GESTÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO FÁBIO FREZATTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO FÁBIO FREZATTI"

Transcrição

1 1

2 GESTÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO FÁBIO FREZATTI 2

3 ÍNDICE GERAL 1.INTRODUÇÃO 2.RELACIONAMENTO DO PROJETO COM O PLANO DE NEGÓCIOS QUESTÕES FINANCEIRAS LIGADAS AOS PROJETOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS CICLOS DE UM PROJETO AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE PROJETOS PESSOAS DENTRO DA ABORDAGEM DOS PROJETOS 44 8.CONTROLE E ENCERRAMENTO DOS PROJETOS

4 4

5 CONCEITO DE PROJETO HISTÓRICO: PIRÂMIDES DO EGITO PROJETO MANHATTAN PROJETO NASA CANAL DA MANCHA FORÇAS QUE IMPULSIONAM PROJECT MANAGEMENT: CRESCIMENTO DO CONHECIMENTO HUMANO CRESCIMENTO DA DEMANDA EVOLUÇÃO DA COMPETITIVIDADE NOS MERCADOS 5

6 CONCEITO DE PROJETO EMPREENDIMENTO COM COMEÇO E FIM DEFINIDOS, DIRIGIDO POR PESSOAS, PARA CUMPRIR METAS ESTABELECIDAS DENTRO DE PARÂMETROS DE CUSTO, TEMPO E QUALIDADE DINSMORE QUALIDADE TRADE-OFF DOS ELEMENTOS CUSTO TEMPO 6

7 CONCEITO DE PROJETO REGRAS GERAIS PARA INÍCIO DO PROJETO: 1.DEFINIÇÃO DO OBJETIVO DO PROJETO O QUE DELE ESPERA QUEM VAI ENVOLVER RESULTADOS A OBTER 2.ESTRUTURAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURA HUMANA (LÍDER E EQUIPE) FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES GERENCIAMENTO DA ESTRUTURA FUNCIONAL E DO PROJETO 3.CONTROLES DO PROJETO FOCO NO TRIPÉ: CUSTO, TEMPO E QUALIDADE 7

8 CONCEITO DE PROJETO PROJECT MANAGER: INTEGRAR TODOS OS ELEMENTOS DO PROJETO PARA ASSEGURAR QUE OS CONHECIMENTOS E RECURSOS ESTEJAM DISPONÍVEIS QUANDO E ONDE FOREM REQUERIDOS E ASSEGURAR QUE OS RESULTADOS SEJAM OBTIDOS DE MANEIRA ADEQUADA (TEMPO/CUSTO) MEREDITH TAREFA TAREFA TAREFA TAREFA ATIVIDADE ATIVIDADE PROJETO PROGRAMA ATIVIDADE ATIVIDADE PROJETO 8

9 CONCEITO DE PROJETO HISTÓRICO: 1.BAKER & POUND: PASSADO RECENTE (PÓS II GG) 2.MODELOS FORMAIS: GRANDE CRESCIMENTO NOS ANOS 50/60 3.PROJETOS DE R&D: DÉCADA DE 70 4.BAKER & SOUDER: DÉCADA DE 80 E ÊNFASE NO MODELO DE PER SI 5.PESQUISAS COMPARAM O ESTADO DA ARTE E O QUE AS EMPRESAS UTILIZAM (LIBERATORE & TITUS) 6.CRITÉRIOS MÚLTIPLOS E SIMULAÇÕES 9

10 CONCEITO DE PROJETO BENEFÍCIOS DA GESTÃO ESTRUTURADA DE PROJETOS 1.RESPONSÁVEL PELO CLIENTE 2.IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS E CORREÇÃO OPORTUNA 3.TOMAR DECISÕES SOBRE OBJETIVOS CONFLITANTES 4.ASSEGURAR OBJETIVOS 10

11 11

12 VISÃO DE RETORNO DA ORGANIZAÇÃO POUPANÇA OPORTUNIDADES INVESTIMENTO RISCO ATIVOS FINANCEIROS IMÓVEIS AÇÕES INSUMOS PROCESSO CLIENTE PROCESSO GASTO RECEITA RETORNO 12

13 PLANO DE INVESTIMENTOS: HORIZONTE E RELACIONAMENTO FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO MISSÃO O NEGÓCIO DA ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS DE LONGO PRAZO (BSC) AMBIENTE AMBIENTE EXTERNO INTERNO PROJETOS ESTRATÉGIAS PLANOS DE LONGO PRAZO ORÇAMENTO CONTROLE ORÇAMENTÁRIO 13

14 RELACIONAMENTO DOS PROJETOS COM O SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE NEGÓCIOS NECESSIDADE QUESTÕES CONCEITUAIS MISSÃO BRAINSTORM OPORTUNIDADE DOR & REMÉDIO POLÍTICA ALTERNATIVAS CENÁRIOS E PREMISSAS DADOS PRELIMINARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS E LIMITAÇÕES PRÉ- VIABILIDADE VIÁVEL PROJETO INVIÁVEL 14

15 15

16 O PROJETO COMO UM TODO: INÍCIO, MEIO E FIM DIFERENTES ABORDAGENS NA SEPARAÇÃO DO CICLO: LAUFER, PRENTIS, ROMAN, ADMS E BARNDT DEPENDENDO DA VISÃO DE PROJETO CONSIDERADA. ABORDAGEM ESCOLHIDA: CONCEITUAL *IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES *RESTRIÇÕES CONCEITUAIS PLANEJAMENTO *PROJETO ANALISADO EM TERMOS DE VIABILIDADE *PROJETO FORMAL PARA ATINGIR OBJETIVOS IMPLEMENTAÇÃO *UMA VEZ APROVADO, SEGUE A IMPLEMENTAÇÃO *RECURSOS SÃO ALOCADOS E O DESEMPENHO É EVIDENCIADO PÓS-IMPLEMENTAÇÃO *APÓS IMPLEMENTAÇÃO, AVALIAÇÃO DO REAL X PROJETADO *O QUE SIGNIFICA TÉRMINO DO PROJETO? 16

17 O PROJETO COMO UM TODO: INÍCIO, MEIO E FIM CONCEITUAL DE PLANEJAMENTO DE EXECUÇÃO PÓS IMPLANTAÇÃO MISSÃO MISSÃO MISSÃO MISSÃO APOIO TOP MANAGEMENT LIDERANÇA ATIVIDADES TÉCNICAS ENVOLVIMENTO C/ CLIENTE ACEITAÇÃO DO CLIENTE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS ENVOLVIMENTO C/CLIENTE URGÊNCIA SCHEDULE ATIVIDADES TÉCNICAS ENVOLVIMENTO C/CLIENTE 17

18 FATORES CRÍTICOS AO SUCESSO 1.MISSÃO DO PROJETO CLAREZA EM TERMOS DE NECESSIDADE, OBJETIVOS E DIREÇÃO GERAL 2.APOIO E COMPROMETIMENTO DA ALTA ADMINISTRAÇÃO APOIO NO SENTIDO DE RECURSOS, POLÍTICO, PODER E AUTORIDADE 3.SCHEDULES DETALHAMENTO DAS AÇÕES NA SEQÜÊNCIAS DE PASSOS COM A REALIDADE/DESEMPENHO ADEQUADOS ESTRATÉGICOS 4.CONSULTA AO CLIENTE OUVIR O CLIENTE (NO S VÁRIOS NÍVEIS) 5.EQUIPE RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, TREINAMENTO E GERENCIAMENTO 6.ATIVIDADES TÉCNICAS DISPONIBILIDADE TECNOLÓGICA 7.ACEITAÇÃO DO CLIENTE VENDA DO PROJETO AO CLIENTE 8.GERENCIAMENTO E FEEDBACK CONTROLE E AJUSTES EM CADA ESTÁGIO TÁTICOS 9.COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO AOS NÍVEIS ADEQUADOS 10.SOLUÇÃO DE PROBLEMAS PREPARAÇÃO E RESPOSTAS FRENTE AO INESPERADO 18

19 FATORES CRÍTICOS AO SUCESSO COMUNICAÇÃO MISSÃO APOIO DA ADM. SEHEDULES CONSULTA AO CLIENTE EQUIPE ATIVIDADES TÉCNICAS ACEITAÇÀO DO CLIENTE GERENCIAMENTO E FEEDBACK SOLUÇÀO DE PROBLEMAS 19

20 FATORES CRÍTICOS AO SUCESSO QUALIDADE TÁTICA POTENCIAL ERROS TIPO II/III ALTA ACEITAÇÃO (NÃO NECESSÁRIOS) ALTO POTENCIAL DE SUCESSO ALTO POTENCIAL PARA FRACASSO POTENCIAL ERROS TIPO I/IV ALTA ACEITAÇÃO BAIXO USO ERROS POSSÍVEIS: QUALIDADE ESTRATÉGICA TIPO I : AÇÃO QUE DEVERIA OCORRER NÃO OCORRE TIPO II : AÇÃO QUE OCORRE QUANDO NÃO DEVERIA TIPO III: SOLUÇÃO DO PROBLEMA ERRADO OU TOMANDO A AÇÃO ERRADA TIPO IV: A AÇÃO CONHECIDA RESOLVE O PROBLEMA MAS NÃO FOI IMPLEMENTADA 20

21 21

22 INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO PERÍODO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/19X1 ATIVO PASSIVO & PL CIRCULANTE CIRCULANTE RECEITAS CPV MARGEM BRUTA DESPESAS RESULTADO OPERACIONAL OUTROS RESULTADO ANTES DO IR IR RESULTADO LÍQ.APÓS IR BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/19X2 ATIVO PASSIVO & PL CIRCULANTE CIRCULANTE LONGO PRAZO LONGO PRAZO FLUXO DE CAIXA DO PERÍODO LONGO PRAZO LONGO PRAZO OPERACIONAL DE BENS DE CAPITAL DO ACIONISTA FINANCEIRO 22

23 GASTOS: DESPESAS, CUSTOS, INVESTIMENTOS E PERDAS DESPESA GASTO INVESTIMENTO *GASTO: SACRIFÍCIO DE VALORES PARA OBTENÇÃO DE PRODUTO OU SERVIÇO REPRESENTADO POR PROMESSA OU ENTREGA DE ATIVOS CUSTO *INVESTIMENTO: GASTO ATRIBUIDO EM FUNÇÃO DA SUA VIDA ÚTIL OU BENEFÍCIO ATRIBUÍVEL A PERÍODOS FUTUROS *CUSTO: GASTO RELATIVO A BEM OU SERVIÇO UTILIZADO NA PRODUÇÃO DE OUTROS BENS E SERVIÇOS *DESPESA: BEM OU SERVIÇO CONSUMIDO DIRETA OU INDIRETAMENTE PARA O OBTENÇÃO DE RECEITAS 23

24 GASTOS: DESPESAS, CUSTOS, INVESTIMENTOS E PERDAS DESCRIÇÃO ELEMENTOS A TRATAR +RECEITAS ADICIONAIS GERADOS PELAS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS MINIMIZAÇÃO DE GASTOS RETORNO ECONÔMICO XXXXXXXXX RETORNO QUALITATIVO XXXXXXXXX +ECONOMIAS DE GASTOS XXXXXXXXX XXXXXXXXX -GASTOS COM SOFTWARES XXXXXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX -GASTOS COM ADAPTAÇÕES E XXXXXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX INSTALAÇÃO -GASTOS COM TREINAMENTO XXXXXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX -GASTOS COM MANUTENÇÃO XXXXXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX +/- IMPACTO TRIBUTÁRIO XXXXXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX METODOLOGIA TOTAL GASTOS (FLUXO DE CAIXA) XXXXXXXXX VALOR ATUAL LÍQUIDO XXXXXXXXX XXXXXXXXX PAYBACK AJUSTADO XXXXXXXXX XXXXXXXXX ANÁLISE DE ELEMENTOS QUALITATIVOS REQUERIMENTOS OBRIGATÓRIOS XXXXXXXXX REQUERIMENTOS DESEJÁVEIS XXXXXXXXX 24

25 25

26 PRINCIPAIS METODOLOGIAS *NÃO SOFISTICADAS: IGNORAM O EFEITO DO DINHEIRO NO TEMPO *TÉCNICAS: TAXA DE RETORNO CONTÁBIL E PAYBACK SIMPLES E *SOFISTICADAS : LEVAM EM CONTA O EFEITO DO DINHEIRO NO TEMPO *TÉCNICAS: VAL, TIR, TIR AJUSTADA E PAYBACK AJUSTADO 26

27 PRINCIPAIS METODOLOGIAS NÃO SOFISTICADAS CONCEITO: TAXA DE RETORNO CONTÁBIL RESULTADO GERADO SOBRE O INVESTIMENTO FEITO. VÁRIAS ÓTICAS: DO ACIONISTA (PL) OU DO DO GESTOR (PERMANENTE E/OU CAPITAL DE GIRO) QUANTO MAIOR O RETORNO, MELHOR O PROJETO EX.: INVESTIMENTO DE $ 1000 LUCRO LÍQUIDO APÓS IR/ANO $ 100 TAXA DE RETORNO/ANO = 10% DEFICIÊNCIAS: 1.IGNORA O EFEITO DO DINHEIRO NO TEMPO 2.CRITÉRIOS DE APROPRIAÇÃO AFETAM O RESULTADO 3.COMPLEXIDADE EM OBTER REFERENCIAL MÍNIMO 4.VÁRIAS TAXAS: USAR MÉDIA? 27

28 PRINCIPAIS METODOLOGIAS NÃO SOFISTICADAS CONCEITO: INDICA EM QUANTO TEMPO OS BENEFÍCIOS GERADOS COBRIRÃO OS GASTOS INICIAIS. CALCULADO A PARTIR DO FLUXO DE CAIXA. É UMA MEDIDA DE RISCO QUANTO MENOR O PERÍODO DE PAYBACK, MELHOR O PROJETO EX.: INVESTIMENTO INICIAL : $ 1000 FLUXO DE CAIXA MENSAL: MÊS 1 $ 200 MÊS 2 $ 500 MÊS 3 $ 500 MÊS 4 $ 400 DEFICIÊNCIAS: PERÍODO DE PAYBACK SIMPLES PERÍODO DE PAYBACK: 2 MESES E 18 DIAS 1.IGNORA O EFEITO DO DINHEIRO NO TEMPO 2.IGNORA ENTRADAS APÓS PERIODO DE PB 28

29 PRINCIPAIS METODOLOGIAS NÃO SOFISTICADAS $ 200 $ 500 $ 500 $ $ 1000 SALDO A RECUPERAR PAYBACK ($ 1000) ($ 800) ($ 300) $ /18 29

30 EFEITO DO DINHEIRO NO TEMPO *....DINHEIRO TEM VALOR NO TEMPO *TAXA DE JUROS: REMUNERAÇÃO DO DINHEIRO *RISCO ENVOLVIDO DEVE AJUSTAR A TAXA POSSIBILITANDO O CALCULO DE VALOR PRESENTE E VALOR FUTURO DE UM DADO FLUXO DE CAIXA *P= PRINCIPAL N= TEMPO (ANOS, MESES, SEMESTRES, ETC) I= TAXA DE JUROS (EQUIVALENTE PARA O PERIODO) M= MONTANTE (PRINCIPAL + JUROS) 30

31 TIPOS DE TAXAS DE JUROS CAPITALIZAÇÃO SIMPLES: APLICÁVEL QUANDO OS JUROS SÃO APLICÁVEIS SOBRE O PRINCIPAL (ELE É PAGO) J = I/360* N * P CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA: JUROS INCIDEM SOBRE O PRINCIPAL E JUROS CAPITALIZADOS DE PERÍODOS ANTERIORES N (1/360) J =[ (1+I)^ ^ -1]* P TAXA EQUIVALENTE: AJUSTE PELO PRAZO 31

32 CUSTO DE OPORTUNIDADE REFERENCIAL IMPORTANTE PARA A EMPRESA CUSTO DE UMA ALTERNATIVA DE AÇÃO MEDIDO PELOS BENEFÍCIOS SACRIFICADOS COM A NÃO-EXECUÇÃO DE OUTRAS ALTERNATIVAS LIGADO AO CUSTO DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO NO SENTIDO PRÁTICO O CUSTO DE OPORTUNIDADE VAI SER O CUSTO PONDERADO DE CAPITAL DA EMPRESA 32

33 PRINCIPAIS METODOLOGIAS SOFISTICADAS CONCEITO: PERÍODO DE PAYBACK AJUSTADO INDICA EM QUANTO TEMPO OS BENEFÍCIOS GERADOS COBRIRÃO OS GASTOS INICIAIS CALCULADO A PARTIR DO FLUXO DE CAIXA AJUSTADO QUANTO MENOR O PERÍODO DE PAYBACK, MELHOR O PROJETO EX.: INVESTIMENTO INICIAL : $ 1000 TAXA DE DESCONTO: 10% FLUXO DE CAIXA MENSAL: MÊS 1 $ 200: 182 A VP MÊS 2 $ 500: 413 A VP MÊS 3 $ 500: 376 A VP MÊS 4 $ 400: 273 A VP DEFICIÊNCIA: PERÍODO DE PAYBACK: 3 MESES E 3 DIAS IGNORA ENTRADAS APÓS PERIODO DE PB UTILIDADE: MEDIDA DE RISCO 33

34 PRINCIPAIS METODOLOGIAS SOFISTICADAS $ 200 $ 500 $ 500 $ $

35 PRINCIPAIS METODOLOGIAS SOFISTICADAS CONCEITO: TAXA INTERNA DE RETORNO É A TAXA QUE DESCONTA TODAS AS ENTRADAS DE CAIXA, DE MODO QUE SEJAM EXATAMENTE IGUAIS ÀS SAÍDAS. O PROJETO PODE SER ACEITO SE ATINGIR PATAMAR DE RETORNO MÍNIMO QUANTO MAIOR FOR A TIR EM RELAÇÃO À TAXA, MELHOR DEFICIÊNCIAS: EX.: INVESTIMENTO INICIAL DE $ 1000 ENTRADAS DE CAIXA MÊS 1 $ 200 MÊS 2 $ 500 MÊS 3 $ 500 MÊS 4 $ 400 TAXA DE RETORNO MÍNIMO: 18,0% TIR= 19,8% 1.REAPLICAÇÕES OCORRAM À MESMA TAXA DA TIR 2.DEPENDENDO DO FLUXO PODE EXISTIR MAIS DE UMA TIR 3.SITUAÇÕES DE ORDENAMENTO USAR VAL PARA CONFIRMAR 35

36 PRINCIPAIS METODOLOGIAS SOFISTICADAS TAXA INTERNA DE RETORNO MODIFICADA CONCEITO: SEGMENTA OS CÁLCULOS: TAXA DE REAPLICAÇÃODE CAIXA, DE MODO QUE SEJAM EXATAMENTE IGUAIS ÀS SAÍDAS. O PROJETO PODE SER ACEITO SE ATINGIR PATAMAR DE RETORNO MÍNIMO. QUANTO MAIOR FOR A TIR EM RELAÇÃO À TAXA, MELHOR EX.: INVESTIMENTO INICIAL DE $ 1000 ENTRADAS DE CAIXA MÊS 1 $ 200 MÊS 2 $ 500 MÊS 3 $ 500 MÊS 4 $ 400 VP= 1000/(1.15) ^ 0 = 1000 VF= 200*1.10^ *1.10^ *1.10^ *1.10^0 =1821 TIR M = 16,1% TAXA DE RETORNO MÍNIMO: 18,0% DEFICIÊNCIA: DEPENDENDO DO FLUXO PODE EXISTIRMAIS DE UMA TIR 36

37 PRINCIPAIS METODOLOGIAS SOFISTICADAS CONCEITO: VALOR ATUAL LÍQUIDO...VALOR PRESENTE DOS FLUXOS DE CAIXA ASSOCIADOS AO INVESTIMENTO. QUANDO A ABORDAGEM FOR CLASSIFICATÓRIA, QUANTO MAIOR O VALOR, MELHOR TECNICAMENTE É O MÉTODO MAIS CORRETO QUANDO A ABORDAGEM FOR ELIMINATÓRIA, DESDE QUE SEJA POSITIVA, É ACEITO EX.: INVESTIMENTO INICIAL $ 1000 ENTRADAS DE CAIXA MÊS 1 $ 200 MÊS 2 $ 500 MÊS 3 $ 500 MÊS 4 $ 400 DEFICIÊNCIAS TAXA DE DESCONTO DE 17% VAL = $ 62 1.AS REAPLICAÇÕES SÃO FEITAS PELA TAXA DE DESCONTO 2.MAIS DIFÍCIL DE SER ANALISADO 3.TAXA A SER USADA NO DESCONTO 37

38 LIMITAÇÕES E PROBLEMAS MAIS COMUNS NA UTILIZAÇÃO HORIZONTE DE TEMPO PERPETUIDADE CUSTO DE OPORTUNIDADE A SER CONSIDERADO PARÂMETROS DE ACEITAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DE RISCO RESPONSABILIDADE CORPORATIVA PECULIARIDADES E APRENDIZADO 38

39 39

40 CONCEITO: DIFERENTES NATUREZAS DOS MODELOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS PROCESSO DE AVALIAÇÃO INDIVIDUAL DE PROJETOS OU GRUPO DE PROJETOS E ESCOLHA DAQUELES QUE PERMITAM QUE OS OBJETIVOS POSSAM SER ATINGIDOS MEREDITH MODELOS NUMÉRICOS NÃO NUMÉRICOS 40

41 ABORDAGENS DA SELEÇÃO DE PROJETOS 1.VACA SAGRADA: FORÇA E CARISMA DO PODEROSO... 2.NECESSIDADE OPERACIONAL: SITUAÇÃO LEGÍTIMA MAS DECISÃO SUPERFICIAL (PERDE NOÇÃO DO CUSTO/BENEFÍCIO) NÃO NUMÉRICA 3.DIFERENCIAL COMPETITIVO: ANÁLOGO AO ANTERIOR 4.AMPLIAÇÃO DA LINHA DE PRODUTOS: O TOMADOR DE DECISÃO SENTE QUE NÃO PRECISA DE APOIO NUMÉRICO 5.MODELO DE BENEFÍCIO COMPARATIVO: BOM, RAZOÁVEL E POBRE 1.PAYBACK (SIMPLES E AJUSTADO) NUMÉRICA 2.TAXA MÉDIA DE RETORNO 3.FLUXO DE CAIXA: VALOR PRESENTE LÍQUIDO ETAXA INTERNA 4.LUCRO RESIDUAL 41

42 ABORDAGENS PARA SELEÇÃO DE PROJETOS FATORES NECESSÁRIOS PARA O MODELO NA SELEÇÃO: 1.REALISMO DO PROJETO 2.ABRANGÊNCIA 3.FLEXIBILIDADE 4.FACILIDADE DE USO 5.CUSTO 6.FACILIDADE DE UTILIZAÇÃO NOS RECURSOS DE TI SOUDERS (APUD MEREDITH) 42

43 MODELO BASEADO EM SCORE SEM PONDERAÇÕES.TIPO 0-1: 1.PONTUAÇÃO DE FATORES PELOS GESTORES 1.FATORES RELEVANTES PARA OS GESTORES (SIM/NÃO) 2.CRITÉRIOS PRINCIPAIS PARA ESCOLHA DEVERIAM SER: CLARO ENTENDIMENTO DOS OBJETIVOS DA ENTIDADE ADEQUADO CONHECIMENTO DA CARTEIRA DE PROJETOS PONTO FORTE: DIFERENTES CRITÉRIOS PARA O PROCESSO DECISÓRIO PONTOS FRACOS: TODOS OS CRITÉRIOS TEM IGUAL IMPORTÂNCIA SEM PONDERAÇÕES.TIPO SCORE: SEMELHANTE AO ANTERIOR MAS ATRIBUI, NO LUGAR DE SIM/NÃO, NOTAS MODELO COM PONDERAÇÕES. TIPO SCORE: OS PESOS RELATIVOS DOS FATORES REFLETEM A IMPORTÂNCIA RELATIVA 43

44 ABORDAGENS DA SELEÇÃO DE PROJETOS EXEMPLO DE MODELO DE ESCOLHA DE PROJETOS: (COM OU SEM PONDERAÇÕES) QUALIFICA DESCRIÇÃO SIM NÃO DEMANDA ADICIONAL DE ENERGIA MERCADO POTENCIAL EXISTENTE NÃO DEMANDA INVESTIMENTO EM CAPACIDADE INSTALADA NÃO DEMANDA CONHECIMENTO TÉCNICO ADICIONAL NÃO DEGENERA A QUALIDADE DO PRODUTO FINAL HABILIDADE DE GERENCIAMENTO DISPONÍVEL NÃO EXIGE REORGANIZAÇÃO IMPACTA A SEGURANÇA DA FORÇA DE TRABALHO IMPACTO SOBRE QUESTÕES AMBIENTAIS IMPACTOS ECONÔMICO/FINANCEIROS: TAXA DE RETORNO SUPERIOR A 15% RESULTADOS ANUAIS SUPERIORES A $000 BREAK-EVEN ALCANÇADO EM MENOS DE 3 ANOS CONSISTÊNCIA COM O DIRECIONAMENTO DE NEGÓCIOS IMPACTO NA IMAGEM DA EMPRESA: NO QUE SE REFERE AOS CLIENTES NO QUE SE REFERE AO SETOR 44

45 45

46 GERENTE FUNCIONAL X GERENTE DO PROJETO GERENTE DE PROJETOS O QUE DEVE SER FEITO QUANDO DEVE SER FEITO COMO OS RECURSOS DEVEM SER UTILIZADOS 46

47 GERENTE FUNCIONAL X GERENTE DO PROJETO GERENTE FUNCIONAL 1.ESPECIALISTA 2.ABORDAGEM ANALÍTICA 3.AUTORIDADE TÉCNICA (DIRETA) 4.PODE NÃO SER RESPONSÁVEL PELOS RESULTADOS 5.CONTINUIDADE DA ATIVIDADE GERENTE DE PROJETO 1.GENERALISTA 2. ABORDAGEM SISTÊMICA 3.FACILITADOR 4.NORMALMENTE É COBRADO PELOS RESULTADOS 5.PROJETO COM COMEÇO, MEIO E FIM. CONFLITOS 47

48 HABILIDADES DO GERENTE DE PROJETOS CAPAZ DE OBTER RECURSOS ADEQADOS OBTER E MOTIVAR PESSOAS COM O SEGUINTE PERFIL: ALTA QUALIDADE TÉCNICA SENSIBILIDADE POLÍTICA FORTE ORIENTAÇÃO PARA O FOCO DO PROBLEMA (X DISCIPLINA) ORIENTADOS PARA OBJETIVOS AUTO ESTIMA FORTE E ESTRUTURADA CAPACIDADE DE LIDAR COM OBSTÁCULOS LIDAR COM OS TRADE-OFFS NECESSÁRIOS AO PROJETO CAPACIDADE EM LIDAR COM RISCO E FRACASSO CAPACIDADE EM SE COMUNICAR COM VÁRIOS NÍVEIS E TIPOS DE PESSOAS NEGOCIADOR CREDIBILIDADE SENSIBILIDADE LIDERANÇA NIVEL DE ENERGIA E SUPORTE AO STRESS 48

49 PARTICIPANTES DO PROJETO PATRONO TUTOR ALIADO GRUPO DE TRABALHO NÃO ALIADO CLIENTE FORNECEDOR 49

50 OS VÁRIOS PAPÉIS O CLIENTE: *É QUEM VAI SE BENEFICIAR PELA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO (FINAL). O PATRONO: *TEM O PODER DE DECIDIR PELA ACEITAÇÃO OU NÃO DO PROJETO. *DEVE PROVER RECURSOS, APOIO POLÍTICO PARA APROVAR E COBRAR RESULTADOS. *PODE SER ESPONTÂNEO OU NOMEADO 50

51 OS VÁRIOS PAPÉIS O TUTOR: *QUEM COORDENA O PROJETO. *OUTROS TÍTULOS: LÍDER, CAMPEÃO, DIRETOR DE PROJETO, GERENTE DE PROJETO, ETC *NORMALMENTE DESIGNADO O ALIADO: *PERCEBE NO PROJETO OPORTUNIDADES E BENEFÍCIOS PELA EXISTÊNCIA E IMPLEMENTAÇÃO O NÃO ALIADO: *NÃO PERCEBE O PROJETO COMO BENEFÍCIO. *IMPORTANTE: OS MOTIVOS *PODE OFERECER: RESISTÊNCIA ATIVA OU PASSIVA. *CRÍTICO QUANDO É PARTE INTEGRANTE DO AMBIENTE DE BENEFÍCIO 51

52 OS VÁRIOS PAPÉIS O TUTOR: *QUEM COORDENA O PROJETO. *OUTROS TÍTULOS: LÍDER, CAMPEÃO, DIRETOR DE PROJETO, GERENTE DE PROJETO, ETC *NORMALMENTE DESIGNADO O ALIADO: *PERCEBE NO PROJETO OPORTUNIDADES E BENEFÍCIOS PELA EXISTÊNCIA E IMPLEMENTAÇÃO O NÃO ALIADO: *NÃO PERCEBE O PROJETO COMO BENEFÍCIO. *IMPORTANTE: OS MOTIVOS *PODE OFERECER: RESISTÊNCIA ATIVA OU PASSIVA. *CRÍTICO QUANDO É PARTE INTEGRANTE DO AMBIENTE DE BENEFÍCIO 52

53 OS VÁRIOS PAPÉIS *DEFINIÇÕES IMPORTANTES NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO PROJETO: 1.QUEM FORNECE OS INPUTS? 2.QUEM VALIDA, AVALIA, APROVA AS ETAPAS E O PROJETO INTEIRO? 3.QUEM TEM O PODER DE ALTERAR O PROJETO? 4.A QUEM É REPORTADO O PROGRESSO DAS ETAPAS DO PROJETO? 5.QUEM É RESPONSÁVEL, QUEM É CONSULTOR, QUEM EXECUTA? 6.QUAIS OS LIMITES DE AUTORIDADE (DO LIDER, DA EQUIPE, ETC)? LÍDER CLIENTE FORN. EXTERNO EQUIPE FORN. INTERNO 53

54 FORMAS DE ORGANIZAR O PROJETO NA EMPRESA 1.PROJETO COMO PARTE DA ESTRUTURA FUNCIONAL VANTAGENS: DESVANTAGENS: FLEXIBILIDADE NA SUA UTILIZAÇÃO EXPERTS PODEM SER UTILIZADOS EM DIFERENTES PROJETOS ESPECIALISTAS DA DIVISÃO PODEM DIVIDIR CONHECIMENTO A DIVISÃO FUNCIONAL SERVE DE BASE DE CONTINUIDADE O BENEFÍCIO DO PROJETO FICA EM CASA O FOCO DA ÁREA PODE NÃO SER O CLIENTE A ORIENTAÇÃO DA ÁREA TEM SUA PRÓPRIA DINÂMICA PODE ACONTECER DE NÃO EXISTIR UM RESPONSÁVEL GERAL MAIS FÁCIL DE PROVOCAR A FALTA DE COORDENAÇÀO TENDÊNCIA DE SUBOTIMIZAR O PROJETO POUCA MOTIVAÇÃO DAS PESSOAS RELACIONADAS COM O PROJETO CASOS DE PROJETOS COMPLEXOS 54

55 FORMAS DE ORGANIZAR O PROJETO NA EMPRESA 2.ORGANIZAÇÃO PURA DE PROJETO SEPARADO DAS ÁREAS FUNCIONAIS DA EMPRESA VANTAGENS: O GESTOR DO PROJETO TEM TOTAL AUTORIDADE SOBRE ELE TODA EQUIPE DO PROJETO TÊM RESPONSABILIDADE LINHAS DE COMUNICAÇÃO SÃO APROXIMADAS PROJETOS SIMILARES E SUCESSIVOS OTIMIZADOS PARTICIPANTES REAGEM MAIS RAPIDAMENTE ÀS NECESSIDADES UNIDADE DE COMANDO DESVANTAGENS: POSSÍVEL DUPLICAÇÃO DE ESFORÇOS MANUTENÇÃO DE EQUIPE MESMO QUANDO NÃO NECESSÁRIA TECNOLOGIA NEM SEMPRE DISPONÍVEL EQUIPE PODE SE DISTANCIAR (ISOLAR) DA REALIDADE DA EMPRESA O QUE ACONTECE APÓS O ENCERRAMENTO DO PROJETO? 55

56 FORMAS DE ORGANIZAR O PROJETO NA EMPRESA 3.ESTRUTURA MATRICIAL COMBINAÇÃO DOS DOIS TIPOS: ORGANIZAÇÃO PURA DENTRO DA ESTRUTURA PODE ASSUMIR VÁRIAS FORMATAÇÕES O GESTOR DO PROJETO CONTROLA: QUANDO E O QUE SERÁ FEITO O GESTOR FUNCIONAL CONTROLA QUEM E QUE TECNOLOGIA SERÁ USADA VANTAGENS: DESVANTAGENS: A ÊNFASE NO PROJETO PODE SER OBTIDA ACESSO À TECNOLOGIA TENDE A SER MAIS AMPLA MENOS ANSIOSOS EM TERMOS DO QUE FAZER APÓS ENCERRAMENTO RESPOSTA AO CLIENTE TENDE A SER RÁPIDA CONSISTÊNCIA COM POLÍTICAS CORPORATIVAS MELHOR CUSTO/BENEFÍCIOS DOS RECURSOS FLEXIBILIDADE NA SUA ESTRUTURAÇÃO E GESTÃO PODER DE DECISÃO PODE SER DIFÍCIL DE SER EXERCIDO DILUIÇÃO DO FOCO DE ATENÇÃO DOS PROJETOS PARA MATRIZES FORTES, A EXINÇÃO DO PROJETO PODE SER DIFÍCIL DUPLA UNIDADE DE COMANDO 56

57 FORMAS DE ORGANIZAR O PROJETO NA EMPRESA DEPENDENDO DO TIPO DE PROJETO PORTE DA EMPRESA DISPERSÃO GEOGRÁFICA DO HORIZONTE DE VIDA DO PROJETO ETC A ESTRUTURA PODE SER DEFINIDA COEXISTÊNCIA ENTRE MODELOS PODE SER OBSERVADA 57

58 58

59 PROCESSO DE CONTROLAR PROJETOS DE INVESTIMENTO SIGNIFICA: COLETAR, REGISTRAR E REPORTAR INFORMAÇÕES DE QUALQUER E TODOS OS ASPECTOS DO DESEMPENHO DO PROJETO QUE O GESTORES POSSAM QUERER CONHECER, NO MOMENTO ADEQUADO DEVE LEVAR EM CONTA: FREQÜÊNCIA DA APURAÇÃO INFORMAÇÃO A SER CONTROLADA E REPORTADA INFORMAÇÕES NÃO-NUMÉRICAS INDICADORES DE DESEMPENHO 59

60 SISTEMAS COMPUTADORIZADOS DE CONTROLE PROPORCIONAM: FACILIDADE, RAPIDEZ E INTEGRIDADE NO CONTROLE, DESDE QUE... O PLANEJAMENTO DO CONTROLE SEJA ADEQUADO DEVEM SER CONSIDERADOS: FACILIDADE DE UTILIZAÇÃO VISUALIZAÇÃODOS SCHEDULES CALENDÁRIOS MÚLTIPLOS POSSIBILIDADE DE CONTROLE DE GASTOS EMISSÃO DE RELATÓRIOS APOIO À DECISÃO, ETC 60

61 POSSÍVEIS PROBLEMAS NO ANDAMENTO DOS PROJETOS DESEMPENHO: CUSTO: TEMPO: PROBLEMAS TÉCNICOS INESPERADOS RECURSOS INSUFICIENTES QUANDO NECESSÁRIOS PROBLEMAS RELACIONADAS COM QUALIDADE E CONFIABILIDADE CLIENTE REQUERENDO ALTERAÇÕES NAS ESPECIFICAÇÕES COMPLICAÇÕES INTERFUNCIONAIS QUESTÕES TECNOLÓGICAS AFETANDO O PROJETO QUESTÕES TÉCNICAS DEMANDANDO RECURSOS ADICIONAIS O ESCOPO DO PROJETO SE AMPLIA PROJEÇÕES INICIAIS SE APRESENTAM MUITO REDUZIDAS O CONTROLE CORRETIVO NÃO FOI EXERCIDO ADEQUADAMENTE PROBLEMAS TÉCNICOS DEMANDANDO TEMPO PARA SOLUÇÃO PROJEÇÃO DO CRONOGRAMA MUITO OTIMISTA SEQÜÊNCIA DE ATIVIDADES INADEQUADA TAREFAS INACABADAS RETARDANDO O PROJETO CLIENTE ALTERANDO DEFINIÇÕES E EXIGINDO RETRABALHO 61

62 DIFERENTES TIPOS DE ATIVOS A CONTROLAR CONTROLE DE ATIVOS FÍSICOS: CONTROLE DA POSSIBILIDADE DE USO CONTROLE DA EXISTÊNCIA NO LOCAL ADEQUADO MANUTENÇÃO DOS ATIVOS CONTROLE DE RECURSOS HUMANOS: MUITO MAIS COMPLEXO DO QUE ATIVOS FÍSICOS MOTIVAÇÃO DE DESEMPENHOS MEDIDOS PELOS RESULTADOS (?) CONTROLE DE RECURSOS FINANCEIROS: REAL X PROJETADO DECORRE PRINCIPALMENTE DOS DOIS ANTERIORES 62

63 O QUE SIGNIFICA AUDITORIA DE PROJETOS? NÃO É UMA ATIVIDADE PÓS OCORRÊNCIA EM QUE CASOS SERIA NECESSÁRIA? UM DOS MAIORES VEÍCULOS DE AVALIAÇÃO DE GRANDES PROJETOS É A AUDITORIA DE PROJETOS. NORMALMENTE NÃO SE CONFUNDE COM AUDITORIA FINANCEIRA SEUS OBJETIVOS SERIAM: IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS O MAIS BREVE POSSÍVEL DEIXAR CLARAS AS RELAÇÕES ENTRE DESEMPENHO, CUSTO E TEMPO MELHORAR DESEMPENHO IDENTIFICAR OPORTUNIDADES PARA PROJETOS FUTUROS AVALIAR DESEMPENHO DA LIDERANÇA DO PROJETO REDUÇÃO DE CUSTOS APRESSAR RESULTADOS IDENTIFICAR ERROS, CORRIGÍ-LOS E EVITÁ-LOS NO FUTURO PROVER INFORMAÇÕES PARA O CLIENTE RECONFIRMAR INTERESSE DA ORGANIZAÇÃO SOBRE O PROJETO 63

64 O QUE SIGNIFICA TÉRMINO DO PROJETO? TUDO O QUE COMEÇA, UM DIA, TERMINA... O TÉRMINO PODE OCORRER: POR EXTINÇÃO, ADIÇÃO, INTEGRAÇÃO E RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA POR EXTINÇÃO: O PROJETO TEVE SUCESSO ATINGIU SEUS OBJETIVOS EX.: O PRODUTO FOI LANÇADO, O PRÉDIO FOI CONSTRUIDO, ETC O PROJETO PODE SER EXTINTO POR DIFICULDADES INSUPERÁVEIS EX.: PROGRAMA CHALLENGER, NOVO CARRO, ETC O PROJETO PODE SER EXTINTO POR EVENTOS EXTERNOS EX.: FUSÕES E AQUISIÇÕES EM GERAL, O OCASIONA A EXTINÇÃO: A SUBSTÂNCIA DO PROJETO É EXTINTA 64

65 O QUE SIGNIFICA TÉRMINO DO PROJETO? POR ADIÇÃO: O PROJETO SE TRANSFORMA EM UMA ÁREA DA EMPRESA A INCORPORAÇÃO DAS PESSOAS E DOS ATIVOS OCORRE O LÍDER DO PROJETO PODE OU NÃO SER MANTIDO POR INTEGRAÇÃO: OS ATIVOS DO PROJETO SÃO DISTRIBUIDOS PELA ESTRUTURA POR RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA: FALTA DE RECURSOS MATAM O PROJETO, SEM QUE SEJA RECONHECIDO NA PRÁTICA 65

Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos. aula. Prof. Dr. Fábio Frezatti. Análise de Viabilidade Econômica de Projetos

Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos. aula. Prof. Dr. Fábio Frezatti. Análise de Viabilidade Econômica de Projetos Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 01 1 Boas-Vindas Professor Fábio Frezatti Boas-Vindas! Análise de Viabilidade Econômica de Projetos 2 Teoria Prática

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Capítulo 13 COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 13.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação?

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem Trabalhadas Planejamento Orçamentário Contabilidade Gestão financeira ACI

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Estratégia & Desempenho Empresarial Gerência de Análise e Acompanhamento de Projetos de Investimento Março 2010 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais