2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO Constata se, atualmente, que organizações voltadas ao desenvolvimento de software, buscam alavancar seus níveis de competitividade, uma vez que o mercado de desenvolvimento de software apresenta constantes mudanças. Muitos esforços foram realizados, por meio de estudos e pesquisas que visam contribuir para a evolução de Engenharia de Software e de suas áreas de conhecimento através da definição de processos de software. Dentre os processos de software pode se destacar o Gerenciamento de Configuração de Software (GCS), contribuindo para a qualidade do projeto de software através do suporte as suas atividades relacionadas tanto aos aspectos gerenciais quanto aos aspectos técnicos. [6] O desafio no desenvolvimento, reside na criação de vantagens competitivas e na utilização dos processos de controle aliados a adequação da cultura organizacional. Esse artigo apresenta uma abordagem conceitual para o processo de CVS, cujo objetivo é contribuir para a melhoria da qualidade dos processos de software. 2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE A Gerência de Configuração de Software visa o estabelecimento e a manutenção da integridade dos componentes, que formam o projeto de software, no decorrer de seu ciclo de vida. De forma, a identificar os artefatos de software, controlar as alterações realizadas e registrar e gerenciar todas as mudanças decorrentes dos processos. De acordo com Bersoff, Não importa onde você esteja no ciclo de vida do sistema, o sistema mudará e o desejo de realizar alterações persistirá através de todo ciclo de vida. Desta forma, a GCS pode ser visualizada como uma ferramenta que favorece a qualidade do software em todas as suas etapas de desenvolvimento. [1] Esse processo tem em sua composição elementos importantes e relacionados entre si. Conforme Dart,... o processo de GCS é composto por elementos de componente, processo, construção e humanos.... Assim, entende se como elementos de componente, as ferramentas de desenvolvimento a serem empregadas, e como elementos de processo, as ações realizadas para uma abordagem eficaz na gestão de mudanças. E, como elementos de construção, as ferramentas empregadas à automatização de Itens de Configuração. E como elementos humanos, as abordagens de integração e favorecimento das relações humanas. [2]. Os artefatos controlados que fazem parte da configuração do software são tidos como Itens de Configuração (Configuration Itens - CIs). Segundo Pressman,... um item de configuração de software pode ser definido como informação criada como parte do processo de engenharia de software.... Ampliando essa abordagem inicial, um IC é todo ou parte de um artefato de software. [3] Um IC Item de Configuração, compreende a menor parte de um projeto de software, e sua integração ou não a outros ICs com caráter finalizador, caracteriza um artefato de software. 1

2 Todo o processo de controle das mudanças realizado no artefato, configuram as linhas de base que direcionam as atividades posteriores do projeto. Neste contexto, o GCS estabelece os princípios que favorecem a qualidade da atividade de desenvolvimento de software, tais como a Identificação de Configuração, que estabelece toda estrutura necessária à gestão da GCS, o Controle de Configuração favorece a definição das ações realizadas, a Administração de Estado responde pela entrega de documentação informativa de configuração e a Auditagem de Configuração permite a fiscalização das baselines, verificando minunciosamente se a documentação de requisitos foi obedecida. 2.1 CONTROLE DE VERSÃO O Controle de Versão atua de forma a preservar as versões de um artefato de modo sistemático e seguro, e não limitado em número de versões. Segundo Pressman,... o controle de versão combina procedimentos e ferramentas para gerenciar diferentes versões de objetos de configuração, criados durante o processo de software.. Desta forma o controle de versão oportuniza um melhor acompanhamento do histórico de desenvolvimento. O controle de versão visa especificamente definir o estado de determinado objeto em dado momento, gerenciando as alterações realizadas no artefato para o incremento em mais uma versão de software, identificando cada versão por meio de numeração específica, mantendo todo o histórico de alterações. Durante as últimas décadas foram propostas muitas abordagens automáticas diferentes para o controle de versão, sendo que a principal diferença reside na sofisticação dos métodos de versionamento e controle do mesmo. O controle de versionamento prioriza o controle das alterações devido a possibilidade e alterações mal gerenciadas conduzirem todo um projeto a uma situação de caos, e dependendo do tamanho do projeto, ao fracasso. Segundo Bach,... o controle de alterações é vital. Mas as forças que o tornam necessário também o tornam inconveniente. Temos medo das alterações, porque uma pequena perturbação no código pode criar uma enorme falha no produto. Mas elas podem também reparar uma grande falha ou habilitar novos e maravilhosos recursos. Temos medo das alterações porque um único desenvolvedor irresponsável poderia afundar todo o projeto; embora ideias brilhantes possam surgir das mentes desses brincalhões, um controle de versionamento pesado poderia efetivamente desencoraja los no seu trabalho criativo.... Verifica se que Bach reconhece a necessidade de um ponto de equilíbrio quando se fala na questão do controle de versão. O processo de controle de alteração está ilustrado conceitualmente na Figura

3 Figura 1.1 Processo de Controle de Alteração Uma solicitação de alteração é apresentada e avaliada a sua viabilidade, efeitos colaterais e detalhes técnicos. Os resultados dessa avaliação compõem um relatório técnico de alterações que é analisado pela autoridade de controle de alterações (change control authority - CCA) que toma a decisão sobre o status e prioridade da alteração. Uma ordem de alteração de engenharia (engineering change order - ECO) é gerada para alteração aprovada. Os IC a serem alterados são colocados em um diretório e o sistema de controle de versão atualiza o arquivo original. Após as alterações serem concluídas os objetos são inseridos no repositório e o sistema de controle de versão se encarrega de criar a próxima versão de software. 2.2 SISTEMA DE CONTROLE DE VERSÃO São sistemas destinados a registrar alterações em grupos de arquivos durante um período de tempo, de forma que esses arquivos possam ser recuperados de acordo com as necessidades específicas do projeto. O sistemas de controle de versão possuem um grande histórico marcado pelas evoluções tecnológicas e pelas recorrentes necessidades da comunidade de desenvolvimento de software tais como: desenvolvimento paralelo, customização da versão e inclusão de requisitos HISTÓRICO Segundo Bolinger e Bronson [4], o primeiro sistema de controle de versão foi desenvolvido em 1972 e foi denominado Source Code Control System (SCCS), sendo a principal ferramenta de controle de versão até o surgimento do RCS (Revision Control System), que foi o pioneiro com o emprego de uma técnica 3

4 denominada interleaved deltas, sendo considerada essa técnica a precursora para o surgimento das atuais técnicas de junção. O CVS (Concurrent Versions System), foi desenvolvido com base no RCS, porém com a característica de gerenciar todos os arquivos de um projeto, sendo iniciado seu projeto em 1986 e aperfeiçoado em Ainda na busca por melhoramentos foi desenvolvido o Subversion pela empresa CollabNet com o foco em ser uma opção mais robusta ao CVS. Nessa época a empresa SUN trabalhava com o TeamWare, que tratava se de um sistema de controle de versão distribuído, que fora substituído pela equipe de desenvolvimento da SUN, por aplicações mais atuais como: Mercurial que fora criado por Matt MacKall e o Git, criado por Linus Torvalds CONCEITOS As diversas ferramentas de controle de versionamento compartilham conceitos particulares que são inerentes a todas, pois são características de qualquer SCV. Sendo os principais termos técnicos empregados pelos SCV s. item de configuração: é representado até pela menor parte que compõe o processo de desenvolvimento, sendo identificados unicamente. repositório: local de armazenamento dos arquivos. versão: representa o estado de um item de configuração e deve possuir um identificador único. ramo: versão paralela ou alternativa, usada em configurações alternativas. check out: é o ato de criar uma cópia de trabalho update: é o ato de enviar modificações contidas no repositório para a área de trabalho. commit: é o ato de criar o artefato no repositório pela primeira vez ou criar uma nova versão do artefato quando este passar por alguma modificação. merge: é a mescla entre versões diferentes, objetivando gerar uma única versão que agregue todas as alterações realizadas. changeset: que é uma coleção atômica das alterações realizadas no repositório. No Sistema de Controle de Versão o repositório armazena todo o histórico do projeto e cabe ao desenvolvedor fazer uma cópia e dos arquivos para sua área de trabalho, onde ele pode realizar as modificações e enfim salvar os arquivos no repositório. Figura 1.2 Comunicação entre o repositório e a área de trabalho (DIAS, 2009). 4

5 2.2.3 MODELO CENTRALIZADO E DISTRIBUIDO Atualmente os SCV são classificados em dois tipos principais, que diferenciam se por suas particularidades no que tange a forma como os desenvolvedores interagem com o SCV, denominados: Centralizado e Distribuído. Ambos os modelos serão objetos de nossa verificação. O modelo Centralizado opera com um servidor central e diversas áreas de trabalho, baseando se na arquitetura clássica cliente-servidor. Essa infraestrutura de Controle de Versão atende perfeitamente a equipes de variados tamanhos e que desenvolvam seus trabalhos em um mesmo ambiente. Dentre suas características principais destacam se o bom tempo de resposta do servidor e a necessidade de todas as comunicações se darem exclusivamente pelo servidor. Sendo o sistema Subversion uma das principais ferramentas de controle centralizado. [5] A Figura 1.3, demonstra o fluxo de arquivos no sistema de controle de versão centralizado. Figura 1.3 Fluxo SCV Centralizado (DIAS, 2009). O modelo Distribuído é aplica se melhor a equipes que trabalhem em grandes distancias, como cidades distintas. Onde cada área de trabalho possui um servidor próprio, sendo realizadas as operações de check-in e check-out na própria máquina do desenvolvedor, sendo que cada máquina pode comunicar se entre si sem a necessidade de comunicação com o servidor central. Assim faz se necessário a escolha de um servidor central com acesso remoto por meio de duas operações denominadas: pull (puxar): operação responsável por mesclar a versão de uma máquina externa com a versão da máquina nativa de um desenvolvedor da equipe. push (empurrar): é o envio de para outra máquina a versão nativa na máquina de determinado desenvolvedor. lock: bloqueia o arquivo para modificações enquanto determinado desenvolvedor estiver o alterando para evitar a sobreposição de código. 5

6 Um dos sistemas de controle de versão distribuído mais utilizado é denominado Git. [5] A Tabela 1.1, apresenta alguns SCV s distribuídos e centralizados de utilização livre e comercial. A figura 1.4, apresenta o fluxo de arquivos com o emprego de ferramentas de software desatualizada. Tabela 1.1 Sistemas de Controle de Versão Figura 1.4 Fluxo SCV Distribuído (DIAS, 2009). 6

7 3. SUBVERSION Neste capítulo é a presentada a ferramenta de controle de versão centralizada Subversion, estando disponível em Neste capítulo apresenta se seu ciclo de trabalho, principais comandos, características da interface bem como a visão geral da ferramenta, com o objetivo de fornecer informações precisas para a realização de comparações com as demais ferramentas SCV. 3.1 CICLO DE TRABALHO Os principais comandos da ferramenta Subversion estão relacionados com seu ciclo de trabalho, fazendo parte das seguintes operações: Atualizar cópia de trabalho: o comando svn update, traz alterações do repositório para sua paste de trabalho. Realizar alterações: o comando svn add adiciona arquivos, svn delete, exclui um item ou cópia de trabalho, svn copy copia um arquivo ou diretório, svn move, move um arquivo ou diretório. Verificar alterações: svn status, exibe informações sobre o status do arquivo, svn diff, demonstra as diferenças entre duas revisões. Desfazer alterações: svn revert, desfaz todas as edições locais. Resolver conflitos: svn update, atualiza a cópia de trabalho, svn resolved, remove arquivos ou diretórios da cópia de trabalho em estado de conflito. Submeter alterações: svn commit, envia as alterações de sua cópia para o repositório. 7

8 A Figura 1.5 apresenta o fluxo de processos empregado no Subversion. Figura 1.5 Fluxo de trabalho do Subversion 8

9 3.2 VISÃO GERAL OPERAÇÕES No Subversion a operação de commit é atômica, ou seja, se a operação for interrompida pelo meio ela é desconsiderada. Isso permite, por exemplo, que em uma ocasião de queda de energia no exato momento em que era realizada uma operação de commit, o repositório não fique um estado inconsistente. O Subversion é uma ferramenta de controle de versões que trabalha de forma centralizada, por isso não possui a funcionalidade de propagar as mudanças de um repositório para outro. O histórico do Subversion além das revisões, quem realizou as alterações e quando elas foram realizadas em um arquivo ou diretório. Através do comando svn blame é possível também obter informações de autor e revisões por linha de um arquivo ou URL especificados. A cada commit realizado no Subversion é criado um changeset diferente com informações como a lista de arquivos alterados, quem realizou as alterações, mensagem de log e quando foi realizado. Porém, o Subversion não permite que o próprio usuário crie um changeset da maneira que desejar, como em outras ferramentas de controle de versões. No caso de um merge com um arquivo renomeado, o Subversion não consegue reconhecer o arquivo e copia o arquivo de origem para o local destinado, deletando o arquivo de destino. Movimentar e renomear arquivos ou diretórios no Subversion são operações possíveis e simples. As cópias de arquivos e diretórios também são suportadas. Apesar de parecer uma operação simples, muitas ferramentas de controle de versão não suportam a operação de cópia. Muitos usuários também utilizam a possibilidade de cópia de arquivos e diretórios para criarem ramos manualmente no Subversion CARACTERÍSTICAS E INTERFACE Uma importante característica do Subversion é que ele consegue controlar as alterações realizadas na cópia de trabalho que ainda não foram enviadas ao repositório. Isso é feito através do comando svn diff, assim o usuário pode analisar suas alterações antes de enviá-las ao repositório. Todo commit no Subversion pode ser acompanhado de uma mensagem de log, ou seja, o usuário pode descrever todas as alterações relativas àquele commit em uma mensagem, que fica gravada no repositório. O Subversion permite apenas uma mensagem de log para todo o conjunto de mudanças, não permitindo que cada arquivo possua uma mensagem de log particular. O Subversion é uma das ferramentas de controle de versões com o maior número de clientes baseados em interface Web. A Figura 1.6 demonstra a interface web Trac Subversion. Figura 1.6 Trac Subversion interface web 9

10 4. GIT Neste capítulo é a presentada a ferramenta de controle de versão distribuído GIT, estando disponível em Neste capítulo serão apresentados seu ciclo de trabalho, principais comandos, características da interface bem como a visão geral da ferramenta, com o objetivo de fornecer informações precisas para a realização de comparações com as demais ferramentas SCV. 4.1 CICLO DE TRABALHO Os principais comandos do GIT estão ligados ao seu ciclo básico de trabalho. O ciclo básico de trabalho pode ser definido como as operações comuns realizadas por um desenvolvedor em seu dia a dia de trabalho. Fazem parte do ciclo básico do GIT as seguintes operações: Atualizar e cópia de trabalho: git fetch, que faz o download de alterações do repositório desejado, git merge, para mesclar as alterações baixadas com o seu repositório, git pull, que atualiza seu repositório e sua área de trabalho com as alterações de outro repositório, Fazer alterações: git add, que adiciona arquivos ao index, git rm, que exclui um item de uma cópia de trabalho ou do repositório e git mv, que move ou renomeia um arquivo ou diretório, Verificar suas alterações: git status, que exibe informações sobre o estado de arquivos e diretórios na cópia de trabalho e git diff, que exibe as diferenças entre duas revisões ou caminhos, Desfazer algumas alterações: git revert, que desfaz todas as edições locais, Resolver conflitos: git mergetool, que executa ferramentas de resolução de conflitos para resolver conflitos de junção, Submeter alterações: através do comando git commit, que envia as alterações de sua cópia de trabalho para o repositório. Propagar suas alterações para outro repositório: git push, que envia as alterações do repositório local (origem) para outro repositório (destino). A Figura 1.7 apresenta o fluxo de processos empregado no GIT. 10

11 Figura 1.7 Fluxo de trabalho no GIT. 11

12 4.2 VISÃO GERAL OPERAÇÕES Assim como no Subversion, no GIT a operação de commit é atômica, ou seja, se uma operação é interrompida, ela é desconsiderada e o repositório não fica em um estado inconsistente. Pelo fato de ser um sistema de controle de versões descentralizado, clonar um repositório no GIT é uma operação comum. Isso é feito através do comando git clone. Este comando clona um repositório em um novo diretório, cria ramos remotos para cada ramo do repositório clonado e cria um ramo inicial já realizando um check out no mesmo. No GIT a propagação de mudanças de um repositório para outro é oferecida através dos comandos git push, git fetch e git pull. O comando git fetch atualiza o repositório sem atualizar a cópia de trabalho, o comando git push envia as alterações de um repositório local para um repositório remoto e o comando git pull atualiza o repositório local com alterações de um repositório remoto. O comando git pull já atualiza também a cópia de trabalho do usuário, portanto, ele nada mais é do que um git fetch seguido de um merge CARACTERÍSTICAS E INTERFACE Com o GIT é possível controlar as alterações realizadas na cópia de trabalho que ainda não foram enviadas ao repositório. Isso é feito através do comando git diff, assim o usuário pode analisar suas alterações com cautela antes de enviá-las ao repositório. É possível também ignorar alterações indesejadas, alocando-as em um diretório isolado, através do comando git stash. O GIT não possui tantos clientes baseados em interface Web como o Subversion, porém sua distribuição já possui um cliente, o Gitweb. O Gitweb foi desenvolvido na linguagem Perl e permite navegar pelos diretórios através de revisões desejadas, ver o conteúdo dos arquivos, verificar o log de diferentes ramos e examinar os commits, visualizando a mensagem de log e as alterações relativas ao commit. A Tabela 1.2 Subversion X GIT, apresenta o comparativo de funcionalidades de ambas as ferramentas. SUBVERSION Licença Apache/BSD GNU GPL v2 GIT Portabilidade Excelente Boa Interoperabilidade Excelente Boa Documentação Excelente Boa Implantação Regular Boa Integração de Rede Excelente Excelente Replicação Remota de Repositório Indiretamente Sim 12

13 Propagação de alterações de repositórios Indiretamente Sim Commits atômicos Sim Sim Permissões de acesso ao repositório Repositório, Diretórios, Arquivos Repositório, Diretório, Arquivos Histórico com informações linha a linha Sim Sim Suporte a Changeset Sim Sim Renomear/Movimentar arquivos ou diretórios Sim Sim Cópias de arquivos ou Sim Não Merge inteligente após Renomear/Movimentar arquivos Monitoramento de alterações não enviadas ao repositório Não Sim Não Sim Mensagens de log para cada arquivo do commit Não Não Trabalhar com apenas um diretório do repositório (Check out parcial) Sim Não Interface Web Sim Sim Interface Gráfica de Usuário Sim Sim Tabela 1.2 Subversion X GIT 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho contribuiu na revisitação de conceitos relativos a Gerência de Configuração de Software, sobre o prisma do Controle de Versionamento de Software tomando como base de pesquisa as modernas ferramentas de CVS: Subversion e GIT. Verificando as particularidades de cada uma bem como os benefícios de suas aplicações no contexto da GCS. 13

14 Referências 1. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software, p 515. São Paulo: AMGH, PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software, p 516. São Paulo: AMGH, CUNHA, João R. D. et al. Uma Abordagem para o Processo de Gerenciamento de Configuração de Software, p Disponível em: Acesso em 27 mai BOLINGER, D., BRONSON, T. Applying RCS and SCCS: From Source Control to Project Control, p 526, O'Reilly Media, Lacerda, Eduardo C. Sistemas de Controle de Versão, p Disponível em: Acesso em 26 de mai PÁDUA F. et al. Engenharia de Software: Fundamentos Métodos e Padrões. LTC DIAS, A. F. Conceitos Básicos de Controle de Versão de Software - Centralizado e Distribuído Disponível em gerencia_configuracao/conceitos_basicos_controle_versao_centraliz ado_e_distribuido.php?pagnum=0. Acesso em 28 de mai

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git. Versão 1.1

TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git. Versão 1.1 TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git por Djalma Oliveira Versão 1.1 "Git é um sistema de controle de revisão distribuida, rápido e escalável" (tradução rápida do manual). Basicamente é

Leia mais

Controle de Versão. Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues. bruno@urbano.eti.br

Controle de Versão. Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues. bruno@urbano.eti.br Controle de Versão Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues bruno@urbano.eti.br Apresentação - Docente Mestre em Ciência da Computação na Universidade Federal de Goiás. Especialista em Gestão de Software pela

Leia mais

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br)

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução ao Controle de Versões Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução A Engenharia de Software... Abordagem disciplinada para o desenvolvimento de software Grande diversidade de metodologias

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Controle de Versão com GIT

Controle de Versão com GIT Controle de Versão com GIT Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br http://www.toffolo.com.br Conteúdo Extra Algoritmos e Estruturas de Dados História do GIT Linus usa BitKeeper para gerenciar o código de suas

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

Git e contribuição para projetos Open Source. Bruno Orlandi

Git e contribuição para projetos Open Source. Bruno Orlandi Git e contribuição para projetos Open Source Bruno Orlandi Bruno Orlandi 4º Ano Ciências de Computação ICMC USP PET Computação HTML5 Web e Mobile Gosta de compartilhar conhecimento @BrOrlandi Instalando

Leia mais

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Doutorado Multi-Institucional em Ciência da Computação UFBA UNIFACS UEFS terceiro@dcc.ufba.br 8 de novembro de 2008 Termos

Leia mais

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software Versionamento de Código Núcleo de Desenvolvimento de Software Por quê? Facilidades de utilizar um sistema de versionamento de código. Várias versões Quando se salva uma nova versão de um arquivo, a versão

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas de Controle de Versões Daniel Tannure Menandro de Freitas

Análise Comparativa entre Sistemas de Controle de Versões Daniel Tannure Menandro de Freitas Análise Comparativa entre Sistemas de Controle de Versões Daniel Tannure Menandro de Freitas JUIZ DE FORA DEZEMBRO, 2010 i Análise Comparativa entre Sistemas de Controle de Versões Daniel Tannure Menandro

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Agenda. Gerência de Configuração de Software. Atividade Sala. Quais os problemas? P1) Duplicidade de Trabalho. P2) Trabalhos Sobrepostos

Agenda. Gerência de Configuração de Software. Atividade Sala. Quais os problemas? P1) Duplicidade de Trabalho. P2) Trabalhos Sobrepostos Agenda Gerência de Configuração de Software Vamos entender o Problema? Quais os problemas? Gerência de Configuração Marcos Dósea dosea@ufs.br Entender os problemas... Quais os problemas? Problema 1) Duplicidade

Leia mais

Salvando modificações localmente (commit) Enviando modificações para o servidor (push) Sinalizando versão estável (tag)

Salvando modificações localmente (commit) Enviando modificações para o servidor (push) Sinalizando versão estável (tag) Salvando modificações localmente (commit) Enviando modificações para o servidor (push) Sinalizando versão estável (tag) Desfazendo modificações (reset) Verificar status de repositório 5 Não vamos fazer,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

Controle de Versão de Software. Luiz Jácome Júnior

Controle de Versão de Software. Luiz Jácome Júnior Controle de Versão de Software Luiz Jácome Júnior Motivação Alguém já sobrescreveu o código de outra pessoa por acidente e acabou perdendo as alterações? Tem dificuldades em saber quais as alterações efetuadas

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DEFINIÇÃO DA APLICAÇÃO PARA CONTROLE DE VERSÕES DOS ARTEFATOS GERENCIADOS PELA FERRAMENTA S.A.Do.M (SOFTWARE ARTIFACTS DOCUMENTATION AND MANAGEMENT)

Leia mais

Sistema de Controle de Versão - CVS

Sistema de Controle de Versão - CVS - CVS Adailton Magalhães Lima adailton@webapsee.com Não há nada permanente exceto a modificação. Heráclitos 500 a.c. Adaptado de ESTUDO E PROPOSTA DE MODELOS DE PROCESSO DE SOFTWARE PARA O LABORATÓRIO

Leia mais

Padrões de configuração GIT

Padrões de configuração GIT UNIVERSIDADE CEUMA Padrões de configuração GIT Versão 1.2 12/12/2013 Este é um modelo de configuração para uso da ferramenta GIT adotada no Grupo Ceuma de Educação. Aqui encontram-se os padrões de configuração

Leia mais

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Gestão de Configuração de Software - Conceitos Principais - ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Agenda Configuração Itens de Configuração Versionamento

Leia mais

Tutorial SVN Básico Engenharia de Software. Denise Notini Nogueira denotini@dcc.ufmg.br

Tutorial SVN Básico Engenharia de Software. Denise Notini Nogueira denotini@dcc.ufmg.br Tutorial SVN Básico Engenharia de Software Denise Notini Nogueira denotini@dcc.ufmg.br As vantagens do controle de Versão As principais vantagens de se utilizar um sistema de controle de versão para rastrear

Leia mais

Introdução ao Git. Introdução ao GIT. Anderson Moreira. Baseado nos slides disponíveis em http//free electrons.com

Introdução ao Git. Introdução ao GIT. Anderson Moreira. Baseado nos slides disponíveis em http//free electrons.com Introdução ao GIT Introdução ao Git Anderson Moreira Copyright 2009, Free Electrons. Creative Commons BY SA 3.0 license Latest update: Aug 28, 2015, Document sources, updates and translations: http://free

Leia mais

O primeiro passo é habilitar acesso externo através de web service a configuração é bem simples e não exige maiores explicações.

O primeiro passo é habilitar acesso externo através de web service a configuração é bem simples e não exige maiores explicações. Integração de Controle de versão com Redmine. A integração do controle de versão pode permitir uma interatividade bem interessante entre os tickets e projetos do redmine com o controle de versão segue

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Controle de Versão com CVS

Controle de Versão com CVS Controle de Versão com CVS Danilo Toshiaki Sato www.dtsato.com Treinamento ALESP SPL Agenda 1. Introdução 2. Conceitos Importantes 3. Operações mais comuns - Eclipse 4. Processo de Liberação SPL 5. Conclusão

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Redmine Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Sobre o palestrante Eliel Gonçalves Formação técnica em processamento de dados e graduação em tecnologia em processamento de dados. Possui 15 anos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Sistemas de Controle de Versão ~Subversion~ Juliano Ferraz Ravasi UNESP Rio Claro - 2005

Sistemas de Controle de Versão ~Subversion~ Juliano Ferraz Ravasi UNESP Rio Claro - 2005 Sistemas de Controle de Versão ~Subversion~ Juliano Ferraz Ravasi UNESP Rio Claro - 2005 Por que Controle de Versão? Programar...... é difícil;... toma muito tempo;... exige cooperação de várias pessoas;...

Leia mais

Objetivo. Introdução; História; Conceito; SVN; Instalação; Prática através de exercícios.

Objetivo. Introdução; História; Conceito; SVN; Instalação; Prática através de exercícios. Tema Subversion Objetivo Introdução; História; Conceito; SVN; Instalação; Prática através de exercícios. Introdução É um sistema de controle de versão e revisão, distribuído entre os que utilizam desta

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

Introdução à Gerência de Configuração. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Introdução à Gerência de Configuração. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Introdução à Gerência de Configuração Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Introdução A Engenharia de Software... Abordagem disciplinada para o desenvolvimento de software Grande diversidade

Leia mais

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm. J820 Integração Contínua com CVS, CruiseControl, Cruise Control AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.org) Integração contínua Um dos requisitos para implementar a integração contínua é ter um sistema

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa Gestão de Modificações Fabrício de Sousa Introdução Inevitáveis quando o software é construído Confusão As modificações não são analisadas antes de serem feitas Não são registradas antes de serem feitas

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO AGENDA AGENDA 1. Sobre a Shift 2. Integração de ferramentas de apoio 1. SCMBug Integração entre SCM Tools e ferramentas

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Manual de Utilização do Tortoise SVN. Fábrica de Software. Algar Tecnologia Unidade BH

Manual de Utilização do Tortoise SVN. Fábrica de Software. Algar Tecnologia Unidade BH Manual de Utilização do Tortoise SVN Fábrica de Software Algar Tecnologia Unidade BH Revisão 1.2 Elaborado por Crhistian Souza EPG Sumário 1. Autenticando-se no SVN da Algar Tecnologia... 3 2. Trabalhando

Leia mais

Introdução ao Git. Laboratório de Programação. Luísa Lima, Pedro Vasconcelos, DCC/FCUP. Março 2015

Introdução ao Git. Laboratório de Programação. Luísa Lima, Pedro Vasconcelos, DCC/FCUP. Março 2015 Introdução ao Git Laboratório de Programação Luísa Lima, Pedro Vasconcelos, DCC/FCUP Março 2015 Porquê controlo de versões? Um sistema de controlo de versões (VCS) é um ferramenta integrada que possibilita

Leia mais

Introdução à Engenharia ENG1000

Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Aula Extra - Projetos e Controle de Versões 2016.1 Prof. Augusto Baffa Armazenando seu projeto Como armazenar versões? Não se preocupar Acumular

Leia mais

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Redmine Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Sobre o palestrante Eliel Gonçalves Formação técnica em processamento de dados e graduação em tecnologia em processamento de dados. Possui 15 anos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Configuração manual.ost Microsoft Office 365

Configuração manual.ost Microsoft Office 365 Configuração manual.ost Microsoft Office 365 Classificação do Documento: Página 1 de 12 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CONTROLE DOCUMENTO... 3 OBJETIVO... 4 USUÁRIOS DO DOCUMENTO... 4 INTER-RELACIONAMENTO COM OUTROS

Leia mais

Ícaro Technologies e ASR Consultoria

Ícaro Technologies e ASR Consultoria Be Competitive Ícaro Technologies e ASR Consultoria Uma solução para Gerência Integrada de Requisitos e Configuração, facilmente replicável, baseada em Softwares Livres Copyright Ícaro Technologies, 2006

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto

Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto Erivan de Sena Ramos 1, Rejane Cunha Freitas 2 1 Faculdade Integrada do Ceará (FIC), Fortaleza, CE, Brasil, erivansr@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1 06/2015 Sumário 1 Prefácio... 3 1.2 Finalidade... 3 1.3 Público Alvo... 3 1.4 Organização deste Guia... 3 1.5 Documentações Importantes... 3 2 Atualização... 4 2.1 Executando o Updater de Atualização...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Agenda. Aprendendo Git/GitHub. Definições. Git. História 31/05/2012. Vantagem de usar controle de versão

Agenda. Aprendendo Git/GitHub. Definições. Git. História 31/05/2012. Vantagem de usar controle de versão Agenda Aprendendo Git/GitHub Luciana Balieiro Cosme IFNMG Montes Claros Sobre Git Instalação no Windows Comandos básicos Estrutura de um commit Branches GitHub Considerações finais Definições Git is an

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

CollabDev: Gerenciador de Repositórios para Ambientes Colaborativos de Desenvolvimento RODOLFO ADHENAWER CAMPAGNOLI MORAES

CollabDev: Gerenciador de Repositórios para Ambientes Colaborativos de Desenvolvimento RODOLFO ADHENAWER CAMPAGNOLI MORAES CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CollabDev: Gerenciador de Repositórios para Ambientes Colaborativos de Desenvolvimento

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

3.1 Baseado em operações

3.1 Baseado em operações 23 3. Estado da Arte Algumas das ferramentas de controle de versão comerciais mais conhecidas atualmente são: Concurrent Version System (CVS) [CEDERQVIST, 1993], Microsoft Visual SourceSafe (MVSS) [MICROSOFT,

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Sistema P2P com Timestamping para Sincronização de Diretórios

Sistema P2P com Timestamping para Sincronização de Diretórios Sistema P2P com Timestamping para Sincronização de Diretórios Jaime, Alison, Nuno e Pedro Disciplina: Gerenciamento de Dados Distribuído Prof. Eduardo Cunha de Almeida Junho / 2010 Programa disponível

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Gerência de Configuração de Software Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Introdução O que é GCS? Terminologia Agenda Modelos, Padrões e Normas Processo de GCS Padrão IEEE

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares Empresa de Informática Infinity LTDA Gerenciamento de Configuração Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares 22/05/2012 Índice Analítico 1. Introdução 1.1 Finalidade 1.2 Escopo 1.3 Definições,

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio Faizi Rahnemay

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Planejando o aplicativo

Planejando o aplicativo Um aplicativo do Visual FoxPro geralmente inclui um ou mais bancos de dados, um programa principal que configura o ambiente de sistema do aplicativo, além de uma interface com os usuários composta por

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

II Torneio de Programação em LabVIEW

II Torneio de Programação em LabVIEW Desenvolvimento da Aplicação II Torneio de Programação em LabVIEW Seção I: Requisitos Gerais A aplicação submetida deverá atender, pelo menos, às exigências de funcionamento descritas na Seção II deste

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais