ELEMENTOS CURRICULARES:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELEMENTOS CURRICULARES:"

Transcrição

1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo ELEMENTOS CURRICULARES: Leitura e Interpretação de Desenho Área Profissional: INDÚSTRIA Aprendizagem Industrial: Mecânico de Usinagem em Máquinas Convencionais SÃO PAULO Julho

2 Elementos Curriculares Leitura e Interpretação de Desenho Mecânico de Usinagem SENAI-SP, 2003 Diretoria Técnica Coordenação Gerência de Educação Elaboração Gerência de Educação SENAI-SP Telefone Telefax SENAI on-line Home page Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial GED Gerência de Educação Av. Paulista, º Andar Cerqueira César CEP: São Paulo/SP (0XX11) / 7233 (0XX11)

3 Sumário Página 5 Objetivo geral 6 Objetivos específicos 8 Conteúdos programáticos 15 Diretrizes metodológicas 15 Considerações 16 Enfoque didático-pedagógico 17 Procedimentos didáticos 21 Planejamento de ensino 23 Sugestão de distribuição dos conteúdos programáticos 24 Sugestão de obras para consulta 26 Controle de Alterações 3

4 4

5 Objetivo geral Aquisição de habilidades interpretativas de desenho e de técnicas básicas de traçado a partir de necessidades da Prática Profissional. Dados complementares Carga horária total: 80h 1 o semestre: 40h 2 o semestre: 40h 5

6 Objetivos específicos Adquirir conhecimentos e desenvolver a capacidade de compreensão de: materiais e instrumentos de desenho utilizados nas representações de figuras geométricas, perspectivas isométricas, projeções ortográficas e figuras planificadas; tipos de caracteres normalizados em função da padronização dos desenhos da Prática Profissional; figuras geométricas, perspectivas isométricas, projeções ortográficas e figuras planificadas relacionadas com a representação de produtos da área profissional; simbologias de tolerância, estado de superfície, cotagem, escalas e cortes em função dos desenhos da área profissional. Adquirir habilidades de: interpretar desenhos técnicos; manusear instrumentos de desenho; escrever com caracteres normalizados; desenhar à mão livre e com instrumentos; distribuir medidas nos desenhos; representar vistas em cortes e em escalas; aplicar normas. 6

7 Desenvolver hábitos de: conservação de materiais e instrumentos de desenho; consulta a tabelas e normas; ordem e limpeza; postura física; trabalho individual e em equipe. 7

8 Conteúdos programáticos Desenho técnico e artístico Material e instrumentos Papel: - formatação normalizada; Lápis: - tipos, - empregos; Escala e graduação: - em mm, - em polegada; Outros instrumentos: - características, - funções, - manejo. Caligrafia técnica Largura das linhas para a escrita; Traçado de caracteres - proporções: - letras maiúsculas, - letras minúsculas, - numerais. Figuras e sólidos geométricos Ponto, linha e reta; Superfície plana e figura plana; 8

9 Cubo, pirâmide e prisma; Cilindro, cone e esfera. Perspectiva isométrica Definição; Eixo isométrico de modelos: - prismáticos, - cônicos, - cilíndricos. Projeção ortográfica De figuras e sólidos geométricos em três planos; Linhas convencionais: - contornos e arestas visíveis, - contornos e arestas não-visíveis, - linhas de centro, - linha de simetria. Cotagem Definição; Elementos; Com eixo de simetria; Detalhes: - angulares, - circulares, - em arcos de círculos, - inclinados, - cônicos; Simbologia de: - diâmetro, - raio, - esférico, - quadrado, - superfície plana; Por faces de referência; 9

10 Por linhas básicas; Furos espaçados igualmente; Espaços reduzidos; Coordenadas. Supressão de vistas Semelhantes; Diferentes; Por notação; Por sinais. Corte total e meio corte Definição; Elementos: - linhas, - hachuras; Planos de corte na vista: - frontal, - superior, - lateral esquerda. Escala Definição; Natural; Ampliação; Redução. Construções geométricas Perpendiculares e paralelas; Mediatriz de um segmento; Bissetriz de um ângulo; Divisão em partes iguais de: - segmento de reta, - ângulo reto. Polígonos inscritos; 10

11 Tangente e concordância; Falsa elipse; Elipse verdadeira; Divisão de circunferência pelo processo Bion. Planificação Sólidos geométricos simples e truncados: - prisma, - pirâmide, - cilindro, - cone; Sólidos geométricos compostos e vazados, em transição de tubo: - quadrado para cilíndrico, - retangular para cilíndrico; Cotovelo a 90 graus com cinco setores; Coifa; Tampo elíptico. Rugosidade superficial Definição; Rugosidade: - classes, - simbologia; Qualidade da superfície de acabamentos - tabela; Indicações de tratamento: - processo de fabricação, - tratamentos superficiais, - tratamento térmico; Recartilhado: - tipos, - indicação, - tabela (FIT). 11

12 Corte Composto; Parcial; Seção; Encurtamento; Omissão. Casos especiais de projeção ortográfica Vistas laterais: - direita, - direita e esquerda; Vistas especiais: - vista auxiliar, - vista auxiliar simplificada, - rotação de detalhes, - vista especial com indicação; Projeção no 3 o diedro. Elementos padronizados de máquinas Roscas: - características, - representação simplificada, - cotagem e indicações de roscas, - tabelas - rosca métrica, Whitworth e gás, - proporções para representação de parafusos e porcas; Molas: - tipos, - representação simplificada, - cotagem; Rebites: - tipos e proporções, - costuras e proporções; Solda: 12

13 - desenho e representação, - simbologia; Chavetas: - tipos, - tabela de proporções; Polias e correias: - correia e polias em V, - tabela - dimensões normais das polias múltiplas; Rolamentos: - tipos e aplicações, - representação; Engrenagens: - tipos, - desenho de representação, - características dos dentes de engrenagens, - características e formas de cotagem, - fórmulas e traçado de dentes de engrenagens, - cremalheira. Tolerância dimensional Conceitos na aplicação de medidas com tolerância: - medida nominal, - medida com tolerância, - medida efetiva, - dimensão máxima, - dimensão mínima, - afastamentos superior e inferior, - campo de tolerância; Indicações de tolerância; Tolerância ISO (International Standard Organization): - campo de tolerância, - qualidade de trabalho, - grupos de dimensões, - ajustes, - ajustes recomendados tabela; Cotagem com indicação de tolerância. 13

14 Tolerância geométrica Símbolos, inscrições e interpretação sobre o desenho; Tolerância de forma; Tolerância de posição; Tolerância de orientação; Tolerância de batimento; Tabela - símbolos e aplicações. Desenho definitivo de conjunto e de detalhes Conjuntos mecânicos. 14

15 Diretrizes metodológicas Considerações As empresas brasileiras estão exigindo mão-de-obra cada vez mais qualificada. O SENAI-SP, procurando atender às exigências do mercado industrial, estabeleceu um novo modelo de Educação Profissional, com novas diretrizes para o ensino das qualificações, que são desenvolvidas na Formação Básica em Cursos de Aprendizagem Industrial. Como os produtos que os alunos desenvolvem durante os cursos estão representados por uma linguagem gráfica específica e alicerçada em Desenho Técnico, é indispensável que eles dominem essa linguagem, uma vez que, com ela, estarão capacitados a preparar planos e roteiros de trabalho, com vistas a desenvolver tarefas/ensaios para solucionar situações-problema. Leitura e Interpretação de Desenho está inserido no Modelo de Educação Profissional do SENAI-SP. Esse componente curricular fornece subsídios para o desenvolvimento da Prática Profissional na área da Mecânica. Assim, Desenho Técnico é um Componente de Tecnologia Mediata, composto por conteúdos instrumentais e de apoio, que foram selecionados para atuar como suporte da prática da qualificação, concorrendo para o desenvolvimento do aluno nos campos cognitivo, psicomotor e afetivo. Para o desenvolvimento de hábitos e atitudes, os instrutores e professores num trabalho integrado deverão ensinar aos alunos as qualidades pessoais preconizadas pelo Modelo PETRA de Formação Profissional. Deve-se salientar que, em cada 15

16 Unidade Escolar do SENAI-SP, existem pelo menos dois docentes devidamente preparados como multiplicadores do Modelo PETRA. Enfoque didático-pedagógico O ensino de Leitura e Interpretação de Desenho deve ser desenvolvido em dois momentos: o primeiro constitui-se de informações básicas das primeiras tarefas/ensaios para que os alunos possam elaborar os primeiros planos de trabalho da Prática Profissional; e o segundo é o programa de Leitura e Interpretação de Desenho propriamente dito. Deve-se garantir que o aluno consiga não só ler e interpretar peças/diagramas da Área Profissional, mas também representar modelos simples, a partir dos quais seja possível depreender o formato do produto, suas medidas, os materiais a serem usados, a aparência, a quantidade a ser produzida e os procedimentos para a fabricação. Essas atividades, porém, serão mais comuns no segundo momento. É indispensável que o docente de Leitura e Interpretação de Desenho desenvolva o conteúdo programático, integrando-o aos componentes curriculares que dizem respeito à própria qualificação. O desenvolvimento dos conteúdos deve contribuir para a aquisição de hábitos de ordem, clareza e limpeza nos trabalhos e enfatizar a importância de se empregar corretamente termos técnicos e a simbologia associada. Considerando-se que os hábitos, interesses e atitudes estão relacionados com o campo afetivo, é importante que o docente se coloque como exemplo para seus alunos. 16

17 Procedimentos didáticos O docente, ao utilizar os procedimentos didáticos aqui relacionados, deve atentar para os conteúdos de Leitura e Interpretação de Desenho da área Metalmecânica. No primeiro momento, as informações básicas a serem ministradas devem abranger os conteúdos que se encontram nos primeiros planos de trabalho da área relacionada. Ainda nesse momento, recomenda-se maior ênfase na utilização de transparências, uma vez que o número de informações é grande, havendo portanto, a necessidade de agilizar as aulas, em função dos conhecimentos e conteúdos indispensáveis para as aulas da Prática Profissional/laboratório. Além disso, e com a finalidade de complementar e enriquecer as estratégias selecionadas, é conveniente que o docente utilize recursos didáticos, tais como: componentes reais, modelos de plásticos, filmes em vídeo, desenhos ampliados, vistas explodidas e, principalmente, desenhos da realidade industrial da área. Esses recursos devem ser adequados a cada situação e o docente deve procurar ouvir os alunos nas suas preferências, estando sempre atento à eficácia dos recursos utilizados. Por ocasião da abordagem dos conteúdos sobre Material e Instrumentos, o docente deve enfatizar a importância de se conservar materiais e instrumentos em condições adequadas de uso para se obter um trabalho com qualidade. A execução do traçado a mão livre deve ser enfatizada pelo docente quando das representações dos desenhos. Esse procedimento visa não só ao desenvolvimento de noções de espaço da folha e de proporções de medidas do desenho e do que está sendo desenhado, como também à aquisição de habilidades para o traçado sem instrumentos, uma vez que nem sempre há condições favoráveis para a sua utilização nas oficinas. É indispensável buscar estratégias em que o aluno 17

18 exercite a repetição e sinta a necessidade de consultar tabelas, bibliografia e normas técnicas até incorporar esse procedimento. Ao abordar os conteúdos sobre Figuras e sólidos geométricos, deve-se evidenciar a importância da correspondência entre os vários tipos desses elementos e o que está sendo representado. A unidade Perspectiva isométrica deve ser iniciada com o estudo de modelos simples, aumentando, gradativamente, a complexidade, a fim de que os alunos possam compreender a evolução das formas. Desse modo, recomenda-se que seja iniciada com modelos que apresentem detalhes paralelos e oblíquos aos eixos isométricos e finalize-se com aqueles que possuem detalhes arredondados. É na área Automobilística que o docente deve lançar mão de catálogos para explicar a perspectiva explodida. Projeção ortográfica, por ser a base do desenho técnico, deve ser abordada detalhadamente e na seguinte seqüência: projeções do ponto, do segmento de reta, da superfície plana e de sólido simples nos planos: vertical, horizontal e lateral, no primeiro diedro. Cumprida essa etapa, acredita-se que os alunos estejam preparados para estudar as projeções de modelos que apresentem elementos mais complexos. Para o desenvolvimento da unidade Cotagem, é essencial que os alunos aprendam que a forma de cotagem depende, quase sempre, do processo de fabricação das peças. Para isso, deve ser propostos exercícios que levem os alunos a obter medidas em perspectiva cotada, modelos e peças reais. Ao medir peças e modelos, deve-se exercitar o uso da escala para milímetro e polegada, bem como o transferidor para ângulos. A unidade Cortes deve ser fundamentalmente desenvolvida, utilizando-se modelos que permitam mostrar as partes internas dos objetos nas quais o corte foi imaginado, o que facilitará a aprendizagem. 18

19 Por ocasião da abordagem dos conteúdos sobre Construções geométricas, o docente deve enfatizar a importância dos elementos geométricos com base nas construções dos desenhos. Na abordagem dos conteúdos Rugosidade superficial, Tolerância geométrica e Tolerância dimensional, o docente deve mostrar a necessidade de se empregar normas sempre atualizadas, procurando fazer comparações com representações antigas, uma vez que os alunos poderão encontrar nas indústrias desenhos não-atualizados. Ao desenvolver conteúdos sobre Cortes (composto e parcial, seção, encurtamento e omissão de corte), é fundamental ter modelos que permitam mostrar as partes não visíveis das peças, nas quais o corte foi imaginado, o que facilitará a assimilação dos conteúdos. Os exercícios, no entanto, devem enfatizar a leitura e interpretação. Na unidade Casos especiais de projeção, o docente deve procurar abordar o assunto mais em nível de interpretação do que de traçado. Como a forma de obtenção da Projeção no 3 o diedro é similar à da Projeção no 1 o diedro estudada no módulo anterior, recomenda-se que o docente aborde o assunto com procedimentos iguais. Os conteúdos Elementos padronizados de máquinas devem ser abordados através de atividades de leitura e interpretação de componentes desenhados isoladamente ou em conjunto da realidade industrial, tanto em projeção ortográfica quanto em perspectiva isométrica. É na unidade Desenho definitivo de conjunto e de detalhes que o trabalho deverá culminar, momento esse em que o aluno deverá ter a oportunidade de vivenciar o maior número possível de atividades de leitura, interpretação e traçado, principalmente se os exemplos forem da realidade industrial. Quanto mais o aluno exercitar-se na leitura e interpretação de conjuntos, maior 19

20 será o seu domínio do conteúdo. Assim, é recomendado que sejam elaboradas questões interpretativas sobre os conjuntos, o que concorrerá para a agilização do processo de ensinoaprendizagem, além de permitir que maior número deles possa ser desenvolvido e exercitado. Permeando o semestre, recomenda-se que o docente leve os alunos a exercitarem constantemente a interpretação e o traçado de desenhos técnicos simples, principalmente de conjuntos da área profissional. Assim, sugere-se que essa atividade seja desenvolvida do seguinte modo: por exemplo, após terminar os exercícios da unidade Projeção ortográfica, o docente levará o aluno a praticar a interpretação e ou traçado de projeções de algumas peças do conjunto escolhido, respeitando a carga horária da unidade, sem a preocupação de colocar cotas, cortes ou outras indicações no desenho, o que ocorrerá nas unidades seguintes. O docente vai, portanto, procedendo dessa forma em cada unidade, inclusive nos semestres seguintes, até que termine o estudo do conjunto. Recomenda-se que os conjuntos escolhidos sejam direcionados à área profissional e tenham elevado grau de complexidade. Convém lembrar que essas atividades não precisam ficar restritas somente ao final do módulo, ou seja, poderão ocorrer durante os dois semestres, possibilitando o estudo de maior número de conjuntos possível, que é a atividade-fim do componente. 20

21 Planejamento de ensino O objetivo geral constante deste documento deve ser considerado norteador de toda e qualquer ação docente. Já os objetivos específicos relacionados com conhecimentos, compreensão, habilidades e hábitos são apenas referenciais para o planejamento de ensino, não abrangendo, portanto, todas as categorias de domínios dos campos cognitivo, psicomotor e afetivo. Ao docente fica reservada a função de especificá-los com o desempenho final desejado. Portanto, os objetivos apresentados não podem, em hipótese alguma, ser transcritos para o Plano de Ensino, ficando reservada ao docente a tarefa de especificá-los de acordo com o desempenho final desejado para o aluno em cada unidade de ensino. É importante que os objetivos selecionados pelo docente sejam adequados às exigências do perfil profissional. Além dos níveis de conhecimento e compreensão, o docente deve, para uma aprendizagem efetiva, garantir que os alunos consigam gradativamente dominar os conteúdos em níveis mais complexos do campo cognitivo: aplicação, análise, síntese e avaliação. Os docentes, entretanto, devem sempre considerar que toda a aprendizagem do domínio cognitivo está diretamente relacionada com o envolvimento afetivo do aluno no processo. Assim, além de hábitos, devem ser desenvolvidos atitudes, no seu mais amplo sentido, interesses e valores. A mesma afirmativa pode-se fazer em relação a determinado desenvolvimento de objetivos psicomotores específicos, ou seja, não existem aprendizagens isoladas, mas integradas, com 21

22 interdependência entre os domínios cognitivo, psicomotor e afetivo. Os conteúdos programáticos registrados neste documento foram selecionados em função do Objetivo Geral, atendendo às necessidades da área Metalmecânica. Cabe ao docente proceder à adequação e acréscimos, de acordo com os objetivos específicos que elaborar, sempre de acordo com o perfil estabelecido. É importante observar que os títulos e subtítulos dos conteúdos não seguem necessariamente uma ordem didática, devendo ser, entretanto, ministrados em sua totalidade. No planejamento de ensino, logo durante a etapa de reflexão, é fundamental que o docente leve em conta o perfil profissional e este documento no seu todo, atentando ao Objetivo Geral do componente curricular e às Diretrizes Metodológicas citadas anteriormente, a fim de poder registrar, com propriedade e segurança, suas decisões no Plano de Ensino. 22

23 Sugestão de distribuição dos conteúdos programáticos É apresentada, a seguir, uma distribuição de conteúdos na seqüência resultante da prática pedagógica. Não se trata, evidentemente, de uma seqüência a ser rigidamente obedecida, podendo o docente realizar os ajustes necessários. Quadro: Sugestão de distribuição dos conteúdos programáticos Conteúdos Horas/aula 1 O e 2 O Semestres Desenho Técnico e Artístico 2 Material e Instrumentos 1 Caligrafia Técnica 2 Figuras e Sólidos Geométricos 3 Perspectiva Isométrica 4 Projeção Ortográfica 5 Cotagem 6 Supressão de Vistas 2 Corte Total e Meio Corte 6 Escala 1 Construções Geométricas 4 Planificação 4 Rugosidade Superficial 4 Corte 5 Casos Especiais de Projeção Ortográfica 6 Elementos Padronizados de Máquinas 8 Tolerância Dimensional 4 Tolerância Geométrica 4 Desenho definitivo de conjuntos e de detalhes 9 Total 80 23

24 Sugestão de obras para consulta ABNT/NBR. Coletânea de Normas de Desenho Técnico ABNT: NBR Definições Gerais de Engrenagens. Terminologia ABNT: NBR Dobramento de Cópia de Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Elaboração da Lista de Itens em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Emprego de Escalas em Desenho Técnico. Procedimento (*) ABNT: NBR Execução de Caracter para Escrita em Desenho Técnico (*) ABNT: NBR Norma de Sistema de Tolerâncias e Ajustes. Procedimento ABNT: NBR Princípios Gerais de Representação em Desenho Técnico. Procedimento (*) ABNT: NBR Referência a Itens em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Representação de Área de Corte por meio de Hachuras em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Representação de Engrenagem em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Representação de Entalhado em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Representação de Molas em Desenhos Técnicos. Procedimento ABNT: NBR Representação Simplificada de Furo de Centro em Desenho Técnico. Procedimento ABNT: NBR Rugosidade das Superfícies. Procedimento ABNT: NBR Terminologia de Tolerâncias e Ajustes. Terminologia

25 ABNT: NBR Tolerâncias Geométricas - Tolerâncias de Forma, Orientação, Posição e Batimento Generalidades, Símbolos, Definições e Indicações em Desenho. Procedimento ABNT: NBR Tolerâncias Gerais de Dimensões Lineares e Angulares. Procedimento BACHMANN, A. & FORBERG, R. Desenho Técnico. Rio de Janeiro, Editora Globo, BAUER, A. Circuitos Impresos: Diseño y Realización. Barcelona, Ceac, CASILLAS, A. L. Máquinas: Formulário Técnico. São Paulo, Mestre Jou, l963. CLARK, R. H. Handbook of Printed Circuit Manufacturing. S/l, Wiley, John & Sons Incorporated, DA CUNHA, L. V. Desenho Técnico. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, DEHMLOW, M. & KIEL, E. Desenho Mecânico (3 vol.). São Paulo, EPU/EDUSP, s/d. FERREIRA, J. & GORDO, N. Mecânica: Elementos de Máquina (Coleção Telecurso 2000 Profissionalizante) (vol. 1 e 2). São Paulo, Ed. Globo S.A., s/d. FERREIRA, J. & SILVA, R. M. Mecânica: Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico (Coleção Telecurso 2000 Profissionalizante) (vol. 1, 2 e 3). São Paulo, Edit. Globo S.A., s/d. FRENCH, T. E. & VIERCK, C. J. Desenho Técnico: Tecnologia Gráfica. Rio de Janeiro. Globo, l985. MANFÉ, G. et alii. Desenho Técnico Mecânico: Curso Completo (3 vol.). São Paulo, Editora Hemus, l977. MARMO, C. Curso de Desenho (várias edições). São Paulo, Editora Moderna, s/d. PROVENZA, F. Desenhista de Máquinas (4ª ed.). São Paulo, Publicações PRO-TEC, SCHNEIDER, W. Desenho Técnico: Introdução aos Fundamentos do Desenho Técnico. São Paulo, Editora Jácomo, l978. SENAI - SP. Série Metódica Ocupacional: Base de Lançamento e Caminhão-Betoneira. São Paulo, Observação: (*) Substitui a respectiva norma da coletânea 25

26 Controle de Alterações De: Para: Local Motivo / Documento Data Responsável Adequação ao Plano de Revisão Geral 11/07/2003 Alberto Curso 26

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Milton 2014 DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Caderno de exercício. Desenho 1

Caderno de exercício. Desenho 1 Caderno de exercício Desenho 1 Prof: Viviane Dorneles SENAI Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 1 1.1 Criando um desenho técnico O desenho é uma forma de linguagem usada pelos artistas. Desenho técnico

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0007-61 SEI - Centro de

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+ EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO: Engenharia Mecânica PROFESSOR: José Ricardo Flores Faria Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: Desenho resultante da projeção do objeto, sob um ou mais

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DIVINÓPOLIS

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DIVINÓPOLIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DESENHO TÉCNICO DIVINÓPOLIS 2005 Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2011-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

Normas da ABNT para Desenho Técnico

Normas da ABNT para Desenho Técnico UFMG - Curso de Graduação em Engenharia Metalúrgica Disciplina: DESENHO D Prof. Marcelo Borges Mansur (DEMET-UFMG) Normas da ABNT para Desenho Técnico Associação Brasileira de Normas Técnicas TERMINOLOGIA

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS ÁREA DO CONHECIMENTO: EXPRESSÃO GRÁFICA

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS ÁREA DO CONHECIMENTO: EXPRESSÃO GRÁFICA CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS ÁREA DO CONHECIMENTO: EXPRESSÃO GRÁFICA MATÉRIAS: EXPRESSÃO GRÁFICA, DESENHO TÉCNICO, DESENHO DE MÁQUINAS E INSTALAÇÕES, INTERPRETAÇÃO DE

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Cursos: Agronomiae Eng. Florestal1 o Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Programa 1 - Materiais e instrumentos de desenho, convenções e normalização

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Apresentação. Este é o terceiro e último livro do módulo

Apresentação. Este é o terceiro e último livro do módulo Apresentação Este é o terceiro e último livro do módulo de Leitura e interpretação de desenho técnico mecânico. Estudando as aulas deste livro - Dimensionamento -, você ficará sabendo como se lida com

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Os cortes são utilizados para representar de modo claro, os detalhes internos das peças ou de conjuntos.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes CORTE Corte é a denominação dada à representação de um produto secionada por um ou mais planos virtuais (planos secantes). No corte se representa

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia IFCE Sobral Eixo de Controle e Processos Industriais Curso: Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina: Desenho Técnico e Mecânico Projeção ortográfica

Leia mais

Prof.: Tiago Francesconi 1º semestre de 2010

Prof.: Tiago Francesconi 1º semestre de 2010 Engenharia de Produção Prof.: Tiago Francesconi 1º semestre de 2010 Esta apostila foi desenvolvida relacionado varias referências bibliográficas: Referências (livros) Referências (apostilas) Titulo: Desenho

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2010-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

DE DESENHO TÉCNICO. Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Antonio Clélio Ribeiro Mauro Pedro Peres Nacir Izidoro

DE DESENHO TÉCNICO. Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Antonio Clélio Ribeiro Mauro Pedro Peres Nacir Izidoro LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Antonio Clélio Ribeiro Mauro Pedro Peres Nacir Izidoro INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho

Leia mais

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas OUT 2000 NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

Curso Técnico de Segurança do Trabalho Disciplina: Desenho Técnico Eloy de Macedo Silva

Curso Técnico de Segurança do Trabalho Disciplina: Desenho Técnico Eloy de Macedo Silva Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Curso Técnico de Segurança do Trabalho Disciplina: Desenho

Leia mais

A perspectiva é um tipo especial de projeção, na qual são possíveis de se medir três eixos dimensionais em um espaço bi-dimensional.

A perspectiva é um tipo especial de projeção, na qual são possíveis de se medir três eixos dimensionais em um espaço bi-dimensional. Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Não-Projetivo: gráficos e diagramas fluogramas organogramas Desenho Projetivo: perspectivas vistas ortográficas plantas-baiase cortes 1 Projeções A perspectiva

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Disciplina: Desenho Geométrico, Técnico e Noções de Desenho Arquitetônico I Cursos:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Desenho de Elementos de Máquinas II Professor(es) Luiz Antonio Pinheiro Balestrero Código da Disciplina 210.1400.0 Etapa

Leia mais

Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues

Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO A ideia deste caderno de atividades surgiu de um trabalho de pesquisa realizado para dissertação do Mestrado Profissional em Educação Matemática,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 GENERALIDADES O sistema ISO de tolerâncias e ajustes é relativo às tolerâncias para dimensões de peças uniformes e os ajustes correspondem a sua montagem. Para

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO Aluna: Patricia Carvalho Souza Luciana Martins Orientadora: Anna Virgínia Machado Normalização do Desenho Técnico Objetivo da normalização: A padronização ou normalização

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E TECNOLOGIA

UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E TECNOLOGIA UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E TECNOLOGIA ANOTAÇÕES DE AULAS DESENHO TÉCNICO CARLOS EDUARDO TROCCOLI PASTANA. Sugestões: pastana@flash.tv.br MARÍLIA. 2006. Revisão

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007 Esta é a nossa 7ª Aula. Nesta aula vamos aprender a usar o comando Hachura e criar um estilo de contagem adequado ao desenho arquitetônico. Ao completar então a nossa planta baixa conforme recomendações

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO DESENHO TÉCNICO MECÂNICO Engenharia Mecânica CSO-Ifes-55-2009 DESENHO TÉCNICO MECÂNICO JOÃO PAULO BARBOSA São Mateus, Maio de 2013. CSO-Ifes-55-2009 Sumário 1. Introdução...2 2. Letras e Algarismos...9

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE COORDENADORIA DO CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENADORIA DE DESENHO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Disciplina: Desenho Geométrico e Técnico Cursos: - Técnico em Eletrotécnica (SUB-MOD)

Leia mais

CALDEIRARIA. Leitura e Interpretação de Desenho

CALDEIRARIA. Leitura e Interpretação de Desenho Leitura e Interpretação de Desenho Sumário APRESENTAÇÃO...1 1. INTRODUÇÃO...2 2. NORMALIZAÇÃO...4 2.1. NORMAS NACIONAIS...5 2.1.1. O processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR)...5 3. FIGURAS PLANAS...7

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DESENHO TÉCNICO

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DESENHO TÉCNICO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DESENHO TÉCNICO Apresentações Professor Marco Antonio Menegaz Desligar o celular ou colocar no vibracall ou silencioso; Faça as ligações nos intervalos; Escute com atenção,

Leia mais

INTRODUÇÃOAO DESENHO TÉCNICO

INTRODUÇÃOAO DESENHO TÉCNICO ÁREA DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO INTRODUÇÃOAO DESENHO TÉCNICO Professores: Gilson Jandir de Souza Sérgio Pereira da Rocha Agosto de 2010 Aluno:...Turma:...Desenho Técnico A SUMÁRIO 1 1 INTRODUÇÃO...2

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 2/5: 6. Figuras geométricas 7. Sólidos geométricos Prof.

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Variantes: Electromecânica - Mecatrónica - Mecatrónica Automóvel - Aeronaves PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas DESENVOLVIMENTO DE CHAPAS É o processo empregado para transformar em superfície plana, peças, reservatórios, uniões de tubulações e de dutos, normalmente feitos em chapas, razão pela qual este processo

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica

Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica Diferentes tipos de linhas Hachura em cor diferente O (Negro) Linha Centro (Amarelo) Tracejado (Vermelho) Camadas ou Níveis Layer (AutoCAD)

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Desenho Mecânico I. Prof. Fernando

Desenho Mecânico I. Prof. Fernando C4 T1 C3 C1 t1 O1 O2 C2 t2 T2 Desenho Mecânico I Capítulo 01 Tangência e Concordância Tangência e Concordância Chama-se concordância de duas linhas curvas ou de uma reta com uma curva, a ligação entre

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Segurança do Trabalho

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO MECÂNICO PROFESSOR: MARCOS ANTÔNIO DE LEMOS PAULO

CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO MECÂNICO PROFESSOR: MARCOS ANTÔNIO DE LEMOS PAULO Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO

Leia mais

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR APOSTILA I DAC FORMATOS DE PAPEL ESTABELECIDOS PELA ABNT Os tamanhos de papel são padronizados para a elaboração de desenhos técnicos. A base do formato do papel é A0 (origem alemã Deutsch Industrien Normen-A

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR TEÓR. PRÁT. TOTAL GNE-130 ELEMENTOS DE MÁQUINAS 4 34 34 68

CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR TEÓR. PRÁT. TOTAL GNE-130 ELEMENTOS DE MÁQUINAS 4 34 34 68 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

V. Desenho projetivo

V. Desenho projetivo V. Desenho projetivo Curso Superior de Tecnologia de Soldagem V.1. Perspectivas No desenho técnico as perspectivas assumem papel importante na representação gráfica de objetos, proporcionando ao profissional

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental. Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens

Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental. Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental TEMA I ESPAÇO E FORMA Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens Os conceitos geométricos constituem parte importante

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Desenho bidimensional

Desenho bidimensional Desenho bidimensional As empresas tem migrado do desenho 2D para o 3D pelos seguintes motivos: Diminuição do ciclo de desenvolvimento do produto; Fornecimento de informações atualizadas; Evitar ou diminuir

Leia mais

Tecnológicas, UEG. Resumo

Tecnológicas, UEG. Resumo MODELAGEM E ETNOMATEMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - UMA ANÁLISE DE DOIS TIPOS DE PROFISSÃO EM GOIÁS. Suéllen de Freitas Marra 1,3 ; Karly Barbosa Alvarenga 2,3. 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais