MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013"

Transcrição

1 MANUAL DE FORMAÇÃO PME s- Força de Vendas D2D Liberal Energia SETEMBRO/2013

2 Plano Tema da sessão: Força de Vendas D2D Duração: 4 horas Destinatários: Equipa de Vendas D2D Segmento PME s Objectivos No final da sessão o grupo deverá estar capacitado para: Apresentação das oferta Galp Energia para Energia Elétrica e Gás Natural Recolher informação necessária para a elaboração de uma proposta e contrato EE/GN ou Dual Esclarecer as questões apresentadas pelo cliente Conteúdos Programáticos: 1. Enquadramento do Setor Elétrico,Gás Natural e Área Negócios (PME s) 2. Argumentos de Venda e Abordagem Comercial 3. Como Apresentar uma Proposta 4. Identificação de Tarifas e Preços em Vigor 5. Exemplo de Propostas e Contratos 6. Simuladores 7. Contatos PME s e Cartões de Identificação/Cartões de Visita 8. Identificação do Prestador de Serviço 9. Esclarecimento de dúvidas 2 Metodologia: Método expositivo conjugado com a técnica de perguntas

3 Enquadramento do Sector Elétrico e Gás Natural Cadeia de Valor Produção Transporte Distribuição Comercialização 3

4 4 Enquadramento do Sector Elétrico e Gás Natural

5 Enquadramento Área Negócios (PME s) Doméstico Negócios (PME s)»» Indústria EE: BTN Simples e Bi- Horária GN: Escalão 1-4 (até m 3 /ano) EE: BTN Simples com atividade económica; BTN Tri-Horária com atividade económica, BTE e MT até 500MW/ano GN:Escalão de a m 3 /ano e Escalão 1-4 (Cliente Não Doméstico) EE: > 500 MWh/ano GN: > m 3 /ano» Clientes com estas características estão fora de âmbito das PME s 5

6 Enquadramento Área Negócios (PME s) BTN Simples de 3,45 a 20,7 kva com atividade económica EE: BTN Simples, BTN Tri-Horária, BTE e MT BTN Tri-Horária 27,6, 34,5 e 41,40 kva BTE a partir de 41,41 kva MT a partir de 41,41 kva Negócios (PME s) GN:Escalão de a m 3 /ano e Escalão 1-4 (Cliente Não Doméstico) GN Escalão 1 a 4 0 a m3 GN PME s a m3 6

7 Enquadramento do Sector de Energia Elétrica Energia Elétrica Mercado Livre Mercado Regulado EDP Serviço Universal Cooperativas de Consumidores 7

8 Enquadramento do Sector de Gás Natural Gás Natural Mercado Livre 8

9 Enquadramento do Sector de Gás Natural Mercado Regulado Porto Braga Duriensegas Lusitaniagas Comercialização Beiragas Lisboagas Comercialização Setgas Comercialização Paxgas Dianagas Medigas Santarém Macedo de Cavaleiros Arcos de Valdevez Mirandela Peso da Régua S. M. de Penaguião Ponte da Barca Póvoa de Lanhoso Viana do castelo Portalegre 9

10 Argumentos de Venda Propostas simples Preço válido por 12 meses (BTE e MT) sem revisão ao longo do contrato Desconto válido por 12 meses (BTN) sem revisão ao longo do contrato A Galp Energia é a única comercializadora que apresenta ofertas multienergia (Gás+Eletricidade+Frota+Lubrificantes, ) Acompanhamento por parte de gestor de conta ao longo de todo o processo de fornecimento Transparência e honestidade acima de tudo 10

11 Abordagem Comercial Tarifa BTN Tri-Horária Galp tem a oferta mais competitiva com 4% de desconto na energia face ao mercado regulado. Não obriga a pagamento por débito direto. A oferta é de 5% de desconto na energia, mas apenas até ao fim do ano. O contrato é de 12 meses e no dia 1 de janeiro o preço é igual ao MR. Os descontos são válidos apenas pelo número de meses que restam até 31 de dezembro. Atualmente o desconto médio é de médio de 2,92% na energia. Endesa tem duas tarifas opcionais: a seleção NOITE que dá um desconto médio de 2,33% face ao mercado regulado e a seleção dia que apara o perfil de consumo médio da ERSE é mais cara cerca de 1%. A tarifa seleção NOITE é a 3ª oferta mais competitiva. (Ver detalhe da oferta nos slides 12 e 13.) EDP está em 4º lugar em termos de competitividade da oferta. Apesar de dar 2% desconto na energia e potência contratada, obriga a pagamento por DD. Se o cliente pagar por multibanco o desconto é 0%. GN Fenosa é a única que garante preço fixo 1 ano, o que poderá dar alguma segurança face a eventuais subidas da tarifa transitória. Para o perfil de consumo médio ERSE o desconto é de 1,02% face ao mercado regulado. É a 5ª oferta em termos de competitividade. 11

12 Abordagem Comercial Tarifa BTN Tri-Horária Oferta Desconto médio* face ao MR Duração dos descontos Indexação Variação de preço Indeminização Duração do por rescisão contrato antecipada Forma de pagamento Outros Atrativida de Desconto 4% energia 3,51% 12 meses Tarifa transitória trimestral 12 meses - Transferência ou DD Desconto 2% energia + 2% potencia 2,00% 12 meses Tarifa transitória trimestral 12 meses - DD 0% Desconto 0,00% 12 meses Tarifa transitória trimestral 12 meses - Multibanco Desconto 5% energia 2,56% 9 meses aproxim. (até 31/12/13) Tarifa transitória trimestral 12 meses Obriga à devolução descontos DD Oferta prolong. até 30/04/2013 Tarifa fixa 1 ano 1,02% 12 meses Preços GN Fenosa Fixo 1 ano 12 meses - Multibanco e DD Tarifa NOITE: Dcto de 55% nas horas de cheio e vazio Tarifa DIA: Dscto de 50% nas cheias e 70% no vazio 2,04% 12 meses Preços Endesa Tarifa + cara 0,95% 12 meses Preços Endesa No inicio de cada ano No inicio de cada ano 12 meses - 12 meses - Multibanco e DD Multibanco e DD 12

13 Como Apresentar uma Proposta 1. Prospecção Tem EE/GN? / Quem é o fornecedor de EE/GN? / Mercado Regulado ou Mercado Livre 2. Levantamento de informação Energia Elétrica Cópia de faturas (frente e verso) ou Consumo anual (kwh) Tarifa Contratada Potência Contratada Gás Natural Cópia de faturas (frente e verso) ou Consumo anual (kwh) 3. Elaboração da proposta Consultar tabela de preços em vigor Efetuar simulação (caso seja solicitado pelo cliente) Preencher dados da proposta EE/GN ou Dual 4. Contratação Proposta assinada Preencher contrato (2 exemplares assinados e rubricados) 5. Enviar documentos Remeter os documentos assinados ao Gestor de Cliente (um exemplar é devolvido via CTT posteriormente ao cliente pelo apoio comercial) 13

14 Energia Elétrica Tarifas Contratadas Clientes BTN Simples com NIF de Empresa Clientes BTE Clientes BTN Tri- Horário com NIF de Empresa Clientes MT 14

15 Gás Natural Escalão de Consumo Clientes a m3 ( kwh a kwh) (Ex: kwh x 12 meses = kwh/ano) Exemplos Facturas 15

16 Tarifários em Vigor EE (BTN Simples - 3,45 a 20,7 kva) Para a Tarifa Contratada BTN Simples, o preço proposto pela Galp Energia corresponde a uma redução de 2% sob a tarifa de mercado regulado: a) A redução de 2% sobre os preços de energia do mercado regulado, acima apresentados, destina-se a instalações fornecidas em Baixa Tensão Normal com potência contratada entre 3,45 e 20,7kVA com tarifa simples e é válida para um contrato com a duração de 12 meses. b) Qualquer alteração nos preços de mercado regulado em vigor, é repercutida de forma directa na facturação, com redução de 2% sob os novos preços. c) Os preços acima apresentados não incluem o valor do IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento elétrico. 16

17 Tarifários em Vigor EE (BTN Tri-Horária 27,6 a 41,4 kva) Para a Tarifa Contratada BTN Tri-Horária, o preço proposto pela Galp Energia corresponde a uma redução de 4 % sobre os termos de energia da tarifa de mercado regulado: a) A redução de 4% sobre os preços de energia do mercado regulado, acima apresentados, destina-se a instalações fornecidas em Baixa Tensão Normal com potência contratada igual a 27,6kVA, 34,5 kva e 41,4 kva com períodos de leitura tri-horários e tarifa de médias utilizações. b) Qualquer alteração nos preços de mercado regulado em vigor, é repercutida de forma direta na faturação, com redução de 4% sob os novos preços. c) A redução apresentada de 4%, sobre os preços de energia do mercado regulado, é válida para um contrato com a duração de 12 meses. d) Os preços acima apresentados não incluem o valor do IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento elétrico. 17

18 Tarifários em Vigor EE (BTE INF 200) Para a Tarifa Contratada Baixa Tensão Especial, o preço proposto pela Galp Energia corresponde aos seguintes valores: a) Os preços de energia apresentados são válidos para um contrato de 12 meses com início em data a acordar. b) Qualquer alteração nas Tarifas de Acesso em vigor, será repercutida de forma directa na facturação. c) Para BTE os preços são aplicados segundo o ciclo em que a instalação se encontra no início do contrato, quando resultado de uma mudança de comercializador. d) Aos preços acima apresentados acrescem o IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento eléctrico (ex: contribuição áudio visual; taxa DGEG). e) Os preços apresentados não incluem o custo com o consumo/fornecimento de energia reactiva. Nos meses em que existir lugar ao pagamento de energia reactiva, este custo será suportado pelo Cliente directamente na factura. 18

19 Tarifários em Vigor EE (BTE SUP 200) Para a Tarifa Contratada Baixa Tensão Especial, o preço proposto pela Galp Energia corresponde aos seguintes valores: a) Os preços de energia apresentados são válidos para um contrato de 12 meses com início em data a acordar. b) Qualquer alteração nas Tarifas de Acesso em vigor, será repercutida de forma directa na facturação. c) Para BTE os preços são aplicados segundo o ciclo em que a instalação se encontra no início do contrato, quando resultado de uma mudança de comercializador. d) Aos preços acima apresentados acrescem o IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento eléctrico (ex: contribuição áudio visual; taxa DGEG). e) Os preços apresentados não incluem o custo com o consumo/fornecimento de energia reactiva. Nos meses em que existir lugar ao pagamento de energia reactiva, este custo será suportado pelo Cliente directamente na factura. 19

20 Tarifários em Vigor EE (MT INF 200) Para a Tarifa Contratada Média Tensão, o preço proposto pela Galp Energia corresponde aos seguintes valores: a) Os preços de energia apresentados são válidos para um contrato de 12 meses com início em data a acordar. b) Qualquer alteração nas Tarifas de Acesso em vigor, será repercutida de forma directa na faturação. c) Para as instalações em MT os preços são aplicados segundo o ciclo semanal com feriados. d) Aos preços acima apresentados acrescem o IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento elétrico (ex: contribuição áudio visual; taxa DGEG). e) Os preços apresentados não incluem o custo com o consumo/fornecimento de energia reativa. Nos meses em que existir lugar ao pagamento de energia reativa, este custo será suportado pelo Cliente directamente na fatura. 20

21 Tarifários em Vigor EE (MT SUP 200) Para a Tarifa Contratada Média Tensão, o preço proposto pela Galp Energia corresponde aos seguintes valores: a) Os preços de energia apresentados são válidos para um contrato de 12 meses com início em data a acordar. b) Qualquer alteração nas Tarifas de Acesso em vigor, será repercutida de forma directa na faturação. c) Para as instalações em MT os preços são aplicados segundo o ciclo semanal com feriados. d) Aos preços acima apresentados acrescem o IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento elétrico (ex: contribuição áudio visual; taxa DGEG). e) Os preços apresentados não incluem o custo com o consumo/fornecimento de energia reativa. Nos meses em que existir lugar ao pagamento de energia reativa, este custo será suportado pelo Cliente directamente na fatura. 21

22 Tarifários em Vigor GN ( a m3) a) Os preços de energia apresentados são válidos durante um trimestre e revistos trimestralmente. b) Qualquer alteração nas Tarifas de Acesso em vigor, será repercutida de forma directa na faturação. c) Aos preços acima apresentados acrescem o IVA à taxa legal em vigor, bem como qualquer outra taxa, encargo ou imposto que incida sobre o fornecimento elétrico (ex: contribuição áudio visual; taxa DGEG). 22

23 23 Exemplo de Proposta EE

24 24 Exemplo de Proposta EE Preenchida

25 25 Exemplo de Proposta GN

26 26 Exemplo de Proposta GN Preenchida

27 27 Exemplo de Contrato EE/GN

28 28 Exemplo de Contrato EE Preenchido

29 29 Exemplo de Contrato GN Preenchido

30 Simuladores EE (BTN Tri-Horária) Preenchimento do valor dos consumos anuais Preenchimento da potência contratada Selecionar valor da potência contratada no quadro abaixo Preenchimento do dos campos conforme indicado na fatura 30

31 Simuladores EE (BTE e MT) Preenchimento dos consumos anuais e potência contratada Preenchimento do nome do cliente Preenchimento dos preços correspondentes à tarifa do cliente Valores atuais praticados pela EDP SU em MR Indicador de Poupança 31

32 Simulador GN Preenchimento do escalão de consumo anual de GN Preenchimento da Comercializadora atual do cliente Preenchimento dos dados conforme indicado na fatura Indicador de Poupança 32

33 Contactos PME s Nome Função Nº externo Nº interno Telemóvel Nome Função Nº externo Nº interno Telemóvel Luis Dultra Carvalho Resp. Vendas Luis Candida Dultra Carvalho Ferro Gestor Resp. de Vendas Conta Nome Função Nº externo Nº interno Telemóvel Candida Célia Calado Ferro Gestor de Conta (Lusitaniagás) 10184Ext: Luis Célia Paulo Dultra Calado Rosa Carvalho Gestor Resp. de Vendas Conta (Lusitaniagás) (Beiragás) Ext: Ext: Candida Paulo Guina Rosa Ferro Gestor de Conta (Lusitaniagás) (Beiragás) Ext: Ext: Célia Paulo Artur Calado Ferrão Guina Gestor de Conta (Lusitaniagás) Ext: Patricia Artur Paulo Rodrigues Ferrão Rosa Apoio Gestor Comercial de Conta (Beiragás) Ext: Patricia Luis Paulo Barroso Rodrigues Guina Apoio Gestor Comercial de Conta (Lusitaniagás) Ext: Luis Artur Barroso Ferrão Apoio Gestor Comercial de Conta Patricia Rodrigues Apoio Comercial Luis Barroso Apoio Comercial Contacto Direto para duvidas e report diário da ação 33

34 Cartões de Identificação e Visita Nome xxxx yyy 34

35 Identificação do Prestador de Serviço Empresa Comercial Telefone Telemóvel 35

36 FAQ s A celebração do contrato de fornecimento de electricidade/gás natural tem algum custo? Não são cobrados quaisquer encargos pela celebração do contrato de fornecimento de electricidade/ gás natural. O que devo fazer para mudar de fornecedor (comercializador)? Uma vez escolhido o comercializador e celebrado contrato, o novo fornecedor tratará de todos os procedimentos necessários com a entidade responsável pela mudança de fornecedor. Quanto tempo demora o processo de mudança de fornecedor (comercializador)? Como regra, o processo de mudança de fornecedor não demorará mais do que 15 dias úteis. Alguns processos podem prolongar-se para além deste período quando existe necessidade de uma intervenção no local de consumo (ex. novas ligações, alteração do contador.). O que fazer em caso de interrupção do fornecimento? Deve comunicar a situação directamente ao operador de rede de distribuição (Electricidade - EDP Distribuição; Gás Natural depende do concelho a que o cliente pertence ex: LisboaGás, BeiraGás.). 36 Pretendo mudar de fornecedor mas também quero alterar o nível de tensão / potência contratada que tenho actualmente? Deverá efectuar o pedido junto da EDP Distribuição. Só depois de concluída a alteração é que pode avançar com a mudança de fornecedor (comercializador).

37 Anexos 1. Folheto informativo sobre a liberalização da Electricidade 2. Folheto informativo sobre a liberalização do Gás Natural 3. Folheto FAQ s 10 respostas a 10 perguntas frequentes 4. Proposta / Contrato de EE em PDF editável para preenchimento e impressão 5. Proposta /Contrato de GN em PDF editável para preenchimento e impressão 6. Exemplo de faturas das várias comercializadoras em MR e ML 7. Ficheiro em excel com os simuladores de GN e de EE 37

38 Comercialização Galp Gás Natural 38 Anexo 1

39 Comercialização Galp Gás Natural 39 Anexo 1

40 40 40 Anexo 2

41 41 41 Anexo 2

42 42 42 Anexo 3

43 43 43 Anexo 3

44

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 8 DE ABRIL DE 2015 Os preços apresentados neste documento são comunicados à ERSE

Leia mais

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 1. CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES Termo Tarifário Fixo (EUR/dia) e POTÊNCIAS (EUR/kW.dia) ENERGIA REACTIVA (EUR/kVArh) TERMO TARIFÁRIO

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural Guia Prático: perguntas com respostas Nota introdutória A liberalização dos mercados de eletricidade e do gás natural e a sequente extinção das tarifas

Leia mais

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 1 DE OUTUBRO DE 2012 Os preços apresentados neste documento são comunicados à

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

do Orçamento Familiar

do Orçamento Familiar Iniciativa Sessões de esclarecimento para consumidores Parceria Gestão MUDAR DE COMERCIALIZADOR DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL do Orçamento Familiar Susana Correia Olhão 4, Fevereiro de 2013 Liberalização

Leia mais

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 1 REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO edp comercial abril 2013 Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 2 No mercado regulado o preço da eletricidade e do gás natural é definido pelo governo, através

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO BTN DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA V 01/2012 TODOS OS CONTRATOS DEVEM SER PREENCHIDOS COM LETRA MAIÚSCULA E DE FORMA LEGÍVEL, RESPEITANDO

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR INFORME-SE BEM PARA DECIDIR BEM Uma iniciativa: LIGUE 808 100 808 VISITE WWW.ESCOLHAASUAENERGIA.PT FALE COM A SUA EMPRESA DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL Parceiros: MINISTÉRIO

Leia mais

para mim Caro(a) Cliente, Obrigado por contratar o casa total click e por confiar na EDP Comercial como seu fornecedor de energia.

para mim Caro(a) Cliente, Obrigado por contratar o casa total click e por confiar na EDP Comercial como seu fornecedor de energia. EDP Comercial 26/03 para mim Caro(a) Cliente, Obrigado por contratar o casa total click e por confiar na EDP Comercial como seu fornecedor de energia. Estamos a tratar de tudo por si.

Leia mais

Tarifas bi-horária e tri-horária

Tarifas bi-horária e tri-horária Tarifas bi-horária e tri-horária O ritmo de vida dos consumidores, sejam eles domésticos, indústrias ou serviços, e a sua dependência face aos serviços de energia elétrica faz com que as necessidades variem.

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

1º SEMESTRE 2011 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL. janeiro 2013. julho 2012

1º SEMESTRE 2011 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL. janeiro 2013. julho 2012 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL O Governo, através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/211, de 1 de Agosto, veio concretizar um calendário de extinção das tarifas reguladas de venda de

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica. 2º Trimestre de 2014

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica. 2º Trimestre de 2014 Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica 2º Trimestre de 2014 Enquadramento AEDPDistribuição,naqualidadedeoperadordaredededistribuiçãoemMédiaTensão(MT)eAltaTensão(AT) é, à luz

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador GAI Gabinete de Apoio à Instituição julho 2012 Mercado de Eletricidade e de Gás Natural Este documento

Leia mais

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006 ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural Lisboa, 26 de Julho de 2006 O ponto de vista de uma Distribuidora Modelo proposto a Distribuidora apresenta um plano de desenvolvimento

Leia mais

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece?

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece? " opte pela melhor proposta não esquecendo de analisar, também, as condições contratuais apresentadas; " celebre o contrato com o novo comercializador que deverá tratar de todas as formalidades relativas

Leia mais

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica. 1º Trimestre de 2014

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica. 1º Trimestre de 2014 Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica 1º Trimestre de 2014 Enquadramento AEDPDistribuição,naqualidadedeoperadordaredededistribuiçãoemMédiaTensão(MT)eAltaTensão(AT) é, à luz

Leia mais

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade A liberalização do mercado da energia exige aos consumidores maior atenção e conhecimento das novas regras e condições da prestação do serviço

Leia mais

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica

Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Energia Elétrica 1.º Trimestre de 2013

Leia mais

Escritório Virtual. Manual do utilizador Marketing para o setor grossista

Escritório Virtual. Manual do utilizador Marketing para o setor grossista Escritório Virtual Manual do utilizador Marketing para o setor grossista Escritório Virtual Introdução No Escritório Virtual da Gas Natural Fenosa estão reunidas todas as informações que podem interessar-lhe

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às redes de

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Factura Mod #1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21

Factura Mod #1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21 2 Factura Mod #1 1 4 5 3 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21 Factura Mod #1 Factura Mod #2 21 Factura Mod #2 LEGENDA 1 Contactos. Telefone e horário de atendimento da Vimágua. 2 Dados do titular

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 Novembro 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato pedido de portabilidade e rescisão do contrato ORIGINAL (tmn) 2. INFORMAÇÃO DE CONTACTO Telemóvel contacto 3. DADOS DE PORTABILIDADE MÓVEL E-mail Informamos que, por motivos de portabilidade, pretendemos

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12 Assunto: Protocolo ERSE CCP Exmos. Senhores, Através da circular 40/2012, a CCP deu conhecimento do protocolo celebrado com a ERSE e que teve por objectivo reforçar

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Projecto EDSF / APF Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Introdução O custo de produção de um kwh de energia eléctrica depende da hora a que é produzido, tal variação deve-se ao facto de a

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa EDP Serviços Colégio de Engenharia Geológica e de Minas Explorações a Céu Aberto:Novos desenvolvimentos Optimização energética na indústria extrativa Lisboa, 23 de Março de 2011 Agenda Contexto Consumos

Leia mais

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim.

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim. Nacacomunik e pré-seleção de operador 1. Porque é que a ACN se chama Nacacomunik Serviços de Telecomunicações, Lda. em Portugal? Como em Portugal já existiam duas empresas com o nome ACN, registámos a

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos. Essa energia pode então ser

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias divertidas Objeto e âmbito de aplicação O presente documento

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento NOVEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL Janeiro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 16618 Diário da República, 2.ª série N.º 119 22 de junho de 2015 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 10/2015 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 Nos termos

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Sonorgás Sociedade de Gás do Norte, S.A. [Escrever o nome da empresa] SBernardino Ano Gás 2009/2010 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores

A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores Conferência do Diário Económico Vitor Santos Presidente da ERSE Hotel Sheraton, Lisboa 4 de Julho de 2012 Agenda 1. Liberalização efetiva

Leia mais

PROJECTO DE TEXTO. Assunto: PROPOSTA DE REVISÃO DOS REGULAMENTOS DO SECTOR ELÉCTRICO. DOCUMENTOS SUBMETIDOS À DISCUSSÃO PÚBLICA

PROJECTO DE TEXTO. Assunto: PROPOSTA DE REVISÃO DOS REGULAMENTOS DO SECTOR ELÉCTRICO. DOCUMENTOS SUBMETIDOS À DISCUSSÃO PÚBLICA Caminhos de Ferro Portugueses, E. P. PROJECTO DE TEXTO Assunto: PROPOSTA DE REVISÃO DOS REGULAMENTOS DO SECTOR ELÉCTRICO. DOCUMENTOS SUBMETIDOS À DISCUSSÃO PÚBLICA 1. A presente proposta fundamenta-se

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura.

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura. O consumo elétrico pode representar um custo relevante para as empresas. As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim

Leia mais

N.º contrato ou N.º cliente

N.º contrato ou N.º cliente Formulário para a restituição da caução dos contratos dos serviços públicos essenciais (água, eletricidade e gás canalizado) Identificação / Morada de contato Exma. Senhora Diretora-Geral do Consumidor

Leia mais

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro O decreto lei nº25/2013 revê os regimes jurídicos de Microprodução e Miniprodução, define as suas últimas alterações e contempla as normas que regulamentam os dois

Leia mais

NOVAS REGRAS APLICÁVEIS À RESTITUIÇÃO DE CAUÇÕES AOS CONSUMIDORES DE SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS. eletricidade. água.

NOVAS REGRAS APLICÁVEIS À RESTITUIÇÃO DE CAUÇÕES AOS CONSUMIDORES DE SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS. eletricidade. água. NOVAS REGRAS APLICÁVEIS À RESTITUIÇÃO DE CAUÇÕES AOS CONSUMIDORES DE SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS eletricidade água gás canalizado Em vigor a partir de 16 de janeiro de 2015 RESTITUIÇÃO DE CAUÇÕES AOS

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) através do seu Despacho n.º 13/2008, de 12 de Junho, procedeu à publicação anual

Leia mais

Fidelização, meios de pagamento e indexação. Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de maio de 2014

Fidelização, meios de pagamento e indexação. Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de maio de 2014 Fidelização, meios de pagamento e indexação Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de maio de 2014 Tópicos 1. Contexto 2. Diversidade de ofertas 3. Fidelização no contrato 4. Meios de pagamento 5.

Leia mais

DESCONTOS SOCIAIS DE ENERGIA

DESCONTOS SOCIAIS DE ENERGIA Ministério i i da Economia e Emprego DESCONTOS SOCIAIS DE ENERGIA Ministério i i da Economia e Emprego O GOVERNO NÃO PODE INCUMPRIR NO ACORDO QUE FEZ COM A TROIKA RELATIVO AO IVA MAS PODE AJUDAR AS FAMÍLIAS

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA - GUIA DE APOIO AO CONSUMIDOR DE ENERGIA - Conheça melhor os seus direitos e deveres enquanto consumidor de electricidade e de gás natural Coordenação: ERSE

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez milhões

Leia mais

NIF 215087275. Data de celebração 19-06-2013

NIF 215087275. Data de celebração 19-06-2013 CLIENTE / CONTA Dados do cliente Titular do contrato Nuno Miguel Couto Florencio NIF 215087275 Contacto telefónico 967209005 Morada de envio de correspondência Rua Major Figueiredo Rodrigues, 7, 1, B,

Leia mais

NOVOS PREÇOS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2015 MERCADO EMPRESARIAL E PROFISSIONAL

NOVOS PREÇOS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2015 MERCADO EMPRESARIAL E PROFISSIONAL NOVOS PREÇOS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2015 MERCADO EMPRESARIAL E PROFISSIONAL UNLIMITED s Unlimited Unlimited S 16,66 Unlimited M 25,20 Unlimited L 33,33 Unlimited XL 56,90 Unlimited M Light 21,13 Unlimited

Leia mais

UM ELEMENTO PARA A VIDA

UM ELEMENTO PARA A VIDA 1 2 UM ELEMENTO PARA A VIDA TELEVISÃO Até 85 canais e todas as funcionalidades avançadas INTERNET 100Mb de velocidade garantida, na Fibra TELEFONE Chamadas ilimitadas para redes fixas nacionais e internacionais

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Campanha de Colaboradores Tarifários Unlimited Tarifários Grupo Tarifários - Banda Larga

Campanha de Colaboradores Tarifários Unlimited Tarifários Grupo Tarifários - Banda Larga Campanha de Colaboradores Tarifários Unlimited Tarifários Grupo Tarifários - Banda Larga Campanha de Colaboradores Apresentamos uma oferta abrangente e competitiva que pretende responder às diferentes

Leia mais

Fidelização, meios de pagamento e indexação. Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de junho de 2015

Fidelização, meios de pagamento e indexação. Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de junho de 2015 Fidelização, meios de pagamento e indexação Mercados de eletricidade e de gás natural 29 de junho de 2015 Tópicos 1. Contexto 2. Diversidade de ofertas 3. Fidelização no contrato 4. Meios de pagamento

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica SEMINÁRIO ERSE, 5 de Fevereiro de 2009 REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Baptista Pereira 1 A APIGCEE, abrange sectores-chave da indústria portuguesa

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1. Nos termos do Regulamento Municipal de Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana do Município de Arouca,

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

ASSUNTO: FATURAÇÃO ABUSIVA E USO INDEVIDO DE DÉBITO DIRETO

ASSUNTO: FATURAÇÃO ABUSIVA E USO INDEVIDO DE DÉBITO DIRETO ASSUNTO: FATURAÇÃO ABUSIVA E USO INDEVIDO DE DÉBITO DIRETO Após receção das faturas da EDP GÁS, no dia 18 de Março do corrente ano, em que uma era de 118,65 (cento e dezoito euros e sessenta e cinco cêntimos)

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Miguel S8lwell d Andrade Administrador EDP Lisboa, 4 de Julho de 2012 Os preços pra:cados pelos comercializadoras devem reflec:r os

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PERSPECTIVA DOS CONSUMIDORES DA INDÚSTRIA CERÂMICA Artur Serrano Fernando Cunha ERSE 1 5 de Fevereiro

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE janeiro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua

Leia mais

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE Junho de 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado

Leia mais

Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa

Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa Nota: o elenco de perguntas e respostas que se segue visa apenas enquadrar algumas das questões colocadas pelos nossos associados

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014 Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída Setembro de 2014 Introdução Objectivos da apresentação Apresentar ponto de situação do atual enquadramento legislativo da Micro e Miniprodução Apresentar

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais