USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS"

Transcrição

1 USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 Flávia Melo Rodrigues ² Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies vegetais como medicamento é tão antigo quanto a evolução humana e até os dias atuais é amplamente utilizada por grande parte da população mundial. Através do conhecimento empírico de certas comunidades tem aumentado o interesse acadêmico a respeito desse costume, provavelmente pelo fato de em muitos casos existirem a comprovação cientifica da eficácia dessas plantas para fins medicinais (FARNSWORTH, 1988). O começo da história da utilização das plantas medicinais no Brasil tem as suas origens nas culturas africana, européia e indígena (MARTINS et al. 2000). Para Eldin & Dunford (2001) o uso de plantas medicinais pode ser encontrado na história das mais antigas civilizações e cita como exemplo disso, o primeiro registro encontrado no mundo sobre o uso de plantas como medicamento, que data de anos a.c., chamada A Grande Fitoterapia, de autoria de Shen Nung. De acordo com Lorenzi & Matos (2002), até o século XX, se fazia grande uso das plantas medicinais como medicamento no Brasil, no entanto, juntamente com o processo de urbanização, industrialização e com o desenvolvimento de novas tecnologias, principalmente na área da farmácia, a população foi aos poucos rejeitando o uso de plantas medicinais que se tornaram sinônimo de atraso, para depositarem suas esperanças de cura de suas enfermidades nos fármacos sintéticos. O Brasil é considerado o país com a maior cobertura vegetal, possuindo 200 mil espécies de plantas das 500 mil que são encontradas no mundo (FRANCO, 2003). Neto & Morais (2003) ressaltam que no Brasil, o bioma Cerrado se destaca por ter a sua flora altamente utilizada para fins econômicos, principalmente as espécies de interesse medicinal. Para Tomazzoni et al. (2006), foi somente através do uso empírico das plantas medicinais feito pelo homem desde o inicio de sua existência, que se tornou possível a 1 PBIC. Agência de fomento: UEG ² Orientadora 1

2 descoberta das propriedades úteis e nocivas das plantas medicinais, tendo hoje, a aplicação dessas propriedades na indústria farmacêutica. Alvim et al. (2006), afirmam que a partir dos anos 80 houve um crescente interesse do meio cientifico sobre o uso terapêutico das plantas medicinais. Segundo os autores, a procura desse tema pelo meio científico teve como impulso o crescente uso dessas plantas por parte da população. População que se tornava cada vez mais desencantada com a prática médica tradicional e com o alto custo dos medicamentos industrializados, além do surgimento de pesquisas que comprovavam a eficácia de algumas plantas já utilizadas, e a crescente preocupação, por parte dessas comunidades, de valorizar seus costumes culturais. Objetivos Identificar se a área do conhecimento ou as características socioeconômicas entre estudantes da Universidade Estadual de Goiás influem no hábito de usar as plantas medicinais. Metodologia O estudo de comparação sobre o uso de plantas medicinais como medicamento entre estudantes da Universidade Estadual de Goiás foi realizado através da aplicação de questionário para os cursos da Universidade no mês de outubro e novembro de Entre os dados socioeconômicos, foram levantados as seguintes informações: curso, período, sexo, idade, renda média familiar e tipo de instituição que concluiu o ensino médio. Enquanto que, entre os dados sobre o uso ou não de plantas medicinais, levantou-se questionamentos como: hábito de usar e cultivar planta medicinal, local onde consegue a planta, motivo que o leva a usar a planta, principal patologia para a qual faz o uso de planta medicinal, etc. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente, usando o pacote estatístico BIOESTAT versão 5.0 (AYRES et al. 2007). Realizou-se feitas análises de freqüência simples e relativas das variáveis. Para verificar as diferenças significativas de opinião entre as duas áreas, foi utilizado o teste do Qui quadrado (para duas categorias) e o teste de G (para as questões com mais de duas categorias). A hipótese de diferença estatisticamente significativa será aceita quando se encontror p (probabilidade de erro tipo 1), igual ou menor que 0,05. 2

3 Resultados e discussões No transcorrer do trabalho observou que o local de aquisição de plantas medicinais pelos estudantes se dá principalmente em casa de conhecidos por 53% dos estudantes da área não biológica e para 50,4% da área biológica. Para 40,9% da área biológica e 36% da área não biológica o local de aquisição é na própria residência. Nenhum estudante na área de não biológica e 0,9% da área de biológicas disseram conseguir as plantas com raizeiros. Apenas 5,1% da área não biológica seguida de 3,5 % da área biológica disserem conseguir as plantas medicinais em farmácias. No trabalho de Ribeiro (2009) observou-se resultados semelhantes, onde, 49% dos estudantes de biológica e 44% de não biológica disseram adquirir em casa de conhecidos e nenhum estudante na área de biológica e 5% da área de não biológicas disseram conseguir as plantas com raizeiros. Resultados semelhante tiveram Tomazzoni et al. (2006) onde encontraram que no município de Cascavel-PR, 42% dos entrevistados adquirem as plantas através de conhecidos e 6% compram em farmácias. Resultado contrário do defendido por Tresvenzol et al. (2006) em sua pesquisa sobre o comércio informal em Goiânia, onde afirma que a maior parte da população procuram o raizeiro para obtenção as plantas medicinais. Dentre os motivos que levam os estudantes a utilizarem as plantas medicinais, 42% dos estudantes da área biológica e 25,9% da área não biológica afirmaram que o principal motivo é o acesso fácil. E, 42% dos estudantes da área não biológica e 32,1% da área biológica utilizam plantas medicinais por acreditarem ser mais saudável. Ribeiro (2009) afirma que a maioria dos estudantes utilizam as plantas medicinais por acreditarem ser mais saudável, já Junior et al. (2005) mostram em seu trabalho sobre a eficácia e segurança das plantas medicinais utilizadas como medicamento, que a maior parte dos consumidores fazem uso das plantas medicinais por acreditarem que essa forma de tratamento é segura, sem risco a saúde. O que não está de acordo com o presente trabalho, onde apenas 13,4% dos estudantes da área não biológica e 7,1% da área biológica acreditam nesta afirmação. Arnous et al. (2005) em seu estudo no estado de Minas Gerais encontrou que 61,2% dos entrevistados disseram não acreditar que as plantas medicinais possam ter algum efeito tóxico. Segundo Ribeiro (2009) 63% dos estudantes da área de biológica e 30% da não biológica disseram usar plantas medicinais somente em conjunto com outros medicamentos industrializados, representando a maioria dos estudantes. Resultado contrário ao presente 3

4 trabalho onde a maioria dos estudantes afirmam utilizarem as plantas medicinais para doenças que consideram de menor gravidade, 55,3% e 46,9% respectivamente para os estudantes da área biológica e estudantes da área não biológica. O uso concomitante com medicamentos industrializados ficou em segundo lugar no pesquisa para as duas áreas. O trabalho de Tomazzoni et al. (2006) no estado do Paraná descobriu resultado semelhante onde nenhum de seus entrevistados disseram usar sob de orientação médica. Em relação à indicação do uso de plantas medicinais, 82,6% dos estudantes da área biológica e 82.3% da área não biológica, disseram usar por indicação principalmente de amigos e/ou família. Tomazzoni et al. (2006) afirma que a maioria, 92%, disse usar por indicação de familiares e amigos. Os que utilizam por indicação médica é de apenas 6,2% e 3,5% para os estudantes da área não biológica e da área biológica respectivamente, no presente trabalho. Ribeiro (2009) encontrou em seu trabalho respostas semelhantes, onde, nenhum entrevistado disse usar por indicação médica. Para a maioria dos estudantes dos cursos biológicos, 50,4%, acreditam que os efeitos colaterais das plantas medicinais são iguais à de outro medicamento. Já a maioria dos estudantes dos cursos não biológicos afirmam que os efeitos colaterais das plantas medicinais são menores que de outros medicamentos, isso para 38,1%. Ribeiro (2009) teve resultado diferente onde, a maioria dos estudantes da área biológica e não biológica 66% e 40% respectivamente, disseram acreditar que as plantas medicinais possuem um menor efeito tóxico em relação aos medicamentos industrializados. Enquanto que, 22% dos estudantes da área de biológica e 33% da área de não biológica afirmaram que as plantas medicinais não apresentam efeito colateral. Brandão et al. (2001) tiveram resultados diferentes onde, 8% dos estudantes de biologia e farmácia pesquisados acreditam que as plantas medicinais possuem um menor efeito colateral em relação aos medicamentos industrializados. Arnous et al. (2005) relataram que 61,2% dos entrevistados afirmam que as plantas medicinais não causam efeito colateral algum. Considerações finais Diante dos dados obtidos com a realização desse trabalho sobre a comparação entre estudantes da área de biológica e da área de não biológica da Universidade Estadual de Goiás, foi possível reforçar o conceito do uso difundido das plantas medicinais como medicamento. A figura do raizeiro parece não ser a forma principal de aquisição das plantas medicinais pela 4

5 comunidade pesquisada, no entanto, o uso das plantas medicinais não mostrou estar restringida a população de menor renda. Não foi observada uma diferença significativa entre as duas áreas do conhecimento, o contrário do esperado, uma vez que pela área de atuação, a opinião dos alunos de biológica deveria sobressair as dos alunos de não biológica. Referências Bibliográficas ARNOUS, A. H.; SANTOS, A. S.; BEINER, R. P. C. Plantas medicinais de uso caseiroconhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para a saúde, Londrina, vol. 6, n. 2, p. 1-6, BRANDÃO, M. G. L.; MOREIRA, R. A.; ACÚRCIO, F. de A. Interesse dos estudantes de Farmácia e Biologia por plantas medicinais e fitoterapia. Revista Brasileira de Farmacognosia v. 11, n. 2, p , ELDIN, S., & A. DUNFORD. Fitoterapia. Na atenção primária a saúde. São Paulo: Ed. Manole, 2001, 163 p. FARNSWORTH, N. R. Screening plants for new medicine. In E. O. Wilson. (Ed.). Biodiversity. National Academy Press. Washington, 1988, p FRANCO, L. L.. Doenças tratadas com plantas medicinais. Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2003, 143 p. JUNIOR, V. F. V.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura? Química nova, vol. 28, n. 3. São Paulo, LORENZI, H. F., & F. J. A. MATOS. Plantas Medicinais do Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Ed. Plantarum, 2002, 576 p. MARTINS, E. R., D. M. CASTRO, D. C. CASTELLANI & J. E. DIAS. Plantas Medicinais. Viçosa: Ed. UFV, 2000, 220 p. NETO, G. G. & R. G. MORAIS. Recursos medicinais de espécies do cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Botânica Brasílica, v.17, n.4, p , QUEIROZ, M. S. O paradigma mecanicista da medicina tradicional ocidental moderna: uma perspectiva antropológica. Revista de Saúde Pública, v.20, n.4, p , RIBEIRO, E. V. Utilização de plantas medicinais entre os estudantes da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia/Go. Monografia, TOMAZZONI, M. I., R. R. B. NEGRELLE & M. L. CENTA. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto & Contexto-Enfermagem, v.5, n.1, p , TRESVENZOL, L. M., J. R. PAULA, A. F. RICARDO, H. D. FERREIRA & D. T. ZATTA. Estudo sobre o comércio informal de plantas medicinais em Goiânia e cidades vizinhas. Revista Eletrônica de Farmácia, v.3, n.1, p.23-28,

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA ZONA NORTE DE TERESINA Francisco Ivan da Silva 1 *, Eurípedes Siqueira Neto 2, Jackson Araújo Lima 3, Miguel de Castro Silva 4, Teodorico Cavalcante

Leia mais

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP.

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP. Revista Ceciliana Dez 3(2): 35-39, 2011 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO PERFIL DOS ADEPTOS AO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM POÇOS DE CALDAS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO PERFIL DOS ADEPTOS AO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM POÇOS DE CALDAS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DO PERFIL DOS ADEPTOS AO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM POÇOS DE CALDAS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE PITÁGORAS DE

Leia mais

Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG

Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Mostra de Extensão Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG André de Souza Gontijo 1 ; Bruna Guimarães

Leia mais

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás SANTOS, Mariângela Sousa Rodrigues¹ ROSA, Patrícia Cristiane Lins e Freitas 1,3 MENEZES, Andréia Ribeiro Teles

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Tema 1: Manipulação de Fitoterápicos e da multimistura nutritiva Objetivos

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Tema 1: Manipulação de Fitoterápicos e da multimistura nutritiva Objetivos TÍTULO:SAÚDE FAMILIAR: PRODUÇÃO DE FITOTERÁPICOS E MULTIMISTURA, ORIENTAÇÕES DE HIGIENE E POSTURA CORPORAL JUNTO ÀS COMUNIDADES DO MUNICÍPIO DE RIO DE VERDE. AUTORES: Maria de Fátima Rodrigues da Silva

Leia mais

ANGÉLICA LUISI SCHOLL PROJETO DE PESQUISA CONHECIMENTO POPULAR SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS

ANGÉLICA LUISI SCHOLL PROJETO DE PESQUISA CONHECIMENTO POPULAR SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ANGÉLICA LUISI SCHOLL PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

MÁRIO PAULO CASSIANO E PAES CURSO LIVRE DE FITOMEDICINA UBERLÂNDIA / 2004

MÁRIO PAULO CASSIANO E PAES CURSO LIVRE DE FITOMEDICINA UBERLÂNDIA / 2004 MÁRIO PAULO CASSIANO E PAES CURSO LIVRE DE FITOMEDICINA UBERLÂNDIA / 2004 ACEITABILIDADE E USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA POPULAÇÃO DO BAIRRO GUARANI EM UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS, NO ANO DE 2004. UBERLÂNDIA,

Leia mais

PROMOÇÃO DO USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE: UMA REALIDADE NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO

PROMOÇÃO DO USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE: UMA REALIDADE NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO PROMOÇÃO DO USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE: UMA REALIDADE NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO Gustavo Ferreira Lima¹ Rogy Milagres Tokarski¹ Micheline Meiners² E-mail para contato: michelinemeiners@hotmail.com

Leia mais

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM MARINGÁ, PR, BRASIL

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM MARINGÁ, PR, BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM MARINGÁ, PR, BRASIL Mariana Aparecida Lopes 1, Iara

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO. 10 DE 09 DE MARÇO DE 2010.

CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO. 10 DE 09 DE MARÇO DE 2010. UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL USCS PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2011/ CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO.

Leia mais

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES, DA ESCOLA ESTADUAL MARISA MARIANO, DE BARRA DO GARÇAS-MT

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES, DA ESCOLA ESTADUAL MARISA MARIANO, DE BARRA DO GARÇAS-MT 1 O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES, DA ESCOLA ESTADUAL MARISA MARIANO, DE BARRA DO GARÇAS-MT Cleides da Silva Nascimento¹ Heverson Rodrigues Claro¹ Jaqueline Patrícia de Lima¹ Marcos

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Fernando Honorato Nascimento 1,3 ; Leonardo Augusto Barbosa 2,3 ; Murilo

Leia mais

conhecimento sobre plantas medicinais, de promover a construção de atitudes que respeite o conhecimento tradicional e valorização da mesma.

conhecimento sobre plantas medicinais, de promover a construção de atitudes que respeite o conhecimento tradicional e valorização da mesma. 9 1 INTRODUÇÃO Segundo o autor Pinto (2005), a Organização Mundial de Saúde (OMS, 1978), classifica a planta medicinal, como todo e qualquer vegetal que possui uma ou mais substância utilizadas para fins

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

A EXTENSÃO NA CASA BRASIL DE ANÁPOLIS: APONTAMENTOS INICIAIS

A EXTENSÃO NA CASA BRASIL DE ANÁPOLIS: APONTAMENTOS INICIAIS A EXTENSÃO NA CASA BRASIL DE ANÁPOLIS: APONTAMENTOS INICIAIS SANTOS, Jéssica de Andrade¹; BESSA, Vanessa Cristina Gadêlha 1 ; SILVA, Vinícius Costa 1 ; SILVA, Núbia Carla de Souza 1 ; FIGUEIREDO, Adda

Leia mais

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail.

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail. ANÁLISE DOS TRABALHOS APRESENTADOS NAS EDIÇÕES DO CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL SOBRE OS TEMAS GESTÃO AMBIENTAL EM SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS. Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

CONHECIMENTO POPULAR SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS

CONHECIMENTO POPULAR SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS CONHECIMENTO POPULAR SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS Angélica Luisi Scholl 1 Kátia Regina Ricardo 2 Resumo As plantas medicinais sempre foram utilizadas, sendo no passado, o principal meio terapêutico

Leia mais

MITOS E VERDADES SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS

MITOS E VERDADES SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 MITOS E VERDADES SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS Cristiane Bredow 1 ; Maria Aparecida Sert 2 ; Adriana

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

EDUCAR PARA PRESERVAR: Estudo do perfil sustentável dos acadêmicos do CEAVI/UDESC

EDUCAR PARA PRESERVAR: Estudo do perfil sustentável dos acadêmicos do CEAVI/UDESC EDUCAR PARA PRESERVAR: Estudo do perfil sustentável dos acadêmicos do CEAVI/UDESC ILda Valentim ilda.valentim@udesc.br UDESC Dinorá Baldo de Faverei dinora.faveri@udesc.br UDESC Marilei Kroetz marilei.kroetz@udesc.br

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 6CCSNEPHFOUT02 EDUCAÇÃO EM SAÚDE E O USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DAS DOENÇAS MAIS COMUNS EM UMA COMUNIDADE CARENTE Rachel Rose Carvalho de Oliveira (2); Juliana Alencar

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

O PRIMEIRO PASSO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1

O PRIMEIRO PASSO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 O PRIMEIRO PASSO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 BORTOLATO, Jéssica Machado 2 ; PANZIERA, André Gonçalves 3 ;BERNARDI, Ewerthon Cezar Schiavo 4 ; PIÊGAS, Guilherme Klug 5 ; BARBOSA, Tuany Ramos 6 ; SWAROWSKI,

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

interesse profissional adquir conhecimentos eficácia maior alternativa produção de medicamentos baixo custo recurso natural fácil acesso

interesse profissional adquir conhecimentos eficácia maior alternativa produção de medicamentos baixo custo recurso natural fácil acesso Interesse dos estudantes de Farmácia e Biologia por plantas medicinais e fitoterapia 71 Interesse dos estudantes de Farmácia e Biologia por plantas medicinais e fitoterapia Brandão, M.G.L. 1* ; Moreira,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Termos para indexação: etnofarmacologia, cultivo, uso popular, etnobotânica

Termos para indexação: etnofarmacologia, cultivo, uso popular, etnobotânica PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA COMUNIDADE DE PONTA PORÃ-MS Zefa Valdivina Pereira 1, Rosilda Mara Mussury 1, Aparecida Barbosa de Almeida 1, Adriana M. Mestriner Felipe de Melo 2 ( 1 Universidade Federal

Leia mais

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos DIFUSÃO DA TECNOLOGIA DE CONTROLE BIOLÓGICO DE INSETOS - PRAGAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ENSINO FUNDAMENTAL II NO MUNICÍPIO DE AREIA - PB ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Trabalho de Curso apresentado em cumprimento parcial às exigências do Curso de da Universidade Estadual

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

Verificar a área de atuação em que os egressos do PET NUT estão inseridos e assegurar um canal de comunicação junto aos nossos ex-petianos.

Verificar a área de atuação em que os egressos do PET NUT estão inseridos e assegurar um canal de comunicação junto aos nossos ex-petianos. Avaliando a formação acadêmica e a atuação profissional do Nutricionista: um estudo dos egressos do PET Nutrição da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais. Luana Cupertino Milagres (1), Bruna Cristina

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO RESULTADOS DO PROJETO PILOTO 1. INTRODUÇÃO O projeto piloto organizado pelo Centro de Pesquisas Rachid Mohamd Chibib sob a direção do Prof. Msc. Wagner Cardozo teve por objetivo analisar a composição de

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO (X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS NATIVAS NO ASSENTAMENTO RURAL ZUMBI DOS PALMARES EM UBERLÂNDIA-MG

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS NATIVAS NO ASSENTAMENTO RURAL ZUMBI DOS PALMARES EM UBERLÂNDIA-MG CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL

III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL INSTITUIÇÕES: COMPANHIA DE SERVIÇOS URBANOS DE NATAL URBANA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

Leia mais

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB Rosélia Maria de Sousa Santos¹; José Ozildo dos Santos 2 ; Rafael Chateaubriand de Miranda¹; Iluskhanney

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS - SETORES A Gerência Geral de Medicamentos está em fase de reestruturação, portanto as divisões setoriais são provisórias; Gerência de Pesquisas,

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Palavras-Chave: acidente de trabalho; construção civil; análise de registros.

Palavras-Chave: acidente de trabalho; construção civil; análise de registros. ANÁLISE DESCRITIVA DOS REGISTROS DE ACIDENTES DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nelson Borges Soares Neto 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 13/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 135-Área de

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas.

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES Julianne Melo dos Santos 1, Auleliano Adonias dos Santos 1, Rosa Maria Nunes Galdino 2 Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. Introdução

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR À QUAL VOCÊ PERTENCE CURSO: SEU CURSO

NOME DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR À QUAL VOCÊ PERTENCE CURSO: SEU CURSO NOME DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR À QUAL VOCÊ PERTENCE CURSO: SEU CURSO Escreva aqui o título do seu trabalho (Não esqueça que tem de delimitá-lo, o quê, quando e onde?) Escreva aqui seu nome completo

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO.

FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO. FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO. Maria Katiane de Lima (Aluna da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC) da Universidade Estadual

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE REAÇÕES QUÍMICAS ELABORADAS SEGUNDO A NOÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA JOÃO AUGUSTO DOS REIS NETO 1, JOÃO HENRIQUE OLIVEIRA PEREIRA 2, ANTONIO FERNANDES

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

Estatística c A a p A licad c a Campos de atuação da d Estatística Agronomia e a Vet V erinária Administração de ração Empresas

Estatística c A a p A licad c a Campos de atuação da d Estatística Agronomia e a Vet V erinária Administração de ração Empresas Aula 1 O que é Estatística Campos de Atuação da Estatística Estatística Descritiva Estatística Indutiva Variável Qualitativa e Quantitativa ( Discreta ou Contínua ) População /Universo Amostra - Amostragem

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS MARCELO MÁRCIO ROMANIELLO 1, EVANDRO SÉRGIO MARTINS LEITE

Leia mais

Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1

Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1 Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1 Daniela Andrade, 3º módulo de Agronomia/UFLA, danielagirl2@hotmail.com; Priscila Gomes de Araújo, Mestranda PPGAD/UFLA, priscila2210@hotmail.com;

Leia mais

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ IMPERATRIZ 2010 MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA MONOGRAFIAS DA FACULDADE DE IMPERATRIZ Curso de Odontologia Faculdade de Imperatriz

Leia mais

Análise do Uso de Medicamento em Idosos de Goiânia

Análise do Uso de Medicamento em Idosos de Goiânia Análise do Uso de Medicamento em Idosos de Goiânia Luciana Caetano Fernandez 1 ; Carolina Albernaz Toledo 2 1 2 Prof. MS. da Universidade Estadual de Goiás Aluna bolsista do programa PBIC/UEG RESUMO: Este

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Rozany Cristina de Souza MELO¹ ; Mariana leão DOMICIANO² ; Marinalva Pereira CARVALHO³; Renata CAIXETA 4

Leia mais

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS LOPES, Vanessa de Melo 1 ; SANTANA, Renata Guimarães Mendonça 2 ; ALVES, Alessandra Ribeiro de F. Nery³;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau

Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau Workshop PLANTAS MEDICINAIS E PRÁTICAS FITOTERAPÊUTICAS NOS TRÓPICOS IICT/CCCM 29, 30 e 31 de Outubro Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau Maria Adélia Diniz 1, Eurico

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 21º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2012

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO 21º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA PUC-SP 2012 O texto deve ser conciso e ocupar no máximo 20 linhas, em um único parágrafo; utilizar linguagem objetiva, evitando frases inteiras do texto original (expressar apenas a idéia principal e não transcrevê-la);

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais