Desenvolvimento de produto Novo: Projeto de implementação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de produto Novo: Projeto de implementação"

Transcrição

1 MESTRADO EM GESTÃO TRABALHO FINAL DE MESTRADO PROJECTO Desenvolvimento de produto Novo: Projeto de implementação Rodrigo Ferreira Neves Lisboa, 2013

2 MESTRADO EM GESTÃO TRABALHO FINAL DE MESTRADO PROJECTO Desenvolvimento de produto Novo: Projeto de implementação Por: Rodrigo Ferreira Neves Orientador: PROF. DOUTOR JOSÉ MANUEL CRISTOVÃO VERÍSSIMO Júri: Presidente: PROF. DOUTORA SOFIA MARGARIDA MORAIS LOURENÇO; Vogais: PROF. DOUTOR MANUEL DUARTE MENDES MONTEIRO LARANJA Lisboa, 2013

3 Resumo Realizou-se um projeto de implementação de produto novo em contexto real numa empresa de segurança privada, aplicando um modelo de desenvolvimento de produto novo adaptado da investigação de Booz, Allen & Hamilton. O objetivo foi o de efetuar a aplicação de um modelo teórico e analisar os seus benefícios e limitações no terreno no contexto de uma empresa que opera na área dos sistemas eletrónicos de segurança com serviço de ligação a uma central recetora de alarmes. O estudo realizou-se na modalidade de projeto e acompanhou todo o processo desde a Geração de ideias à Comercialização do novo produto: uma nova central de alarme de intrusão e um novo modelo de comercialização. O trabalho foi realizado tendo por base a investigação bibliográfica para enquadramento do tema e desenvolvimento do modelo conceptual sobre o qual se desenvolveria o projeto, que decorreu ao longo de 8 meses, de Fevereiro a Setembro de Palavras-chave: Desenvolvimento de Produto Novo, Projeto de implementação, Inovação, Segurança Privada, alarme de intrusão. 1

4 Abstract A new product implementation project was conducted in a private security company, under the new product development model created by Booz, Allen & Hamilton. The model was adapted e applied in a real life context. The goal was to apply a theoretical model and to verify its benefits and limitations in the field, in the context of a company working in the electronic security systems connected to a central alarm monitoring station area. The study was conducted as a project, accompanying the entire process from Idea Generation to Commercialization of the new product: a new intrusion alarm system and a new sales model. The work was conducted considering the review of significant literature in order to better frame the subject and to develop the conceptual model in which this project was developed. The new product development project was put into effect over a course of 8 months, from February to September Key words: New Product Development, Implementation Project, Innovation, Private security, Intrusion alarm. 2

5 Índice CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Introdução Motivação... 7 CAPÍTULO 2. REVISÃO DA LITERATURA Desenvolvimento de Produto novo Processos de Desenvolvimento de Produto novo Modelo de Booz, Allen & Hamilton Modelo Stage-Gate Considerações sobre modelos de desenvolvimento de produto novo Modelo de desenvolvimento de serviços de Mello (2005) CAPITULO 3.QUESTÕES DE PESQUISA E METODOLOGIA Questão de Pesquisa Metodologia Contexto de Mercado da empresa PAX CAPÍTULO 4. PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUTO NOVO Identificação da necessidade de desenvolvimento de produto Etapa 1 - Estratégia de produto novo Etapa 2 Geração de ideias Etapa 3 Filtragem de ideias Etapa 4 Testes Etapa 5 - Análise de negócio Preparação da proposta de produto novo Avaliação da proposta de introdução de produto novo Reunião de avaliação da proposta Etapa 6 - Desenvolvimento Processo de Implementação Análise aprofundada das áreas afectadas pelo lançamento do novo produto Elaboração do projecto de implementação de produto novo Criação do comité de implementação Nomeação dos elementos do comité Definição do Team Leader Discussão alargada do projecto e passagem à implementação

6 Apresentação e discussão das tarefas a realizar Acompanhamento do projecto Etapa 7 Testes operacionais Etapa 8 Comercialização Lançamento Lançamento interno Lançamento para o público CAPÍTULO 5. CONCLUSÃO Resumo Contribuição teórica Contribuição para a gestão Limitações e Indicações para trabalhos futuros Referências bibliográficas Anexos

7 Índice de Figuras e Tabelas Figura 1- Processo de desenvolvimento de produto novo de Booz, Allen e Hamilton, Adaptado de New Product Managment for the 1980 s... Error! Bookmark not defined. Figura 2 - Modelo Stage-Gate. Cooper, Figura 4 - Modelo para projeto e desenvolvimento de serviços, Mello, Figura 5 - Modelo BAH adaptado à empresa PAX Tabela 1 - Esqueleto básico das tarefas associadas com o desenvolvimento de produto novo. Cooper & Kleinshmidt,

8 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Introdução O universo empresarial globalizado do séc. XXI apresenta-se como um espaço muito dinâmico. Fenómenos como a Internet, o avanço tecnológico, a facilitada circulação de capital têm contribuído para encurtar distâncias e reduzir custos, e o consumidor tem saído claramente beneficiado desta equação. A nova realidade apresenta-se no entanto como um desafio complexo para as empresas. Para garantirem sucesso, ou até a sua sobrevivência, as empresas têm hoje de garantir uma incessante busca por vantagens competitivas e diferenciação das suas pares, e esta batalha é travada no campo da inovação, particularmente no desenvolvimento de novos produtos. A concorrência pode hoje em dia vir de qualquer parte do globo, sendo que os espaços de mercado ocupados estão hoje permanentemente sobre ataque por outros concorrentes no jogo de mercado. Esta realidade afecta a forma como as áreas de inovação e desenvolvimento de produto novo têm de ser encaradas. O novo ritmo de introdução de novos produtos nas empresas tornou necessário que esse processo passasse a ser realizado de forma estruturada, Até pela absoluta necessidade de minimizar o risco associado ao lançamento de novos produtos em toda a organização. No segundo capítulo deste trabalho é apresentada a revisão bibliográfica, onde serão apresentadas 2 propostas de modelo de desenvolvimento de produto novo e ainda uma análise dos temas genéricos associados a esta ação. Será ainda apresentado um modelo de desenvolvimento de serviços novos. O 6

9 terceiro capítulo apresentará a aplicação de um modelo de desenvolvimento de produto no terreno, acompanhando um processo de introdução de produto numa empresa de sistemas eletrónicos de segurança com ligação a uma central recetora de alarmes e prestação de serviços associados. A conclusão do trabalho, no quarto capítulo, apresentará a análise do processo de implementação de acordo com o modelo selecionado, seus benefícios e limitações. No capítulo 5 ainda apresentados os contributos deste trabalho para a teoria e gestão, sendo apresentadas soluções para trabalhos futuros. 1.2 Motivação A inovação e o desenvolvimento de novos produtos são temas de enorme relevância no que concerne à garantia do sucesso e sobrevivência das empresas. As exigências do cliente, variações no mercado e a pressão da concorrência implicam uma pesquisa constante por soluções que acrescentem valor e destaquem a oferta de uma empresa das suas pares. Como será apresentado nas próximas páginas muito tem sido escrito sobre as melhores formas de realizar este desenvolvimento, existindo vários modelos que descrevem o processo e as suas etapas. Mas como será que os modelos teóricos se aplicam no terreno? Este trabalho desenvolverá a aplicação de um modelo de desenvolvimento de produto novo numa empresa de prestação de serviços de segurança e avaliará o seu resultado 7

10 CAPÍTULO 2. REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Desenvolvimento de Produto novo A terminologia produto novo refere-se a um produto ou conceito, totalmente novo para o mercado, ou a um produto novo para a empresa, apesar de produtos semelhantes já existirem no mercado (Panwar, Dhananjay, 2007). No atual mundo globalizado o ritmo de inovações e lançamentos no mercado é muito grande, e produtos concorrentes poderão surgir em qualquer parte do mundo. As classificações gerais para lançamento de novos produtos são: otimização de custos, melhorias de produto, extensões de linha, extensões de mercado, extensões de marca, e produtos novos ao mundo (Panwar, Dhananjay, 2007). 2.2 Processos de Desenvolvimento de Produto novo A introdução de um novo produto no mercado corresponde a um processo complexo que evolui ao longo de um conjunto de etapas. Este tema tem vindo a ser estudado por vários autores, sendo que todos defendem a aplicação de um formato estruturado nas empresas e o cumprimento real das etapas. 8

11 2.2.1 Modelo de Booz, Allen & Hamilton O modelo BAH, desenvolvido por Booz, Allen & Hamilton em 1982 é um dos mais reconhecidos, e apresenta a seguinte sequência: Estratégia de produto novo, geração de ideias, filtragem das ideias, Análise de negócio, Desenvolvimento, testes e finalmente a comercialização (Booz, Allen & Hamilton, 1982). Figura 1 - Processo de desenvolvimento de produto novo de Booz, Allen e Hamilton, Adaptado de New Product Managment for the 1980 s A Estratégia de produto novo é a fase onde são analisadas as missões da empresa e objetivos associados, identificando os papéis que os novos produtos irão desempenhar para o cumprimento destes. Esta fase é importante por criar um referencial para todas as fases do desenvolvimento de produto. Segue-se a Geração de ideias. Nesta fase a organização explora ideias que lhes permitam cumprir com o referencial traçado na fase anterior. Os conceitos gerados são posteriormente sujeitas à Filtragem de ideias, onde se analisam quais serão aquelas que devem ser alvo de maior investigação. O 9

12 Objetivo desta fase é de identificar as ideias de maior potencial. Nesta fase há uma significativa redução de ideias, mas um aumento dos custos associados processo de desenvolvimento do produto. Uma tendência que se irá manter até ao final do processo (Booz, Allen & Hamilton, 1968) A Analise de negócio sujeita os novos conceitos a um escrutínio global para determinar o seu impacto na organização. Planos de negócio identificando os atributos do produto, barreiras à entrada, concorrência atual e potencial, interesse dos mercados alvo, informação sobre as tendências de crescimento do mercado, projeções financeiras, métodos promocionais, entre outras análises são realizadas. Conceitos bem-sucedidos evoluem para a fase de Desenvolvimento. Aqui as ideias são transformadas em produtos reais e no caso de serviços são preparadas as condições na organização para a comercialização do conceito novo. Seguidamente é realizada a sexta etapa: Testes. Os testes pretendem verificar no terreno que o modelo elaborado funciona e que é corretamente interpretado. É uma ótima oportunidade para realizar as adaptações necessárias ao produto para garantir o seu sucesso. Finalmente, garantidas com sucesso a realização de todas as tarefas anteriores o produto entra na fase de Comercialização. Booz, Allen e Hamilton (1982) afirmam que as empresas que apresentam um processo de desenvolvimento de produto novo que passe por estas etapas têm maiores probabilidades de realizar lançamentos de sucesso. 10

13 2.2.2 Modelo Stage-Gate Cooper (2001) por sua vez definiu um modelo de desenvolvimento de produto novo denominado Stage-gate. Este é composto por 5 fases, acompanhadas por 5 portas (gates). Em cada uma das etapas são desenvolvidas um conjunto de tarefas diferentes de forma a colocar o produto no mercado o mais rápido possível. As atividades são realizadas por equipas pluridisciplinares de diferentes áreas da empresa e seguindo as melhores práticas da organização e da Indústria. A particularidade deste modelo são as portas. Estas correspondem às fases em que os decisores da empresa avaliam sobre a continuação do projeto. Estes elementos são intitulados de Gatekeepers e são compostos por equipas de elementos experientes, que avaliam, segundo uma linha de critérios e regras pré-estabelecidas (Cooper, 2001). Figura 2 - Modelo Stage-Gate. Cooper, 2001 O modelo de Cooper sugere a existência de uma política empresarial de pesquisa e desenvolvimento na empresa onde, partindo de trabalho de investigação tecnológica e científica, são identificadas oportunidades e 11

14 desenvolvidos conceitos que poderão resultar num produto novo. A esta fase é atribuída a designação de Geração da ideia (Discovery). Surge então o primeiro portão onde os conceitos são avaliados considerando a estratégia empresarial em vigor, assim como a capacidade para a sua execução, condições do mercado e o valor potencial da oportunidade. São analisadas ainda as potenciais vantagens do produto e sinergias com os restantes produtos e operações da empresa. Uma decisão positiva nesta porta significa o arranque do projeto e a alocação de recursos para a etapa 1: a Definição do âmbito (Scoping). A Definição do âmbito corresponde a uma fase de investigação inicial, elaborada através de estudos de mercado e avaliações técnicas. É seguido pelo segundo portão (gate), onde, com base na informação e análises realizadas é efetuada uma segunda sessão de filtragem e decidido o avanço para a próxima etapa: Avaliação do negócio (Building the Business Case). A avaliação do negócio implica uma investigação detalhada de todo o conceito e o seu impacto no negócio. Envolve estudos de mercado, análises técnicas, e a definição do produto a criar, assim como o projeto para a criação do mesmo. A passagem pelo portão seguinte decidirá sobre a passagem do produto para desenvolvimento, seguindo-se a 3ª etapa Desenvolvimento. Estamos agora na fase de desenvolvimento do produto real. São criados protótipos e realizados testes em laboratório caminhando para que o conceito criado cumpre os requisitos estabelecidos. Nesta etapa deverá ser também 12

15 desenvolvido esforço de marketing e preparadas as atividades de produção. O portão seguinte decide sobre o envio do produto para Testes e validação. A 4ª etapa do processo Stage-gate realiza testes de utilização do produto, avaliando a sua aceitação pelos públicos-alvo, os modelos económicos desenvolvidos, e naturalmente as questões relacionadas com a produção. O sucesso desta etapa dita o resultado da avaliação no 5º Portão, onde é decido o lançamento do produto (Go to Launch). Segue-se a etapa Lançamento. O Lançamento do produto no mercado garante a colocação em vigor dos planos de produção e de marketing. Algum tempo depois do lançamento do produto o projeto deverá ser encerrado e o produto deverá passar a fazer parte do portfólio da empresa. É nesta fase que é importante realizar uma Revisão pós-lançamento para verificar a qualidade da execução do projeto e verificar se os resultados estão de acordo com as previsões realizadas. Aqui é possível avaliar o processo de desenvolvimento de produto novo para identificar pontos de melhoria Considerações sobre modelos de desenvolvimento de produto novo A literatura sobre o desenvolvimento de produto novo cruza de forma natural com a investigação realizada sobre inovação. Existem muitas abordagens e modelos com interpretações semelhantes sobre o processo, no entanto as etapas e tarefas mais importantes são consideradas de forma transversal em toda a bibliografia. 13

16 Cooper e Kleinshmidt (1986) na sua investigação sobre os passos, deficiências e impacto do procedimento de produto novo criaram um esqueleto sobre as atividades globalmente identificadas como importantes no processo de desenvolvimento novo (Tabela 1). Atividade Atividades do processo de novo produto Descrição 1 Análise inicial 2 Análise de mercado preliminar 3 Análise técnica preliminar 4 5 Estudo e análise detalhada do mercado Análise financeira e de negócio Decisão inicial de go/no go onde é decidida a alocação de fundos para a ideia de produto novo proposta Análise de mercado inicial, não científica. Uma rápida avaliação do mercado análise preliminar dos méritos e dificuldades técnicas do projeto Pesquisa de marketing envolvendo um número razoável de inquiridos, um processo formal e um modelo consistente de análise de dados Análise financeira e de negócio que apoiará a decisão final de go / no go do projeto antes da fase de desenvolvimento de produto 6 Desenvolvimento de produto Desenvolvimento real do produto, resultando por exemplo num protótipo ou produto de demonstração 7 Teste interno de produto Testes internos do produto: em laboratório ou em condições controladas (não são elaboradas nesta fase testes no terreno ou com clientes) 8 Testes de produto com o cliente Testes de produto em condições reais do dia a dia, por exemplo testes com clientes e/ou no terreno 9 Teste de mercado / Venda teste 10 Ensaio de produção 11 Análise de negócio précomercialização 12 Início de produção Testes de mercado ou testes de venda do produto - tentando vender o produto mas a um conjunto limitado ou de teste de clientes Ensaio de produção para verificar as capacidades de produção das instalações Análise financeira ou de negócio posterior ao desenvolvimento do produto, mas anterior ao lançamento em grande escala Início da produção de grande escala, ou produção comercial 13 Lançamento no mercado Lançamento do produto em grande escala, ou de base comercial. Lançamento de um conjunto identificável de atividades de marketing especificamente associadas a este produto. Tabela 1 - Esqueleto básico das tarefas associadas com o desenvolvimento de produto novo. Cooper & Kleinshmidt (1986) 14

17 Este quadro permite-nos identificar as tarefas mais importantes no processo. Constatação importante considerando que o processo de introdução de produtos novos varia entre diferentes empresas, sectores e indústrias. Deverá naturalmente ser adaptado a cada empresa específica, considerando os seus recursos, limitações e necessidades (Booz, Allen & Hamilton, 1982). O processo de Desenvolvimento de produto novo deverá ser contínuo, especialmente considerando que muitos dos desenvolvimentos nunca chegam ao mercado, apresentando uma taxa de insucesso de 25% a 45% (Crawford, 1987; Cooper, 2001) Modelo de desenvolvimiento de serviços de Mello (2005) Através da análise comparativa de cinco modelos de desenvolvimento de produto novo e dois modelos de desenvolvimento de serviços Mello (2005) apresentou uma proposta de modelo para desenvolvimento de serviços novos. O seu modelo é constituído por quatro fases. A primeira fase é dedicada à análise e pesquisa das necessidades e expectativas tanto dos clientes como do mercado, no sentido da criação ou otimização de um serviço. Considerando as estratégias competitivas e objetivos da empresa são selecionadas as melhores ideias, o conceito e os pacotes de serviço a serem aplicados. Realiza-se ainda o estudo das necessidades do processo associado à prestação de serviços que se pretende criar. A segunda fase é dedicada à identificação e definição dos mais importantes processos do serviço e às ações necessárias para a sua realização, 15

18 entrega ou manutenção. Considerando as especificidades do serviço definidas na primeira fase é realizada a integração dos processos e ações necessários para a entrega do serviço. São consideradas as questões ambientais e as da relação entre o cliente e os recursos humanos da empresa, no sentido de ser garantido o nível de desempenho desejado. Figura 3 - Modelo para projeto e desenvolvimento de serviços, Mello (2005) Na terceira fase elabora-se o projeto das instalações onde se irá prestar o serviço. Mello (2005) define esta como sendo a parcela tangível do serviço. Procede-se aqui ao desenho das instalações (layout) onde se irá entregar o serviço. É importante considerar os elementos físicos que o cliente irá avaliar na sua perceção da qualidade do serviço, como a localização, a imagem, etc. 16

19 Na última fase do modelo o autor propõe que seja realizada a definição do processo que irá garantir que o novo serviço desenvolvido dê resposta positiva à necessidade identificada. É proposto um sistema para a avaliação do serviço a realizar, com validação através do cliente, e um segundo para recuperação de clientes que vejam goradas as suas expectativas relativamente ao novo serviço, ou que não considerem que o mesmo responde à sua necessidade. Nesta fase é possível ainda rever todas as etapas anteriores de forma a melhorar todo o processo de prestação do novo serviço. CAPITULO 3.QUESTÕES DE PESQUISA E METODOLOGIA 3.1 Questão de Pesquisa Vários modelos de desenvolvimento de produto novo têm vindo a ser criados, sendo que os mais reconhecidos garantem etapas semelhantes, sendo apenas acrescentadas questões de processo. É ainda referido por autores como Cooper (2001) a significativa propensão para o insucesso nesta temática. É muito importante identificar um formato eficaz para o desenvolvimento de produtos novos: QP1 Será o modelo BAH apropriado para o desenvolvimento de um produto novo numa empresa de sistemas eletrónicos de segurança? 3.2 Metodologia Este trabalho incidirá sobre o processo de desenvolvimento de produto novo numa empresa do sector de segurança privada português. Foi selecionado o sector da segurança privada na vertente dos sistemas eletrónicos de 17

20 segurança e prestação de serviços, onde foi desenvolvido um produto novo, mais especificamente o lançamento de um novo sistema de alarme associado a um serviço de ligação a uma central recetora. O projeto realizado pretende demonstrar particularmente a fase de Desenvolvimento e o desafio de lançar uma solução no mercado dentro do prazo estabelecido, dentro do orçamento estabelecido, e de acordo com as especificações necessárias. De acordo com Bhuiyan (2011) aquilo que é crítico para o sucesso desta fase é que a passagem de desenvolvimento a lançamento seja tão curta quanto possível e garantir que a solução cumpre os requisitos necessários para a sua aceitação pelo cliente. Segundo esta autora é também importante garantir a vantagem competitiva e as receitas que virão da nova solução tão depressa quanto possível. Empresas que garantem rápidos desenvolvimentos e lançamentos de produto no mercado ganham vantagem competitiva sobre os seus concorrentes: Preços Premium, informação de mercado valiosa, reputação de liderança junto dos consumidores, custos de desenvolvimento mais baixos e aprendizagem acelerada (Cooper, 2001). A adaptação dos modelos supracitados à realidade da empresa em análise e especificidade do seu mercado levou a uma adaptação do modelo de Booz, Allen e Hamilton sendo acrescentada a etapa Testes antes da fase de análise de negócio, sendo aplicada uma nova fase de Testes Operacionais antes de o novo produto passar a Comercialização. O modelo a aplicar será o seguinte: 18

21 Figura 4 - Modelo BAH adaptado à empresa PAX A particularidade do negócio de prestação de serviços de segurança privada com instalação de um dispositivo de alarme e ligação a uma central recetora de alarmes implica que tanto o produto como o processo necessite ser verificado e testado antes de se realizar a análise de negócio. É necessário confirmar que o equipamento poderá funcionar com a infraestrutura da empresa e identificar possíveis necessidades de investimento. Após a realização dos testes, e confirmada a viabilidade técnica e operacional, realiza-se a análise de negócio. Uma decisão positiva quanto ao resultado da análise do negócio dá início ao processo de desenvolvimento/implementação do produto na companhia. O negócio da segurança não admite falhas e como tal, após todo o processo de implementação do novo produto são realizados testes no terreno e corrigidas as imperfeições do processo. Só então é que o novo produto está pronto para entrar na sua última fase: a Comercialização. 19

22 Nas próximas páginas apresentaremos um processo real na empresa PAX. 3.2 Contexto de Mercado da empresa PAX O mercado português de alarmes de segurança estava concentrado nas soluções empresariais até ao lançamento em Portugal da Empresa Pax em Portugal no ano de No ano de 2013 o mercado português de alarmes de segurança ligados a centrais recetoras no segmento residencial e MPME s (micro, pequenas e médias empresas) era dominado por 2 empresas, que em conjunto detinham cerca de 80% de quota de mercado: A PAX e a RED (nomes fictícios). Era notório o crescimento do número de ligações da RED relativamente à PAX, tendo inclusivamente levado a primeira a perder a sua liderança de mercado em 2010, mantendo a tendência de crescimento. A reação da PAX era urgente para garantir o seu percurso de sucesso. A RED caracterizava-se por apresentar um único produto no mercado, acompanhado de um conjunto generoso de elementos opcionais que garantiam que o seu equipamento permitisse ofertas personalizadas no mercado onde operava. O seu alarme utilizava tecnologia rádio para comunicar com os detetores de intrusão, teclados e sensores técnicos de forma a que a sua instalação não implicasse a passagem de cabos no local instalado. As comunicações com a central de segurança eram garantidas através da tecnologia GSM, não necessitando de ser ligado à linha telefónica fixa do cliente. Oferecia ainda 2 serviços importantes: serviço fala-escuta e fotoverificação. Traduzindo permitia que a empresa de segurança recebesse um 20

23 conjunto de 5 fotografias, tiradas pelos seus foto-detetores, e entrasse em comunicação com o local no momento da intrusão, acelerando a reação nos casos em que se confirma um alarme real, despoletando um contacto para a polícia. A PAX diferenciava-se da RED por ter no seu portfólio um conjunto mais vasto de soluções de segurança. Sendo uma empresa com mais anos de presença no mercado, a sua oferta era mais diversa apresentando em diferentes sistemas de alarme e todos os seus equipamentos opcionais. 2 sistemas eram ligados totalmente por rádio, existindo ainda 2 sistemas híbridos, que permitiam ligação tanto por cabo como por rádio. A oferta incluía ainda a instalação e gestão de sistemas de circuito fechado de televisão (CCTV), alarmes de incêndio e serviços de Piquete de emergência. Desde 2010 que dispunha de um produto semelhante ao da RED, com o benefício deste realizar verificação vídeo dos eventos de alarme, e não apenas fotos. Em caso de deteção de intrusão a central VIDEX (nome fictício) envia vídeos de 10 segundos sincronizados com a deteção, para a Central Recetora de Alarmes (CRA) para que esta possa mais depressa reagir ao evento verificado, diferenciado mais depressa um alarme real de um falso alarme. A PAX estava a dar passos para recuperar a sua posição, tendo vindo a reduzir o ritmo de crescimento da concorrência. É importante ainda indicar que a PAX estava a perder quota de mercado mas sempre garantindo crescimentos líquidos anuais da sua base de clientes ativos. A realidade específica traduzia um crescimento do mercado de sistemas eletrónicos de segurança ligados a uma central de alarmes, mas também uma maior taxa de crescimento do RED. 21

24 Em 2009 a empresa contratou um Gestor de Produto e em 2012 deu início a um ciclo de investimento para aumento do número comerciais e de delegações regionais. O objetivo seria o de aproximar a realidade das 2 empresas. Em 2013 a realidade comercial era a seguinte: RED: 22 Delegações comerciais PAX: 17 Delegações (abertura de 6 Delegações desde 2012) CAPÍTULO 4. PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUTO NOVO 4.1 Identificação da necessidade de desenvolvimento de produto Os 3 anos de experiência no segmento da imagem (verificação de eventos de alarme através de imagem) com o produto VIDEX (designação fictícia) permitiram à PAX constatar quais as maiores dificuldades com que se deparava neste mercado. A empresa necessitava de uma nova solução de qualidade que lhe permitisse apresentar um preço de venda mais competitivo relativamente ao da sua concorrência, assim como um processo de instalação rápido e simples. Uma das realidades específicas da RED era a de uma parte significativa da sua equipa comercial ser constituída por elementos híbridos Comerciais/instaladores. Esta característica permitia à empresa oferecer maiores descontos aos seus clientes devido a um custo operacional mais baixo, e atuar de forma mais eficaz garantindo frequentemente a instalação no momento da venda, potenciando a adesão por impulso. 22

25 A PAX pretendia então uma resposta para as questões indicadas e ainda não depender apenas de 1 parceiro tecnológico neste segmento, para evitar eventuais quebras de produção. Constatada esta realidade foi decidido iniciar um processo de Desenvolvimento de Produto novo. 4.2 Etapa 1 - Estratégia de produto novo Missão PAX Gerar valor aos nossos clientes, sociedade e acionistas oferecendo soluções de segurança integrada e especializada contando com a tecnologia mais avançada e talento dos melhores profissionais. Considerando a missão da PAX a estratégia de produto foi desenvolvida no sentido de desempenhar um papel preponderante para o seu cumprimento. O objetivo mantem-se como o de lançar no mercado soluções tecnológicas de segurança integrada e prestar serviço contando com os melhores profissionais. 4.3 Etapa 2 Geração de ideias O novo produto a desenvolver teria de ser um concorrente directo do equipamento da RED. Isso significava que teria de garantir as seguintes características: Técnicas: Ser um sistema de alarme de qualidade e fiabilidade Compatível com a infraestrutura e operação da central recetora de alarmes (CRA) 23

26 Com capacidade para realizar verificação de eventos de alarme com recurso a imagens do local no momento do evento Funcionar através de tecnologia rádio Com capacidade para transmissão de comunicações através de GSM/GPRS Com boa oferta de elementos opcionais Processo de instalação simples e rápido Físicas: Design apelativo Ser compacto Permitir a personalização para a marca PAX Operacionais: Ser compatível com os recursos existentes na central recetora de alarmes (CRA) da PAX Ser compatível com os sistemas informáticos de gestão dos eventos de alarme da empresa De instalação e parametrização simples e rápida pelos funcionários da PAX Garantir a eficácia na deteção de eventos de alarme reais Garantia de Apoio técnico do fornecedor Financeiras: Preço competitivo Valor competitivo para a instalação da necessária infraestrutura na PAX Robustez do parceiro, assegurando a sua permanência no mercado Compatibilidade do fornecedor com as políticas de pagamento da PAX 24

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Atividades / Funções Operacionais

Atividades / Funções Operacionais Letra Organ C Designação Diretor-Geral Adjunto; CEO Assistant Missão Gestão da Política de Sustentabilidade da Empresa em coordenação com a Direção Geral nos ramos mais significativos da sua atividade:

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Software de Gestão Manutenção e Produção

Software de Gestão Manutenção e Produção Software de Gestão Manutenção e Produção Parceiro global para toda a área de Tecnologias da sua empresa ENQUADRAMENTO A ALIDATA e a SENDYS são empresas 100% portuguesas, no mercado há mais de 30 anos,

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012 Commercial & Marketing Estudos de Remuneração 2012 Estudos de Remuneração Commercial & Marketing 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Funções de Marketing Funções Comerciais Assistente de Marketing pág. 12 Supervisor

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Relatório de Execução do Projeto MENTOR Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Junho de 2014 Índice Índice... 2 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos... 4 3. Âmbito do

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC ÍNDICE 02 04 06 08 ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS 10 12 16 20 24 28 SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC 02 ID Flow Criada em 2006,

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança

Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança 2 Sistemas de Alarme de Intrusão AMAX Com a Bosch, está em boas mãos: os sistemas de alarme de intrusão AMAX garantem a satisfação do cliente

Leia mais

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Parceiro de Graphicsleader Packaging Indústria Gráfica Produtos e Serviços Embalagem de cartão e rótulos para a indústria alimentar,

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Universidade Técnica de Lisboa Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão Ano Lectivo 2006/2007 2º Semestre Docente: Vitor Corado Simões PROGRAMA A. O que é a gestão da

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

PharmaPlanet - todos os direitos reservados

PharmaPlanet - todos os direitos reservados QUEM SOMOS? PHARMAPLANET A PharmaPlanet é uma empresa B2B Operamos na Área da Saúde e Bem-Estar Diferenciamo-nos por oferecer Serviços e Equipas à medida Diferencia-se pela Proximidade ao Cliente Somos

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação.

Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação. Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação. Introdução. Os profissionais de marketing têm que trabalhar em parcerias mutuamente benéficas com as suas agências

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study Espírito Santo Private Banking Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Sumário País Portugal Sector

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

BTree, Sistemas de Informação

BTree, Sistemas de Informação Preliminary Letter BTree, Sistemas de Informação Soluções à medida das suas necessidades Preliminary Letter Sedeada em Braga em 2003, a BTree é uma empresa que tem por objectivo o desenvolvimento, comercialização

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

Estudo de caso. A Brunner AG transita para o Cross-Media. Janeiro de 2011. Empresa suíça avança com equipamento digital de produção

Estudo de caso. A Brunner AG transita para o Cross-Media. Janeiro de 2011. Empresa suíça avança com equipamento digital de produção Estudo de caso Janeiro de 2011 Empresa suíça avança com equipamento digital de produção Comentários ou dúvidas? Índice Introdução... 3 Da impressão em offset para serviços de marketing em cross media...5

Leia mais

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura.

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura. Dado que o planeta onde vivemos tem como principal característica a abundância de água, fomos ao longo dos anos explorando esse recurso essencial à nossa vida. Por outro lado, este elemento de qualidade

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais