PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção"

Transcrição

1 1 de OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão ou manutenção de sistema de gestão ISO 9001 ou ISO 14001, Cerflor Cadeia de Custódia, Qualidade no Processo de Reprodução Gráfica e Sistema de Segurança. 3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES: Norma INMETRO NIT DICOR 054 Portaria n. o 297, de 27 de julho de 2010 Procedimento PSGC_06: Política do Comitê de Imparcialidade; Procedimento ISGC_05: Formação de Preços de Processo de Certificação ABNT NBR ISO 9001:2008, Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT NBR ISO 14001:2004, Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso ABNT NBR 14790:2011, Manejo florestal Cadeia de custódia ABNT NBR 15540:2007, Tecnologia gráfica Análise de um sistema de segurança Requisitos ABNT NBR :2011, Tecnologia gráfica Qualidade no processo de reprodução Parte 1: Requisitos 4. TERMINOLOGIAS E SIGLAS: OCS: Organismo Certificador de Sistema de Gestão da Qualidade OCA: Organismo Certificador de Sistema de Gestão Ambiental OCP: Organismo Certificador de Processo/Produto CC: Coordenador de Certificação DT: Diretoria Técnica 5. RESPONSABILIDADES: Comitê de Imparcialidade: salvaguarde a imparcialidade dos processos de certificação Coordenação de Certicação: Coordenar as atividades de auditoria no cliente Coordenador Técnico Assessor Técnico Comissão de Certificação Cerflor 6. PROCEDIMENTOS: 6.1 Solicitação A organização que desejar a certificação de seu sistema de gestão da qualidade deve entrar em contato com a ABTG certificadora através de um dos canais de comunicação abaixo: telefone: (55 11) e mail: site:

2 2 de 16 pessoalmente: Rua do Paraíso, 529 / 533 Paraíso CEP Em todos os casos, o responsável pelo atendimento envia o formulário Registro de atendimento e levantamento de necessidades (FE 07) ou preenche juntamente com o cliente. 6.2 Análise crítica dos requisitos do cliente Após o completo preenchimento do formulário, o responsável comercial irá analisar os requisitos do cliente, e esclarecer quaisquer dúvidas que possam surgir na solicitação. Tal análise deve garantir que: as informações sobre a organização cliente e seu sistema de gestão sejam suficientes para o planejamento da auditoria; os requisitos para a certificação estejam claramente definidos e documentados, e tenham sido fornecidos para a organização cliente; qualquer diferença reconhecida de interpretação entre a ABTG Certificadora e a organização cliente seja resolvida; Após a análise crítica dos requisitos do cliente, é encaminhada uma Proposta Comercial (FE_05) utilizando como apoio as instruções de trabalho de formação de preço (ISGC_05: Formação de Preços de Processo de Certificação SGS, SGA e Cerflor e ISGC_15: Formação de Preços de Certificação do Processo de Reprodução Gráfica). 6.3 Contrato Ao ser aceita a proposta comercial, o responsável irá elaborar o contrato de serviço e enviar ao cliente em três vias, com aviso de recebimento. Havendo concordância nos requisitos estabelecidos no contrato, o cliente deve rubricar todas as folhas e assinar no campo indicado das três vias. Após, deve ser enviado a ABTG Certificadora. Ao receber os documentos, o contrato será assinado na ABTG Certificadora e uma via será encaminhada ao cliente. Somente após o recebimento do contrato é que irá prosseguir o processo de certificação da organização cliente. 6.4 Certificação Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade e do Sistema de Gestão Ambiental A auditoria de certificação deverá ocorrer em duas fases, mas pode ser antecedida pela pré auditoria Pré auditoria: A pré auditoria tem como objetivo verificar qual o grau de maturidade da organização em atendimento aos requisitos da ISO 9001 e Esta avaliação irá permitir que a organização determine se está preparada para o processo de certificação.

3 3 de Fase 1 Esta auditoria deve ser conduzida para: a) auditar a documentação do sistema de gestão do cliente; b) avaliar a localização da organização do cliente e as condições específicas do local, e discutir com o pessoal da organização cliente a fim de determinar o grau de preparação para a auditoria fase 2; c) analisar a situação e a compreensão do cliente quanto aos requisitos da norma, em especial com relação à identificação de aspectos chaves ou significativos de desempenho, de processos, de objetivos e da operação do sistema de gestão; d) coletar informações necessárias em relação ao escopo do sistema de gestão, processos e localização da organização cliente, aspectos legais e regulamentares relacionados e o respectivo cumprimento, por exemplo, aspectos de qualidade, ambientais e legais da operação do cliente, riscos associados etc.; e) analisar a alocação de recursos para a fase 2 e acordar com o cliente os detalhes da auditoria fase 2; f) permitir o planejamento da auditoria fase 2, obtendo um entendimento suficiente do sistema de gestão do cliente e do seu funcionamento no local, no contexto dos possíveis aspectos significativos; g) avaliar se as auditorias internas e a análise crítica pela administração estão sendo planejadas e realizadas, e se o nível de implementação do sistema de gestão comprova que a organização cliente está pronta para a auditoria fase 2. A auditoria fase 1 deve ser realizada nas instalações do cliente, salvo em ocasiões especiais definidas pelo Coordenador de Certificação. Somente o Coordenador de Certificação pode autorizar tal situação, sendo que esta decisão deverá ser formalmente registrada. O auditor líder desta auditoria deve emitir um Relatório de Auditoria Técnico (REAU) ao término do trabalho, devendo ser documentada quaisquer áreas de preocupações que poderiam ser classificadas como uma não conformidade na auditoria fase 2. O Relatório de Auditoria (REAU) será enviado ao cliente e o mesmo deve tomar ações corretivas pertinentes antes de prosseguir para a fase Fase 2 O objetivo da auditoria fase 2 é avaliar a implementação, incluindo eficácia do sistema de gestão do cliente. A auditoria fase 2 deve ocorrer nos locais do cliente, e inclui no mínimo: a) as informações e evidências sobre conformidade com todos os requisitos da norma aplicável de sistema de gestão ou outro documento normativo; b) monitoramento, medições, comunicação e análise do desempenho em relação aos principais objetivos e metas de desempenho (coerente com as expectativas da norma aplicável de sistema de gestão ou outro documento normativo);

4 4 de 16 c) o sistema de gestão do cliente e seu desempenho quanto à conformidade legal; d) controle operacional dos processos do cliente; e) auditoria interna e análise crítica pela direção; f) responsabilidade da direção pelas políticas do cliente; g) ligações entre os requisitos normativos, política, objetivos e metas de desempenho (coerentes com as expectativas da norma aplicável de sistema de gestão ou em outro documento normativo); quaisquer requisitos legais aplicáveis, responsabilidades, competência do pessoal, operações, procedimentos, dados de desempenho e constatações e conclusões de auditoria interna. h) verificação da implantação das ações corretivas definidas para as não conformidades detectadas na fase 1. O dimensionamento da auditoria para sistema de gestão da qualidade ou ambiental segue as recomendações do documento INMETRO NIT DICOR 054, assim como a definição da equipe auditora seguem as recomendações do Anexo II da portaria 118. O Coordenador de Certificação define a equipe auditora, com base nas competências necessárias (ISGC_03), procurando manter a mesma equipe que realizou a fase 1. O auditor líder elabora o plano de auditoria (FE_02) com base no conhecimento adquirido na fase 1 e envia ao Coordenador de Certificação que encaminhará à organização cliente. O Plano de auditoria pode ser readequado mediante quaisquer necessidades. Durante a auditoria, o auditor líder irá utilizar um check list com os requisitos da norma de referência, onde as evidências objetivas serão registradas. Ao término da auditoria, deve ser emitido pelo auditor líder um Relatório de Auditoria (REAU) com os resultados da auditoria, incluindo quaisquer observações ou não conformidades detectadas, as conclusões da auditoria e a recomendação em conceder ou não a certificação, assim como quaisquer condições. Este relatório deve ser encaminhado ao Coordenador de Certificação, assim como cópia do relatório de ação corretiva (RAC) quando aplicável e a lista de presença (início e término). O Coordenador de Certificação, após conferência, encaminha uma cópia do Relatório de Auditoria (REAU) ao cliente e comunica o prazo para implantação das ações corretivas. A organização cliente deve enviar juntamente com o RAC preenchido as evidências para a resolução das não conformidades. Estas ações corretivas serão analisadas preferencialmente pelo auditor líder ou pelo Coordenador de Certificação, de forma que estas sejam consideradas pertinentes ou recusadas. Cabe ao Coordenador de Certificação gerenciar quaisquer conclusões da auditoria, assim como definir se será necessária a verificação da implantação das ações corretivas no cliente (auditoria extraordinária 6.9). Após, o Coordenador de Certificação deve reunir todos os documentos da auditoria e encaminhar ao grupo responsável pela aprovação. Tais documentos devem incluir, no mínimo: a) os relatórios da auditoria; b) comentários sobre as não conformidades e, onde aplicável, a correção e ações corretivas tomadas pelo cliente;

5 5 de 16 c) confirmação das informações fornecidas a ABTG Certificadora utilizada na análise crítica da solicitação; d) uma recomendação de conceder ou não a certificação, juntamente com quaisquer condições e observações. A decisão sobre a certificação é finalizada pelo Coordernador Técnico, Coordenador de Certificação, com o aconselhamento do Assessor Técnico, sendo que deve ser utilizada como base na avaliação as constatações e conclusões de auditoria e/ou quaisquer outras informações pertinentes (como por exemplo, informações públicas, comentários feitos pelo cliente sobre o relatório de auditoria, entre outras) Auditoria de manutenção ou supervisão As auditorias de manutenção ou supervisão são auditorias no local, com o objetivo de monitorar regularmente o sistema de gestão da qualidade da organização cliente incluindo quaisquer mudanças. Estas auditorias não necessariamente serão completas, devendo incluir no mínimo: a) auditorias internas e análises críticas pela direção, b) uma análise das ações tomadas para as não conformidades identificadas durante a auditoria anterior, c) tratamento de reclamações, d) eficácia do sistema de gestão com respeito ao alcance aos objetivos, e) progresso das atividades planejadas visando à melhoria contínua, f) controle operacional contínuo, g) análise de quaisquer mudanças h) uso de marcas e/ou quaisquer outras referências à certificação. As auditorias de supervisão serão realizadas no mínimo uma vez ao ano, sendo que a data da primeira auditoria de supervisão, após a certificação inicial, não poderá ultrapassar 12 meses a partir do último dia da auditoria fase 2. A certificação da organização cliente será mantida com base na demonstração de que o cliente continua a satisfazer os requisitos da norma de sistema de gestão. Esta sistemática está descrita no procedimento interno ISGC Recertificação A auditoria de recertificação é planejada e realizada para avaliar a continuação do atendimento aos requisitos da norma de sistema de gestão. O propósito desta auditoria é avaliar o desempenho do sistema de gestão durante o processo confirmar a conformidade e eficácia contínuas do sistema de gestão como um todo, e a sua contínua relevância e aplicabilidade ao escopo de certificação. Nas atividades de auditoria, pode ser necessário realizar uma auditoria fase 1, em situações onde houver mudanças significativas no sistema de gestão, no cliente ou no contexto no qual o sistema de gestão opera, como por exemplo,

6 6 de 16 mudanças em legislação. Cabe ao Coordenador de Certificação definir sua necessidade, assim como se será realizada nas instalações do cliente ou em na ABTG Certificadora. Na detecção de não conformidades, as mesmas deverão ser resolvidas antes da recomendação da recertificação. As auditorias de recertificação tem como prazo para sua realização 3 anos Auditorias de extensão de escopo A empresa cliente deve solicitar formalmente uma extensão de escopo e encaminhar a ABTG Certificadora. O Coordenador de Certificação deverá analisar criticamente a solicitação e determinar quaisquer atividades de auditoria necessárias para decidir se a extensão pode ou não ser concedida. Essa auditoria pode ser realizada em conjunto com uma auditoria de supervisão Auditorias avisadas com pouca antecedência As auditorias avisadas com pouca antecedência podem ocorrer nos seguintes casos: resposta a uma reclamação resposta a mudanças acompanhamento em clientes suspensos. Nestes casos o Coordenador de Certificação deverá selecionar o auditor específico, tomando um cuidado especial nesta designação devido à falta de oportunidade para o cliente recusar a equipe auditora, e encaminhar um plano de auditoria (FE 02), esclarecendo em que situação esta auditoria será realizada Auditorias extraordinárias As auditorias extraordinárias ocorrem quando for necessário verificar a implementação de ação corretiva nas instalações do cliente. Nestes casos, o Coordenador de Certificação deve coordenar estas atividades e comunicar o cliente com antecedência Suspensão da certificação A suspensão da certificação do cliente pode ocorrer nos seguintes casos, não se restringindo à: O sistema de gestão certificado do cliente falha persistentemente ou seriamente em atender aos requisitos de certificação, incluindo os requisitos para eficácia do sistema de gestão; O cliente certificado não permite que auditorias de supervisão ou de recertificação sejam realizadas nas freqüências exigidas; O cliente certificado solicitou voluntariamente uma suspensão. Durante a suspensão, a certificação do sistema de gestão da qualidade da organização ficará temporariamente inválida. Conforme previsto em contrato, o cliente não poderá continuar promovendo sua certificação até que seja novamente validado seu sistema de gestão da qualidade. A suspensão de um sistema de gestão da qualidade não deverá ultrapassar seis meses, sendo que a não resolução dos problemas que ocasionaram a suspensão resultará no cancelamento ou redução de escopo da certificação.

7 7 de Cancelamento da certificação No cancelamento da certificação, a ABTG Certificadora deverá comunicar formalmente o cliente dos motivos pelos quais a certificação está sendo cancelada e rescindir o contrato de certificação. Esta comunicação deverá ser realizada pelo Diretor Técnico da ABTG Certificadora. Conforme cláusula de contrato, o cliente deverá interromper o uso de qualquer material publicitário que faça referência à situação do certificado Redução de escopo A redução de escopo deve ser realizada quando o sistema de gestão certificado do cliente falhar persistentemente ou seriamente em atender aos requisitos de certificação para aquele escopo de certificação. A redução de escopo também pode ser solicitada pelo cliente. A empresa cliente deve solicitar formalmente e encaminhar a ABTG Certificadora, que analisará quais são as atividades necessárias para conceder ou não a redução. Qualquer redução de escopo deve estar em acordo com os requisitos da norma utilizada para a certificação Organização Multi site Uma organização multi site é definida como uma organização que tenha uma função central identificada (daqui por diante designada como escritório central, mas não necessariamente a sede da organização), onde determinadas atividades são planejadas, controladas ou gerenciadas, e uma rede de escritórios locais ou filiais (sites), onde tais atividades são executadas completa ou parcialmente. Os processos de todos os sites têm que ser essencialmente do mesmo tipo e têm de ser operados por métodos e procedimentos similares. Quando alguns dos sites sob consideração conduzem processos similares, mas em menor número que os demais processos, eles podem ser elegíveis para inclusão na certificação multi site, desde que os sites que conduzem a maior parte dos processos ou processos críticos sejam sujeitos a auditoria completa. Organizações que conduzem seus negócios através processos vinculados em locações diferentes são também elegíveis para amostragem, desde que sejam atendidas todas as outras cláusulas deste documento. Quando os processos em cada locação não são similares, mas são claramente vinculados, o plano de amostragem deve incluir no mínimo um exemplo de cada processo conduzido pela organização (p.ex. fabricação de componentes eletrônicos em uma locação, montagem dos mesmos componentes pela mesma empresa em muitas outras locações). O sistema de gestão da organização deve estar sob um plano controlado e administrado centralmente e estar sujeito à análise crítica da administração central. Todos os sites pertinentes (inclusive a função de administração central) devem estar sujeitos ao programa de auditoria interna da organização e todos devem ter sido auditados de acordo com esse programa, antes do organismo de certificação iniciar sua auditoria. Deve ser demonstrado que o escritório central da organização estabeleceu um sistema de gestão de acordo com a norma de sistema de gestão pertinente sob auditoria e que e que toda a organização atende aos requisitos da norma. Deve se incluir a análise dos regulamentos pertinentes. A organização deve demonstrar sua capacidade para coleta e análise de dados (inclusive, mas não limitado aos itens listados a seguir) de todos os sites, inclusive do escritório central, e sua autoridade e capacidade para iniciar alteração organizacional, se necessário: Documentação do sistema e mudanças do sistema; Análise crítica pela administração;

8 8 de 16 Reclamações; Avaliação de ações corretivas; Planejamento de auditoria interna e avaliação do resultado; Mudanças nos aspectos e impactos associados para sistemas de gestão ambiental (SGA), quando aplicável; Requisitos legais diferentes. Nem todas as organizações que se encaixam na definição de organização multi site serão elegíveis para amostragem. As diretrizes para organizações multi sites seguirão a sistemática descrita no documento INMETRO NIT DICOR Certificação da Cadeia de Custódia A auditoria de certificação deverá ocorrer através da avaliação inicial e da auditoria inicial, mas elas podem ser antecedidas pela pré auditoria. O sistema de controle da cadeia de custódia do cliente, cujos produtos são objeto da certificação, deve alcançar necessariamente as Unidades de Manejo Florestal certificadas. Os fornecedores das etapas precedentes devem ter a certificação da cadeia de custódia. A organização cliente deve aplicar para o processo de cadeia de custódia os métodos estabelecidos na ABNT NBR 14790:2011 e no Documento Técnico do PEFC Anexo 4, conforme o caso, separação física ou método baseado em porcentagem (porcentagem média ou crédito de volume). No caso de uso do método da porcentagem média, nenhum patamar mínimo é estabelecido. O cliente deve dispor da descrição do produto final, contendo as porcentagens projetadas, em volume ou peso, das matérias primas oriundas da Unidades de Manejo Florestal certificada. A organização deve demonstrar o atendimento contínuo ao estabelecido na descrição do produto final. A marcação do produto deverá conter a indicação do conteúdo de produtos de base florestal com origem certificada, conforme estabelecido na descrição do produto. A porcentagem deverá ser apresentada em números inteiros Pré auditoria: A pré auditoria tem como objetivo verificar qual o grau de maturidade da organização em atendimento aos requisitos da ABNT NBR 14790, do Documento Técnico do PEFC Anexo 4, bem como da Portaria nº 297, de 27 de julho de Esta avaliação irá permitir que a organização determine se está preparada para o processo de certificação Avaliação inicial O objetivo desta avaliação é definir o grau de atendimento da organização para a realização da auditoria, assim como verificar os arranjos da auditoria, as principais influências e itens de controle da organização. Para isto, o cliente deve enviar à ABTG Certificadora a documentação que descreve as disposições que a mesma realiza para cumprir os requisitos da norma ABNT NBR 14790:2011, do Documento Técnico do PEFC Anexo 4, bem como uma descrição de cada produto que inclua o estabelecido no item da Portaria n. o 297, de 27 de julho de O produto de base florestal composto de matérias primas de origem certificada e reciclada pós consumo que são avaliados pela cadeia de custódia deverá ter a porcentagem mínima de 70% em volume ou peso de seu conteúdo certificado

9 9 de 16 A equipe auditora deve avaliar o grau de: a) compreensão da documentação e à necessidade de esclarecimentos; b) complexidade do produto e da cadeia de custódia; c) experiência da equipe em relação àquela área; d) conhecimento prévio da organização. Esta análise é feita no escritório. Caso os itens acima não possam ser constatados durante a análise de documentos, deve ser agendada uma visita prévia. O Coordenador de Certificação e o auditor líder decidem quanto à necessidade da realização da visita. O auditor líder desta auditoria deve emitir um Relatório de Auditoria Técnico (REAU) ao término do trabalho, devendo ser documentada quaisquer áreas de preocupações que poderiam ser classificadas como uma não conformidade na avaliação inicial. O Relatório de Auditoria (REAU) será enviado ao cliente e o mesmo deve tomar ações corretivas pertinentes antes de prosseguir para a auditoria inicial Auditoria inicial O objetivo desta avaliação é constatar a implementação dos requisitos descritos na norma ABNT NBR 14790:2011, no Documento Técnico do PEFC Anexo 4 e na Portaria n. o 297, de 27 de julho de O dimensionamento da auditoria para a certificação Cerflor está descrita na ISGC_14: Dimensionamento da auditoria Cerflor. O Coordenador de Certificação define a equipe auditora, com base nas competências necessárias (ISGC_03), procurando manter a mesma equipe que realizou a avaliação inicial. O auditor líder elabora o plano de auditoria (FE_02) com base no conhecimento adquirido na avaliação inicial e envia ao Coordenador de Certificação que encaminhará à organização cliente. O Plano de auditoria pode ser readequado mediante quaisquer necessidades. Durante a auditoria, o auditor líder irá utilizar um check list com os requisitos da norma de referência, onde as evidências objetivas serão registradas. Ao término da auditoria, deve ser emitido pelo auditor líder um Relatório de Auditoria (REAU) com os resultados da auditoria, incluindo quaisquer observações ou não conformidades detectadas, as conclusões da auditoria e a recomendação em conceder ou não a certificação, assim como quaisquer condições. Este relatório deve ser encaminhado ao Coordenador de Certificação, assim como cópia do relatório de ação corretiva (RAC) quando aplicável e a lista de presença (início e término). O Coordenador de Certificação após conferência, encaminha uma cópia do Relatório de Auditoria (REAU) ao cliente e comunica o prazo para implementação das ações corretivas. A organização cliente deve enviar juntamente com o RAC preenchido as evidências para a resolução das não conformidades. Estas ações corretivas serão analisadas preferencialmente pelo auditor líder ou pelo Coordenador de Certificação, de forma que estas sejam consideradas pertinentes ou recusadas. Cabe ao Coordenador de Certificação gerenciar quaisquer conclusões da auditoria, assim como

10 10 de 16 definir se será necessária a verificação da implementação das ações corretivas no cliente (auditoria extraordinária ). Após, o Coordenador de Certificação deve reunir todos os documentos da auditoria e encaminhar ao grupo responsável pela aprovação. Tais documentos, devem incluir no mínimo: a) os relatórios da auditoria; b) comentários sobre as não conformidades e, onde aplicável, a correção e ações corretivas tomadas pelo cliente; c) confirmação das informações fornecidas a ABTG Certificadora utilizada na análise crítica da solicitação; d) uma recomendação de conceder ou não a certificação, juntamente com quaisquer condições e observações. A decisão sobre a certificação leva em consideração a recomendação da Comissão de Certificação de Cerflor é finalizada pelo Coordernador Técnico, Coordenador de Certificação, com o aconselhamento do Assessor Técnico, sendo que deve ser utilizado como base na avaliação as constatações e conclusões de auditoria e/ou quaisquer outras informações pertinentes (como por exemplo, informações públicas, comentários feitos pelo cliente sobre o relatório de auditoria, entre outras). A ABTG Certificadora disponibiliza, em seu site, o relatório sumário do processo de certificação e dos processos de manutenção Auditoria de manutenção ou supervisão As auditorias de manutenção ou supervisão são auditorias no local, com o objetivo de monitorar regularmente a cadeia de custódia da organização cliente incluindo quaisquer mudanças. Estas auditorias adotam a mesma sistemática da auditoria inicial As auditorias de supervisão serão realizadas no mínimo uma vez ao ano, sendo que a data da primeira auditoria de supervisão não poderá ultrapassar 12 meses a partir do último dia da auditoria inicial. A certificação da organização cliente será mantida com base na demonstração de que o cliente continua a satisfazer os requisitos descritos na norma ABNT NBR 14790:2011, no Documento Técnico do PEFC Anexo 4 e na Portaria n. o 297, de 27 de julho de Recertificação A auditoria de recertificação é planejada e realizada para avaliar a continuação do cumprimento aos requisitos descritos na ABNT NBR 14790:2011, no Documento Técnico do PEFC Anexo 4 e na Portaria n.o 297, de 27 de julho de 201. Nas atividades de auditoria, pode ser necessário realizar uma auditoria de avaliação inicial, em situações onde houver mudanças significativas no processo produtivo do cliente. Cabe ao Coordenador de Certificação definir sua necessidade, assim como se será realizada nas instalações do cliente ou em na ABTG Certificadora. Na detecção de nãoconformidades, as mesmas deverão ser resolvidas antes da recomendação da recertificação. As auditorias de recertificação tem como prazo para sua realização 5 anos Auditorias de extensão de escopo Conforme definido em Auditorias avisadas com pouca antecedência

11 11 de 16 Conforme definido em Auditorias extraordinárias Conforme definido em Suspensão ou cancelamento da certificação Pelo caráter voluntário, a certificação pode ser suspensa, ou cancelada, a pedido do cliente, a qualquer momento. Caso o cliente, que obteve a certificação, cesse definitivamente seu empreendimento, deverá informar imediatamente a ABTG Certificadora que, por sua vez, informará imediatamente ao Cgcre e também alterará o status da empresa cliente para suspensa. A certificação pode ser suspensa ou cancelada pela ABTG Certificadora, caso a organização deixe de atender às condições que lhe deram origem e também não seja atendido qualquer dos requisitos dos subitens descritos em Para a retomada da certificação, todas as não conformidades que deram origem à suspensão ou cancelamento devem ser sanadas em prazo estabelecido pela ABTG Certificadora. No cancelamento da certificação, a ABTG Certificadora deverá comunicar formalmente o cliente dos motivos pelos quais a certificação está sendo cancelada e rescindir o contrato de certificação. Esta comunicação deverá ser realizada pelo Diretor Técnico da ABTG Certificadora. A suspensão de uma certificação Cerflor não deverá ultrapassar seis meses, sendo que a não resolução dos problemas que ocasionaram a suspensão resultará no cancelamento ou redução de escopo da certificação Redução de escopo Conforme definido em Organização Multi site Uma organização multi site é definida como uma organização que tem uma função central identificada (denominada Administração Central), onde certas atividades são planejadas, controladas e gerenciadas, e que também tem uma rede de escritórios e unidades locais ou filiais (sites), onde as referidas atividades são inteira ou parcialmente executadas. A organização não precisa ser uma só entidade, porém todas as unidades devem ter um vínculo legal ou contratual com a Administração Central da organização e devem estar sujeitas a uma cadeia de custódia comum, a qual, por sua vez, deve estar sujeita à supervisão contínua da Administração Central, significando que a Administração Central tem o direito de implementar ações corretivas em qualquer unidade, quando necessário. Todas as entidades do grupo devem ser avaliadas individualmente para obtenção da certificação. No caso de um ou mais participantes da certificação apresentar não conformidades em relação aos requisitos descritos na ABNT NBR 14790:2011, no Documento Técnico do PEFC Anexo 4 e na Portaria n.o 297, de 27 de julho de 2010, a organização como um todo poderá perder a certificação, caso não sejam implementadas as ações corretivas propostas Certificação da Qualidade no Processo de Reprodução Gráfica A auditoria de certificação deve ocorrer em uma fase, mas pode ser antecedida pela pré auditoria.

12 12 de Pré auditoria: A pré auditoria tem como objetivo verificar qual o grau de maturidade da organização em atendimento aos requisitos da ABNT NBR Esta avaliação irá permitir que a organização determine se está preparada para o processo de certificação, por meio de uma análise inicial dos principais requisitos da Norma Auditoria O objetivo da auditoria é constatar a implantação dos requisitos descritos na ABNT NBR :2011, verificando se a gráfica é capaz de produzir impressos a partir de dados de arquivos digitais normalizados, que simule condições de impressão pública e aceita mundialmente dentro das tolerâncias especificadas. Durante a auditoria serão verificados todos os itens pertinentes da ABNT NBR , utilizando se o check list de auditoria FE_33: Check list de auditoria ABNT NBR , onde serão verificados: Avaliação das áreas de avaliação de cor das provas físicas ou virtuais ou impressos; Avaliação de arquivos PDF/X 1a no fluxo de trabalho; Avaliação de prova virtual; Avaliação de prova física; Avaliação de impressão. O dimensionamento da auditoria para a certificação da Qualidade no Processo de Reprodução Gráfica está descrita na ISGC_16: Dimensionamento da auditoria de Reprodução Gráfica. O Coordenador de Certificação define a equipe auditora, com base nas competências necessárias (ISGC_03). O auditor líder elabora o plano de auditoria (FE_02) com base nas informações enviadas pelo cliente e envia ao Coordenador de Certificação que encaminhará à organização cliente. O Plano de auditoria pode ser readequado mediante quaisquer necessidades. Durante a auditoria, o auditor líder irá utilizar um check list com os requisitos da norma de referência, onde as evidências objetivas serão registradas. Ao término da auditoria, deve ser emitido pelo auditor líder um Relatório de Auditoria (REAU) com os resultados da auditoria, incluindo quaisquer observações ou não conformidades detectadas, as conclusões da auditoria e a recomendação em conceder ou não a certificação, assim como quaisquer condições. Este relatório deve ser encaminhado ao Coordenador de Certificação, assim como cópia do relatório de ação corretiva (RAC) quando aplicável e a lista de presença (início e término). O Coordenador de Certificação após conferência, encaminha uma cópia do Relatório de Auditoria (REAU) ao cliente e comunica o prazo para implementação das ações corretivas. A organização cliente deve enviar juntamente com o RAC preenchido as evidências para a resolução das não conformidades. Estas ações corretivas serão analisadas preferencialmente pelo auditor líder ou pelo Coordenador de Certificação, de forma que estas sejam consideradas pertinentes ou recusadas. Cabe ao Coordenador de Certificação gerenciar quaisquer conclusões da auditoria, assim como definir se será necessária a verificação da implementação das ações corretivas no cliente (auditoria extraordinária 6.9). Após, o Coordenador de Certificação deve reunir todos os documentos da auditoria e encaminhar ao grupo responsável pela aprovação. Tais documentos, devem incluir no mínimo:

13 13 de 16 e) os relatórios da auditoria; f) comentários sobre as não conformidades e, onde aplicável, a correção e ações corretivas tomadas pelo cliente; g) confirmação das informações fornecidas a ABTG Certificadora utilizada na análise crítica da solicitação; h) uma recomendação de conceder ou não a certificação, juntamente com quaisquer condições e observações. A decisão sobre a certificação é finalizada pelo Coordenador Técnico e pelo Coordenador de Certificação, sendo que deve ser utilizado como base na avaliação as constatações e conclusões de auditoria e/ou quaisquer outras informações pertinentes (como por exemplo, informações públicas, comentários feitos pelo cliente sobre o relatório de auditoria, entre outras) Auditoria de manutenção ou supervisão As auditorias de manutenção ou supervisão são auditorias no local, com o objetivo de monitorar regularmente a qualidade no processo de reprodução gráfica da organização cliente incluindo quaisquer mudanças. Estas auditorias adotam a mesma sistemática da auditoria inicial. As auditorias de supervisão serão realizadas no mínimo uma vez ao ano, sendo que a data da primeira auditoria de supervisão não poderá ultrapassar 12 meses a partir do último dia da auditoria inicial Recertificação A auditoria de recertificação é planejada e realizada para avaliar a continuação do atendimento aos requisitos da norma ABNT NBR Na detecção de não conformidades, as mesmas deverão ser resolvidas antes da recomendação da recertificação. As auditorias de recertificação tem como prazo para sua realização 3 anos Auditorias de extensão de escopo Conforme definido em Auditorias avisadas com pouca antecedência Conforme definido em Auditorias extraordinárias Conforme definido em Suspensão ou cancelamento da certificação Pelo caráter voluntário, a certificação pode ser suspensa, ou cancelada, a pedido do cliente, a qualquer momento. Caso o cliente, que obteve a certificação, cesse definitivamente seu empreendimento, deverá informar imediatamente a ABTG Certificadora que, por sua vez, alterará o status da empresa cliente para suspensa. A certificação pode ser suspensa ou cancelada pela ABTG Certificadora, caso a organização deixe de atender às condições que lhe deram origem e também não seja atendido qualquer dos requisitos da auditoria de certificação ou das auditorias de supervisão. Para a retomada da certificação, todas as não conformidades que deram origem à suspensão ou

14 14 de 16 cancelamento devem ser sanadas em prazo estabelecido pela ABTG Certificadora. O cancelamento da certificação, por solicitação da ABTG Certificadora ou do cliente, deve resultar na rescisão do contrato. A suspensão de uma certificação não deverá ultrapassar seis meses, sendo que a não resolução dos problemas que ocasionaram a suspensão resultará no cancelamento ou redução de escopo da certificação. Caso a empresa tenha sua certificação cancelada, a Coordenação de Certificação deverá alterar o status da empresa no site da ABTG Certificadora Redução de escopo Conforme definido em Certificação do Sistema de Segurança A auditoria de certificação deve ocorrer em uma fase, mas pode ser antecedida pela pré auditoria Pré auditoria: A pré auditoria tem como objetivo verificar qual o grau de maturidade da organização em atendimento aos requisitos da ABNT NBR Esta avaliação irá permitir que a organização determine se está preparada para o processo de certificação, por meio de uma análise inicial dos principais requisitos da Norma Auditoria O objetivo da auditoria é constatar a implantação dos requisitos descritos na ABNT NBR Nesta fase serão verificados todos os documentos necessários para o cumprimento dos requisitos do sistema de segurança, além da coleta de evidências in loco. O dimensionamento da auditoria para a certificação do Sistema de Segurança está descrita na ISGC_16: Dimensionamento da auditoria de Processos Gráficos. O Coordenador de Certificação define a equipe auditora, com base nas competências necessárias (ISGC_03). O auditor líder elabora o plano de auditoria (FE_02) com base nas informações enviadas pelo cliente e envia ao Coordenador de Certificação que encaminhará à organização cliente. O Plano de auditoria pode ser readequado mediante quaisquer necessidades. Durante a auditoria, o auditor líder irá utilizar um check list com os requisitos da norma de referência, onde as evidências objetivas serão registradas. Ao término da auditoria, deve ser emitido pelo auditor líder um Relatório de Auditoria (REAU) com os resultados da auditoria, incluindo quaisquer observações ou não conformidades detectadas, as conclusões da auditoria e a recomendação em conceder ou não a certificação, assim como quaisquer condições. Este relatório deve ser encaminhado ao Coordenador de Certificação, assim como cópia do relatório de ação corretiva (RAC) quando aplicável e a lista de presença (início e término). O Coordenador de Certificação, após conferência, encaminha uma cópia do Relatório de Auditoria (REAU) ao cliente e comunica o prazo para implementação das ações corretivas. A organização cliente deve enviar juntamente com o RAC

15 15 de 16 preenchido as evidências para a resolução das não conformidades. Estas ações corretivas serão analisadas preferencialmente pelo auditor líder ou pelo Coordenador de Certificação, de forma que estas sejam consideradas pertinentes ou recusadas. Cabe ao Coordenador de Certificação gerenciar quaisquer conclusões da auditoria, assim como definir se será necessária a verificação da implementação das ações corretivas no cliente (auditoria extraordinária 6.9). Após, o Coordenador de Certificação deve reunir todos os documentos da auditoria e encaminhar ao grupo responsável pela aprovação. Tais documentos, devem incluir no mínimo: i) os relatórios da auditoria; j) comentários sobre as não conformidades e, onde aplicável, a correção e ações corretivas tomadas pelo cliente; k) confirmação das informações fornecidas a ABTG Certificadora utilizada na análise crítica da solicitação; l) uma recomendação de conceder ou não a certificação, juntamente com quaisquer condições e observações. A decisão sobre a certificação é finalizada pelo Coordenador Técnico e pelo Coordenador de Certificação, sendo que deve ser utilizado como base na avaliação as constatações e conclusões de auditoria e/ou quaisquer outras informações pertinentes (como por exemplo, informações públicas, comentários feitos pelo cliente sobre o relatório de auditoria, entre outras) Auditoria de manutenção ou supervisão As auditorias de manutenção ou supervisão são auditorias no local, com o objetivo de monitorar regularmente a sistemática do sistema de segurança da organização cliente incluindo quaisquer mudanças. Estas auditorias adotam a mesma sistemática da auditoria inicial. As auditorias de supervisão serão realizadas no mínimo uma vez ao ano, sendo que a data da primeira auditoria de supervisão não poderá ultrapassar 12 meses a partir do último dia da auditoria inicial Recertificação A auditoria de recertificação é planejada e realizada para avaliar a continuação do atendimento aos requisitos da norma ABNT NBR Na detecção de não conformidades, as mesmas deverão ser resolvidas antes da recomendação da recertificação. As auditorias de recertificação tem como prazo para sua realização 5 anos Auditorias de extensão de escopo Conforme definido em Auditorias avisadas com pouca antecedência Conforme definido em Auditorias extraordinárias Conforme definido em Suspensão ou cancelamento da certificação Conforme definido em

16 16 de Redução de escopo Conforme definido em Divulgação de certificação A ABTG Certificadora divulga em seu site a relação de empresas certificadas, independente do tipo de certificação. Quaisquer alterações na situação das empresas certificadas, como cancelamento ou suspensão, serão atualizadas no site da ABTG Certificadora. 7. REVISÃO: Mês/Ano Descrição 00 04/2010 Elaboração do documento 01 02/2011 Item 3: Exclusão de documentos Item 6.3: Alteraração na sistemática de envio do contrato 02 03/2011 Alteração geral 03 06/2011 Alteração geral: inclusão de novas certificações 04 08/2011 Inclusão da sistemática da certificação do sistema de segurança 05 12/2011 Item 2: Inclusão da certificação do sistema de segurança Item 3: Inclusão da Norma ABNT NBR Item : Inclusão de porcentagem mínima de máteria prima de origem Item : Alteração na sistemática de decisão da certificação Cerflor 06 01/2012 Item 6.1: Alteração do endereço Item 6.4.2: Inclusão de orientações para o cliente 07 05/2012 geral Aprovado: Diretor Técnico Data: / _/ _

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, exclusão e extensão da certificação de processo gráfico de acordo com a norma ABNT NBR 15936-1. 2. DEFINIÇÕES Para

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006 01/07 Elaborado por: 21/08/2006 isado por: 21/08/2006 provado por: 21/08/2006 Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Objetivos: Determinar,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 14 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título)

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 24/08/2015 Verificado por Fernando Cianci em 25/08/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 25/08/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER

MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER Gloria Maria Pereira da Silva Chefe do Núcleo de Avaliação de Laboratórios de Calibração Divisão de Acreditação de Laboratórios Objetivo da Apresentação Apresentar o

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 15 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 9001 e catalogando as principais dúvidas dos clientes.

Leia mais

PROCESSO AUDITORIA INTERNA

PROCESSO AUDITORIA INTERNA Dono do Processo Marilusa L B Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Lucila Borges de Sant'Anna 1 OBJETIVOS Avaliar periodicamente,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Padrão N : 7.3 Estabelecido em: 28/06/2011 Revisado em: 28/06/2011 N da Revisão: 00 Setor: NCP (Núcleo de Controle de Produtos) Tarefa: Padronização de procedimentos internos

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012 Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012 Revisão 02 Fev/2010 DOQ-CGCRE-012 Rev. 02 Fev/2010 Página: 02/12

Leia mais

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES Março de 2014 www.aqua-hqe.com.br SUMÁRIO 1. Objetivos da auditoria 2. Definições e abreviações 2.1 Mandatário da auditoria 2.2 Auditado 2.3 Equipe de auditoria

Leia mais

CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL

CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL PROCEDIMENTO N CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL REV. N 59 PI 200 PÁGINA 1/20 O IFI entende a importância da imparcialidade na realização de suas atividades de certificação de sistemas de gestão,

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Página 1 de 10 REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DO OURINHOS SP 2009/2 Página 2 de 10 1 INTRODUÇÃO A necessidade de se elaborar e apresentar um trabalho de caráter científico no final do curso faz parte do

Leia mais

Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC

Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC Pág.: 1/27 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 16/10/2015 1 OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais