Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012"

Transcrição

1 Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX Junho / 2012

2 Gestão de Riscos Swaps Alarmes iphone / ipad Liquidez Automação de trade Automação contratos Treinamento Mercado Agilidade tempo real Arquivo XMLp/ CCEE Assinatura digital Automação dados SAS 70 - ICE Ofertas firmes na tela Preço fixo e variável Curva futura preços Índices de preços Fase 2 - Contratos Financeiros ~ 600 profissionais de TI ICE 11 anos operação Alinhamento com regulamentação Plataforma ICE amigável e intuitiva Operacional Contraparte Filtro de crédito Fiel da balança Fase 3 - Clearing House Hot backup Chicago Equilíbrio no board Senha 5 níveis de acesso Carga Contrato Flex 7 anos de auditoria Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento 2

3 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Fiel da balança Riscos Gerenciados Equilíbrio no board Vigente Desenvolvimento Operacional 3

4 Fase 1: Liquidação física Desde 28/Jul/2011 diariamente das 10:00 às 18:00hs Recordes de trading: diário 219 MW e mensal MW Vendedores Agentes CCEE Compradores Agentes CCEE Índice BRIX Registro Fase 1: Contratos liquidação física (registro energia transacionada na CCEE) e risco bilateral 4

5 Estatísticas (até 08/Jun) Volume 4 milhões MWh Número de Participantes 110 Operações Fechadas Carga consumidores > MW Capacidade geradores > MW Comercializadores > MW 5

6 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Hot backup Chicago Riscos Gerenciados ~ 600 profissionais de TI Senha 5 níveis de acesso Vigente SAS 70 - ICE ICE 11 anos operação 7 anos de auditoria Desenvolvimento Operacional 6

7 Operador estratégico Intercontinental Exchange ICE Líder mundial negociação energia ICE Aporte na BRIX Capital aberto Valor de mercado USD 9 Bi Nasce em energia elétrica Líder mundial em commodities 5 câmaras de compensação Plataforma eletrônica Operação e manutenção Governança Segurança Isenção 7

8 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Automação contratos Arquivo XMLp/ CCEE Assinatura digital Alinhamento com regulamentação Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento Operacional 8

9 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Ofertas firmes na tela Filtro de crédito Riscos Gerenciados Automação dados Treinamento Plataforma ICE amigável e intuitiva Vigente Desenvolvimento Operacional 9

10 Plataforma em 09/Fev/

11 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Curva futura preços Índices de preços Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento Operacional 11

12 Preços energia spot 28/Jul/11 => 08/Jun/12 12

13 Preços energia spot 28/Jul/11 => 08/Jun/12 13

14 Curva futura de preços ICE Curve Engine Participe entrando proposta firme Metodologia de cálculo: Janela: todos os dias Média ponderada volumétrica de negócios fechados 10:00 até 17:00hs Média simples do melhor bid e do melhor ask para datas em que não houverem negócios fechados Melhor valor individual qdo houverem apenas bids ou asks 16:50 até 17:00hs (não ambos), em cujo caso modela com base em valores de períodos correlatos e em dados históricos de curvas passadas 14

15 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Alarmes iphone / ipad Preço fixo e variável Liquidez Agilidade tempo real Automação de trade Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento Operacional 15

16 Contratos disponíveis Quanto ao produto Convencional Convencional PLD + Prêmio Convencional Especial (I0) Incentivada 50% (I5) Incentivada 100% (I1) Swaps de fonte de energia Swap PLD Fixo / Variável Quanto ao prazo de entrega Mensal Trimestral Semestral Balanço do ano Anual e plurianual Quanto a parâmetros específicos Safra: Incentivada 50% com entrega de Maio a Novembro Lote: Quantidade de 3MW e/ou seus múltiplos Flex Convencional: comprador declara até 50% a menor 16

17 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Swaps Riscos Gerenciados Vigente Carga Contrato Flex Desenvolvimento Operacional 17

18 Swap de fonte de energia A B Swap Plataforma sintetiza Swap oferta venda Incent. 50 / R$62/MWh (perna 1 - perna 2 = ) Participante C agride oferta sintetizada venda Incent. 50 / Convenc comprando o R$ 62/MWh (2 operações): C compra de A 4 MW Incentivada R$ 110/MWh C vende p/ B 4 MW R$ 48/MWh ====== ============== 0 MW Swap R$ 62/MWh Não houve alteração no volume de energia do Participante C 18

19 Hedge PLD: Swap PLD Fixo / Variável A B Swap Plataforma sintetiza Swap oferta de compra PLD Fixo / R$150/MWh (perna 1 - perna 2 = ) Participante C agride oferta sintetizada de compra PLD Fixo / Variável vendendo (fixando) valor do R$ 150/MWh. (2 operações): C vende p/ A 5 MW R$ 160/MWh C compra de B 5 MW Convencional PLD + PLD + R$ 10/MWh ====== 0 MW Não houve alteração no volume de energia do Participante C 19

20 Hegde PLD - Swap PLD Fixo / Variável Gerador quer fixar valor do PLD Swap Em Mai/12 Gerador (1) Vende Convenc 5 preço fixo (160) Trans.1 (2) Compra Convenc 5 PLD + 10? Volume líq. energia 0 MW Em Jul/12 PLD caiu para Gerador vende posição (100) Posição consolidada (150) = (50) + (100) PLD subiu para Gerador vende posição (200) Posição consolidada (150) = 50 + (200) 20

21 Gestão de Riscos Mercado Contraparte Fase 2- Contratos Financeiros Fase 3 - Clearing House Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento Operacional 21

22 Fase 2 - Liquidação financeira e risco bilateral Instituições Financeiras & Investidores Bancos (estab. Brasil) Corretoras (estab. Brasil) Fundos (CVM - I 409) Invest.Intern. (Res 2689) Vendedores Agentes CCEE Compradores Agentes CCEE Índice BRIX Registro Fase 1: Contratos liquidação física (registro energia transacionada na CCEE) e risco bilateral Fase 2: Contratos liquidação financeira (sem liquidação física) e risco bilateral 22

23 Fase 3 - Liquidação financeira e risco multilateral Instituições Financeiras & Investidores Bancos (estab. Brasil) Corretoras (estab. Brasil) Fundos (CVM - I 409) Invest.Intern. (Res 2689) Câmara compensação liquidação financeira Vendedores Agentes CCEE Compradores Agentes CCEE Índice BRIX Registro Fase 1: Contratos liquidação física (registro energia transacionada na CCEE) e risco bilateral Fase 2: Contratos liquidação financeira (sem liquidação física) e risco bilateral Fase 3: Contratos liquidação financeira (sem liquidação física) e risco multilateral 23

24 Gestão de Riscos Swaps Alarmes iphone / ipad Liquidez Automação de trade Automação contratos Treinamento Mercado Agilidade tempo real Arquivo XMLp/ CCEE Assinatura digital Automação dados SAS 70 - ICE Ofertas firmes na tela Preço fixo e variável Curva futura preços Índices de preços Fase 2 - Contratos Financeiros ~ 600 profissionais de TI ICE 11 anos operação Alinhamento com regulamentação Plataforma ICE amigável e intuitiva Operacional Contraparte Filtro de crédito Fiel da balança Fase 3 - Clearing House Hot backup Chicago Equilíbrio no board Senha 5 níveis de acesso Carga Contrato Flex 7 anos de auditoria Riscos Gerenciados Vigente Desenvolvimento 24

25 Obrigado! Marcelo Mello Luis Fernando Manzano Antonio Sarno Dulce Vascocellos Tel: (11)

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012 Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica 23/Maio/2012 Negociação energia elétrica no Brasil Mercado Cativo (ACR) Vendedores ACR e ACL Geradores Produtores independentes Autoprodutores Comercializadores

Leia mais

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011 Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica Setembro / 2011 Tópicos 1. Mercado Livre de energia 2. Oportunidades de trading de energia elétrica 3. BRIX 2 Estrutura do setor elétrico brasileiro

Leia mais

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 18/Maio/2012

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 18/Maio/2012 Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica 18/Maio/2012 Tópicos 1. Mercado Livre de energia elétrica no Brasil Mercado Cativo X Mercado Livre Agentes autorizados a operar no Ambiente de Contratação

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

O comercializador, agente do novo mercado de energia

O comercializador, agente do novo mercado de energia O comercializador, agente do novo mercado de energia II Seminário Internacional CANA & ENERGIA Antonio Carlos C. Pinhel GCS Energia Riberão Preto, 29 de Agosto de 2002 Grupo Guaraniana Patrimônio líquido

Leia mais

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Bolsa de Mercadorias & Futuros Félix Schouchana São Paulo 5 de Outubro de 2007 Comercialização de energia elétrica não é oportunismo de curto

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Diretoria Executiva RH, Saúde & Segurança, Sustentabilidade e Energia Diretoria de Energia Elétrica Contribuição Vale AP n.

Diretoria Executiva RH, Saúde & Segurança, Sustentabilidade e Energia Diretoria de Energia Elétrica Contribuição Vale AP n. Diretoria Executiva RH, Saúde & Segurança, Sustentabilidade e Energia Diretoria de Energia Elétrica Contribuição Vale AP n. 67 / 2013 Fevereiro/2014 1 Sumário: Metodologia Atual 1ª fase Inclusão do Limite

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 02/2011 DME ENERGÉTICA SA.

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 02/2011 DME ENERGÉTICA SA. EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 02/2011 DME ENERGÉTICA SA. A DME Energética SA. DMEE, empresa pública de direito privado, com sede na Rua Amazonas, 36, Poços de Caldas, MG, inscrita no

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

A Plataforma Eletrônica e sua importância para o Mercado Livre. Paradigma Meeting 2015 22/23 outubro. Victor Kodja

A Plataforma Eletrônica e sua importância para o Mercado Livre. Paradigma Meeting 2015 22/23 outubro. Victor Kodja A Plataforma Eletrônica e sua importância para o Mercao Livre Paraigma Meeting 2015 22/23 outubro Victor Koja Quem somos Início março 2012 S.A. e capital fechao Melhores Práticas e Governança Agentes o

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Swaps Agrícolas Com Clearing Centralizada

Swaps Agrícolas Com Clearing Centralizada Produtos AGRÍCOLAS Swaps Agrícolas Com Clearing Centralizada Construindo Uma Estratégia De Gerenciamento De Risco Para Alcançar As Suas Metas Como o mundo avança Segurança. Flexibilidade. Uma Vantagem

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED A DME Distribuição SA. DMED, empresa pública de direito privado, com sede na Rua Pernambuco, 265 - CEP 37701-021 -

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CIGRÉ - CE C5-Electricity Markets and Regulation Grupo Melhores Práticas de Gestão de Risco GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA: SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTA

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin (CCEE), Nilton Lima (CCEE)

Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin (CCEE), Nilton Lima (CCEE) XVIII SEPEF FERRAMENTAS DE GESTÃO DE RISCO NA COMERCIALIZAÇÃO PARA AGENTES DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor MERCADO LIVRE FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor Consumidor Livre ACL Regulamentação Mínima G Competição Forte Regulamentação T D Monopólio Natural Regulamentação Mínima C Competição M Consumidor

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS 04 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTITUTO IBMEC MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Centro de Estudos

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Fundos de Investimento Imobiliário - FII CONCEITO: Instrumento na forma de condomínio fechado, portanto não admitem resgate (saída a qualquer momento), para aplicação em empreendimentos imobiliários: Ativos imobiliários: propriedade direta de

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS BACKWORDS Um dos diagnósticos associado as falhas do modelo RE- SEB foi a ausência de sinais para investimentos, devido principalmente: Financiabilidade: prazo de contratação; robustez do PPA (mecanismos

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL Diga-me como me medes que eu te digo como me comportarei Eliyahu Goldtratt Agenda Alinhamento

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Hedge de fertilizantes Março de 2015

Hedge de fertilizantes Março de 2015 Hedge de fertilizantes Março de 2015 Marcelo Mello Gerenciamento de Riscos INTL FCStone Consultoria do Brasil Ltda. DISCLAIMER A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle Instrumentos Financeiros Derivativos Gerenciamento e Controle Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

1) Swap USD+cupom X Pré

1) Swap USD+cupom X Pré 1) Swap USD+cupom X Pré 1.a) Objetivos Proteção contra oscilações positivas ou negativas futuras do dólar versus o real. 1.b) Aspectos Operacionais Resultante de uma operação de troca de taxas, conhecida

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Assunto: DERIVATIVOS Objetivos da aula: Conceito

Leia mais

07 de julho 2015 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015

07 de julho 2015 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 07 de julho 2015 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1. O presente edital ( Edital ) estabelece as regras

Leia mais

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI Autores Caroline Donato Dario Almeida Marisa Fraga Apresentação Dario Almeida Gerente Executivo

Leia mais

Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial

Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial Jorge Sant Anna Superintendente de Engenharia de Produtos Abril 2004 Agenda A CETIP Limitações dos Mercados de Crédito Novos Instrumentos, Novas Possibilidades

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING 29/06/12 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO x PÚBLICO i. INTRODUÇÃO ii. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Produtos de Commodities Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Os produtos de benchmark de desempenho global que você já opera. Agora com a qualidade do CME Group. Visão Geral Grãos e sementes oleaginosas

Leia mais

SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA

SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA CONFERÊNCIA: COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Impacto do Contexto Econômico nos Preços de Energia, Migração entre Ambientes de Contratação e Liquidação de Excedentes 09

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

ORA XECUTAR FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

ORA XECUTAR FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO Uma oferta do serviço Bloomberg Professional ORA E XECUTAR BLOOMBERG FXGO A PRINCIPAL PLATAFORMA DE

Leia mais

4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução

4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução 4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução Nos capítulos anteriores, procurou-se descrever os mercados de eletricidade e a formação do preço spot de energia. No presente capítulo

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

Proteção de Preços do Agronegócio

Proteção de Preços do Agronegócio Proteção de Preços do Agronegócio Derivativos: conceitos básicos Derivativos são instrumentos referenciados em outros ativos; O objetivo primordial é permitir a gestão de riscos a que estão submetidos

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA.

LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA. LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1. O presente edital estabelece as regras para o Leilão de Compra

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

AZ Investimentos Janeiro, 2008. Esse documento foi produzido pela AZ Investimentos com fins meramente informativos.

AZ Investimentos Janeiro, 2008. Esse documento foi produzido pela AZ Investimentos com fins meramente informativos. AZ Investimentos Janeiro, 2008 Índice A empresa 3 Filosofia de Investimento 5 Gestão de Risco 7 Produtos 9 Contatos 11 A empresa Histórico e Diferenciais A AZ Investimentos é uma empresa independente autorizada

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 23 de julho de 2015

Teleconferência de Resultados 2T15. 23 de julho de 2015 Teleconferência de Resultados 2T15 23 de julho de 2015 Aviso Legal As informações contidas nesta apresentação poderão incluir afirmações que representem "forward looking statements" nos termos do disposto

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais