UM MODELO EM MULTICRITERIO APLICADO AO RETORNO DE INVESTIMENTO EM USABILIDADE - UseROI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM MODELO EM MULTICRITERIO APLICADO AO RETORNO DE INVESTIMENTO EM USABILIDADE - UseROI"

Transcrição

1 UM MODELO EM MULTICRITERIO APLICADO AO RETORNO DE INVESTIMENTO EM USABILIDADE - UseROI Plácido R. Pinheiro¹, Ana Karoline A. de Castro², Kelma Madeira 3, Elizabeth Furtado 4 Universidade de Fortaleza UNIFOR Av. Washington Soares 1321, Fortaleza, CE, Brasil, , Brasil {placido 1, elizabet 4 {akcastro 2, kelma.madeira 3 RESUMO Em face às exigências atuais em relação à qualidade de softwares, os processos de desenvolvimento de software para as organizações destacam-se de notória importância. Neste contexto, apresenta-se um modelo em multicritério objetivando a obtenção do Retorno de Investimento em Usabilidade estruturado em metodologias de tomada de decisão. As métricas de Usabilidade da ISO/IEC 9126 são aplicadas tendo como meta a fundamentação para estruturação do Modelo. Os resultados apresentam as métricas mais preferíveis para um produto de software em função de fatores dinâmicos da interação e visando benefícios de negócio. PALAVRAS CHAVE. Retorno de Investimento, Multicritério, ISO / IEC Área de classificação principal (Multicritério) ABSTRACT In view of the current requirements in relation to the software of quality, the procedures for the development of software for organizations stress-is of considerable importance. In this context, it presents a model multicriteria aiming at obtaining the Return on Investment in Usability structured in methodologies for decision making. The metric Usability of ISO/IEC 9126 shall be implemented taking as a goal the grounds for structuring the Model. The results show the metrics more preferable to a software product according to the dynamic interaction of factors and benefits to business. KEYWORDS. Return of Investment, Multicriteria, ISO / IEC Main area (Multicriteria).

2 1. Introdução Em face da crescente exigência do mercado por produtos com qualidade, os Processos de Desenvolvimento de Software (PDS) tem sido objeto de crescente interesse para as organizações conforme verificado em (Marçal et al, 2008). Observa-se ainda o interesse das organizações pela aderência a padrões internacionais que visem à melhoria na qualidade do produto. Destaca-se a norma internacional ISO/IEC 9126 (ISO/IEC 9126, 2003) que propõe métricas relacionadas à avaliação da qualidade do produto em uso; quando comparada outras normas existentes esta característica resulta em um diferencial, uma vez que as mesmas se abstêm deste aspecto avaliativo. Segundo a ISO/IEC 9126, a usabilidade se refere à capacidade de um software ser compreendido, aprendido, utilizado e ser atrativo para o usuário em condições específicas de uso, que podem ser próprias a ambientes simulados ou a ambientes reais. No primeiro caso, as características que medem a capacidade do software dependem menos de fatores dinâmicos. Por exemplo, a característica conformidade do software depende de padrões de usabilidade e/ou guias de estilo para investigar a consistência das informações e formas de navegação entre as telas do software. No segundo caso, as características que medem a capacidade do software de ter boa usabilidade dependem de fatores humanos, sociais e culturais (como a eficiência do usuário para realizar uma tarefa com o software, a sua satisfação, etc.). Considerar o contexto de uso onde os sistemas interativos serão usados e os usuários alvos desses sistemas como uma atividade num PDS é então um requisito para os desenvolvedores de sistemas que têm compromisso com a sua usabilidade. O grande desafio é primeiramente entender qual a relação entre as características desejáveis de um software e esses fatores sócio-culturais. A solução deve passar por um processo de atribuição de importância a uma característica em função destes fatores. Sugere-se ainda que tal processo seja dinâmico, considere múltiplos critérios e suporte a opinião de vários envolvidos (dentre eles, desenvolvedores, usuários, dono do negócio, etc.). A justificativa para este processo dinâmico de tomada de decisão, onde o resultado da decisão deve ser refletido nas interfaces, se deve ao fato de existirem hoje em dia muitos sites comerciais, como é o caso do NetFLIX, que investem na melhoria constante de suas interfaces para agradar seus clientes como um meio para aumentar a lucratividade de seu negócio. Melhorias estas que variam em função dos critérios preferidos pelos envolvidos dado em certo momento. Vale ressaltar que este processo fast and see é previamente definido pela organização que o aplica, e aplicável em casos onde os benefícios com o investimento na usabilidade são claramente identificados. Dentre eles destacase: satisfação do cliente que consegue atingir com eficácia o seu objetivo (ex: de comprar um produto através do site), ganho de clientela face ao seu concorrente, aumento nas vendas, redução do número de erros cometidos pelo usuário, redução da necessidade de suporte, etc. Dentro deste contexto de melhorias, o problema que pode existir é que nem sempre essas mudanças agradam aos usuários finais, então os sites são mudados de novo de forma aleatória, em sucessivas tentativas. Ressaltamos ainda que tal solução exige contemplar um segundo desafio, o qual consiste em medir um critério para efetuar mudanças com mais responsabilidade. Desta forma, mensuração tem sido importante para que as organizações possam alcançar níveis superiores de maturidade, seja em detrimento ao produto desenvolvido ou ao seu processo de desenvolvimento. Programas de mensuração têm ajudado organizações e tomadores de decisões, fornecendo informações significativas com relação à qualidade, adequação e progresso evolutivo de processos, produtos e projetos de software (VALLE et al, 2000). Frente a esta realidade, cada vez mais se torna importante que as organizações conheçam os benefícios que o investimento por um critério possa trazer em detrimento de outro. Return of Investments (ROI) é o benefício que obtemos por cada unidade investida em tecnologia durante certo período de tempo. Costuma-se utilizá-lo para analisar a viabilidade de um projeto e medir a sua taxa de sucesso. Obter o ROI para as organizações torna-se uma tarefa difícil em relação aos fatores dinâmicos relativos ao contexto de uso mencionado acima, mas também considerando fatores próprios de cada projeto, tais como sua solução tecnológica. No desenvolvimento de projetos em geral, a área que mais produz retorno de investimento é a de

3 Usabilidade. O retorno de investimento em usabilidade é grande porque a manutenção das aplicações informáticas devido a desvios em relação a estimações iniciais costuma ser 80% do total dos custos (MARTIN & MCCLURE, 1983; PRESSMAN, 1992). O termo usabilidade abrange vários aspectos que caracterizam o quão bem o usuário irá realizar as funcionalidades propostas pelo sistema. Esses aspectos envolvem princípios de usabilidade (NIELSEN, 1993) tais como: facilidade de aprender, eficiência de uso, poucos erros, satisfação subjetiva e facilidade de lembrar. Este artigo tem por objetivo apresentar o UseROI, que fornece uma visão geral de uma proposta do retorno de investimento em usabilidade. Diferententemente das propostas existentes que tem foco no ROI, como a proposta descrita em (Souza, 2005), que privilegia medir uma atividade de usabilidade realizada a fim de melhorar um PDS, este trabalho não visa avaliar o ROI. A proposta do UseROI visa medir o retorno de investimento em usabilidade tomando como base a estruturação de métricas de usabilidade de um produto e apresentadas na Norma ISO/IEC Para isto, o trabalho sugere que profissionais de usabilidade apliquem a metodologia multicritério descrita neste texto. A aplicação dessa metodologia de apoio à decisão objetiva identificar as métricas mais importantes dentre todas apresentadas na norma, ou seja, àquelas que trarão um maior benefício para os envolvidos. 2. Return of Investiment in Usability UseROI Segundo Nielsen (NIELSEN 2003), os projetos gastam em média 10% do seu orçamento com usabilidade e, ainda segundo ele, sites web que seguirem um re-projeto baseado em usabilidade aumentam sua usabilidade em 135% em média. UseROI é uma forma de quantificar a obtenção do investimento em usabilidade. Os benefícios que se pretende obter com a utilização do UseROI, apoiado por um processo de aplicação da usabilidade em um PDS são: aumento na aquisição de clientes, fidelização dos clientes (retenção de usuários), aumento na produtividade dos usuários (em conseqüência do aumento na taxa de sucesso, maior eficiência, maior eficácia, redução do tempo para completar uma tarefa e taxa de abandono), aquisição de vantagem competitiva (ganho de mercado) e aumento de vendas. Está fora do escopo deste artigo, descrever um PDS que aplica técnicas de usabilidade. Interessados podem recorrer ao PDS que nosso grupo já tem desenvolvido (Falcão et al, 2008). Como dito anteriormente, o UseROI propõe a aplicação de uma metodologia multicritério de apoio à decisão das características de usabilidade mais relevantes em função de uma série de fatores técnicos e sócio-culturais. Tal metodologia será apresentada na quarta seção. Sugere-se um entendimento prévio destes fatores, seguindo um conjunto de etapas que são ilustradas na Figura 1. A figura 1 apresenta uma Espinha de Peixe (ISHIKAWA, 1986), objetivando expressar os resultados de um entendimento, geralmente em grupo, sobre possíveis causas para um certo problema. Através dela, podem-se encontrar os fatores que influenciam a solução de um problema ou uma dificuldade. A cabeça do peixe corresponde ao objetivo a ser alcançado e as suas escamas correspondem às providências a serem tomadas para que o objetivo seja alcançado. Figura 1: Etapas do UseROI

4 O UseROI, seguindo a metodologia de espinha de peixe, propõe a melhoria da qualidade objetivando a maximização do retorno de investimento em usabilidade. O processo para implementação desta meta é dividido em três etapas: antes, durante e depois e está representado pela figura 1. A etapa definida como Antes objetiva realizar uma medição da situação atual da organização, identifica os processos básicos suscetíveis de melhoria, faz a reunião de dados para cada processo (tempo, tarefas, custos, etc.) pretendendo efetuar uma estimativa dos custos despendidos com usabilidade durante o projeto. Informações sobre o público alvo dos produtos construídos são de suma importância. Já a etapa definida como Durante propõe o controle dos tempos, custos e equipe no momento do desenvolvimento. É uma fase apresentada pelas atividades de coletar e acompanhar os dados, colocando em prática a aplicabilidade da técnica de medição selecionada. O produto de software é implantado em ambiente real contendo os critérios de preferência implementados. A última etapa, definida como Depois, detém-se na obtenção dos números resultantes (custos finais e benefícios obtidos). Nesta fase a conversão dos dados em valores monetários é realizada. Efetua-se também uma estimativa sobre a análise de incidência na poupança de custos da organização, incremento de vendas, aumento das margens em relação à situação anterior. É neste ponto que o processo pode ser iterativo e incremental. Em função dos benefícios terem sido alcançados ou não, as interfaces podem evoluir e uma nova avaliação sobre os critérios preferíveis pode ser realizada. 3. ISO/IEC 9126 Segundo a ISO (ISO/IEC 9126, 2003) a usabilidade tem como definição a capacidade do produto de software de ser compreendido, aprendido, operado e atraente para o usuário, quando usado sob condições específicas. A Norma Internacional ISO/IEC 9126 foi o primeiro modelo de qualidade a tratar a usabilidade e inserir no contexto além do produto, o usuário. É bastante abrangente, pois atende a qualquer tipo de software, inclusive podendo atender a qualquer tipo de aplicação. De acordo com o padrão internacional ISO/IEC 9126 (ISO/IEC 9126, 2003) métrica é um método previamente definido. Medição consiste no uso de uma métrica no qual se atribui um valor, podendo ser um número ou ainda uma categoria. Este padrão contém métricas de qualidade de uso, porém a norma não define valores para essas métricas. Os valores são definidos para cada software individualmente de acordo com suas respectivas características, uma vez que dependem da natureza de fatores, tais como: necessidades dos usuários, nível de integridade e categoria do software. As subcaracterísticas de usabilidade usadas neste trabalho estão apresentadas na parte três da norma (ISO/IEC , 2003), que apresenta métricas internas para a avaliação de um produto de software. O modelo atribui para cada subcaracterística um conjunto de métricas, explicando superficialmente como aplicar as métricas de qualidade durante o ciclo de vida de um produto de software. As cinco subcaracterísticas de usabilidade deste padrão são assim definidas: Inteligibilidade: trata de verificar se os conceitos utilizados são de fácil entendimento para o usuário, procurando então evidenciar o quão é o esforço do usuário para entender o software; Apreensibilidade: uma subcaracterística que está relacionada com a facilidade de aprendizado do software, evidenciando o esforço do usuário para aprender a utilizar o software. Nesta subcaracterística é avaliado o tempo que os usuários passam para aprender a usar funções do produto, avaliando ainda a efetividade da ajuda e sua documentação do sistema (manual do usuário); obtém-se uma análise de quanto o conteúdo é bem compreendido e se as suas informações são encontradas facilmente; Operacionalidade: consiste na facilidade do usuário em operar e controlar facilmente as operações pertinentes ao software, evidenciando o esforço que o usuário despende na operação e controle do mesmo; Atratividade: consiste na capacidade do produto de software em ser atraente ao usuário; está relacionado aos aspectos de aparência do software e interesse do usuário pelo visual

5 do sistema. São relevantes nesta característica fatores como desenho de tela e cores, pois os mesmos influenciam na aparência; Conformidade: está relacionada à verificação da aderência do produto a padrões, convenção, guias de estilo e regulamentos relacionados à usabilidade. A escolha desta norma para servir de base para o UseROI deveu-se ao fato deste padrão ser bastante flexível, permitindo ao utilizador adaptar as métricas propostas na norma para que as mesmas possam se adequar ao seu produto, admitindo ainda a utilização de métricas de uso ou domínio próprio. As métricas de usabilidade contidas na ISO/IEC 9126 (ver Tabela 1) buscam focar na importância do usuário final em analisar e avaliar se a ferramenta é ou não de fácil uso e aprendizado. A norma apresenta dezessete métricas de usabilidade distribuídas nas subcaracterísticas: inteligibilidade, apreensibilidade, operacionalidade, atratividade, conformidade. A Tabela 1 apresenta as subcaracterísticas e métricas de usabilidade. Tabela 1: Métricas para as subcaracterísticas e atributos de usabilidade, Fonte: adaptado com base na NBR (ISO/IEC , 2003) Característica Subcaracterísticas Métricas Usabilidade Inteligibilidade Apreensibilidade Operacionabilidade Atratividade Conformidade 4. Aplicação de uma Metodologia de Apoio à Decisão - Completude da Descrição - Evidenciação das Funções - Inteligibilidade das Funções - Completeza da Documentação do Usuário - Checagem da Validação das Entradas - Capacidade de Cancelamento das Ações dos Usuários - Capacidade de Desfazer uma Ação do Usuário - Capacidade de Customização - Acessibilidade Física - Capacidade de Monitoramento do Status de Operação - Facilidade de Recuperar-se de Erros - Consistência Operacional - Clareza das Mensagens - Clareza dos Elementos de Interface - Interação Atrativa - Facilidade de Adaptação da Aparência das Interfaces de Usuários - Conformidade da Usabilidade Com a proposta de trazer um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade a metodologia aplicada para apoiar na tomada de decisão das métricas foi o MACBETH considerando as seguintes características: (i) existem múltiplos critérios; útil para tratar diversas características de usabilidade de um software, cuja importância (preferência) depende de diversos fatores humanos de utilização bem como daqueles específicos ao projeto sendo desenvolvido; (ii) possibilitar a descoberta de soluções que melhor se encaixem nas necessidades dos atores envolvidos. A estruturação de um problema de decisão permite estabelecer uma linguagem de debate e aprendizagem nos processos decisórios, descrevendo os impactos entre os diversos pontos de vista que explicitam os sistemas de valores dos atores que fazem parte do processo (BANA E COSTA, 1992), Os contextos de decisão não caracterizam claramente o conjunto das alternativas que podem ser consideradas, continua afirmando que os objetivos fundamentais e o contexto de decisão estruturam uma situação onde eles devem ser compatíveis (KEENEY, 1992).

6 O apoio à decisão propicia um melhor entendimento para o decisor do ambiente, de modo a assegurar que a solução a ser proposta possa ser considerada dentro do contexto analisado (SOUZA, 2003). O resultado do processo de estruturação é a identificação da família de pontos de vista fundamentais, organizada e ramificada numa árvore de valor, ou value tree. A árvore de valor oferece uma visão geral e útil da estrutura dos interesses em vários níveis de especificação. Destacam-se ferramentas visando apoiar na resolução do problema: HIVIEW (www.catalyze.co.uk) e M-MACBETH (www.m-macbeth.com). A escolha na aplicação do MACBETH considerou um conjunto S de estímulos ou ações potenciais, de escalas numéricas de intervalos que quantificam a atratividade dos elementos de S na opinião dos atores, baseada em juízos semânticos de diferença da atratividade entre duas ações. A aplicação e avaliação ocorreram em duas etapas. Inicialmente apresenta-se um questionário contendo os critérios apresentados para cinco profissionais de usabilidade envolvidos na elaboração de um projeto. A proposta de aplicação dos questionários consistia na pontuação de cada critério pelo profissional individualmente; esta pontuação estruturada de acordo com a importância da incidência do critério no projeto. Os valores dos decisores são explicitados como objetivos, mas os objetivos fundamentais são a base para qualquer interesse numa decisão considerada, a qual, segundo (KEENEY, 1992), caracteriza-se por três aspectos: um contexto de decisão, um objeto e uma direção de preferência. Há dois tipos de objetivos: fundamental caracteriza uma razão essencial para interesse numa situação de decisão; e meio significa um degrau para alcançar um objetivo mais fundamental. Os objetivos fundamentais devem ter nove propriedades, a saber: ser essencial, controlável, completo, mensurável, operacional, conciso e entendido, poder ser decomposto e não ser redundante. Um ponto de vista fundamental (PVF) é um ponto de vista individual isolado, ou um ramo de pontos de vista que os atores concordam em avaliar separadamente. Um PVF é um eixo de avaliação separável, onde para cada ponto de vista, um parcial valor pode ser construído. Um ponto de vista é chave ou fundamental se as ações podem ser ordenadas com respeito ao ponto de vista, desprezando seus impactos em quaisquer outros aspectos independência ordinal. Outro aspecto importante a ser respeitado é a independência cardinal a diferença de atratividade entre duas ações não depende dos demais objetivos. A figura 2 mostra a árvore correspondente dos PVF s com aplicação do HIVIEW. A árvore representa a estrutura definitiva do problema com a definição das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Figura 2: Árvore de valor do problema Considerando as métricas de usabilidade estruturadas da norma ISO/IEC 9126 (ver tabela 1) foram analisados os critérios aplicados na metodologia UseROI. Então a partir da família de pontos de vista fundamentais, foi possível realizar a avaliação da atratividade dos critérios para cada interesse dos envolvidos. Esta análise foi feita ao se realizar a definição dos descritores de impacto. Tal tarefa contribui decisivamente para uma boa formação de julgamentos e uma avaliação justificada e transparente.

7 4.1. Definição dos Descritores Os descritores são desejados para: (i) operacionalizar a análise de impactos das opções em um ponto de vista fundamental; (ii) descrever os impactos com respeito aos ponto de vista fundamentais; (iii) melhorar a armação do modelo de avaliação; e (iv) verificar a independência ordinal dos correspondentes pontos de vista fundamentais. Um ponto de vista fundamental tornase operacional no momento que houver um conjunto de níveis de impacto associados a ele, definidos por N j, que devem ser ordenados de forma decrescente, de acordo com os decisores. Nesta etapa de construção dos descritores, as decisões foram tomadas de acordo com as opiniões dos profissionais em usabilidade. A seguir apresentam-se as tabelas dos descritores para todos os pontos de vista fundamentais Inteligibilidade Esse ponto de vista fundamental foi operacionalizado visando avaliar a influência das métricas que correspondem ao PVF Inteligibilidade durante a identificação das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Para a avaliação do PVF Inteligibilidade, foram definidos três estados possíveis. A tabela 2 mostra o descritor do PVF Inteligibilidade com três níveis de impacto. Tabela 2: Descritor para o PVF Inteligibilidade NI Descrição Ordem N3 Completude da Descrição: Objetiva verificar se as descrições de funções são 1 evidenciadas através da própria descrição do produto. N2 Evidenciação de Funções: Verificação se as funções do produto são evidentes para 2 o usuário. N1 Inteligibilidade das Funções: Verificar se o produto é inteligível (de fácil entendimento), e suas funções são capazes de serem entendidas corretamente Apreensibilidade Esse ponto de vista fundamental foi operacionalizado visando avaliar a influência das métricas que correspondem ao PVF Apreensibilidade durante a identificação das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Para a avaliação do PVF Apreensibilidade, foi definido um estado possível. A tabela 3 mostra o descritor do PVF Apreensibilidade com um nível de impacto. Tabela 3: Descritor para o PVF Apreensibilidade NI Descrição Ordem N1 Completeza da Documentação do Usuário: Verificação da existência do manual do usuário e se este se encontra completo e de fácil entendimento Operabilidade Esse ponto de vista fundamental foi operacionalizado visando avaliar a influência das métricas que correspondem ao PVF Operabilidade durante a identificação das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Para a avaliação do PVF Operabilidade, foi definido dez estados possíveis. A tabela 4 mostra o descritor do PVF Operabilidade com dez níveis de impacto. Tabela 4: Descritor para o PVF Operabilidade NI Descrição Ordem N10 Capacidade de Customização da Interface: Os elementos de interface podem ter sua 1 aparência adaptada de acordo com o gosto dos usuários a fim de satisfazê-lo. N9 Capacidade de Monitoramento do Status de Operação: Verificação da existência 2 de funções que possuam capacidade de monitorar o status da operação. N8 Capacidade de Cancelamento das Ações dos Usuários: Verificação de possível cancelamento de funções antes do seu término. 3

8 N7 Capacidade de Desfazer uma Ação do Usuário: Verificação da ocorrência de 4 funções que podem ser desfeitas. N6 Checagem da Validação das Entradas: Verificação da existência de checagem ou 5 validação dos dados de entrada. N5 Acessibilidade Física: Verificação da existência de funções que podem ser adaptadas 6 para a utilização de usuários portadores de deficiências físicas. N4 Facilidade de Recupera-se de Erros: Verificação se as funções são tolerantes a erros 7 dos usuários, e se o sistema consegue tratar a ocorrência dos mesmos (recuperar-se). N3 Clareza das Mensagens: As mensagens exibidas são auto-explicativas. 8 N2 Consistência Operacional: Comportamento semelhante das funções (operações) em 9 partes diferentes do sistema. N1 Clareza dos Elementos de Interface: Os elementos de interface são auto-explicativos Atratividade Esse ponto de vista fundamental foi operacionalizado visando avaliar a influência das métricas que correspondem ao PVF Atratividade durante a identificação das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Para a avaliação do PVF Atratividade, foi definido dois estados possíveis. A tabela 5 mostra o descritor do PVF Atratividade com dois níveis de impacto. Tabela 5: Descritor para o PVF Atratividade NI Descrição Ordem N2 Interação Atrativa: Verifica se a interface do sistema é atrativo para seus usuários. 1 N1 Facilidade de Adaptação da Aparência das Interfaces de Usuários: Verifica se a interface é adaptável ao gosto do usuário, ou seja, passível de personalização Conformidade Esse ponto de vista fundamental foi operacionalizado visando avaliar a influência das métricas que correspondem ao PVF Conformidade durante a identificação das métricas que trarão um maior benefício no retorno de investimento em usabilidade. Para a avaliação do PVF Conformidade, foi definido um estado possível. A tabela 6 mostra o descritor do PVF Conformidade com um estado de impacto. Tabela 6: Descritor para o PVF Conformidade NI Descrição Ordem N1 Conformidade da Usabilidade: Verificar se o produto contém padrões, guias de estilo, convenções ou regras de usabilidade. 1 É importante lembrar que os descritores possuem uma estrutura de pré-ordem completa, ou seja, um nível superior é sempre preferível a um nível inferior Avaliação Após a obtenção da família dos pontos de vista fundamentais e a construção dos seus descritores, a continuidade do processo de apoio à decisão requer a construção de escalas de valor cardinal sobre cada um dos pontos de vista fundamentais. São apresentadas as matrizes de julgamento para todos os critérios. Ilustram-se neste trabalho as matrizes referentes ao PVF Intelibilidade e PVF Apreensibilidade nas figuras 3 e 4. De forma similar pode-se construir as matrizes para os outros PVF. Após a avaliação das alternativas de todos os PVF s de forma individual, foi realizada uma avaliação apenas dos PVF s (figura 5). A ordem dos PVF s da matriz de julgamento foi definida a partir das opiniões dos profissionais em usabilidade tendo o critério Atratividade como o mais preferível e o critério Conformidade como o menos preferível.

9 Figura 3: Matriz de julgamento do PVF Inteligibilidade Figura 4: Matriz de julgamento do PVF Apreensibilidade Figura 5: Matriz de julgamento dos PVF s 4.3. Resultados Computacionais A figura 6 apresenta a contribuição dos critérios para o resultado do modelo aplicado a metodologia. Pode-se verificar que entre todos os critérios, Completude da Descrição é a métrica mais preferível, enquanto que a métrica menos preferível é a Conformidade da Usabilidade. Figura 6: Contribuição dos critérios para Maximizar o UseROI

10 Analisando cada critério individualmente, obtêm-se: Critério Inteligibilidade: A métrica Completude da Descrição foi definida como a mais preferível (com valor de 69) e a métrica Inteligibilidade das Funções como a menos preferível (com valor de 57). Critério Apreensibilidade: A única métrica disponível para este critério (Completeza da Documentação do Usuário) obteve um valor de 65. Critério Operabilidade: A métrica Capacidade de Cancelamento das Ações dos Usuários foi definida como a mais preferível (com valor de 63) e a métrica Clareza dos Elementos de Interface como a menos preferível (com valor de 19). Critério Atratividade: A métrica Interação Atrativa foi definida como a mais preferível (com valor de 47) e a métrica Capacidade de Customização da Interface como a menos preferível (com valor de 46). Critério Conformidade: A única métrica disponível para este critério (Conformidade da Usabilidade) obteve um valor de 65. Com estes resultados conseguiu-se identificar dentre todas as métricas apresentadas na norma ISO/IEC 9126, quais são as mais importantes. Assim, poderá ser realizado um cálculo de retorno de investimento em usabilidade (UseROI) de forma mais eficiente realizando estimativas nas métricas que trarão um maior benefício para os envolvidos. 5. Trabalhos Relacionados Pesquisas (Memmel et al, 2007) foram realizadas com o objetivo de propor uma integração entre as práticas existentes da área de IHC em PDS ágeis. Isto porque esses processos apóiam as estratégias fast and see. Na introdução apontamos vários desafios para evitar um processo iterativo de melhorias baseado exclusivamente em tentativas. Visto que isto pode prejudicar a imagem da organização envolvida, assim como a perda de clientes para seus concorrentes. Planejar as melhorias é fundamental. (Falcão et al, 2008) apresenta um plano de melhoria que apóia a organização na condução por prioridade das atividades realizadas e no monitoramento da produtividade das equipes. Como (Souza, 2005), este trabalho também só foca em medir o processo. A estratégia apresentada neste trabalho vai mais além, visando medir características que influenciam a qualidade de uso. O trabalho de (Carvalho, 2008) também aplica uma metodologia multicritério para definir as características mais relevantes de um determinado produto. No entanto, o trabalho parte de hipóteses sobre um conjunto de alternativas de projeto da interação. Não sendo possível uma análise independente da solução projetada. 6. Conclusão Este trabalho propôs orientar profissionais de usabilidade e demais interessados a obter de forma simplificada e dinâmica quanto ao retorno de investimento em usabilidade, efetuando uma estimativa quantificada dos critérios mais importantes de um produto. O UseROI torna-se um instrumento que apóia na difícil tarefa de tomada de decisão, permitindo escolher as métricas a serem aplicadas no projeto de maneira eficaz, ou seja, aquelas que mais lhe trarão lucro em detrimento ao valor investimento. Os resultados desta pesquisa também apontaram para a percepção de que existe uma estreita relação entre IHC e o negócio da organização, observado a aplicação de uma metodologia em multicritério. Os objetivos de negócio, que é algo que a alta direção tem em mente, puderam ser ligados de forma mais clara com a qualidade dos produtos desenvolvidos durante a atribuição de preferência para os critérios. A aproximação deles com a necessidade de produtos desenvolvidos e/ou evoluídos em conformidade com as necessidades dos usuários visam dá mais importância à institucionalização da usabilidade. Como trabalho futuro pretende-se ampliar o estudo do retorno de investimento, a fim de ele possa atender além das métricas de usabilidade, outras métricas da norma ISO / IEC 9126.

11 Referências Bana e Costa, C. A. (1992). Structuration, construction et exploitation dún modèle multicritère d aide à la décision. Thèse de doctorat pour l obtention du titre de Docteur em Ingénierie de Systèmes - Instituto Técnico Superior, Universidade Técnica de Lisboa. Carvalho, A. L. (2008) Análise de Alternativas de Projeto de Interação Aplicando Análise Verbal de Decisões, Universidade de Fortaleza UNIFOR, Dissertação, (Mestrado em Informática Aplicada). Falcão D., Furtado E., Schilling A. (2008). Uma Estrategia de Apoio à Institucionalização da Usabilidade em Ambientes de Desenvolvimento Ágil. IHC Porto Alegre- RS. Goodwin, P.; Wright, G. (1998). Decision Analysis for Management Judgment, 2. ed. John Wiley & Sons, Chicester. Ishikawa, K. (1986) Guide to Quality Control (Industrial Engineering & Technology),Asian Productivity Organization. ISO/IEC 9126 (2003), International Standart Organization; ISO/IEC 9126 Software Engineering Product Quality. Keeney, R.L. (1992). Value Focused Thinking: A Path to Creative Decision Making. Cambridge: Harvard University Press. Martin, J. and McClure, C. (1983). Software maintenance: The problem and its solution. In Bias, R. G. & Mayhew, D. J. (Eds.), Cost-Justifying usability. (p. 51). oston: Academic Press, Marçal. A., Freitas B., Furtado E., Belchior A.,(2007) Blending SCRUM Practices and CMMI Project Management Process Areas, NASA Journal Springer. Memmel, T.; Gundelsweiler, F.; Reiterer, H. (2007). Agile Human-Centered Software Engineering. In: Proceedings of HCI The 21st British HCI Group Conference University of Lancaster, UK. Nielsen, J. (1993) Usability Engineering. Academic Press, Cambridge, MA. Pressman, R. S. (1992). Software engineering: A practitioner's approach. New York: McGraw Hill. Souza, G. G. C. de. (2003) Um Modelo de Multicritério para a Produção de um Jornal f. Dissertação (Mestrado em Informática Aplicada) - Universidade de Fortaleza, Ceará. Sousa, K. S. (2005): UPi A Software Development Process Aiming at Usability, Productivity and Integration. Fortaleza: University of Fortaleza UNIFOR, Dissertation ( Applied Computer Science. Valle, A.; Marciniuk, M.; Melhoretto, S.; Burnett, R. (2000) Um roadmap para métricas de software: definições e histórico. Developers Magazine: setembro de 2000.

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Qualidade do produto

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências Referências Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Contribuição: Cláudio Márcio de Souza Vicente Gestus Hix, D.; Hartson, H. R. Developing User Interfaces: ensuring usability

Leia mais

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

Qualidade de Produto de Software

Qualidade de Produto de Software Qualidade de Produto de Software Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer-CTI Rodovia Dom Pedro I km 143,6 Campinas SP Brasil Divisão de Qualificação em Software - DQS Ana Cervigni Guerra ana.guerra@cti.gov.br

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte II)

Processos de Design de IHC (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 8 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br PrimeUp Educação Caso real: implantação de solução de ALM sergio.fernandes@primeup.com.br Roteiro Slide 2 Objetivo Escopo Esforço PrimeUp Estratégia proposta para o projeto Detalhamento Aumento de Produtividade

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Objetivos - por que avaliar? Critérios - o que avaliar? Métodos e técnicas - como avaliar? Forma - quando e onde avaliar?

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 02/04/2014 1.0 Versão Inicial Ewertton Bravo 27/08/2014 1.1 Alteração da Imagem

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais