Faculdade Educacional de Matelândia. Curso de Administração LETICIA GONÇALVES ULBRICH

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Educacional de Matelândia. Curso de Administração LETICIA GONÇALVES ULBRICH"

Transcrição

1 Faculdade Educacional de Matelândia Curso de Administração LETICIA GONÇALVES ULBRICH PROPOSTA DE UMA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS CURSOS DE ENSINO SUPERIOR PARA AS FACULDADES ISOLADAS E LOCALIZADAS NO OESTE DO PARANÁ Matelândia - PR 2014

2 LETICIA GONÇALVES ULBRICH PROPOSTA DE UMA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS CURSOS DE ENSINO SUPERIOR PARA AS FACULDADES ISOLADAS E LOCALIZADAS NO OESTE DO PARANÁ Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do titulo de Bacharel em Administração da Faculdade Educacional de Matelândia -FAMA PR. Orientadora: Prof a. Margarete F. Marcon, Ms. Matelândia - PR 2014

3 LETÍCIA GONÇALVES ULBRICH PROPOSTA DE UMA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS CURSOS DE ENSINO SUPERIOR PARA AS FACULDADES ISOLADAS E LOCALIZADAS NO OESTE DO PARANÁ Trabalho apresentado à Faculdade Educacional de Matelândia, para obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientadora/Presidente: Prof a. Margarete Fatima Marcon, Ms Instituição: Faculdade Educacional de Matelândia - FAMA Faculdade Educacional de Medianeira - UDC Professor Componente da banca: Ênio Alves de Oliveira Instituição: Faculdade Educacional de Matelândia - FAMA Professor Componente da banca: Instituição: MATELÂNDIA 2014

4 Dedico esse trabalho aos meus pais Cezar e Rosinéia, amigos e professores que contribuíram para a realização deste.

5 AGRADECIMENTO Primeiramente agradeço a Deus, o autor da vida, que até aqui me ajudou, a ele que sempre que precisei, renovou minhas forças para não desistir, e confortou meu coração. A meus pais que sempre torceram por mim, sempre estiveram presentes em minha vida e que hoje se alegram junto comigo por essa vitória. A professora orientadora Margarete Fátima Marcon, sinto-me privilegiada por ter- lá tido como orientadora que sempre me acompanhou neste trabalho. Obrigado pela paciência, compreensão e conselhos. A todos os professores que, durante este percurso, contribuíram para nossa formação acadêmica, o meu carinho por estes é sem exceção. Agradeço também ao meu companheiro Guilherme que esteve sempre ao meu lado disposto para me ajudar em tudo o que eu precisei e também todos os meus amigos, que sempre torceram por mim, e suportaram todos os meus momentos de estresse, em especial a Suzana minha amiga, mãe do coração. Por fim, e não menos importante a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho.

6 Sonhos determinam o que você quer. Ação determina o que você conquista. (Aldo Novak)

7 RESUMO ULBRICH, Leticia Gonçalves. Proposta de uma estratégia para o desenvolvimento de novos cursos de ensino superior para as faculdades isoladas e localizadas no Oeste do Paraná f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Administração) Faculdade Educacional de Matelândia Fama, Matelândia, Este estudo tem por finalidade apresentar uma estratégia de um modelo que sistematiza o processo de elaboração de um novo curso de ensino superior para as faculdades isoladas e localizadas no oeste do Paraná. A pesquisa justifica-se no momento em que uma Instituição de Ensino Superior oferece novos cursos de graduação, ela vai contribuir para seu próprio crescimento e desenvolvimento de sua cidade. Para identificação do profissional que o mercado de trabalho está necessitando utilizou-se a coleta de dados foi realizada por meio de questionários aplicada aos empresários das cidades localizadas no oeste do Paraná e tratados de maneira quantitativa. A partir dos fundamentos que norteiam a evolução do ensino superior no Brasil, foi possível a construção de uma proposta de estratégia, que é dividido em: antecedentes, desenvolvimento e implementação do novo curso no ensino superior. Ao final da pesquisa, apresenta-se a estratégia que deve ser seguida pelas IES. O modelo proposto orienta a oferta de novos cursos as IES por meio do profissional que o mercado de trabalho afirma estar em escassez, bem como dá um primeiro passo para a investigação científica sobre a temática. Palavras chave: Estratégia, Instituição de Ensino Superior, Profissional, Mercado.

8 ABSTRACT ULBRICH, Leticia Gonçalves. Proposal for a strategy for the development of new higher education courses for isolated and schools located in the West of Paraná f. Work of conclusion of course (Bachelor in business administration) College Matelândia Education - fame, Matelândia, This study aims to present a model strategy which systematizes the process of elaborating a new higher education course to colleges isolated and located in the West of Paraná. The research is justified at the time in an institution of higher education offers new undergraduate she will contribute to their own growth and development of their city. Professional identification that the labor market is requiring utilized the data were collected by means of questionnaires applied to the entrepreneurs of the cities located in the West of Parana and treated in a quantitative way. From the fundamentals that drive the evolution of higher education in Brazil, it was possible to construct a strategy proposal, which is divided into: background, development and implementation of the new course in higher education. At the end of the survey, it presents the strategy which should be followed by IES. The proposed model guides offering new courses the IES through the professional market that claims to be in shortage, as well as give a first step for scientific research on the subject. Keywords: strategy, higher education Institution, professional market.

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Classificação da pesquisa...28 Quadro 2: Formulação da pesquisa e amostra para o questionário...30 Quadro 3: Relação entre o objetivo de pesquisa, categoria de análise e instrumento de coleta de dados...33 Quadro 4: Relação das IES/Curso e Localidades...36

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Empresa que o respondente trabalha...49 Tabela 2: Instituição que os respondentes estudam ou estudaram...50 Tabela 3: Cursos que poderiam ser ofertados pela faculdade da cidade do respondente...52

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Gênero...48 Gráfico 2: Representa a classificação de quantidade de respondentes que possuem alguma graduação...50 Gráfico 3: Cidades que os respondentes moram...51 Gráfico 4: Conhecimento dos cursos de graduação ofertados no oeste do Paraná...51 Gráfico 5: Profissional que está em falta no mercado...53

12 LISTA DE ABREVIATURAS E- MEC Portal eletrônico do Ministério da Educação LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação MEC Ministério da Educação CES Câmara de Educação Superior IES Instituição de Ensino Superior PDI Plano de desenvolvimento Institucional PPC Projeto Pedagógico de Curso UNESCO - United Nation Educational, Scientific and Cultural Organization(Organização para a Educação, a Ciência e a Cultura das Nações Unidas) ONGs Organizações não governamentais

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TEMA PERGUNTA DE PESQUISA HIPÓTESES OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO DE LITERATURA A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL A educação superior Pós LDB A organização administrativa de instituições Organização acadêmica de instituições A CONTRIBUIÇÃO DO SEGMENTO PRIVADO NO MOMENTO ATUAL DA... EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR ENQUANTO ORGANIZAÇÕES... COMPLEXAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADAS E A SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA GESTÃO ESTRATÉGICA Gestão estratégica em instituições de ensino superior ESTRATÉGIAS EM SERVIÇOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS NOVOS CURSOS DE ENSINO SUPERIOR COM LIGAÇÃO COM O MERCADO MÉTODO E TÉCNICAS DE PESQUISA... 31

14 3.1 CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA POPULAÇÃO E AMOSTRA INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS PROCEDIMENTOS DE COLETA E ANÁLISE DOS DADOS CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE DE PESQUISA CARCTERIZAÇÃO E HISTÓRICO DAS IES ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS PROPOSTAS DE MELHORIAS CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS CONTRIBUIÇÕES GERENCIAIS LIMITAÇÕES DA PESQUISA SUGESTÕES DE PESQUISAS FUTURAS REFERENCIAS APÊNDICE A: QUESTIONÁRIO ANEXO A: CRONOGRAMA... 68

15 15 1 INTRODUÇÃO Apresentar o princípio de Ensino Superior do Brasil é, no mínimo, uma tarefa dura e difícil devido à variedade de sua estrutura e organização. É imprescindível entender ao menos o atual conjunto da educação no Brasil, levando em conta fatores de resolução econômica, social, cultural e outros. O que se almeja alcançar no transcorrer deste texto é uma tentativa de explanar alguns conceitos e sistematizar a forma como o sistema de Ensino Superior brasileiro se apresenta nos dias de hoje. O andamento das universidades e faculdades, brasileiras tem como qualidade marcante a segurança de direitos a uma restringida parte da elite nacional. Nos dias atuais a partir das políticas públicas de âmbito nacional, o acesso aos bancos universitários ganhou mais visibilidade, embora ainda que prevaleça a esfera do ensino privado. Desse modo, na expectativa de interferir nesse cenário, o governo federal iniciou uma política de reestruturação da educação superior brasileira, popularmente conhecida como reforma universitária, ampliando o acesso ao ensino superior. A década de 1990 foi abalizada por uma densa transformação no ensino superior do Brasil, contendo como fundamentais características a implementação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e a política de incentivo à universalização do ensino superior do país. A proposta é poder refletir, por meio de pesquisas aplicadas como questionários, sobre o ensino superior no Brasil, em especial, as faculdades isoladas e localizadas no oeste do Paraná, a fim de que se possa chegar a elaboração de uma estratégia para a implantação de novos cursos superiores.

16 TEMA Segundo o Ministério da Educação - MEC, Conselho Nacional de Educação - CNE e a Câmara de Educação Superior - CES, nos últimos vinte anos, o Brasil assistiu a um notável processo de crescimento de seu ensino superior. No começo dos anos noventa do século passado, somavam-se estudantes matriculados no ensino superior no Brasil. Esse número saltou para de estudantes em 2000 e para em Profissionais interessados em obter crescimento na carreira devem apostar em cursos de graduação. Além das vantagens que o curso proporciona na vida pessoal e profissional, a qualificação garante ainda aumento salarial e pode ser o diferencial na hora da contratação. Com mercado de trabalho cada vez mais disputado, profissionais graduados ganham destaque e são mais valorizados pelas empresas. Dessa forma, quem se especializa e investe na formação profissional têm mais chances de encontrar boas oportunidades de emprego. De acordo com o último Censo da Educação Superior em 2012, os brasileiros já têm percebido a necessidade de dar continuidade aos estudos. Neste sentido o tema de estudo é: Oferta de Cursos de Graduação 1. 2 PERGUNTA DE PESQUISA Qual é a melhor área para se investir com alto retorno e baixo risco no que se refere a faculdades isoladas e localizadas no Oeste do Paraná? 1.3 HIPÓTESES O mercado de trabalho está exigente e busca, cada vez mais, profissionais qualificados e diferenciados com extenso conhecimento técnico. Nesse cenário, faltam candidatos preparados para ocupar as vagas disponíveis, mesmo sobrando pessoas à procura de emprego. Neste sentido a hipótese de pesquisa é: a IES precisa estar atenda as necessidades do mercado e ofertar o curso para formar o profissional que o mercado precisa.

17 OBJETIVOS A seguir apresentam-se o objetivo geral e os específicos Objetivo geral Apresentar um estudo que auxilie as IES isoladas no processo de construção de um novo curso de ensino superior Objetivos específicos a) Identificar o profissional que o mercado precisa; b) Elaborar proposta de uma estratégia para o desenvolvimento de novos cursos de ensino superior; 1.5 JUSTIFICATIVA A realidade da educação superior brasileira torna-se mais complexa à medida que esse nível de ensino, sempre em permanente expansão, é desafiado a crescer com qualidade, sendo capaz de acolher cada vez mais parcelas excluídas da sociedade. Ao formar profissionais, professores e pesquisadores, ao gerar e transmitir conhecimento, ao produzir arte, cultura, ciência e tecnologia, ao inovar, ao apoiar o amadurecimento de lideranças políticas e de vocações empresariais, a educação superior, sobretudo em todas as regiões menos favorecidas é desafiada a promover cada vez mais esta modalidade. Vale ressaltar que não há como chegar a uma qualificação para o trabalho sem educação. Não se trata da compreensão de instrução, mas sim da completa e necessária formação para o desenvolvimento de uma atividade ou aptidão, seja baseado numa potencialidade ou no desenvolvimento de um conhecimento adquirido no decorrer de anos de estudos. Nesse aspecto, o processo de formação profissional desenvolvido a partir do ensino nas instituições de ensino superior toma maior relevância, já que na melhor compreensão em termos de qualificação para o trabalho, esta se filtra na ideia da formação educacional para o

18 18 mercado, o que sempre leva a ideia de formação educacional, ou seja, a efetividade desse objetivo somente será alcançado na medida em que o trabalhador seja qualificado por meio de um processo de educação. Neste sentido a importância de identificar o profissional que o mercado de trabalho necessita é de grande relevância para toda e qualquer IES, diante do fato de que o mercado de trabalho está a cada dia mais exigente e com certa escassez de profissionais formados. Tornando necessária a elaboração de uma estratégia para a implantação de novos cursos de ensino superior para as faculdades isoladas e localizadas no oeste do Paraná. Vale lembrar também que diante de um mercado cada vez mais competitivo, as IES precisam estar sempre se adequando juntamente com o mercado de trabalho para que seja identificado o profissional que o mesmo exige, para que se elabore uma estratégia eficaz para quando decidir desenvolver um novo curso superior. 1.6 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está organizado em sete capítulos: o primeiro vem á introdução ao tema de estudo: Introdução ao tema de estudo, é definido o tema do presente estudo, logo após, o problema e a questão de pesquisa, os objetivos, pressuposto e por fim a justificativa do estudo. Na sequencia com o segundo capítulo apresenta-se a literatura, á revisão de literatura irá pesquisar a Evolução da Educação Superior no Brasil como princípio, a Educação pós LDB e também a Organização Administrativa e Acadêmica de uma instituição de ensino superior. No terceiro capítulo, apresentar-se-á os métodos de pesquisa metodologia a qual permite alcançar o objetivo, traçando o caminho a ser seguido no contexto do trabalho, a classificação da pesquisa, definindo os procedimentos da coleta de dados, a população e amostra desta, bem como os instrumentos de coleta de dados estão presentes neste capítulo. No quarto capítulo, apresenta-se a caracterização da empresa estudada. Tendo como sequencia no quinto capítulo, será exposto à análise e interpretação dos dados, tem a finalidade de avaliar e interpretar os mesmos. A apresentação das propostas e melhorias relatam no capítulo sexto.

19 19 Na sequencia, é apresentada a conclusão do estudo. O sétimo capítulo está reservado para as conclusões e recomendações, propostas de melhorias, delimitação do estudo. As referências, os apêndices e os anexos que completam o presente estudo estão apresentados em seu final.

20 20 2 REVISÃO DE LITERATURA Neste capítulo será apresentada a fundamentação sobre a base teórica do trabalho acadêmico que se idealizou contemplando conceitos sobre a Evolução da Educação Superior no Brasil como princípio, a Educação pós LDB e também a Organização Administrativa e Acadêmica de uma instituição de ensino superior. 2.1 A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL Em sentido equivalente, a Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI: visão e ação da UNESCO (1998) mostra o ensino superior como sendo o cume do sistema educacional e um serviço público de relevante valor social, pois promove a ação humana a níveis mais elevados. De qualquer forma, a ampliação de acesso ao ensino superior não se mostra tarefa fácil. Sousa (2003) deixa claro ser um paradoxo falar em educação superior desvinculada do sistema social e da educação em geral. o fenômeno da expansão do sistema educacional superior do Brasil seguiu uma tendência mundial, no pós-guerra. As pressões da sociedade, no sentido da ampliação de acesso ao ensino superior, levaram o seu aumento desenfreado a pontos de massificação. Assim, é necessário aprofundar no referido fenômeno, para que se possa trabalhar a questão da avaliação e do princípio do padrão de qualidade, temas atuais de extrema importância (RIBEIRO, 2002, p. 110). salienta que: Em análise ao referido processo de expansão do ensino superior, Sousa (2003, p. 15) Tal processo de consolidação aconteceu em um contexto de disputa entre as elites laicas e os grupos hegemônicos católicos que visavam o controle do ensino superior no país. A forma como o segmento privado reagiu às demandas da sociedade fez com que, na primeira metade da década de 30, este já contasse com cerca de 65,0% das instituições de ensino superior no Brasil. Ainda para Sousa (2003), a década de 50 configurou o segmento privado em duas fases. Na primeira fase, 44% de todas as matrículas inseriam-se na rede privada, cujos cursos visavam à formação de profissionais liberais nas áreas médicas, jurídicas e econômicas. Na segunda fase dos anos 50, exigiu-se uma diversificação dos cursos oferecidos, para garantir a formação de docentes em faculdades de Ciências, Filosofia e Letras, fomentando, ainda, o aparecimento de IES no interior dos Estados membros.

21 21 Teixeira (1989, p. 111), interpreta a expansão do ensino superior, no referido momento, considerando: [...] que a mesma se fez ao correr das circunstâncias, sem plano de previsão, ou mesmo propósito deliberado. Além disso, não decorreu de ato legal determinado, nem refletiu o longo debate educacional que se iniciou na década de 20 e não mais se interrompeu até a votação da Lei de Diretrizes e Bases, em 1961 Desta forma para Cunha (1983), e Ribeiro (2002), o processo de expansão do ensino superior, propriamente dito, iniciou-se com o segmento público, quando terminou a 2ª Grande Guerra. Os fenômenos do populismo, da urbanização e escolarização feminina contribuíram na ampliação da educação superior, pois as matrículas, no nível de ensino em questão, cresceram de 1945 a 1964, uma média anual de 12,5%. No período de 1954 a 1964, houve a federalização das escolas isoladas estaduais, municipais e particulares, criando-se as universidades federais, o que ensejou uma participação do segmento público na ordem de 81% das matrículas totais da educação superior. Neste sentido afirma Sousa (2003), que entre 1960 e 1980, o ensino superior público teve um acréscimo de matrículas na ordem de 480,3%, enquanto o privado atingiu o patamar de 843,7%, ou seja, quase o dobro. De maneira que a expansão do setor particular determinou a sua participação em 63% de todas as matrículas no ensino superior brasileiro, já ao final dos anos A educação superior Pós LDB A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 9.394/96 foi aprovada em 20 de Dezembro de 1996 conforme descrito a seguir: Constitui-se em marco de referência para o início do processo de reestruturação da educação superior no Brasil. Na verdade, o governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), a partir do seu primeiro mandato ( ), deu início a uma ampla reforma que objetivou modificar o panorama da educação no país, particularmente da educação superior. Nesse sentido, promoveu a elaboração e a aprovação de um arcabouço legal capaz de alterar as diretrizes e bases que davam sustentação ao modelo que vinha sendo implementado desde a reforma universitária de Além disso, introduziu mudanças concretas no padrão de avaliação, de financiamento, de gestão, de currículo e de produção do trabalho acadêmico, produzindo transformações significativas no campo universitário e na identidade das Instituições de Ensino Superior (IES) (CATANI E OLIVEIRA,s/d, p.1).

22 22 Silva (2012, p. 48), afirma que mesmo tendo passado 10 anos de LDB observa-se que existem ainda muitas diferenças sociais no Brasil e que também a sociedade não foi beneficiada com as mudanças, diante das expectativas criadas. A lei aprovada é o cumprimento de um programa ressalta Alves (2002), que se tornou um padrão simbólico de uma virada neoconservadora da educação no Brasil na década de 90, nos conformes da opinião neoliberal. Essa nova configuração possibilita a criação e expansão de universidades; centros universitários; faculdades integradas; faculdades, institutos superiores ou escolas superiores, ou seja, instituições que não tem por base a ideia da indisociabilidade da pesquisa, ensino e extensão, presente nas universidades. Para Cunha (2004, p. 795), essas mudanças, os centros universitários foram equiparados às universidades em sua autonomia para a criação, organização e extinção de novos cursos, além de outras questões definidas pelo Conselho Nacional de Educação A organização administrativa de instituições De acordo com os dados apresentados pelo site Brasil Escola (s/d) existe dois tipos de categorias para instituições de ensino superior que são: Públicas: que são criadas e mantidas pelo Poder Publico; Privadas: mantidas e comandadas por pessoas físicas ou jurídicas e são de direitos privados. Conforme Colombo e Rodrigues (2011), no art. 19 da Lei n 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, tratam das entidades mantenedoras como: Publicas que são criadas, sustentadas e conduzidas pelo Poder Publico e Privadas que são conservadas e administradas por pessoas físicas e também jurídicas de direito privado Organização acadêmica de instituições De acordo com o e-mec (2014), a organização acadêmica de instituições de ensino superior são credenciadas como: Universidades, Centros Universitários ou Faculdades. Apresenta também dados que orientam as IES nessa questão, como os de que primeiramente a instituição é credenciada como faculdade. A regularização como

23 23 universidade ou centro universitário depende do credenciamento da instituição já credenciada e estando funcionando regularmente. Segundo Sampaio (2005, p. 77), o art. 16 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, define que: As instituições de ensino superior brasileiras podem assumir as seguintes configurações organizacionais: instituições de ensino mantidas pela União, instituições de educação superior, criadas e mantidas pela iniciativa privada e órgãos federais de educação. A organização acadêmica para Moura (2009, p. 28), determina as instituições de ensino superior quanto a sua competência e responsabilidade. Neste sentido as instituições estão estruturadas como: Instituições Universitárias divididas em três formas: Universidades, Universidades Especializadas e Centros Universitários. Instituições não Universitárias que se entende como: Centros Federais de Educação Tecnológica, Centros de Educação Tecnológica, Faculdades Integradas, Faculdades Isoladas e Institutos Superiores de Educação. 2.2 A CONTRIBUIÇÃO DO SEGMENTO PRIVADO NO MOMENTO ATUAL DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Francisco, Burigo, Otani e Helou (2011, p. 12), ressaltam que as IES privadas, em 2009, representaram 74,6% do total das matrículas no ensino superior, respondendo por das matrículas brasileiras. Neste sentido Sampaio (2011, p. 41), afirma que a participação crescente do setor privado nos sistemas nacionais de ensino superior, mediante processos de internacionalização do capital e de globalização da oferta de educação superior, é um fenômeno mundial. De acordo com Bemfica (2014), a participação da IES cresceu 73% em apenas uma década. Descreve também impulsionado por políticas de governo, pelo aumento e oferta de financiamento, pela melhora geral no padrão econômico da população e por escassez no número de instituições públicas para atender o aumento da demanda, o ensino superior oferecido por instituições privadas, que vem passando por mudanças desde os anos 90, domina a oferta de cursos e vagas, para diferentes segmentos. Bemfica (2014, s/p) ainda apresenta alguns dados:

24 24 Os dados do Censo da Educação Superior de 2012 (os dados de 2013 só estarão consolidados no segundo semestre), elaborado pelo Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), deixam evidentes os tempos de bonança. Nos últimos 10 anos, o número total de matrículas em cursos de graduação no Brasil quase duplicou. Eram em 2003, quando a fatia da rede privada, de matrículas, chegava aos 70%. Em 2012, o total de matrículas saltou para E a participação das instituições particulares (com matrículas), subiu para 73%. Como a meta do Plano Nacional da Educação é dobrar o tamanho do ensino superior no país até 2020, o futuro também se mostra promissor. No parágrafo acima, o autor ressalta o grande crescimento de matrículas que houve em cursos de graduação no Brasil no ano de INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR ENQUANTO ORGANIZAÇÕES COMPLEXAS Organizações complexas segundo Mainardes, Miranda e Correia (2011), são as IES de pequeno porte que apresentam alguns pontos parecidos à gestão de Micro, Pequenas e Médias empresas, em especial a importância dada à Visão como determinante da estratégia. Morgan (1996), afirma que é difícil ter uma definição específica de uma organização devido à variedade e exclusividade de suas características, que as tornam sem uma evidência científica única para todas, considerando por meio de seus estudos que as organizações são complexas com características peculiares. Baldrigde (1983), identifica as IES sem fins lucrativos, como instituições caracterizadas por objetivos redundantes. Tem sua natureza política com base em grupos de interesses e uma estrutura complexa. 2.4 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADAS E A SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA A gestão financeira das IES deve ser realizada a fim de garantir a sustentabilidade da organização. Diz respeito a uma ferramenta composta por vários apontadores úteis a tomada de decisão, apropriados de auxiliar os gestores educacionais na avaliação dos investimentos necessários ao bom funcionamento da organização. De acordo com Bittencourt e Palmeira (s/d), gestão financeira é um conjugado de atividades administrativas que abrangem as bases da administração, planejamento, análise e

25 25 controle, com a finalidade de maximizar os derivados econômicos ou financeiros provocados pelas operações empresariais. Segundo Gitman (2004), gestão financeira é um instrumento utilizado para controlar da forma mais diligente possível, no que diz respeito ao consentimento de credito para clientes, planejamento, analise de investimento e de meios viáveis para a aquisição de recursos para financiar intervenções e atividades da empresa, mirando sempre o desenvolvimento, impedindo gastos dispensáveis, desperdícios, observando as melhores alternativas para a direção financeira da organização. Capelato (2001), afirma que um dos pilares da gestão de qualquer empresa, ou seja, compreendendo também uma instituição de ensino superior privada, é justamente a sustentabilidade financeira. A busca da sustentabilidade pelas instituições de ensino algumas vezes esbarra em duas questões respeitáveis: a falta de informações para o controle financeiro e a falta de parâmetros de mercado para críticas comparativas e amarração de metas. 2.5 GESTÃO ESTRATÉGICA A partir do contexto da estrutura das IES, que prevê a racionalização e a funcionalidade, tornando-as uma organização administrável e do contexto ambiental em que estas organizações estão inseridas, a gestão estratégica se torna fundamental para a obtenção de resultados positivos nas atividades que se propõem. Neste sentido dados disponibilizados no Portal Gestão e Inovação, diz que a mesma é o processo de desenvolvimento e execução de uma série de ações competitivas para ampliar o sucesso da organização, tanto no presente como no futuro. O portal do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (s/d), afirma que a gestão estratégica é arranjar com que a estratégia da organização seja seguida, analisada e realinhada de forma ordenada por meio de um artifício eficaz, utilizando-se de reuniões com foco na tomada de decisão, incluindo como alvo essencial, a estratégia da organização. Segundo Gama Filho e Carvalho (1998), gestão estratégica é um processo aplicado e respectivo, por meio do qual uma IES, pode construir sua missão, objetivos e metas, bem como escolher as estratégias e os meios para igualar seus objetivos em certo tempo, sendo que uma das maneiras de facilitar esse processo é por meio de constante integração com o meio ambiente externo.

26 26 Por outro lado, conforme afirmam Tachizawa e Andrade (2006), o conceito de gestão pode ser mais amplo, para efeito metodológico, mediante a interação de atividades de controle estratégico de variáveis internas e externas á instituição de ensino, utilizando, principalmente indicadores de gestão, de qualidade e de desempenho. O conceito de gestão estratégica, para Braga e Monteiro (2005, p. 150), é um processo administrativo que visa dotar a instituição da capacidade de antecipar novas mudanças e ajustar as estratégias vigentes com a necessária velocidade e efetividade sempre que for necessário. No entender de Santos (2008, p. 326), o procedimento de gestão estratégica é composto por numerosos elementos e amplia-se de maneira sequencial, em dois subgrupos: a formulação da estratégia a implantação da estratégia Gestão Estratégica em Instituições de Ensino Superior Atualmente o tema Gestão da Estratégia, tornou-se um fator de grande importância para a competitividade das organizações afirma Mangels (2005), dos mais diversos setores, como ONGs, instituições sem e com fins lucrativos, entidades públicas e governos, estão cada vez mais preocupados em se garantir na atividade em que atuam, assumindo objetivos claros junto aos seus stakeholders. Mediante a complexidade das organizações escolares e sua forma de estruturação ambígua, não se pode deixar de complementar pela citação de Meyer e Lopes (2008), que este contexto complexo de organizações da educação somente pode ser enfrentado como uma gestão profissional reunindo características como visão estratégica e capacidade de inovação. Para Sabia e Rossinholi (2001), as IES proporcionam uma gestão tradicional, que possui uma composição organizacional verticalizada, com forma piramidal, na qual cada função hierarquicamente inferior está sob controle e administração da mais alta, ou seja, aquela que lhe é seguidamente superior, afirmando integração de controle. A gestão das organizações para Meyer e Lopes (2008), tem uma relevância fundamental para alcance dos objetivos e para o cumprimento de sua missão. Diversas são as razões que tornam necessária a gestão de uma organização escolar: definição de objetivos, integração de recursos, desempenho das ações integradas, liderar pessoas e atender as expectativas individuais e sociais.

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO VERÃO 2016

EDITAL PROCESSO SELETIVO VERÃO 2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO VERÃO 2016 A União Dinâmica de Faculdades Cataratas UDC S/C LTDA, mantenedora das Instituições: - Centro Universitário Dinâmica das Cataratas Faculdades Anglo-Americano e a Diretiva

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES 2013 INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES Este documento visa orientar as ações para a inscrição de estudantes irregulares no de anos anteriores e esclarecer as dúvidas que possam aparecer durante o processo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200 PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 529, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS?

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS? A Pós-Graduação da PUCRS é a porta de entrada para um novo momento da sua vida profissional e acadêmica. Você pode ampliar habilidades, fomentar ideias e adquirir conhecimento com experiências inovadoras

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

ENADE 2004/2013. Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar. Pró-Reitoria de Ensino

ENADE 2004/2013. Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar. Pró-Reitoria de Ensino ENADE Guia para o registro da situação do aluno no histórico escolar Pró-Reitoria de Ensino 2004/2013 Paulo César Pereira Reitor Diretoria Executiva José Sérgio Sarmento Garcia Pró-Reitoria de Administração

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE

CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE Kátia M.V.G.Segovia 1 ; Tallyrand M..Jorcelino 2, Uziel S.Alves 3, Alice M.Ribeiro 4 Autor: Graduanda em Licenciatura em Biologia

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Projeto ped 01 Título: Orientador: E-mail Curso: Resumo

Projeto ped 01 Título: Orientador: E-mail Curso: Resumo Projeto ped 01 Título: Contribuições de Programas de Iniciação à docência na formação do aluno de Pedagogia: a experiência do Projeto Bolsa Alfabetização e PIBID na Universidade Municipal de São Caetano

Leia mais