SERVENTIAS NOTARIAIS Disciplina: Registro Civil de Pessoas Naturais Tema: Casamento e União Estável Professor: Daniela Rosário Data: 02/06/2007 RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVENTIAS NOTARIAIS Disciplina: Registro Civil de Pessoas Naturais Tema: Casamento e União Estável Professor: Daniela Rosário Data: 02/06/2007 RESUMO"

Transcrição

1 RESUMO 1) Introdução: Lei , Casamento: Cria a comunhão plena de vida Art. 1511: casamento estabelece a comunhão plena de vida. a) Duas regras distintas: 1) conjunto de normas relativas ao próprio ato matrimonial e os efeitos extra-patrimoniais 2) conjunto de normas relativas ao patrimônio do casamento (bens e alimentos) Aspecto extra patrimonial: para que uma pessoa possa se casar, precisa ter, no mínimo, 16 anos de idade. Antes dos 16 anos, ela só pode se casar com autorização judicial. Autorização: suprimento judicial da idade, e não autorização para casar. Então a autorização para casar é diferente da emancipação. O juiz só pode antecipar o casamento daquele que tem menos de dezesseis anos por motivo de gravidez. Não há outro. No código civil, havia a autorização do casamento para afastar pena criminal. Isso não existe mais. Somente em caso de gravidez. Se os nubentes não se conformarem, o caminho é a suscitação de dúvida. A autorização judicial deve ser levada ao registro civil. A pessoa que possua menos de 16 anos, quando comparece ao registro civil para se habilitar ao casamento, deve junto com os documentos do art do CCV, apresentar os documentos. Aquele que ainda não tenha 18 anos completos, ainda depende da autorização dos seus assistentes para que possa se casar. Essa autorização em nada se confunde com a idade. É para aqueles que já tem 16 anos completos. A autorização é dada pelos pais, dentro do poder familiar. Se ambos têm poder familiar, os dois precisam autorizar. Se houver conflito entre os pais, aquele que concorda com o casamento pode buscar o suprimento judicial, desde que a recusa seja injustificada, pois não caberá ao juiz dar ao consentimento no lugar dos pais. Se um dos pais for morto ou tiver perdido o poder familiar, o poder familiar se concentra no outro gerador, que poderá sozinho, sem qualquer declaração especial, dar a autorização (isso é pegadinha de prova). Se o poder é dos dois, mas um deles se encontra em local incerto, o outro autoriza sozinho, mas na autorização tem que constar que o faz sozinho por desconhecer por completo o paradeiro por outro titular (questão de prova). Os nubentes comparecerão ao registro de pessoas naturais no domicílio de qualquer deles. Precisa ser na serventia do domicílio? Sim, por determinação legal. Art. 1525: prova do local de domicílio (então a própria lei exige a prova do local de domicílio, não há como procurar habilitação em outra serventia). Não é obrigatório o comparecimento pessoal. Qualquer um deles pode se fazer representar por procurador. Há um projeto de lei tentando proibir a procuração. Essa procuração pode ser feita por instrumento particular. Não precisa ser lavrada por instrumento público, essa é própria da celebração do casamento. Se for só procuração para habilitação ao casamento, pode ser público ou particular, pois a forma não é estabelecida. Mas precisa ser prova escrita, pois precisa provar depois. O ideal é que esse documento particular venha acompanhado do reconhecimento de firma. Entregues os documentos, serão publicados os proclamas, caso toda a documentação esteja em ordem. Pela publicação dos proclamas cabe ao registrador promover a cobrança pelo real valor. O legislador determina que sempre haja publicação dos proclamas se houver jornal na cidade. Em cidades pequenas é comum que se faça a publicação no diário da cidade. Esse real valor não ingressa na serventia como receita, nem como despesa, pois não é a serventia que recebe ou gasta para fazer a publicação. Quem tem o efetivo gasto quanto aos proclamas são os nubentes. Como são os - 1

2 nubentes que pagam, cabe o registrador fornecer o recibo de pagamento. Na prática não emprestam recibo, mas ele deve, pois recebe como depositário do valor para promover a quitação das despesas relativas à publicação. Os proclamas deverão ficar fixados pelo período de 15 dias na própria sede da serventia. A finalidade é dar ampla publicidade quanto ao pedido para habilitação do casamento. A publicidade tem por fim garantir que qualquer pessoa capaz possa opor o impedimento matrimonial. (art. 1521). Garante que qualquer parente em linha reta, independentemente da natureza do parentesco (civil, consangüíneo ou afinidade) ou o parente colateral em segundo grau (civil ou consangüíneo) possa suscitar a causa suspensiva do casamento. Hipóteses previstas no art do CCV. Quem mais tem capacidade para suscitar causa suspensiva? O ex-cônjuge. A ex-mulher pode alegar quando o ex-marido pretender contrair novo matrimônio, com inexistência de partilha dos bens do casal. O ex-marido tem legitimidade, além dessa hipótese, quando a ex-mulher estiver grávida ao se habilitar para o novo matrimônio. Importante: nos impedimentos matrimoniais, como o que se protege é o interesse público, qualquer pessoa com capacidade civil tem legitimidade ativa. Precisa fazer prova de interesse? Não. Se for causa suspensiva. Somente pode opor causa suspensiva, pessoa que consiga provar interesse. Se não puder fazer essa prova do interesse, não poderá argüir. Mas os parentes não precisam provar o interesse. Aqueles a quem a lei não dá legitimidade precisam fazer a prova de interesse. Até que momento a causa suspensiva pode ser oposta? Obs.: Tanto faz se é impedimento ou suspensão, a via é a oposição. Em relação à oposição de impedimentos, eles podem ser suscitados até a celebração do casamento. Se for uma oposição de impedimento, a lei é expressa em determinar que ela possa ser oferecida até o momento da celebração do casamento, quando a autoridade declara casados. Não basta que as partes tenham manifestado a vontade perante a autoridade. Só com a declaração é que o casamento tem-se por celebrado. É a partir dessa declaração que se pode opor ao casamento. Se um juiz de paz já tivesse feito a declaração, mesmo que o registro não tenha sido efetivado, o casamento já estaria celebrado. Então a oposição de impedimento é até a celebração. Em relação à causa suspensiva, não há uma determinação expressa no CCV. Embora haja esse silêncio, há duas correntes: 1) corrente 1: a causa só pode ser argüida até o termo final dos 15 dias da publicação dos proclamas. Depois desses quinze dias, precluiu. 2) corrente 2: o momento anterior à celebração do casamento. Ou seja, até o momento em que a autoridade competente faça a declaração do art. 1535, um dos legitimados do art poderia o- ferecer a oposição. Efeito decorrente da causa suspensiva: os nubentes são obrigados a casar sob o regime de separação total dos bens. Art. 1641, I. Salvo na hipótese em que a pessoa se casa em razão de viuvez, tendo filhos comuns com o falecido, não tiver feito o inventário e partilha dos bens do casal. Nessa hipótese, além da separação total, a lei garante a hipoteca legal dos bens do falecido em relação aos filhos. A regra é a punição do art. 1641, I. Se não houver causa suspensiva, até quando a pessoa pode escolher o regime de bens? A escolha será feita durante a habilitação. Quando estão nessa fase, os nubentes escolhem um regime de bens diferente da hipótese legal. Lavraram uma escritura, apresentaram no registro civil, mas o casamento ainda não foi celebrado. Podem optar por outro regime de bens? Podem. Até que momento pode mudar o regime de bens? Até o momento da celebração do casamento. Por quê? Porque o regime só começa a vigorar com a celebração com do casamento. Antes dos nubentes celebrarem o matrimônio não produz quaisquer efeitos, nem contra terceiros, nem entre os nubentes. - 2

3 Se os nubentes podem até a celebração escolher o regime de bens, e a violação de causa suspensiva retira esse poder de escolha, parece mais razoável que a celebração seja o momento final para a argüição da causa. Prova: se não houver norma da corregedoria do estado, procure aquilo que dá a justificativa. Exemplo: a lei determina que a argüição de causa possa ser argüida até a celebração. Está errado, pois a lei não estabelece. Se uma questão aparecer na prova objetiva, é preciso fazer a comparação com o fundamento da questão. Se na questão aparecer o texto de lei, está errado, pois a lei não determina o momento. Se houver oposição e seja ela julgada improcedente, ou que nem mesmo haja oposição. Qual a conseqüência? Será expedida a certidão de habilitação que atesta que os nubentes estão qualificados para receber um ao outro na condição de casados. A habilitação, portanto, é sempre especial, nunca tem caráter geral. Ela habilita as pessoas que ofereceram o pedido para casarem uma com a outra, não é para casar com qualquer outra. Expedida a habilitação, ela vale por 90 dias. Este prazo mais se aproxima de um prazo decadencial do que um prazo prescricional. É decadencial porque não é atingido por qualquer causa impeditiva, interruptiva ou suspensiva. Passou o prazo de 90 dias, não celebrado o matrimônio, acabou. Terão que começar o processo tudo de novo. Imagine que foi expedida a habilitação e a pessoa sai do país a serviço das forças armadas. Suspende os prazos prescricionais, mas não suspende os prazos da habilitação (decadência não se suspende). Com a certidão de habilitação nas mãos, os nubentes pedirão ao juiz que determine local, data e horário para a celebração do casamento. Para celebrar qual casamento? O casamento civil, nos termos do artigo 226 da CF. O art. 226, I determina que o casamento seja civil, é regulado e celebrado pelo Estado, e não pela igreja. Pode ser religioso? Pode. Regra: o casamento será realizado na sede da serventia, inclusive aos sábados pelo período da manhã. Para que não se realize na sede da serventia, precisa haver o pedido dos nubentes com a concordância do juiz de casamento ou juiz de paz. As partes são obrigadas a pagar as despesas do Juiz de casamento ou juiz de paz. Regras: uma delas é realizar o casamento civil um pouco antes da cerimônia religiosa. Uma segunda figura é quando uma das partes já tem um casamento religioso anterior, ela não pode casar de novo na Igreja Católica, e leva o Juiz de Casamento para a festa e faz uma cerimônia civil com uma publicidade maior. Se o casamento for realizado fora da serventia, é obrigatória a presença de 4 testemunhas, que assinam o livro de casamento junto com as partes. Nada impede que essas testemunhas sejam parentes ou amigos íntimos das partes, basta que tenham capacidade civil. Se for realizado na sede da serventia, bastarão duas testemunhas, parentes ou não, elevando-se esse número para 4 se um dos nubentes não souber escrever. Isso é pegadinha: a exceção do nubente que não sabe ou não pode escrever. Além disso, nesse caso, caberá ao registrador colher a impressão digital do nubente que não sabe ou não pode escrever. Na serventia ele se realiza de portas abertas pelo próprio local. A serventia permanece de portas abertas. É por isso que a pessoa prefere não casar na serventia, levando o Juiz, permanecendo um empregado da serventia para garantir que seja recebida a oposição. Celebrado o casamento nessa forma, então será feito o registro do casamento. As regras relativas aos livros da serventia: os proclamas são registrados nos livros "D". O casamento é registrado no livro "B". Casamento religioso com efeitos civis: livro "B" auxiliar. Dica: os livros estão na ordem da vida da pessoa. A (nascimento) B (casamento) C (morte). O B auxiliar não é civil, por isso é auxiliar. - 3

4 Casamento de brasileiro realizado no exterior: art do CCV, art. 32 da Lei de Registros Públicos. Quando trazido para o Brasil na forma do art. 1544, será levado a registro no livro "E". Casamento de estrangeiro, sem vinculação a autoridade consular brasileira, ele ingressa no Registro de Títulos e Documentos. A CF determina no art. 226, 1º, que o casamento é civil e gratuita a sua celebração. A gratuidade é regulada pela lei /00. O texto da lei determina que para os reconhecidamente pobres, haverá gratuidade do procedimento de habilitação, do registro do casamento e da primeira certidão. Quem são os pobres? São as pessoas que assim se declararem ao registrador. Precisa de alguma prova? Não. Pode ser uma declaração de próprio punho. Pode o registrador exigir prova do estado de pobreza? Não. Mas ele desconfia da falsidade da declaração pelos trajes e pela conversa. Ele pode perceber que a pessoa tinha as condições para arcar com todas as despesas. Nesse caso, primeiro o registrador alerta os nubentes quanto à responsabilidade civil e criminal advindas da falsidade dessa informação. Em caso de responsabilidade criminal, ele pode informar à autoridade policial quanto à possível prática de crime. Ele pode se recusar a garantir a gratuidade? Não, mas ele pode ingressar com uma ação indenizatória, ou então informar a autoridade policial. Não pode exigir declaração de imposto de renda, comprovante de residência etc. É muito comum que a pessoa que não pode arcar com as despesas do casamento que espere algum casamento coletivo. Os nubentes solicitam a gratuidade que lhes é conferida e a gratuidade alcança habilitação, registro e primeira certidão. Alcança ou não a publicação dos editais? Não. Mas e se a pessoa realmente não tem condições de arcar com essa despesa? O oficial pode juntar as proclamas à declaração de pobreza e enviá-los ao corregedor permanente solicitando que a publicação dos proclamas se faça junto com a publicação dos atos daqueles que são beneficiários da justiça gratuita. Outra questão: as partes solicitaram a gratuidade, e, em atos subseqüentes, solicitaram a celebração do matrimônio fora da sede da serventia. É possível ou não? Cuidado: para que o casamento se celebre fora da serventia, os nubentes precisam arcar com as despesas de locomoção do juiz de casamento. Aqui caberá verificar a possibilidade ou não, não de celebrar o casamento, mas de ser ou não deferido esse pedido. Se as despesas de locomoção forem superiores à da celebração do casamento, já há motivos mais do que suficientes para que não haja gratuidade, e motivo para a notificação da autoridade judicial, pois houve obtenção da gratuidade de má-fé. Se as despesas forem de pequeno valor, não haveria causa suficiente para impedir que a gratuidade fosse concedida. Depende do caso concreto. Celebrado o casamento, em qualquer circunstância, o registro é apenas a forma de provar a sua e- xistência e garantir oponibilidade erga omnes. Sem registro, o casamento existe? Existe. Tem prova pré-constituída? Não. Um casamento sem registro, celebrado após a declaração a que se refere o art Ele tem existência jurídica. Mas ele tem existência material? Não, porque não foi feito o registro. Para que um casamento tenha existência jurídica, ele deve ser realizado entre homem e mulher, com manifestação de vontade, ainda que viciada (erro, coação), perante uma autoridade com competência ratione materiae. Se faltar um desses elementos, exemplo: a mulher não fala que é de vontade delas casar (não manifestou vontade). O casamento é posteriormente registrado. Ou então o casamento é realizado entre pessoas de mesmo sexo (ex.: transexual que casa, e ninguém sabe que é homem). O juiz autoriza e é registrado. Esse casamento tem existência material, mas não tem existência jurídica. Mas esse suporte físico tem conteúdo jurídico? Não. Casamento putativo (não tem conteúdo jurídico, é um casamento em branco). Qual a conseqüência: por não terem a certidão, o casamento se provará pela posse do estado de casado. - 4

5 Posse do estado de casado: se prova através de uma ação declaratória, na qual as partes obrigatoriamente demonstrarão o tractus (tratamento que um dá ao outro por serem casados), e terão que provar a reputatio (que é a fama, a reputação que gozam no grupo social). O grupo social os reconhece como casados. Além disso, há o nomen (é obrigatório para quem casou até 1977, porque até a lei do divórcio a mulher era obrigada a adotar o nome do marido). Quem casou após 1977 só fará essa prova se tiver incorporado o sobrenome do outro. b) Efeitos patrimoniais do casamento Efeitos patrimoniais: temos efetiva distinção entre as figuras extra patrimoniais (partes estão subordinadas a um conjunto de normas de caráter cogente) e as figuras patrimoniais. No que se refere aos aspectos patrimoniais, a regra geral é a autonomia da vontade privada. As partes podem escolher ao que melhor atender a suas vontades. Quem não pode? Quem casar nas hipóteses do art do CCV (causa suspensiva, autorização judicial, mais de 60 anos). Quem se casa nessas hipóteses fica obrigado ao regime de separação total. Nem adianta manifestar vontade em contrário porque essa não produz qualquer efeito. Salvo essa hipótese, os nubentes estão obrigados a escolher outros regimes de bens. É requisito de validade do negócio jurídico a forma prescrita em lei. O art. 166, IV afirma que é nulo o negócio jurídico que não obedece à forma determinada em lei. Para escolher um regime de bens, elas vão se utilizar de um instrumento que é o pacto antenupcial, que obrigatoriamente se fará por escritura pública. Além de ser forma solene, é forma única, ou seja, não adianta usar qualquer outra forma porque é escritura publica (art. 215 do CC). A escritura pública é o meio pelo qual a vontade se manifesta. Eficácia: é a capacidade de um ato de produzir os efeitos jurídicos. A eficácia do pacto antenupcial está subordinada à celebração do casamento. Ele é válido se lavrado em escritura pública. Ele é e- ficaz depois de celebrado o casamento. Para quem se atinge a eficácia? Para o signatário dos cônjuges. Não tem eficácia erga omnes somente é alcançada com o registro imobiliário. Onde? Na serventia de domicílio dos cônjuges. Se o pacto antenupcial for nulo ou não existir, vigorará entre as partes o regime de comunhão parcial de bens. Para esse regime, não precisa fazer pacto, pois decorre de lei. Se o pacto for nulo, passa a vigorar o regime de comunhão parcial. A comunhão parcial passou a vigorar com o advento da lei 6.515/77, como regime supletivo. Antes de 1977, era o regime de comunhão universal. Se a pessoa manifesta expressamente a opção pelo regime legal, a entrada em vigor de uma lei que altere esse regime antes da celebração do casamento não se aplica ao ato. Exemplo: pessoa se habilitou na vigência do CC/16, mas se casou no regime da Lei de Divórcio. A regra é que se a pessoa declarou solenemente que queria casar com comunhão universal, então esse regime persiste. Mas ela se casa na vigência da Lei de Divórcio, não precisa fazer pacto (pois a comunhão universal era a regra antes de 1977). Conteúdo do pacto: a) pessoa pode mesclar os regimes. b) pode impor a alteração automática do regime em razão do implemento de certa condição. c) são nulas de pleno direito as cláusulas do pacto antenupcial que violem disposição literal de lei. d) regra principal: com o novo código civil, o artigo 1639 trouxe a permissão para a alteração do regime de bens. Como se fazer essa alteração: o pedido judicial, motivado por ambos os cônjuges, desde que não haja prejuízo a terceiros. A mudança de regime pode ser uma forma de fraudar credores. Havendo a homologação judicial, será, por mandado, averbada a alteração no registro civil. Precisa de novo pacto? Não, a alteração é judicial. Mas há um problema: as partes podem pretender alterar, mas misturar os regimes. Nesse caso, em que não queiram se subordinar ao texto da lei, deverão pedir ao juiz autorização para lavrar escritura pública criando novas regras para o regime de bens do casamento. Se o juiz autorizar, ele expede um alvará e os nubentes levarão o al- - 5

6 vará tanto ao registro civil. Essa é uma pergunta muito boa para prova: querem mudar o regime de bens, para lavrar o pacto, dependem do alvará, caso contrário não terá ingresso no registro público. 2. União Estável. A união estável surgiu pela jurisprudência até ser reconhecida pela lei. Surgiu pela jurisprudência em razão do fato social, ou seja, existia um fato social constante sem regulamentação legal. E por que existia esse fato? Porque algumas pessoas simplesmente se uniam sem promove o enlace matrimonial. Outro fato foi a impossibilidade de uma pessoa se casar porque era desquitada. Se uma mulher fosse desquitada e encontrasse a possibilidade de ficar ou outro homem, ela ficava a margem da lei. Para o texto brasileiro, a relação entre essas partes era uma relação não matrimonial. A primeira manifestação foi reconhecer essa relação como concubinária. Então poderia ser um concubinato puro ou impuro. No puro, não havia impedimento matrimonial entre as partes. No impuro, as pessoas não podiam se casar, pois estavam impedidas, por exemplo, eram parentes. O reconhecimento positivado dessa relação somente veio com a CF/88. Até aquela época, só havia reconhecimento dos tribunais. Foi positivada no art. 226, 3º da CF, reconhecendo como entidade familiar a união estável entre homem e mulher com o objetivo de formar uma família. Então só com a CF é que essa relação passou a ser reconhecida como Direito de Família. A partir de 1988, cessou a distinção entre concubinato puro e impuro. Hoje se fala em união estável, e não em concubinato. Súmulas: 382 e outras. Tudo aquilo que se referia ao concubinato puro se refere hoje à união estável. Lei 8.971/94: foi essa lei que reconheceu ao companheiro ou à companheira sobrevivente o direito à sucessão legítima, ou seja, não precisa mais de testamento. Ele não está na dependência de um testamento elaborado por outro. Além disso, essa lei determinou o instituto dos alimentos. Lei 9.278/96: ementa declara expressamente que essa lei regulamenta o art. 226, 3º da CF. Regula de que forma? Define o que é a união estável, define a competência jurisdicional para tratar de união estável (varas de direito de família). Não é mais competência de vara cível. Criou também o direito real de habitação, em favor do convivente sobrevivente o direito real de habitação se a- quele fosse o único imóvel. O convivente sobrevivente ficava protegido para ter um lugar para morar enquanto não constituísse uma nova união. E a grande mudança: art. 8º. Compete ao registrador civil de pessoas naturais promover a conversão da união estável em casamento. Lei 9278/96 facilitou a conversão da união estável em casamento. União estável e casamento são a mesma coisa? A preferência é casamento. A união não está exatamente no mesmo plano do casamento. Matéria relativa à união estável foi incorporada ao texto do CC/02 nos artigos 1723 a O art trata do concubinato. Concubinato: é a relação não eventual entre o homem e a mulher, impedidos ao matrimônio válido, exceto, 1º do art. 1723, que determina que seja união estável a- quela em que, embora o vínculo matrimonial não tenha sido dissolvido, os cônjuges estão separados de fato ou separados judicialmente. E também separados extrajudicialmente. Embora a pessoa nestas condições seja impedida de casar, ela pode constituir união estável. Não será concubinária essa relação. Se for uma relação de união estável, é uma relação de direito de família. Se for uma relação meramente concubinária, não é direito de família. O concubinato é regulado como era regulado o concubinato impuro nos tribunais. É tratado dentro de relações obrigacionais. Não é direito de família, então não podem exigir alimentos, não podem adotar não podem se reger por regime de bens etc. Como ficam? Se houver aquisição de bens, estes bens serão divididos na proporção da participação de cada um, como um regime de condomínio e não de comunhão. Precisa provar o quanto cada um contribuiu? Precisa. O grande risco: um deles é o provedor da relação concubina. O outro não tem uma profissão remunerada. A é a pessoa que - 6

7 trabalha. B é a pessoa que cuida da casa. Já que eles não tem relação de bens, dissolveu a relação concubinária. B sai de mãos abanado? Não, B fará jus a uma indenização pelos serviços prestados. Essa indenização também se funda no direito obrigacional. Temos o princípio que veda o enriquecimento sem causa. Pesquisa nos EUA: dona de casa faz com que o marido economize R$ 10 mil por mês. Esses elementos não podem se fazer presentes na relação concubinária. Mesmo que existam, a relação concubinária não se torna união estável. É reconhecida a união estável mesmo que haja condição suspensiva (art. 1523). Se eles podem casar,eles podem ter a união estável. Quando as pessoas se casam e querem adotar um outro regime, elas são obrigadas a lavrar um pacto e fazer outro registro. Na união estável, se os conviventes quiserem escolher outro regime de bens, basta o contrato escrito entre eles. Isso é uma aberração jurídica, pois foi criado um regime mais simples para a união estável do que a existente para o casamento. Esse contrato, então,só produz efeitos entre os conviventes, ou seja, não tem eficácia erga omnes, porque não tem publicidade. Para terceiros, vigora o regime de comunhão parcial. Forma de garantir a eficácia erga omnes é registrar esse contrato na serventia de títulos e documentos. Ainda assim, está abaixo do regime jurídico próprio do casamento. Essa norma depende de modificação urgente, para garantia dos terceiros que venham a contratar com as partes. Art. 1726: conviventes podem converter a união estável em casamento mediante pedido ao juiz e posterior registro civil. Posicionamento unânime da doutrina é que se trata de norma inconstitucional. Porque a CF determina que a lei deva facilitar a conversão, ou seja, criar um procedimento mais rápido. Com a lei 9278 a norma constitucional estava atendida. Com o CC/02 não está atendido. Por isso, pela alegada inconstitucionalidade, alguns estados, como SP determinam que a competência para o ato de conversão é do registrador civil. Então não é necessário provocar a jurisdição, dá para fazer tudo na serventia. Como isso se dá? Os companheiros comparecem ao registro civil do local de domicílio, munidos dos documentos a que se refere o art do CC e requererão não a habilitação para o casamento, mas a conversão da união estável em casamento. Tem publicação de proclamas de conversão de união estável em casamento (não são proclamas de casamento). É necessário, pois pode haver algum impedimento matrimonial. Publicam-se os proclamas: estão habilitados para a conversão.precisa realizar cerimônia? Não. O simples fato de terem pedido a conversão consiste na manifestação de vontade. Será feito então o registro da conversão da união estável em casamento. Corregedoria de SP: afirma que nesse registro, nada constará quanto ao início ou à duração da união estável (constará que foi convertido,só). Nada constará quanto às testemunhas do ato. Nada constará quanto à data de celebração. Por fim, é permitida a conversão mesmo após a morte de uma das partes. Se no meio do caminho um deles falecer, ainda pode fazer a conversão. Registrase o óbito e depois faz a conversão. Não vigora a ordem cronológica dos fatos. Exemplo: registrase a morte de uma pessoa e depois é averbado o divórcio. 3. Dissolução do Casamento Art do CC: dissolução da sociedade conjugal Temos cinco causas: separação, divórcio, declaração de nulidade, anulação e morte. As nulidades, a anulação e a morte põem fim ao vínculo matrimonial, autorizando a pessoa a contrair um novo matrimônio. Nulidade: Hipóteses do art

8 Contraído com violação à impedimento matrimonial ou contraído por enfermo, sem discernimento para a prática da vida civil. Enfermo mental com algum discernimento, o casamento será anulável. Para ser nulo precisa não ter nenhum impedimento. Violação de impedimento matrimonial: com o CC/02, não só o casamento como a união estável criam o parentesco por afinidade. Exemplo: quando uma pessoa se casa, é obrigatória a anotação. Se essa não tiver sido feita, a pessoa obtém uma certidão de nascimento no qual ainda constará o estado civil "solteiro". Nas duas hipóteses em que há nulidade absoluta, a ação pode ser proposta por qualquer interessado, pelo MP, cabendo ao juiz decretar de ofício quando toma conhecimento da ação. Exemplo: A e B são casados com violação ao impedimento oriundo de parentesco. Ingressam com a ação de separação. O juiz declara de ofício, a nulidade do casamento (pois é nulidade absoluta). Se for nulidade absoluta, não prescreve e pode ser declarada a qualquer tempo, e a sentença que declara a nulidade será, em razão do mandado judicial, averbada no registro civil, no assento de casamento, e anotada no assento de nascimento. Para que serve a anotação? Apenas para informar fatos relativos a certa pessoa. Apenas constará a modificação de fato. A anotação não muda o conteúdo do registro, quem muda é a averbação. Com a anulação do casamento, a pessoa volta a ostentar o estado civil de antes do casamento, que não é necessariamente solteira! Exemplo: Se a pessoa era viúva, divorciada, ela volta a esses estados. Então não volta necessariamente a solteiro. Anulação: Casamento será anulável nas hipóteses do art. 1550: idade, redução de discernimento, erro, coação, revogação de mandato e autoridade incompetente. DOLO não anula casamento. Simulação não anula, faz com que seja nulo de pleno direito. A simulação, hoje, é causa de nulidade absoluta. O casamento será nulo nas hipóteses do art Exemplo: casamento que seja celebrado sem observar a forma legal. Exemplo: casamento contraído por menor de 14 anos de idade: é nulo de pleno direito (art. 166, I). Mas não se aplicam a teoria geral dos contratos e a teoria geral dos negócios jurídicos. A anulação também depende da propositura de ação, é uma ação anulatória que só pode ser proposta pelas pessoas legitimadas em lei. Qualquer dos legitimados é pessoa que faz prova do interesse na propositura da ação. Exemplo: casamento de menor de idade: pais, o próprio menor, já fazem prova para a anulação do casamento. Como se trata de uma ação que vai produzir uma sentença desconstituva (ou constitutiva negativa). É certo afirmar que esse direito se subordina à decadência. O direito de pleitear a anulação do casamento sempre está subordinado à decadência. Nenhum dos prazos do art. 1560, 1554 são prazos prescricionais, todos são decadenciais, portanto não se interrompem não se suspendem, não têm causa impeditiva, salvo disposição em contrário. A anulação será decretada por sentença, portanto terá o mandado judicial para o registro civil. Segue a mesma regra da nulidade. Logo, a pessoa volta a ostentar o mesmo estado civil anterior à celebração do casamento. Morte: Temos a morte real, provada por atestado de óbito, e a morte presumida. Morte real: tem certidão do óbito. Morte presumida: pode ser com ausência e sem ausência. A morte presumida sem ausência está prevista no art. 7º do CC/02: caso da guerra, quando a pessoa se envolve em grande catástrofe etc. Na hipótese de morte presumida sem ausência, haverá a justificação, para que a pessoa obtenha judicialmente o documento que atesta a ocorrência da morte, e fixa ainda a data provável da ocorrência do óbito. - 8

9 Qual a vantagem desse tipo de morte? É que essa sentença, que é proferida na cautelar, tem a mesma força de um atestado de óbito. Logo produz dois efeitos essenciais no direito civil: 1) tem força para por fim ao matrimônio, 2) serve de documento para instruir o inventário. Morte com ausência: art. 22 ao 39 do CC/02. Primeira fase da ação declaratória de ausência: curadoria de bens. É necessário que seja nomeado uma pessoa para cuidar do patrimônio do ausente. Obs.: Não é presunção de morte, é presunção de desaparecimento. Não é declarado incapaz, é estritamente patrimonial. A curadoria de bens dura 1 anos (publicação de 7 editais). Passado 1 ano, o juiz, por sentença abre a segunda fase: sucessão provisória. Sucessão provisória: a sentença só produz efeitos 6 meses depois de ter se tornado definitiva. Com a abertura da sucessão provisória é que é possível a dissolução da sociedade com ausência. Está, então,habilitado para se casar. E se o ausente não morreu? Ele retorna sobre qual regime de bens? Nosso código civil não diz nada. O melhor caminho: que a pessoa prove a separação de fato há dois anos e promova o divórcio direto. Mas pelo menos, se a pessoa contrair um novo matrimônio, ela tem a absoluta certeza de que esse matrimônio é válido. O registrador pode e deve alertar quanto aos riscos da validade desse segundo casamento (ele pode ser declarado nulo ou pode ser declarado válido). Por isso é ideal que a pessoa proponha primeiro o divórcio. INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA Dos Santos, Luiz Manoel Carvalho. Manual do Registro Civil das Pessoas Naturais. Idéia Jurídica, Dos Santos, Reinaldo Velloso.Registro Civil das Pessoas Naturais. Safe, Huber, Cloves. Registro Civil de Pessoas Naturais. Led, STF: Súmula 382 JURISPRUDÊNCIA A VIDA EM COMUM SOB O MESMO TETO MORE UXÓRIO, NÃO É INDISPENSÁVEL A CARACTERIZAÇÃO DO CONCUBINATO. - 9

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça PROVIMENTO Nº 37 Dispõe sobre o registro de união estável, no Livro "E", por Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007 ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007 institui as normas a serem observadas para lavratura de escrituras públicas de separação, divórcio, inventário e

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Conceito de família; Conteúdo e Conceito do Direito de Família; Natureza da Divisão; Divisão da matéria; Eficácia horizontal dos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Casamento religioso com efeitos civis 1207 A serventia possui o Livro B Auxiliar - Registro de Casamento Religioso CNCGJ, art. 589, III - Lei 6.015/73, Lei 6.015/73, art. 33, III para Efeitos

Leia mais

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL ATENDIMENTO JURISDICIONAL DOCUMENTOS PARA O ATENDIMENTO Documento de identificação pessoal (identidade ou certidão de nascimento) Certidão de casamento (se for casado) CPF Comprovante de renda de até 3

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 4.657, DE 4 DE SETEMBRO DE 1942. Vide Decreto-Lei nº 4.707, de 1942 Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro O PRESIDENTE

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

ÍNDICE D. DE FAMÍLIA Rosivaldo Russo. Relação pessoa x pessoa: Casamento, união estável e parentesco (consangüíneo ou afins)

ÍNDICE D. DE FAMÍLIA Rosivaldo Russo. Relação pessoa x pessoa: Casamento, união estável e parentesco (consangüíneo ou afins) ÍNDICE D. DE FAMÍLIA Rosivaldo Russo 12/04/07 Relação pessoa x pessoa: Casamento, união estável e parentesco (consangüíneo ou afins) CONCEITO DE FAMÍLIA Conceito Jurídico Amplo: É o conjunto de pessoas

Leia mais

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O presente trabalho tem por finalidade apresentar, de forma bem sucinta, as principais alterações do casamento pela Lei 10.406/2002 (Código Civil), que entrará em vigor em

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 1 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Parte Geral do Direito

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

KÇc^iáema Q/Vacío^cUae Qjuótíca

KÇc^iáema Q/Vacío^cUae Qjuótíca mâwlibtfo Poder Judiciário KÇc^iáema Q/Vacío^cUae Qjuótíca RESOLUÇÃO N 155, DE 16 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre traslado de certidões de registro civil de pessoas naturais emitidas no exterior. O PRESIDENTE

Leia mais

Notas técnicas. Introdução

Notas técnicas. Introdução Notas técnicas Introdução As Estatísticas do Registro Civil são publicadas desde 1974 e fornecem um elenco de informações relativas aos fatos vitais, casamentos, separações e divórcios ocorridos no País.

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002

O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Cláudio Sales 1 RESUMO: O presente trabalho versa sobre Direito de Família e tem por objetivo a análise do casamento à luz do Código Civil de 2002, o

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Texto compilado a partir da redação dada pelas Resoluções nºs 143/2011 e 179/2013 RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Disciplina a aplicação da Lei nº 11.441/07 pelos serviços notariais e de registro

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes Direito Civil: parte geral Prof. Thiago Caversan Antunes FEMPAR Londrina V Turma de Pós-Graduação Ano 2012 Parte Geral do Código Civil de 2002 - Das pessoas (art. 1º a 69); - Do domicílio (art. 70 a 78);

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos)

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) Anotações Art. 106. Sempre que o oficial fizer algum registro ou averbação, deverá, no prazo de cinco dias, anotá-lo nos atos

Leia mais

mesmo empregador recebendo

mesmo empregador recebendo AULA 6: Salário e Remuneração: a partir do art. 457, CLT Equiparação Salarial empregado que almeja ganhar um salário maior, deseja o salário de outro, que é o chamado paradigma ou modelo idêntica função

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 APELANTE: LAUDEMIRA LEONCIA DA SILVA APELADO: LUIZ FELIPE WHYTE DYLONG PROCESSO CIVIL APELAÇÃO ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA PROMESSA DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE IMÓVEL COM QUITAÇÃO

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público Racionalização da Intervenção do no Cível Abril de 2010 1. Separação judicial consensual onde não houver interesse de 2. Ação declaratória de união estável e respectiva partilha de bens. 3. Ação ordinária

Leia mais

Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil

Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil Atualizado em: novembro de 2013 Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil As observações deste informativo servem como primeira referência e estão baseadas, sobretudo, nas experiências

Leia mais

REGISTOS E NOTARIADO

REGISTOS E NOTARIADO REGISTOS E NOTARIADO Edição de Bolso 12.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 3 1 REGISTOS E NOTARIADO EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 3 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça Saudações Coordenadores: Des. Paulo Sérgio Fabião

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais Apresentação O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais A Corregedoria da Justiça apresenta aos cidadãos do Distrito Federal a série Conversando Sobre Cartórios, onde as dúvidas mais freqüentes

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

ESTATUTO PESSOAL REGRAS SOBRE CASAMENTO ESTRANGEIRO

ESTATUTO PESSOAL REGRAS SOBRE CASAMENTO ESTRANGEIRO CONCURSO MANAUSPREV LINDB (AULA 2) Estatuto pessoal Aplicação da lei no espaço: casamento sucessão bens obrigações Prof. Caupolican ESTATUTO PESSOAL (DL 4657/42) Art. 7º A lei do país em que for domiciliada

Leia mais

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1. Capacidade para o exercício da empresa Atualmente, existe a possibilidade de a atividade empresarial ser desenvolvida pelo empresário individual, pessoa física, o qual deverá contar com capacidade para

Leia mais

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA Orientação aos acadêmicos que atuarão em ações comunitárias relacionadas ao Direito da Família. Em caso de dúvida sobre a orientação jurídica e ser repassada, o aluno deverá

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes 01. Quando começo a pagar o condomínio? Caso adquira o imóvel durante a construção, o pagamento do condomínio começa após a primeira reunião de instalação do condomínio, que é

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS Fábio Roberto Caldin 1 Rodrigo Pessoni Teófilo de Carvalho 1 Vinicius Leonam Pires Kusumota 1 Vitor Turci de Souza 1 RESUMO O

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EDITAL Nº 01/2015 DE CONVOCAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO DO DIA DA PACIFICAÇÃO CASAMENTO COLETIVO A Família é o mais importante!

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu 1- O que é o Certificado Sucessório Europeu (CSE)? 2- Que instrumento jurídico criou o CSE? 3- Quem pode pedir o CSE? 4- Um credor pode pedir

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

REGISTRO DE CASAMENTO DE MORTO

REGISTRO DE CASAMENTO DE MORTO REGISTRO DE CASAMENTO DE MORTO Elaborado em Anderson Evangelista Pós-graduado em Direito Privado pela UGF/CEPAD Bacharel em Direito pela UNESA Professor e palestrante de Direito de Família Colunista do

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº:

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: LOCADOR: Salão de Beleza ou (Estética), situado na Rua, Bairro, CEP, Cidade, Estado, inscrito no CNPJ sob o número, Alvará Municipal

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais