Body mass index cutoff points for evaluation of nutritional status in Brazilian children and adolescents

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Body mass index cutoff points for evaluation of nutritional status in Brazilian children and adolescents"

Transcrição

1 /06/8-04/66 Jornl Pitri Copyright 006 y Soi Brsilir Pitri oi:10.3/jped.150 ARTIGO ORIGINAL Boy mss inx uto points or vlution o nutritionl sttus in Brzilin hilrn n olsnts Vlors rítios o íni mss orporl pr lssiição o sto nutriionl rinçs olsnts rsiliros Wolny L. Con 1, Crlos A. Montiro Rsumo Ojtivo: Dlinr sistm lssiição, omposto urv rrêni vlors rítios, so n istriuição o íni mss orporl (IMC) m populção rrêni nionl stino à vlição o sto nutriionl rinçs olsnts rsiliros. Métoo: Dos homns 1.83 mulhrs om i 19 nos, xtríos Psquis Nionl Nutrição Sú (1989), orm utilizos pr onstruir urv rrêni. Utilizou-s o métoo LMS pr o álulo os prâmtros urv o IMC unção polinomil pr molr sss prâmtros o longo s is. Os vlors rítios pr lssiição o sto nutriionl m éiit pso, xsso pso osi orm xprssos oro om ntis vlors o IMC quivlnts 17,5, 5 30 kg/m, rsptivmnt, os 0 nos. Rsultos: Os vlors os prâmtros L, M S orm tulos m intrvlos smstris pr sxo. A prtir sss vlors, oi onstruío o gráio om nov ntis istriuição rrêni o IMC. Form prsntos os vlors rítios quivlnts os vlors 17,5, 5 30 kg/m no iníio i ult. Conlusão: O sistm lssiitório prsnto po sr utilizo m vliçõs línis pimiológis, é similr mtoologimnt à grn prt s urvs nionis já prsnts or, in, inição ixo pso. J Pitr (Rio J). 006;8(4):66-7: Prão rrêni, sto nutriionl, rinçs, olsnts, IMC. Astrt Ojtiv: To lint lssiition systm, omprising rrn urvs n uto points, s on th istriution o oy mss inx (BMI) ross ntionl rrn popultion n sign or th ssssmnt o th nutritionl sttus o Brzilin hilrn n olsnts. Mthos: Dt rom 13,79 mls n 1,83 mls g rom to 19 yrs, xtrt rom th Ntionl Nutrition n Hlth Survy tst (1989), wr us to onstrut rrn urv. Th LMS mtho ws mploy to lult th BMI urv prmtrs n polynomil untions wr us to mol ths prmtrs ginst g. Th uto vlus or lssiying nutritionl sttus s unrwight, ovrwight n os wr xprss s ntils n BMI vlus quivlnt to 17.5, 5 n 30 kg/m t 0 yrs, rsptivly. Rsults: Vlus or th L, M n S prmtrs wr tult t 6-month intrvls or h sx. Using ths vlus, grph ws plott with nin BMI istriution rrn ntils. Cuto vlus wr prsnt tht r quivlnt to BMIs o 17.5, 5 n 30 kg/m t th strt o ulthoo. Conlusions: Th lssiition systm prsnt hr n us or linil n pimiologil ssssmnts, it is mthoologilly similr to th mjority o ntionl urvs tht hv n prsnt to t n, urthrmor, it ors inition o unrwight. J Pitr (Rio J). 006;8(4):66-7: Rrn stnr, nutritionl sttus, hilrn, olsnts, BMI. Introução O uso mis ntropométris n vlição o sto nutriionl tm s torno, mor om limitçõs, o moo mis prátio mnor usto pr nális inivíuos populçõs, sj m çõs línis, trigm, ou msmo m monitorção tnênis. Um prão ou urv rrêni ntropométri é rprsntção sumriz istriuição trmin mi ntropométri sguno um o-vriávl (usul- 1. Prossor Doutor, Univrsi São Pulo (USP), São Pulo, SP.. Prossor titulr, USP, São Pulo, SP. Artigo sumtio m , ito m Como itr st rtigo: Con WL, Montiro CA. Boy mss inx uto points or vlution o nutritionl sttus in Brzilin hilrn n olsnts. J Pitr (Rio J). 006;8:66-7. mnt, i) m sxo 1. As urvs rrêni rprsntm o molo mpírio suávl srvm, um só tmpo, pr lssiir (omprr om grupo rrêni) pr ignostir (sprr inivíuos suávis os não-suávis) o sto nutriionl um inivíuo ou populção. A unmntção o ignóstio ntropométrio o sto nutriionl inntil vm osilno, historimnt, ntr ss pimiológis sttístis. Entr os primiros sistms lssiitórios utilizos stão quls propostos por Gomz, MLrn Wtrlow. Esss proposts tim-s m torno os iniors shos slionos pr srvr lssiir o sto nutriionl inntil. Wtrlow, ntr os itos, é o primiro propor um sistm lssiitório tivmnt proilístio isto é, sttístio pr lir om lssiição o sto 66

2 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, nutriionl inntil. Ess propost oi ot pl OMS m , s ntão, tm promino no ignóstio o sto nutriionl inntil. Tovi, opção pl lssiição proilísti no so o sto nutriionl inntil ontrst om lssiição o sto nutriionl m ultos prtir o íni mss orporl (IMC). Nst so, o sistm lssiitório stá so no riso mortli ou onç ssoio irnts intrvlos o IMC, um ritério pimiológio. O sto nutriionl os mnors 0 nos triionlmnt vm sno lssiio om s m ritérios proilístios. Em 1997, Intrntionl Osity Tsk For (IOTF) propôs inir o sto nutriionl os mnors 0 nos om s m shos qu, n i ult, inim os ignóstios snutrição, xsso pso osi /ou n ltrção ivrsos iniors ioquímios ssoios onçs rônis n s ult 4. Em 000, oi pulio o onjunto vlors rítios pr inir xsso pso osi no grupo tário 18 nos 5. O uso s urvs ss no IMC pr i pr inição o sto nutriionl m rinçs olsnts propiiou, por um lo, soluçõs prátis, por outro lo, ts sor o uso sss urvs pr vlição o sto nutriionl grupos m rsimnto. Os prinipis pontos m t são: 1) nturz univrsl ou prtiulr omposição orporl, spto rltio no t sor oção urv rrêni lol ou intrnionl 6,7 ; ) os unmntos propris o sistm lssiitório so no IMC pr i, o qu s rlt no t sor o uso ritérios sttístios ou pimiológios 8 ; 3) inluêni mturção sxul sor omposição orporl nssi lvr m ont ou não o stágio mturção sxul o vlio 9,10. O ojtivo st trlho é prsntr um sistm rrêni, so no IMC, pr vlição o sto nutriionl rinçs olsnts rsiliros inluino o linmnto um urv rrêni o stlimnto vlors rítios sttístios unionis pr o ignóstio snutrição, o xsso pso osi. Mtril métoos O onjunto os utilizo no linmnto urv nionl rrêni o IMC é originário Psquis Nionl Sú Nutrição (PNSN) rliz plo Instituto Brsiliro Gogri Esttísti m A prprção rigoros o ontrol quli osrvos n olt s mis ntropométris, lém rprsnttivi nionl (xto ár rurl Rgião Nort), orm isivos n solh ss s os. Pr trminr qução os os PNSN os propósitos st trlho, oi rliz sguint nális: os os PNSN o Estuo Nionl Dsps Fmilir (rlizo 14,5 nos nts) orm pronizos por sxo i sguno vlors rrêni CDC 000 pr ltur pso, sguir, ompros. Form osrvs s tnênis sulrs os vlors ltur pr i inriors - sors z os vlors pso pr i miors qu sors z. No príoo, houv rução no éiit ltur (-59,5%) umnto no xsso pso (106,5%). A rqüêni inivíuos om vlors pso pr i supriors sors z n PNSN, no ntnto, não ultrpssou o vlor proilístio lssiição. Pr st stuo, orm slionos inivíuos ntr 19 nos os ompltos sor sxo, i (xprss m mês), ltur (xprss m m, om um s iml) pso (xprsso m kg, om um s iml). A mostr iou ompost por homns 1.83 mulhrs, rprsntno 99% os inivíuos isponívis m sxo. Form xluíos os vlors o IMC inriors ou supriors 4 svios prão m rlção à méi, sguno i sxo. O vlor não onvnionl ± 4 svios oi solhio pr prsrvr, o máximo, htrogni mostr. O métoo utilizo n onstrução urv rsilir oi simnt o msmo utilizo n onstrução o prão intrnionl o IMC 5. Em ssêni, o métoo LMS ssum qu, pr os inpnnts om vlors positivos, trnsormção Box-Cox i-spíi po sr mprg pr torná-los normlmnt istriuíos; os vlors L, M S são nturl ui splins om knots m intrvlo tário 1. A mostr, m sxo, oi spr m ixs táris 3 mss. Ess suivisão trimstrl ojtivou rprsntr ivrsi vloi rsimnto somr, m strto, 100 ou mis inivíuos, númro onsiro o mínimo quo pr o métoo LMS. Em strto, orm lulos os prâmtros L, M S. O prâmtro M xprss o vlor mino o íni osrvo no intrior strto; o prâmtro S rprsnt o oiint vrição strto o prâmtro L, o oiint (Box-Cox) mprgo pr trnsormção mtmáti os vlors o IMC om o ojtivo otr istriuição norml m strto. O vlor sliono pr o oiint L é qul uj trnsormção prouz mnor som os quros os svios vriávl. A sguir, s urvs prâmtro orm suvizs plo uso polinômios m sxo. Finlmnt, por intrpolção s n méi ritméti, orm otios os vlors mnsis istriuição. Com sss três prâmtros, torn-s possívl onstruir urv rrnt qulqur ntil sjo om o mprgo órmul: C 100α(t) = M (t) [1 + L (t) S (t) Z α ] 1/L (t), (1) n qul Z α é o svio norml quivlnt pr ár α; C 100α(t) é o ntil orrsponnt o Zα; t é i m mss L (t), M (t), S (t) C 100α(t) inim os vlors orrsponnts pr urv n i t. Pr rir os vlors rítios pr lssiição o sto nutriionl oro om o ritério sttístio, orm utilizos n órmul 1 os vlors z quivlnts os ntis 85 95, romnos pr ignostir, rsptivmnt, xsso pso osi 13,14.

3 68 Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, 006 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA Pr trminção os vlors rítios sguno o ritério pimiológio, orm ixos os vlors inis sjos os 0 nos: IMC igul 5 kg/m no so o xsso pso IMC igul 30 kg/m no so osi. Aplios n órmul (), sss vlors prmitirão stimr, rtrosptivmnt, sus vlors quivlnts o longo s is ntriors. Z = [(IMC/M) L 1]/(LS) () No so o ixo pso, hj vist o ponto ort triionlmnt romno (18,5 kg/m ) não tr s mostro quo pr ss lssiição no prão intrnionl 5, orm rlizs náliss iionis im s otr propost qu rsponss ss nssi. A slção o vlor rítio (os 0 nos) pr inir ixo pso lvou m ont sptos sttístios pimiológios. No so o ritério sttístio, prourou-s mntr o máximo omptiili om quls ritérios sttístios usulmnt prtios, ou sj, o vlor - sors z pr inição éiits nutriionis. No so o ritério pimiológio, usou-s ontmplr plusiili o ignóstio, osrv sguno ois sptos: 1) prvlêni spr inorm pl nsi rqüêni o vlor z não po sr igul ou suprior àqul prvlêni osrv ns populçõs so stuo, moo ruzir o númro sos lso-positivos primorr tção os vriro-ngtivos; ) oi slion istriuição o IMC no iníio s ult prtnnt o qurto suprior rn pr pit, strto soil no qul é pouo provávl hvr éiit nutriionl nturz soioonômi. Nss grupo, o ntil 3 o IMC ntr 19,5 0,4 nos ssumiu vlors 17,57 kg/m no sxo msulino 17,48 kg/m no sxo minino. Aos 0 nos, n mostr s populionl PNSN, o vlor z = - (p = 0,08) quivl vlors IMC 17,78 kg/m no sxo msulino 17,14 kg/m no sxo minino. Bso nos prssupostos viênis mnionos, slionou-s, ntão, urv orrsponnt o IMC 17,5 kg/m (os 0 nos) omo ponto ort pr inir ixo pso n populção rsilir. Assim, usou-s onsrvr, tmém n lssiição o ixo pso, o uso o vlor únio m mos os sxos pr lssiição o sto nutriionl ultos. Tos s náliss orm rlizs om o pot sttístio Stt (vrsão 8). A suivisão mostr m grupos tários trimstris propiiou númro (n) méio 190 sos (mínimo 19 máximo 35) no sxo msulino 183 (mínimo 13 máximo 9) no sxo minino. Os vlors os prâmtros L, M S pr populção rsilir stão prsntos m intrvlos smstris sguno sxo n Tl 1. A suvizção s urvs m sxo prsntou os sguints rsultos: urv L oi lis om polinômio 4º gru m mos os sxos; urv M, om polinômio 4º gru no sxo msulino polinômio 8º gru no sxo minino; urv S oi just om polinômio 4º gru m mos os sxos. A Tl 1 prsnt os prâmtros sritivos istriuição rrêni o IMC pr populção rsilir ntr 0 nos otios o inl o prosso molgm. A Figur 1 prsnt, m sxo, st ntis istriuição rrêni. Os vlors L prmitm inrir qunti o tipo just nssário pr normlizção o IMC no intrior strto. A prponrâni vlors ngtivos ini qu os os mprgos n lorção o prão proposto prsntvm ssimtri (skwnss) à irit; rltivmnt pqun mplitu o prâmtro L, m mos os sxos, é initiv pqun mgnitu ssimtri qu r nssário rmovr. A méi os vlors L proxim-s, nos ois sxos, -1. No intrvlo tário m qu s spr stjm ontios os momntos pio o prosso mturção sxul (11 13 nos), o prâmtro L prsnt vlor méio -1,0. O ponto mis intnso rmoção ssimtri situ-s n ix tári ntr 6 11 nos, momnto ntrior o iníio o onjunto nômnos mturção sxul, om vlors L -1,36 no sxo msulino -1,38 no sxo minino. IMC (kg/m ) Msulino g Fminino g Rsultos O ixo prntul (1%) xlusão, sj por os inompltos, sj por ix plusiili iológi (IMC mior ou mnor qu 4 svios prão), é initivo onsistêni os vlors o longo o sptro tário viêni quli s mis ntropométris s os utiliz, lém ontriuir pr prsrvr rprsnttivi nionl mostr Figur I (nos) = C97 = C85 = C75 = C50 = C5 = C10 g = C03 Cntis istriuição urv rsilir o IMC, m sxo IMC = íni mss orporl.

4 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, A vriili méi o IMC nos irnts strtos, xprss plo prâmtro S, oi r 10% m sxo, om pqun mplitu ( 8 14%). No intrvlo tário no qul s spr stj ontio o ápi o prosso mturção sxul (11 13 nos), o prâmtro S prsnt méi 13,%. A trjtóri s urvs S o longo i é, iníio, linnt té próximo 5 mss (4,3 nos). A prtir ss i, ssum trjtóri snnt té o príoo spro mturção sxul (11 13 nos). Nss príoo, m mos os sxos, os vlors S tingm sus miors vlors. A sguir, oorr príoo urto stilizção m torno os vlors mis ltos. Após s mturção sxul, urv S ssum rtrístis irnis sguno o sxo. No sxo msulino, trjtóri urv S prsnt níti rução vriili, nqunto, no sxo minino, rução não é tão ntu vriili prmn m torno vlors próximos àquls o inl tp mturção sxul. A Tl prsnt os vlors rítios pr lssiição o ixo pso (urv quivlnt o IMC 17,5 kg/m os 0 nos), xsso pso (urv quivlnt o IMC 5 kg/m os 0 nos) osi (urv quivlnt o IMC 30 kg/m os 0 nos) pr populção rsilir ntr 0 nos otios prtir o mprgo órmul (1). Tl 1 - Vlors os prâmtros L, M S pr istriuição rsilir o íni mss orporl n populção rrêni 19 nos m sxo, sguno i I Msulino Fminino (mss) L M S L M S 4,0 0, ,9476 0,0939 0,18 16,7003 0,0990 4,5 0, ,94 0,0935 0, ,6730 0, ,5-0, ,6587 0,089-0, ,3666 0, ,5-0, ,419 0,0864-0,447 16,104 0,0903 4,5-0, ,071 0,0848-0, ,8899 0, ,5-0, ,033 0,0843-0, ,71 0, ,5-0, ,8687 0,0847-1, ,597 0,088 60,5-1, ,7438 0,0859-1, ,4984 0, ,5-1, ,649 0,0877-1,44 15,4331 0,0915 7,5-1,588 15,585 0,0899-1,373 15,3937 0, ,5-1,331 15,5519 0,096-1, ,3791 0,097 84,5-1, ,5491 0,0955-1,431 15,3907 0, ,5-1,450 15,5767 0,0985-1, ,4316 0, ,5-1, ,6341 0,1016-1, ,506 0, ,5-1, ,709 0,1046-1, ,6196 0, ,5-1, ,8361 0,1075-1, ,7766 0, ,5-1, ,9787 0,1101-1,419 15,9811 0, ,5-1,408 16,1477 0,116-1,387 16,358 0,13 16,5-1,377 16,3417 0,1147-1, ,5409 0,154 13,5-1,396 16,5590 0,1165-1,983 16,8943 0,18 138,5-1,800 16,7981 0,1180-1,47 17,914 0, ,5-1,5 17,0571 0,1190-1, ,748 0, ,5-1, ,3337 0,1197-1,139 18,1845 0, ,5-1, ,659 0,1199-1,085 18,6589 0, ,5-1,043 17,931 0,1198-1, ,1345 0, ,5-0,979 18,468 0,1193-0, ,5971 0, ,5-0, ,5701 0,1185-0,939 0,0331 0, ,5-0, ,8981 0,1173-0,9001 0,494 0, ,5-0, ,75 0,1159-0,8679 0,7755 0, ,5-0, ,5551 0,1143-0,8438 1,066 0, ,5-0, ,8773 0,116-0,887 1,880 0, ,5-0,6606 0,1904 0,1108-0,839 1,4503 0, ,5-0,68 0,4905 0,1090-0,8303 1,5551 0,139 16,5-0,6048 0,7735 0,1074-0,8490 1,6111 0,131,5-0,5913 1,035 0,1060-0,8809 1,6310 0,1314 8,5-0,5889 1,71 0,1050-0,968 1,697 0, ,5-0,5986 1,4768 0,1044-0,9877 1,60 0, ,0-0,6191 1,6343 0,1044-1,0575 1,6195 0,1316

5 70 Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, 006 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA As urvs os ntis triionlmnt utilizos omo pontos ort no so o sorpso (ntil 85) osi (ntil 95) s os vlors sos m shos no iníio vi ult (5 kg/m 30 kg/m, rsptivmnt) stão xprsss n Figur. No sxo msulino, os vlors s prvlênis ixo pso, sorpso osi srim supriors àquls otios s, o invés os pontos ort sos nos vlors os ultos, ossm otos os ntis qu triionlmnt inm sss ignóstios. No so o sxo minino, msm suprstimção xistiri pns pr o ignóstio osi; sorpso ixo pso srim lssii- Tl - Vlors rítios o IMC propostos pr inição ixo pso, xsso pso osi n populção rrêni rsilir 19 nos m sxo, sguno i I Msulino Fminino (mss) BP EP OB BP EP OB (17,5 kg/m ) (5 kg/m ) (30 kg/m ) (17,5 kg/m ) (5 kg/m ) (30 kg/m ) 4,0 13,77 19,17 1,98 13,95 18,47 0,51 4,5 13,77 19,13 1,94 13,94 18,43 0,47 30,5 13,76 18,76 1,53 13,87 18,03 0,00 36,5 13,70 18,45 1,1 13,76 17,70 19,64 4,5 13,61 18,0 0,98 13,66 17,44 19,38 48,5 13,50 18,00 0,85 13,55 17,6 19, 54,5 13,39 17,86 0,81 13,46 17,14 19,15 60,5 13,8 17,77 0,85 13,37 17,07 19,16 66,5 13,18 17,73 0,98 13,8 17,05 19,3 7,5 13,09 17,73 1,19 13,1 17,07 19,37 78,5 13,0 17,78 1,48 13,15 17,1 19,56 84,5 1,96 17,87 1,83 13,10 17,0 19,81 90,5 1,93 17,99,3 13,07 17,33 0,10 96,5 1,91 18,16,69 13,07 17,49 0,44 10,5 1,9 18,35 3,17 13,09 17,70 0,84 108,5 1,95 18,57 3,67 13,16 17,96 1,8 114,5 13,01 18,8 4,17 13,6 18,7 1,78 10,5 13,09 19,09 4,67 13,40 18,63,3 16,5 13,19 19,38 5,14 13,58 19,04,91 13,5 13,3 19,68 5,58 13,81 19,51 3,54 138,5 13,46 0,00 5,99 14,07 0,01 4,1 144,5 13,63 0,3 6,36 14,37 0,55 4,89 150,5 13,8 0,65 6,69 14,69 1,1 5,57 156,5 14,0 0,99 6,99 15,03 1,69 6,5 16,5 14,5 1,33 7,6 15,37,5 6,89 168,5 14,49 1,66 7,51 15,7,79 7,50 174,5 14,74,00 7,74 16,05 3,8 8,04 180,5 15,01,33 7,95 16,35 3,73 8,51 186,5 15,9,65 8,15 16,63 4,11 8,90 19,5 15,58,96 8,34 16,87 4,41 9,0 198,5 15,86 3,7 8,5 17,06 4,65 9,4 04,5 16,15 3,56 8,71 17, 4,81 9,56 10,5 16,43 3,84 8,89 17,33 4,90 9,63 16,5 16,70 4,11 9,08 17,40 4,95 9,67,5 16,95 4,36 9,8 17,45 4,96 9,70 8,5 17,18 4,59 9,50 17,47 4,96 9,74 34,5 17,37 4,81 9,75 17,49 4,97 9,83 40,0 17,50 5,00 30,00 17,50 5,00 30,00 Z -,17 1,3,83-1,80 1,0,10 p 0,015 0,907 0,998 0,036 0,847 0,98 BP = ixo pso; EP = xsso pso; IMC = íni mss orporl; OB = osi.

6 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, os orm smlhnt mprgno-s os ntis 85 3 ou os vlors quivlnts 5 kg/m 17,5 kg/m, rsptivmnt. IMC (kg/m ) Figur - Disussão Msulino I (nos) Fminino = C95 = IMC30 = C85 = IMC5 = IMC17,5 = C03 Vlors rítios (ntis triionis sho ulto) sos n istriuição rsilir o íni mss orporl pr lssiição o sto nutriionl rinçs olsnts IMC = íni mss orporl. A isussão sor s propris um sistm nionl so no IMC pr lssiição o sto nutriionl m rinçs olsnts po sr sor n 1) prição qução mostr utiliz n onstrução rrêni ) n prição os ritérios slionos pr intiir os prolms nutriionis qu s qur ignostir. A nális o príoo 1974/ nális o qurto mis rio mostr PNSN monstrm qu s os slion não oi t ngtivmnt pls tnênis sulrs o pso ltur no grupo sliono. Dois outros trlhos pulios, tmém sos n PNSN, srvm istriuição o IMC sguno i sxo ntr rinçs olsnts rsiliros. O primiro ls utilizou ix nos, m intrvlos tários nuis. Os prntis orm propostos omo pontos ort pr o ignóstio éiit nutriionl sorpso, rsptivmnt. O prntil 90 oi solhio por prsntr, os 18 nos, vlor oinint om 5 kg/m. Os vlors prsntos orm suvizos por méi móvl 15. O sguno trlho utilizou ix 0 5 nos, m sxo. Os vlors prsntos não orm sumtios qulqur molgm 16. Emor om irnçs no proimnto sttístio, os ois trlhos prsntm vlors smlhnts pr istriuição o IMC ntr nos, ix tári omum os ois trlhos. A irnç ssnil ntr os ois trlhos é qu, nqunto Sihiri & Allm 15 grrm su istriuição omo um rrêni nionl pr lssiição nutriionl sguno o IMC, Anjos t l. 16 xpliitmnt romnm qu su istriuição não sj utiliz pr ignóstio nutriionl. A molgm os qu s moiim om i são, originlmnt, ssimétrios po sr it por irnts métoos 17. O uso o métoo LMS prmitiu plir trnsormção Box-Cox (iint n rmoção ssimtri), m omo molr inpnntmnt o oiint vrição, mis o qu o svio prão m si. Aiionlmnt, o to o LMS sr o métoo mis mplmnt utilizo no linmnto urvs rrêni o IMC prmit mior omprili intrnionl ntr os prâmtros qui onstruíos quls urvs outros píss ou intrnionis. Alguns xríios já rlizos om ss intuito têm monstro qu o uso urv intrnionl po ltrr prvlêni o xsso pso mi o longo inâni olsêni. O sntio ltrção pnrá ix tári s rtrístis o pís 18,19. A isão sor qul ritério otr pr lssiição o sto nutriionl m rinçs olsnts prtir o IMC é mtéri in m rto, mor mis rntmnt stj s irmno opção plo onjunto urvs qu rtrogm os vlors lssiição o sto nutriionl ntr ultos jovns pr os inivíuos om i ixo 18 ou 0 nos. No so rsiliro, opção plo uso os ntis 85 95, o invés quls sos no sho o IMC ulto, impliri otr, ns mulhrs, vlors mis ltos pr prvlêni osi, ntr homns, otr vlors mis ltos pr prvlêni snutrição, o xsso pso osi. A osrvção rsimnto n ltur té próximo 0 nos n populção utiliz n onstrução urv motivou slção ss i pr o sho o IMC. A vntul opção plo sistm lssiitório so no sho m ultos v, no ntnto, sr rliz mint t mis mplo, no qul o spto lssiição o éiit nutriionl v sr tomo m ont. A propost qui prsnt utilizr o IMC igul 17,5 kg/m omo vlor rítio pr lssiição o éiit nutriionl ntr rinçs olsnts rqur, no ntnto, náliss iionis isussõs mis mpls nts su vntul oção. O prosso mturção sxul, o qul urs om moiiçõs n omposição orporl o inivíuo, po tornr-s tor omplior pr vlição nutriionl s no IMC pr i. Assim, nális s vriilis ntr m grção torn-s qustão-hv pr rspost à nssi ontrolr xtrnmnt ou não s mturção sxul o inivíuo. Eviênis otis prtir stuos populionis pontm no sntio vriili intrgrionl sr mnor qu intrgrionl. Entr ls: 1) pqun irnç osrv ntr píss qunto à i min mnr rução no ritmo tnêni sulr, spilmnt quno nliss sguno s irnts

7 7 Jornl Pitri - Vol. 8, Nº4, 006 Curv rsilir o IMC pr i Con WL & Montiro CA tps proposts por Tnnr 0 ; ) iníios qu, pr o onjunto populção, píss omo EUA Holn não prsntm tnêni à rução i mnr no prsnt 1, ; 3) no Brsil, stim-s rução n i mnr m,4,7 mss por é 3,4. Toms m su onjunto, sss viênis prmitm supor qu o impto vriili intrgrionl (inluís s vriilis intr intriniviuis) não vrá istorr, no so rsiliro, o uso urv qui prsnt. Rrênis 1. Col TJ. Th us n onstrution o nthropomtri growth rrn stnrs. Nutr Rs Rv. 1993;6: Zrs AJ, Jlli DB, Jlli EFP. Epimiology n nutrition. In: Flknr F, Tnnr JM, itors. Humn growth omprhnsiv trtis. Nw York: Plnum Prss; p Wtrlow JC, Buzin R, Kllr W, Ln JM, Nihmn MZ, Tnnr JM. Th prsnttion n us o hight n wight t or ompring th nutritionl sttus o groups o hilrn unr th g o 10 yrs. Bull Worl Hlth Orgn. 1977;55: Bllizzi MC, Ditz WH. Workshop on hilhoo osity: summry o th isussion. Am J Clin Nutr. 1999;70:173S-5S. 5. Col TJ, Bllizzi MC, Flgl KM, Ditz WH. Estlishing stnr inition or hil ovrwight n osity worlwi: intrntionl survy. BMJ. 000;30: Pirs LS, Rowly KG, Sors MJ, O D K. Rltion o iposity n oy t istriution to oy mss inx in Austrlins o Aoriginl n Europn nstry. Eur J Clin Nutr. 003;57: Rilly JJ. Assssmnt o hilhoo osity: ntionl rrn t or intrntionl pproh? Os Rs. 00;10: Col TJ, Ro MJ. Cntils o oy mss inx or Duth hilrn g 0-0 yrs in 1980 slin to ssss rnt trns in osity. Ann Hum Biol. 1999;6: Wng Y. Is osity ssoit with rly sxul mturtion? A omprison o th ssoition in Amrin oys vrsus girls. Pitris. 00;110: Bini V, Cli F, Brioli MG, Bosi ML, Stll P, Giglio P, t l. Boy mss inx in hilrn n olsnts oring to g n purtl stg. Eur J Clin Nutr. 000;54: Instituto Brsiliro Gogri Esttísti, Funo s Nçõs Unis pr Inâni. Pril sttístio rinçs mãs no Brsil: sptos sú nutrição rinçs no Brsil. Rio Jniro: IBGE; Col TJ, Frmn JV, Pr MA. British 1990 growth rrn ntils or wight, hight, oy mss inx n h irumrn itt y mximum pnliz liklihoo. Stt M. 1998;17: Worl Hlth Orgniztion. Physil sttus: th us n intrprttion o nthropomtry. Gnv: WHO; WHO Thnil Rport Sris nº Brlow SE, Ditz WH. Mngmnt o hil n olsnt osity: summry n rommntions s on rports rom pitriins, pitri nurs prtitionrs n rgistr ititins. Pitris. 00;110: Sihiri R, Allm VLC. Avlição o sto nutriionl olsnts rsiliros trvés o íni mss orporl. J Pitr (Rio J). 1996;7: Anjos LA, Vig GV, Cstro IRR. Distriuição os vlors o íni mss orporl populção rsilir té 5 nos. Rv Pnm Slu Puli. 1998;3: Wright EM, Royston P. Simplii stimtion o g-spii rrn intrvls or skw t. Stt M. 1997;16: Wng Y, Wng JQ. A omprison o intrntionl rrns or th ssssmnt o hil n olsnt ovrwight n osity in irnt popultions. Eur J Clin Nutr. 00;56: Chinn S, Ron RJ. Intrntionl initions o ovrwight n osity or hilrn: lsting solution? Ann Hum Biol. 00;9: L PA, Guo SS, Kulin HE. Ag o purty: t rom th Unit Stts o Amri. APMIS. 001;109: Chuml WC, Shurt CM, Roh AF, Kulin HE, L PA, Hims JH, t l. Ag t mnrh n ril omprisons in US girls. Pitris. 003;111: Mul D, Frriks AM, vn Buurn S, Oostijk W, Vrloov- Vnhorik SP, Wit JM. Purtl vlopmnt in th Nthrlns Pitr Rs. 001;50: K G, Auxilior Snt Cruz Col, Vlsquz-Mlnz G. Sulr trn in g t mnrh or womn orn twn 190 n 1979 in Rio Jniro, Brzil. Ann Hum Biol. 000;7: Junquir Do Lgo M, Frstin E, D Souz Lops C, Wrnk GL; Pro-Su Stuy (Rio Jniro, Brzil). Fmily soioonomi kgroun moii sulr trns in g t mnrh: vin rom th Pro-Su Stuy (Rio Jniro, Brzil). Ann Hum Biol. 003;30: Corrsponêni: Wolny Con Av. Dr. Arnlo, 715, Dprtmnto Nutrição CEP São Pulo, SP Tl./Fx: (11) E-mil:

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores Runs Ros Ortg Junior 83 Um not sor isstris pnos isstors Runs Ros Ortg Junior Doutor Curso Mtmáti Univrsi Tuiuti o rná Dprtmnto Mtmáti Univrsi Fr o rná Tuiuti: Ciêni Cutur n 9 FCET 4 pp 83-9 Curiti r 84

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não 13 - Gros Plnrs Nst ul qurmos rsponr à suint qustão: Do um ro G, é possívl nontrr um rprsntção rái pr o ro tl qu não hj ruzmnto rsts? Consir por xmplo o ro K 4 rprsnto rimnt ns iurs i1, i2 i3.: i. 1 i.

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos UFMG/ICEx/DCC DCC111 Mtmáti Disrt List Exríios 9: Soluçõs Gros Ciênis Exts & Engnhris 2 o Smstr 2016 1. O gro intrsção um olção onjuntos A 1, A 2,..., A n é o gro qu tm um vérti pr um os onjuntos olção

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF 1 V ONGRSSO UÇÃO ÍSI O VL O SÃO RNISO - IVS Relação geral de trabalhos aprovados no V IVS 2015 1º UTOR TÍTULO O TRLHO ormato ata/horário LOL lison lves de morim lison Oliveira da na arolina Mariano Rocha

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

Nova Linha T-holder com Grampo Combinado para Pastilhas de Cerâmica

Nova Linha T-holder com Grampo Combinado para Pastilhas de Cerâmica Stmro 2014 www.tgut.om.r 1/13 Nov Lin T-olr om Grmpo Comino pr Pstils Crâmi Stmro 2014 www.tgut.om.r 2/13 Nov Lin T-olr om Grmpo Comino pr Pstils Crâmi A TguT stá rpginno lin T-olr pr pstils râmi. O tul

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Conversor BCD-7 Segmentos SSI

Conversor BCD-7 Segmentos SSI Tnoloi os Computors 2002/2003 Trlho Prátio n o 3 Trlho Prátio n o 3 Projto Funçõs Lóis Cominionis Convrsor BCD-7 Smntos SSI 1 Introução Est trlho tm omo ojtivo: introuzir o onito Esl Intrção (Sl o Intrtion)

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Propost Plno Crrir pr os Srviors o Por Juiiário União ANATA Assoição Nionl os Anlists, Ténios Auxilirs o Por Juiiário Ministério Púlio União Li nº, 0 Institui o Plno Crrir os srviors o Por Juiiário União

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS ÍNI 1 PRT 2 PRT PRÁIO 9 O GRGO 9 ONÉTI 11 LTO GRGO PRONÚNI TRIIONL... 12 SONS LÍNGU GRG... 13 ONSONTS QU POM INLIZR PLVRS... 13 MOIIÇÕS ONÉTIS... 14 1. SÍLS... 15 2. ONTRÇÃO... 16 3. RS... 16 4. LISÃO...

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO INTEGRAÇÃO MÉTODO DA UBTITUIÇÃO o MUDANÇA DE VARIAVEL PARA INTEGRAÇÃO Emplos Ercícios MÉTODO DA INTEGRAÇÃO POR PARTE Emplos Ercícios7 INTEGRAL DEFINIDA8 Emplos Ercícios REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO:

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 ::8 Turma LMN 0 Semestre 0 FUNMNTOS MNIOS TÉRMIOS ONULTÓRIOS-60H T 0. FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS T 0.

Leia mais

Manual de Utilização do Hosp

Manual de Utilização do Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o Mnul Utilizção o Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o ÍNDICE CARO USUÁRIO LEIA COM ATENÇÃO.... 3 PASSO A PASSO 1º ACESSO... 3 INFORMAÇÕES IMPORTANTES DA OPERADORA... 3 TAGS DE PREENCHIMENTO

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano ofertada na cidade de Limoeiro do Norte, Ceará

Qualidade da água para consumo humano ofertada na cidade de Limoeiro do Norte, Ceará Quli águ pr consumo umno ort n ci Limoiro o Nort, Crá Emnul Nto Alvs Olivir, Dygo Cost Sntos, Jobis Nobr Mrtins Digo Isis Dis Mrqus 1 1 1 1 Uni Acêmic Engnri Agrícol Univrsi Frl Cmpin Grn, Cmpin Grn, PB,

Leia mais

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita.

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita. Produto toril ou produto trno Notção: Propridds Intnsidd: Sntido: ntiomuttiidd: Distriutio m rlção à dição: Não é ssoitios pois, m grl, Cso prtiulr: Pr tors dfinidos m oordnds rtsins: Ests rsultdos podm

Leia mais

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO RÇÃO SRIPN SPORTOS SOLRS ILI ONRÇÃO RSILIR SPORTOS SOLRS Tel. (79) 9807-8088 / 8847-4387 / 9192-9367 -mail: fsde@fsde.com.br JOOS SOLRS TV SRIP 2015 UTSL MOLI TORI SXO UTSL INNTO MININO RUPO ÚNIO 1 - M

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

Group / Grupo A n=21. Group / Grupo B n=21 Variável Body weight (kg) Peso corporal. Body weight (kg) Peso corporal (kg) 8 weeks 8 semanas

Group / Grupo A n=21. Group / Grupo B n=21 Variável Body weight (kg) Peso corporal. Body weight (kg) Peso corporal (kg) 8 weeks 8 semanas Nelso Rorigues Tvres Tle 1 shows results t selie for BW, BMI, WC HC of groups A B. Although lysis iite o - sttistilly sigifit ifferees etwee the me BW, BMI, WC HC of the two groups fter (t ot show), sigifit

Leia mais

GRAFOS GRAFOS GRAFOS. Introdução; Algoritmo de Dijkstra.

GRAFOS GRAFOS GRAFOS. Introdução; Algoritmo de Dijkstra. UNIVERSIAE ESTAUAL E EARTAMENTO E INFORMÁTICA ro. Ynr Mlono Introução; Rprsntção m Mmóri; Aloritmo ijkstr. ro. Ynr Mlono Goms Cost ro. Ynr Mlono 2 inição: G (V, E), on: V é um onjunto vértis (ou noos);

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Compressão Paralela às Fibras

Compressão Paralela às Fibras Comprssão Paralla às Fibras Critério imnsionamnto pn o íni sbltz (λ): λ x ou L 0 x ou i x ou i x ou é o raio giração m rlação aos ixos prinipais a sção transvrsal o lmnto strutural L 0 o omprimnto lambagm

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

7 - RUÍDO EM RECEPTORES

7 - RUÍDO EM RECEPTORES 7 - UÍDO EM ECEPTOE Em um rptor, qundo não s rb nnhum stção d rádio, ouvimos no lto flnt um ruído. Est ruído pod tr sido rbido pl ntn ou pod tr sido grdo no próprio rptor. Qundo o som dst ruído tm nturz

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Capri L.138 / A.101 / P. 77,5 cm

Capri L.138 / A.101 / P. 77,5 cm BERÇO & CM Cpri L.38 /.0 / P. 77,5 m Gur ss mnul l po srvir pr futurs onsults m so vris, lmbrno qu nossos móvis tm rnti 2 nos. Pr surnç o su bbê, li om muit tnção tos s instruçõs nts iniir montm. MNUL

Leia mais

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA I Jornd Cintíic VI FIPA do CEFET Bmbuí Bmbuí/MG - 2008 EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA José RICARDO SODRÉ; Rodrigo CAETANO COSTA; Rodrigo HERMAN

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R píulo álculo Ingrl m R píulo - álculo Ingrl SUMÁRIO rimiivs imdis ou qus-imdis rimiivção por prs por subsiuição rimiivção d unçõs rcionis Ingris órmul d Brrow ropridds do ingrl dinido Ingris prméricos

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 :9:7 Turma LN 0 Semestre 0 URRÍULO SOLR IVRSI ULTURL T. URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Intervalo Encapsulador para Probabilidades Reais de Variáveis Aleatórias Contínuas Unidimensionais

Intervalo Encapsulador para Probabilidades Reais de Variáveis Aleatórias Contínuas Unidimensionais Intervlo Enpsulor pr Proilies Reis e Vriáveis Aletóris Contínus Uniimensionis Mri s Grçs os Sntos Doutoro em Mtemáti Computionl UFPE Ru Proº Luiz Freire s/n Cie Universitári 50740-540 Reie Pe E-mil: tgl60@yhooomr

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni. Rsolv os prolms

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

O guia da Splunk para inteligência operacional

O guia da Splunk para inteligência operacional O ui Splunk pr intliêni oprionl Us o Splunk os os su máquin pr orr novos nívis visiili prpção pr TI os nóios O qu é o Splunk Entrpris TM? O Splunk é o mnismo pr os os ros por máquin. El olt, lssii provit

Leia mais

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3)

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3) Miroons 3/4 Mstro m Ennhri Eltroténi Comutors Rsonsál: Prof. Afonso Brbos º Exm 4//4 urção: 3 hors Rsolr roblm m folh sr Problm Consir junção rrsnt n Fi.. Amit qu s linhs bifilrs são iis (sm rs). Tom =.

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA stino à

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 7:6: Turma MKN0 Semestre 0 MINISTRO SISTMS INFORMO - 60H MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008 RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 7/8 º Tst, 3-Nov-7 Durção: H3 DEEC AC-Tl Prof. Crlos Frnns Prof. António Top Problm Suponh qu um nvio fst-s cost nqunto mntém um comunicção vi ráio m 5 MHz, polrizção vrticl, com um

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciêni Rurl ISSN: 003-8478 inirurl@milusmr Univrsi Frl Snt Mri Brsil Amrl Mho Sstião o Augustynzik Aln Lss Dri Nsimnto Rorigo Groni Mns Téo Sulo Jorg Migul Er Prir Figur Mro Aurélio Silv Luís Césr Rorigus

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios sluçõs Ecícis MTEMÁTI IV LOO 0 nhcimnts lgébics pítul 0 Funçõs Tignmétics 0 p.( p-)( p-b).( p- c), n + b+ c 8+ + p 8 8.0...9..... LOO 0 0 D + D sn cs tg 0 + 0... sn +.,8.,8. sn 0. +,.,8. +, cm. sn 0 0

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais