI é de R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais) e deverá ser paga por intermédio de depósito ou transferência bancária em favor de: IPEG - Instituto Paulista de Excelência da Gestão Banco do Brasil (001) Agência Conta Corrente CNPJ / A taxa de inscrição também dá direito à participação de duas pessoas da candidata no Workshop de Boas Práticas de GCI, a ser realizado pelas finalistas para a escolha da vencedora da Medalha de Mérito em GCI Especificações para Elaboração do Artigo Técnico A prática de gestão do conhecimento e inovação deve ser apresentada sob a forma de um Artigo Técnico, de acordo com as seguintes especificações: Folha de Identificação da Candidata: Razão Social da Candidata. Endereço completo. Número de funcionários. Organização pública ou privada a qual a candidata está vinculada. Segmento de atuação da candidata. Principais Produtos / Serviços. Declaração de Idoneidade assinada pelo principal responsável, de acordo com o seguinte modelo: DECLARAÇÃO DE IDONEIDADE A (nome da organização candidata), por seu responsável principal abaixo assinado, declara, para os fins de direito, que são verídicas as informações apresentadas neste artigo técnico, não tendo sido omitidos resultados adversos em relação aos clientes, ao setor de atividades, à força de trabalho, à comunidade, à sociedade e ao meio ambiente. (nome e cargo) (local e data) Formatação do Artigo Técnico: Tamanho do papel: A4 (29,7cm x 21 cm) Margem superior: 3 cm Margem inferior: 2 cm Margem esquerda: 3 cm Margem direita: 2 cm Configuração de textos: Word for Windows 7 ou posterior Fonte: Para texto Arial 10 e para figuras, gráficos e tabelas Arial 8. Espaçamento entre linhas: simples Espaçamento entre caracteres: normal Número de páginas: mínimo de 10 (dez), máximo de 15 (quinze), incluindo as Referências Bibliográficas. Não serão aceitas cópias de fitas de áudio ou vídeo, catálogos ou folhetos, ou quaisquer outras informações não especificadas neste regulamento. Serão aceitos trabalhos submetidos apenas em Língua Portuguesa. Conteúdo do Artigo Técnico: Título da Prática - Arial 12 (Negrito), alinhamento centralizado Etapa do Processo de Gestão do Conhecimento e Inovação Arial 10, alinhamento centralizado. Identifique as etapas contempladas pela prática em questão: (a)identificação; (b)criação/aquisição; (c)proteção; (d)organização; (e)utilização/aplicação; (f)compartilhamento; (g)descarte/reformulação. Autor(es) do Artigo - Arial 10 (Normal), nome completo sem abreviações, cargo na organização candidata, , alinhamento centralizado. Resumo um único parágrafo, alinhamento justificado, em espaço simples. Deve abordar brevemente cada capítulo. Limite de no máximo 450 palavras. (Norma ABNT Resumos). Palavras-chave de três (3) a cinco (5) palavras que representem o conteúdo do trabalho. Introdução / Contextualização contendo a data e os motivos que levaram à implantação da prática, ou seja, alinhamento estratégico, exigência de alguma certificação, melhoria de processo, demanda de alguma parte interessada, iniciativa pessoal, etc. Descrever brevemente a estrutura organizacional da empresa (organograma) e outras formas de liderança existentes na organização, bem como algumas características que demonstrem a existência de uma cultura voltada à valorização do conhecimento e da inovação. Descrição da Prática de Gestão do Conhecimento e Inovação Descrever o processo (conjunto de atividades com sequência definida, executadas por pessoas de diferentes funções e localidades), apresentando o alinhamento com alguma diretriz estratégica ou com o plano de negócios; a aplicação da prática em toda a organização ou em alguma(s) área(s) em particular. Informar o responsável pela execução da prática. Tratando-se de uma área dentro da organização, descrever sua estrutura e objetivos. Informar se existem recursos humanos e/ou financeiros alocados para a execução da prática. Descrever os treinamentos específicos para que as pessoas possam executar a prática. Informar se existe infraestrutura disponível para suporte à execução. Descrever se a prática está alicerçada em outras práticas / processos gerenciais, do negócio ou de apoio. Descrever como e quando foi implantada / institucionalizada, como é acompanhada / monitorada. Informar se existem métricas de acompanhamento e descrever quais são e como são coletadas. Informar se já foram feitas melhorias / inovações na execução e em que elas consistiram. 27

29 Resultados Obtidos / Benefícios - Descrever os resultados qualitativos / quantitativos e alguns benefícios que a prática trouxe para a organização. Apresentar as métricas e o quadro evolutivo dos indicadores de desempenho, mostrando dados históricos de pelo menos três ciclos e algum tipo de informação comparativa para ser utilizada como referência. Os resultados devem ser relevantes, favoráveis, obtidos em decorrência da utilização da prática, expressos quantitativamente por meio de indicadores de desempenho e possibilitando a avaliação de tendências (série histórica). Se o resultado apresentado não decorrer exclusivamente da prática, justificar a correlação existente com esta. Esses resultados podem ser estimados ou preliminares e devem ser apresentados na sua forma definitiva por ocasião da inscrição da candidata. Não são considerados elegíveis os artigos técnicos que não apresentem resultados ou benefícios. Lições Aprendidas / Cuidados Identificar o aprendizado gerado a partir da implantação e execução da prática. Identificar fatos que facilitaram ou dificultaram a implantação e execução da prática. Informar quais e como os problemas foram solucionados. Descrever algumas recomendações que possam ajudar outras organizações a replicarem a prática. Referências Bibliográficas utilizar como apoio as normas da ABNT em uso: NBR 6023 de ago/2002; NBR 10520:2002; NBR 6022:2003, por exemplo: Artigo de periódico TOURINHO NETO, F. C. Dano ambiental. Consulex, Brasília, DF, ano 1, n. 1, p , fev Documentos em meio eletrônico BELLATO, M. A.; FONTANA, D. C. El nino e a agricultura da região Sul do Brasil. Disponível em:< Acesso em: 6 abr Livros HARBONE, J. B. Introduction to ecological biochemistry. 3. ed. 382p. London: Academic Press, Capítulos de livros ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, G.; SCHMIDT, J. (Orgs.). História dos jovens 2: a época contemporânea. p São Paulo: Companhia das Letras, Processo de Avaliação das Práticas As práticas elegíveis de GCI serão avaliadas de acordo com o seguinte processo: 1. Dois avaliadores especialistas em Gestão do Conhecimento e Inovação, designados pelo Instituto Paulista de Excelência em Gestão (IPEG), com o aval da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento (SBGC), recebem os Artigos Técnicos para avaliação e determinação de pontuação dos fatores considerados nos critérios de premiação, estabelecendo as candidatas classificadas como finalistas ao Mérito em GCI. 2. Em caso de dúvidas os avaliadores poderão contatar as candidatas para maiores esclarecimentos e fornecimento de informações por telefone, , ou ainda, em caso extremo e autorizado pelo IPEG, em visita as instalações. As candidatas com práticas de gestão e resultados que não puderem ser comprovados nessas consultas serão consideradas inelegíveis. 3. O IPEG consolida os dados das avaliações e informa às candidatas as práticas selecionadas para serem apresentadas ao público e à banca de juízes durante o Workshop de Boas Práticas de GCI. 4. Todas as práticas de gestão do conhecimento e inovação selecionadas para apresentação oral durante o Workshop serão consideradas finalistas e receberão uma placa de reconhecimento. As candidatas que não apresentarem seu Artigo Técnico durante o Workshop não poderão ser aclamadas finalistas ou vencedoras por parte dos juízes. 5. Durante o Workshop de Boas Práticas de GCI cada candidata terá vinte (20) minutos para apresentar seu Artigo Técnico e mais dez (10) minutos para responder perguntas dos juízes e dos participantes, conforme programação a ser elaborada com antecedência pelo IPEG. 6. Os juízes finalizarão suas pontuações relativas às apresentações das práticas e deliberarão sobre a prática de gestão vencedora do Mérito em GCI, registrando o resultado em Ata de Reunião da Banca de Juízes. 7. A vencedora receberá a Medalha de Mérito em Gestão do Conhecimento e Inovação durante a cerimônia de entrega do PPQG Cronograma do Processo de Avaliação 1. Treinamento de Avaliadores e Juízes a) Maio de 2015; 2. Preparação e remessa eletrônica dos documentos para candidatura ao Mérito em GCI a) Até 10 de Junho de 2015; 3. Avaliação dos Artigos Técnicos, Seleção das Finalistas e Divulgação do Programa do Workshop de Boas Práticas de GCI a) Até 30 de Junho de 2015; 4. Preparação da apresentação dos Artigos Técnicos e envio ao IPEG a) Até 10 de Julho de 2015; 5. Workshop de Boas Práticas de GCI Apresentação dos Artigos Técnicos selecionados a) Entre 27 de Julho e 14 de Agosto de 2015; 6. Reunião de juízes e seleção da Vencedora e das Finalistas do Mérito em GCI a) Agosto de 2015; 7. Anúncio das Finalistas e da Vencedora da Medalha de Mérito em GCI na cerimônia de entrega do PPQG 2015 a) Outubro de

30 Declaração de Direito Autoral Os autores dos Artigos Técnicos e suas respectivas organizações participantes do Mérito em GCI e do Workshop de Boas Práticas de GCI concordam com os seguintes termos: a) Os autores mantêm os direitos autorais sobre o trabalho, permitindo ao IPEG colocá-lo sob uma licença (Creative Commons) que permite livremente a outros acessar, usar e compartilhar o trabalho por meio eletrônico ou de publicações impressas com o crédito de autoria e apresentação inicial neste evento. b) Os autores podem abrir mão dos termos da licença CC e definir contratos adicionais para a distribuição não-exclusiva e subsequente publicação deste trabalho (ex.: publicar uma versão revisada e atualizada em um periódico, disponibilizar em repositório institucional, ou publicá-lo em livro), com o crédito de autoria e apresentação inicial neste evento. c) Além disso, os autores são incentivados a publicar e compartilhar seus trabalhos online (ex.: em repositório institucional ou em sua página pessoal) a qualquer momento, independente do período do evento Critérios de Avaliação das Práticas de Gestão do Conhecimento e Inovação Os avaliadores especialistas em Gestão do Conhecimento e Inovação e os juízes da banca selecionarão os melhores trabalhos de acordo com critérios gerais como: adequação ao tema; ineditismo; consistência técnica e metodológica; coerência entre a definição dos objetivos e os resultados e conclusões; clareza na redação e organização do texto. No entanto, as práticas de gestão do conhecimento e inovação podem ser identificadas como um conjunto de atividades que executam uma ou várias fases do ciclo do conhecimento, a saber: Identificação Este processo consiste em mapear, identificar e avaliar conhecimentos essenciais, críticos e relevantes ao negócio ou a natureza da organização, e também pode ser aplicado numa área, num departamento ou numa diretoria; Proteção Este processo considera a garantia da perpetuação do conhecimento a partir da gestão de bancos de bancos de informação e da gestão da propriedade intelectual e intangíveis. A preocupação com o acesso a este conhecimento também aplicase a este processo, assim como o compartilhamento com colaboradores estratégicos; Organização Este processo consiste em formalizar o conhecimento convertendo-o de tácito para explícito, decidir para quais objetivos do negócio o conhecimento deve ser organizado e codificado, categorizar e estabelecer padrões facilitanto o acesso, interpretação e utilização; Utilização / Aplicação Aplicar e utilizar o conhecimento consiste no processo de melhorar ou inovar processos, serviços, produtos, métodos e ações, mantendo e criando fatores competitivos. Buscar arquivos e pessoas que forneçam informações e experiências para o uso deste conhecimento em um contexto semelhante ou interrelacionado; Compartilhamento O compartilhamento do conhecimento, reside na ação de partilha do conhecimento tácito de um indivíduo para outro ou entre indivíduos, este pode ser promovido por meio de ação de diálogos e técnicas conversacionais não hierárquicas aplicadas a grupos. Segundo Weber as conversas são o modo como os trabalhadores do conhecimento descobrem aquilo que sabem, partilham-no com seus colegas e nesse sentido criam novo conhecimento para a organização; Disseminação Disponibilizar, comunicar e garantir acesso das pessoas ao conhecimento explícito organizado e codificado; Descarte Descartar conhecimento consiste no processo de classificar quais conhecimentos não se enquadram mais como crítico, essencial ou relevante para a organização, tomando ações de disseminar para toda a organização possibilitando uma emersão diferente ou comercializados em forma de roylates por meio das patentes. Só é possível o entendimento de como uma prática de gestão é executada quando existe uma clara visão dos motivos para sua implantação, do contexto onde ela está inserida, do seu padrão de trabalho, da forma de acompanhamento da execução e dos resultados esperados / obtidos na aplicação da mesma. Criação Este processo reside na distinção e relação entre conhecimento tácito e explícito, sendo estes complementares. Utilizar a criatividade, colaboração, métodos científicos, experimentação e/ou estudo para desenvolver e consolidar conhecimentos; Aquisição Em casos de conhecimentos existentes no mercado, uma organização pode adquirir estes conhecimentos por meio da compra perante outras organização ou pela contratação de especialistas que detenham este know how; 29

31 Considerando-se o modelo de excelência adotado pelo IPEG e os fatores de pontuação de processos gerenciais (enfoque, aplicação, aprendizado e integração) e de resultados (relevância, tendência e nível atual de desempenho), as práticas de gestão e seus resultados serão avaliados de acordo com a seguinte tabela: Pontuação Enfoque (Adequação e Proatividade) Aplicação (Disseminação e Continuidade) Aprendizado (Refinamento e Inovação) Integração (Coerência, Interrelacionamento e Cooperação) Resultados e Benefícios (Relevância, Tendência e Nível Atual) Apresentação Pública (Qualidade, Pontualidade e Ritmo) Não foi apresentado o funcionamento da prática de gestão Não permite avaliar a disseminação ou a continuidade Não foram apresentadas lições aprendidas Prática de gestão incoerente com as estratégias da organização Resultados não apresentados, benefícios irrelevantes ou não apresentados Não houve apresentação / incompatível com o evento A descrição não permite entender o funcionamento da prática de gestão, sem padrões de trabalho Prática com descontinuidade ou em estágios iniciais de aplicação Prática de gestão melhorada de forma esporádica Prática de gestão coerente com as estratégias, mas não relacionada com outras práticas Resultados relevantes, sem tendência favorável, sem referencial comparativo e benefícios irrelevantes Apresentação confusa, lenta e extrapolou o tempo MÉDIA GERAL DA PRÁTICA DE GCI Prática de gestão reativa, com padrões que asseguram repetibilidade, mas não controlados Lacunas na disseminação e na continuidade da prática Prática de gestão apresenta refinamentos de forma sistêmica Prática de gestão coerente com as estratégias e relacionada com outras práticas Resultados relevantes, tendência favorável, sem referencial comparativo e benefícios relevantes Apresentação relativamente clara, lenta e extrapolou o tempo Prática de gestão adequada e com padrões que asseguram repetibilidade, mas não controlados Disseminada nas principais áreas e com uso continuado Prática de gestão proveniente de inovação esporádica Prática de gestão coerente com as estratégias, relacionada com outras práticas e cooperando com outras áreas da organização Resultados relevantes decorrentes da prática, tendência favorável e benefícios relevantes Apresentação relativamente clara, ritmo adequado e no tempo previsto Prática de gestão adequada, proativa e com padrões que asseguram repetibilidade e sob controle Totalmente disseminada e com uso continuado Prática de gestão inovadora e decorrente do sistema de aprendizado organizacional Prática de gestão coerente com as estratégias, relacionada com outras práticas, que coopera com outras áreas da organização e replicável em outras organizações Resultados relevantes decorrentes da prática, tendência favorável, desempenho em nível superior e benefícios muito relevantes Apresentação muito clara e didática, num ritmo adequado e no tempo previsto 30

32 Identidade do Instituto Paulista de Excelência da Gestão MISSÃO Contribuir com as organizações públicas e privadas que atuam em São Paulo na jornada para a excelência da gestão, promovendo a melhoria da qualidade de vida das pessoas, o desenvolvimento sustentável das organizações e o aumento da competitividade do Estado e do País. VISÃO Ser reconhecido nacionalmente pela excelência dos serviços prestados, disseminação do conhecimento sobre gestão organizacional e contribuição para a melhoria do desempenho das organizações. Integridade VALORES A atitude ética perante as partes interessadas é fundamental para a preservação da credibilidade conquistada pela Instituição. Pioneirismo A inovação tecnológica e o compartilhamento do conhecimento em gestão sustentam a posição de vanguarda da Instituição. Excelência A legitimação das convicções decorre da aplicação dos fundamentos da excelência em todas as atividades da Instituição. Ganho A perpetuidade da Instituição depende da percepção dos associados, clientes, parceiros e colaboradores do valor dos serviços prestados. 31

33 15. Código de Ética da Banca Examinadora e de Colaboradores do IPEG Declaração de Princípios Os membros da Banca Examinadora do Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão PPQG, e os colaboradores, sócios, parceiros, patrocinadores, contratados e voluntários do Instituto Paulista de Excelência da Gestão IPEG, se comprometem a manter princípios éticos no cumprimento de suas atribuições, a prestar serviços de elevado padrão profissional, levando em consideração a honestidade, a dignidade, a veracidade, a exatidão, a imparcialidade e a responsabilidade perante a sociedade, bem como a se empenhar no aperfeiçoamento de suas habilidades e competências, colaborando para o aumento de prestígio do IPEG e da credibilidade do PPQG. Regras de Conduta É rigorosamente vedado: - Aceitar honorários, comissão ou atenções pessoais que representem valor de candidatas atuais ou de anos anteriores, que possam de alguma maneira gerar suspeitas quanto à integridade do processo de premiação; - Oferecer serviços de consultoria ou qualquer tipo de assessoramento, para candidatas que tenha avaliado, por pelo menos dois anos após o ciclo de premiação; - Usar informações privilegiadas decorrentes do processo de avaliação ou de julgamento, como forma de obter vantagens pessoais ou de oferecer serviços profissionais; - Utilizar ou reproduzir, em benefício próprio, para fins comerciais ou de recebimento de vantagens diretas ou indiretas sem prévia autorização, quaisquer materiais, cursos ou publicações de propriedade do IPEG; - Falar, apresentar-se ou executar qualquer atividade em nome do IPEG, sem estar devidamente autorizado para tal; - Comunicar-se com as candidatas solicitando documentação, informações ou esclarecimentos sobre o relatório da gestão, o planejamento da visita ou quaisquer outros assuntos relativos ao processo de premiação, sem autorização prévia dos responsáveis no IPEG; - Usar a logomarca do PPQG ou do IPEG como identificação de sua condição de examinador ou juiz, assim como a colocação em seu cartão profissional; - Identificar-se como examinador ou juiz sem que tenha participado efetivamente da análise de candidata daquele ciclo ou sem informar o ano em que isto ocorreu, ou seja: Examinador, ou Examinador Sênior, ou Juiz - Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão ciclo Regras de Confidencialidade Os membros da Banca Examinadora e os colaboradores, sócios, parceiros, patrocinadores, contratados e voluntários do IPEG se obrigam a tomar as seguintes precauções, com o objetivo de manter a confidencialidade de informações obtidas em atividades do IPEG, sejam elas dos processos de avaliação, de prestação de serviços, administrativas e nos cursos ministrados pelo IPEG: - Salvaguardar as informações recebidas durante os cursos do IPEG, os processos de avaliação e julgamento, relativas às candidatas atuais ou de ciclos anteriores, evitando discuti-las até mesmo com familiares, pessoas de seu relacionamento, outros examinadores e colegas de profissão, exceto quando esta troca de informações fizer parte do processo de avaliação, ou julgamento; - Nunca revelar o nome das candidatas atuais ou de ciclos anteriores, nem mesmo revelar sua identidade de alguma outra forma indireta; - Não reproduzir ou divulgar as informações do relatório da gestão ou de qualquer outro documento utilizado nos cursos, no processo de avaliação, na prestação de serviços ou de julgamento das candidatas; - Não revelar a outros membros da Banca Examinadora, às candidatas ou ao IPEG, seja durante as atividades de treinamento, de avaliação ou de julgamento, sua condição de consultor ou sua participação na preparação de uma Candidata. Regras sobre Conflito de Interesses Os membros da Banca Examinadora se obrigam a manifestar a condição de conflito de interesses sempre que fatores objetivos ou subjetivos (estreito relacionamento, experiências passadas ou preconceitos em relação à candidata) os impedirem de avaliar ou julgar de maneira independente e imparcial, ou puderem prejudicar a imagem do IPEG ou do processo de premiação. Dentre os fatores objetivos são claramente definidos três níveis de conflito de interesses no processo de avaliação e julgamento: - Relacionamento Direto, quando o examinador ou juiz possui um vínculo empregatício ou profissional com a candidata, ou com um fornecedor ou cliente importante para a candidata. Inclui-se neste nível a existência de relacionamento familiar (parentes de primeiro grau), pessoal e social com funcionários da candidata; - Propriedade Significativa, quando uma parte importante dos bens pessoais do examinador ou juiz é, ou possa vir a ser, influenciada pela candidata, incluindo-se neste nível a participação acionária; - Concorrência, quando o examinador ou juiz está diretamente envolvido com concorrentes da candidata, através de relações de trabalho, de posse de ações ou de outros interesses. Penalidades A desobediência às regras e aos princípios aqui estabelecidos implicará na exclusão da Banca Examinadora e em penalizações previstas na legislação que regulamenta a atuação como colaborador, contratado ou voluntário, do IPEG. Este documento se baseia no Código de Ética da Banca Examinadora do Prêmio Nacional da Qualidade, elaborado pela FNQ. 32

34 16. Voluntários da Banca Examinadora desde 2001 VOLUNTÁRIOS / Acácio Geraldo Wendling César Adaína da Silva Rosa Vieira Adauto Aparecido Garbo Ademir Shizuo Namba SR Adilson Fernando Ferreira Adriano Vieira Braz SR Alessandra Mortada de Castro SR Alexandra Catanhede Marques Alexandre Campos Smânio Alexandre Carrasco SR SR Alexandre de Oliveira Rigazzo SR Alexandre Gaeta Marinho Sathler Alexandre Ruiz Freitas SR SR SR SR SR Alexandre Schuermann de Proença Alexandros Antonio Iksilara Aline Lemos Silva Aline Pereira da Silva Alípio Teixeira dos Santos Neto Alison Mazzoni Lameira Altair Lopes da Trindade Ana Andrade Ana Cacilda dos Santos Ana Lúcia Franzoni Rama Ana Lúcia Oliveira Scavassini dos Santos SR SR SR SR SR Ana Maria Federico Paranhos SR SR SR SR Ana Maria Iten SR SR SR SR SR Ana Maria Maniero Moreira Ana Paula Branco Oliveira Ana Paula Brozoski SR Ana Paula Fulco de Castro H. Costa Ana Paula Mantovani Soares Ana Rita Castillo Lopes Anderson Aparecido Barbosa SR SR SR SR SR SR SR Anderson Mariano da Silva André Luiz Daneluzzi de Souza André Luiz de Castro Villas-Boas André Luiz Zoca Andréa Martins de Souza Andrea Regina Venâncio da Silva Andreia Ayres Silva Andréia Batista Santos Anelise Brigano Luzio Angelo Di Stéfano Anivaldo José Pinto Junior Anselmo Fernandes Rizante Antonio Bonansea JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ Antonio Carlos da Silva SR Antonio Celso Hunnicut Cortada SR Antonio de Oliveira Preto SR SR SR SR SR SR Antonio João Correia Barata SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR ORIENT Antonio Miguel de Freitas Antonio Paulo de Oliveira Aparecida de Oliveira SR SR SR SR Aparecida Inês de Camargo Aparecida Inês de Carvalho Ariane Sampogna Siqueira Rodrigues Ariane Siqueira de Vilhena Santos Freitas Arilson Pinheiro Paiva Aroldo Gomes da Costa Ataliba Luiz de Almeida e Souza SR Átila Hunnicut Cortada SR SR Audrey Morbiole Berto Bárbara Mota Lombardi Beatriz Tedesco Guimarães Beatriz Vieira Santello Mendes Benedito Antonio Albiero SR Bruno Borraccia Ribeiro Bruno Cesar Febraio Bruno Martins Biancarelli Camilla Santos Merello Cândido Domingos Portela de Barros SR SR SR Carla Elisete Gonçalves Carla Marina dos Santos Soriano Barreto Carlos Alexandre de Mello 33

35 VOLUNTÁRIOS / Carlos Hermínio Tazinazzo Caroline Cristina Paoleschi Cássio José Travaim Cecilia Egami Trindade Celso Alexandro Scabello Cesar Ken Mori SR Cilene Cristina Soares SR SR SR Claudiomar Danilo da Silva Cleide Regina Rodrigues Carlos SR SR SR Clélia Malavolta de Oliveira Cleunice de Fátima Milani Hernandez Clineu dos Santos Pedroso Consuelo da Silva Lima Cristiane Massari Vargas SR SR SR Dacio Pinheiro Junior Dalton Oswaldo Buccelli SUP SR JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ Daniel Dias Castro Daniel José de Freitas Junior Daniel Zutin Daniela Bragato de Castro SR SR Danilo Alessandro de Oliveira Rodrigues Débora Torres Denise Machado Silva SR Djalmo Augusto Alves Nunes Douglas Henrique Coppa Douglas Rabelo Nascimento Douglas Ricardo Ribeiro Alves SR SR Duvivier Guethi Junior SR SUP SUP SUP Edimarques Macedo dos Santos Edna Horacio Guerra Ednalva Alves Conceição Eduardo Alves de Almeida SR SR Eduardo Henrique Lopes Chaves Eduardo Kazuo Mimori SR SR SR SR SR SR SR SR Eduardo Polezi Eduardo Roberto de Deus Eliane Romanello Marchesi Horcaio Elsimar Aparecida Barros de Oliveira SR Elton Brasil de Souza SR Elza Valquiria Stoianoff Emerson Ricardo Furlaneto Emerson Ricardo Marchi SR SR SR SR SR SR SR SR Erica Pereira Etelvina Rodrigues Nascimento Ewaldo Cristhiano Nogueira Fabiana Aparecida Silva Lima Fabiano Brigatto Fabiano de Almeida Serpa Fabio Gomes da Silva JUIZ Fábio Vargas de Mendonça Fabrício de Souza Costa Felipe Alexandre Paiva Feitosa Felipe Giovanini Alves da Silva Felipe Terror Lima Félix Ricardi SR SR SR SR SR SR SR ORIENT Fernanda Martins de Barros SR SR SR SR Fernando Ceolin Cortado Martinez Fernando Flores Catta Preta SR SR SR SR Fernando Gomiero SR Fernando Mitio Suzuki SR SR Fernando Nogueira Moreti Flavia Farias dos Santos Flávia Scatolin Vertu Francisca Adalgisa da Silva Francisco Antonio Barbieri Rabelo Frank Itinoce SR SR SR Frederico Donizete da Silva Rego Frederico Monteiro Brasil de Castro Gabriela de Almeida Moura Gabriela Natália Silva George Gustavo Salles Afonso Geralda das Neves Gilberto Issao Bueno Sekime Giselle Costa Gislene da Silva Gonçalves Giuliana Mitie kamei Lopes Giulianna Perroti Garcia Guerino Palhares Neto SR Guilhermino Domingos de Oliveira SR SR 34

36 VOLUNTÁRIOS / Helder Toschi Oliveira Hélio Serrano Brandão Junior Hellen Cristina Presence Cristófaro Helmuth Berger Neto SR Heloisa Helena Fratelli Ferraz Herik Rodrigo Facion Holder Vieira Calvão Humberto José Carmargo Filho Ianaê Antunes Mellini Igor Rodrigues Rocha Ingredi Tomadon Gaudrevicius Prescinotto Isabel Bekefi Kromek Cachapuz SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR Isabella Falce de Souza Ismar Albuquerque da Rocha SR Ivana Mara Rodrigues da Silva SR SR SR SR Ivana Vargas Di Pietro Ivone Marques da Silva Jair Francisco Gomes Júnior Jairo Galera SR Jairson da Silva Campos SR SR Janaina Mackowescki Zgoda Janaina Martins Garcia Meireles Jane do Socorro Queiroz M. dos Reis Jivago Moretto Pedra João Batista Camargo Pontes SR SR João Eduardo Abrão Arenstein SR SR SR SR SR SR ORIENT João Mário Csillag JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ João Mathias Rocha Neto Joel Barbosa de Miranda SR SR SR Jonas Antonio Pitelli Jorge Luiz da Silva José Américo Todaro Galante José Francisco Resende da Silva José Laerton de Freitas de Oliveira José Luiz Abasolo SUP SUP SUP SUP SUP SUP SUP SUP SUP José Rubens de Queiróz José Thomaz Alves Francisco SR Josiane Ribeiro de Souza Josias Paiva da Silva Jovercy Bergamaschi Junior Jovinilo Oliveira dos Santos Juliana Iten SR Juliana Missaglia Siqueira Juliana Tegacini Juliano Francisco Antonio Xavier Julio Cesar Faustino Silveira Julio Macia de Lima Torres Karina Ravasi Karina Villalba Sebalos Marques SR SR Karla Christiane Videira dos Santos SR SR Karolina Carvalho do Nascimento Katherini Arcanjo da Silva Katia Cilene Guerreiro Kátia Regina Firmino Christófalo Keli Cristina dos Santos Pereira Laércio Avileis Júnior SR SR SR SR SR SR SR Lara Cristina Silva Larissa Assoli Silva Larissa Machado Diniz Pintan Leandro da Silva Leandro Fernandes da Silva Leandro Gonçalves Silva Leonardo Alves de Castro Leonardo José Rezende Valle da Silveira Lilian Matos de Lima Fontes Lílian Xavier de Moraes Luciana Ferreira Lellis Luciana Lunardi Bustos Luciana Ramon de Góes Luis Amato Neto SR SR Luis Carlos Moretti Luis Eduardo Rodrigues de Castro Palhares Luis Henrique Crocetti Luis Palhares SR Luiz Alberto Saldanha Alves Luiz Alex Araujo Luiz Antonio Chiummo Luiz Henrique Capellano Luzimar da Silva Nivardo JUÍZ 35

37 VOLUNTÁRIOS / Magaly Rodrigues Manhães Manoel Ferreira Costa SR SR Marcel Garcia Peinado Marcela Ribeiro Pimenta Marcelo Alves Marques SR Marcelo Anseloni Da Poian Marcelo de Santana Bezerra SR SR Marcelo do Amaral Fernandes Marcelo Leandro de Souza Marcelo Peruzo Pereira Marcelo Richter Fernandez Marcelo Soares Mattar SR Márcia Adário Panico SR Márcia de Fátima Dalanholo Sturm Marcia Lapastina Marcia Rika Yamaguchi Márcio Moreira Pedersane Márcio Moreira Pinheiro Márcio Roberto Faria Márcio Takashi Yoshimura Marco Antonio Castan Marco Antonio Pereira Fenoglio Marco Antonio Romano Marco Aurelio Kohara Marcos Antonio de Oliveira Marcos Augusto de Vasconcellos JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ Marcos Milan Marcos Paulo Lallo Sartori Marcos Rogério Castro Santos Margareth Carneiro Leão Maria Adelaide Janeiro Iglesias Maria Alice Harumi Miura Toyama SR SR SR SR SR Maria Aparecida Conceição Kelm SR SR SR SR SR SR SR Maria Aparecida Dantas Maria das Graças Ferreira SR Maria do Carmo Palmeira Miliorança Maria Lucia Magalhães Maria Luzinete de Souza SR Mariana Camargo Marques Marilza de Fatima Rinaldi Marina Machado da Silva Marino Felician Bravi Mario Sergio Elias da Silva Mario Valter dos Santos Marisa Maria Ferreira de Araujo Mariza de Oliveira Carvalho Marli Katz Marta Correia de Souza Matheus Henrique Ramalho Matilde Barga dos Santos Lopes Maura Marina dos Santos Maurício Caio de Carvalho Loyolla SR SR SR SR SR JUIZ Max Scheler Coelho Costa SR Maxilene Cristina da Rocha Michael Breslin Michele Tadzia de Oliveira Reis Michelle Karine Vieira Pereira SR Milton Belchior de Souza Jr. Moacir Mathias do Nascimento Monica M Simionatto SR Mônica Moraes Pessoa Natália Roldan Bertucci Nilson César Pereira Nobel Matsubara SR SR SR SR SR SR SR Odirlei Garcia do Nascimento Osmar Caramori SR SR SR Osny Henrique Caldeira Osvaldo Di Lorenzo Júnior SR SR SR SR SR SR SR SR Osvando Aparecido Lopes Otávio Moraes Portugal Paschoal Fortunato Patrícia Carvalho D Arruda Patrícia Lannes Verly Patricia Marques Pereira Silva Patrícia Sayuri Sekiguchi SR Patrícia Verdolin Benedito Paulo César Franco Paulo Levy de Souza Rodrigues Pedro Ivo de Souza Paioti 36

38 VOLUNTÁRIOS / Pedro Luís Rodrigues Pedro Luiz Oliveira Costa Neto JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ Pedro Siqueira Lopes Muniz Priscila de Paula Diez Rey Rafael de Miranda Santana Rafael Fernandes Ayres Fonseca Rafael Pereira Borghi Rafael Scucuglia SR Raquel França Ferreira Mendes Raquel Gonçalves Camargo Souza Raul Griffo dos Santos Regiane Azevedo Silva Regina de Barros Regina Mei Silveira Onofre SR Reginaldo Ferreira Lobo Renata A. Dias de Oliveira Renata Percílio do Nascimento Renato Aldarvis SR SR SR SR SR GTec GTec GTec SUP Renato Bernardi de Carvalho Renato Ciccarelli Marcondes SR SR SR SR Ricardo André Frutuoso Figueiredo Ricardo Camellini de Castro SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR Ricardo Fernandes Ricardo Férre Lacerda Ferreira Ricardo Guarienti SR SR SR SR Ricardo Junior Oliveira Ricardo Machado JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ JUIZ Ricardo Mutuzoc SR SR SR SR SR SR SR SR SR Ricardo Rodrigues SR Richardson Ritter Grejo Roberson Santos de Oliveira Roberto Abrahamsson SR SR SR Roberto Muriano Roberval Tavares de Souza SR SR SR SR SR SR Robson Dias Pereira Rodrigo André Baptista Antoniolli Rodrigo Antonio Dias Rodrigo da Silva Calderoni Rodrigo Gibbin Marconi Rodrigo Molinari Rogério Alves de Lima Rosalina Camilot Alves de Lima Rosana Shinzato Sakimoto Rosangela da Costa Moraes Rosely Maria Gaeta Goeckler SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR Rosilane Alves Costa Sant anna SR SR Sabrina Moraes Berenguer de Matos Sadi Fernando Stamborowski Samanta Ivonete Salvador Oliveira Sandra Adriana Mussoi Sandra Cristina Barreto Sandra Helena Daniel Sandra Otranto Tardelli Canedo Sandra Regina da Cruz Sandro Rodrigo Corrêa SR SR Sávio Capelossi Filho SR SR SR SR SR Sérgio Bonfá SR Sheila Cristian Blanco Degello SR Sidney Motta SR SR SR Sílvio Olivo SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR Silvio Roberto Tassinari Silvio Rogério Franco Caraça Simone Guimarães Oliveira Solange Giuliano de Souza Solimar Ferrari Sonia Aparecida Moro SR SR SR Sonia Maria Moura da Silva Sueli Lopes Moreli Sueli Vilas Boas da Silva Tamara Cristine de Andrade Rosa Marçal Tatiana Garcia Beato Tatiana Pelinson de Oliveira Dantas Telma de Aguiar Ferrari Thales Borges Amaral Thelma Sayuri Watanabe Castellanos Thiago Moreno Franco Vagner Custódio Cerqueira Campos Valderez Luci Moreira Vieira Soares Valéria Feitosa de Moura 37

39 VOLUNTÁRIOS / Valéria Mariano Batista Albuquerque Valmir Martins SR SR SR SR Valmir Robson Benedito Vanderlei da Silva Vanessa Érica da Silva Vanessa Mastrodomenico Batista Vanessa Pessôa Vanessa Toledo Faria Araújo Vânia Cristina Ficker Pioltine Murari Vera Lígia de Jesus Verônica Lima C. Ferreira Viviane Aparecida de Moura Wagner José de Oliveira Wagner Lourenço do Rosário SR SR SR SR SR SR SR SR SR SR Wagner Paulo Augusto de Oliveira SR SR SR SR SR Wagner Roberto Padilha Welinton Fernando Benga SR SR SR SR SR Wendel Fidelis Correa Whérika Silva de Jesus Wilier Sciaca Yara Nacandacare dos Santos 38

40 17. Organizações Reconhecidas no Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão - Por Ciclo - Desde 2001 NIVEL I NIVEL II NIVEL III Reconhecida PNQ EMPRESAS / ORG Troféu Diploma Placa Bronze Prata Ouro Governador do Finalista Premiada Estado (1) ÁGUAS DE LIMEIRA AES ELETROPAULO AES TIETÊ AOKI AUTOPEÇAS 2004 ARCELORMITTAL BRASIL SP 2005/ ARCELORMITTAL PIRACICABA 2009 ATLAS ASSESSORIA CONTÁBIL B&B ENGENHARIA 2014 BANDEIRANTE ENERGIA BARDELLA INDÚSTRIAS MECÂNICAS 2004 BIMBO DO BRASIL 2008 BRADESCO CORPORATE BRADESCO EMPRESAS 2008 BRAPENTA ELETRÔNICA 2004 BRASILATA S/A BRASILPREV 2007 CAMARGO CORRÊA CIMENTOS 2002 CIA DE BEBIDAS IPIRANGA CIA ULTRAGAZ MERCADO DOMICILIAR GSP 2010 CIA ULTRAGAZ MERCADO DOMICILIAR CAMPINAS CIA ULTRAGAZ MERCADO DOMICILIAR INTERIOR DE SP CIA ULTRAGAZ MERCADO EMPRESARIAL CENTRO CIA ULTRAGAZ MERCADO EMPRESARIAL GSP CIA ULTRAGAZ MERCADO EMPRESARIAL INTERIOR DE SP E MERCADO DOMICILIAR SUL CIA ULTRAGAZ MERCADO EMPRESARIAL SUDESTE COMUNIQUE-SE / CONSÓRCIO CARAGUATATUBA / / CORREIOS BAURU CORREIOS CAMPINAS 2005/ CORREIOS DIR METROPOLITANA CORREIOS - RIO CLARO 2007 CPFL PAULISTA /2006 CPFL PIRATININGA CROM 2005/ CRUZ AZUL SÃO PAULO 2014 DANA AFTERMARKET DANA NAKATA DANA TECNOLOGIA DE TRAÇÃO DPK 2005/2006 EATON EATON SOUTH AMERICAN SERVICES CENTER 2012 EDIFÍCIO PORTO DI NUCCI EDITÔRA ABRIL 2008 EDP BANDEIRANTE / ELEKTRO / 2013 ELETROPAULO TELECOM 2009/ 2010 ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS REGIONAL SÃO PAULO FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA 2011/ FURNAS CTRS.O 2004 FURNAS - DPTO DE GERAÇÃO DE CONSTRUÇÃO CORUMBÁ FURNAS DRL.O

41 NIVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ EMPRESAS / ORG Troféu Finalista/ Diploma Placa Bronze Prata Ouro Governador do Destaque Estado (1) FURNAS DRQ.O 2002 FURNAS DTS.T FURNAS SE CACHOEIRA PAULISTA 2001 FURNAS ESP.G 2003 GAUSS CONSULTING 2008 GERDAU COTIA 2004 HERAEUS 2004 HOSPITAL E MATERNIDADE BRASIL IBOPE PESQUISA DE MIDIA 2012 / IMPRENSA OFICIAL DO EST SP 2007 IPEN 2002 ISOLADORES SANTANA 2005/ ITAL 2001 ITAÚ ASSET MANAGEMENT ITAÚ PRIVATE BANK 2005/ ITAÚ UNIBANCO UNIDADE DE CUSTÓDIA LOCAL ITAÚ UNIBANCO UNIDADE DE SOLUÇÕES PARA CORPORAÇÕES 2012 KEY CONSULTORIA E TREINAMENTO 2005/ LAR MÃE DO DIVINO AMOR 2005/2006 LG PHILIPS DISPLAYS VIDROS 2002 LG PHILIPS DISPLAYS SJC LIQUIGÁS DISTRIBUIDORA LOGISTECH 2005/2006 MANGELS INDUSTRIAL 2005/2006 METAL NCH BRASIL ORGANON PELLEGRINO AUTOPEÇAS PETROBRAS REVAP 2004 PETROQUIMICA UNIÃO / PROMON 2007 / PURATOS BRASIL LTDA RANDON IMPL PARA O TRANSPORTE 2008 / RHODIA ACETOW 2005/ RHODIA ENGINEERING PLASTICS 2005/ RHODIA UNIDADE FIBRAS 2010 RIOS UNIDOS RL SISTEMAS DE HIGIENE SABESP LORENA SABESP UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO SABESP UNIDADE DE NEGÓCIO LESTE SABESP ML ER SÃO MIGUEL PAULISTA MLGR 2013 SABESP UNIDADE DE NEGÓCIO NORTE SABESP UNIDADE DE NEGÓCIO OESTE SABESP MO GDES CONSUMIDORES SABESP MO ER CARAPICUIBA SABESP MO ER COTIA SABESP UGR BILLINGS SABESP UGR BUTANTÃ MOU 2012 SABESP UGR COTIA/POA MON 2012 SABESP UGR SANTO AMARO 2014 SABESP UGR TIETÊ MOG 2012 SABESP MP 2010 SABESP UNIDADE DE NEGÓCIO SUL SABESP MS ER INTERLAGOS SABESP MS ER SBCAMPO SABESP MT SABESP PINDAMONHANGABA 2004 SABESP MS GDES CONSUMIDORES / / Premiada 40

42 NIVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ EMPRESAS / ORG Troféu Finalista/ Diploma Placa Bronze Prata Ouro Governador do Destaque Estado (1) SABESP PLANEJ E DESENV 2010 SABESP SANTOS 2002 SABESP SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO PATRIMONIAL SADIA UNIDADE SÃO PAULO SEGUROS UNIMED 2012 / SERASA 2005/ SERVSAN SANEAMENTO E CONSTRUÇÕES SIEMENS I AND C 2001 SIMI MANUTENÇÃO ELEVADORES 2008 SILVANA NASRALLAH BEDRAN ME 2003 SOROCABA REFRESCOS 2013 SPP-NEMO SPRAYING SYSTEMS SUZANO PAPEL E CELULOSE 2008 SUZANO PETROQUIMICA / TECDATA SERVIÇOS LTDA THYSSENKRUPP BILSTEIN BRASIL 2007 TRANSPORTADORA AMERICANA H RECURSOS HUMANOS UNIMED SEGURADORA 2011 UNIMED SEGURO SAÚDE 2011 VITOPEL DO BRASIL 2011 ZAMPROGNA BOB CH AÇO - GUARULHOS ZF BRASIL SIST TRANSMISSÃO 2005/2006 Premiada ZF SISTEMAS DE DIREÇÃO 2004 ZAMPROGNA TUBOS DE AÇO CPO LIMPO 2008 PAULISTA NIVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ EMPRESAS JUNIORES Troféu Finalista/ Diploma Placa Bronze Prata Ouro Governador do Premiada Destaque Estado (1) FEA JÚNIOR USP / 2014 MECATRON PROJETOS E CONSULTORIA JR ORGANIZAÇÕES EDUCACIONAIS E DE ENSINO NIVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ Troféu Finalista/ Diploma Placa Bronze Prata Ouro Governador do Destaque Estado (1) Premiada ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR DO BARRO BRANCO 2008 ESCOLA SENAI CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO SÃO PAULO CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS CENTRO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM 2008 CENTRO DE INSTRUÇÃO AVIAÇÃO DO ÉRCITO - TAUBATÉ 2007 ESCOLA SENAI GASPAR RICARDO JR SOROCABA ESCOLA SENAI SANTOS DUMONT SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 2007 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE SOROCABA 2011 USP LUIZ DE QUEIROZ DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO USP INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO NÍVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ ORGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Troféu Finalista/ Diploma Bronze Bronze Prata Ouro Governador do Destaque Estado (1) Premiada BATALHÃO DE MANUTENÇÃO E SUPRIMENTO DE AVIAÇÃO DO ÉRCITO 2012 CAIXA ECONOMICA FEDERAL GERÊNCIA FGTS BAURU 2014 CAIXA ECONOMICA FEDERAL GERÊNCIA FGTS CAMPINAS CAIXA ECONOMICA FEDERAL GERÊNCIA FGTS SÃO PAULO CENTRO DE DESPESAS DE PESSOAL 2002 CENTRO DE REABILITAÇÃO DA PM 2007 CENTRO DE SUBSISTÊNCIA PM CMDO POLÍCIA AMBIENTAL 2004 COMANDO DE BOMBEIROS METROPOLITANO

43 NÍVEL I NIVEL II NIVEL III PNQ ORGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Troféu Finalista/ Diploma Bronze Bronze Prata Ouro Governador do Destaque Estado (1) CMDO POLICIAMENTO ÁREA 2008 METROPOLITANA SEIS CMDO POL INT ARAÇATUBA 2013 CMDO POL INT BAURU / CMDO POL INT PRESIDENTE PRUDENTE 2012 CMDO POL INT - RIBEIRÃO PRETO 2009 CMDO POL INT - S JOSÉ DOS CAMPOS 2011 CMDO POL INT S JOSÉ DO RIO PRETO CMDO POL INT - SOROCABA 2005/ CMDO POL RODOVIÁRIO 2010 / GRUPAMENTO DE RÁDIOPATRULHA AÉREA JOÃO NEGRÃO 2003 HOSP GERAL DO ÉRCITO DE SP 2005/2006 SUBPREFEITURA CAMPO LIMPO 2007 SUBPREFEITURA CIDADE ADEMAR 2009 SUBPREFEITURA CID TIRADENTES 2008 SUBPREFEITURA ERM MATARAZZO 2009 SUBPREFEITURA ITAIM PAULISTA 2008 SUBPREFEITURA JABAQUARA SUBPREFEITURA M BOI MIRIM SUBPREFEITURA SANTANA 2008 SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL SUBPREFEITURA SÉ 2008 SUBPREFEITURA VILA MARIA BATALHÃO DE POL MIL METROPOLITANO BAT POL MIL INT S. JOSÉ DOS CAMPOS º BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 2007 / BATALHÃO DE POL MIL METROPOLITANO 2007 / º BATALHÃO DE INFANTARIA LEVE / GAC DE ITU /2006 2º GRUPO DE ARTILHARIA ANTIAÉREA BAT POL MIL INT BAURU / BAT POL MIL INT - SOROCABA BAT POL MIL INT - MARÍLIA ª BATERIA DE ARTILHARIA ANTIÁEREA LEVE - ITU BAT POL MIL INT - BOTUCATU º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO BAT POL MIL INT REGISTRO BAT POL MIL INT - FRANCA GRUPAMENTO DE BOMBEIROS SOROCABA 2005/ BAT POL MIL INT P. PRUDENTE BAT POL MIL INT CARAGUATATUBA BAT POL MIL INT ITAPETININGA 2002 / BAT POL MIL INT LORENA º BAT LOG LEVE DO ÉRCITO BARUERI º BAT POL MIL INT - JAÚ BAT POL MIL INT - OURINHOS 2005/ BAT DE POL MIL METROPOL BAT POL MIL INT - ASSIS º BAT POL MIL INT - BARRETOS BAT POL MIL INT - VOTORANTIM 2004 / BAT POL MIL INT JACAREÍ º BAT POL MIL INT - LINS BAT POL MIL INT S. JOSÉ DOS CAMPOS º BAT POL MIL INT - ITU º BAT POL MIL INT - AVARÉ º BAT POL MIL INT - ITAPEVA 2011 Premiada Obs.: Nos ciclos de 2001, 2002, 2003 e 2004 o Troféu Governador do Estado de São Paulo foi atribuído às organizações de melhor desempenho em todas as categorias das reconhecidas com a medalha de ouro no Nível II, assim como aos finalistas e vencedores paulistas do PNQ. A partir do ciclo de 2005/2006 passou a ser atribuído às organizações reconhecidas no Nível III. 42

44 IPEG Instituto Paulista de Excelência da Gestão DIRETORIA Diretor Presidente Roberval Tavares de Souza Diretor Vice-Presidente 1 Luiz Gonzaga de Souza Filho Diretor Vice-Presidente 2 Marcos César Siqueira Diretor Financeiro César Tadeu R.Ribeiro Diretor Técnico Dalton Oswaldo Buccelli Diretor Administrativo Eduardo Kazuo Mimori Diretor de Comunicação Alexandre Carrasco CONSELHO CONSULTIVO Carlos Amadeu Schauff Jairo Martins da Silva João Mário Csillag José Ricardo Roriz Coelho Luiz Carlos do Nascimento Melvin Cymbalista Ricardo Machado SUPERINTENDENTE Duvivier Guethi Junior Empresas Associadas Esta é uma publicação do IPEG - Instituto Paulista de Excelência da Gestão, sociedade civil de direito privado e sem fins lucrativos, criado com a finalidade de contribuir com as organizações paulistas na jornada para a excelência da gestão. Sua missão é assegurar a prosperidade do cidadão, a integridade do meio-ambiente, a pujança econômica, a vanguarda tecnológica e a competitividade do Estado de São Paulo e do País. O IPEG, por ser a entidade responsável pela administração do Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão, permite a reprodução, por qualquer meio, parcial ou total, do conteúdo desta publicação, desde que mencionada a fonte. 43

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam

Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam A UPB torna pública a prorrogação do prazo, até o dia 30/06/2014, das inscrições dos relatos de iniciativa para concorrerem ao Prêmio

Leia mais

MEIO AMBIENTE E CIDADANIA

MEIO AMBIENTE E CIDADANIA REGULAMENTO A Universidade Comunitária da Região de Chapecó, em conjunto com a Caixa Econômica Federal, abre inscrições para 6º Prêmio Unochapecó/Caixa de Jornalismo Ambiental 2014 e dá outras providências.

Leia mais

POP - Prêmio Opinião Pública

POP - Prêmio Opinião Pública POP - Prêmio Opinião Pública O Prêmio Nacional de Opinião Pública foi criado pelo Conrerp 2ª Região - SP/PR em 1979, tendo sua primeira edição oficial no ano de 1980. Nestes 25 anos, o POP já contemplou

Leia mais

critérios para indicação referem-se à abrangência e qualidade do trabalho, sua permanência, amplitude e articulação das ações.

critérios para indicação referem-se à abrangência e qualidade do trabalho, sua permanência, amplitude e articulação das ações. Art. 1º O Prêmio VIVALEITURA foi criado por meio da Portaria Interministerial nº 214, de 23 de novembro de 2005, publicado no D.O.U. de 28.11.2005, do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação.

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

O Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é dirigido às empresas que se enquadrem nas seguintes características:

O Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é dirigido às empresas que se enquadrem nas seguintes características: Regulamento MPE Brasil - 2015 Artigo 1º - Objetivo O MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas se constitui no reconhecimento estadual e nacional às micro e pequenas empresas

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

Modalidade Franqueado

Modalidade Franqueado PRÊMIO o cumprimento ABF DESTAQUE de todos os critérios FRANCHISING deste Categoria regulamento, selecionando Sustentabilidade os melhores trabalhos. Modalidade Franqueado REGULAMENTO Objetivos O Prêmio

Leia mais

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V artigo 14 do Estatuto aprovado pelo

Leia mais

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal A Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) torna público o regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal.

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmio Cidadania, categoria Estudante, premia trabalhos de caráter técnico ou científico, referente a implementação

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 1. Objeto e prazo da seleção de empresas 1.1. O presente Regulamento tem por objeto a seleção de micro, pequenas empresas e

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua.

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua. 1 Objetivos Estimular a participação cidadã dos profissionais das empresas do Grupo Camargo Corrêa em ações de voluntariado empresarial por meio do do Instituto Camargo Corrêa; Contribuir com o desenvolvimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 1ª REGIÃO DISTRITO FEDERAL - GOIÁS - MATO GROSSO - TOCANTINS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 1ª REGIÃO DISTRITO FEDERAL - GOIÁS - MATO GROSSO - TOCANTINS IV PRÊMIO CIENTÍFICO HELENA FEIJÓ 2011 REGULAMENTO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO PRÊMIO SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O IV PRÊMIO CIENTÍFICO HELENA FEIJÓ, promovido pelo Conselho Regional de Nutricionistas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO

SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO 1. Objetivos da Diplomação e Premiação A diplomação SINEPE-ES em Ação é uma iniciativa do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Estado do Espírito Santo SINEPE/ES,

Leia mais

Edital Instituto Sabin - 01/2015

Edital Instituto Sabin - 01/2015 Edital Instituto Sabin - 01/2015 Seleção pública de iniciativas empreendedoras socioambientais inovadoras para parceria com o Instituto Sabin O Instituto Sabin, torna público o presente Edital e convoca

Leia mais

REGULAMENTO 1º PRÊMIO SPORT INFRATECH DE INFRAESTRUTURA ESPORTIVA

REGULAMENTO 1º PRÊMIO SPORT INFRATECH DE INFRAESTRUTURA ESPORTIVA REGULAMENTO 1º PRÊMIO SPORT INFRATECH DE INFRAESTRUTURA ESPORTIVA 1. OBJETIVOS O 1º Prêmio Sport Infratech de Infraestrutura Esportiva visa reconhecer o esforço de organizações e profissionais envolvidos

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio Regulamento de Estágio Capitulo I - Do Estágio e suas Finalidades Capitulo II - Da Forma de Realização Capitulo III - Da Inscrição, Duração e Encerramento do Estágio Capitulo IV - Do Acompanhamento e Avaliação

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO Art. 1º - O Fundo Garantidor de Créditos FGC concederá, nos termos deste Regulamento, auxílio bolsa de estudos para os melhores projetos de monografia de conclusão de curso,

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

EDITAL PARA BOLSAS PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL

EDITAL PARA BOLSAS PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL EDITAL PARA BOLSAS PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL 1. FINALIDADE: 1.1. Abrir as inscrições e estabelecer as condições de seleção para ingresso de bolsistas PNPD/CAPES no

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO MULHERES QUE FAZEM A DIFERENÇA

REGULAMENTO DO PRÊMIO MULHERES QUE FAZEM A DIFERENÇA REGULAMENTO DO PRÊMIO MULHERES QUE FAZEM A DIFERENÇA O Prêmio Mulheres que Fazem a Diferença é uma realização do Núcleo Multissetorial da Mulher Empresária da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis

Leia mais

REGULAMENTO. Modalidade Gestão de Pessoas Categoria Empresa

REGULAMENTO. Modalidade Gestão de Pessoas Categoria Empresa A. Objetivo O Prêmio Ser Humano ABRH Amazonas, premia casos relacionados à Gestão de Pessoas, implantados, preferencialmente desenvolvidos por equipes, no âmbito da organização, seja ela de qualquer ramo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

Modalidades/Categorias

Modalidades/Categorias 1 VII Prêmio EBAPE-FGV/MTur Monografias e Reportagens do Setor de Turismo REGULAMENTO O VII Prêmio EBAPE-FGV/MTur de Monografias e Reportagens do Setor de Turismo, idealizado pela Fundação Getulio Vargas

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

REGULAMENTO 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015

REGULAMENTO 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015 REGULAMENTO 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015 Resumo do Prêmio O Prêmio Empresa Cidadã ADVB/SC 2015 vai homenagear as empresas catarinenses que fazem da responsabilidade social o seu melhor exemplo,

Leia mais

REGULAMENTO DO I CONCURSO DE REDAÇÃO E DE ARTIGO DO MP-PROCON

REGULAMENTO DO I CONCURSO DE REDAÇÃO E DE ARTIGO DO MP-PROCON MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR REGULAMENTO DO I CONCURSO DE REDAÇÃO E DE ARTIGO DO MP-PROCON TEMA: Impactos negativos da falsificação de produtos

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE Prêmio Socioambiental CHICO MENDES PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE REGULAMENTO 1 DO PROMOTOR E OBJETIVOS 1.1 - A realização da

Leia mais

PRÊMIO MELHOR EMPRESA PARA SE TRABALHAR NO ESPÍRITO SANTO. Regulamento

PRÊMIO MELHOR EMPRESA PARA SE TRABALHAR NO ESPÍRITO SANTO. Regulamento Regulamento A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos - Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição não governamental que dissemina conhecimento

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL

II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL 1. Objetivos 2. Participantes 3. Temas 4. Inscrição 5. Julgamento 6. Critérios de Avaliação 7. Premiação e Divulgação 8. Direitos e Obrigações

Leia mais

CONCURSO BRASILEIRO ANPOCS DE OBRAS CIENTÍFICAS E TESES UNIVERSITÁRIAS EM CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL 2012

CONCURSO BRASILEIRO ANPOCS DE OBRAS CIENTÍFICAS E TESES UNIVERSITÁRIAS EM CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL 2012 CONCURSO BRASILEIRO ANPOCS DE OBRAS CIENTÍFICAS E TESES UNIVERSITÁRIAS EM CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL 2012 A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais anuncia a Terceira Edição do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO

EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO REGULAMENTO PARA ENVIO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Poderão ser inscritos trabalhos científicos de todo o território brasileiro que se enquadrem na área temática

Leia mais

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro.

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. Nos meses posteriores ao Festival serão realizadas mostras itinerantes

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

1.3. Este Concurso é de cunho exclusivamente cultural e recreativo.

1.3. Este Concurso é de cunho exclusivamente cultural e recreativo. REGULAMENTO DO CONCURSO PARA O MBA LIVRE EM MERCADOS DE CAPITAIS E DERIVATIVOS e MBA LIVRE EM GESTÃO DE RISCO FINANCEIRO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA e VALOR ECONÔMICO 1. CONCURSO 1.1. O Concurso

Leia mais

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea"

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea" EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PREÂMBULO A Fundação Bienal de São Paulo convoca interessados

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PRESERVAÇÃO DE SIGILO... 4 3. COMPROMISSO DAS PREFEITURAS... 4 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO NO PRÊMIO...

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PRESERVAÇÃO DE SIGILO... 4 3. COMPROMISSO DAS PREFEITURAS... 4 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO NO PRÊMIO... SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Objetivos... 3 2. PRESERVAÇÃO DE SIGILO... 4 3. COMPROMISSO DAS PREFEITURAS... 4 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO NO PRÊMIO... 5 5. SISTEMA DE PONTUAÇÃO... 5 6. RECONHECIMENTO...

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 001/2015

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 001/2015 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 001/2015 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

DECRETO N. 11.051, de 31 de janeiro de 2013.

DECRETO N. 11.051, de 31 de janeiro de 2013. DECRETO N. 11.051, de 31 de janeiro de 2013. INSTITUI O PRÊMIO BANCO DE IDEIAS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS O PREFEITO MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

1º PRÊMIO ENFIL DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIA AMBIENTAL REGULAMENTO 2012 DOS OBJETIVOS

1º PRÊMIO ENFIL DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIA AMBIENTAL REGULAMENTO 2012 DOS OBJETIVOS 1º PRÊMIO ENFIL DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIA AMBIENTAL REGULAMENTO 2012 DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Prêmio Enfil de Inovação em Tecnologia Ambiental irá contemplar o autor e o orientador da melhor Dissertação

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012

REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012 REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012 1.0 DOS OBJETIVOS A 1ª. Edição do Prêmio Nacional de Educação Fiscal será realizada pela FEBRAFITE com o apoio das associações filiadas

Leia mais

São Paulo, 12 de janeiro de 2015

São Paulo, 12 de janeiro de 2015 Artigo 1º - DO OBJETIVO 1.1) O Prêmio Excelência em Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho tem por objetivo o reconhecimento das empresas que comprovaram adotar, de maneira ampla e continuada, ações,

Leia mais

REGULAMENTO - 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015 - Categoria Micro e Pequena Empresa

REGULAMENTO - 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015 - Categoria Micro e Pequena Empresa REGULAMENTO - 17º PRÊMIO EMPRESA CIDADÃ ADVB/SC 2015 - Categoria Micro e Pequena Empresa Resumo do Prêmio O Prêmio Empresa Cidadã ADVB/SC 2015 Categoria MPE Homenageia as Micro e Pequenas Empresas catarinenses

Leia mais

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses.

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses. REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Art. 1º O Prêmio de Nacional de Inovação na Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), com o apoio da Financiadora

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a instituição do Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas - A escola aprendendo com as diferenças,

Leia mais

PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013. Lei Complementar 640/12

PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013. Lei Complementar 640/12 PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013 Lei Complementar 640/12 O que é Promoção? É a passagem do servidor Público Efetivo de uma classe para a outra, em sentido vertical, na mesma referência, por meio de seleção.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

Índice O programa Os cursos A adaptação dos conteúdos O novo Convênio O novo programa Cronograma Parcerias locais Montagem das turmas

Índice O programa Os cursos A adaptação dos conteúdos O novo Convênio O novo programa Cronograma Parcerias locais Montagem das turmas Manual Índice 1. O programa 2. Os cursos 3. A adaptação dos conteúdos 4. O novo Convênio 5. O novo programa 6. Cronograma 7. Parcerias locais 8. Montagem das turmas 9. Definição dos cursos 10. Liberação

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

CONCURSO CULTURAL CRIAÇÃO DA LOGOMARCA PARA O NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE E CARREIRA - NEC EDITAL/01/2015

CONCURSO CULTURAL CRIAÇÃO DA LOGOMARCA PARA O NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE E CARREIRA - NEC EDITAL/01/2015 CONCURSO CULTURAL CRIAÇÃO DA LOGOMARCA PARA O NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE E CARREIRA - NEC EDITAL/01/2015 A Escola de Serviço Público Municipal e Inclusão Socioeduacional torna público o presente edital

Leia mais

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA EDITAL Nº 004/2015 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA 1. OBJETIVO: 1.1 - O presente Edital tem por objetivo

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

1º Prêmio de Comunicação - Grupo SMS 2014

1º Prêmio de Comunicação - Grupo SMS 2014 1º Prêmio de Comunicação - Grupo SMS 2014 1 INTRODUÇÃO O 1º Prêmio de Comunicação Grupo SMS 2014, com o tema Mobilidade Urbana é uma iniciativa do Grupo SMS, formado pelas empresas Auto Viação Salineira,

Leia mais

Belo Horizonte, 19 de novembro de 2013 Prêmio Mineiro de Inovação REGULAMENTO

Belo Horizonte, 19 de novembro de 2013 Prêmio Mineiro de Inovação REGULAMENTO Belo Horizonte, 19 de novembro de 2013 Prêmio Mineiro de Inovação REGULAMENTO CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1º - O Prêmio Mineiro de Inovação será concedido pela Câmara Ítalo- Brasileira de Comércio, Indústria

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO GATA DO TIGRE

REGULAMENTO DO CONCURSO GATA DO TIGRE REGULAMENTO DO CONCURSO GATA DO TIGRE 1. DO CONCURSO 1.1. Fica instituído o Concurso Gata do Tigre realizado pelo São Bernardo Futebol Clube Ltda., para eleger a representante do Clube no Concurso Gata

Leia mais

5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR

5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR R E G U L A M E N T O 1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 1.1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR é uma iniciativa do Comitê Consultivo

Leia mais

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2012 REGULAMENTO

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2012 REGULAMENTO PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2012 REGULAMENTO Calendário ATIVIDADES Lançamento e Abertura das Inscrições Encerramento das Inscrições Anúncio Oficial dos Finalistas Cerimônia de Premiação dos Vencedores

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

PRÊMIO SERTÃO EMPREENDEDOR EDITAL

PRÊMIO SERTÃO EMPREENDEDOR EDITAL PRÊMIO SERTÃO EMPREENDEDOR EDITAL A Universidade Estadual de Alagoas UNEAL, através da Direção do Campus II Santana do Ipanema, e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Alagoas SENAR/AL convidam os

Leia mais

PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014

PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014 PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014 1. OBJETIVOS O Prêmio Proteção Brasil de Saúde e Segurança do Trabalho visa reconhecer o esforço de organizações e profissionais na melhoria do ambiente de trabalho dos brasileiros

Leia mais

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 Curitiba, Fevereiro de 2014 Sumário 1. O PRÊMIO... 3 2. OBJETIVOS... 4 3. CATEGORIAS DE PREMIAÇÃO... 5 4. ETAPAS DE AVALIAÇÃO... 5 5. PREMIAÇÃO... 5 6. PARTICIPAÇÃO/INSCRIÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Fatec Sorocaba REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Sorocaba, 2010 Reduza, Reutilize, Recicle REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

PROGRAMA STANFORD. Esta é uma 2ª chamada, com foco em empresas Médias e Grandes.

PROGRAMA STANFORD. Esta é uma 2ª chamada, com foco em empresas Médias e Grandes. PROGRAMA STANFORD 1. O QUE É O programa, cujo foco é a Inovação e Empreendedorismo para empresas de base tecnológica, é voltado para capacitar empresários em conhecimentos sobre inovação, modelos de negócios

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 Instituto Marca de Desenvolvimento Socioambiental - IMADESA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 >> Leia com atenção o Edital antes de preencher o formulário para apresentação de projetos. I.

Leia mais

Regulamento do Prêmio Concred Verde

Regulamento do Prêmio Concred Verde Regulamento do Prêmio Concred Verde Brasília-DF, fevereiro de 2012. Para ocorrer desenvolvimento sustentável é preciso comprometimento com uma visão responsável que busca o equilíbrio social e a interação

Leia mais

as cores locais formando um mosaico de sucesso

as cores locais formando um mosaico de sucesso 3º PRÊMIO DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA UNIMED Regulamento O presente regulamento tem a finalidade de estabelecer as normas aplicáveis ao Prêmio de Comunicação do Sistema Unimed, relativas aos participantes,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes CHAMADA PÚBLICA 17/2015 Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes (Acordo Capes/FA) A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Paraná

Leia mais

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social REGULAMENTO 10º Prêmio de Responsabilidade Social I DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO II DAS CATEGORIAS III DAS INSCRIÇÕES IV DOS PROJETOS V DO JULGAMENTO VI DAS DATAS VII DA COORDENAÇÃO I DA INSTITUIÇÃO DA

Leia mais

II CONCURSO DE REDAÇÃO DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL JUIZ IRINEU JOÃO DA SILVA, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA

II CONCURSO DE REDAÇÃO DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL JUIZ IRINEU JOÃO DA SILVA, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA II CONCURSO DE REDAÇÃO DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL JUIZ IRINEU JOÃO DA SILVA, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA REGULAMENTO 1. DO CONCURSO 1.1 O II Concurso de Redação da Escola Judiciária

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO

REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. As presentes disposições visam regulamentar o Programa Parceiros em Ação, instituído pela Área de Responsabilidade Social do BANCO

Leia mais

PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH

PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH regulamento PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH 1. RESUMO CADASTRO Cliente preenche o Formulário de Cadastro CONFIRMAÇÃO DE CADASTRO A FH envia um e-mail de confirmação de cadastro para o cliente CLIENTE PARTICIPA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6ª REGIÃO PE - AL - PB - RN - PI - MA - CE REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6ª REGIÃO PE - AL - PB - RN - PI - MA - CE REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013 REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013 CAPÍTULO I - DA CRIAÇÃO DO PRÊMIO SEÇÃO I DA INSTITUIÇÃO Artigo 1 º O PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO foi instituído pelo Plenário

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL

REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 1 REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 1 -O PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 2012 O PRÊMIO POPAI BRASIL é a edição nacional da única premiação criada para reconhecer os mais originais e eficazes materiais

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA 1. APRESENTAÇÃO O Programa Prime - Primeira Empresa Inovadora - visa apoiar empresas nascentes

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES RESOLVE:

EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES RESOLVE: EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES O Doutor Rhamice Ibrahim Ali Ahmad Abdallah - MM. Juiz de Direito e Diretor do Foro da Comarca de Rondonópolis, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições

Leia mais