EFEITO DA ABAMECTINA (AVERMECTINA) NA SUPRESSÃO DE OVOS E JUVENIS DE Meloidogyne incognita EM SUSPENSÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA ABAMECTINA (AVERMECTINA) NA SUPRESSÃO DE OVOS E JUVENIS DE Meloidogyne incognita EM SUSPENSÃO"

Transcrição

1 1 EFEITO DA ABAMECTINA (AVERMECTINA) NA SUPRESSÃO DE OVOS E JUVENIS DE Meloidogyne incognita EM SUSPENSÃO Carlos E. de M. Otoboni 1 ; Alexandre de M. Guimarães 2 ; Adjenilton M. Duarte 3 1 Eng. Agrônomo, Doutor, Professor Pleno, FATEC Shunji Nishimura, Pompeia SP, Fone: (14) , 2 Eng. Agrônomo, Doutor, Professor Pleno, FATEC Shunji Nishimura, Pompeia SP, Fone: (14) , 3 Discente, FATEC Shunji Nishimura, Pompeia SP RESUMO: Os nematoides têm sido importantes pragas das culturas no mundo. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a capacidade supressiva da abamectina em inóculo de ovos e juvenis de Meloidogyne incognita. Para isso, foi preparado um inóculo com ovos e juvenis do nematoide proveniente de plantas de tomateiro. Foram avaliados no experimento 4 tratamentos com abamectina e um tratamento testemunha. Estes permaneceram na bancada do laboratório até serem inoculados nas mudas de tomateiro cv. Santa Cruz Kada, em vasos, com 8 repetições e distribuídos num delineamento inteiramente casualizado na bancada da casa de vegetação. Foram inoculados 4 mil ovos e juvenis do nematoide por planta, sete dias após o transplantio das mudas para os vasos. Após 81 dias da inoculação das mudas os vasos foram abertos e os tratamentos foram avaliados pelo Índice de Galha (IG) e pelo Fator de Reprodução (FR). Os resultados mostraram que todos os tratamentos com abamectina foram eficazes na supressão do inóculo do nematoide, sendo significativamente diferentes em relação à testemunha. Palavras-chave: Nematoide de galhas. Abamectina. Supressão. ABAMECTIN (AVERMECTIN) EFFECT IN THE SUPPRESSION OF EGGS AND JUVENILES OF Meloidogyne incognita IN SUSPENSION ABSTRACT: The nematodes have been a important pest in many crops around the world. Therefore, the aim of this work was to evaluate the suppressive capacity of abamectin on eggs and juveniles of Meloidogyne incognita. For this, an inoculum was prepared with eggs and juveniles of this nematode from tomato plants. The experiment consisted of 4 treatments with abamectin and a control treatment. These remained on the laboratory bench until they were inoculated on seedlings of tomato cv. Santa Cruz Kada, in plots, with 8 repetitions, and distributed in a random bench in the greenhouse design. Four tausand nematode eggs and juveniles per plant were inoculated, seven days after transplanting the seedlings to pots. After 81 days of inoculation seedling pots were opened and the treatments were evaluated by Gall Index (GI) and Reproduction Factor (RF). The results showed that all the treatments with abamectin were suppressive on the nematodes. Keywords: Nematode galls. Abamectin. Suppression.

2 2 INTRODUÇÃO As espécies de Meloidogyne têm causado sérios prejuízos às grandes culturas, notadamente aquelas que demandam o uso de tecnologias como a irrigação. O nematoide de galha, Meloidogyne spp. é conhecido pelos agricultores e tem causado sérios prejuízos em muitos campos de produção, principalmente àqueles intensivos como os de produção para consumo in natura ou cultivados em ambientes protegidos. Segundo Sasser (1979), Meloidogyne incognita é a espécie de maior distribuição geográfica no mundo. Os sintomas decorrentes de ataques por fitonematoides, que nem sempre são típicos ou específicos, podem ser observados nas próprias raízes parasitadas, ou também nos órgãos aéreos da planta. No primeiro caso, pode-se citar a ocorrência de más formações, como as galhas, escassez de raízes secundárias, digitamento, rachaduras e outros. No último, presença de manchas de plantas mal crescidas dentro da lavoura (reboleiras), clorose e outros sintomas de desequilíbrios nutricionais, murcha foliar nas horas mais quentes do dia, produções anormalmente baixas e outros (SBN, 2012). O uso de químicos sintéticos tóxicos aos organismos ou que modificam o desenvolvimento das plantas têm aumentado as produções das culturas, essencialmente na agricultura moderna (SIPES e SHIMITT, 1998). A abamectina é um vermífugo e sua eficácia no combate aos nematoides é bem conhecida (SASSER et al., 1982; BECKER, 1999; SILVA et al., 2004, HIGAKI e ARAUJO, 2012, KUBO et al., 2012, BORTOLINI, et al., 2013, GONÇALVES JÚNIOR et al., 2013). O crescente uso de sistemas irrigantes, notadamente a irrigação localizada em culturas perenes e em hortaliças, vislumbra o uso da quimigação com nematicidas no combate das populações de nematoides nas áreas infestadas. Neste caso, a formação do bulbo úmido decorrente da aplicação localizada de água permite que um nematicida, na concentração adequada, exerça um efetivo controle dos nematoides nesta região, como é o caso da ação de contato que a abamectina possui sobre os nematoides. Assim, este trabalho teve como objetivo avaliar diferentes concentrações da abamectina em água, na supressão de ovos e juvenis de M. incognita. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido na casa de vegetação da Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia em Pompéia/SP.

3 3 As mudas de tomateiro cv. Santa Cruz Kada, foram produzidas em bandeja de isopor de 128 células contendo substrato Bioplant e mantidas por 27 dias em ambiente coberto por sombrite 50%, e irrigado a cada 2 horas com pulverizador manual. O transplante foi realizado no dia 11/01/2013 em solo composto de uma mistura de 49% de areia grossa, 49% de latossolo vermelho e 2% de composto, esterilizado por meio do processo de chapa quente, que consiste em colocar o solo em uma chapa aquecida e ir revirando o mesmo para que toda a massa seja bem aquecida. Em seguida foi despejado água para que em contato com a chapa aquecida entrasse em processo de ebulição e, desta forma, a água transformando-se em vapor, chegando a 100 C, esterilizando o solo. Na montagem dos vasos foi utilizada a técnica de um vaso menor 1 L dentro de outro maior 5 L, para minimizar os efeitos da oscilação de temperatura dentro da casa de vegetação. Estes também foram cobertos com capim picado para proteger do sol e receberam irrigação diária na mesma proporção de 300 ml de água por vaso. Para produção do inóculo foi utilizado o método descrito por Coolen e D herde (1972) para a extração dos nematoide das raízes, foram utilizadas raízes de tomateiro cultivado em estufa na cidade de Tupã SP, infestadas com Meloidogyne incognita. Assim, as raízes foram coletadas, cuidadosamente lavadas e cortadas em pedaços de, aproximadamente, 2,5 cm de comprimento. Em seguida foram trituradas em liquidificador por 15 segundos, usando solução de hipoclorito de sódio 0,5%. A solução foi passada por em peneiras com tela de 20 mesh, 60 mesh e 500 mesh, sobrepostas. O material que ficou retido na peneira de 500 mesh foi coletado em um béquer de 1 L, com o auxílio de uma pisseta. O método utilizado foi o descrito Coolen e D herde (1972) para a extração dos nematoides das raízes. O inóculo obtido com ovos e juvenis de Meloidogyne incognita foi separado em cinco recipientes que receberam os tratamentos de abamectina, a seguir: 0,0 ml L -1 (T0 - Testemunha), 0,5 ml L -1 (T1 Tratamento1), 1,0 ml L -1 (T2 Tratamento2), 1,5 ml L -1 (T3 Tratamento3) e 2,0 ml L -1 (T4 Tratamento4) do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro. Estes permaneceram na bancada do laboratório por 24 horas, com agitação a cada 2 horas e, após esse período, foram utilizados para a inoculação de mudas de tomateiro cv. Santa Cruz Kada, em vasos, com 8 repetições e distribuídos num delineamento inteiramente casualizado na bancada da casa de vegetação. Foram inoculados 4 mil ovos e juvenis do nematóide por planta, utilizando-se 5 pipetas graduadas, sendo uma para cada tratamento, 07 dias após o transplantio das mudas de tomateiro. Após 81 dias da inoculação as mudas foram separadas por tratamentos cortou-se a parte aérea das plantas e as raízes foram cuidadosamente separadas do substrato em água

4 4 corrente de torneira para não danificar as radicelas, até a limpeza das mesmas. Em seguida foram fotografadas e colocadas em sacos plásticos com identificação e acondicionadas em geladeira até o término do processo. Estas raízes foram analisadas e avaliadas separadamente e classificadas pelo Índice de Galha (IG), conforme Hartman e Sasser (1985). Como base na técnica desses autores foi atribuída uma nota para cada planta em relação ao número de galhas e massa de ovos conforme se segue: notas 0, 1, 2, 3, 4 e 5 correspondentes, respectivamente, a 0, 1-2, 3-10, 11-30, e > 100. Foi determinado também o Fator de Reprodução (FR) dos nematoides nos tratamentos. Para isso foram feitas novas extrações dos nematoides das raízes e o FR de cada parcela foi calculado pela seguinte fórmula: FR = Pf/Pi, onde: Pf população final do nematoide obtida da extração das raízes das plantas na avaliação do experimento; Pi população inicial do nematoide, ou seja, aquela que foi inoculada (4.000 ovos+juvenis). Os resultados entre os tratamentos foram analisados por ambos os métodos de avaliação e as médias comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de significância, com o programa computacional SISVAR. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para ambos os fatores, IG (Figura 1) e FR (Tabela 1), a análise de variância acusou diferenças significativas (P<0,01) entre os tratamentos testados, sendo que todas as dosagens com abamectina diferiram significativamente da testemunha, mostrando uma boa eficácia na supressão dos nematoides já desde a menor concentração do produto comercial, de 0,5 ml L -1 ou de 9 mg de abamectina por litro da solução. Contudo, nota-se que houve diferenças estatísticas entre os tratamentos com abamectina para os dois métodos de avaliação utilizados.

5 5 Figura 1 Média do índice de galhas obtido para as diferentes concentrações de abamectina testadas. Médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si pelo teste de Tukey (5%) CV = 20,69%; DMS=1,22 (T0 Testemunha) 0,0 ml L-1 do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro (T1 Tratamento1) 0,5 ml L-1 do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro (T2 Tratamento2) 1,0 ml L-1 do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro (T3 Tratamento3) 1,5 ml L-1 do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro (T4 Tratamento4) 2,0 ml L-1 do produto comercial (p.c.), com 18 g de abamectina por litro Fonte: Autor Tabela 1 - Média da População Final (PF) de ovos e juvenis de Meloidogyne incognita recuperada das raízes e médias dos Fatores de Reprodução (FR) do nematóide, nos tratamentos. Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si pelo teste de Tukey (5%) Fonte: Autor

6 6 Para o IG, a dose de 2,0 ml L -1 (T4) foi significativamente diferente dos demais tratamentos com abamectina. A dose de 1,5 ml L -1 (T3) foi significativamente diferente da dose 0,5 ml L -1 (T1) e, portanto, a dose 1,0 ml L -1 (T2) foi semelhante ao (T1) e (T3). Já para o método FR, todos os tratamentos com abamectina foram estatisticamente semelhantes entre si. Vale destacar que a determinação IG, embora seja fácil de ser realizado, é um método de avaliação mais subjetivo, pois depende da experiência do avaliador para a obtenção dos resultados, utilizando uma escala de notas para a obtenção dos dados experimentais. O método do FR é, nesse ponto, mais preciso, dependendo exclusivamente da extração física dos nematoides das amostras de raízes, em um processo laboratorial. Assim, considerou-se que, mesmo na menor dosagem do produto comercial, de 0,5 ml p.c. L -1 houve uma boa supressão do inóculo de M. incognita e sua posterior infestação nos tomateiros. Tal afirmação pode ser comprovada pela análise visual comparativa dos sistemas radiculares dos tratamentos, apresentados na Figura 2. Observa-se nesta Figura que, os sistemas radiculares dos tratamentos com abamectina, mais desenvolvidos e sem galhas evidentes, estão visualmente diferentes do sistema radicular do tratamento testemunha, menos desenvolvido e com galhas evidentes. Porém, tal análise fica difícil de ser feita entre os tratamentos 1 a 4. Com efeito, resultado semelhante foi observado por Silva et al. (2004), onde a abamectina causou a imobilidade e morte de juvenis (J2) estágio de desenvolvimento 2, de M. incognita nas concentrações de 0,42 a 1,66 ml L -1 do produto comercial utilizado, que foi o mesmo deste estudo. Com os resultados obtidos e considerando uma lâmina de irrigação de até 1,2 mm a ser aplicada em uma cultura perene como o cafeeiro, por dia, ou seja, de L d água em um hectare, isso pode indicar que, a aplicação de 108 g de abamectina ou de 6 L produto comercial utilizado, seriam suficientes para a supressão dos nematoides no bulbo úmido formado em irrigações localizadas. Contudo, tal suposição carece de maiores estudos e avaliações a campo, devido, principalmente, às variações ambientais que podem ocorrer nesta condição.

7 7 Figura 2 Raízes dos tomateiros demonstrando o efeito dos tratamentos após 81 dias Testemunha T1 T2 T3 T4 Raízes dos tomateiros da inoculação de ovos e juvenis de Meloidogyne incognita sem e com abamectina, sendo: T0 testemunha sem abamectina. Fonte: Autor CONCLUSÃO Houve um efeito supressor da abamectina sobre o inóculo do nematóide, mesmo na concentração mais baixa do nematicida, de 0,5 ml L -1 do produto comercial com abamectina. AGRADECIMENTOS Ao professor orientador Carlos Eduardo de Mendonça Otoboni, por me propor esse projeto e pelos valiosos ensinamentos. Ao professor Alexandre de Moura Guimarães, pela valiosa ajuda na parte de estatística do projeto. Ao Técnico em Laboratório Rafael de Andrade Silva, pela colaboração na parte prática do trabalho e nos conhecimentos específicos de laboratório de Nematologia. À Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia, pelo fornecimento de seu campo experimental e suas instalações para realização deste projeto. A os funcionários da Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia pelo apoio na parte pratica do projeto, em especial ao Flavio e ao Aldo. A todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização desta pesquisa. E a Ataíde Manoel Duarte, meu pai, que esteve presente em todos os passos deste projeto. A Deus.

8 8 REFERÊNCIAS BECKER, W.F. Efeito do abamectin no alho infectado por Ditylenchus Dipsaci. Nematologia Brasileira, v. 23, n.2, p. 1-8, BORTOLINI, G.L., et al. Controle de Pratylenchus brachyurus via tratamento de semente de soja. Enciclopédia Biosfera. Goiânia, v.9, n.17, p , COOLEN, W.A., D HERE, C.J. A method for quantitative extraction of nematodes from plant tissue. Min. Agr. Res. Sta. Adm. Centre, Grent, Belgium. 77p, GONÇALVES JÚNIOR, D.B. et al. Tratamento de sementes de feijoeiro no controle de Pratylenchus brachyurus, Meloidogyne incognita e M. javanica. Nematologia Brasileira, Piracicaba, v.37, n.3-4, p.53-56, Disponível em: Acessado em 07 de maio de HARTMAN, K.M., SASSER, J.N. Identification of Meloidogyne species on the basis of differential host test and perineal-pattern morphology. In: BARKER, K.R., HIGAKI, W.A., ARAUJO, F.F. Bacillus subtilis e abamectina no controle de nematoides e alterações fisiológicas em algodoeiro cultivado em solos naturalmente infestados. Nematropica, v.42, n.2, p , Disponível em: Acesso em 07 de maio de KUBO, R.K., MACHADO, A.C.Z., OLIVEIRA, C.M.G. Efeito do tratamento de sementes no controle Derotylenchulus reniformis em dois cultivares de algodão. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v.79, n.2, p , Disponível em: Acessado em 07 de maio de SASSER, J.N. Pathogenicity, host ranges variability in Meloidogyne species. In: LAMBERTI, F.; TAYLOR, C.E. Root-knot nematodes (Meloidogyne species): sistematics, biology and control. New York: Academic Press, p , SASSER, J.N., T.L. KIRKPATRICK e R.A.DYBAS. Efficacy of avermectins for root-knot control in tobacco. Plant disease, v. 66, p , SBN Sociedade Brasileira de Nematologia. O que são os nematoides: Mundo dos nematoide, Biologia dos nematoide, Nematoide zooparasitas, Nematoide fitoparasitas. Luiz Carlos Ferraz. Disponível em: < Acesso em 3, 4, 5, 23, 24, 25 abr SILVA, L.H.C.P. et al. Aumento da resistência de cultivares de tomate a Meloidogyne

9 9 incognita com aplicações de Acibenzolar-S-Metil. Nematologia Brasileira, v.28, n.2, p , SIPES, B.S., SCHIMITT, D.P. Nematode-Pesticide Interactions. In: BARKER, K.R. et al. ed.plant Nematode Interactions. Maison: R.S.P, p , STEFFEN, R.B. Efeito da abamectina e carbofuran no controle de danos causados por Meloidogyne graminicola em plantas de arroz irrigado. Revista da FVZA, Uruguaiana, v.18, n. 2, p, Disponível em: Acessado em 06 de maio de 2014.

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ALGODÃO COM ABAMECTINA NA PENETRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE Meloidogyne incógnita 1

EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ALGODÃO COM ABAMECTINA NA PENETRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE Meloidogyne incógnita 1 EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ALGODÃO COM ABAMECTINA NA PENETRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE Meloidogyne incógnita 1 Rosana Bessi (ESALQ/USP / rosbessi@yahoo.com.br), Fernando R. Sujimoto (ESALQ/USP),

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

CARNEIRO, R.M.D.G. 1 e JORGE, C.L. 1

CARNEIRO, R.M.D.G. 1 e JORGE, C.L. 1 SELETIVIDADE FISIOLÓGICA DE POPULAÇÕES DE Meloidogyne incognita E Meloidogyne paranaensis QUANDO MULTIPLICADAS DURANTE SUCESSIVAS GERAÇÕES EM TOMATEIROS E CAFEEIROS CARNEIRO, R.M.D.G. 1 e JORGE, C.L. 1

Leia mais

NEMATOIDES. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Mendonça Otoboni Disciplina de Fitossanidade

NEMATOIDES. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Mendonça Otoboni Disciplina de Fitossanidade NEMATOIDES Prof. Dr. Carlos Eduardo de Mendonça Otoboni Disciplina de Fitossanidade NEMATÓIDE O QUEÉONEMATOIDE? DANOS E PREJUÍZOS PRINCIPAIS NEMATOIDES SINTOMAS DE ATAQUE ANÁLISE DE NEMATOIDES DISSEMINAÇÃO

Leia mais

EFEITO DA MATÉRIA ORGÂNICA NA MULTIPLICAÇÃO DE NEMATÓIDE DAS GALHAS EM ALFACE SOB CULTIVO PROTEGIDO

EFEITO DA MATÉRIA ORGÂNICA NA MULTIPLICAÇÃO DE NEMATÓIDE DAS GALHAS EM ALFACE SOB CULTIVO PROTEGIDO Original Article 525 EFEITO DA MATÉRIA ORGÂNICA NA MULTIPLICAÇÃO DE NEMATÓIDE DAS GALHAS EM ALFACE SOB CULTIVO PROTEGIDO EFFECT OF ORGANIC MANURE IN THE MULTIPLICATION OF ROOT KNOT NEMATODE IN GREENHOUSE

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 TEOR FOLIAR DE MACRO E MICRONUTRIENTES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO E UMEZEIRO INOCULADOS COM NEMATÓIDE ALINE DAS GRAÇAS SOUZA 1, VALDEMAR FAQUIN 2, NILTON NAGIB JORGE CHALFUN 3, ADEMÁRIA APARECIDA DE

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO Francisco Rodrigues Leal 1 ; Jopson Carlos Borges de Moraes 2. 1 Universidade Federal do

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Avaliação do desempenho de substratos para produção de mudas de alface em agricultura orgânica.

Avaliação do desempenho de substratos para produção de mudas de alface em agricultura orgânica. BRITO, T.D.; RODRIGUES, C.D.S.; MACHADO, C.A. Avaliação do desempenho de substratos para produção de mudas de alface em agricultura orgânica. Horticultura Brasileira, v. 20, n.2, julho, 2002. Suplemento

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum)

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) KEIGO MINAMI 1 HENRIQUE PAULO HAAG 2 RESUMO: Com a finalidade de estudar a extração de macro e micronutrientes

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

CONTROLE DE Meloidogyne javanica COM Pochonia chlamydosporia E ESTERCO BOVINO

CONTROLE DE Meloidogyne javanica COM Pochonia chlamydosporia E ESTERCO BOVINO Original Article 590 CONTROLE DE Meloidogyne javanica COM Pochonia chlamydosporia E ESTERCO BOVINO CONTROL OF Meloidogyne javanica WITH Pochonia chlamydosporia AND COW MANURE Júnia Caroline MACHADO 1 ;

Leia mais

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Henrique Debiasi - Embrapa Soja Julio Cezar Franchini - Embrapa Soja Waldir Pereira Dias - Embrapa Soja Alvadi Balbinot Embrapa

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR Elisabete Domingues Salvador 1 Sidney Osmar Jadoski 1 Juliano

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Área: Solos e Nutrição de Plantas EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Paulo Cássio Aves

Leia mais

Boletim de Pesquisa 199 e Desenvolvimento ISSN 1676-340 Dezembro,2007

Boletim de Pesquisa 199 e Desenvolvimento ISSN 1676-340 Dezembro,2007 Boletim de Pesquisa 199 e Desenvolvimento ISSN 1676-340 Dezembro,2007 Seleção de Psidium spp. quanto à resistência a Meloidogyne mayaguensis e compatibilidade de enxertia com P. guajava cv Paluma ISSN

Leia mais

Efeito do Carbofurano na População de Nematoides e no Rendimento da Cana-de-açúcar em Solos Arenosos do Paraná

Efeito do Carbofurano na População de Nematoides e no Rendimento da Cana-de-açúcar em Solos Arenosos do Paraná COMUNICAÇÃO Rosangela Dallemole-Giaretta, Leandro G. Freitas, Ronaldo J.F. Zooca, Larissa B. Caixeta, Everaldo A. Lopes & Silamar Ferraz Efeito do Carbofurano na População de Nematoides e no Rendimento

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento.

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento. CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos Produtividade

Leia mais

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi AVALIAÇÃ D PÓ INERTE À BASE DE TERRA DE DIATMÁCEAS N CNTRLE DE SITPHILUS SPP. EM TRIG ARMAZENAD, EM LABRATÓRI Lorini, 1. 1 Resumo o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi avaliado no

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL Renan Soares de Souza 1 ; Roberto Rezende 2 ; Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 3 ;

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRICOLA MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO Autores Prof. Dr. Jair Alves Dionísio Eng a. Agr a. Diana Signor

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO RESUMO ABSTRACT Juliano Tadeu Vilela de Resende 1 Elisabete Domingues Salvador 1 Marcos Ventura Faria 1 Nicolau Mallmann

Leia mais

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 HECKLER, Leise Inês 2 ; SILVA, Gerarda Beatriz Pinto 3 ; SANTOS, Ricardo Feliciano 2 ; SCHEEREN, Laura Engroff 3 ; FÍNGER, Geísa 4

Leia mais

Controle de oídio em moranga-híbrida.

Controle de oídio em moranga-híbrida. 1 OLIVEIRA, V.R.; GIANASI, L.; MASCARENHAS, M.H.T.; PIRES, N.M.; FILHO, J.A.A.; VIANA, M.C.M.; LARA, J.F.R. Controle de oídio em moranga híbrida. Horticultura Brasileira, v. 20, n.2, julho,2002. Suplemento2.

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

SEÇÃO 6 FITOPATOLOGIA

SEÇÃO 6 FITOPATOLOGIA 119 SEÇÃO 6 FITOPATOLOGIA REPRODUÇÃO DE Pratylenchus brachyurus EM DIFERENTES GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Danilo Lima Neves 1, Roberto José Toigo 2, Hercules Diniz Campos 2, Lilianne Martins Ribeiro 1, e Cláudia

Leia mais

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Leia mais

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam.

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Heat Treatment on the Physiological and Sanitary Quality of Lolium multiflorum Lam. Seeds GIRARDI, Leonita

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas comerciais

Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas comerciais CERRADO AGROCIÊNCIAS Revista do Centro Universitário de Patos de Minas. ISSN 2178-7662 Patos de Minas, UNIPAM, (2):84-90, set. 2011 Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA CLEBER LÁZARO RODAS 1 ; JANICE GUEDES DE CARVALHO 2 ; LAURO LUIS PETRAZZINI 3 ; JONY EISHI YURI 4 ; ROVILSON JOSÉ DE SOUZA 5. RESUMO O presente

Leia mais

Uniformidade e eficácia da desinfestação de substratos utilizando vapor quente. Clodoaldo Santos Silva 1 ; Marcelo Nicolau Pinto 1 ; João Bosco

Uniformidade e eficácia da desinfestação de substratos utilizando vapor quente. Clodoaldo Santos Silva 1 ; Marcelo Nicolau Pinto 1 ; João Bosco Uniformidade e eficácia da desinfestação de substratos utilizando vapor quente. Clodoaldo Santos Silva 1 ; Marcelo Nicolau Pinto 1 ; João Bosco Carvalho da Silva 2. Embrapa Hortaliças Caixa postal 218

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE

CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE M. A. C. Freitas 1 ; M. S. Pereira 2 ; J. A. Silva 3 ; R. C. Feitosa 4 ; M. A. E. Bezerra 5 ; C. F. Lacerda 6 RESUMO:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo

Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo Eng. Agro. Daniel Pedroso Departamento Agronômico Netafim Brasil Ribeirão Preto, 28 de Setembro de 2012 SOBRE A NETAFIM SOBRE

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

REGISTRO DE NEMATOIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR SOB DIFERENTES MANEJOS DE PALHADA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

REGISTRO DE NEMATOIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR SOB DIFERENTES MANEJOS DE PALHADA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO REGISTRO DE NEMATOIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR SOB DIFERENTES MANEJOS DE PALHADA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO José Mauro da Cunha e Castro (1), Anderson Ramos de Oliveira (1), Welson Lima Simões (1) RESUMO A palhada

Leia mais

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.).

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1 ; Ana Cardoso Clemente Filha Ferreira de PAULA

Leia mais

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell).

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Oscar José Smiderle 1 ; Moises Mourão Jr 1 ; Francisco Joaci de Freitas Luz 1. 1 Pesquisador Embrapa Roraima CP 133 CEP 691-97 Boa Vista

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Sueli Lourdes Ferreira Tarôco (1), Erivelton

Leia mais

Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho

Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho Efficiency of seed treatment with alternative control of the corn weevil AHRENS, Dirk Claudio 1 ; SILVA, Danilo

Leia mais

NEMATÓIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR

NEMATÓIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR NEMATÓIDES EM CANA-DE-AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO Os nematóides são importantes parasitos de cana-de-açúcar, causando grandes danos ao sistema radicular, que se torna deficiente e pouco produtivo. Em conseqüência

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA LUCIANO PICOLOTTO 1 ; MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 2 ; GERSON KLEINICK VIGNOLO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 2 ;

Leia mais

Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano.

Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano. Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano. Victoria R. Santacruz Oviedo 1, Paulo César Taveres de Melo 1, Keigo Minami 1 1 ESALQ-USP-Departamento

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; eimar de Freitas DUARTE². ¹Graduando em Engenharia Agronômica e bolsista do CNPq Instituto Federal de

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS 1 AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS R. C. ARGÔLO (1), Q. R. ARAUJO (2), G. A. SODRÉ (2), I. JUCKSCH (3), A. M. S. S. MOREAU (4),

Leia mais

Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro.

Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro. Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro. Palmira R.Righetto Rolim 1 ; Jesus G.Töfoli 1 ; Ricardo J.Domingues 1 ; Fabrício Rossi 2. 1 Instituto Biológico, CP 12.898, 04010-970, São

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem.

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Sérgio Weine Paulino Chaves 1 ; Benito Moreira de Azevedo 1 ; Francisco Marcus Lima Bezerra 1 ; Neuzo Batista de Morais

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

BIOFUMIGAÇÃO UTILIZADA NO CONTROLE DE NEMATÓIDE

BIOFUMIGAÇÃO UTILIZADA NO CONTROLE DE NEMATÓIDE BIOFUMIGAÇÃO UTILIZADA NO CONTROLE DE NEMATÓIDE MALDANER, Patrícia Vanessa¹ MELO, Matheus de¹ PEREIRA, Aline Vendrameto¹ MEDICE, Regiane² ¹Alunos do curso de Agronomia da Associação Cultural e Educacional

Leia mais

INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA

INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA RESULTADOS DE PESQUISA

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Uso de extratos vegetais, manipueira e nematicida no controle do nematoide das galhas em cenoura

Uso de extratos vegetais, manipueira e nematicida no controle do nematoide das galhas em cenoura Uso de extratos vegetais, manipueira e nematicida no controle do nematoide das galhas em cenoura Edson Luiz Lopes Baldin ; Silvia Renata Siciliano Wilcken ; Luiz Eduardo da Rocha Pannuti ; Eunice Cláudia

Leia mais

Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na

Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na produtividade e comprimento da raiz de Daucus carota L. Júlio César de Oliveira SILVA 1 ; Cássio Roberto S. NORONHA 2 ; Josimar Rodrigues

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS

CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 1 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 2 ; EDVAN ALVES CHAGAS 3, JOÃO LUIZ LOPES MONTEIRO NETO 4, PATRICIA

Leia mais

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Cícero Pereira Cordão Terceiro Neto 1 ; Fred Carvalho Bezerra 2 ; Fernando Felipe Ferreyra Hernandez 1 ; José Vagner

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais