SUMÁRIO. 1. Programa de Monitoria Manual de Monitoria Programa de Extensão Central de Estágio 34

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 1. Programa de Monitoria 3. 2. Manual de Monitoria 13. 3. Programa de Extensão 30. 4. Central de Estágio 34"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1. Programa de Monitoria 3 2. Manual de Monitoria Programa de Extensão Central de Estágio Trabalho de Conclusão de Curso TCC, Monografia e Artigo 41 Científico 6. Iniciação Científica Atividades Complementares Pós-graduação Coordenação de Educação a Distância Centro de Línguas Projeto Aprimoramento Regulamento do Colegiado de Curso Regulamento do Núcleo Docente Estruturante 93 2

3 PROGRAMA DE MONITORIA 3

4 PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO l DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O Programa de Monitoria da FACEL é vinculado à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão e apresenta como objetivo central ampliar a participação do acadêmico no processo educacional, favorecendo o desenvolvimento de atividades de reforço acadêmico, de modo a superar problemas de repetência, evasão e falta de motivação. Art 2 - Os objetivos específicos do Programa de Monitoria são: I - motivar os acadêmicos que tenham desempenho satisfatório a iniciar atividades de ensino e/ou técnico-didáticas: II - possibilitar a cooperação recíproca entre o corpo discente, o corpo docente e o corpo técnicoadministrativo; III - integrar ensino, pesquisa e extensão, valorizando os procedimentos científicos para a realimentação do processo de ensino-aprendizagem. Art. 3 - O número de vagas no Programa de Monitoria será fixado anualmente pela Direção Geral, dentro dos recursos orçamentários destinados ao Programa. Art. 4 - Os Cursos interessados em participar do Programa de Monitoria deverão inscrever-se, enviando à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão os Planos de Trabalho (ANEXO 5) previstos para os seus respectivos Acadêmicos-Monitores, os quais servirão para justificar suas Solicitações de Vagas (ANEXO 1). Parágrafo único - A habilitação ao ingresso ou à continuidade no Programa de Monitoria está condicionada ao envio da documentação pertinente, dentro dos prazos fixados nestas Normas. CAPÍTULO II DAS VAGAS EXISTENTES Art 5 - A Coordenadoria de Ensino. Pesquisa e Extensão terá a incumbência de fazer a distribuição de vagas aos cursos interessados, podendo ponderar todos os critérios a seguir discriminados: I - a natureza das disciplinas que compõem o Curso, dando-se preferências àquelas que exigem maior número de aulas práticas e/ou de exercícios e necessidades de fixação de conteúdos: 4

5 II - o número de acadêmicos matriculados e freqüentando efetivamente o curso: III - a composição do corpo docente das disciplinas do curso; IV - a utilização de metodologias didáticas inovadoras; V - o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão peta curso; VI - os Planos de Trabalho (ANEXO 5) a serem desenvolvidos pêlos Acadêmicos-Monitores: VII - Os Relatórios de Atividades (ANEXO 9} desenvolvidas pelo Professores-Orientadores, aprovados nos cursos; VIII - a adimplência do Curso e dos seus Professores-Orientadores com o Programa de Monitorias. Art 6 - A distribuição das vagas previstas no artigo anterior será realizada de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias antes do encerramento do ano letívo. 1 - Os Cursos deverão preencher as vagas que lhes forem destinadas, por concurso, até 30 (trinta) dias após a data oficial de início das aulas, ou dentro do período fixado para tal. 2 - A Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão fará o remanejamento das vagas não preenchidas no prazo previsto, de acordo com os critérios especificados. 3 - A transferência aos cursos beneficiários será comunicada até um máximo de 45 (quarenta e cinco) dias após o início das aulas, ou no máximo até 10 (dez) dias letivos da configuração do evento. 4 - Os Cursos beneficiários com as transferências terão até 30 (trinta) dias de sua comunicação para divulgar o Edital (AMEXO 2), realizar a seleção e enviar os resultados com a Ata do Concurso (ANEXO 3) à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, respeitando a data estabelecida. Art 7 - A Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, juntamente com as Coordenações de Curso deverá: l - avaliar as solicitações dos Cursos interessados em participar do Programa de Monitoria, para efetivar a distribuição e o remanejamento de vagas previstas nos Art. 5 e Art. 6 do presente documento; II - promover reuniões com os Professores-Orientadores, visando um maior intercâmbio e a obtenção de sugestões ao Programa de Monitoria; III - promover encontros dos Acadêmicos-Monítores, visando uma maior integração e um melhor desempenho destes: IV - avaliar o Programa de Monitoria, tendo por base os Planos de Trabalho dos Monitores (ANEXO 5) e os Relatórios de Atividades (ANEXO 9) por eles desenvolvidas, que serão vistadas pelos Professores-Orientadores; V - fixar os prazos para a operacionalização do Programa de Monitoria, sempre que necessário; VI - propor ações que visem melhorar o desempenho do Programa de Monitoria. CAPITULO III DOS REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO 5

6 Art 8 - Poderão inscrever-se para o Concurso de Monitoria os acadêmicos dos cursos de graduação que apresentem desempenho acadêmico comprovadamente satisfatório, que tenham obtido nas disciplina(s) do curso, para as quais se habilitarem, a média gerai igual ou superior a 7,0 (sete), e que, mediante processo de seleção específico, demonstrem suficiente conhecimento dos conteúdos, capacidade para auxiliar os professores em aulas, habilidades para pesquisas e outras atividades técnico-pedagógicas e afinidade com as funções a serem desenvolvidas. Art. 9 - Incompatibilizam o acadêmico para o desempenho da atividade de Monitoria: I - estar matriculado há menos que um semestre letivo na FACEL, inclusive em casos de transferência ou de mobilidade estudantil; II - possuir um número superior a 1 (uma) reprovação seja por nota ou por frequência; III - ter a condição de repetente em qualquer das disciplinas pertencentes ao conjunto daquelas da área objeto do concurso; IV - apresentar média semestral ou anual final inferior a 7,0 (sete) na disciplina discriminada como objeto do concurso; V - ser acadêmico formando no primeiro semestre do ano letivo ao qual corresponde ao Programa de Monitoria. Art A inscrição nos exames de seleção é realizada junto à Coordenação do Curso ao qual pertence a disciplina onde a Monitoria será exercida, no prazo descrito no Edital (ANEXO 1) previsto no Art. 12 do Capítulo IV. 1 - Para a inscrição no processo de seleção o acadêmico deverá apresentar comprovante, emitido por meio de protocolo pela Secretaria Acadêmica, de estar regularmente matriculado no curso no qual se insere a disciplina objeto do concurso. histórico escolar relativo ao período até então cursado e quadro de horários livres para suas atividades de Monitoria, com disponibilidade de 6 (seis) a 12 (doze) horas semanais. 2 - O acadêmico deverá comprovar a compatibilidade de no mínimo 50% (cinquenta por cento) do seu horário disponível para o atendimento a alunos dentro do campus do curso. 3 - Os 50% (cinquenta por cento) restantes deverão obrigatoriamente ser desenvolvidos em atividades relacionadas à área de atuação definida no Edital do concurso (ANEXO 1). de acordo com o Plano de Trabalho (ANEXO 5), junto ao Professor-Orientador. CAPÍTULO IV DA SELEÇÃO Art 11 - O preenchimento das vagas, distribuídas pela Direção Geral aos Cursos, dar-se-á por concurso. Parágrafo único - O preenchimento das vagas deverá ser feito obrigatoriamente dentro do prazo previsto no Art. 6 do Capitulo II, sob pena da vaga ser remanejada, para outro Curso. 6

7 Art 12 - Para o preenchimento das vagas via concurso, o Coordenador do Curso deverá elaborar o Edital (ANEXO 1), publicando-o e divulgando-o, pelo menos nas áreas de circulação do mesmo, pelo prazo mínimo de 5 (cinco) dias letivos, contendo a indicação da(s) disciplina(s) objeto da seleção. Parágrafo Único - Os Editais deverão deixar clara a sistemática de avaliação dos candidatos às vagas de Acadêmico-Monitor e na elaboração das médias que definem a classificação destes candidatos. Art 13 - Para elaboração, aplicação e avaliação dos exames de seleção, será constituída uma comissão composta por 2 (dois) professores do Curso a que se vincula a disciplina, aprovada em reunião do mesmo, que constituirão a Banca de Avaliação. Art A seleção deverá ser feita levando em consideração três critérios de avaliação de mesma ponderação, ficando suas particularidades a critério do curso: I - a média das notas obtidas pelo candidato nas disciplinas do curso em apreço, que não poderão ter sido inferiores a 7,0 (sete); II - a nota obtida pelo candidato em prova específica escrita e/ou prática, a critério do curso: III - a nota obtida em entrevista realizada pela Banca de Avaliação. 1 - Em caso de eventual empate na classificação dos candidatos prevalecerá em primeiro lugar a nota da prova escrita e/ou prática e em segundo lugar a nota obtida na média das disciplinas objeto do concurso. 2 - A nota inferior a 7,0 (sete) na prova escrita e/ou prática mencionada no inciso II elimina o candidato do processo de seleção. 3 - A nota fornecida pela Banca de Avaliação no critério entrevista não poderá ser inferior a 7.0 (sete), sendo que os aspectos que merecerão análise deverão constar do Editai do concurso (ANEXO 1). 4 - As entrevistas poderão ser realizadas somente com os candidatos que obtiverem nota igual ou superior a 7,0 (sete) na prova escrita e/ou prática. 5 - Deverá ser realizada a Ata do Concurso (ANEXO 3) contendo a classificação dos candidatos aprovados em ordem de médias decrescentes, com a assinatura dos professores da Banca de Avaliação citada no Art O resultado do concurso deverá ser divulgado nas áreas de circulação do curso para conhecimento dos interessados, pelo prazo de no mínimo 5 (cinco) dias letivos, iniciado a partir do 5 dia útil após a realização da última prova. 7 - A seleção terá validade durante todo o período de monitoria relativo ao ano letivo em questão, para o qual o processo seletivo foi realizado. 8 - Durante um mesmo período letivo anual será permitida somente uma única substituição de Acadêmico-Monitor. Art 15 - A recondução é a permanência do Acadêmico-Monitor na mesma função de um para outro período / ano letivo, o que poderá ser feto a critério do Professor-Orientador, com a aprovação do Acadêmico-Monitor. 7

8 1 - As Solicitações de Recondução (ANEXO 4) deverão ser encaminhadas no mesmo prazo do 1 do Art As Solicitações de Recondução (ANEXO 4) só serão consideradas para Acadêmicos- Monitores cujos Relatórios de Atividades (ANEXO 9) do ano anterior e Planos de Trabalho (ANEXO 5) do ano em curso tenham sido encaminhados ou estejam anexados ao respectivo pedido. 3 - A recondução pode ser realizada somente por mais um período letivo, a critério do Professor-Orientador, com a aprovação da Direção, desde que cumpridos os trâmites previstos nas presentes Normas. Art 16 - Cada Curso deverá enviar à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão as Atas dos Concursos (ANEXO 3), os Termos de Compromisso (ANEXO 6) e também as Solicitações de Recondução (ANEXO 4) dos acadêmicos que serão reconduzidos, dentro do presente documento, com a aquiescência de todos os indicados. CAPÍTULO V DO INGRESSO Art O candidato classificado terá o prazo máximo de 5 (cinco) dias letivos, contados da publicação da lista classificatória, para assinar, junto à Coordenação do Curso, o Termo de Compromisso (ANEXO 6). Parágrafo único - O não comparecimento e a consequente não assinatura do Termo de Compromisso (ANEXO 6) implicam em desistência tácita e perda da Vaga de Monitor. Art As vagas eventualmente não preenchidas dentro do prazo descrito no artigo anterior serão ocupadas pêlos classificados seguintes em cada concurso. Parágrafo único - Na hipótese do caput e na inexistência de outros candidatos aprovados a Coordenação do Curso deverá providenciar um novo concurso, devendo este ser finalizado num período máximo de 30 (trinta) dias ou no prazo estipulado pela C.E.P.E. Art Os Coordenadores dos Cursos deverão enviar à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão uma cópia da Ata do Concurso (ANEXO 3), juntamente com os Termos de Compromisso (ANEXO 6), todos os documentos devidamente assinados, para que seja efetivada expedição da Portaria peia Direção Geral. Art Cada vez que houver alteração, ou seja, exclusão ou inclusão de Acadêmico-Monitor, deverão ser encaminhados à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão os Termos de Compromisso (ANEXO 6) e os demais anexos solicitados. Art Os Acadêmicos-Monitores devem iniciar suas atividades nas disciplinas para as quais foram selecionados, somente após proceder a assinatura dos respectivos Termos de Compromisso 8

9 (ANEXO 6) e de acordo com os Planos de Trabalho (ANEXO 5) e as instruções dos Professores- Orientadores. CAPÍTULO VI DO REGIME BE TRABALHO Art Acadêmico-Monitor exercerá suas atividades sem qualquer vínculo empregatício (Art. IV, Decreto n de 13/03/1970), em regime de 6 (seis) a 12 (doze) horas semanais de trabalho efetivo, Art período regular para o exercício do Programa de Monitoria será necessariamente dentro do período letivo anual, durante 8 (oito) meses, num total de 384 (trezentas e oitenta e quatro) horas: ou 192 (cento e noventa e duas) horas por semestre letivo. 1 - As eventuais alterações do Calendário Escolar acarretarão em ajustes na reorganização deste período. 2 - Por motivo de força maior, o período regular de monitoria poderá sofrer alterações quanto à quantidade de meses, devendo tais alterações constar obrigatoriamente dos Editais (ANEXO 1) para realização de concursos. Art O Acadêmico-Monitor exercerá suas atividades sob a orientação de um professor do Curso, denominado Professor-Orientador, componente do quadro docente da disciplina que foi objeto do processo seletivo. CAPÍTULO VII DO PAGAMENTO Art A bolsa-auxílio do Acadêmico-Monitor estará condicionada ao envio do Controle da Efetividade Mensal (ANEXO 7), a ser realizado pelo Coordenador do Curso, com a assinatura do Professor-Orientador, e enviado até o dia 18 (dezoito) de cada mês à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, mediante protocolo. 1 - Nos casos de acadêmicos contemplados com bolsa de estudos da FACEL, fica vetada a acumulação da bolsa auxílio de que trata o caput. Nestes casos o interessado poderá participar do processo de seleção como voluntário, sem direito à bolsa auxílio, do acadêmico monitor. 2 - Caso haja descumprimento do prazo de pagamento da bolsa-auxílio por motivo de força maior, retroagir-se-á a mesma apenas um mês, sendo realizado o pagamento no mês seguinte. 9

10 Art Como contraprestação pelo número de horas dedicadas às atividades de monitoria (6 ou 12 horas/atividade semanais), o monitor receberá, a título de bolsa auxílio, um desconto incidente sobre as mensalidades escolares, no valor de R$ 1,80 (um real e oitenta centavos) por hora/atividade. Parágrafo único - A realização de um número de horas superior ao padrão não ensejará, em hipótese alguma, qualquer pagamento de adicionais, mas poderá ser objeto de compensação horária, a critério do Professor-Orientador, dentro do mesmo semestre letivo. CAPITULO VIII DAS ATIVIDADES DO ACADÊMICO-MONITOR Art As atividades do Acadêmico-Monitor deverão possibilitar auxílio aos professores no ensino e em outras atividades técnico-didáticas. Art O Acadêmico-Monitor poderá desenvolver as seguintes atividades, dentre outras de mesma ou similar natureza: I - auxiliar o professor no planejamento das aulas e trabalhos práticos; II - orientar os acadêmicos em atividades de ensino-aprendizagem; III - realizar trabalhos experimentais de campo e laboratório, vinculados ao processo de ensinoaprendizagem sob a orientação do Professor- Orientador; IV - organizar e coordenar grupos de estudo; V - orientar, individualmente ou em grupo, acadêmicos que apresentem dificuldades de aprendizagem; VI - preparar e utilizar recursos audiovisuais e materiais didáticos quando da realização de suas atividades; VII - colaborar com o professor em atividades de extensão, desde que relacionadas ao ensino; VIII - auxiliar grupos de acadêmicos envolvidos em pesquisas bibliográficas; IX - realizar levantamentos e revisões bibliográficas; X - ministrar aulas adicionais a grupos de acadêmicos. Parágrafo único - Os Acadêmicos-Monitores deverão elaborar, ao final do ano letivo e das atividades de Monitoria, o seu parecer sobre as atividades desenvolvidas, anexado ao Relatório de Atividades (ANEXO 9) elaborado pelo Professor-Orientador. Art É vedado aos Acadêmicos-Monitores: I - o exercício de atividades de caráter eminentemente burocrático; II - o exercício de atividades de servidores técnico-administrativos; III - a substituição do professor nas aulas convencionais; IV - a atuação em projetos de ensino ou pesquisa que não tenham vinculação direta com as atividades didáticas. 10

11 CAPÍTULO IX DAS ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-ORIENTADOR Art Cada Professor-Orientador elaborará um Plano de Trabalho (ANEXO 5) para cada orientando que estiver sob seus cuidados, em que conste as atividades de Monitoria a serem desenvolvidas pelo Acadêmico-Monitor, de acordo com o Calendário Escolar das atividades do ano letivo. Art 31 - O Professor-Orientador poderá solicitar o desligamento do seu Acadêmico-Monitor que não cumprir as atividades previstas no Plano de Trabalho (ANEXO 5) ou neste documento. 1 - A solicitação de desligamento deverá ser justificada e fundamentada. 2 - O pedido de desligamento por parte do Professor-Orientador deverá ser homologado pela Direção Geral. 3 - No caso de aprovado e homologado o desligamento do Acadêmico-Monitor, a Coordenação de Curso deverá: l - preencher imediatamente a vaga, primeiramente através de aproveitamento de acadêmico já aprovado em concurso realizado anteriormente ou, na inexistência de candidato habilitado, pela realização de um novo concurso. Art O Professor-Orientador, ao final das atividades anuais, elaborará um Relatório de Atividades (ANEXO 9) em que conste as atividades desenvolvidas pelo Acadêmico-Monitor, com o parecer do mesmo. 1 - Deverá ser elaborado um Relatório de Atividades (ANEXO 9) para cada Acadêmico- Monitor e para cada período anual do exercício do Calendário Escolar. 2 - Deverá ser enviada uma cópia deste relatório à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, que será utilizado na avaliação do Programa de Monitoria. 3 - Caberá ao Professor-Orientador a avaliação do seu Acadêmico-Monitor, a ser expressa no Relatório de Atividades (ANEXO 9), mensurada pêlos conceitos de "A" a "E", de acordo com a correspondência a seguir, devidamente justificada. I - Conceito A = Excelente II - Conceito B = Muito bom III - Conceito C = Bom IV - Conceito D = Razoável V - Conceito E = Péssimo CAPITULO X DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA 11

12 Art A Coordenação de Curso avaliará o Programa, subsidiada pêlos Planos de Trabalho (ANEXO 5) e Relatórios de Atividades (ANEXO 9) desenvolvidas pelo Acadêmico-Monitor, elaborados pêlos Professores-Orientadores e enviados à Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão. CAPÍTULO XI DISPOSIÇÕES GERAIS Art 34 - É vedada a acumulação de quaisquer Bolsas-auxílio oferecidas pela FACEL, ou por qualquer entidade de fomento à pesquisa e extensão. 1 - Constatado o acúmulo, o acadêmico deverá optar, por escrito, num prazo de 5 (cinco) dias letivos, pela Bolsas-auxílio de sua preferência. 2 - A não manifestação no prazo supra mencionado acarretará na exclusão do acadêmico do Programa de Monitoria. Art Somente por ocasião da conclusão do Curso de Graduação ou peio desligamento do Programa de Monitoria, a Direção Geral, através da Secretaria Acadêmica, expedirá o Certificado ao Acadêmico-Monitor. 1 - Caso o Acadêmico-Monitor, em pleno exercício da Monitoria, necessitar de comprovante da mesma, ser-lhe-á fornecido atestado, emitido por meio de protocolo pela Secretaria Acadêmica. 2 - O Acadêmico-Monitor que se desligar do Programa de Monitoria antes de sua conclusão integral não fará jus ao Certificado, podendo, entretanto, ser-lhe fornecido atestado específico emitido por meio de protocolo pela Secretaria Acadêmica. 3 - A solicitação dos Certificados de Monitoria deverá ser realizada com a utilização do formulário específico (ANEXO 10), sendo condição indispensável para o seu fornecimento a entrega do respectivo Relatório de Atividades (ANEXO 9). 4 - A Secretaria Acadêmica deverá disponibilizar os Certificados aos Acadêmicos-Monitores até um máximo de 60 (sessenta) dias após a conclusão do Programa, desde que enviada toda a documentação pertinente. 5 - Eventuais desligamentos de Acadêmicos-Monitores a pedido dos mesmos deverão ser operacionalizados pelo preenchimento do Termo de Desistência (ANEXO). Parágrafo único - Para todos os efeitos de prazos mencionados neste documento, valerá sempre as datas de protocolo das respectivas correspondências. Art Os casos omissos serão resolvidos peta Direção Geral. Art Estas Normas revogam as anteriores e entram em vigência a partir de sua aprovação pela Direção Geral. 12

13 MANUAL DE MONITORIA 13

14 A Coordenadoria de Ensino, Pesquisa e Extensão da Faculdade FACEL acredita na importância do processo de monitoria para o desenvolvimento dos acadêmicos, desta forma estabeleceu uma normatízação clara em relação a este item, contribuindo para o sucesso da formação de seus alunos. O que é monitoria? A Monitoria corresponde à uma atividade desenvolvida pelo aluno e que possibilita a experiência da vida acadêmica promovendo a integração entre alunos de períodos mais avançados com os demais. O monitor Os serviços de monitoria serão prestados por alunos dos cursos ofertados, sem vínculo empregatício e deverão auxiliar os docentes tanto nas atividades de ensino como em outras por eles determinadas. Função do monitor As funções de Monitor são exercidas por alunos dos cursos de graduação, regularmente matriculados nas disciplinas em que estão interessados em monitorar e que tenham sido aprovados nas mesmas. Objetivos da monitoria O processo de monitoria tem entre outros objetivos ampliar a participação do aluno de graduação no processo educacional, favorecer o desenvolvimento de atividades de reforço escolar aos acadêmicos, de modo a superar problemas de repetência, evasão e falta de motivação, contribuir para a formação dos Acadêmicos-Monitores, visando a docência no Ensino Superior, permitindo a vivência pedagógica assim como desenvolver Projetos de Pesquisa e/ou Extensão. A Faculdade A Faculdade FACEL manterá um corpo de monitores a ser preenchido por alunos que demonstrem suficiente domínio da área de conhecimento. A Faculdade FACEL organizará atividades de monitoria junto aos acadêmicos de todos os cursos, a fim de prestarem auxílio na busca da aprendizagem dos colegas, em estreita cooperação com os docentes. 14

15 Funções do monitor É compromisso do Monitor realizar um plano de ação, em conjunto com o Professor Orientador, para que o capacite ao aprimoramento de sua formação. Ao Monitor, sob a orientação do Professor da disciplina, cabe: a) auxiliar os professores em tarefas que lhe forem atribuídas; b) prestar de 06(seis) a 12 (doze) horas semanais de trabalho; c) orientar os alunos em trabalhos de laboratório, biblioteca ou campo. Ao FINAL de seu período de monitoria, o acadêmico deverá apresentar um relatório de suas atividades à Coordenação do Curso e, se cumpridas as exigências do próprio projeto, receberá da Faculdade um Certificado de Monitoria. Processo seletivo A admissão de Monitores far-se-á mediante seleção, por disciplina, a cargo do Coordenador de Curso, em concurso aberto, para alunos que tenham aprovação na disciplina em que pretendam ser Monitores e não tenham ocorrência de penalidade disciplinar. Findo o prazo de exercício da monitoria, os monitores poderão retornar a ela mediante novo concurso. A seleção é realizada por comissão composta por três professores, indicados pelo Coordenador de Curso, sendo um deles, necessariamente, o Orientador da disciplina objeto do concurso. São obedecidos os seguintes critérios: a) análise do histórico escolar; b) prova de conhecimentos específicos (escrita); c) entrevista. Tempo de monitoria O exercício de monitoria é de um ano (2 períodos letivos), podendo o Monitor ser reconduzido apenas uma vez para a mesma disciplina, desde que aprovado em nova seleção. Auxílio monitoria Como contraprestação pelo número de horas dedicadas às atividades de monitoria (6 ou 12 horas/atividade semanais), o monitor receberá, a título de bolsa auxílio, um desconto incidente sobre as mensalidades escolares, no valor de RS 1,80 (um real e oitenta centavos) por hora/atividade. As atividades do Monitor não poderão prejudicar outras por ele exercidas em disciplinas nas quais estiver matriculado. Desligamento O Monitor poderá pedir desligamento de sua função, mediante requerimento protocolado na Secretaria Acadêmica. 15

16 O Monitor poderá ser afastado de sua função, mediante requerimento fundamentado do Professor Orientador e ratificado pelo Coordenador de Curso, hipótese em que será rescindido o contrato. Certificação Serão expedidos certificados aos monitores que tiverem cumprido, integralmente, o plano de trabalho estipulado pelo Professor Orientador. Funções do professor-orientador a) orientar efetivamente o monitor no desempenho das atividades propostas; b) capacitar o monitor no uso de metodologia de ensino/aprendizagem adequada á sua atuação nas atividades propostas; c) promover o aprofundamento dos conhecimentos do Monitor; d) incentivar a promoção de reuniões e/ou seminários com os Monitores para socialização dos trabalhos desenvolvidos e trocas de experiências relativas ao próprio curso ou intercursos/unidades; e) avaliar continuamente o desempenho do(s) monitor(es)/ a partir dos critérios e formas estabelecidos no Projeto de Monitoria; f) encaminhar às instâncias competentes os expedientes administrativos necessários á operacionalização do projeto (frequência dos alunos, avaliação, etc.); g) identificar eventuais falhas na execução do Projeto de Monitoria e propor mudanças. Avaliação Trimestralmente, o Professor Orientador avaliará o Monitor, levando em consideração o seu desempenho e assiduidade, descritos em relatório, o qual será encaminhado à Coordenação para acompanhamento. Formulários O Monitor deverá preencher os seguintes formulários: a) Plano de Trabalho (Anexo 5) b) Termo de Compromisso (Anexo 6) c) Controle de Efetividade Mensal (Anexo 7) d) Termo de Desistência (Anexo 8 - quando for o caso) e) Relatório de Atividades (Anexo 9 - frente e verso) f) Solicitação de Certificado (Anexo 10) 16

17 ANEXOS 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

30 30

31 PROGRAMA DE EXTENSÃO 31

32 PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FACEL TÍTULO I DAS NORMAS QUE REGULAMENTAM A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1 - A extensão, entendida como uma das funções básicas da Instituição de Ensino Superior, é a interação sistematizada desta com a comunidade, visando contribuir para o seu desenvolvimento e dela buscar conhecimentos e experiências para a avaliação e vitalização do ensino e da pesquisa. Art. 2 - São consideradas atividades de extensão quaisquer tipos de atividades que envolvam, mesmo que parcialmente, consultorias, assessorias, cursos, simpósios, conferências, seminários, debates, palestras, atividades assistenciais. Artísticas, esportivas, culturais e outras afins propostas individual ou coletivamente, realizadas na IES ou fora dela. Art. 3 - As atividades de extensão somente serão autorizadas se não vierem em detrimento de outras atividades já programadas pela instituição. Art. 4 - As atividades de extensão poderão, a critério da IES ser remunerada, constituindo-se em fonte de receita da mesma. CAPÍTULO II DA TRAMITAÇÃO DAS PROPOSTAS Art. 5 - As atividades de extensão, sob forma de projeto ou não, deverão ser apresentadas pelo proponente, em formulário próprio, junto à Coordenadoria de Pesquisa e Extensão - CPE, para análise e aprovação. Art. 6 - Compete à CPE planejar, apreciar, aprovar, executar e avaliar as atividades de extensão, observando os seguintes aspectos: I - conteúdo técnico: II - os prazos para sua execução; III - a carga horária dos participantes: IV - a necessidade de prorrogação dos prazos: V - a elaboração dos relatórios a serem apresentados aos órgãos competentes. 32

33 Art. 7 - As atividades de extensão deverão constar do Plano de Trabalho da Coordenação do Curso de interesse, devendo ser registradas oficialmente nas atas dos respectivos colegiados, à medida que forem sendo autorizadas. Art. 8 - Os cursos que desenvolverem atividades de extensão deverão manter registros atualizados das mesmas. Art. 9 - As atividades de extensão poderão originar-se por solicitação da comunidade ou por iniciativa própria de quaisquer cursos da FACEL. SEÇÃO I DOS PROJETOS DE EXTENSÃO Art Independentemente da respectiva área de competência, os projetos de extensão serão submetidos à aprovação da Coordenadoria de Pesquisa e Extensão - CPE. Parágrafo único - Os projetos de extensão que envolver vários cursos, também deverão ser aprovados pela CPE. Art Após a competente aprovação, as propostas de atividade de extensão serão encaminhadas para registro na Secretaria Acadêmica, que, ao término do desenvolvimento da mesma, emitirá o respectivo certificado, quando for o caso. Parágrafo único - Caso a atividade de extensão não vier a se realizar, o curso responsável deverá notificar, de imediato, à CPE. Art Caberá ao proponente encaminhar à CPE, as propostas de atividades de extensão que exigirem celebração de protocolos, convênios e/ou de contratos com outras instituição/organizações. Art A critério e sob a responsabilidade das coordenações dos cursos promotores, as atividades de extensão poderão incluir averiguação de aproveitamento em nível de atividades complementares. CAPÍTULO III DOS RECURSOS HUMANOS, MATERIAIS E FINANCEIROS Art As atividades de extensão poderão ser desenvolvidas na FACEL ou fora dela com recursos humanos, materiais e financeiros próprios ou não. Podem ainda, ser ofertadas a distância. 33

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O QUE É O ESTÁGIO? Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 015 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Revoga e substitui, ad referendum, a Resolução CONSUN

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

Curso de Serviço social

Curso de Serviço social 3 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O objetivo geral do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC é servir de instrumento estimulador à aplicação, no campo prático, de conhecimentos adquiridos no decorrer

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II Santa Maria, RS, Brasil 2015 Conforme Processo Nº 253/2015, aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 9/11/2009. Aprova novo Regulamento do Programa Monitoria para os Cursos

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE:

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE: CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº. 48, de 15 de fevereiro de 2013. Revoga a Resolução nº 6, de 05 de dezembro de 2007 que implantou a Monitoria na Faculdade e aprova o Regulamento da Monitoria na Faculdade

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 030/2012 CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 030/2012 CONEPE RESOLUÇÃO Nº 030/2012 CONEPE Dispõe sobre o Trabalho de Conclusão de Curso TCC dos cursos de Graduação da Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE FRUTAL - FAF PERTENCENTE AO GRUPO EDUCACIONAL UNIESP REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL Frutal/MG 2014 1 UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS Art. 1 o. O Centro Universitário FIEO manterá o Programa de Iniciação Científica (PIC), oferecido

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS INTRODUÇÃO FORMAS E REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO 2014.1 A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica ProAcad, torna público o presente Edital e convida o seu corpo discente

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização do Programa de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Cruzeiro-SP 2011 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC)

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) CURSO DE ENFERMAGEM Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia constitui um instrumento que possibilita ao acadêmico a oportunidade de demonstrar o grau de habilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 Institui e regulamenta o Estágio Supervisionado, nos Cursos de Graduação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Manual para TCC. Jacareí 2011

Manual para TCC. Jacareí 2011 Manual para TCC Manual para TCC Jacareí 2011 FACULDADE INESP ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO Apresentação Este trabalho foi idealizado pela necessidade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º. O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso TCC

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso TCC Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Justificativa: Todo aluno matriculado em curso de graduação onde o TCC é componente curricular obrigatório, para se formar, precisa fazer e defender perante banca examinadora

Leia mais

FIBRA Faculdade do Instituto Brasil Instituto Brasil de Ciência & Tecnologia Ltda

FIBRA Faculdade do Instituto Brasil Instituto Brasil de Ciência & Tecnologia Ltda REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente regulamento normatiza as atividades relacionadas à elaboração, apresentação e aprovação do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 068/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (A DISTÂNCIA)

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições para o processo seletivo de TUTORIA (A Distância) para

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas com a elaboração, apresentação e avaliação do trabalho

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 2011 1. CARACTERIZAÇÃO O Estágio Supervisionado do Curso de Administração realizar-se-á sob a supervisão indireta de um professor, nas seguintes áreas, entre outras:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul 1 NORMATIVA DE ESTÁGIOS Fixa normas para o funcionamento dos Estágios Supervisionados Específicos em Psicologia. (Aprovado pelo Colegiado da Faculdade de Psicologia em 04/06/2014). SEÇÃO I - DOS OBJETIVOS

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS Administração: Reconhecido pela Portaria nº 4218, de 06/12/2005, D.O.U. de 07/12/2005 Pedagogia: Reconhecido pela Portaria nº 42, de 22/05/2006, D.O.U. de 24/05/2006 Serviço Social:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização da Monitoria Voluntária, com vistas ao ano

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES MOSSORÓ RN 2005 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento

Leia mais