ANÁLISE COMPORTAMENTAL DAS REGRAS DE UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO INTERIOR PAULISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPORTAMENTAL DAS REGRAS DE UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO INTERIOR PAULISTA"

Transcrição

1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Instituição Chaddad de Ensino S/C Ltda. PSICOLOGIA GEOVANA DE MORAES FUSCO ANÁLISE COMPORTAMENTAL DAS REGRAS DE UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO INTERIOR PAULISTA AVARÉ-SP 2013

2 GEOVANA DE MORAES FUSCO ANÁLISE COMPORTAMENTAL DAS REGRAS DE UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO INTERIOR PAULISTA Monografia apresentada ao curso de Psicologia da FSP Faculdade Sudoeste Paulista como requisito parcial para obtenção do título bacharel em Psicologia. Orientador: Prof. Ms. David Marconi Polonio. AVARÉ-SP 2013

3 FACULDADE SUDOESTE PAULISTA FSP PSICOLOGIA FOLHA DE APROVAÇÃO DE MONOGRAFIA ANÁLISE COMPORTAMENTAL DAS REGRAS DE UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO INTERIOR PAULISTA. AUTOR: GEOVANA DE MORAES FUSCO ORIENTADOR: PROF MS. DAVID MARCONI POLONIO Prof Ms. David Marconi Polonio DATA DA APROVAÇÃO: / / NOTA FINAL:

4 DEDICATÓRIA Com muito carinho, dedico aos meus pais pelo apoio, incentivo pela realização dos meus ideais, encorajando-me a cada dia a enfrentar todas minhas dificuldades e medos.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a DEUS pela dádiva da vida, e por ter ajudado a manter a fé nos momentos mais difíceis e poder ter iluminado meus caminhos nessa trajetória do curso de psicologia onde ser psicóloga é um sonho muito esperado. Em especial aos meus pais Geraldo e Lucelena que me incentivaram em minha trajetória, sendo eles além de pais amigos, companheiros e confidentes, que hoje sorriem orgulhosos ou choram emocionados, que muitas vezes, na tentativa de acertar, cometeram falhas, mas que inúmeras vezes foram vitoriosos, que se doaram inteiros e renunciaram aos seus sonhos, para que, muitas vezes, eu pudesse realizar o meu sonho. Compartilharam o meu ideal e os alimentaram, incentivando a prosseguir na jornada, mostrando que o meu caminho deveria ser seguido sem medo, fossem quais fossem os obstáculos minha eterna gratidão vai além de meus sentimentos. A você meu irmão Geraldo que por muitas vezes pode compartilhar minhas angústias, que agradeço por todo amor e carinho. Ao meu namorado Leandro, por todo amor, carinho, paciência e compreensão quem me dedicou seu tempo e compartilhou sua experiência para que minha formação fosse também um aprendizado de vida, meu carinho e meu agradecimento, o seu olhar crítico e construtivo me ajudou a superar os desafios desse trabalho de conclusão de curso, serei eternamente grata. Ao professor e coordenador David Marconi que, com muita paciência e atenção, dedicou do seu valioso tempo para me orientar em cada passo deste trabalho. Aos professores Rubens, Márcia, Maria Isabel, Tatiane, Edson, Ana Cláudia, João, Maria Cristina, Rafael, Diego, entre tanto outros pela contribuição na minha vida acadêmica e por tanta influência na minha futura vida profissional. Agradeço também ao Pablo Kurlander pela sua confiança e dedicação por ter me ensinado aos primeiros passos na atuação prática da psicologia como estagiária na Comunidade Terapêutica Nova Jornada pelo imenso aprendizado no decorrer do estágio com cada dependente químico, e o quanto cada um deles fez com que eu também pudesse realizar este trabalho. Aos meus colegas de classe, em especial Camila, Andréia, Tassiana, Nadia, a quem aprendi a amar e construir laços eternos. Obrigada por todos os momentos em que fomos es-

6 tudiosas, brincalhonas, atletas e cúmplices. Porque em vocês encontrei verdadeiras irmãs. Obrigada pela paciência, pelo sorriso, pelo abraço, pela mão que sempre se estendia quando eu precisava. Esta caminhada não seria a mesma sem vocês. A todos também meus companheiros de classe que nesses cinco anos que ouviram os meus desabafos, que presenciaram e respeitaram o meu silêncio, que partilharam este longo passar de anos, de páginas, de livros e cadernos, me acompanharam, choraram, riram, sentiram, participaram, aconselharam, dividiram as suas companhias, os seus sorrisos, as suas palavras e mesmo as ausências foram expressões de amor profundo. As alegrias de hoje também são de todos nós, pois seus amores, estímulos e carinhos foram armas para essa minha vitória. A minha amiga querida Camila por todo apoio e cumplicidade, dedicação e preocupação, porque mesmo distante estava presente em minha vida. Obrigada a todos que, mesmo não estando citados aqui, tanto contribuíram para a conclusão desta etapa e para a Geovana que sou hoje. Que todo o meu ser louve ao Senhor, e que eu não esqueça nenhuma das suas bênçãos Salmo 103:2.

7 Um ambiente físico e cultural diferente fará um homem diferente e melhor (SKINNER, 2002).

8 RESUMO O presente trabalho trata-se de uma análise comportamental de uma área das normas do setor de generalidades das regras de uma Comunidade Terapêutica do interior do Estado de São Paulo. Trata-se então de uma pesquisa documental, ao analisar comportamentalmente as regra da Comunidade Terapêutica foi possível avaliar sua clareza e, posteriormente, sua possível eficácia. Esta análise foi feita transformando as regras em descrições de contingências, identificando-se inicialmente os antecedentes, as respostas e as consequências, dispondo as descrições de contingências em um quadro funcional. Em seguida, foi avaliada a probabilidade de tais regras serem seguidas. Através deste trabalho foi possível verificar que a maioria delas não descreve seus antecedentes e resposta o seguimento de regras, portanto não se torna claro devido a não descrição de contingências. Palavras chaves: Dependência química, Comunidade Terapêutica, regras, comportamento governado por regras.

9 ABSTRACT The present paper treats of a behavioral analysis about the rules of a Therapeutic Community in São Paulo countryside. Being a documentary research upon analyzing behaviorally the rules of the Therapeutic Community, it has been possible to evaluate its explicitness and, later, its effectiveness. This analysis has been accomplished turning the rules into descriptions of contingencies, identifying initially, the backgrounds, the replies and the consequences affording the descriptions of contingencie in a functional approach. Then, it has been evaluated the probability of these rules be followed. Through this task, it has been possible to verify that the most of them don't obtain in the functional board their backgrounds and the reply in the following rules, however, it doesn't become clear due to the lack of descriptions of contingencies Keywords: Chemical dependency, Therapeutic Community, Rules, Behavior managed by Treatment Rules.

10 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Proporções das regras com antecedentes...34 Gráfico 2 Proporções das regras com consequências...34 Gráfico 3 Proporções das regras com antecedentes e consequências...35 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 - Modelo de análise de contingências...26 Quadro 2 - Análise de contingências das Normas de Moradia...30

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO Fundamentação Teórica A dependência química como problema social Comunidades Terapêuticas Comunidades Terapêuticas no Brasil Comportamento governado por regras Regras em Comunidade Terapêutica Fatores que facilitam ou dificultam o seguimento de regras Método Cenário Análise e discussão CONCLUSÃO...37 REFERÊNCIAS...38 ANEXOS...40 Anexo 1 Normas de Moradia: Generalidades...41 Anexo 2 Autorização...43

12 11 1. INTRODUÇÃO A Comunidade Terapêutica tem dado provas de constituir uma eficiente abordagem de tratamento do abuso de substâncias químicas e de problemas da vida vinculados a esse abuso. Por isso tem se tornado, nas últimas décadas, uma das modalidades mais procuradas para a recuperação de dependência química do álcool e das drogas, tanto no Brasil como em muitas partes do mundo (KURLANDER, 2012), atendendo no Brasil a 85% das internações por álcool e drogas (UNIAD, 2013; SENAD, 2013). Segundo Kurlander (2012), De Leon (2008) e Fracasso (2008) as Comunidades Terapêuticas existem há mais de 50 anos, tempo suficiente para caracterizar uma dinâmica específica de trabalho, assim como uma problemática que merece ser estudada à luz da sua própria história. De Leon (2008) e Fracasso (2008) afirmam que cada vez mais, tanto a população leiga quanto os profissionais da área da saúde, procuram ou encaminham para este tipo de tratamento a maioria dos casos de dependência química e do álcool, em detrimento dos antes tradicionais tratamentos de base medicamentosa hospitalar. Segundo De Leon (2008) e Kurlander (2012) a problemática se deve também ao fato de que o alcoolismo e, principalmente, a dependência química, mesmo havendo registro do consumo de álcool e drogas desde a antiguidade, são doenças da atualidade, motivo pelo qual o seu tratamento e recuperação ainda estão em foco de pesquisa e desenvolvimento. Uma das principais características do comportamento da maioria dos dependentes químicos é uma grande dificuldade em seguir regras básicas de comportamento em grupo, o que faz com que seja extremamente importante o aprendizado destas regras para favorecer tanto a adesão ao tratamento quanto a vida em abstinência de álcool e drogas após o mesmo. Segundo Baum (2006), as regras são úteis para complementar contingências fracas e complexas 1, como acontece com muitas das regras das Comunidades Terapêuticas, objeto deste estudo. Na medida em que as contingências se tornem mais claras, elas se tornarão mais fortes, ou seja, o controle do estímulo será mais eficaz. Skinner (2003) descreveu comportamento governado por regras como sendo comportamentos que se encontram sob controle de estímulos discriminativos verbais. 1 Segundo Baum (2006), contingências complexas são aquelas nas quais não está descrito claramente o comportamento a ser seguido. Isso as tornaria fracas, ou seja, menos prováveis de serem seguidas.

13 12 É importante ressaltar que comportamento governado por regras refere-se a dois operantes que são mantidos por contingências diferentes: o operante de seguir regras e o operante especificado pela regra. O comportamento especificado pela regra se mantém pelas contingências nela descrita e o comportamento de seguir regras é mantido por suas consequências naturais (SKINNER, 2003). Então comportamento governado por regras pode ser modificado através da alteração tanto dos antecedentes como das consequências ou de ambos. Segundo Skinner (2003, p. 145) o comportamento governado por regras é particularmente importante em algumas circunstâncias. Regras facilitam a aquisição e manutenção do comportamento quando as consequências do comportamento são pouco claras ou ineficazes. São de fundamental importância nessas ocasiões, pois podem possibilitar certo controle por consequências remotas. Além disso, regras apresentadas pelo experimentador e a- quelas elaboradas pelo próprio sujeito têm sido consideradas como uma das variáveis determinantes das diferenças entre o desempenho de humanos e não humanos submetidos a esquema de reforçamento. O comportamento inadequado dos residentes 2 durante o tratamento, caracterizado pelo não seguimento das regras básicas da Comunidade Terapêutica, pode trazer consequências negativas tanto para si mesmo quanto para o grupo, como a perda de privilégios, por exemplo. Este estudo tem como objetivo descrever, a luz da análise de comportamento, as contingências das regras de moradia de uma Comunidade Terapêutica. Os objetivos específicos deste estudo são: a) descrever as regras em termos de contingências de reforçamento; b) avaliar se os antecedentes e consequentes são claros para os residentes; c) identificar se estas contingências são fracas ou fortes; d) classificar o efeito como sendo de curto ou longo prazo. Espera-se que este estudo possa contribuir para a identificação das possíveis fragilidades regras da Comunidade Terapêutica estudada, contribuindo para que sejam feitas as mudanças necessárias, fortalecendo assim as contingências para as adequações comportamentais esperadas. 2 Residente é o nome utilizado na Comunidade Terapêutica estudada para designar cada um dos dependentes químicos que se encontram em tratamento.

14 13 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Fundamentação Teórica A dependência química como problema social De acordo com Baum (2006) os problemas sociais são problemas comportamentais. Todos eles têm a ver com o fazer as pessoas se comportarem melhor governar bem, obedecer à lei, apreender na escola, reciclar o lixo. Como levar as pessoas a se comportar adequadamente? Para Silva (2000), o problema da dependência química é visto como resultado de uma falta de adaptação à realidade e uma ausência de habilidade do indivíduo em lidar com o meio social, ou ainda de uma incapacidade em resolver os problemas que a vida lhe apresenta. O uso de drogas infelizmente continua sendo um grande problema na atualidade. A produção delas é combatida, mas é grande o número de pessoas que permanecem no uso de álcool e drogas, não buscando um tratamento, tanto em Comunidade Terapêutica como em qualquer outra modalidade disponível. O Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (LENAD), realizado pelo Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (INPAD) e pela Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (UNIAD, 2013), afirma que o consumo de drogas e álcool em excesso traz, além do dano para a saúde da população, outros problemas sociais agregados à degradação causada pela compulsão pelas drogas em geral e bebidas. Dissociar diversão de exagero e combater a banalização e a irresponsabilidade com o esclarecimento contínuo e a insistente exemplificação dos estragos causados pela bebida e pelas drogas, podem promover mudanças em uma sociedade vulnerável à dependência química de forma claramente desigual. De acordo com Fracasso (2008) o consumo de droga e álcool, tal como outras problemáticas, é influenciado pelos contextos social e cultural, pelo estilo de vida e comportamento que o usuário dependente químico apresenta, afetando também muitas áreas do social na vida do individuo sua relação com a família, amigos, a busca de um emprego, área da saúde e o julgamento da sociedade. Desde a vida do indivíduo, aos amigos, a família, a produtividade escolar e profissional, a área da saúde entre outras. Segundo Fracasso (2008) o indivíduo que procura um tratamento pode vir voluntariamente ou pressionado por questões legais, familiares e outras, porém devemos ter presente

15 14 que, mesmo aquele que vem voluntariamente, apresentará, inicialmente, um período de resistência. Este problema se manifesta no sintoma da dependência química, mascarando-se, em vários níveis da sua vida como a perda da autonomia e liberdade pessoal para fazer projetos, escolhas e decisões como ser esse candidato a procurar um tratamento, mas o dependente químico tenta resgatar essa autonomia individual. Segundo Fracasso (2008, p. 277), Dependente químico é um ser humano confuso e ferido. Está fazendo mal a si mesmo e, neste momento, é incapaz de se defender. Por isso necessita de uma ajuda externa que o acompanhe em uma nova direção e o sustente com amor e profissionalismo. É um ser humano sozinho, fisicamente separado dos outros, emocionalmente fechado, socialmente marginalizado, que, porém, não perdeu a criatividade, a necessidade de pertencer, de fazer amizades e ter amor. Um ser humano capaz de confrontar, estimar, respeitar, perdoar, de mostrar qualidades e de ter consciência. É um protagonista digno, comunicativo e dinâmico, que expressa muda, cresce. Desenvolvendo-se partindo de si mesmo em direção aos outros. É um ser humano feito para viver em grupo, expressando sentimentos, fatos e acontecimentos para resgatar valores comuns e reduzir as tensões sociais. Quando se fala desse ser humano o dependente químico deve-se considerar que é um ser único em sua dimensão familiar e social, um indivíduo potencialmente capaz de renascer e projetar a própria vida em direção à autonomia e liberdade, através de seus relacionamentos familiares e afetivos. A sua presença ativa no contexto social exige um comportamento mais adequado e aceitável, tanto para a sociedade na qual se insere, quanto para si mesmo. Para isso precisa buscar ajuda, favorecendo o crescimento através de um processo individual e social Comunidades Terapêuticas Segundo De Leon (2008), a Comunidade Terapêutica se constituiu, há mais de 50 anos, como o modelo que mais tem dado provas substanciais para o tratamento do abuso de álcool e drogas, assim como de outros problemas associados. De acordo com Fracasso (2008) e De Leon (2008) em 1860 foi fundada uma organização religiosa chamada Oxford. Esta organização era uma crítica à Igreja da Inglaterra, e seu objetivo era o renascimento espiritual da humanidade. Originalmente chamada Associação Cristã do I Século, acabou mudando o nome em 1900 para Moral Rearmement. Este grupo, conhecido como Grupo de Oxford, buscava um estilo de vida mais fiel aos ideais cristãos:

16 15 encontrava-se várias vezes por semana para ler e contemplar a bíblia e se comprometiam reciprocamente a ser honestos. Em Oxford, cujo objetivo era o renascimento espiritual da humanidade, acomodava de modo amplo todas as formas de sofrimento humano. No início do século XX, com as suas atividades em alta, os dirigentes do grupo constataram que aproximadamente 25% dos seus participantes eram alcoolistas em abstinência, o que acabou dirigindo naturalmente o seu foco de atenção para esta problemática específica. Segundo De Leon (2008) e Fracasso (2008) alguns integrantes deste Grupo Oxford influenciaram a formação de outro grupo, atualmente conhecido a nível mundial, os Alcoólicos Anônimos (AA). Em 1935 dois alcoólicos tentando se recuperar, Bill Wilson, corretor da bolsa de Nova York, e doutor Bob Smith, médico cirurgião de Akron, se conheceram na casa deste último, quando o primeiro tentava se contatar com outro alcoólico em recuperação, a fim de evitar uma recaída. Segundo Fracasso (2008, p. 273) A aplicação do conceito de ajuda às pessoas em dificuldades, feita pelos próprios pares, é a base das relações vividas na Synanon, posteriormente onde cada pessoa se interessa e se sente responsável pelas outras. Desde o início acolheram alguns jovens que estavam tentando ficar em abstinência de outras drogas, e em decorrência disso a Comunidade Terapêutica que teve seu início a uma CT para alcoolistas, abriu portas para jovens que usavam outra substância psicoativas. Ainda segundo De Leon (2008), Fracasso (2008) em 1958, Charles Dederich, alcoólico em recuperação e membro dos AA, uniu suas experiências pessoais com as experiências de grupo, e iniciou um grupo semanal de associação livre no seu apartamento junto com outros membros da irmandade, que acabou resultando em perspectíveis mudanças psicológicas nos participantes. Essas reuniões foram consideradas pelos seus membros como uma nova modalidade de terapia, e em pouco tempo resolveram constituir esse grupo como comunidade residencial, até que em Agosto de 1959, em Santa Mônica, Califórnia, EUA, foi fundada oficialmente Synanon, o primeiro protótipo de Comunidade Terapêutica para a recuperação de dependentes químicos da história. De acordo com Kurlander (2012, p. 20) a mais notável mudança promovida por este grupo foi a passagem do ambiente não residencial das reuniões regulares para a convivência integral no modelo de Comunidade Terapêutica. Obviamente as questões relativas ao ambiente residencial do novo programa de tratamento exigiram mudanças radicais quanto à estrutura organizacional, regras, metas, filosofia e orientação ideológica e, principalmente, o perfil dos atendimentos pelo programa.

17 16 Outra particularidade deste grupo foi o atendimento de dependentes químicos, e não somente o alcoolismo, já que outros grupos anteriores (Oxford e AA) atenderiam unicamente esse tipo de dependência. Como, de acordo com De Leon (2008), o perfil do dependente químico é diferente do perfil do alcoólico, isto também exigiu uma mudança na postura e metodologia do grupo, o que significou também um marco evolutivo na conceituação do que é, e a quem trata, a Comunidade Terapêutica. Synanon também introduz uma série de atividades culturais na vida da comunidade, como, por exemplo, pintura, música e dança, como uma nova modalidade terapêutica, o que representa, sem dúvidas, uma inovação na forma de tratar os dependentes químicos. Estas mudanças também significaram modificações nos elementos básicos e essenciais do que tinha sido o grupo num começo, e isto provocou sérias controvérsias na direção do mesmo. De Leon (2008) e Fracasso (2008) indicam que o primeiro modelo autodenominado como Comunidade Terapêutica foi o Daytop Village, fundado em Nova York, em 1963, por egressos de Synanon, junto ao Monsenhor William O Brien e David Deitch. O principal diferencial desta nova abordagem foi a inclusão de profissionais da área da saúde dentro da equipe técnica, o que, apesar das grandes resistências por parte dos participantes das primeiras gerações de Comunidades Terapêuticas, se tornou parte integrante do modelo principal do que se entende atualmente como Comunidade Terapêutica. É claro que muitas são as discussões a respeito, já que a vivência diária dentro da Comunidade Terapêutica com as tensões e conflitos que tanto a caracterizam, e a teoria asséptica de muitos profissionais da área que se dedicam à pesquisa, nem sempre parecem falar da mesma realidade. Quanto a isto De Leon (2008, p. 8) afirma que o que as Comunidades Terapêuticas têm questionado ou rejeitado não são novas informações, mas formulações abstratas, vistas muitas vezes pelos profissionais das Comunidades Terapêuticas como irrelevantes para a vida real dentro e fora dessas comunidades. Após Daytop Village as iniciativas dirigidas à recuperação da dependência química em regime de Comunidade Terapêutica aumentaram vertiginosamente pelo mundo todo, proporcionalmente ao aumento do problema da dependência química. Programas terapêuticos na Europa e nas Américas floresceram, expandindo este ideal e adaptando-o a cada realidade. Este tipo de alternativa terapêutica se consolidou e deu origem a outras Comunidades Terapêuticas que conservando os seus conceitos básicos de uma comunidade terapêutica fo-

18 17 ram se aperfeiçoando e fazendo com que essas Comunidades Terapêuticas se tornassem mais reconhecidas. De acordo com De Leon (2008) embora a Comunidade Terapêutica de tratamento da dependência química tenha por base várias fontes, tanto recentes como antigas, a expressão Comunidade Terapêutica é moderna. Seu uso inicial servia para descrever as Comunidades Terapêuticas psiquiátricas surgidas na Grã-Bretanha no curso dos anos Não há nenhum elemento que permitia ver com clareza se as Comunidades Terapêuticas psiquiátricas inglesas influenciaram as Comunidades Terapêuticas de tratamento da dependência química na América do Norte. Porém um breve exame do uso da Comunidade Terapêutica na psiquiatria social revela algumas características comuns a todas as Comunidades Terapêuticas, o que explicaria a sua origem comum: De acordo com De Leon (2008, p. 15) são características da Comunidade Terapêutica psiquiátrica: - considera-se a organização como um todo responsável pelo resultado terapêutico; - a organização social é útil para criar um ambiente que maximize os efeitos terapêuticos, em vez de constituir mero apoio administrativo ao tratamento; - um elemento nuclear é a democratização: o ambiente social proporciona oportunidades para que os pacientes participem ativamente dos assuntos da instituição; - todos os relacionamentos são potencialmente terapêuticos; - a atmosfera qualitativa do ambiente social é terapêutica no sentido de estar fundada numa combinação equilibrada de aceitação, controle e tolerância com respeito a comportamentos disruptivos; - atribuir-se um alto valor à comunicação; - o grupo se orienta para o trabalho produtivo e para o rápido retorno à sociedade; - usam-se técnicas educativas e a pressão do grupo para propósitos construtivos; - a autoridade se difunde entre funcionários e responsáveis e os paciente.

19 18 Segundo Fracasso (2008) as características da Comunidade Terapêutica psiquiátrica são idênticas às das atuais Comunidades Terapêuticas para dependentes químicos, já que ambas se organizam em torno aos mesmos princípios básicos Comunidades Terapêuticas no Brasil Após um breve histórico da Comunidade Terapêutica ela então chega ao Brasil. Segundo Fracasso (2008), em 1968, na cidade de Goiânia nasce à primeira Comunidade Terapêutica brasileira, o Desafio Jovem do Brasil. Porém Kurlander (2012) relata que o site oficial do Desafio Jovem do Brasil teria divulgado a fundação da primeira casa de Goiânia teria acontecido em 1977, tendo como primeiro presidente o Pr. Bernardo Johnson, cinco anos depois do lendário Pr. David Wilkerson ter vindo ao Brasil pela primeira vez através deste. Em 1978, segundo Fracasso (2008) e Kurlander (2012) e o site oficial da Fundação Padre Haroldo (2013), foi fundada uma entidade filantrópica chamada Associação Promocional Oração e Trabalho (APOT), hoje designada Instituto Padre Haroldo, que no mesmo ano iniciou os trabalhos na Comunidade Terapêutica Fazenda do Senhor Jesus para homens adultos dependentes químicos. A mesma instituição fundou em 1989 uma unidade em Campinas, SP, para meninos de rua e em 1993 uma unidade para adolescentes. Em 1990 foi fundada a Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (FEBRACT, 2013), oferecendo cursos de capacitação para a equipe de trabalho. A sua sede está localizado em Campinas, SP, sendo o Padre Haroldo Rahm, acima citado, o presidente. Em pesquisa realizada em 2004 pelo Ministério da Saúde, sobre o perfil das Comunidades Terapêuticas no Brasil, como mostra Duarte (2010), foram identificadas 339 Comunidades Terapêuticas que faziam internação integral para dependentes químicos. Destacou-se que 55% encontravam-se na região Sudeste, cerca de 30% no Sul e as demais regiões do país concentravam apenas 15% das instituições deste tipo. A grande maioria das comunidades (73%) foi implantada a partir da década de 1990 e atendiam, principalmente, homens (77%). De acordo com os dados da FEBRACT (2013), 30% a 35% das pessoas que frequentaram Comunidades Terapêuticas deixaram definitivamente de consumir drogas. Segundo o Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas (OBID) (BRASIL, 2013) existem quase 1700 Comunidades Terapêuticas cadastradas no Brasil, embora se considere que existam mais de 3000 no total.

20 19 Esta grande expansão das Comunidades Terapêuticas no Brasil evidencia o vertiginoso aumento da procura por tratamento para a dependência química, fruto da crise social existente, decorrente do evidente crescimento do problema no país e no mundo. O modelo de Comunidade Terapêutica mostra que cada indivíduo deve se responsabilizar pelo seu progresso, pelo seu crescimento como indivíduo e na sociedade, assim como em cada grupo em que esteja inserido, para que possa sim ser alcançada a abstinência de álcool e drogas. De acordo com Fracasso (2008, p. 279) o programa terapêutico-educativo a ser desenvolvido no período de tratamento na Comunidade Terapêutica tem como objetivo ajudar o dependente químico a se tornar uma pessoa livre através com a mudança de seu estilo de vida. A proposta da CT deve considerar que o dependente químico pode desenvolver-se nas diversas dimensões livre entre a equipe e os residentes, em uma organização solitária, democrática, e igualitária. A Comunidade Terapêutica se torna um ambiente terapêutico ao dependente químico, com o tratamento ao decorrer dos meses em que ele permanece em seu tratamento o residente tem a necessidade de libertar suas energias em um sentido pleno de eficácia capaz de realizar um projeto de vida construtivo de apreender a lidar consigo mesmo Comportamento governado por regras Toda cultura tem suas regras. A criança que cresce em uma determinada cultura pode apreender a obedecer a algumas de suas regras sem que seja explicitamente instruída a fazê-lo (BAUM, 2006). Baum (2006) afirma que talvez as pessoas sejam tão propensas a seguir regras em parte porque são expostas, desde muito cedo, a tantas e tão diferentes relações de reforço próximas. Inúmeras vezes as crianças fazem o que lhes mandam fazer e ganham doces, afeto e aprovações. As regras são verbalizadas pela mãe, pai, outros membros da família e depois pelos professores. Segundo Baum (2006) dizer que comportamento é controlado por uma regra é dizer que está sob controle do estímulo regra, e que a regra é certo tipo de estímulo discriminativo. Nós nos concentramos nas discriminações que envolvem enunciados verbais de regras, tal como as regras de um jogo, porque historicamente as pessoas têm a capacidade de responder ao comportamento verbal. As regras podem ser tanto escritas como faladas, como:

21 20 não é permitido jogar bitucas ou papéis fora das caixas de lixo. Além de a regra ser falada, existe esse local certo com objetivo para serem jogados, mas não é sempre que isto ocorre. Skinner (2003) diz que uma regra funciona como um estímulo discriminativo verbal e é eficaz como parte de um conjunto de contingências de reforço. As regras descrevem contingências, ou seja, relações entre eventos que antecedem o comportamento, a resposta e suas conseqüências. O comportamento governado por regras sofre pouco efeito das consequências desse comportamento. Uma pessoa segue regras porque em sua história foi reforçada a seguir regras similares, ou por reforçadores sociais arbitrários ou pela consequência natural do comportamento especificado pela regra. A sociedade arranja as consequências para o responder de a- cordo com as regras, estabelecendo e mantendo, desta forma, o comportamento(paracampo, 2005). O comportamento de seguir regras ou instruções pode se modificar em função das condições antecedentes ou de consequências. Segundo Baum (2006, p. 166) apenas os comportamentos que podem ser descritos por regras podem ser chamados de controlados por regras no sentido empregado. Os behavioristas sustentam a possibilidade de uma explicação científica e tentam mostrar que o seguimento de regras pode ser explicado por conceitos de análise comportamental (reforço, controle de estímulo). As regras são apresentadas na comunidade desde o momento em que os residentes chegam até o fim de seus tratamentos, são explicadas verbalmente a todo o momento e também escritas em suas apostilas. Sempre que as regras são seguidas passam a ser algo comum, não há reforçadores, mas no momento em que são violadas surgem as punições, que nem sempre são eficazes, pois o comportamento volta a se repetir. Para Baum (2006) o comportamento controlado por regras envolve duas relações, sendo elas a longo prazo e a curto prazo. Há mudanças de comportamento em todo tempo, algumas regras são adquiridas e incorporadas rapidamente, configurando-se como de curto prazo. Já para outras regras é necessária uma intervenção mais específica para que seja adquirida, como sendo um reforçador ou uma punição. Através destes haverá consequências específicas para o comportamento, o que colaborará com que este seja repetido ou extinguido. Esta seria a relação de longo prazo. Regras especificam contingências, mas apenas isso não seria suficiente para defini-las. Ao invés de, simplesmente, evocar um comportamento que foi reforçado no passado, as re-

Comunidade Terapêutica

Comunidade Terapêutica Comunidade Terapêutica Alessandro Alves Estou aqui porque, finalmente não há mais como refugiar-me de mim mesmo. Na segunda década do século XX, foi fundada uma organização religiosa, grupo de Oxford (por

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

Abordagem do Dependente Químico: papel do consultor Alessandra Mendes Calixto Enfermeira Papel do consultor em dependência química Como surge o papel do consultor 1912: Courtney Baylor foi treinado por

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

REALIDADE E ATUAIS DESAFIOS PARA A COMUNIDADE TERAPÊUTICA. Juan Palacios H. Presidente Flact

REALIDADE E ATUAIS DESAFIOS PARA A COMUNIDADE TERAPÊUTICA. Juan Palacios H. Presidente Flact REALIDADE E ATUAIS DESAFIOS PARA A COMUNIDADE TERAPÊUTICA Juan Palacios H. Presidente Flact 1 SOBRE A ORIGEM DA COMUNIDADE TERAPEUTICA Nascido como uma tentativa de humanizar hospitais psiquiátricos do

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal

Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal O Coaching é um caminho direcionado ao florescimento de cada pessoa que o procura (coachee) com um desejo inadiável de se superar, resolver alguma

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Passos para recrutar voluntários

Passos para recrutar voluntários Passos para recrutar voluntários Encontrando o voluntário Faça um - mostrando o que Deus está fazendo no ministério Coloque no boletim um Em todos os eventos do ministério que levantam outras pessoas passe

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação Para muita gente, os sonhos são apenas sonhos. Não levam necessariamente a ações diretas para transformar tais sonhos em realidade. Esta

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

Roteiro Sugerido para Reuniões

Roteiro Sugerido para Reuniões Roteiro Sugerido para Reuniões Acreditamos que o uso consistente deste roteiro faz com que as reuniões sejam focadas na recuperação em CCA, fortalece nosso programa e estimula a unidade. Ele também oferece

Leia mais

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante Caro Estudante, O Projeto Avalie pretende conhecer melhor o perfil do estudante do Ensino Médio da Bahia, por isso a sua participação representa a garantia

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais