ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO"

Transcrição

1 Português 1/2 ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste rápido para determinação do antígeno viral do grupo Rotavírus, baseado na aglutinação direta das partículas de látex em lamina. Somente para uso diagnóstico invitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Aglutinação direta em látex. O método utiliza anticorpos monoclonais contra o antígeno VP6 do grupo A de Rotavírus conjugados a partículas de látex. Os antígenos presentes na amostra se unirão especificamente às partículas de látex sensibilizadas e promoverão aglutinação que pode ser visualizada macroscopicamente. Caso os antígenos virais não estejam presentes na amostra, não haverá aglutinação. REAGENTES Reagente Nº 1 - Látex Reativo - Conservar entre 2 e 8ºC. Não congelar. Contém: Suspensão de partículas de látex revestidas com anticorpos anti rotavírus do grupo A. Reagente Nº 2 - Controle do Látex - Conservar entre 2 e 8ºC. Não congelar. Contém: Suspensão de partículas de látex revestidas com anticorpos de coelhos não específicos. Reagente Nº 3 - Controle Positivo - Conservar entre 2 e 8ºC. Contém: Suspensão de antígeno VP6 grupo A de Rotavírus inativado. Potencialmente infectante. Reagente Nº 4 - Tampão Extrator - Conservar entre 2 e 8ºC. Reagente pronto para uso. Contém: Tampão fosfato, ph 7,2. APRESENTAÇÃO Reagente Apresentação 1 2 Número 1 1,25 ml 2,5 ml Número 2 1,25 ml 2,5 ml Número 3 0,25 ml 0,5 ml Número ml 2 x 100 ml EQUIPAMENTOS E INSUMOS OPERACIONAIS Lâmina, espátulas, pipetas automáticas, relógio ou cronômetro. Encontram-se no mercado especializado de artigos para Laboratório de Análises Clínicas. CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE A temperatura de armazenamento deverá ser de 2 a 8ºC. O transporte, em temperaturas entre 15 e 30ºC, não deverá exceder 72 (setenta e duas) horas. Não congelar. Manter ao abrigo de luz e evitar umidade. CUIDADOS ESPECIAIS 1- Somente para uso diagnóstico in vitro. 2- Seguir com rigor a metodologia proposta para obtenção de resultados exatos. 3- Não congelar os reagentes. 4- Usar sempre reagentes do mesmo lote. 5- A lâmina utilizada para realização do teste deve estar bem limpa, pois a presença de traços de detergente pode falsear o resultado. 6- O Controle positivo foi analisado para detecção de anticorpos Anti HIV e Anti HBs, com resultados negativos. Entretanto, para maior segurança, considerar e manusear como potencialmente infectante. 7- As amostras dos pacientes (fezes) podem conter agentes infecciosos e devem ser tratados e descartados como materiais biológicos potencialmente infectantes. 8- Recomendamos aplicar as normas locais, estaduais e federais de proteção ambiental para que o descarte dos reagentes e do material biológico seja feito de acordo com a legislação vigente. 9- Para obtenção de informações relacionadas à biossegurança ou em caso de acidentes com o produto, consultar as FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) disponibilizadas no site ou através de solicitação pelo SAC (Serviço de Assessoria ao Cliente) da Quibasa. AMOSTRAS Fezes - Colher as amostras fecais logo que possível, depois do aparecimento dos sintomas. Após uma semana, o título do vírus começa a diminuir, dificultando a determinação. As amostras podem ser conservadas entre 2 e 8ºC por um período máximo de 24 horas, antes de serem analisadas. Para uma conservação mais prolongada, manter em temperaturas inferiores a 20ºC negativos sem manipulação prévia. Neste caso, a amostra deverá ser descongelada totalmente, levada a temperatura ambiente e homogeneizada antes da análise. DESCRIÇÃO DO PROCESSO PREPARAÇÃO DA AMOSTRA Antes de iniciar a rotina, colocar todos os componentes do kit e as amostras em temperatura ambiente, pois reativos e amostras frias podem comprometer o desempenho do teste. Colocar 2 ml do Reagente Nº 4 (Tampão Extrator) em um tubo de centrífuga; Acrescentar cerca de 0,2 g (0,2 ml) da amostra (fezes); Homogeneizar bem; Deixar em repouso por 10 minutos entre 15 e 30ºC; Centrifugar por 10 minutos a 1000 rpm; Fazer o teste com sobrenadante. TÉCNICA Pipetar 25 ml do sobrenadante em dois círculos da lâmina; Adicionar 25 ml do Reagente Nº 1 (Látex Reativo - previamente homogeneizado) no primeiro círculo da lâmina; Adicionar 25 ml do Reagente Nº 2 (Controle do Látex - previamente homogeneizado) no segundo círculo da lâmina; Homogeneizar com o auxilio de uma espátula utilizando toda a extensão de cada círculo da lâmina com movimentos circulares por dois minutos. Efetuar a leitura com a luz artificial, utilizando um fundo escuro para facilitar a interpretação do teste. Colocar 25 ml do Reagente Nº 3 (Controle Positivo) a um círculo da lâmina e adicionar uma gota do reagente Nº1 (Látex Reativo - previamente homogenenizado). Homogeneizar com o auxilio de uma espátula utilizando toda a extensão de cada círculo da lâmina com movimentos circulares por dois minutos. Efetuar a leitura com a luz artificial, utilizando um fundo escuro para facilitar a interpretação do teste. O Reagente Nº 3 (Controle Positivo) é utilizado para avaliar a performance da reação. Deve ser utilizado a cada rodada de novos testes. Sempre ocorrerá nítida aglutinação macroscópica. RESULTADOS Positivo: Nítida aglutinação macroscópica, que pode variar desde a formação de grumos grosseiros até grumos finos. Negativo: Ausência de aglutinação (suspensão homogênea). A aglutinação do círculo que contém o Controle do Látex (reagente Nº 2) indica a presença de aglutininas não específicas na amostra. Quando isto ocorre, o resultado do teste não pode ser avaliado. Se o resultado não puder ser interpretado como positivo ou negativo (reação duvidosa), a amostra deve ser analisada por outra metodologia. LIMITAÇÕES DO PROCESSO É importante respeitar a quantidade mínima de fezes utilizadas para a prova, pois uma quantidade inferior pode levar a resultados falso-negativos. Amostras colhidas depois de uma semana do aparecimento dos primeiros sintomas podem levar a resultados negativos. O teste é qualitativo e não deve ser feita nenhuma interpretação quantitativa do resultado em relação à intensidade de aglutinação.

2 DESEMPENHO DO PRODUTO CONTROLE DE QUALIDADE Sensibilidade Em 200 amostras verdadeiramente positivas, não foi encontrado nenhum resultado falso negativo. Especificidade Em 95 amostras verdadeiramente negativas, foi encontrado um resultado falso positivo. SIGNIFICADO DIAGNÓSTICO O rotavírus é a principal causa de gastroenterite aguda, principalmente em crianças menores que 2 anos. Sua transmissão se dá por via oral-fecal, sendo o período de incubação entre 1 e 3 dias. Sintomas característicos são vômitos, diarréia aquosa entre 3 e 8 dias, febre e dor abdominal. O método é indicado para teste de triagem. O diagnóstico final não deve ser baseado somente no resultado laboratorial. Deve-se correlacionar o resultado com sinais e sintomas clínicos do paciente. CONTROLE INTERNO DE QUALIDADE O Laboratório Clínico deve possuir um programa interno de controle da qualidade, onde procedimentos, normas, limites e tolerância para variações sejam claramente estabelecidos. É importante ressaltar que todos os sistemas de medição apresentam uma variabilidade analítica característica, que deve ser monitorada pelos próprios laboratórios. Para tanto, é recomendável a utilização de controles, que permitem avaliar a precisão e a exatidão das dosagens. NÚMERO DE TESTES K075-1: 50 Testes/25 ml de amostra/25 ml de reagente K075-2: 100 Testes/25 ml de amostra/25 ml de reagente REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- F. Bom et al. Prevalence of a group A rotavirus, humans calicivirus, astrovirus, and adenovirus type 40 and 41 infections among children with acute gastroenteritis in Dijon, France Jounal of Cliniccal Microbiology, sept. 1999, p Bodo R. Eing et al. Evalution of two enzyme imunoassays for detection of human rotaviruses in fecal specimens, Journal of Clinical Microbiology, Dec. 2001, p Umesh D. Parashar et al. Global illness and deaths caused by rotavirus disease in children, Emerging Infectious Diseases, vol.9, No.5, May 2003, p GARANTIA DE QUALIDADE Antes de serem liberados para o consumo, todos os reagentes Bioclin são testados pelo Departamento de Controle de Qualidade. A qualidade dos reagentes é assegurada até a data de validade mencionada na embalagem de apresentação, desde que armazenados e transportados nas condições adequadas. DADOS DO FABRICANTE QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 Santa Branca CEP Belo Horizonte MG Brasil Tel.: (31) Fax: (31) CNPJ: / Indústria Brasileira ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Serviço de Assessoria ao Cliente Tel.: Número de registro do Rotavírus na ANVISA: Revisão: Setembro/12 Português 2/2

3 Español 1/2 ROTAVÍRUS K075 INSTRUCCIONES DE USO FINALIDAD Test rápido para la determinación del antígeno viral del grupo Rotavírus baseado en la aglutinación directa de las partículas de látex en lamina. Solamente para uso diagnóstico in vitro. PRINCIPIO DE ACCIÓN Metodología: Aglutinación directa en látex. El método utiliza anticuerpos monoclonales contra el antígeno VP6 del grupo A de Rotavírus conjugados a partículas de látex. Los antígenos presentes en la muestra se uniran especificamente a las partículas de látex sensibilizadas y promoveran aglutinación que puede ser visualizada macroscopicamente. Caso los antígenos virales no estejan presentes en la muestra, no haverá aglutinación. REACTIVOS Reactivo Nº 1 - Látex Reactivo - Almacenar entre 2 y 8ºC. No congelar. Contiene: Suspensión de partículas de látex revestidas con anticuerpos anti rotavírus del grupo A. Reactivo Nº 2 - Control del Látex - Almacenar entre 2 y 8ºC No congelar. Contiene: Suspensión de partículas de látex revestidas con anticuerpos no específicos de conejos. Reactivo Nº 3 - Control Positivo - Almacenar entre 2 y 8ºC. Contiene: Suspensión de antígeno VP6 grupo A de rotavírus inativado. Potencialmente Infectante. Reactivo Nº 4 - Tampón Extractor - Almacenar entre 2 y 8ºC. Reactivo listo para uso. Contiene: Tampón fosfato, ph 7,2. PRESENTACIÓN Reactivo Presentación 1 2 Número 1 1,25 ml 2,5 ml Número 2 1,25 ml 2,5 ml Número 3 0,25 ml 0,5 ml Número ml 2 x 100 ml EQUIPAMIENTOS E INSUMOS OPERACIONALES Lamina, espátulas, pipetas automáticas, reloj o cronometro. Encontranse en el mercado especializado de articulos para Laboratorio de Análisis Clínicos. CONDICIONES DE ALMACENAMIENTO Y TRANSPORTE La temperatura de almacenamiento deberá ser de 2 a 8ºC. El transporte en temperaturas entre 15 y 30ºC no deberá exceder 72 (setenta y dos) horas. No congelar. Mantener al abrigo de la luz y evitar humedad. CUIDADOS ESPECIALES 1- Solamente para uso diagnóstico in vitro. 2- Seguir con rigor la metodología propuesta para obtención de resultados exactos. 3- No congelar los reactivos. 4- Usar sempre reactivos del mismo lote. 5- La lamina utilizada para realización del test debe estar bien limpia, pues trazos de detergente pueden falsear el resultado. 6- El contol positivo fue analizada para detectar anticuerpos Anti-HIV y Anti-HBS, con resutados negativos. Sin embargo, para mayor seguridad, considerar y manusear como potencialmente infeccioso. 7- Las muestras de pacientes (feces) pueden contener agentes infecciosos y deben ser tratados y eliminados como materiales biologicos potencialmente infecciosos. 8- Se recomienda la aplicación de la ley local, estatal y federal de protección ambiental para la eliminación de reactivos y material biológico se hace de acuerdo con la legislación vigente. 9- Para obtener información relacionada con la seguridad biológica o en caso de accidentes con el producto, consultar la FISPQ (Ficha de Informaciones de la Seguridad de Productos Químicos) disponibles en el site o solicitando a través del SAC (Servicio de Asesoría al Cliente) de Quibasa. MUESTRAS Feces - Colectar las muestras fecales tan pronto seja posible después del aparecimiento de los sintomas. Después de una semana el título del vírus impieza a diminuir, dificultando la determinación. Las muestras pueden ser almacenadas entre 2 y 8ºC por un período máximo de 24 horas, antes de ser analizadas. Para una conservación mas prolongada, mantener en temperaturas inferiores a 20ºC negativos sin manipulación prévia. En este caso, la muestra debera ser descongelada totalmente, llevada a temperatura ambiente y homogenizada antes de la analisis. DESCRIPCIÓN DEL PROCESO PREPARACIÓN DE LA MUESTRA Antes de iniciar la rutina, colocar todos los componentes del kit y muestras en temperatura ambiente, pués reactivos y muestras frias pueden reducir la funcionabilidad del test. Colocar 2 ml del Reactivo Nº 4 (Tampón Extractor) en uno tubo de centrífuga; Acrescentar cerca de 0,2 g (0,2 ml) de la muestra (feces); Homogenizar bien; Dejar en reposo por 10 minutos entre 15 y 30ºC; Centrifugar por 10 minutos a 1000 rpm; Hacer el test con el sobrenadante. TÉCNICA Pipetear 25 ml del sobrenadante en dos círculos de la lamina; Adicionar 25 ml del Reactivo Nº 1 (Latex Reactivo previamente homogenizado) en el primero círculo de la lamina; Adicionar 25 ml del Reactivo Nº 2 (Control del Latex - previamente homogenizado) en el segundo círculo de la lamina; Homogenizar con el auxilio de una espátula utilizando toda la extensión de cada círculo de la lamina con movimentos circulares por dos minutos. Efectuar la lectura con la luz artificial, utilizando un fundo escuro para facilitar la interpretación del test. Colocar 25 ml del Reactivo Nº 3 (Control Positivo) en un círculo da lamina y adicionar una gota del reactivo Nº 1 (Látex Reactivo - previamente homogenizado). Homogenizar con auxilio de una espátula utilizando toda la extensión de cada círculo de la lamina con movimientos circulares por dos minutos. Efectuar la lectura com a luz artificial, utilizando un fundo escuro para facilitar la interpretación del test. El Reactivo Nº 3 (Control Positivo) es utilizado para avaliar la performance de la reacción. Debe ser utilizado a cada rodada de nuevos tests. Sempre ocorrerá nítida aglutinación macroscópica. RESULTADOS Positivo: Nítida aglutinación macroscópica, que puede variar desde la formación de grumos grosseros hasta grumos finos. Negativo: Ausencia de aglutinación (suspensión homogénea). La aglutinación del círculo que contiene el Control del Látex (reactivo Nº2) indica la presencia de aglutininas no especificas en la muestra. Quando esto ocure, el resultado del test no puede ser avaliado. Se el resultado no puede ser interpretado como positivo o negativo (reacción duvidosa), la muestra debe ser analizada por otra metodología. LIMITACIONES DEL PROCESO Es importante respectar la cantidad mínima de feces utilizadas para la prueba, pués una cantidad inferior puede llevar a resultados falso-negativos.

4 Después de una semana del aparecimiento de los primeros sintomas, las muestras pueden presentar resultados negativos. El test es cualitativo y una interpretación cuantitativa del resultado no debe ser hecha en relación a la intensidad de aglutinación. DESEMPEÑO DEL PRODUCTO CONTROL DE CALIDAD Sensibilidad En 200 muestras verdaderamente positivas, no fueran encontrados resultados falso negativos. Especificidad En 95 muestras verdaderamente negativas, fue encontrado un resultado falso positivo. SIGNIFICADO DIAGNÓSTICO El rotavírus es la principal causa de gastroenterite aguda, principalmente en niños menores de 2 anos. Su transmisión se da por via oral-fecal, sendo el periodo de incubación entre 1 y 3 días. Sintomas característicos son vomitos, diarréia aquosa entre 3 y 8 días, fiebre y dolor abdominal. El método es indicado para test de elección. El diagnóstico final no debe ser baseado solamente en el resultado laboratorial; debese correlacionar el resultado con sinales y sintomas clínicos del paciente. CONTROL INTERNO DE CALIDAD El Laboratorio Clínico debe poseer un programa interno de control de calidad, donde procedimientos, normas, límites y tolerancia para variaciones sean claramente establecidos. Es importante resaltar que todos los sistemas de medición presentan una variabilidad analítica característica, que debe ser vigilada por los propios laboratorios. Por lo tanto, es recomendable la utilización de controles, que permiten la evaluación, la precisión y la exactitud de las dosificaciones. NÚMERO DE PRUEBAS K075-1: 50 Pruebas/25 ml de muestra/25 ml de reactivo K075-2: 100 Pruebas/25 ml de muestra/25 ml de reactivo REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- F. Bom et al. Prevalence of a group A rotavirus, humans calicivirus, astrovirus, and adenovirus type 40 and 41 infections among children with acute gastroenteritis in Dijon, France Jounal of Clinical Microbiology, sept. 1999, p Bodo R. Eing et al. Evalution of two enzyme imunoassays for detection of human rotaviruses in fecal specimens, Journal of Clinical Microbiology, Dec. 2001, p Umesh D. Parashar et al. Global illness and deaths caused by rotavirus disease in children, Emerging Infectious Diseases, vol.9, No.5, May 2003, p GARANTÍA DE CALIDAD Antes de ser liberados para el consumo, todos los reactivos Bioclin son probados por el Departamento de Control de Calidad. La calidad de los reactivos es asegurada hasta la fecha de validad mencionada en la caja de presentación, si son almacenados y transportados en condiciones adecuadas. DATOS DEL FABRICANTE QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 - Santa Branca CEP Belo Horizonte - MG - Brasil Tel.: +55 (31) Fax: +55 (31) CNPJ: / Indústria Brasileña ATENDIMIENTO AL CONSUMIDOR Servicio de Asesoría al Cliente Tel.: Número de registro del kit Rotavírus en la ANVISA: Revisión: Septiembre/12 Español 2/2

5 English 1/2 ROTAVIRUS K075 USAGE INSTRUCTIONS FUNCTION Rapid test for determination of viral antigen from Rotavirus group, based on direct agglutination of latex particles in slide. Only for in vitro diagnostic use. PRINCIPLE OF ACTION Method: Direct latex agglutination. The method uses monoclonal antibodies against the antigen VP6 of group A rotavirus-conjugated latex particles. The antigens present in the sample will unite specifically to the sensitized latex particles and promote agglutination, which can be viewed macroscopically. If the viral antigens are not in the sample, there will be no agglutination. REAGENTS Reagent Nº 1 - Latex Reactive - Store between 2 and 8ºC. Do not freeze. Contains: Suspension of latex particles coated with antibodies anti-rotavirus group A. Reagent Nº 2 - Latex Control - Store between 2 and 8ºC. Do not freeze. Contains: Suspension of latex particles coated with rabbit nonspecific antibodies. Reagent Nº 3 - Positive Control - Store between 2 and 8ºC. Contains: Suspension of antigen VP6 of group A rotavirus inactivated. Potentially infective. Reagent Nº 4 - Extractor Buffer - Store between 2 and 8ºC. Reagent ready for use. Contains: Phosphate buffer, ph 7,2. PRESENTATION Reagent Presentation 1 2 Number 1 1,25 ml 2,5 ml Number 2 1,25 ml 2,5 ml Number 3 0,25 ml 0,5 ml Number ml 2 x 100 ml EQUIPMENTS AND OPERATIONAL INPUTS Slides, spatulas, automatic pipettes, watch or stopwatch. Can be found in markets of specialized Articles for Clinical Laboratories. TRANSPORTATION AND STORAGE CONDITIONS The storage temperature should be between 2 to 8ºC. The transport at temperatures between 15 and 30ºC should not exceed 72 (seventy two) hours. Do not freeze. Protect from light and avoid moisture. SPECIAL CARE 1- For in vitro diagnostic only. 2- Strictly follow the methodology proposed to obtain exact results. 3- Do not freeze reagents. 4- Always use reagents from the same lot. 5- Slides used to perform the test must be well clean, since the presence of traces of detergent may jeopardize results. 6- The positive control was analyzed to detect Anti HIV antibodies and anti HBs, with negative results. However, for greater security, consider and handle as potentially hazardous. 7- Patient samples (feces) may contain infectious agents and should be treated and disposed of as potentially infectious biological materials. 8- We recommend applying the local, state and federal rules for environmental protection, so that disposal of reagents and biological material can be made in accordance with current legislation. 9- To obtain information related to biosafety or in case of accidents with the product, consult the MSDS (Material Safety Data Sheet) available on the website or upon request by the SAC (Advisory Service Customer) of Quibasa. SAMPLES Feces - Scoop the fecal samples as soon as possible after the onset of symptoms. After one week, the title the virus begins to decrease, making the determination. The Samples can be stored between 2 and 8ºC for a maximum of 24 hours before being analyzed. For longer storage, keep in temperatures below - 20ºC before handling it. In this case, the sample should be thawed completely, brought to room temperature and homogenized before analysis. PROCESS DESCRIPTION SAMPLE PREPARATION Before starting the routine, place all components from the kit and the samples at room temperature, as reactive and cold samples can affect test performance. Place 2 ml of Reagent Nº 4 (Extractor Buffer) in a centrifuge tube; Add about 0,2 g (0,2 ml) of the sample (feces); Mix well; Let it stand for 10 minutes between 15 and 30ºC; Centrifuge for 10 minutes at 1000 rpm; Perform the test using supernatant. TECHNIQUE Pipette 25 ml of supernatant in two circles of the slide; Add 25 ml of Reagent Nº 1 (Latex Reactive - previously homogenized) in the first circle of the slide; Add 25 ml of Reagent Nº 2 (Latex Control - previously homogenized) in the second circle of the slide; Mix with the aid of a spatula using the entire length of each circle from the blade using circular motions for two minutes. Perform the reading with artificial light using a dark background to facilitate test interpretation. Place 25 ml of Reagent Nº 3 (Positive Control) to a circle of the slide and add a drop of Reagent Nº 1 (Latex Reactive - previously homogenized). Mix with the aid of a spatula using the entire length of each circle from the slide using circular motions for two minutes. Perform readings with artificial light using a dark background to facilitate test interpretation. Reagent Nº 3 (Positive Control) is used to evaluate performance of the reaction. It should be used at every round of new tests. Clear macroscopic agglutination will always occur. RESULTS Positive: Clear macroscopic agglutination, which can vary since the formation of coarse lumps to fines. Negative: No agglutination (homogeneous suspension). The agglutination of the circle that contains the Latex Control (Reagent Nº 2) indicates the presence of agglutinins is not specific in the sample. When this occurs, the result of test can not be assessed. If the result can not be interpreted as positive or negative reaction (doubtful), the sample should be analyzed by another method. PROCEDURE LIMITATIONS It is important to respect the minimum amount of feces used for the test, because a smaller quantity can lead to false-negative results. Samples collected after a week of the onset the first symptoms can lead to negative results. The test is qualitative and should not be any quantitative interpretation of the result for intensity of agglutination PRODUCT PERFORMANCE QUALITY CONTROL Sensitivity True positive in 200 samples, found no false negative result. Specificity True negative in 95 samples, found a false positive result. SIGNIFICANCE DIAGNOSTIC Rotavirus is the leading cause of acute gastroenteritis, especially in children younger than 2 years. His transmission is by fecal-oral route, and the period of incubation from 1 to 3 days. Characteristic symptoms are vomiting, watery diarrhea 3 to 8 days, fever and pain abdominal.

6 The method is suitable for a screening test. Diagnosis end should not be based solely on laboratory data. You should correlate the result with signs and patient s clinical symptoms. English 2/2 INTERNAL QUALITY CONTROL The Clinical Laboratory must have an internal quality control, where all procedures, rules, limits and tolerance to variations be clearly established. It is important to mention that all measurement systems present a analytical variety, and it must be monitor by the laboratory. Therefore, it is recommendable the use of controls, allowing the precision and accuracy of the dosages. NUMBER OF TESTS K075-1: 50 tests/25 ml of sample/25 ml of reagent. K075-2: 100 tests/25 ml of sample/25 ml of reagent. BIBLIOGRAPHIC REFERENCES 1- F. Bom et al. Prevalence of a group A rotavirus, humans calicivirus, astrovirus, and adenovirus type 40 and 41 infections among children with acute gastroenteritis in Dijon, France Jounal of Cliniccal Microbiology, sept. 1999, p Bodo R. Eing et al. Evalution of two enzyme imunoassays for detection of human rotaviruses in fecal specimens, Journal of Clinical Microbiology, Dec. 2001, p Umesh D. Parashar et al. Global illness and deaths caused by rotavirus disease in children, Emerging Infectious Diseases, vol.9, Nº5, May 2003, p QUALITY ASSURANCE Before being released for consumption, all Bioclin reagents are tested by the Department of Quality Control. The quality of reagents is assured until expiration date stated on the presentation packaging, when stored and transported under appropriate conditions. MANUFACTURER S DATA QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 - Santa Branca CEP Belo Horizonte - MG - Brasil Phone: +55 (31) Fax: +55 (31) CNPJ: / Made in Brazil CUSTOMER SERVICE Customer Advisory Service Phone: ANVISA registration for Rotavirus Kit: Review: September/12

EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO

EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante para testes em hematologia. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O EDTA (Ácido Etilenodiamino Tetra - Acético)

Leia mais

ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO

ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste rápido para determinação do antígeno viral do grupo Rotavírus, baseado na aglutinação direta das partículas de látex. Somente para uso diagnóstico

Leia mais

SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução detergente para a limpeza de cubetas de fluxo contínuo de analisadores bioquímicos semi-automáticos.

Leia mais

SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução para a limpeza de aparelhos bioquímicos automáticos. Indicado para: Aparelhos bioquímicos automáticos. Aplicação: A

Leia mais

CALIBRADOR HbA1c K092 INSTRUÇÕES DE USO

CALIBRADOR HbA1c K092 INSTRUÇÕES DE USO Português / CALIBRADOR HbAc K09 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Reagente utilizado para monitorar a exatidão e precisão para a determinação quantitativa de hemoglobina Ac (HbAc) em metodologias automatizadas

Leia mais

VDRL PRONTO PARA USO K045 INSTRUÇÕES DE USO

VDRL PRONTO PARA USO K045 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 VDRL PRONTO PARA USO K045 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método de triagem para detecção de reaginas da sífilis. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Reação

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução para a limpeza de aparelhos bioquímicos automáticos. Indicado para: Aparelhos bioquímicos automáticos. Aplicação: A limpeza atua removendo

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO

FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante inibidora da glicólise. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O anticoagulante Fluoreto é formado por

Leia mais

Kit Tecsystem for MVW-01. Kit Tecsystem para MVW-01. Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide

Kit Tecsystem for MVW-01. Kit Tecsystem para MVW-01. Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide Kit Tecsystem for MVW0 Kit Tecsystem para MVW0 Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide Kit Tecsystem Guía de Instalación, Configuración y Operación Kit Tecsystem Guia de Instalação,

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO

CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante para testes de coagulação. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O Citrato é utilizado para estudos da

Leia mais

Memory Module MMF-02. Modulo de Memoria MMF-02. Módulo de Memória MMF-02 CFW70X

Memory Module MMF-02. Modulo de Memoria MMF-02. Módulo de Memória MMF-02 CFW70X Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Memory Module MMF-02 Modulo de Memoria MMF-02 Módulo de Memória MMF-02 CFW70X Installation, Configuration and Operation Guide Guía de Instalación,

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR MINIKIT 20-500 mg/l Na 2 L414350 EN PT ES Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR EN Introduction The Sulfite High Range MINIKIT provides a simple means of checking sulfite levels in water over the range 20-500

Leia mais

SRW 01-HMI. Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação. English / Español / Português

SRW 01-HMI. Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação. English / Español / Português Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota SRW 01-HMI Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação English / Español / Português

Leia mais

POLYPLAY MASTER INSTRUÇÕES DE MONTAGEM INSTRUCCIONES DE MONTAJE/ASSEMBLE INSTRUCTION. Ref.: 0957.7

POLYPLAY MASTER INSTRUÇÕES DE MONTAGEM INSTRUCCIONES DE MONTAJE/ASSEMBLE INSTRUCTION. Ref.: 0957.7 Com a adição de mais Polyplays ao seu, ele pode tomar a forma que você quiser. Conheça todos os modelos de Polyplays: Super, Master e Mega. Depois disso, sua imaginação é que dita as regras. Super Master

Leia mais

Estabilidade das amostras Sangue Total: 1 semana entre 2 e 8ºC. Hemolisado: 10 horas entre 15 e 25ºC ou 10 dias entre 2 e 8ºC.

Estabilidade das amostras Sangue Total: 1 semana entre 2 e 8ºC. Hemolisado: 10 horas entre 15 e 25ºC ou 10 dias entre 2 e 8ºC. Português 1/2 HbA1c BIRREAGENTE K162 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa da Hemoglobina A1c em sangue total em sistemas fotométricos. Somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

PADRÃO HEMOGLOBINA K029 INSTRUÇÕES DE USO

PADRÃO HEMOGLOBINA K029 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 PADRÃO HEMOGLOBINA K029 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Reagente para a padronização da dosagem da Hemoglobina, somente para uso diagnóstico in vitro. REAGENTE Número 1 - Padrão - Conservar

Leia mais

DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO

DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste imunocromatográfico rápido de triagem para determinação qualitativa de antígeno NS1 para o vírus da Dengue em amostras de sangue total,

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

O sal não é todo igual Salt is not all equal

O sal não é todo igual Salt is not all equal O sal não é todo igual Salt is not all equal Flor de Sal A Flor de Sal é composta por cristais leves e frágeis, em forma de palheta, que se formam na superfície das pequenas salinas, criando uma fina película

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

TOD11707009-Manual_Proprietario_148x210_c.indd 1 05/10/2012 10:09:43

TOD11707009-Manual_Proprietario_148x210_c.indd 1 05/10/2012 10:09:43 TOD11707009-Manual_Proprietario_148x210_c.indd 1 05/10/2012 10:09:43 2 MANUAL DO PROPRIETÁRIO TODESCHINI Agradecemos a sua escolha pelos produtos Todeschini. Para aumentar a vida útil de seu mobiliário,

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

Motor PTC Kit. Kit PTC del Motor. Kit PTC do Motor SSW-07 / SSW-08

Motor PTC Kit. Kit PTC del Motor. Kit PTC do Motor SSW-07 / SSW-08 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Motor PTC Kit Kit PTC del Motor Kit PTC do Motor SSW-07 / SSW-08 Installation, Configuration and Operation Guide Guía de Instalación, Configuración

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

CÁLCULO RENAL K008 INSTRUÇÕES DE USO

CÁLCULO RENAL K008 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CÁLCULO RENAL K008 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação dos componentes usuais de Cálculo Renal. Teste somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

SOLDA LONGITUDINAL DE TUBO

SOLDA LONGITUDINAL DE TUBO SOLDA LONGITUDINAL DE TUBO AQUECIMENTO INDUTIVO Utilizando Equipamentos de Alta Frequência Politron para Solda Longitudinal de Tubos Equipos de Alta Frecuencia Politron para Soldadura Longitudinal

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO CONTROLE INTERNO PARA HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO Lote Validade HHI 242 (Hemato III) 15 de Outubro de 2008 Volume 2,0 ml Temperatura 2 a 8 C (não congelar) ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua

Leia mais

Especificações terra. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A.

Especificações terra. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Mobile Pull (320x50px) Última atualização: 13/11/2014 Especificação do formato Formato veiculado por um banner 320x50 (na parte superior da tela) que após interação do usuário verticalmente puxa uma tela

Leia mais

HbA1c K091 INSTRUÇÕES DE USO

HbA1c K091 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 HbA1c K091 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa da Hemoglobina A1c em sangue total em sistemas fotométricos. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

DENGUE BIO K105 INSTRUÇÕES DE USO

DENGUE BIO K105 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 DENGUE BIO K105 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste imunocromatográfico rápido para determinação qualitativa de anticorpos e IgG para o vírus da Dengue em amostras de sangue total, soro ou

Leia mais

ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK

ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO Achocolatado em Pó Chocolate Powder Drink El achocolatado

Leia mais

Especificaciones terra

Especificaciones terra Vídeo Anúncio pre-roll + Skin Última atualização 25/03/2015 Especificação do formato pre-roll Vídeo-anúncio que será oferecido com o Background Player (Skin) de forma sincronizada ou não com o fundo do

Leia mais

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença.

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença. Vasos de Pressão Vasos de Presión Criando soluções que fazem a diferença. 3 Utilização Utilización Os vasos de pressão Mebrafe respeitam rigorosamente as normas de projeto e fabricação estabelecidas em

Leia mais

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO Home Collection COLEÇÃO 2015/2016 A nova coleção 2015/2016 de tecidos para decoração traz referências para instigar transformação. Esta renovação também está presente nos bons momentos de decorar e reformular

Leia mais

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Amarilys de Toledo Cesar 1 ; Virgínia Tereza Cegalla 2 Resumo Os medicamentos homeopáticos são manipulados em farmácias, que precisam de matérias primas,

Leia mais

HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica. Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América

HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica. Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América Distribuição de freqüência de títulos sorológicos de duas populações

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

Guia de Instalação Rápida TFM-560X H/W : YO

Guia de Instalação Rápida TFM-560X H/W : YO Guia de Instalação Rápida TFM-560X H/W : YO Table Índice of Contents... 1. Antes de Iniciar... 2. Como instalar... 1 1 2 Troubleshooting... 7 Version 08.04.2008 1. Antes de Iniciar Conteúdo da Embalagem

Leia mais

BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO

BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação qualitativa e semi-quantitativa da Anti-Estreptolisina O mediante aglutinação de partículas de látex, sem diluição

Leia mais

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa da Microalbumina na urina humana por análise de turbidimetria, somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO

CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Capacidade Ligadora de Ferro Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro PRINCÍPIO

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades

PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades Imagem Ilustrativa Catálogo técnico PowerVIEW Revisão: 1.0 Jan. 2013 PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades Introdução Software para gerenciamento, controle e análise de consumo

Leia mais

BIOLISA ANTI HBs K 121 INSTRUÇÕES DE USO

BIOLISA ANTI HBs K 121 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BIOLISA ANTI HBs K 121 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste para a detecção quantitativa de anticorpos anti antígeno de superfície de vírus da Hepatite B em soro ou plasma humano, por enzimaimunoensaio,

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Ensaios de Monitoramento da Qualidade de Medicamentos

Ensaios de Monitoramento da Qualidade de Medicamentos Ensaios de Monitoramento da Qualidade de Medicamentos Sérgio Fernando de Oliveira Gomes Laboratório de ensaios farmacêuticos Introdução O controle de qualidade de preparações magistrais é normatizado pela

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

Objetivo da Consulta: Amparo Legal para adoção de Cláusula Restritiva de Utilização para aeronaves BRADESCO SEGUROS

Objetivo da Consulta: Amparo Legal para adoção de Cláusula Restritiva de Utilização para aeronaves BRADESCO SEGUROS BRADESCO SEGUROS utilização menos CANAL gravosa DE dentre DISTRIBUCIÓN aquelas previstas na ANAC CAJEROS CARRESPONSALES Sesiones de Aprendizaje Sobre Microseguros Lima, 6/jul/2015 El Objetivo corresponsale

Leia mais

BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Reagente para calibração da Bilirrubina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O Padrão utilizado

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO. Instalação do Rasther PC. Habilitação das Montadoras

PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO. Instalação do Rasther PC. Habilitação das Montadoras Guia Rápido Rasther PC PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO Antes de iniciar o uso do Rasther, será necessário instalar o programa Rasther PC, habilitar as montadoras adquiridas juntamente

Leia mais

PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ASSOCIAÇÃO ARTÍSTICA E CULTURAL ATUALIZA CITOLOGIA CLÍNICA JOSUÉ GONCALVES LINS SANTOS PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SALVADOR 2011 JOSUÉ GONCALVES LINS SANTOS

Leia mais

SANGUE OCULTO K129 INSTRUÇÕES DE USO

SANGUE OCULTO K129 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SANGUE OCULTO K129 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método imunocromatográfico qualitativo para determinação rápida de Sangue Oculto nas fezes. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

USB Communication Kit Kit de Comunicación USB Kit de Comunicação USB SSW-06

USB Communication Kit Kit de Comunicación USB Kit de Comunicação USB SSW-06 Motors Energy Automation Coatings USB Communication Kit Kit de Comunicación USB Kit de Comunicação USB SSW-06 Installation Guide Guia de Instalación Guia de Instalação English / Español / Português Summary

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

International Conference on Rare Diseases and Orphan Drugs (ICORD) ANTONIO CARLOS DA COSTA BEZERRA May 20-22

International Conference on Rare Diseases and Orphan Drugs (ICORD) ANTONIO CARLOS DA COSTA BEZERRA May 20-22 International Conference on Rare Diseases and Orphan Drugs (ICORD) General Office of Drugs/ANVISA ANTONIO CARLOS DA COSTA BEZERRA May 20-22 22 GGMED Technical Assistance ANVISA S S MANDATE To protect and

Leia mais

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos.

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos. sociedades científicas de anestesia. Adoptado e Recomendado pelas mais importantes Sociedades de Anestesiologia. European Patent N. EP2256045 Cartucho Dispensador Modular Seguro para un conveniente y efectivo

Leia mais

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues Isolamento Viral em Cultivo Celular Adriana Candido Rodrigues Vírus: Parasitas intracelulares obrigatórios Célula viva para replicação Sistemas Celulares Animais de Laboratório Ovos Embrionados Cultura

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

DENGUE IgG/IgM. Imuno-Rápido. WAMA Diagnóstica. CÓD. 626025-R: 25 determinações. 40 determinações

DENGUE IgG/IgM. Imuno-Rápido. WAMA Diagnóstica. CÓD. 626025-R: 25 determinações. 40 determinações MS 10310030096 Imuno-Rápido DENGUE IgG/IgM CÓD. 626010-R: 10 determinações CÓD. 626020-R: 20 determinações CÓD. 626025-R: 25 determinações CÓD. 626040-R: 40 determinações WAMA Diagnóstica Rua Aldo Germano

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

RS-485 Communication Kit Kit de Comunicación RS-485 Kit de Comunicação RS-485 SSW-06. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação

RS-485 Communication Kit Kit de Comunicación RS-485 Kit de Comunicação RS-485 SSW-06. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação Motors Energy Automation Coatings RS-485 Communication Kit Kit de Comunicación RS-485 Kit de Comunicação RS-485 SSW-06 Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação English / Español / Português

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Águas de Restos de Concretos Reciclagem Notas de aula Prof. Eduardo C. S. Thomaz Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Exemplo: Firma Sohnt / USA - Concrete Reclaimer Conjunto do Sistema

Leia mais

Smart Relay Relé Inteligente SRW 01-UMCT

Smart Relay Relé Inteligente SRW 01-UMCT Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Smart Relay Relé Inteligente SRW 01-UMCT Installation, Configuration and Operation Guide Guía de Instalación, Configuración y Operación Guia

Leia mais

Informação. Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER

Informação. Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER Informação Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER Ensacadeira HAVER para Big Bag tipo - GWH Ensacador HAVER para Big Bag tipo - GWH A Ensacadeira HAVER para Big Bag tipo

Leia mais

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática Controle de 2 0 0 7. 1 Qualidade Fundamentos, Aplicação e Prática 1 2 3 4 5 6 7 8 Controle de Qualidade prática O Ensaio de Proficiência (controle externo) e o Controle Interno são ferramentas eficazes

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

Gama Minerval. Techos económicos con elevadas prestaciones

Gama Minerval. Techos económicos con elevadas prestaciones Gama Minerval Techos económicos con elevadas prestaciones Minerval Velo decorativo blanco Panel de lana de roca de 12 mm ó 15 mm Velo de vidrio natural en la cara oculta los + Absorción acústica a w =

Leia mais

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space 1 Próximas Actividades Next Activities Visualiza as próximas actividades a ter inicio, com a indicação do tempo restante Displays upcoming activities and indicating the remaining time 2 Categorias Categories

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO

SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Determinação qualitativa do Silicato dissolvido em amostra de água, através de reação colorimétrica. Aplicação manual. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user.

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user. Órgão: Ministry of Science, Technology and Innovation Documento: Flow and interaction between users of the system for submitting files to the periodicals RJO - Brazilian Journal of Ornithology Responsável:

Leia mais

CMV PCR. Instrução de uso Instrucciones de uso Usage instructions K168

CMV PCR. Instrução de uso Instrucciones de uso Usage instructions K168 Instrução de uso Instrucciones de uso Usage instructions K168 Revisão: Maio/2015 ÍNDICE Finalidade... 3 Princípio de Ação... 3 Apresentação... 3 Reagentes... 4 Equipamentos e Insumos Operacionais...4 Condições

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais