CENTRO UNIVERSITARIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITARIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS"

Transcrição

1 10 CENTRO UNIVERSITARIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Administração Mercadológica SABRINA DE CÁSSIA PEREIRA SILVA BELO HORIZONTE DEZEMBRO 2009

2 11 SABRINA DE CÁSSIA PEREIRA SILVA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Administração Mercadológica Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Centro Universitário Newton Paiva, Na disciplina de Estágio Supervisionado, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração Orientadores: Prof. Edgar Afonso Lamounier Junior Conteúdo Prof. Aécio Antonio de Oliveira Metodologia Empresa: JJanox Aço Inoxidável Ltda. BELO HORIZONTE DEZEMBRO 2009

3 12 AGRADECIMENTO Agradeço primeiramente a Deus, por tudo que tem feito em minha vida, as oportunidades e realizações que tenho conquistado. Agradeço também aos meus familiares, meus pais Clarindo e Angela, meus irmãos Sandro e Alicinha e todos aqueles que torcem pelo meu sucesso. Não posso deixar de agradecer aos meus amigos da faculdade Juliana, Camila Arpini, Cireno, Luciana Diniz e em especial meus orientadores Edgard e Aécio pela atenção e carinho. Finalizo agradecendo aos diretores da JJanox Tubos e todos colaboradores que contribuíram para a realização deste trabalho.

4 13 RESUMO As necessidades dos clientes estão cada vez mais complexas. Os clientes não procuram apenas produtos, mas soluções para os constantes desafios do mercado. A realidade atual exige grandes mudanças organizacionais, envolvendo um sistema maior que inclui os clientes, os fornecedores, o mercado e os ambientes. Desta forma entende-se que o marketing é fundamental instrumento para inovar, desenvolver, criar e promover as organizações no mercado. E é neste contexto que se insere o presente trabalho. Considerando este fator, as necessidades dos clientes, a organização visualizou a oportunidade para ampliar sua participação de mercado e portfólio, buscando conquistar novos clientes. Uma resposta a esta questão é diagnosticar as necessidades, capacitar a equipe de vendas e utilizar a força de vendas para alcançar o objetivo desejado. Portanto, devido a esta exigência, a JJanox investiu na abertura de uma filial, visando aumentar seu faturamento. Coerente com essa visão, a JJanox Aço Inoxidável Ltda., utilizou das teorias do marketing para estudar as possibilidades de segmentar o mercado e a importância da gerência da força de vendas para a organização. Para realização deste trabalho a metodologia utilizada foi levantamento de informações por meio de pesquisa bibliográfica, pesquisa quantitativa, treinamentos e reuniões e ao final foi feito uma avaliação dos resultados. Palavras-chave: Estratégia. Desenvolvimento. Gerência de força de vendas.

5 14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ADM - Administração CIM Comunicação Integrada de Marketing CNPJ Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica ED. - Editora LTDA - Limitada MG Minas Gerais RJ Rio de Janeiro SP São Paulo SR Senhor TEL - Telefone

6 15 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Organograma da empresa...15 FIGURA 2 Principais conceitos de marketing...18 FIGURA 3 Etapas do planejamento estratégico...21 FIGURA 4 Processo de planejamento estratégico...21 FIGURA 5 Microambiente de marketing...23 FIGURA 6 Macroambiente de marketing...24 FIGURA 7 Modelo do comportamento do comprador...26 FIGURA 8 Fatores que influenciam o comportamento do consumidor...27 FIGURA 9 Quatro tipos de comportamento de compra...27 FIGURA 10 Etapas na segmentação, identificação e posicionamento...28 FIGURA 11 Níveis de segmentação de mercado...29 FIGURA 12 Composto da comunicação integrada...31 FIGURA 13 Comunicações integradas de marketing...31 FIGURA 14 Principais etapas do gerenciamento...32 FIGURA 15 Abordagens para os mercados servidos...33 FIGURA 16 Algumas bases para a segmentação de mercados de consumo...34 FIGURA 17 Departamento de venda...52 FIGURA 18 Catálogo de produtos...53 FIGURA 19 Catálogo de produtos...53 FIGURA 20 Sala de vendas...54 FIGURA 21 Palestra e coffee break...55

7 16 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 Segmento de atuação...45 GRÁFICO 2 Itens utilizados...45 GRÁFICO 3 Regularidade de compra...46 GRÁFICO 4 Disponibilidade no mercado...47 GRÁFICO 5 Preço JJanox...48 GRÁFICO 6 Preço em relação ao atendimento...49 GRÁFICO 7 Preço em relação a qualidade do produto...49 GRÁFICO 8 Preço em relação ao prazo de entrega...50 GRÁFICO 9 Popularidade da JJanox...55 GRÁFICO 10 Utilização dos produtos da JJanox...56 GRÁFICO 11 Atendimento JJanox...57 GRÁFICO 12 Disponibilidade do material...58 GRÁFICO 13 Conhecimento técnico dos vendedores...58 GRÁFICO 14 Prazo de entrega respeitado...59 GRÁFICO 15 Faturamento de Junho a Novembro da JJanox...60 GRÁFICO 16 Relação mensal de pedidos da vendedora Maria...61 GRÁFICO 17 Relação mensal de pedidos da vendedora Géssica...61 GRÁFICO 18 Relação mensal de pedidos do vendedor Rubens...61

8 17 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Setores Selecionados...44 TABELA 2 Principais Concorrentes...48

9 18 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA EMPRESA Dados Gerais Histórico Organograma PROBLEMATIZAÇÃO Problematização Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO Síntese da área Administração Mercadológica Segmentação de mercado Gerência da força de vendas Análise da área da empresa Síntese dos setores de concentração Segmentação de mercado e Gerência de vendas Análise dos setores de concentração na empresa PROPOSTA DA ESTAGIARIA Objetivo geral Objetivos específicos Metodologia de intervenção ORGANOGRAMA DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES Diagnosticar a necessidade estratégica Identificar as condições de mercado Medir a participação dos concorrentes Identificar e apurar as informações dos clientes Entrevista com supervisor de vendas Adquirir o CD com possíveis clientes da FIEMG Filtrar e agrupar as informações Capacitar a equipe de vendas Apresentação do procedimento do telemarketing...54

10 Visitação aos clientes Pós Vendas Avaliar os resultados CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS...64 REFERÊNCIAS...65 APÊNDICES...66 FOLHA DE ASSINATURAS...74

11 10 1 INTRODUÇÃO Cada vez mais as organizações buscam a satisfação de seus clientes, visando atender suas necessidades. Essa atitude deu-se inicio nos anos 90, vem sendo adotada por todos para garantir a sobrevivência do negocio. Na busca de conhecimentos, métodos e estratégias para superar os desafios e enfrentar a competitividade, é preciso focar e centralizar os esforços para conhecer os clientes e criar condições para satisfazer suas necessidades. Com a chegada da globalização, os clientes tornaram infiéis e mais exigentes, construindo assim para a diversificação de produtos e serviços. O grande diferencial atualmente esta centrado no atendimento ao cliente. A organização não pode medir esforços no desenvolvimento desta tarefa. É preciso observar com atenção todas as necessidades, segmentá-las e prepara-se a equipe de vendas para que haja a satisfação e possa torna a organização atuante no mercado. Assim, a partir desta proposta são realizadas pesquisas e levantamento de dados internos e externos à organização em conformidade com toda a equipe de colaboradores para a construção de uma proposta de intervenção inovadora. E ainda, para ressaltar a importância do marketing conforme são citadas palavras de grandes autores como Kotler e Armstrong (2005, p. 41) o marketing examina as necessidades do consumidor e a capacidade da empresa de satisfazê-las; esses mesmos fatores orientam a missão e os objetivos gerais da empresa. Fundada em 1991 e localizada em Belo Horizonte, a JJanox Aço Inoxidável Ltda. atua no mercado como distribuidora de aços inoxidáveis, realizando para isso constantes investimentos em equipamentos e na sua equipe de colaboradores. Todos esses investimentos têm como objetivo principal aumentar seu faturamento por meio da diversificação do portfólio de produtos e segmentando em um novo mercado, bem como garantindo a satisfação do cliente, atrelados ao atendimento e comprometimento da organização.

12 11 Para torna-se uma empresa competitiva no mercado a JJanox preocupa-se com o treinamento de sua equipe, melhorar seus processos de controle de entrada e saída de materiais e oferecer somente produtos de qualidade e com um bom atendimento para satisfazer os clientes. A JJanox busca atingir seu principal objetivo trabalhando com seriedade e respeito, oferecendo produtos e serviços confiáveis a preços justos de maneira a garantir a sustentabilidade da organização. Atualmente vive se em um mundo altamente competitivo, devido a isto faz-se necessário conhecer as necessidades, os desejos e os segmentos que pretende-se atuar para assim atender o mercado da melhor forma possível. As organizações lucrativas com o intuito de aumentar seu faturamento utilizam da segmentação de mercado para selecionar seu publico alvo direcionando seus esforços para um parâmetro definido, otimizando assim os objetivos. Outro ponto é a importância da gerência da força de vendas, conforme Semenik e Bamossy (1996, p. 511), o pessoal de vendas responsabiliza-se pela gestão de seus próprios esforços individuais, mas o pessoal de administração de vendas é responsável pelo desempenho da força de vendas como um todo. Dessa maneira, investir em pesquisas e treinamentos tem um valor relevante. Conhecer as necessidades dos clientes e capacitar os colaboradores ajudará na obtenção dos objetivos desejados. No entanto, percebe-se que viabilizar na prática, a aumentar o faturamento e torna a JJanox atuante em um novo segmento de mercado exigi a participação e o comprometimento de todos os seus colaboradores e parceiros com o qual se relaciona. Desta forma, as estratégias se tornam um processo de constante construção.

13 12 2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA JJANOX LTDA A JJanox Aço Inoxidável é uma organização que tem como principal foco a comercialização de aço inoxidável e a missão de satisfazer os clientes, valorizar os colaboradores e medir lucros. Por tanto a organização possui registro junto ao governo e à Junta Comercial o que lhe dá a obrigação de emitir de notas fiscais. 2.1 Dados gerais Os dados gerais referentes à JJanox Aço Inoxidável são os seguintes: a) razão social: JJanox Aço Inoxidável Ltda.; b) nome fantasia: JJanox Ltda.; c) endereço completo: Rua Marambaia, 97 - bairro Pedro II, Belo Horizonte / MG, Cep , d) inscrição estadual: ; e) CNPJ: / ; f) Outras informações: filiais; - filial: São Francisco; -filial: Vitória. 2.2 Histórico 1 A JJanox Aço Inoxidável Ltda. foi fundada em 1991 pelo atual diretor Jean Paulet Fernandes dos Santos, com o objetivo de comercializar aço inoxidável em suas mais diversas formas de apresentação. 1 As informações foram obtidas através de consulta no site.

14 13 Possuindo a tradição e o reconhecimento há mais de 18 anos neste mercado, a JJanox atua com seus produtos em todo estado de Minas Gerais e Espírito Santo, e abrange com grande importância praticamente todo o território nacional. Buscando a melhoria contínua na comercialização de aço inoxidável e a excelência nos padrões de qualidade de atendimento, está em constante atualização e reciclagem técnica de seus funcionários. Com intuito de manter a qualidade a organização desenvolveu um sistema de gestão que garante a satisfação dos funcionários, dos clientes, o comprometimento com a responsabilidade social e a competitividade que destaca no mercado em relação aos concorrentes. Atualmente a organização possui uma estrutura de médio porte com a capacidade para atender grandes clientes como: Líder Interiores, Iluminar, Construtora Nogueira e Oliveira, Aço Forte e Companhia do Sofá. Com as mudanças de mercado, a empresa sentiu a necessidade de diversificar e expandir na distribuição de outros produtos introduzindo a linha de tubos e conexões em aço inoxidável crescendo sua estrutura com a abertura de mais uma filial, oferecendo novos produtos, como: cantoneiras; barras chata; perfis; flanges; conexões. Contudo, a JJanox busca a segurança no trabalho, realização e valorização dos colaboradores e obtenção de lucros de acordo com as medidas de seus desempenhos.

15 Organograma DIRETORIA SETOR SETOR ADM. COMECIAL CONTAS A CONTAS A TESOURARIA VENDAS EXPEDIÇÃO ENTREGA RECEBER PAGAR FIGURA 1 Organograma da Empresa Fonte: Desenvolvido pelo autor

16 15 3. PROBLEMATIZAÇÃO/JUSTIFICATIVA A JJanox encontra-se inserida num mercado de constante mudanças e com grande carência de serviços personalizados. Para futuras analises destaca-se os principais concorrentes: Tubos Gerais, Feital e Steel Cortes que atualmente não atendem completamente as necessidades exigidas pelos clientes. Por este motivo será analisado na problematização os pontos positivos apontados que contribuirá para ampliação do mercado, reforçando a justificativa que é aproveitar a oportunidade para suprir a carência do mercado. 3.1 Problematização Com o intuito de aumentar seu faturamento a JJanox, investiu na abertura de uma filial. Essa tem o objetivo de vender tubos, conexões e acessórios em aço inoxidável aumentando assim o portfólio de negócios da organização e visualizando este novo segmento de mercado. 3.2 Justificativa Vale destacar que a abertura da filial deve-se ao fato da ausência de serviços especializados detectados com exatidão, e diante desta oportunidade será trabalhado dentro da área mercadológica a ampliação de sua participação no mercado e do portfólio da empresa, visando conquistar novos clientes, oferecendo produtos personalizados e agilidade no atendimento devido ao ponto estratégico da localização da organização, todas essas ações serão acompanhadas pela gerência da organização.

17 16 No entanto, a expectativa da JJanox com abertura da filial é atender a crescente demanda de mercado e acima de tudo expandir sua participação, tornando atuante no mercado e atingindo uma participação em torno de 20%.

18 17 4. REFERENCIAL TEÓRICO 4.1 Síntese da área Administração Mercadológica A Gestão Estratégia de Marketing, por meio de um bom planejamento atua na organização como uma forma de manter a competitividade, direcionar e controlar processos e procedimentos, identificador de falhas e orientador nas decisões de mudanças necessárias para ajustar a organização, pois o mercado atual exige adequações constantes com a realidade. A implantação desta gestão exige o envolvimento de todos, boa comunicação organizacional, na obtenção dos objetivos estabelecidos. Segundo Kotler e Armstrong (1997, p. 3), marketing é como um processo social e gerencia através do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e que desejam, criando e trocando produtos e valores com outros. FIGURA 2 principais conceitos de marketing Fonte: Kotler; Armstrong,2003, p. 4.

19 18 Abaixo será descrito os principais conceitos de marketing: De acordo com Kotler e Armstrong (2005, p. 41), o marketing examina as necessidades do consumidor e a capacidade da empresa de satisfazê-las; esses mesmos fatores orientam a missão e os objetivos gerais da empresa. O conceito mais básico de marketing é o das necessidades humanas, que resultam de situações de privação. Entre essas necessidades estão: necessidades físicas básicas de alimentação, vestuário, abrigo e segurança; necessidades sociais de bens e afeto; e necessidades individuais de conhecimento e auto-expressão. Elas foram inventadas pelos profissionais de marketing; são elementos básicos da condição humana. (KOTLER; ARMSTRONG, 2005, p. 4). Kotler e Armstrong (2005) afirmam ainda que, os desejos contribuam para os aquecimentos das demandas, uma vez que ambos trabalham proporcionalmente. Conforme Kotler e Armstrong (2005, p. 4), desejos são a forma que as necessidades humanas assumem quando são particularizadas por determinada cultura e pela personalidade individual. Fortalece que as demandas são os desejos humanos apoiados pelo poder de compra. As pessoas têm desejos praticamente ilimitados, mas possuem recursos finitos. Assim, optam por investir seu dinheiro em produtos que lhes ofereçam o máximo possível de valor e satisfação. Quando apoiados pelo poder de compra, os desejos tornam-se demandas. Os consumidores vêem os produtos como pacotes de benefícios e escolhem aqueles que lhes dão o melhor conjunto de valores por seu investimento. (KOTLER; ARMSTRONG, 2005 p. 4). As necessidades e os desejos das pessoas são supridos por meio de qualquer coisa que possa ser oferecida a um mercado para satisfazer uma necessidade ou um desejo, ou seja, produtos e atividades ou benefícios oferecidos para venda que são essencialmente intangíveis e não resultam na posse de nada, conhecido como serviços. A satisfação do cliente depende de alguns fatores, dentre eles a qualidade, que exerce impacto direto sobre o desempenho do produto. Haja vista que o valor do produto de qualidade é muito mais que a diferença entre adquirir e utilizá-lo, mas a

20 19 aquisição de qualidade. Se esse desempenho não corresponder as expectativa o cliente, o mesmo ficará insatisfeito. Kotler e Armstrong (2005, p. 7) citam ainda que, a troca é o ato de obter de alguém um objetivo desejado oferecendo alguma coisa em troca. Ela é apenas uma entre as muitas maneiras pelas quais as pessoas podem satisfazer esse desejo. Parafraseando Churchill e Peter (2000) diz, a essência do marketing é desenvolvido de trocas em que organizações e cliente participam voluntariamente de transações destinadas à empresa trazerem benefícios para todos, onde existem dois tipos de clientes que participam de trocas comerciais, sendo, compradores organizacionais que compram bens e serviços para empresas, órgãos governamentais e outras instituições, como hospitais e escolas e consumidores que compra bens e serviços para seu próprio uso e para presentear outras pessoas. A necessidade de consumidores ou compradores organizacionais são as coisas necessárias para sua sobrevivência e os desejos são bens e serviços específicos que satisfazem necessidades adicionais que vão alem da necessidade de sobrevivência. Mercado é o conjunto de compradores atuais e potenciais de um produto. Esses compradores compartilham de um desejo ou de uma necessidade especifica que pode ser satisfeita por meio de trocas e relacionamentos. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003, p. 8). Os conceitos de marketing são interligados a todo o momento isto se comprova na colocação de Kotler (2002), onde o mesmo faz um elo entre transações e relacionamento. O marketing de transações é parte de uma idéia maior denominada marketing de relacionamento. O marketing de relacionamento tem como objetivo estabelecer relacionamentos mutuamente satisfatórios de longo prazo com partes-chave clientes, fornecedores, distribuidores -, a fim de ganhar e reter sua preferência e seus negócios no longo prazo. O marketing de relacionamento estabelece solidas ligações econômicas, técnicas e sociais entre as partes. (KOTLER, 2002, p. 35). Muitas organizações acreditam que o planejamento estratégico é um processo voltado apenas para as grandes empresas, porém é um procedimento que auxilia a todas as organizações.

21 20 De acordo com Kotler e Armstrong (2005, p. 41), o plano estratégico estabelece quais tipos de negócios a empresa vai abordar e os objetivos de cada um desses negócios. Planejamento estratégico é como um processo de desenvolver e manter um ajuste estratégico entre os objetivos, habilidades e recursos de uma organização e as oportunidades de marketing em um mercado em continua mutação. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003, p. 4). FIGURA 3 etapas do planejamento estratégico Fonte: Kotler; Armstrong, 2003, p. 33. Segundo Churchill e Peter (2000, p. 86), esforços de marketing eficazes são aqueles que possibilitam às empresas alcançar seus objetivos definidos por meio do processo de planejamento estratégico. O planejamento estratégico centra-se em objetivos de longo prazo, concentrando-se em atividades que resultem no desenvolvimento de uma missão organizacional clara, bem como de objetivos organizacionais e de estratégias que permitam a empresa alcançar tais objetivos. (CHURCHILL; PETER, 2000, p. 86). FIGURA 4 - processo de planejamento estratégico Fonte: Churchill; Peter, 2000, p. 87. O plano estratégico ao ser implementado na organização gera modificações nas estratégias que serão monitoradas pelos gestores e conduziram alterações dos

22 21 planos. Assim, o planejamento estratégico torna um processo dinâmico de ações, feedback e reações incluindo movimentos proativos e reativos. A função do profissional de marketing é muito mais que apenas lidar com as variáveis controláveis do mix de marketing, afinal a empresa opera em um ambiente complexo, constituído por forças incontroláveis, a empresa deve analisar cuidadosamente seu ambiente para que possa evitar as ameaças e conquistar vantagem com as oportunidades. (KOTLER; ARMSTRONG, 2005, p. 52). Segundo Churchill e Peter (2000, p. 26), análise ambiental é a prática de rastrear as mudanças no ambiente que possa afetar uma organização e seus mercados. Para kotler e Armstrong (2004, p. 61): O ambiente de marketing de uma empresa é constituído de participantes e forças externas a ele que afetam a capacidade da administração de marketing de desenvolver e manter bons relacionamentos com seus clientes-alvo. Ele oferece tanto oportunidades quanto ameaças. Empresas bem-sucedidas sabem a importância de estar sempre observando e se adaptando ao ambiente em mutação. O ambiente de marketing é composto de um microambiente e um macroambiente. Segundo Churchill e Peter (2000, p. 6), microambiente é o estudo de processos e atividades de marketing nos níveis organizacional, de produto ou de marca. O microambiente é formado por fatores ligados à empresa que fazem parte do ramo de atividade da organização que interferem na capacidade do atendimento ao cliente ou que influencia no cliente-empresa, fornecedores, intermediários, clientes, concorrentes e públicos, onde o sucesso depende de todos da organização. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003).

23 22 O MICROAMBIENTE Empresa Público Concorrentes Forças próximas à empresa que afetam sua capacidade de servir seus clientes Clientes Fornecedores Intermediários FIGURA 5 - microambiente de marketing. Fonte: Conforme Kotler e Armstrong (2003) abaixo serão descritas as principais forças do microambiente. A empresa é um conjunto organizado, particular com âmbito (privado), associados ou de caráter publico onde possuem a atividade de produção visando a venda de produtos e/ou serviços. Os fornecedores são aqueles que oferecem para a empresa os recursos necessários para a produção de seus bens/serviços. Os intermediários são aqueles que ajudem a organização na promoção, venda e distribuição do produto/serviço ate o consumidor final. Contudo, os autores afirmam ainda que, as organizações precisem identificar o mercado onde seus clientes encontram-se. Os mercados consumidores consistem de indivíduos e famílias que compram bens e serviços para consumo pessoal. Os mercados de negócios compram bens e serviços para processamento posterior ou para utilizá-los em seu processo de produção, enquanto os mercados revendedores compram bens e serviços para revendê-los com margem de lucro. Os mercados governamentais são constituídos de órgãos governamentais que compram bens e serviços para produzir serviços públicos ou para transferi-los a outros que necessitam deles. Para completar, os mercados internacionais consistem de

24 23 compradores em outros países, incluindo consumidores, produtores, revendedores e governos. (KOTLER, ARMSTRONG, 2005, p. 63). De acordo com Kotler e Armstrong (2003), os concorrentes são fundamentais para que a organização saiba quais são as suas estratégias, como melhorar o posicionamento do seu produto/serviço no mercado, a objeção dos clientes, a instabilidade do mercado e descobrir os resultados de seus concorrentes. E o público é qualquer grupo que tenha algum tipo de interesse na organização ou que possa impactar em algum objetivo da empresa. Segundo Kotler e Armstrong (2005, p. 61), o macroambiente é constituído de forças societais maiores que afetam o microambiente forças demográficas, econômicas, naturais, tecnológica, políticas e culturais. FIGURA 6 - macroambiente de marketing. Fonte: Abaixo serão descritas as principais forças da macroambiente. Para Churchill e Peter (2000, p. 37), demografia é o estudo das características de uma população humana, o que inclui, por exemplo: idade, índice de natalidade, índice de mortalidade, estado civil. Instrução, crença religiosa, etnia, imigração ou distribuição geográfica.

25 24 De acordo com Churchill e Peter (2000, p.28), o ambiente econômico para o marketing envolve a economia como um todo, incluindo ciclos de negócios e padrões de gastos, alem de questões referentes à renda do consumidor. Na perspectiva do profissional de marketing, o ambiente natural envolve os recursos naturais, disponíveis para a organização ou afetadas por ela. O ar, a água, os minerais, as plantas e os animais podem ser parte do ambiente natural de uma empresa, sendo ou não utilizados por ela para produzir seus bens e serviços. (CHURCHLL; PETER, 2000, p.43). Churchill e Peter (2000) afirmam ainda que, as forças tecnológicas constituam a união do conhecimento cientifico, a pesquisa, as invenções e as inovações resultando em bens e serviços novos. Os desenvolvimentos tecnológicos proporcionam oportunidades importantes para melhorar o valor oferecido aos clientes. Segundo Kotler e Armstrong (2005, p. 75), as decisões de marketing são fortemente afetadas pelos acontecimentos no ambiente político. O ambiente político consiste em leis, órgãos governamentais e grupos de pressão que afetam e limitam varias organizações e indivíduos de determinada sociedade. Enfim Kotler e Armstrong (2005, p. 76), afirmam que: O ambiente cultural é constituído de instituições e outras forças que afetam os valores, as percepções, as preferências e os comportamentos básicos de uma sociedade. As pessoas crescem em determinada sociedade que molda suas crenças e seus valores básicos. Elas absorvem uma visão de mundo que define seu relacionamento com os outros. As características culturais a seguir podem afetar as decisões de marketing. Além de identificar os acontecimentos do ambiente os gestores necessitam de estudos formais sobre as situações específicas, neste caso onde os profissionais precisam apurar detalhes a melhor procedimento é uma pesquisa de mercado. Pesquisa de mercado consiste na [...] elaboração, a coleta, a análise e a edição de relatórios sistemáticos de dados relevantes sobre uma situação específica de marketing com a qual uma organização se depara. (KOTLER; ARMSTRONG, 2005, p.94).

26 25 A pesquisa de marketing se divide em quatro etapas: definição do problema e dos objetivos da pesquisa, desenvolvimento do plano de pesquisa, implementação do plano de pesquisa e interpretação e apresentação dos resultados. Pesquisa de mercado como função que liga o consumidor, o cliente e o público ao profissional de marketing por meio de informações estas usadas para identificar e definir oportunidades e problemas de marketing; gerar, refinar e avaliar ações de marketing; monitorar e desempenho do marketing; e melhorar o entendimento do marketing como um processo. Em outras palavras, para que os profissionais de marketing antecipem ou respondam as necessidades dos clientes, o gestor precisa ter informações atuais e potenciais para obter sucesso. (CHURCHILL; PETER, 2000, p. 116). O comportamento de compra do consumidor refere-se ao comportamento dos consumidores finais indivíduos e famílias que compram bens e serviços para consumo pessoal. A união destes consumidores constitui o mercado consumidor. Diariamente, os consumidores alteram suas decisões de compra e a finalidade dos profissionais de marketing é estudar as compras dos consumidores. Mas descobrir os motivos do comportamento de compra deles não é uma tarefa fácil - as respostas geralmente estão trancadas na cabeça dos consumidores. (KOTLER; ARMSTRONG, 2005). O ponto de partida é o modelo de estímulo, que mostra as ações de marketing e outros estímulos penetram na caixa-preta do consumidor e produzem determinadas respostas. Os estímulos de marketing consistem dos 4Ps: produto, preço, praça e promoção. FIGURA 7 modelo do comportamento do comprador Fonte: Kotler; Armstrong, 2005, p.119 Segundo Kotler e Armstrong (2005, p. 119), as compras dos consumidores são extremamente influenciadas pelas características culturais, sociais, pessoais e

27 26 psicológicas. [...] os profissionais de marketing não podem controlar esses fatores, mas devem levá-los em consideração. FIGURA 8 fatores que influenciam o comportamento do consumidor. Fonte: Kotler; Armstrong, 2005, p. 119 Cita Kotler e Armstrong (2005), que os consumidores manifestam comportamentos diversos ao executar compras. As decisões podem ser com alto e baixo envolvimento por parte do comprador. Com base em seu grau de envolvimento e no nível de diferença existente entre as marcas surgem quatro tipos de comportamento de compra, sendo comportamento de compra complexa, de dissonância cognitiva reduzida, busca de variedade e habitual. FIGURA 9 quatro tipos de comportamento de compra. Fonte:http://sites.ffclrp.usp.br Basicamente, os profissionais de marketing precisam saber como os compradores organizacionais responderão a seus inúmeros estímulos. Assim como nas compras de bens de consumo, os estímulos para a compra organizacional consistem nos 4Ps: produtos, preço, praça e promoção. Os estímulos são as principais forças nos ambientes econômico, tecnológico, político, cultural e competitivo. Esses estímulos penetram na organização e são transformados em respostas do comprador: escolha do produto ou serviço; escolha do fornecedor; quantidade de pedidos, e condições de entrega, serviço e pagamento. Em geral, para desenvolver boas estratégias de mix de marketing, o profissional da área deve entender o que acontece

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Introdução Ao Marketing

Introdução Ao Marketing Introdução Ao Marketing O que é Marketing? Isso não é Marketing Muitas pessoas pensam em marketing apenas como vendas e propaganda e isso não causa nenhuma surpresa; Entretanto, vendas e propaganda constituem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Esse estágio é chamado de Implementação.

Esse estágio é chamado de Implementação. A empresa, após realizar o Planejamento Estratégico, Tático e Operacional, deve gerar o produto designado, definir seu preço, distribuí-lo e promovê-lo. Esse estágio é chamado de Implementação. Todas as

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais