PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO Estado da arte e boas práticas em repositórios digitais Maria de Lurdes Tainha Saramago Rodrigues (Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas Variante Estudos Portugueses) Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Estudos de Informação e Bibliotecas Digitais Orientador: Drª Fernanda Maria Guedes de Campos Co-Orientador: Prof. Doutor Pedro Faria Lopes Lisboa, 20 de Julho de 2003

2

3 AGRADECIMENTOS O meu primeiro e mais sentido agradecimento vai para a minha orientadora Sra. Dra. Fernanda Maria Guedes de Campos que de forma sábia me acompanhou ao longo da elaboração desta dissertação. Agradeço ainda ao Sr. Prof. Doutor Pedro Faria Lopes por ter aceite ser co-orientador da dissertação, pelos seus bons conselhos e orientações finais. Agradeço à minha família pela paz de espírito que me proporcionou durante estes dois anos de trabalho intenso e em especial ao meu marido pela sua presença e apoio, muitas vezes técnico. Agradeço às minhas colegas Dra. Isabel Goulão e Dra. Margarida Meira pela companhia e amizade constantes. Agradeço também ao meu colega Dr. Paulo Leitão pela paciência de me ter ouvido e pelas boas sugestões que me apresentou. i

4 much as monks of times past, it falls to librarians and archivists to hold to the tradition which reveres history and the published heritage of our times Terry Kuny, 1998 ii

5 RESUMO Aborda-se o estado da arte da preservação de recursos digitais na perspectiva da sua preservação de longo prazo. São enunciadas as práticas e as diversas metodologias tidas actualmente como as mais adequadas para se obviar à fragilidade física dos suportes e à vulnerabilidade do meio digital, assim como a perdas inerentes à preservação de recursos nos mais diversos meios e formatos. A recolha e selecção de recursos a preservar são também pontos que desenvolvemos. Coligimos exemplos reais que espelham as abordagens das comunidades que consideramos mais avançadas nesta matéria. São focados os aspectos tecnicamente mais inovadores do ponto de vista da utilização de metadados e a sua relação com as diversas estratégias implementáveis, nomeadamente a emulação, a migração, a encapsulação, a aplicação do UVC (Universal Virtual Computer) e o XML. São ainda referidas as boas práticas quanto a metadados de preservação e são integrados alguns esquemas que confirmam o acompanhamento das respectivas comunidades em que se inserem, as quais partem de um esquema padrão que elegem, e evoluem numa perspectiva de adaptação ao próprio ambiente. A metodologia de implementação de repositórios digitais à qual nos dedicámos é baseada no modelo de referência OAIS desenvolvido no âmbito da NASA. Este modelo encontra-se em vias de ser implementado pelos repositórios digitais mais relevantes à escala global. Verificámos que a comunidade CEDARS é aquela que, dadas as suas características pode servir de modelo. No seguimento desta investigação simulámos um conjunto de metadados preparado para ajustar ao OAIS na forma de um pacote de informação para depósito passível de ser adaptado a uma comunidade com características similares às da comunidade nacional. Acrescentámos de forma sistematizada as boas práticas que devem ser mantidas pelas instituições que pretendem implementar repositórios ou bibliotecas digitais. Palavras chave : Preservação digital; Boas práticas; Metadados; Estratégias de preservação; Migração; Emulação; OAIS iii

6 iv

7 ABSTRACT The long-term digital preservation is focused paying special attention to the state of the art of the practices and methodologies that can tackle the physical fragility of supports and the vulnerability of the digital environment. The minimization of information loss during the preservation process through the various formats and platforms is addressed. The selection of resources to preserve is pointed out, as well as real life cases depicted from the most up-to-date approaches of several communities. We have stressed the most promising techniques of metadata usage and their relationship with the various strategies available, e.g. emulation, migration, encapsulation, Universal Virtual Computer and XML. The good practices of preservation metadata are stressed alongside some metadata schema. The digital repositories methodology that we have adopted is based upon the OAIS reference model developed within NASA. This model is about to be implemented by the world most relevant digital repositories. We have studied with care the most important digital preservation communities in the world and we have considered the CEDARS community as it is one that can be looked as a standard. On the aftermath of our investigation we have simulated a subset of metadata to be implemented within the OAIS model in the form of a deposit information package. The area of application should be the national community. We have included, in a systematic way, the good practices that must be object of maintenance by the various institutions that want to implement digital repositories and digital libraries. Keywords : Digital preservation; Good practices; Metadata; Preservation strategies; Migration; Emulation; OAIS v

8 vi

9 ÍNDICE RESUMO... iii ABSTRACT... v 1. INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO TEMA MOTIVAÇÃO PARA A ESCOLHA DO TEMA APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA E DOS SEUS PONTOS CHAVE QUESTÕES FUNDAMENTAIS OBJECTIVOS BIBLIOTECAS DIGITAIS E PRESERVAÇÃO DE RECURSOS CARACTERÍSTICAS DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL A PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS E A GESTÃO DAS BIBLIOTECAS DIGITAIS Alguns aspectos tecnológicos básicos das bibliotecas digitais A tecnologia do acesso QUADRO TEÓRICO DE REFERÊNCIA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DOS POVOS O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES PATRIMONIAIS Os recursos digitais e o depósito legal Modo de aquisição dos recursos CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE TECNOLÓGICO Características dos recursos Características dos suportes de armazenamento dos recursos Obsolência dos dispositivos de leitura vii

10 3.4. CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS Criação dos recursos Selecção dos recursos Identificação persistente dos recursos Descrição e acesso dos recursos Armazenamento dos recursos Preservação de longo prazo e recuperação da informação INTEGRIDADE, AUTENTICIDADE E AUTENTICAÇÃO DE RECURSOS DIGITAIS Integridade Autenticidade Autenticação ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL Preservação tecnológica e impressão em papel Emulação Migração Encapsulação Software Máquina Virtual (UVC - Universal Virtual Computer) XML (Extensible Markup Language) METADADOS DE PRESERVAÇÃO DE LONGO PRAZO Comunidades temáticas e respectivas necessidades de metadados Sistemas de metadados aplicáveis à preservação digital METODOLOGIAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM REPOSITÓRIO DIGITAL CONFIABILIDADE DE UM REPOSITÓRIO DIGITAL As questões legais As questões financeiras A gestão do risco As garantias de acesso continuado aos recursos digitais O Modelo de referência OAIS viii

11 4.2. AS GRANDES OPÇÕES DE PRESERVAÇÃO Internet Archive NEDLIB - Networked European Deposit Library CEDARS (CURL Exemplars in Digital Archives) PANDORA (Preserving and Accessing Networked Documentary Resources of Australia) OCLC/RLG Working Group on Preservation Metadata FEDORA (Flexible Extensible Digital Object and Repository Architecture) A MOTIVAÇÃO PARA A UTILIZAÇÂO DO MODELO DE REFERÊNCIA OAIS Os interesses das potenciais comunidades utilizadoras Simulação de uma matriz de metadados de preservação OS REPOSITÓRIOS DIGITAIS E A DESCOBERTA E CAPTURA DE METADADOS O OAI-PMH (Open Archives Inititative Protocol for Metadata Harvesting) O exemplo do serviço de acesso do Projecto FEDORA BOAS PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO RECOMENDADAS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM REPOSITÓRIO DIGITAL CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXO 1 SIMULAÇÃO DE MATRIZ DE METADADOS DE PRESERVAÇÃO ANEXO 2 GLOSSÁRIO ANEXO 3 SIGLAS E ACRÓNIMOS ANEXO 4 SÍTIOS RECOMENDADOS NA ÁREA DA PRESERVAÇÃO DIGITAL ix

12

13 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. DELIMITAÇÃO DO TEMA Em 1986 J. M. Dureau e D. W. G. Clements 1 no âmbito da IFLA (International Federation of Library Association) definiam a preservação de espécies bibliográficas como : Preservação engloba todos os aspectos financeiros e de gestão incluindo a armazenagem em todos os seus aspectos, questões de pessoal, política, técnicas e métodos envolvidos na preservação das espécies bibliográficas e a informação que elas contenham Nesta definição apontam-se dois grandes objectivos, sendo um a preservação do conteúdo intelectual da informação, transferindo-o de um para outro suporte, p. ex. papel para microfilme e o outro a preservação da integridade física original da espécie bibliográfica tão intacta e utilizável quanto possível. Como nem todas as bibliotecas ou arquivos teriam condições nem manifesto interesse para assegurar a integridade física de todas as espécies que possuíam, deveria ser estabelecida, no âmbito da gestão de colecções, uma política de prioridades. Estes conceitos, mantêm actualidade para documentos que não são exclusivamente livros e manuscritos mas também filmes, fotografias, gravuras, mapas, registos de som e imagem, etc. Em Portugal, Luísa Cabral (1998) 2 manifesta a sua preocupação ao constatar que no virar do século XX as bibliotecas e arquivos portugueses ainda não encararam com conhecimento de causa e seriedade a extensão do problema que têm em mãos, dado que o estado das colecções nunca foi diagnosticado. Não existem, de facto, práticas instaladas de gestão das colecções onde se insira a selecção dos documentos a preservar, uns pela simples transmissão do conteúdo intelectual, 1 DUREAU, J. M., CLEMENTS, D. W. G. (1992) - Princípios para a preservação e conservação de espécies bibliográficas. Edição em língua portuguesa por Maria da Conceição Casanova, Maria Fernanda Casaca Ferreira, Maria Luísa Macedo. Lisboa : Biblioteca Nacional. 2 CABRAL, Maria Luísa (1998) Microfilmagem e digitalização : a coexistência pacífica. Páginas a & b, 2, p

14 1. INTRODUÇÃO outros ainda acrescentando o valor do artefacto, e outros unicamente pelo valor do artefacto. No que diz respeito aos recursos digitais, não obstante as enormes barreiras a ultrapassar, particularmente nos campos económico e financeiro devido aos custos altos que acarreta, preservar e facilitar o acesso aos recursos electrónicos a longo prazo tornou-se um objectivo que deve ser inscrito no plano de gestão de colecções das bibliotecas digitais, para que a persistência a longo prazo do acesso aos recursos possa ser efectivamente gerida e monitorizada. É que, no domínio digital e ao contrário do recurso em papel, a informação e o seu suporte são muito mais perecíveis e voláteis. Em ambiente arquivístico propriamente dito estes factores são normalmente objecto de legislação específica para evitar a perda irremediável de informação. A criação e desenvolvimento de uma colecção, digital ou tradicional deve, por conseguinte, submeter-se a alguns parâmetros, tais como : 1) Missão da instituição e da biblioteca detentoras dos recursos 2) Estratégia e política de desenvolvimento das colecções 3) Caracterização da própria colecção articulando as necessidades de potenciais utilizadores com os limites temáticos e também com compromissos em termos de cooperação com outras instituições e bibliotecas. É indispensável a existência de um documento escrito que explicite a política de desenvolvimento das colecções e dele devem constar: 1) Uma introdução com enquadramento e âmbito da política de desenvolvimento 2) As missões da instituição e da biblioteca e o resumo das necessidades e prioridades 3) Parâmetros das colecções: grupos de utilizadores, programas e requisitos, limites genéricos dos temas, inclusões e exclusões em termos gerais, compromissos de cooperação, etc. A estes pontos devem ser acrescentados outros relacionados com necessidades de preservação a fim de obviar a perdas irrecuperáveis. É o caso da selecção, ponto fulcral no ciclo de vida dos recursos digitais a preservar, que deve estar inscrita no âmbito da gestão de colecções. 2

15 1. INTRODUÇÃO Infelizmente não existem ainda ferramentas electrónicas de selecção que possam substituir o elemento humano de forma eficaz durante esta fase. O lado positivo da questão é que o desempenho humano vem acrescentar qualidade e consistência à decisão sobre as colecções a preservar. Atendendo à orientação do trabalho que nos propomos apresentar, deixando de lado os aspectos da preservação dos documentos com suporte físico, é necessário atingir e ultrapassar uma nova meta com base em aspectos tecnológicos, dadas as especificidades dos documentos enquanto unicamente digitais. As tecnologias introduzem factores de mudança na arquitectura dos recursos digitais com repercussões ao nível dos serviços a desenvolver, tais como a pesquisa, a recuperação ou a preservação dos recursos. Surgem dificuldades de preservação que podemos considerar diferentes e novas, que dizem respeito ao ambiente de mudança permanente, à obsolência tecnológica, à vulnerabilidade do ambiente digital, etc. Os factores mais preocupantes da era digital, que assustam pelos riscos que acarretam são: 1) A natureza efémera dos recursos digitais a) Efémera para os suportes de armazenamento Discos, bandas, etc, cujos formatos podem ser substituídos e se tornam obsoletos (caso, p. ex., das disketes de 5 ¼ substituídas pelas de 3,5 ainda há relativamente poucos anos). A deterioração dos suportes pode também constituir um alto factor de risco se a exposição ao calor, humidade, calamidades ou actos terroristas, não for acautelada. b) Efémera para as tecnologias de armazenamento - Sistemas operativos e software que aparecem com novas versões em espaços de tempo muito curtos dando origem a ambientes hostis, onde os recursos deixam de ser reconhecidos à medida que envelhecem; - Para os formatos dos ficheiros ou esquemas de compressão com base em sistemas proprietários. c) Efémera devido ao fraco envolvimento institucional e à ausência de políticas e procedimentos de preservação definidas para o efeito. 3

16 1. INTRODUÇÃO 2) A dependência da tecnologia É impossível ter acesso a recursos digitais sem assegurar a existência de sistemas de hardware e software compatíveis pois ao contrário do documento impresso, o documento electrónico para ser lido necessita de apoio tecnológico. A combinação destes factores torna impossível a sobrevivência dos recursos digitais sem uma atenção constante. Um texto digital não pode ser deixado ao abandono durante anos e voltar a ser lido sem intervenção humana. Os meios de edição e impressão estão relativamente normalizados à escala internacional. Um físico na Finlândia e um poeta em Portugal esperam que a sua produção científico/cultural mantenha a sua integridade no essencial. Já o ambiente digital proporciona variantes dos recursos digitais e encoraja grupos diferentes a prosseguir diversos objectivos e normas. Acrescente-se ainda vários tipos de recursos e vários tipos de hardware e software que as diversas disciplinas podem produzir e para os quais se espera que sejam preservados. Todas as variáveis devem, pois, ser equacionadas face à mudança tecnológica: a) A rapidez da mudança é uma característica das tecnologias da informação digital. Esta rapidez significa que todos os passos dados na busca da estabilidade e permanência estão também em risco de se tornarem obsoletos, até mesmo antes de serem adoptados. b) Os regimes de propriedade intelectual encorajam privatizações de vários tipos, incluindo a restrição do acesso à informação, p. ex., através da criação de sistemas proprietários que permitem encriptar e esconder a informação a utilizadores que não estão autorizados a aceder ao sistema, até que a informação perca o seu valor comercial. c) A quantidade de trabalho criado na forma digital ameaça ultrapassar as nossas práticas tradicionais de gestão. d) O conjunto dos factores já apresentados ameaça atingir custos de gestão imprevisíveis. e) Finalmente, a efemeridade da natureza dos meios de armazenamento e transmissão impõe a maior urgência na tomada de medidas. Contra esta lista de tendências impõe-se uma enorme expectativa. Existem padrões comportamentais na comunidade das bibliotecas e também na editorial no que diz respeito à 4

17 1. INTRODUÇÃO preservação, permanência, e difusão. Estes valores emergem com grande vitalidade perante os riscos envolvidos na instabilidade do ambiente digital. Face aos novos desafios colocados pela Internet que, de igual modo, facilitam os acessos e os contactos entre instituições congéneres, é fundamental ou mesmo condição de sobrevivência pensar em termos de cooperação entre arquivos, bibliotecas, museus, grandes editores, produtores de informação em geral, criadores de software, etc. Os altos custos a ultrapassar, por um lado, e a distribuição generalizada dos recursos em redes, por outro, facilitam a emergência de parcerias. A título de exemplo podemos referir a utilização do modelo de referência OAIS (Open Archive Information System) criado sob os auspícios da NASA (National Aeronautics and Space Administration) pelo CCSDS (NASA Consultative Committee for Space Data Systems) que será desenvolvido em detalhe no ponto Os projectos de preservação digital CEDARS (Curl Exemplars in Digital Archives Project), PANDORA (Preserving and Accessing Networked DOcumentary Resources of Australia) e NEDLIB (Networked European Deposit Library) adoptaram este modelo de referência e podemos considerá-los verdadeiras instituições virtuais de partilha de recursos, tanto no campo tecnológico como na gestão do conhecimento. Para fazer face aos elevados custos da preservação deve, portanto, pré-existir discussão e consenso ao mais alto nível das instituições que pretendam levar a cabo a criação de repositórios digitais. Entenda-se aqui por repositórios digitais, arquivos ou bibliotecas digitais que decidiram manter e preservar os próprios recursos ou ainda com a capacidade de armazenar recursos alheios, acessíveis ou não a utilizadores externos. Os resultados dos projectos implementados devem estar documentados de forma transparente e ser amplamente divulgados. No seguimento de trabalho pluridisciplinar devem surgir linhas orientadoras de selecção de recursos. A título de exemplo, podemos referir-nos às linhas orientadoras da Biblioteca Nacional do Canadá e também da Biblioteca Nacional da Austrália. Durante a selecção dever-se-á verificar se os recursos digitais a preservar são cópias de documentos com existência física ou nascidos digitais. A sua forma original poderá influenciar as opções de selecção para preservação, tendendo a deixar para um segundo plano, as cópias de documentos com existência física que não estão em risco de desaparecimento ou não têm valor acrescentado pelo suporte físico. Os recursos nascidos digitais ao serem sujeitos ao crivo da selecção, terão à partida o seu suporte electrónico como alerta para um possível desaparecimento. 5

18 1. INTRODUÇÃO No decurso deste trabalho vamos procurar: 1. Abordar a perspectiva da criação de bibliotecas digitais e das opções de gestão da preservação, assumidas com vista a prevenir o desaparecimento dos recursos a longo prazo. 2. No âmbito do quadro teórico de referência, fazer o ponto da situação da preservação digital a nível mundial. 3. Discutir as estratégias a implementar com vista a ultrapassar os problemas da obsolência tecnológica. 4. Ir ao encontro das boas práticas utilizadas e dos sistemas de metadados de uso mais corrente utilizando, como metodologia, o benchmarking. Os projectos seleccionados para comparação são o CEDARS, o PANDORA, o NEDLIB e o OCLC/RLG-WG. 5. Simular uma matriz de metadados adaptada a uma determinada comunidade de utilizadores. 6. Enumerar as boas práticas conducentes à eficaz implementação de um repositório digital confiável MOTIVAÇÃO PARA A ESCOLHA DO TEMA A motivação para a escolha do tema e do problema desta dissertação surge da experiência do exercício profissional de bibliotecária. A conservação e preservação de documentos é uma disciplina querida dos profissionais da documentação em geral, bibliotecários ou arquivistas e alicerça-se em épocas distantes, com muitos séculos de permeio. Com a emergência das novas tecnologias e a utilização alargada da Internet surgem elementos novos, como a possibilidade de gerar e difundir recursos criados em computador baseados em múltiplos meios, aos quais chamamos multimedia digital e surge também, a possibilidade de digitalizar documentos em suporte papel, documentos sonoros, artefactos museológicos, etc. Estes recursos, uns nascidos digitais, outros cópias de documentos com existência física, dadas as suas características, possuem enormes potencialidades do ponto de vista da difusão e acesso à informação e ao conhecimento, mas possuem também alguns factores de alto risco para a sua sobrevivência a longo prazo. Estes serão detalhadamente estudados ao logo desta dissertação. 6

19 1. INTRODUÇÃO Diz-nos Fernanda Campos em intervenção no Congresso da BAD (Associação Portuguesa de Bibliotecários Arquivistas e Documentalistas) de que: Uma das mais importantes qualidades da informação em formato digital consiste no facto de não ser fixa pela sua própria natureza, ao contrário do que sucede com os textos impressos. Os textos digitais não são finais nem finitos nem são fixos, quer na essência quer na forma (...) Por um lado, nós, bibliotecários, lidamos com ferramentas electrónicas que aumentam a capacidade de gerir o conhecimento, de forma a que a difusão da informação se alargue a um número de utilizadores da vez maior, não só da nossa comunidade mas de comunidades à escala planetária. Por outro, corremos o risco de perder todas as mais valias acrescentadas pelo nosso trabalho, assim como os recursos digitais propriamente ditos devido à vulnerabilidade do ambiente digital e à obsolência tecnológica. É o elevado sentido do risco de perda que nos dá a motivação para nos dedicarmos a esta investigação sobre preservação de recursos digitais a longo prazo APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA E DOS SEUS PONTOS CHAVE O problema que iremos explorar ao longo deste trabalho de tese é muito complexo e diz respeito à preservação de recursos digitais, nomeadamente quando vista sob a perspectiva biblioteconómica, isto é, pelo gestor de colecções. Tencionamos abordá-lo pelas seguintes vertentes: a) Deterioração e obsolência de hardware e suportes de armazenamento - Qualquer peça de hardware deteriora-se com o tempo, por vezes até ao ponto de já não poder voltar a ser usada. Mas é acima de tudo a sua desactualização / obsolência e não a sua deterioração que preocupa os responsáveis pela preservação dos recursos digitais. - A longevidade dos suportes de armazenamento é outra variável a ter em conta. A titulo exemplificativo referimos que se estima que a duração de uma banda magnética seja de 10 a 20 anos 4 e que a de um CD-ROM seja de 50 a 100 anos. Enumeraremos estas referências no ponto assim como outras, relativas a outros suportes. 3 CAMPOS, Fernanda Maria (2001) Bibliotecas digitais : uma nova perspectiva de valorização e acesso ao património cultural. In: Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas. Porto, Aschenbrenner, A. (2001) - Long-term preservation of digital material : building an archive do preserve digital cultural heritage from the Internet. Institut für Softwaretechnik und Interaktive Systeme der Technischen Universität Wien 7

20 1. INTRODUÇÃO b) Obsolência de software Preservar o fluxo de bites, não garante que a informação seja preservada. É necessário software que a leia de forma inteligível. Essas peças de software são desenvolvidas de modo contínuo por parte dos produtores comerciais de software ou mesmo em instituições sem fins lucrativos. Assiste-se, por este motivo a uma frenética aparição de produtos novos, ou novas versões, que tomam conta do mercado e obrigam a actualizações no seio dos próprios repositórios que estão destinados a receber e armazenar recursos a longo prazo. c) Boas práticas usadas na criação e manutenção dos recursos digitais O conceito boas práticas é encarado neste trabalho essencialmente como criação de metadados. Em Borbinha (2001) 5 encontramos a seguinte definição para metadados: informação estruturada sobre ou representativa de um recurso (documento ou obra em geral). A normalização nesta área do conhecimento tem sido objecto de estudo alargado e este mesmo trabalho dá-nos uma comparação entre biblioteca tradicional e biblioteca digital bem como a caracterização dos metadados relacionados. Mais à frente nesta tese abordaremos de modo detalhado o assunto metadados, no entanto podemos desde já acrescentar que: A gestão efectiva da preservação digital é facilitada pela criação, manutenção e evolução de metadados de apoio à preservação. Estes podem documentar os processos técnicos associados à preservação, especificar os direitos da gestão da informação e estabelecer a autenticidade dos conteúdos digitais. Diversas iniciativas foram desenvolvidas no que diz respeito a metadados para preservação. Estes desenvolvimentos, existem de forma independente e respondem a necessidades particulares de instituições e projectos. Existem pontos comuns, mas também muitas diferenças. A uns e a outros nos referiremos ao longo do desenvolvimento do trabalho. Iniciativas tais como o Dublin Core Metadata Initiative (DCMI) demonstram o valor do consenso no campo das boas práticas a implementar. Dentro 5 BORBINHA, J. (2001) - Metadata: conceito e sua relevância para as bibliotecas. In : Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, 7º, Porto,

21 1. INTRODUÇÃO deste espírito a OCLC/RLG Working Group em metadados de preservação 6 (Online Computer Library Center/ Research Libraries Group) foi criada para iniciar um processo de construção consensual de metadados para preservação d) Confiabilidade de um repositório digital A preservação a longo prazo, em larga escala, capaz de responder às necessidades dos investigadores e académicos do futuro, carece de infra-estruturas profundas, capazes de suportar sistemas distribuídos de repositórios digitais. Um dos pontos críticos para a criação de infra-estruturas de repositórios digitais é a inexistência de número suficiente de organizações avalizadas, capazes de armazenar, migrar e assegurar o acesso às colecções digitais. Neste contexto, um elemento da maior importância será a existência de um processo de certificação de repositórios digitais que assegure um clima de segurança no que diz respeito ao futuro da preservação digital. O problema no caso português surge quando : Instituições que se lançam na criação de bibliotecas digitais estão apenas parcialmente habilitadas à passar à sua concretização, tanto do ponto de vista de conhecimentos teóricos como tecnológicos. A vertente preservacionista é simplesmente ignorada. Ressalvamos o caso da manutenção e permanência dos recursos, que ao longo do tempo tem vindo a sensibilizar as instituições e mesmo os particulares. A preservação de recursos digitais é pois, um assunto que deve ser encarado como sendo de importância estratégica nacional, sob pena de vermos desaparecer pedaços da nossa História QUESTÕES FUNDAMENTAIS Ao longo desta tese tentaremos aprofundar algumas questões por nós consideradas fundamentais. 6 OCLC/RLG Working Group on preservation metadata (2001) - Preservation metadata for digital objects: a review of the state of the art: a white paper. org/ digitalpreserva- 9

22 1. INTRODUÇÃO a) A preservação da memória dos povos Conscientes que estamos do crescimento acelerado da criação de recursos digitais à escala planetária e consequente proliferação destes através de redes, tais como, Internet, Intranet, Extranet, etc, e também conscientes da vulnerabilidade do ambiente digital, surgemnos as seguintes questões : - A produção intelectual dos dias de hoje, nascida digital, estará em dias futuros mais ou menos longínquos, depositada em repositórios digitais confiáveis e bem protegidos? Ou desaparecerá, deixando as nações irremediavelmente empobrecidas? b) A preservação de recursos digitais Com o surgimento da tecnologia digital muitos criadores produzem directamente em computadores. Alguma dessa informação pode ser impressa, mas a maior parte, com ênfase em bases de dados, recursos multimedia, informação geográfica, páginas da Internet, etc., existe unicamente em formato digital, ainda com a possibilidade da existência simultânea de formatos diversos no mesmo recurso e de versões diferentes do seu conteúdo. Surgenos de imediato a questão da selectividade. - Será que toda essa informação é importante para o futuro? - Que herança vamos deixar? - Quem decide que recursos preservar perante o cenário preocupante da questão anterior? - Os responsáveis pelas unidades documentais? - Os profissionais da informática? - Os decisores políticos? c) Sensibilização para a criação de bibliotecas digitais Uma biblioteca digital é uma colecção de recursos electrónicos de informação proveniente de uma variedade de fontes, incluindo a Web. Fisicamente, uma biblioteca deste tipo aparece como um sítio Web ou uma compilação de ligações a sítios num ou mais servidores que podem ser acedidos através da Internet (Kovaks, 2000) 7. Manter uma biblioteca digital é um compromisso entre a gestão da qualidade das colecções e a administração dos sítios na Web. tion/presmeta_wp.pdf. (acedido em ) 7 KOVACS, Diane K, ELKORDY, Angela (2000) Collection development in ciberspace. Library Hi Tech, 18 (4), p

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007 1 Jornada de Profissionais da Informação Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt 2 1 Microfilmagem e A tecnologia micrográfica e digital nas organizações : Preservação da documentação Aumentar a qualidade e

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 A biblioteca escolar é essencial a qualquer estratégia a longo prazo nos domínios da literacia, educação, informação e desenvolvimento económico,

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES DSPACE GESTÃO DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11173 Autor Miguel Ferreira Contribuição Luís Miguel Ferros Distribuição

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO 2 MOVIMENTO AMBIENTALISTA PRESERVAÇÃO DIGITAL OS DOCUMENTOS PROCESSADOS POR UM COMPUTADOR PODEM SER MANIPULADOS SEM DEIXAR QUALQUER VESTÍGIO, SENDO INSTÁVEIS

Leia mais

um novo património a preservar

um novo património a preservar 8 Informação digital: um novo património a preservar FERNANDA MARIA CAMPOS PALAVRAS-CHAVE INFORMAÇÃO DIGITAL R E S U M O A informação digital, nas suas várias formas, constitui já uma significativa parte

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

1 - Meta-Informação. Meta-informação tradicional (descritiva)

1 - Meta-Informação. Meta-informação tradicional (descritiva) Meta-Informação Definição de meta-informação Informação acerca da informação Âmbito varia com comunidades profissionais : requerida para manter sistemas de informação e de património [2] eficazes, autorizados,

Leia mais

REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE

REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE Nuno Freire Biblioteca Nacional Campo grande 83 1741-081 Lisboa E-mail: nuno.freire@bn.pt Hugo Manguinhas, José Borbinha INESC ID Rua Alves Redol 9, Apartado

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits)

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits) Preservação Digital Documento Digital Hardware (físico) Software (lógico) Informação (suporte + bits) 1 Preservação Digital: introdução Efeitos negativos das tecnologias modernas Degradação ambiental Perda

Leia mais

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Nuno Freire Biblioteca Nacional de Portugal nuno.freire@bnportugal.pt Agenda Participar na Europeana requisitos técnicos Objectos digitais, formatos de dados,

Leia mais

Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico. Ana Mª Rodrigues

Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico. Ana Mª Rodrigues Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico Ana Mª Rodrigues 19 de Setembro de 2013 Objectivos da apresentação Relativamente ao Património Arquivístico Digital, apresentar os

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

REPOSITÓRIOS DIGITAIS

REPOSITÓRIOS DIGITAIS Repositórios de informação e ambientes de aprendizagem: Criação de espaços virtuais para a promoção da literacia e da responsabilidade social Ana Bela Martins Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

Redes de colaboração:

Redes de colaboração: Redes de colaboração: alguns elementos para análise e reflexão 73 JOSÉ BORBINHA A B S T R A C T R E S U M O As redes de colaboração são estruturas envolvendo vários actores que se coordenam para atingir

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano Domínio : I7 Informação Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: A informação, o conhecimento e o mundo das

Leia mais

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS Helena Patrício Biblioteca Nacional de Portugal 1 Julho 2010 1. Fornecer conteúdos no contexto da Europeana

Leia mais

18/08/2013. Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL. Preservação Digital

18/08/2013. Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL. Preservação Digital Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL Preservação Digital 1 Introdução Urgência da sociedade contemporânea em transformar tudo para formatos digitais Textos, imagens, vídeos, música Economia de espaço

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais

Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais Disponível em www.bad.pt/publicacoes PAPER Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais José Carvalho Universidade do Minho, josecarvalho@sdum.uminho.pt Resumo Este artigo descreve o processo de auditoria

Leia mais

Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho

Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho Estoril, 13 de Maio de 2004 Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho Eloy Rodrigues, Matilde Almeida, Ângelo Miranda, Augusta Guimarães, Daniela Castro E-mail: {eloy,

Leia mais

Preservação digital a longo prazo:

Preservação digital a longo prazo: 54 55 Preservação digital a longo prazo: boas práticas e estratégias PALAVRAS-CHAVE R E S U M O M. LURDES SARAMAGO Abordam-se as diversas fases do ciclo de vida dos recursos digitais na perspectiva da

Leia mais

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Universidad Lusófona /Universidad de Alcalá Ciencias Documentales: bibliografía y Documentación Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Trabajo de doctorado: Problemas em torno da Gestion

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

Desafios práticos à preservação digital. RODA e SCAPE. Luís Faria. Seminário O Ambiente Digital Aberto: desafios e impactos. lfaria@keep.

Desafios práticos à preservação digital. RODA e SCAPE. Luís Faria. Seminário O Ambiente Digital Aberto: desafios e impactos. lfaria@keep. Desafios práticos à preservação digital RODA e SCAPE Luís Faria lfaria@keep.pt Seminário O Ambiente Digital Aberto: desafios e impactos 24 de Março de 2011 Desenvolvemos o futuro hoje... A era digital

Leia mais

APDSI apresenta estudo sobre Gestão Documental

APDSI apresenta estudo sobre Gestão Documental APDSI apresenta estudo sobre Gestão Documental Auditório da Torre do Tombo, Lisboa Coordenação: Eng.º Rafael António e Dr.ª Luísa Proença Lisboa, 12 de novembro de 2014 - A APDSI realizou ontem a Conferência

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS do no OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM do no < ESCOPO objetivos origem > :: O modelo de referência Open Archival rmation System é um esquema conceitual que disciplina e

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

Fototeca Municipal. Regulamento

Fototeca Municipal. Regulamento Fototeca Municipal Regulamento Índice 1. Norma Habilitante 2. Definição 3. Objectivos 4. Cedência de Fotografias 5. Condições de Utilização 6. Direito de Propriedade 7. Acesso Requisitos e Contactos 8.

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO... 1º Período Domínio INFORMAÇÃO I7 A Informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

SOLUÇÃO INTEGRADA ARQUIVO & BIBLIOTECA

SOLUÇÃO INTEGRADA ARQUIVO & BIBLIOTECA SOLUÇÃO INTEGRADA ARQUIVO & BIBLIOTECA Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11147 Autor Miguel Ferreira Contribuição Luís Miguel Ferros Distribuição

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA: relato de experiência

GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA: relato de experiência TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Disponibilizar informação na Web : problemáticas e desafios Porto, CPF, 30 Outubro 2007 Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Fundação Calouste Gulbenkian- Biblioteca

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO 3º Ciclo do Ensino Básico Planificação Ano letivo: 2013/2014 Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano:7º Conteúdos Objectivos Estratégias/Actividades

Leia mais

PISTAS PARA UM MERCADO DO LIVRO NO VIRAR DO SÉCULO 1

PISTAS PARA UM MERCADO DO LIVRO NO VIRAR DO SÉCULO 1 PISTAS PARA UM MERCADO DO LIVRO NO VIRAR DO SÉCULO 1 José Afonso Furtado O enorme desenvolvimento e expansão das tecnologias de Informação e Comunicação faz com que nos encontremos num momento de transição

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade As organizações começam a apresentar uma crescente preocupação com a temática da segurança devido:

Leia mais

VI IBERCARTO Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014

VI IBERCARTO Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014 Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014 DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS CARTOGRÁFICOS DA BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL GÉNESE, EVOLUÇÃO E CONTEXTOS Maria Joaquina Feijão Helena Patrício DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Vanderlei Batista dos Santos Doutor em Ciência da Informação / UnB Arquivista 1/25 Preservação: perguntas

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração 1. Propriedade, Edição e Âmbito é uma publicação periódica do Centro de Arqueologia de Almada, proprietário e editor do título desde 1982. Tem por âmbito a promoção da cultura científica nas áreas da Arqueologia,

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO DE

SOFTWARE DE GESTÃO DE MUSEO SOFTWARE DE GESTÃO DE PATRIMÓNIO E MUSEU Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP13223.2 Aprovado por Luís Miguel Ferros Aprovado em 2014-01-03

Leia mais

Israel Silva (6163) Trabalho realizado durante o 1º semestre do Mestrado Gestão da Informação no âmbito. da disciplina de Gestão da Informação.

Israel Silva (6163) Trabalho realizado durante o 1º semestre do Mestrado Gestão da Informação no âmbito. da disciplina de Gestão da Informação. U N I V E R S I D A D E D E A V E I R O DEPARTAMENTO DE ECONOMIIA,, GESTÃO E ENGENHARIIA IINDUSTRIIAL BIBLIOTECAS DIGITAIS (6163) Trabalho realizado durante o 1º semestre do Mestrado Gestão da Informação

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS. BND RNOD Europeana. Workshop Pré-Congresso BAD

GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS. BND RNOD Europeana. Workshop Pré-Congresso BAD GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS BND RNOD Europeana Workshop Pré-Congresso BAD SUMÁRIO: BND RNOD Europeana Conteúdos Estruturas de produção Serviços Objetivos Funcionalidades Requisitos Conteúdos

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais