ALLAN FASSA FURTUOZO DIEGO PANÃO MARTINS RONIVALDO JOSE VINCIGUERRA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O AUXILIO DO PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALLAN FASSA FURTUOZO DIEGO PANÃO MARTINS RONIVALDO JOSE VINCIGUERRA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O AUXILIO DO PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS"

Transcrição

1 0 FUNDAÇÃO DE ENSINO EURIPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURIPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ALLAN FASSA FURTUOZO DIEGO PANÃO MARTINS RONIVALDO JOSE VINCIGUERRA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O AUXILIO DO PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS MARÍLIA 2008

2 1 ALLAN FASSA FURTUOZO DIEGO PANÃO MARTINS RONIVALDO JOSE VINCIGUERRA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O AUXILIO DO PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Administração de Empresas da Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília UNIVEM, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresas com habilitação em Gestão Empresarial. Orientador: Prof. Ms. RICARDO PETRUZZA DO PRADO MARÍLIA 2008

3 2 FURTUOZO, Allan Fassa; MARTINS, Diego Panão; VINCIGUERRA, Ronivaldo Jose O sistema de informação para o auxilio do processo no gerenciamento de projetos / Allan Fassa Furtuozo, Diego Panão Martins, Ronivaldo Jose Vinciguerra; Orientador: Ricardo Petruzza do Prado, SP: [s.n.], f. Trabalho de Curso (Graduação em Administração de Empresas) Curso de Administração de Empresas, Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha UNIVEM, Marilia, Planejamento 2. Controle 3. Processo 4.Gerenciamento CDD:

4 3

5 4 Dedicamos este trabalho: A Deus, Que nos proporcionou Saúde e Sabedoria para que o desenvolvêssemos, A Nossos Pais e amigos, Que estiveram presentes durante todo esse tempo nos dando todo o apoio e incentivo necessário.

6 5 FURTUOZO, Allan Fassa; MARTINS, Diego Panão; VINCIGUERRA, Ronivaldo Jose. O Sistema de informação para o auxilio do processo no gerenciamento de projetos f. Trabalho de Curso (Bacharelado em Administração de Empresas) Centro Universitário Eurípides de Marília, Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha. Marilia, RESUMO A busca constante para o melhor desempenho das empresas faz com que as entradas e saídas de informações sejam cada vez mais precisas e objetivas. O sistema de informação deve focar a organização no seu todo. Este é de fundamental importância para a coleta, recuperação, processamento, armazenamento e distribuição de informações, com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenação dos processos dentro da organização. Percebeu-se a sua contribuição no estudo de caso realizado dentro de uma unidade de negócios (Ferramentaria Jacto) mais precisamente no setor de projetos, onde são coletadas todas as informações necessárias para o desenvolvimento dos projetos. Com isto, foi possível acompanhar passo a passo os tipos de processos e quais são os requisitos necessários para o desenvolvimento dos projetos de ferramentas de acordo com as necessidades do produto, estes produtos por sua vez fornecidos pelo cliente interno (Grupo) e externo (mercado). Palavras-chave: Planejamento. Controle. Processo. Gerenciamento.

7 6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 01: Fluxograma do processo de projeto FIGURA 02: Solicitação de serviço FIGURA 03: Memorando de orçamento de ferramentas FIGURA 04: Projeto desenvolvido pelo software ProENGINEER FIGURA 05. Detalhamento 2d do projeto FIGURA 06: Modelo de um sistema de gestão da qualidade baseado em processo... 40

8 7 LISTA DE TABELAS TABELA 01: Formulário para orçamento...28 TABELA 02: Ata de reunião de pré-projeto...30 TABELA 03: Check-list de projetos...31 TABELA 04: Lista de acessórios...36 TABELA 05: Check list de conferência cruzada de projetos... 37

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS TPS: Transaction Processing Systems MIS: Management Information System DSS: Decision Suport System EIS: Executive Information System MIT: Massachussets Institute of Technology PMI: Project Management Institute DMS: Documento Mestre FCS: Fatores Críticos de Sucesso PPCP: Planejamento, Programação, Controle, Produção

10 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Definição de Sistema de Informação Abordagem sistêmica para a gestão CAPITULO 2 GERÊNCIA DE PROJETOS Gerenciamento de Projetos Controle de Alterações de Projeto e Desenvolvimento da Ferramentaria Gerenciamento e mapeamento dos processos Evolução do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na Visão do PMI CAPITULO 3 - DESENVOLVIMENTO, CONTROLE E PLANEJAMENTO DOS PROCESSOS PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS (FERRAMENTARIA) Unidade de Negócio (Ferramentaria) Estágio 1 Estudo Estágio 2 Projeto Controle de Alterações de Projeto e Desenvolvimento Sistema de Gestão da Qualidade (Abordagem em processo) CAPITULO 4 - SISTEMA SAP Organização no armazenamento e integridade das informações dos projetos Padronização nos projetos Padronização/Unificação do sistema com todo o grupo Jacto Histórico de todo o trabalho executado CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 48

11 10 INTRODUÇÃO O País passa por grandes transformações tecnológicas seguindo as tendências mundiais na era da globalização. Esta realidade faz com que as organizações busquem novas formas de melhorar os processos e consequentemente seus produtos, para satisfazer as necessidades dos clientes. Diante disso não se pode mais conceber organizações empresariais somente calçadas no trabalho e na função de produzir. As organizações devem se empenhar em agregar mais qualidade e controle aos seus projetos e processos produtivos, porque além de propiciar a satisfação do cliente, tal prática permite a racionalização dos processos e o aumento da produtividade refletindo na competitividade e maximização de resultados positivos. Para as empresas dos mais variados segmentos, ocorre uma melhora significativa na competitividade, quando se melhoram os processos e reduzem as perdas geradas pelos refugos e retrabalhos. Uma das melhores práticas para se conseguir tais ganhos é a aplicação de um sistema de controle e planejamento de seus projetos. O referido estudo tem por base a unidade de negócio da ferramentaria, que faz parte da Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A, que teve sua origem, em uma pequena oficina mecânica fundada em 1930, que hoje emprega mais de dois mil funcionários e exporta para mais de 60 países nos cinco continentes, tendo suas unidades produtivas sediadas no município paulista de Pompéia, onde ocupam uma área de 150 mil metros quadrados. O objetivo principal é verificar quais são as fases de um projeto dentro de uma unidade de negócio do Grupo Jacto (ferramentaria) fabricante de moldes plásticos, estampos para estamparias, moldes de borracha e dispositivos diversos, utilizando como apoio o sistema de informação e ressaltando sua importância dentro da unidade de negócio pois assim, será possível acompanhar passo a passo o desenvolvimento de projetos das ferramentas de acordo com as necessidades do produto.

12 11 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 Definição de Sistema de Informação Um sistema de informação (SI) pode ser definido como um conjunto de componentes inter-relacionados trabalhando juntos para coletar, recuperar, processar, armazenar e distribuir informação, com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e o processo decisório em empresas e em outras organizações (Laudon & Laudon, 1999). Por uma visão integrada, é impossível avaliar um sistema sem levar em conta o outro. Com isso, um sistema de informação deve focar o sistema organizacional no seu todo, principalmente nos elementos que estruturam a organização e que mantêm uma relação de interligação e interdependência. Mañas (1999) define sistema de informação como um conjunto interdependente das pessoas, das estruturas da organização, das tecnologias de informação (hardware e software), dos procedimentos e métodos que deveriam permitir à empresa dispor, no seu tempo desejado, das informações de que necessita (ou necessitará) para seu funcionamento atual e para sua evolução. Conclui-se que um sistema de informação é uma parte integrante de uma organização que envolve, informações do ambiente interno e externo das organizações, tendo como base três componentes fundamentais: tecnologia, organização e pessoas. Polloni (2000) afirma que um sistema de informação deve atingir o mais rapidamente possível seus objetivos de armazenamento e fornecimento de informações para a organização, em formato, tempo e custos apropriados. Assim, um sistema de informação eficaz deve: Produzir informações realmente necessárias, confiáveis, em tempo hábil e com custo condizente, atendendo aos requisitos operacionais e gerenciais da tomada de decisão;

13 12 Ter por base diretrizes capazes de assegurar a realização dos objetivos, de maneira direta, simples e eficiente; Integrar-se à estrutura da organização e auxiliar na coordenação das diferentes unidades organizacionais; Ter um fluxo de procedimento (interno e externo ao processamento) racional, integrado, rápido e de menor custo possível; Contar com dispositivos internos que garantam a confiabilidade das informações de saída e adequada proteção aos dados controlados pelo sistema; Finalmente, ser simples, seguro e rápido em sua operação. Os sistemas de informação são apresentados em várias abordagens. Sua aplicação é em função da necessidade da organização e, principalmente, dos que deles fazem uso. Há três abordagens básicas, extensivamente apresentadas e discutidas nas literaturas, são: Sistema de Informações Transacionais TPS (Transaction Processing Systems), sistemas desenvolvidos com o objetivo de dar suporte aos processos de negócios (Newmann e Hadass apud Millet, Mawhinney e Kallman, 1996). Sistema de Informações Gerenciais MIS (Management Information System), todo um conjunto de sistemas e atividades requeridos para gerenciar, processar e usar informação como um recurso da organização (Sprague, 1996). Segundo Sprague (apud Millet, Mawhinney e Kallman, 1992), MIS são sistemas que trabalham com uma classe de problemas bem estruturados. Sistema de Apoio a Decisão DSS (Decision Suport System), uma classe de sistemas de informação que usa sistemas de processamento transacional e interage com outros sistemas para dar suporte a decisões gerenciais, voltados

14 13 para todas as camadas da organização em que são tomadas decisões. O DSS caracterizou-se como um sistema interativo baseado em computador que ajuda aos decisores a usar dados e modelos na solução de problemas não estruturados (Sprague, 1996). O Sistema de Informação Transicional - TPS atende à uma classe de problemas, sendo assim é utilizado no nível operacional, enquanto que o MIS - Sistema de Informações Gerenciais e o DSS - Sistema de Apoio a Decisão auxiliam no apoio e decisões para profissionais que atuam no nível gerencial e executivo. Mais recentemente, em uma abordagem de suporte a altos executivos, surgiu o Sistema de Informações Executivo EIS (Executive Information System), definido como sistema especialmente projetado para apoiar o executivo nas decisões e no rastreamento de fatores críticos de sucesso¹ dentro da organização, ajudando assim, o decisor na identificação de problemas e oportunidades (James Martin apud Millet, Mawhinney e Kallman, 1992). Apesar dos estudos sobre o sistema de informação executivo ter iniciado no final da década de 70 à partir de trabalhos desenvolvidos no MIT (Massachussets Institute of Technology), pelos pesquisadores Rockart e Treacy (Turban e Schaeffer, 1989) e tendo sido o termo primeiramente introduzido em 1982 (Millet, Mawhinney, Kallman in: Watson, Rainer e Houdeshel, 1992), existe ainda muitos questionamentos o que justifica, portanto, a existência de diferentes visões sobre seu conceito e suas fronteiras. Dentre essas diferentes visões destaca-se a seguinte definição: EIS são especialmente projetados para ajudar o executivo a obter insights e rastrear os CSF. O objetivo de um EIS é ajudar o decisor na assimilação rápida de informações e na identificação de problemas e oportunidades, não é uma ajuda na análise de problemas ou na sua resolução. (Millet, Mawhinney e Kallman, 1992). ¹ Fatores críticos de sucesso: São os pontos chave que definem o sucesso ou o fracasso de um objetivo definido por um planejamento de determinada organização. Também são fatores que definem as principais orientações que a gestão deve seguir na implementação de um verdadeiro controle sobre os processos de Gestão da Informação.

15 14 A ênfase dos sistemas de informação executivo recai no entendimento de questões, tais como o que se quer atingir com o negócio, como se esperam atingir tais objetivos e como medir seu progresso (Matthews e Shoebridge, 1992). Uma característica amplamente reconhecida do EIS é o seu foco em fatores críticos de sucesso FCS (Rockart e DeLong 1988, apud Watson e Frolick 1992). Estes são... um número limitado de áreas em que seus resultados, se satisfatórios, assegurarão uma performance competitiva de sucesso para a organização (Rockart, 1979). Os EIS são projetados para prover informações sobre esses FCS (Watson e Frolick, 1992). 1.2 Abordagem sistêmica para a gestão Para haver uma sinergia nos projetos da organização é necessário compreender e gerenciar os processos inter-relacionados, identificando como um sistema de informação contribui para a eficácia e a eficiência da organização no sentido de esta atingir seus objetivos. Em seguida, deve ficar claro que o sistema de informação é fundamental para desenvolver processos e criar uma ligação entre setores, além de ajudar no planejamento e desenvolvimento de um projeto e na tomada de decisão dos executivos da organização. Uma abordagem sistêmica em um projeto consiste na elaboração de planos desafiadores e abrangentes que liguem as funções e entradas de processos, alinhando os objetivos e metas de processos individuais com os objetivos-chaves da organização. Isto permite uma visão mais ampla da eficácia dos processos que conduz ao entendimento das causas de problemas e oportunas ações de melhorias. Com o entendimento do que se deve fazer em cada setor, e uma integração total com cruzamento de informações, há uma redução nas barreiras funcionais da organização e todos estarão informados dos objetivos, trazendo assim uma melhora no trabalho em equipe.

16 15 Em toda organização as decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. Para que haja uma tomada de decisão é necessário coletar dados e informações pertinentes ao objetivo, garantir que os dados e as informações sejam suficientemente precisos, confiáveis e acessíveis. Dentro da unidade de Ferramentaria isso ocorre, porém não de forma completa, devida a integração dos sistema de informação não ser total.em seguida, os dados devem ser válidados, compreendendo o valor das técnicas estatísticas apropriadas, para então, tomar decisões e agir com base nos resultados de análises lógicas balanceadas com a experiência e a intuição.

17 16 CAPITULO 2 GERÊNCIA DE PROJETOS 2.1 Gerenciamento de Projetos Primeiramente pode-se usar a definição de que Projeto é um instrumento fundamental para qualquer atividade de mudança e geração de produtos e serviços. Eles podem envolver desde uma única pessoa a milhares de pessoas organizadas em times e ter a duração de alguns dias ou vários anos (Dinsmore e Cavalieri 2003). De acordo com o A Guide to the Project Management Body of Knowledge 3rd Edition, Project Management Institute (PMI 2004), Gerenciamento de Projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas nas atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos. Ele pode ser melhor explicado através dos processos que o compõem, que podem ser reunidos em cinco grupos de processos - Iniciação, Planejamento, Execução, Controle e Encerramento e em nove Áreas de Conhecimento - Gerenciamento da Integração do Projeto, Gerenciamento do Escopo do Projeto, Gerenciamento do Tempo do Projeto, Gerenciamento dos Custos do Projeto, Gerenciamento da Qualidade do Projeto, Gerenciamento dos Recursos Humanos do Projeto, Gerenciamento da Comunicação do Projeto, Gerenciamento dos Riscos do Projeto e Gerenciamento de Aquisições do Projeto. (Torreão 2005, apud Project Management Institute PMI 2004) Segundo o (PMI 2000) um projeto é um empreendimento único, com início e fim definidos, que utiliza recursos limitados e é conduzido por pessoas, visando atingir metas e objetivos pré-definidos estabelecidos dentro de parâmetros de prazo, custo e qualidade. O projeto pode ser definido por características distintas como temporário, único e progressivo. A característica de ser temporário é muito importante, pois todo projeto tem um início e um fim definidos. O projeto termina quando os objetivos para o qual foi criado são atingidos ou

18 17 quando se torna claro que os objetivos do projeto não serão ou não poderão mais ser atingidos ou a necessidade do projeto não existe mais. Segundo Koontz e O Donnel (1980), apud Torreão (2005) gerenciar consiste em executar atividades e tarefas que têm como propósito planejar e controlar atividades de outras pessoas para atingir objetivos que não podem ser alcançados caso as pessoas atuem por conta própria, sem o esforço sincronizado dos subordinados. Um projeto deve ser dividido em fases que constituem seu ciclo de vida. O ciclo de vida do projeto serve para definir o início e o fim do projeto e definem qual o trabalho (atividade) deve ser realizado em cada fase (ou etapa) e quem deve estar envolvido. Ele descreve o conjunto de processos que devem ser seguidos para que o projeto seja bem gerenciado (Dinsmore e Cavalieri 2003) Partindo das definições do gerenciamento de projetos, pode-se dizer que a unidade de Ferramentaria do Grupo Jacto, os projetos tem um bom gerenciamento entretanto, ele não é completo devido ao Sistema de informação utilizado não estar totalmente interligado com todos os departamentos e com isso, o tempo de desenvolvimento de alguns projetos torna-se mais demorado. Vale lembrar que Segundo (Prado 2000), a boa prática de gerenciamento de projetos produz resultados expressivos para as organizações como: (1) redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; (2) aumento no tempo de vida dos novos produtos; (3) aumento de vendas e receita; (4) aumento do número de clientes e de sua satisfação; (5) aumento da chance de sucesso nos projetos.

19 Controle de Alterações de Projeto e Desenvolvimento da Ferramentaria Dentro da Unidade de Negócio da Ferramentaria as alterações de projeto e desenvolvimento são identificadas passo-a-passo. As alterações devem ser analisadas criticamente, verificadas e validadas, como apropriado, e aprovadas antes da sua implementação. Tudo isso, é feito por uma equipe especializada. Na análise crítica das alterações de projeto e desenvolvimento, verifica-se as alterações e qual o seu efeito sobre os componentes utilizados e no produto entregue. Para uma segurança os registros dos resultados da análise crítica de alterações e de quaisquer ações necessárias efetuadas são mantidas para uma possível consulta, entretanto. A princípio seguese o modelo de várias definições de gerenciamento de projetos. 2.3 Gerenciamento e mapeamento dos processos Um processo pode ser gerenciado de diversas formas, DAVENPORT (1994) defineo como a ordenação específica das atividades de trabalho no tempo e no espaço, com um começo, um fim, entradas e saídas claramente identificadas, enfim, uma estrutura para a ação. Segundo JOHANSSON (1995), processo é o conjunto de atividades que tomam um insumo (entrada) e o transformam para criar um resultado (saída). Teoricamente, a transformação que nele ocorre deve adicionar valor e criar um resultado para a organização que seja mais útil e eficaz ao receber acima ou abaixo da cadeia produtiva. Segundo JOHANSSON (1995).As alterações em um processo podem ser feitas por três possíveis razões: redução de custo, renovação de competitividade e domínio tecnológico, com a finalidade de agregar valor para o cliente. CERQUEIRA NETO (1994) classifica os processos da seguinte forma:

20 19 Processos primários: são os que tocam o cliente. Qualquer falha, o cliente logo identifica; Processos de apoio: são os que colaboram com os processos primários na obtenção do sucesso junto ao cliente; Processos gerenciais: são os que existem para coordenar as atividades de apoio e dos processos primários. Apesar das características comuns, os processos também variam significativamente em termos de modo de operação, conforme seu estágio de evolução, sua inter-relação com outros processos e a natureza específica dos resultados produzidos. Reconhecer as características comuns, no entanto, é vantajoso à medida que propicia uma base racional para aplicação de ferramentas analíticas comuns, corretivas e comprovadas para os problemas comuns. Para isso, basta identificar, logo no início as principais características comuns para verificar o mecanismo de coordenação que serão herdados. Os processos compõem uma estrutura de hierarquia que deve ser conhecida antes de se identificar as características comuns, HARRINGTON (1993) apresenta essa hierarquia como segue: Macroprocesso: é um processo que geralmente envolve mais que uma função na estrutura organizacional e sua operação têm impacto significativo no modo como a organização funciona; Processo: é um conjunto de atividades seqüenciais relacionadas e lógicas que tomam uma entrada com o fornecedor, agrega valor a esta e produz uma saída para o cliente; Atividades: são coisas que ocorrem dentro do processo ou sub-processo. São geralmente desempenhadas por uma unidade para produzir um resultado particular; Tarefa ou operação: é uma parte especifica do trabalho, ou melhor, o menor microenfoque do processo, podendo ser um único elemento ou subconjunto de uma atividade.

21 20 A atividades, segundo CRUZ (1998), podem ser classificadas como: Principais: são as que participam diretamente do processo de criação do bem ou serviço, e são geralmente agrupadas em logística, vendas e serviços. São divididas em: o Atividade críticas: são as que têm papel crucial na integridade do processo, ou resultado final, tornam se críticas em função de tempo de início, tempo de término, do equipamento, tempo de produção e término; o Atividades não críticas: são atividades que mesmo imprescindíveis ao processo, não tem os predicados que as tornam críticas, tendo parâmetros mais flexíveis para a sua realização. Secundárias: não estão diretamente ligadas a execução do bem ou serviço, existem para dar as condições necessárias para que as demais atividades ligadas ao bem ou serviço possam ser realizadas dentro do planejado; Transversais: são os conjuntos de várias especialidades, que são executadas em uma única operação com a finalidade de resolver os problemas e devem ser de caráter temporário ou provisório. As atividades devem ainda possuir características como: ser independente, receber produtos parciais mensuráveis, modificar produto parcial recebido agregando valor, gerar produtos mensuráveis e ser repetitivas 2.4 Evolução do Gerenciamento de Projetos O Gerenciamento de Projetos teve início há muitos anos atrás. Um exemplo disso, é a ida do homem a Lua. Com o passar do tempo, muitas transformações ocorreram em virtude

22 21 das novas exigências do mundo capitalista. O homem se deparou com as freqüentes mudanças e exigências do mercado em criar novos serviços e produtos cada vez mais rápido. A identificação de que era necessário ter um gerenciamento surgiu com a Revolução Industrial, que alterou profundamente a estrutura econômica do mundo ocidental e iniciou uma cadeia de transformações onde os líderes das industrias, depararam-se com a difícil tarefa de organizar as atividades de milhares de trabalhadores, a manufatura e a matéria-prima a ser empregada para a produção. Conseqüentemente, a partir daí surgiu uma grande necessidade de sistematizar e orientar a forma de gerir estas organizações (Martins 2002). Os negócios e outras organizações começaram a enxergar o benefício do trabalho organizado em torno dos projetos e a entender a necessidade crítica para comunicar e integrar o trabalho através de múltiplos departamentos e profissões. Com todas as mudanças, tornou-se necessário melhorar as práticas do gerenciamento dos projetos e em 1969, ano auge dos projetos espaciais da NASA, Jim Snyder juntamente com cinco profissionais de gestão de projetos, da Philadelphia, Pensilvania, nos EUA fundou o Project Management Institute - PMI (EUA) uma associação sem fins lucrativos, cujo principal objetivo é difundir a gestão de projetos no mundo, promovendo a ética e profissionalismo, além de buscar uma melhoria contínua no desempenho dos profissionais e organização, ampliando o conhecimento existente sobre gerenciamento de projetos. Com o passar dos anos, as organizações perceberam o quanto é importante gerenciar bem um projeto e ter nas mãos ferramentas e softwares que facilitem o trabalho no dia-a-dia. Prova disso é que segundo o (PMI 2000) aproximadamente 25% do PIB mundial são gastos em projetos e que cerca de 16,5 milhões de profissionais estão envolvidos diretamente com gerência de projetos no mundo. Este volume de projetos e as mudanças no cenário mundial,

23 22 cada vez mais competitivo, geram a necessidade de resultados mais rápidos, com qualidade maior e custo menor. (Torreão 2005, apud Dinsmore e Cavalieri 2003). 2.5 Gerenciamento de projetos na Visão do PMI Quando fala-se em gerenciamento de projetos, fala-se no PMI Project Management Institute, e suas diretrizes, que teve em 1996, seu principal documento padrão, publicado chamado A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide). O PMBOK Guide, edição 2000, possui 216 páginas, 12 capítulos e é dividido em 3 partes. A primeira parte é composta por 3 capítulos que reúne informações essenciais sobre a introdução, o contexto e os processos de gerenciamento de projetos. A segunda parte, com 9 capítulos, apresenta às áreas de conhecimento de gerenciamento de projetos e a última parte são apêndices. A visão do PMI, de acordo com o PMBOK Guide edição 2000 (PMI 2000), identifica e descreve as principais áreas de conhecimento e práticas a serem consideradas dentro da gerência de projetos. Cada uma destas áreas (no total de 9) é descrita através de processos (no total de 39). As áreas de conhecimento de gerenciamento são: Gerenciamento de Integração do Projeto, Gerenciamento de Escopo do Projeto, Gerenciamento do Tempo do Projeto, Gerenciamento do Custo do Projeto, Gerenciamento da Qualidade do Projeto, Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto, Gerenciamento de Comunicação do Projeto, Gerenciamento do Risco do Projeto e Gerenciamento de Contratação do Projeto. A não execução de processos de uma área afeta negativamente o projeto, pois o projeto é um esforço integrado. Por exemplo, uma mudança de escopo quase sempre afeta o custo do projeto. Entretanto, ela pode ou não afetar a moral da equipe e a qualidade do produto. (Torreão 2005, apud Project Management Institute PMI 2000)

24 23 CAPITULO 3 - DESENVOLVIMENTO, CONTROLE E PLANEJAMENTO DOS PROCESSOS PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS (FERRAMENTARIA) 3.1 Unidade de Negócio (Ferramentaria) A FERRAMENTARIA JACTO planeja e controla todos os projetos internos e extrenos estabelecendo fases para cada etapa da elaboração do projeto. Além disso efetua uma analise e verificação validando criteriosamente cada fase deste processo contado com a participação dos responsáveis de cada atividade. O setor de projetos recebe a ordem de produção do setor administrativo e os requisitos dos clientes são recebidos do setor Comercial. Com estas informações necessárias de todos os setores envolvidos, é dado início ao desenvolvimento do produto onde nas reuniões de pré-projeto são definidas as necessidades ou não de mais informações referente ao produto e feita todas as revisões solicitadas. O setor de projeto avalia os projetos adquiridos de terceiros verificando sua adequação aos padrões da Ferramentaria Jacto. Com o mapeamento das operações e tarefas do projeto, foi possível desenvolver um fluxograma que demonstre claramente as etapas que todos os projetos deverão seguir a fim de se conseguir um nível razoável de padronização dos procedimentos, evitando assim a ocorrência de erros. A figura 1 traz o fluxograma completo do processo de projeto, desde a entrada de insumos, fornecidas pelo cliente até a entrega do produto ao cliente (interno ou externo). A partir do fluxograma detalhado do processo foi possível identificar os estágios do projeto e classificá-los.

25 24 Figura 1: Fluxograma do processo de projeto. Fonte: Ferramentaria Jacto Durante o mapeamento foi observado que os processos apesar de seguirem uma seqüência lógica e terem etapas distintas, as mesmas não estavam documentadas.

26 25 Essas etapas ou estágios, depois de identificados ficaram divididos em três estágios: Estudo, Projeto e Try-out (teste da ferramenta). Segundo a norma NBR ISO 9001:2000, a organização deve planejar e controlar o projeto e desenvolvimento de produto. Durante o planejamento do projeto e desenvolvimento a organização deve determinar: Os estágios do projeto e desenvolvimento. A análise crítica, verificação e validação que sejam apropriadas para cada fase do projeto e desenvolvimento. Estão detalhados, definidos e documentados os estágios do projeto e desenvolvimento do produto, foram então definidos os estágios conforme segue. 3.2 Estágio 1 Estudo Na etapa de estudos são levantados os requisitos para o desenvolvimento do produto, ou seja, os insumos (entradas) e diversos documentos são gerados nesta etapa. Recebimento da solicitação de orçamento ou execução: esta solicitação fornece todas as informações necessárias para que o projeto comece a ser desenvolvido. Está solicitação é enviada pelo setor de PPCP e o documento gerado está na figura 2.

27 26 Figura 2 - Solicitação de Serviço Fonte: Ferramentaria Jacto

28 27 Análise do produto, processo e dos requisitos do cliente descritos na solicitação: Nesta etapa a análise é feita pelo próprio projetista, que analisa os requisitos do cliente e sua viabilidade. Cadastro da ferramenta: a ferramenta e cadastrada na carteira de pedidos da ferramentaria, seguindo uma numeração específica que permite a fácil identificação do tipo de ferramenta. Elaboração do orçamento/pré-projeto: para elaboração do orçamento é comum se fazer um pré-projeto, posteriormente este pré-projeto será submetido à aprovação por parte do cliente. Esta atividade gera os documentos memorando de orçamento e planilha de orçamento, são representados na Tabela 01 e figura 03.

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD 1 UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD Serra, 05/2009 Saymon Castro de Souza Ifes saymon@ifes.edu.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV Conselho Federal de Contabilidade CPL - Comissão Permanente de Licitação SAS Quadra 05 - Bloco J Edifício CFC CEP: 70070-920 - Brasília-DF E-mail: cpl@cfc.org.br RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV PREGÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O PMI e a Certificação PMP Visão Geral sobre o Modelo PMI APRESENTAÇÃO DO PMI O PMI - Project Management Institute é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Oficinas de Integração 3

Oficinas de Integração 3 Oficinas de Integração 3 Introdução à Disciplina IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/32 Oficinas de Integração 3 Introdução (Ementa e Objetivos)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios 4.2 - Requisitos de documentação 4.2.1 - Generalidades A documentação do SGQ

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais