NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS"

Transcrição

1 NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

2 SUMÁRIO 1. Objetivo Âmbito de Aplicação Competências Definições Condições Gerais de Habilitação Procedimentos Pedido de Pré-Qualificação Certificado de Qualificação Documentação Habilitação Jurídica Capacidade Técnica Capacidade e Idoneidade Financeira Regularidade Fiscal Documentação para Cooperativas Infrações e Penalidade Disposições Gerais

3 NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUARIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS 1. Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos necessários à Pré-Qualificação para Operador Portuário a serem seguidos pela CODEBA, na qualidade de Autoridade Portuária. 2. Âmbito de Aplicação Esta Norma se aplica nas áreas dos Portos Organizados de Salvador e Aratu- Candeias. 3. Competências Compete à CODEBA, na qualidade de Autoridade Portuária: A - analisar e julgar o pedido dos interessados para a Pré-Qualificação para Operador Portuário; B - emitir parecer para o credenciamento e certificar o Operador Portuário que atenda os requisitos desta Norma e da Lei 8.630/93; C - divulgar no site da CODEBA a relação dos operadores qualificados; D - aplicar as penalidades cabíveis, inclusive o cancelamento do certificado de Operador Portuário. 4. Definições Para efeito de aplicação desta Norma, considera-se: 4.1. Operação Portuária A movimentação e armazenagem de mercadorias ou movimentação de passageiros, destinados ou provenientes de transportes aquaviários realizadas nas áreas dos Portos Organizados de Salvador e Aratu-Candeias, por Operador Portuário. 3

4 4.2. Operador Portuário A pessoa jurídica qualificada pela CODEBA para a execução de operação portuária nas áreas dos Portos Organizados Salvador e Aratu-Candeias OGMOSA Órgão Gestor de Mão de Obra Avulsa dos Portos Organizados de Salvador e Aratu-Candeias Cadastro de Operadores Portuários Constitui-se no registro de informações relativas à Capacidade Jurídica, Capacidade Técnica, Idoneidade e Capacidade Financeira, bem assim, Regularidade Fiscal; elaborado com a finalidade de possibilitar a habilitação dos interessados na execução da operação portuária, nas áreas dos Portos Organizados de Salvador e Aratu-Candeias, bem como, para efeito da renovação do Certificado de Qualificação, por parte da CODEBA. 4.5 Capacidade Jurídica Decorrente da personalidade jurídica. Como aptidão efetiva para exercer direitos e contrair obrigações, com responsabilidade absoluta ou relativa por seus atos. 4.6 Capacidade Técnica Conjunto de requisitos técnicos necessários e adequados para o exercício da atividade de Operador Portuário para a movimentação de carga e/ou passageiros por meio de transporte aquaviário. 4.7 Idoneidade Financeira Capacidade para satisfazer encargos econômicos de sua real situação econômica e financeira. 4.8 Regularidade Fiscal Atendimento das exigências do Fisco, pela quitação dos tributos Federal, Estadual e Municipal a que esteja sujeito. 5. Condições Gerais de Habilitação 4

5 5.1 Toda e qualquer pessoa jurídica, legalmente registrada no País, inclusive Cooperativa, pode ser qualificada como Operador Portuário, desde que satisfaça plenamente todas as condições desta Norma; 5.2 A pré-qualificação deverá ser solicitada pelo interessado, através de carta comercial dirigida a Diretoria da CODEBA, contendo razão social, endereço, telefone, , CNPJ, nome do diretor ou responsável legal, com indicação da(s) atividade(s) de Operador Portuário a pré-qualificar-se. 5.3 O pedido de Pré-Qualificação poderá ser feito a qualquer tempo mediante a entrega dos documentos relativos à Capacidade Jurídica, Idoneidade Financeira, Regularidade Fiscal e Capacidade Técnica. 5.4 A CODEBA decidirá sobre a solicitação no prazo de 30 (trinta) dias corridos, contados da data do protocolo do pedido. Caso a CODEBA venha solicitar esclarecimentos sobre a documentação apresentada, o prazo para sanar dúvidas poderá ser estendido por mais 30 dias corridos, a partir da data da apresentação pelo requerente, dos esclarecimentos solicitados. 5.5 Sendo o pedido de pré-qualificação deferido pela CODEBA, de modo a completar o processo de certificação, o solicitante deverá apresentar cópia da Guia de Recolhimento, emitida pelo Setor Financeiro da CODEBA, da importância R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais) para cobertura das despesas administrativas com a qualificação da empresa como Operador Portuário. A - A importância acima será corrigida anualmente pelo IGP-DI, tomando por base a data da assinatura desta Norma; B - O Certificado de Qualificação será liberado ao Operador Portuário no prazo de até 5 (cinco) dias, contados a partir do dia da apresentação a CODEBA, pelo interessado, da Apólice de Seguro nos termos desta Norma; C - A Apólice de Seguro mencionada no caput poderá ser substituída por um período de 45 dias corridos pelo Certificado de Contratação do seguro; o não 5

6 atendimento dessa condição implicará no cancelamento automático do Certificado; D - Em caso de prêmio parcelado, o Operador Portuário deverá apresentar a CODEBA, o comprovante de pagamento de cada parcela, trinta dias após a quitação de cada uma das parcelas; E - Caberá ao Operador Portuário qualificado, fornecer à CODEBA a documentação exigida para atualização do seu cadastro. 6. Procedimentos 6.1. Pedido de Pré-Qualificação A Pré-Qualificação será requerida mediante preenchimento do Pedido para Pré-Qualificação de Operador Portuário, conforme modelo de formulário elaborado pela CODEBA; No julgamento e análise da documentação serão consideradas estritamente as condições definidas nesta Norma Certificado de Qualificação Após análise, julgamento, aprovação da documentação apresentada e do recolhimento da importância citada no subitem 5.5 do Pedido para Pré-Qualificação para Operador Portuário, será emitido o respectivo Certificado de Qualificação, conforme modelo elaborado pela CODEBA, como documento formal comprobatório da regularidade do Operador Portuário; 7. Documentação Para habilitar-se na Pré-Qualificação da atividade de Operador Portuário, o interessado deverá apresentar os documentos a seguir relacionados, sendo que as certidões, os certificados e outros afins, deverão estar com validade na data do 6

7 protocolo da CODEBA. Todos os certificados e declarações deverão ser apresentados com reconhecimento das respectivas assinaturas em cartório Habilitação Jurídica A - Registro Comercial, no caso de empresa individual; B - Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, devidamente registrado na Junta Comercial respectiva, em se tratando de Sociedades Comerciais e, no caso de Sociedades por Ações, acompanhados de documentos comprobatórios da última eleição de seus administradores; C - Inscrição do Ato Constitutivo no Cartório de Registro Civil competente, no caso de Sociedades Civis, acompanhada de Ata de Eleição de sua diretoria em exercício, bem como, Atestado de Regular Funcionamento; D - Nos documentos mencionados nas letras A, B e C acima, deverá constar a existência do domicílio fiscal no município de Salvador e/ou de Candeias, seja estabelecimento matriz ou filial; E - Comprovação de endereço da empresa e de residência do responsável legal e do responsável técnico; F - Decreto de autorização, devidamente publicado, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira, em funcionamento no país, e ato ou registro de autorização de funcionamento pelo órgão competente quando a atividade assim o exigir; G - Cópias autenticadas da Cédula de Identidade, CPF, Certidões de Antecedentes das polícias Civil e Federal, Certidão de Distribuição Civil e Criminal do Poder Judiciário, de pelo menos 2 (dois) representantes legais da empresa Capacidade Técnica A - Currículo sintético do responsável legal e da pessoa jurídica, capaz de comprovar a condição de realizar as operações portuárias pretendidas. B - O pretendente deverá comprovar que tem em seu quadro permanente de empregados, um Técnico de Segurança no Trabalho registrado na entidade profissional competente ou respectivo conselho, ou ser 7

8 obrigado a firmar convênio com o OGMOSA para cessão deste profissional. O documento de cessão deve ser apresentado à CODEBA até trinta dias após a emissão do certificado de Operador Portuário. O não atendimento deste item implicará no suspenção do certificado até a apresentação do documento. C - Declaração de compromisso da empresa para obter o Certificado ISO 9001:2000, incluindo as operações portuárias que forem realizadas, no prazo de até 24 (vinte e quatro) meses após o credenciamento inicial, exceto quando existir contrato entre o Operador Portuário e a Autoridade Portuária, com prazo diferente do acima mencionado; H - O Operador Portuário deverá protocolar junto a CODEBA o contrato com a empresa certificadora e o respectivo cronograma de certificação, sessenta dias após a primeira operação portuária que realizar no porto, apresentando trimestralmente relatório que demonstre a evolução do Processo de Certificação Capacidade e Idoneidade Financeira A - Apresentar Balanço Patrimonial e demonstrações contábeis, que comprove a situação financeira da empresa sendo vedada a substituição por balancetes ou balanços provisórios. No caso de empresa recém criada que tenha completado ou não o seu exercício social, será necessário a apresentação do Balanço Patrimonial ou balancete acompanhado da demonstração do resultado no período da atividade social; B - A pessoa jurídica deverá ter capital social integralizado mínimo de R$ ,00, comprovado no Balanço Anual da empresa; C - Referência fornecida por uma instituição bancária com matriz ou filial instalada no Estado da Bahia, que por si, pelos detentores de seu controle e administradores, não participem do capital ou da direção da empresa. D - As empresas instaladas há menos de doze meses, devem apresentar duas referências bancárias de cada um dos seus sócios ou dirigentes; E - Apólice de Seguro aprovada pela SUSEP, específica para Operação Portuária de Seguro de Responsabilidade Civil Geral com cobertura para bens pessoais e instalações portuárias e equipamentos de propriedade da 8

9 Autoridade Portuária envolvido nas operações de movimentação de cargas e/ou passageiros, incluindo cláusula de responsabilidade civil contra terceiros; F - O valor mínimo de cobertura da apólice é de R$ ,00 (trezentos mil reais) corrigidos anualmente pelo IGP-DI da FGV; G - Ocorrendo o vencimento do prazo de validade da Apólice de Seguro Geral, o Certificado de Qualificação estará automaticamente suspenso na sua eficácia, não sendo permitida a realização de operação portuária enquanto não for apresentada para análise e aprovação pela Autoridade Portuária uma nova Apólice de Seguro Geral ou apresentação de certificado de renovação emitido pela empresa seguradora até que a nova apólice seja emitida; H - Certidão Negativa do Setor Financeiro da CODEBA, relativa a débitos pendentes, de origem operacional, contratual ou financeira. Para as empresas que não são cadastradas no centro de custos da CODEBA, fica dispensada apresentação deste documento para a emissão do primeiro certificado de qualificação; I - Certidão negativa ou declaração do OGMOSA de que a empresa requerente não é associada daquele órgão; J - Certidão Negativa de Pedido de Falência, Concordata, ou de Execução Patrimonial, expedida pelo Cartório Distribuidor das Comarcas de domicílio sede e dos municípios de Salvador e Candeias da pessoa jurídica; K - Certidão Negativa de ações civis e criminais dos titulares ou dirigentes da empresa, expedida pelo Cartório Distribuidor das Comarcas de domicílio sede e dos municípios de Salvador e Candeias da(s) pessoa(s) física(s), seu(s) dirigente(s) e administrador(es); L - A pessoa jurídica que tiver em seu capital social a participação de uma ou mais pessoas jurídicas, também destas serão exigidas os documentos constantes das alíneas C, J e K do subitem 7.3 desta Norma; M - Em caso de matriz em outro Estado e filial(is) na área de abrangência da CODEBA, exige-se a apresentação da documentação pertinente à matriz e à(s) filial(is). 9

10 7.4. Regularidade Fiscal A - Prova de inscrição no Cadastro Geral de Pessoas Jurídicas (CNPJ); B - Prova da existência de domicílio fiscal nos municípios de Salvador e/ou Candeias, com a apresentação do Alvará de Licença e Funcionamento das respectivas prefeituras e certidões de Inscrição no cadastro do ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza); C - Prova de quitação com as Fazendas: Federal - Secretaria da Receita Federal e Procuradoria Geral da Fazenda Nacional; Estadual - Secretarias da Fazenda Estadual do domicílio da matriz e filial(is); Municipal - Secretarias da Fazenda Municipal do domicílio matriz e filial(is); D - Documento que comprove regularidade com a Previdência Social - INSS; E - Prova de Regularidade com o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço); 7.5. Documentação para Cooperativas As cooperativas formadas pelos Trabalhadores Portuários Avulsos, devidamente registrados de acordo com a Lei 8.630/93, podem se préqualificar, devendo, no entanto, apresentar: A - Estatuto Social Constitutivo e prova do seu arquivamento na Junta Comercial do Estado da Bahia-JUCEB, onde deve constar a existência de estabelecimento matriz ou filial nos municípios de Salvador e/ou Candeias; B - Ata comprovando a eleição de seus dirigentes; C - Alvará de Licença e Funcionamento das Prefeituras de Salvador e/ou de Candeias; D - Uma referência bancária de cada um dos seus titulares ou dirigentes, nos moldes do Item 7.3, alínea C; E - Relação do pessoal inscrito na Cooperativa e devidamente cadastrado/registrado no OGMOSA; 10

11 F - Dados Pessoais dos inscritos na Cooperativa, para efeito de cadastramento na Autoridade Portuária; G - Apólice de Seguro aprovada pela SUSEP, específica para Operação Portuária de Seguro de Responsabilidade Civil Geral com cobertura para bens pessoais e instalações portuárias e equipamentos de propriedade da Autoridade Portuária envolvido nas operações de movimentação de cargas e ou passageiros, incluindo cláusula de responsabilidade civil contra terceiros; H - O valor mínimo da cobertura da apólice é de R$ ,00 (trezentos mil reais) corrigidos anualmente pelo IGP-DI; I - Ocorrendo o vencimento do prazo de validade da Apólice de Seguro Geral, o Certificado de Qualificação estará automaticamente suspenso na sua eficácia, não sendo permitida a realização de operação portuária enquanto não for apresentada para análise e aprovação pela Autoridade Portuária uma nova Apólice de Seguro Geral ou apresentação de Certificado de Renovação emitido pela empresa seguradora até que a nova apólice seja emitida; J - Certidão negativa do Setor Financeiro da CODEBA, relativa a débitos pendentes, de origem operacional, contratual ou financeira para as cooperativas que já são cadastradas no centro de custos da CODEBA. Para as cooperativas que não são cadastradas no centro de custos da CODEBA, fica dispensada apresentação deste documento quando da primeira certificação; K - Certidão negativa ou declaração do OGMOSA, de que a Cooperativa pretendente não é associada daquele órgão; L - Certidão Negativa de Ações Civis e Criminais dos titulares ou dirigentes da Cooperativa, expedida pelo Cartório Distribuidor da Comarca sede de domicílio da(s) pessoa(s) físcai(s) e seu(s) dirigente(s); M - Prova de Regularidade para com a Previdência Social - INSS; N - Prova de Regularidade para com o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço); O - Currículo sintético do responsável legal e da pessoa jurídica, capaz de comprovar a condição de realizar as operações portuárias pretendidas; 11

12 P - A Cooperativa deverá comprovar que tem em seu quadro permanente de associados, um Técnico de Segurança no Trabalho registrado na entidade profissional competente ou respectivo conselho, ou ser obrigado a firmar convênio com o OGMOSA para cessão deste profissional. O documento de cessão deve ser apresentado à CODEBA trinta dias após a emissão do certificado de Operador Portuário. O não atendimento deste item implicará na suspenção do certificado até o ate a apresentação do documento. R - Declaração de compromisso da Cooperativa para obter o Certificado ISO 9001:2000, incluindo as operações portuárias que forem realizadas, no prazo de até 24 (vinte e quatro) meses após o credenciamento inicial, exceto quando existir contrato entre o Operador Portuário e a Autoridade Portuária, com prazo diferente do acima mencionado; S - O Operador Portuário deverá protocolar junto a CODEBA o contrato com a empresa certificadora e o respectivo cronograma de certificação, sessenta dias após a primeira operação portuária que realizar no porto, apresentando trimestralmente relatório que demonstre a evolução do Processo de Certificação. 8. Infrações e Penalidades 8.1. Constitui infração toda a ação ou omissão, voluntária ou involuntária que importe: A - Na realização de operações portuárias com infringência ao disposto na Lei 8.630/93, ao Regulamento de Exploração dos Portos Organizados de Salvador e Aratu-Candeias, ao Plano de Segurança Pública Portuária ou à legislação ambiental e de segurança do trabalho, inclusive; B - Na utilização de mão-de-obra avulsa, que não esteja devidamente cadastrada ou registrada no OGMOSA e utilização de terrenos, áreas, equipamentos e instalações localizadas nas áreas dos Portos Organizados de Salvador e Aratu-Candeias, com desvio da finalidade ou com desrespeito à Lei, normas e regulamentos. 12

13 8.2. Pelo cometimento de infração, a CODEBA na qualidade de Autoridade Portuária aplicará ao Operador Portuário, as seguintes penalidades previstas no Artigo 38 da Lei 8.630/93, aplicáveis separadas ou cumulativamente de acordo com a gravidade da falta; I - advertência; II - multa; III - proibição de ingresso na área do porto por período de trinta a sessenta dias; IV - suspensão da atividade de Operador Portuário, pelo período de trinta a cento e oitenta dias; V - cancelamento do credenciamento de Operador Portuário. 13

14 8.3. Aplicam-se no que couber, o Art. 19 Parágrafo Terceiro e os Artigos 40 a 44 da Lei 8.630/93; 8.4. A aplicação da penalidade não exime o Operador Portuário da correção imediata do desvio cometido, com o reparo e ressarcimento de possíveis danos causados pela infração; 8.5. O recolhimento antecipado do que trata o Art. 19, Parágrafo Terceiro da Lei 8.630/93, não livra o Operador Portuário do pagamento das multas de que trata o subitem 8.2 desta Norma. 9. Disposições Gerais 9.1. A documentação referida no item 7 desta Norma, poderá ser entregue em fotocópia autenticada, ou em fotocópia simples desde que seja apresentado o documento original à Autoridade Portuária para efeito de autenticação por parte do funcionário da CODEBA Os documentos exigidos serão apresentados em uma via, separados em pastas identificadas por Habilitação Jurídica, Capacidade Técnica, Idoneidade e Capacidade Financeira e Regularidade Fiscal; 9.3. Pela não apresentação de quaisquer dos documentos referidos no item 7 desta Norma, o pedido será desconsiderado e devolvido ao solicitante; 9.4. Eventuais ocorrências de infrações e penalidades serão anotadas no respectivo Cadastro referido no subitem 4.5, desta Norma; 9.5. Os interessados na obtenção de alteração de seus dados cadastrais e/ou para pré-qualificação em outra categoria poderão solicitá-la formalmente à CODEBA, a qualquer tempo. Essa solicitação deverá ser encaminhada juntamente com a documentação necessária para cumprimento de tal finalidade, adotando-se o procedimento fixado no subitem 6.1, desta Norma; 9.6. A habilitação à pré-qualificação não dispensa o Operador Portuário de oferecer garantias à CODEBA dos bens e equipamentos postos à sua disposição, nem ao OGMOSA referente às obrigações assumidas perante o mesmo, nos termos da legislação pertinente; 9.7. A CODEBA emitirá um Certificado de Qualificação, nos termos desta Norma com validade de 1 (hum) ano a partir da data de emissão, renovável por igual 14

15 período, a pedido do Operador Portuário, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, observando o seguinte: Será utilizado o mesmo formulário de que trata o subitem 6.1 desta Norma registrando no campo da Documentação, que se refere à renovação, o número/ano e a data da emissão do Certificado; Para efeito de renovação do Certificado de Qualificação caberá ao Operador Portuário: A - Apresentar as pastas atualizadas da Habilitação Jurídica, Capacidade Técnica, Capacidade e Idoneidade Financeira e de Regularidade Fiscal, de que tratam os subitens 7.1, 7.2, 7.3, 7.4 e 9.2 desta Norma. Para efeito de renovação fica dispensado o subitem 7.3 alínea B para as empresas que já exerciam a atividade de Operador Portuário em data anterior a aplicação desta Norma; B - Apresentar Certidão Negativa do Setor Financeiro da CODEBA, relativa a débitos pendentes, de origem operacional, contratual ou financeira; C - Apresentar Certidão Negativa do OGMOSA, relativa a débitos pendentes, de origem estatutária, operacional ou de encargos sociais, fiscais e previdenciários ou declaração de que a empresa requerente não é associada daquele órgão. D - Será exigido para a renovação do Certificado de Qualificação o pagamento da importância equivalente a 50% (cinquenta por cento) do valor estabelecido no subitem 5.5 quando da primeira renovação. A partir de então, o pagamento se dará a cada dois anos; esse valor será corrigido de forma idêntica ao da alínea A do subitem 5.5; E - o pagamento da renovação de que trata a alínea "D", anterior, será feito através de Guia de Recolhimento, conforme subitem 5.5, desta Norma; F - Será exigida apresentação de pelo menos duas referências de usuários do porto (armadores, exportadores e/ou importadores e da fiscalização da Autoridade Portuária) ou de associações de usuários dos portos ou de armadores que operem nos portos, com relação à qualidade dos serviços 15

16 prestados pelo Operador Portuário, no período anterior ao do pedido da renovação do Certificado; G - A Apólice de Seguro citada na alínea E do subitem 7.3, devem ser apresentada anualmente à CODEBA, sendo condição básica para que o certificado mantenha o período de validade; 9.8. Eventuais ocorrências de desempenho insatisfatório dos operadores portuários e/ou infrações previstas no subitem 8.1, alíneas A e B, poderá ensejar a não renovação da qualificação do operador, por parte da CODEBA; 9.9. Será indeferido o pedido de renovação pela CODEBA do Certificado de Qualificação, ao Operador Portuário que não tenha executado atividade operacional para a qual tenha sido credenciado, no período de dois anos anteriores ao pedido de renovação; Será indeferido o pedido de renovação pela CODEBA do Certificado de Qualificação aos operadores portuários que não estejam acatando deliberações aprovadas pelo Conselho de Autoridade Portuária dos Portos de Salvador e Aratu-Candeias; A CODEBA deverá informar ao Presidente do Conselho de Autoridade Portuária dos Portos de Salvador e Aratu-Candeias no prazo de até 72 (setenta e duas) horas, a contar do protocolo do Pedido de Pré-Qualificação de Operador Portuário, os dados do pretendente, principalmente: nome da pessoa jurídica, número da inscrição municipal da cidade onde o porto está localizado e o CNPJ da empresa ou Cooperativa; A CODEBA deverá encaminhar mensalmente ao CAP Salvador e Aratu- Candeias relatório onde constem as seguintes informações: nomes das empresas e cooperativas certificadas como Operador Portuário, endereço, CNPJ, data do protocolo do pedido, data da emissão e vencimento do Certificado, data de início e término da vigência e o nome da empresa emissora da apólice do seguro e sobre ocorrência de infrações e penalidades aplicadas; 16

17 9.13. Com exceção dos casos previstos na Lei 8.630/93, ficará o Operador Portuário obrigado a se associar ao OGMOSA dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data de emissão do Certificado de Qualificação de Operador Portuário e apresentar em idêntico prazo, o atestado daquele órgão afirmando que o operador credenciado está apto a promover requisições de serviços junto ao OGMOSA; O não cumprimento do atendimento ao subitem 9.13 implicará no imediato cancelamento da Certificação de Qualificação ortogada pela CODEBA; Nas operações de movimentação de cargas e/ou passageiros, o Operador Portuário somente poderá utilizar mão de obra própria ou de trabalhadores avulsos requisitados junto ao OGMOSA; Esta Norma somente poderá ser alterada, por maioria absoluta de votos dos Blocos, em reunião do CAP Conselho de Autoridade Portuária dos Portos de Salvador e Aratu-Candeias, previamente convocada para tal fim; Os casos omissos da presente Norma serão decididos pelo plenário do CAP- Conselho de Autoridade Portuária dos Portos de Salvador e Aratu-Candeias, sempre obedecidos os princípios da Legalidade, Moralidade e Igualdade de oportunidade; A presente alteração entrará em vigor na data de sua aprovação. 17

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO ÍNDICE 1. DO OBJETO 2. DAS DEFINIÇÕES 3. DA COMPETÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO 4. DA ATIVIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO 5. DA SOLICITAÇÃO 6. DAS CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA 1- OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para a Pré-Qualificação de pessoa Jurídica como Operador Portuário

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação?

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? As certidões indispensáveis à participação nas licitações, conforme previsto no artigo 27 da Lei 8.666/93, são: certidão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 Edital de convocação de Pessoas Jurídicas para inscrição e atualização do Cadastro de Fornecedores do Município de Itaúna.

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG)

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) NORMAS DE CREDENCIAMENTO PARA INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS 1. DA FINALIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. 1.2. Aprovado o pedido será concedido o CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL- Anexo A-4.

CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. 1.2. Aprovado o pedido será concedido o CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL- Anexo A-4. 1/9 CONDIÇÕES GERAIS PARA REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES A inscrição no Cadastro de Fornecedores da CET é regulada pelas presentes Condições Gerais, nos termos da Seção III - DOS REGISTROS CADASTRAIS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DESPACHO 2007 N O PROJETO DE LEI Nº 1310/2007 INSTITUI O SERVIÇO E COLETA DE PEQUENAS CARGAS, MEDIANTE UTILIZAÇÃO DE MOTOCICLETAS, NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, DENOMINADO MOTO-FRETE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROCESSO 005/2010 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 001/2010

PROCESSO 005/2010 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 001/2010 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO PARAÍSO, Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso, autarquia municipal,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA 1. Na renovação a empresa deverá informar, por escrito, se houve ou não alteração dos documentos de Qualificação Técnica

Leia mais

Resolução nº 07914. Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE.

Resolução nº 07914. Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE. Resolução nº 07914 Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE. A Secretária de Estado da Administração e da Previdência, no uso das

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO. Deliberação CAP n o. 06/2010.

NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO. Deliberação CAP n o. 06/2010. NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO Deliberação CAP n o. 06/2010 folha 1 / 13 NORMA PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO Revisada em 25/03/2010, através da Deliberação CAP n o. 06/2010

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos INSTRUÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO DO C.R.C. (CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL), CONFORME DISPOSTO NA LEI Nº 8.666/93 1. CADASTRAMENTO 1.1 PROCEDIMENTO 1.1.1 A empresa interessada em obter o Certificado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REGISTRO CADASTRAL (Conf. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993) I - Para a habilitação jurídica: a) Cédula de identidade e registro comercial na repartição competente, para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO Pessoa Física Requerimento composto de 05 páginas: 1. página 01: IDENTIFICAÇÃO E DO FORNECEDOR; 2. página 02: ENQUADRAMENTO NA CATEGORIA; 3. página 03 e 04: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS A Supervisão de Suprimentos é a responsável pelo cadastramento dos fornecedores, bem como pela renovação cadastral

Leia mais

FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. Endereço da Matriz : Rua/Av.:... N.º...

FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. Endereço da Matriz : Rua/Av.:... N.º... FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES Requeremos por meio desta, junto ao Setor de Compras e Licitações Registro n.º EMPRESA Inscrição ( ) Revalidação ( ) Razão Social:...

Leia mais

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Secretaria Municipal de Educação de Anicuns, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ: 02.262.368/0001-53, por intermédio

Leia mais

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital.

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Senhor Licitante, Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Atenciosamente, Vera Lucia M. de Araujo Pregoeira

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

Câmara Municipal De Natividade Da Serra

Câmara Municipal De Natividade Da Serra DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A INCRIÇÃO NO REGISTRO CADASTRAL (Em conformidade com os artigos 28 a 31 da Lei Federal Nº 8.666/93 e demais alterações posteriores): PESSOA JURÍDICA 1 - Documentação Relativa

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS)

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) ÍNDICE: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE TERRENOS, LOJAS E ESPAÇOS DE PROPRIEDADE DA COMPANHIA DO

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Este Manual contem regras para Cadastramento com fins de Licitação, nos termos da Lei 8.666/93 e alterações posteriores. e está disponível no site www.aracaju.se.gov.br/emurb. REGRAS PARA

Leia mais

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial I MEMORIAL TÉCNICO DO XXVII CBP: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. Selecionar a(s) Montadora(s) prestadora(s) de serviços de montagem para as diversas fases BLOCOS para a implantação do XXVII CBP no Transamérica

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL DE EMPRESAS CANDIDATAS À PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SHUTTLE E TRANSPORTE LOCAL PARA O XXXI CBP CURITIBA, 2013

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL DE EMPRESAS CANDIDATAS À PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SHUTTLE E TRANSPORTE LOCAL PARA O XXXI CBP CURITIBA, 2013 I CONDIÇÕES PARA A CONCORRÊNCIA: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. O objeto da concorrência é a prestação de serviços de SHUTTLE como transportadora do XXXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria. 1.2. A ABP

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 O Município de Vale do Sol, RS, através do Prefeito Municipal. Sr. Clécio Halmenschlager, comunica aos interessados que está procedendo ao CREDENCIAMENTO de pessoas

Leia mais

1.3. Poderá(rão) ser escolhida(s) uma ou mais empresas para a prestação do serviço(s).

1.3. Poderá(rão) ser escolhida(s) uma ou mais empresas para a prestação do serviço(s). I MEMORIAL TÉCNICO DO XXXII CBP: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. O objeto da presente concorrência é a contratação de empresa Prestadora de serviços para secretaria e pessoal de apoio para o XXXII Congresso

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE:

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: O PRESIDENTE DA AGÊNCIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO, TRANSPORTES E MOBILIDADE, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Complementar n 183, de 19

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente;

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente; RESOLUÇÃO CRC-BA Nº 406-A/2002 DISPÕE SOBRE A ANUIDADE DO EXERCÍCIO DE 2003, CONCESSÃO DE REDUÇÃO E DE PARCELAMENTO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS, AD REFERENDUM DO PLENÁRIO. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA O Município de IPÊ RS, através do presente Edital, comunica a

Leia mais

REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS

REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS Art. 1º - O SESVESP - SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANÇA PRIVADA, SEGURANÇA ELETRÔNICA, SERVIÇOS DE ESCOLTA E CURSOS DE FORMAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES)

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) REFORMA DAS INSTALAÇÕES DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO DO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS DO ABRIGO DO

Leia mais

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001 OBJETO: CADASTRAMENTO DE EMPRESAS OBJETIVANDO FUTURAS CONTRATAÇÕES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE CORRESPONDENTES. 1 PREÂMBULO 1.1 A BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A ( FINANCEIRA BRB ) torna

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014 O Presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e de conformidade com a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e suas

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte O processo para aquisição de bens, serviços e obras para o IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, observará o disposto neste Regulamento de

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES

C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES Com o objetivo de melhorar o nível de confiabilidade e segurança das certificações emitidas pelas ASSESPRO REGIONAIS a favor de seus associados,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE INTERESSADOS NA OPERAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará REITORIA EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Estabelece as normas e fixa

Leia mais

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014 O Município de Mariano Moro, RS, torna público, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, que no dia 30 de setembro as 14

Leia mais

FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150062 TIPO: MENOR PREÇO

FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150062 TIPO: MENOR PREÇO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150062 TIPO: MENOR PREÇO A FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

3. Repasse de benefícios para a Associação Brasileira de Psiquiatria, Organizadora e Promotora do XXXI CBP:

3. Repasse de benefícios para a Associação Brasileira de Psiquiatria, Organizadora e Promotora do XXXI CBP: I MEMORIAL TÉCNICO DO XXXI CBP: 1. Objeto da Concorrência: EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DE 4 1.1. O objeto da presente concorrência é a contratação da empresa de Prestadora de Serviços de Locação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008. EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado:

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008. EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado: SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008 EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado: Prezado (a) Senhor (a), O Projeto de Cooperação para Apoio às Políticas e à Participação

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições apresentadas nas Audiências Públicas nº 063/2007 e nº 083/2008, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições apresentadas nas Audiências Públicas nº 063/2007 e nº 083/2008, RESOLVE: AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 2885, DE 09 DE SETEMBRO DE 2008 DOU de 23 DE SETEMBRO DE 2008 Estabelece as normas para o Vale-Pedágio obrigatório e institui os procedimentos de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE MACEIÓ - APMC

ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE MACEIÓ - APMC RESUMO DA NORMA PARA INSCRIÇÃO NO CADASTRO DA APMC/CODERN DOS OPERADORES PORTUÁRIOS PROCEDIMENTOS EDOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/RENOVAÇÃO DOS OPERADORES PORTUÁRIOS Os pedidos de inscrição no Cadastro da APMC/CODERN

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

Edital 02/2015 Saldo Remanescente

Edital 02/2015 Saldo Remanescente Edital 02/2015 Saldo Remanescente EDITAL Nº 02/2015 CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA, no

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 88, DE 02 DE AGOSTO DE 2001 Dispõe sobre o arquivamento dos atos de transformação, incorporação, fusão e cisão de sociedades mercantis. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA 1ª REGIÃO

CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA 1ª REGIÃO 1 CARTA CONVITE n.º 001/2011 São Paulo, 20 de outubro de 2011. O CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA - 1ª REGIÃO, nos termos da autorização constante no Processo Administrativo em epígrafe, vem, por intermédio

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS EDITAL DE CARTA CONVITE 027/2015 A PREFEITA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA, torna público, para conhecimento dos interessados, que no dia 20 DE NOVEMBRO DE 2015, às 10 horas, reunirse-á a Comissão Permanente

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE HABILITAÇÃO JURÍDICA Documentos para Credenciamento - Registro comercial no caso de empresa individual; - Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, devidamente registrado em se tratando de

Leia mais

Portaria SEP Nº 111 DE 07/08/2013

Portaria SEP Nº 111 DE 07/08/2013 Portaria SEP Nº 111 DE 07/08/2013 Estabelece as normas, os critérios e os procedimentos para a pré-qualificação dos operadores portuários de que trata o inciso IV do art. 16 da Lei nº 12.815, de 5 de junho

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil

Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Como faço para concorrer a uma bolsa? O processo seletivo de alunos está sendo realizado pela Secretaria de Aviação Civil SAC/PR.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*)

RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*) Republicação Ministério dos Transportes Agência Nacional de Transportes Terrestres Diretoria-Geral RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*) A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres -ANTT,

Leia mais

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA 1- OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para a Pré-Qualificação de pessoa Jurídica como Operador Portuário

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 O Diretor do Departamento de Polícia Federal, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo ítem III, do Artigo 30 do Regimento

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

1) Sala da Secretária. 1.1) Armário 1.600,00. 1.2) mesa para computador 2.532,00. 1.3) suporte para CPU 200,00. 2) Sala Administrativa

1) Sala da Secretária. 1.1) Armário 1.600,00. 1.2) mesa para computador 2.532,00. 1.3) suporte para CPU 200,00. 2) Sala Administrativa CONTRATO Nº 071/2011 CONTRATO REFERENTE À CARTA CONVITE Nº 030/2011, VISANDO A AQUISIÇÃO DE MÓVEIS PARA A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SANTA TEREZA. CONTRATANTE: MUNICÍPIO DE SANTA TEREZA, Pessoa

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 CONVÊNIO Nº: 812779/2014 SDH/PR PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 012/2015 TIPO: Cotação prévia de preços / Menor preço OBJETO: Contratação de Seguro contra Acidentes

Leia mais