Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde"

Transcrição

1 Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014

2

3 Universalidade Descentralização políticoadministrativa Integralidade Equidade Controle social

4 LEGISLAÇÃO SUS DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, 19 de setembro de 1990 ORGANIZAÇÃO DO SUS o Regiões de Saúde o Hierarquização ASSISTÊNCIA À SAÚDE o Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES o Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME ARTICULAÇÃO INTERFEDERATIVA o Comissões Intergestores o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde PLANEJAMENTO DA SAÚDE

5 LEGISLAÇÃO SUS Regulamenta a Lei n o 8.080, 19 de setembro de 1990 ORGANIZAÇÃO DO SUS o Regiões de Saúde o Hierarquização ASSISTÊNCIA À SAÚDE o Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES o Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME ARTICULAÇÃO INTERFEDERATIVA o Comissões Intergestores o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde PLANEJAMENTO DA SAÚDE

6 Gestor federal: normas vigentes para regionalização no pacto federativo Estado: capacidade de desempenhar o papel esperado na regionalização Municípios: Cosems, CIBs, CGRs, características do território, etc. Regionalização

7 LEGISLAÇÃO SUS Regulamenta a Lei n o 8.080, 19 de setembro de 1990 ORGANIZAÇÃO DO SUS o Regiões de Saúde o Hierarquização ASSISTÊNCIA À SAÚDE o Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES o Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME ARTICULAÇÃO INTERFEDERATIVA o Comissões Intergestores o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde PLANEJAMENTO DA SAÚDE

8 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde (COAP) indicadores e metas de saúde recursos financeiros que serão disponibilizados Acordo de colaboração entre entes federativos para organizar e integrar as ações e serviços de saúde na rede regionalizada e hierarquizada, com definição de: forma de controle e fiscalização de sua execução critérios de avaliação de desempenho demais elementos necessários à implementação integrada das ações e serviços de saúde

9 Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde (COAP) Parte I: Responsabilidades Organizativas Parte II: Responsabilidades Executivas Parte III: Responsabilidades Orçamentárias e Financeiras Parte IV: Monitoramento e Avaliação de Desempenho e Auditoria

10 O QUE PROCURA O SUS COM O CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO PÚBLICA? Maior transparência na gestão do SUS, segurança jurídica e controle social; Organizar o SUS regionalmente, definindo responsabilidades entre os entes federativos na Região; Fortalecer o componente regional do SUS, materializando a região de saúde para conformação de uma rede de atenção à saúde; Assegurar a integralidade e à equidade; Formulação de políticas integradas a partir da Região de Saúde.

11 Parte II do COAP, responsabilidades executivas: 1. Diretrizes e objetivos do PNS e políticas prioritárias; 2. Objetivos plurianuais em consonância com os planos nacional, estadual e municipal; 3. Metas Regionais anuais; 4. Indicadores; 5. Formas de Avaliação; 6. Prazos de Execução.

12 INDICADORES Diretriz 1 Garantia do acesso da população a serviços de qualidade, com equidade e em tempo adequado ao atendimento das necessidades de saúde, mediante aprimoramento da política de atenção básica e da atenção especializada. 1. Cobertura populacional estimada pelas equipes básicas de saúde bucal 2. Média da ação coletiva de escovação dental supervisionada 3. Proporção de exodontia em relação aos procedimentos

13 LEGISLAÇÃO SUS Regulamenta a Lei n o 8.080, 19 de setembro de 1990 ORGANIZAÇÃO DO SUS o Regiões de Saúde o Hierarquização ASSISTÊNCIA À SAÚDE o Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES o Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME ARTICULAÇÃO INTERFEDERATIVA o Comissões Intergestores o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde PLANEJAMENTO DA SAÚDE

14 RELAÇÃO NACIONAL DE AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE (RENASES) Contempla, de forma agregada, toda a tabela de procedimentos do SUS; DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Será revisada a cada 2 anos. AÇÕES E SERVIÇOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA AÇÕES E SERVIÇOS DA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA AÇÕES E SERVIÇOS DA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL AÇÕES E SERVIÇOS DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA

15 OS SISTEMAS FRAGMENTADOS DE ATENÇÃO À SAÚDE AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

16 CENÁRIO BRASILEIRO Diversidade de contextos regionais com marcantes diferenças sócio econômicas necessidades de saúde da população entre as regiões; elevado peso da oferta privada e seus interesses; pressões sobre o mercado na área da saúde; desafio de lidar com a complexa inter relação entre acesso, escala, escopo, qualidade, custo e efetividade; demonstram a complexidade do processo de constituição de um sistema unificado e integrado no país. Portaria Nº 4.279, 30/12/10, institui as Redes de Atenção à Saúde Intensa fragmentação de serviços, programas, ações e práticas clínicas

17 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a integralidade do cuidado (Ministério da Saúde, 2010 Portaria 4.279, de 30/12/2010).

18 SISTEMAS FRAGMENTADOS PARA AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE SISTEMA FRAGMENTADO E HIERARQUIZADO REDES POLIÁRQUICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE Alta Complexidade Média Complexidade Atenção Primária a Saúde Atenção Primária a Saúde FONTE: MENDES (2009)

19 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O Ministério da Saúde está priorizando a construção de quatro redes temáticas prioritárias ou linhas de cuidado nos mesmos territórios: 19

20 SINGULARIDADES DA ATENÇÃO BÁSICA NAS REDES - Forte grau de descentralização e capilaridade (comum a todos); - Alto grau de exposição à dinâmica social e às condições e modos de vida das pessoas nos territórios; - Contato permanente com os usuários, famílias e grupos sociais; - Atenção Complexa: demandas e necessidades diversas x articulação de variadas tecnologias de cuidado individual e coletivo (resolutividade clinica e sanitária); - Base do Cuidado Integral em Rede (único componente sempre necessário); 20

21 ARTICULAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA COM OS DEMAIS COMPONENTES DA REDE - Relação Horizontal, Continua e Integrada entre serviços, para a produção do Cuidado Integral em Rede; - Regionalização das outras modalidades de serviços com base territorial e na atenção básica, segundo critérios de escala e escopo; - Pactuação das missões, fluxos, critérios e condições de encaminhamento entre profissionais e gestores dos diferentes serviços, sob controle social; - Gestão (Compartilhada) do Cuidado; 21

22 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

23 REDE SAÚDE MAIS PERTO DE VOCÊ ATENÇÃO BÁSICA

24

25 REDE SAÚDE MAIS PERTO DE VOCÊ ATENÇÃO BÁSICA Equipe de Agentes Comunitários de Saúde Equipe de Saúde Bucal Núcleos de Apoio à Saúde da Família Equipe Saúde da Família Programa Saúde na Escola Melhor em Casa Consultório na Rua ESF Ribeirinhas ESF Fluviais

26 REDE SAÚDE MAIS PERTO DE VOCÊ ATENÇÃO BÁSICA 1. Ser base: ser a modalidade de atenção e de serviço de saúde com o mais elevado grau de descentralização e capilaridade. 2. Ser resolutiva: identificar riscos, necessidades e demandas de saúde, utilizando e articulando diferentes tecnologias de cuidado individual e coletivo. 3. Coordenar o cuidado: elaborar, acompanhar e gerir projetos terapêuticos singulares, bem como acompanhar e organizar o fluxo dos usuários entre os pontos de atenção das RAS. 4. Ordenar as redes: reconhecer as necessidades de saúde da população sob sua responsabilidade, organizando as necessidades desta população em relação aos outros pontos de atenção à saúde. 26

27 Saúde da família Programa alcança 56% da população, por meio de equipes, o que representa atendimento a 108,9 milhões de cidadãos dez/2013 Investimentos de R$ 2,8 bilhões, em 2010 a R$ 3,2 bilhões, em 2012

28 Reorganização do Processo de Trabalho TRABALHO EM EQUIPE TRABALHO MULTIDISCIPLINAR Universalidade Equidade Integralidade PLANEJAMENTO AÇÕES INTERSETORIAIS FOCO DE ATUAÇÃO CENTRADO NO TERRITÓRIO-FAMÍLIA- COMUNIDADE

29 Valores em R$ % Valores transferidos - Fundo a Fundo R$ 745 milhões % 29

30 Índice CPO CPO indicador composto pela soma dos dentes cariados, perdidos e obturados 2, , , ,

31 Índice CPO aos 12 anos (Brasil) 2,07 2,07 2,78 Fonte: WHO, 2010

32 Centro de Especialidades Odontológica - CEO Criados em 2004, são serviços de referência para as Equipes de Saúde Bucal e oferecem serviços especializados: 1. Diagnóstico bucal 2. Periodontia especializada 3. Cirurgia oral menor 4. Endodontia 5. Atendimento a portadores de necessidades especiais Evolução Laboratório Regional de Prótese Dentária - LRPD agosto de 2012 R$ Municípios com LRPD Valor da prótese passa de R$ 100 para R$ 150 Valor máximo que um município pode receber 32

33 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

34 REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER 1. Garantia do acolhimento com classificação de risco, ampliação do acesso e melhoria da qualidade do PRÉ-NATAL 2. Garantia de VINCULAÇÃO da gestante à unidade de referência e ao transporte seguro 3. Garantia das boas práticas e segurança na atenção ao PARTO E NASCIMENTO 4. Garantia da atenção à saúde das CRIANÇAS de 0 a 24 meses com qualidade e resolutividade 5. Garantia da ampliação do acesso ao PLANEJAMENTO REPRODUTIVO 34

35 REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Planos de Ação regional e municipal da Rede Cegonha para o repasse dos recursos: O1 consulta odontológica para todas as gestantes; 02 consultas/ano para 100% das crianças de 0 a 12 meses.

36

37 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

38 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Promoção e prevenção Atenção primária: unidades básicas de saúde Consultório Odontológico na UPA Porte III UPA e outros serviços com funcionamento 24 horas SAMU 192 Portas hospitalares de atenção às urgências Enfermarias de Retaguarda e Unidades de Cuidados Intensivos Inovações tecnológicas nas linhas de cuidado prioritárias Atenção domiciliar Acolhimento com classificação de risco e resolutividade

39

40 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

41 REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Saúde aos usuários de álcool, crack e outras drogas 1 - COMPONENTES DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL - ATENÇÃO PRIMÁRIA (UBS, EQUIPE DE APOIO) - CONSULTÓRIOS DE RUA (Técnico em Saúde Bucal) - CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS) - CASAS DE ACOLHIMENTO TRANSITÓRIO (CAT) - LEITOS EM HOSPITAL GERAL - URGÊNCIA E EMERGÊNCIA (SAMU, UPA) 2 - COMPONENTES SUPLEMENTARES - CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL (CREAS) - CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL (CRAS) - COMUNIDADES TERAPÊUTICAS (CT)

42

43 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

44

45 REDE DA ATENÇAÕ À PESSOA COM DEFICIÊNCIA 1. Ampliar o acesso e qualificar atendimento às pessoas com deficiência no SUS, com foco na organização de rede e na atenção integral à saúde, que contemple as áreas de deficiência auditiva, física, visual, intelectual e ostomias. 2. Ampliar a integração e articulação dos serviços de reabilitação com a rede de atenção primária e outros pontos de atenção especializada. 3. Desenvolver ações de prevenção de deficiências na infância e vida adulta. 45

46 REDES DA ATENÇAÕ À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência Capacitação de equipes de saúde bucal para atendimento à pessoa com deficiência; Incentivar 420 CEOs para servirem de referência ao atendimento odontológico da pessoa com deficiência; Qualificação de 81 centros cirúrgicos para atendimento odontológico a nível hospitalar.

47 Centro de Especialidades Odontológicas Hospital Serviços de Diagnóstico Equipe de Saúde Bucal Atenção Domiciliar Laboratório de Prótese Dentária Farmácias

48 CENÁRIOS ATUAL DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL Precariedade no acesso Dificuldades no agendamento para as especialidades Práticas centradas nas doenças Fragmentação do cuidado Rotinas e normas centradas mais na percepção dos profissionais que nas necessidades dos sujeitos Predomínio de tecnologias duras

49 Redes de Atenção e Territórios Integrados Assegurar rede hierarquizada e regionalizada Qualificação dos CEO na Rede de Atenção à Saúde Provisão de acesso à estrutura hospitalar Desafios da gestão municipal para Rede de Atenção à Saúde Bucal Garantir acesso ampliado e qualificado Critérios técnicos confiáveis de referência e contrareferência Política e investimentos prioritários conforme necessidades população Capacitar trabalhadores

50 Setor de Administração Federal Sul Quadra 02 Lotes 5/6 Edifício Premium Torre II sala 06 CEP: Brasília DF Correio eletrônico: Site: dab.saude.gov.br

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Cadastro, financiamento e processo de trabalho para municípios que receberam

Leia mais

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros AS POLITICAS PÚBLICAS condicionam Os determinantes sociais da saúde Inclusão

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica

Leia mais

I. Informações BásicaS

I. Informações BásicaS I. Informações BásicaS item Órgão municipal de saúde Plano Municipal Conselho Municipal Conselho Gestor de Unidade(s) de Saúde Fundo Municipal Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) Disque-Saúde Ouvidoria

Leia mais

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Mônica Sampaio de Carvalho Rogério Carvalho Santos Leandro Dominguez Barretto Secretaria Municipal

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Organização das Redes de Atenção à Saúde (RAS)

Organização das Redes de Atenção à Saúde (RAS) Organização das Redes de Atenção à Saúde (RAS) Lêda Lúcia Couto de Vasconcelos III Congresso de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro 18 de junho de 2011 DIRETRIZ DA SAS PROVER AÇÕES

Leia mais

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 XXVIII Congresso de Secretários Municipais de do Estado de São Paulo CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 CRS Coordenadoria de Regiões de da Secretaria de Estado da de São Paulo

Leia mais

Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde

Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde Programa de Apoio aos Programas de Residência em Área Profissional de Saúde Módulo I Políticas Públicas de Saúde Euzi Adriana Bonifácio Rodrigues Consultora Técnica

Leia mais

SEMINÁRIO O CAOS NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NO BRASIL Quais as soluções?

SEMINÁRIO O CAOS NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NO BRASIL Quais as soluções? SEMINÁRIO O CAOS NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NO BRASIL Quais as soluções? Aloísio Tibiriçá Miranda, 2º vice-presidente do CFM Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados Brasília-DF,

Leia mais

APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013

APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013 APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013 Convento da Penha, Vila Velha/ES CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO Espírito Santo Capital - Vitória 78 municípios População

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SUS Sistema Único de Saúde Princípios: Universalidade Equidade Integralidade Diretrizes: Descentralização Resolubilidade Regionalização e Hierarquização Participação dos Cidadãos

Leia mais

Financiamento. Consultório na Rua PORTARIA Nº 123, DE 25 DE JANEIRO DE Sem portaria convivência e cultura. Estabelece, no âmbito Especializada/

Financiamento. Consultório na Rua PORTARIA Nº 123, DE 25 DE JANEIRO DE Sem portaria convivência e cultura. Estabelece, no âmbito Especializada/ Rede De (RAPS) Componentes da RAPS Pontos da RAPS Nº da Portaria de Financiamento Caracterização da portaria Atenção Básica Unidade Básica de PORTARIA 2488/11 Institui a Política Saúde Nacional de Atenção

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE Conjunto de reformas institucionais do SUS. Pacto entre União, Estados e Municípios. Objetivo - promover inovações nos processos

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

Gestão em Saúde. Prof. Arruda Bastos (85)

Gestão em Saúde. Prof. Arruda Bastos (85) Gestão em Saúde Prof. Arruda Bastos arrudabastos@gmail.com (85) 9925.1122 1. Gestão da própria imagem; Gestão em Saúde 2. Panorama histórico da Gestão da Saúde; 3. Gestão do SUS Introdução, Regulação e

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Reflexões sobre Atenção Domiciliar Causas da expansão do cuidado domiciliar mundial: Resposta a mudança do padrão demográfico e patológico Insuficiência

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011.

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011. PRINCIPAIS FINANCIAMENTOS DA ATENÇÃO BÁSICA * Dados até 2014 PAB FIXO De R$ 23,00 a R$ 28,00 per capita/mês Portaria Federal nº 1.409, de 10 de julho de 2013. PIES Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Incentivo

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais

Como estão os campos de estágio de prática na SMS - BH para o ensino médico

Como estão os campos de estágio de prática na SMS - BH para o ensino médico FÓRUM DE ENSINO MÉDICO Como estão os campos de estágio de prática na SMS - BH para o ensino médico Fabiano Geraldo Pimenta Júnior Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte Rede SUS-BH Tipo de unidade

Leia mais

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós PROPOSTA DE REDE DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE POA COMISSÃO DE SAÚDE MENTAL JUNHO

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil Ministério da saúde Secretaria de Atenção à saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação de Saúde Mental Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental,

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei nº 9.716, de 07 de agosto de 1992, que estabelece a Reforma Psiquiátrica no âmbito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil Seminário PRISSMA-PESSOAS Rio de Janeiro, RJ 13 e 14 de março de 2008 Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Mental no Brasil Cristina de A. Possas Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS NOTA TÉCNICA 01 2012 INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS 1 INTRODUÇÃO Esta Nota Técnica visa apresentar uma análise da Portaria/GM 2.979 de 15/12/11 que dispõe sobre a transferência

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de

Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de Julho de 2012 Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de tarefas Resgate da solidariedade entre os entes

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Estratégia de Fortificação da Alimentação Infantil com Micronutrientes em Pó (vitaminas e minerais) Ministério da Educação Ministério da Saúde OBJETIVOS DO PSE Promover a saúde

Leia mais

AS REDES DE ATENCÃO À SAÚDE EUGENIO VILAÇA MENDES

AS REDES DE ATENCÃO À SAÚDE EUGENIO VILAÇA MENDES AS REDES DE ATENCÃO À SAÚDE EUGENIO VILAÇA MENDES A TRANSIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE ELAS SE DÃO NO CONTEXTO DOS SISTEMAS DE SAÚDE POR MEIO DE QUATRO MOVIMENTOS DE TRANSIÇÃO CONCOMITANTES: A TRANSIÇÃO

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE ANO 2013 Conforme previsto no art. 36 da Lei Complementar N.º 141/2012, o Relatório Detalhado do Quadrimestral Anterior contém informações

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Viver Sem Limite - Marco Legal Nacional e Internacional Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência (NY, 2007) Decreto Presidencial

Leia mais

CAMINHOS PARA A INTEGRALIDADE DO CUIDADO: SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA

CAMINHOS PARA A INTEGRALIDADE DO CUIDADO: SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA CAMINHOS PARA A INTEGRALIDADE DO CUIDADO: SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA Brasília, Janeiro de 2014 Finalidades do CAMINHOS DO CUIDADO - Quebrar a logica do especialismo no cuidado em saúde mental; - Qualificar

Leia mais

Módulo1:: CAPÍTULO 5: A rede de atenção a usuários de álcool e outras drogas na saúde pública do Brasil Pedro Gabriel Delgado e Francisco Cordeiro

Módulo1:: CAPÍTULO 5: A rede de atenção a usuários de álcool e outras drogas na saúde pública do Brasil Pedro Gabriel Delgado e Francisco Cordeiro Módulo1:: CAPÍTULO 5: A rede de atenção a usuários de álcool e outras drogas na saúde pública do Brasil Pedro Gabriel Delgado e Francisco Cordeiro Este capítulo pretende abordar alguns aspectos da política

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Coordenadora Geral de Ações Técnicas em Educação na Saúde - SGTES/MS/BRASIL Base político-jurídica 1988 Constituição Federal

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 3.088/GM/MS,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE 2. GRUPO OCUPACIONAL INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE NIVEL TÉCNICO

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 75, Seção 1 sexta-feira, 24 de Abril de 2015.

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 75, Seção 1 sexta-feira, 24 de Abril de 2015. 24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP Circular 140/2015 São Paulo, 24 de Abril de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA

NOTA TÉCNICA PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA NOTA TÉCNICA 22 2012 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA Repasse de recursos financeiros do Piso Variável de Vigilância e Promoção da Saúde para apoio técnico, monitoramento

Leia mais

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO NÚCLEO MUNICIPAL EM SAÚDE DO TRABALHADOR (NMST) Passos para a criação de um NMST 1 SUMÁRIO Definição de NMST (O que é um NMST?)... 3 Função do NMRT (O que faz um NMST?)... 4 Garantias

Leia mais

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP NOTA TÉCNICA 03/2015 Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP Brasília, 02 de março de 2015 1 INTRODUÇÃO O Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde é um acordo de colaboração firmado

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS.

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. DE DEPENDENTES QUÍMICOS CENPRE AO CRACK E OUTRAS DROGAS. O Centro Regional de Estudos, Prevenção e Recuperação de Dependentes Químicos - CENPRE é um programa permanente de extensão da FURG, tem como missão

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

Secretaria Saúde Pública de Cambé

Secretaria Saúde Pública de Cambé Secretaria Saúde Pública de Cambé PARTICIPAÇÃO DAS EQUIPES DAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA, DA EQUIPE GESTORA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NA AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE SAÚDE CAMBÉ

Leia mais

Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos

Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas/DAPES/SAS/MS Outubro - 2015 Breve Histórico da RAPS e a necessidade de qualificação

Leia mais

Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em

Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em Diabetes Mellitus MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 118, Seção 1 sábado, 27 de junho de 2015.

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 118, Seção 1 sábado, 27 de junho de 2015. Circular 215/2015 São Paulo, 29 de Junho de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 118, Seção 1 sábado, 27 de junho de 2015. Prezados Senhores, COORDENADORIA

Leia mais

Planos de Mobilidade: princípios e desafios

Planos de Mobilidade: princípios e desafios Planos de Mobilidade: princípios e desafios Questão Primária: Afinal, o que é Mobilidade? O termo é relativamente recente.; Ainda causa confusão pelo vasto campo técnicocientífico em que vem sendo utilizado.

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES)

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) Apresentação: O SUS trata-se de um sistema de saúde de atendimento gratuito,que garante o acesso integral, universal e igualitário à população brasileira, desde a atenção básica

Leia mais

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 1) FINANCIAMENTO 2) AS ATRIBUIÇÕES DOS MUNICIPIOS 3) RELAÇÕES INTERFEDERATIVAS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 Regra de Aplicação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 465, DE 28 DE MAIO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 465, DE 28 DE MAIO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 465, DE 28 DE MAIO DE 2012. Autores: Deputado Romoaldo Júnior e Deputado Sebastião Rezende Dispõe sobre a criação da Lei estadual de Atenção Integral à Saúde Mental e dá outras providências.

Leia mais

PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Define os valores do incentivo financeiro de custeio mensal destinado aos Núcleos de Telessaúde do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica

Leia mais

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL RELATÓRIO QUADRIMESTRAL CONTRATO DE GESTÃO ENTRE A SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E A ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE SAÚDE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VOTUPORANGA NÚCLEO DE ATENÇÃO BÁSICA CONTRATO DE GESTÃO N

Leia mais

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12 DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP Mar/12 FORTALECIMENTO DO SUS Lei 8080/90 - art. 8º - As ações e serviços de saúde, executados pelo SUS,

Leia mais

Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde

Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde Fst. Ms. Priscylla Knopp Mestre em Psicologia/ Psicologia social e da saúde UFJF/PPG-Psi Pesquisadora do Grupo de estudo e práticas sociais em Saúde Coletiva UFJF 30 out Fisioterapia na Atenção Primária

Leia mais

Modelo de Saúde de Olinda RENILDO CALHEIROS - PREFEITO TEREZA MIRANDA - SECRETÁRIA DE SAÚDE CRISTINA MENEZES SECRETÁRIA ADJUNTA

Modelo de Saúde de Olinda RENILDO CALHEIROS - PREFEITO TEREZA MIRANDA - SECRETÁRIA DE SAÚDE CRISTINA MENEZES SECRETÁRIA ADJUNTA Modelo de Saúde de Olinda RENILDO CALHEIROS - PREFEITO TEREZA MIRANDA - SECRETÁRIA DE SAÚDE CRISTINA MENEZES SECRETÁRIA ADJUNTA MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAIS ESTADUAIS HOSPITAIS UNIVERSIT. ATENÇÃO

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO A SER SOCIALIZADA

UMA EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO A SER SOCIALIZADA UMA EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO A SER SOCIALIZADA Mudar a cultura de relação entre o executivo e a população, que historicamente sabemos ser de clientelismo, fisiologismo, de troca de favores,

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

Professora: Yanna D. Rattmann

Professora: Yanna D. Rattmann Professora: Yanna D. Rattmann Sistema Único de Saúde Objetivo da implantação: SISTEMA -> Sistematizar ações, organizar ações; ÚNICO -> Unificar ações -> mesmos princípios e diretrizes em todo o território

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE MENTAL NA ESPECIFICIDADE DE UM CAPS AD NO RIO GRANDE DO SUL

EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE MENTAL NA ESPECIFICIDADE DE UM CAPS AD NO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ICB ESPECIALIZAÇÃO EM ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA - CENPRE EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

Organização dos processos de trabalho na rede de Atenção Básica na perspectiva da coordenação do cuidado

Organização dos processos de trabalho na rede de Atenção Básica na perspectiva da coordenação do cuidado Organização dos processos de trabalho na rede de Atenção Básica na perspectiva da coordenação do cuidado Luís Carlos Casarin Secretário Municipal de Saúde de Jundiaí Contexto histórico A I Conferência

Leia mais

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Patrícia Maria de Oliveira Machado Objetivos da webconferência - Apresentar os marcos históricos e legais da Política Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Atenção Básica em áreas rurais e Ribeirinhas, a experiência de Porto Velho

Atenção Básica em áreas rurais e Ribeirinhas, a experiência de Porto Velho Prefeitura do Município de Porto Velho Secretaria Municipal de Saúde Atenção Básica em áreas rurais e Ribeirinhas, a experiência de Porto Velho Williames Pimentel de Oliveira Secretário Municipal de Saúde

Leia mais

Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB)

Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB) Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB) A experiência da implantação do Núcleo de Apoio à Atenção Básica (NAAB) no município de Muçum/RS. Porto Alegre, 24 de outubro de 2013

Leia mais

A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde

A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde O processo de descentralização dos serviços de saúde, como princípio organizativo do SUS, não se limita à transferência de responsabilidades e recursos ao gestor

Leia mais

PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010

PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010 PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010 Define critérios para regulamentar a incorporação do Agente de Combate às Endemias - ACE, ou dos agentes que desempenham essas atividades, mas com outras denominações,

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

NOTA TÉCNICA SISTEMA DE APOIO À ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO DO SUS -SARGSUS-

NOTA TÉCNICA SISTEMA DE APOIO À ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO DO SUS -SARGSUS- NOTA TÉCNICA 05 2012 SISTEMA DE APOIO À ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO DO SUS -SARGSUS- 1 INTRODUÇÃO Esta Nota Técnica visa apresentar Informações sobre a apresentação do processo de aprimoramento do

Leia mais

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Natal/RN, agosto 2014 XIII Congresso de Prefeituras e Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte SUS 25 anos: avanços e enfrentamentos

Leia mais

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS http://dab.saude.gov.br/portaldab/index.php PAB Saúde das Mulheres PAB Saúde das Mulheres Enfoque clínico e de gestão do cuidado; Cuidado da mulher

Leia mais

INTEGRALIDADE UM LONGO CAMINHO. Dênis Petuco. Programa de pós-graduação em Ciências sociais. Universidade federal de juiz de fora - ufjf

INTEGRALIDADE UM LONGO CAMINHO. Dênis Petuco. Programa de pós-graduação em Ciências sociais. Universidade federal de juiz de fora - ufjf INTEGRALIDADE UM LONGO CAMINHO Dênis Petuco Programa de pós-graduação em Ciências sociais Universidade federal de juiz de fora - ufjf CENA 1 Em um CAPS1, um cidadão narra ao trabalhador de saúde suas angústias,

Leia mais

APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS. Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo

APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS. Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo O Que é Defensoria Pública? Defensoria Pública é instituição prevista na Constituição Federal (art.

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL. Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL. Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL Leandra Brasil da Cruz Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da população que, por vários motivos, passa a habitar as ruas das grandes cidades.

Leia mais

Roteiro de vivência entre os dias 08/08 a 14/08

Roteiro de vivência entre os dias 08/08 a 14/08 Roteiro de vivência entre os dias 08/08 a 14/08 Dia 08/08/16 O primeiro dia de vivência foi um momento um tanto quanto explicativo nos dando uma noção do que compunha a rede de saúde em Caxias do Sul.

Leia mais

Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência. Capacitação de equipes de saúde bucal para atendimento à pessoa com deficiência;

Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência. Capacitação de equipes de saúde bucal para atendimento à pessoa com deficiência; Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência Capacitação de 6.600 equipes de saúde bucal para atendimento à pessoa com deficiência; Incentivar 420 CEOs para servirem de referência ao atendimento odontológico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

RECOMENDAÇÃO CNDH Nº 06, DE 24 DE MAIO DE 2017.

RECOMENDAÇÃO CNDH Nº 06, DE 24 DE MAIO DE 2017. RECOMENDAÇÃO CNDH Nº 06, DE 24 DE MAIO DE 2017. O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS CNDH, no uso de suas atribuições previstas na Lei nº 12.986, de 02 de junho de 2014, e tendo em vista especialmente

Leia mais

Rede de atenção no SUS e no SUAS e suas inter-relações

Rede de atenção no SUS e no SUAS e suas inter-relações Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Rede de atenção no SUS e no SUAS e suas inter-relações Políticas públicas em álcool e outras drogas: a importância da transversalidade das redes de saúde e assistência

Leia mais

A Experiência Municipal de Curitiba na Formação e Capacitação de Conselheiros de Saúde. III Mostra de Produção em Saúde da Família Brasília 2008

A Experiência Municipal de Curitiba na Formação e Capacitação de Conselheiros de Saúde. III Mostra de Produção em Saúde da Família Brasília 2008 A Experiência Municipal de Curitiba na Formação e Capacitação de Conselheiros de Saúde III Mostra de Produção em Saúde da Família Brasília 2008 Rede Municipal de Saúde 1.818.948 Habitantes 9 Distritos

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais